SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 48
Sistema urinário
Excretas
Produto indesejável do metabolismo
celular
Definições
Excretas nitrogenada
Produtos indesejáveis do
metabolismo de proteínas ou ácidos
nucleicos.
Importância:
• O sistema excretor tem papel fundamental na
manutenção da estabilidade dos fluídos
corporais, pois elimina certas substâncias
indesejadas ( amônia, uréia ácido úrico) ao
organismo e retém aquelas que ainda possam
ser aproveitadas (água, sais).
• O sistema excretor também é responsável
pela osmorregulação, manutenção da
concentração salina no sangue, pH e outros
fluídos corporais.
O tipo de excreta está relacionada com o tipo de ambiente
Sistema excretor nos invertebrados
Eliminamos excretas por
difusão
Eliminamos excretas por difusão células-flamas ou
solenócitos
células (túbulo) em
H
Temos
metanefridios ou
nefrídios
metanefridios ou
nefrídios
Temos túbulos de
Malpighi
Temos túbulos de
Malpighi
túbulos de Malpighi
glândulas coxais
glândulas verdes ou
antenais
Eliminamos excretas por difusãodifusão
pés ambulacrários
Tipos de rins nos vertebrados
Larvas de peixe e anfíbios
adultos de peixes e anfíbios.
Embriões de répteis, aves e mamíferos
Adultos de répteis, aves e mamíferos
Excreção nos vertebrados:
• Dá-se através de um sistema excretor formado
pelos rins, o qual contém um duto coletor
(ureter), que nos anfíbios, aves e répteis
desemboca na cloaca. Na maioria dos mamíferos
os ureteres desembocam diretamente à bexiga,
do qual parte a uretra, tubo que se abre para o
exterior.
Órgãos do Sistema Excretor:
• Pulmões e as vias respiratórias;
– Eliminam a maior parte do dióxido de carbono
e do vapor de água.
• Pele;
– Liberta o suor;
• Sistema urinário;
– Produz e expulsa a urina.
Formação do suor
• Produzido por glândulas sudoríparas.
• Processo de Formação:
• As glândulas sudoríparas estão envolvidas por
vasos capilares que depositam nestas parte da
água com produtos residuais, formando-se o
suor;
• O suor é armazenado e sai para o exterior
pelos poros da pele;
• A saída do suor beneficia o organismo
por tirar dele substâncias tóxicas e
também por ajudar a regular a
temperatura do corpo.
Eliminação de excretas nos seres humanos
• Sistema Urinário
– Dois rins
– Dois ureteres
– Uma bexiga urinária
– Uma uretra
Aorta Veia Cava
Córtex
MedulaRim Esquerdo
Rim Direito
Bexiga
Uretra
2 Ureteres
Nefrologia: estudo da anatomia,
fisiologia e distúrbios dos rins.
Urologia: estudo dos sitemas
urinários
masculino e feminino e do sistema
genital masculino.
RIM
• Dois órgãos grandes
• Avermelhados
• Forma de feijão
• Vascularizados
• Parede abdominal
posterior
• Gordura perirrenal
• No pólo superior situa-se
glândula supra-renal
(adrenal).
Ureter
Pélvis
Renal
Seio
Renal
Funções
Aorta Veia Cava
Córtex
MedulaRim Esquerdo
Rim Direito
Bexiga
Uretra
2 Ureteres
Elimina substâncias
tóxicas pela urina.
Regulam os níveis
iônicos no sangue
de sais, glicose,
proteína e água.
Regular o volume e a
pressão sangüínea.
Secreção de
hormônios – renina e
eritropoetina
Homeostasia
Balanço ácido / base -
pH sanguíneo (H+
/ HC03)
Formação dos Eritrócitos.
Eritropoetina
Produz substâncias
que convertem um
precursor da vitamina
D em vitamina ativa.
Contração do músculo liso
Prostaglandinas
AnatomiaAnatomia
BexigaBexiga
• 250ml
• Localização:
-Cavidade pélvica
-No homem: à frente do reto
-Na mulher: entre o útero e
o reto
•Função:
- Armazenar a urina que flui
continuamente dos ureteres
AnatomiaAnatomia
• ♂ 18-20cm
• ♀ 4cm
• Função:
- Conduzir a urina da
bexiga ao meio externo
* (no homem função
dupla – sist. urinário e
reprodutor)
UretraUretra
Unidade básica dos rins: néfrons
(Cápsula de
Bowman)
(alça de Henle)
Cápsula de
Bowman
Glomérulo
Alça
descendente
Alça
ascendente
Alça de Henle
Ducto coletor
capilares
para o ureter
NEFROM
 UNIDADE FUNCIONAL
Túbulo contorcido
proximal
Túbulo contorcido distal
Ramo da artéria renal
AnatomiaAnatomia
NéfronNéfron
Unidade morfofuncional do rim
Regiões: • Glomérulo Renal
• Cápsula de Bowman
• Túbulo cont. proximal
• Alça de Henle
• Túbulo cont. distal
• Ducto coletor
Glomérulo
Alça
descendente
GLICOSE
Aminoácidos
Ca++
Tubo
Coletor
Reabsorção ativa (gasto de
energia): glicose, aminoácidos, sais
Reabsorção passiva (difusão): água
Alça
ascendente
ORGANIZAÇÃO BÁSICA DO NÉFROM
Alça de
Henle
ADH =ADH = Hormônio Anti-Diurético
• Produção:
• Hipotálamo/ Hipófise
• Função: Reabsorção de H2O
∀ ↑ concentração urinária
• Álcool e Cafeína inibe
FisiologiaFisiologia
Formação da urina
Filtração glomerular
Água uréia,
moléculas
orgânicas
Sais minerais
glicose
Glóbulos
sanguíneos
e grandes
proteínas
Nesse processo a
pressão sanguínea
expulsa, do glomérulo
para a cápsula, a água
e as pequenas
moléculas dissolvidas
no plasma
Formação da urina
Água
glicose
Glicose, aa e
parte dos sais
Glicose
e aa
Por transporte ativo,
glicose, aa e sais são
reabsorvidos
Sangue fica mais
concentrado
Cerca de 80% a 85%
da água são
reabsorvidos por
osmose
Água
Água
Água saissais
sais
Túbulo contorcido
proximal
Alça de Henle
Ramo descendente –
reabsorção de água
por osmose
Ramo ascendente –
reabsorção de sais por
transporte ativo
Túbulo contorcido
distal
Reabsorção ativa de
sais e de um pouco de
glicose
As paredes dessa
região do néfron tem
sensibilidade variável
em relação a água
Reabsorção
Formação da urina
Secreção
K+
e H+
K+
e H+
HCO3
-
Nesse processo as
células do túbulo
absorvem do sangue
íons K+
e H+
e lançam no
sangue íons HCO3
-
Urina
• 95% água;
• 2% de uréia;
• 1% de cloreto de sódio
• 2% outros sais e outros produtos nitrogenados
Composição da urina
Constituintes Anormais da Urina
-AlbuminaAlbumina: (albuminúria) é muito grande para ser filtrado. Pode estar
relacionado com pressão muito alta ou lesão das membranas de filtração.
-GlicoseGlicose: (glicosúria) indica diabete melito.
