Fisiologia do sistema renal
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Fisiologia do sistema renal

on

  • 140,533 visualizações

 

Estatísticas

Visualizações

Visualizações totais
140,533
Visualizações no SlideShare
140,088
Visualizações incorporadas
445

Actions

Curtidas
32
Downloads
2,101
Comentários
4

7 Incorporações 445

http://www.slideshare.net 412
http://adrianaquevedo.blogspot.com 21
http://www.e-presentations.us 7
http://webcache.googleusercontent.com 2
http://translate.googleusercontent.com 1
https://upaep.blackboard.com 1
http://www.facebook.com 1
Mais...

Carregar detalhes

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Direitos de uso

© Todos os direitos reservados

Report content

Sinalizado como impróprio Sinalizar como impróprio
Sinalizar como impróprio

Selecione a razão para sinalizar essa apresentação como imprópria.

Cancelar
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Sua mensagem vai aqui
    Processing...
Publicar comentário
Editar seu comentário

Fisiologia do sistema renal Fisiologia do sistema renal Presentation Transcript

  •  
  • Introdução
    • As células produzem uma variedade de resíduos que são tóxicos se acumular.
  • Células  resíduos  sangue e linfa
    • Fluidos corporais, como sangue e linfa transportam resíduos dos tecidos.
  • Células  resíduos  sangue  estruturas  exterior
    • outras estruturas removem os resíduos do sangue e os transporta para o exterior.
  • Sistema Renal
    • Além de eliminar excesso de íons e resíduos tóxicos,
    • contribui para manter normal as concentrações de água e eletrólitos nos fluidos corporais;
    • regula o pH e volume de fluidos corporais,
    • ajuda a controlar produção de células vermelhas do sangue e pressão arterial.
  • Sistema Renal - Constituição
    • Rins (par)
    • removem substâncias do sangue,
    • formam urina,
    • ajudam a regular determinados processos metabólicos;
    • Ureteres (par) - fazem o transporte da urina a partir dos rins, cerca de 25 cm.
    • Bexiga - armazena urina,
    • Uretra - conduz a urina para fora do corpo.
    • Os rins se encontram de ambos os lados da coluna vertebral em uma depressão da parede posterior da cavidade abdominal.
    • Fronteiras: décima vértebra torácica e a terceira lombar.
    • O rim esquerdo é geralmente 1,5 - 2,0 cm mais alto do que o direito.
    • Os rins estão posicionados retroperitonialmente (estão por trás do peritônio parietal e contra o músculo profundo das costas).
    • Tecidos conectivo e adiposo circundam os rins e o seguram na posição.
    • Órgão em forma de feijão marrom-avermelhado, com uma superfície lisa.
    • Adulto - cerca de 12 cm x 6 cm x 3 cm.
    • Revestido por uma cápsula fibrosa dura.
    • medula : pirâmides renais
    • córtex : casca em torno da medula, aparência granular devido os pequenos túbulos associados à néfrons - as unidades funcionais do rim.
    Sistema Renal - RIM
    • Glândula adrenal (do sistema endócrino);
    • Hilo renal (superfície côncava): sai o ureter e a veia renal, que drena para a veia cava inferior.
    Rim Hilo Renal Adrenal Ureter Veia Cava Inf. Tecido adiposo Veia Renal
    • artéria renal e sua conexão com a aorta abdominal,
    • ramificação da artéria renal - as artérias lobares e segmentares,
    • rico suprimento sanguíneo sob alta pressão.
    Art. aorta abd. Art. Renal Art. Lobares Art. Segmentares
    • Principal função: ajudar a manter homeostase através da regulação da composição, volume, e do pH do fluido extracelular.
    • Outras:
    • secreta o hormônio eritropoietina para ajudar a controlar a taxa de produção de hemácias;
    • desempenha papel na ativação da vitamina D ;
    • ajuda a manter o volume de sangue e a e a pressão sanguínea por secretar a enzima renina .
    Sistema Renal - RIM
  • A eritropoietina ou EPO é um hormônio glicoprotéico produzido nos seres humanos e nos animais pelos rins e fígado (em menor quantidade) que tem como função principal regular a eritropoiese.
