SlideShare uma empresa Scribd logo
Trabalho e Energia numa Mola
Engenharia Civil 1 N-E NGER120_003 - Física Experimental I
Edilson Gonzaga Pereira RA. 1305857-2
Eldon Nery de Avelar RA. 1301531-2
Elton Nery de Avelar RA. 1301541-2
FernandoFreitas Azevedo RA.1301549-2
Márcio Fernando Vieiro RA.1304015-2
Resumo:Dando continuidade a Lei de Hooke deduzida e enunciada no experimento anterior
“Força Elástica – comprovação experimental da lei de Hooke”. O experimento consiste no
cálculo e análise do trabalho e da troca de energia que ocorre quando uma mola é distendia
e posta a oscilar. Onde essaenergia é denominada energia Mecânica que é a soma da energia
potencial e cinética. O experimento ocorreu no laboratório de química no dia 06 de Setembro
de 2013, supervisionado pelo professor de Física André Paixão, onde ele nos mostrou de
forma simples e objetiva as etapas daexperiência. O grupo efetuou medições e discutiu
resultados.
Palavras – chaves:trabalho,energia cinética, energia potencial.
Introdução teórica
Energia
A energia esta relacionada à capacidade de
produzir movimento. No SI, sua unidade de
medida é joule [J], em homenagem a James
Prescott Joule (1818 -1889), físico inglês que
realizou estudos na área de transformação e
energia.
Um dos princípios básicos da física é a lei da
conservação da energiaque diz:
“A energia pode ser transformada ou transferida,
mas nunca criada ou destruída”.
A energia de modo geral se refere à
configuração (parte potencial) e à movimentação
(parte cinética) de qualquer sistema, tanto do
ponto de vista macroscópico, quanto microscópico.
Esta configuração e movimentação serão alteradas
durante as mudanças. Assim, as transferências ou
transformações promovidas pelas interações
(forças) podem ser analisadas observando-se as
modificações ocorridas na energia (configuração
e/ou movimentação) dos sistemas. Sabemos que
para a transferência de energia será necessária
“alguma coisa”, seja esta coisa uma onda, uma
partícula ou um sistema de partículas, e que esta
transferência será denominada de trabalho - se
envolver interações macroscópicas - ou de calor -
se envolver interações microscópicas (incluindo
aqui a radiação eletromagnética como uma forma
de calor).
Não é difícil de observar, em nosso cotidiano,
transformações de uma forma de energia em outra,
como:
No automóvel a energia química
armazenada no combustível é transformada
e energia de movimento, também
chamada de energia cinética.
Em uma usina hidrelétrica, a energia
mecânica da queda da água é
transformada em energia elétrica: esta,
quando é transportada até residências,
indústrias, etc., sofre alterações que podem
transformá-la em outra vez em energia
mecânica ou em energia luminosa,
sonora, térmica, etc.
Energia Mecânica
A energia mecânica [Emec] é a soma de dois
tipos de energia: Potencial e Cinética.
Energia Potencial [Ep]. Aquela que se
encontra armazenada num determinado
sistema e que pode ser utilizada a qualquer
momento para a realização de uma tarefa.
Existem dois tipos de energia
potencial na Mecânica: elástica e
gravitacional.
Toda vez que um sistema é
constituído por um corpo associado a uma
mola ou outro corpo elástico, sua energia
potencial é denominada elástica.
Unicesumar – Centro Universitário Cesumar
Um sistema constituído por um corpo e pela terra
ou outro astro pode armazenar energia potencial
gravitacional.
Energia cinética [Ec]. Aquela que se
manifesta nos corpos em movimento. Ela pode
ser calculada pela relação:
Ec = ½ * m*v²
Onde:
EC=Energia cinética – dada em joule [J].
M = massa do corpo – dado em quilograma [Kg].
V=velocidade do corpo – dado em metros por
segundos [M/s].
Quando um corpo está em queda livre,
verificamos que, durante o movimento, a energia
potencial vai se transformando em energia cinética,
nesse caso, dizemos que o sistema possui energia
potencial e cinética. Resumindo:
Emec = Ep + Ec
Energia Potencial Gravitacional
É definida como energia potencial
gravitacional a forma de energia associada à
posição em relação a um referencial, sendo que
neste caso, há a interação gravitacional entre a
Terra e um determinado corpo.
Uma energia potencial ou energia armazenada
por um corpo pode ser traduzida como
a capacidade que este corpo detém de
realizar trabalho.Trata-se de uma energia associada
ao estado de separação entre dois objetos que se
atraem mutuamente através da força gravitacional.
Dessa forma, quando elevamos um corpo de massa
m a certa altura h, transferimos energia para o
corpo na forma de trabalho. Com a acumulação de
energia, o corpo transforma a energia potencial em
energia cinética, que quando liberado o corpo,
possui tendência a voltar à sua posição inicial.
Todo corpo em queda livre está sujeito a uma
mesma aceleração de direção vertical e sentido
para baixo. Esta aceleração recebe o nome
de aceleração gravitacional (g) que tem um valor
aproximado de 9,8 m/s2
na Terra. A força resultante
neste movimento é a força peso (P=m.g) e o
trabalho desta força é igual a energia potencial
gravitacional. Logo, quando um corpo é liberado, a
força peso realiza trabalho e a energia potencial
gravitacional se transforma emenergia cinética.
A energia potencial gravitacional de um corpo
que se encontra a uma altura h do solo é dada por:
Epg = m*g*h
Onde:
Epg = energia potencial gravitacional – dada em
joule [J].
M= massa do corpo - dada em quilograma [Kg]
g = gravidade – dada emmetro por segundo ao
quadrado [M/s²]
h=altura do corpo – dado em metros [M].
Caso seja aplicada uma força contra o peso
para que determinado corpo suba, ele então recebe
uma energia potencial maior. O acréscimo desta
energia será igual ao trabalho aplicado em direção
ao corpo, o que permite concluir que o trabalho
realizado sobre o corpo é igual a variação da
energia potencial sofrida pelo corpo. Do mesmo
modo, a aplicação de um trabalho negativo sob o
mesmo corpo significa o aumento da energia
potencial.
Energia Potencial Elástica
Assim como a energia cinética, é associada ao
conceito de movimento e à energia potencial
gravitacional ao conceito de altura de uma partícula
em relação a um determinado plano de referência.
A energia associada à deformação de um corpo
recebe o nome de energia potencial elástica.
Se considerarmos que uma mola apresenta
comportamento ideal, toda energia que ela recebe
para se deformar a mola é necessária à realização
de um trabalho que é igual à energia potencial
elástica. Podemos escrever que a energia potencial
acumulada nessa mola como:
Epe=k*x²/2
Onde:
Epe=Energia Potencial Elástica dada em Joule [J].
k= representa a constante elástica da mola dada
em Newton por metro[N/M].
x = deformação da mola dada em metro [M].
Trabalho da força Elástica
Em Física, podemos definir o trabalho
representado pela letra W como sendo "a medida
da energia gasta ou transferida em um fenômeno
físico provocado pela aplicação de uma força
qualquer". O trabalho é diretamente proporcional à
força aplicada e ao deslocamento x, sendosua
definição matemática:
W = F * x
Supondo o corpo em movimento, uma força
pode ser aplicada de modo a favorecer o
deslocamento (no mesmo sentido) ou de modo a
desfavorecê-lo (no sentido oposto). Decorrente
disso, classificamos o trabalho em motor (força
aplicada no sentido do deslocamento) e resistente
(força aplicada no sentido oposto ao
deslocamento). Matematicamente temos que:
W = F * x
trabalho motor
W = -F * x
trabalho resistente
Como a unidade de força é o Newton (N) e
o deslocamento é metro (m), dimensionalmente
que a unidade de trabalho é [N/m], mas essa
unidade recebe um nome especial: Joule,
representado por [J].
A definição matemática vista acima é
utilizada para uma força constante e paralela ao
deslocamento. Caso a força seja constante, mas
não seja paralela ao deslocamento, devemos
calcularsuas componentes horizontal (eixo x) e
vertical (eixo y), e utilizar no cálculo aquela que
provoca o movimento, pois só há trabalho se
houver variação de posição. Utilizando as relações
trigonométricas, é facilmente dedutível que o
trabalho de uma força não paralela ao
deslocamento é dado por:
O trabalho é matematicamente definido
como sendo o produto entre a força e o
deslocamento do corpo. Aplicando essa definição
para duas forças em particular: o peso e a força
elástica.
Como o peso é calculado através do produto
entre a massa do corpo e a aceleração da
gravidade, é facilmente dedutível que a definição
matemática para o trabalho do peso é:
W = ±P*h
Ou
W = ±m*g*h
Os sinais, positivo e negativo servem para
indicar se o trabalho é motor (+) ou resistente (-).
Caso o corpo esteja caindo, o trabalho será motor,
pois a força peso e o deslocamento estarão no
mesmo sentido; caso o corpo esteja subindo o
trabalho será resistente, pois a força peso e o
deslocamento estarão em sentidos opostos.
A força elástica é uma força variável. Quanto
maior a deformação de uma mola, por exemplo,
maior será à força de restituição (força elástica)
que surgirá nela. Portanto para calcular o trabalho