-Hemácias:Hemácias: (hematúria) cálculos renais, tumores, trauma ou outras
doenças renais. (hemácias rompidas).
-Leucócitos:Leucócitos: (piúria) infecção nos rins ou órgãos do sist. Urinário.
-
Microorganismos:Microorganismos: variam conforme a infecção. Uma das mais comuns é a E.
coli. O fungo mais comum é a Candida albicans. O protozoário mais frequênte
é o Tricomonas vaginalis.
Controle Hormonal
Aldosterona
Aumenta a reabsorção de sódio e secreção de potássio no
túbulo contorcido distal
Fator natriurético atrial
Aumenta a filtração glomerular por promover a dilatação da
arteríola aferente e contrição da arteríola eferente
Fator Natriurético Atrial (FNA):
- hormônio produzido pelo átrio cardíaco
- promove vasodilatação da arteríola aferente
- vasoconstricção da arteríola eferente
- ↑ a pressão glomerular
- ↑ o volume de urina produzida
- ↓ a pressão sanguínea
Controle Hormonal
Hormônio antidiurético (ADH)
Aumenta a
reabsorção
de água
Urina mais
concentrada e
mais escura
Sangue
concentrado
Álcool
Por que as bebidas alcoólicas aumentam a vontade de ir ao
banheiro?
Inibe
Urina fica
mais diluída e
mais clara
Diminui a
reabsorção
de água
Sistema ExcretorSistema Excretor
Formação da Urina
Fim.
Fevereiro de 2008
Distúrbios do sistema excretor
Cálculos renais
Forma quando a aumenta concentração de cálcio ou de outros sais na urina
Ondas de
choque
Litotripsia
Glomerulonefrite, uretrite e cistite
Infecção nos
rins
Infecção na
uretra
Infecção nos
bexiga
Essas infecções são causadas por bactérias
PRINCIPAIS DISTÚRBIO SIST. URINÁRIO HUMANO
CÁLCULO RENAL
O depósito organizado de sais
minerais nos rins ou em qualquer
parte do aparelho urinário.
Cálculos constituídos por cálcio são
os mais comuns. Outros minerais
encontrados são: oxalato, fósforo,
ácido úrico.
Deficiência genética para excreção
desses sais
Dieta rica nessas sais: ex.: leite e
derivados.
Tratamento cirúrgico ou não
invasivo: ultra-som / laser
PRINCIPAIS DISTÚRBIO SIST URINÁRIO HUMANO
GOTA
Gota é uma doença
caracterizada pela elevação
de ácido úrico no sangue e
surtos de artrite aguda
secundários ao depósito de
cristais do sal deste ácido
(uratos).
 O ácido úrico é um resíduo nitrogenado do
metabolismo de purinas (lembrar das bases
nitrogenadas).
 Mariscos, sardinha, salmão, bacon, fígado
devem ser evitados por aqueles que sofrem de
gota.
PRINCIPAIS DISTÚRBIO SIST URINÁRIO HUMANO
HEMODIÁLISE
O tratamento mais utilizado por aqueles pacientes que, por qualquer motivo, perderam
a função renal e irreparavelmente atingiram a fase terminal da doença renal.
No dialisador, o sangue é exposto à solução de diálise (também conhecida como
dialisato) através de uma membrana semipermeável, permitindo assim, as trocas de
substâncias entre o sangue e o dialisato. Após ser retirado do paciente e passado
através do dialisador, o sangue “filtrado” é então devolvido ao paciente pelo acesso
vascular. É importante ressaltar que a água usada durante a diálise deve ser tratada e
sua qualidade monitorada regularmente.
PRINCIPAIS DISTÚRBIO SIST URINÁRIO HUMANO
HEMODIÁLISE
O tratamento mais utilizado por aqueles pacientes que, por qualquer motivo, perderam
a função renal e irreparavelmente atingiram a fase terminal da doença renal.
No dialisador, o sangue é exposto à solução de diálise (também conhecida como
dialisato) através de uma membrana semipermeável, permitindo assim, as trocas de
substâncias entre o sangue e o dialisato. Após ser retirado do paciente e passado
através do dialisador, o sangue “filtrado” é então devolvido ao paciente pelo acesso
vascular. É importante ressaltar que a água usada durante a diálise deve ser tratada e
sua qualidade monitorada regularmente.
OSMORREGULAÇÃO:
Peixes cartilaginosos
(maioria marinho)
H2O
Sais
: Relativamente isosmótico
- acúmulo de uréia no sangue impede a
perda de água
-influxo de sal pelas brânquias e
alimento
-excreção de sal pela glândula retal
Sais
OSMORREGULAÇÃO: Peixe ósseo de água salgad
HIPOSMÓTICO EM RELAÇÃO AO MEIO
Glomérulo
reduzido
MgSO4
MgSO4
Absorção de
Sulfato de
magnésio
Pouca urina
concentrada
com MgSO4
Ingestão de
água salgada
Eliminação de
sal pelas
brânquias (ativo)
Fezes ricas em
MgSO4
-> tendência: perder água
OSMORREGULAÇÃO: Peixe ósseo de água doce
HIPEROSMÓTICO EM RELAÇÃO AO MEIO
Absorção de
NaCl pelas
brânquias
Reabsorção
de NaCl
pelo rim
Glomérulo
desenvolvido
Urina
diluída
H2OH2O
H2O
-> tendência: ganhar
água
GLÂNDULA
DE SAL
EXCREÇÃO
OSMORREGULAÇÃO:
Répteis e Aves marinhos
Escassez de água e excesso de
sal (alimento)
OSMORREGULAÇÃO: Mamíferos marinhos
HIPOSMÓTICOS EM RELAÇÃO AO MEIO
Água do mar ingerida Urina produzida
Volume
(ml)
Concentração
de sal
(mmol/litro)
Volume
(ml)
Concentração
de sal
(mmol/litro)
Homem 1000 535 1350 400
Baleia 1000 535 650 820
Balanço
hídrico
- 350
+350
--> CONSEGUEM INGERIR ALIMENTOS OU MESMO BEBER ÁGUA D
E PRODUZIR UMA URINA MAIS CONCENTRADA.
Nos animais, os principais mecanismos de excreção do
nitrogênio proveniente do catabolismo de aminoácidos estão
resumidos no esquema a seguir.
A alternativa que indica exemplos de animais pertencentes,
respectivamente, aos grupos 1, 2 e 3, é:
a) galinha, boi e sapo
b) planária, cavalo e pato
c) formiga, pombo e cobra
d) lesma, gaivota e mosquito
De forma geral, a água do mar exerce uma alta pressão osmótica
sobre os organismos (cerca de 12atm) e a água doce exerce
praticamente nenhuma. Os fluidos do corpo dos vertebrados exercem
uma pressão osmótica de 30 a 40% daquela da água do mar,
ocupando, portanto, uma posição intermediária. Considerando essas
informações, em termos osmóticos, a tendência é:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistema urinario apresentação de slides
Sistema urinario apresentação de slidesSistema urinario apresentação de slides
Sistema urinario apresentação de slidesFabiano Reis
 
