Aula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de Custeio

1.511 visualizações

Publicada em

Fundamentos de Custos e Métodos de Custeio

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.511
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
12
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
31
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula 7 - Fundamentos de Custos e Métodos de Custeio

  1. 1. 1 CONTABILIDADE E GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS Fundamentos da Contabilidade de Custos e Métodos de Custeio 1 Fundamentos da Contabilidade de Custos Objetivos - Entender a importância dos métodos de custeio. Conhecer a diferença entre custeio por absorção, custeio variável. Compreender as vantagens e as desvantagens de cada método de custeio. Distinguir a importância de cada método de custeio, do ponto de vista Gerencial. 2
  2. 2. 2 Fundamentos da Contabilidade de Custos A Contabilidade de Custos: É uma técnica utilizada para identificar, mensurar e informar os custos dos produtos e/ou serviços (é utilizada no planejamento, controle e informação). Ela possui relevância no âmbito gerencial, pois fornece elementos importantes e necessários para a decisão da administração; Sobretudo, quanto à produção de estoques, formação dos preços de venda, e o estabelecimento de padrões orçamentários de custos. 3 Fundamentos da Contabilidade de Custos Gasto - O termo gasto é usado, segundo Leone (1997, p. 46), para definir as transações financeiras em que há a diminuição do disponível ou assunção de um compromisso com troca de algum bem de investimento ou bem de consumo: Material de expediente; matéria-prima; consumo de água; serviços de fretes, aquisição de máquina etc. 4
  3. 3. 3 Fundamentos da Contabilidade de Custos Despesa - é todo o gasto necessário para a geração de receitas. Não existe uma receita sem que antes haja uma despesa: Impostos sobre vendas; Propaganda e publicidade; Aluguéis; Comissões sobre vendas, etc. Divide-se em Despesa Fixa e Despesa Variável (seguro e impostos de vendas). 5 Fundamentos da Contabilidade de Custos Custos - são todos aqueles gastos utilizados na produção de bens ou na prestação de serviços. Para Martins (1990, p. 24), custo é um gasto relativo a bem ou ao serviço utilizado na produção de outros bens ou serviços. matéria-prima; mão-de-obra direta; encargos sociais do pessoal da fábrica; materiais de embalagem, etc. Divide-se em Custo Variável e Custo Fixo. Custos Variáveis, normalmente são Diretos. Custos Fixos desde que sofram rateios são definidos de custos indiretos. 6
  4. 4. 4 Fundamentos da Contabilidade de Custos Investimento - Para Martins (2001) paginas 25/26, Investimento é o gasto com bem ou serviço ativado em função de sua vida útil ou de benefícios atribuíveis a períodos futuros. Exemplo: Aquisição de móveis e utensílios, aquisição de imóveis, maquina e equipamentos etc. 7 Fundamentos da Contabilidade de Custos Perdas na concepção de Martins, é o gasto não intencional decorrente de fatores externos ou fortuitos ou da atividade produtiva normal da empresa. Exemplo: Perda de matéria prima, dias não trabalhados por greve, desvios etc. 8
