Nobert Elias, Pierre Bourdieu e Laranja Mecânica

1.044 visualizações

Publicada em

Nobert Elias, Pierre Bourdieu e Laranja Mecânica

Publicada em: Educação
1 comentário
3 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.044
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
1
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Nobert Elias, Pierre Bourdieu e Laranja Mecânica

  1. 1. Norbert Elias e Pierre Bourdieu
  2. 2. Norbert Elias
  3. 3. De onde veio a sociologia das relações? - Georg Simmel 1858-1918 Sociologia 1908 Wechselwirkung - interação
  4. 4. - Marcel Mauss 1987-1950 Ensaio sobre a dádiva 1924 Fato social total
  5. 5. Processos de formação de Estados e construção de nações • Século XIX: teorias sociológicas centravam-se no desenvolvimento a longo prazo da sociedade • Século XX: abandonou-se esse tipo de análise  estudar o aqui e agora • Questão do desenvolvimento das sociedades a longo prazo está voltando a entrar em foco (texto de 1970)
  6. 6. • “Países subdesenvolvidos”  uso do termo indica que as sociedades industrializadas se encontram no estágio final, sem possibilidade de desenvolvimento. • Sem interesse num desenvolvimento futuro não há interesse no processo de formação que levou à situação presente • Poucos sociólogos dedicaram-se a estudar a construção de nações • Modelo do “sistema social”  Talcott Parsons
  7. 7. • Este modelo de sociedade não abarca a aspereza da vida social dos homens  difícil aplicar esse modelo às grandes sociedades do passado • Para dar conta do problema é necessário identificar um processo de longa duração: Estados dinásticos pequenos  Estados dinásticos maiores  Estados-nação industriais • “O que é uma nação?” – Ernest Renan  nações são algo novo
  8. 8. • Alteração na estratificação: transição mais gradual do que se considera habitualmente • Ascensão da classe média  transformação do próprio “sistema” • Emergência de partidos de massa  Estado não podia mais tomar decisões que afetassem a vida dos habitantes sem que esses tomassem conhecimento disso • Para Norbert Elias deve-se estudar as nações como processos de longa duração
  9. 9. PIERRE BOURDIEU • Conjuntura histórica de Bourdieu • Guerra Fria e o fim do stalinismo (década de 1950) • Na França: os trinta gloriosos • Correntes intelectuais: • Fenomenologia, Estruturalismo e Marxismo
  10. 10. • Nesta perspectiva, Bourdieu define sua corrente como estruturalista genética ou estruturalista crítica: Se eu gostasse de rótulos, diria que tento elaborar um estruturalismo genético: a análise das estruturas objetivas – dos diferentes campos – é inseparável da gênese, do seio dos indivíduos biológicos das estruturas sociais e da análise da gênese destas próprias estruturas sociais p. 16. • Ele ainda fala de um estruturalismo construtivo: Se eu tivesse de caracterizar meu trabalho em duas palavras [...] falaria de um estruturalismo construtivista ou de um construtivismo estruturalista, tomando a palavra ‘estruturalismo’ num sentido muito diferente daquele que lhe dá a tradição saussuriana ou Lévistraussiana. Por ‘estruturalismo’ ou ‘estruturalista’, quero dizer que existem, no próprio mundo social e não apenas nos sistemas simbólicos, linguas, mitos, etc., estruturas objetivas, independentes da consciência e da vontade dos agentes, que são capazes de orientar ou de comandar as práticas ou as representações destes agentes. Por ‘construtivismo’ quero dizer que há uma gênese social, por um lado dos esquemas de percepção, pesamento e ação [...], por outro lado das estruturas sociaisp. 16/7.
  11. 11. Questão teórica em Bourdieu • • • Mediação entre agente social e sociedade. Objetivismo (Durkheim) x Fenomenologia (Weber) “o objetivismo constrói uma teoria da prática, as somente como subproduto negativo” • Conhecimento praxiológico. • Estrutura estruturada e estrutura estruturante • Próximo de Sartre – Questão do método (interiorização da exterioridade e exteriorização da interioridade)
  12. 12. Neste exercício de síntese entre a objetividade e a fenomenologia estaria contido um pensamento dialético?
  13. 13. Bourdieu e Marx • Recusa em proclamar sua adesão ao pensamento de Marx. • Familiaridades entre Bourdieu e o marxismo. • Porém, sua análise é marcada por múltiplos questionamentos e rupturas em relação à tradição marxista
  14. 14. A retomada dos esquecidos -Thomas Kuhn Pré-paradigma CIÊNCIA  Crise  Revolução Renovação
  15. 15. Sociologia Contemporânea - 1970-1980 EUA, Europa | 1990 Brasil - Sociologia que supera dicotomia - Retomada Elias/Alcance Internacional Bourdieu
