Prova de aptidão profissional inicial mariana martins

2.741 visualizações

Publicada em

Prova de aptidão profissional

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.741
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
39
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Prova de aptidão profissional inicial mariana martins

  1. 1. Mariana de Sousa Martins 3.º Ano do Curso Profissional de Técnico de Gestão Ciclo formativo: 2010/2013 Data de entrega: 5 de abril de 2013 PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL Operações de Crédito Passivo Caixade Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L.
  2. 2. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. Agradecimentos Toda a ajuda é importante para a elaboração da Prova de Aptidão Profissional (P.A.P.),por isso, é necessário e importante agradecer às pessoas que, de uma forma direta ou indireta, me ajudaram na elaboração da mesma. Em primeiro lugar, gostaria de agradecer à Escola Tecnológica e Profissional de Sicó pela oportunidade que me proporcionou de frequentar o Curso Profissional de Técnico de Gestão, à minha Orientadora de P.A.P., Andreia Mineiro, às professoras Raquel Barragão e Sofia Francisco que me ajudaram sempre que precisei, ao professor Luís Santos que me ajudou na realização das simulações, à minha Orientadora Educativa de Turma, Fernanda Mendes, pela ajuda e atenção que me deu. Quero,ainda, agradecer à professora Júlia Marques pela correção da minha P.A.P. Uma palavra de apreçoquero deixar a todos os professores que me acompanharam durante o meu ciclo formativo, nomeadamente às (aos)professoras (es) Sílvia Graça, Zelinda Lopes, Tiago Aguiar e ex-professores Susana Moreira e Nuno Santos. Gostaria, ainda, de agradecer à instituição Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião C.R.L., napessoa do meu orientador de estágio, Dr.º Artur Martins, e aos restantes colaboradores da instituição, pelo apoio e atenção que me deram na realização e acompanhamento deste projeto em período de estágio. Também agradeço à minha família, nomeadamente, à minha mãe, à minha irmã e à minha prima, por todo o apoio que me deram. Finalmente, a todas as minhas amigas (os) que me apoiaram, especialmente à Bruna Domingues, à Sónia Neves, à Cátia Mendes, à Verónica Ribeiro e ao Ruben Silva. Muito obrigada!
  3. 3. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. “A gratidão é o único tesouro dos humildes” William Shakespeare
  4. 4. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. Identificação da Instituição Nome: Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L (CCAM Serras de Ansião, C.R.L.) Morada: Rua Dr. Adriano Rego, n.º 14 3240-126 Ansião Número de Identificação de Pessoa Coletiva: 502 766 600 Telefone: 236 677 221 Fax: 236 677 223 Email: ansiao@creditoagricola.pt Página web:www.credito-agricola.pt Setor de atividade: Terciário Ramo de atividade: Banca CAE (Código de Atividade Económica): 64190 - Outra Intermediação Monetária. Orientador de estágio: Artur Martins Cargo: Gerente
  5. 5. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. Identificação da Escola Nome: Escola Tecnológica e Profissional de Sicó Morada: Rua 5 de Outubro, n.º 54 3240-312 Avelar Número de Identificação de Pessoa Coletiva: 504 600 109 Telefone: 236 620 500 Fax: 236 620 509 Email: sico@etpsico.pt Página web: www.etpsico.pt Orientadora técnica da escola: Andreia Mineiro Diretor de curso: Luís Rocha
  6. 6. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. Identificação da Aluna Nome: Mariana de Sousa Martins Curso: Profissional de Técnico de Gestão Ciclo formativo: 2010/2013 Morada: Travessa das Ramalheiras, n.º 4 2480-043 Arrimal Telemóvel: 911 937 338 Email:10g12@etpsico.pt mariana_pikenina@hotmail.com
  7. 7. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. Índice Introdução................................................................................................................................. 10 I. Apresentação da Instituição ........................................................................................... 12 1.1. Historial da instituição ............................................................................................ 12 1.2. Localização Geográfica............................................................................................ 13 1.3. Missão, Visão e Objetivos da CCAM Serras de Ansião, C.R.L.......................... 14 1.3.1. Missão ................................................................................................................ 14 1.3.2. Visão................................................................................................................... 14 1.3.3. Objetivos............................................................................................................ 14 1.4. Estrutura Organizacional........................................................................................ 15 1.4.1. Organigrama..................................................................................................... 16 1.5. Funções e responsabilidades dos departamentos................................................ 17 1.6. Análise SWOT........................................................................................................... 19 1.6.1. Análise SWOT da Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião... 21 II. Setor Bancário................................................................................................................... 22 2.1. Sistema Financeiro Nacional (S.F.N.) .................................................................... 22 2.2. Breve resenha histórica............................................................................................ 23 2.2.1. Instituições de supervisão............................................................................... 24 2.3. Atividade bancária................................................................................................... 25 2.4. Operações Bancárias................................................................................................ 25 2.4.1. Operações de crédito ativo.............................................................................. 25 2.4.2. Operações de crédito passivo......................................................................... 25 2.4.3. Poupança ........................................................................................................... 27 2.5. Cálculos Financeiros ................................................................................................ 28 2.5.1. Juros ................................................................................................................... 28 2.5.2. Desconto ............................................................................................................ 28 III. Produtos financeiros da CCAM Serras de Ansião, CRL......................................... 29 3.1. Depósito a Prazo Normal........................................................................................ 30 3.1.1. Características do Depósito a Prazo Normal.................................................... 31 3.2. Depósito CA Mulher................................................................................................ 34 3.2.1. Características do Depósito CA Mulher ........................................................... 34 3.3. Poupança Geração Jovem........................................................................................ 36 3.3.1. Características da Poupança Geração Jovem ................................................... 36
  8. 8. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 3.4. Poupança Futuro...................................................................................................... 39 3.4.1. Características da Poupança Futuro.................................................................. 40 3.5. Vantagens fiscais de recurso à poupança/depósito a prazo.............................. 42 IV. Caso prático – Realização de Simulações.................................................................. 42 4.1. Procedimento de abertura de conta poupança ou conta a prazo...................... 43 4.1.1. Fluxograma do procedimento de abertura de conta à ordem ....................... 45 4.1.2. Documentos necessários ..................................................................................... 46 4.1.3. O que há a cumprir legalmente.......................................................................... 47 4.2. Realização das simulações ...................................................................................... 47 4.3. Principais conclusões............................................................................................... 52 Conclusão.................................................................................................................................. 54 Glossário.................................................................................................................................... 56 Bibliografia................................................................................................................................ 57 V. Anexos ............................................................................................................................... 59 5.1. Anexo 1 – FIN – Depósito a Prazo Normal .......................................................... 59 5.2. Anexo 2 – FIN – Depósito CA Mulher .................................................................. 64 5.3. Anexo 3 - FIN - Poupança Geração Jovem ........................................................... 68 5.4. Anexo 4 – FIN – Poupança Futuro......................................................................... 73 5.5. Anexo 5 - Informação de Clientes – Confidencial de Pessoas Singulares – Por interveniente ......................................................................................................................... 78 5.6. Anexo 6 – Informação de Clientes – Confidencial de Pessoas Coletivas – Por interveniente ......................................................................................................................... 82 5.7. Anexo 7 - Ficha de assinaturas de Pessoas Singulares........................................ 85 5.8. Anexo 8 – Ficha de assinaturas de Pessoas Coletivas......................................... 88 5.9. Anexo 9 – Anteprojeto da Prova de Aptidão Profissional ................................. 91
  9. 9. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. Índice de abreviaturas BC - Banco Central BP - Banco de Portugal CCAM Serras de Ansião - Caixa de Crédito Agrícola Mutuo Serras de Ansião CEE - Comunidade Economia Europeia CEN - Comunidade Europeia Nacional CMN - Conselho Monetário Nacional DO - Depósito à ordem DP - Depósito a prazo FIN – Ficha de Individualização Normalizada Grupo CA - Grupo Crédito Agrícola SFN - Sistema Financeiro Nacional
  10. 10. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 10 Introdução Ao longo destes três anos de aprendizagem no Curso Profissional de Técnico de Gestão, ministrado pela Escola Tecnológica e Profissional de Sicó, para adquirir o meu diploma de nível IV, efetuei um estágio de duração de uma semana para a realização do meu projeto, intitulado Prova de Aptidão Profissional (P.A.P.), onde apliquei conhecimentos adquiridos ao longo desta caminhada. O estágio foi realizado na instituiçãoCCAM Serras de Ansião, C.R.L., cujo ramo de atividade é a Banca. A presente P.A.P. tem como tema geral as operações de crédito passivo epretende-se efetuar simulações em alguns produtos financeiros para poder analisá-los, conforme fora decidido e aprovado em reunião na empresa, com a orientadora de P.A.P., Andreia Mineiro, e o orientador de estágio, Dr. Artur Martins. Os objetivos que se pretendem atingir na elaboração da P.A.P. são:  Apresentar o grupo Crédito Agrícola e a sua estrutura;  Abordar teoricamente o tema;  Identificar e apresentar os produtos financeiros de depósitos a prazo e poupança da Instituição que irão ser alvo de análise;  Apresentar as características dos produtos selecionados (contrato, direitos e obrigações);  Simular dois cenários de aplicações de fundo com dados reais;  Calcular os juros para os produtos selecionados num horizonte temporal pré-definido;  Analisar comparativamente os produtos que apresentam mais rentabilidade;  Apresentar as principais conclusões da simulação e identificar a melhor aplicação.
  11. 11. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 11 O projeto consiste na análise comparativa das operações de crédito passivo (Depósitos/Poupanças). A elaboração desta análise passará pelas seguintes fases: 1) Introdução:  Recolha de informação de âmbito interno sobre a instituição;  Caracterizaçãoda instituição Caixa de Crédito Agrícola;  Enquadramento teóricodo tema;  Identificação e caracterizaçãodos produtos financeiros da instituição; 2) Simulação dos cenários:  Recolhados dados para a realização dos cenários  Desenvolvimento de dois cenários de cálculo (poupança e depósito);  Cálculo dos juros dos cenários num horizonte temporal;  Apresentação de uma análise relativamente aos dois cenários; As disciplinas que contribuíram de forma direta e indireta para a elaboração do meu projeto são: Gestão, Cálculo Financeiro e Estatística Aplicada, Economia e, sem dúvida, a disciplina de Português, no que se refere à parte escrita.
