SlideShare uma empresa Scribd logo
Seminário de Geologia
Prof: Alexandro do Vale
Seminário de Geologia

Degradação do solo: Erosão, Enchentes e
Desertificação
EQUIPE
Clenilton Matias Fernandes
Francisco Carlos Eduardo Fernandes
Maria da Conceição Linhares de Paula
Maria Elane Cavalcante Sales
Seminário de Geologia

Degradação do solo
Degradação do solo
Isso pode ser ocasionado por fatores químicos (perda
de nutrientes, acidificação, salinização, etc.). Fatores
físicos(
perda
de
estrutura,
diminuição
de
permeabilidade, etc.) E fatores biológicos (diminuição
de matéria orgânica )
Degradação do solo
 No

que consiste este problema ambiental?

Consiste em tudo aquilo que esta
relacionado com a destruição do solo, por
exemplo, a erosão, o empobrecimento
solo, a contaminação e a desertificação.
Estes problemas são considerados o mais
grave decorrente da degradação do solo.
Degradação do solo
Onde eles ocorrem?

Ocorre
geralmente em
áreas de
desmatamento e
em áreas
desérticas.
Degradação do solo
Por que eles ocorrem?
Esse problema ocorre quando há intervenção
humana, com destruição de florestas, o uso de
agrotóxicos, uso agrícola intensivo, a expansão
desordenada das cidades ou poluição orgânicas e
industriais.
Degradação solo
Quais os efeitos destes problemas ambientais
para o nosso dia a dia?
O problema é que o solo perde sua capacidade
de produção afetando a produção de alimentos, a
contaminação dos lençóis freáticos.
Degradação do solo
Como fazer para evitar a degradação do solo?
Diminuir o desmatamento,
evitar as queimadas e
utilizar o solo corretamente
para o cultivo.
Seminário de Geologia

Erosão
Erosão
A erosão é um processo de deslocamento e
transporte
de terra ou de rochas de uma
superfície. A erosão pode ocorrer por ação de
fenômenos da natureza ou do ser humano.
Erosão


Ações da natureza
podemos citar as chuvas como principal causadora da
erosão. Ao atingir o solo, em grande quantidade,
provoca deslizamentos, infiltrações e mudanças na
consistência do terreno
Erosão


Causas humanas
Ao retirar a cobertura vegetal de um solo, este perde sua
consistência, pois a água, que antes era absorvida pelas raízes
das árvores e plantas, passa a infiltrar no solo. Esta infiltração
pode causar a instabilidade do solo e a erosão.
Erosão
Atividades de mineração, de forma desordenada,
também podem provocar erosão.Ao retirar uma grande
quantidade de terra de uma jazida de minério, os solos
próximos podem perder sua estrutura de sustentação.
Erosão
 Formas

de evitar

• Não retirar coberturas vegetais de solos,
principalmente de regiões montanhosas
•Planejar qualquer tipo de construção (rodovias, prédios,
hidrelétricas, túneis, etc) para que não ocorra, no momento
ou futuramente, o deslocamento de terra
•Monitorar as mudanças que ocorrem no solo;
•Realizar o reflorestamento de áreas devastadas, principalmente em
regiões de encosta
Seminário de Geologia

Enchentes
Enchentes
No sertão cearense, com suas
variações de solo e clima,
sabe-se por séculos, que o
mais regular é ter chuvas
irregulares em quantidade e
distribuição espacial, com as
consequências sociais,
econômicas e financeiras
negativas para a população,
especialmente, do meio rural.
Enchentes
Nos últimos 61 anos, no Ceará, conforme dados do IBGE e
FUNCEME, ocorreram 21 anos com invernos normais, 19 anos
chuvosos (chuvas acima do normal) e 21 anos de seca. Considerouse nesta série, ano de seca, com chuvas entre 230,2 a 501,8 mm
(milímetros); inverno normal com chuvas de 519,4 a 703,4 mm; e ano
chuvoso, entre 704 a 1.211,4 mm.
Enchentes
Neste período, as maiores secas seguidas ocorreram entre 79 a 83 (5
anos) e, as de 53 e 54 além de 92 e 93. Os invernos normais ocorreram
em três anos seguidos (entre 76 a 78) e depois nos anos: 55-56, 59-60,
99-2000, 2003-2004, e 2006-2007. Bons invernos, por três anos
seguidos ocorreram de 63 a 65 e entre 73 a 75.
Enchentes


