7 biossegurança laboratorial

47.028 visualizações

Publicada em

0 comentários
20 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
47.028
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
114
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1.396
Comentários
0
Gostaram
20
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

7 biossegurança laboratorial

  1. 1. BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL Profº Adriana Sierra
  2. 2. DEFINIÇÃO• Biossegurança é a ciência voltada para a prevenção, controle, minimização e eliminação de riscos na prática de diferentes tecnologias, seja em instituições de saúde ou aplicadas ao meio ambiente .• Deve proteger a saúde humana, animal, o meio ambiente, os materiais e qualidade de trabalho .
  3. 3. BIOSSEGURANÇA• Situação: Existem Tecnologias disponíveis para eliminar ou minimizar os riscos.• Problema: Comportamento dos profissionais e falta de vacinação• Anos 70, profissionais de saúde possuem mais casos de infecções como Hep e TB do que os de outras atividades
  4. 4. BIOSSEGURANÇA• Inglaterra: TB cinco vezes maior• Dinamarca: Hep sete vezes maior• “De nada adianta usar luvas de boa qualidade e atender ao telefone ou abrir a porta usando as mesmas luvas, pois outras pessoas tocarão nesses objetos sem proteção alguma”
  5. 5. APLICAÇÕES• Laboratórios de ensino e pesquisa.• Hospitais.• Consultórios e outras instituições de saúde.• Biotérios.
  6. 6. SIMBOLOGIA Proibido a entrada de pessoasRisco Biológico Material nocivo ou irritante
  7. 7. SIMBOLOGIAMaterial corrosivo Material radioativo Material tóxico
  8. 8. SIMBOLOGIA ProteçãoProteção obrigatória obrigatória para para os pés as mãosUso obrigatório de Uso obrigatório de máscara integral óculos de proteção
  9. 9. SIMBOLOGIA Explosivo InflamávelProibido fumar Extintor
  10. 10. BOAS PRÁTICAS: ÁREA• Ambiente amplo FÍSICA• Paredes, teto e chão de materiais de fácil limpeza e antiderrapante• Iluminação, Água e voltagem dos aparelhos• Bancadas fixas, impermeáveis e resistentes• Mobília de fácil limpeza• Portas fechadas e/ou do tipo “vai e vem”• Objetos pessoais, alimentação e estocagem em áreas próprias• Autoclave em local próprio• Piso antiderrapante, impermeável, resistente a produtos químicos e de fácil limpeza.• Refeitório ou copa: situar-se fora da área técnica de trabalho• Ventilação: Manutenção dos filtros dos condicionadores de ar e capelas.
  11. 11. BOAS PRÁTICAS: ÁREA FÍSICA
  12. 12. BOAS PRÁTICAS: ROTULAGEM
  13. 13. BOAS PRÁTICAS: ROTULAGEM – Inflamabilidade (vermelho) – Riscos à Saúde (azul)4 - Letal 4 - Abaixo de 23ºC3 - Muito Perigoso 3 - Abaixo de 38ºC2 - Perigoso 2 - Abaixo de 93ºC1 - Risco Leve 1 - Acima de 93ºC0 - Material Normal 0 - Não queima – Reatividade (amarelo) – Riscos Específicos 4 - Pode explodir (branco) 3 - Pode explodir com choque mecânico ouOX - Oxidante calorACID - Ácido 2 - Reação químicaALK - Álcali (Base) violentaCOR - Corrosivo 1 - Instável se aquecido
  14. 14. BOAS PRÁTICAS: UNIFORMES
  15. 15. BOAS PRÁTICAS: UNIFORMES
  16. 16. BOAS PRÁTICAS: CABELOS E ROSTO
  17. 17. BOAS PRÁTICAS: CABELOS
  18. 18. BOAS PRÁTICAS: ADEREÇOS
  19. 19. BOAS PRÁTICAS: CALÇADOS
  20. 20. BOAS PRÁTICAS: UNHAS
  21. 21. BOAS PRÁTICAS: ALIMENTOS
  22. 22. BOAS PRÁTICAS: CIGARRO
  23. 23. BOAS PRÁTICAS: PRAGAS
  24. 24. BOAS PRÁTICAS: ANIMAIS E PLANTAS
  25. 25. BOAS PRÁTICAS: PIPETAS
  26. 26. BOAS PRÁTICAS: AGULHAS
  27. 27. BOAS PRÁTICAS: LAVAGEM DAS MÃOS
  28. 28. BOAS PRÁTICAS: ATENÇÃO
  29. 29. BOAS PRÁTICAS: LIXO
  30. 30. BOAS PRÁTICAS: CASOS
  31. 31. BOAS PRÁTICAS: CASOS
  32. 32. BOAS PRÁTICAS: CASOS
  33. 33. ANÁLISE DOS RISCOS• Riscos Ambientais: probabilidade de ocorrer um dano físico, econômico e/ou social – Físicos – Químicos – Ergonômicos – Biológicos – Acidentes
  34. 34. RISCOS FÍSICOS“Riscos provocados por algum tipo de energia”• Equipamentos que geram calor ou chamas• Equipamentos de baixa temperatura (frio)• Radiação:Raio X• Ruídos e vibrações
  35. 35. RISCOS FÍSICOS: AUTOCLAVE
  36. 36. RISCOS QUÍMICOS• Contaminantes do ar (poeira)• Fumos, névoas, neblinas, gases, vapores• Substâncias tóxicas (inalação, absorção ou ingestão)• Substâncias explosivas e inflamáveis• Substâncias irritantes e nocivas• Substâncias oxidantes• Substâncias corrosivas• Substâncias cancerígenas