  12. 12. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 12 I. Apresentação da Instituição 1.1. Historial da instituição O grupo Crédito Agrícola aparece no ano 1911, e, já com quase 100 anos de existência, sediou-se no concelho de Ansião a 5 de maio de 1982. Esta instituição bancária insere-se num grupo financeiro de âmbito nacional.Tem como estruturas a Caixa Central, instituição bancária dotada de competências de supervisão, orientação e acompanhamento das atividades das Caixas Associadas, e a FENACAM (Federação Nacional das Caixas de Crédito Agrícola Mútuo) que tem como funçãoa representação cooperativa e prestação de serviços especializados ao GrupoCrédito Agrícola (CA). O Grupo CA conta, atualmente, com mais de 670 balcões em todoo país e tem cerca de 1.200.000 clientes. Representa, atualmente,um dos principais grupos bancários de Portugal. ACaixa de Crédito Agrícola Mutuo Serras de Ansião, C.R.Lé uma instituição que foi formalmente criada por escritura pública a 8 de maio de 1992, no Cartório Notarial de Ansião, depois de devidamente autorizada pelo Banco de Portugal e admitida pela Caixa Central. Neste contexto, a 5 de agosto de 1992, iniciou a sua atividade, quando cerca de 152 ansianenses uniram forças e condições para a instalação da mesma no concelho. Ainda hoje mantém o mesmo nome de há 17 anos, aquando a sua formação. A CCAM Serras de Ansião, C.R.L é uma instituição bancária de base cooperativa e de responsabilidade limitada,com sede em Ansião, e tem, também, um balcão em Santiago da Guarda e na Zona Industrial do Camporês(Chão de Couce).Atualmente, a CCAM Serras de Ansião, C.R.L. conta com 12 colaboradores distribuídos pelos três balcões existentes no concelho. Em termos de número de clientes, aCCAM Serras de Ansião, C.R.L., em outubro de 2012, tinha 7.350,sendo que esta população pertence ao concelho de Ansião e concelhos vizinhos.
  13. 13. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 13 Esta instituição insere-se no setor terciário, pois presta serviços na áreada Banca. O código de atividade económica do Grupo Crédito Agrícola é o 64190 - Outra Intermediação Monetária e compreende as atividades de intermediação monetária realizadas por instituições monetárias diferentes do banco central. As atividades destas instituições de intermediação monetária referem-se, por um lado, a recebimentos de depósitos e/ou substitutos próximos de depósitos de entidades não incluídas no sector monetário e, por outro, à concessão de crédito. Inclui, nomeadamente, as atividades dos bancos, das caixas económicas e das caixas de crédito agrícola mútuo. Compreende, também, as atividades das instituições de giro postal (recebem depósitos de entidades residentes na área do euro pertencentes ao setor não monetário), por exemplo,França – La Banque Postal, Itália – Banco Posta, assim como a concessão de crédito para aquisição de habitação a instituições habilitadas para receber depósitos. 1.2. Localização Geográfica A instituição CCAM Serras de Ansião, C.R.L.estálocalizada no concelho de Ansião, que se situa na zona centro do país e sub-região do Pinhal Interior Norte e é uma vila do distrito de Leiria. É um concelho limitado a nordeste pelo município de Penela, a leste por Figueiró dos Vinhos, a sul por Alvaiázere, a oeste por Pombal e a noroeste por Soure. É sede de um município com 179,98 km² de área, com 13 128 habitantes (2011), subdividido em oito freguesias.
  14. 14. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 14 1.3. Missão, Visão e Objetivos da CCAM Serras de Ansião, C.R.L. 1.3.1. Missão A Missão é, então, a explicitação da visão que se traduz na formulação de uma declaração escrita que, de uma maneira concisa e objetiva, apresenta a estratégia e os valores da empresa.1 O Grupo CA define a sua missão na seguinte expressão:“O Grupo CA é um grupo de âmbito financeiro nacional, é um motor de desenvolvimento e tem por missão oferecer as melhores soluções para as necessidades e expetativas dos seus clientes, mostrando uma vasta oferta de produtos e serviços para todos os segmentos, adaptados às realidades locais e ao mercado em geral.” 1.3.2. Visão A visão de uma empresa significa, um conjunto de ideias para o futuro, sem especificar como devem ser atingidos. A visão tem uma função motivadora analisando inspirações para os associados da organização tirarem o máximo partido das suas inteligências e encontrarem níveis mais distintos de excelência profissional. Esta visão dá origem à missão da empresa.2 O Grupo CA define a sua visão na seguinte expressão: “A visão da Caixa de Crédito Agrícola Mútuo é a globalização dos mercados financeiros impondo que a gestão de ativos compreenda o benefício de oportunidades de investimento à escala mundial. Com parcerias internacionais, identifica as oportunidades e aproveita os benefícios da diversificação.” 1.3.3. Objetivos Os objetivos devem ser motivantes, ser quantificados e medidos no tempo, senão, não passam de uma mera expressão de boas vontades. Devem, 1 In, Estratégia Empresarial – Análise, Formulação e Implementação de Lopes dos Reis, página n.º 50 2 In, Estratégia – Sucesso em Portugal de Adriano Freire, página n.º 170.
  15. 15. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 15 também,ser enquadrados no tempo, senão, nunca se pode verificar se foram ou não alcançados.3 O Grupo Crédito Agrícola tem como principais objetivos:  “Valorizar o relacionamento com os clientes, potenciando o conceito de “banca de proximidade”;  Oferecer produtos e serviços de qualidade sempre crescentes e sempre adaptados às necessidades dos seus associados e clientes, visando um elevado grau de satisfação;  Contribuir para o progresso e elevação do nível de vida das comunidades locais, através do apoio ao desenvolvimento das economias das respetivas regiões;  Assegurar a acessibilidade efetiva a serviços bancários ao maior número possível de particulares e empresas;  Melhorar os lucros consolidados.” 1.4. Estrutura Organizacional A estrutura organizacional define-se como a forma como a empresa se estrutura em termos de funções (operações ou atividades responsáveis por uma parte dos objetivos da empresa) e ligações hierárquicas (rede de relações humanas necessárias para o funcionamento da empresa identificada de acordo com os níveis de responsabilidade de cada nível hierárquico criado). A definição e implementação da estrutura hierárquica de uma empresa assumem um papel importante no funcionamento da mesma, na medida em que a cada elemento que nela participa é atribuído um determinado nível de responsabilidade e competências, que não devem naturalmente colidir entre si. 3 In, Estratégia Empresarial – Análise, Formulação e Implementação de Lopes dos Reis, página n.º 53
  16. 16. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 16 1.4.1. Organigrama Assembleia Geral Conselho de Administração Conselho Fiscal SROC Coordenação Geral (Manuel Artur Martins) Auditoria Interna Monitor Compliance (Gonçalo Cristovão) Gestão de Riscos (Ana Lopes) Apoio Jurídico Conselho Crédito Análise e Controlo de Risco Processamento e Recuperação de Crédito (Maria de Fátima Faria) Coordenação Comercial (Vítor Silva) Delegações (Vítor Silva) (Luís Terceiro) Suporte Transversal (Iria Milheiro) Gestão de Clientes Especiais (Manuel Artur Martins)
  17. 17. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 17 O organigrama da instituição CCAM Serras de Ansião, C.R.L.tem uma estrutura de lineandstaff. Esta estrutura apresenta as mesmas características da estrutura linear, diferindo pela presença de órgãos de assessoria ligados à estrutura organizacional relacionando-se diretamente com os órgãos de decisão, aos quais se encontram ligados. Neste tipo de estrutura procura-se desenvolver a distinção entre os que atuam e os que pensam. Os primeiros estão agregados numa estrutura em linha, onde é vulgar a autoridade e responsabilidade serem idênticos à da organização linear. Os segundos estão associados em serviços específicos, que se distinguem da estrutura linear. Cada líder executa cargos de polivalência, mas, para o seu desempenho, apoia- se nos seus conselheiros, que são especialistas em variados ramos do conhecimento. Nesta instituição bancária cada função é entregue a um especialista, que tem o controlo sobre a sua função particular.O chefe de cada setor apenas intervém nos assuntos que ponham em causa a sua especialidade. 1.5. Funções e responsabilidades dos departamentos Assembleia geral: é composta pelaPresidente Maria Luísa Ferreira, pelo Vice- presidenteJosé Carlos Marques e o secretárioArmando Lopes.À Assembleia Geral da CCAM compete: eleger, suspender e destituir os titulares dos cargos sociais incluindo os seus Presidentes; votar a proposta do plano de atividades e de orçamento da instituição Caixa Agrícola para próximo exercício;votar no relatório, no balanço e exercícios do ano anterior, aprovar a fusão, a cisão e a dissolução da Caixa Agrícola;aprovar a associação e a exoneração da Caixa Agrícola da CAIXA CENTRAL e de organismos cooperativos de grau superior;fixar a remuneração dos titulares dos órgãos sociais da Caixa Agrícola;decidir o exercício do direito de ação cível ou penal contra o ROC (Revisor Oficial de Contas), administradores, gerentes, outros mandatários ou
  18. 18. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 18 membros do Conselho Fiscal e da Mesa da Assembleia-geral e decidir a alteração dos Estatutos. Conselho de administração:é composto por três administradores: José António Fareleiro, Ilídio Baptista, Fernando Silva e um suplente:José Carlos Amorim. O conselho de administração da CCAM tem como funções: administrar e representar a Caixa Agrícola; elaborar uma proposta do plano de atividades e de orçamento do exercício seguinte para a votação da Assembleia Geral; adotar todas as medidas necessárias à garantia da solvabilidade e liquidez da Caixa Agrícola; decidir as operações de crédito da CA; fiscalizar a aplicação dos capitais mutuados;promover a cobrança coerciva dos créditos da Caixa Agrícola, vencidos e não pagos e organizar, dirigir e disciplinar os serviços. Conselho fiscal:é composto pelo Presidente,Fernando Marques, dois vogais efetivos, Adriano Morais e Antero Morgado, e um suplente, António Cardoso. Ao Conselho Fiscal cabe emitir pareceres sobre a proposta do plano de atividades e orçamento Sociedades de Revisores Oficiais de Contas (SROC):é um órgão externo à instituição que visa emitir opiniões acerca das demonstrações financeiras. Auditoria interna:este órgão tem como finalidade verificar se estão a ser cumpridas as orientações fornecidas pelo conselho de administração. Monitor compliance: Gonçalo Cristovão que é responsável pelas operações efetuadas que abranjam entidades ou clientes diretamente relacionados com a caixa. Gestão de riscos:Ana Morgadoé a pessoa responsável e tem como principal função fazer a análise de risco de todos os pedidos de crédito (e outros negócios) sendo esse trabalho fundamental na decisão final, por exemplo, na aprovação de um crédito. Coordenação geral:A coordenação cabe ao gerente, Artur Martins.
