Residuos Industriais

75.062 visualizações

Publicada em

Técnico em Segurança do Trabalho.
Saneamento do Meio I
SENAC

ATENÇÃO! Verifique a legislação atual que envolve o tema antes de utilizar o material;

2 comentários
33 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
75.062
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
238
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2.652
Comentários
2
Gostaram
33
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Residuos Industriais

  1. 1. RESÍDUOS INDUSTRIAIS
  2. 2. Objetivo <ul><li>Definir “ R esíduos S ólidos I ndustriais ”; a classificação geral de resíduos , quanto sua origem e sua periculosidade; como é feita a gestão, tratamento, armazenamento, transporte e a disposição dos RSI’ s . </li></ul>
  3. 3. Referências Normativas NBR 10004 Resíduos Sólidos - Classificação NBR 12235 Armazenamento de Resíduos Sólidos Perigosos NBR ISO 14004 Gestão Ambiental Resolução 316/2002 e 283/2001 do CONAMA Tratamento Térmico e Tratamento de resíduos Resolução 313/2002 do CONAMA Inventário Nacional de Resíduos Sólidos Indu striais
  4. 4. Definição de Resíduos <ul><li>“ Resíduos no estado sólido ou semi-sólido, que resultam das atividades de origem industrial , doméstica, hospitalar, comercial, agrícola, de serviços e de varrição. Ficam incluídos nesta definição os lodos provenientes de estações de sistemas de tratamento de água, aqueles gerados em equipamentos e instalações de controle de poluição...” </li></ul>Fonte: NBR 10004-2004, Item 3.1
  5. 5. INDÚSTRIA Matérias-Primas Energia Resíduos Produtos Mão-de-Obra Tecnologias Subprodutos Fluxos de Matéria e Energia
  6. 6. INDÚSTRIA Emissões Aéreas Resíduos Sólidos Produtos Efluentes Não-Inertes Perigosos Inertes Resíduos Sólidos na Industria
  7. 7. Resíduos Sólidos Industriais <ul><li>Processo de Classificação de Resíduos 1 </li></ul><ul><li>A classificação de resíduos envolve a identificação do processo ou atividade que lhes deu origem e de seus constituintes e características e a comparação destes constituintes com listagens de resíduos e substâncias cujo impacto à saúde e ao meio ambiente é conhecido. </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>A identificação dos constituintes a serem avaliados na caracterização do resíduo deve ser criteriosa. </li></ul>1 Item 4 da NBR 10004
  8. 8. Resíduos Sólidos Industriais <ul><li>Classe I </li></ul><ul><li>Classe II </li></ul><ul><li>- II A </li></ul><ul><li>- II B </li></ul>1 Item 4.2 da NBR 10004 Perigosos Não perigosos Inerte Não inerte São aqueles que apresentam periculosidade: Inflamabilidade; Corrosividade; Reatividade; Toxicidade; Patogenicidade. Ausência de periculosidade. Resíduo de restaurantes; Madeira; Sucata de metais; Papel e papelão; Areia de fundição; Plástico Não se enquadram na Classe I e II-A, podem ter propriedades, tais como: biodegradabilidade, combustibilidade ou solubilidade em água. São resíduos ou mistura de resíduos sólidos que se submetidos a NBR 10006, não tenham nenhum de seus constituintes solubilizados de acordo com os padrões de teste de solubilização. Serragem Periculosidade de um resíduo: Característica apresentada por um resíduo que, em função de suas propriedades físicas, químicas ou infecto-contagiosas, pode apresentar: a) risco à saúde pública, provocando mortalidade, incidência de doenças ou acentuando seus índices; b) riscos ao meio ambiente, quando o resíduo for gerenciado de forma inadequada. (Item 3.2 da NBR 10004) Classificação dos Resíduos 1
