SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
Baixar para ler offline
Geração de Resíduos: 
Principais Aspectos 
CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO 
Prevenção e Controle de Riscos no Setor Industrial Químico Prof: Thiago Edwiges
INTRODUÇÃO 
• RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS: São todos os resíduos no estado sólido ou semi-sólido, resultante das atividades industriais, ficando incluido nesta definição os lodos provenientes dos sistemas de tratamento de água, aqueles gerados em equipamentos e instalações de controle da poluição, bem como determinados líquidos, cujas particularidades tornem inviável seu lançamento na rede pública de esgotos, ou exijam, para isso, soluções técnicas e economicamente inviáveis em face da melhor técnologia disponível. 
2
INTRODUÇÃO 
• Caracterização: Conhecer propriedades ou características dos resíduos que possam causar algum dano ao homem e ao meio ambiente; 
• Disposição: Permitir a tomada de decisões técnicas e econômicas em todas as fases do tratamento de resíduos sólidos; 
• Mobilização: Concentrar esforços no controle de resíduos com características problemáticas de acondicionamento. 
3
PRINCIPAIS TÉCNICAS DE TRATAMENTO 
• Incineração: Adotada para a maioria dos resíduos orgânicos, tais como os hidrocarbonetos, alcatrões e solventes usados para reduzir o volume dos resíduos, destruir os compostos orgânicos tóxicos e algumas vezes recuperar a energia. 
4 
A incineração requer tratamento das cinzas e escórias tóxicas, e, neste, caso o aterre tem sido a solução adotada.
PRINCIPAIS TÉCNICAS DE TRATAMENTO 
• Processos de redução da toxicidade: Os mais conhecidos são a precipitação, a neutralização e a oxidação. Utilizados para resíduos líquidos minerais; Geram grandes quantidades de lodos nas ETE’s; Os lodos podem também ser classificados como resíduo perigoso; 
5
PRINCIPAIS TÉCNICAS DE TRATAMENTO 
• Política para a minimização dos resíduos; 
6
CLASSIFICAÇÃO 
• ABNT NBR 10.004 – Resíduos Sólidos 
• ABNT NBR 10.005 – Lixiviação de Resíduos; 
• ABNT NBR 10.006 – Solubilização de Resíduos; 
• ABNT NBR 10.007 – Amostragem de Resíduos. 
7
CLASSIFICAÇÃO 
• Classe I – Perigoso; 
- Inflamáveis; 
- Corrosivos; 
- Reativos; 
- Tóxicos; 
- Patogênicos. 
8
CLASSIFICAÇÃO 
• Classe II – Resíduo Não Perigoso; 
• Classe IIA – Resíduos Não Inertes; 
- Biodegradáveis; 
- Combustíveis ou solúveis em água. 
• Classe IIB – Resíduos Inertes; - Qualquer resíduo que em contato com a água destilada ou deionizada, à temperatura ambiente, não tiveram nenhum de seus constituintes solubilizados aos padrões de patabilidade da água. 
9
METODOLOGIA DE CLASSIFICAÇÃO De acordo com a ABNT os resíduos são classificados de acordo com as suas propriedades físico-químicas ou infectocontagiosas e através da identificação de seus contaminantes. Este processo é facilitado se forem cadastradas as seguintes informações: 
1. Dados gerais do processo; 
2. Matérias-primas e produtos envolvidos; 
3. Fluxograma do processo industrial; 
4. Resíduos gerados (quantidade e composição); 
5. Identificação de resíduos perigosos. 
10
DIRETRIZES Em uma concepção atual, os gerenciamento de resíduos deve estar em duas políticas globais. 1) Política de proteção ambiental (preservação e melhoria da qualidade); 2) Estratégias para alcançar ete objetivo, baseada em quatro pontos fundamentais. 
11
DIRETRIZES PRIMEIRO  PREVENÇÃO 
• Prevenção por tecnologias ‘limpas’; 
• Prevenção por produtos ‘limpos’. SEGUNDO  RECICLAGEM 
• Retorno ao ciclo econômico (reciclagem direta); 
• Recuperação de matéria prima (reciclagem indireta). 
12
DIRETRIZES TERCEIRO  OTIMIZAÇÃO DA DISPOSIÇÃO FINAL 
• Redução de volume; 
• Redução da periculosidade. QUARTO AÇÕES CORRETIVAS 
• Ações de correção; 
• Ações de minimização. 
13
GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS 14 
Processo Industrial 
Prevenção da geração 
Minimização da geração 
Segregação dos resíduos gerados 
Reciclagem direta 
Reciclagem indireta 
Tratamento 
Disposição final 
Externa 
Outra unidade de processamento 
Interna
TRATAMENTO 
15 
DEFINIÇÃO: Qualquer processo que altere as características, composição ou propriedades do resíduo, de maneira a torná-lo menos impactante sua disposição final no solo ou simplesmente sua destruição. 
• Tratamento Físico  Encapsulamento – Disposição de resíduos em aterro; 
• Tratamento Químico  Incineração – Processo de ignição dos compostos; 
• Tratamento Biológico  Landfarming - Degradação (borras oleosas por ex) no próprio solo.
GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS 
16 Águas residuárias 
Ácidos, álcalis 
Metais pesados 
Resíduos reativos 
Solventes, óleos 
Resinas 
Pesticidas 
Resíduos biodegradáveis 
Neutralização 
Físico-químico 
Recuperação 
Químico 
Biológico 
Esgoto 
Aterro 
Incineração Água 
Solo 
Ar 
Água/Solo 
Resíduo 
Resíduos 
Tratamento 
Disposição
DÚVIDAS?? PERGUNTAS?? 
17

