AlimentaçãO Nas Escolas

1.596 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios, Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.596
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • AlimentaçãO Nas Escolas

    1. 1. Área de Projecto 2008/2009 12ºA <ul><li>Elaborado por: </li></ul><ul><li>André Figueiredo nº4 </li></ul><ul><li>Bruno Braga nº5 </li></ul><ul><li>Henrique Brandão nº8 </li></ul><ul><li>Nádia Rocha nº15 </li></ul>A docente: Luísa Ferreira
    2. 2. <ul><li>É certo que as escolas não conseguem disponibilizar refeições 100% saudáveis aos seus alunos mas, ainda assim, contrariamente ao que se pensa, a nossa escola apresenta uma variedade de alimentos capaz de oferecer ao aluno uma alimentação correcta. </li></ul><ul><li>O grande problema reside acima de tudo na mentalidade dos alunos que se restringem a um certo tipo de alimento e sobretudo porque a maioria prefere almoçar no bar da escola, que com toda a certeza apresenta uma quantidade de refeições muito menos ricas e saudáveis do que o refeitório. </li></ul><ul><li>O bar da nossa escola, na hora de almoço, disponibiliza aos alunos os seguintes alimentos: </li></ul><ul><li>Sopa; </li></ul><ul><li>Sandes de atum; </li></ul><ul><li>Sandes mistas; </li></ul><ul><li>Fruta; </li></ul>
    3. 3. <ul><li>O refeitório disponibiliza uma variedade de refeições muito mais ricas em nutrientes e saudáveis – alguns exemplos: </li></ul><ul><ul><li>Sopas diversas (sopa de alho francês, caldo verde, canja, etc.) </li></ul></ul><ul><ul><li>Salada presente em todas as refeições; </li></ul></ul><ul><ul><li>Empadão de atum; </li></ul></ul><ul><ul><li>Frango assado no forno com arroz; </li></ul></ul><ul><ul><li>Carne moída com esparguete; </li></ul></ul><ul><ul><li>Todos os dias o refeitório disponibiliza diversos tipos de fruta (laranja, maça, pêra) </li></ul></ul>
    4. 4. <ul><li>Em termos de socialização, o refeitório permite um momento de convívio muito importante, pois reforça laços afectivos quer inter alunos quer entre os alunos e os próprios professores, podendo melhorar consideravelmente o ambiente escolar. </li></ul><ul><li>A opção dos alunos pelo refeitório é vantajosa a todos os níveis : quer do ponto de vista nutricional quer do ponto de vista energético quer da relação entre os diferentes nutrientes . </li></ul><ul><li>Para além disto, os alunos têm garantias de higiene dos alimentos e do equilíbrio nutricional. </li></ul><ul><li>Estes aspectos não podem ser descurados pelos alunos e respectivos encarregados de educação, pois são factores que se r eflectirão mais tarde na saúde dos jovens . </li></ul>
    5. 5. <ul><li>O bufete escolar é um espaço complementar e não alternativo ao refeitório escolar. Na maioria das escolas está frequentemente encerrado durante o horário de funcionamento do refeitório e, mesmo quando aberto, como no caso da nossa escola, raramente apresenta alternativas saudáveis a uma refeição equilibrada e completa, pelo que não deve ser encarado como opção em detrimento do refeitório. </li></ul>
    6. 6. <ul><li>É necessário que as escolas e a comunidade educativa estejam esclarecidas sobre qual o tipo alimentos que, de acordo com o seu valor nutricional, deve ser ou não promovido e qual o tipo de géneros alimentícios que não deve ser disponibilizado em meio escolar.  </li></ul><ul><li>Não se pode afirmar categoricamente que há &quot;maus alimentos&quot;, mas há sem dúvida alimentos que, pelas suas características nutricionais, não devem ser de livre acesso num local educador e promotor da saúde como é a escola. </li></ul><ul><li>É neste sentido que o Ministério da Educação em protocolo com o Ministério da Saúde pretende clarificar quais os géneros alimentícios que devem: </li></ul><ul><ul><li>ser promovidos em contexto escolar; </li></ul></ul><ul><ul><li>ser limitados no seu consumo em contexto escolar; </li></ul></ul><ul><ul><li>ser indisponibilizados num bufete escolar. </li></ul></ul>
    7. 7. <ul><li>Géneros alimentícios a PROMOVER em contexto escolar:  </li></ul><ul><li>A escolha destes géneros alimentícios deve-se sobretudo aos seus baixos teores de açúcares, de sódio e de gorduras (sobretudo saturadas) e aos seus elevados teores de fibras e de antioxidantes. </li></ul><ul><li>Leite meio-gordo/magro, simples ou aromatizado, sem adição de açúcar; </li></ul><ul><li>Iogurtes e outros leites fermentados , sem adição de açúcar, meio-gordo/magro, dando preferência àqueles com menor teor em lípidos e edulcorantes; </li></ul><ul><li>Batidos de leite com fruta fresca ou congelada; sem adição de açúcar; </li></ul><ul><li>Sumos de fruta: naturais e/ou comerciais do tipo &quot; 100% sumo&quot;, sem açucares; </li></ul><ul><li>Bebidas que contenham pelo menos 50% de fruta e/ou vegetais sem açucares e/ou edulcorantes adicionados; </li></ul><ul><li>Água potável , da rede pública ou engarrafada; </li></ul>
