UNIVERSIDADE SÉNIOR
CONTEMPORÂNEA
1
UNIVERSIDADE SÉNIOR
CONTEMPORÂNEA
• PATRIMÓNIO CULTURAL E
PAISAGÍSTICO PORTUGUÊS
Professor Doutor Artur Filipe dos Santos
2
UNIVERSIDADE SÉNIOR
CONTEMPORÂNEA
• Museu Nacional do Teatro
Professor Doutor Artur Filipe dos Santos
3
"A cultura é aquilo que permanece no
homem quando ele já esqueceu tudo o
resto.“
Emile Henriot, químico
4
"A cultura é a busca da nossa
perfeição total mediante a
tentativa de conhecer o
melhor possível o que foi dito
ou pensado...
"o conceito de cultura
contemporânea, tão
apregoado, tem muito pouco
que ver com a mera produção
de objectos e eventos
cul...
A cultura
contemporânea, entendida
como criatividade, é hoje um
dos principais motores das
sociedades desenvolvidas e
está...
Ela emerge da capacidade de
inovação das comunidades e
dos indivíduos, assente no
acesso e partilha dos novos
saberes e da...
E também, claro está, do
conhecimento da história e do
património que é
essencialmente matéria do
ensino e da museologia.“...
"A arte é um património
cultural da humanidade, e
todo ser humano tem direito
ao acesso a esse saber"
Lei de Directrizes e...
Arte (do latim ars, significando
técnica e/ou habilidade) geralmente
é entendida como a atividade
humana ligada a manifest...
A arte vale-se para isso de uma
grande variedade de meios e
materiais, como a arquitetura, a
escultura, a pintura, a escri...
Numeração das artes
A numeração das artes refere-
se ao hábito de estabelecer
números para designar
determinadas manifesta...
Por exemplo o termo "sétima
arte", usado para designar o
cinema, foi estabelecido pelo
cineasta e crítico de cinema, o
ita...
Posteriormente, foram propostas outras formas
de arte, umas mais ao menos consensuais, outras
que foram prontamente aceita...
Presentemente, esta é a
numeração das artes mais
consensual, sendo no entanto
apenas indicativa, onde cada
uma das artes é...
1ª Arte - Música (som);
2ª Arte - Dança/Coreografia
(movimento);
3ª Arte - Pintura (cor);
4ª Arte - Escultura (volume);
5ª...
18
Outras formas expressivas também consideradas artes foram
posteriores adicionadas à numeração proposta pelo manifesto
d...
Teatro, do grego θέατρον (théatron), é
uma forma de arte em que um ator ou
conjunto de atores, interpreta uma
história ou ...
Segundo a Enciclopédia Britannica, a palavra teatro deriva do grego
theaomai (θεάομαι) - olhar com atenção, perceber, cont...
Existem várias teorias sobre a origem do
teatro. Segundo Oscar G.
Brockett, nenhuma delas pode ser
comprovada, pois existe...
O primeiro evento com diálogos registrado foi uma apresentação
anual de peças sagradas no Antigo Egito do mito de Osíris e...
23
Gil Vicente (c. 1465 — c. 1536?) é geralmente considerado o
primeiro grande dramaturgo português, além de poeta de
reno...
24
O Museu Nacional do Teatro é o museu nacional e o grande arquivo
das memórias e da História das artes do espectáculo em...
O Museu está instalado no
Palácio Monteiro-Mor, um
edifício do século XVIII que
foi restaurado e adaptado
especificamente ...
Estas incluem trajes e adereços de
cena, cenários, figurinos, cartazes, progra
mas, discos e partituras e cerca de
120.000...
O Museu Nacional do Teatro apresenta
periodicamente exposições temporárias
dedicadas a companhias de teatro, a
figuras lig...
O Museu Nacional do Teatro foi
oficialmente criado em 1982, através
do Decreto-Lei nº 241/82, de 22 de
Junho, no qual são ...