  37. 37. RISCOS ERGONÔMICOS“Elementos físicos e organizacionais que interferem no conforto e saúde”• Postura inadequada no trabalho• Iluminação e ventilação inadequadas• Jornada de trabalho prolongada, monotonia• Esforços físicos intensos repetitivos• Assédio moral (efeito psicológico)• Lesões: calor localizado, choques, dores, dormência, formigamentos, fisgadas, inchaços, pele avermelhada, e perda de força muscular.
  38. 38. RISCOS DE ACIDENTES• Primário: é a própria fonte de risco, quando por si só já é um risco Ex. material perfuro-cortante• Secundário: é a própria fonte de riscos + a condição insegura ligada ao humano Ex. material perfuro-cortante descartado em lixos comuns
  39. 39. ACIDENTES: Causas associadas• Fatores sociais• Ausência/precária capacitação e treinamento do pessoal• Mal planejamento do trabalho• Supervisão inadequada ou inapta• Não observância das normas de biossegurança• Práticas de trabalho inadequada e manutenção incorreta• Mal uso de EPI e EPC• Uso de materiais de origem desconhecida e origem duvidosa• Higiene pessoal e jornada excessiva de trabalho
  40. 40. RISCOS DE ACIDENTES• Equipamentos de vidro• Equipamentos e instrumentos perfuro- cortantes ou defeituosos• Iluminação inadequada• Equipamentos que utilizam gases• Equipamentos de engrenagem, sistema de trituração e emissão de ultra som• Eletricidade, incêndio e explosão
  41. 41. RISCOS BIOLÓGICOS“Amostras provenientes de seres vivos”• Plantas• Animais• Bactérias• Fungos• Protozoários• Insetos• Amostras biológicas de animais e seres humanos como sangue, urina, escarro, fezes, secreções...)
  42. 42. ANÁLISE DE RISCOS AMBIENTAISMapa de Risco• Representação gráfica dos riscos à saúde identificados pela CIPA de cada um dos diversos locais de trabalho de uma empresa.
  43. 43. MAPA DE RISCOS• Conhecer o processo• Identificar os riscos• Identificar as medidas preventivas• Identificar os indicadores de saúde• Conhecer os levantamentos ambientais já realizados no local• Elaborar o mapa de risco sobre a planta e fixar em placa em local visível
  44. 44. NÍVEIS DE BIOSSEGURANÇA• Requisitos crescentes de segurança para o manuseio dos agentes biológicos, terminando no maior grau de contenção e complexidade do nível de proteção.• O nível de Biossegurança exigido para um ensaio será determinado pelo agente biológico de maior classe de risco envolvido no ensaio.
  45. 45. NÍVEL DE BIOSSEGURANÇA 1• Nível de contenção laboratorial que se aplica aos laboratórios de ensino básico, onde são manipulados os microrganismos pertencentes a classe de risco 1.• Não é requerida nenhuma característica de desenho estrutural, além de um bom planejamento espacial e funcional e a adoção de Boas Práticas Laboratoriais.
  46. 46. NÍVEL DE BIOSSEGURANÇA 1• Lactobacilos• Microorganismos não patogênicos
  47. 47. NÍVEL DE BIOSSEGURANÇA 2• Diz respeito ao laboratório em contenção, onde são manipulados microrganismos da classe de risco 2.• Se aplica aos laboratórios clínicos ou hospitalares de níveis primários de diagnóstico, sendo necessário, além da adoção das boas práticas, o uso de barreiras físicas primárias (cabine de segurança biológica e equipamentos de proteção individual) e secundárias (desenho estrutural e organização do laboratório ).
  48. 48. NÍVEL DE BIOSSEGURANÇA 2• Chlamydia trachomatis• Escherichia coli e outros coliformes fecais• Helicobacter pylori• Staphylococcus aureus• Protozoários intestinais• Diversos fungos
  49. 49. NÍVEL DE BIOSSEGURANÇA 3• Destinado ao trabalho com microrganismos da classe de risco 3 ou para manipulação de grandes volumes e altas concentrações de organismos da classe de risco 2.• Para este nível de contenção são requeridos além dos itens referidos no nível 2, desenho e construção laboratoriais especiais.• Deve ser mantido controle rígido quanto a operação, inspeção e manutenção das instalações e equipamentos e o pessoal técnico deve receber treinamento específico sobre procedimentos de segurança para a manipulação destes microrganismos.
  50. 50. NÍVEL DE BIOSSEGURANÇA 3• M. tuberculosis.• HIV.
  51. 51. NÍVEL DE BIOSSEGURANÇA 4• Laboratório de contenção máxima, destina-se a manipulação de microrganismos da classe de risco 4.• Onde há o mais alto nível de contenção, além de representar uma unidade geográfica e funcionalmente independente de outras áreas.• Esses laboratórios requerem, além dos requisitos físicos e operacionais dos níveis de contenção 1, 2 e 3, barreiras de contenção (instalações, desenho e equipamentos de proteção) e procedimentos especiais de segurança.
