Confraria Papas S. Miguel

116 visualizações

Publicada em

Trabalho sobre Confraria Papas S. Migue

Feito por Amadeu Castro

Publicada em: Alimentos
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
116
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Confraria Papas S. Miguel

  1. 1. Confraria Papas S. Miguel
  2. 2. Enquadramento histórico  Em Oliveira de Azeméis, no dia 29 de Setembro, dia do seu padroeiro S. Miguel, é costume comerem-se estas papas. Uma tradição gastronómica que prevalece à mais de 200 anos, não se sabendo exactamente a data de início deste uso e costume, dados de D. Isabel Calejo, apoiando-se na descrição de seu avô. D. Isabel Calejo de 84 anos, é a Fundadora do Grupo Folclórico de Cidacos em 1960, Presidente da Direcção do mesmo Grupo assim como Fundadora da Federação do Folclore Português e membro da CIOFF (Confederação Internacional de Organizações de Festivais de Folclore) - da delegação de Portugal.
  3. 3. Papas S. Miguel ( 4 pax )  250 g de feijão branco ou manteiga;  250 g de vinha-d`alho (coiratos de porco em vinho tinto, sal e alhos durante 2 dias);  1 molho de nabiças;  farinha de milho;  sal;  2 ossos de suã .
  4. 4. Confeção  Dois dias antes, põe-se de molho, em vinho tinto, 250 g de coiratos de porco, com sal e alguns dentes de alho cortados. No próprio dia, demolha-se e coze-se o feijão. Entretanto, cortam-se as nabiças como para caldo-verde. Quando o feijão estiver cozido, juntam-se-lhe os coiratos escorridos. Deixa-se cozer bem os coiratos, juntando de seguida as nabiças. Usando a água de cozer os coiratos, as nabiças e o feijão (em parte ou na totalidade) engrossa-se com farinha de milho, até se obter a espessura desejada, pois estas papas podem ser ralas como espessas, conforme o gosto de cada um, não esquecendo o tempêro de sal. Serve-se em malgas, assim que a farinha estiver cozida. Aguarda-se 5 a 10 minutos antes de as comer, por forma a ganhar uma capa um pouco dura. Esta receita é a genuína, no entanto à quem as faça com ligeiras alterações, adicionando condimentos por forma a retirar parte da intensidade do sabor do vinha-d`alho.

×