Sendo o museu nacional e o grande arquivo das
artes do espectáculo em Portugal, o seu objectivo
é recolher, preservar, reg...
A sua missão estratégica é
informar, formar, educar e divertir o
público que a ele
acorre, afirmando-se, de forma
clara, c...
Inicialmente concebido e dedicado, em
exclusivo, à apresentação de exposições
temporárias (desde a sua fundação até
2002, ...
Esta exposição, baseada numa
estrutura e num percurso
permanentes nos quais as peças
vão periodicamente
rodando, permite u...
Na galeria situada no edifício
fronteiro à recepção/loja
continuam a ser apresentadas
exposições temporárias
dedicadas a t...
Desde o início do século XX que se assinalam tentativas
dispersas, tendentes à criação de um Museu do Teatro, assim
procur...
Em 4 de Fevereiro de 1985, o Museu foi
inaugurado, ficando instalado num
edifício do século XVIII, o antigo Palácio
do Mon...
As colecções do Museu, cuja
constituição começou, a partir do
zero, em 1979, têm actualmente
cerca de 300 000
espécies, en...
O Museu tem apresentado sempre
exposições temporárias dedicadas
a companhias
teatrais, personalidades ligadas ao
mundo do ...
Palácio do Monteiro-Mor – História
O nome de Monteiro-Mor, consagrado da
toponímia local desde meados do século
XVIII, foi...
Confinante com a casa do
Nobre, constituiu-se por compras
sucessivas a vários proprietários, uma
grande quinta, de que vir...
A este último mereceu-lhe o jardim
botânico particulares cuidados, tendo-
se iniciado na década de 1750 sob
orientação do ...
Palácio do Monteiro-Mor – História
Consta que em 1793 o jardim botânico era já
citado como sendo um dos três mais belos
ja...
42
Em 1970, um enorme incêndio destrói quase todo o
Palácio, deixando de pé apenas as suas paredes exteriores. A
represent...
Palácio do Monteiro-Mor – História
Em 1978, Vítor Pavão dos Santos propõe a
criação de um Museu do Teatro naquele
Palácio,...
44
Felizmente, e também, uma vez mais, depois de insistência
de Vítor Pavão dos Santos, optou-se pela reconstrução das
fac...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Museu Nacional do Teatro - Património Cultural e Paisagístico Português - Universidade Sénior Contemporânea do Porto

302 visualizações

Publicada em

Museu Nacional do Teatro: matéria leccionada pelo Professor Doutor Artur Filipe dos Santos no âmbito da cadeira de Património Cultural e Paisagístico Português, da Universidade Sénior Contemporânea do Porto

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
302
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Museu Nacional do Teatro - Património Cultural e Paisagístico Português - Universidade Sénior Contemporânea do Porto

  1. 1. UNIVERSIDADE SÉNIOR CONTEMPORÂNEA 1
  2. 2. UNIVERSIDADE SÉNIOR CONTEMPORÂNEA • PATRIMÓNIO CULTURAL E PAISAGÍSTICO PORTUGUÊS Professor Doutor Artur Filipe dos Santos 2
  3. 3. UNIVERSIDADE SÉNIOR CONTEMPORÂNEA • Museu Nacional do Teatro Professor Doutor Artur Filipe dos Santos 3
  4. 4. "A cultura é aquilo que permanece no homem quando ele já esqueceu tudo o resto.“ Emile Henriot, químico 4
  5. 5. "A cultura é a busca da nossa perfeição total mediante a tentativa de conhecer o melhor possível o que foi dito ou pensado no mundo, em todas as questões que nos dizem respeito.” Arnold Mathew, filósofo 5