da força elástica devemos utilizar a propriedade
gráfica (cálculo da área). Veja a dedução
matemática para o trabalho da força peso:
Como a área de um triângulo é dada por:
A = BASE * ALTURA
2
Então
W= DEFORMAÇÃO * FORÇA
2
W= K*x*x W=±K*x²
2 2
Força no sentido do deslocamento W>0
Força no sentido oposto ao deslocamento W<0
Fx = F.cos.α
α
Fx
FR
Fy
DESLOCAMENTO
W = FX*X W = FX*X*cosα
K.X
X0
A
DEFORMAÇÃO
FORÇA
Procedimento Experimental
Material utilizado
Para a realização do experimento foi necessário
os seguintes materiais:
A. Tripé
B. Sapatas niveladoras
C. Uma mola helicoidal
D. Conjunto de massas acopláveis de 50g
E. Gancho lastro
F. Perfil universal com escala milimétrica
G. Suporte fixo para associação de molas
Montagem do equipamento
Execute a montagem do aparelho
conforme a figura 1;
Nivele o aparelho através das sapatas
niveladoras [B];
Procedimento (1)
Cálculo do trabalho W realizado no
gráfico,Força [F] versus deformação[x] no
experimento anterior (“Força Elástica –
comprovação experimental da lei de Hooke”).
Procedimento (2)
Coloque o gancho lastro suspenso numa
das molas cuja constante elástica já
tenha sido determinada, anotando o
respectivo valor de K;
Anote a posição ocupada pela parte
inferior do lastro, este X0 será o nível de
referencia para o experimento.
Resultados e Discussões
Resultado experimental (1)
Cálculo do trabalho W realizado no gráfico,Força
[F] versus deformação[x] no experimento
anterior (“Força Elástica – comprovação
experimental da lei de Hooke”).
Para calcular o trabalho realizado pelo
agente que aplicou a força F do gráfico devemos
utilizar a propriedade gráfica (cálculo da área).
Utilizando-se da introdução teórica sobre o
trabalho na força elástica temos:
A = BASE * ALTURA
2
Então
W= DEFORMAÇÃO X FORÇA
2
W= K*x*x W=± K*x²
2 2
Como a força aplicada é no sentidodo
deslocamento então o W>0,então temos;
K = 20 [N] (já calculada)
X = 0,10 [M]
Dada a equaçãoW=K*x²e substituindo;
2
W=20*(0.10)2
W= 0,1 joule [J]
2
O trabalho W realizado pela força F para
deslocar o corpo da posição 0 até a posição final
x foi de 0,1 [J].
Resultado experimental (2)
Figura 1.Material Utilizado
ontagem do experimento
X(m)
0,5
1,0
1,5
2,0
0 0,1000,050 0,0750,025
F (N)
A
[A]
onta
gem
do
expe
rime
nto
[B]
onta
gem
do
expe
rime
nto
[F]
onta
gem
do
expe
rime
nto
[D]
onta
gem
do
expe
rime
nto
[E]
onta
gem
do
expe
rime
nto
[C]
onta
gem
do
expe
rime
nto
[G]
onta
gem
do
expe
rime
nto
Gráfico 1. Força x deformação
ontagem do experimento
Tomando os valores adquiridos no procedimento
(2) então temos:
Constante K da mola = 20 [N]
Nível de referência X0 = 0,45 [M]
Ao adicionarmos uma massa móvel com
peso de 0,5 [N] ao lastro obteve-se a elongação
(amplitude) = 0,025 [M].
A partir desses valores podemos calcular o
trabalho W realizado pela força peso de 0,5 [N]
ao distender a mola, através da equação:
W = F.x
Onde;
W = trabalho da força peso [J]
F = força peso[N/M]
X = deslocamento [M]
W=? F=0,5[N]x=0,025[M]
W = 0,5 *(0,025)
W = 0,0125 [J]
A Força peso é aplicada pelo campo
gravitacional da terrestre, logo, o trabalho para
deslocar a mola também e realizado pelo campo
gravitacional terrestre. Para realizar o trabalho
houve a necessidade de transitar energia pelo
sistema, essa energia veio do campo
gravitacional terrestre que se armazenou no
corpo suspenso na mola, ou seja, veio da força
peso e essa energia denomina-se Energia
Potencial Gravitacional, como já visto na
introdução teórica e podendo ser calculada
através da equação:Epg= m.g.h
Onde;
Epg = Energia Potencial Gravitacional [J]
M = massa [Kg]
g = gravidade[M/s²]
h = deslocamento (altura) [M]
Epg=?m=0,05 [Kg]g = 9.8 [M/s²] h
=0,025 [M]
Epg= 0,05*9,8*0,025
Epg= 0,01225 [J]
Essa energia recebe agora o nome de Energia
Potencial Elástica (Epe)dada em Joule [J]
Adicionando mais duas massas ao sistema
poderemos calculara energia potencial elástica
(Epe), armazenada na mola, considerando sua
deformação a partir do ponto X0, através da
equação:Epe = k*x²/2
Onde;
Epe=Energia Potencial Elástica dada em [J].
k= constante elástica da mola dada em [N/M].
x = deformação da mola dada em [M].
Epe = ?k= 20 [N]x= 0,075 [M]
Epe = 20*(0,075)²/2
Epe = 0,05625 [J]
A energia potencial elástica armazenada
na mola pode realizar trabalho a qualquer
momento, bastando, para isto, apenas remover o
agente externo que a impede (as massas).
Desconsiderando a energia potencial
elástica armazenada na mola até o momento,
adotaremos a nova posição de equilíbrio como
X0,1 = 0,075 [M]
Puxando as massas suspensas com velocidade
constante mantendo-as a 1 cm (0,01 m) abaixo
do ponto de equilíbrio X0,1é possível determinar a
quantidade de energia necessária (trabalho) para
deslocar as massas de X0,1até uma nova posição
X0,2 através da equação do trabalho da força
elástica Wpe= k*x²/2.
Onde;
Wpe= Trabalho daForça Elástica dada em [J].
k= Constante elástica da mola dada em [N/M].
x = Deformação da mola dada em [M].
Wpe=? k=20 [N/M]x =0,01 [M]
W=20*(0.01)2
2
W=0,001 joule [J]
O valor do depósito energético na mola
(energia potencial elástica) para deixa-la nessa
posição X0,2 a partir de X0,2 é igual ao valor do
trabalho calculado acima, pois Wpe=Epe
Ao soltar as massas a partir do ponto X0,2
no momento que elas atingirem o ponto X0,1 a
energia potencial elástica terá sido totalmente
consumida, mas continua a subir, devido a força
restauradora (Fel) ocasionando outra forma de
energia chamada Energia Cinética (Ec). A
energia cinética é uma modalidade de energia
que depende de movimento, portanto todo corpo
em movimento possui energia cinética.
No ponto X0,1 a energia cinética (Ec)
atinge seu valor máximo, devido ser o ponto
intermediário da trajetória só há a própria
energia cinética, pois a energia potencial elástica
foi totalmente consumida.
Quando a massa atinge o ponto mais alto
da trajetória sua velocidade é zero, e como a
energia cinética esta relacionada ao movimento
seu valor também será zero.
Observou-se que nos extremos da
trajetória há duas formas de energia, no extremo
inferior quando ela está esticada esta depositada
Energia Potencial Elástica (Epe), e no extremo
superior o depósito energético é da energia
potencial gravitacional (Epg), ambas com valores
máximos = 0,001 [J]. Em qualquer ponto da
trajetória a soma das energias (Epe) +(Epg) será
esse mesmo valor, devido a troca de energia que
é feita entre elas.
A expressão que relaciona as energias,
potencial e cinética é dada como:
Emec = Ep + Ec
Emec = Energia Mecânica
Ep= Energia Potencial
Ec = Energia Cinética
Conhecida como “Princípio da Conservação de
Energia”
Matematicamente podemos calcular os
valores da energia potencial elástica (Epe), e a da
cinética (Ec), do móvel na posição - 4 mm (0,004
m), quando abandonado do ponto X0,2 -10mm
(0,01m).
Calculando a energia potencial elástica nessa
posição x=-4 mm temos;
Epe = ?k= 20 [N]x= 0,004 [M]
Epe = 20*(0,004)²/2
Epe = 0,00016 [J]
Como vimos anteriormente a soma das
duas energias (Epe) +(Epg) em qualquer ponto da
trajetória é = 0,001 [J], então esse é o valor da
energia mecânica (Emec) do sistema. Partindo
desse valor poderemos então usar a relação:
Emec = Ep + Ec
Onde;
0,001 = Epel + Ec
0,001=0,00016+ Ec
Ec= 0,001 -0,00016
Ec = 0,00084 [J]
Podemos ainda calcular a velocidade do corpo no
instante que ocupa pela posição x= -4mm
(0,004 m), usando a equação da energia
cinéticaEc = ½ * m*v²
Onde;
Ec =0,00084 [J]
M = 0,15 [Kg]
V = ?
0,00084 = ½ *0,15*v²
V² = 0,00084 / 0,075
V = √0,0112
V = 0,106 [M/s]
Conclusão
Concluímos que para uma força F
qualquer, aplicada a um corpo que, sob a ação
desta força F, se desloca em X no gráfico F
versusX(deslocamento) representa o trabalho
realizado pelo agente que aplicou a força F.
Compreendemos que a troca de energia
pode ser entre diferentes tipos de energia e
corpos, como cinética e potencial em mecânica e
entre a mola e o peso.
Sendo assim, o cálculo da energia
mecânica varia de acordo com o tipo de força que
age sobre ela e sua intensidade.
Referências Bibliográficas
1. HALLIDAY, D. RESNICK, R. e KRANE, K.S.
Física 2. Rio de Janeiro, LTC, 1996.
2. http://www.alunosonline.com.br/fisica/en
ergia-potencial-gravitacional-e-
elastica.html
3. http://www.coladaweb.com/fisica/mecani
ca/energia-cinetica-potencial-e-mecanica
Trabalho e energia
Conclusão
Concluímos que a constanteelástica de uma
mola pode ser diferente dependendo de como
ela é utilizada, sendo em uma associação em
série ou em uma associação em paralelo. Os
resultados obtidos na pratica e depois
calculados utilizando a formula da Lei de Hooke
nos mostrou essa diferença utilizando a mesma
mola.
Referências Bibliográficas
1. HALLIDAY, D. RESNICK, R. e KRANE,
K.S. Física 2. Rio de Janeiro, LTC, 1996.
http://www.alunosonline.com.br/fisica/energia-
potencial-gravitacional-e-elastica.html
2. http://sme.dcm.fct.unl.pt/u/dias/docenci
a/FISI/FIS-A-Molas.pdf
Tabela 2. Alongamento da mola em função da massa
ontagem do experimento
Trabalho e energia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