O sistema linfático
O sistema linfáticoO sistema linfático
O sistema linfáticoCatir
 
Sistema excretor
Sistema excretorSistema excretor
Sistema excretoremanuel
 
Sistema urinário - Anatomia humana
Sistema urinário - Anatomia humanaSistema urinário - Anatomia humana
Sistema urinário - Anatomia humanaMarília Gomes
 
Sistema urinario anato
Sistema urinario anatoSistema urinario anato
Sistema urinario anatocesarromero13
 
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologiaAula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologiaHamilton Nobrega
 
Sistema Genital Masculino
Sistema Genital MasculinoSistema Genital Masculino
Sistema Genital MasculinoMarcia Regina
 
SISTEMA DIGESTORIO
SISTEMA DIGESTORIOSISTEMA DIGESTORIO
SISTEMA DIGESTORIOjorgeluisbio
 
Fisiologia do sistema digestório
Fisiologia do sistema digestórioFisiologia do sistema digestório
Fisiologia do sistema digestórioLIVROS PSI
 
II - SISTEMA CIRCULATÓRIO
II - SISTEMA CIRCULATÓRIOII - SISTEMA CIRCULATÓRIO
II - SISTEMA CIRCULATÓRIOsandranascimento
 
Sistema Urinário
Sistema  UrinárioSistema  Urinário
Sistema Urináriovictorpre
 
Aula biologia celular
Aula   biologia celularAula   biologia celular
Aula biologia celularsanthdalcin
 
Sistema reprodutor - Anatomia humana
Sistema reprodutor - Anatomia humanaSistema reprodutor - Anatomia humana
Sistema reprodutor - Anatomia humanaMarília Gomes
 
Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!Rosalia Azambuja
 

Mais procurados (20)