Com cinco anos de invernos normais, alguns produtores retiram seus
sustentos e acumulam bens (animais, carroça, motos, etc.) que, no
primeiro e/ou segundo ano de seca são obrigados a venderem para
manutenção da família, levando o PIB agropecuário a uma gangorra, e
cada vez menor.
Enchentes


Porém, para mais de 70 municípios do Ceará que nunca terão
agropecuária competitiva e sustentável, pela irregularidade climática e sem
possibilidade de irrigação, deixando a população insegura econômica e
socialmente, o Governo do Estado deveria estudar a possibilidade de criar
um programa de incentivo fiscal e tributário diferenciado, para atrair
indústrias e serviços urbanos, como forma de movimentar a economia.
Enchentes
De acordo com dados da Defesa Civil Nacional, 183.625
pessoas ficaram desabrigadas ou desalojadas no Norte e no
Nordeste em razão das enchentes de 2009.
Enchentes
Pouca absorção do solo e das raízes devido ao
desmatamento da vegetação de encostas dos rios
ocasionando o aumento do nível de água dos rios acima
do normal.
Degradação do solo, Erosão, Enchentes e Desertificação.
Seminário de Geologia

Desertificação
Desertificação


É caracterizado por um processo de degradação do solo nas
regiões áridas, semi-áridas e sub-úmidas secas, a desertificação é
um problema encarado em parte do Ceará
Desertificação
Causas

humanas

Maneira do cultivo agrícola e da pecuária, desmatamento desordenado,
queimadas em épocas de preparo do solo, manejo incorreto do solo
que acarreta a erosão.
Desertificação
 Refletem

na queda na
produtividade agrícola,
perda de biodiversidade,
perda de solo por erosão,
assoreamento do rios e
reservatórios, migração
da população e
agravamento dos
problemas sociais.
Desertificação


A grave seca de 2012 ajudou no agravamento da situação, A
vegetação perdeu completamente as folhas, solo ficou nu, houve
erosão eólica (com a falta de chuva ocasiona esse tipo de erosão).
Desertificação
As áreas cearenses que passam por esse processo foram
dividas em três núcleos, que somam 13 municípios
Degradação do solo, Erosão, Enchentes e Desertificação.
Degradação do solo, Erosão, Enchentes e Desertificação.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Manejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do SoloManejo e Conservação do Solo
Solos
SolosSolos
Impactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambienteImpactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambiente
laiszanatta
 
Ações humanas e alteracoes ambientais
Ações humanas e alteracoes ambientaisAções humanas e alteracoes ambientais
Ações humanas e alteracoes ambientais
Prof. Francesco Torres
 
Origem e formação do solo
Origem e formação do soloOrigem e formação do solo
Origem e formação do solo
Fabíola Mello
 
Impactos ambientais intensivo
Impactos ambientais intensivoImpactos ambientais intensivo
Impactos ambientais intensivo
BIOLOGIA Associação Pré-FEDERAL
 
Espaço rural e urbano
Espaço rural e urbanoEspaço rural e urbano
Espaço rural e urbano
Portal do Vestibulando
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
Maicon Azevedo
 
Agricultura
AgriculturaAgricultura
Agricultura mundial
Agricultura mundialAgricultura mundial
Agricultura mundial
Thamires Bragança
 
Erosões
ErosõesErosões
Ciêcias- A Erosão , tipos de erosão
Ciêcias- A Erosão , tipos de erosãoCiêcias- A Erosão , tipos de erosão
Ciêcias- A Erosão , tipos de erosão
Jaicinha
 
Mudanças Climáticas
Mudanças ClimáticasMudanças Climáticas
O Desmatamento
O DesmatamentoO Desmatamento
O Desmatamento
biodeise
 
Erosão
ErosãoErosão
Clima e tempo
Clima e tempoClima e tempo
Clima e tempo
Guilherme Drumond
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
Andre Luiz Nascimento
 