  •  
  • Rim: córtex + medula Corpúsculo Renal: cápsula + glomérulo Néfron: corpúsculo renal + túbulo
    • Vasos sanguíneos renais
    Sistema Renal - RIM
    • Um rim contém cerca de 1 milhão de néfrons.
  •  
  • arteríola aferente  capilares glomerulares  arteríola eferente A arteríola eferente (menor diâmetro) resiste ao fluxo sanguíneo em certa medida, o que faz o retorno de sangue para o glomérulo, aumento da pressão no interior do capilar glomerular.
  •  
  • A principal função dos podócitos é restringir a passagem de proteínas do sangue para a urina.
  • Aparelho justaglomerular
    • O segmento formado por células justaglomerulares (na parede das arteríolas) mais a mácula densa (na
    • parede do túbulo contornado distal) é conhecido como aparelho justaglomerular.
  • FILTRAÇÃO GLOMERULAR
    • Os capilares enovelados do glomérulo, onde o sangue circula em alta pressão, deixam parte deste extravasar para a cápsula renal, esse líquido extravasado composto por aminoácidos, glicose, íons, uréia, creatinina, ácido úrico e água é denominado filtrado glomerular .
  • Formação da urina
    • 1- Filtração glomerular: cerca de 180 L sangue / 24 horas.
    • 2- Reabsorção tubular
    • 3- Secreção tubular
    O túbulo proximal reabsorve cerca de 65% do filtrado glomerular.
  • [Na + ] no fluido tubular é > do que nas células epiteliais do túbulo. Reabsorção por difusão simples e difusão facilitada. Transportadores de sódio também cotransportam glicose e aminoácidos. A reabsorção de sódio cria um gradiente osmótico permitindo reabsorção de água.  Na +
  • Bexiga
  •  
    • URINA ~= 1 mL / minuto
    • 400 mL de urina  aumento da excitação dos receptores de estiramento na parede da bexiga  impulsos nervosos enviados à medula espinhal  resposta motora através de nervos parassimpáticos  reflexo da micção.
    • Relaxamento do esfíncter externo da uretra (constituído de fibras musculares esqueléticas controladas por neurônios motores)
    • Não sendo o momento adequado à micção diante de um reflexo, nosso córtex motor (área consciente de nosso cérebro) manterá o esfíncter externo contraído e a micção, ao menos por enquanto, não se fará acontecer.
  • Pressão de filtração
    • Eficiência dos glomérulos na filtração em relação a outros capilares deve-se a vários fatores:
      • Membrana de filtração significativamente mais permeável;
      • Pressão arterial glomerular mais elevada;
      • Proteínas plasmáticas não são filtradas (podócitos) e são utilizados para manter a pressão oncótica do sangue.
    • 1- AUTORREGULAÇÃO (Mecanismos Intrínsecos):
    • Feedback miogênico e
    • Feedback tubuloglomerular
    • 2 – REGULAÇÃO EXTRÍNSECA
    • Participação do feedback tubuloglomerular (secreção da renina) e
    • Controle do sistema nervoso parassimpático
    Regulação da Taxa de Filtração Glomerular (TFG)
  • O fluxo sangüíneo renal varia durante o repouso e o exercício físico vigoroso
    • Condições normais:
    • PA = cerca de 120 milímetros de mercúrio;
    • Diâmetro da arteríola aferente = normal;
    • Pressão hidrostática glomerular = normal.
    • TFG = normal (125 mL / min).
    • Oscilação na PA durante as atividades diárias normais:
    • mecanismos de autorregulação do rim alteram o diâmetro da arteríola aferente , a fim de manter um nível relativamente constante a taxa de filtração glomerular.
    • Exercício leve:
    • PA - aumenta para 140 mm de Hg.
    • Se a arteríola aferente continuar a ter o diâmetro normal, o aumento na pressão hidrostática glomerular vai provocar um aumento na TFG para 146 mL / min.
    • Se continuar, este aumento irá rapidamente causar desidratação grave .
  •  
    • Feedback miogênico
    • Para evitar a perda extensa de fluido:
    • diminui o diâmetro da arteríola aferente
    • diminui o fluxo sanguíneo glomerular.
    • Pressão hidrostática glomerular volta ao normal TFG volta ao normal