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Guia de caracterização e classificação de resíduos
Guia de caracterização e classificação de resíduosGuia de caracterização e classificação de resíduos
Guia de caracterização e classificação de resíduosTiago Aquines
 
Gestão resíduos industriais - Sub-Módulo 4.1.
Gestão resíduos industriais - Sub-Módulo 4.1.Gestão resíduos industriais - Sub-Módulo 4.1.
Gestão resíduos industriais - Sub-Módulo 4.1.bonitoribeiro
 
Residuos industriais
Residuos industriaisResiduos industriais
Residuos industriaisDébora Neves
 
Tratamento de resíduos
Tratamento de resíduosTratamento de resíduos
Tratamento de resíduosantoniosantos
 
Gestão de resíduos sólidos unidade 1
Gestão de resíduos sólidos   unidade 1Gestão de resíduos sólidos   unidade 1
Gestão de resíduos sólidos unidade 1Francinalva Cordeiro
 
Power+point+nr+25
Power+point+nr+25Power+point+nr+25
Power+point+nr+25Gil Mendes
 
O controle de residuos perigosos
O controle de residuos perigososO controle de residuos perigosos
O controle de residuos perigososLeandro Tomé
 
DISPOSIÇÃO DE RESIDUO SÓLIDOS
DISPOSIÇÃO DE RESIDUO SÓLIDOSDISPOSIÇÃO DE RESIDUO SÓLIDOS
DISPOSIÇÃO DE RESIDUO SÓLIDOSprimaquim
 
Gerenciamento de resíduos químicos
Gerenciamento de resíduos químicos Gerenciamento de resíduos químicos
Gerenciamento de resíduos químicos Paloma Dianas
 

Mais procurados (20)

Resíduos sólidos
Resíduos sólidosResíduos sólidos
Resíduos sólidos
 
Guia de caracterização e classificação de resíduos
Guia de caracterização e classificação de resíduosGuia de caracterização e classificação de resíduos
Guia de caracterização e classificação de resíduos
 
Gestão resíduos industriais - Sub-Módulo 4.1.
Gestão resíduos industriais - Sub-Módulo 4.1.Gestão resíduos industriais - Sub-Módulo 4.1.
Gestão resíduos industriais - Sub-Módulo 4.1.
 