Vegetação Brasileira
Vegetação BrasileiraVegetação Brasileira
Vegetação Brasileira
Cleber Reis
 
7º ano unidade 5 - Região Norte
7º ano   unidade 5 - Região Norte7º ano   unidade 5 - Região Norte
7º ano unidade 5 - Região Norte
Christie Freitas
 
Origem da agricultura e revolução verde
Origem da agricultura e revolução verdeOrigem da agricultura e revolução verde
Origem da agricultura e revolução verde
igor-oliveira
 

Mais procurados (20)

Manejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do SoloManejo e Conservação do Solo
Manejo e Conservação do Solo
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Impactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambienteImpactos do homem sobre o meio ambiente
Impactos do homem sobre o meio ambiente
 
Ações humanas e alteracoes ambientais
Ações humanas e alteracoes ambientaisAções humanas e alteracoes ambientais
Ações humanas e alteracoes ambientais
 
Origem e formação do solo
Origem e formação do soloOrigem e formação do solo
Origem e formação do solo
 
Impactos ambientais intensivo
Impactos ambientais intensivoImpactos ambientais intensivo
Impactos ambientais intensivo
 
Espaço rural e urbano
Espaço rural e urbanoEspaço rural e urbano
Espaço rural e urbano
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Agricultura
AgriculturaAgricultura
Agricultura
 
Agricultura mundial
Agricultura mundialAgricultura mundial
Agricultura mundial
 
Erosões
ErosõesErosões
Erosões
 
Ciêcias- A Erosão , tipos de erosão
Ciêcias- A Erosão , tipos de erosãoCiêcias- A Erosão , tipos de erosão
Ciêcias- A Erosão , tipos de erosão
 
Mudanças Climáticas
Mudanças ClimáticasMudanças Climáticas
Mudanças Climáticas
 
O Desmatamento
O DesmatamentoO Desmatamento
O Desmatamento
 
Erosão
ErosãoErosão
Erosão
 
Clima e tempo
Clima e tempoClima e tempo
Clima e tempo
 
Biomas brasileiros
Biomas brasileirosBiomas brasileiros
Biomas brasileiros
 
Vegetação Brasileira
Vegetação BrasileiraVegetação Brasileira
Vegetação Brasileira
 
7º ano unidade 5 - Região Norte
7º ano   unidade 5 - Região Norte7º ano   unidade 5 - Região Norte
7º ano unidade 5 - Região Norte
 
Origem da agricultura e revolução verde
Origem da agricultura e revolução verdeOrigem da agricultura e revolução verde
Origem da agricultura e revolução verde
 

Semelhante a Degradação do solo, Erosão, Enchentes e Desertificação.

8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
Gilson Nachtigall
 
O problema e as consequências do desmatamento
O problema e as consequências do desmatamentoO problema e as consequências do desmatamento
O problema e as consequências do desmatamento
jorgeeerick
 
Desertificaçãopower point
Desertificaçãopower pointDesertificaçãopower point
Desertificaçãopower point
quimpreto
 
Poluição e agricultura
Poluição e agriculturaPoluição e agricultura
Poluição e agricultura
Denysson Amorim
 
Desertificação climátic alll
Desertificação climátic alllDesertificação climátic alll
Desertificação climátic alll
Atividades Diversas Cláudia
 
Thaisidoro e Jorge 2º g
Thaisidoro e Jorge 2º gThaisidoro e Jorge 2º g
Thaisidoro e Jorge 2º g
profgilvano
 
Geografia vol1
Geografia vol1Geografia vol1
Geografia vol1
Blaunier Matheus
 
Robson
RobsonRobson
Desertificação 9g
Desertificação  9gDesertificação  9g
Desertificação 9g
Mayjö .
 