Sistema urinario apresentação de slides
Sistema urinario apresentação de slidesSistema urinario apresentação de slides
Sistema urinario apresentação de slides
 
O sistema linfático
O sistema linfáticoO sistema linfático
O sistema linfático
 
Sistema excretor
Sistema excretorSistema excretor
Sistema excretor
 
Sistema urinário - Anatomia humana
Sistema urinário - Anatomia humanaSistema urinário - Anatomia humana
Sistema urinário - Anatomia humana
 
Sistema urinario anato
Sistema urinario anatoSistema urinario anato
Sistema urinario anato
 
Sistema cardiovascular - 8º ano
Sistema cardiovascular - 8º anoSistema cardiovascular - 8º ano
Sistema cardiovascular - 8º ano
 
Tecido conjuntivo
Tecido conjuntivoTecido conjuntivo
Tecido conjuntivo
 
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologiaAula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologia
 
Sistema urinário
Sistema urinárioSistema urinário
Sistema urinário
 
Sistema digestivo
Sistema digestivoSistema digestivo
Sistema digestivo
 
Sistema circulatório
Sistema circulatórioSistema circulatório
Sistema circulatório
 
Sistema Genital Masculino
Sistema Genital MasculinoSistema Genital Masculino
Sistema Genital Masculino
 
SISTEMA DIGESTORIO
SISTEMA DIGESTORIOSISTEMA DIGESTORIO
SISTEMA DIGESTORIO
 
Fisiologia do sistema digestório
Fisiologia do sistema digestórioFisiologia do sistema digestório
Fisiologia do sistema digestório
 
II - SISTEMA CIRCULATÓRIO
II - SISTEMA CIRCULATÓRIOII - SISTEMA CIRCULATÓRIO
II - SISTEMA CIRCULATÓRIO
 
8 ano sistema digestório
8 ano sistema digestório8 ano sistema digestório
8 ano sistema digestório
 
Sistema Urinário
Sistema  UrinárioSistema  Urinário
Sistema Urinário
 
Aula biologia celular
Aula   biologia celularAula   biologia celular
Aula biologia celular
 
Sistema reprodutor - Anatomia humana
Sistema reprodutor - Anatomia humanaSistema reprodutor - Anatomia humana
Sistema reprodutor - Anatomia humana
 
Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!
 

Destaque

Anatomia E Fisiologia Dos Peixes De Agua Doce
Anatomia E Fisiologia Dos Peixes De Agua DoceAnatomia E Fisiologia Dos Peixes De Agua Doce
Anatomia E Fisiologia Dos Peixes De Agua DoceIgor Machado Moura
 
Fisiologia de peixes
Fisiologia de peixesFisiologia de peixes
Fisiologia de peixesargeropulos1
 
Ciclóstomos e peixes
Ciclóstomos e peixesCiclóstomos e peixes
Ciclóstomos e peixesletyap
 
Ciclóstomos e peixes
Ciclóstomos e peixesCiclóstomos e peixes
Ciclóstomos e peixesletyap
 
Cordados
CordadosCordados
Cordadosemanuel
 
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)Ana Maciel
 
Aula 3 Histologia - Sistema urinário
Aula 3 Histologia - Sistema urinário   Aula 3 Histologia - Sistema urinário
Aula 3 Histologia - Sistema urinário Julia Berardo
 

Destaque (9)

Anatomia E Fisiologia Dos Peixes De Agua Doce
Anatomia E Fisiologia Dos Peixes De Agua DoceAnatomia E Fisiologia Dos Peixes De Agua Doce
Anatomia E Fisiologia Dos Peixes De Agua Doce
 
Fisiologia de peixes
Fisiologia de peixesFisiologia de peixes
Fisiologia de peixes
 
Sistema urinario
Sistema urinarioSistema urinario
Sistema urinario
 
Ciclóstomos e peixes
Ciclóstomos e peixesCiclóstomos e peixes
Ciclóstomos e peixes
 
Ciclóstomos e peixes
Ciclóstomos e peixesCiclóstomos e peixes
Ciclóstomos e peixes
 
Cordados
CordadosCordados
Cordados
 
IV.1 Peixes
IV.1 PeixesIV.1 Peixes
IV.1 Peixes
 
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
 
Aula 3 Histologia - Sistema urinário
Aula 3 Histologia - Sistema urinário   Aula 3 Histologia - Sistema urinário
Aula 3 Histologia - Sistema urinário
 

Semelhante a Sistema urinario

(2) sistema renal, dialise e hemodialise
(2) sistema renal, dialise e hemodialise(2) sistema renal, dialise e hemodialise
(2) sistema renal, dialise e hemodialiseRodrigo Vargas
 
Capítulo 05 - sistema urinário
Capítulo 05 - sistema urinárioCapítulo 05 - sistema urinário
Capítulo 05 - sistema urinárioIgor Brant
 
Sistema Urin�rio
Sistema Urin�rioSistema Urin�rio
Sistema Urin�rioDigux
 
SISTEMA URINÁRIO.pptx anatomia e fisiologia
SISTEMA URINÁRIO.pptx anatomia e fisiologiaSISTEMA URINÁRIO.pptx anatomia e fisiologia
SISTEMA URINÁRIO.pptx anatomia e fisiologiaADELANEROCHA3
 
Fisiologia Humana 6 - Sistema Renal
Fisiologia Humana 6 - Sistema RenalFisiologia Humana 6 - Sistema Renal
Fisiologia Humana 6 - Sistema RenalHerbert Santana
 
