Faculdade Metropolitana do Grande Recife
Prof. Lucíola Correia
Fotografia – Desenhar com a luz.
Fotografia: Dispositivo técnico ou forma de arte?
Estudos Fotográficos.
Fotografia Histór...
 Surgimento.
Técnicas de observação da luz, desde a antiguidade. Época de Aristóteles
Alhazen: Físico e matemático – Séc....
 Joseph Nicéphore Niépce
1723 – Primeiros experimentos fotográficos
que não fixavam por muito tempo em papel.
Baseando-se...
 Paralelamente, já no século XVI, XVII, vários químicos e
físicos (Schulze, Scheele, e Wedgewood) estudavam a
fixação de ...
 Louis-Jacques Mandé Daguerre
1829, Diminuição do tempo de exposição para uma hora,
solução com Cloreto de Sódio (sal de ...
Traquitanas de suporte para segurar os movimentos e garantir a imagem não tremida
(diante do longo tempo de exposição da l...
 William Henry Fox-Talbot
1835 – Invenção do processo de revelação Negativo/Positivo
Captura de silhuetas, plumas e objet...
 Cart-de-visite. O “Instagram” do século XIX.
Com a popularização da fotografia, diminuição do tempo de exposição descobe...
 A fotografia mortuária era costume comum no século XIX para
preservação da última memória dos entes queridos falecidos
(...
Fotografia post-mortem século XIX
Fotografia post-mortem século XIX
Fotografia post-mortem século XIX
Fotografia post-mortem
século XIX
 “A fotografia de espíritos era com toda a
evidência, uma ideia das mais despropositadas e
foi pouco praticada. Contudo, ...
 Cultura Kodak
Fundador: George Steman.
Em abril de 1880, George Eastman alugou o terceiro andar
de um edifício de Roches...
 A câmara Kodak havia criado um mercado completamente
novo e transformado em fotógrafos aqueles que só queriam
tirar foto...
 Referências Bibliográficas:
DUBBOIS, Philippe. O Ato Fotográfico. Trad. Marinha Appenzzilier, 14ª ed.
Campinas, SP: Paip...
História da fotografia   aula 1
História da fotografia   aula 1
História da fotografia   aula 1
História da fotografia   aula 1
História da fotografia   aula 1
História da fotografia   aula 1
História da fotografia   aula 1
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

História da fotografia aula 1

65 visualizações

Publicada em

Histórico do surgimento da Fotografia no século XIX

Publicada em: Arte e fotografia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
65
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

