ENFOQUE SISTÊMICO
Moacir José Sales Medrado
Módulo Administração de Sistemas Agrossilvipastoris
Bagé- Rio Grande do Sul – ...
O QUE É UM SISTEMA?
CONJUNTO DE ELEMENTOS EN INTERACCIÓN QUE, SIENDO SUSCEPTIBLE DE
SER DIVIDIDO EN PARTES, ADQUIERE ENTID...
QUAL O SIGNIFICADO DE SISTEMA?
“COLEÇÃO DE ENTIDADES” OU COISAS, RELACIONADAS OU CONECTADAS DE TAL MODO QUE
"FORMAM UMA UN...
LIMITES: TODOS OS SISTEMAS TÊM LIMITES QUE OS SEPARAM DE SEU
AMBIENTE E QUE FUNCIONAM COMO FILTROS DAS ENTRADAS E SAIDAS E...
HIERARQUIA
SUBSISTEMA X SISTEMA X SUPERSISTEMA:
SISTEMA É O OBJETO (FOCO) DO ESTUDO.
SUBSISTEMAS SÃO SUAS PARTES COMPONENT...
www.jlcarneiro.com
HIERARQUIA
Subsistema
A2
Subsistema
A3
Subsistema
A1
Sistema A
Subsistema
B2
Subsistema
B3
Subsistema
B...
www.jlcarneiro.com
HIERARQUIA
MUITAS VEZES, A SAÍDA (OUTPUT) DE UM SISTEMA É A ENTRADA (INPUT)
DE OUTRO SISTEMA
UMA MUDANÇ...
REDE DE RELAÇÕES QUE FACILITAM AS INTERCONEXÕES ENTRE AS PARTES,
IDENTIFICANDO O SISTEMA.
Sobre los aeropuertos verdes. Di...
ÁTOMOS, AS MOLÉCULAS, OS ÓRGÃOS INTERNOS DOS SERES VIVOS, OS
MICROORGANISMOS, AS ALGAS, AS PLANTAS, OS ANIMAIS, OS SERES H...
Enrique Ortega. ENGENHARIA ECOLÓGICA: conceitos básicos e importância do trabalho de H. T. Odum. Disponível em: <>. Acesso...
MCA2
Agrofloresta
Enrique Ortega. ENGENHARIA ECOLÓGICA: conceitos básicos e importância do trabalho de H. T. Odum. Disponí...
TIPOLOGIA
QUANTO A COMPLEXIDADE
Complexo
QUANTO A INFORMATIVIDADE
Determinístico: predizível. As relações entre seus eleme...
MCA2
Agrofloresta
ENTRADAS: ELEMENTOS A SEREM TRANSFORMADOS
ELEMENTOS DE UM SISTEMA
PROCESSO: ELEMENTOS DE AÇÃO OU MODIFICAÇÃO
SAIDAS: PRODU...
HOMEOSTASE
OS SISTEMAS SEMPRE PROCURAM O EQUILÍBRIO.
ENTROPIA
Para manter-se organizado um sistema depende de esforço
(ene...
SINERGIA
EXISTE SINERGIA QUANDO A SOMA DAS PARTES É DIFERENTE
DO TODO
TODO SISTEMA É SINÉRGICO UMA VEZ QUE O EXAME DE SUAS...
SINERGIA
SINERGIA É ALGO COMO
2 + 2 = 5
ENFOQUE DE SISTEMAS
DEFINIÇÃO DO PROBLEMA
ANÁLISE DO SISTEMA
DESENHO DO SISTEMA
AQUISIÇÃO DE RECURSOS
IMPLANTAÇÃO E MANUTE...
REFERÊNCIAS
TEORIA GERAL DOS SISTEMAS. Disponível em:
<http://www.algiconsultoria.com.br/artigos/teoria_sistemas.htm>. Ace...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

ENFOQUE SISTÊMICO

369 visualizações

Publicada em

PALESTRA SOBRE ENFOQUE SISTÊMICO DADA EM CURSO DE SISTEMAS AGROSSILVIPASTORIS EM BAGÉ-RS

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
369
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