relatorio-lei-de-hooke
relatorio-lei-de-hookerelatorio-lei-de-hooke
relatorio-lei-de-hooke
Laís Aragão
 
Ciência dos materiais - fluência, resiliência e tenacidade
Ciência dos materiais - fluência, resiliência e tenacidadeCiência dos materiais - fluência, resiliência e tenacidade
Ciência dos materiais - fluência, resiliência e tenacidade
Vicktor Richelly
 
Relatorio fisica experimental trilho de ar
Relatorio  fisica experimental trilho de arRelatorio  fisica experimental trilho de ar
Relatorio fisica experimental trilho de ar
Toninha Silva
 
Determinação Da Razão Entre Carga Elementar E Massa Eletrônica
Determinação Da Razão Entre Carga Elementar E Massa EletrônicaDeterminação Da Razão Entre Carga Elementar E Massa Eletrônica
Determinação Da Razão Entre Carga Elementar E Massa Eletrônica
Thiago Mosqueiro
 
Relatório expansão
Relatório expansãoRelatório expansão
Relatório expansão
Erick Fernandes
 
Aplicação do Cálculo Diferencial e Integral no Estudo de Vigas Isostáticas
Aplicação do Cálculo Diferencial e Integral no Estudo de Vigas IsostáticasAplicação do Cálculo Diferencial e Integral no Estudo de Vigas Isostáticas
Aplicação do Cálculo Diferencial e Integral no Estudo de Vigas Isostáticas
danielceh
 