  6. 6. "o conceito de cultura contemporânea, tão apregoado, tem muito pouco que ver com a mera produção de objectos e eventos culturais convencionais, como exposições, peças de teatro, filmes ou literatura. 6
  7. 7. A cultura contemporânea, entendida como criatividade, é hoje um dos principais motores das sociedades desenvolvidas e está presente em praticamente todas as actividades humanas, das económicas à política, passando pelos próprios modos de vida e comportamentos sociais. 7
  8. 8. Ela emerge da capacidade de inovação das comunidades e dos indivíduos, assente no acesso e partilha dos novos saberes e da ousadia de uma constante experimentação sem limites. 8
  9. 9. E também, claro está, do conhecimento da história e do património que é essencialmente matéria do ensino e da museologia.“ Leonel Moura, artista conceitual português cuja obra em fins da década de 1990 passou da fotografia para a inteligência artificial e arte robótica 9
  10. 10. "A arte é um património cultural da humanidade, e todo ser humano tem direito ao acesso a esse saber" Lei de Directrizes e Bases da Educação Nacional, Brasil 10
  11. 11. Arte (do latim ars, significando técnica e/ou habilidade) geralmente é entendida como a atividade humana ligada a manifestações de ordem estética ou comunicativa, realizada a partir da percepção, das emoções e das ideias, com o objetivo de estimular essas instâncias da consciência e dando um significado único e diferente para cada obra. 11
  12. 12. A arte vale-se para isso de uma grande variedade de meios e materiais, como a arquitetura, a escultura, a pintura, a escrita, a música, a dança, a fotografia, o teatro e o cinema. 12
  13. 13. Numeração das artes A numeração das artes refere- se ao hábito de estabelecer números para designar determinadas manifestações artísticas. 13
  14. 14. Por exemplo o termo "sétima arte", usado para designar o cinema, foi estabelecido pelo cineasta e crítico de cinema, o italiano Ricciotto Canudo no "Manifesto das Sete Artes" , em 1912 (publicado apenas em 1923). 14
  15. 15. Posteriormente, foram propostas outras formas de arte, umas mais ao menos consensuais, outras que foram prontamente aceitas como o caso da 9ª Arte, que hoje em dia é uma expressão tão utilizada para designar a "banda desenhada”, como o é 7ª arte para o cinema. 15
  16. 16. Presentemente, esta é a numeração das artes mais consensual, sendo no entanto apenas indicativa, onde cada uma das artes é caracterizada pelos elementos básicos que formatam a sua linguagem e foram classificadas da seguinte forma: 16
  17. 17. 1ª Arte - Música (som); 2ª Arte - Dança/Coreografia (movimento); 3ª Arte - Pintura (cor); 4ª Arte - Escultura (volume); 5ª Arte - Teatro (representação); 6ª Arte - Literatura (palavra); 7ª Arte - Cinema (integra os elementos das artes anteriores mais a 8ª e no cinema de animação a 9ª). 17 João Villaret
  18. 18. 18 Outras formas expressivas também consideradas artes foram posteriores adicionadas à numeração proposta pelo manifesto de Ricciotto Canudo : 8ª Arte - Fotografia (imagem) ; 9ª Arte - Banda desenhada (cor, palavra, imagem); 10ª Arte - Jogos eletrônicos (alguns jogos integram elementos de todas as artes anteriores somado a 11ª, porém no mínimo, ele integra as 1ª, 3ª, 4ª, 6ª, 9ª arte somadas a 11ª desde a Terceira Geração); 11ª Arte - Arte digital (integra artes gráficas computorizadas 2D, 3D e programação).
