21. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS
SISTEMA DE CONTROLE AUTOMÁTICO
DA MARCHA LENTA 21-1
SENSOR DE DETONAÇÃO 21-2
21-1
CBR1100XXx
...
CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS
21-2
SENSOR DE DETONAÇÃO
Caso o tipo de combustível seja incorreto, ocorrerá uma
combustão anorma...
COMO USAR ESTE MANUAL
Este manual de serviço descreve os procedimentos
de serviço para a CBR1100XXx.
Siga as recomendações...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Manaul de serviço cbr1100 xx (2)_(1999~) caracter

240 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
240
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Manaul de serviço cbr1100 xx (2)_(1999~) caracter

  1. 1. 21. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS SISTEMA DE CONTROLE AUTOMÁTICO DA MARCHA LENTA 21-1 SENSOR DE DETONAÇÃO 21-2 21-1 CBR1100XXx Quando a temperatura do líquido de arrefecimento do motor está baixa, o eixo da unidade de controle da marcha lenta é pressionado para dentro da carcaça da unidade através da força da mola de retorno, instalada na unidade de controle. Neste momento, as válvulas de partida na carcaça do acelerador são totalmente abertas. O ar desviado é conduzido para dentro da cavidade do acelerador. As rotações do motor aumentam com o acréscimo de volume de ar desviado. Quando o motor estiver em funcionamento e a temperatura do líquido de arrefecimento estiver alta, o elemento de controle da marcha lenta na unidade será inflado, pressionando gradativamente o eixo. As válvulas de partida são gradativamente fechadas e o fluxo de ar desviado é regulado. As rotações do motor são gradativamente diminuídas e em seguida mantém-se a marcha lenta. SISTEMA DE CONTROLE AUTOMÁTICO DA MARCHA LENTA O sistema de controle automático da marcha lenta desta motocicleta é um sistema totalmente automático controlado pela unidade de controle da marcha lenta. A carcaça da unidade de controle da marcha lenta está conectada ao sistema de arrefecimento do motor por duas mangueiras de água. UNIDADE DE CONTROLE DA MARCHA LENTA TEMPERATURA DO LÍQUIDO DE ARREFECIMENTO BAIXA TEMPERATURA DO LÍQUIDO DE ARREFECIMENTO ALTA 21
  2. 2. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 21-2 SENSOR DE DETONAÇÃO Caso o tipo de combustível seja incorreto, ocorrerá uma combustão anormal na câmara de combustão, causando sérios danos ao motor. O sensor de detonação, instalado atrás do cilindro nº 3 no bloco do motor, protege o motor de detonações anormais. SENSOR DE DETONAÇÃO A: Regula a onda do sinal de voltagem de entrada B: Circuito de detecção da voltagem de ruído C: Circuito de detecção da voltagem de detonação D: Circuito de detecção de segurança do sensor E: 1. Detecta a detonação 2. Calcula o ponto de ignição adequado 3. Detecta a função de segurança O sensor detecta as detonações do motor através de uma placa de vibração embutida e converte-as em sinal de voltagem através do elemento elétrico piezo. Em seguida, envia o sinal ao ECM. O ECM separa o sinal recebido em voltagens de ruído e de detonação anormal. Caso a voltagem de detonação anormal seja superior aos valores padrão programados, o ECM irá atrasar o ponto de ignição. Caso a voltagem seja inferior aos valores padrão programados, o ECM gradativamente avançará o ponto de ignição até os valores padrão. CBR1100XXx Envio das condições do motor ao ECM (Rotações do motor, abertura do acelerador, temperatura do líquido de arrefecimento, etc.) Envia o sinal do ponto de combustão ao motor MOTOR (A) (B) (C) (D) (E) CPU ECM HIC SENSOR DE DETONAÇÃO ELEMENTO ELÉTRICO PIEZO PLACA DE VIBRAÇÃO
  3. 3. COMO USAR ESTE MANUAL Este manual de serviço descreve os procedimentos de serviço para a CBR1100XXx. Siga as recomendações da Tabela de Manutenção (Capítulo 3) para garantir condições perfeitas de funcionamento e níveis de emissões dentro dos limites permitidos. A 1ª manutenção programada é muito importante, pois irá compensar os desgastes iniciais que ocorrem durante o período de amaciamento. Os Capítulos 1 e 3 aplicam-se a toda motocicleta. O Capítulo 2 apresenta os procedimentos de remoção/instalação de componentes que pode ser necessária para efetuar os serviços descritos nos capítulos subseqüentes. Os Capítulos 4 a 20 apresentam as peças da motocicleta, agrupadas de acordo com sua localização. Localize o capítulo desejado nesta página. Em seguida, consulte o índice apresentado na primeira página do capítulo selecionado. A maioria dos capítulos começa com uma ilustração do sistema ou conjunto, as informações de serviço e a diagnóstico de defeitos. Consulte no capítulo 21 as instruções técnicas de funcionamento para familiarizar-se com esta motocicleta. Se a causa do problema for desconhecida, consulte o Capítulo 22, "Diagnóstico de Defeitos". MOTO HONDA DA AMAZÔNIA LTDA. Departamento de Serviços Pós-Venda Setor de Publicações Técnicas TODAS AS INFORMAÇÕES, ILUSTRAÇÕES, PROCEDIMENTOS E ESPECIFICAÇÕES APRESENTADAS NESTA PUBLICAÇÃO SÃO BASEADAS NAS INFORMAÇÕES MAIS RECENTES DISPONÍVEIS SOBRE O PRODUTO NO MOMENTO DA APROVAÇÃO DA IMPRESSÃO. A MOTO HONDA DA AMAZÔNIA LTDA RESERVA-SE O DIREITO DE ALTERAR AS CARACTERÍSTICAS DO PRODUTO A QUALQUER MOMENTO E SEM PRÉVIO AVISO, SEM QUE ISTO INCORRA EM QUAISQUER OBRIGAÇÕES. NENHUMA PARTE DESTA PUBLICAÇÃO PODE SER REPRODUZIDA SEM AUTORIZAÇÃO PRÉVIA POR ESCRITO. INFORMAÇÕES GERAIS CHASSI/CARENAGEM /SISTEMA DE ESCAPAMENTO MANUTENÇÃO SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO (Injeção de Combustível Programada) SISTEMA DE ARREFECIMENTO REMOÇÃO/INSTALAÇÃO DO MOTOR CABEÇOTE/VÁLVULAS EMBREAGEM/SELETOR DE MARCHAS ALTERNADOR/EMBREAGEM DE PARTIDA CARCAÇA DO MOTOR/PISTÃO/CILINDRO ÁRVORE DE MANIVELAS/TRANSMISSÃO/ BALANCEIRO RODA DIANTEIRA/SUSPENSÃO/SISTEMA DE DIREÇÃO RODA TRASEIRA/SUSPENSÃO FREIO HIDRÁULICO BATERIA/SISTEMA DE CARGA SISTEMA DE IGNIÇÃO SISTEMA DE PARTIDA LUZES/INDICADORES/INTERRUPTORES DIAGRAMA ELÉTRICO CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS DIAGNÓSTICO DE DEFEITOS 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 22 21 ÍNDICE GERAL SISTEMA ELÉTRICO CHASSIMOTORETRANSMISSÃO SUPLEMENTO 23

×