Física 2 relatório Circuito RC
Física 2  relatório Circuito RCFísica 2  relatório Circuito RC
Física 2 relatório Circuito RC
Sabrina Fermano
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
Ezequias Guimaraes
 
8 conservacao da energia mecanica
8   conservacao da energia mecanica8   conservacao da energia mecanica
8 conservacao da energia mecanica
daniela pinto
 
Resistencia dos materiais tensão e deformação
Resistencia dos materiais   tensão e deformaçãoResistencia dos materiais   tensão e deformação
Resistencia dos materiais tensão e deformação
Douglas Mota
 
Leis De Newton
Leis De NewtonLeis De Newton
Leis De Newton
Miky Mine
 
Energia mecânica
Energia mecânicaEnergia mecânica
Energia mecânica
Rafael Leão
 
Relatório lei de hooke turma t5
Relatório lei de hooke   turma t5Relatório lei de hooke   turma t5
Relatório lei de hooke turma t5
Roberto Leao
 
Capilaridade nos solos
Capilaridade nos solosCapilaridade nos solos
Capilaridade nos solos
cristiansorianoc
 
2ª lei de newton
2ª lei de newton2ª lei de newton
2ª lei de newton
Isadora Girio
 
Cap 23 lei de gauss
Cap 23   lei de gaussCap 23   lei de gauss
Cap 23 lei de gauss
Geovana Santos
 
Relatório pilhas e eletrólise
Relatório pilhas e eletrólise Relatório pilhas e eletrólise
Relatório pilhas e eletrólise
Railane Freitas
 
1 leitermodinâmica.ppt
1 leitermodinâmica.ppt1 leitermodinâmica.ppt
1 leitermodinâmica.ppt
Leonardo Menezes
 
Leis de newton
Leis de newtonLeis de newton
Leis de newton
Bruno Barroso
 
Fisica ppt 2º a - plano inclinado e força de atrito
Fisica ppt   2º a - plano inclinado e força de atritoFisica ppt   2º a - plano inclinado e força de atrito
Fisica ppt 2º a - plano inclinado e força de atrito
Cristiane Tavolaro
 

Mais procurados (20)

relatorio-lei-de-hooke
relatorio-lei-de-hookerelatorio-lei-de-hooke
relatorio-lei-de-hooke
 
Ciência dos materiais - fluência, resiliência e tenacidade
Ciência dos materiais - fluência, resiliência e tenacidadeCiência dos materiais - fluência, resiliência e tenacidade
Ciência dos materiais - fluência, resiliência e tenacidade
 
Relatorio fisica experimental trilho de ar
Relatorio  fisica experimental trilho de arRelatorio  fisica experimental trilho de ar
Relatorio fisica experimental trilho de ar
 
Determinação Da Razão Entre Carga Elementar E Massa Eletrônica
Determinação Da Razão Entre Carga Elementar E Massa EletrônicaDeterminação Da Razão Entre Carga Elementar E Massa Eletrônica
Determinação Da Razão Entre Carga Elementar E Massa Eletrônica
 
Relatório expansão
Relatório expansãoRelatório expansão
Relatório expansão
 
Aplicação do Cálculo Diferencial e Integral no Estudo de Vigas Isostáticas
Aplicação do Cálculo Diferencial e Integral no Estudo de Vigas IsostáticasAplicação do Cálculo Diferencial e Integral no Estudo de Vigas Isostáticas
Aplicação do Cálculo Diferencial e Integral no Estudo de Vigas Isostáticas
 
Física 2 relatório Circuito RC
Física 2  relatório Circuito RCFísica 2  relatório Circuito RC
Física 2 relatório Circuito RC
 
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃORELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA: DESTILAÇÃO FRACIONADA E PONTO DE EBULIÇÃO
 
8 conservacao da energia mecanica
8   conservacao da energia mecanica8   conservacao da energia mecanica
8 conservacao da energia mecanica
 
Resistencia dos materiais tensão e deformação
Resistencia dos materiais   tensão e deformaçãoResistencia dos materiais   tensão e deformação
Resistencia dos materiais tensão e deformação
 
Leis De Newton
Leis De NewtonLeis De Newton
Leis De Newton
 
Energia mecânica
Energia mecânicaEnergia mecânica
Energia mecânica
 
Relatório lei de hooke turma t5
Relatório lei de hooke   turma t5Relatório lei de hooke   turma t5
Relatório lei de hooke turma t5
 
Capilaridade nos solos
Capilaridade nos solosCapilaridade nos solos
Capilaridade nos solos
 
2ª lei de newton
2ª lei de newton2ª lei de newton
2ª lei de newton
 
Cap 23 lei de gauss
Cap 23   lei de gaussCap 23   lei de gauss
Cap 23 lei de gauss
 
Relatório pilhas e eletrólise
Relatório pilhas e eletrólise Relatório pilhas e eletrólise
Relatório pilhas e eletrólise
 
1 leitermodinâmica.ppt
1 leitermodinâmica.ppt1 leitermodinâmica.ppt
1 leitermodinâmica.ppt
 
Leis de newton
Leis de newtonLeis de newton
Leis de newton
 
Fisica ppt 2º a - plano inclinado e força de atrito
Fisica ppt   2º a - plano inclinado e força de atritoFisica ppt   2º a - plano inclinado e força de atrito
Fisica ppt 2º a - plano inclinado e força de atrito
 

Destaque

Conservação de energia
Conservação de energiaConservação de energia
Conservação de energia
Neoli Gonçalves da Silva
 
Exercícios de energia potencial gravitacional e cinética
Exercícios de energia potencial gravitacional e cinéticaExercícios de energia potencial gravitacional e cinética
Exercícios de energia potencial gravitacional e cinética
marileiabonetti
 
Lancamento horizontal energia mecanica
Lancamento horizontal energia mecanicaLancamento horizontal energia mecanica
Lancamento horizontal energia mecanica
Eldon Avelar
 
GravitaçãO
GravitaçãOGravitaçãO
GravitaçãO
dalgo
 
Trabalho de física - potencial elétrico
Trabalho de física - potencial elétricoTrabalho de física - potencial elétrico
Trabalho de física - potencial elétrico
cunharukasu
 
Relatório 2ª lei de newton turma t5
Relatório 2ª lei de newton   turma t5Relatório 2ª lei de newton   turma t5
Relatório 2ª lei de newton turma t5
Roberto Leao
 
01 exercicios física 2 termodinâmica e ondas (sears &amp; zemansky) - 12ª e...
01 exercicios física 2   termodinâmica e ondas (sears &amp; zemansky) - 12ª e...01 exercicios física 2   termodinâmica e ondas (sears &amp; zemansky) - 12ª e...
01 exercicios física 2 termodinâmica e ondas (sears &amp; zemansky) - 12ª e...
Marcela Borges
 
Trilho de ar leis de newton
Trilho de ar leis de newtonTrilho de ar leis de newton
Trilho de ar leis de newton
Samuel Pires
 
