Norbert elias processo civilizador

3.533 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.533
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
713
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
74
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Norbert elias processo civilizador

  1. 1. NORBERT ELIAS – O PROCESSO CIVILIZADOR Reflexões sobre a obra Lucio
  2. 2. SONHOS DE CIVILIZAÇÃO
  3. 3. O PROCESSO CIVILIZADOR Elias analisa a história dos costumes a partir da formação do Estado Moderno e suas influências sobre a civilização. Nessa, que é reconhecida como sua maior obra, Elias leva-nos a pensar no que aconteceria se um homem da sociedade contemporânea fosse, de repente, transportado para uma época remota de sua própria sociedade. É possível que encontrasse um modo de vida muito diferente do seu, alguns hábitos e costumes lhe seriam atraentes, convenientes e aceitáveis do seu ponto de vista, enquanto outros seriam inadequados. Estaria diante de uma sociedade que, para ele, não seria civilizada. No Processo Civilizador, Elias procura analisar questões fundamentais como quais os motivos e de que forma ocorreu essa mudança? Dito de outra forma, as demandas sociais de cada tempo histórico possibilitam transformações nos hábitos e costumes socialmente aceitos. Essas transformações sucessivas na civilidade humana permitiram o atual grau de civilização e o desenvolvimento de nossa época, no entanto, esse processo não seria obra de planejamento de uma única pessoa ou grupo de pessoas. Foi a somatória dessas transformações que permitiu a constituição da atual civilização
  4. 4. DE CERTA FORMA COMPROVANDO AS TESES DE UMA IMBRICADA RELAÇÃO ENTRE O INDIVIDUO ,SOCIEDADE E AS TENSÕES SOCIAIS DE UM DETERMINADO TEMPO HISTÓRICO O PROCESSO CIVILIZADOR . PÚBLICADO PELA PRIMEIRA VEZ EM 1936 - O PROCESSO CIVILIZADOR -FEZ MUITO POUCO SUCESSO, POIS AQUELA REALMENTE NÃO ERA UMA BOA HORA PARA O LANÇAMENTO DE UM LIVRO ESCRITO EM ALEMÃO, POR UM JUDEU E QUE, SOBRETUDO, FALAVA SOBRE CIVILIZAÇÃO.
  5. 5. ELIAS ANALISA A OBRA DE ERASMO DE ROTTERDAM COMO UM DOCUMENTO DE UMA ÉPOCA , UM MANUAL DE CIVILIDADE. ESTE DOCUMENTO SIMBOLIZAVA UM PRESENTE INDESEJADO E UM FUTURO DESEJADO , SOBRE UMA SOCIEDADE TRADICIONAL E UMA OUTRA SOCIEDADE A SER CONSTRUÍDA SOB NOVAS BASES DE RELACIONAMENTO. NESTE CASO UMA SOCIEDADE DE CAMPONESES- UMA SOCIEDADE BASEADA EM TRABALHO NO CAMPO, NA PASSAGEM PARA UMA SOCIEDADE INDUSTRIAL ESTE TIPO DE TRABALHO E DE ETHOS NÃO ERA MAIS DESEJADO. DE PUERIS- DE MENINOS – ERASMO DE ROTTERDAM “Nariz sujo e mucosa pituitária são sinais de indivíduo desasseado. Aliás, houve quem reprovasse o filósofo Sócrates por tal defeito.” – “Limpar o nariz no braço ou sobre o cotovelo é próprio dos camponeses.” – “Não é bonito também limpar o nariz com as mãos e, depois, esfrega-las nas vestes.” -Espirro“Se na presença de outras pessoas, ocorre o espirro, é de bom tom virar o dorso. Uma vez passado o acesso, há de se fazer o sinal da cruz sobre os lábios e , a seguir, tirando o barrete, fazer um cumprimento às pessoas que disseram “saúde” ou pelo menos, deveriam tê-lo dito.” - O pão [..] apertar o pão com a palma da mão para depois parti-lo em pedaços com as pontas dos dedos. É coisa de cortesão. Tu porem deves cortá-lo, com a faca, indo de um lado para o outro. “Isso sim revela modo de gente refinada.”
  6. 6. A SOCIEDADE DO PRESENTE QUE INTERESSA A ELIAS É A QUE FLORESECEU EM ALGUNS PAÍSES DA EUROPA OCIEDENTAL E DISSEMINOU UMA MANEIRA PRÓPRIA DE SER PENSAR, DE SE APRESENTAR DIANTE DAS OUTRAS DE SE AUTO OLHAR.
  7. 7. CIVILIZAÇÃO OU BARBÁRIE ????
  8. 8. ESSA ATITUDE DE JULGAR O OUTRO A PARTIR DOS NOSSOS PADRÕES SÓCIO-CULTURAIS É CONHECIDA COMO ETNOCENTRISMO Quando estranhamos maneiras de ser distintas das nossas, que aceitamos e aprovamos , somo tentados a definir nosso jeito de ser como bom, desejável , melhor, e a classificar o diferente distante , desconhecido como “ruim”, “atrasado”, “decadente”, “selvagem”, “rude”.
  9. 9. QUEM TEM A BOMBA????
  10. 10. Em 711, os muçulmanos (mouros ou árabes) cruzaram o Estreito de Gibraltar e invadiram a Península Ibérica Embora cientificamente mais adiantados, os árabes não desprezaram os conhecimentos advindo dos habitantes da península. Tais conhecimentos foram utilizados nas escolas e observatórios que criaram e também deram a eles a sua própria contribuição. Assim, surgiu uma cultura riquíssima e uma ciência que não só produziu obras muito importantes, como também foi aproveitada na prática. Na agricultura, introduzem novas formas de regar a terra como a cegonha ou picota e a roda ou nora. Estas técnicas vão permitir aumentar a produção, com muito menos esforço. Na Matemática, por exemplo, trouxeram o atual sistema de numeração, a numeração árabe, a cujos sinais damos o nome de algarismos. Na Arquitetura, O arco em ferradura é um elemento caraterístico da arquitetura árabe, tal como a utilização do azulejo que introduziram na península Ibérica.
  11. 11. “DICAS” DA FIFA VEJA DICAS DA FIFA PARA TURISTA QUE VISITARÁ O BRASIL. 1 - Sim não significa sempre sim: é a entonação da voz que define se o sim é realmente um sim, ou um talvez. Por isso, "não espere o telefone tocar nos próximos cinco minutos" se um brasileiro dizer "te ligo na sequência". 2 - O tempo é flexível: não espere que o brasileiro seja pontual. "Se duas pessoas marcam de se encontrar às 12h30, elas vão se ver a partir das 12h45". 3 - Contato corporal: brasileiros não estão acostumados com o jeito dos europeus de se manter educadamente uma distância entre um e outro. Eles falam usando as mãos e não vão hesitar em tocar na pessoa com quem estão falando. 4 - Filas: Esperar pacientemente numa fila não está no DNA dos brasileiros, que preferem cultivar o caos. 5 - Sobrevivência das maiores: nas ruas, os pedestres são ignorados, e mesmo na faixa de pedestres, raramente um motorista vai parar.

×