Uso do Solo
Uso do SoloUso do Solo
Uso do Solo
vallmachado
 
maykon e carmem
maykon e carmemmaykon e carmem
maykon e carmem
maykonzinho e carmem
 
Aula 21 recuperação de áreas degradadas
Aula 21 recuperação de áreas degradadasAula 21 recuperação de áreas degradadas
Aula 21 recuperação de áreas degradadas
Homero Alves de Lima
 
Geo desertificação
Geo desertificaçãoGeo desertificação
Geo desertificação
PedroFrancisco84
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
Michael Douglas
 
Geografia a importancia da cobertura vegetal no processo de erosao e deserf...
Geografia   a importancia da cobertura vegetal no processo de erosao e deserf...Geografia   a importancia da cobertura vegetal no processo de erosao e deserf...
Geografia a importancia da cobertura vegetal no processo de erosao e deserf...
Gustavo Soares
 
Deterioração e erosão do solo
Deterioração e erosão do soloDeterioração e erosão do solo
Deterioração e erosão do solo
Adenilson Giovanini
 
Consequências do desmatamento
Consequências do desmatamentoConsequências do desmatamento
Consequências do desmatamento
andreacardoso28
 
Consequências do desmatamento
Consequências do desmatamentoConsequências do desmatamento
Consequências do desmatamento
andreacardoso28
 
CONHECENDO AS REGIÕES BRASILEIRAS ATRAVÉS DA ARTE
CONHECENDO AS REGIÕES BRASILEIRAS ATRAVÉS DA ARTECONHECENDO AS REGIÕES BRASILEIRAS ATRAVÉS DA ARTE
CONHECENDO AS REGIÕES BRASILEIRAS ATRAVÉS DA ARTE
Alcejane Souza
 
Desertificação 9a
Desertificação 9aDesertificação 9a
Desertificação 9a
Mayjö .
 

Semelhante a Degradação do solo, Erosão, Enchentes e Desertificação. (20)

8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
8 - A. A. Meio Terrestre - 23-11 (1).ppt
 
O problema e as consequências do desmatamento
O problema e as consequências do desmatamentoO problema e as consequências do desmatamento
O problema e as consequências do desmatamento
 
Desertificaçãopower point
Desertificaçãopower pointDesertificaçãopower point
Desertificaçãopower point
 
Poluição e agricultura
Poluição e agriculturaPoluição e agricultura
Poluição e agricultura
 
Desertificação climátic alll
Desertificação climátic alllDesertificação climátic alll
Desertificação climátic alll
 
Thaisidoro e Jorge 2º g
Thaisidoro e Jorge 2º gThaisidoro e Jorge 2º g
Thaisidoro e Jorge 2º g
 
Geografia vol1
Geografia vol1Geografia vol1
Geografia vol1
 
Robson
RobsonRobson
Robson
 
Desertificação 9g
Desertificação  9gDesertificação  9g
Desertificação 9g
 
Uso do Solo
Uso do SoloUso do Solo
Uso do Solo
 
maykon e carmem
maykon e carmemmaykon e carmem
maykon e carmem
 
Aula 21 recuperação de áreas degradadas
Aula 21 recuperação de áreas degradadasAula 21 recuperação de áreas degradadas
Aula 21 recuperação de áreas degradadas
 
Geo desertificação
Geo desertificaçãoGeo desertificação
Geo desertificação
 
Geografia
GeografiaGeografia
Geografia
 
Geografia a importancia da cobertura vegetal no processo de erosao e deserf...
Geografia   a importancia da cobertura vegetal no processo de erosao e deserf...Geografia   a importancia da cobertura vegetal no processo de erosao e deserf...
Geografia a importancia da cobertura vegetal no processo de erosao e deserf...
 
Deterioração e erosão do solo
Deterioração e erosão do soloDeterioração e erosão do solo
Deterioração e erosão do solo
 
Consequências do desmatamento
Consequências do desmatamentoConsequências do desmatamento
Consequências do desmatamento
 
Consequências do desmatamento
Consequências do desmatamentoConsequências do desmatamento
Consequências do desmatamento
 
CONHECENDO AS REGIÕES BRASILEIRAS ATRAVÉS DA ARTE
CONHECENDO AS REGIÕES BRASILEIRAS ATRAVÉS DA ARTECONHECENDO AS REGIÕES BRASILEIRAS ATRAVÉS DA ARTE
CONHECENDO AS REGIÕES BRASILEIRAS ATRAVÉS DA ARTE
 
Desertificação 9a
Desertificação 9aDesertificação 9a
Desertificação 9a
 

Mais de Carlos Eduardo

Diálogo com o campo do currículo de biologia
Diálogo com o campo do currículo de biologiaDiálogo com o campo do currículo de biologia
Diálogo com o campo do currículo de biologia
Carlos Eduardo
 