Energia e Movimentos - 10ºano FQ A
Energia e Movimentos - 10ºano FQ AEnergia e Movimentos - 10ºano FQ A
Energia e Movimentos - 10ºano FQ A
adelinoqueiroz
 
Trabalho e Energia - Física.
Trabalho e Energia - Física.Trabalho e Energia - Física.
Trabalho e Energia - Física.
Julia Maldonado Garcia
 
ConservaçãO Da Energia Mecanica
ConservaçãO Da Energia MecanicaConservaçãO Da Energia Mecanica
ConservaçãO Da Energia Mecanica
ori junior
 
Exercicios sears volume 2
Exercicios sears volume 2Exercicios sears volume 2
Exercicios sears volume 2
Felipe Tedesco
 

Destaque (12)

Conservação de energia
Conservação de energiaConservação de energia
Conservação de energia
 
Exercícios de energia potencial gravitacional e cinética
Exercícios de energia potencial gravitacional e cinéticaExercícios de energia potencial gravitacional e cinética
Exercícios de energia potencial gravitacional e cinética
 
Lancamento horizontal energia mecanica
Lancamento horizontal energia mecanicaLancamento horizontal energia mecanica
Lancamento horizontal energia mecanica
 
GravitaçãO
GravitaçãOGravitaçãO
GravitaçãO
 
Trabalho de física - potencial elétrico
Trabalho de física - potencial elétricoTrabalho de física - potencial elétrico
Trabalho de física - potencial elétrico
 
Relatório 2ª lei de newton turma t5
Relatório 2ª lei de newton   turma t5Relatório 2ª lei de newton   turma t5
Relatório 2ª lei de newton turma t5
 
01 exercicios física 2 termodinâmica e ondas (sears &amp; zemansky) - 12ª e...
01 exercicios física 2   termodinâmica e ondas (sears &amp; zemansky) - 12ª e...01 exercicios física 2   termodinâmica e ondas (sears &amp; zemansky) - 12ª e...
01 exercicios física 2 termodinâmica e ondas (sears &amp; zemansky) - 12ª e...
 
Trilho de ar leis de newton
Trilho de ar leis de newtonTrilho de ar leis de newton
Trilho de ar leis de newton
 
Energia e Movimentos - 10ºano FQ A
Energia e Movimentos - 10ºano FQ AEnergia e Movimentos - 10ºano FQ A
Energia e Movimentos - 10ºano FQ A
 
Trabalho e Energia - Física.
Trabalho e Energia - Física.Trabalho e Energia - Física.
Trabalho e Energia - Física.
 
ConservaçãO Da Energia Mecanica
ConservaçãO Da Energia MecanicaConservaçãO Da Energia Mecanica
ConservaçãO Da Energia Mecanica
 
Exercicios sears volume 2
Exercicios sears volume 2Exercicios sears volume 2
Exercicios sears volume 2
 

Semelhante a Trabalho e energia

Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
AULA - PRINCÍPIOS DA CONSERVAÇÃO DA ENERGIA.pptx
AULA - PRINCÍPIOS DA CONSERVAÇÃO DA ENERGIA.pptxAULA - PRINCÍPIOS DA CONSERVAÇÃO DA ENERGIA.pptx
AULA - PRINCÍPIOS DA CONSERVAÇÃO DA ENERGIA.pptx
MarcellusPinheiro1
 
Trabalho e energia site
Trabalho e energia siteTrabalho e energia site
Trabalho e energia site
fisicaatual
 
Trabalho e Energia
Trabalho e Energia Trabalho e Energia
Trabalho e Energia
fisicaatual
 
Energiapotencialeconservaao 120913223555-phpapp02
Energiapotencialeconservaao 120913223555-phpapp02 Energiapotencialeconservaao 120913223555-phpapp02
Energiapotencialeconservaao 120913223555-phpapp02
Adriana Cahongo
 
Energia potencial
Energia potencialEnergia potencial
Energia potencial
Lenilda Abreu
 
Energiapotencialeconservaao 120913223555-phpapp02
Energiapotencialeconservaao 120913223555-phpapp02Energiapotencialeconservaao 120913223555-phpapp02
Energiapotencialeconservaao 120913223555-phpapp02
Adriana Cahongo
 
Energia e Trabalho
Energia e TrabalhoEnergia e Trabalho
Energia e Trabalho
Gutierry Prates
 
Trabalho de física
Trabalho de físicaTrabalho de física
Trabalho de física
cristbarb
 
Trabalho de física
Trabalho de físicaTrabalho de física
Trabalho de física
cristbarb
 
Força, Trabalho, Potência e Energia
Força, Trabalho, Potência e EnergiaForça, Trabalho, Potência e Energia
Força, Trabalho, Potência e Energia
Carla Regina
 
Trabalho e Energia
Trabalho e EnergiaTrabalho e Energia
Trabalho e Energia
GustavoMaciel75
 
Trabalho e Energia Mecânica
Trabalho e Energia MecânicaTrabalho e Energia Mecânica
Trabalho e Energia Mecânica
Pibid Física
 
Energia potencial e conservaçao
Energia potencial e conservaçaoEnergia potencial e conservaçao
Energia potencial e conservaçao
Adrianne Mendonça
 
9 Anos - Trabalho, Potência e Energia Mecânica..pptx
9 Anos - Trabalho, Potência e Energia Mecânica..pptx9 Anos - Trabalho, Potência e Energia Mecânica..pptx
9 Anos - Trabalho, Potência e Energia Mecânica..pptx
belinharieper
 
2002 g3 energia potencial e cinética
2002 g3 energia potencial e cinética2002 g3 energia potencial e cinética
2002 g3 energia potencial e cinética
cristbarb
 
Mhs apostila
Mhs   apostilaMhs   apostila
Mhs apostila
Anderson Squissatto
 
Energia e Trabalho_3º bimestre
Energia e Trabalho_3º bimestreEnergia e Trabalho_3º bimestre
Energia e Trabalho_3º bimestre
Sabrinna Rezende
 
Conteúdo de Física para a prova do CBM.pptx
Conteúdo de Física para a prova do CBM.pptxConteúdo de Física para a prova do CBM.pptx
Conteúdo de Física para a prova do CBM.pptx
williancardx
 
ENERGIA MECÂNICAaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa...
ENERGIA MECÂNICAaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa...ENERGIA MECÂNICAaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa...
ENERGIA MECÂNICAaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa...
asdf895604
 

Semelhante a Trabalho e energia (20)

Apresentação2
Apresentação2Apresentação2
Apresentação2
 
AULA - PRINCÍPIOS DA CONSERVAÇÃO DA ENERGIA.pptx
AULA - PRINCÍPIOS DA CONSERVAÇÃO DA ENERGIA.pptxAULA - PRINCÍPIOS DA CONSERVAÇÃO DA ENERGIA.pptx
AULA - PRINCÍPIOS DA CONSERVAÇÃO DA ENERGIA.pptx
 
Trabalho e energia site
Trabalho e energia siteTrabalho e energia site
Trabalho e energia site
 
Trabalho e Energia
Trabalho e Energia Trabalho e Energia
Trabalho e Energia
 
Energiapotencialeconservaao 120913223555-phpapp02
Energiapotencialeconservaao 120913223555-phpapp02 Energiapotencialeconservaao 120913223555-phpapp02
Energiapotencialeconservaao 120913223555-phpapp02
 
