Número 143
Novembro 2013

Encontro
em Aparecida
“Santa Cecília”
Igreja de Santa Maria,
Kitchener (Canadá)

“P

ara mim, é glorioso e
desejável sofrer todos
os tormentos p...
SumáriO
Escrevem os leitores 	����������������������������������������

4

“Sístole-diástole” (Editorial) . . . . . . . . ...
E screvem

os leitores

Missão evangelizadora
em Ruanda
Maria criou muita
união entre nós

A visita de Nossa Senhora à nos...
Editorial
“Sístole-diástole”

A

143
Número 2013
ro
Novemb

ro
Encont
ida
Aparec
em

Arautos do ­ etor
s
feminino conduzem...
A voz do Papa

Recomeçar de Cristo

G

O catequista tem a maravilhosa missão de educar na Fé, e deve exercê-la
recomeçando...
Fé! Que me recomenda o senhor?”.
“Não desanimes! Deus ama-te. Deixa-te olhar por Ele. E basta”. O
mesmo vos digo a vós: De...
também se pode traduzir por “nos
possui”.
É assim o amor: atrai-te e envia-te, toma-te e dá-te aos outros. É
nesta tensão ...
mental: Deus sempre nos precede! Quando pensamos que temos
de ir para longe, para uma periferia extrema, talvez nos assalt...
“Os Bem-aventurados celestes”, detalhe de
“O Juízo Final”, por Fra Angélico - Museu de
São Marcos, Florença (Itália)

a  E...
Comentário ao Evangelho - Solenidade de Todos os Santos

A festa dos
irmãos celestes
Na Solenidade de Todos os Santos a Ig...
Ao criar o
Céu Empíreo,
tinha Deus,
desde toda a
eternidade,
o plano de
povoá-lo com
outros seres
inteligentes

Gustavo Kr...
A Encarnação do Verbo trouxe ao mundo
uma plêiade de Santos

-aventurados, Maria Santíssima subiu em corpo
e alma, e foi c...
No Sinai,
Deus
permanece
no cume da
montanha e
Moisés tem
de subir até lá
para receber
as Tábuas
da Lei

or revela duas pr...
A filiação divina nos
confere uma qualidade

Timothy Ring

ção. Uma vez posto na janela,
se não é iluminado, que valor
ter...
homem feito, a estatura própria da maturidade
de Cristo” (Ef 4, 13).

A ideia da felicidade eterna

Em seu
infinito amor,
...
Gustavo Kralj

“Santos adorando Jesus Ressuscitado”, por Fra Angélico - Detalhe da Pala de Fiesole, Museu de São Marcos, F...
Dona Lucilia Ribeiro dos Santos Corrêa de Oliveira

O calor
		dessa bondade
Foto enviada por Dona Lucilia ao
seu futuro es...
tica e
e de uma autên res
melho
iparar-se às
tudo tem
nteiro. Sobre
filhos
entre ela e seus
ncia coisas
com freqüê
é tomad...
A virtude da obediência

Jesus Se oculta nos
superiores
Todos procuram continuamente a felicidade. Consistirá ela em
fazer...
The Yorck Project

Oriunda do termo latino
ráveis relacionados com essa eleo
­ b-audire — escutar com atenção
vada virtude...
São Charbel Makhlouf

Obediente como
um menino para
com seus pais

P

rolongados jejuns, penitências extraordinárias, bem
...
Só os padres e religiosos
devem obedecer?
Evidentemente, a virtude da obediência compete sobretudo aos clérigos e aos memb...
Fracisco Lecaros

“O nó da desobediência de Eva foi
desatado pela obediência de Maria; e
aquilo que a virgem
Eva atou, com...
C

omo obedecer a um superior
cujos defeitos são patentes? O
problema é complexo e infelizmente
frequente... Entretanto, h...
V Peregrinação
Nacional a Aparecida

“S

enti-me mais perto de Nossa Senhora e de Jesus,
e jamais conseguirei retribuir os...
Terço na esplanada – No início da manhã, os peregrinos se reuniram na Esplanada João Paulo II para a recitação
do terço, a...
Curitiba – Visando evangelizar de forma viva e atraente, o Pe. Ryan Francis Murphy, EP, tem feito palestras
acompanhadas d...
Visitando o hospital geriátrico Dom Pedro II

U

m grupo de participantes do Curso de Formação
Teo­
lógica, ministrado na ...
Imagem peregrina
percorre Comayagua

C

ooperadores dos Arautos do Evangelho de Honduras organizaram uma Missão Mariana na...
“Dia com Maria” em Siguatepeque – Antes de se reunirem na Paróquia Nossa Senhora do Carmo para “Um
dia com Maria”, os part...
Colômbia – Participantes do Apostolado do Oratório de Bogotá fizeram no mês de setembro uma visita
evangelizadora às cidad...
Timothy Ring

São Martinho de Porres

“Martinho da
Caridade”
Misto de fidalgo e homem do povo, ele
nos mostra uma singular...
peruana do seu tempo uma beleza e
uma ordenação católicas até hoje insuperáveis”.1

Desejo de servir, à imitação
do própri...
201311 143
201311 143
201311 143
201311 143
201311 143
201311 143
201311 143
201311 143
201311 143
201311 143
201311 143
201311 143
201311 143
201311 143
201311 143
201311 143
201311 143
201311 143
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

201311 143

995 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
995
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
141
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