Entendendo a Ecologia
Entendendo a EcologiaEntendendo a Ecologia
Entendendo a Ecologia
Carlos Eduardo
 
Sistema Urogenital Humano - Equipe Aprendizes do Saber
Sistema Urogenital Humano - Equipe Aprendizes do SaberSistema Urogenital Humano - Equipe Aprendizes do Saber
Sistema Urogenital Humano - Equipe Aprendizes do Saber
Carlos Eduardo
 
Celula eucarionte animal
Celula eucarionte animalCelula eucarionte animal
Celula eucarionte animal
Carlos Eduardo
 
Incêndio na Boate Kiss e suas implicações no sistema respiratório
Incêndio na Boate Kiss e suas implicações no sistema respiratórioIncêndio na Boate Kiss e suas implicações no sistema respiratório
Incêndio na Boate Kiss e suas implicações no sistema respiratório
Carlos Eduardo
 
Célula eucarionte vegetal
Célula eucarionte vegetalCélula eucarionte vegetal
Célula eucarionte vegetal
Carlos Eduardo
 
Organologia Vegetal - Carlos Eduardo
Organologia Vegetal - Carlos EduardoOrganologia Vegetal - Carlos Eduardo
Organologia Vegetal - Carlos Eduardo
Carlos Eduardo
 
4 o fósforo no solo - ana paula
4 o fósforo no solo - ana paula4 o fósforo no solo - ana paula
4 o fósforo no solo - ana paula
Carlos Eduardo
 
3 o fósforo no solo - jhozenira
3 o fósforo no solo - jhozenira3 o fósforo no solo - jhozenira
3 o fósforo no solo - jhozenira
Carlos Eduardo
 
1 o fósforo no solo - pedro henrique
1 o fósforo no solo - pedro henrique1 o fósforo no solo - pedro henrique
1 o fósforo no solo - pedro henrique
Carlos Eduardo
 
O fósforo no solo carlos eduardo
O fósforo no solo   carlos eduardoO fósforo no solo   carlos eduardo
O fósforo no solo carlos eduardo
Carlos Eduardo
 
Seminário de Fisiologia Vegetal - Catingueira
Seminário de Fisiologia Vegetal - Catingueira Seminário de Fisiologia Vegetal - Catingueira
Seminário de Fisiologia Vegetal - Catingueira
Carlos Eduardo
 
Sistema esquelético do subfilo dos vertebrados
Sistema esquelético do subfilo dos vertebradosSistema esquelético do subfilo dos vertebrados
Sistema esquelético do subfilo dos vertebrados
Carlos Eduardo
 
Geotropismo carlos eduardo
Geotropismo   carlos eduardoGeotropismo   carlos eduardo
Geotropismo carlos eduardo
Carlos Eduardo
 
Tipos de algas
Tipos de algasTipos de algas
Tipos de algas
Carlos Eduardo
 
Alimentos orgânicos carlos eduardo
Alimentos orgânicos   carlos eduardoAlimentos orgânicos   carlos eduardo
Alimentos orgânicos carlos eduardo
Carlos Eduardo
 
Berne
Berne   Berne

Mais de Carlos Eduardo (17)

Diálogo com o campo do currículo de biologia
Diálogo com o campo do currículo de biologiaDiálogo com o campo do currículo de biologia
Diálogo com o campo do currículo de biologia
 
Entendendo a Ecologia
Entendendo a EcologiaEntendendo a Ecologia
Entendendo a Ecologia
 
Sistema Urogenital Humano - Equipe Aprendizes do Saber
Sistema Urogenital Humano - Equipe Aprendizes do SaberSistema Urogenital Humano - Equipe Aprendizes do Saber
Sistema Urogenital Humano - Equipe Aprendizes do Saber
 
Celula eucarionte animal
Celula eucarionte animalCelula eucarionte animal
Celula eucarionte animal
 
Incêndio na Boate Kiss e suas implicações no sistema respiratório
Incêndio na Boate Kiss e suas implicações no sistema respiratórioIncêndio na Boate Kiss e suas implicações no sistema respiratório
Incêndio na Boate Kiss e suas implicações no sistema respiratório
 