Energia potencial
Energia potencialEnergia potencial
Energia potencial
 
Energiapotencialeconservaao 120913223555-phpapp02
Energiapotencialeconservaao 120913223555-phpapp02Energiapotencialeconservaao 120913223555-phpapp02
Energiapotencialeconservaao 120913223555-phpapp02
 
Energia e Trabalho
Energia e TrabalhoEnergia e Trabalho
Energia e Trabalho
 
Trabalho de física
Trabalho de físicaTrabalho de física
Trabalho de física
 
Trabalho de física
Trabalho de físicaTrabalho de física
Trabalho de física
 
Força, Trabalho, Potência e Energia
Força, Trabalho, Potência e EnergiaForça, Trabalho, Potência e Energia
Força, Trabalho, Potência e Energia
 
Trabalho e Energia
Trabalho e EnergiaTrabalho e Energia
Trabalho e Energia
 
Trabalho e Energia Mecânica
Trabalho e Energia MecânicaTrabalho e Energia Mecânica
Trabalho e Energia Mecânica
 
Energia potencial e conservaçao
Energia potencial e conservaçaoEnergia potencial e conservaçao
Energia potencial e conservaçao
 
9 Anos - Trabalho, Potência e Energia Mecânica..pptx
9 Anos - Trabalho, Potência e Energia Mecânica..pptx9 Anos - Trabalho, Potência e Energia Mecânica..pptx
9 Anos - Trabalho, Potência e Energia Mecânica..pptx
 
2002 g3 energia potencial e cinética
2002 g3 energia potencial e cinética2002 g3 energia potencial e cinética
2002 g3 energia potencial e cinética
 
Mhs apostila
Mhs   apostilaMhs   apostila
Mhs apostila
 
Energia e Trabalho_3º bimestre
Energia e Trabalho_3º bimestreEnergia e Trabalho_3º bimestre
Energia e Trabalho_3º bimestre
 
Conteúdo de Física para a prova do CBM.pptx
Conteúdo de Física para a prova do CBM.pptxConteúdo de Física para a prova do CBM.pptx
Conteúdo de Física para a prova do CBM.pptx
 
ENERGIA MECÂNICAaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa...
ENERGIA MECÂNICAaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa...ENERGIA MECÂNICAaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa...
ENERGIA MECÂNICAaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa...
 

Último

Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
Vanessa F. Rezende
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 

Último (20)

Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.pptNR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
NR-12-Treinamento-Maquinas-Rotativas.ppt
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 