  19. 19. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 19 Apoio jurídico: esta operação é desenvolvida por advogados contratados pela Caixa Central. Conselho de crédito:é um órgão interno que executa uma pré-análise de todo o crédito antes de chegar ao conselho de administração. Coordenação comercial: Vítor Silva é o colaborador quesupervisiona o desempenho de todos os colegas nas diversas áreas de negócio. Delegações:os responsáveis por este departamento são Vítor Silva e Luís Terceiro. Análise e controlo de risco no processamento e na recuperação de crédito:a responsável por este departamento é Fátima Faria e tem a função de analisar riscos e fazer análises profundas dos clientes. Estas análises são sempre necessárias para adquirir elementos fundamentais que permitam as condições do crédito. Suporte transversal: a responsável por este departamento é Iria Milheiro, que trabalha com todos os documentos do ramo da contabilidade. É responsável pela contabilidade dos balcões da Zona Industrial do Camporês e de Santiago da Guarda. Gestão de clientes especiais: neste departamento, o responsável é o gerente da Caixa, Artur Martins, e tem como principal função acompanhar os clientes que devem ser atendidos em particular. Este departamento analisa e tem um acompanhamento com os clientes que são de “natureza especial”, tanto pelo lado positivo, como pelo lado negativo. 1.6. Análise SWOT A análise SWOTé uma técnica utilizada que permite identificar os pontos fortes e fracos da empresa,bem como as oportunidades e ameaças do mercado, de modo a observar a empresa a nível interno e a nível externo.Os pontos fortes e fracos são fatores internos à empresa, enquanto que as oportunidades e as
  20. 20. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 20 ameaças se referem à relação da empresa com o seu meio envolvente, com oambiente externo. O termo SWOT é composto pelas iniciais das palavras-chave desta análise estratégica, que significam: Strenghts (pontos fortes): vantagens internas da empresa em relação às empresas concorrentes. Weaknesses (pontos fracos): desvantagens internas da empresa em relação aos seus principais concorrentes. Opportunities(oportunidades):aspetos positivos do meio envolvente com o potencial de fazer crescer a vantagem competitiva da empresa. Threats (ameaças): aspetos negativos do meio envolvente com o potencial de comprometer a vantagem competitiva da empresa.4 4 In, Estratégia Empresarial – Análise, Formulação e Implementação de Lopes dos Reis, página n.º 57 a 59
  21. 21. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 21 1.6.1. Análise SWOT da Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião Pontos Fortes (Forças) Pontos Fracos (Fraquezas)  Banco de proximidade;  Autonomia local superior à média da banca;  Elevada responsabilidade em relação aos créditos concedidos;  Boas instalações;  Equipa dinâmica e com bons níveis de formação;  Forte adesão aos recursos tecnológicos;  Elevada preocupação com a segurança e saúde dos trabalhadores com caráter permanente e complexo com uma abordagem transparente e sistemática.  Pouca agressividade em termos de marketing;  Clientes com saldos médios inferiores à média dos clientes do resto da banca. Oportunidades Ameaças  Diversidade de clientes;  Serviço especializado para os clientes;  Proximidade com o cliente.  Concorrência desleal;  Situação económico-financeira do país.  Situação económica e social das famílias e empresas.
  22. 22. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 22 II. Setor Bancário 2.1. Sistema Financeiro Nacional (S.F.N.) O sistema financeiro nacional compreende o conjunto de instituições financeiras que garantem, essencialmente, a canalização da poupança para o investimento nos mercados financeiros, através da compra e venda de produtos financeiros. Estas instituições asseguram um papel de intermediaçãoentre os agentes económicos que, num dado momento, se podem assumir como aforradores e, noutros momentos, como investidores. O S.F.N. é um agrupamento de organizações financeiras que possuem dois objetivos básicos:  Controlar e zelar pela ordem económica nacional através de instituições que possuem o objetivo de determinar as diretrizes do Conselho Monetário Nacional (CMN): fiscalização do Banco Central (BC) e cumprimento dessas diretrizes (demais instituições financeiras). Razão de ser do Mercado Financeiro Intermediários Financeiros Agentes Económicos Deficitários Estado Empresas Famílias Exterior Fundos Mercado Financeiro Fundos Fundos Fundos Agentes Económicos Excedentários Famílias Empresas Estado Exterior Fundos
  23. 23. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 23  Facilitar a aquisição de crédito para investidores, de maneira a que estes possam contribuir para o desenvolvimento económico nacional. 2.2. Breve resenha histórica Durante o séc. XX, o sector bancário português foi assinalado por vários ciclos de comportamento, nomeadamente ao nível da organização e de estratégias internas adotadas pelo mesmo. Assim, torna-se essencial apresentar algumas notas históricas sobre este setor. Em meados dos anos 60, Portugal foi marcado por um período de desenvolvimento notável. Este desenvolvimento foi acompanhado por uma forte concorrência entre bancos, nomeadamente na procura de recursos disponíveis, dando origem à necessidade do Estado intervir para o reestruturar, nomeadamenteregulamentando algumas das operações bancárias. A título de exemplo, a caracterização dos diversos tipos de depósitos (à ordem, a prazo e com pré-aviso) e os limites máximos das taxas de juropassaram a encontrar-se previstas no Decreto-Lei n.º 46 492 de 18 de Agosto de 1965, mantendo-se até hoje. Após o 25 de Abril,verificou-se uma grande transformação na estrutura da rede bancária portuguesa, devido às nacionalizações realizadas no setor bancário. A abertura de novos balcões dependia exclusivamente da permissão do Estado e os objetivos bancários passaram a estar orientados para servir a política económica do país (Pinho, 1999). Na década de 80,o setor bancário foi marcado pela modernização e pelo consequente aumento da concorrência entre as instituições que atuavam no mercado. Ainda se verificou um aumento do investimento por parte de instituições estrangeiras no país, através da abertura de balcões, destacando a perspetiva trazida pelo Mercado Único Europeu após a entrada de Portugal, em 1986, na então Comunidade Económica Europeia (C.E.E).
  24. 24. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 24 A abertura do setor e a crescente globalização incentivaram a criação de legislação que visava a harmonização e a transposição das diretivas e dos regulamentos europeus para o normativo nacional, como, por exemplo, definição de instituição de crédito, normas para o funcionamento das instituições de crédito, definição e critérios de solvência, proteção da concorrência, entre outros (Banco de Portugal, 2008). Na década de 2000, foi introduzida na atividade bancária um conjunto de regras de cariz institucional e legal, relativamente à comercialização no mercado de retalho de produtos financeiros. O papel das instituições de supervisão passou a ter uma importância queantes não era tão evidente, no combate ao não cumprimento dos normativos legais que existiam. 2.2.1. Instituições de supervisão Ao Banco de Portugal compete a supervisão das instituições de crédito e das sociedades financeiras e entidades prestadoras de serviços de pagamento, nomeadamente das instituições de pagamento. As instituições de supervisão estão divididas em duas formas:  Supervisão prudencial tem como principal objetivo garantir a estabilidade financeira das instituições e a segurança dos fundos que lhes foram confiados. Sendo essencialmente preventiva, não substitui a gestão competente e o controlo interno eficaz das instituições de crédito e das sociedades financeiras  Supervisão comportamental em particular, regula e supervisiona a conduta dessas instituições nos mercados financeiros a retalhoe foi consagrada na revisão do Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras (RGICSF), através da publicação do Decreto-Lei n. º 1/2008, de 3 de Janeiro.
  25. 25. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 25 Operações bancárias Operações de Crédito Operações de crédito ativo Operações de crédito passivo Outras operações/serviços Poupança 2.3. Atividade bancária “A atividade bancária consiste essencialmente em facilitar o movimento do dinheiro do ponto A, onde ele está, para o ponto B, onde faz falta” Segundo Lord Victor Rothschild Os bancos surgiram como intermediários entre os agentes económicos(famílias e empresas) quedispunham de poupanças eos que delas necessitavam. A principal finalidade da atividade bancária é a obtenção de poupanças através de depósitos e a aplicação em empréstimos que, geralmente, são conduzidos a investimentos. 2.4. Operações Bancárias As operações bancárias efetuadas pelos bancos podem classificar-se da seguinte forma: 2.4.1. Operações de crédito ativo Estas operações consistem na cedência de créditos (empréstimos) pelos quais os bancos recebem uma remuneração, denominada juro. 2.4.2. Operações de crédito passivo Estas operações consistem na aquisição de recursos (depósitos) pelos quais os bancos têm de pagar uma remuneração, denominada juro.
  26. 26. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 26 Depósito bancário: contrato mediante o qual o banco (depositário) se responsabiliza a entregar ao cliente (depositante) os bens ou quantia depositada e ainda remunerar o depositante através de juros. Os intervenientes neste contrato ficam legalmente com obrigações, nomeadamente:  O banco (depositário) é responsável por todos os bens e/ou quantias que lhe foram entregues;  O cliente (depositante) tem de efetuar um acordo com o banco e tem como obrigação apenas efetuar movimentos. Nas operações de crédito passivo existem apenas duas modalidades de depósito. Os depósitos à ordem e os depósitos a prazo. 2.2.1.1. Depósito à ordem O depósito à ordem é uma modalidade que permite ao cliente (depositante) a movimentação dos fundosdepositados a qualquer momento e sem custos, através de cheques, ordens de pagamento e cartões de débito.Geralmente, a esta operação não estão associados juros vencidos, pois este tipo de contas serve, essencialmente, para o cliente efetuar movimentos. Contudo, existem custos de manutenção da conta ainda que a taxa de juro aplicada seja muito reduzida. Para formar um depósito à ordem num determinado banco é necessário abrir uma conta onde fique estabelecido qual o tipo de conta e quem são os titulares. 2.2.1.2. Depósito a prazo O depósito a prazo é uma modalidade de depósito em que o cliente (depositante) se compromete à imobilizaçãodocapital pelo período de tempo acordado (o prazo do depósito), sendo, em geral, reembolsável só no final do período com os respetivos juros. Noentanto, muitas vezes as instituições permitem a mobilização antecipada do capital, ou seja, o levantamento de fundos antes do final do prazo do depósito, mediante a aplicação, por norma, de uma penalização sobre o valor dos juros relativos a esse período
  27. 27. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 27 (habitualmente a perda de parte ou da totalidade dos juros decorridos). As instituições têm de dar a conhecer essas condições ao depositante aquando da contratação do depósito. Os períodos de tempo mais utilizados são: 31, 91, 181 dias e 1 ano, podendo ser também de 2,3,4 e 5 anos, dependendo das características dos produtos financeiros. Uma vez que o dinheiro se destina, em princípio, a ficar no banco por um certo espaço de tempo, poderá este canalizá-lo para aplicações, dentro desse prazo, com relativa segurança. 2.4.3. Poupança A poupança é parte do rendimento disponível que, não sendo aplicado em consumo, pode sê-lo em: Entesouramento – é uma parte de poupança que é mantida e guardada sob a forma de moeda, o que não permite a obtenção de rendimento ao longo do tempo; Investimento – parte da poupança que é aplicada com o objetivo de ser multiplicada. 2.2.1.3. Espírito face à poupança por parte da população O ambiente de crise económica que se vive atualmente no país não incentiva ao investimento nem por parte de famílias nem por parte de empresas, elevando a importância da constituição de poupança e da adequada escolha dos produtos para a sua aplicação. Assim, e neste sentido, a tendência por parte de algumas famílias é a procura pela poupança. Contudo, isto nem sempre acontece, devido ao aumento de impostos e ao aumento do custo de vida. Estes aumentos constantes, essencialmente ao nível da carga fiscal, não são proporcionais ao aumento do rendimento das famílias, o que implica uma diminuição da qualidade de vida.