  19. 19. Teatro, do grego θέατρον (théatron), é uma forma de arte em que um ator ou conjunto de atores, interpreta uma história ou atividades para o público em um determinado lugar, tendo como objetivo apresentar uma situação e despertar sentimentos no público. Também denomina-se teatro o local apropriado para esta forma de arte. No entanto, para além do espaço onde uma peça é interpretada, teatro designa também a própria representação do texto dramático. 19
  20. 20. Segundo a Enciclopédia Britannica, a palavra teatro deriva do grego theaomai (θεάομαι) - olhar com atenção, perceber, contemplar (1990, vol. 28:515). Theaomai não significa ver no sentido comum, mas sim ter uma experiência intensa, envolvente, meditativa, inquiridora, a fim de descobrir o significado mais profundo; uma cuidadosa e deliberada visão que interpreta seu objeto (Theological Dictionary of the New Testament vol.5) 20
  21. 21. Existem várias teorias sobre a origem do teatro. Segundo Oscar G. Brockett, nenhuma delas pode ser comprovada, pois existem poucas evidencias e mais especulações. Antropólogos ao final do século XIX e no início do XX, elaboraram a hipótese de que este teria surgido a partir dos rituais primitivos (History of Theatre. Allyn e Bacon 1995 pg. 1). 21
  22. 22. O primeiro evento com diálogos registrado foi uma apresentação anual de peças sagradas no Antigo Egito do mito de Osíris e Ísis, por volta de 2500 AC (Staton e Banham 1996 pg. 241), que conta a história da morte e ressurreição de Osíris e a coroação de Horus ( Brockett, pg. 9). A palavra 'teatro' e o conceito de teatro, como algo independente da religião, só surgiram na Grécia de Pisístrato (560-510a.C.), tirano ateniense que estabeleceu uma dinâmica de produção para a tragédia e que possibilitou o desenvolvimento das especificidades dessa modalidade 22
  23. 23. 23 Gil Vicente (c. 1465 — c. 1536?) é geralmente considerado o primeiro grande dramaturgo português, além de poeta de renome. Enquanto homem de teatro, parece ter também desempenhado as tarefas de músico, actor e encenador. É frequentemente considerado, de uma forma geral, o pai do teatro português, ou mesmo do teatro ibérico já que também escreveu em castelhano - partilhando a paternidade da dramaturgia espanhola com Juan del Encina. Frontispício do Auto de Inês Pereira, de Gil Vicente.
  24. 24. 24 O Museu Nacional do Teatro é o museu nacional e o grande arquivo das memórias e da História das artes do espectáculo em Portugal. Através das suas colecções, procura desenvolver o conhecimento tanto da história e da situação actual das artes do espectáculo, bem como tratar, conservar preservar, organizar, investigar, documentar e divulgar todas as suas colecções.
  25. 25. O Museu está instalado no Palácio Monteiro-Mor, um edifício do século XVIII que foi restaurado e adaptado especificamente para este efeito. Actualmente, a colecção do museu, que começou a ser constituída em 1979, já apresenta perto de 250.000 peças. 25
  26. 26. Estas incluem trajes e adereços de cena, cenários, figurinos, cartazes, progra mas, discos e partituras e cerca de 120.000 fotografias. Existe também uma biblioteca especializada com 35.000 volumes. 26
  27. 27. O Museu Nacional do Teatro apresenta periodicamente exposições temporárias dedicadas a companhias de teatro, a figuras ligadas ao mundo do espectáculo e a aspectos menos conhecidos do teatro e de todas as actividades das Artes do Espectáculo em geral. 27
  28. 28. O Museu Nacional do Teatro foi oficialmente criado em 1982, através do Decreto-Lei nº 241/82, de 22 de Junho, no qual são definidas todas as suas atribuições e competências, nomeadamente, “proc eder à recolha, conservação, identificação, es tudo, integração no seu contexto histórico, exposição e divulgação de espécies relativas ao teatro e a outras formas de espectáculo com ele relacionadas” 28
