ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 20

2.271 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Turismo
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.271
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
95
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
36
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

ApresentaçãO Para DéCimo Primeiro Ano, Aula 20

  1. 2. <ul><li>O autor pregou este sermão — todo ele alegórico — três dias antes de embarcar, clandestinamente, para a metrópole, com o objectivo de encontrar solução para o problema dos índios, em consequência dos factos a que se alude no «Sermão da Sexagésima» (volume 1 dos Sermões ). </li></ul>
  2. 3. <ul><li>Como se deduz da alegoria em que assenta o texto, no «Sermão de Santo António aos Peixes», o orador abordou todos os pontos do programa que, ainda que impopular, considerava ser o mais adequado, em termos espirituais e práticos, à colónia. </li></ul>
  3. 5. <ul><li>As palavras «pregado» e «pregou» são formas do verbo « pregar 2 ». O étimo deste verbo é a palavra latina (aliás, do latim falado por religiosos) « PRAEDICARE ». Não se confunde este verbo com o seu homógrafo « pregar 1 », </li></ul>
  4. 6. <ul><li>já que, tal como o nome que dele deriva, «pregador», se pronuncia com E aberto ( é ), cuja representação fonética é ε , enquanto o verbo cuja primeira acepção é ‘ fixar ou segurar com prego ’ e cujo étimo, também latino, é « PLICARE » se diz com um E que quase não se ouve ( e ), representado no alfabeto fonético por um [e ao contrário ] . </li></ul>
  5. 7. <ul><li>Como já terás percebido, as palavras que no manual estão asteriscadas — marcadas com um asterico (*) — são objecto de explicação no glossário das páginas finais ou no Práticas . Para já, faz uma leitura rápida das explicações para alegoria , conceito predicável , captatio benevolentiae ( Antologia , 291-302) e exórdio ( Práticas , 18). </li></ul>
  6. 8. <ul><li>No caso Sermão de Santo António aos Peixes , o conceito predicável corresponde à frase latina que serve de epígrafe (« Vos estis sal terrae / Vós sois o sal da terra »). A captatio benevolentiae (estratégia comum no exórdio, a parte introdutória dos discursos) vimo-la muito no discurso de Marco António — por exemplo, quando, em jogada de falsa modéstia, assumia não ser tão bom orador como Brutus. </li></ul>
  7. 9. <ul><li>A alegoria, que fica já anunciada neste capítulo I do Sermão ( Antologia , 56-58) e depois será desenvolvida, é toda a situação, «metafórica», figurada, que o orador criou (e ficou até no título), em torno de a sua audiência serem peixes . </li></ul>
  8. 10. <ul><li>[linhas 1-18] </li></ul><ul><li>Cristo diz serem os pregadores o sal da terra . Tal como o sal preserva (os alimentos), os pregadores deviam na terra impedir a podridão/corrupção . Mas, se há tantos pregadores , como se justifica que haja tanta corrupção? </li></ul>
  9. 11. <ul><li>Várias hipóteses (e bifurcadas): ou os pregadores não pregam a verdade ou os ouvintes não a querem; ou os pregadores não fazem o que defendem/dizem e os seus ouvintes preferem imitá-los nas práticas/acções e não nas palavras; ou os pregadores pensam mais neles do que em Cristo ou os ouvintes, em vez de seguirem os preceitos da religião, preferem reger-se pela sua vontade/propensão imediata. </li></ul>
  10. 12. <ul><li>[ll. 19-30] </li></ul><ul><li>Então, o que se há-de fazer aos pregadores , que não evitam a corrupção, e aos ouvintes, que não se deixam influenciar/catequizar ? Como disse Cristo, se os pregadores não cumprem bem, pelas palavras ou pelos actos , o melhor será espezinhá-los . </li></ul>
  11. 13. <ul><li>[ll. 31-53] </li></ul><ul><li>E que se há-de fazer aos ouvintes ? Santo António, perante um público que não lhe ligava, abandonou-o e foi pregar aos peixes . </li></ul>
  12. 14. <ul><li>[ll. 54-73] </li></ul><ul><li>Retomando o ‘conceito predicável’: Santo António foi até mais do que «sal da terra», foi também «sal do mar », já que pregou a peixes . Mas o autor não quer relatar o que se passou com Santo António, antes acha que nos dias dos santos — lembremos: era dia 13 de Junho, dia de Santo António — se deve é imitá -los. </li></ul>
  13. 15. <ul><li>[ll. 74-83] </li></ul><ul><li>Por isso, o orador, o Padre António Vieira, vai também pregar aos peixes; para tanto, invoca Maria , cuja etimologia, supostamente, se ligaria ao mar (na verdade, esta etimologia é falsa). </li></ul>
  14. 16. <ul><li>Publifilmes em Gaveta de Nuvens (mas ainda sem comentários) </li></ul>
  15. 18. <ul><li>TPC — Corrige o poema que hoje te devolvi, passa-o a limpo (e, eventualmente, dá-mo de novo, se ainda forem significativas as emendas que te caiba lançar). Pondera — e, mais ainda, se eu tiver gabado o teu texto — enviar o poema ao concurso Correntes d’Escritas . (Se queres ainda tentar outro poema, talvez ainda dê tempo.) </li></ul><ul><li>É preciso enviar o texto por correio. O regulamento está em Gaveta de Nuvens e o prazo termina em 30 de Novembro. </li></ul>

×