  5. 5. 5 Fundamentos da Contabilidade de Custos Custeamento do produto é o processo de identificar o custo unitário de cada produto produzido pela empresa, nas suas diferentes versões ou variações. É através do método de custeio que se busca determinar o custo unitário do produto – um dado de alta utilização pelos administradores. 9 Fundamentos da Contabilidade de Custos CUSTEIO POR ABSORÇÃO (CUSTEIO PLENO) Este método (técnica da média ponderada móvel para valorização de estoques) é o único aceito pelo Imposto de Renda (Decreto nº 3.000 Art. 295 de 26/3/1999). O método do custeio por absorção observa a metodologia dos princípios fundamentais da Contabilidade. Consiste na apropriação de todos os custos de produção (diretos e indiretos, fixos e variáveis) aos bens elaborados (todos os gastos relativos ao esforço de fabricação são distribuídos para todos os produtos fabricados). 10
  6. 6. 6 Itens Volume produzido Quantidades vendidas Preço de venda unitário Unidades R$ 20.000 u 18.000 u Gastos no mês TOTAL DOS GASTOS 210.000,00 14,00 Custo total com matéria-prima Custo total com a mão-de-obra direta fixa Mão-de-obra indireta variável Aluguel do prédio do escritório Vigilância das lojas comerciais Vigilância da fábrica Salários e encargos do pessoal administrativo Energia elétrica da fábrica Salários e comissões de vendedores 90.000,00 30.000,00 25.000,00 13.000,00 12.000,00 10.000,00 11.000,00 5.000,00 14.000,00 TOTAL DOS GASTOS CUSTEIO POR ABSORÇÃO (CUSTEIO PLENO) 1.º Passo: Separação entre custos fixos e variáveis e entre Custo de Produção Custos variáveis Matéria Prima Mão-de-obra Indireta Variável Energia Elétrica da Fábrica 160.000,00 120.000,00 90.000,00 25.000,00 5.000,00 Custos Fixos Mão de Obra Direta Fixa Vigilância da Fabrica 40.000,00 30.000,00 10.000,00 Despesas Fixas 36.000,00 Aluguel do Prédio do Escritório 13.000,00 Vigilância das Lojas Comerciais 12.000,00 Salários e Encargos Pessoal Administrativo 11.000,00 Despesas Variáveis Salários e Comissões dos Vendedores 14.000,00 14.000,00 despesas fixas e variáveis:
  7. 7. 7 CUSTEIO POR ABSORÇÃO (CUSTEIO PLENO) Itens Unidades R$ Volume produzido 20.000 u Quantidades vendidas 18.000 u Preço de venda unitário 14,00 1.º Passo: Separação entre custos fixos e variáveis e entre despesas fixas e variáveis: Custo de Produção 160.000,00 2.º Passo: Cálculo do custo unitário por método : Custeio por Absorção Custo de Produção (Custo Variável + Custo Fixo) Quantidade Produzida Custo Unitário 160.000,00 20.000,00 8,00 3.º Passo: Construir o DRE Custeio por Absorção Receita Operacional Bruta (18.000u x R$ 14,00) ( - ) CPV (18.000u x R$ 8,00) ( = ) Lucro Bruto ( - ) Despesas Fixas ( - ) Despesas Variáveis ( = ) Lucro Líquido 252.000,00 -144.000,00 108.000,00 -36.000,00 -14.000,00 58.000,00 CUSTEIO POR ABSORÇÃO (CUSTEIO PLENO)
  8. 8. 8 Fundamentos da Contabilidade de Custos VANTAGENS NO USO DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO Por ser o método adotado pela contabilidade financeira, é, portanto, válido tanto para fins de balanço patrimonial e demonstração de resultados como também para o imposto de renda na apresentação dos lucros fiscais; Sê considerado os rateios dos custos fixos na apropriação, possibilita melhores informações gerenciais, para o estabelecimento dos preços de venda, visando a recuperação de todos os custos incorridos pela empresa. 15 Fundamentos da Contabilidade de Custos DESVANTAGENS NO USO DO CUSTEIO POR ABSORÇÃO Os custos fixos existem independentemente de fabricação ou não e acabam presentes no mesmo montante, mesmo que oscilações ocorram no volume de produção; Por não se relacionarem com este ou aquele produto, ou unidade, são quase sempre distribuídos (os custos fixos) à base de critérios de rateio, quase sempre com grande grau de arbitrariedade; O custo fixo por unidade depende ainda do volume de produção, ainda o custo de um produto pode variar em função da alteração de volume de outro produto, o que se traduz num modelo totalmente inadequado para fins de tomada de decisão gerenciais. 16