201311 143

  1. 1. Número 143 Novembro 2013 Encontro em Aparecida
  2. 2. “Santa Cecília” Igreja de Santa Maria, Kitchener (Canadá) “P ara mim, é glorioso e desejável sofrer todos os tormentos para confessar a Jesus Cristo, pois nunca tive o menor apego a esta vida. Mas compadeço-me de vós, que pareceis estar ainda na juventude, pela desgraça de vos encontrardes às ordens de um juiz tão cheio de injustiça. [...] Gustavo Kralj “Morrer por Cristo não é sacrificar a própria juventude, mas renová-la; é dar um pouco de barro para receber ouro; trocar uma morada estreita e vil por um palácio magnífico; oferecer algo perecível e receber em troca um bem imortal”. (Da Vida de Santa Cecília, pelos Petits Bollandistes)
  3. 3. SumáriO Escrevem os leitores ���������������������������������������� 4 “Sístole-diástole” (Editorial) . . . . . . . . . . . . . . 5 Revista mensal dos Associação privada internacional de fiéis de direito pontifício Ano XII, nº 143, Novembro 2013 ISSN 1982-3193 Publicada por: Associação Arautos do Evangelho do Brasil CNPJ: 03.988.329/0001-09 www.arautos.org.br Diretor Responsável: Pe. Pedro Paulo de Figueiredo, EP Conselho de Redação: Guy Gabriel de Ridder; Ir. Juliane Vasconcelos A. Campos, EP; Luis Alberto Blanco Cortés; M. Mariana Morazzani Arráiz, EP; Severiano Antonio de Oliveira Administração Rua Bento Arruda, 89 02460-100 - São Paulo - SP admrevista@arautos.org.br Assinatura Anual: Comum R$  117,00 Colaborador R$  225,00 Benfeitor R$  350,00 Patrocinador R$  480,00 Exemplar avulso R$   10,20 Assinatura por internet: www.revista.arautos.org.br Serviço de atendimento (11) 2971-9050 (nos dias úteis, de 8 a 17:00h) ao assinante: ........................ 6 Comentário ao Evangelho – A festa dos irmãos celestes 10 Dona Lucilia Ribeiro dos Santos Corrêa de Oliveira – O calor dessa bondade ...................... 18 A virtude da Obediência – Jesus Se oculta nos superiores ...................... ...................... 33 A palavra dos Pastores – Batismo e Reconciliação A voz do Papa – Recomeçar de Cristo ...................... São Martinho de Porres – “Martinho da Caridade” 20 ...................... 38 Aconteceu na Igreja e no mundo ...................... 40 História para crianças... Nunca se ouviu dizer... ...................... 46 Os santos de cada dia ...................... 48 Montagem: Equipe de artes gráficas dos Arautos do Evangelho Impressão e acabamento: Divisão Gráfica da Editora Abril S/A. Av. Otaviano Alves de Lima, 4.400 - 02909-900 - SP Arautos no mundo ...................... A revista Arautos do Evangelho é impresa em papel certificado FSC, produzido a partir de fontes responsáveis Pináculo de pedra, auge de amor 26 ...................... 50
  4. 4. E screvem os leitores Missão evangelizadora em Ruanda Maria criou muita união entre nós A visita de Nossa Senhora à nossa comunidade paroquial, de 13 a 16 de junho passado, foi uma ocasião especial para redescobrir nossa devoção à Mãe de Deus. Pudemos notar como Maria criou muita união nos dias em que esteve presente entre nós. O que mais marcou o coração de todos foi o encontro pessoal com a imagem de Nossa Senhora, na igreja, bem como a visita aos doentes, que deixou neles muita consolação e aceitação da enfermidade como meio para se aproximarem mais do Senhor. O belo testemunho dos Arautos, a capacidade de compreender as várias vicissitudes de cada um e sua alegria ao oferecer a todos os irmãos e irmãs uma palavra, um gesto de caridade, deixaram entre todos um caminho aberto para uma missão mais unida. Minha comunidade entrega a Nossa Senhora este desejo, na certeza de que o Senhor completará a obra que aqui iniciou. Muito obrigado, de minha parte e de toda a comunidade. Pe. Francesco Zumpano Paróquia SS. Salvatore Castrolibero – Itália Contos repletos de ensinamentos O que mais me atrai na Revista é a seção História para crianças... ou adultos cheios de fé? Na verdade, são contos muito bem ilustrados, repletos de ensinamentos que nos fazem progredir na vida espiritual. Temos muitas esperanças de que Nossa Senhora nos ajude a ter nossa capela e os Arautos novamente em nossa cidade. Martha de Zambrana Santa Cruz de la Sierra – Bolívia Quero agradecer-lhes por me terem enviado sua bela Revista de espiritualidade. Tocou-me muitíssimo o artigo sobre a missão evangelizadora dos Arautos em Ruanda. Que a Virgem Maria — Nyina wa Jambo — os cumule de graças, bem como a todos os seus leitores. Pe. Leo Panhuysen, SDB Butare – Ruanda Lemos e meditamos Estamos muito satisfeitas com nossa assinatura, pois recebemos o primeiro exemplar da revista Arautos do Evangelho em agosto passado. Lemos e meditamos todos os ótimos artigos ali contidos. Cada página nos traz lindos e profundos ensinamentos e, às vezes, é impossível segurar as lágrimas. A missão dos Arautos é encantadora, um verdadeiro testemunho de Fé e um grande incentivo para todos nós. Vivien Rissato Londrina – PR Formativa e informativa Sempre espero com gosto e alegria a chegada da estupenda revista Arautos do Evangelho. É a mais formativa e informativa publicação sobre distintos aspectos que conheço, da Igreja. Seus artigos encerram uma grande pedagogia cristã, que fortalece o coração de todo bom cristão que se preze. Ela é atual, profunda, agradável e muito bem estruturada. Muitíssimo obrigado por seu envio. Que sua difusão seja instrumento para a nova evangelização da Igreja. José Cascales Albarracín Múrcia – Espanha Doutrina católica de forma profunda e acessível Estamos na era dos mais avançados meios de comunicação. Contudo, ­ 4      Arautos do Evangelho · Novembro 2013 são escassos aqueles que nos transmitem verdadeiros ensinamentos e a boa doutrina. Entre estes se encontra a revista Arautos do Evangelho, que nos oferece a doutrina católica de forma profunda e acessível a todos. E isso, além de aumentar nosso conhecimento, faz crescer nosso amor pelos santos mistérios de nossa Igreja. Tatiana Carvalho Reis Montes Claros – MG Manter a união com a Igreja Quero deixar aqui meu reconhecido agradecimento pelo Divino Espírito Santo ter suscitado a obra dos Arautos do Evangelho, que contém diversos elementos que nos auxiliam a crescer na fé e a buscar uma acertada formação, com destaque para a publicação desta Revista, a qual devemos não só ler, mas divulgar. Busco em primeiro lugar o Comentário ao Evangelho, de Mons. João Scognamiglio Clá Dias, e depois as atividades dos Arautos no Mundo, porque Mons. João forma e os Arautos demonstram, exemplificam, dão o testemunho e o norte por onde se deve seguir para manter a união com a Igreja. Creio ser esta Revista o melhor, de mais fácil acesso e mais coerente veículo de comunicação católico de nossos dias, devido à desinformação reinante. Janel C. Ferreira São Paulo – SP Revista evangelizadora Aqui todos os assuntos abordados me atraem, sobretudo o exemplo da vida dos Santos e o testemunho do trabalho dos Arautos, que está chegando a inúmeros países e levando tantas pessoas a se consagrarem a Nossa Senhora. Muito obrigada por esta Revista evangelizadora. Vilma Vieira Borges Salvador – BA 
  5. 5. Editorial “Sístole-diástole” A 143 Número 2013 ro Novemb ro Encont ida Aparec em Arautos do ­ etor s feminino conduzem a imagem de Nossa Senhora Aparecida ao altar-mor do Santuário durante a V Peregrinação Nacional do Apostolado do Oratório Foto: Leandro Souza pós o retumbante milagre da primeira multiplicação dos pães, Jesus despediu as multidões e “subiu à montanha, a sós, para orar” (Mt 14, 23). O Homem-Deus com frequência Se retirava a fim de mais especialmente estar com o Pai. Grande lição dada àqueles que propendem à atividade febril, esquecendo-se do sobrenatural, ou a um isolamento na contemplação, olvidando-se da ação. Ser Marta ou Maria, eis o equívoco. Pois a perfeição — da qual Nosso Senhor nos dá inigualável exemplo — está em ter o zelo operativo de Marta sem deixar de ter as vistas e o coração postos no sobrenatural, como Maria. Bem acentuou esta verdade o Papa Francisco, em discurso de 27 de setembro, no qual conclamou os catequistas a imitarem Cristo, tendo a coragem de sair de si, de ir às periferias físicas ou espirituais, como a das crianças que não sabem sequer fazer o Sinal da Cruz, na certeza de lá encontrar Jesus em cada pessoa necessitada. No intuito de, segundo as palavras do Pontífice, viver nesse “movimento de sístole-diástole”, os Arautos do Evangelho sempre procuram essa feliz harmonia entre o denodado apostolado externo e a contemplação regada por intensa vida de piedade. Em tudo visam eles o bem das almas e a glória de Deus, quer, de um lado, nas adorações ao Santíssimo Sacramento, em que cada qual se sente olhado com amor por Jesus, no canto da Liturgia das Horas, na participação diária na Eucaristia, nos empenhados estudos da doutrina católica, quer, de outro, na busca das ovelhas desgarradas onde estas estiverem, sobretudo os jovens tão necessitados de luz. Pelo exemplo e pela palavra, empenham-se os Arautos do Evangelho em levar o bom odor de Cristo a favelas, orfanatos, asilos de idosos, hospitais, oferecendo ao irmão que sofre uma ajuda material, um olhar de carinho e um estímulo à Fé. E vários sacerdotes Arautos têm como missão prioritária o atendimento aos doentes em estado grave, administrando-lhes os Sacramentos e consolando-os com uma palavra de confiança, de que tanto necessitam ao se aproximarem dos umbrais da eternidade. Nas Missões Marianas, caravanas de Arautos, de comum acordo com os párocos, percorrem as ruas da paróquia, levando de casa em casa, incluindo estabelecimentos comerciais, a imagem do Imaculado Coração de Maria. É verdadeiramente a Mãe que vai à procura dos filhos pródigos. E, tocados pela graça, quantos retornam à casa paterna! Insere-se nesse contexto a abençoada V Peregrinação Nacional a Aparecida, promovida pelo Apostolado do Oratório Maria Rainha dos Corações, uma iniciativa dos Arautos do Evangelho, realizada no dia 14 de setembro. Num ambiente de muita piedade e alegria, 11 mil participantes lotaram a grandiosa Basílica, onde puderam depositar seus pedidos aos pés da Virgem Mãe Aparecida e agradecer-Lhe os incontáveis favores recebidos em situações por vezes críticas. “Este foi o dia mais feliz da minha vida!”, era a exclamação de muitos peregrinos, exultantes por terem saído de si e manifestado sua Fé. ² Novembro 2013 · Arautos do Evangelho      5
  6. 6. A voz do Papa Recomeçar de Cristo G O catequista tem a maravilhosa missão de educar na Fé, e deve exercê-la recomeçando de Cristo. Mas o que significa “recomeçar de Cristo”? osto de que haja, no Ano da Fé, este encontro para vós: a catequese constitui uma coluna para a educação da Fé, e são precisos bons catequistas! Obrigado por este serviço à Igreja e na Igreja. Ser catequista requer um amor cada vez mais forte a Cristo Embora possa às vezes ser difícil — trabalha-se tanto, empenha-se e não se veem os resultados desejados —, educar na Fé é maravilhoso! É talvez a melhor herança que possamos dar a alguém: a Fé! Educar na Fé, para que essa pessoa cresça. Ajudar as crianças, os adolescentes, os jovens, os adultos a conhecerem e amarem cada vez mais o Senhor é uma das mais belas aventuras educativas; está-se a construir a Igreja! Ser catequista! Não trabalhar como catequista: isso não adianta! Trabalho como catequista, porque gosto de ensinar… Se, porém, tu não és catequista, não adianta! Não serás fecundo, não serás fecunda! Catequista é uma vocação. Ser catequista: esta é a vocação; não trabalhar como catequista. Atenção que eu não disse fazer o catequista, mas sê-lo, porque compromete a vida: guia-se para o encontro com Cristo, através das palavras e da vida, através do testemunho. Lembrai-vos daquilo que nos disse Bento XVI: “A Igreja não cresce por proselitismo. Cresce por atração”. E aquilo que atrai é o testemunho. Ser catequista significa dar testemunho da Fé; ser coerente na própria vida. E isto não é fácil. Não é fácil! Nós ajudamos, guiamos para chegarem ao encontro com Jesus através das palavras e da vida, através do testemunho. Gosto de recordar aquilo que São Francisco de Assis dizia aos seus confrades: “Pregai sempre o Evangelho e, se for necessário, também com as palavras”. As palavras têm o seu lugar… mas primeiro o testemunho: que as pessoas vejam na nossa vida o Evangelho, possam ler o Evangelho. E ser catequista requer amor: amor cada vez mais forte a Cristo, amor ao seu povo santo. E este amor não se compra nas lojas, nem se compra sequer aqui em Roma. Este amor vem de Cristo! É um presente de Cristo! É um presente de Cristo! E se vem de Cristo, parte de Cristo; e nós devemos recomeçar de Cristo, deste amor que Ele nos dá. Para um catequista, para vós e para mim, porque também eu sou catequista, que significa este recomeçar de Cristo? Que significa? Se estivermos unidos a Ele, poderemos dar fruto Eu vou falar de três pontos: um, dois e três, como faziam os antigos jesuítas… um, dois e três! 6      Arautos do Evangelho · Novembro 2013 Antes de tudo, recomeçar de Cristo significa cultivar a familiaridade com Ele, ter esta familiaridade com Jesus: Jesus recomenda-o, com insistência, aos discípulos na Última Ceia, quando Se prepara para viver o dom mais sublime de amor, o sacrifício da Cruz. Recorrendo à imagem da videira e dos ramos, Jesus diz: permanecei no meu amor, permanecei ligados a Mim, como o ramo está ligado à videira. Se estivermos unidos a Ele, podemos dar fruto, e esta é a familiaridade com Cristo. É permanecer em Jesus! Permanecer ligados a Ele, dentro d’Ele, com Ele, falando com Ele: permanecer em Jesus. A primeira coisa necessária para um discípulo é estar com o Mestre, ouvi-Lo, aprender d’Ele. E isto é sempre válido, é um caminho que dura a vida inteira! Recordo que, na diocese (na outra diocese que tinha antes), via muitas vezes, no fim dos cursos no seminário catequético, os catequistas saírem dizendo: “Tenho o título de catequista!”. Isso não adianta, não tens nada, fizeste apenas um bocado de estrada! Quem te ajudará? Isto sim, que vale sempre! Não um título, mas um procedimento: estar com Ele; e dura toda a vida! É estar na presença do Senhor, deixar-se olhar por Ele. Deixas-te olhar pelo Senhor? Pergunto-vos: Como estais na presença do Senhor? Quando ides