Nr 25
Nr 25Nr 25
Nr 25
 
Resíduos sólidos
Resíduos sólidosResíduos sólidos
Resíduos sólidos
 
Tratamento e Disposição Final de Resíduos
Tratamento e Disposição Final de ResíduosTratamento e Disposição Final de Resíduos
Tratamento e Disposição Final de Resíduos
 
Aula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamentoAula 3 gerenciamento
Aula 3 gerenciamento
 
Resíduos sólidos
Resíduos sólidosResíduos sólidos
Resíduos sólidos
 
Curso residuos ufscar
Curso residuos ufscarCurso residuos ufscar
Curso residuos ufscar
 
Residuos industriais
Residuos industriaisResiduos industriais
Residuos industriais
 
Gerenciamento de Resíduos
Gerenciamento de ResíduosGerenciamento de Resíduos
Gerenciamento de Resíduos
 
Resíduos sólidos indústriais Fastweld
Resíduos sólidos indústriais FastweldResíduos sólidos indústriais Fastweld
Resíduos sólidos indústriais Fastweld
 
Tratamento de resíduos
Tratamento de resíduosTratamento de resíduos
Tratamento de resíduos
 
Gestão de resíduos sólidos unidade 1
Gestão de resíduos sólidos   unidade 1Gestão de resíduos sólidos   unidade 1
Gestão de resíduos sólidos unidade 1
 
Gerenciamento de resíduos sólidos
Gerenciamento de resíduos sólidosGerenciamento de resíduos sólidos
Gerenciamento de resíduos sólidos
 
Power+point+nr+25
Power+point+nr+25Power+point+nr+25
Power+point+nr+25
 
O controle de residuos perigosos
O controle de residuos perigososO controle de residuos perigosos
O controle de residuos perigosos
 
Residuos solidos em mocambique
Residuos solidos em mocambiqueResiduos solidos em mocambique
Residuos solidos em mocambique
 
DISPOSIÇÃO DE RESIDUO SÓLIDOS
DISPOSIÇÃO DE RESIDUO SÓLIDOSDISPOSIÇÃO DE RESIDUO SÓLIDOS
DISPOSIÇÃO DE RESIDUO SÓLIDOS
 
Gerenciamento de resíduos químicos
Gerenciamento de resíduos químicos Gerenciamento de resíduos químicos
Gerenciamento de resíduos químicos
 

Destaque

Aula residuos de serviços da saúde
Aula   residuos de serviços da saúdeAula   residuos de serviços da saúde
Aula residuos de serviços da saúdesanthdalcin
 
Problemas ambientais que envolvem água
Problemas ambientais que envolvem águaProblemas ambientais que envolvem água
Problemas ambientais que envolvem águaDayane Almeida
 
O problema dos resíduos
O problema dos resíduosO problema dos resíduos
O problema dos resíduosMayjö .
 
Apresentação Sobre Lixo e Reciclagem
Apresentação Sobre Lixo e ReciclagemApresentação Sobre Lixo e Reciclagem
Apresentação Sobre Lixo e ReciclagemClaudia Costa
 

Destaque (7)

Aula residuos de serviços da saúde
Aula   residuos de serviços da saúdeAula   residuos de serviços da saúde
Aula residuos de serviços da saúde
 
Problemas ambientais que envolvem água
Problemas ambientais que envolvem águaProblemas ambientais que envolvem água
Problemas ambientais que envolvem água
 
Resíduos
Resíduos Resíduos
Resíduos
 
O problema dos resíduos
O problema dos resíduosO problema dos resíduos
O problema dos resíduos
 
Reciclagem
ReciclagemReciclagem
Reciclagem
 
Apresentação Sobre Lixo e Reciclagem
Apresentação Sobre Lixo e ReciclagemApresentação Sobre Lixo e Reciclagem
Apresentação Sobre Lixo e Reciclagem
 
Resíduos
ResíduosResíduos
Resíduos
 

Semelhante a 6.1 geracao de residuos principais aspectos

Gerenciamentode resíduos sólidos
Gerenciamentode resíduos sólidosGerenciamentode resíduos sólidos
Gerenciamentode resíduos sólidosWalter Morona
 
Gerenciamento de resíduos
Gerenciamento de resíduosGerenciamento de resíduos
Gerenciamento de resíduosCerejo Brasil
 