Célula eucarionte vegetal
Célula eucarionte vegetalCélula eucarionte vegetal
Célula eucarionte vegetal
 
Organologia Vegetal - Carlos Eduardo
Organologia Vegetal - Carlos EduardoOrganologia Vegetal - Carlos Eduardo
Organologia Vegetal - Carlos Eduardo
 
4 o fósforo no solo - ana paula
4 o fósforo no solo - ana paula4 o fósforo no solo - ana paula
4 o fósforo no solo - ana paula
 
3 o fósforo no solo - jhozenira
3 o fósforo no solo - jhozenira3 o fósforo no solo - jhozenira
3 o fósforo no solo - jhozenira
 
1 o fósforo no solo - pedro henrique
1 o fósforo no solo - pedro henrique1 o fósforo no solo - pedro henrique
1 o fósforo no solo - pedro henrique
 
O fósforo no solo carlos eduardo
O fósforo no solo   carlos eduardoO fósforo no solo   carlos eduardo
O fósforo no solo carlos eduardo
 
Seminário de Fisiologia Vegetal - Catingueira
Seminário de Fisiologia Vegetal - Catingueira Seminário de Fisiologia Vegetal - Catingueira
Seminário de Fisiologia Vegetal - Catingueira
 
Sistema esquelético do subfilo dos vertebrados
Sistema esquelético do subfilo dos vertebradosSistema esquelético do subfilo dos vertebrados
Sistema esquelético do subfilo dos vertebrados
 
Geotropismo carlos eduardo
Geotropismo   carlos eduardoGeotropismo   carlos eduardo
Geotropismo carlos eduardo
 
Tipos de algas
Tipos de algasTipos de algas
Tipos de algas
 
Alimentos orgânicos carlos eduardo
Alimentos orgânicos   carlos eduardoAlimentos orgânicos   carlos eduardo
Alimentos orgânicos carlos eduardo
 
Berne
Berne   Berne
Berne
 

Último

Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 

Degradação do solo, Erosão, Enchentes e Desertificação.