Trabalho e energia

  • 1. Trabalho e Energia numa Mola Engenharia Civil 1 N-E NGER120_003 - Física Experimental I Edilson Gonzaga Pereira RA. 1305857-2 Eldon Nery de Avelar RA. 1301531-2 Elton Nery de Avelar RA. 1301541-2 FernandoFreitas Azevedo RA.1301549-2 Márcio Fernando Vieiro RA.1304015-2 Resumo:Dando continuidade a Lei de Hooke deduzida e enunciada no experimento anterior “Força Elástica – comprovação experimental da lei de Hooke”. O experimento consiste no cálculo e análise do trabalho e da troca de energia que ocorre quando uma mola é distendia e posta a oscilar. Onde essaenergia é denominada energia Mecânica que é a soma da energia potencial e cinética. O experimento ocorreu no laboratório de química no dia 06 de Setembro de 2013, supervisionado pelo professor de Física André Paixão, onde ele nos mostrou de forma simples e objetiva as etapas daexperiência. O grupo efetuou medições e discutiu resultados. Palavras – chaves:trabalho,energia cinética, energia potencial. Introdução teórica Energia A energia esta relacionada à capacidade de produzir movimento. No SI, sua unidade de medida é joule [J], em homenagem a James Prescott Joule (1818 -1889), físico inglês que realizou estudos na área de transformação e energia. Um dos princípios básicos da física é a lei da conservação da energiaque diz: “A energia pode ser transformada ou transferida, mas nunca criada ou destruída”. A energia de modo geral se refere à configuração (parte potencial) e à movimentação (parte cinética) de qualquer sistema, tanto do ponto de vista macroscópico, quanto microscópico. Esta configuração e movimentação serão alteradas durante as mudanças. Assim, as transferências ou transformações promovidas pelas interações (forças) podem ser analisadas observando-se as modificações ocorridas na energia (configuração e/ou movimentação) dos sistemas. Sabemos que para a transferência de energia será necessária “alguma coisa”, seja esta coisa uma onda, uma partícula ou um sistema de partículas, e que esta transferência será denominada de trabalho - se envolver interações macroscópicas - ou de calor - se envolver interações microscópicas (incluindo aqui a radiação eletromagnética como uma forma de calor). Não é difícil de observar, em nosso cotidiano, transformações de uma forma de energia em outra, como: No automóvel a energia química armazenada no combustível é transformada e energia de movimento, também chamada de energia cinética. Em uma usina hidrelétrica, a energia mecânica da queda da água é transformada em energia elétrica: esta, quando é transportada até residências, indústrias, etc., sofre alterações que podem transformá-la em outra vez em energia mecânica ou em energia luminosa, sonora, térmica, etc. Energia Mecânica A energia mecânica [Emec] é a soma de dois tipos de energia: Potencial e Cinética. Energia Potencial [Ep]. Aquela que se encontra armazenada num determinado sistema e que pode ser utilizada a qualquer momento para a realização de uma tarefa. Existem dois tipos de energia potencial na Mecânica: elástica e gravitacional. Toda vez que um sistema é constituído por um corpo associado a uma mola ou outro corpo elástico, sua energia potencial é denominada elástica. Unicesumar – Centro Universitário Cesumar
  • 2. Um sistema constituído por um corpo e pela terra ou outro astro pode armazenar energia potencial gravitacional. Energia cinética [Ec]. Aquela que se manifesta nos corpos em movimento. Ela pode ser calculada pela relação: Ec = ½ * m*v² Onde: EC=Energia cinética – dada em joule [J]. M = massa do corpo – dado em quilograma [Kg]. V=velocidade do corpo – dado em metros por segundos [M/s]. Quando um corpo está em queda livre, verificamos que, durante o movimento, a energia potencial vai se transformando em energia cinética, nesse caso, dizemos que o sistema possui energia potencial e cinética. Resumindo: Emec = Ep + Ec Energia Potencial Gravitacional É definida como energia potencial gravitacional a forma de energia associada à posição em relação a um referencial, sendo que neste caso, há a interação gravitacional entre a Terra e um determinado corpo. Uma energia potencial ou energia armazenada por um corpo pode ser traduzida como a capacidade que este corpo detém de realizar trabalho.Trata-se de uma energia associada ao estado de separação entre dois objetos que se atraem mutuamente através da força gravitacional. Dessa forma, quando elevamos um corpo de massa m a certa altura h, transferimos energia para o corpo na forma de trabalho. Com a acumulação de energia, o corpo transforma a energia potencial em energia cinética, que quando liberado o corpo, possui tendência a voltar à sua posição inicial. Todo corpo em queda livre está sujeito a uma mesma aceleração de direção vertical e sentido para baixo. Esta aceleração recebe o nome de aceleração gravitacional (g) que tem um valor aproximado de 9,8 m/s2 na Terra. A força resultante neste movimento é a força peso (P=m.g) e o trabalho desta força é igual a energia potencial gravitacional. Logo, quando um corpo é liberado, a força peso realiza trabalho e a energia potencial gravitacional se transforma emenergia cinética. A energia potencial gravitacional de um corpo que se encontra a uma altura h do solo é dada por: Epg = m*g*h Onde: Epg = energia potencial gravitacional – dada em joule [J]. M= massa do corpo - dada em quilograma [Kg] g = gravidade – dada emmetro por segundo ao quadrado [M/s²] h=altura do corpo – dado em metros [M]. Caso seja aplicada uma força contra o peso para que determinado corpo suba, ele então recebe uma energia potencial maior. O acréscimo desta energia será igual ao trabalho aplicado em direção ao corpo, o que permite concluir que o trabalho realizado sobre o corpo é igual a variação da energia potencial sofrida pelo corpo. Do mesmo modo, a aplicação de um trabalho negativo sob o mesmo corpo significa o aumento da energia potencial. Energia Potencial Elástica Assim como a energia cinética, é associada ao conceito de movimento e à energia potencial gravitacional ao conceito de altura de uma partícula em relação a um determinado plano de referência. A energia associada à deformação de um corpo recebe o nome de energia potencial elástica. Se considerarmos que uma mola apresenta comportamento ideal, toda energia que ela recebe para se deformar a mola é necessária à realização de um trabalho que é igual à energia potencial elástica. Podemos escrever que a energia potencial acumulada nessa mola como: Epe=k*x²/2 Onde: Epe=Energia Potencial Elástica dada em Joule [J]. k= representa a constante elástica da mola dada em Newton por metro[N/M]. x = deformação da mola dada em metro [M]. Trabalho da força Elástica
  • 3. Em Física, podemos definir o trabalho representado pela letra W como sendo "a medida da energia gasta ou transferida em um fenômeno físico provocado pela aplicação de uma força qualquer". O trabalho é diretamente proporcional à força aplicada e ao deslocamento x, sendosua definição matemática: W = F * x Supondo o corpo em movimento, uma força pode ser aplicada de modo a favorecer o deslocamento (no mesmo sentido) ou de modo a desfavorecê-lo (no sentido oposto). Decorrente disso, classificamos o trabalho em motor (força aplicada no sentido do deslocamento) e resistente (força aplicada no sentido oposto ao deslocamento). Matematicamente temos que: W = F * x trabalho motor W = -F * x trabalho resistente Como a unidade de força é o Newton (N) e o deslocamento é metro (m), dimensionalmente que a unidade de trabalho é [N/m], mas essa unidade recebe um nome especial: Joule, representado por [J]. A definição matemática vista acima é utilizada para uma força constante e paralela ao deslocamento. Caso a força seja constante, mas não seja paralela ao deslocamento, devemos calcularsuas componentes horizontal (eixo x) e vertical (eixo y), e utilizar no cálculo aquela que provoca o movimento, pois só há trabalho se houver variação de posição. Utilizando as relações trigonométricas, é facilmente dedutível que o trabalho de uma força não paralela ao deslocamento é dado por: O trabalho é matematicamente definido como sendo o produto entre a força e o deslocamento do corpo. Aplicando essa definição para duas forças em particular: o peso e a força elástica. Como o peso é calculado através do produto entre a massa do corpo e a aceleração da gravidade, é facilmente dedutível que a definição matemática para o trabalho do peso é: W = ±P*h Ou W = ±m*g*h Os sinais, positivo e negativo servem para indicar se o trabalho é motor (+) ou resistente (-). Caso o corpo esteja caindo, o trabalho será motor, pois a força peso e o deslocamento estarão no mesmo sentido; caso o corpo esteja subindo o trabalho será resistente, pois a força peso e o deslocamento estarão em sentidos opostos. A força elástica é uma força variável. Quanto maior a deformação de uma mola, por exemplo, maior será à força de restituição (força elástica) que surgirá nela. Portanto para calcular o trabalho da força elástica devemos utilizar a propriedade gráfica (cálculo da área). Veja a dedução matemática para o trabalho da força peso: Como a área de um triângulo é dada por: A = BASE * ALTURA 2 Então W= DEFORMAÇÃO * FORÇA 2 W= K*x*x W=±K*x² 2 2 Força no sentido do deslocamento W>0 Força no sentido oposto ao deslocamento W<0 Fx = F.cos.α α Fx FR Fy DESLOCAMENTO W = FX*X W = FX*X*cosα K.X X0 A DEFORMAÇÃO FORÇA