  7. 7. Fé! Que me recomenda o senhor?”. “Não desanimes! Deus ama-te. Deixa-te olhar por Ele. E basta”. O mesmo vos digo a vós: Deixai-vos olhar pelo Senhor! Compreendo que, para vós, não é tão simples: especialmente para quem é casado e tem filhos, é difícil encontrar um tempo longo de tranquilidade. Mas, graças a Deus, não é necessário que todos façam da mesma maneira; na Igreja, há ­ ariedade v de vocações e variedade de formas espirituais; o importante é encontrar o modo adequado para estar com o Senhor; e isto pode acontecer, é possível em todos os estados de vida. Neste momento, cada um pode interrogar-se: Como é que eu vivo este estar com Jesus? Esta é uma pergunta que vos deixo: “Como é que eu vivo este estar com Jesus, este permanecer em Jesus?”. Tenho momentos em que permaneço na sua presença, em silêncio, e me deixo olhar por Ele? Deixo que o seu fogo inflame o meu coração? Se, no nosso coração, não há o calor de Deus, do seu amor, da sua ternura, como podemos nós, pobres pecadores, inflamar o coração dos outros? Pensai nisto! União com Jesus e encontro com o outro O segundo elemento é este — dois — recomeçar de Cristo significa imitá-Lo na saída de Si mesmo para ir ao encontro do outro. Trata-se de uma experiência maravilhosa, embora um pouco paradoxal. Por quê? Porque, quem coloca Cristo no centro da sua vida, descentraliza-se! Quanto mais te unes a Jesus e Ele Se torna o centro da tua vida, tanto mais Ele te faz sair de ti mesmo, te descentraliza e abre aos outros. Este é o verdadeiro dinamismo do amor, este é o movimento do próprio Deus! Sem deixar de ser o centro, Deus é sempre dom de Si, relação, vida que se comunica... E assim nos tornamos também nós, se permanecermos unidos a Cristo, porque Ele faz-nos entrar neste dinamismo do amor. Onde há verdadeira vida em Cristo, há abertura ao outro, há saída de si mesmo para ir ao encontro do outro no nome de Cristo. E L’Osservatore Romano ter com o Senhor, enquanto olhais o Sacrário, que fazeis? Sem palavras… Mas eu falo, falo, penso, medito, ouço… Muito bem! Mas tu… deixas-te olhar pelo Senhor? Sim, deixar-se olhar pelo Senhor. Ele olha-nos, e esta é uma maneira de rezar. Deixas-te olhar pelo Senhor? Mas, como se faz? Olhas para o Sacrário e deixas-te olhar… é simples! É um pouco maçador, adormeço… Se adormeceres, adormeces! Ele olhar-te-á igualmente, olhar-te-á igualmente. Mas, teres a certeza de que Ele te olha é muito mais importante do que o título de catequista: faz parte do ser catequista. Isto inflama o coração, mantém aceso o fogo da amizade com o Senhor, faz-te sentir que Ele verdadeiramente olha para ti, está perto de ti e te ama. Numa das saídas que tive, aqui em Roma, por ocasião de uma Missa, aproximou-se um senhor, relativamente jovem, e disse-me: “Padre, prazer em conhecê-lo; mas eu não acredito em nada! Não tenho o dom da Fé!”. Ele entendia que a Fé era um dom. “Não tenho o dom da “Pregai sempre o Evangelho e, se for necessário, também com as palavras”. As palavras têm o seu lugar… mas primeiro o testemunho. Acima e nas páginas seguintes: Diversos aspectos da Audiência concedida na Sala Paulo VI aos catequistas vindos a Roma em peregrinação por ocasião do Ano da Fé e do Congresso Internacional de Catequese, 27/9/2013 Novembro 2013 · Arautos do Evangelho      7
  8. 8. também se pode traduzir por “nos possui”. É assim o amor: atrai-te e envia-te, toma-te e dá-te aos outros. É nesta tensão que se move o coração do cristão, especialmente o coração do catequista. Perguntemo-nos, todos: É assim que bate o meu coração de catequista: união com Jesus e encontro com o outro? Com este movimento de “sístole-diástole”? Alimenta-se na relação com Ele, mas para O levar aos outros e não para O reter? Eis o que vos digo: não compreendo como possa um catequista ficar parado, sem este movimento. Não compreendo! Não ter medo de ir com o Senhor às periferias E o terceiro elemento — três — situa-se também nesta linha: recomeçar de Cristo significa não ter medo de ir com Ele para as periferias. Isto traz-me à mente a história de Jonas, uma figura muito interessante, especialmente nos nossos tempos de mudanças e incerteza. Jonas é um homem piedoso, com uma vida tranquila e bem ordenada; isto leva-o a ter bem claros os seus esquemas e a julgar rigidamente tudo e todos segundo esses esquemas. Vê tudo claro, a verdade é esta. É rígido! Por isso, quando o Senhor o chama e lhe diz para ir pregar à grande cidade pagã de Nínive, Jonas não quer. “Ir lá! Mas eu tenho toda a verdade aqui!”. Não quer ir… Nínive está fora dos seus esquemas, está na periferia do seu mundo. Então escapa, vai para a Espanha, foge, embarca num navio que vai para aqueles lados. Ide ler o Livro de Jonas! É breve, mas é uma parábola muito instrutiva, especialmente para nós que estamos na Igreja. Que nos ensina? Ensina-nos a não ter medo de sair dos nossos esquemas para seguir a Deus, porque Deus vai sempre mais além. Sabeis uma coisa? Deus não tem medo! Sabíeis isto?! Não tem medo! Ultrapassa sempre os nossos esquemas! Deus não tem medo das periferias. Se fordes às periferias, encontrá-Lo-eis lá. Deus é sempre fiel, é criativo. Mas, por favor, não se compreende um catequista que não seja criativo. A criatividade é como que a coluna do ser catequista. Deus é criativo, não se fecha, e por isso nunca é rígido. Deus não é rígido! Acolhe-nos, vem ao nosso encontro, compreende-nos. L’Osservatore Romano o trabalho do catequista é este: por amor, sair continuamente de si mesmo para testemunhar Jesus e falar de Jesus, anunciar Jesus. Isto é importante, porque é obra do Senhor: é precisamente o Senhor que nos impele a sair. O coração do catequista vive sempre este movimento de “sístole-diástole”: união com Jesus — encontro com o outro. Existem as duas coisas: eu uno-me a Jesus e saio ao encontro dos outros. Se falta um destes dois movimentos, o coração deixa de bater, não pode viver. Recebe em dom o querigma e, por sua vez, oferece-o em dom. Importante esta palavrinha: dom! O catequista está consciente de que recebeu um dom: o dom da fé; e dela faz dom aos outros. Isto é maravilhoso! E não reserva uma percentagem para si! Tudo aquilo que recebe, dá-o. Aqui não se trata de um negócio! Não é um negócio! É puro dom: dom recebido e dom transmitido. E o catequista está ali, nesta encruzilhada de dom. Isto está na própria natureza do querigma: é um dom que gera missão, que impele sempre para além de si mesmo. São Paulo dizia: “O amor de Cristo nos impele”; mas esta expressão “nos impele” O coração do catequista vive sempre este movimento de “sístole-diástole”: união com Jesus — encontro com o outro 8      Arautos do Evangelho · Novembro 2013
  9. 9. mental: Deus sempre nos precede! Quando pensamos que temos de ir para longe, para uma periferia extrema, talvez nos assalte um pouco de medo; mas, na realidade, Ele já está lá: Jesus espera-nos no coração daquele irmão, na sua carne ferida, na sua vida oprimida, na sua alma sem fé. Vós sabeis uma das periferias que me faz tão mal, tão mal que me faz doer (senti-o na diocese que tinha antes)? É a das crianças que não sabem fazer o Sinal da Cruz. Em Buenos Aires, há muitas crianças que não sabem fazer o Sinal da Cruz. Esta é uma periferia! É preciso ir lá! E Jesus está lá, espera por ti para ajudares aquela criança a fazer o Sinal da Cruz. Ele sempre nos precede. Amados catequistas, acabaram-se os três pontos. Recomeçar sempre de Cristo! Agradeço-vos pelo que fazeis, mas sobretudo porque estais na Igreja, no povo de Deus em caminho, porque caminhais com o povo de Deus. Permaneçamos com Cristo — permanecer em Cristo —, procuremos cada vez mais ser um só com Ele; sigamo-Lo, imitemo-Lo no seu movimento de amor, no seu sair ao encontro do homem; e saiamos, abramos as portas, tenhamos a audácia de traçar estradas novas para o anúncio do Evangelho. Que o Senhor vos abençoe e Nossa Senhora vos acompanhe! Obrigado! Maria é nossa Mãe; Maria, sempre, nos leva a Jesus! Elevemos uma oração, uns pelos outros, a Nossa Senhora. L’Osservatore Romano Para sermos fiéis, para sermos criativos, é preciso saber mudar. Saber mudar. E por que devo mudar? É para me adequar às circunstâncias em que devo anunciar o Evangelho. Para permanecermos com Deus, é preciso saber sair, não ter medo de sair. Se um catequista se deixa tomar pelo medo, é um covarde; se um catequista se fecha tranquilo, acaba por ser uma estátua de museu: e temos muitos! Temos muitos! Por favor, estátuas de museu, não! Se um catequista é rígido, torna-se encarquilhado e estéril. Pergunto-vos: Alguém de vós quer ser covarde, estátua de museu ou estéril? Algum de vós tem vontade de o ser? [Catequistas: Não!] Não? Têm certeza?… Está Vós sabeis uma das periferias que bem! Aquilo que vou dizer agome faz doer? É a das crianças que não sabem fazer o Sinal da Cruz ra, já o disse muitas vezes; mas sinto no coração que o devo dizer. Quando nós, cristãos, estamos sempre fechado: este está doente. E fechados no nosso grupo, no nosso às vezes está doente da cabeça… movimento, na nossa paróquia, no Jesus nos precede na evangelização nosso ambiente, permanecemos fechados; e acontece-nos o que suceAtenção, porém! Jesus não diz: de a tudo aquilo que está fechado: “Ide, arranjai-vos”. Não, não diz isquando um quarto está fechado, co- so! Jesus diz: Ide, “Eu estou conmeça a cheirar a mofo. E se uma vosco!”. Nisto está o nosso encanpessoa está fechada naquele quar- to e a nossa força: se formos, se sairto, adoece! mos para levar o seu Evangelho com Quando um cristão está fechado amor, com verdadeiro espírito aposno seu grupo, na sua paróquia, no tólico, com franqueza, Ele caminha seu movimento, está fechado, adoe- conosco, precede-nos, — digo-o em ce. Se um cristão sai pelas estradas, espanhol — nos primerea. vai às periferias, pode acontecerO Senhor sempre nos primerea! -lhe o mesmo que a qualquer pes- Decerto já aprendestes o significado soa que anda na estrada: um aciden- desta palavra! E isto é a Bíblia que o te. Quantas vezes vimos acidentes diz, não eu. A Bíblia diz, ou melhor, “estradais”! Mas eu digo-vos: pre- o Senhor diz na Bíblia: Eu sou como firo mil vezes uma Igreja acidenta- a flor da amendoeira. Por quê? Porda a uma Igreja doente! Prefiro uma que é a primeira flor que desabroIgreja, um catequista que corra co- cha na primavera. rajosamente o risco de sair, a um caEle é sempre o primero! Ele é tequista que estude, saiba tudo, mas o primeiro! Para nós, isto é funda- Discurso aos catequistas vindos a Roma em peregrinação por ocasião do Ano da Fé e do Congresso Internacional de Catequese, 27/9/2013 Todos os direitos sobre os documentos pontifícios estão reservados à Libreria Editrice Vaticana. A íntegra dos documentos acima pode ser encontrada em www.vatican.va Novembro 2013 · Arautos do Evangelho      9
  10. 10. “Os Bem-aventurados celestes”, detalhe de “O Juízo Final”, por Fra Angélico - Museu de São Marcos, Florença (Itália) a  Evangelho  A “Naquele tempo, 1 vendo Jesus as multidões, subiu ao monte e sentou-Se. Os discípulos aproximaram-se, 2 e Jesus começou a ensiná-los: 3 ‘Bem-aventurados os pobres em espírito, porque deles é o Reino dos Céus. 4 Bem-aventurados os aflitos, porque serão consolados. 5 Bem-aventurados os mansos, porque possuirão a Terra. 6 Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados. 7  Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia. 8 Bem- 10      Arautos do Evangelho · Novembro 2013 -aventurados os puros de coração, porque verão a Deus. 9 Bem-aventurados os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus. 10 Bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o Reino dos Céus. 11  Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem, e, mentindo, disserem todo tipo de mal contra vós, por causa de Mim. 12a Alegrai-vos e exultai, porque será grande a vossa recompensa nos Céus’” (Mt 5, 1-12a).