ENFOQUE SISTÊMICO

  1. 1. ENFOQUE SISTÊMICO Moacir José Sales Medrado Módulo Administração de Sistemas Agrossilvipastoris Bagé- Rio Grande do Sul – 07/11/2009 Universidade da Região da Campanha e Embrapa Pecuária Sul Curso Gestão do Agronegócio
  2. 2. O QUE É UM SISTEMA? CONJUNTO DE ELEMENTOS EN INTERACCIÓN QUE, SIENDO SUSCEPTIBLE DE SER DIVIDIDO EN PARTES, ADQUIERE ENTIDAD PRECISAMENTE EN LA MEDIDA EN QUE TALES PARTES E INTEGRAN EN LA TOTALIDAD Sobre los aeropuertos verdes. Disponíveis em: <http://www.powerpoint-search.com/teoria-general-de-sistema-ppt.html>. Acesso em 16 de out. 2009 PODEMOS DENOMINAR COMO SISTEMA O CONJUNTO DE ELEMENTOS COM ATRIBUTOS E FUNÇÕES ESPECÍFICAS, QUE INTERAGEM ENTRE SI E COM O MEIO EXTERNO DE FORMA ORGANIZADA (NATURAL OU ARTIFICIALMENTE), CONFORMANDO ASSIM UM ENTE FUNCIONAL. Enrique Ortega. ENGENHARIA ECOLÓGICA: conceitos básicos e importância do trabalho de H. T. Odum. Disponível em: <>. Acesso em 16 de out. 2009 “CONJUNTO DE PARTES INTERAGENTES E INTER-DEPENDENTES QUE, CONJUNTAMENTE, FORMAM UM TODO UNITÁRIO COM DETERMINADO OBJETIVO E EFETUAM DETERMINADA FUNÇÃO.” OLIVEIRA, Djalma P. R. Sistemas, Organização e Métodos. São Paulo: Atlas, 2001.
  3. 3. QUAL O SIGNIFICADO DE SISTEMA? “COLEÇÃO DE ENTIDADES” OU COISAS, RELACIONADAS OU CONECTADAS DE TAL MODO QUE "FORMAM UMA UNIDADE OU UM TODO”, OU QUE "PROPICIEM A CONSECUÇÃO DE ALGUM FIM LÓGICO A PARTIR DESSAS INTERAÇÕES CONJUNTAS“. CADA COMPONENTE SE RELACIONA PELO MENOS COM ALGUNS OUTROS, DIRETA OU INDIRETAMENTE, DE MODO MAIS OU MENOS ESTÁVEL, DENTRO DE UM DETERMINADO PERÍODO DE TEMPO, FORMANDO UMA REDE CAUSAL. AS ENTIDADES PODEM SER TANTO PESSOAS, MÁQUINAS, OBJETOS, INFORMAÇÕES OU MESMO OUTRO SISTEMA, NO CASO, SUBSISTEMA. ESSAS MESMAS PODEM SER INERENTES (INTERNAS) AO SISTEMA OU TRANSIENTES (EM MOVIMENTO) A ELE. O SISTEMA ESTABELECE UMA FRONTEIRA E TUDO QUE É EXTERNO A ELE É CHAMADO DE MEIO AMBIENTE DO SISTEMA. Reducionismo X Holismo (do grego holos, todo)
  4. 4. LIMITES: TODOS OS SISTEMAS TÊM LIMITES QUE OS SEPARAM DE SEU AMBIENTE E QUE FUNCIONAM COMO FILTROS DAS ENTRADAS E SAIDAS E MANTÊM UM GRAU DE AUTONOMIA E INTERDEPENDÊNCIA. HENRY COELHO. Teoria de sistema. 2004. Disponível em: <>. Acesso em 16 de out. 2009 HIERARQUIA: AS PARTES OU COMPONENTES SE ORDENAM SEGUNDO DISTINTOS NÍVEIS DE INTEGRAÇÃO E DE CONTROLE OS SISTEMAS TÊM LIMITES E HIERARQUIA TROCAS COM O ENTORNO  FECHADOS (NÃO TROCAM MATÉRIA E ENERGIA COM O AMBIENTE – CONCEITUAIS)  ABERTOS (TROCAM MATERIA E ENERGIA COM O AMBIENTE)
  5. 5. HIERARQUIA SUBSISTEMA X SISTEMA X SUPERSISTEMA: SISTEMA É O OBJETO (FOCO) DO ESTUDO. SUBSISTEMAS SÃO SUAS PARTES COMPONENTES. DEPENDEM DO PONTO DE VISTA METASSISTEMA – SISTEMA DE HIERARQUIA IMEDIATAMENTE SUPERIOR AO SISTEMA ESTUDADO. www.jlcarneiro.com
  6. 6. www.jlcarneiro.com HIERARQUIA Subsistema A2 Subsistema A3 Subsistema A1 Sistema A Subsistema B2 Subsistema B3 Subsistema B1 Sistema B Metassistema
  7. 7. www.jlcarneiro.com HIERARQUIA MUITAS VEZES, A SAÍDA (OUTPUT) DE UM SISTEMA É A ENTRADA (INPUT) DE OUTRO SISTEMA UMA MUDANÇA EM UM SISTEMA PODE TER REFLEXOS (REAÇÕES) NOS SISTEMAS RELACIONADOS É NECESSÁRIO O ESTUDO DOS SISTEMAS PARA PREVER ESSAS REAÇÕES EVITANDO SURPRESAS.
  8. 8. REDE DE RELAÇÕES QUE FACILITAM AS INTERCONEXÕES ENTRE AS PARTES, IDENTIFICANDO O SISTEMA. Sobre los aeropuertos verdes. Disponíveis em: <http://www.powerpoint-search.com/teoria-general-de-sistema-ppt.html>. Acesso em 16 de out. 2009 DESCRIÇÃO DO SISTEMA. COMPOSIÇÃO O QUE NÃO CONSTITUI O SISTEMA, ESTÁ FORA MAS É CONDICIONANTE DO SISTEMA. COM ELE FAZEM INTERCÂMBIO MATÉRIA, ENERGIA E INFORMAÇÃO PARTES DO SISTEMA QUE PODEM SER COMPONENTES SIMPLES OU SUBSISTEMAS ESTRUTURA ENTORNO