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptxAssistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptxVeridyanaValverde1
 
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos RinsNefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos RinsHamilton Nobrega
 
Sistema excretor e osmorregulador
Sistema excretor e osmorreguladorSistema excretor e osmorregulador
Sistema excretor e osmorreguladorMarcos Albuquerque
 
Avaliação do sistema renal e urinario...
Avaliação do sistema renal e urinario...Avaliação do sistema renal e urinario...
Avaliação do sistema renal e urinario...NiellyNoronha1
 
Assistencia de enfermagem ao cliente renal 04.2012
Assistencia de enfermagem ao cliente renal 04.2012Assistencia de enfermagem ao cliente renal 04.2012
Assistencia de enfermagem ao cliente renal 04.2012Andressa Santos
 
Sistema Excretor Humano
Sistema Excretor HumanoSistema Excretor Humano
Sistema Excretor HumanoAjuda Escolar
 
AULA_Introdução a nefrologia tec enfermg
AULA_Introdução a nefrologia tec enfermgAULA_Introdução a nefrologia tec enfermg
AULA_Introdução a nefrologia tec enfermgDannyFernandes33
 

Semelhante a Sistema urinario (20)

(2) sistema renal, dialise e hemodialise
(2) sistema renal, dialise e hemodialise(2) sistema renal, dialise e hemodialise
(2) sistema renal, dialise e hemodialise
 
Sistema Excretor
Sistema ExcretorSistema Excretor
Sistema Excretor
 
Sistema excretor novo
Sistema excretor   novoSistema excretor   novo
Sistema excretor novo
 
Capítulo 05 - sistema urinário
Capítulo 05 - sistema urinárioCapítulo 05 - sistema urinário
Capítulo 05 - sistema urinário
 
Sistema Urin�rio
Sistema Urin�rioSistema Urin�rio
Sistema Urin�rio
 
SISTEMA URINÁRIO.pptx anatomia e fisiologia
SISTEMA URINÁRIO.pptx anatomia e fisiologiaSISTEMA URINÁRIO.pptx anatomia e fisiologia
SISTEMA URINÁRIO.pptx anatomia e fisiologia
 
Sistema excretor
Sistema excretor Sistema excretor
Sistema excretor
 
Fisiologia Humana 6 - Sistema Renal
Fisiologia Humana 6 - Sistema RenalFisiologia Humana 6 - Sistema Renal
Fisiologia Humana 6 - Sistema Renal
 
Sistema excretor
Sistema excretorSistema excretor
Sistema excretor
 
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptxAssistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
Assistência de Enfermagem às Afecções Urológicas (1).pptx
 
Frente 2 aula 10 Excreção Humana
Frente 2 aula 10 Excreção HumanaFrente 2 aula 10 Excreção Humana
Frente 2 aula 10 Excreção Humana
 
O sistema urinário
O sistema urinárioO sistema urinário
O sistema urinário
 
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos RinsNefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
 
Sistema excretor e osmorregulador
Sistema excretor e osmorreguladorSistema excretor e osmorregulador
Sistema excretor e osmorregulador
 
Sistema excretor
Sistema excretorSistema excretor
Sistema excretor
 
Avaliação do sistema renal e urinario...
Avaliação do sistema renal e urinario...Avaliação do sistema renal e urinario...
Avaliação do sistema renal e urinario...
 
Assistencia de enfermagem ao cliente renal 04.2012
Assistencia de enfermagem ao cliente renal 04.2012Assistencia de enfermagem ao cliente renal 04.2012
Assistencia de enfermagem ao cliente renal 04.2012
 
Sistema Excretor Humano
Sistema Excretor HumanoSistema Excretor Humano
Sistema Excretor Humano
 
AULA_Introdução a nefrologia tec enfermg
AULA_Introdução a nefrologia tec enfermgAULA_Introdução a nefrologia tec enfermg
AULA_Introdução a nefrologia tec enfermg
 
Sistema urinario
Sistema urinarioSistema urinario
Sistema urinario
 

Mais de edu.biologia

Endócrino hormônios-interactive
Endócrino hormônios-interactiveEndócrino hormônios-interactive
Endócrino hormônios-interactiveedu.biologia
 
Organografia vegetal
Organografia vegetalOrganografia vegetal
Organografia vegetaledu.biologia
 
Aula origem da_vida
Aula origem da_vidaAula origem da_vida
Aula origem da_vidaedu.biologia
 
Aula 06 mutação e reparo
Aula 06   mutação e reparoAula 06   mutação e reparo
Aula 06 mutação e reparoedu.biologia
 
Tecido conjuntivo(tcpd)-2012
Tecido conjuntivo(tcpd)-2012Tecido conjuntivo(tcpd)-2012
Tecido conjuntivo(tcpd)-2012edu.biologia
 
5 padres-de-herana-1194454006597063-3
5 padres-de-herana-1194454006597063-35 padres-de-herana-1194454006597063-3
5 padres-de-herana-1194454006597063-3edu.biologia
 
Celulas tronco-e-clonagem2
Celulas tronco-e-clonagem2Celulas tronco-e-clonagem2
Celulas tronco-e-clonagem2edu.biologia
 
Aula fotossíntese quimiossíntese
Aula fotossíntese quimiossínteseAula fotossíntese quimiossíntese
Aula fotossíntese quimiossínteseedu.biologia
 