  11. 11. Comentário ao Evangelho - Solenidade de Todos os Santos A festa dos irmãos celestes Na Solenidade de Todos os Santos a Igreja nos convida a ver com esperança nossos irmãos celestes, como estímulo para percorrermos por inteiro o caminho iniciado com o Batismo e atingirmos a plena felicidade na glória da visão beatífica. Mons. João Scognamiglio Clá Dias, EP I – Os Santos, irmãos celestes? Na Solenidade de Todos os Santos a Igreja celebra todos aqueles que já se encontram na plena posse da visão beatífica, inclusive os não canonizados. A Antífona da entrada da Missa nos faz este convite: “Alegremo-nos todos no Senhor, celebrando a festa de Todos os Santos”.1 Sim, alegremo-nos, porque santos são também — no sentido lato do termo — todos os que fazem parte do Corpo Místico de Cristo: não só os que conquistaram a glória celeste, como também os que satisfazem a pena temporal no Purgatório, e os que, ainda na Terra de exílio, vivem na graça de Deus. Quer estejamos neste mundo como membros da Igreja militante, quer no Purgatório como Igreja padecente, quer na felicidade eterna, já na Igreja triunfante, somos uma única e mesma Igreja. E como seus filhos temos irmandade, conforme diz São Paulo aos Efésios: “já não sois hóspedes nem peregrinos, mas sois concidadãos dos Santos e membros da família de Deus” (Ef 2, 19). Os Santos intercedem por nós e dão exemplo É por isso que o Prefácio desta Solenidade reza: “Festejamos, hoje, a cidade do Céu, a Jerusalém do alto, nossa mãe, onde nossos irmãos, os Santos, vos cercam e cantam eternamente o vosso louvor. Para essa cidade caminhamos pressurosos, peregrinando na penumbra da fé. Contemplamos, alegres, na vossa luz, tantos membros da Igreja, que nos dais como exemplo e intercessão”.2 Assim, caminhando “na penumbra da fé”, voltemos a atenção para os Bem-aventurados, — nossos irmãos, se vivermos na graça de Deus —, pois eles estão mais perto d’Aquele que é a Cabeça desse Corpo, Nosso Senhor Jesus Cristo. Eles são motivo de esperança para os que padecem nas chamas do Purgatório. E para nós, que possuímos pelo Batismo o germe dessa glória da qual eles já gozam, são modelo da santidade de vida que devemos alcançar. Todo nosso empenho será pouco para obter que essa semente se transforme em árvore frondosa, no pleno desabrochar de suas flores e com abundância de frutos, isto é, a glória eterna, nossa meta última. Precisamos avançar, então, rumo aos que estão na presença de Deus com o mesmo desejo com que procuraríamos nossa família, caso não a conhecêssemos, pois, entre os membros Novembro 2013 · Arautos Santos são todos os que fazem parte do Corpo Místico de Cristo, não só os que conquistaram a glória celeste do Evangelho      11
  12. 12. Ao criar o Céu Empíreo, tinha Deus, desde toda a eternidade, o plano de povoá-lo com outros seres inteligentes Gustavo Kralj de uma família harmônica e bem constituída existe um imbricamento, fruto da consanguinidade, tão inquebrantável que, por exemplo, se um dos irmãos atinge uma situação de prestígio, todos os demais se regozijam. Muito maior há de ser a união daqueles que, pela filiação divina, pertencem à família de Deus, e maior também a alegria ao contemplarmos nossos irmãos louvando a Deus no Céu, por todo o sempre, e intercedendo por nós junto a Ele. Tais pensamentos nos dão a clave para analisar o florilégio das leituras que a Santa Igreja separou para esta Solenidade. “Descida ao Limbo”, por Fra Angélico - detalhe do Armadio degli Argenti Convento de São Marcos, Florença (Itália). II – Chamados a nos reunirmos no Céu A primeira leitura, do Apocalipse (7, 2-4.914), é cheia de beleza e, ao mesmo tempo, difícil de ser explicada com profundidade, em todos os seus simbolismos. Detenhamo-nos apenas em dois aspectos que a relacionam especialmente com esta comemoração. “Eu, João, vi um outro Anjo que subia do lado onde nasce o Sol. Ele trazia a marca do Deus vivo, e gritava, em alta voz, aos quatro Anjos que tinham recebido o poder de danificar a terra e o mar, dizendo-lhes: ‘Não façais mal à terra, nem ao mar, nem às árvores, até que tenhamos marcado na fronte os servos do nosso Deus’” (Ap 7, 2-3). Este bonito trecho deixa patente que Deus só promoverá o fim do mundo quando forem ocupados todos os lugares do Céu e a coorte dos Bem-aventurados se tenha completado. Vemos como Deus, para além das ofensas cometidas contra Ele e antes de enviar o castigo à Terra, cuida de seus Santos, daqueles que Ele escolheu. Logo em seguida, continua São João: “­ uvi O então o número dos que tinham sido marcados: eram cento e quarenta e quatro mil, de todas as tribos dos filhos de Israel” (Ap 7, 4). Este número dos que seguem o Cordeiro por toda parte (cf. Ap 14, 4) é simbólico, pois a quantidade de Santos do Céu é incalculável. Ao criar o Céu 12      Arautos do Evangelho · Novembro 2013 Empíreo — que, segundo São Tomás,3 foi a primeira criatura a sair das mãos de Deus, junto com os Anjos —, tinha Ele, desde toda a eternidade, o plano de povoá-lo com outros seres inteligentes que, além dos espíritos angélicos, fossem partícipes da natureza divina e, portanto, sócios de sua felicidade eterna. Eis o apelo feito a nós na Liturgia de hoje: desejar e abraçar a via da santidade para fazer parte destes cento e quarenta e quatro mil. O predomínio do mal depois do pecado original Ora, a partir do pecado original o homem passou a se interessar de forma intemperante pelas coisas materiais, e aos poucos se esqueceu de Deus. Estabeleceu-se na face da Terra a luta entre o bem e o mal, entre as volúpias da carne e o chamado de Deus à santidade, e no relacionamento humano entrou o mal com uma virulência extraordinária, pois este é dinâmico, enquanto o bem é apenas difusivo.4 Com efeito, se não fosse a sustentação da graça, o mal dominaria completamente em nós e derrotaria o bem. Desde o primeiro Santo, até Nosso Senhor Jesus Cristo Isto se faz patente logo após a saída de Adão e Eva do Jardim do Éden, na história
  13. 13. A Encarnação do Verbo trouxe ao mundo uma plêiade de Santos -aventurados, Maria Santíssima subiu em corpo e alma, e foi coroada como Rainha do universo. Ficaram escancaradas as portas da santidade Ao longo dos vinte séculos de História da Igreja, as moradas eternas acolheram os mártires, os doutores, os confessores... pois foi Nosso Senhor Jesus Cristo quem abriu definitivamente as portas da santidade a todos os homens, com a superabundância de sua graça e sua doutrina nova dotada de potência (cf. Lc 4, 32; Mc  1, 22). Sinopse desta doutrina é o Sermão da Montanha, cujo centro é o Evangelho escolhido para esta Solenidade: a proclamação das Bem-aventuranças. De fato, elas são o resumo de toda a moral católica, de toda via de perfeição, de toda a prática da virtude, e se neste dia comemoramos as miríades de Santos que habitam o Paraíso Celeste, é porque eles realizaram em sua vida aquilo que o Divino Mestre delineia como causa de bem-aventurança. Tendo comentado este Evangelho em outras ocasiões,5 nos limitaremos agora a dar uma síntese dos ensinamentos nele contidos, em harmonia com a Solenidade hoje celebrada. Quando Jesus expirou na Cruz, sua Alma desceu ao Limbo, onde, decerto, o primeiro a recebê-Lo foi São José O contraste entre a Antiga e a Nova Lei Entretanto, a Encarnação do Verbo e sua Em primeiro lugar, apreciemos o contraste presença visível entre os homens trouxe ao desta cena do Sermão da Montanha com outro mundo uma plêiade de Santos: desde os már- importante discurso da História Sagrada: a protires inocentes, até o Bom Ladrão que, tendo implorado misericórdia, obteve dos lábios do próprio Deus o prêmio de ser perdoado e santificado: “Hoje estarás comigo no Paraíso” (Lc 23, 43). Quando Jesus expirou na Cruz, sua Alma desceu ao Limbo, onde, decerto, o primeiro a recebê-Lo foi São José, que O aguardava havia poucos anos. Mas foi no dia de sua gloriosa Ascensão que o Redentor levou consigo essa coorte exultante de justos, introduzindo-os no Céu a fim de começar a povoá-lo. Em certo momento, “Anunciação”, por Giusto di Alemagna Igreja de Santa Maria do Castelo, Gênova (Itália) com gáudio para os BemNovembro 2013 · Arautos Francisco Lecaros de seus dois primeiros descendentes, Caim e Abel. Abel era um filho da luz, reto e justo, cujos sacrifícios oferecidos a Deus eram aceitos com enorme benevolência (cf. Gn 4, 4). Caim, pelo contrário, nutria em sua alma o nefasto vício da inveja que, tendo chegado ao auge, levou-o a matar seu irmão, derramando sangue inocente. Em seguida, tomado de amargura e depressão, em consequência de seu pecado, Caim quis fugir da face do Senhor, com a ilusão característica do pecador que julga poder ocultar-se de Deus, assim como se esconde do olhar dos homens (cf. Gn 4, 8.14). Qual não terá sido o espanto de Eva ao carregar o cadáver de seu filho nos braços e deparar-se, pela primeira vez, com o efeito do pecado cometido no Paraíso! A alma de Abel, porém, no instante em que se destacou do corpo foi para o Limbo dos Justos, à espera da vinda do Salvador que lhe abriria as portas do Céu. Precedendo os pais, ele encabeçou o cortejo dos Santos, daqueles que, aos poucos, constituiriam o número dos que deveriam passar desta vida à eterna bem-aventurança. do Evangelho      13
  14. 14. No Sinai, Deus permanece no cume da montanha e Moisés tem de subir até lá para receber as Tábuas da Lei or revela duas preocue um lado ele descreve ual se situa o episódio ofundidade teológica à e de compêndio de ho- Jean-Louis Bruguès, OP, a Santa Igreja Romana) lheá-los para perceber omentários a que estaas imagens utilizadas r algo do Mistério” ppe Scotti, Presidente da breria Editrice Vaticana) Mons. João Mons. João Scognamiglio Clá Dias, EP Scognamiglio Clá Dias, EP O inédito sobre os Evangelhos gica, de uma doutrina ta ao que poderíamos até o Concílio VaticaMons. Scognamiglio”. a verdade é forte em ino (Cf. Summa contra na força da verdade, e o acertada, indicando, gaudium de veritate —, anto Agostinho” da Congregação para os ades de Vida Apostólica) mulgação da Antiga Lei, no Monte Sinai (cf. Ex 19—23). Parece que Nosso Senhor quis estabelecer de propósito uma contraposição entre ambos os episódios, a fim de mostrar a beleza existente na Nova Lei que Ele veio trazer, levando a Lei Antiga a maior perfeição (cf. Mt 5, 17). No Sinai, Deus permanece no cume da montanha e Moisés tem de subir até lá para receber as Tábuas da Lei. Cristo, pelo contrário, desce à meia altura do monte para Se encontrar com o homem e entregar-lhe, Ele próprio, a Nova Lei. Assim, uma Lei é promulgada no cimo da montanha, outra na orla. Enquanto no Sinai o homem deve subir até Deus, na montanha em que Jesus faz seu sermão, Deus desce até o homem. No Sinai, o Todo-Poderoso se apresenta em meio a trovões, relâmpagos, escuridão e som ensurdecedor de trombeta; na montanha, o Salvador senta-Se entre os homens, num ambiente suave, sereno e tranquilo, sem especiais manifestações da natureza. No Sinai, o povo tinha proibição de tocar a base do monte, pois morreria se o fizesse; na montanha, a multidão está próxima de Jesus e pode tocá-Lo, porque d’Ele emana uma virtude que cura a todos. No Sinai, foi dado a Moisés um código de leis, verdadeiro código penal, com severos cas- VII Solenidades Festas Tríduo Pascal O inédito sobre os Evangelhos Comentários aos Evangelhos dominicais Solenidades - Festas que podem ocorrer em domingo Quarta-Feira de Cinzas - Tríduo Pascal tigos para quem o transgredisse; na montanha, Nosso Senhor mostra, com misericórdia sem limites, quais os prêmios, os benefícios e as maravilhas concedidas por Deus a quem pratica a virtude e cumpre a Lei. No Sinai, Moisés representa a Lei, servindo de exemplo por seu zelo em cumprir essa mesma Lei; na montanha, J ­ esus Cristo é o modelo perfeito da lei da bondade. No Sinai, para ouvir as prescrições divinas poderia subir qualquer homem, desde que fosse eleito por Deus; na montanha, porém, só o Homem-Deus, Nosso Senhor Jesus Cristo, Segunda Pessoa da Santíssima Trindade Encarnada, podia pronunciar aquele Sermão, pois unicamente Ele, enquanto Messias, tinha autoridade para aperfeiçoar a Lei Antiga. Nessa perspectiva de bondade, Jesus proclama as Bem-aventuranças, mostrando a que alturas é capaz de se elevar uma alma pelo florescimento dos dons do Espírito Santo, produzindo atos de virtude heroica. Tais frutos podem brotar de maneira isolada, mas, em geral, quando o santo chega à plenitude da união com Deus, todas as bem-aventuranças se verificam numa única florada. Ser santo, então, significa ser um bem-aventurado no tempo para depois sê-lo na eternidade. O inédito sobre os Evangelhos Três novo volu s mes Editada pela Libreria Editrice Vaticana, a coleção O inédito sobre os Evangelhos apresenta os comentários de Mons. João Scognamiglio Clá Dias, EP, aos Evangelhos de todos os domingos e solenidades do ciclo litúrgico. A obra “O inédito sobre os Evangelhos” não é só exegética e pastoral, mas tem o mérito de pôr a Teologia ao alcance de todos, seja qual for a condição social do leitor ou seu grau de formação. Porque para voar nos céus da Teologia é preciso, sobretudo fé, mais do que cultura ou inteligência. É ela que nos permite penetrar verdades e mistérios que estão fora do alcance da compreensão humana. Para crer não é preciso ser letrado ou ter grande capacidade intelectual, basta abrir a alma à luz de Deus. E só na Fé católica o mundo contemporâneo poderá encontrar resposta para os grandes problemas que o perturbam. E, quiçá, por isso, haja crescente interesse entre os fiéis em Já estão disponíveis: vol. I (Advento, Natal, Quaresma e Páscoa - Ano A) vol. II (Tempo Comum – Ano A) vol. VII (Solenidades – Festas que podem ocorrer em domingo – Quarta-Feira de Cinzas – Tríduo Pascal) LIBRERIA EDITRICE VATICANA Preço com gastos de envio incluídos: R$ 37,55 (vol I), R$ 39,45 (vol II) e R$ 34,90 (vol. VII) Pedidos pela internet (evangelhocomentado.arautos.org) ou pelo telefone (11) 2971-9040 14      Arautos do Evangelho · Novembro 2013
