Fisiologia do sistema renal
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Fisiologia do sistema renal

em

  • 141,896 visualizações

 

Estatísticas

Visualizações

Visualizações totais
141,896
Visualizações no SlideShare
141,451
Visualizações incorporadas
445

Actions

Curtidas
33
Downloads
2,133
Comentários
4

7 Incorporações 445

http://www.slideshare.net 412
http://adrianaquevedo.blogspot.com 21
http://www.e-presentations.us 7
http://webcache.googleusercontent.com 2
http://translate.googleusercontent.com 1
https://upaep.blackboard.com 1
http://www.facebook.com 1
Mais...

Carregar detalhes

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Direitos de uso

© Todos os direitos reservados

Report content

Sinalizado como impróprio Sinalizar como impróprio
Sinalizar como impróprio

Selecione a razão para sinalizar essa apresentação como imprópria.

Cancelar
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Tem certeza que quer?
    Sua mensagem vai aqui
    Processing...
Publicar comentário
Editar seu comentário

Fisiologia do sistema renal Presentation Transcript

  • 1.  
  • 2. Introdução
    • As células produzem uma variedade de resíduos que são tóxicos se acumular.
  • 3. Células  resíduos  sangue e linfa
    • Fluidos corporais, como sangue e linfa transportam resíduos dos tecidos.
  • 4. Células  resíduos  sangue  estruturas  exterior
    • outras estruturas removem os resíduos do sangue e os transporta para o exterior.
  • 5. Sistema Renal
    • Além de eliminar excesso de íons e resíduos tóxicos,
    • contribui para manter normal as concentrações de água e eletrólitos nos fluidos corporais;
    • regula o pH e volume de fluidos corporais,
    • ajuda a controlar produção de células vermelhas do sangue e pressão arterial.
  • 6. Sistema Renal - Constituição
    • Rins (par)
    • removem substâncias do sangue,
    • formam urina,
    • ajudam a regular determinados processos metabólicos;
    • Ureteres (par) - fazem o transporte da urina a partir dos rins, cerca de 25 cm.
    • Bexiga - armazena urina,
    • Uretra - conduz a urina para fora do corpo.
  • 7.
    • Os rins se encontram de ambos os lados da coluna vertebral em uma depressão da parede posterior da cavidade abdominal.
    • Fronteiras: décima vértebra torácica e a terceira lombar.
    • O rim esquerdo é geralmente 1,5 - 2,0 cm mais alto do que o direito.
    • Os rins estão posicionados retroperitonialmente (estão por trás do peritônio parietal e contra o músculo profundo das costas).
    • Tecidos conectivo e adiposo circundam os rins e o seguram na posição.
  • 8.
    • Órgão em forma de feijão marrom-avermelhado, com uma superfície lisa.
    • Adulto - cerca de 12 cm x 6 cm x 3 cm.
    • Revestido por uma cápsula fibrosa dura.
    • medula : pirâmides renais
    • córtex : casca em torno da medula, aparência granular devido os pequenos túbulos associados à néfrons - as unidades funcionais do rim.
    Sistema Renal - RIM
  • 9.
    • Glândula adrenal (do sistema endócrino);
    • Hilo renal (superfície côncava): sai o ureter e a veia renal, que drena para a veia cava inferior.
    Rim Hilo Renal Adrenal Ureter Veia Cava Inf. Tecido adiposo Veia Renal
  • 10.
    • artéria renal e sua conexão com a aorta abdominal,
    • ramificação da artéria renal - as artérias lobares e segmentares,
    • rico suprimento sanguíneo sob alta pressão.
    Art. aorta abd. Art. Renal Art. Lobares Art. Segmentares
  • 11.
    • Principal função: ajudar a manter homeostase através da regulação da composição, volume, e do pH do fluido extracelular.
    • Outras:
    • secreta o hormônio eritropoietina para ajudar a controlar a taxa de produção de hemácias;
    • desempenha papel na ativação da vitamina D ;
    • ajuda a manter o volume de sangue e a e a pressão sanguínea por secretar a enzima renina .
    Sistema Renal - RIM
  • 12. A eritropoietina ou EPO é um hormônio glicoprotéico produzido nos seres humanos e nos animais pelos rins e fígado (em menor quantidade) que tem como função principal regular a eritropoiese.