  29. 29. Sendo o museu nacional e o grande arquivo das artes do espectáculo em Portugal, o seu objectivo é recolher, preservar, registar, estudar e difundir as suas colecções, promovendo o conhecimento da história e da actividade contemporânea daquelas artes. 29
  30. 30. A sua missão estratégica é informar, formar, educar e divertir o público que a ele acorre, afirmando-se, de forma clara, como uma instituição de referência na museologia e na história das artes em Portugal. 30
  31. 31. Inicialmente concebido e dedicado, em exclusivo, à apresentação de exposições temporárias (desde a sua fundação até 2002, puderam ser vistas mais de 20 exposições, dedicadas a Companhias, actores e actrizes, cenógrafos e desenhadores teatrais), em 2003 é inaugurada no edifício principal do Museu (Palácio do Monteiro Mor) a primeira exposição de carácter permanente – “Peças de teatro: as colecções do Museu” -, dando corpo a uma necessidade que, cada vez mais, se ia sentindo e manifestando das mais diversas formas e das quais a voz do público era a mais significativa. 31 Vasco Santana
  32. 32. Esta exposição, baseada numa estrutura e num percurso permanentes nos quais as peças vão periodicamente rodando, permite uma maior dinâmica museográfica e, em simultâneo, um maior conhecimento e entendimento, por parte dos visitantes, do vasto acervo que constitui este Museu e da forma como as suas colecções estão organizadas nas respectivas reservas. 32
  33. 33. Na galeria situada no edifício fronteiro à recepção/loja continuam a ser apresentadas exposições temporárias dedicadas a todos os aspectos que intervêm nas artes do espectáculo, quer através de colecções pertencentes ao acervo do Museu, quer privilegiando os criadores e a criação contemporânea. 33
  34. 34. Desde o início do século XX que se assinalam tentativas dispersas, tendentes à criação de um Museu do Teatro, assim procurando preservar a tão efémera memória das Artes do Espectáculo. No entanto, só em 1979, com a organização de uma grande exposição teatral dedicada à célebre "Companhia Rosas & Brasão (1880-1898)" foi possível concretizar essa aspiração. Começaram a partir de então a ser reunidas as colecções do futuro Museu, quase todas provenientes de doações, sendo o Museu oficialmente criado em 1982. 34
  35. 35. Em 4 de Fevereiro de 1985, o Museu foi inaugurado, ficando instalado num edifício do século XVIII, o antigo Palácio do Monteiro Mor, que, para esse fim, fora rigorosamente recuperado e adaptado. 35
  36. 36. As colecções do Museu, cuja constituição começou, a partir do zero, em 1979, têm actualmente cerca de 300 000 espécies, englobando a totalidade das artes do espectáculo, e incluem trajos e adereços de cena, maquetes de cenário, figurinos, desenhos, carica turas, pinturas, esculturas, progra mas, cartazes, recortes de jornal, manuscritos, discos, partitu ras, até um conjunto de cerca de 120 000 fotografias. 36
  37. 37. O Museu tem apresentado sempre exposições temporárias dedicadas a companhias teatrais, personalidades ligadas ao mundo do espectáculo, e ainda a aspectos menos conhecidos do trabalho teatral em toda a sua diversidade, estando actualmente em preparação a montagem de um núcleo permanente dedicado à história e evolução do Teatro e das Artes do Espectáculo em Portugal. 37
  38. 38. Palácio do Monteiro-Mor – História O nome de Monteiro-Mor, consagrado da toponímia local desde meados do século XVIII, foi atribuído a este Parque, por confinar com o pequeno Palácio onde habitaram dois Monteiros-Mores na segunda metade deste século; referimo-nos a D. Henrique de Noronha (Monteiro-Mor - 1717, filho de D. António de Noronha, 2o marquês de Angeja), que pelo seu casamento com D. Maria Josefa de Melo (filha do Monteiro-Mor Francisco de Melo) herdou este cargo, e D. Fernão Teles da Silva (M.M. 1728) segundo marido de D. Josefa (terceiro filho do conde de Tarouca e Monteiro-Mor do Reino), que adquiriu o Palácio a D. António de Beja Noronha e Almeida, fidalgo da Casa de Sua Majestade, que o adaptou. 38