História da fotografia aula 1

  1. 1. Faculdade Metropolitana do Grande Recife Prof. Lucíola Correia
  2. 2. Fotografia – Desenhar com a luz. Fotografia: Dispositivo técnico ou forma de arte? Estudos Fotográficos. Fotografia Histórica Estudos Sociais da Fotografia Semiótica AntropologiaVisual Estética Fotográfica Filosofia da imagem...
  3. 3.  Surgimento. Técnicas de observação da luz, desde a antiguidade. Época de Aristóteles Alhazen: Físico e matemático – Séc. X – Primeiras descrições do que era uma câmera escura:
  4. 4.  Joseph Nicéphore Niépce 1723 – Primeiros experimentos fotográficos que não fixavam por muito tempo em papel. Baseando-se na litografia, conseguiu fixar a primeira imagem fotográfica em metal, a qual Chamou de “Heliografia”. 1826 – Primeira imagem feita com A luz. Fixa e de longa duração. Exposição de oito horas à luz solar, cristais de prata, betume-da-judeia, óleo de asfalto, uma liga de antimônio,estanho, cobre e chumbo numa chapa metálica, dentro da câmera escura. Após a exposição: Banho com o oléo e ácido. Passível de reprodução.
  5. 5.  Paralelamente, já no século XVI, XVII, vários químicos e físicos (Schulze, Scheele, e Wedgewood) estudavam a fixação de imagens por reação de luz com Nitrato de Prata – que posteriormente daria origem aos métodos de revelação fotográfica. Thomas Wedgwood – Século XIX, expôs à luz e nitrato de prata, algumas folhas e insetos, conseguindo silhuetas num papel, porém, nem sempre se conseguia manter a fixação da imagem com o passar do tempo. A essa técnica dá-se o nome de Mnemocine ou Emulsão com nitrato de prata.
  6. 6.  Louis-Jacques Mandé Daguerre 1829, Diminuição do tempo de exposição para uma hora, solução com Cloreto de Sódio (sal de cozinha) como fixador. Câmera escura e chapa metálica. Anteriormente revestidas de prata, posteriormente com Iodo. Venda da patente ao governo Francês em 1839. À Invenção, deu-se o nome de “Daguerreótipo”
  7. 7. Traquitanas de suporte para segurar os movimentos e garantir a imagem não tremida (diante do longo tempo de exposição da lente para a captura)
  8. 8.  William Henry Fox-Talbot 1835 – Invenção do processo de revelação Negativo/Positivo Captura de silhuetas, plumas e objetos em exposição direta Uso do papel fotográfico. Papel mergulhado em cloreto ou nitrato de prata, posto em contato com os objetos, exposto à luz, fixado com amoníaco, cloreto de sódio ou iodeto de potássio. Câmera de madeira portátil, meia a uma hora de exposição Imagem fixada no negativo com cloreto de sódio, depois Submetida a outro papel revelada positivamente. Apesar de contemporâneo a Daguerre, o lançamento do Calótipo (Talbótico) foi discreto,Talbolt reclamou a prioridade da invenção à Royal Society, mas obteve pouca repercussão.
  9. 9.  Cart-de-visite. O “Instagram” do século XIX. Com a popularização da fotografia, diminuição do tempo de exposição descoberta de novas técnicas para revelação em papel fotográfico surgiram os “Cart-de-visites”, nome dado a um antigo formato de apresentação de fotografias e patenteado pelo fotógrafo francês André Adolphe Eugène Disdéri.Com fotos impressas num tamanho em torno de 9 cm, o costume de troca de cartões fotográficos tornou-se modismo por volta da década de 1860, coferindo o status e distinção social entre fotógrafos e colecionadores de todo o mundo, difundido a arte do Retrato.
  10. 10.  A fotografia mortuária era costume comum no século XIX para preservação da última memória dos entes queridos falecidos (Principalmente crianças – Altas taxas de mortalidade infantil).  Segundo Nadar (Debbois apud Nadar) , o corpo era posto com as vestes mais elegantes, presos às traquitanas ou fios de nylon, em poses como se ainda estivessem vivos, em alguns casos, as mães seguravam os bebês cobertas com mantas escuras. Tal prática que já descendia de uma breve tentativa de se fotografar os espíritos saindo do corpo.  No livro “O Fotográfico” (Rosalind Krauss) o relato de Nadar também explica que em algumas ocasiões os olhos eram pintados por cima da imagem revelada, e que por último, ainda era possível cremar os corpos e misturar as cinzas com os químicos do processo de revelação.
  11. 11. Fotografia post-mortem século XIX
  12. 12. Fotografia post-mortem século XIX
  13. 13. Fotografia post-mortem século XIX
  14. 14. Fotografia post-mortem século XIX
  15. 15.  “A fotografia de espíritos era com toda a evidência, uma ideia das mais despropositadas e foi pouco praticada. Contudo, com a industrialização do retrato fotográfico ocorrida nos anos de 1860, surgiu a produção em massa de fotografias de pessoas em seu leito de morte (...) subsistiram pouquíssimos desses desconcertantes objetos de curiosidade no dia de hoje, em comparação com a vasta produção da época. A fotografia mortuária era, no entanto, uma das principais atividades do fotógrafo comercial do século XIX. Nossa incapacidade atual para considerar este fenômeno com outra postura senão a de julgá-lo macabro prova até que ponto estamos alheios a uma parte crucial da história da fotografia.” KRAUSS, Rosalind. O fotográfico (p. 29)
  16. 16.  Cultura Kodak Fundador: George Steman. Em abril de 1880, George Eastman alugou o terceiro andar de um edifício de Rochester e começou a fabricar placas secas para venda. Nesta época o Sr. Eastman não previa o futuro dos materiais fotográficos para uso do amador, que dois anos mais tarde chegou a ser um fator tão importante em seu negócio. Sua ideia, no início, era trocar as placas de vidro usadas pelos fotógrafos profissionais. Após esse tempo, adaptou a utilização da película de colódio com uma superfície de gelatina. Em seguida, Inventou uma câmera tipo "caixão", leve e pequena, carregada com um rolo de papel para 100 exposições. O preço da câmara carregada, estojo e correia era de 25 dólares. Uma vez feita a exposição, se enviava a câmara à Rochester, onde o rolo exposto era retirado, processado, feitas as cópias e colocado um novo rolo, tudo por 10 dólares.
  17. 17.  A câmara Kodak havia criado um mercado completamente novo e transformado em fotógrafos aqueles que só queriam tirar fotos e não tinham nenhum conhecimento em química. Qualquer um podia "apertar o botão" e a companhia do Sr. Eastman "fazia o resto".
  18. 18.  Referências Bibliográficas: DUBBOIS, Philippe. O Ato Fotográfico. Trad. Marinha Appenzzilier, 14ª ed. Campinas, SP: Paipirus, 2012. KRAUSS, Rosalind. O Fotográfico. Trad. Anne Marié Davee, 3ª ed. São Paulo, SP: Gustavo Gili Editora, 2012. SOUGEZ, Marie-Loup. História da Fotografia. Tradução de Lourenço Pereira. Lisboa: Dinalivro, 2001.Título original: Historia de la Fotografia. A história de George Eastman e da Kodak <http://wwwbr.kodak.com/BR/pt/consumer/fotografia_digital_classica/para_uma_ boa_foto/historia_fotografia/historia_da_fotografia09.shtml?primeiro=1 > acesso em: 03.fev.2015

×