  • 13.  
  • 14. Rim: córtex + medula Corpúsculo Renal: cápsula + glomérulo Néfron: corpúsculo renal + túbulo
  • 15.
    • Vasos sanguíneos renais
    Sistema Renal - RIM
    • Um rim contém cerca de 1 milhão de néfrons.
  • 16.  
  • 17. arteríola aferente  capilares glomerulares  arteríola eferente A arteríola eferente (menor diâmetro) resiste ao fluxo sanguíneo em certa medida, o que faz o retorno de sangue para o glomérulo, aumento da pressão no interior do capilar glomerular.
  • 18.  
  • 19. A principal função dos podócitos é restringir a passagem de proteínas do sangue para a urina.
  • 20. Aparelho justaglomerular
    • O segmento formado por células justaglomerulares (na parede das arteríolas) mais a mácula densa (na
    • parede do túbulo contornado distal) é conhecido como aparelho justaglomerular.
  • 21. FILTRAÇÃO GLOMERULAR
    • Os capilares enovelados do glomérulo, onde o sangue circula em alta pressão, deixam parte deste extravasar para a cápsula renal, esse líquido extravasado composto por aminoácidos, glicose, íons, uréia, creatinina, ácido úrico e água é denominado filtrado glomerular .
  • 22. Formação da urina
    • 1- Filtração glomerular: cerca de 180 L sangue / 24 horas.
    • 2- Reabsorção tubular
    • 3- Secreção tubular
    O túbulo proximal reabsorve cerca de 65% do filtrado glomerular.
  • 23. [Na + ] no fluido tubular é > do que nas células epiteliais do túbulo. Reabsorção por difusão simples e difusão facilitada. Transportadores de sódio também cotransportam glicose e aminoácidos. A reabsorção de sódio cria um gradiente osmótico permitindo reabsorção de água.  Na +
  • 24. Bexiga
  • 25.  
  • 26.
    • URINA ~= 1 mL / minuto
    • 400 mL de urina  aumento da excitação dos receptores de estiramento na parede da bexiga  impulsos nervosos enviados à medula espinhal  resposta motora através de nervos parassimpáticos  reflexo da micção.
    • Relaxamento do esfíncter externo da uretra (constituído de fibras musculares esqueléticas controladas por neurônios motores)
    • Não sendo o momento adequado à micção diante de um reflexo, nosso córtex motor (área consciente de nosso cérebro) manterá o esfíncter externo contraído e a micção, ao menos por enquanto, não se fará acontecer.
  • 27. Pressão de filtração
    • Eficiência dos glomérulos na filtração em relação a outros capilares deve-se a vários fatores:
      • Membrana de filtração significativamente mais permeável;
      • Pressão arterial glomerular mais elevada;
      • Proteínas plasmáticas não são filtradas (podócitos) e são utilizados para manter a pressão oncótica do sangue.
  • 28.
    • 1- AUTORREGULAÇÃO (Mecanismos Intrínsecos):
    • Feedback miogênico e
    • Feedback tubuloglomerular
    • 2 – REGULAÇÃO EXTRÍNSECA
    • Participação do feedback tubuloglomerular (secreção da renina) e
    • Controle do sistema nervoso parassimpático
    Regulação da Taxa de Filtração Glomerular (TFG)
  • 29. O fluxo sangüíneo renal varia durante o repouso e o exercício físico vigoroso
  • 30.
    • Condições normais:
    • PA = cerca de 120 milímetros de mercúrio;
    • Diâmetro da arteríola aferente = normal;
    • Pressão hidrostática glomerular = normal.
    • TFG = normal (125 mL / min).
    • Oscilação na PA durante as atividades diárias normais:
    • mecanismos de autorregulação do rim alteram o diâmetro da arteríola aferente , a fim de manter um nível relativamente constante a taxa de filtração glomerular.
  • 31.
    • Exercício leve:
    • PA - aumenta para 140 mm de Hg.
    • Se a arteríola aferente continuar a ter o diâmetro normal, o aumento na pressão hidrostática glomerular vai provocar um aumento na TFG para 146 mL / min.
    • Se continuar, este aumento irá rapidamente causar desidratação grave .
  • 32.  
  • 33.
    • Feedback miogênico
    • Para evitar a perda extensa de fluido:
    • diminui o diâmetro da arteríola aferente
    • diminui o fluxo sanguíneo glomerular.
    • Pressão hidrostática glomerular volta ao normal TFG volta ao normal
