O Emprego da Crase (Turismo)

728 visualizações

Publicada em

Sugestão de aula de Língua Portuguesa para o Ensino Médio Integrado da Fundação de Apoio à Escola Técnica. Produzido pela Diretoria de Desenvolvimento da Educação Básica e Técnica/FAETEC.

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
728
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
19
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O Emprego da Crase (Turismo)

  1. 1. PORTUGUÊS PARA TURISMO O emprego da Crase Autora: Vania Patalano
  2. 2. Vamos começar? CIDADE MARAVILHOSA CHEIA DE ENCANTOS MIL ?!?
  3. 3. E os turistas estrangeiros ? O que eles pensam sobre o nosso país? alemães africanos Vamos ler um texto para descobrir ? argentinos
  4. 4. Estrangeiros reclamam de preços praticados no País. Por Luiza Belloni Veronesi Além dos preços, a telefonia, as rodovias, aeroportos e a sinalização apresentaram os menores índices de satisfação do estrangeiro Mais de 5,67 milhões de estrangeiros visitaram o Brasil ao longo de 2012, mas nem todos voltaram para sua terra natal satisfeitos com alguns serviços encontrados no País. De acordo com o estudo Demanda Turística Internacional, divulgada nesta quarta-feira (28) pelo Ministério do Turismo, os preços praticados foram os principais alvos de críticas de turistas, com grau de aprovação de 56,1%. Para se ter uma ideia, o mesmo indicador estava em 68,1% no ano de 2006.
  5. 5. Além dos preços, a telefonia, as rodovias, aeroportos e a sinalização apresentaram os menores índices de satisfação do estrangeiro, com 67,7%, 70%, 73% e 76,5%, respectivamente. “Temos muito a evoluir, mas os dados mostram que estamos no caminho, que o turista estrangeiro tem tido boas experiências em nosso país”, disse o ministro do Turismo, Gastão Vieira. Em contrapartida, os melhores serviços avaliados são a hospitalidade do povo (97,7%), os sabores da gastronomia (95,5%) e a hospedagem (93,2%). Além disso, a intenção de retorno é quase absoluta: 95,7% dos visitantes internacionais pretendem voltar ao Brasil. Os europeus são os turistas que mais permanecem no País, com tempo médio de 23,7 dias, mais que o dobro dos sul-americanos (10,7 dias). Os europeus são também os que mais gastam: os espanhóis ocupam a primeira posição (US$ 1.703), seguidos pelos portugueses (US$ 1.582) e franceses (US$ 1.509). Os argentinos gastam em média US$ 648. Ainda segundo o estudo, o gasto nas viagens de negócios é quase o dobro (US$ 1.599) das viagens de lazer (US$ 877). Os destinos mais visitados a lazer são Rio de Janeiro (29,6%), Florianópolis (18,1%) e Foz do Iguaçu (17,3%). Já as três cidades mais visitadas entre executivos estão São Paulo (48,3%), Rio de Janeiro (23,9%) e Curitiba (4,4%). Em relação à hospedagem , a maioria dos turistas ainda se hospeda em hotéis (52,1%) e casas de amigos e parentes (27,4%).
  6. 6. Fique por dentro. Se você leu o texto anterior com atenção, percebeu que há dois trechos destacados e, nos dois, aparece a preposição A, mas, então, por que em um trecho a preposição recebeu o acento grave ( ` ) e em outro não? Temos muito a evoluir Em relação à hospedagem
  7. 7. É porque, no segundo exemplo, ocorreu um fenômeno fonético (sonoro). Ocorreu o fenômeno da crase. Houve a fusão do som /a/ da locução prepositiva “Em relação a” com o som /a / do artigo feminino que antecede o substantivo hospedagem. a+a=à No primeiro exemplo, portanto, a crase nunca ocorreria porque a palavra evoluir é um verbo e verbos não exigem artigos antes deles.
  8. 8. Vamos ver em que situações tal fenômeno ( a CRASE) pode ocorrer ? Se, para que a crase aconteça, é preciso que haja uma preposição a e um artigo feminino a, você já notou que, na maioria das vezes, ela só se manifestará diante de palavras femininas, não é? 1. Antes de numerais que indicam horas: Ex.: O guia chegou às dez horas 2. Antes de locuções com palavras femininas: Ex.: Ele estuda à noite e trabalha à tarde. Filé à Oswaldo Aranha 3. Quando a palavra moda estiver “escondida” na frase: Ex. Comi e adorei o filé à (à moda de) Oswaldo Aranha, declarou o turista paulista.