  52. 52. NÍVEL DE BIOSSEGURANÇA 4• Vírus• Vírus Ébola• Vírus da Gripe H1N1
  53. 53. NORMAS PARA O TRABALHO NO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA• 1-Somente deverão ser autorizadas a entrar no laboratório pessoas que tenham sido informadas sobre os possíveis riscos e satisfaçam os requisitos que se exigem para o acesso;• 2-Toda amostra deve ser considerada potencialmente contaminada;• 3-O laboratório deve ser mantido limpo e em ordem, devendo ser dele retirados quaisquer materiais que não tenham relação com o trabalho;• 4-Não se deve colocar na bancada de trabalho do laboratório: bolsas, material escolar, livros, utensílios pessoais, outros;• 5-É preciso retirar todos os acessórios pessoais (brincos, anéis, relógios, pulseiras etc.);
  54. 54. NORMAS PARA O TRABALHO NO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA• 6-Deve-se desinfetar as bancadas de trabalho com álcool a 70º antes e depois do trabalho prático;• 7-Lavar cuidadosamente as mãos antes (após a desinfecção da bancada) e depois do trabalho prático. Se for portador de algum ferimento nas mãos, procurar não tocar no material ou fazer uso de luvas próprias.• 8-Usar obrigatoriamente jaleco no laboratório (protege o vestuário de contaminação e de manchas provocadas pelos reagentes).• 9-Usar sapatos fechados e confortáveis.• 10-Não comer, beber, fumar ou aplicar comésticos no laboratório.• 11-Não levar à boca o material de trabalho (lápis, canetas, etc) e evitar colocar as mãos na boca, nos olhos e no nariz.
  55. 55. NORMAS PARA O TRABALHO NO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA• 12-Sempre que for necessário proteja os olhos e o rosto, de respingos ou impactos usando óculos de segurança e/ou máscaras.• 13-Observar a postura adequada sem se debruçar na bancada.• 14-Em qualquer tipo de acidente (derramamento de cultura, ferimento etc.) deve-se comunicar imediatamente o fato ao professor ou técnico presente• 15-Evitar o uso de barba e proteger os cabelos da chama do bico de Bunsen e de contaminação microbiana, mantendo-os presos.• 16-Todo material contaminado (pipeta, bastão, lâminas, lamínulas etc.) deve ser colocado em recipiente adequado (Becker ou provetas com desinfetante)• 17-JAMAIS DEIXE SOBRE A BANCADA OU SOBRE A PIA LÂMINAS, PLACAS E INSTRUMENTOS INFECTADOS;
  56. 56. NORMAS PARA O TRABALHO NO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA• 18-Os tubos de ensaio e as placas de Petri com os meios de cultura, inclusive aqueles com crescimento de microrganismos SÓ PODERÃO SER ABERTOS NAS PROXIMIDADES DA CHAMA DO BICO DE BUNSEN.• 19-JAMAIS COLOQUE NO BOLSO OU DEITADOS NA BANCADA os tubos de ensaio com culturas;• 20-Não pipete com a boca material infeccioso ou tóxico; proteja a ponta superior das pipetas com algodão antes da esterilização;• 21-Todos os procedimentos devem ser efetuados de maneira a se evitar, ao máximo, a formação de aerossóis;• 22-NUNCA coloque o tampão de algodão sobre a bancada;
  57. 57. NORMAS PARA O TRABALHO NO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA• 23-Ouvidos têm que estar desobstruídos de qualquer tipo de equipamento sonoro;• 24- Não pipetar produtos com a boca, usar sempre os dispositivos mecânicos.• 25-Não levar o material usado nas aulas práticas para fora do laboratório.• 26-Colocar o material contaminado (pipetas, espátulas, alças, fios retos, lâminas e lamínulas) após a sua utilização em recipientes próprios contendo desinfectante.• 27-Os cultivos após a leitura devem ser esterilizados, portanto não os colocar na estufa ou despejar na pia• 28-Ao acender o Bico de Bunsen, verificar se não há vazamento de gás ou substâncias inflamáveis por perto. Desligá-lo após o uso.
  58. 58. NORMAS PARA O TRABALHO NO LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA• 29-Aquecer as alças de repicagem no bico de Bunsen ao rubro antes e após a sua utilização e esperar que esfrie próximo a chama.• 30-No final da sessão, o local de trabalho deve ficar devidamente limpo e arrumado.• 31-Verificar se o microscópio fica desligado, limpar as objetivas e colocar a capa protetora.• 32-Verificar se o gás está desligado.• 33-Trabalhar com seriedade e atenção, evitando brincadeiras e conversas desnecessárias.

×