  28. 28. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 28 As famílias dividem o rendimento entre consumo e poupança, afetando o seu bem-estar económico, limitando ou ampliando a capacidade de consumo. É fundamental perceber a relação entre as escolhas atuais e a perspetiva de oportunidades futuras, de forma a que se atinja o equilíbrio financeiro em todas as fases da vida das famílias. Com a crise económica e o endividamento das famílias, as instituições bancárias começam a oferecer outros produtos financeiros, adequados e adaptados a esta nova realidade. A sociedade adere a estas oportunidades,sentindo-se mais salvaguardados, ficando com a certeza que aquele dinheiro que vão investir no banco ficará lá e que a ele poderão recorrer quando ocorrerem imprevistos futuros. 2.5. Cálculos Financeiros 2.5.1. Juros O juro é o valor correspondente ao período de capitalização,sendo, assim, o rendimento proveniente do capital aplicado durante um determinado período de tempo. Deste modo, o juro é obtido em função do capital cedido e do prazo de duração dessa cedência. A fórmula seguinte é utilizada no regime de juro composto. 2.5.2. Desconto O desconto consiste na redução sofrida de um dado capital descontado durante um certo espaço de tempo. O seu interesse manifesta-se sempre que se pretende antecipar a liquidação de débitos/créditos ou conhecer o seu valor na data atual. De seguida, apresento a fórmula de cálculo.
  29. 29. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 29 III. Produtos financeiros da CCAM Serras de Ansião, CRL. Ao longo dos últimos anos, assistiu-se a um aumento da complexidade e dadiversidade de produtos e serviços financeiros. Os cidadãos passaram a ter um acesso cada vez mais generalizado aos mercados bancários de retalhos. Surgiram no mercado muitos produtos de poupança e, mesmo os tradicionais depósitos a prazo, têm hoje características mais diversificadas, apresentando algumas estruturas de remuneração relativamente sofisticadas e diferentes níveis de liquidez.Em particular, a poupança ganha relevo com a progressiva transferência de risco do Estado para os cidadãos, nomeadamente na provisão de planos de reforma e de proteção face à doença ou desemprego. Existem, também, mais produtos de crédito no mercado, com diferentes custos, prazos e modalidades de reembolso. Nos últimos anos verificou-se um aumento do prazo dos empréstimos, em particular, no crédito à habitação. Ao tradicional crédito ao consumo obtido junto das instituições de crédito, juntou- se uma larga gama de empréstimos concedidos através de estabelecimentos comerciais e o número de cartões de crédito detidos pelas famílias aumentou de forma significativa. Saber ponderar o recurso ao crédito é, pois, essencial. Aos cidadãos são, atualmente, exigidos mais conhecimentos para que compreendam as características dos produtos e serviços financeiros e possam fazer escolhas adequadas.
  30. 30. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 30 O Grupo CA oferece um conjunto de produtos financeiros adequados às necessidades dos clientes. Na figura 1 estão representados os produtos financeiros que o Grupo CA oferece e assinalados os produtos que servirão de base para as simulações a realizar neste projeto. Figura 1 – Produtos financeiros O grupo CA oferece uma gama produtos financeiros que, hoje em dia, são uma mais-valia para os clientes. De seguida,estão apresentados, de forma mais detalhada, osprodutos financeiros a analisar: Depósito a Prazo Normal, Depósito CA Mulher, Poupança Futuro e Poupança Geração Jovem. 3.1. Depósito a Prazo Normal São contas de curto prazo sem risco, cujas entregas e mobilizações de fundos não têm penalização e só são possíveis na data do seu vencimento. Este tipo de contas permiteseis formas de prazos já pré definidos de 30 a 731 dias.Para a abertura da conta e respetiva manutenção o montante mínimo é 250,00€ e Produtos financeiros a abordar
  31. 31. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 31 amoeda utilizada é o euro. Nestas contas,os juros passiveis de IRS são à taxa de 28%. 3.1.1. Características do Depósito a Prazo Normal 3.1.1.1. Destinatários Estas contas destinam-se a:  Clientes particulares (residentes ou emigrantes) maiores de 18 anos;  Empresários em nome individual;  Profissionais liberais;  Empresas sob qualquer forma. 3.1.1.2. Mobilização Antecipada A mobilização antecipada consiste em movimentar o investimento inicial antes do final do período. A mobilização antecipada total ou parcial do capital pode efetuar-se a qualquer momento, estando sujeitoa uma penalização que consiste na perda integral de juros vencidos sobre o capital mobilizado no período que decorre entre a data da constituição do depósito(em caso de pagamento de juros intercalares, do último pagamento de juros desde essa constituição) até à data da mobilização, período esse com um limite máximo de 180 dias. Não existe montante mínimo de mobilização Se, em virtude das mobilizações, o saldo da conta passar a ser inferior ao saldo mínimo de manutenção, a conta será liquidada por crédito na Depósitos à Ordem (DO). 3.1.1.3. Renovação Existe possibilidade de renovação no vencimento, contudo, é opcional. O cliente deve informar na data de subscrição do produto se pretende renovar, ou não.
  32. 32. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 32 A renovação verifica-se por igual período de tempo ao da sua constituição, ou seja, de 1 a 731 dias, conforme o prazo escolhido. Em caso de renovação, são adicionados, ao saldo inicial, os reforços efetuados na data de renovação e os juros vencidos quando capitalizados, passando esse valor a constituir um novo saldo para efeitos de renovação. As condições aplicáveis à renovação serão comunicadas ao cliente com um prazo de antecedência suficiente para o exercício, por parte deste, da oposição à renovação. Assim, caso o cliente não concorde com as mesmas, poderá mobilizar o saldo depositado na data do vencimento, sem qualquer penalização. Em caso de renovação do Depósito a Prazo (DP), são permitidos reforços na data do vencimento ou até dois dias úteis após a data do vencimento, com o montante mínimo de 250,00€. 3.1.1.4. Taxa de Remuneração A taxa de remuneração é o valor do montante que recebemos pelo capital investido. Prazo (dias) (1) TANB (%) (2) TANL (%) (3) TAEL (%) (4) 30 dias 0,250% 0,184% 0,184% 60 dias 0,300% 0,221% 0,221% 90 dias 0,400% 0,294% 0,2940% 120 dias 0,500% 0,368% 0,368% 181 dias 0,600% 0,441% 0,441% 270 dias 0,700% 0,515% 0,515% 365 dias 0,750% 0,551% 0,551% 455 dias 0,975% 0,717% 0,716% 545 dias 0,975% 0,717% 0,715% 635 dias 0,975% 0,717% 0,715% 730 dias 0,975% 0,717% 0,714%
  33. 33. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 33 731 dias 0,975% 0,717% 0,714% (1) Prazo- Espaço de tempo fixo ou determinado, dentro do qual se deve investir um capital; (2) TANB (Taxa Anual Nominal Bruta)– É a taxa de remuneração do depósito, refere-se ao período de um ano, pelo que, para calcular os juros a receber, deve multiplicar esta taxa pelo número de dias de juros dividido por 360 dias (Banco de Portugal); (3) TANL (Taxa Anual Nominal Líquida)- É a taxa de remuneração de uma aplicação financeira. É uma taxa anual relativa ao período a que se refere; é nominal porque pode não levar em conta o período efetivo da aplicação e é líquida porque não deduz impostos e o cliente recebe efetivamente o que o depósito vai render ; (4) TAEL (Taxa Anual Efetiva Líquida) - É uma medida da taxa de remuneração anual líquida, quando existe capitalização de juros. 3.1.1.5. Regime de Capitalização Há possibilidade de capitalização de juros no vencimento, em caso de renovação. O cliente deve informar, na data da subscrição do produto, se pretende ou não capitalizar os juros. 3.1.1.6. Juros  Cálculo de Juros Os juros são calculados diariamente com uma base de cálculo de atual/360 com um arredondamento ao cêntimo de Euro.  Pagamento de Juros Os juros só são pagos no final do prazo contratado por incorporação do capital do depósito normal ou por crédito na conta de D.O., conforme o cliente opte por capitalizar os juros ou não.
  34. 34. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 34 Em caso de mobilização, os juros são pagos na data respetiva da mesma por crédito na conta de D.O., deduzidos na penalização aplicada. 3.2. Depósito CA Mulher Os depósitos CA Mulher são contas de curto e médio prazo sem risco e com garantia de capital. O pagamento de juros está garantido para o período de investimento, exceto na mobilização antecipada. Estas contas permitem os seguintes prazos: 3, 6, 12 ou 24 meses. Neste tipo de contas,o montante mínimo de abertura é 250,00 € e saldo mínimo de manutenção também 250,00€,a moeda utilizada é o Euro e há juros passiveis de IRS à taxa de 28% 3.2.1. Características do Depósito CA Mulher 3.2.1.1. Destinatários  Mulheres clientes particulares (residentes ou emigrantes) maiores de 18 anos;  Empresários em nome individual;  Profissionais liberais; 3.2.1.2. Mobilização Antecipada A mobilização antecipada,total ou parcial, do capital pode efetuar-se a qualquer momento, mas está sujeita à aplicação de uma penalização que consiste na perda integral de juros remuneratórios vencidos sobre o capital mobilizado no período que decorre entre a data da constituição do depósitoou, em caso de pagamento de juros intercalares, do último pagamento de juros desde essa constituição até à data da mobilização, período esse com um limite máximo de 180 dias.Não existe montante de mobilização mínimo. Se, em virtude das mobilizações, o saldo da conta passar a ser inferior ao saldo mínimo de manutenção, a conta será liquidada por crédito no D.O. 3.2.1.3. Renovação Existe possibilidade de renovação no vencimento, contudo, este é opcional.