  9. 9. E quando NÃO se emprega a crase? 1 – Antes de verbos: Ex.: Estava decidido a arrumar um novo emprego. 2 – Antes de palavras masculinas. Ex.: Os franceses gostam muito de andar a pé. 3 – Antes de artigos e pronomes indefinidos ou pessoais Ex.: Uma educação de qualidade interessa a toda sociedade. Dei a ela a oportunidade de emprego que desejava.
  10. 10. 4 – Quando a preposição vier antes de um nome plural. Ex.: Aquelas alunas vão a festas todos os finais de semana. 5 – Nas expressões com palavras repetidas. Ex.: O jogador esteve cara a cara com o seu maior rival. 6 – Antes de numerais em que a preposição A significa ATÉ. Ex.: A agência de viagens funciona de 2ª a 6ª feira. á - acento agudo à - acento grave Saquei !
  11. 11. E em que casos a CRASE é facultativa? Facultativa?! Ainda tem isso? A língua portuguesa é cheia de detalhes, não é?
  12. 12. A CRASE será facultativa, ou seja, poderemos ou não empregá-la nos seguintes casos: 1. Antes de pronomes possessivos femininos. Ex.: O guia dirigiu-se à nossa equipe para dar as orientações. (a) 2. Antes de nomes próprios femininos. Ex.: O atendente ofereceu o folder promocional dos pacotes de final de ano à Maria. (a) 3. Depois da preposição até. (as) Ex.: Ir até às cidades históricas de Minas Gerais é uma boa ideia.
  13. 13. Navegando... Pão de Açúcar De onde vem esse nome?
  14. 14. Há várias versões históricas a respeito da origem do nome Pão de Açúcar. Segundo o historiador Vieira Fazenda, foram os portugueses que deram esse nome, pois durante o apogeu do cultivo da cana-deaçúcar no Brasil (século XVI e XVII), após a cana ser espremida e o caldo fervido e apurado, os blocos de açúcar eram colocados em uma forma de barro cônica para transportá-lo para a Europa, que era denominada pão de açúcar. A semelhança do penhasco carioca com aquela forma de barro teria originado o nome.
  15. 15. Vamos rir um pouco? Vamos conhecer algumas histórias curiosas de turistas? Afinal, quem nunca “pagou um mico”durante uma viagem? Em http://canguru.info/mural.asp você poderá ler o relato divertido de turistas do mundo todo.
  16. 16. Agora é sua vez! Teste os seus conhecimentos. Leia os parágrafos seguintes e acrescente o acento grave, indicador de crase, onde houver necessidade. 1 . É notório o incremento da utilização do transporte aéreo pela população brasileira. Esse aumento, verdadeiramente exponencial, no entanto, não foi acompanhado pelo desenvolvimento da infraestrutura do setor, eis que as Companhias Aéreas Operadoras não realizaram os investimentos necessários para poder atender com eficiência a demanda que se lhes apresentou. O resultado prático deste conjunto de fatores é o que se convencionou denominar de “Caos Aéreo”, que consiste em inúmeros e reiterados atrasos nos voos, preterição de embarque (overbooking), somado a falta de informação aos passageiros e, não raro, nenhuma prestação de auxílio material por parte das Companhias Aéreas.
  17. 17. 2 . A 290 km da capital Fortaleza, Jericoacoara é lugar de descanso sem grandes luxos, com praias extensas, dunas de areia branca e lagoas cristalinas. A praia que dá nome a cidadezinha muda de visual conforme o balanço das marés: na cheia dá para arriscar um banho raso, na vazante, a água recua muito, atolando na areia os barquinhos de pesca lá ancorados. Lugar de mergulho é a Praia Malhada, a alguns metros a direita da vila de Jeri (como os locais chamam a cidade). Um buggy em Jericoacoara leva as águas esverdeadas da Lagoa Azul, um dos melhores passeios. Perto dali, está também a Lagoa do Paraíso, menos deserta, mas com melhor infraestrutura. Dentro delas, há redes e grandes troncos de madeira para deitar e relaxar na água – o melhor a fazer em Jeri. 3. Do belo Espaço Cultural da Marinha, situado as margens da Baía de Guanabara, saem semanalmente escunas e micro-ônibus com destino a Ilha Fiscal. O serviço é exclusivamente turístico e o destino irá surpreender o mais viajado dos forasteiros. A Ilha Fiscal é como um castelo de conto de fadas assentado no coração dos trópicos. Sua arquitetura neogótica, com torres a se projetar no céu do Rio, contrasta – e se embeleza ainda mais – com as águas atlânticas que a rodeiam.
  18. 18. Gabarito 1. somado à falta. 2. à cidadezinha. à direita. às águas esverdeadas. 3. às margens com destino à Bon Voyage

×