  • 5. Material utilizado Para a realização do experimento foi necessário os seguintes materiais: A. Tripé B. Sapatas niveladoras C. Uma mola helicoidal D. Conjunto de massas acopláveis de 50g E. Gancho lastro F. Perfil universal com escala milimétrica G. Suporte fixo para associação de molas Montagem do equipamento Execute a montagem do aparelho conforme a figura 1; Nivele o aparelho através das sapatas niveladoras [B]; Procedimento (1) Cálculo do trabalho W realizado no gráfico,Força [F] versus deformação[x] no experimento anterior (“Força Elástica – comprovação experimental da lei de Hooke”). Procedimento (2) Coloque o gancho lastro suspenso numa das molas cuja constante elástica já tenha sido determinada, anotando o respectivo valor de K; Anote a posição ocupada pela parte inferior do lastro, este X0 será o nível de referencia para o experimento. Resultados e Discussões Resultado experimental (1) Cálculo do trabalho W realizado no gráfico,Força [F] versus deformação[x] no experimento anterior (“Força Elástica – comprovação experimental da lei de Hooke”). Para calcular o trabalho realizado pelo agente que aplicou a força F do gráfico devemos utilizar a propriedade gráfica (cálculo da área). Utilizando-se da introdução teórica sobre o trabalho na força elástica temos: A = BASE * ALTURA 2 Então W= DEFORMAÇÃO X FORÇA 2 W= K*x*x W=± K*x² 2 2 Como a força aplicada é no sentidodo deslocamento então o W>0,então temos; K = 20 [N] (já calculada) X = 0,10 [M] Dada a equaçãoW=K*x²e substituindo; 2 W=20*(0.10)2 W= 0,1 joule [J] 2 O trabalho W realizado pela força F para deslocar o corpo da posição 0 até a posição final x foi de 0,1 [J]. Resultado experimental (2) Figura 1.Material Utilizado ontagem do experimento X(m) 0,5 1,0 1,5 2,0 0 0,1000,050 0,0750,025 F (N) A [A] onta gem do expe rime nto [B] onta gem do expe rime nto [F] onta gem do expe rime nto [D] onta gem do expe rime nto [E] onta gem do expe rime nto [C] onta gem do expe rime nto [G] onta gem do expe rime nto Gráfico 1. Força x deformação ontagem do experimento
  • 6. Tomando os valores adquiridos no procedimento (2) então temos: Constante K da mola = 20 [N] Nível de referência X0 = 0,45 [M] Ao adicionarmos uma massa móvel com peso de 0,5 [N] ao lastro obteve-se a elongação (amplitude) = 0,025 [M]. A partir desses valores podemos calcular o trabalho W realizado pela força peso de 0,5 [N] ao distender a mola, através da equação: W = F.x Onde; W = trabalho da força peso [J] F = força peso[N/M] X = deslocamento [M] W=? F=0,5[N]x=0,025[M] W = 0,5 *(0,025) W = 0,0125 [J] A Força peso é aplicada pelo campo gravitacional da terrestre, logo, o trabalho para deslocar a mola também e realizado pelo campo gravitacional terrestre. Para realizar o trabalho houve a necessidade de transitar energia pelo sistema, essa energia veio do campo gravitacional terrestre que se armazenou no corpo suspenso na mola, ou seja, veio da força peso e essa energia denomina-se Energia Potencial Gravitacional, como já visto na introdução teórica e podendo ser calculada através da equação:Epg= m.g.h Onde; Epg = Energia Potencial Gravitacional [J] M = massa [Kg] g = gravidade[M/s²] h = deslocamento (altura) [M] Epg=?m=0,05 [Kg]g = 9.8 [M/s²] h =0,025 [M] Epg= 0,05*9,8*0,025 Epg= 0,01225 [J] Essa energia recebe agora o nome de Energia Potencial Elástica (Epe)dada em Joule [J] Adicionando mais duas massas ao sistema poderemos calculara energia potencial elástica (Epe), armazenada na mola, considerando sua deformação a partir do ponto X0, através da equação:Epe = k*x²/2 Onde; Epe=Energia Potencial Elástica dada em [J]. k= constante elástica da mola dada em [N/M]. x = deformação da mola dada em [M]. Epe = ?k= 20 [N]x= 0,075 [M] Epe = 20*(0,075)²/2 Epe = 0,05625 [J] A energia potencial elástica armazenada na mola pode realizar trabalho a qualquer momento, bastando, para isto, apenas remover o agente externo que a impede (as massas). Desconsiderando a energia potencial elástica armazenada na mola até o momento, adotaremos a nova posição de equilíbrio como X0,1 = 0,075 [M] Puxando as massas suspensas com velocidade constante mantendo-as a 1 cm (0,01 m) abaixo do ponto de equilíbrio X0,1é possível determinar a quantidade de energia necessária (trabalho) para deslocar as massas de X0,1até uma nova posição X0,2 através da equação do trabalho da força elástica Wpe= k*x²/2. Onde; Wpe= Trabalho daForça Elástica dada em [J]. k= Constante elástica da mola dada em [N/M]. x = Deformação da mola dada em [M]. Wpe=? k=20 [N/M]x =0,01 [M] W=20*(0.01)2 2 W=0,001 joule [J] O valor do depósito energético na mola (energia potencial elástica) para deixa-la nessa posição X0,2 a partir de X0,2 é igual ao valor do trabalho calculado acima, pois Wpe=Epe Ao soltar as massas a partir do ponto X0,2 no momento que elas atingirem o ponto X0,1 a energia potencial elástica terá sido totalmente consumida, mas continua a subir, devido a força restauradora (Fel) ocasionando outra forma de energia chamada Energia Cinética (Ec). A energia cinética é uma modalidade de energia que depende de movimento, portanto todo corpo em movimento possui energia cinética. No ponto X0,1 a energia cinética (Ec) atinge seu valor máximo, devido ser o ponto intermediário da trajetória só há a própria
  • 7. energia cinética, pois a energia potencial elástica foi totalmente consumida. Quando a massa atinge o ponto mais alto da trajetória sua velocidade é zero, e como a energia cinética esta relacionada ao movimento seu valor também será zero. Observou-se que nos extremos da trajetória há duas formas de energia, no extremo inferior quando ela está esticada esta depositada Energia Potencial Elástica (Epe), e no extremo superior o depósito energético é da energia potencial gravitacional (Epg), ambas com valores máximos = 0,001 [J]. Em qualquer ponto da trajetória a soma das energias (Epe) +(Epg) será esse mesmo valor, devido a troca de energia que é feita entre elas. A expressão que relaciona as energias, potencial e cinética é dada como: Emec = Ep + Ec Emec = Energia Mecânica Ep= Energia Potencial Ec = Energia Cinética Conhecida como “Princípio da Conservação de Energia” Matematicamente podemos calcular os valores da energia potencial elástica (Epe), e a da cinética (Ec), do móvel na posição - 4 mm (0,004 m), quando abandonado do ponto X0,2 -10mm (0,01m). Calculando a energia potencial elástica nessa posição x=-4 mm temos; Epe = ?k= 20 [N]x= 0,004 [M] Epe = 20*(0,004)²/2 Epe = 0,00016 [J] Como vimos anteriormente a soma das duas energias (Epe) +(Epg) em qualquer ponto da trajetória é = 0,001 [J], então esse é o valor da energia mecânica (Emec) do sistema. Partindo desse valor poderemos então usar a relação: Emec = Ep + Ec Onde; 0,001 = Epel + Ec 0,001=0,00016+ Ec Ec= 0,001 -0,00016 Ec = 0,00084 [J] Podemos ainda calcular a velocidade do corpo no instante que ocupa pela posição x= -4mm (0,004 m), usando a equação da energia cinéticaEc = ½ * m*v² Onde; Ec =0,00084 [J] M = 0,15 [Kg] V = ? 0,00084 = ½ *0,15*v² V² = 0,00084 / 0,075 V = √0,0112 V = 0,106 [M/s] Conclusão Concluímos que para uma força F qualquer, aplicada a um corpo que, sob a ação desta força F, se desloca em X no gráfico F versusX(deslocamento) representa o trabalho realizado pelo agente que aplicou a força F. Compreendemos que a troca de energia pode ser entre diferentes tipos de energia e corpos, como cinética e potencial em mecânica e entre a mola e o peso. Sendo assim, o cálculo da energia mecânica varia de acordo com o tipo de força que age sobre ela e sua intensidade. Referências Bibliográficas 1. HALLIDAY, D. RESNICK, R. e KRANE, K.S. Física 2. Rio de Janeiro, LTC, 1996. 2. http://www.alunosonline.com.br/fisica/en ergia-potencial-gravitacional-e- elastica.html 3. http://www.coladaweb.com/fisica/mecani ca/energia-cinetica-potencial-e-mecanica
  • 9. Conclusão Concluímos que a constanteelástica de uma mola pode ser diferente dependendo de como ela é utilizada, sendo em uma associação em série ou em uma associação em paralelo. Os resultados obtidos na pratica e depois calculados utilizando a formula da Lei de Hooke nos mostrou essa diferença utilizando a mesma mola. Referências Bibliográficas 1. HALLIDAY, D. RESNICK, R. e KRANE, K.S. Física 2. Rio de Janeiro, LTC, 1996. http://www.alunosonline.com.br/fisica/energia- potencial-gravitacional-e-elastica.html 2. http://sme.dcm.fct.unl.pt/u/dias/docenci a/FISI/FIS-A-Molas.pdf Tabela 2. Alongamento da mola em função da massa ontagem do experimento