SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Baixar para ler offline
Universidade Regional do Cariri – URCA
Pró – Reitoria de Ensino de Graduação
Coordenação da Construção Civil
Disciplina: Saneamento Básico
Professor: Renato de Oliveira Fernandes.
Roteiro de dimensionamento de fossa séptica seguido de sumidouro
(Metodologia: NBR 7.229/1993 e FUNASA)
Considerações de projeto:
Dimensionar o sistema de tratamento individual de esgoto do tipo fossa séptica seguido de
sumidouro para uma residência de 7 pessoas localizada em na região do semiárido
Nordestino no qual o teste de absorção de água no solo indicou um coeficiente de
infiltração (Ci) de 75,4 L/m2
/dia. Adotar outros parâmetros de projeto que achar necessário.
1. Dimensionamento da fossa séptica (ABNT - NBR n˚ 7.229/1993)
1.1. Dados do projeto e adotados:
Quantidade de pessoas = 7
Consumo de água = 150 L/pessoa.dia
1.2. Determinação do volume do tanque séptico de uma
câmara:
V = 1000 + N (C.T + K.Lf) (1)
Em que:
V = Volume útil, em litros
N = Número de pessoas ou unidades de contribuição
C = Contribuição de despejos, em litro/pessoa x dia ou em litro/unidade x
dia (Tabela 1)
T = Período de detenção, em dias (Tabela 2)
K = Taxa de acumulação de lodo digerido em dias, equivalente ao tempo
de acumulação de lodo fresco (Tabela 3)
Lf = Contribuição de lodo fresco, em litro/pessoa x dia (Tabela 1)
Tabela 1. Contribuição diária de esgoto (C) e de lodo fresco (Lf) por tipo de
prédio e de ocupante
Tabela 2. Período de detenção (T) dos despejos, por faixa de contribuição
diária
Tabela 3. Taxa de acumulação total de lodo (K), em dias, por intervalo entre
limpezas e temperaturas do mês mais frio
De acordo com as tabelas apresentadas e a eq. 1, pode-se calcular o
volume útil do tanque séptico.
V = 1000 + 7x(130 x 1 + 97 x 1)
V = 2589 Litros = 2,6 m3
1.3. Dimensões do tanque séptico
De acordo com a Tabela 4 determina-se a largura (L), comprimento (B) a
partir da altura (h) estimada em função do volume útil.
Tabela 4. Profundidade útil mínima e máxima por faixa de volume útil
1,20m ≤ h ≤ 2,20m para volume útil até 6,0m3
Adotado h=1,20m, considerando que o terreno apresenta dificuldade de
escavação. Usando uma relação empírica que estabelece a seguinte relação:
Largura x Base = 2,6/1,20 = 2,2m2
2,0 ≤ L/B ≤ 4,0
Adotando-se B = 0,80m, têm-se: L = 2,20/0,8 ⇒ L ≈ 2,7m.
2. Dimensionamento do sumidouro
2.1. Volume de contribuição de esgoto da residência:
Ve = 7 hab. X 150 L/hab./dia = 1.050 L/dia
2.2. Área das paredes do sumidouro (Af)
Af = Ve/Ci
Em que:
Ve = volume de contribuição de esgoto (L/dia);
Ci = coeficiente de infiltração de água no solo (75,4 L/m2
/dia);
Af = 1.050/75,4= 13,92 m2
2.3. Determinação da profundidade do sumidouro
Adotando o diâmetro de 1,5 m, temos:
Af = π x D x h
Em que:
D = diâmetro do sumidouro (m);
h = profundidade do sumidouro (m);
Af = área lateral do sumidouro (m2
)
13,92 = π x 1,5 x h
h = 2,95 m ≅ 3,0 m
Tabela 9. Dimensões do tanque séptico e sumidouro
Tipo
Largura/Diâmetro
(m)
Comprimento
(m)
Altura
(m)
Volume
(m3
)
Tanque Séptico 0,80 2,70 1,20 2,60
Sumidouro 1,50 - 3,00 5,30
3. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA
BRASIL. Fundação Nacional de Saúde. Manual de Saneamento. 3. ed. rev. –
Brasília. 2004, 408 p.
4. ANEXO
Figura 1. Detalhe executivo do tanque séptico prismático (fossa)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 4 instalações hidráulicas prediais - esgoto
Aula 4   instalações hidráulicas prediais - esgotoAula 4   instalações hidráulicas prediais - esgoto
Aula 4 instalações hidráulicas prediais - esgotoUniceuma
 
