Expor-se é prometer e prometer é expor-se
Numa altura em que a responsabilidade social e ambiental começa a
ser integrada ...
Texto do anúncio: «Os economistas não acreditam no inferno: Eles preferem chamar-lhe
escalada de crédito. Crédito Pessoal ...
representatividade no setor em termos de receita e número de funcionários; produção efetiva
de indicadores de sustentabili...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Cp 5 deontologia_26_5

714 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
714
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cp 5 deontologia_26_5

  1. 1. Expor-se é prometer e prometer é expor-se Numa altura em que a responsabilidade social e ambiental começa a ser integrada no coração da estratégia diária da empresa, esta escolha vai poder marcar a diferença nos produtos e na marca da empresa. Não há razão para a comunicação da empresa não referir esta diferença. É certo que a empresa se coloca na mira da comunicação social e das ONG's e é isso que faz muitas empresas recuarem, porém, como afirma Élisabeth Laville «não há nada de admirável ou de chocante em uma empresa escolher comunicar sobre a sua estratégia e suas práticas responsáveis: no essencial, trata-se (...) de equilibrar nos pratos da balança a prática e o discurso.» Bureau de la Vérification de la Publicité - uma associação de profissionais para a publicidade responsável. Consulte as regras base de boa conduta. www.bvp.org Para além disso, a empresa ao comunicar está a fazer um comprometimento público: a promessa de progredir. Há exemplos de publicidade na área da qualidade que evidenciavam isso mesmo: a consciência da imperfeição e a vontade de melhorar. É o caso da conhecida assinatura «We try harder», da Avis, que por não ser líder de mercado (era segunda no ranking), divulgou junto dos seus consumidores o seu empenho em sê-lo. Sobre isso, Élisabeth Laville sustenta que «não se pede às empresas que sejam perfeitas, mas que simplesmente sejam honestas nos seus sucessos e nos seus fracassos». É também uma forma de a empresa mostrar good will e de permitir medir o progresso. Parceria pelo Fair Play Terça-Feira , 11 Março 2008 A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e a Associação Portuguesa de Ética Empresarial (APEE) chegaram a acordo para a celebração de um protocolo que estabelece formas de cooperação com vista à promoção e o desenvolvimento da ética, da responsabilidade social e do “fair play” no futebol, atendendo a que ambas consideram que existe complementaridade de conhecimentos, saberes e competências. Depois da entrada em vigor do Código de Normas e Procedimentos, a FPF dá mais um passo no sentido de desenvolver acções continuadas no domínio da responsabilidade social, através do envolvimento dos seus “stakeholders” em projectos específicos. A APEE é uma associação de direito privado que actua nos domínios da Ética Empresarial, da Responsabilidade Social e do Desenvolvimento Sustentável sendo como tal reconhecida pelas autoridades nacionais e internacionais; que nessa posição se propõe contribuir para melhorar as Organizações, estimulando e inspirando a adopção de princípios e valores que suportem uma crescente exigência Ética nos comportamentos, opções e decisões, bem como a plena assunção das suas responsabilidades organizacionais, no presente e no futuro, de modo a garantir a sustentabilidade do desenvolvimento. A Caixa Geral de Depósitos produziu uma campanha que chamava a atenção dos consumidores para o risco do endividamento familiar, devido ao recurso irreflectido ao crédito.
  2. 2. Texto do anúncio: «Os economistas não acreditam no inferno: Eles preferem chamar-lhe escalada de crédito. Crédito Pessoal - para consumir com moderação»; Campanha da CGD alerta para o sobre-endividamente familiar A palavra portuguesa deriva de dois termos gregos muito semelhantes no seu significado e pronúncia. Éthos significa hábito ou costume -- entendidos, com uma certa superficialidade, como maneira exterior de comportamento; êthos tem um significado mais amplo e rico: o de lugar ou pátria onde habitualmente se vive e o carácter habitual (ou maneira de ser ou atéforma de pensar) da pessoa. Assim, o ético poderia traduzir-se por modo ou forma de vida, no sentido mais profundo da palavra, compreendendo as disposições do homem na vida, o seu carácter, costumes e, claro, também a moral. O tema nuclear da Ética são os actos do ser humano, enquanto ser possuidor de razão. Os actos que são livres e, enquanto tais, "correctos" ou "incorrectos", "justos" ou "injustos" -- de um modo mais simples, "bons" ou "maus". Portanto, a Ética estuda o Bem e, assim, o seu objectivo é a virtude na condução da vida, facilitando a realização das pessoas: que o ser humano consiga a perfeição, isto é, a realização de si próprio como tal, como pessoa. Os termos Ética e Moral são por vezes usados indistintamente, sendo mesmo equivalentes em numerosos textos. Tal indistinção apoia-se na identificação do significado etimológico das duas palavras -- da Ética dos gregos (particularmente na segunda das versões referidas) e do vocábulo latino mos (costume/hábito). A distinção, no entanto, pode fazer-se referindo a moral à prática concreta dos homens enquanto membros de uma dada sociedade, com condicionalismos diversos e específicos -- enquanto a ética é a reflexão sobre essas práticas. De facto, a existência de ideias e atitudes morais não implica a presença de uma disciplina filosófica específica (mesmo o seu estudo, que pode ser ocupação da Sociologia ou da Antropologia). A Ética supõe a sua justificação filosófica, a sua explicação racional, a sua fundamentação (independentemente de esta ser extra-moral: uma Ética cristã, por exemplo, fundamentar-se-á na existência de um ser transcendente, indicando a salvação como sua finalidade). Destaca a importância de indicadores de sustentabilidade e a utilização do relatório de sustentabilidade como forma de comunica-los a partes interessadas de uma empresa. Objetivo: Avaliar a capacidade de diálogo de uma empresa com partes interessadas por meio da análise do seu relatório de sustentabilidade. Metodologia: Um estudo de caso, com abordagem metodológica descritiva, quantitativa e qualitativa, de uma empresa de energia. Alguns dos critérios utilizados para o estudo de caso foram se a empresa divulgava seus resultados por meio de um balanço social/relatório de sustentabilidade; se a empresa possuía alguma ferramenta de gestão ambiental, como ISO 14001, entre outras; sua relevância da atuação e
  3. 3. representatividade no setor em termos de receita e número de funcionários; produção efetiva de indicadores de sustentabilidade e disponibilização destes indicadores por meio de relatório. A análise dos dados foi feita utilizando o Método de Análise de Conteúdo de Bardin (1995).

×