  15. 15. A filiação divina nos confere uma qualidade Timothy Ring ção. Uma vez posto na janela, se não é iluminado, que valor terá peça tão espetacular? EnEm que consiste, pois, estretanto, a partir do momensa bem-aventurança? Na seto em que os raios de luz sogunda leitura (I Jo 3, 1-3) bre ele incidem, brilhará com desta Liturgia, um lindíssiextraordinários matizes, desmo trecho da Primeira Epísdobrando-se em mil reflexos tola de São João — o Apósmulticoloridos. tolo do Amor, exímio espiriOutra comparação que tualista, sempre dado a restambém nos aproxima da reasaltar a vida sobrenatural — lidade sobrenatural é a de um nos dá a resposta, lembranlitro de álcool no qual são derdo o valor da nossa condiramadas algumas gotas de fação de filhos de Deus: “Vede bulosa essência, finíssima e de que grande presente de amor requintado aroma. Sem deixar o Pai nos deu: de sermos chade ser álcool, o líquido tornamados filhos de Deus. E nós -se perfume, pois é assumido realmente o somos” (I Jo 3, pela essência. 1a). Na verdade, por ocasião Da mesma forma como do Batismo, embora a natua luz ilumina o vitral e a esreza humana continue a messência assume o álcool — e ma, com inteligência, vontade ainda poderíamos encontrar e sensibilidade, acrescenta-se na natureza outras imagens em nós uma qualidade: a parilustrativas —, também a ticipação na própria naturegraça confere nova qualidaza divina, que nos assume por de à alma humana, que é, por completo. A graça, explica assim dizer, submersa na naSão Boaventura, “é um dom tureza divina, como comenta que purifica, ilumina e aper“A Transfiguração” (detalhe) Catedral de Hamilton (Canadá) Scheeben: “Se dentre todos feiçoa a alma; que a vivifica, os homens e todos os Anjos a reforma e a consolida; que a eleva, a assimila e a une a Deus, tornando- escolhesse Deus uma só alma, para comuni-a aceitável; pelo que semelhante dom justa- car-lhe o esplendor de tão inesperada dignimente chama-se graça, pois nos faz gratos, is- dade, [...] deixaria estupefatos não só os mortais, mas ainda os mesmos Anjos, que se sento é, graça gratificante”.6 Sendo um bem do espírito, não pode ser vis- tiriam quase tentados a adorá-la, como se fota com os olhos materiais, pois estes captam só ra Deus em pessoa”. 8 Tal é a excelência da fio que é sensível, mas comprovamos, isto sim, liação divina! seus efeitos. Santa Catarina de Sena, a quem Uma semente da glória futura Nosso Senhor concedera a graça de contemplar o estado das almas, chegou a afirmar a Filhos de Deus... “nós o somos! Se o mundo seu confessor: “Meu pai, se vísseis o fascínio não nos conhece é porque não conheceu o Pai. de uma alma racional, não duvido que daríeis Caríssimos, desde já somos filhos de Deus, mas cem vezes a vida pela sua salvação, porque nes- nem sequer se manifestou o que seremos” (I Jo te mundo nada há que se lhe possa igualar em 3, 1b-2a). De fato, enquanto permanecemos beleza”.7 neste mundo, em estado de prova, temos a graCertas imagens podem servir para termos ça santificante, recebida no Batismo, e as graças uma ideia, ainda que pálida, das maravilhas atuais, que Deus derrama sobre nós ao longo da operadas pela graça nas almas. Imaginemos um nossa existência. Todavia, estamos apenas no vitral esplendoroso, com uma perfeita combi- começo do caminho, pois, só quando contemnação de cores, fabricado com vidro da melhor plarmos a Deus face a face, esta graça se transqualidade, contendo até ouro na sua composi- formará em glória e chegaremos ao “estado de Novembro 2013 · Arautos Cristo, pelo contrário, desce à meia altura do monte para Se encontrar com o homem e entregar-lhe, Ele próprio, a Nova Lei do Evangelho      15
  16. 16. homem feito, a estatura própria da maturidade de Cristo” (Ef 4, 13). A ideia da felicidade eterna Em seu infinito amor, Deus quis dar às criaturas inteligentes, Anjos e homens, um empréstimo de sua luz intelectual Esta é a felicidade absoluta da qual nossos irmãos, os Santos, já gozam em plenitude na eternidade e com a qual nenhuma consolação desta vida é comparável. Nossa ideia a propósito da felicidade é tão humana, que julgamos, muitas vezes, possuí-la em grau máximo ao obter algo que muito desejamos. A mera inteligência do homem não alcança a compreensão da felicidade do Céu, pois em relação a Deus somos como formigas que, andando pela terra, levantassem a cabeça para olhar o voo de uma águia no céu. A diferença entre uma formiga e uma águia é ridícula perto da infinitude existente entre a razão humana e a inteligência divina. E ainda que, dotados de uma capacidade incomum, passássemos trezentos bilhões de anos estudando, nosso verbo continuaria falho e não encontraríamos termos para nos expressarmos devidamente a respeito de Deus. A essência divina é definida pela teologia como o Ser subsistente por Si mesmo,9 que Se conhece, Se entende e Se ama por inteiro, tal qual é.10 Desde toda a eternidade, isto é, sem haver princípio, Deus, contemplando-Se, Se compreende inteiramente enquanto Ser incriado, necessário e superexcelente, que não depende de ninguém, que se basta; e nisto consiste sua felicidade absoluta. Contudo, seu próprio conhecimento é tão rico que gera uma Segunda Pessoa, o Filho, idêntico a Ele e tão feliz como Ele. Ambos Se amam, e deste mútuo amor entre Pai e Filho procede uma Terceira Pessoa, também feliz: o Espírito Santo. Assim, há três Pessoas, num só Deus, a Se conhecerem, Se entenderem e Se amarem, numa perpétua alegria, sem origem no tempo e sem fim, eternamente! 1 SOLENIDADE DE TODOS OS SANTOS. Antífona da entrada. In: MISSAL ROMANO. Trad. Portuguesa da 2a. edição típica para o Brasil realizada e publicada pela CNBB com acréscimos aprovados pela Sé Apostólica. 9.ed. São Paulo: Paulus, 2004, p.691. 16      Arautos do Evangelho · Novembro 2013 Um empréstimo da inteligência divina Pois bem, em seu infinito amor, Deus quis dar às criaturas inteligentes, Anjos e homens, um empréstimo de sua luz intelectual, o lumen gloriæ, para que possam nela entendê-Lo tal qual Ele Se entende — guardadas as proporções entre criatura e Criador —, já que, segundo explica São Tomás, “a capacidade natural do intelecto criado não basta para ver a essência de Deus” sem ser aumentada pela “graça divina”.11 E por mais que seccione sua luz, Ele sempre permanecerá imutável e em nada será diminuído, pois é infinito. O eminente dominicano padre Santiago Ramírez define o lumen gloriæ como “um hábito intelectual operativo, infuso per se, pelo qual o entendimento criado se faz deiforme e torna-se imediatamente disposto à união inteligível com a própria essência divina, e se torna capaz de realizar o ato da visão beatífica”.12 Esse “fazer-se deiforme” significa que quem entra na bem-aventurança e contempla a Deus face a face se torna semelhante a Ele, como afirma São João na continuação de sua Epístola: “Sabemos que, quando Jesus se manifestar, seremos semelhantes a Ele, porque O veremos tal como Ele é” (I Jo 3, 2b). Só no Céu veremos a Nosso Senhor Jesus Cristo de fato, uma vez que enquanto viveu na Terra ninguém O viu tal qual Ele é. Nem mesmo na Transfiguração, quando tomou, enquanto qualidade passageira, a claridade inerente ao corpo glorioso13 — como tivemos o ­ portunidade de analisar em comentários anteriores —, São Pedro, São Tiago e São João chegaram a contemplar a essência de sua divindade, pois, do contrário, a alma deles ter-se-ia destacado do corpo. “Todo o que espera n’Ele purifica-se a si mesmo, como também Ele é puro” (I Jo 3, 3). Quanto mais aumenta em nós a esperança desse encontro e dessa visão, e, portanto, quanto 2 Idem, Prefácio, p.692. 3 Cf. SÃO TOMÁS DE AQUINO. Suma Teológica. I, q.61, a.4. 4 Cf. CLÁ DIAS, EP, João Scognamiglio. Radical mudança de padrões no relacionamento divino e humano. In: Arautos do Evan- 6 SÃO BOAVENTURA. Breviloquio. P.V, c.1, n.2. In: Obras. 3.ed. Madrid: BAC, 1968, v.I, p.324. 7 BEATO RAIMUNDO DE CÁPUA. Santa Caterina da Siena. 5.ed. Siena: Cantagalli, 1994, p.149. Cf. Idem, q.5, a.4, ad 2. 5 gelho. São Paulo. N.109 (Jan., 2011); p.10-16.
  17. 17. Gustavo Kralj “Santos adorando Jesus Ressuscitado”, por Fra Angélico - Detalhe da Pala de Fiesole, Museu de São Marcos, Florença (Itália) mais crescemos no desejo de nos entregarmos a Deus e de Lhe pertencermos por inteiro na caridade, mais nos purificamos do amor-próprio e do egoísmo profundamente enraizados em nossa natureza. Devemos ter bem presente que não existem três amores, mas apenas dois: o amor a Deus levado até o esquecimento de si mesmo ou o amor a si levado até o esquecimento de Deus.14 III – Sigamos o exemplo daqueles que nos precederam na graça e nos esperam na glória! O homem, ainda quando privado da graça, tem uma apetência de infinito que não descansa enquanto não for saciada pela união com Deus. É o que revela Santo Agostinho, em suas Confissões: “E eis que Tu estavas dentro de mim e eu fora, e fora Te procurava; e, disforme como era, lançava-me sobre as coisas belas que criaste. Tu estavas comigo, mas eu não estava con8 9 SCHEEBEN, Matthias Joseph. As maravilhas da graça divina. Petrópolis: Vozes, 1952, p.29. 12 Cf. ROYO MARÍN, OP, Antonio. Dios y su obra. Madrid: BAC, 1963, p.47-49. 10 Cf. SÃO TOMÁS DE AQUINO, op. cit., q.14, a.2-4; q.20, a.1. 11 Idem, q.12, a.5. tigo. Retinham-me longe de Ti aquelas coisas que, se não estivessem em Ti, não existiriam”.15 Essa felicidade imensa e indescritível, para a qual todos nós somos criados, só a atingiremos seguindo os passos daqueles que nos precederam com o sinal da Fé e que já gozam dela, por sua fidelidade a tal chamado. Peçamos que essa bem-aventurança eterna seja também para nós um privilégio, pelos méritos de Nosso Senhor Jesus Cristo, das lágrimas de Nossa Senhora e da intercessão de todos os Santos que hoje comemoramos, a fim de um dia nos encontrarmos em sua companhia no Céu. Enquanto lá não chegarmos, podemos nos relacionar com essa enorme plêiade de irmãos celestes, membros do mesmo Corpo, por um canal direto muito mais eficiente do que qualquer meio de comunicação moderno: a oração, o amor a Deus e o amor a eles enquanto unidos a Deus. Tenhamos a certeza de que, do alto, eles nos olham com benevolência, rogam por nós e nos protegem. ² RAMÍREZ, OP, Santiago. De hominis beatitudine. In I-II Summæ Theologiæ Divi Thomæ commentaria (QQ. I-V). II P., Q.II, Sect.III, n.298. Madrid: Instituto de Filosofía Luis Vives, 1972, t.IV, p.342. 13 Madrid: BAC, 1958, v.XVI-XVII, p.984. 15 SANTO AGOSTINHO. Confessionum. L.X, c.27, n.38. In: Obras. 6.ed. Madrid: BAC, 1974, v.II, p.424. Cf. SÃO TOMÁS DE AQUINO, op. cit., III, q.45, a.2. 14 Essa felicidade imensa e indescritível só a atingiremos seguindo os passos daqueles que nos precederam com o sinal da Fé Cf. SANTO AGOSTINHO. De Civitate Dei. L.XIV, c.28. In: Obras. Novembro 2013 · Arautos do Evangelho      17
  18. 18. Dona Lucilia Ribeiro dos Santos Corrêa de Oliveira O calor dessa bondade Foto enviada por Dona Lucilia ao seu futuro esposo, por ocasião do seu noivado A largueza de alma e generosa bondade de Dona Lucilia não se restringiam aos limites do lar, levando-a a tratar como filhos também as outras crianças, em especial aquelas que tivessem a idade de Rosée e Plinio. A paciência em tratar um sobrinho surdo-mudo Assim, era objeto de carinho e paciência verdadeiramente maternais da parte de Dona Lucilia um sobrinho, de nome Agostinho — Tito para os mais íntimos — que se mostrava de trato difícil com os parentes. Surdo-mudo de nascença, aprendera a falar em Viena, mas se exprimia de modo rouco e meio desagradável, por nunca ter ouvido o verdadeiro timbre da voz humana. Era inevitável que a maior parte das pessoas procurasse subtrair-se ao convívio dele, o que o deixava muito nervoso. Costumava ir ao palacete Ribeiro dos Santos, e às vezes se desentendia até com Dona Gabriela. Esta, apesar de tudo, tinha pena dele e não lhe dizia “vá embora!”, mesmo porque, para ela, era ponto pacífico que uma avó devia aturar o neto. Dona Lucilia, de seu lado, a fim de tornar a vida de sua mãe o mais leve possível, chamava sobre si os problemas que apareciam. Assim, ficava ob- “Tia Lucilia ficou marcada para mim a vida inteira como uma santa. Porque uma tão grande bondade ficou como que impregnada em mim, e até hoje ainda sinto o calor dessa bondade”. servando a discussão com Tito. Ao atingir esta certo paroxismo, voltava-se para o sobrinho e lhe dizia, silabando as palavras, movendo devagar os lábios para bem se fazer compreender: — Tito, acompanhe-me, vamos conversar um pouco. Ele, que não queria outra coisa — estava mesmo à espera de ser chamado por Dona Lucilia — tranquilizava- se e ia com ela para uma saleta. Conversavam uma hora, às vezes hora e meia. Ele não conseguia graduar de forma conveniente o volume de voz, de maneira que falava alto de- mais. Às vezes gritava, sem perceber, chegando mesmo os parentes a ouvir trechos da conversa. Eram queixas ­ amargas, mal-entendidos, que ela precisava lhe explicar pacientemente. Ao cabo daquela hora e tanto, saía Tito tranquilizado, beijava a tia, dizia “até logo”, e ia-se embora. Dona Lucilia voltava para a sala onde estavam os outros, às vezes um tanto cansada, mas sem nada comentar. Nunca a viram se queixar, nem procurar chamar a atenção para a p ­ aciência de que dava provas. Além de Tito, também outros sobrinhos se beneficiaram dessa envolvente benquerença, como veremos a seguir. Carinho e bondade incomparáveis, salvaguardados os princípios Agostinho Ribeiro dos Santos (Tito), o sobrinho surdo-mudo 18      Arautos do Evangelho · Novembro 2013 Yelmo, primogênito de Antônio — irmão de Dona Lucilia — saudoso declarava: “De tia Lucilia? Lembro-me perfeitamente, era uma pessoa extraordinária. Jamais encontrei em minha vida afeto que superasse o dela”. Já em idade de ser avô, quase bisavô, Dr. Yelmo se recordava de um fato de infância, como se tivesse acontecido no dia anterior. Certa feita, seus pais foram ao Rio de Janeiro com a filha, Dalmacita, deixando-o com seu irmão mais moço, Marcelo, na casa de Dona Gabriela.