Aula 3 dimensionamento tratamento preliminar 2
Aula 3   dimensionamento tratamento preliminar 2Aula 3   dimensionamento tratamento preliminar 2
Aula 3 dimensionamento tratamento preliminar 2Giovanna Ortiz
 
Comandos e atalhos do autocad em inglês e português
Comandos e atalhos do autocad em inglês e portuguêsComandos e atalhos do autocad em inglês e português
Comandos e atalhos do autocad em inglês e portuguêsTharssia Baldasso
 
Fontes de Poluição Atmosférica
Fontes de Poluição AtmosféricaFontes de Poluição Atmosférica
Fontes de Poluição AtmosféricaRianne Balbino
 
Direito agrário contratos agrários
Direito agrário   contratos agráriosDireito agrário   contratos agrários
Direito agrário contratos agráriosNorberto Gonzaga
 
Nbr 15527 água_de_chuva_aproveitamento_de_coberturas_em_áreas_urbanas_para_fi...
Nbr 15527 água_de_chuva_aproveitamento_de_coberturas_em_áreas_urbanas_para_fi...Nbr 15527 água_de_chuva_aproveitamento_de_coberturas_em_áreas_urbanas_para_fi...
Nbr 15527 água_de_chuva_aproveitamento_de_coberturas_em_áreas_urbanas_para_fi...emsbarretos
 
Dimensionamento de pátio de compostagem
Dimensionamento de pátio de compostagemDimensionamento de pátio de compostagem
Dimensionamento de pátio de compostagemGiovanna Ortiz
 
5.aula instalações prediais de gás
5.aula instalações prediais de gás5.aula instalações prediais de gás
5.aula instalações prediais de gásLucia Mendes
 
Exercício de orifícios
Exercício de orifíciosExercício de orifícios
Exercício de orifíciosweder silva
 
Rede coletora de esgoto: Conceitos e Dimensionamento
Rede coletora de esgoto: Conceitos e DimensionamentoRede coletora de esgoto: Conceitos e Dimensionamento
Rede coletora de esgoto: Conceitos e DimensionamentoMateus Dezotti
 
Nbr 15575 1 - final requisitos gerais
Nbr 15575 1 - final requisitos geraisNbr 15575 1 - final requisitos gerais
Nbr 15575 1 - final requisitos geraisejfelix
 
Construções sustentáveis
Construções sustentáveisConstruções sustentáveis
Construções sustentáveisMaster Ambiental
 
Dimensionamento lagoa anaeróbia
Dimensionamento lagoa anaeróbiaDimensionamento lagoa anaeróbia
Dimensionamento lagoa anaeróbiaGiovanna Ortiz
 
Minicurso áreas degradadas mata ciliar
Minicurso áreas degradadas mata ciliarMinicurso áreas degradadas mata ciliar
Minicurso áreas degradadas mata ciliarSebastião Nascimento
 
Efeitos das queimadas para biodiversidade regional
Efeitos das queimadas para biodiversidade regionalEfeitos das queimadas para biodiversidade regional
Efeitos das queimadas para biodiversidade regionalADILSON RIBEIRO DE ARAUJO
 

Mais procurados (20)

Aula 4 instalações hidráulicas prediais - esgoto
Aula 4   instalações hidráulicas prediais - esgotoAula 4   instalações hidráulicas prediais - esgoto
Aula 4 instalações hidráulicas prediais - esgoto
 
Aula 3 dimensionamento tratamento preliminar 2
Aula 3   dimensionamento tratamento preliminar 2Aula 3   dimensionamento tratamento preliminar 2
Aula 3 dimensionamento tratamento preliminar 2
 
Comandos e atalhos do autocad em inglês e português
Comandos e atalhos do autocad em inglês e portuguêsComandos e atalhos do autocad em inglês e português
Comandos e atalhos do autocad em inglês e português
 
Fontes de Poluição Atmosférica
Fontes de Poluição AtmosféricaFontes de Poluição Atmosférica
Fontes de Poluição Atmosférica
 
Direito agrário contratos agrários
Direito agrário   contratos agráriosDireito agrário   contratos agrários
Direito agrário contratos agrários
 
Nbr 15527 água_de_chuva_aproveitamento_de_coberturas_em_áreas_urbanas_para_fi...
Nbr 15527 água_de_chuva_aproveitamento_de_coberturas_em_áreas_urbanas_para_fi...Nbr 15527 água_de_chuva_aproveitamento_de_coberturas_em_áreas_urbanas_para_fi...
Nbr 15527 água_de_chuva_aproveitamento_de_coberturas_em_áreas_urbanas_para_fi...
 
Dimensionamento de pátio de compostagem
Dimensionamento de pátio de compostagemDimensionamento de pátio de compostagem
Dimensionamento de pátio de compostagem
 
5.aula instalações prediais de gás
5.aula instalações prediais de gás5.aula instalações prediais de gás
5.aula instalações prediais de gás
 
Exercício de orifícios
Exercício de orifíciosExercício de orifícios
Exercício de orifícios
 
Nbr 7229
Nbr 7229Nbr 7229
Nbr 7229
 
Rede coletora de esgoto: Conceitos e Dimensionamento
Rede coletora de esgoto: Conceitos e DimensionamentoRede coletora de esgoto: Conceitos e Dimensionamento
Rede coletora de esgoto: Conceitos e Dimensionamento
 
Nbr 15575 1 - final requisitos gerais
Nbr 15575 1 - final requisitos geraisNbr 15575 1 - final requisitos gerais
Nbr 15575 1 - final requisitos gerais
 
Aula 9 uh belo monte
Aula 9 uh belo monteAula 9 uh belo monte
Aula 9 uh belo monte
 
Captação e Adutoras
Captação e AdutorasCaptação e Adutoras
Captação e Adutoras
 
Construções sustentáveis
Construções sustentáveisConstruções sustentáveis
Construções sustentáveis
 
Dimensionamento lagoa anaeróbia
Dimensionamento lagoa anaeróbiaDimensionamento lagoa anaeróbia
Dimensionamento lagoa anaeróbia
 
Manual georreferenciamento
Manual georreferenciamentoManual georreferenciamento
Manual georreferenciamento
 
Minicurso áreas degradadas mata ciliar
Minicurso áreas degradadas mata ciliarMinicurso áreas degradadas mata ciliar
Minicurso áreas degradadas mata ciliar
 
Efeitos das queimadas para biodiversidade regional
Efeitos das queimadas para biodiversidade regionalEfeitos das queimadas para biodiversidade regional
Efeitos das queimadas para biodiversidade regional
 
Nbr13969
Nbr13969Nbr13969
Nbr13969
 

Semelhante a Roteiro dimensionamento fossa_sumidouro (1)

Aula 8 dimensionamento de lodos ativados
Aula 8   dimensionamento de lodos ativadosAula 8   dimensionamento de lodos ativados
Aula 8 dimensionamento de lodos ativadosGiovanna Ortiz
 
Memorial fossa sumidouro
Memorial fossa sumidouroMemorial fossa sumidouro
Memorial fossa sumidourokso_01
 
Decantação exercícios
Decantação exercíciosDecantação exercícios
Decantação exercíciosGiovanna Ortiz
 
Dimensionamento unidades de decantação
Dimensionamento unidades de decantaçãoDimensionamento unidades de decantação
Dimensionamento unidades de decantaçãoGiovanna Ortiz
 
Aula Hidrologia - Método Racional
Aula Hidrologia - Método RacionalAula Hidrologia - Método Racional
Aula Hidrologia - Método RacionalLucas Sant'ana
 
Aula 3 dimensionamento
Aula 3 dimensionamentoAula 3 dimensionamento
Aula 3 dimensionamentoGiovanna Ortiz
 
Aula estudos basicos-drenagem-parte1-s (1)
Aula estudos basicos-drenagem-parte1-s (1)Aula estudos basicos-drenagem-parte1-s (1)
Aula estudos basicos-drenagem-parte1-s (1)Lucas Couto de Oliveira
 
PRF--Apresentacao--Atija Rachide.pptx
PRF--Apresentacao--Atija Rachide.pptxPRF--Apresentacao--Atija Rachide.pptx
PRF--Apresentacao--Atija Rachide.pptxabacardarosagodinho
 
Estudo de concepção de sistema de abastecimento de água
Estudo de concepção de sistema de abastecimento de águaEstudo de concepção de sistema de abastecimento de água
Estudo de concepção de sistema de abastecimento de águaluancaio_aguas
 
Hidro Aula 01 Apres
Hidro Aula 01 ApresHidro Aula 01 Apres
Hidro Aula 01 Apresguestb46743
 
Curso basico de formacao em manejo integrado de agua - Estacao Luz
Curso basico de formacao em manejo integrado de agua - Estacao LuzCurso basico de formacao em manejo integrado de agua - Estacao Luz
Curso basico de formacao em manejo integrado de agua - Estacao LuzFluxus Design Ecológico
 
produao-de-agua-vertedores_compress.pdf
produao-de-agua-vertedores_compress.pdfproduao-de-agua-vertedores_compress.pdf
produao-de-agua-vertedores_compress.pdfGuilhermeMartins339362
 
Reposição de aula tratamento preliminar
Reposição de aula   tratamento preliminarReposição de aula   tratamento preliminar
Reposição de aula tratamento preliminarGiovanna Ortiz
 
FENICAFE 2010 - Conceito de cobrança, legislação pertinente, breve apresentaç...
FENICAFE 2010 - Conceito de cobrança, legislação pertinente, breve apresentaç...FENICAFE 2010 - Conceito de cobrança, legislação pertinente, breve apresentaç...
FENICAFE 2010 - Conceito de cobrança, legislação pertinente, breve apresentaç...Revista Cafeicultura
 
Hidrograma_Unitario_Parte_2-2 (1).pdf
Hidrograma_Unitario_Parte_2-2 (1).pdfHidrograma_Unitario_Parte_2-2 (1).pdf
Hidrograma_Unitario_Parte_2-2 (1).pdfJliaMellaMassing
 
Dimensionamento de lodos ativados como pós tratamento de uasb
Dimensionamento de lodos ativados como pós tratamento de uasbDimensionamento de lodos ativados como pós tratamento de uasb
Dimensionamento de lodos ativados como pós tratamento de uasbGiovanna Ortiz
 

Semelhante a Roteiro dimensionamento fossa_sumidouro (1) (20)

Aula 8 dimensionamento de lodos ativados
Aula 8   dimensionamento de lodos ativadosAula 8   dimensionamento de lodos ativados
Aula 8 dimensionamento de lodos ativados
 
exercicio
exercicioexercicio
exercicio
 
Memorial fossa sumidouro
Memorial fossa sumidouroMemorial fossa sumidouro
Memorial fossa sumidouro
 
Decantação exercícios
Decantação exercíciosDecantação exercícios
Decantação exercícios
 
Dimensionamento unidades de decantação
Dimensionamento unidades de decantaçãoDimensionamento unidades de decantação
Dimensionamento unidades de decantação
 
Aula Hidrologia - Método Racional
Aula Hidrologia - Método RacionalAula Hidrologia - Método Racional
Aula Hidrologia - Método Racional
 
Aula 3 dimensionamento
Aula 3 dimensionamentoAula 3 dimensionamento
Aula 3 dimensionamento
 
Aula estudos basicos-drenagem-parte1-s (1)
Aula estudos basicos-drenagem-parte1-s (1)Aula estudos basicos-drenagem-parte1-s (1)
Aula estudos basicos-drenagem-parte1-s (1)
 
PRF--Apresentacao--Atija Rachide.pptx
PRF--Apresentacao--Atija Rachide.pptxPRF--Apresentacao--Atija Rachide.pptx
PRF--Apresentacao--Atija Rachide.pptx
 
Estudo de concepção de sistema de abastecimento de água
Estudo de concepção de sistema de abastecimento de águaEstudo de concepção de sistema de abastecimento de água
Estudo de concepção de sistema de abastecimento de água
 
Hidro Aula 01 Apres
Hidro Aula 01 ApresHidro Aula 01 Apres
Hidro Aula 01 Apres
 
Curso basico de formacao em manejo integrado de agua - Estacao Luz
Curso basico de formacao em manejo integrado de agua - Estacao LuzCurso basico de formacao em manejo integrado de agua - Estacao Luz
Curso basico de formacao em manejo integrado de agua - Estacao Luz
 
Saneamento Básico
Saneamento BásicoSaneamento Básico
Saneamento Básico
 
Trab projeto hidraulico
Trab projeto hidraulicoTrab projeto hidraulico
Trab projeto hidraulico
 
Aula método racional
Aula método racionalAula método racional
Aula método racional
 
produao-de-agua-vertedores_compress.pdf
produao-de-agua-vertedores_compress.pdfproduao-de-agua-vertedores_compress.pdf
produao-de-agua-vertedores_compress.pdf
 
Reposição de aula tratamento preliminar
Reposição de aula   tratamento preliminarReposição de aula   tratamento preliminar
Reposição de aula tratamento preliminar
 
FENICAFE 2010 - Conceito de cobrança, legislação pertinente, breve apresentaç...
FENICAFE 2010 - Conceito de cobrança, legislação pertinente, breve apresentaç...FENICAFE 2010 - Conceito de cobrança, legislação pertinente, breve apresentaç...
FENICAFE 2010 - Conceito de cobrança, legislação pertinente, breve apresentaç...
 
Hidrograma_Unitario_Parte_2-2 (1).pdf
Hidrograma_Unitario_Parte_2-2 (1).pdfHidrograma_Unitario_Parte_2-2 (1).pdf
Hidrograma_Unitario_Parte_2-2 (1).pdf
 
Dimensionamento de lodos ativados como pós tratamento de uasb
Dimensionamento de lodos ativados como pós tratamento de uasbDimensionamento de lodos ativados como pós tratamento de uasb
Dimensionamento de lodos ativados como pós tratamento de uasb
 

Mais de Vilobaldo Arquivila (9)

Hidro cap5-inf
Hidro cap5-infHidro cap5-inf
Hidro cap5-inf
 
Precipitação
PrecipitaçãoPrecipitação
Precipitação
 
Rotaçâo
RotaçâoRotaçâo
Rotaçâo
 
Em3 funcao sentencas
Em3 funcao  sentencasEm3 funcao  sentencas
Em3 funcao sentencas
 
Memorial discritivo PNHR
Memorial discritivo PNHRMemorial discritivo PNHR
Memorial discritivo PNHR
 
Manual aditivo cad 1lt
Manual aditivo cad 1ltManual aditivo cad 1lt
Manual aditivo cad 1lt
 
Documentação de engenharia
Documentação de engenhariaDocumentação de engenharia
Documentação de engenharia
 
Lista de documentos PNHR.
Lista de documentos PNHR.Lista de documentos PNHR.
Lista de documentos PNHR.
 
Guia track macker
Guia track mackerGuia track macker
Guia track macker
 

Último

AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024Consultoria Acadêmica
 
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGuilhermeLucio9
 
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxAE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxConsultoria Acadêmica
 
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfMateusSerraRodrigues1
 
AE03 - INFORMATICA INDUSTRIAL UNICESUMAR 51/2024
AE03 - INFORMATICA INDUSTRIAL UNICESUMAR 51/2024AE03 - INFORMATICA INDUSTRIAL UNICESUMAR 51/2024
AE03 - INFORMATICA INDUSTRIAL UNICESUMAR 51/2024Consultoria Acadêmica
 
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxjuliocameloUFC
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAMCassio Rodrigo
 

Último (7)

AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
 
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
 
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxAE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
 
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
 
AE03 - INFORMATICA INDUSTRIAL UNICESUMAR 51/2024
AE03 - INFORMATICA INDUSTRIAL UNICESUMAR 51/2024AE03 - INFORMATICA INDUSTRIAL UNICESUMAR 51/2024
AE03 - INFORMATICA INDUSTRIAL UNICESUMAR 51/2024
 
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
 

Roteiro dimensionamento fossa_sumidouro (1)