  9. 9. ÁTOMOS, AS MOLÉCULAS, OS ÓRGÃOS INTERNOS DOS SERES VIVOS, OS MICROORGANISMOS, AS ALGAS, AS PLANTAS, OS ANIMAIS, OS SERES HUMANOS, OS ECOSSISTEMAS, OS SISTEMAS ECONÔMICOS, A GEO-BIOSFERA, O SISTEMA SOLAR, A VIA LÁCTEA, O UNIVERSO. Enrique Ortega. ENGENHARIA ECOLÓGICA: conceitos básicos e importância do trabalho de H. T. Odum. Disponível em: <>. Acesso em 16 de out. 2009 EXEMPLO DE SISTEMAS
  10. 10. Enrique Ortega. ENGENHARIA ECOLÓGICA: conceitos básicos e importância do trabalho de H. T. Odum. Disponível em: <>. Acesso em 16 de out. 2009 LINGUAGEM SIMBÓLICA PARA DESCRIÇÃO DE SISTEMAS ( a ) fonte ( b ) sumidouro de calor ( c ) estoque ( d ) interação ( e ) transação comercial ( f ) produtor ( g ) consumidor ( h ) interruptor ( i ) subsistema
  11. 11. MCA2 Agrofloresta Enrique Ortega. ENGENHARIA ECOLÓGICA: conceitos básicos e importância do trabalho de H. T. Odum. Disponível em: <>. Acesso em 16 de out. 2009 fonte estoque sumidouro interação produtores consumidores
  12. 12. TIPOLOGIA QUANTO A COMPLEXIDADE Complexo QUANTO A INFORMATIVIDADE Determinístico: predizível. As relações entre seus elementos permitem determinar como o sistema atuará. Há uma mínima margem de erro QUANTO A INTERAÇÃO COM O ENTORNO Sistema fechado: mínima interação com o ambiente Simples Probabilístico: não predizível; exceto por aproximaçãões. Existem possibilidades de erro. Dificil determinar seu comportamento Sistema aberto: alta interação com o ambiente
  13. 13. MCA2 Agrofloresta
  14. 14. ENTRADAS: ELEMENTOS A SEREM TRANSFORMADOS ELEMENTOS DE UM SISTEMA PROCESSO: ELEMENTOS DE AÇÃO OU MODIFICAÇÃO SAIDAS: PRODUTO DO SISTEMA REALIMENTAÇÃO: MEDIÇÃO DA SAÍDA PARA CONTROLE AMBIENTE: LOCAL ONDE O SISTEMA SE ALIMENTE E PARA ONDE SE DESTINAM OS PRODUTOS
  15. 15. HOMEOSTASE OS SISTEMAS SEMPRE PROCURAM O EQUILÍBRIO. ENTROPIA Para manter-se organizado um sistema depende de esforço (energia); Os sistemas tendem a estados com menos energia Na natureza, os sistemas tendem sempre à desorganização, ao caos. Os sistemas tendem a estados de maior entropia www. jlcarneiro.com
  16. 16. SINERGIA EXISTE SINERGIA QUANDO A SOMA DAS PARTES É DIFERENTE DO TODO TODO SISTEMA É SINÉRGICO UMA VEZ QUE O EXAME DE SUAS PARTES EM FORMA ISOLADA NÃO PODE EXPLICAR OU PREDIZER O SEU COMPORTAMENTO A SINERGIA SURGE DAS INTERAÇÕES ENTRE AS PARTES OU COMPONENTES DE UN SISTEMA
  17. 17. SINERGIA SINERGIA É ALGO COMO 2 + 2 = 5
  18. 18. ENFOQUE DE SISTEMAS DEFINIÇÃO DO PROBLEMA ANÁLISE DO SISTEMA DESENHO DO SISTEMA AQUISIÇÃO DE RECURSOS IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO SISTEMA AVALIAÇÃO DO SISTEMA dividir o problema em problemas menores identificar todas as partes do sistema pois algumas podem fazer a diferença atentar para detalhes olhar para o todo (visão holística) Usar analogias - ou seja, reaplicar, com alguma adaptação, soluções que deram certo em problemas similares
  19. 19. REFERÊNCIAS TEORIA GERAL DOS SISTEMAS. Disponível em: <http://www.algiconsultoria.com.br/artigos/teoria_sistemas.htm>. Acesso em 24 de out. 2009 TEORIA GERAL DE SISTEMAS. Disponível em: < http://paginas.ucpel.tche.br/~loh/apo-si1.htm#_Toc118552933 >. Acesso em 24 de out. 2009 CARNEIRO, José Luis. INTRODUÇÃO À TEORIA GERAL DOS SISTEMAS. Disponível em: <www.jlcarneiro.com/downloads/fssa_sic/teoria_sistemas.ppt>. Acesso em 25 de out. 2009

×