  39. 39. Confinante com a casa do Nobre, constituiu-se por compras sucessivas a vários proprietários, uma grande quinta, de que viria a ser herdeiro e senhor, D. Pedro José de Noronha de Albuquerque Moniz e Sousa (1716-1788), 3o marquês de Angeja, 4o conde de Vila Verde, gentil homem da Câmara de D. Maria I, e Primeiro Ministro, que sucedeu a Marquês de Pombal. Por interessante coincidência, os dois irmãos "Angeja" – D. Henrique e D. Pedro – dedicaram- se à Ciência Botânica. 39
  40. 40. A este último mereceu-lhe o jardim botânico particulares cuidados, tendo- se iniciado na década de 1750 sob orientação do botânico italiano Domenico Vandelli (1735-1816), que foi professor de ciências naturais e química, e ainda director do Jardim Botânico da Universidade de Coimbra e do Jardim Botânico da Ajuda. 40
  41. 41. Palácio do Monteiro-Mor – História Consta que em 1793 o jardim botânico era já citado como sendo um dos três mais belos jardins de Lisboa. O Palácio e o Jardim foram transmitidos na Casa Angeja até à descendente D. Mariana de Castelo Branco, que os vendeu em 1840 ao 1o marquês do Faial e 2o duque de Palmela, D. Domingos de Sousa Holstein Beck (1818-1864). A requintada cultura Palmela contribuiu para que o Palácio se transformasse num verdadeiro museu de obras de arte, e o jardim ornamentado com espécies exóticas raras, vindas especialmente de Inglaterra, fosse ainda mais enriquecido no seu já valioso inventário . 41
  42. 42. 42 Em 1970, um enorme incêndio destrói quase todo o Palácio, deixando de pé apenas as suas paredes exteriores. A representação diplomática abandona em definitivo o pouco que resta do edifício, totalmente reduzido a escombros. Nesta situação foi adquirido pelo Estado em 1975, e assim ficou até 1979. Foi o Decreto-Lei no 558 de 27 de Setembro de 1975, que autorizou a Direcção-Geral da Fazenda Pública a adquirir a chamada "Quinta do Monteiro-Mor", situada no Lumiar em Lisboa, e, por sua vez, também permitiu a instalação condigna do então recente Museu Nacional do Trajo, no grande Palácio aí existente. A "Quinta" encontra-se reservada como zona verde no Plano Director da Cidade, o que a liberta de qualquer outra utilização. Após a aquisição pelo Estado, impunha-se, desde logo, tratar da recuperação do que restava do Palácio do Monteiro-Mor.
  43. 43. Palácio do Monteiro-Mor – História Em 1978, Vítor Pavão dos Santos propõe a criação de um Museu do Teatro naquele Palácio, o que acaba por ser aceite. Com esse objectivo, é decidido proceder-se ao restauro do edifício, embora ainda tivesse sido considerada a hipótese da sua completa demolição e construção de um totalmente novo. Justificava-se esta radical sugestão com o absurdo fundamento de o Palácio não ser especialmente bonito. 43
  44. 44. 44 Felizmente, e também, uma vez mais, depois de insistência de Vítor Pavão dos Santos, optou-se pela reconstrução das fachadas e por um espaço interior aberto, que possibilitasse utilizações diversas, de acordo com as necessidades específicas de cada exposição. Tal recuperação foi projectada pelo arquitecto Joaquim Cabeça Padrão, que, compreendendo perfeitamente os problemas que se levantavam para conjugar o edifício existente, do qual apenas restavam as paredes exteriores, com o programa do Museu, conseguiu, com raro equilíbrio, conciliar um exterior do século XVIII, que respeitou escrupulosamente, com um interior de museu moderno, com duas muito amplas salas de exposição e, num aproveitamento criterioso de espaço, encontrou lugar para gabinetes, reservas e um excelente auditório, além de todos os demais serviços.

×