  19. 19. tica e e de uma autên res melho iparar-se às tudo tem nteiro. Sobre filhos entre ela e seus ncia coisas com freqüê é tomado que o leitor epistolário o inimitável com grande e nos oferece a responder o, atrevo-me ao juíão de adiantar-meopinião uma óprio é dar podemos nunca erra, nós e Romaólica, Apostólica o doce be a nós nos incum a Providência ente à Divin de Deus e ão, para a glória namiglio Mons. João Scog Clá Dias, Marín, OP) Fr. Antonio Royo ação o líne do autos L.E.V. Yelmo Ribeiro dos Santos (esquerda) junto a Dalmacita e Marcelo tar sua avó, saibam respeitar todas as pessoas que estão aqui, evitando afligi-las sem necessidade! Diante da imponência e severidade com que ela se expressava, Yelmo, como tanto meninote de 12 anos, pôs-se a chorar. Dona Gabriela, senhora de muita energia, não podia tolerar as lágrimas de fraqueza de seu neto e chamou-o aos brios: — Homem não chora! Pare de chorar! Como era natural, ele chorou ainda mais, pois a tragédia estava se tornando maior... Dona Lucilia, que ali perto presenciava a cena, compadeceu-se de seu sobrinho e, fazendo-lhe um discreto sinal, chamou-o à parte, dizendo-lhe com voz amena: — Yelmo, meu filho, venha aqui. Ele, soluçando, foi até junto de sua tia e, jogando-se em seus braços, desatou num mais copioso pranto, dando largas à sua dor. Para o consolar, Dona Lucilia lhe disse: — Meu filho, você precisa compreender... Sua avó é assim mesmo. É uma senhora dos antigos tempos, e não permite nada que não esteja inteiramente correto. É claro que ela podia ter um pouco de pena de você. No entanto, apesar de suas carinhosas palavras, em nenhum momento deixou Dona Lucilia de dar razão a sua própria mãe, por ser sagrado o princípio de autoridade que esta representava naquela c ­ asa. E continuou: — Mas sua avó tem razão, vocês não devem chegar tarde sem avisar. Não chore mais. Sua tia está aqui com pena de você, está lhe agradando. Sossegue um pouquinho, isso passa. O menino notou que defluía de Dona Lucilia tanta bondade e compaixão pelo que ele estava sofrendo, tanto desejo de lhe fazer bem, que logo parou de chorar, sentindo-se consolado. “Tia Lucilia ficou marcada para mim a vida inteira como uma santa... — lembrava ele saudoso — Porque uma tão grande bondade ficou como que impregnada em mim, e até hoje ainda sinto o calor dessa bondade”. ² Extraído de: CLÁ DIAS, EP, João Scognamiglio. Dona Lucilia. Città del Vaticano: Libreria Editrice Vaticana, 2013, p.115-118. ep Mons. João Scognamiglio Clá Dias, ep Don a Luc ilia te uma ito concretamen maravia leitura desta Lucilia é esta: foi Dona outra forlavra? Ou, de r indisico que se reque uma beatifiIgreja com Cada um havia recebido de presente uma bicicleta, e estavam desejosos de experimentar todos os deleites que um menino costuma fruir com tão fascinante brinquedo. O principal deles talvez fosse a sensação de independência que Yelmo, em seus “provectos” 12 anos de idade, anelava desfrutar. Os estreitos espaços do jardim da casa de sua avó eram limitados, não se prestando a isso. Propôs a seu irmão mais jovem lançarem-se à aventura pelas amplas e tranquilas ruas do então aristocrático Bairro dos Campos Elíseos, e irem tomar lanche em casa de seus pais. Seus infantis anseios de liberdade, porém, não levaram em consideração o feitio grave e autoritário da avó — uma senhora ao estilo antigo, em todo o sentido da palavra — habituada a mandar pelo olhar, sem haver quem se atrevesse a contestá-la. Demorando eles muito a retornar, Dona Gabriela ficou receosa de que algo lhes tivesse acontecido. Quando voltaram, já tarde, e foram cumprimentar a avó, a justa repreensão não se fez esperar, dirigindo-se ela principalmente ao mais velho, Yelmo, por isso mesmo o mais culpado: — Onde vocês estiveram? — Saímos um pouquinho, só para tomar um lanche em casa... — Mas chegam a esta hora, sem me ter avisado? Vocês não sabem em que casa estão? Não mediram a preocupação que me podiam causar? E escolhem logo essa hora tardia para chegar?! Saibam respei- Dona Lucilia Scognamiglio Mons. João é natural de Clá Dias, EP, . Nasceu a São Paulo, Brasil de 1939, sendo 15 de agosto io Clá Díaz filho de Anton Scognamiglio e de Annitta Clá Díaz. o na FaculCursou Direit de São Frandade do Largo u seus estucisco, aprofundo com grandes dos teológicos Salamanca, de catedráticos e Dominicana, da Ordem s em Filoso obteve láurea Psicologia e fia, Teologia, as es em divers Humanidad doues, sendo universidad o Canônico torado em Direit e Universidad pela Pontifícia (Ande Aquino São Tomás e em Teogelicum) de Roma rsidad Pontilogia pela Unive de Medelficia Bolivariana, . lín (Colômbia) Clá é funda Mons. João Superior-Geral dor e atual e do Evangelho dos Arautos Dona Lucilia Uma biografia de Dona Lucilia Ribeiro dos Santos Corrêa de Oliveira, escrita por Mons. João Scognamiglio Clá Dias, EP, e editada pela Libreria Editrice Vaticana. Pedidos pelo telefone (11) 2971-9040, ou pelo Fax: (11) 2971-9067 RICE VATICANA LIBRERIA EDIT Novembro 2013 · Arautos do Evangelho      19
  20. 20. A virtude da obediência Jesus Se oculta nos superiores Todos procuram continuamente a felicidade. Consistirá ela em fazer sempre a própria vontade, não depender de ninguém e satisfazer os próprios caprichos? Diác. Flávio Roberto Lorenzato Fugyama, EP E stupefata, a multidão contemplava o prodígio. — Será possível!? — exclamavam uns. — Viste o que acabo de ver? — indagavam outros. Aquele que, em vida, tantas vezes doara suas roupas aos pobres; que, apesar de dolorosa enfermidade, tantas vezes transportara lenha às costas para aquecer nos duros invernos as choças dos mais necessitados; aquele homem tão afável com os seus, considerado “pai dos pobres e consolador dos aflitos”, acabara de operar, mesmo morto, portento inaudito. Após a sua exumação, o corpo do Beato Stefano Bellesini estava sendo transferido para um esquife digno de conter tão excelsa relíquia. Entretanto, constatou-se que o novo féretro, mal calculado, era demasiado pequeno. E assim, a alegria da solene cerimônia parecia encaminhar-se para uma situação vexatória. Então o Cardeal Pedecini, num gesto de confiança, dirigiu ao Santo estas palavras: — Padre Bellesini, tão obediente como fostes em vida, não poderíeis agora acomodar-vos neste estreito caixão? E qual não foi a surpresa de todos quando, sem intervenção humana, o corpo se encolheu o suficiente para adequar-se à urna!1 Bela é a pobreza, por amor à qual o religioso renuncia aos bens exteriores. Esplendorosa é a castidade que o leva a abdicar dos prazeres corporais. Mais magnífica, entretanto, é a virtude da obediência, em aras da qual as almas consagradas imolam aquilo que têm de mais precioso: a própria vontade.2 Àquele beato que em vida praticara eximiamente os conselhos evangélicos, a simples invocação desta virtude por um Prelado da Santa Igreja foi-lhe irresistível, como irresistíveis são para Deus os pedidos feitos pelas almas obedientes. Um monge anda sobre as águas Certo dia, encontrava-se o grande patriarca São Bento recolhido em sua cela quando o menino Plácido, um de seus noviços, caiu num lago e foi arrastado pela correnteza à distância de um tiro de flecha. O santo varão teve milagrosamente ime- 20      Arautos do Evangelho · Novembro 2013 diato conhecimento do fato, chamou o jovem Mauro e o mandou ir salvar seu irmão de hábito. Após receber a bênção de seu pai espiritual, o discípulo partiu com tal ímpeto que, como se estivesse ainda em terra firme, correu sobre as águas, segurou o pequeno pelos cabelos e o trouxe de volta são e salvo. Só então deu-se conta do milagre que fora operado. De regresso ao mosteiro, narrou, estupefato, o sucedido. Porém, “o venerável Bento começou a atribuir isso não a seus próprios méritos, mas aos da fiel obediência do discípulo. Mauro, pelo contrário, sustentava que tudo era unicamente efeito de sua ordem, e que ele parte alguma tivera naquele prodígio obrado sem consciência”.3 O certo é que a Providência, agradada pela ordem de São Bento e pela pronta obediência de São Mauro, suspendera as leis da natureza para salvar o menino que, no futuro, viria a ser o grande São Plácido. As feras tornam-se mansas Dos monges dos primeiros tempos contam-se, também, fatos admi-
  21. 21. The Yorck Project Oriunda do termo latino ráveis relacionados com essa eleo ­ b-audire — escutar com atenção vada virtude. —, a obediência é “uma virtude Sabia-se que um discípulo do moral que torna a vontade pronAbade Paulo, de nome João, jata para executar os preceitos do mais resistia a qualquer ordem superior”.5 E tanto mais perfeirecebida, por mais árdua que fosse. Assim, em certa ocasião ta ela será, “quanto mais rapiem que o abade o encarregou de damente se adiante a executar uma incumbência na aldeia viziaquilo que se entende ser vonnha, aprestou-se a obedecer, mas tade do superior, mesmo antes preveniu o superior: de este a manifestar”.6 Pois, co— Pai e senhor meu, ouvi dimo ensina São Tomás, “a vontazer que ronda por aquelas bande do superior, de qualquer madas uma leoa feroz. neira como ela se manifeste, é — Se a leoa te atacar, detémuma ordem tácita; e a obediên-na e traze-a contigo — responcia se mostrará tanto mais solídeu o ancião, gracejando. cita quanto mais o obediente se Ao cair da tarde, de fato, a antecipar à expressão do preceileoa saltou sobre ele. Sucedeu, to, compreendida a vontade do então, o inverossímil: a fera torsuperior”.7 nou-se presa e o monge, caçaPortanto, a prática da obedidor. Cumprindo a ordem dada ência não se restringe ao cumpripelo superior, João quis sujeitámento das ordens e preceitos cla“São Mauro resgata São Plácido ”, por Lourenço -la, mas ela escapou. Então ele a ramente expressos por parte daMonaco - Retábulo da Coroação da Virgem, perseguiu, bradando: quele que manda. Quem almeja Galleria degli Uffizi, Florença (Itália) — Mandou-me o abade prenpraticá-la em grau excelente deder-te e levar-te a ele! ve assumir a postura de um bom fiA estas palavras, a fera detevelho em relação ao pai, ou seja, estar -se imediatamente. João a segurou e extremamente atento àquilo que o empreendeu o caminho de volta ao superior quer. mosteiro, onde o abade mostrava-se Porque “a obediência é, antes de pesaroso e preocupado por seu filho tudo, uma atitude filial. É aquele tiespiritual que tanto tardava. Ao vêpo particular de escuta que só mes-lo retornar arrastando a leoa, enmo o filho pode prestar ao pai, por cheu-se de admiração e deu graças a estar iluminado pela certeza de que Deus. Cheio da alegria dos obedieno pai só pode ter coisas boas a dizer tes, disse-lhe o discípulo: e a dar ao filho; uma escuta embe— Eis aqui, pai, a leoa que me bida naquela confiança que permimandaste trazer. te ao filho acolher a vontade do pai, Para o bem daquela alma, a fim certo de que esta será para seu bem. de que não viesse a envaidecer-se, o Isto é imensamente mais verdadeiro abade deu-lhe ordem de soltar a feem relação a Deus. Com efeito, nós ra.4 O fato tornou-se logo conhecido atingimos a nossa plenitude somente na medida em que nos inserimos entre os monges, que engrandeceram a Deus pelo prodígio realizado para tude da obediência, e os inimaginá- no desígnio com que Ele nos conceenaltecer o valor da obediência. veis esforços realizados pelos Bem- beu em seu amor de Pai”.8 -aventurados para praticá-la de forUnião de vontade com o superior As molas propulsoras ma exímia. Mas deixemos de lado da obediência Muitos volumes seriam necessá- por enquanto o florilégio hagiográfirios para se relatar os exemplos ti- co e adentremo-nos no conhecimenAssim, podemos afirmar que as rados da vida dos Santos no sentido to dessa pérola preciosa, ainda que molas propulsoras e o dinamismo de mostrar o quanto Deus ama a vir- num voo muito rápido. desta virtude são a fé e a caridade. Mais ­magnífica, entretanto, é a virtude da obediência, em aras da qual as almas consagradas imolam aquilo que têm de mais precioso Novembro 2013 · Arautos do Evangelho      21
  22. 22. São Charbel Makhlouf Obediente como um menino para com seus pais P rolongados jejuns, penitências extraordinárias, bem como a sua constante união com Deus, combinavam-se admiravelmente para fazer do padre Charbel um anjo em carne humana. [...] A sua obediência foi a de um menino para com seus pais; isto era o que o diferenciava dos seus irmãos. Vendo nos superiores a pessoa de Cristo, obedecia todas as suas ordens, com uma total naturalidade e com grande alegria. Não se limitava a obedecer ao seu superior, cada um de seus irmãos, era a seus olhos outro Cristo, e obeSão Charbel Makhlouf decia-os. Gostava de fazer os ofícios mais humildes da casa, ninguém o viu jamais descontente, nem se ouviu que murmurasse algo contra o modo de proceder do superior, ou de qualquer dos seus irmãos. Como testemunho do que temos afirmado, aqui vai um depoimento do padre Nehmetallah Nehme, então superior do mosteiro de Annaya: “Certo dia estava o padre Charbel trabalhando com os outros irmãos no vinhedo do Convento. Ao anoitecer, saí para visitá-lo, encontrando-o a trabalhar bem longe dos outros. Como eu sabia que ele só comia quando lhe ordenavam, me aproximei d’ele e lhe perguntei: — O Senhor já tomou o seu café da manhã? — Não, foi a resposta do nosso Santo. Ninguém me mandou comer ainda qualquer coisa. Então ordenei a um monge que fosse até o Mosteiro, e que de lá trouxesse qualquer coisa para o irmão Charbel. Jejuara durante 30 horas, sem comer absolutamente nada, só por não faltar à obediência”. (DAHER, Paul. Taumaturgo Universal. Servo de Deus Pe. Charbel Makhlouf. São Paulo: Safady, 1955, p.82-83.) 22      Arautos do Evangelho · Novembro 2013 Segundo o padre Royo Marín, o assunto da obediência “se reduz, em realidade, a um problema de fé”.9 E o Beato Columba Marmion nos apresenta uma ousada e elucidativa comparação a este propósito. Diz ele que quando contemplamos a sagrada Hóstia, não vemos senão pão. Ora, Cristo afirmou: “isto é o meu Corpo” (Mt 26, 26). Assim, deixando de lado o testemunho de nossos sentidos, cremos estar Jesus ­ real e substancialmente presente sob as Sagradas Espécies. Diante delas nos ajoelhamos em adoração à Segunda Pessoa da Santíssima Trindade. De modo semelhante, Nosso Senhor Se oculta a nós em nossos superiores. Constatando seus defeitos, vemos que eles são falíveis, mas nossa fé nos diz que é um representante de Cristo, e, por assim dizer, apalpamos Cristo através das imperfeições do homem. “Se tivermos fé nos veremos obrigados a exclamar: ‘Creio!’. E obedeceremos a este homem, porque nos submetendo a ele obedecemos ao próprio Cristo e permanecemos a Ele unidos”.10 Por outro lado, na caridade se unificam as ações e os sentimentos “e, mesmo não havendo total coincidência de pareceres, haverá uma mútua predisposição para receber e compreender o ponto de vista do outro e um íntimo desejo de agradar a quem se ama”.11 De tal forma a caridade e a obediência se complementam que o Doutor Angélico assevera não ser possível existir uma sem a outra,12 sendo a obediência louvável por proceder da caridade.13 É por isso que “a obediência cristã, descobrindo nas ordens e mandatos a presença da vontade de Deus, deve ver-se necessariamente auxiliada pela presença da divina caridade que a faz atuar com um espírito totalmente sobrenatural. Donde se deduz que, para a obediência ser cristã, deve estar informada da divina caridade, a qual só
  23. 23. Só os padres e religiosos devem obedecer? Evidentemente, a virtude da obediência compete sobretudo aos clérigos e aos membros dos Institutos religiosos, vinculados pela profissão dos votos, cada qual a seu respectivo superior. Constitui, aliás, o elemento mais importante da vida religiosa, conforme demonstrou o Doutor Angélico15 e lembra o padre Royo Marín: “o estado religioso, em virtude principalmente do voto de obediência, é um verdadeiro holocausto que se oferece a Deus”.16 Como diz São Gregório Magno: “com razão se antepõe a obediência aos sacrifícios, posto que mediante as vítimas se imola a carne alheia, enquanto que, pela obediência, se imola a vontade própria”.17 Sem embargo, apesar de concernir de modo especial os clérigos e membros de Institutos religiosos, a virtude da obediência abrange uma gama de pessoas muito mais ampla.18 Na Epístola aos Efésios, depois de incentivar todos a serem “submissos uns aos outros no temor de Cristo” (Ef 5, 21), São Paulo mostra, fundando-se em argumentos elevadíssimos, como ela deve ser praticada em todos os âmbitos das relações humanas, mesmo na ordem temporal. Assim, por exemplo, exorta os filhos a obedecerem aos pais, lembrando-lhes que é cumprindo o mandamento de honrar pai e mãe que serão felizes (cf. Ef 6, 1-3). Não deixa, porém, de alertar estes últimos para que, no exercício de sua autoridade, não provoquem a ira dos filhos, mas os eduquem na disciplina e instruções do Senhor (cf. Ef 6, 4). E São Pedro afirma que devemos ser submissos “a toda autoridade humana” (I Pd 2, 13); portanto, não somente àquelas que julgamos serem boas e justas. Também São Paulo é claro nesse sentido: “Cada qual seja submisso às autoridades constituídas, porque não há autoridade que não venha de Deus; as que existem foram instituídas por Deus” (Rm 13, 1). Logo em seguida, o Apóstolo alerta para o prejuízo da insubordinação: “Quem resiste à autoridade, opõe-se à ordem estabelecida por Deus; e os que a ela se opõem, atraem sobre si a condenação” (Rm 13, 2). Timothy Ring pode existir numa alma em estado de graça”.14 A obediência de Jesus Cristo e de Maria Santíssima Desta santa virtude da obediência deram-nos o mais sublime exemplo Jesus e Maria. Como diz São Paulo, em sua Epístola aos Filipenses: “Sendo Ele [Cristo] de condição divina, não Se prevaleceu de sua igualdade com Deus, mas aniquilou-Se a Si mesmo, assumindo a condição de escravo e assemelhando-Se aos homens. E, sendo exteriormente reconhecido como Homem, humilhou-Se ainda mais, tornando-Se obediente até a morte, e morte de Cruz” (Fl 2, 6-8). Com efeito, o Verbo eterno e consubstancial ao Pai dignou-Se assumir nossa carne mortal, fazendo-Se verdadeiro Homem, entre outras razões, para nos ensinar e recomendar, por meio de seu sublimíssimo exemplo, esta virtude. De fato, “de um a outro extremo, da Encarnação ao Calvário, a vida de Jesus aparece dominada pela lei da obediência”.19 Idêntica afirmação faz o Beato Columba Marmion: “O Consummatum est é a expressão mais exata e completa de sua vida, regida toda ela pela obediência; é o eco do Ecce venio pronunciado no instante da Encarnação. Estas duas palavras são duas grandes afirmações de obediência, e toda a existência terrena de Cristo Jesus gira em torno de um eixo que passa por estes dois polos”.20 “ Jesus de Medinaceli” - Basílica de Jesus de Medinaceli, Madri “E, sendo exteriormente reconhecido como Homem, humilhou-Se ainda mais, tornando-Se obediente até a morte, e morte de Cruz” Novembro 2013 · Arautos do Evangelho      23
  24. 24. Fracisco Lecaros “O nó da desobediência de Eva foi desatado pela obediência de Maria; e aquilo que a virgem Eva atou, com a sua incredulidade, desatou-o a Virgem Maria com a sua fé” “A Anunciação” - Afresco da capela da Porciúncula, Assis (Itália) Maria Santíssima, por sua vez, certa de que “a Deus nada é impossível” (Lc 1, 37), realizou “da maneira mais perfeita a obediência da fé”,21 quando disse: “Eis aqui a escrava do Senhor. Faça-se em Mim segundo a tua palavra” (Lc 1, 38). Comenta Santo Irineu: “O nó da desobediência de Eva foi desatado pela obediência de Maria; e aquilo que a virgem Eva atou, com a sua incredulidade, desatou-o a Virgem Maria com a sua fé”.22 Como atesta a Lumen gentium, com este consentimento, abraçando de todo o coração a vontade divina de salvação, Maria tornou-Se Mãe de Jesus e “consagrou-Se totalmente, como escrava do Senhor, à pessoa e à obra de seu Filho, subordinada a Ele e juntamente com Ele, servindo pela graça de Deus onipotente o mistério da Redenção”.23 E acrescenta: “Por isso, consideram com razão os Santos Padres que Maria não foi utilizada por Deus como instrumento meramente passivo, mas que cooperou livremente, pela sua fé e obediência, na salvação dos homens”.24 A verdadeira liberdade e a ufania da obediência “Nunca os homens tiveram um tão vivo sentido da liberdade co- mo hoje”,25 já dizia o Concílio Vaticano II, apontando também para os perigos de uma falsa concepção deste termo: “Os homens de hoje apreciam grandemente e procuram com ardor esta liberdade; e com toda a razão. Muitas vezes, porém, fomentam-na de um modo condenável, como se ela consistisse na licença de fazer seja o que for, mesmo o mal, contanto que agrade”.26 Os anos se passaram, e é o caso de nos perguntarmos se isso mudou... Se não, nada mais atual do que a necessidade de deitar luz sobre o tema. Pode por certo o homem, com suas simples forças naturais, conhecer muitas verdades e praticar várias virtudes; não lhe é possível, porém, sem o auxílio da graça, permanecer estavelmente no conhecimento e na prática de todos os Mandamentos. Isto porque na natureza humana decaída pelo pecado original persiste sempre a debilidade da inteligência e a má tendência, anterior a qualquer raciocínio, que o incita a revoltar-se contra a Lei. Se consentir nessa tendência, transgredindo algum Mandamento, pode o homem chegar ao ódio, mais ou menos inconfessado, à própria 24      Arautos do Evangelho · Novembro 2013 ordem moral em seu conjunto. Esse ódio pode não só dar origem a erros doutrinários, mas até levar à profissão explícita de princípios contrários à lei moral e à doutrina revelada, enquanto tais. Ou seja, a cometer um pecado contra o Espírito Santo: negar a verdade conhecida como tal. Obediência, hierarquia e autoridade são pilares indispensáveis para uma sociedade bem constituída. E o conceito de liberdade, em seu sentido moral verdadeiro, não se cifra na capacidade de fazer sempre a própria vontade (inclusive podendo escolher o mal), mas sim em fazer o bem, cumprindo a vontade de Deus, ainda que à custa de sacrifícios, renúncias e abnegação. Nesta obediência cheia de liberdade o homem se livra da escravidão da libertinagem. Só assim terá ele autêntica e duradoura felicidade, pois o pecado não traz alegria e paz, mas apenas fruição passageira. Por intermédio de Maria Santíssima, peçamos, pois, a graça de praticar eximiamente esta santa virtude da obediência, a fim de gozarmos da infinita felicidade que nos está reservada por Jesus Cristo na eternidade. ²
  25. 25. C omo obedecer a um superior cujos defeitos são patentes? O problema é complexo e infelizmente frequente... Entretanto, há um princípio fundamental para ser sempre aplicado nos casos concretos: é preciso procurar ver a Deus no superior com os olhos da fé, lembrando-se que, na vida religiosa, ele representa Nosso Senhor Jesus Cristo.1 Exemplo da aplicação desse princípio à vida cotidiana nos dá São Tomás de Aquino em um episódio pouco conhecido. Sendo o turno dele de fazer a leitura no refeitório, aquele que presidia a mesa lhe fez sinal, em determinado momento, para colocar um acento sobre outra sílaba que não a correta. Se bem que sua pronúncia estivesse certa, ele imediatamente retificou-a, acatando a vontade do superior. 1 2 Cf. CLÁ DIAS, EP, João Scognamiglio. Mãe do Bom Conselho. São Paulo: Artpress, 1995, p.240. “Por parte do que se sacrifica e imola perante Deus, a obediência é a primeira e mais excelente de todas as virtudes morais” (ROYO MARÍN, OP, Antonio. Teología Moral para seglares. Madrid: BAC, 2012, v.I, p.784). Ver também SÃO TOMÁS DE AQUINO. Suma Teológica. II-II, q.104, a.3. 3 SÃO GREGÓRIO MAGNO. Vida e milagres de São Bento. São Paulo: Artpress, 1995, p.44-45. 4 Cf. RUFINO DE AQUILEIA. Verba Seniorum. L.III, n.27: ML 73, 755-756. 5 ROYO MARÍN, op. cit., p.783. 6 Idem, ibidem. Na recreação seus irmãos comentaram que não deveria tê-lo feito, posto que evidentemente ele estava com a razão. Mas, São Tomás respondeu: “É pouco importante pronunciar uma palavra dessa ou daquela maneira, mas é sempre importante a um religioso exercer a obediência e a humildade”.2 São Luís Gonzaga, por sua vez, não se permitia uma ação, mesmo ínfima, contra uma ordem de seus superiores. Certo dia em que lhe impuseram um afazer, no momento de forte atração à oração e à meditação, disse a Deus de um modo filial: “Ide, Senhor, a fim de que eu possa obedecer a meu superior”.3 E Santa Teresa de Ávila dizia que nunca agiria contra uma ordem, mesmo se um Anjo pretendesse liberá-la da obrigação da obediência.4 7 SÃO TOMÁS DE AQUINO, op. cit., a.2. 8 CONGREGAÇÃO PARA OS INSTITUTOS DE VIDA CONSAGRADA E AS SOCIEDADES DE VIDA APOSTÓLICA. O Serviço da Autoridade e a Obediência, n.5. 9 ROYO MARÍN, OP, Antonio. La vida religiosa. 2.ed. Madrid: BAC, 1968, p.332. 10 11 12 MARMION, OSB, Columba. Jesucristo, ideal del monje. Conferencias espirituales sobre la vida monástica y religiosa. 2.ed. Barcelona: Litúrgica Española, 1949, p.335. PALMÉS DE GENOVER, SJ, Carlos. La obediencia religiosa ignaciana. Barcelona: Eugenio Subirana, 1963, p.227. “Se alguém padecesse o martírio, ou distribuísse todos os seus bens aos pobres, se Francisco Lecaros Um princípio fundamental para a vida cotidiana “São Bento” - Mosteiro de Santa Maria de Valbuena (Espanha) 1 ROYO MARIN, OP, Antonio. La vida religiosa. 2.ed. Madrid: BAC, 1968, p.332. 2 SCHÉRER, OSB, Augustin; LAMPERT, OSB, Johannes B. (Ed.).  Dictionnaire d’exemples a l’usage des prédicateurs et des catéchistes. Tournai/Paris: Casterman, 1936, t.V, p.75. 3 Idem, p.74. 4 Cf. Idem, p.73. não orientasse tudo isto para o cumprimento da vontade divina, o que diz respeito diretamente à obediência, tais obras não teriam o menor mérito; como também se feitas sem a caridade, a qual não pode existir sem a obediência” (SÃO TOMÁS DE AQUINO, op. cit., a.3.). 13 LÓPEZ, Rafael. El Espíritu Santo y la obediencia consagrada. México: La Cruz, 1981, p.251-252. Lembre-se que o Catecismo da Igreja Católica afirma que os conselhos evangélicos — pobreza, castidade e obediência — “são propostos a todo discípulo de Cristo” (CCE 915). 19 ESPINOSA POLIT, SJ, Manuel María. La obediencia perfecta. Comentario a la Carta de la obediencia de San Ignacio de Loyola. 2.ed. México: Jus, 1961, p.292. 20 MARMION, op. cit., p.317. 21 CCE 148. 22 SANTO IRINEU. Adversus Hæreses. L.III, c.22, n.4: MG 7, 959. 23 CONCÍLIO VATICANO II. Lumen gentium, n.56. 24 Idem, ibidem. 25 CONCÍLIO VATICANO II. Gaudium et spes, n.4. 26 Idem, ibidem. Cf. Idem, ibidem. 14 18 15 Cf. SÃO TOMÁS DE AQUINO, op. cit., q.186, a.7-8. 16 Cf. ROYO MARÍN, Teología Moral para seglares, op. cit., p.784. 17 SÃO GREGÓRIO MAGNO. Moralium in Job. L.XXXV, c.14, n.28: ML 76, 765. Novembro 2013 · Arautos do Evangelho      25
  26. 26. V Peregrinação Nacional a Aparecida “S enti-me mais perto de Nossa Senhora e de Jesus, e jamais conseguirei retribuir os benefícios que d’Eles recebi”, foi o comentário de uma senhora que participou da V Peregrinação Nacional do Apostolado do Oratório a Aparecida, realizada no dia 14 de setembro. Onze mil pessoas, provenientes de dez Estados, se reuniram junto à imagem de Nossa Senhora da Conceição Aparecida para manifestar sua devoção à Mãe de Deus e nossa, agradecendo todos os favores concedidos às famílias que recebem mensalmente em suas casas o Oratório do Imaculado Coração de Maria. São incontáveis as pessoas que retornaram à prática religiosa em razão das graças recebidas pela visita do Oratório. Cada qual se sente especialmente olhado pela Mãe de Misericórdia que convida a todos com doçura e compaixão, instilando nas almas uma grande confiança na misericórdia divina. A peregrinação anual à Padroeira do Brasil é ocasião de grande afervoramento dos participantes do Apostolado do Oratório das mais diversas regiões do País, que trocam impressões e experiências, propiciando um incremento desse valioso instrumento de evangelização em nossos dias. Um dos participantes comentou ao fim da cerimônia: “Pudemos ver a grande devoção dos filhos e filhas de Nossa Senhora que, sem medir esforços, vieram de todos os lugares do Brasil para prestar a devida homenagem merecida por nossa Mãe Santíssima”. E um coordenador desse apostolado acrescentou: “Que maravilha ver todo o apostolado mariano desenvolvido por Monsenhor João crescendo pelo mundo inteiro!”. E todos se despediram com o firme propósito de trazer mais fiéis no próximo ano! ² Onze mil fiéis – Vindos de dez Estados da Federação, participantes do Apostolado do Oratório acorreram aos pés da imagem da Padroeira do Brasil. Coordenadores de diversas paróquias entraram em cortejo no Santuário portando os respectivos oratórios antes da Celebração. 26      Arautos do Evangelho · Novembro 2013
  27. 27. Terço na esplanada – No início da manhã, os peregrinos se reuniram na Esplanada João Paulo II para a recitação do terço, assim como cada família faz ao receber a visita do Oratório em seu lar. Antes da oração, uma cópia da Imagem de Nossa Senhora Aparecida (em destaque) foi conduzida em cortejo até a Tribuna Bento XVI. Missa no Santuário – Com o templo lotado, o Cardeal Raymundo Damasceno Assis, Arcebispo Metropolitano de Aparecida e Presidente da CNBB (foto em destaque), presidiu a Eucaristia, tendo entre outros concelebrantes Dom Benedito Beni dos Santos, bispo emérito de Lorena (SP). Novembro 2013 · Arautos do Evangelho      27
  28. 28. Curitiba – Visando evangelizar de forma viva e atraente, o Pe. Ryan Francis Murphy, EP, tem feito palestras acompanhadas de apresentação musical realizada por jovens arautos em diversas instituições de ensino da capital paranaense, como a Escola Estadual Ângelo Trevisan (fotos acima). Cuiabá – No início de setembro, arautos deram palestra de formação na 2ª Concentração Arquidiocesana dos Servos do Altar, que reuniu mais de dois mil jovens (esquerda). E no primeiro sábado do mês, a Catedral-Basílica do Senhor Bom Jesus encheu-se de fiéis para a prática da devoção dos Cinco Primeiros Sábados (direita). Nova Friburgo (RJ) – Entre as escolas em que foi desenvolvido o Projeto Futuro e Vida, cabe destacar a Escola Municipal Umbelina Breder, pela ativa participação dos alunos na visita de 20 de agosto (esquerda) e a acolhida dada à apresentação musical realizada pelo setor feminino no CIEP de Monnerat, em 20 setembro (direita). 28      Arautos do Evangelho · Novembro 2013
  29. 29. Visitando o hospital geriátrico Dom Pedro II U m grupo de participantes do Curso de Formação Teo­ lógica, ministrado na sede do Apostolado do Oratório em São Paulo, visitou em 31 de agosto o Hospital Geriátrico Dom Pedro II, situado numa antiga chácara no Bairro de Jaçanã, na capital paulista. Vinculado à Santa Casa de Misericórdia, ele acolhe anciãos que levam uma vida isolada por não terem mais nenhum parente na cidade. Muitos deles se encontram em estado grave ou terminal. O grupo estava formado por quarenta pessoas, entre as quais dois sacerdotes e alguns missionários arautos. Eles fizeram uma doação de cobertores à Instituição e percorreram os quatrocentos leitos cantando músicas, levando palavras de estímulo e portando o Oratório. Setenta e oito Unções dos Enfermos foram ministradas pelos Pe. José Luis de Zayas y Arancibia, EP, e Pe. J ­ uan Navarro Barba, EP. Novembro 2013 · Arautos do Evangelho      29
  30. 30. Imagem peregrina percorre Comayagua C ooperadores dos Arautos do Evangelho de Honduras organizaram uma Missão Mariana na Diocese de Comayagua, a primeira a ser erigida no país e uma das mais antigas da América. Nessa diocese, o Apostolado do Oratório está implantado desde o ano de 2000, desenvolvendo-se especialmente nas comunidades rurais e periféricas, as quais recebem a visita de um sacerdote apenas uma vez ao mês. Localidades como Siguatepeque, Chorreritas, San Igna­ cio, El Porvenir, Las Lajas, La Libertad e Flores receberam com alegre surpresa a imagem do Imaculado Coração ­ de Maria levada pelos Arautos do Evangelho. Dada a dificuldade de acesso a esses povoados localizados na serra central, poucos esperavam ter esse privilégio. Em todos esses vilarejos, o Pe. Javier Pérez Beltrán, EP, celebrou Eucaristias, deu p ­ alestras de formação e atendeu confissões auxiliado pelo Pe. Israel Orellana, vigário paroquial em Siguatepeque. Durante a Missão Mariana, muitos fiéis fizeram a sua consagração solene a Nossa Senhora, segundo o método de São Luís Grignion de Montfort. Chorreritas e San Ignacio – Como em todas as comunidades, Chorreritas (esquerda) e San Ignacio (direita) receberam com calorosa devoção a Imagem Peregrina do Imaculado Coração de Maria. As respectivas capelas ficaram lotadas de fiéis desejosos de venerar a imagem da Mãe de Deus e agradecer a inesperada visita. Canais de TV – Os meios de comunicação locais deram cobertura ao evento, especialmente os canais de TV Centro de Notícias (à esquerda) e TELESIG (à direita), que receberam a Imagem de Nossa Senhora em seus estúdios e transmitiram entrevistas com os arautos sobre o carisma da Associação. 30      Arautos do Evangelho · Novembro 2013
  31. 31. “Dia com Maria” em Siguatepeque – Antes de se reunirem na Paróquia Nossa Senhora do Carmo para “Um dia com Maria”, os participantes do Apostolado do Oratório percorreram em procissão as ruas da cidade (direita). Durante o evento (esquerda), vários coordenadores consagraram-se a Jesus Cristo pelas mãos de Maria. Guatemala: Missa pelas vítimas de acidente 1 2 4 N o dia 1º de setembro, um trágico acidente de ônibus ocorrido na rodovia que conduz a San Martín Jilotepeque deixou mais de 50 mortos. O pároco dessa cidade organizou no local uma Missa em sufrágio pelas suas almas e convidou o Pe. Javier Pérez Beltrán, EP, para fazer a homilia (foto 1) perante as 5 mil pessoas presen- 3 5 tes, em sua maioria indígenas (foto 2). Cooperadores e simpatizantes dos Arautos levaram a Imagem Peregrina do Imaculado Coração de Maria que esteve presente durante a Missa junto ao altar (foto 3). Após a celebração, todos retornaram em procissão até a paróquia, distante oito quilômetros (fotos 4 e 5). Novembro 2013 · Arautos do Evangelho      31
  32. 32. Colômbia – Participantes do Apostolado do Oratório de Bogotá fizeram no mês de setembro uma visita evangelizadora às cidades de Pacho, Fusagasugá, Ibagué e Neiva. Só nesta última estiveram presentes em sete paróquias, entre as quais a de Nossa Senhora de Fátima (esquerda) e a de Nossa Senhora do Rosário (direita) Peru – A pedido de cooperadores e simpatizantes da cidade de Trujillo, a Imagem Peregrina do Imaculado Coração de Maria visitou essa cidade do norte do país, além de Chimbote e Chiclayo. Houve solene Celebração Eucarística na Basílica-Catedral (esquerda) e visita a diversos Colégios, como o Champagnat (direita). Equador – Os Arautos do Evangelho participaram das celebrações em honra de Nosso Senhor da Boa Esperança do Convento Máximo de Santo Agostinho. Após a Santa Missa, celebrada com grande solenidade na igreja do convento, houve procissão com a histórica imagem do Santo Cristo pelas ruas do centro colonial. 32      Arautos do Evangelho · Novembro 2013
  33. 33. Timothy Ring São Martinho de Porres “Martinho da Caridade” Misto de fidalgo e homem do povo, ele nos mostra uma singular via para alcançar a santidade, amando a Deus com todo o coração, com toda a alma e com toda a mente, e ao próximo como a nós mesmos. Irmã Maria Teresa Ribeiro Matos, EP A s vastidões do Novo Mundo deslumbravam o homem europeu no longínquo despontar do século XVI. Terras férteis, abundantes riquezas naturais e a esperança de um futuro promissor tornaram-se em pouco tempo uma atração irresistível para os fidalgos ibéricos, que viam nas Américas uma oportunidade de expandir a Igreja de Deus, os domínios do Rei e abrilhantar a honra da sua estirpe. O entusiasmo que os animava não carecia de fundamento, pois Deus parecia sorrir aos bravos expedicionários, soprando vento favorável nas velas de suas frágeis naus e coroando com o êxito temerárias empresas, movidas muitas vezes pelo desejo de conquistar almas para Cristo, mas muitas outras também por motivos bem menos elevados. O que reservava a Providência para essas terras infindas, habitadas por povos das mais diversas índoles? O que desejava Ela para aqueles nativos, ora pacíficos, ora belicosos, ora de temperamento selvagem, ora dotados de cultura e técnicas muito desenvolvidas? Algo mais elevado que qualquer consideração política ou sociológica: dar-lhes o tesouro da Fé, a Celebração Eucarística, a graça santificante infundida através dos Sacramentos. Fruto da heroica ação dos missionários, logo começaram a surgir no Novo Continente Santos dos mais ilustres, que perfumavam com o bom odor de Jesus Cristo os novos domínios e faziam expandir neles, pela oração ou pelo apostolado, as sementes do Reino. Pensemos, por exemplo, na Lima ­ uinhentista. q “São Martinho de Porres” Paróquia de Santa Beatriz, Lima Nela conviviam Santa Rosa, terciária dominicana, hoje padroeira da América Latina, São João Macías, evangelizador infatigável, ou esse modelo de Pastor que foi São Turíbio de Mongrovejo. Contemporâneo de todos eles, superando-os no dom dos milagres e em manifestações sobrenaturais, brilhou no convento dominicano do Santo Rosário um humilde irmão leigo chamado Martinho de Porres. “Misto de fidalgo e homem do povo, suas virtudes esplendentes contribuíram para conferir à civilização Novembro 2013 · Arautos do Evangelho      33
  34. 34. peruana do seu tempo uma beleza e uma ordenação católicas até hoje insuperáveis”.1 Desejo de servir, à imitação do próprio Cristo Indignado por vê-lo ocupando posição tão humilde, o fidalgo exige do provincial que promova seu filho pelo menos a irmão leigo. O prior acede, mas os olhos de Frei Martinho, em lugar de se iluminarem de contentamento, ficam umedecidos por lágrimas. Era a sua humildade que falava mais alto, levando-o a implorar ao superior que não o privasse da alegria de poder dedicar-se à comunidade como vinha fazendo até então. Vocação de remediar os males alheios No dia 2 de junho de 1603 ele faz a profissão solene dos votos religiosos, recebendo, além das funções de sineiro, barbeiro e encarregado da rouparia, o cuidado da enfermaria. Ali exerce também, à falta de médico, o ofício de cirurgião, cujos rudimentos aprendera antes de ingressar no convento. Seus diagnósticos certeiros sobre o verdadeiro estado dos doentes logo começam a se comprovar pelos fatos, muitas vezes contra as aparências. Por exemplo, a um enfermo que todos consideram já às Fotos: Gustavo Kralj Nasceu ele a 9 de dezembro de 1579 na florescente Lima do tempo colonial, capital do vice-reinado do Peru, filho natural de João de Porres, cavaleiro espanhol, e Ana Velázquez, panamenha livre, de origem africana. Em sua infância, experimentou ora as larguezas e as exigências da vida nobre ao lado do pai, em Guayaquil — atual Equador —, ora a simplicidade e o trabalho junto à mãe, em Lima, sem apegar-se a um modo de vida nem reclamar do outro. Mas tanto em uma quanto em outra circunstância ele se sentia atraído pela vida de piedade, servindo como coroinha nas Missas paroquiais ou passando noites em claro, de joelhos, rezando diante de Jesus Crucificado. Contando apenas 14 anos dirigiu-se ao Convento do Rosário e fez um pedido ao provincial dos Pregadores, Frei João de Lorenzana. Que deseja- va ele ao bater à porta daquela casa de Deus? Tornar-se um servidor dos frades, na qualidade de “doado”, como então eram designados aqueles que se dedicavam às tarefas domésticas e se hospedavam nas dependências dos dominicanos. O superior, discernindo nele um chamado autêntico, recebeu-o de bom grado. Doravante suas funções seriam varrer salões e claustros, a enfermaria, o coro e a igreja da grande propriedade, que abrigava por volta de 200 religiosos, entre noviços, irmãos leigos e doutos sacerdotes. De maneira alguma Frei Martinho se envergonhava dessa condição. Sua visão sobrenatural das coisas fazia-o compreender bem a glória que há em servir, à imitação do próprio Cristo Jesus, que Se encarnou para nos dar exemplo de completa submissão. Após dois anos no exercício dessas árduas tarefas, vinculado à comunidade apenas como terciário, um irmão o chama à portaria. Ali estão à sua espera o superior e seu pai que, regressando de um longo período a serviço do vice-rei, no Panamá, quer reencontrar o filho. Fruto da heroica ação dos missionários, logo começaram a surgir no Novo Continente Santos dos mais ilustres São João Macías e Santa Rosa, convento de São Domingos, Lima; São Turíbio de Mongrovejo, Palácio Arcebispal de Lima 34      Arautos do Evangelho · Novembro 2013

×