    8. 8. <ul><li>Diferentes tipos de pão , feito a partir de farinhas pouco refinadas, isto é, mais escuras e com pouco sal (ex: pão de mistura, pão de centeio, sêmea...) simples, enriquecido sempre que possível com produtos hortícolas (folhas de alface, rodelas de tomate, de pepino, etc.) ou adicionado de: </li></ul><ul><li>Queijo meio-gordo/pouco-gordo/magro fresco, curado e fundido; </li></ul><ul><li>Ovo cozido ; </li></ul><ul><li>Carne de aves e mamíferos: cozidas ou assadas; </li></ul><ul><li>Atum ou outros peixes de conserva, preferencialmente conservado em água ou azeite; </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Fruta fresca da época , em peça, sem salada, ou ainda em batidos de leite; </li></ul><ul><li>Produtos hortícolas diversos sob a forma de saladas, disponíveis em doses individuais (tomate, alface, cenoura, pepino, etc.); </li></ul>
    9. 9. <ul><li>Grupo de géneros alimentícios a LIMITAR em contexto escolar : </li></ul>Se estes géneros alimentícios forem consumidos exageradamente, dadas as suas características, podem contribuir gradualmente, para o excesso de peso e posterior obesidade. <ul><li>Bolachas/biscoitos, preferindo em doses individuais, com baixo teor em açúcares e em lípidos (Bolacha Maria, biscoitos de milho); </li></ul><ul><li>Barritas de cereais, preferindo aquelas com baixo teor de açúcar, lípidos, de sal e ricos em fibras; </li></ul><ul><li>Bolos “à fatia”, preferindo aqueles sem adição de gordura e com baixo teor de açúcar e com adição de leite, iogurte, frutas, entre outros ingredientes – se possível confeccionados na escola; </li></ul><ul><li>Bolos com ou sem creme ( bolo de arroz, queques, etc.) </li></ul><ul><li>Manteiga; </li></ul>
    10. 10. <ul><li>Cremes para barrar com baixo teor de lípidos; </li></ul><ul><li>Marmelada e compotas com teores de fruta de pelo menos 50%; </li></ul><ul><li>Gelados de leite e/ou fruta; </li></ul><ul><li>Chocolates, consumindo de preferência aqueles com maior teor em cacau, sem recheios e em embalagens com um máximo de 50g. </li></ul>
    11. 11. <ul><li>Géneros alimentícios a NÃO DISPONIBILIZAR em contexto escolar:  </li></ul>Estes géneros alimentícios não apresentam nenhuma característica nutricional que explique a sua presença na alimentação dos jovens, para além disso possuem elevado teor de açúcares, gorduras e sódio, reduzido ou mesmo nulo teor de fibras, doses elevadas de corantes e conservantes. <ul><li>Rissóis, croquetes, pastéis de bacalhau fritos, etc. </li></ul><ul><li>Pastéis e bolos de massa folhada , frigideiras e produtos afins, incluindo pré congelados de massa folhada com elevados teores de lípidos ou açucares; </li></ul><ul><li>Chouriço, salsicha, mortadela, linguiça, etc. </li></ul><ul><li>Maioneses , condimentos de mostardas e outros molhos; </li></ul><ul><li>Refrigerante , incluindo as bebidas como a cola, ice tea, águas aromatizadas; </li></ul>
    12. 12. <ul><li>Bebidas energéticas e bebidas desportivas; </li></ul><ul><li>Gelados de água; </li></ul><ul><li>Marmelada, geleias e compostas com teor de açúcares superior a 50%; </li></ul><ul><li>Rebuçados, caramelos, chupas, pastilhas elásticas com açúcar; </li></ul><ul><li>Tiras de milho, batatas fritas, aperitivos e pipocas doces ou salgadas; </li></ul><ul><li>Hambúrgueres, cachorros quentes e pizzas; </li></ul><ul><li>Chocolates em embalagens superiores a 50g. </li></ul>
    13. 13. <ul><li>Cabe pois às escolas planear refeições, não só equilibradas do ponto de vista nutricional, mas também agradáveis e apelativas, de modo a contrariar o “apelo” das refeições de pastelaria ou de “fast-food”, proporcionando um equilíbrio nutricional e alimentar à maioria dos alunos e respeitando as suas especificidades. </li></ul><ul><li>DIA 17 DE MARÇO: </li></ul><ul><li>Bar: Sandes de atum, sandes mista, bifana, sopa. </li></ul><ul><li>Refeitório: Caldo verde, pastéis de bacalhau com salada, carne moída com esparguete, fruta variada/doce. </li></ul><ul><li>Então onde preferem almoçar hoje? </li></ul>

    ×