Um olhar sobre Abril

467 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
467
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
18
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Um olhar sobre Abril

  1. 1. <ul><li>Feito por: </li></ul><ul><ul><li>Maria João Martins Nº11 </li></ul></ul>EB 2,3 D. Fernando II História A – 12ºA 2009/2010
  2. 3. <ul><li>Antes da grande revolução de 25 de Abril, as coisas em Portugal não estavam fáceis, tanto em termos sociais como em políticos. </li></ul>
  3. 4. <ul><li>As liberdades que temos hoje, á uns anos eram impensáveis. Até em coisas simples, como por exemplo, o tipo de roupa, não havia qualquer liberdade de escolha. As mulheres não podiam usar saias muito curtas, só abaixo do joelho, já para não falar dos simples fatos de banho, e sim, fatos de banho, pois os biquínis eram inconcebíveis nessa altura, as mulheres tinham de ter tudo bem tapadinho, ou então eram consideradas umas oferecidas. </li></ul>
  4. 5. <ul><li>Realmente hoje em dia o que mais para aí havia eram oferecidas. </li></ul>
  5. 6. <ul><li>Quanto á economia, Portugal continuava a ser um país rural com profundo desequilíbrio económico, a indústria era pouco desenvolvida, no entanto apresentava uma boa situação económica. </li></ul>No entanto, o dinheiro dessa altura faz me lembrar o Euro de hoje, não valia nada.
  6. 7. <ul><li>Havia também uma grande desigualdade entre classes sociais e muito más condições de trabalho enquanto, “os grandes”, se aproveitavam dos trabalhadores que nesta altura, não tinham quaisquer direitos como têm hoje em dia, tendo de trabalhar sol-a-sol e nem sequer podiam pensar em contestar, só tinham de trabalhar. </li></ul>Sinceramente, com uma política assim, o melhor era sair do país, pois nem dava vontade de lutar pela pátria.
  7. 8. <ul><li>A perseguição política é mais um ponto a contestar, a PIDE chegava ao ponto de “convidar” os cidadãos a denunciar quem ousava levantar a voz contra o regime, fossem familiares ou simplesmente conhecidos, se há algo que enerva é ser perseguido por tudo e mais alguma coisa, sem ter liberdade de dizer o que pensa e ter de calar para não ser presa ou mesmo para proteger familiares, que podiam ser exilados por vingança. </li></ul>
  8. 9. <ul><li>Uma vida de ditadura e fascismo insuportável. Enerva saber que, além destes problemas que já enunciei, haviam ainda piores quanto á guerra colonial em que Portugal se encontrava. </li></ul><ul><li>Perderam-se vidas inocentes por uma causa que estava perdida. Muitos militares não regressaram, outros voltaram em condições trágicas, mutilados. </li></ul>Estou farto disto!
  9. 10. <ul><li>Em 1970, morre Salazar. Na chefia do governo sucedeu-lhe Marcelo Caetano. Criaram-se muitas expectativas em relação ao novo governo, mas em breve todos os que tinham esperanças que as coisas se alterassem, ficaram desiludidos. Tudo continuou praticamente na mesma. Para a guerra colonial não se encontrou solução e a juventude Portuguesa continuava a ser sacrificada. </li></ul>
  10. 11. <ul><li>Marcelo Caetano, tentava explicar o inexplicável, criou um programa de televisão. Contudo, a conversa era a mesma: “Portugal deve continuar no Ultramar” </li></ul>O sofrimento das famílias era visível, só lhes restava rezar, e pedir para que os seus filhos voltassem sãos e salvos… nem sempre assim foi.
  11. 12. <ul><li>E finalmente… </li></ul>
  12. 13. <ul><li>Tanto descontentamento, levou á rebelião das forças armadas, que se virou contra o regime na madrugada de 24 de Abril de 1974. </li></ul>Foi, sem dúvida, a revolta que devolveu a liberdade e a dignidade a todos os portugueses. Era o princípio do fim de um pesadelo de quase 50 anos.
  13. 14. <ul><li>Mas mesmo assim, o regime fascista colocou-se contra a história até ao ridículo. A censura proíbe, no próprio dia 25 de Abril, os títulos de alguns jornais. </li></ul>Mesmo perante isto, foi devolvido ao povo o que era do povo: a liberdade.
  14. 15. <ul><li>Como disse a Sra. Edite Estrela : </li></ul>“ O que Abril representa, não pode ser reduzido a um acto de memória ou a um ritual evocativo. Tem de ser memória do passado e afirmação do futuro.”
  15. 16. <ul><li>Para nós, que já nascemos com liberdade, é difícil entender o que significou o 25 de Abril, mas podemos agradecer aos nossos militares pela sua coragem e determinação. </li></ul>
  16. 17. <ul><li>Na minha opinião, Salazar até fazia alguma falta a Portugal nos dias que decorrem, mas só no que diz respeito á economia e á ordem social. </li></ul>Por outro lado, não concordava com a sua volta, pois Salazar até podia ser um “génio” financeiro, mas era egoísta e manipulador, parecia não se preocupar com o povo, apenas com o umbigo dele.
  17. 18. <ul><li>Logo, o povo precisa de ser apoiado e não deitado abaixo, precisa de ser ouvido e não calado, precisa simplesmente de ser livre. </li></ul><ul><li>Apesar da crise que se sente hoje em Portugal há algo que permanece desde o 25 de Abril, a liberdade, para defendermos os nossos interesses e até poder votar para “escolher” quem gostávamos de ver no poder. </li></ul>
  18. 19. <ul><li>Podemos não ter dinheiro, nem casa, nem carro, mas, a liberdade já ninguém nos tira! </li></ul><ul><li>O 25 de Abril fez-se para salvar Portugal da opressão, do medo, da miséria, da ignorância e da decadência. </li></ul>
  19. 20. <ul><li>Por isso, 25 de Abril?! </li></ul><ul><li>Sempre!!! </li></ul>
  20. 21. <ul><li>Fim </li></ul>

×