  9. 9. Resíduo Consta nos anexos A ou B? O resíduo tem origem conhecida ? Resíduo perigoso Classe I Tem características de: inflamabilidade, corrosividade, reatividade, toxicidade ou patogenicidade? não sim sim sim não Resíduo não perigoso Classe II Possui constituintes que são solubilizados em concentrações superiores ao anexo G? Resíduo Inerte Classe II B Resíduo Não-Inerte Classe II A sim não Interpretar “ Resíduo ” não NBR 10004
  10. 10. Tipos de Resíduos Industriais
  11. 11. Tipos de Resíduos Industriais
  12. 12. Tipos de Resíduos Industriais
  13. 13. ARMAZENAMENTO DE RESÍDUOS
  14. 14. Armazenamento de Resíduos Definição, segundo a NBR 12235, item 3.1 Contenção temporária de resíduos, em área autorizada pelo órgão de controle ambiental, à espera de reciclagem, recuperação, tratamento ou disposição final adequada.
  15. 15. Armazenamento de Resíduos Condições Gerais O armazenamento de resíduos perigosos deve ser feito de modo a não alterar a quantidade/qualidade do resíduo. O acondicionamento de resíduos perigosos, como forma temporária de espera pode ser realizado em contêineres, tambores, tanques e/ou a granel . Nenhum resíduo perigoso pode ser armazenado sem analisar suas propriedades;
  16. 16. Armazenamento de Resíduos <ul><li>Local de armazenamento </li></ul><ul><li>O local a ser utilizado para armazenamento de resíduos deve ser tal que: </li></ul><ul><li>O perigo de contaminação ambiental seja minimizado; </li></ul><ul><li>b) A aceitação da instalação pela população seja maximizada; </li></ul><ul><li>c) Evite, ao máximo, a alteração da ecologia da região; </li></ul><ul><li>d) Esteja de acordo com o zoneamento da região. </li></ul>
  17. 17. Armazenamento de Resíduos <ul><li>Local de armazenamento (Isolamento) </li></ul><ul><li>Um local de armazenamento de resíduos perigosos deve possuir: </li></ul><ul><li>Sistema de isolamento tal que impeça o aceso de pessoas estranhas; </li></ul><ul><li>Sinalização de segurança que identifique a instalação para os riscos de acesso ao local; </li></ul><ul><li>Áreas definidas, isoladas e sinalizadas para armazenamento de resíduos compatíveis. </li></ul>
  18. 18. Armazenamento de Resíduos Condições específicas a uma instalação de armazenamento de resíduos Uma instalação de armazenamento deve ser operada e mantida de forma a minimizar a possibilidade de fogo, explosão, derramamento ou vazamento de resíduos. A instalação deve possuir registro de sua operação, que deve ser mantido até o fim de sua vida útil.
  19. 19. TRANSPORTE DE RESÍDUOS
  20. 20. Transporte de Resíduos Condições Gerais O transporte deve ser feito por meio de equipamento adequado. O equipamento deve ser bem conservado, durante o transporte não pode haver vazamento ou derramamento do resíduo. O resíduo, durante o transporte, deve estar protegido de intempéries, assim como deve estar devidamente acondicionado para evitar o seu espalhamento na via publica ou via férrea.
  21. 21. Transporte de Resíduos Tipos de Acondicionamentos Tambor de 200L A granel Caçamba (contêiner) Tanque Tambores de outros tamanhos e bombonas Fardos Sacos Plásticos Outras formas
  22. 22. TRATAMENTO DE RSI
  23. 23. <ul><li>O processo comum do tratamento dos Resíduos Sólidos Industriais (RSI) é a sua reutilização ou certas vezes torná-los inertes. </li></ul><ul><li>Como o RSI é diverso não existe um processo estabelecido para seu tratamento. </li></ul><ul><li>Portanto adota-se processo comuns, quais sejam: Neutralização , Secagem , Encapsulamento , Incorporação e processo de destruição térmica . </li></ul>Tratamento de RSI Processo utilizado para resíduos com características ácidas ou alcalinas A secagem ou mescla é o processo de mistura de resíduos com alto teor de umidade com outros resíduos secos ou materiais inerte. O encapsulamento consiste em revestir os resíduos com uma camada de resina sintética impermeável e de baixíssimo índice de lixiviação Onde os resíduos são agregados à massa de concreto ou de ceramica em uma quantidade tal que não prejudique o meio ambiente. Incineração ou pirólise.
  24. 24. DISPOSIÇÃO FINAL DE RSI
  25. 25. Disposição dos Resíduos                                 Tipos de Disposição Final Os meios de disposição mais comuns utilizados para os resíduos sólidos são: Landfarming : Tratamento biológico, no qual a parte orgânica do resíduo é decomposta. Aterros Industriais ; Barragens de rejeito : Usadas para resíduos líquidos e pastosos com teor de umidade acima de 80%.
  26. 26. Disposição dos Resíduos Aterro Industrial – Classe II Só pode receber resíduos inerte e não inerte, uma vez que seu projeto foi desenvolvido para este fim.
  27. 27. Sistema de drenagem dos gases Disposição dos Resíduos Aterro Industrial – Classe I (Regras mais rígidas) Só pode receber resíduos perigosos, seu projeto tem normas mais rígidas, prevê a necessidade de sistemas de drenagem como as figuras acima e outras medidas.
  28. 28. GESTÃO
  29. 29. <ul><li>Definição - forma de administrar, avaliar, planejar a atividade, visando a qualidade de vida, preservação do meio ambiente e atendimento às normas ambientais; </li></ul><ul><li>Política Ambiental da indústria (a questão da responsabilidade sócio-ambiental); </li></ul>Gestão
  30. 30. Promover a reciclagem ou reaproveitamento dos diversos resíduos dentro ou fora da empresa; Trazer com sua implantação vantagens ambientais, econômicas e sociais; Atuar diretamente na melhoria da qualidade de vida e qualidade do meio ambiente; Prevenir a poluição (descarte inadequado), a exploração dos recursos naturais, visando a melhoria contínua dos processos, produtos e serviços; Minimizar custos operacionais, evitar gastos com infrações e remediações. Gestão
  31. 31. 1. Planejamento Levantamento dos resíduos gerados Identificação dos aspectos ambientais significativos; Pesquisa de mercado, preço e fornecedor. Definição da logística: destino, rastreabilidade, freqüência de coleta; Emissões atmosféricas controladas? Filtros, equipamentos individuais, corrente de ar. Pesquisa de medidas alternativas: mudança de matéria-prima, redução de resíduos, reutilização dentro do processo. Gestão
  32. 32. 2. Implantação Implantação das tecnologias dentro e/ou fora do processo, como exemplo: reuso de água, reaproveitamento de gás e de resíduos podendo substituir a matéria-prima; Adotar alternativas viáveis para disposição final de cada resíduo gerado, considerando os aspectos ambientais e econômicos; Gestão
  33. 33. 3. Manutenção Plano de ação: definindo procedimentos, normas e responsabilidades entre as áreas; Atividades contínuas de educação ambiental: necessidade do gerenciamento, ensino de manuseio e separação dos resíduos e práticas a serem adotadas para gerenciar de forma correta, informação sobre as novas tecnologias implantadas; Gestão
  34. 34. 3. Manutenção ( continuação ) É a busca da melhoria contínua : Levantamento de quantidade de resíduos e receita gerada; Divulgar internamente os resultados alcançados; Necessidade de consultoria técnica constante de suporte. Gestão
  35. 35. “ Prezado Professor, este trabalho foi sedimentado nas Normas Brasileiras Regulamentadoras – NBR’s e Normas Ambientais que foram mencionadas nas ‘ referências normativas ’, slide 3. A única fonte externa bibliográfica foi o ‘ Manual de Gerenciamento de Resíduos ’, fornecido por Vossa Senhoria, que nos deu suporte para temática de Tratamento de RSI e Disposição Final.”
  36. 36. Alunos Anderson Barbosa n.º 02 Arnaud Bento n.º 05 Danilo Lima n.º 08 Gabriel Vieira n.º 16 João Antônio n.º 21 Luiza Ruas n.º 25 Odair Medrado n.º 31 Yuri Limeres n.º 42

×