  35. 35. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 35 O cliente deve informar, na data de subscrição do produto, se pretende renovar, ou não. A renovação verifica-se por igual período de tempo ao da sua constituição, ou seja, 3,6, 12 ou 24 meses, conforme o prazo escolhido. Em caso de renovação, são adicionadosao saldo inicial os reforços efetuados na data de renovação e os juros vencidos quando capitalizados, passando esse valor a constituir um novo saldo para efeitos de renovação. As condições aplicáveis à renovação serão comunicadas ao cliente com um prazo de antecedência suficiente para o exercício, por parte deste, da oposição à renovação. Assim, caso o cliente não concorde com as mesmas, poderá mobilizar o saldo depositado na data do vencimento, sem qualquer penalização. Em caso de renovação do D.P., são permitidos reforços, na data do vencimento ou até dois dias úteis após a data do vencimento, com o montante mínimo de 250,00€. 3.2.1.4. Taxa de Remuneração Prazo TANB (%) TANL (%) TAEL (%) 3 meses 0,650% 0,478% 0,479% 6 meses 0,850% 0,625% 0,627% 12 meses 1,000% 0,735% 0,738% 24 meses 1,225% 0,900% 0,904% 3.2.1.5. Regime de Capitalização Em caso de renovação, existe possibilidade de capitalização de juros no vencimento. O cliente deve informar, na data da subscrição do produto, se pretende ou não capitalizar os juros.
  36. 36. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 36 O cliente pode, no entanto, optar, na mesma data, pelo crédito de juros na conta D.O. 3.2.1.6. Juros  Cálculo de Juros Os juros são calculados diariamente com uma base de cálculo de atual/360 com um arredondamento ao cêntimo de Euro.  Pagamento de Juros Os juros só são pagos no final do prazo contratado por incorporação do capital do depósito normal ou por crédito na conta de D.O., conforme o cliente opte por capitalizar os juros ou não. Em caso de mobilização, os juros são pagos na data respetiva da mesma por crédito na conta de D.O., deduzidos na penalização aplicada. 3.3. Poupança Geração Jovem A conta Poupança Geração Jovem é uma conta poupança a 6 meses ou 1 ano, renovável automaticamente por igual período de tempo e com capitalização opcional de juros.A moeda utilizada é o Euro. O montante mínimo de abertura é de 25,00 € e o saldo mínimo de manutenção é, também, de 25,00€. Os juros sãopassíveis de IRS à taxa de 28% e regimes fiscais especiais, como, por exemplo, os decorrentes de isenções fiscais que podem originar diferenças nas taxas mencionadas. 3.3.1. Características da Poupança Geração Jovem 3.3.1.1. Destinatários Estas contas destinam-se a: Clientes particulares;
  37. 37. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 37 Entidades em nome individual ou profissionais liberais até 30 anos de idade. 3.3.1.2. Mobilização Antecipada É permitida a mobilização antecipada total ou parcial do saldo depositado, a qualquer momento, devendo, no entanto, ser respeitado o montante mínimo de mobilização de € 25,00. A mobilização antecipada parcial é realizada por ordem inversa ao seu depósito cronológico, sob o critério LIFO – “último a entrar, primeiro a sair”, até totalizar o montante da mobilização pretendida, a qual não necessita de ser em múltiplos do montante de mobilizações mínimas. Penalização por Mobilização Antecipada É a perda integral dos juros remuneratórios vencidos sobre o capital mobilizado no período que decorre entre a data da constituição do depósito e a mobilização. No caso de juros intercalares, ocorre a perda de juros remuneratórios vencidos sobre o capital mobilizado entre a data do último pagamento de juros e a data de mobilização, períodoesse com um limite máximo de 180 dias. 3.3.1.3. Renovação Há possibilidade de renovação no vencimento, contudo, é opcional. O cliente deve informar, na data de subscrição do produto, se pretende renovar, ou não. A renovação verifica-se por igual período de tempo, ou seja, 6 meses ou 1 ano. Em caso de renovação, são adicionados ao saldo inicial os reforços efetuados e os juros vencidos quando capitalizados, passando esse valor a constituir um novo saldo para efeitos de renovação. As condições aplicáveis à renovação serão comunicadas ao cliente com um prazo de antecedência suficiente para o exercício, por parte deste, da recusa darenovação da conta. Assim, caso o cliente não concorde com as mesmas,
  38. 38. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 38 poderá mobilizar o saldo depositado na data do vencimento sem qualquer penalização. A Poupança Geração Jovem renovar-se-á automaticamente numa conta Poupança Máxima (a 3 Meses) no primeiro vencimento que ocorra após o 31º aniversário do seu primeiro titular.Permite reforços pontuais, a qualquer momento, ou programados (mediante ordem de transferência permanente da D.O.) com o montante mínimo de € 10,00. Os reforços programados serão feitos sobre o saldo disponível na D.O. Se não existir saldo disponível no momento da transferência, o reforço não será efetuado. Os reforços são remunerados à mesma taxa de juro que se aplica ao período de 6 meses ou 1 ano em que se inserem, vencendo-se na mesma data. Se, em virtude das mobilizações, o saldo da conta Poupança Geração Jovem passar a ser inferior ao saldo mínimo de manutenção, a conta será liquidada por crédito na D.O. 3.3.1.4. Taxa de Remuneração Taxa de Juro Fixa Prazo Escalão TANB (%) TANL (%) TAEL (%) 6 Meses € 0,00 a € 1.000,00 0,600% 0,441% 0,601% €1,000.01 a € 5.000,00 0,700% 0,515% 0,701% > € 5.000,01 0,800% 0,588% 0,802% 1 Ano € 0,00 a€ 1.000,00 0,750% 0,551% 0,750% € 1,000.01 a€ 5.000,00 0,850% 0,625% 0,850% >€ 5.000,01 0,950% 0,698% 0,950% Nota: A remuneração pode ser efetuada por escalões, de acordo com o método implementado pelo banco.
  39. 39. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 39 3.3.1.5. Regime de Capitalização Há opção de capitalização de juros semestrais ou anuais. O cliente deve informar, na data de subscrição do produto, se pretende capitalizar os juros, ou não. O Cliente pode, no entanto, optar, na mesma data, pelo crédito dos juros na conta D.O. 3.3.1.6. Juros  Cálculo de Juros Os juros são calculados diariamente com uma base de cálculo de atual/360 com um arredondamento ao cêntimo de Euro.  Pagamento de Juros Os juros só são pagos no final do prazo contratado por incorporação do capital da conta Poupança Geração Jovem ou por crédito na Conta D.O., conforme o Cliente opte pela capitalização de juros ou não. 3.4. Poupança Futuro A conta Poupança Futuro é uma conta poupança a 1 ano, renovável automaticamente por igual período de tempo e com capitalização de juros. A moeda utilizada é o Euro eo montante mínimo de abertura é de 25,00 €,sendo o saldo mínimo de manutenção também é de 25,00€. Hájuros passíveis de IRS à taxa de 28%. Os juros credores encontram-se sujeitos a IRS, por retenção na fonte, à taxa liberatória em vigor no momento do vencimento dos juros ou, em caso de mobilização antecipada, no momento do apuramento do seu quantitativo. As taxas mencionadas são as que se encontram em vigor à data da constituição, podendo vir a ser alteradas posteriormente. Há regimes fiscais especiais, como, por exemplo, os decorrentes de isenções fiscais, que podem originar diferenças nas taxas mencionadas.Esta informação não dispensa a consulta da legislação aplicável.
  40. 40. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 40 3.4.1. Características da Poupança Futuro 3.4.1.1. Destinatários Estas contas destinam-se a: Clientes Particulares; Entidades em Nome Individual ou Profissionais liberais até 30 anos de idade. 3.4.1.2. Mobilização Antecipada Existem penalizações aplicáveis à mobilização antecipada, total ou parcial, do saldo depositado: Até adquirir a bonificação máxima de 1% Sem penalização de juros, mas não há atribuição do prémio de permanência anual de 0,20 %. Após adquirir a bonificação máxima de 1% Há perda integral dos juros remuneratórios vencidos sobre o capital mobilizado até ao limite máximo de 90 dias a contar da data de renovação, bem como redução de 0,20% do prémio de permanência por cada ano em que ocorra uma ou mais mobilizações. 3.4.1.3. Renovação A renovação verifica-se por igual período de tempo, ou seja 1 ano, sendo adicionados ao saldo inicial os reforços efetuados e os juros vencidos, passando esse valor a constituir um novo saldo para efeitos de renovação. A renovação é automática na data do vencimento. As condições aplicáveis à renovação serão comunicadas ao cliente, com um prazo de antecedência suficiente para o exercício, por parte deste, da oposição à renovação. Assim, caso o cliente não concorde com as mesmas, poderá
  41. 41. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 41 mobilizar o saldo depositado na data do vencimento, sem qualquer penalização. A Poupança Futuro renovar-se-á, automaticamente, numa conta Poupança Máxima (a 3 Meses) no primeiro vencimento que ocorra após o 31º aniversário do seu primeiro titular. As condições aplicáveis à renovação serão comunicadas ao cliente, com um prazo de antecedência suficiente para o exercício, por parte deste, da oposição à renovação. Se, em virtude das mobilizações, o saldo da conta Poupança Futuro passar a ser inferior ao saldo mínimo de manutenção, a conta será liquidada por crédito na conta D.O. 3.4.1.4. Reforços Este produto permite reforços pontuais, a qualquer momento, ou programados (mediante ordem de transferência permanente da conta D.O.) com o montante mínimo de € 10,00. Os reforços programados serão feitos sobre o saldo disponível na conta D.O.Se não existir saldo disponível no momento da transferência, o reforço não será efetuado. Os reforços são remunerados à mesma taxa de juro do escalão respetivo do período de 1 ano em que se inserem, vencendo-se na mesma data. 3.4.1.5. Taxa de Remuneração Taxa de Juro Fixa Prazo TANB (%) TANL (%) TAEL (%) 1 ano 0,775% 0,558% 0,558% A taxa a aplicar na constituição do depósito incide sobre todo o capital aplicado e será atualizada no início de cada período anual de renovação da poupança. Esta taxa poderá ser acrescida de um prémio de permanência. Prémio de permanência
  42. 42. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 42 A cada renovação da poupança, será atribuído um prémio de permanência de 0,20% até ao máximo de 1%, desde que o cliente efetue, pelo menos, 1 reforço por período e não realize mobilizações. Caso sejam realizadas mobilizações, serão mantidas as bonificações ganhas no período anterior. A capitalização de juros é anual. 3.4.1.6. Juros  Cálculo de Juros Os juros são calculados diariamente com uma base de cálculo de atual/360 com um arredondamento ao cêntimo de Euro.  Pagamento de Juros Os juros só são pagos no final do prazo contratado por incorporação do capital da conta Poupança Futuro. 3.5. Vantagens fiscais de recurso à poupança/depósito a prazo Na CCAM, ambos os produtos financeiros (poupanças e depósitos a prazo) apresentam uma vantagem fiscal ao recurso ao débito.Essa vantagem é a isenção de IRS nos juros, para reformados, em depósitos a prazo até ao limite máximo de 10.500,00€. IV. Caso prático – Realização de Simulações Apósverificar a gama de produtos oferecidos pelo Grupo CA e, em específico, os produtos financeiros que irão servir de base para as simulações a realizar, apresenta-se o procedimento para a abertura de uma conta, todos os documentos necessários a apresentar pelo cliente e formulários a preencher, fornecidos pela CCAM.