  9. 9. 9 CUSTEIO POR ABSORÇÃO (CUSTEIO PLENO) Média de custos variáveis mensais da empresa = 120.000,00 Supondo-se a produção de apenas ¼ de 20.000 unidades no mês = 5.000 unidades Supondo-se a produção de apenas ¼ da capacidade = custo variável = 30.000,00 Custo Fixo no mês (permanecem inalterado) = 40.000,00 Custo de Produção (Custo Variável + Custo Fixo) Quantidade Produzida Custo Unitário 70.000,00 5.000,00 14,00 Custo de Produção (Custo Variável + Custo Fixo) Quantidade Produzida Custo Unitário 160.000,00 20.000,00 8,00 Os Custos aumentaram em 75% = Distorção CUSTEIO POR ABSORÇÃO (CUSTEIO PLENO) Período 1 Período 2 Concorrentes A B C D Empresa Custo 8,00 14,00 Margem 75% 75% Preço de Venda 14,00 24,50 13,00 15,00 14,00 14,50 A empresa ficou fora de preço no mercado
  10. 10. 10 Fundamentos da Contabilidade de Custos Custeio variável (custeio direto) Neste método, segundo Eliseu Martins (1988), só são alocados aos produtos os custos variáveis, ficando os custos fixos separados e considerados como despesas do período, indo diretamente para o resultado. Para os estoques só vão, como consequência, os custos variáveis. Se a empresa produzir ou não, os custos fixos ocorrem da mesma forma, produzindo mais ou menos unidades, eles também ocorrerão da mesma forma. 19 Fundamentos da Contabilidade de Custos Custeio variável (custeio direto) Os custos fixos não são considerados como custos de produção e sim como despesas para este critério de rateio. Por este método, os custos dos produtos vendidos e os estoques finais de produtos em elaboração e os produtos acabados só conterão custos variáveis. Uma outra diferença deste método de custeio variável em relação ao custeio por absorção, esta de natureza formal, reside na maneira de apresentar a demonstração dos resultados. 20
  11. 11. 11 Fundamentos da Contabilidade de Custos Custeio variável (custeio direto) No custeio variável a diferença entre vendas líquidas e a soma de custo de produtos vendidos (que só contém custos variáveis) e despesas variáveis é denominada margem de contribuição. Deduzindo as despesas fixas e os custos fixos da margem de contribuição, obtém-se o lucro operacional líquido. 21 Itens Volume produzido Quantidades vendidas Preço de venda unitário Unidades R$ 20.000 u 18.000 u Gastos no mês TOTAL DOS GASTOS 210.000,00 14,00 Custo total com matéria-prima Custo total com a mão-de-obra direta fixa Mão-de-obra indireta variável Aluguel do prédio do escritório Vigilância das lojas comerciais Vigilância da fábrica Salários e encargos do pessoal administrativo Energia elétrica da fábrica Salários e comissões de vendedores 90.000,00 30.000,00 25.000,00 13.000,00 12.000,00 10.000,00 11.000,00 5.000,00 14.000,00 CUSTEIO VÁRIAVEL (DIRETO)