Aula Fisiologia Humana
Aula Fisiologia HumanaAula Fisiologia Humana
Aula Fisiologia Humanaedu.biologia
 
Aula Fisiologia_Sistema Digestório
Aula Fisiologia_Sistema DigestórioAula Fisiologia_Sistema Digestório
Aula Fisiologia_Sistema Digestórioedu.biologia
 
Arquivo pequenino (version 1)
Arquivo pequenino (version 1)Arquivo pequenino (version 1)
Arquivo pequenino (version 1)edu.biologia
 

Mais de edu.biologia (13)

Endócrino hormônios-interactive
Endócrino hormônios-interactiveEndócrino hormônios-interactive
Endócrino hormônios-interactive
 
Organografia vegetal
Organografia vegetalOrganografia vegetal
Organografia vegetal
 
Aula origem da_vida
Aula origem da_vidaAula origem da_vida
Aula origem da_vida
 
Biosfera em Foco
Biosfera em FocoBiosfera em Foco
Biosfera em Foco
 
Biosferaemfoco
BiosferaemfocoBiosferaemfoco
Biosferaemfoco
 
Aula 06 mutação e reparo
Aula 06   mutação e reparoAula 06   mutação e reparo
Aula 06 mutação e reparo
 
Tecido conjuntivo(tcpd)-2012
Tecido conjuntivo(tcpd)-2012Tecido conjuntivo(tcpd)-2012
Tecido conjuntivo(tcpd)-2012
 
5 padres-de-herana-1194454006597063-3
5 padres-de-herana-1194454006597063-35 padres-de-herana-1194454006597063-3
5 padres-de-herana-1194454006597063-3
 
Celulas tronco-e-clonagem2
Celulas tronco-e-clonagem2Celulas tronco-e-clonagem2
Celulas tronco-e-clonagem2
 
Aula fotossíntese quimiossíntese
Aula fotossíntese quimiossínteseAula fotossíntese quimiossíntese
Aula fotossíntese quimiossíntese
 
Aula Fisiologia Humana
Aula Fisiologia HumanaAula Fisiologia Humana
Aula Fisiologia Humana
 
Aula Fisiologia_Sistema Digestório
Aula Fisiologia_Sistema DigestórioAula Fisiologia_Sistema Digestório
Aula Fisiologia_Sistema Digestório
 
Arquivo pequenino (version 1)
Arquivo pequenino (version 1)Arquivo pequenino (version 1)
Arquivo pequenino (version 1)
 

Último

Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfLUCASAUGUSTONASCENTE
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 

Último (20)

Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 

Sistema urinario

  • 2. Excretas Produto indesejável do metabolismo celular Definições Excretas nitrogenada Produtos indesejáveis do metabolismo de proteínas ou ácidos nucleicos.
  • 3. Importância: • O sistema excretor tem papel fundamental na manutenção da estabilidade dos fluídos corporais, pois elimina certas substâncias indesejadas ( amônia, uréia ácido úrico) ao organismo e retém aquelas que ainda possam ser aproveitadas (água, sais). • O sistema excretor também é responsável pela osmorregulação, manutenção da concentração salina no sangue, pH e outros fluídos corporais.
  • 4. O tipo de excreta está relacionada com o tipo de ambiente
  • 5.
  • 6. Sistema excretor nos invertebrados Eliminamos excretas por difusão Eliminamos excretas por difusão células-flamas ou solenócitos células (túbulo) em H Temos metanefridios ou nefrídios metanefridios ou nefrídios Temos túbulos de Malpighi Temos túbulos de Malpighi túbulos de Malpighi glândulas coxais glândulas verdes ou antenais Eliminamos excretas por difusãodifusão pés ambulacrários
  • 7. Tipos de rins nos vertebrados Larvas de peixe e anfíbios adultos de peixes e anfíbios. Embriões de répteis, aves e mamíferos Adultos de répteis, aves e mamíferos
  • 8. Excreção nos vertebrados: • Dá-se através de um sistema excretor formado pelos rins, o qual contém um duto coletor (ureter), que nos anfíbios, aves e répteis desemboca na cloaca. Na maioria dos mamíferos os ureteres desembocam diretamente à bexiga, do qual parte a uretra, tubo que se abre para o exterior.
  • 9. Órgãos do Sistema Excretor: • Pulmões e as vias respiratórias; – Eliminam a maior parte do dióxido de carbono e do vapor de água. • Pele; – Liberta o suor; • Sistema urinário; – Produz e expulsa a urina.
  • 10.
  • 11. Formação do suor • Produzido por glândulas sudoríparas. • Processo de Formação: • As glândulas sudoríparas estão envolvidas por vasos capilares que depositam nestas parte da água com produtos residuais, formando-se o suor; • O suor é armazenado e sai para o exterior pelos poros da pele;
  • 12. • A saída do suor beneficia o organismo por tirar dele substâncias tóxicas e também por ajudar a regular a temperatura do corpo.
  • 13. Eliminação de excretas nos seres humanos
  • 14. • Sistema Urinário – Dois rins – Dois ureteres – Uma bexiga urinária – Uma uretra Aorta Veia Cava Córtex MedulaRim Esquerdo Rim Direito Bexiga Uretra 2 Ureteres Nefrologia: estudo da anatomia, fisiologia e distúrbios dos rins. Urologia: estudo dos sitemas urinários masculino e feminino e do sistema genital masculino.
  • 15. RIM • Dois órgãos grandes • Avermelhados • Forma de feijão • Vascularizados • Parede abdominal posterior • Gordura perirrenal • No pólo superior situa-se glândula supra-renal (adrenal). Ureter Pélvis Renal Seio Renal
  • 16. Funções Aorta Veia Cava Córtex MedulaRim Esquerdo Rim Direito Bexiga Uretra 2 Ureteres Elimina substâncias tóxicas pela urina. Regulam os níveis iônicos no sangue de sais, glicose, proteína e água. Regular o volume e a pressão sangüínea. Secreção de hormônios – renina e eritropoetina Homeostasia Balanço ácido / base - pH sanguíneo (H+ / HC03) Formação dos Eritrócitos. Eritropoetina Produz substâncias que convertem um precursor da vitamina D em vitamina ativa. Contração do músculo liso Prostaglandinas
  • 17. AnatomiaAnatomia BexigaBexiga • 250ml • Localização: -Cavidade pélvica -No homem: à frente do reto -Na mulher: entre o útero e o reto •Função: - Armazenar a urina que flui continuamente dos ureteres
  • 18. AnatomiaAnatomia • ♂ 18-20cm • ♀ 4cm • Função: - Conduzir a urina da bexiga ao meio externo * (no homem função dupla – sist. urinário e reprodutor) UretraUretra
  • 19.
  • 20.
  • 21. Unidade básica dos rins: néfrons (Cápsula de Bowman) (alça de Henle)
  • 22.
  • 23. Cápsula de Bowman Glomérulo Alça descendente Alça ascendente Alça de Henle Ducto coletor capilares para o ureter NEFROM  UNIDADE FUNCIONAL Túbulo contorcido proximal Túbulo contorcido distal Ramo da artéria renal
  • 24. AnatomiaAnatomia NéfronNéfron Unidade morfofuncional do rim Regiões: • Glomérulo Renal • Cápsula de Bowman • Túbulo cont. proximal • Alça de Henle • Túbulo cont. distal • Ducto coletor
  • 25. Glomérulo Alça descendente GLICOSE Aminoácidos Ca++ Tubo Coletor Reabsorção ativa (gasto de energia): glicose, aminoácidos, sais Reabsorção passiva (difusão): água Alça ascendente ORGANIZAÇÃO BÁSICA DO NÉFROM Alça de Henle
  • 26. ADH =ADH = Hormônio Anti-Diurético • Produção: • Hipotálamo/ Hipófise • Função: Reabsorção de H2O ∀ ↑ concentração urinária • Álcool e Cafeína inibe FisiologiaFisiologia
  • 27. Formação da urina Filtração glomerular Água uréia, moléculas orgânicas Sais minerais glicose Glóbulos sanguíneos e grandes proteínas Nesse processo a pressão sanguínea expulsa, do glomérulo para a cápsula, a água e as pequenas moléculas dissolvidas no plasma
  • 28. Formação da urina Água glicose Glicose, aa e parte dos sais Glicose e aa Por transporte ativo, glicose, aa e sais são reabsorvidos Sangue fica mais concentrado Cerca de 80% a 85% da água são reabsorvidos por osmose Água Água Água saissais sais Túbulo contorcido proximal Alça de Henle Ramo descendente – reabsorção de água por osmose Ramo ascendente – reabsorção de sais por transporte ativo Túbulo contorcido distal Reabsorção ativa de sais e de um pouco de glicose As paredes dessa região do néfron tem sensibilidade variável em relação a água Reabsorção
  • 29. Formação da urina Secreção K+ e H+ K+ e H+ HCO3 - Nesse processo as células do túbulo absorvem do sangue íons K+ e H+ e lançam no sangue íons HCO3 -
  • 30. Urina • 95% água; • 2% de uréia; • 1% de cloreto de sódio • 2% outros sais e outros produtos nitrogenados Composição da urina