  43. 43. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 43 4.1. Procedimento de abertura de conta poupança ou conta a prazo Os depósitos bancários ou abertura de contas poupanças são operações de captação de capital que envolvem a receção de depósitos em numerário e outras formas (cheques, por exemplo). Estas operações apenas podem ser realizadas pelas Instituições de Crédito (IC) registadas no Banco de Portugal (BP). Para efetuar tais operações é necessário proceder à abertura de uma conta de depósitos, processo que implica, como contrato que é, o preenchimento de impressos próprios, assinados pelo cliente (ou por um seu representante), com informação relativa à identificação dos titulares da conta, ao tipo de depósito e à sua forma de movimentação. O BP determina quais os elementos de identificação mínimos que o cliente deve disponibilizar ao banco onde pretende efetuar a abertura de uma conta. Este facto deve-se a questões de segurança, tanto para o Banco como para o cliente titular. Por esse motivo os documentos a apresentar devem ser originais ou cópias autenticadas, ficando o Banco obrigado a guardar cópias de todos os documentos que lhe forem apresentados. Para além destes dados, os Bancos podem pedir outras informações em função do tipo de conta que o cliente pretenda ativar. Quando um cliente se dirige à CCAM Serras de Ansião com o objetivo de ativar uma conta poupança ou um conta a prazo, pode dirigir-se a qualquer colaborador do balcão. O colaborador que presta atendimento ao cliente deve solicitar todos os documentos necessários para proceder à abertura de uma conta à ordem. A abertura de uma conta é efetuada mediante o preenchimento e assinatura dos respetivos impressos próprios que constituem o contrato e são fornecidos pela instituição de crédito.
  44. 44. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 44 Nos impressos ficam registados, entre outros elementos, a identificação dos titulares da conta e, sendo o caso, dos seus representantes com poderes de movimentação, o tipo de depósito contratado e as condições de movimentação dos fundos.
  45. 45. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 45 4.1.1. Fluxograma do procedimento de abertura de conta à ordem Abaixoestão representados ospassos a cumprir pela CCAM e pelo cliente aquando da abertura de uma conta à ordem: 1.º Passo - Pedido •O cliente dirige-se a um balcão da CCAM e manifesta a intenção de abertura de conta, dando-se início ao processo. 2.º Passo - Documentos pessoais do cliente •A CCAM solicita os documentos pessoais do cliente representados na tabela abaixo (ilustração 1); •O banco apresenta a gama de produtos financeiros ao cliente para este efetuar a sua escolha. 3.º Passo - Preenchimento dos impressos •A CCAM entrega os impressos necessários ao processo de abertura de conta ao cliente para que este proceda ao seu preenchimento. 4.º Passo - Oficialização da abertura de conta •A CCAM procede à abertura da ficha de cliente após reunir todos os documentos necessários (documentos pessoais do cliente e formulários devidamente preenchidos); •Dá-se cumprimento da explicação das condições inerentes a cumprir pela instituição e pelo cliente. 5.º - Passo - Depósito do montante •Finalmente, o cliente deposita o montante mínimo de abertura de conta, respeitando as condições anteriormente apresentadas.
  46. 46. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 46 4.1.2. Documentos necessários Quando um cliente, quer seja uma pessoa singular ou coletiva, pretende ativar uma conta, tem de apresentar os seguintes documentos. Pessoas Singulares Pessoas Coletivas Cópia de bilhete de identidade e cartão de contribuinte ou cartão de cidadão; Cópia do passaporte ou autorização de residência (no caso de cidadãos não residentes em Portugal); Cópia de documento comprovativo da morada; Cópia do cartão da entidade patronal; Cópia de recibo de vencimento/pensão ou declaração da entidade patronal, cartão de pensionista ou cartão de estudante (dependendo da situação). O original ou código de certidão permanente do registo comercial; Cópia do cartão da empresa ou pessoa coletiva, a declaração escrita com o nome ou denominação social dos titulares de participações no capital e nos direitos de vota da pessoa coletiva de valor igual ou superior a 25%; Cópia da declaração escrita com o nome ou denominação social dos titulares dos órgãos de gestão da pessoa coletiva e bilhete de identidade ou cartão de cidadão; Cópia do passaporte ou autorização de residência dos representantes. Ilustração 1 - Documentos necessários ao processo de abertura de conta Após a abertura dessa conta, o cliente deve dirigir-se ao balcão para falar com um dos colaboradores ou,via On-line, para solicitar a FIN (Ficha de Informação Normalizada) do produto que escolher e fundos a aplicar, seja numa poupança ou depósito a prazo. Impressos e Formulários: Informação de Clientes – Confidencial de Pessoas Singulares – Por interveniente (ver anexo 5); Informação de Clientes – Confidencial de Pessoas Coletivas – Por interveniente (ver anexo 6).
  47. 47. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 47 Ficha de assinaturas de Pessoas Singulares (ver anexo 7); Ficha de assinaturas de Pessoas Coletivas (ver anexo 8). 4.1.3. O que há a cumprir legalmente O banco deve fornecer a FIN do produto e prestar todos os esclarecimentos que o cliente solicitar; O cliente deve ler cuidadosamente a FIN e, concordando, deve assiná-la e ficar com uma via para si. 4.2. Realização das simulações Após explicado todo o procedimento a seguir para ativar uma conta a prazo ou uma conta poupança, apresenta-se, de seguida, os dados de um cliente fictício e as respetivas características do montante a investir e período de aplicação, para proceder à realização das simulações. Dados do cliente: Nome da cliente Joana Sofia Mendes Idade 18 Anos Montante do investimento 10.000 € Período de aplicação 1 ano Mobilização Antecipada 2 meses Perante os dados apresentados,foram efetuadas simulações nos quatro produtos financeiros anteriormente selecionados (ver capítulo III). Todas as simulações são realizadas com base num capital inicial de 10.000€ e o período de capitalização de 1 ano.Foram, também, efetuadas simulações da mobilização antecipada, nos quatro produtos financeiros, considerando o período de antecipação de 2 meses.
  48. 48. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 48 Simulação com base no Depósito a Prazo Normal Ilustração 2 - Simulação do Depósito a Prazo Normal Ilustração 3 - Mobilização antecipada do Depósito CA Mulher C.C.A.M. Balcão EUR 16-03-2012 1 ano 16-03-2014 10.000 € 0,75% 75,00 € 21,00 € 54,00 € 10.075,00 € 10.054,00 € Capital acumulado antes de imposto: Capital liquido: Juros líquidos: : 3370 - CCAM Serras de Ansião C.R.L. : 3370 - Ansião Moeda: Imposto (28%): Simulação de Depósito a Prazo Normal Prazo: Data de vencimento: Capital inicial: Taxa de juro anual: Juro acumulado: Data de abertura: C.C.A.M. Balcão EUR 16-03-2012 1 ano 16-03-2014 10.000 € 0,750% 75,00 € 10.075,00 € 2 meses 0,06% 12,58 € 10.062,42 € Simulação de Depósito a Prazo Normal Condições de antecipação: Taxa de juro mensal: Desconto: Capital a receber: Capital inicial: Taxa de juro anual: Juro acumulado: Capital acumulado: Prazo: Data de abertura: Data de vencimento: : 3370 - CCAM Serras de Ansião C.R.L. : 3370 - Ansião Moeda: Desconto (Mobilização antecipada do depósito)
  49. 49. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 49 Simulação com base no Depósito CA Mulher Ilustração 4 - Simulação do Depósito CA Mulher Ilustração 5 - Mobilização antecipada do Depósito CA Mulher C.C.A.M. Balcão EUR 16-03-2012 1 ano 16-03-2014 10.000 € 1,00% 100,00 € 28,00 € 72,00 € 10.100,00 € 10.072,00 € Prazo: Data de vencimento: Capital Inicial: Taxa de Juro: Juro acumulado: Imposto (28%): Juros líquidos: Capital acumulado antes de imposto: Capital liquido: Simulação de Depósito CA Mulher : 3370 - CCAM Serras de Ansião C.R.L. : 3370 - Ansião Moeda: Data de abertura: C.C.A.M. Balcão EUR 16-03-2012 1 ano 16-03-2014 10.000 € 1,000% 100,00 € 10.100,00 € 2 meses 0,08% 16,81 € 10.083,19 € Condições de antecipação: Taxa de juro mensal: Desconto: Capital a receber: Capital inicial: Simulação de Depósito CA Mulher : 3370 - CCAM Serras de Ansião C.R.L. : 3370 - Ansião Desconto (Mobilização antecipada do depósito) Taxa de juro anual: Juro acumulado: Capital acumulado: Moeda: Data de abertura: Prazo: Data de vencimento:
  50. 50. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 50 Simulação com base na Poupança Geração Jovem Ilustração 6 - Simulação da Poupança Geração Jovem Ilustração 7 - Mobilização Antecipada da Poupança Geração Jovem C.C.A.M. Balcão EUR 16-03-2012 1 ano 16-03-2014 10.000 € 0,950% 95,00 € 26,60 € 68,40 € 10.095,00 € 10.068,40 € Data de abertura: Prazo: Data de vencimento: Capital inicial: Taxa de juro anual: Juro acumulado: Simulação de Poupança Geração Jovem : 3370 - CCAM Serras de Ansião C.R.L. : 3370 - Ansião Moeda: Imposto (28%): Juros líquidos: Capital acumulado antes de imposto: Capital liquido: C.C.A.M. Balcão EUR 16-03-2012 1 ano 16-03-2014 10.000 € 0,950% 95,00 € 10.095,00 € 2 meses 0,079% 15,96 € 10.079,04 € Taxa de juro mensal: Desconto: Capital a receber: : 3370 - CCAM Serras de Ansião C.R.L. : 3370 - Ansião Moeda: Data de abertura: Prazo: Capital inicial: Taxa de juro anual: Desconto (Mobilização antecipada do depósito) Simulação de Poupança Geração Jovem Condições de antecipação: Data de vencimento: Juro acumulado: Capital acumulado:
  51. 51. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 51 Simulação com base na Poupança Futuro Ilustração 8 - Simulação da Poupança Futuro Ilustração 9 - Mobilização antecipada da Poupança Futuro C.C.A.M. Balcão EUR 16-03-2012 1 ano 16-03-2014 10.000 € 0,775% 77,50 € 21,70 € 55,80 € 10.077,5 € 10.055,80 € Prémio de permanência: : 3370 - CCAM Serras de Ansião C.R.L. : 3370 - Ansião Moeda: Data de abertura: Simulação de Poupança Futuro Prazo: Capital inicial: Taxa de juro anual: Juro acumulado: Imposto (28%): Juros Líquidos Data de vencimento: Capital acumulado antes de imposto: Capital liquido: C.C.A.M. Balcão EUR 16-03-2012 1 ano 16-03-2014 10.000 € 0,775% 77,50 € 10.077,50 € 2 meses 0,065% 13,00 € 10.064,50 € Condições de antecipação: Taxa de juro mensal: Data de abertura: Prazo: Data de vencimento: Capital inicial: Taxa de juro anual: Juro acumulado: Simulação de Poupança Futuro : 3370 - CCAM Serras de Ansião C.R.L. : 3370 - Ansião Capital acumulado: Desconto: Capital a receber: Moeda: Desconto (Mobilização antecipada do depósito)
  52. 52. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 52 4.3. Principais conclusões Ilustração 10 - Quadro resumo de todas as simulações realizadas Após a realização das simulações dos produtos financeiros: Depósito a Prazo Normal,Depósito CA Mulher (Depósito a prazo),Poupança Geração Jovem e Poupança Futuro (Poupanças), conclui-se o seguinte: Quanto aos depósitos a prazo, o Depósito CA Mulher,no final do período de capitalização, apresenta um juro bruto de 100,00€, enquanto que o Depósito a PrazoNormalapresenta um juro bruto de 75,00€.Ambos os produtos estão sujeitos a imposto, à taxa de 28%, obtendo-se, assim,um juro líquido de 72,00€ através doDepósito CA Mulher e um juro líquido de 54,00€ através do Depósito a Prazo Normal. Nestes dois produtos financeiros, depois de um ano e com um capital inicial de 10.000€, oque apresenta maior rentabilidade é o Depósito CA Mulher, com o valor líquido de 10.072,00€. No que respeita às poupanças, a Poupança Geração Jovem apresenta um jurobruto de 95,00€ e aPoupança Futuro um juro bruto de 77,50€. Estando estes produtos sujeitos a imposto, à taxa de 28%, obtém-se, assim, com aPoupança Geração Jovem um juro líquido de 68,40€ e com a Poupança Futuro um juro líquido de 55,80€. Taxas Taxa de antecipação do desconto 0,75% 0,06% 1,00% 0,08% Poupança Geração Jovem 0,950% 0,08% 0,775% 0,07% Quadro resumo das simulações Desconto 10.075,00 € 10.100,00 € 10.095,00 € 10.077,50 € 10.054,00 € 12,58 € 16,81 € 15,96 € 13,00 € 10.072,00 € 10.068,00 € 10.055,80 € Produtos financeiros Depósito a Prazo Normal Depósito CA Mulher Poupança Futuro Capital acumulado bruto Capital acumulado líquido
  53. 53. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 53 Assim, no final do prazo de investimento, o produto financeiro que apresenta maior rentabilidade com um capital inicial de 10.000€ é aPoupança Geração Jovem,com o valor líquido de10.068,40€. Conclui-se que o Depósito CA Mulher e a Poupança Geração Jovem são os produtos financeiros que apresentam maior vantagem de investimento. Quanto à mobilização antecipada, os produtos de depósito a prazo, o Depósito CA Mulher apresenta um desconto de 16,81€,oDepósito a Prazo Normal apresenta um desconto de 12,58€,enquanto que a Poupança Geração Jovem apresenta um descontode 15,96€ e a Poupança Futuro apresenta um desconto de 13,00€ Conclui-se que o Depósito CA Mulher e a Poupança Geração Jovem são os produtos financeiros que apresentam uma maior desvantagem de antecipação.
  54. 54. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 54 Conclusão Após a elaboração da minha P.A.P., posso concluir que, ao longo dos três anos de formação, os estágios realizados contribuíram claramente para esta fase final de curso, melhorando as minhas aprendizagens, a minha formação e o conhecimento acerca do mundo de trabalho. O objetivo deste projeto consistia em analisar comparativamente os produtos financeiros do Grupo CA. Após analisar a gama de produtos, foram escolhidos dois tipos de produto, pretendia-se analisar as suas características e, com base nessa análise, elaborar um documento em Excel com as simulações que permitissem visualizar a análise. Ao longo do desenvolvimento da minha P.A.P. foram encontradas dificuldades que se superaram, com empenho, dedicação, esforço e, também, com o auxílio, quer da orientadora de P.A.P., Andreia Mineiro, quer do orientador de estágio, Artur Martins. Com a elaboração deste projeto, fiquei a conhecer todo o processo inerente à ativação decontas poupança ou a prazo. Este projeto é de elevada importância a nível pessoal e profissional. Atendendo a que um dia quererei ativar umaconta poupança, já saberei todos os procedimentos a ter e toda a documentação que será necessária. A nível profissional, tambémfoi relevante, pois pude enriquecer os conhecimentos que tinha e pude aplicar e consolidar os conhecimentos adquiridos na minha área de formação, ao longo do meu ciclo formativo na Escola Tecnológica e Profissional de Sicó. Não tenho críticas a apontar nem à escola nem à instituição, uma vez que muito me ajudaram a concluir a Prova de Aptidão Profissional. Quero, então, salientar a ajuda, por parte da empresa, de Artur Martins, deFátima Faria e de Gonçalo Cristovão; por parte da escola, no que diz respeito a terminar a parte letiva do curso, saliento a ajuda dos meus professores.
  55. 55. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 55 É importante sublinhar que o interesse da escola na formação dos seus alunos e no estabelecimento de protocolos com as empresas para a implementação de locais de estágio é muito bom para os formandos.É, sem dúvida, uma mais- valia.
  56. 56. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 56 Glossário Bonificação: suplemento salarial dado ao trabalhador que ultrapassou a média de produção; gratificação. Vantagem oferecida em ações e títulos de empresas comerciais. Capitalização: quando um capital é cedido (aplicado).Podem ser negociadas duas formas de liquidação dos juros vincendos: Juros intercalares Juros vencidos Planos de proteção:conjunto de coberturas que visam minimizar/anular as consequências negativas. Planos de reforma: são planos de poupança de médio ou longo prazo, que poderão contribuir para financiar um complemento de reforma e, simultaneamente, fazer face a situações de necessidade. Provisão: são reduções de ativo ou acréscimos de exigibilidade que reduzem o Património Líquido e cujos valores não são totalmente definidos. Representam, assim, expetativas de perdas de ativos; Subscrição: Lançamento de novas ações por uma sociedade anónima, com a finalidade de obter os recursos necessários para investimento. Momento em que o acionista manifesta a sua vontade de participar num aumento de capital da companhia ou aumentar sua participação; Titulares de conta:são eventuais representantes de uma conta, aos quais são cedidos poderes de movimentação, e que devem facultar às instituições de crédito os respetivos elementos de identificação e documentos comprovativos.
  57. 57. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 57 Bibliografia  COSTA, Maria Fernanda (1987), Cálculo Financeiro, Lisboa, Plátano Editora.  FERNANDES, L. Santos (1985), Noções Fundamentais de Cálculo Financeiro, Lisboa, Imprensa Nacional – Casa da Moeda, E.P.  GOMES, Rita Pereira; SILVA, Fernando Rodrigues, Economia-Ensino Profissional – Nível 3, Porto, Porto Editora  LOUSÃ, Aires; PEREIRA, Paula Aires; LAMBERT, Raul; LOUSÃ, Mário Dias, Técnicas Administrativas – 10º ano de escolaridade, Porto, Porto Editora.  Módulo n.º 1 da disciplina de Cálculo Financeiro e Estatística Aplicada – “Sistema Financeiro Simples”  Módulo n.º4 da disciplina de Economia – “ Moeda e Financiamento da Atividade Económica”  QUELHAS, Ana Paula; CORREIA, Fernando – Manual de Matemática Financeira; Livraria Almedina; 2004.  RAMOS, Matos Celina; SOUSA, SOUSA, Maria Gabriela; TRABULO, António Augusto, Cálculo Financeiro – 11º ano de escolaridade, Porto Editora.  RODRIGUES, José (2003), Elementos de Cálculo Financeiro, 7.ª Ed., Lisboa, Áreas Editora.  SANTOS, Rui (1990), Noções e Exercícios, Lisboa, Edições Asa.  SIMÔES, António Ferreira; RODRIGUES, Marcos José (1988), Cálculo Financeiro, Lisboa, Plátano Editora. Outros recursos:  Estatuto da CCAM Serras de Ansião;  http://clientebancario.bportugal.pt/pt- PT/ProdutosBancarios/ContasdeDeposito/Tiposdeposito/Modalidades /Paginas/default.aspx
  58. 58. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 58  http://economico.sapo.pt/noticias/se-nao-pode-poupar-muito-poupe- micro_155127.html  http://www.protir.pt/up/file/caerev3_notasexplicativas.pdf  MENDES, J. (2002), A empresa bancária em Portugal no séc. XX: Evolução e Estratégias;  PINHO, P. (1999), Reprivatizações e Eficiência no Sistema Bancário Português; documentos de trabalho nº 13, p.1-41, disponível em www.gpeari.min- financas.pt/;  Site do CA: www.credito-agricola.pt
  59. 59. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 59 V. Anexos 5.1. Anexo 1 – FIN – Depósito a Prazo Normal
  60. 60. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 60
  61. 61. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 61
  62. 62. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 62
  63. 63. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 63
  64. 64. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 64 5.2. Anexo 2 – FIN – Depósito CA Mulher
  65. 65. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 65
  66. 66. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 66
  67. 67. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 67
  68. 68. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 68 5.3. Anexo 3 - FIN - Poupança Geração Jovem
  69. 69. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 69
  70. 70. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 70
  71. 71. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 71
  72. 72. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 72
  73. 73. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 73 5.4. Anexo 4 – FIN – Poupança Futuro
  74. 74. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 74
  75. 75. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 75
  76. 76. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 76
  77. 77. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 77
  78. 78. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 78 5.5. Anexo 5 - Informação de Clientes – Confidencial de Pessoas Singulares – Por interveniente
  79. 79. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 79
  80. 80. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 80
  81. 81. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 81
  82. 82. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 82 5.6. Anexo 6 – Informação de Clientes – Confidencial de Pessoas Coletivas – Por interveniente
  83. 83. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 83
  84. 84. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 84
  85. 85. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 85 5.7. Anexo 7 - Ficha de assinaturas de Pessoas Singulares
  86. 86. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 86
  87. 87. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 87
  88. 88. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 88 5.8. Anexo 8 – Ficha de assinaturas de Pessoas Coletivas
  89. 89. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 89
  90. 90. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 90
  91. 91. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 91 5.9. Anexo 9 – Anteprojeto da Prova de Aptidão Profissional
  92. 92. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 92 ANTEPROJETO DA PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL DATA:03/12/2012 NOME: MARIANA DE SOUSA MARTINS Nº 12 CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO 3º ANO AVELAR 1. Identificação do Projeto Operações de crédito passivo – (Poupanças/Depósitos). 2. Objetivos Objetivo Geral: Analisar comparativamente diferentesprodutos de crédito passivo. Objetivos Específicos:  Apresentar o grupo Crédito Agrícola e a sua estrutura;  Abordar teoricamente o tema;  Identificar e apresentar os produtos financeiros de depósitos a prazo e poupança da Instituição que irão ser alvo de análise;  Apresentar as características dos produtos selecionados (contrato, direitos e obrigações);  Simular dois cenários de aplicações de fundo com dados reais;  Calcular os juros para os produtos selecionados, num horizonte temporal pré-definido;  Analisar comparativamente os produtos que apresentam mais rentabilidade;  Apresentar as principais conclusões da simulação e identificar a melhor aplicação.
