Convivendo com a
dificuldade em
aprender
Da Manuscrita ao Autor
Ao longo da História...
Ao longo do
Desenvolvimento...
Ao ...
Da Manuscrita ao
Autor
Linguagem Escrita
“É o principal meio através do
qual os estudantes
demonstram o seu conhecimento
e...
Da Manuscrita ao
AutorA escrita compõe-se de vários
processos que ocorrem de
forma não linear, pois
executamo-los mais ou ...
Da Manuscrita ao
Autor
Processos Cognitivos e
Contexto Social da
Escrita
Escrevemos para comunicar com
os outros e até par...
Da Manuscrita ao
AutorProcessos Cognitivos da
Escrita
Estabelecer Objectivos – podem
ser revistos conforme se descobre
mai...
Da Manuscrita ao
AutorAinda segundo Graham(1991), a
elaboração do texto inclui o
processo físico da escrita, a
produção de...
Da Manuscrita ao
AutorCOMPOSIÇÂO: Memória, Contexto e
Processamento (planificação,
tradução, revisão e controlo).
SINTÁCTI...
Da Manuscrita ao
AutorDificuldades na Escrita -
Disgrafia
● Superficial – dific. na via
ortográfica;
● Fonológica – dific....
Da Manuscrita ao Autor
Dificuldades na Escrita -
Disortografia● Originada por alterações da
linguagem, erros na percepção,...
Da Manuscrita ao
AutorSugestões práticas
● Abordagem processual e Clube
do escritor;
● Facilitação e instrução;
● Banda de...
Da Manuscrita ao
AutorSugestões metodológicas
● Objectivos reais que surjam;
● Gerar conteúdos tendo-nos como
audiência en...
Da Manuscrita ao
AutorSugestões de exercícios
● Contar filme ou peripécia
(conversa inicial);
● Contornar letras ou palavr...
Convivendo com a
dificuldade em
aprenderDa Manuscrita ao Autor
Ao longo do Conhecimento...
Ao longo das Experiências...
Ao...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Convivendo com a dificuldade em aprender da manuscrita ao autor

151 visualizações

Publicada em

Apresentação sobre dificuldades de escrita e potenciação da escrita.
Writting and learning.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
151
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Desde sempre considerada uma capacidade superior, e até mesmo uma arte, a escrita vai sendo conquistada através do recurso a diversas capacidades (logo possíveis dificuldades). Uma vez atingida adquire funções variadas consoante os objectivos do autor.
    Já sabemos que a escrita é importante, difícil e que engloba diversas capacidade; mas até que ponto?
  • Reforçando assim a inegável importância da escrita para a aprendizagem, é mais fácil perceber as preocupações que, dificuldades a esse nível, suscitam nos intervenientes do processo de aprendizagem (alunos, pais e professores).
  • Com estas imagens, de M. C. Escher, pretendo ilustrar como, para percorrer os vários degraus da escrita simultânea e/ou recorrentemente, as coisas se podem complicar.
  • Começando por abordar o contexto social, destaco que, a este nível, estamos a referir-nos aos objectivos da escrita e portanto à motivação para a mesma.
  • Objectivos próprios e motivantes.
    Criar conteúdos de acordo com os objectivos e a audiência.
    Organizar e sequencializar ideias, compor frases e atender às exigências da linguagem escrita.
    Estratégias de avaliação e revisão.
    Capacidade de aperfeiçoamento.
  • Físico - Motor
    Frases correcta – Sintáctico
    Formalidades da escrita - Composição
  • Aprofundar Capacidades envolvida pois = dificuldades possíveis
    Memória a longo termo
    Contexto de produção do texto (objectivos e texto);
    Processamento propriamente dito - Planificação (geração, organização, metas cognitivas);
    Tradução: processos grafomotores, linguísticos (com níveis sintáctico, léxico e semântico), textuais e contextuais
    Semânticos – Termos ou expressões que suscitam o significado pretendido, qualidade da informação e profundidade das ideias.
    Textuais e contextuais – com fio temático, estilo e objectivos.
    Via Subléxica, Fonológica ou Indirecta
    Via Léxica, Ortográfica, Visual ou Directa.
    Alógrafos “distintas formas que podem apresentar os grafemas ou as letras”
    Armazém de padrões motores gráficos – memória a longo termo
  • Disgrafia: dif. Nas vias de integração visuomotora e transtornos perceptivomotores (óculo-manual, linguagem, percepção, letra na palavra, palavra em linha e na folha, sentido direccional do grafismo (de baixo para cima e = ponteiros do relógio).
    Disgrafia mista é mais frequente pois, tendencialmente, uma das vias dificultará o desenvolvimento da outra.
    Tamanhos inadequados ou indiferenciados.
    Uniões e fragmentações: espaçamento entre letras, palavras e linhas; margens.
    Direccionalidade movimentos invertidos, escrita em espelho. – orientação espacial
    = ilegibilidade
  • Organizar e sequencializar ideias para compor frases.
    Revisão – tendem a sobrestimar a sua capacidade, abordagens simplistas e mecânicas.
  • Facilitação com cartões-pista; instrução com aluno como parceiro no estabelecer de estratégias e aplicação pratica conjunta e diversa.
    Pista sobre comportamento atencional
    Pega do lápis e postura na escrita. Auto-regulação
    Reforços
    Canhotos: virar um pouco papel no sentido dos ponteiros e pega ligeiramente mais atrás.
    “caça” – leitura em voz alta, silábica ou descontextualizada; n.º antes de cada linha; regras que falha (habituais, novas, por linha ou não).
  • Buscar a memória oralmente com ajuda
    Organização espacio-temporal
  • Exemplos
  • Convivendo com a dificuldade em aprender da manuscrita ao autor

    1. 1. Convivendo com a dificuldade em aprender Da Manuscrita ao Autor Ao longo da História... Ao longo do Desenvolvimento... Ao longo da Vida... Escrita como linguagem que envolve capacidades motoras,
    2. 2. Da Manuscrita ao Autor Linguagem Escrita “É o principal meio através do qual os estudantes demonstram o seu conhecimento e o principal instrumento através do qual os professores avaliam o desempenho” Graham (1982, cit. In Graham, Harris, MacArthur & Shwartz (1991) Writing Instruction in Bernice Y. L. Wong (ed.),
    3. 3. Da Manuscrita ao AutorA escrita compõe-se de vários processos que ocorrem de forma não linear, pois executamo-los mais ou menos simultaneamente e andamos para trás e para a frente nesses processos ao longo da tarefa de escrita. Graham
    4. 4. Da Manuscrita ao Autor Processos Cognitivos e Contexto Social da Escrita Escrevemos para comunicar com os outros e até para fazermos coisas acontecer (pedindo ou persuadindo outros para agirem) logo fazemo-lo com objectivos sociais e
    5. 5. Da Manuscrita ao AutorProcessos Cognitivos da Escrita Estabelecer Objectivos – podem ser revistos conforme se descobre mais sobre as metas e a audiência; Planear Gerar Conteúdos – buscando sistematicamente a memória e fontes externas de informação Organizar e Enquadrar o Texto – estruturar e sequencializar temporal e hierarquicamente as ideias ----------------------------------------------------------------------- Avaliação – do texto, dos objectivos e das
    6. 6. Da Manuscrita ao AutorAinda segundo Graham(1991), a elaboração do texto inclui o processo físico da escrita, a produção de frases correctas e a atenção às formalidades da escrita. Aprofundando um pouco, podemos fazer a ponte com Cruz (1999) que, ao abordar Citoler (1996) e Garcia (1995), refere 4 grandes módulos que são postos em funcionamento com a escrita: o de composição; o sintáctico; o léxico e o motor.
    7. 7. Da Manuscrita ao AutorCOMPOSIÇÂO: Memória, Contexto e Processamento (planificação, tradução, revisão e controlo). SINTÁCTICO: Tipo de oração, regras gramaticais (nº, género e pessoa), pontuação, etc. LÉXICO: Fonema  grafema e Ortografia. Duas vias possíveis de procura automática das palavras : Fonológica e Ortográfica. MOTOR: Padrões motores das letras e
    8. 8. Da Manuscrita ao AutorDificuldades na Escrita - Disgrafia ● Superficial – dific. na via ortográfica; ● Fonológica – dific. na via fonológica; ● Mista – dificuldade em ambas. Erros ortográficos, substituições e omissões, mistura de maiúsculas com minúsculas, confusão de letras semelhantes, letras com traços ou
    9. 9. Da Manuscrita ao Autor Dificuldades na Escrita - Disortografia● Originada por alterações da linguagem, erros na percepção, falhas na atenção, estratégias imaturas ou ineficazes, aprendizagem incorrecta da leitura e da escrita, processos não automatizados; ● Dificuldade na planificação, formulação e em expressar pensamentos segundo regras gramaticais; ● Surgem problemas de organização,
    10. 10. Da Manuscrita ao AutorSugestões práticas ● Abordagem processual e Clube do escritor; ● Facilitação e instrução; ● Banda desenhada; ● Agenda, diário ou calendário ● Estratégias de evitar o erro (encontradas e apenas mais frequentes ou comprometedoras)
    11. 11. Da Manuscrita ao AutorSugestões metodológicas ● Objectivos reais que surjam; ● Gerar conteúdos tendo-nos como audiência entusiasta; ● Organizar oralmente, temporalmente ou por tópicos para estruturar o texto; ● Perguntas como ouvinte que quer compreender e não avaliar o texto, uso do quem?, o quê?, como?, onde?, quando?, etc.;
    12. 12. Da Manuscrita ao AutorSugestões de exercícios ● Contar filme ou peripécia (conversa inicial); ● Contornar letras ou palavras correctas; ● Exercícios cronometrados ou em competição; ● Partir de frases simples para criar outras mais complexas; ● Ordenar palavras para formar frases;
    13. 13. Convivendo com a dificuldade em aprenderDa Manuscrita ao Autor Ao longo do Conhecimento... Ao longo das Experiências... Ao longo da Motivação... Este é um percurso que o Homem já fez e que os Homens de amanhã têm de fazer. Se nos entusiasmarmos com a aprendizagem talvez consigamos

    ×