  • 31. Constituintes Anormais da Urina -AlbuminaAlbumina: (albuminúria) é muito grande para ser filtrado. Pode estar relacionado com pressão muito alta ou lesão das membranas de filtração. -GlicoseGlicose: (glicosúria) indica diabete melito. -Hemácias:Hemácias: (hematúria) cálculos renais, tumores, trauma ou outras doenças renais. (hemácias rompidas). -Leucócitos:Leucócitos: (piúria) infecção nos rins ou órgãos do sist. Urinário. - Microorganismos:Microorganismos: variam conforme a infecção. Uma das mais comuns é a E. coli. O fungo mais comum é a Candida albicans. O protozoário mais frequênte é o Tricomonas vaginalis.
  • 32. Controle Hormonal Aldosterona Aumenta a reabsorção de sódio e secreção de potássio no túbulo contorcido distal Fator natriurético atrial Aumenta a filtração glomerular por promover a dilatação da arteríola aferente e contrição da arteríola eferente Fator Natriurético Atrial (FNA): - hormônio produzido pelo átrio cardíaco - promove vasodilatação da arteríola aferente - vasoconstricção da arteríola eferente - ↑ a pressão glomerular - ↑ o volume de urina produzida - ↓ a pressão sanguínea
  • 33. Controle Hormonal Hormônio antidiurético (ADH) Aumenta a reabsorção de água Urina mais concentrada e mais escura Sangue concentrado
  • 34. Álcool Por que as bebidas alcoólicas aumentam a vontade de ir ao banheiro? Inibe Urina fica mais diluída e mais clara Diminui a reabsorção de água
  • 37. Distúrbios do sistema excretor Cálculos renais Forma quando a aumenta concentração de cálcio ou de outros sais na urina Ondas de choque Litotripsia
  • 38. Glomerulonefrite, uretrite e cistite Infecção nos rins Infecção na uretra Infecção nos bexiga Essas infecções são causadas por bactérias
  • 39. PRINCIPAIS DISTÚRBIO SIST. URINÁRIO HUMANO CÁLCULO RENAL O depósito organizado de sais minerais nos rins ou em qualquer parte do aparelho urinário. Cálculos constituídos por cálcio são os mais comuns. Outros minerais encontrados são: oxalato, fósforo, ácido úrico. Deficiência genética para excreção desses sais Dieta rica nessas sais: ex.: leite e derivados. Tratamento cirúrgico ou não invasivo: ultra-som / laser
  • 40. PRINCIPAIS DISTÚRBIO SIST URINÁRIO HUMANO GOTA Gota é uma doença caracterizada pela elevação de ácido úrico no sangue e surtos de artrite aguda secundários ao depósito de cristais do sal deste ácido (uratos).  O ácido úrico é um resíduo nitrogenado do metabolismo de purinas (lembrar das bases nitrogenadas).  Mariscos, sardinha, salmão, bacon, fígado devem ser evitados por aqueles que sofrem de gota.
  • 41. PRINCIPAIS DISTÚRBIO SIST URINÁRIO HUMANO HEMODIÁLISE O tratamento mais utilizado por aqueles pacientes que, por qualquer motivo, perderam a função renal e irreparavelmente atingiram a fase terminal da doença renal. No dialisador, o sangue é exposto à solução de diálise (também conhecida como dialisato) através de uma membrana semipermeável, permitindo assim, as trocas de substâncias entre o sangue e o dialisato. Após ser retirado do paciente e passado através do dialisador, o sangue “filtrado” é então devolvido ao paciente pelo acesso vascular. É importante ressaltar que a água usada durante a diálise deve ser tratada e sua qualidade monitorada regularmente. PRINCIPAIS DISTÚRBIO SIST URINÁRIO HUMANO HEMODIÁLISE O tratamento mais utilizado por aqueles pacientes que, por qualquer motivo, perderam a função renal e irreparavelmente atingiram a fase terminal da doença renal. No dialisador, o sangue é exposto à solução de diálise (também conhecida como dialisato) através de uma membrana semipermeável, permitindo assim, as trocas de substâncias entre o sangue e o dialisato. Após ser retirado do paciente e passado através do dialisador, o sangue “filtrado” é então devolvido ao paciente pelo acesso vascular. É importante ressaltar que a água usada durante a diálise deve ser tratada e sua qualidade monitorada regularmente.
  • 42. OSMORREGULAÇÃO: Peixes cartilaginosos (maioria marinho) H2O Sais : Relativamente isosmótico - acúmulo de uréia no sangue impede a perda de água -influxo de sal pelas brânquias e alimento -excreção de sal pela glândula retal Sais
  • 43. OSMORREGULAÇÃO: Peixe ósseo de água salgad HIPOSMÓTICO EM RELAÇÃO AO MEIO Glomérulo reduzido MgSO4 MgSO4 Absorção de Sulfato de magnésio Pouca urina concentrada com MgSO4 Ingestão de água salgada Eliminação de sal pelas brânquias (ativo) Fezes ricas em MgSO4 -> tendência: perder água
  • 44. OSMORREGULAÇÃO: Peixe ósseo de água doce HIPEROSMÓTICO EM RELAÇÃO AO MEIO Absorção de NaCl pelas brânquias Reabsorção de NaCl pelo rim Glomérulo desenvolvido Urina diluída H2OH2O H2O -> tendência: ganhar água
  • 45. GLÂNDULA DE SAL EXCREÇÃO OSMORREGULAÇÃO: Répteis e Aves marinhos Escassez de água e excesso de sal (alimento)
  • 46. OSMORREGULAÇÃO: Mamíferos marinhos HIPOSMÓTICOS EM RELAÇÃO AO MEIO Água do mar ingerida Urina produzida Volume (ml) Concentração de sal (mmol/litro) Volume (ml) Concentração de sal (mmol/litro) Homem 1000 535 1350 400 Baleia 1000 535 650 820 Balanço hídrico - 350 +350 --> CONSEGUEM INGERIR ALIMENTOS OU MESMO BEBER ÁGUA D E PRODUZIR UMA URINA MAIS CONCENTRADA.
  • 47. Nos animais, os principais mecanismos de excreção do nitrogênio proveniente do catabolismo de aminoácidos estão resumidos no esquema a seguir. A alternativa que indica exemplos de animais pertencentes, respectivamente, aos grupos 1, 2 e 3, é: a) galinha, boi e sapo b) planária, cavalo e pato c) formiga, pombo e cobra d) lesma, gaivota e mosquito
  • 48. De forma geral, a água do mar exerce uma alta pressão osmótica sobre os organismos (cerca de 12atm) e a água doce exerce praticamente nenhuma. Os fluidos do corpo dos vertebrados exercem uma pressão osmótica de 30 a 40% daquela da água do mar, ocupando, portanto, uma posição intermediária. Considerando essas informações, em termos osmóticos, a tendência é: