SlideShare uma empresa Scribd logo
Limites da sustentabilidade

• Vivemos um novo tempo.
• Não se trata mais de cuidar do meio
  ambiente, proteger o meio ambiente.
• Trata-se de não ultrapassar limites que
  colocam em risco a própria vida.
• Kofi Annan, secretário geral da ONU: o
  problema central da humanidade, hoje, não
  está no terrorismo; está nas mudanças
  climáticas já em curso e nos padrões globais
  insustentáveis de produção e consumo.
• Essas duas questões – diz ele – ameaçam a
  própria sobrevivência da espécie humana.
• Previsão do Painel Intergovernamental de
  Mudanças Climáticas: se as emissões de
  gases que intensificam o efeito estufa
  continuarem no ritmo atual, no século 21 a
  temperatura da terra se elevará entre 1,4 e
  5.8 graus Celsius; o nível dos oceanos
  subirá entre 18 e 59 centímetros; secas,
  inundações e outros desastres aumentarão.
Seja o que for que se faça, a temperatura subirá mais 1,3
  grau até 2050.
Para evitar que o aumento da temperatura vá além de 2
  graus, será preciso reduzir as atuais emissões em 66%.
Mas elas continuam aumentando.
• 2010 foi um dos dois anos mais quentes na
  história da Terra, junto com 2005.
• A cada ano os eventos extremos têm atingido
  centenas de milhões de pessoas, deixado centenas
  de milhares de mortos, prejuizos de centenas de
  bilhões de dólares.
• O Brasil já é o 11.o país em vítimas,
  principalmente no Sul, Nordeste e região serrana
  do Rio de Janeiro.
• Em 2010 as emissões de gases do efeito estufa no
  mundo estiveram acima de 30,4 bilhões de
  toneladas. Se ultrapassarem 32 bilhões de
  toneladas, não se conterá o aumento da
  temperatura em 2 graus.
• Os Estados Unidos respondem por cerca de 21%
  do total,mas a China já se tornou a maior
  emissora, com 24%.
• O Brasil já é o quarto maior emissor: mais de um
  bilhão de toneladas de CO2 (inventário de 1994) e
  mais de 30 milhões de toneladas de metano.
• Estudo do Banco Mundial aponta para o
  Brasil mais de dois bilhões de toneladas de
  carbono em 2004, cerca de 40% mais que os
  números do inventário brasileiro de 1994.
As nações do G8 emitiram 14,3 bilhões de
  toneladas, 2% mais que em 2000. E 45%
  acima de 1990 (quando deveriam estar 5,2%
  abaixo).
EUA emitiram 16,3% mais que em 1990 e
  1,6% mais que em 2000.
Só Alemanha, Inglaterra e França reduziram
  suas emissões.
• Mais de 50% das emissões brasileiras se
  devem a mudanças no uso do solo,
  desmatamentos e queimadas,
  principalmente na Amazônia.
• De 2000 para cá, o Brasil já desmatou mais
  de 150 mil km2.
• Agência Internacional de Energia: o consumo de
  energia no mundo aumentará 71% até 2030.
• N a China, crescerá 33% em uma década.
• Na Índia, mais 51% em uma década.
• Os países industrializados precisam reduzir suas
  emissões entre 60 e 80% até 2020;
• Esses países consomem metade da energia no
  mundo.
• Um habitante desses países consome em média 11
  vezes mais energia que um habitante dos países
  pobres.Mas a China já superou a Grã-Bretanha,
  França e Espanha em emissões per capita.
• O Protocolo de Kyoto, que regulamentou
  em 1997 a Convenção do Clima, de 1992,
  estabeleceu que os países industrializados
  reduzam suas emissões em 5,2% entre 2008
  e 2012.
• EUA não homologaram.
• O Protocolo vence em 2012. Japão, Rússia,
  Canadá e outros não querem prorrogar a
  única regra em vigor.
• Problema central: não temos nem
  instituições, nem regras universais, capazes
  de promover as mudanças necessárias na
  escala global.
• As reuniões de convenções da ONU exigem
  consenso para tomar decisões – dificílimos,
  por causa dos interesses contraditórios.
• Agência Internacional de Energia:
• No ritmo atual, o petróleo cairá de 38% da energia
  total para 33% em 2030.
• O carvão passará de 24 para 22%
• O gás aumentará de 24 para 26%
• Energias renováveis subirão de 8 para 9% do total.
• Energia nuclear passará de 2,532 bilhões de KWh
  (2003) para 3,299 bilhões de KWh
• Tecnologias em desenvolvimento:
• 1. sequestro e sepultamento de carbono no
  fundo do mar ou campos de petróleo
  esgotados;
• 2.células de combustível;
• 3. veículos híbridos;
• 4. energias eólica, solar, de marés,
  biocombustíveis.
• Al Gore: “Hoje, vivemos uma emergência
  planetária”;
• Rick Samans, presidente do Forum
  Econômico de Davos:
• “Estamos 15 anos atrasados”.
• “O desafio na área do clima é assustador”.
• Carlos Nobre (INPE e MCT):
• “Não há como reverter o quadro: a roda já
  está girando a uma velocidade tão alta que
  não dá mais para parar; talvez dê para
  diminuir a velocidade.”
• Sir Nicholas Stern, ex-economista-chefe do
  Banco Mundial, em relatório para o governo
  britânico:
• Mudanças climáticas poderão mergulhar a
  economia mundial na pior recessão global
  da história recente.
• Sir Nicholas: Os governos precisam
  enfrentar o problema reduzindo emissões de
  gases. Se nada for feito, seremos
  confrontados com um declínio que não
  acontece desde a Grande Depressão dos
  anos 30 e nos períodos das duas grandes
  guerras mundiais.
• A Agência Internacional de Energia prevê
  que serão necessários investimentos de
  US$45 trilhões nos próximos 15 anos em
  novas fontes de energia.
• Esses investimentos serão uma
  oportunidade de chegar a uma matriz
  energética com emissão zero. E será algo na
  direção oposta à de um declínio econômico.
• Custará menos enfrentar o problema que
  pagar o preço das consequências, se não o
  fizermos
Padrões de produção e consumo
• Relatório “Planeta Vivo 2006”:
• Estamos consumindo no mundo mais de
  30% além da capacidade de reposição do
  planeta nos recursos naturais.
• A “pegada ecológica da humanidade”, que
  mede o impacto sobre o planeta, triplicou
  desde 1961.
• Estamos deteriorando os ecossistemas
  naturais a um ritmo nunca visto na história
  da humanidade. Quase um terço das
  espécies conhecidas se extinguiu em três
  décadas.
• A biocapacidade da Terra constitui a
  quantidade de área biologicamente
  produtiva – zona de cultivo, pasto, floresta e
  pesca – disponível para atender às
  necessidades humanas.
• Cenário com base em previsões da ONU:
  em meio século, a exigência humana sobre
  a natureza será duas vezes superior à
  capacidade de produção da biosfera.
• É provável a exaustão dos ativos ecológicos
  e o colapso do ecossistema em larga escala.
• A pegada ecológica mundial já é de 14
  bilhões de hectares. Entre os países de
  pegada mais alta, a dos Estados Unidos é de
  2,8 bilhões. A da China, 2,15 bilhões. Da
  Índia, 802 milhões.Rússia, 631 milhões.
  Japão, 556 milhões. Brasil, 383 milhões.
• A pegada ecológica per capita dos EUA é
  de 9,6 hectares. Do Brasil, 2,1 (acima da
  disponibilidade média mundial).
• As populações de espécies tropicais diminuiram
  55%.
• A conversão de áreas para a agricultura é o fator
  principal de perda do habitat das espécies.
• Os manguezais, berçários de 65% das espécies de
  peixes tropicais, estão sendo degradados a um
  ritmo duas vezes superior ao das florestas
  tropicais.
• Mais de um terço da área global de manguezais foi
  perdido entre 1980 e 2000. Na América do Sul a
  perda foi de 50%.
• Alteração e retenção do fluxo fluvial para
  uso industrial, abastecimento doméstico,
  irrigação e energia hidrelétrica
  fragmentaram mais de metade dos maiores
  sistemas fluviais do mundo, representando
  83% do seu fluxo anual total. 52% foram
  afetados de forma moderada, 31%
  gravemente.
• A quantidade de água armazenada no
  mundo em reservatórios com barragens é no
  mínimo três vezes maior que a contida nos
  rios.
• De 15 a 35% das captações para irrigação
  não são sustentáveis.
• Em 2003, a pegada ecológica no mundo era
  de 2,2 hectares por pessoa, acima da
  disponibilidade média, de 1,8 hectare.
• Agravando o problema, relatórios do
  Programa das Nações Unidas para o
  Desenvolvimento (PNUD) dizem:
• Os países industrializados, com menos de
  20% da população mundial, concentram
  80% da produção, do consumo e da renda
  totais.
• As 3 pessoas mais ricas, juntas, têm ativos
  superiores ao PNB anual dos 48 países mais
  pobres, onde vivem 600 milhões de pessoas.
• 257 pessoas, com ativos superiores a US$1
  bilhão cada um, juntas têm mais que a renda
  anual conjunta de 45% da humanidade, 2,8
  bilhões de pessoas.
• PNUD: se todas as pessoas consumissem
  como norte-americanos, europeus ou
  japoneses, precisaríamos de mais dois ou
  três planetas para suprir os recursos e
  serviços naturais necessários.
• Vivemos uma crise de padrão civilizatório.
  Nossos modos de viver são insustentáveis,
  incompatíveis com os recursos do planeta,
  mesmo com mais de 800 milhões de
  pessoas passando fome e mais de 2,5
  bilhões abaixo da linha de pobreza (US$2
  por dia).
• Que se vai fazer ? Crescimento econômico,
  puro e simples, seria solução ?
• Edward Wilson: se o PNB mundial, hoje na
  faixa dos US$60 trilhões, tiver um
  crescimento moderado, de 3,5% ao ano,
  chegaria a 2050 com US$158 trilhões. Mas
  não chegará: não há recursos e serviços
  naturais para isso.
• Será indispensável praticar padrões de consumo
  que poupem recursos, não desperdicem recursos.
• As matrizes energéticas terão de ser reformuladas.
• Fatores e custos “ambientais” terão de estar no
  centro e no início de todas as políticas públicas e
  de todos os empreendimentos privados, para
  serem avaliados, aprovados ou não, atribuídos a
  quem os gera.
• Os princípios do poluidor/pagador e da
  precaução terão de ser obedecidos em tudo.
• O Brasil terá de construir uma estratégia
  que leve em conta mudanças climáticas e
  sustentabilidade dos padrões de produção e
  consumo.
Cenários para o Brasil
• Cenários traçados pelo INPE:
• Ao longo deste século, aumento de 6 a 8
  graus na temperatura na Amazônia.
• Aumento de 3 a 4 graus no Centro-Oeste.
• Influência nas outras regiões.
• Possível perda de 20 a 25% nos recursos
  hídricos do Semi-Árido.
• Embora seja o quarto maior emissor de gases do
  planeta mais de um bilhão de toneladas anuais de
  CO2 em 1994 e 30 milhões de toneladas de
  metano), o Brasil não aceita compromissos de
  redução.
• Argumentos:
• 1. Os países industrializados, que emitem há mais
  tempo e contribuiram mais para a concentração na
  atmosfera, ainda não cumpriram os seus
  compromissos.
• 2. Se aceitasse compromissos de redução,
  poderia comprometer o desenvolvimento
  econômico.
• Aceitar esses compromissos implica aceitar
  restrições à soberania no uso de recursos
  naturais.
• O Brasil deveria aceitar compromissos porque:
• Não aceitá-los é eticamente insustentável;
• O país já apresentou à convenção de mudanças do
  clima tese de que cada país deveria aceitar
  compromisso de redução proporcional à sua
  contribuição direta para o aumento da temperatura
  da Terra já comprovado.
• Não aceitando compromisso, o Brasil reforça o
  argumento de opositores do Protocolo de Kyoto –
  EUA e outros -, de que não aderem porque o
  Protocolo será ineficaz para combater mudanças
  climáticas se três dos cinco maiores emissores
  (Brasil, China e Índia) não tiverem metas de
  redução – ainda mais porque serão os responsáveis
  pelo maior aumento no consumo de energia nas
  próximas décadas.
• Além do mais, o Brasil já está sofrendo com
  mudanças climáticas e será uma das regiões mais
  atingidas, segundo os cientistas.
• Já tivemos um primeiro furacão.
• Secas extemporâneas têm gerado graves prejuízos
  para a agricultura e dificuldades progressivas no
  abastecimento de água das grandes cidades, como
  previu o IPCC.
• Temos tido graves problemas de inundações e
  deslizamentos em várias regiões.
• Estudo da Unicamp: o aumento de um grau na
  temperatura média de São Paulo e Norte do Paraná
  está inviabilizando nessas áreas o cultivo do café;
  a floração não chega a completar-se a afeta
  gravemente a produtividade; por isso a cultura está
  migrando para regiões altas de Minas Gerais,
• Pesquisas da Embrapa: o mesmo problema já está
  ocorrendo nas culturas de soja, feijão e milho.
• As novas condições parecem estar afetando
  também o fluxo hidrológico, com menor
  retenção de água em áreas desmatadas.
• A economia brasileira é altamente
  dependente de boas condições de clima.
• O Brasil assinou a Convenção do Clima em
  1992. Mas apenas 90 municípios têm
  instituições de defesa civil para atuar nos
  eventos extremos
Clima e Economia
• Já temos nível alto de emissão de metano na
  pecuária.
• Cada boi emite 57 quilos/ano (Embrapa).
• 205 milhões de bois emitem quase 12
  milhões de toneladas anuais.
• O metano é 21 vezes mais nocivo que o
  CO2.
Exportação virtual
• O Brasil é grande exportador “virtual”
  de água.
• Relatório da ONU (2002): para um quilo
  de carne bovina, 15 mil litros; suína, 8
  mil; de aves, 4 mil; cereais, 1.000 a 1.500.
• No atual modelo, precisamos exportar cada
  vez mais para equilibrar o balanço de
  pagamentos. Mas absorvendo sem
  remuneração os custos sociais e ambientais.
• E quase sem sair do lugar: em 1964,
  tínhamos 1% do comércio exterior; em
  1985, 1,5%; hoje, 1,08%.
• Não temos controle dos preços de
  exportação, ditados fora do país.
• Nem dos preços de importação, que
  agregam todos os fatores que interessam aos
  países industrializados: alto custo da mão-
  de-obra, da ciência, das tecnologias etc.
• Há produtos que exportamos hoje a valor
  real inferior ao da Grande Depressão.
• Precisamos construir nova estratégia: se
  serviços e recursos naturais são o fator
  escasso no mundo, hoje, precisamos colocar
  essa realidade no centro e no início de uma
  estratégia que os valorize e ajude a construir
  a sustentabilidade.
• O Brasil tem território continental, sol o ano
  todo, 13% da água superficial do planeta,
  pelo menos 15% da biodiversidade,
  possibilidade de matriz energética limpa e
• Robert Constanza e mais 13 cientistas da
  Universidade da Califórnia: se tivéssemos
  de substituir serviços e recursos naturais
  como fertilidade do solo, regulação do
  clima, fluxo hidrológico e outros (que nada
  nos custam) por ações humanas e
  tecnologias, eles custariam três vezes o
  produto bruto mundial de um ano.
• A comunicação precisa mudar. Precisa
  informar a sociedade permanentemente das
  questões em jogo e das soluções possíveis.
  Para que a sociedade, informada, se
  organize e passe a levar esses problemas
  para as campanhas eleitorais, exija dos
  candidatos que se posicionem.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Questão ambiental
Questão ambientalQuestão ambiental
Questão ambiental
PrismaTocantins
 
DICAS PARA ENEM - CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS
DICAS PARA ENEM - CIÊNCIAS HUMANAS  E SUAS TECNOLOGIAS DICAS PARA ENEM - CIÊNCIAS HUMANAS  E SUAS TECNOLOGIAS
DICAS PARA ENEM - CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS
Edmar Alves da Cruz
 
NOVA ORDEM AMBIENTAL
NOVA ORDEM AMBIENTALNOVA ORDEM AMBIENTAL
NOVA ORDEM AMBIENTAL
Marcelo Dores
 
Questões ambientais contemporâneas
Questões ambientais contemporâneasQuestões ambientais contemporâneas
Questões ambientais contemporâneas
Léo Miranda
 
Questão ambiental.
Questão ambiental.Questão ambiental.
Questão ambiental.
Douglas Gregorio
 
Mudança climática e desenvolvimento (PNUMA)
Mudança climática e desenvolvimento (PNUMA)Mudança climática e desenvolvimento (PNUMA)
Mudança climática e desenvolvimento (PNUMA)
csm-minionu2013
 
Princípios da Conferência de Estocolmo
Princípios da Conferência de EstocolmoPrincípios da Conferência de Estocolmo
Princípios da Conferência de Estocolmo
Débora Solsikke
 
Educação e desenvolvimento sustentável no século xxi
Educação e desenvolvimento sustentável no século xxiEducação e desenvolvimento sustentável no século xxi
Educação e desenvolvimento sustentável no século xxi
Fernando Alcoforado
 
In Sustentabilidade! Eis o "Momentum"
In Sustentabilidade! Eis o "Momentum"In Sustentabilidade! Eis o "Momentum"
In Sustentabilidade! Eis o "Momentum"
Laercio Bruno
 
Rio + 20 será que estaremos mais próximos de um sucesso
Rio +   20 será que estaremos mais próximos de um sucessoRio +   20 será que estaremos mais próximos de um sucesso
Rio + 20 será que estaremos mais próximos de um sucesso
Universidade Federal Fluminense
 
Poluição
 Poluição Poluição
Poluição
erika_cdias
 
Rio+20, economia verde
Rio+20, economia verdeRio+20, economia verde
Rio+20, economia verde
Alexandre Magrineli dos Reis
 
Meio Ambiente E PolíTica Internacional
Meio Ambiente E PolíTica InternacionalMeio Ambiente E PolíTica Internacional
Meio Ambiente E PolíTica Internacional
ceama
 
Resenha de Sustentabilidade - Keeping Track of our Changing Environment
Resenha de Sustentabilidade - Keeping Track of our Changing EnvironmentResenha de Sustentabilidade - Keeping Track of our Changing Environment
Resenha de Sustentabilidade - Keeping Track of our Changing Environment
Fundação Dom Cabral - FDC
 
Conferencias Do Clima
Conferencias Do ClimaConferencias Do Clima
Conferencias Do Clima
vallmachado
 
O ambiente, base da sustentabilidade
O ambiente, base da sustentabilidadeO ambiente, base da sustentabilidade
O ambiente, base da sustentabilidade
Adilson P Motta Motta
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
Antonio Carneiro
 
Pgaerna aula5
Pgaerna aula5Pgaerna aula5
Pgaerna aula5
Gilson Adao
 
Àtomos para a Paz e Desenvolvimento
Àtomos para a Paz e DesenvolvimentoÀtomos para a Paz e Desenvolvimento
Àtomos para a Paz e Desenvolvimento
Leonam Guimarães
 

Mais procurados (19)

Questão ambiental
Questão ambientalQuestão ambiental
Questão ambiental
 
DICAS PARA ENEM - CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS
DICAS PARA ENEM - CIÊNCIAS HUMANAS  E SUAS TECNOLOGIAS DICAS PARA ENEM - CIÊNCIAS HUMANAS  E SUAS TECNOLOGIAS
DICAS PARA ENEM - CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS
 
NOVA ORDEM AMBIENTAL
NOVA ORDEM AMBIENTALNOVA ORDEM AMBIENTAL
NOVA ORDEM AMBIENTAL
 
Questões ambientais contemporâneas
Questões ambientais contemporâneasQuestões ambientais contemporâneas
Questões ambientais contemporâneas
 
Questão ambiental.
Questão ambiental.Questão ambiental.
Questão ambiental.
 
Mudança climática e desenvolvimento (PNUMA)
Mudança climática e desenvolvimento (PNUMA)Mudança climática e desenvolvimento (PNUMA)
Mudança climática e desenvolvimento (PNUMA)
 
Princípios da Conferência de Estocolmo
Princípios da Conferência de EstocolmoPrincípios da Conferência de Estocolmo
Princípios da Conferência de Estocolmo
 
Educação e desenvolvimento sustentável no século xxi
Educação e desenvolvimento sustentável no século xxiEducação e desenvolvimento sustentável no século xxi
Educação e desenvolvimento sustentável no século xxi
 
In Sustentabilidade! Eis o "Momentum"
In Sustentabilidade! Eis o "Momentum"In Sustentabilidade! Eis o "Momentum"
In Sustentabilidade! Eis o "Momentum"
 
Rio + 20 será que estaremos mais próximos de um sucesso
Rio +   20 será que estaremos mais próximos de um sucessoRio +   20 será que estaremos mais próximos de um sucesso
Rio + 20 será que estaremos mais próximos de um sucesso
 
Poluição
 Poluição Poluição
Poluição
 
Rio+20, economia verde
Rio+20, economia verdeRio+20, economia verde
Rio+20, economia verde
 
Meio Ambiente E PolíTica Internacional
Meio Ambiente E PolíTica InternacionalMeio Ambiente E PolíTica Internacional
Meio Ambiente E PolíTica Internacional
 
Resenha de Sustentabilidade - Keeping Track of our Changing Environment
Resenha de Sustentabilidade - Keeping Track of our Changing EnvironmentResenha de Sustentabilidade - Keeping Track of our Changing Environment
Resenha de Sustentabilidade - Keeping Track of our Changing Environment
 
Conferencias Do Clima
Conferencias Do ClimaConferencias Do Clima
Conferencias Do Clima
 
O ambiente, base da sustentabilidade
O ambiente, base da sustentabilidadeO ambiente, base da sustentabilidade
O ambiente, base da sustentabilidade
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
 
Pgaerna aula5
Pgaerna aula5Pgaerna aula5
Pgaerna aula5
 
Àtomos para a Paz e Desenvolvimento
Àtomos para a Paz e DesenvolvimentoÀtomos para a Paz e Desenvolvimento
Àtomos para a Paz e Desenvolvimento
 

Destaque

Ejemplos
EjemplosEjemplos
Ejemplos
MELISSA MORNEO
 
Bryan e bernardo
Bryan e bernardoBryan e bernardo
Bryan e bernardo
ninha25
 
Alerj no Twitter
Alerj no TwitterAlerj no Twitter
Alerj no Twitter
Daniel Tiriba
 
Catalina calero
Catalina caleroCatalina calero
Catalina calero
cata1979
 
Slide blog nova terra
Slide blog nova terraSlide blog nova terra
Slide blog nova terranovaterra
 
Foro regional curriculum, mayo 2007
Foro regional curriculum, mayo 2007Foro regional curriculum, mayo 2007
Foro regional curriculum, mayo 2007
bustoslucia
 
Slaide ead 2011 ad1
Slaide ead 2011 ad1Slaide ead 2011 ad1
Slaide ead 2011 ad1
cederjbueno
 
Quem é especial fica. ubh
Quem é especial fica. ubhQuem é especial fica. ubh
Quem é especial fica. ubh
Luis Candeias
 
Clase Comunicación Eficaz 07 de Febrero 2012
Clase Comunicación Eficaz 07 de Febrero 2012Clase Comunicación Eficaz 07 de Febrero 2012
Clase Comunicación Eficaz 07 de Febrero 2012
RosanadeCastellon
 
Taller no 2 excel grados octavos
Taller no 2 excel grados octavosTaller no 2 excel grados octavos
Taller no 2 excel grados octavos
joseluissanchezceballos
 
Tema 3 laura m
Tema 3 laura mTema 3 laura m
Tema 3 laura m
lauracarlos2001
 
Evaluar
EvaluarEvaluar
Evaluar
efrenej
 
Acordo ortográfico com bonecos
Acordo ortográfico com bonecosAcordo ortográfico com bonecos
Acordo ortográfico com bonecos
gloriaoliveira
 
Presentación1
Presentación1Presentación1
Presentación1
Paul-Arias
 
Autoestima
AutoestimaAutoestima
Taxi living reklam
Taxi living reklamTaxi living reklam
Taxi living reklam
Aziz Murat Karakeçili
 
Ford falcon
Ford falconFord falcon
Ford falconNaytenS
 
Power point presentation xachapuri
Power point presentation xachapuriPower point presentation xachapuri
Power point presentation xachapuri
Nona Todua
 

Destaque (20)

Ejemplos
EjemplosEjemplos
Ejemplos
 
Bryan e bernardo
Bryan e bernardoBryan e bernardo
Bryan e bernardo
 
Alerj no Twitter
Alerj no TwitterAlerj no Twitter
Alerj no Twitter
 
Catalina calero
Catalina caleroCatalina calero
Catalina calero
 
Slide blog nova terra
Slide blog nova terraSlide blog nova terra
Slide blog nova terra
 
Foro regional curriculum, mayo 2007
Foro regional curriculum, mayo 2007Foro regional curriculum, mayo 2007
Foro regional curriculum, mayo 2007
 
山水畫題詩續集
山水畫題詩續集山水畫題詩續集
山水畫題詩續集
 
Slaide ead 2011 ad1
Slaide ead 2011 ad1Slaide ead 2011 ad1
Slaide ead 2011 ad1
 
Quem é especial fica. ubh
Quem é especial fica. ubhQuem é especial fica. ubh
Quem é especial fica. ubh
 
Clase Comunicación Eficaz 07 de Febrero 2012
Clase Comunicación Eficaz 07 de Febrero 2012Clase Comunicación Eficaz 07 de Febrero 2012
Clase Comunicación Eficaz 07 de Febrero 2012
 
sports portfolio
sports portfoliosports portfolio
sports portfolio
 
Taller no 2 excel grados octavos
Taller no 2 excel grados octavosTaller no 2 excel grados octavos
Taller no 2 excel grados octavos
 
Tema 3 laura m
Tema 3 laura mTema 3 laura m
Tema 3 laura m
 
Evaluar
EvaluarEvaluar
Evaluar
 
Acordo ortográfico com bonecos
Acordo ortográfico com bonecosAcordo ortográfico com bonecos
Acordo ortográfico com bonecos
 
Presentación1
Presentación1Presentación1
Presentación1
 
Autoestima
AutoestimaAutoestima
Autoestima
 
Taxi living reklam
Taxi living reklamTaxi living reklam
Taxi living reklam
 
Ford falcon
Ford falconFord falcon
Ford falcon
 
Power point presentation xachapuri
Power point presentation xachapuriPower point presentation xachapuri
Power point presentation xachapuri
 

Semelhante a Ambiental - Limites da sustentabilidade

XIII FICA Palestra Dra Luciana Martins
XIII FICA Palestra Dra Luciana MartinsXIII FICA Palestra Dra Luciana Martins
XIII FICA Palestra Dra Luciana Martins
Larissa Hipólito
 
As Conferencias em Defesa do Meio Ambiente.pdf
As Conferencias em Defesa do Meio Ambiente.pdfAs Conferencias em Defesa do Meio Ambiente.pdf
As Conferencias em Defesa do Meio Ambiente.pdf
Henrique Pontes
 
Geografia do Brasil - Meio ambiente - [www.gondim.net]
Geografia do Brasil - Meio ambiente - [www.gondim.net]Geografia do Brasil - Meio ambiente - [www.gondim.net]
Geografia do Brasil - Meio ambiente - [www.gondim.net]
Marco Aurélio Gondim
 
A Crise Ambiental e a Ascensão da China
A Crise Ambiental e a Ascensão da ChinaA Crise Ambiental e a Ascensão da China
A Crise Ambiental e a Ascensão da China
jsousa38
 
Desenvolvimento sustentável como instrumento para a paz
Desenvolvimento sustentável como instrumento para a pazDesenvolvimento sustentável como instrumento para a paz
Desenvolvimento sustentável como instrumento para a paz
Fernando Alcoforado
 
Manual de Etiqueta - Planeta Sustentável - 5º Ano
Manual de Etiqueta - Planeta Sustentável - 5º AnoManual de Etiqueta - Planeta Sustentável - 5º Ano
Manual de Etiqueta - Planeta Sustentável - 5º Ano
Vanise Potenciano Queiroz
 
O Desenvolvimento Sustentável Na Prática/ Pnuma
O Desenvolvimento Sustentável Na Prática/ PnumaO Desenvolvimento Sustentável Na Prática/ Pnuma
O Desenvolvimento Sustentável Na Prática/ Pnuma
Instituto Besc
 
Crise global vista como um furacão que se aproxima.ppt
Crise global vista como um furacão que se aproxima.pptCrise global vista como um furacão que se aproxima.ppt
Crise global vista como um furacão que se aproxima.ppt
gleicianedasilvasant1
 
Questão Ambiental
Questão AmbientalQuestão Ambiental
Questão Ambiental
Rogerio Silveira
 
A Sustentabilidade no Século XXI
A Sustentabilidade no Século XXIA Sustentabilidade no Século XXI
A Sustentabilidade no Século XXI
Lucas Amaral Lauriano
 
Geografia e meio ambiente profº charlles chafin
Geografia e meio ambiente   profº charlles chafinGeografia e meio ambiente   profº charlles chafin
Geografia e meio ambiente profº charlles chafin
Charlles Moreira
 
Países Ricos e Subdesenvolvidos - debate em geografia
Países Ricos e Subdesenvolvidos - debate em geografiaPaíses Ricos e Subdesenvolvidos - debate em geografia
Países Ricos e Subdesenvolvidos - debate em geografia
Charlles Moreira
 
Negociação sobre Mudanças Climáticas
Negociação sobre Mudanças ClimáticasNegociação sobre Mudanças Climáticas
Negociação sobre Mudanças Climáticas
Vitor Vieira Vasconcelos
 
COMO TORNAR REALIDADE A UTOPIA DO USO RACIONAL DOS RECURSOS DA NATUREZA NO MU...
COMO TORNAR REALIDADE A UTOPIA DO USO RACIONAL DOS RECURSOS DA NATUREZA NO MU...COMO TORNAR REALIDADE A UTOPIA DO USO RACIONAL DOS RECURSOS DA NATUREZA NO MU...
COMO TORNAR REALIDADE A UTOPIA DO USO RACIONAL DOS RECURSOS DA NATUREZA NO MU...
Faga1939
 
Como inventar o futuro para mudar o mundo
Como inventar o futuro para mudar o mundoComo inventar o futuro para mudar o mundo
Como inventar o futuro para mudar o mundo
Fernando Alcoforado
 
Climate reality Mudanças Globais e Crise da Água e do Clima
Climate reality Mudanças Globais e Crise da Água e do ClimaClimate reality Mudanças Globais e Crise da Água e do Clima
Climate reality Mudanças Globais e Crise da Água e do Clima
UN Joint Office of UNDP, UNFPA and UNICEF (Environment Energy and Disaster Prevention Unit)
 
Sustentabilidade e Responsabilidade Ambiental - Cenários e Tendências
Sustentabilidade e Responsabilidade Ambiental - Cenários e TendênciasSustentabilidade e Responsabilidade Ambiental - Cenários e Tendências
Sustentabilidade e Responsabilidade Ambiental - Cenários e Tendências
Tânnia Grigorieff
 
Revisão para enem 2011
Revisão para enem 2011Revisão para enem 2011
Revisão para enem 2011
alfredo1ssa
 
1º série reda cem - 10.9
1º série   reda cem -  10.91º série   reda cem -  10.9
1º série reda cem - 10.9
Paulo André Bezerra de Melo
 
Projeto recriar escolas
Projeto recriar escolasProjeto recriar escolas
Projeto recriar escolas
Míriam Morata Novaes
 

Semelhante a Ambiental - Limites da sustentabilidade (20)

XIII FICA Palestra Dra Luciana Martins
XIII FICA Palestra Dra Luciana MartinsXIII FICA Palestra Dra Luciana Martins
XIII FICA Palestra Dra Luciana Martins
 
As Conferencias em Defesa do Meio Ambiente.pdf
As Conferencias em Defesa do Meio Ambiente.pdfAs Conferencias em Defesa do Meio Ambiente.pdf
As Conferencias em Defesa do Meio Ambiente.pdf
 
Geografia do Brasil - Meio ambiente - [www.gondim.net]
Geografia do Brasil - Meio ambiente - [www.gondim.net]Geografia do Brasil - Meio ambiente - [www.gondim.net]
Geografia do Brasil - Meio ambiente - [www.gondim.net]
 
A Crise Ambiental e a Ascensão da China
A Crise Ambiental e a Ascensão da ChinaA Crise Ambiental e a Ascensão da China
A Crise Ambiental e a Ascensão da China
 
Desenvolvimento sustentável como instrumento para a paz
Desenvolvimento sustentável como instrumento para a pazDesenvolvimento sustentável como instrumento para a paz
Desenvolvimento sustentável como instrumento para a paz
 
Manual de Etiqueta - Planeta Sustentável - 5º Ano
Manual de Etiqueta - Planeta Sustentável - 5º AnoManual de Etiqueta - Planeta Sustentável - 5º Ano
Manual de Etiqueta - Planeta Sustentável - 5º Ano
 
O Desenvolvimento Sustentável Na Prática/ Pnuma
O Desenvolvimento Sustentável Na Prática/ PnumaO Desenvolvimento Sustentável Na Prática/ Pnuma
O Desenvolvimento Sustentável Na Prática/ Pnuma
 
Crise global vista como um furacão que se aproxima.ppt
Crise global vista como um furacão que se aproxima.pptCrise global vista como um furacão que se aproxima.ppt
Crise global vista como um furacão que se aproxima.ppt
 
Questão Ambiental
Questão AmbientalQuestão Ambiental
Questão Ambiental
 
A Sustentabilidade no Século XXI
A Sustentabilidade no Século XXIA Sustentabilidade no Século XXI
A Sustentabilidade no Século XXI
 
Geografia e meio ambiente profº charlles chafin
Geografia e meio ambiente   profº charlles chafinGeografia e meio ambiente   profº charlles chafin
Geografia e meio ambiente profº charlles chafin
 
Países Ricos e Subdesenvolvidos - debate em geografia
Países Ricos e Subdesenvolvidos - debate em geografiaPaíses Ricos e Subdesenvolvidos - debate em geografia
Países Ricos e Subdesenvolvidos - debate em geografia
 
Negociação sobre Mudanças Climáticas
Negociação sobre Mudanças ClimáticasNegociação sobre Mudanças Climáticas
Negociação sobre Mudanças Climáticas
 
COMO TORNAR REALIDADE A UTOPIA DO USO RACIONAL DOS RECURSOS DA NATUREZA NO MU...
COMO TORNAR REALIDADE A UTOPIA DO USO RACIONAL DOS RECURSOS DA NATUREZA NO MU...COMO TORNAR REALIDADE A UTOPIA DO USO RACIONAL DOS RECURSOS DA NATUREZA NO MU...
COMO TORNAR REALIDADE A UTOPIA DO USO RACIONAL DOS RECURSOS DA NATUREZA NO MU...
 
Como inventar o futuro para mudar o mundo
Como inventar o futuro para mudar o mundoComo inventar o futuro para mudar o mundo
Como inventar o futuro para mudar o mundo
 
Climate reality Mudanças Globais e Crise da Água e do Clima
Climate reality Mudanças Globais e Crise da Água e do ClimaClimate reality Mudanças Globais e Crise da Água e do Clima
Climate reality Mudanças Globais e Crise da Água e do Clima
 
Sustentabilidade e Responsabilidade Ambiental - Cenários e Tendências
Sustentabilidade e Responsabilidade Ambiental - Cenários e TendênciasSustentabilidade e Responsabilidade Ambiental - Cenários e Tendências
Sustentabilidade e Responsabilidade Ambiental - Cenários e Tendências
 
Revisão para enem 2011
Revisão para enem 2011Revisão para enem 2011
Revisão para enem 2011
 
1º série reda cem - 10.9
1º série   reda cem -  10.91º série   reda cem -  10.9
1º série reda cem - 10.9
 
Projeto recriar escolas
Projeto recriar escolasProjeto recriar escolas
Projeto recriar escolas
 

Mais de senaimais

Estratégias criativas de sustentabilidade
Estratégias criativas de sustentabilidadeEstratégias criativas de sustentabilidade
Estratégias criativas de sustentabilidade
senaimais
 
Planilha de Plataformas, Serviços e Produtos
Planilha de Plataformas, Serviços e ProdutosPlanilha de Plataformas, Serviços e Produtos
Planilha de Plataformas, Serviços e Produtos
senaimais
 
USANDO AS TENDÊNCIAS PARA ALAVANCAR A INDÚSTRIA DE CARNES
USANDO AS TENDÊNCIAS PARA ALAVANCAR A INDÚSTRIA DE CARNESUSANDO AS TENDÊNCIAS PARA ALAVANCAR A INDÚSTRIA DE CARNES
USANDO AS TENDÊNCIAS PARA ALAVANCAR A INDÚSTRIA DE CARNES
senaimais
 
Tecnologia laser - Potencial e oportunidades
Tecnologia laser - Potencial e oportunidadesTecnologia laser - Potencial e oportunidades
Tecnologia laser - Potencial e oportunidades
senaimais
 
Adaptando novas tecnologias para o processamento da carne
Adaptando novas tecnologias para o processamento da carne Adaptando novas tecnologias para o processamento da carne
Adaptando novas tecnologias para o processamento da carne
senaimais
 
Adaptando novas tecnologias para o processamento da carne - Tatiana Koutchma ...
Adaptando novas tecnologias para o processamento da carne - Tatiana Koutchma ...Adaptando novas tecnologias para o processamento da carne - Tatiana Koutchma ...
Adaptando novas tecnologias para o processamento da carne - Tatiana Koutchma ...
senaimais
 
Seminário chapecóset2012
Seminário chapecóset2012Seminário chapecóset2012
Seminário chapecóset2012
senaimais
 
Estratégias tecnológicas para a redução de sódio em produtos cárneos
Estratégias tecnológicas para a redução de sódio em produtos cárneos Estratégias tecnológicas para a redução de sódio em produtos cárneos
Estratégias tecnológicas para a redução de sódio em produtos cárneos
senaimais
 
Gestão de sistemas de segurança alimentar na indústria de alimentos
Gestão de sistemas de segurança alimentar na indústria de alimentosGestão de sistemas de segurança alimentar na indústria de alimentos
Gestão de sistemas de segurança alimentar na indústria de alimentos
senaimais
 
Melhorando a competitividade na indústria da carne
Melhorando a competitividade na indústria da carne Melhorando a competitividade na indústria da carne
Melhorando a competitividade na indústria da carne
senaimais
 
Carne de frango: perspectivas atuais e futuras - Fábio Nunes - Instituto Inte...
Carne de frango: perspectivas atuais e futuras - Fábio Nunes - Instituto Inte...Carne de frango: perspectivas atuais e futuras - Fábio Nunes - Instituto Inte...
Carne de frango: perspectivas atuais e futuras - Fábio Nunes - Instituto Inte...
senaimais
 
Produtos inovadores na Indústria da Carne - Ana Lúcia da Silva Corrêa Lemos -...
Produtos inovadores na Indústria da Carne - Ana Lúcia da Silva Corrêa Lemos -...Produtos inovadores na Indústria da Carne - Ana Lúcia da Silva Corrêa Lemos -...
Produtos inovadores na Indústria da Carne - Ana Lúcia da Silva Corrêa Lemos -...
senaimais
 
Produtos inovadores na Indústria da Carne - Ana Lúcia da Silva Corrêa Lemos -...
Produtos inovadores na Indústria da Carne - Ana Lúcia da Silva Corrêa Lemos -...Produtos inovadores na Indústria da Carne - Ana Lúcia da Silva Corrêa Lemos -...
Produtos inovadores na Indústria da Carne - Ana Lúcia da Silva Corrêa Lemos -...
senaimais
 
Como a computação em nuvem e tecnologias de brokering podem auxiliar os prove...
Como a computação em nuvem e tecnologias de brokering podem auxiliar os prove...Como a computação em nuvem e tecnologias de brokering podem auxiliar os prove...
Como a computação em nuvem e tecnologias de brokering podem auxiliar os prove...
senaimais
 
Materiais avançados: vinculação e transferência de tecnologia
Materiais avançados: vinculação e transferência de tecnologia Materiais avançados: vinculação e transferência de tecnologia
Materiais avançados: vinculação e transferência de tecnologia
senaimais
 
Cerâmica avançada: perspectivas de aplicação e desafios tecnológicos atuais e...
Cerâmica avançada: perspectivas de aplicação e desafios tecnológicos atuais e...Cerâmica avançada: perspectivas de aplicação e desafios tecnológicos atuais e...
Cerâmica avançada: perspectivas de aplicação e desafios tecnológicos atuais e...
senaimais
 
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústriasA Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
senaimais
 
Desenvolvimento de aços sinterizados autolubrificantes a seco para a lubrific...
Desenvolvimento de aços sinterizados autolubrificantes a seco para a lubrific...Desenvolvimento de aços sinterizados autolubrificantes a seco para a lubrific...
Desenvolvimento de aços sinterizados autolubrificantes a seco para a lubrific...
senaimais
 
Pesquisas em materiais poliméricos: tendências internacionais para o setor in...
Pesquisas em materiais poliméricos: tendências internacionais para o setor in...Pesquisas em materiais poliméricos: tendências internacionais para o setor in...
Pesquisas em materiais poliméricos: tendências internacionais para o setor in...
senaimais
 
Apresentação isi ist senai
Apresentação isi ist senaiApresentação isi ist senai
Apresentação isi ist senai
senaimais
 

Mais de senaimais (20)

Estratégias criativas de sustentabilidade
Estratégias criativas de sustentabilidadeEstratégias criativas de sustentabilidade
Estratégias criativas de sustentabilidade
 
Planilha de Plataformas, Serviços e Produtos
Planilha de Plataformas, Serviços e ProdutosPlanilha de Plataformas, Serviços e Produtos
Planilha de Plataformas, Serviços e Produtos
 
USANDO AS TENDÊNCIAS PARA ALAVANCAR A INDÚSTRIA DE CARNES
USANDO AS TENDÊNCIAS PARA ALAVANCAR A INDÚSTRIA DE CARNESUSANDO AS TENDÊNCIAS PARA ALAVANCAR A INDÚSTRIA DE CARNES
USANDO AS TENDÊNCIAS PARA ALAVANCAR A INDÚSTRIA DE CARNES
 
Tecnologia laser - Potencial e oportunidades
Tecnologia laser - Potencial e oportunidadesTecnologia laser - Potencial e oportunidades
Tecnologia laser - Potencial e oportunidades
 
Adaptando novas tecnologias para o processamento da carne
Adaptando novas tecnologias para o processamento da carne Adaptando novas tecnologias para o processamento da carne
Adaptando novas tecnologias para o processamento da carne
 
Adaptando novas tecnologias para o processamento da carne - Tatiana Koutchma ...
Adaptando novas tecnologias para o processamento da carne - Tatiana Koutchma ...Adaptando novas tecnologias para o processamento da carne - Tatiana Koutchma ...
Adaptando novas tecnologias para o processamento da carne - Tatiana Koutchma ...
 
Seminário chapecóset2012
Seminário chapecóset2012Seminário chapecóset2012
Seminário chapecóset2012
 
Estratégias tecnológicas para a redução de sódio em produtos cárneos
Estratégias tecnológicas para a redução de sódio em produtos cárneos Estratégias tecnológicas para a redução de sódio em produtos cárneos
Estratégias tecnológicas para a redução de sódio em produtos cárneos
 
Gestão de sistemas de segurança alimentar na indústria de alimentos
Gestão de sistemas de segurança alimentar na indústria de alimentosGestão de sistemas de segurança alimentar na indústria de alimentos
Gestão de sistemas de segurança alimentar na indústria de alimentos
 
Melhorando a competitividade na indústria da carne
Melhorando a competitividade na indústria da carne Melhorando a competitividade na indústria da carne
Melhorando a competitividade na indústria da carne
 
Carne de frango: perspectivas atuais e futuras - Fábio Nunes - Instituto Inte...
Carne de frango: perspectivas atuais e futuras - Fábio Nunes - Instituto Inte...Carne de frango: perspectivas atuais e futuras - Fábio Nunes - Instituto Inte...
Carne de frango: perspectivas atuais e futuras - Fábio Nunes - Instituto Inte...
 
Produtos inovadores na Indústria da Carne - Ana Lúcia da Silva Corrêa Lemos -...
Produtos inovadores na Indústria da Carne - Ana Lúcia da Silva Corrêa Lemos -...Produtos inovadores na Indústria da Carne - Ana Lúcia da Silva Corrêa Lemos -...
Produtos inovadores na Indústria da Carne - Ana Lúcia da Silva Corrêa Lemos -...
 
Produtos inovadores na Indústria da Carne - Ana Lúcia da Silva Corrêa Lemos -...
Produtos inovadores na Indústria da Carne - Ana Lúcia da Silva Corrêa Lemos -...Produtos inovadores na Indústria da Carne - Ana Lúcia da Silva Corrêa Lemos -...
Produtos inovadores na Indústria da Carne - Ana Lúcia da Silva Corrêa Lemos -...
 
Como a computação em nuvem e tecnologias de brokering podem auxiliar os prove...
Como a computação em nuvem e tecnologias de brokering podem auxiliar os prove...Como a computação em nuvem e tecnologias de brokering podem auxiliar os prove...
Como a computação em nuvem e tecnologias de brokering podem auxiliar os prove...
 
Materiais avançados: vinculação e transferência de tecnologia
Materiais avançados: vinculação e transferência de tecnologia Materiais avançados: vinculação e transferência de tecnologia
Materiais avançados: vinculação e transferência de tecnologia
 
Cerâmica avançada: perspectivas de aplicação e desafios tecnológicos atuais e...
Cerâmica avançada: perspectivas de aplicação e desafios tecnológicos atuais e...Cerâmica avançada: perspectivas de aplicação e desafios tecnológicos atuais e...
Cerâmica avançada: perspectivas de aplicação e desafios tecnológicos atuais e...
 
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústriasA Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
A Eficiência Energética para o aumento da competitividade das indústrias
 
Desenvolvimento de aços sinterizados autolubrificantes a seco para a lubrific...
Desenvolvimento de aços sinterizados autolubrificantes a seco para a lubrific...Desenvolvimento de aços sinterizados autolubrificantes a seco para a lubrific...
Desenvolvimento de aços sinterizados autolubrificantes a seco para a lubrific...
 
Pesquisas em materiais poliméricos: tendências internacionais para o setor in...
Pesquisas em materiais poliméricos: tendências internacionais para o setor in...Pesquisas em materiais poliméricos: tendências internacionais para o setor in...
Pesquisas em materiais poliméricos: tendências internacionais para o setor in...
 
Apresentação isi ist senai
Apresentação isi ist senaiApresentação isi ist senai
Apresentação isi ist senai
 

Último

Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 

Último (20)

Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 

Ambiental - Limites da sustentabilidade

  • 1. Limites da sustentabilidade • Vivemos um novo tempo. • Não se trata mais de cuidar do meio ambiente, proteger o meio ambiente. • Trata-se de não ultrapassar limites que colocam em risco a própria vida.
  • 2. • Kofi Annan, secretário geral da ONU: o problema central da humanidade, hoje, não está no terrorismo; está nas mudanças climáticas já em curso e nos padrões globais insustentáveis de produção e consumo. • Essas duas questões – diz ele – ameaçam a própria sobrevivência da espécie humana.
  • 3. • Previsão do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas: se as emissões de gases que intensificam o efeito estufa continuarem no ritmo atual, no século 21 a temperatura da terra se elevará entre 1,4 e 5.8 graus Celsius; o nível dos oceanos subirá entre 18 e 59 centímetros; secas, inundações e outros desastres aumentarão.
  • 4. Seja o que for que se faça, a temperatura subirá mais 1,3 grau até 2050. Para evitar que o aumento da temperatura vá além de 2 graus, será preciso reduzir as atuais emissões em 66%. Mas elas continuam aumentando.
  • 5. • 2010 foi um dos dois anos mais quentes na história da Terra, junto com 2005. • A cada ano os eventos extremos têm atingido centenas de milhões de pessoas, deixado centenas de milhares de mortos, prejuizos de centenas de bilhões de dólares. • O Brasil já é o 11.o país em vítimas, principalmente no Sul, Nordeste e região serrana do Rio de Janeiro.
  • 6. • Em 2010 as emissões de gases do efeito estufa no mundo estiveram acima de 30,4 bilhões de toneladas. Se ultrapassarem 32 bilhões de toneladas, não se conterá o aumento da temperatura em 2 graus. • Os Estados Unidos respondem por cerca de 21% do total,mas a China já se tornou a maior emissora, com 24%. • O Brasil já é o quarto maior emissor: mais de um bilhão de toneladas de CO2 (inventário de 1994) e mais de 30 milhões de toneladas de metano.
  • 7. • Estudo do Banco Mundial aponta para o Brasil mais de dois bilhões de toneladas de carbono em 2004, cerca de 40% mais que os números do inventário brasileiro de 1994.
  • 8. As nações do G8 emitiram 14,3 bilhões de toneladas, 2% mais que em 2000. E 45% acima de 1990 (quando deveriam estar 5,2% abaixo). EUA emitiram 16,3% mais que em 1990 e 1,6% mais que em 2000. Só Alemanha, Inglaterra e França reduziram suas emissões.
  • 9. • Mais de 50% das emissões brasileiras se devem a mudanças no uso do solo, desmatamentos e queimadas, principalmente na Amazônia. • De 2000 para cá, o Brasil já desmatou mais de 150 mil km2.
  • 10. • Agência Internacional de Energia: o consumo de energia no mundo aumentará 71% até 2030. • N a China, crescerá 33% em uma década. • Na Índia, mais 51% em uma década. • Os países industrializados precisam reduzir suas emissões entre 60 e 80% até 2020; • Esses países consomem metade da energia no mundo. • Um habitante desses países consome em média 11 vezes mais energia que um habitante dos países pobres.Mas a China já superou a Grã-Bretanha, França e Espanha em emissões per capita.
  • 11. • O Protocolo de Kyoto, que regulamentou em 1997 a Convenção do Clima, de 1992, estabeleceu que os países industrializados reduzam suas emissões em 5,2% entre 2008 e 2012. • EUA não homologaram. • O Protocolo vence em 2012. Japão, Rússia, Canadá e outros não querem prorrogar a única regra em vigor.
  • 12. • Problema central: não temos nem instituições, nem regras universais, capazes de promover as mudanças necessárias na escala global. • As reuniões de convenções da ONU exigem consenso para tomar decisões – dificílimos, por causa dos interesses contraditórios.
  • 13. • Agência Internacional de Energia: • No ritmo atual, o petróleo cairá de 38% da energia total para 33% em 2030. • O carvão passará de 24 para 22% • O gás aumentará de 24 para 26% • Energias renováveis subirão de 8 para 9% do total. • Energia nuclear passará de 2,532 bilhões de KWh (2003) para 3,299 bilhões de KWh
  • 14. • Tecnologias em desenvolvimento: • 1. sequestro e sepultamento de carbono no fundo do mar ou campos de petróleo esgotados; • 2.células de combustível; • 3. veículos híbridos; • 4. energias eólica, solar, de marés, biocombustíveis.
  • 15. • Al Gore: “Hoje, vivemos uma emergência planetária”;
  • 16. • Rick Samans, presidente do Forum Econômico de Davos: • “Estamos 15 anos atrasados”. • “O desafio na área do clima é assustador”.
  • 17. • Carlos Nobre (INPE e MCT): • “Não há como reverter o quadro: a roda já está girando a uma velocidade tão alta que não dá mais para parar; talvez dê para diminuir a velocidade.”
  • 18. • Sir Nicholas Stern, ex-economista-chefe do Banco Mundial, em relatório para o governo britânico: • Mudanças climáticas poderão mergulhar a economia mundial na pior recessão global da história recente.
  • 19. • Sir Nicholas: Os governos precisam enfrentar o problema reduzindo emissões de gases. Se nada for feito, seremos confrontados com um declínio que não acontece desde a Grande Depressão dos anos 30 e nos períodos das duas grandes guerras mundiais.
  • 20. • A Agência Internacional de Energia prevê que serão necessários investimentos de US$45 trilhões nos próximos 15 anos em novas fontes de energia.
  • 21. • Esses investimentos serão uma oportunidade de chegar a uma matriz energética com emissão zero. E será algo na direção oposta à de um declínio econômico. • Custará menos enfrentar o problema que pagar o preço das consequências, se não o fizermos
  • 22.
  • 23. Padrões de produção e consumo • Relatório “Planeta Vivo 2006”: • Estamos consumindo no mundo mais de 30% além da capacidade de reposição do planeta nos recursos naturais. • A “pegada ecológica da humanidade”, que mede o impacto sobre o planeta, triplicou desde 1961.
  • 24. • Estamos deteriorando os ecossistemas naturais a um ritmo nunca visto na história da humanidade. Quase um terço das espécies conhecidas se extinguiu em três décadas. • A biocapacidade da Terra constitui a quantidade de área biologicamente produtiva – zona de cultivo, pasto, floresta e pesca – disponível para atender às necessidades humanas.
  • 25. • Cenário com base em previsões da ONU: em meio século, a exigência humana sobre a natureza será duas vezes superior à capacidade de produção da biosfera. • É provável a exaustão dos ativos ecológicos e o colapso do ecossistema em larga escala.
  • 26. • A pegada ecológica mundial já é de 14 bilhões de hectares. Entre os países de pegada mais alta, a dos Estados Unidos é de 2,8 bilhões. A da China, 2,15 bilhões. Da Índia, 802 milhões.Rússia, 631 milhões. Japão, 556 milhões. Brasil, 383 milhões. • A pegada ecológica per capita dos EUA é de 9,6 hectares. Do Brasil, 2,1 (acima da disponibilidade média mundial).
