Entrevista ana vieira marta- diogo convertido

98 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
98
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Entrevista ana vieira marta- diogo convertido

  1. 1. EntrevistaMelânia FitasPoetisa1- Quando começou a escrever?- Comecei a escrever recentemente. Em nova fazia muita poesia, mas não a passavapara um papel! Recentemente é que comecei a escrever poemas e a guardá-los.2- Só escreve poemas?- Também gosto muito de escrever histórias, a minha preferida é “Recordações”.3- Já escreveu mais poemas do que aqueles que estão no livro? Quais?- Sim, claro que sim! (risos) No livro só podíamos colocar 4. Já escrevi muitospoemas sobre o Dia das Mulheres, já escrevi também poemas direcionados ao meupai e muitos mais… “ Eu sinto pela poesia/ um sentimento profundo/sinto que é omeu mundo/ tal como a luz do dia.”4- Gosta de escrever?- Gosto muito de escrever. Os meus horizontes não me levam muito além, masadoro ler e escrever. Se pudesse não tinha ficado só com a quarta classe. ”Sintoânsia de escrever/ muita coisa tenho escrito/ palavras ditas a meio/ rodeando-as comreceio/do que delas ficou dito.”5- Que tipo de literatura gosta de ler?- Gosto de ler toda a literatura portuguesa, principalmente os romances. Euconsidero-me uma “comilona” na leitura.6- Tem algum ídolo poético?- Tenho, admiro muitos poetas, Florbela Espanca e António Aleixo. Admiro muito apoesia popular, pois a poesia não se constrói, é uma coisa que nasce dentro de nós eé esta poesia a que eu chamo a minha poesia.
  2. 2. 7- O facto de viver no Alentejo inspira-a de algum modo?- Sim, inspira-me muito. Pois a nossa Terra é uma terra de poetas; eu tive oprivilégio de ouvir os meus pais contarem sobre as pessoas que trabalhavam nocampo e que diziam quadras, isso teve uma grande influência nos meus poemas.8- Quando nasceram os seus filhos exprimiu a sua emoção em algum poema?Porquê?- Sim! Muito espontaneamente. Como eu digo no poema que escrevi, “ Os meusfilhos são o meu Mundo, são o meu encanto…”9- Gosta de algum dos seus poemas em particular?- Sim, principalmente alguns sobre o Dia da Mulher. No Centro Cultural de Cuba,cheguei a recitar um poema por pura espontaneidade.10- Quando escreveu o poema “ Revolução de abril 1974” inspirou-se no factode ter vivido o 25 de Abril?- Sim, inspirei-me no que eu ouvia as pessoas dizerem, no que tinham sofrido nasditaduras e na Guerra do Ultramar. Para mim, o ponto crucial do 25 de Abril foi afalta de Liberdade de expressão.No meu poema existe uma parte em que me refiro há Guerra do Ultramar e aossoldados combatentes:“ Graças ao 25 de Abril
  3. 3. Que pôs fim a uma GuerraQue sem sabermos porquêMatavam filhos da terra.”Ana Rita VieiraDiogo BarbosaMarta Carrilho

×