  16. 16. LARANJA MECÂNICA Laranja Mecânica (A Clockwork Orange, 1971) Direção: Stanley Kubrick Roteiro: Anthony Burgess, Stanley Kubrick Origem: Inglaterra Duração: 138 minutos Tipo: Longa-metragem
  17. 17. No Livro “Sim, sim, sim, era isso. A mocidade tem que passar, ah é. Mas a mocidade é apenas ser de um certo modo, como, digamos, um animal. Não, não é somente ser assim como um animal, mas também ser como um daqueles brinquedinhos malenques que a gente videia vender na rua, assim tchelovequezinhos de lata com uma mola dentro e uma borboleta do lado de fora e quando se dá corda, grr grr grr, ele ita, assim andando, ó meus irmãos. Mas ele ita em linha reta e bate direto nas coisas, ploque ploque, e não pode evitar o que está fazendo. Ser jovem é como ser assim uma dessas maquininhas malenques.”
  18. 18. CONTRAMÃO DA SOCIEDADE ASSISTA NO LINK: https://vimeo.com/82432429 ASSISTA NO LINK: https://vimeo.com/82432429
  19. 19. VELHO / NOVO ASSISTA NO LINK: https://vimeo.com/82432430 ASSISTA NO LINK: https://vimeo.com/82432430
  20. 20. ÓDIO PELO VELHO • “Uma coisa que nunca suportei era ver um bêbado velho e imundo uivando as imundas canções de seus país e fazendo "blurp blurp“ enquanto canta como se houvesse uma velha orquestra imunda em suas tripas. Nunca suportei ver ninguém assim, de qualquer idade mas suportava menos ainda alguém bem velho, como este.”
  21. 21. ÓDIO PELO NOVO • “É fedorento porque a lei e a ordem não existem mais! É fedorento porque deixa que os jovens batam nos velhos como vocês estão fazendo! Não é um mundo onde um velho possa viver. Que tipo de mundo é, afinal? Homens na lua... homens girando ao redor da Terra... e ninguém mais presta atenção na lei e na ordem terrestres! “
  22. 22. ULTRAVIOLÊNCIA • Violência como arte / dança ASSISTA NO LINK: https://vimeo.com/82433614 ASSISTA NO LINK: https://vimeo.com/82433614
  23. 23. CASA COMO ALGO SEGURO
  24. 24. “HOME” • Diferente dos cenários anteriores do filme • ESPELHOS – Somente para semelhantes – “Outro” deixado de lado
  25. 25. INSPIRAÇÃO PARA ALEX • Beethoven como inspiração • Estimula desejos ASSISTA NO LINK: https://vimeo.com/82432433 ASSISTA NO LINK: https://vimeo.com/82432433
  26. 26. SEXO ASSISTA NO LINK: https://vimeo.com/82432431 ASSISTA NO LINK: https://vimeo.com/82432431
  27. 27. VIOLÊNCIA ASSISTA NO LINK: https://vimeo.com/82432432 ASSISTA NO LINK: https://vimeo.com/82432432
  28. 28. INSTITUIÇÕES
  29. 29. FAMÍLIA – PAIS AMOROSOS // BOM LAR – “Salvar você de si mesmo”
  30. 30. PRISÃO ASSISTA NO LINK: https://vimeo.com/82494818 ASSISTA NO LINK: https://vimeo.com/82494818
  31. 31. IGREJA
  32. 32. LUDOVICO
  33. 33. MÚSICA DE BEETHOVEN • Ao invés de prazer // Lhe traz dor ASSISTA NO LINK: https://vimeo.com/82494819 ASSISTA NO LINK: https://vimeo.com/82494819
  34. 34. ESTADO • Intenções políticas VÍDEO 11 VÍDEO VÍDEO 22 VÍDEO VÍDEO 33 VÍDEO
  35. 35. REJEIÇÃO
  36. 36. RETORNO A “HOME” ACEITO OU NÃO?
  37. 37. + MANIPULAÇÃO ASSISTA NO LINK: https://vimeo.com/82494820 ASSISTA NO LINK: https://vimeo.com/82494820
  38. 38. CURADO??? ASSISTA NO LINK: https://vimeo.com/82494821 ASSISTA NO LINK: https://vimeo.com/82494821
  39. 39. THIS IS NOT LIFE Final do livro: reflexão sobre os “erros” da sua vida “This is not life! My free will died when they took my mind” ESCUTAR MÚSICA ESCUTAR MÚSICA https://vimeo.com/82497643 https://vimeo.com/82497643 VIOLÊNCIA SIMBÓLICA
  40. 40. Bibliografia ALVES, Paulo César. A teoria sociológica contemporânea: da superdeterminação pela teoria à historicidade. Soc. estado., Brasília, v. 25, n. 1, Apr. 2010 BONNEWITZ, Patrice. Primeiras lições sobre a sociologia de P. Bourdieu. Petrópolis : Vozes, 2003. 149 p. BOURDIEU, Pierre. Pierre Bourdieu entrevistado por Maria Andréa Loyola. Rio de Janeiro : EdUERJ, 2002. 98 p. MARTINS, Paulo Henrique. A Sociologia De Marcel Mauss: Dádiva, simbolismo e associação. Revista Crítica de Ciências Sociais, Portugal, v. 73, p. 45-66, 2005. NEIBURG, Federico E WAIZBORT, Leopoldo (orgs.) Norbert Elias. Escritos & Ensaios. 1. Estado, Processo, Opinião Pública. Rio de Janeiro:Zahar, 2002. Pag. ORTIZ, Renato. Pierre Bourdieu: Sociologia. Editor Ática: São Paulo, 1983. SETTON, Maria da Graça Jacintho. Marcel Mauss e Norbert Elias: notas para uma aproximação epistemológica. Educ. Soc., Campinas , v. 34, n. 122, Mar. 2013. WAIZBORT, Leopoldo (Org.). Dossiê Norbert Elias, São Paulo, Edusp, 2001.

×