    • Obs.: a pressão arterial sistêmica permanece elevada devido o exercício.
    Ao reduzir o nível de atividade: PA volta à 120 milímetros de mercúrio; a arteríola aferente dilata para manter a pressão hidrostática glomerular normal e TFG.
  • Feedback miogênico
    • Períodos de descanso:
    • PA = pode baixar para 100 mm de Hg ou -
    • Se o diâmetro da arteríola aferente continuar normal, diminui-se o fluxo sangüíneo, a pressão hidrostática glomerular e a TFG.
  •  
    • Feedback miogênico
    • Para evitar a má filtragem do sangue, a arteríola aferente dilata para aumentar o fluxo sanguíneo e pressão hidrostática glomerular, normalizando a TFG.
  • Feedback miogênico
    • O filtrado circula através de um sistema tubular contendo diversos distintos segmentos: Túbulo Contornado Proximal, Alça de Henle, Túbulo Contornado Distal e Ducto Coletor.
  • Túbulo contornado proximal
    • Reabsorção de:
    • 100% da glicose por transporte ativo;
    • 100% dos aminoácidos e das proteínas que porventura tenham passado através da parede dos capilares glomerulares.
    • 70% das moléculas de Na+ e de Cl- (estes últimos por atração iônica, acompanhando os cátions).
    • A reabsorção de NaCl faz com que um considerável volume de água , por mecanismo de osmose, seja também reabsorvido.
    • Secreção de:
    • íons Hidrogênio ( H+ );
    • toxinas produzidas no organismo como resultado do metabolismo celular e/ou ingeridas.
  • Feedback tubuloglomerular:
    • Sensibilidade das células da mácula densa do aparelho justaglomerular à alteração de:
    • a alteração da osmolaridade ( [Na + ] e [Cl - ] )
    • e/ou
    • a taxa de filtração glomerular.
  • Na alta osmolaridade (  Na + e  Cl - ) do fluido no túbulo distal e/ou aumento da TFG, que indicam a baixa reabsorção tubular células da mácula densa liberam vasoconstritores ( adenosina ), que diminuem o diâmetro da arteríola aferente , diminuindo pressão hidrostática glomerular e a taxa de filtração. Na baixa osmolaridade do fluido no túbulo distal (  TFG), as células liberam menos vasoconstritor.
    • Regulação extrínseca
    • participação do feedback tubuloglomerular
    • Se na baixa osmolaridade, ao liberar menos adenina em resposta, não se normalizar a TFG, as células da mácula densa sinalizam às células justaglomerulares para liberar renina no sangue.
  • células da mácula densa células justaglomerulares renin
    • Renina ( enzima proteolítica ):
    • aumento nos níveis da angiotensina II,
    • liberação de aldosterona e vasopressina.
    A liberação de renina afeta indiretamente a pressão arterial e, consequentemente, o fluxo sanguíneo renal.
  • Angiotensina I Angiotensina II Angiotensinogênio RENINA ENZIMA CONVERSORA DA ANGIOTENSINA Corrente sanguínea
    • Angiotensina II : contribui para a manutenção de sódio equilíbrio, balanço hídrico e pressão arterial.
      • promove vasoconstrição da arteríola eferente , que leva ao aumento da pressão hidrostática glomerular (pois o sangue tende a voltar ao glomérulo) e o aumento da TFG.
      • estimula a secreção do hormônio da supra-renal: aldosterona  estimula reabsorção tubular de sódio .
    Quando o volume sanguíneo aumenta, o coração secreta outro hormônio: peptídeo natriurético atrial  aumenta a excreção de sódio por uma série de mecanismos, incluindo o aumento da taxa de filtração glomerular.
    • Fibras nervosas simpáticas inervam todos os vasos sanguíneos extrínsecos do rim.
      • atividade diária normal - influência mínima.
      • períodos de estresse extremo ou a perda sanguínea - estimulação simpática substitui os mecanismos autorregulatórios do rim.
    REGULAÇÃO EXTRÍNSECA Controle do sistema nervoso parassimpático
  • Aumento da descarga simpática  intensa constrição de todos os vasos sanguíneos renais. A atividade do rim é reduzido ou suspenso temporariamente. Reduz a perda de fluidos, mantendo assim a pressão arterial e um maior volume sangüíneo para outras funções vitais.