  • 1. Seminário de Geologia Prof: Alexandro do Vale
  • 2. Seminário de Geologia Degradação do solo: Erosão, Enchentes e Desertificação
  • 3. EQUIPE Clenilton Matias Fernandes Francisco Carlos Eduardo Fernandes Maria da Conceição Linhares de Paula Maria Elane Cavalcante Sales
  • 5. Degradação do solo Isso pode ser ocasionado por fatores químicos (perda de nutrientes, acidificação, salinização, etc.). Fatores físicos( perda de estrutura, diminuição de permeabilidade, etc.) E fatores biológicos (diminuição de matéria orgânica )
  • 6. Degradação do solo  No que consiste este problema ambiental? Consiste em tudo aquilo que esta relacionado com a destruição do solo, por exemplo, a erosão, o empobrecimento solo, a contaminação e a desertificação. Estes problemas são considerados o mais grave decorrente da degradação do solo.
  • 7. Degradação do solo Onde eles ocorrem? Ocorre geralmente em áreas de desmatamento e em áreas desérticas.
  • 8. Degradação do solo Por que eles ocorrem? Esse problema ocorre quando há intervenção humana, com destruição de florestas, o uso de agrotóxicos, uso agrícola intensivo, a expansão desordenada das cidades ou poluição orgânicas e industriais.
  • 9. Degradação solo Quais os efeitos destes problemas ambientais para o nosso dia a dia? O problema é que o solo perde sua capacidade de produção afetando a produção de alimentos, a contaminação dos lençóis freáticos.
  • 10. Degradação do solo Como fazer para evitar a degradação do solo? Diminuir o desmatamento, evitar as queimadas e utilizar o solo corretamente para o cultivo.
  • 12. Erosão A erosão é um processo de deslocamento e transporte de terra ou de rochas de uma superfície. A erosão pode ocorrer por ação de fenômenos da natureza ou do ser humano.
  • 13. Erosão  Ações da natureza podemos citar as chuvas como principal causadora da erosão. Ao atingir o solo, em grande quantidade, provoca deslizamentos, infiltrações e mudanças na consistência do terreno
  • 14. Erosão  Causas humanas Ao retirar a cobertura vegetal de um solo, este perde sua consistência, pois a água, que antes era absorvida pelas raízes das árvores e plantas, passa a infiltrar no solo. Esta infiltração pode causar a instabilidade do solo e a erosão.
  • 15. Erosão Atividades de mineração, de forma desordenada, também podem provocar erosão.Ao retirar uma grande quantidade de terra de uma jazida de minério, os solos próximos podem perder sua estrutura de sustentação.
  • 16. Erosão  Formas de evitar • Não retirar coberturas vegetais de solos, principalmente de regiões montanhosas •Planejar qualquer tipo de construção (rodovias, prédios, hidrelétricas, túneis, etc) para que não ocorra, no momento ou futuramente, o deslocamento de terra •Monitorar as mudanças que ocorrem no solo; •Realizar o reflorestamento de áreas devastadas, principalmente em regiões de encosta
  • 18. Enchentes No sertão cearense, com suas variações de solo e clima, sabe-se por séculos, que o mais regular é ter chuvas irregulares em quantidade e distribuição espacial, com as consequências sociais, econômicas e financeiras negativas para a população, especialmente, do meio rural.
  • 19. Enchentes Nos últimos 61 anos, no Ceará, conforme dados do IBGE e FUNCEME, ocorreram 21 anos com invernos normais, 19 anos chuvosos (chuvas acima do normal) e 21 anos de seca. Considerouse nesta série, ano de seca, com chuvas entre 230,2 a 501,8 mm (milímetros); inverno normal com chuvas de 519,4 a 703,4 mm; e ano chuvoso, entre 704 a 1.211,4 mm.
  • 20. Enchentes Neste período, as maiores secas seguidas ocorreram entre 79 a 83 (5 anos) e, as de 53 e 54 além de 92 e 93. Os invernos normais ocorreram em três anos seguidos (entre 76 a 78) e depois nos anos: 55-56, 59-60, 99-2000, 2003-2004, e 2006-2007. Bons invernos, por três anos seguidos ocorreram de 63 a 65 e entre 73 a 75.
  • 21. Enchentes  Com cinco anos de invernos normais, alguns produtores retiram seus sustentos e acumulam bens (animais, carroça, motos, etc.) que, no primeiro e/ou segundo ano de seca são obrigados a venderem para manutenção da família, levando o PIB agropecuário a uma gangorra, e cada vez menor.
  • 22. Enchentes  Porém, para mais de 70 municípios do Ceará que nunca terão agropecuária competitiva e sustentável, pela irregularidade climática e sem possibilidade de irrigação, deixando a população insegura econômica e socialmente, o Governo do Estado deveria estudar a possibilidade de criar um programa de incentivo fiscal e tributário diferenciado, para atrair indústrias e serviços urbanos, como forma de movimentar a economia.
  • 23. Enchentes De acordo com dados da Defesa Civil Nacional, 183.625 pessoas ficaram desabrigadas ou desalojadas no Norte e no Nordeste em razão das enchentes de 2009.
  • 24. Enchentes Pouca absorção do solo e das raízes devido ao desmatamento da vegetação de encostas dos rios ocasionando o aumento do nível de água dos rios acima do normal.
  • 27. Desertificação  É caracterizado por um processo de degradação do solo nas regiões áridas, semi-áridas e sub-úmidas secas, a desertificação é um problema encarado em parte do Ceará
  • 28. Desertificação Causas humanas Maneira do cultivo agrícola e da pecuária, desmatamento desordenado, queimadas em épocas de preparo do solo, manejo incorreto do solo que acarreta a erosão.
  • 29. Desertificação  Refletem na queda na produtividade agrícola, perda de biodiversidade, perda de solo por erosão, assoreamento do rios e reservatórios, migração da população e agravamento dos problemas sociais.
  • 30. Desertificação  A grave seca de 2012 ajudou no agravamento da situação, A vegetação perdeu completamente as folhas, solo ficou nu, houve erosão eólica (com a falta de chuva ocasiona esse tipo de erosão).
  • 31. Desertificação As áreas cearenses que passam por esse processo foram dividas em três núcleos, que somam 13 municípios