  93. 93. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 93 Para este projeto ter sucesso terão de ser cumpridos todos os prazos e objetivos definidos inicialmente. Para se verificar este sucesso o projeto deverá:  Responder de forma eficiente e eficaz às solicitações da instituição;  Apresentar informação de modo a que os resultados obtidos sejam úteis para a instituição;  Apresentar à empresa conclusões objetivas;  Apresentar sugestões de melhoria relevantes e aplicáveis na instituição;  Desenvolver, consolidar e aperfeiçoar competências técnicas e profissionais. Tendo em conta todas as competências técnicas, pessoais e sociais adquiridas ao longo do Curso Profissional de Técnico de Gestãoas que mais diretamente contribuem para a realização deste projeto são:  Colaborar na análise e desenvolvimento de projetos de investimento/ financiamento;  Classificar e contabilizar documentos;  Assegurar os procedimentos e obrigações fiscais;  Colaborar no controlo de qualidade ambiental;  Posicionar-se criticamente face à inovação tecnológica;  Ler e interpretar tabelas e gráficos, comunicar os resultados e apresentar conclusões;  Interagir oralmente e por escrito, de forma adequada, revelando espírito crítico e analítico;  Demonstrar iniciativa, autonomia, motivação e capacidade de liderança na execução de trabalho em grupo/ou individual;  Garantir e/ou progredir o grau de autonomia;  Caracterizar sinteticamente a atividade bancária: Operações de Crédito passivo;  Compreender o conceito de juro, taxa de juro, capital atual e capital acumulado; 3. Critérios de Sucesso 4. Articulação com o Perfil de Competências
  94. 94. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 94 O projeto consiste na análise comparativa das operações de crédito passivo (Depósitos/Poupanças). A elaboração desta análise passará pelas seguintes fases: 1) Introdução:  Recolha de informação de âmbito interno sobre a instituição;  Caracterizar a instituição Caixa de Crédito Agrícola;  Enquadrar teoricamente o tema;  Identificar e caracterizar os produtos financeiros da instituição; 2) Simulação dos cenários:  Recolher os dados para a realização dos cenários  Desenvolver dois cenários de cálculo (poupança e depósito);  Calcular os juros dos cenários num horizonte temporal;  Apresentar uma análise relativamente aos dois cenários;  Fazer o respetivo cálculo do juro, do valor atual e do capital acumulado;  Identificar a Capitalização e o Sistema Financeiro Simples, ou regime de juro simples;  Deduzir as expressões algébricas do capital, do tempo e da taxa.  Identificar os processos práticos para o cálculo do juro: Processos dos números e divisores fixos e Processos dos números e dos multiplicadores fixos;  Representar graficamente o Juro Simples;  Definir o conceito de poupança. 5. Descrição do Projeto 6. Possíveis estratégias de articulação com o contexto de trabalho As possíveis estratégias de articulação com o contexto de trabalhosão:  Aulas práticas das disciplinas da área técnica;  Estágios do 2.º ano, que permitiram uma melhor perceção do mundo do trabalho, nomeadamente:
  95. 95. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 95 De 23 a 28 de janeiro de 2012 na empresa Seguros Silveiro, onde foi estabelecido contacto, pela primeira vez, com o mundo do trabalho e com as exigências a ele inerentes; 14 a21 de maio de 2011 na empresa Sociedade de Construções Elimur, Lda., com sede em Ansião. Possibilitando uma visão mais realistade uma empresa, desempenhando com o mesmo comportamento todas as tarefas atribuídas. Logo, tanto um estágio como o outro, foram levados com a máxima seriedade, principalmente a nível comportamental.  Estágios do 3.º ano, que permitiram uma melhor perceção do mundo do trabalho, nomeadamente: 19 a 23 de novembro a primeira fase de estágio no 3.º ano do Curso Profissional de Técnico de Gestão, onde mais uma vez foi estabelecido contacto com o mundo do trabalho. Estando sempre à altura de todas as tarefas que foram atribuídas; O estágio com a duração de oito semanas no 3.º ano do Curso Profissional de Técnico de Gestão; Reuniões realizadas com o professor orientador da escola. 7. Metodologia a utilizar  Recolha e análise de informações sobre os diferentes produtos financeiros em bibliografia específica e manual das disciplinas de Cálculo Financeiro e Estatística Aplicada e Economia e respectivos apontamentos;  Recolha de dados reais na Instituição Caixa de Crédito Agrícola para o desenvolvimento dos cenários;  Conversa com os colaboradores da instituição;  Emitir conclusões/sugestões em relação à informação tratada;  Reuniões com o orientador da instituição e orientador da escola;  Capacidade de investigação.
  96. 96. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 96 8. Orçamento e meios materiais necessários à exequibilidade do projeto  Computador;  Impressora;  Pen-drive;  Fotocópias;  Máquina de Calcular;  Livros/manuais;  Internet (recolha de informação);  Scanner;  Papel;  Microsoft Office;  Meios de comunicação;  Deslocações à instituição CCAM. 9. Bibliografia  BASTOS, Rosário Teixeira  COSTA, Maria Fernanda (1987),Cálculo Financeiro, Lisboa, Plátano Editora.  FERNANDES, L. Santos (1985), Noções Fundamentais de Cálculo Financeiro, Lisboa, Imprensa Nacional – Casa da Moeda, E.P.  GOMES, Rita Pereira; SILVA, Fernando Rodrigues, Economia-Ensino Profissional – Nível 3, Porto, Porto Editora  LOUSÃ, Aires; PEREIRA, Paula Aires; LAMBERT, Raul; LOUSÃ, Mário Dias, Técnicas Administrativas – 10º ano de escolaridade, Porto, Porto Editora.  Módulo n.º 1 da disciplina de Cálculo Financeiro e Estatística Aplicada – “Sistema Financeiro Simples”  Módulo n.º4 da disciplina de Economia – “ Moeda e Financiamento da Atividade Económica”  QUELHAS, Ana Paula; CORREIA, Fenando – Manual de Matemática Financeira; Livraria Almedina; 2004.  RAMOS, Matos Celina; SOUSA, SOUSA, Maria Gabriela; TRABULO, António Augusto, Calculo Financeiro – 11º ano de escolaridade, Porto Editora.
  97. 97. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 97 Tendo como base a calendarização definida para a elaboração do projeto (4 de dezembro de 2012 a 5 de abril de 2013), que consta no documento das Orientações para a Prova de Aptidão Profissional, apresenta-se de seguida o calendário para a execução das várias fases do projeto.  Entrega do Anteprojeto: 03 de dezembro de 2012; 3) Introdução:  Recolha de informação de âmbito interno sobre a instituição: 4 de dezembro de 2012 a 10 de dezembro de 2012;  Caracterizar a instituição Caixa de Crédito Agrícola: 11 de dezembro de 2012 a 15 de dezembro de 2012;  Enquadrar teoricamente o tema: 16 de dezembro de 2012 a 24 de dezembro de 2012;  Identificar e caracterizar os produtos financeiros da instituição: 26 de dezembro de 2012 a 16 de janeiro de 2013; 4) Simulação dos cenários:  Recolher os dados para a realização dos cenários: 17 de janeiro de 2013 a 24 de janeiro de 2013;  RODRIGUES, José (2003), Elementos de Cálculo Financeiro, 7.ª Ed., Lisboa, Áreas Editora.  SANTOS, Rui (1990), Noções e Exercícios, Lisboa, Edições Asa.  SIMÔES, António Ferreira; RODRIGUES, Marcos José (1988), Cálculo Financeiro, Lisboa, Plátano Editora. Outros recursos:  Estatuto da CCAM Serras de Ansião; Site do CA: www.credito-agricola.pt 10. Calendarização prevista
  98. 98. ESCOLA TECNOLÓGICA E PROFISSIONAL DE SICÓ Caixa de Crédito Agrícola Mútuo Serras de Ansião, C.R.L. 98  Simular dois cenários de cálculo (poupança e depósito): 25 de janeiro de 2013 a 22 de fevereiro de 2013;  Calcular os juros dos cenários num horizonte temporal: 23 de fevereiro de 2013 a 5 de março de 2013;  Apresentar uma análise comparativa e conclusiva relativa às duas simulações: 6 de março de 2013 a 13 de março de 2013; 5) Entrega da PAP à orientadora de PAP para correção: 13 de março de 2013; 6) Entrega da PAP à professoracorretora de português: 20 de março de 2013; 7) Entrega da versão final da PAP: 5 de abril de 2013. 11. Aprovação pela Instituição Observações (campo facultativo): Recebi e aprovei o Anteprojeto. O Orientador da Empresa: ________________________________________ __________, ____ de ______________ de _____ 12. Apreciação do Orientadora de PAP Observações: Orientadora de PAP: ________________________________________________ Recebi e aprovei o Anteprojeto. O Diretor de Curso: ________________________________________ ________, ____ de ________________ de ____ Assinatura da aluna: ____________________________________________________

×