  • 1. Universidade Regional do Cariri – URCA Pró – Reitoria de Ensino de Graduação Coordenação da Construção Civil Disciplina: Saneamento Básico Professor: Renato de Oliveira Fernandes. Roteiro de dimensionamento de fossa séptica seguido de sumidouro (Metodologia: NBR 7.229/1993 e FUNASA) Considerações de projeto: Dimensionar o sistema de tratamento individual de esgoto do tipo fossa séptica seguido de sumidouro para uma residência de 7 pessoas localizada em na região do semiárido Nordestino no qual o teste de absorção de água no solo indicou um coeficiente de infiltração (Ci) de 75,4 L/m2 /dia. Adotar outros parâmetros de projeto que achar necessário. 1. Dimensionamento da fossa séptica (ABNT - NBR n˚ 7.229/1993) 1.1. Dados do projeto e adotados: Quantidade de pessoas = 7 Consumo de água = 150 L/pessoa.dia 1.2. Determinação do volume do tanque séptico de uma câmara: V = 1000 + N (C.T + K.Lf) (1) Em que: V = Volume útil, em litros N = Número de pessoas ou unidades de contribuição C = Contribuição de despejos, em litro/pessoa x dia ou em litro/unidade x dia (Tabela 1) T = Período de detenção, em dias (Tabela 2) K = Taxa de acumulação de lodo digerido em dias, equivalente ao tempo de acumulação de lodo fresco (Tabela 3) Lf = Contribuição de lodo fresco, em litro/pessoa x dia (Tabela 1)
  • 2. Tabela 1. Contribuição diária de esgoto (C) e de lodo fresco (Lf) por tipo de prédio e de ocupante Tabela 2. Período de detenção (T) dos despejos, por faixa de contribuição diária
  • 3. Tabela 3. Taxa de acumulação total de lodo (K), em dias, por intervalo entre limpezas e temperaturas do mês mais frio De acordo com as tabelas apresentadas e a eq. 1, pode-se calcular o volume útil do tanque séptico. V = 1000 + 7x(130 x 1 + 97 x 1) V = 2589 Litros = 2,6 m3 1.3. Dimensões do tanque séptico De acordo com a Tabela 4 determina-se a largura (L), comprimento (B) a partir da altura (h) estimada em função do volume útil. Tabela 4. Profundidade útil mínima e máxima por faixa de volume útil 1,20m ≤ h ≤ 2,20m para volume útil até 6,0m3 Adotado h=1,20m, considerando que o terreno apresenta dificuldade de escavação. Usando uma relação empírica que estabelece a seguinte relação: Largura x Base = 2,6/1,20 = 2,2m2 2,0 ≤ L/B ≤ 4,0
  • 4. Adotando-se B = 0,80m, têm-se: L = 2,20/0,8 ⇒ L ≈ 2,7m. 2. Dimensionamento do sumidouro 2.1. Volume de contribuição de esgoto da residência: Ve = 7 hab. X 150 L/hab./dia = 1.050 L/dia 2.2. Área das paredes do sumidouro (Af) Af = Ve/Ci Em que: Ve = volume de contribuição de esgoto (L/dia); Ci = coeficiente de infiltração de água no solo (75,4 L/m2 /dia); Af = 1.050/75,4= 13,92 m2 2.3. Determinação da profundidade do sumidouro Adotando o diâmetro de 1,5 m, temos: Af = π x D x h Em que: D = diâmetro do sumidouro (m); h = profundidade do sumidouro (m); Af = área lateral do sumidouro (m2 ) 13,92 = π x 1,5 x h h = 2,95 m ≅ 3,0 m Tabela 9. Dimensões do tanque séptico e sumidouro Tipo Largura/Diâmetro (m) Comprimento (m) Altura (m) Volume (m3 ) Tanque Séptico 0,80 2,70 1,20 2,60 Sumidouro 1,50 - 3,00 5,30 3. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA BRASIL. Fundação Nacional de Saúde. Manual de Saneamento. 3. ed. rev. – Brasília. 2004, 408 p.
  • 5. 4. ANEXO Figura 1. Detalhe executivo do tanque séptico prismático (fossa)