    • Obs.: a pressão arterial sistêmica permanece elevada devido o exercício.
    Ao reduzir o nível de atividade: PA volta à 120 milímetros de mercúrio; a arteríola aferente dilata para manter a pressão hidrostática glomerular normal e TFG.
  • 34. Feedback miogênico
  • 35.
    • Períodos de descanso:
    • PA = pode baixar para 100 mm de Hg ou -
    • Se o diâmetro da arteríola aferente continuar normal, diminui-se o fluxo sangüíneo, a pressão hidrostática glomerular e a TFG.
  • 36.  
  • 37.
    • Feedback miogênico
    • Para evitar a má filtragem do sangue, a arteríola aferente dilata para aumentar o fluxo sanguíneo e pressão hidrostática glomerular, normalizando a TFG.
  • 38. Feedback miogênico
  • 39.
    • O filtrado circula através de um sistema tubular contendo diversos distintos segmentos: Túbulo Contornado Proximal, Alça de Henle, Túbulo Contornado Distal e Ducto Coletor.
  • 40. Túbulo contornado proximal
    • Reabsorção de:
    • 100% da glicose por transporte ativo;
    • 100% dos aminoácidos e das proteínas que porventura tenham passado através da parede dos capilares glomerulares.
    • 70% das moléculas de Na+ e de Cl- (estes últimos por atração iônica, acompanhando os cátions).
    • A reabsorção de NaCl faz com que um considerável volume de água , por mecanismo de osmose, seja também reabsorvido.
    • Secreção de:
    • íons Hidrogênio ( H+ );
    • toxinas produzidas no organismo como resultado do metabolismo celular e/ou ingeridas.
  • 41. Feedback tubuloglomerular:
    • Sensibilidade das células da mácula densa do aparelho justaglomerular à alteração de:
    • a alteração da osmolaridade ( [Na + ] e [Cl - ] )
    • e/ou
    • a taxa de filtração glomerular.
  • 42. Na alta osmolaridade (  Na + e  Cl - ) do fluido no túbulo distal e/ou aumento da TFG, que indicam a baixa reabsorção tubular células da mácula densa liberam vasoconstritores ( adenosina ), que diminuem o diâmetro da arteríola aferente , diminuindo pressão hidrostática glomerular e a taxa de filtração. Na baixa osmolaridade do fluido no túbulo distal (  TFG), as células liberam menos vasoconstritor.
  • 43.
    • Regulação extrínseca
    • participação do feedback tubuloglomerular
    • Se na baixa osmolaridade, ao liberar menos adenina em resposta, não se normalizar a TFG, as células da mácula densa sinalizam às células justaglomerulares para liberar renina no sangue.
  • 44. células da mácula densa células justaglomerulares renin
    • Renina ( enzima proteolítica ):
    • aumento nos níveis da angiotensina II,
    • liberação de aldosterona e vasopressina.
    A liberação de renina afeta indiretamente a pressão arterial e, consequentemente, o fluxo sanguíneo renal.
  • 45. Angiotensina I Angiotensina II Angiotensinogênio RENINA ENZIMA CONVERSORA DA ANGIOTENSINA Corrente sanguínea
  • 46.
    • Angiotensina II : contribui para a manutenção de sódio equilíbrio, balanço hídrico e pressão arterial.
      • promove vasoconstrição da arteríola eferente , que leva ao aumento da pressão hidrostática glomerular (pois o sangue tende a voltar ao glomérulo) e o aumento da TFG.
      • estimula a secreção do hormônio da supra-renal: aldosterona  estimula reabsorção tubular de sódio .
    Quando o volume sanguíneo aumenta, o coração secreta outro hormônio: peptídeo natriurético atrial  aumenta a excreção de sódio por uma série de mecanismos, incluindo o aumento da taxa de filtração glomerular.
  • 47.
    • Fibras nervosas simpáticas inervam todos os vasos sanguíneos extrínsecos do rim.
      • atividade diária normal - influência mínima.
      • períodos de estresse extremo ou a perda sanguínea - estimulação simpática substitui os mecanismos autorregulatórios do rim.
    REGULAÇÃO EXTRÍNSECA Controle do sistema nervoso parassimpático
  • 48. Aumento da descarga simpática  intensa constrição de todos os vasos sanguíneos renais. A atividade do rim é reduzido ou suspenso temporariamente. Reduz a perda de fluidos, mantendo assim a pressão arterial e um maior volume sangüíneo para outras funções vitais.