  12. 12. 12 CUSTEIO VÁRIAVEL (DIRETO) 1.º Passo: Separação entre custos fixos e variáveis e entre Custo de Produção Custos variáveis Matéria Prima Mão-de-obra Indireta Variável Energia Elétrica da Fábrica 160.000,00 120.000,00 90.000,00 25.000,00 5.000,00 Custos Fixos Mão de Obra Direta Fixa Vigilância da Fabrica 40.000,00 30.000,00 10.000,00 Despesas Fixas 36.000,00 Aluguel do Prédio do Escritório 13.000,00 Vigilância das Lojas Comerciais 12.000,00 Salários e Encargos Pessoal Administrativo 11.000,00 Despesas Variáveis Salários e Comissões dos Vendedores 14.000,00 14.000,00 despesas fixas e variáveis: CUSTEIO VÁRIAVEL (DIRETO) 2º PASSO 3.º Passo: Cálculo do custo unitário por método : Custeio variável (custeio direto) Custo de Produção (Custos Variáveis) Quantidade Produzida 120.000,00 20.000,00 Custo Unitário 6,00
  13. 13. 13 CUSTEIO VÁRIAVEL (DIRETO) Receita Operacional Bruta (18.000u x R$ 14,00) ( - ) CPV (18.000u x R$ 6,00) ( - ) Despesas Variáveis ( = ) Margem de Contribuição ( - ) Custos Fixos ( - ) Despesas Fixas -40.000,00 -36.000,00 3.º Passo: Construir o DRE Custeio variável (custeio direto) 252.000,00 -108.000,00 -14.000,00 130.000,00 ( = ) Lucro Líquido 54.000,00 CUSTEIO VÁRIAVEL (DIRETO) – SUPONDO ¼ DA PRODUÇÃO = 5.000 UNIDADES 3.º Passo: Cálculo do custo unitário por método : Custeio variável (custeio direto) Custo de Produção (Custos Variáveis) Quantidade Produzida Custo Unitário 30.000,00 5.000,00 6,00 Média de custos variáveis mensais da empresa = 120.000,00 Supondo-se a produção de apenas ¼ de 20.000 unidades no mês = 5.000 unidades Supondo-se a produção de apenas ¼ da capacidade = custo variável = 30.000,00 Custo Fixo no mês (permanecem inalterado) = 40.000,00
  14. 14. 14 CUSTEIO VÁRIAVEL (DIRETO) – SUPONDO ¼ DA PRODUÇÃO = 5.000 UNIDADES 3.º Passo: Cálculo do custo unitário por método : Custeio variável (custeio direto) Receita Operacional Bruta (5.000u x R$ 14,00) ( - ) CPV (5.000u x R$ 6,00) ( - ) Despesas Variáveis ( = ) Margem de Contribuição ( - ) Custos Fixos ( - ) Despesas Fixas ( = ) Lucro Líquido -40.000,00 -36.000,00 -50.000,00 3.º Passo: Construir o DRE Custeio variável (custeio direto) 70.000,00 -30.000,00 -14.000,00 26.000,00 Custo de Produção (Custos Variáveis) Quantidade Produzida Custo Unitário 30.000,00 5.000,00 6,00 Fundamentos da Contabilidade de Custos Receita Operacional Bruta (18.000u x R$ 14,00) ( - ) CPV (18.000u x R$ 6,00) ( - ) Despesas Variáveis ( = ) Margem de Contribuição ( - ) Custos Fixos ( - ) Despesas Fixas ( = ) Lucro Líquido 28 -40.000,00 -36.000,00 54.000,00 3.º Passo: Construir o DRE Custeio variável (custeio direto) 252.000,00 -108.000,00 -14.000,00 130.000,00 Receita Operacional Bruta (18.000u x R$ 14,00) ( - ) CPV (18.000u x R$ 8,00) ( = ) Lucro Bruto ( - ) Despesas Fixas ( - ) Despesas Variáveis ( = ) Lucro Líquido 252.000,00 -144.000,00 108.000,00 -36.000,00 -14.000,00 58.000,00 3.º Passo: Construir o DRE Custeio por Absorção
  15. 15. 15 Fundamentos da Contabilidade de Custos Quais são as vantagens do método de custeio variável? Impede que os aumentos de produção que não correspondam ao aumento de venda distorçam os resultados; É mais fácil para os gerentes industriais entenderem o custeamento dos produtos sob o custeio variável (custeio direto); Pois os dados são próximos da fábrica e de sua responsabilidade, possibilitando a correta avaliação de desempenho setorial. 29 Fundamentos da Contabilidade de Custos As principais desvantagens do uso do método de custeio variável são: Dificuldade de separar efetivamente alguns custos (se fixos ou se variáveis); O custeio variável não é aceito pela Legislação do Imposto de Renda, pois fere os princípios contábeis geralmente aceitos então; Os demonstrativos devem conciliar as duas metodologias com notas de rodapé. 30

×