Resíduos sólidos
Resíduos sólidosResíduos sólidos
Resíduos sólidosMandy Meira
 
Aminas em Household: aspectos regulatórios e novas oportunidades – Ricardo Lu...
Aminas em Household: aspectos regulatórios e novas oportunidades – Ricardo Lu...Aminas em Household: aspectos regulatórios e novas oportunidades – Ricardo Lu...
Aminas em Household: aspectos regulatórios e novas oportunidades – Ricardo Lu...Revista H&C
 
2ª Edição do 1º Seminário CME - Processo de Limpeza de Instrumentais - Deterg...
2ª Edição do 1º Seminário CME - Processo de Limpeza de Instrumentais - Deterg...2ª Edição do 1º Seminário CME - Processo de Limpeza de Instrumentais - Deterg...
2ª Edição do 1º Seminário CME - Processo de Limpeza de Instrumentais - Deterg...Seminário CME
 
Curso Analista Sanitário de Resíduos Sólidos
Curso Analista Sanitário de Resíduos SólidosCurso Analista Sanitário de Resíduos Sólidos
Curso Analista Sanitário de Resíduos SólidosKarlos Ribas
 
Aula 11 introdução tratamento de efluentes - prof. nelson (area 1) - 06.10
Aula 11   introdução tratamento de efluentes - prof. nelson (area 1) - 06.10Aula 11   introdução tratamento de efluentes - prof. nelson (area 1) - 06.10
Aula 11 introdução tratamento de efluentes - prof. nelson (area 1) - 06.10Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Aula limpeza de instrumentais cirúrgicos
Aula limpeza de instrumentais cirúrgicosAula limpeza de instrumentais cirúrgicos
Aula limpeza de instrumentais cirúrgicosLabnews
 
Controle e tecnologia ambiental. Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente....
Controle e tecnologia ambiental. Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente....Controle e tecnologia ambiental. Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente....
Controle e tecnologia ambiental. Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente....Roberto Emery-Trindade
 
Gestão residuos na constr civil e pnrs apostilha1
Gestão residuos na constr civil e pnrs   apostilha1Gestão residuos na constr civil e pnrs   apostilha1
Gestão residuos na constr civil e pnrs apostilha1cmoitinho
 
Palestra principais usos da água na indústria e técnicas
Palestra    principais usos da água na indústria e técnicasPalestra    principais usos da água na indústria e técnicas
Palestra principais usos da água na indústria e técnicasRoeli Paulucci
 
Aew sustentar 2011 ricardo 16 10
Aew   sustentar 2011 ricardo 16 10Aew   sustentar 2011 ricardo 16 10
Aew sustentar 2011 ricardo 16 10forumsustentar
 
Aew sustentar 2011 ricardo camargo
Aew   sustentar 2011 ricardo camargoAew   sustentar 2011 ricardo camargo
Aew sustentar 2011 ricardo camargoforumsustentar
 
Manual de-residuos-em-propriedades-rurais56656b3a2136c
Manual de-residuos-em-propriedades-rurais56656b3a2136cManual de-residuos-em-propriedades-rurais56656b3a2136c
Manual de-residuos-em-propriedades-rurais56656b3a2136cAdriano Rodrigues
 

Semelhante a 6.1 geracao de residuos principais aspectos (20)

Gerenciamentode resíduos sólidos
Gerenciamentode resíduos sólidosGerenciamentode resíduos sólidos
Gerenciamentode resíduos sólidos
 
Gerenciamento de resíduos
Gerenciamento de resíduosGerenciamento de resíduos
Gerenciamento de resíduos
 
Resíduos sólidos
Resíduos sólidosResíduos sólidos
Resíduos sólidos
 
Aminas em Household: aspectos regulatórios e novas oportunidades – Ricardo Lu...
Aminas em Household: aspectos regulatórios e novas oportunidades – Ricardo Lu...Aminas em Household: aspectos regulatórios e novas oportunidades – Ricardo Lu...
Aminas em Household: aspectos regulatórios e novas oportunidades – Ricardo Lu...
 
Teli 1
Teli 1Teli 1
Teli 1
 
2ª Edição do 1º Seminário CME - Processo de Limpeza de Instrumentais - Deterg...
2ª Edição do 1º Seminário CME - Processo de Limpeza de Instrumentais - Deterg...2ª Edição do 1º Seminário CME - Processo de Limpeza de Instrumentais - Deterg...
2ª Edição do 1º Seminário CME - Processo de Limpeza de Instrumentais - Deterg...
 
Curso Analista Sanitário de Resíduos Sólidos
Curso Analista Sanitário de Resíduos SólidosCurso Analista Sanitário de Resíduos Sólidos
Curso Analista Sanitário de Resíduos Sólidos
 
Aula 11 introdução tratamento de efluentes - prof. nelson (area 1) - 06.10
Aula 11   introdução tratamento de efluentes - prof. nelson (area 1) - 06.10Aula 11   introdução tratamento de efluentes - prof. nelson (area 1) - 06.10
Aula 11 introdução tratamento de efluentes - prof. nelson (area 1) - 06.10
 
Curso de pgrs
Curso de pgrsCurso de pgrs
Curso de pgrs
 
Aula limpeza de instrumentais cirúrgicos
Aula limpeza de instrumentais cirúrgicosAula limpeza de instrumentais cirúrgicos
Aula limpeza de instrumentais cirúrgicos
 
Controle e tecnologia ambiental. Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente....
Controle e tecnologia ambiental. Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente....Controle e tecnologia ambiental. Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente....
Controle e tecnologia ambiental. Tecnologia de Tratamento de Água e Efluente....
 
Gestão residuos na constr civil e pnrs apostilha1
Gestão residuos na constr civil e pnrs   apostilha1Gestão residuos na constr civil e pnrs   apostilha1
Gestão residuos na constr civil e pnrs apostilha1
 
Palestra principais usos da água na indústria e técnicas
Palestra    principais usos da água na indústria e técnicasPalestra    principais usos da água na indústria e técnicas
Palestra principais usos da água na indústria e técnicas
 
Aew sustentar 2011 ricardo 16 10
Aew   sustentar 2011 ricardo 16 10Aew   sustentar 2011 ricardo 16 10
Aew sustentar 2011 ricardo 16 10
 
Aew sustentar 2011 ricardo camargo
Aew   sustentar 2011 ricardo camargoAew   sustentar 2011 ricardo camargo
Aew sustentar 2011 ricardo camargo
 
Descarte de resíduos
Descarte de resíduosDescarte de resíduos
Descarte de resíduos
 
Iso14000
Iso14000Iso14000
Iso14000
 
Produção sustentável
Produção sustentávelProdução sustentável
Produção sustentável
 
cristal-1.pptx
cristal-1.pptxcristal-1.pptx
cristal-1.pptx
 
Manual de-residuos-em-propriedades-rurais56656b3a2136c
Manual de-residuos-em-propriedades-rurais56656b3a2136cManual de-residuos-em-propriedades-rurais56656b3a2136c
Manual de-residuos-em-propriedades-rurais56656b3a2136c
 

6.1 geracao de residuos principais aspectos

  • 1. Geração de Resíduos: Principais Aspectos CURSO TÉCNICO EM SEGURANÇA DO TRABALHO Prevenção e Controle de Riscos no Setor Industrial Químico Prof: Thiago Edwiges
  • 2. INTRODUÇÃO • RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS: São todos os resíduos no estado sólido ou semi-sólido, resultante das atividades industriais, ficando incluido nesta definição os lodos provenientes dos sistemas de tratamento de água, aqueles gerados em equipamentos e instalações de controle da poluição, bem como determinados líquidos, cujas particularidades tornem inviável seu lançamento na rede pública de esgotos, ou exijam, para isso, soluções técnicas e economicamente inviáveis em face da melhor técnologia disponível. 2
  • 3. INTRODUÇÃO • Caracterização: Conhecer propriedades ou características dos resíduos que possam causar algum dano ao homem e ao meio ambiente; • Disposição: Permitir a tomada de decisões técnicas e econômicas em todas as fases do tratamento de resíduos sólidos; • Mobilização: Concentrar esforços no controle de resíduos com características problemáticas de acondicionamento. 3
  • 4. PRINCIPAIS TÉCNICAS DE TRATAMENTO • Incineração: Adotada para a maioria dos resíduos orgânicos, tais como os hidrocarbonetos, alcatrões e solventes usados para reduzir o volume dos resíduos, destruir os compostos orgânicos tóxicos e algumas vezes recuperar a energia. 4 A incineração requer tratamento das cinzas e escórias tóxicas, e, neste, caso o aterre tem sido a solução adotada.
  • 5. PRINCIPAIS TÉCNICAS DE TRATAMENTO • Processos de redução da toxicidade: Os mais conhecidos são a precipitação, a neutralização e a oxidação. Utilizados para resíduos líquidos minerais; Geram grandes quantidades de lodos nas ETE’s; Os lodos podem também ser classificados como resíduo perigoso; 5
  • 6. PRINCIPAIS TÉCNICAS DE TRATAMENTO • Política para a minimização dos resíduos; 6
  • 7. CLASSIFICAÇÃO • ABNT NBR 10.004 – Resíduos Sólidos • ABNT NBR 10.005 – Lixiviação de Resíduos; • ABNT NBR 10.006 – Solubilização de Resíduos; • ABNT NBR 10.007 – Amostragem de Resíduos. 7
  • 8. CLASSIFICAÇÃO • Classe I – Perigoso; - Inflamáveis; - Corrosivos; - Reativos; - Tóxicos; - Patogênicos. 8
  • 9. CLASSIFICAÇÃO • Classe II – Resíduo Não Perigoso; • Classe IIA – Resíduos Não Inertes; - Biodegradáveis; - Combustíveis ou solúveis em água. • Classe IIB – Resíduos Inertes; - Qualquer resíduo que em contato com a água destilada ou deionizada, à temperatura ambiente, não tiveram nenhum de seus constituintes solubilizados aos padrões de patabilidade da água. 9
  • 10. METODOLOGIA DE CLASSIFICAÇÃO De acordo com a ABNT os resíduos são classificados de acordo com as suas propriedades físico-químicas ou infectocontagiosas e através da identificação de seus contaminantes. Este processo é facilitado se forem cadastradas as seguintes informações: 1. Dados gerais do processo; 2. Matérias-primas e produtos envolvidos; 3. Fluxograma do processo industrial; 4. Resíduos gerados (quantidade e composição); 5. Identificação de resíduos perigosos. 10
  • 11. DIRETRIZES Em uma concepção atual, os gerenciamento de resíduos deve estar em duas políticas globais. 1) Política de proteção ambiental (preservação e melhoria da qualidade); 2) Estratégias para alcançar ete objetivo, baseada em quatro pontos fundamentais. 11
  • 12. DIRETRIZES PRIMEIRO  PREVENÇÃO • Prevenção por tecnologias ‘limpas’; • Prevenção por produtos ‘limpos’. SEGUNDO  RECICLAGEM • Retorno ao ciclo econômico (reciclagem direta); • Recuperação de matéria prima (reciclagem indireta). 12
  • 13. DIRETRIZES TERCEIRO  OTIMIZAÇÃO DA DISPOSIÇÃO FINAL • Redução de volume; • Redução da periculosidade. QUARTO AÇÕES CORRETIVAS • Ações de correção; • Ações de minimização. 13
  • 14. GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS 14 Processo Industrial Prevenção da geração Minimização da geração Segregação dos resíduos gerados Reciclagem direta Reciclagem indireta Tratamento Disposição final Externa Outra unidade de processamento Interna
  • 15. TRATAMENTO 15 DEFINIÇÃO: Qualquer processo que altere as características, composição ou propriedades do resíduo, de maneira a torná-lo menos impactante sua disposição final no solo ou simplesmente sua destruição. • Tratamento Físico  Encapsulamento – Disposição de resíduos em aterro; • Tratamento Químico  Incineração – Processo de ignição dos compostos; • Tratamento Biológico  Landfarming - Degradação (borras oleosas por ex) no próprio solo.
  • 16. GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS 16 Águas residuárias Ácidos, álcalis Metais pesados Resíduos reativos Solventes, óleos Resinas Pesticidas Resíduos biodegradáveis Neutralização Físico-químico Recuperação Químico Biológico Esgoto Aterro Incineração Água Solo Ar Água/Solo Resíduo Resíduos Tratamento Disposição