  • 27. • As populações de espécies tropicais diminuiram 55%. • A conversão de áreas para a agricultura é o fator principal de perda do habitat das espécies. • Os manguezais, berçários de 65% das espécies de peixes tropicais, estão sendo degradados a um ritmo duas vezes superior ao das florestas tropicais. • Mais de um terço da área global de manguezais foi perdido entre 1980 e 2000. Na América do Sul a perda foi de 50%.
  • 28. • Alteração e retenção do fluxo fluvial para uso industrial, abastecimento doméstico, irrigação e energia hidrelétrica fragmentaram mais de metade dos maiores sistemas fluviais do mundo, representando 83% do seu fluxo anual total. 52% foram afetados de forma moderada, 31% gravemente.
  • 29. • A quantidade de água armazenada no mundo em reservatórios com barragens é no mínimo três vezes maior que a contida nos rios. • De 15 a 35% das captações para irrigação não são sustentáveis.
  • 30. • Em 2003, a pegada ecológica no mundo era de 2,2 hectares por pessoa, acima da disponibilidade média, de 1,8 hectare.
  • 31. • Agravando o problema, relatórios do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) dizem: • Os países industrializados, com menos de 20% da população mundial, concentram 80% da produção, do consumo e da renda totais.
  • 32. • As 3 pessoas mais ricas, juntas, têm ativos superiores ao PNB anual dos 48 países mais pobres, onde vivem 600 milhões de pessoas. • 257 pessoas, com ativos superiores a US$1 bilhão cada um, juntas têm mais que a renda anual conjunta de 45% da humanidade, 2,8 bilhões de pessoas.
  • 33. • PNUD: se todas as pessoas consumissem como norte-americanos, europeus ou japoneses, precisaríamos de mais dois ou três planetas para suprir os recursos e serviços naturais necessários.
  • 34. • Vivemos uma crise de padrão civilizatório. Nossos modos de viver são insustentáveis, incompatíveis com os recursos do planeta, mesmo com mais de 800 milhões de pessoas passando fome e mais de 2,5 bilhões abaixo da linha de pobreza (US$2 por dia).
  • 35. • Que se vai fazer ? Crescimento econômico, puro e simples, seria solução ? • Edward Wilson: se o PNB mundial, hoje na faixa dos US$60 trilhões, tiver um crescimento moderado, de 3,5% ao ano, chegaria a 2050 com US$158 trilhões. Mas não chegará: não há recursos e serviços naturais para isso.
  • 36. • Será indispensável praticar padrões de consumo que poupem recursos, não desperdicem recursos. • As matrizes energéticas terão de ser reformuladas. • Fatores e custos “ambientais” terão de estar no centro e no início de todas as políticas públicas e de todos os empreendimentos privados, para serem avaliados, aprovados ou não, atribuídos a quem os gera.
  • 37. • Os princípios do poluidor/pagador e da precaução terão de ser obedecidos em tudo. • O Brasil terá de construir uma estratégia que leve em conta mudanças climáticas e sustentabilidade dos padrões de produção e consumo.
  • 38. Cenários para o Brasil • Cenários traçados pelo INPE: • Ao longo deste século, aumento de 6 a 8 graus na temperatura na Amazônia. • Aumento de 3 a 4 graus no Centro-Oeste. • Influência nas outras regiões. • Possível perda de 20 a 25% nos recursos hídricos do Semi-Árido.
  • 39. • Embora seja o quarto maior emissor de gases do planeta mais de um bilhão de toneladas anuais de CO2 em 1994 e 30 milhões de toneladas de metano), o Brasil não aceita compromissos de redução. • Argumentos: • 1. Os países industrializados, que emitem há mais tempo e contribuiram mais para a concentração na atmosfera, ainda não cumpriram os seus compromissos.
  • 40. • 2. Se aceitasse compromissos de redução, poderia comprometer o desenvolvimento econômico. • Aceitar esses compromissos implica aceitar restrições à soberania no uso de recursos naturais.
  • 41. • O Brasil deveria aceitar compromissos porque: • Não aceitá-los é eticamente insustentável; • O país já apresentou à convenção de mudanças do clima tese de que cada país deveria aceitar compromisso de redução proporcional à sua contribuição direta para o aumento da temperatura da Terra já comprovado.
  • 42. • Não aceitando compromisso, o Brasil reforça o argumento de opositores do Protocolo de Kyoto – EUA e outros -, de que não aderem porque o Protocolo será ineficaz para combater mudanças climáticas se três dos cinco maiores emissores (Brasil, China e Índia) não tiverem metas de redução – ainda mais porque serão os responsáveis pelo maior aumento no consumo de energia nas próximas décadas.
  • 43. • Além do mais, o Brasil já está sofrendo com mudanças climáticas e será uma das regiões mais atingidas, segundo os cientistas. • Já tivemos um primeiro furacão. • Secas extemporâneas têm gerado graves prejuízos para a agricultura e dificuldades progressivas no abastecimento de água das grandes cidades, como previu o IPCC. • Temos tido graves problemas de inundações e deslizamentos em várias regiões.
  • 44. • Estudo da Unicamp: o aumento de um grau na temperatura média de São Paulo e Norte do Paraná está inviabilizando nessas áreas o cultivo do café; a floração não chega a completar-se a afeta gravemente a produtividade; por isso a cultura está migrando para regiões altas de Minas Gerais, • Pesquisas da Embrapa: o mesmo problema já está ocorrendo nas culturas de soja, feijão e milho.
  • 45. • As novas condições parecem estar afetando também o fluxo hidrológico, com menor retenção de água em áreas desmatadas. • A economia brasileira é altamente dependente de boas condições de clima.
  • 46. • O Brasil assinou a Convenção do Clima em 1992. Mas apenas 90 municípios têm instituições de defesa civil para atuar nos eventos extremos
  • 47. Clima e Economia • Já temos nível alto de emissão de metano na pecuária. • Cada boi emite 57 quilos/ano (Embrapa). • 205 milhões de bois emitem quase 12 milhões de toneladas anuais. • O metano é 21 vezes mais nocivo que o CO2.
  • 48. Exportação virtual • O Brasil é grande exportador “virtual” de água. • Relatório da ONU (2002): para um quilo de carne bovina, 15 mil litros; suína, 8 mil; de aves, 4 mil; cereais, 1.000 a 1.500.
  • 49. • No atual modelo, precisamos exportar cada vez mais para equilibrar o balanço de pagamentos. Mas absorvendo sem remuneração os custos sociais e ambientais. • E quase sem sair do lugar: em 1964, tínhamos 1% do comércio exterior; em 1985, 1,5%; hoje, 1,08%.
  • 50. • Não temos controle dos preços de exportação, ditados fora do país. • Nem dos preços de importação, que agregam todos os fatores que interessam aos países industrializados: alto custo da mão- de-obra, da ciência, das tecnologias etc. • Há produtos que exportamos hoje a valor real inferior ao da Grande Depressão.
  • 51. • Precisamos construir nova estratégia: se serviços e recursos naturais são o fator escasso no mundo, hoje, precisamos colocar essa realidade no centro e no início de uma estratégia que os valorize e ajude a construir a sustentabilidade. • O Brasil tem território continental, sol o ano todo, 13% da água superficial do planeta, pelo menos 15% da biodiversidade, possibilidade de matriz energética limpa e
  • 52. • Robert Constanza e mais 13 cientistas da Universidade da Califórnia: se tivéssemos de substituir serviços e recursos naturais como fertilidade do solo, regulação do clima, fluxo hidrológico e outros (que nada nos custam) por ações humanas e tecnologias, eles custariam três vezes o produto bruto mundial de um ano.
  • 53. • A comunicação precisa mudar. Precisa informar a sociedade permanentemente das questões em jogo e das soluções possíveis. Para que a sociedade, informada, se organize e passe a levar esses problemas para as campanhas eleitorais, exija dos candidatos que se posicionem.