La fura del baus

1.332 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.332
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
24
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

La fura del baus

  1. 1. La Fura del Baus La Fura del Baus é uma companhia de teatro itinerante, com origem na Catalunha. Fundado em 1979 atuam sobretudo na base do teatro de rua, teatro digital e teatro contemporâneo, focando-se sobretudo na área mais dramática do teatro. Privilegiam sobretudo grandes eventos, como é o caso da abertura dos Jogos Olímpicos de Verão, em Barcelona, em 1992, entre outros. A interdisciplinaridade de La Fura del Baus multiplica-se em diferentes campos como a publicidade, cinema, internet, ópera, eventos públicos, apresentado os seus espetáculos da mais diversas formas, seja ao ar livre, nas melhores salas de teatro, um pouco por todo o mundo, em navios cargueiros ou cavernas pré históricas. Com características muito próprias e muitos especificas, o trabalho dos Fura Del Baus é mais ou menos comum em todas as suas produções. Uma mistura das mais diversas técnicas de comunicação combinadas com um objeto cénico único, os Fura optam por combinar som com imagem em movimento, reduzindo o texto ao mínimo. Inspirado nas técnicas do Teatro Barroco, em que todas as artes se fundem através de jogos cénicos, os Fura Del Baus partem do antigo para o futurista. É este o caso de D. Quixote, uma ópera em que o tema central é o facto do cavaleiro D. Quixote estar fechado numa cápsula de ar e tempo. Este representa a imaginação, a honradez e o respeito pelos mais fracos, aparecendo no entanto como monstro no primeiro ato. É portanto o protagonista desta obra em que é recriada uma série de situações que não respeitam as conceções do espaço e do tempo. D. Quixote não só integra a colaboração de criadores de diversas áreas, como uma grande coerência, sendo um espetáculo eminentemente barroco. Temos por fim então o argumento da obra – uma viagem no tempo, em que os espectros de D. Quixote
  2. 2. aparecem transformados e deformados pelas épocas e pelo diferente olhar que o mundo dedica ao mito. O Barroco, como atitude, não se circunscreve a um espaço e a um tempo determinado. Os Fura Dels Baus fazem hoje um teatro/espetáculo barroco, utilizando todos os mecanismos plásticos do Barroco, com a aplicação de tecnologias atuais que transformam espaços comuns das cidades em grandes espaços de intervenção espetacular. Mas, afinal o que é que caracteriza a arte barroca? Barroco é o nome dado ao estilo artístico que floresceu entre o final do século XVI e meados do século XVIII, inicialmente na Itália, difundindo-se em seguida pelos países católicos da Europa e da América, antes de atingir, em uma forma modificada, as áreas protestantes e alguns pontos do Oriente. Para diversos pesquisadores o Barroco constitui não apenas um estilo artístico, mas todo um período histórico, todo um novo modo de entender o mundo, o homem e Deus. As mudanças introduzidas pelo espírito barroco se originaram, pois, de um grande respeito pela autoridade da tradição clássica, e de um desejo de superá-la com a criação de obras originais, dentro de um contexto social e cultural que já se havia modificado profundamente em relação ao período anterior. Uma das características da arte barroca é o uso de alegorias, sobretudo na literatura para teatro. A alegoria transporta os fatos concretos para uma esfera mais abstrata e mais abrangente, possibilitando múltiplas interpretações. Por tais motivos, nas alegorias dramáticas do Barroco abundam imagens de ruínas e da morte, mas abrindo a perspetiva de um novo nascimento e de uma ação humana significativa. O teatro barroco herdou os avanços renascentistas na construção de cenários com perspetivas ilusionísticas, o que estava ligado à revivescência da arquitetura clássica. Duas outras tendências influentes também floresceram no Barroco. A primeira foi a da Commedia dell'Arte, um gênero popular e cômico de características heterogêneas, derivado em parte dos jograis da Idade Média, das festividades e mascaradas populares espontâneas do Carnaval e do folclore. A outra tendência de vasta repercussão foi o teatro sacro desenvolvido pelos jesuítas, como parte de suas estratégias contrarreformistas. Embora mantendo traços do drama clássico na forma, na técnica e
  3. 3. na linguagem, seus temas eram naturalmente religiosos e seu propósito, declaradamente doutrinário. Voltando aos Fura Del Baus e à sua busca de raízes no Teatro Barroco, do Século XVII, vamos observar as características do Teatro Barroco em Espanha e a sua similaridade com o trabalho deste grupo catalão, tomando por base o seu trabalho D. Quixote (2000). Quando os Fura dels Baus recuperaram o Don Quixote (1605) e procuraram com esse tema consagrado fazer espetáculo, nele integraram as mais variadas técnicas performativas e linguagens gestuais para conseguir envolver todos os sentidos e construir a ilusão. Foi assim nos tempos de Don Quixote e da Corte, nos séculos XVII e XVIII. Tudo se reduziu a jogos de sentido e para os sentidos, numa procura do total, em aliança estreita de fé, sentimento e razão. O espetáculo era então tão variado quanto as procissões, o levantar do Rei ou a ópera. Trabalho Realizado por Lorredana Oliveira Pereira no âmbito de HCA Curso Técnico de Comunicação Marketing, Relações publicas e publicidade. 2012/2013

×