SlideShare uma empresa Scribd logo
História da Dança
Na história da dança, pode-se verificar que ela é uma das maneiras encontradas pelo ser
humano de expressar sua arte e movimentos e ainda é essencial para a contribuição na história
da arte. Ainda na Pré História, a dança e a música eram usadas para representar situações e
muitas delas ficaramregistradas nas paredes de cavernas rupestres.
A dança já era executada durante o antigo Egito, por meio da dança do ventre, para homenagear
deuses e na Ásia ela tinha cunho religioso. Além disso, poderia significar a cura, a morte ou o
nascimento de uma pessoa.
Na Grécia Antiga, a dança ainda podia representar algo muito importante na educação e no culto
de algumas religiões. O teatro nessa época também passou a contar com cenas onde os atores
dançavam durante os atos. Surgiram também as sátiras e comédias gregas. Quando o território
grego foi tomado pelos romanos, suas danças também passarama influenciar esse povo.
Na Idade Média, a influência da Igreja Católica proibiu algumas danças que continham
coreografias que infringiam as diretrizes católicas. Durante o século XIV, predominavam as
danças religiosas feitas pelos artesãos. Nas festas emfamília, essa expressão artística era muito
usada pelas pessoas.
O Rei Luís XIV incentivou o balé na França e deu apoio para manifestações culturais. No início dos
anos 1900, a dança contemporânea começou a ser inserida nos salões e escolas de dança.
Atualmente, não existe apenas um estilo crescendo sozinho, ele acaba sofrendo influência ritmos
como o rock e o jazz. Além disso, existe a influência das danças típicas no cotidiano de milhões
de pessoas no mundo que expressamsua cultura por meio da dança.
Estilos de Dança
Dança Clássica
Balé
O balé surgiu na corte italiana durante a Renascença no século XV. Depois a
dança passou a ser executada em países como França, Rússia e Inglaterra
ao som de músicas clássicas. O destaque fica para a França, pois o rei Luís
XIV influenciou a prática do balé e a língua francesa é usada para
denominar diversos passos da dança.
É uma dança que exige bastante prática e é ensinada em escolas específicas
instaladas em diversos países. As principais exigências do balé são os
movimentos dos membros superiores, leveza, harmonia, a postura ereta e a simetria dos
bailarinos.
Valsa
A valsa é uma dança que surgiu nas regiões da Alemanha e da Áustria no início do século XIX e a
palavra significa 'dar voltas'/'girar'/'deslizar'. Buscou referências em danças como o laendler e o
minueto. Primeiramente, ela era conhecida como uma dança vulgar e depois foi transformada em
algo nobre e das altas classes.
Como os pares dançam muito próximos, ela era chamada de proibida, mas, atualmente, as valsas
são mais praticadas em festas de casamentos, formaturas e aniversários de debutantes.
Dança Moderna
A dança moderna começou no século XX e surgiu como forma de expressar o sentimento das
pessoas que queriam desvincular-se das danças clássicas. Essetipo de dança busca trabalhar com
movimentos parecidos com o cotidiano da vida contemporânea. Os principais nomes da dança
moderna foram Émile Jaques-Dalcroze, François Delsarte, Isadora Duncan, Ruth St. Denis e Rudolf
von Laban.
Nesse estilo de dança, o dançarino tem a opção de se expressar de uma maneira mais livre e atual.
Trabalha com o ritmo, dinamismo, movimentos inspirados na natureza e espontaneidade.
No Brasil,adança moderna começou a ser mais divulgada após a Segunda Guerra Mundial quando
os artistas abandonaram o estilo mais clássico e propuseram novas formas.
Bolero
Esse tipo de dança surgiu na Europa e chegou a Cuba ainda no século XIX. A base desse ritmo é o dois
pra lá, dois pra cá; porém, ocorrem também os giros, as caminhadas e evoluções durante o bolero. O nome
da dança é explicado por causa dos vestidos usados por algumas bailarinas. As peças continham bolas
(chamadas de boleiras).
Tango Argentino
O tango surgiu nos bairros mais humildes da Argentina e se tornou uma das danças mais
admiradas no mundo. Assim como a valsa, o casal de dançarinos dança bem próximos e
pode-se improvisar mais do que as outras modalidades. Apesar do surgimento no país
portenho, o tango argentino sofreu influências de países como Itália, França e Espanha.
O ombro esquerdo conduz o casal que deve manter seu corpo inclinado. São basicamente
oito passos principais que são realizados com movimentos cheios de intensidade e
dramaticidade. Os dançarinos devem manter a proximidade e o olhar intenso.
Jazz
O Jazz é uma forma de expressão pessoal criada e sustentada pelo
improviso. Na sua origem a Dança Jazz tem raízes essencialmente
populares. Com uma evolução inicial paralela à da música Jazz,
surgiu nos E.U.A no final do século passado. Pode-se afirmar,
inclusive, que nasceu diretamente da cultura negra.
É possível descrever essa dança como uma manifestação corporal
acompanhada de música, marcada pela polirritmia (quando o corpo
acompanha vários ritmos simultaneamente), movimentos
sincopados (quando há rompimento dos movimentos já internalizados e estabelecem-se outros
padrões de movimentos) e pelo swing. Ainda que a influência da música jazz seja bastante intensa
sobre a constituição dessa dança, sua prática não necessariamente é acompanhada desse estilo de
música, o que permite à praticante liberdade também na escolha musical.
Segunda a história, os negros - que não estavam cansados ou doentes - nos navios negreiros vindos
da África, eram obrigados a dançar para manter a saúde. As danças dos senhores brancos eram
polcas, as valsas e as quadrilhas. Os negros os imitavam ridicularizando-os, mas dançavam de
acordo com as informações que tinham da cultura europeia e misturavam com as danças que
conheciam, utilizando os instrumentos de sua cultura. Dessa forma veio o jazz. Uma imitação dos
ritmos europeus com os costumes e ritmos negros.
Dança Contemporânea
A dança contemporânea surgiu na década de 1950, como uma forma de protesto ou rompimento
com a cultura clássica.
Mais que uma técnica específica, a dança contemporânea é uma coleção de sistemas e métodos
desenvolvidos a partir da dança moderna e pós-moderna.
A dança contemporânea não se define em técnicas ou movimentos específicos, pois o
intérprete/bailarino ganha autonomia para construir suas próprias partituras coreográficas a partir
de métodos e procedimentos de pesquisa como: improvisação, contato-improvisação. Esses
métodos trazem instrumentos para que o intérprete crie suas composições a partir de temas
relacionados a questões políticas, sociais, culturais, autobiográficas, comportamentais e
cotidianas, como também a fisiologia e a anatomia do corpo.
Fonte:
http://tipos-de-danca.info/
https://pt.wikipedia.org/wiki/Jazz_Dance
http://www.mundodadanca.art.br/2010/03/danca-contemporanea-sua-historia.html

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Avaliação diagnóstica arte 8 ano 2013
Avaliação diagnóstica arte 8 ano 2013Avaliação diagnóstica arte 8 ano 2013
Avaliação diagnóstica arte 8 ano 2013
Fabiola Oliveira
 
EJA: AVALIAÇÃO DE ARTES - 6º E 7º ANO - O PONTO,PONTILHISMO E A SEMANA DA AR...
EJA: AVALIAÇÃO DE ARTES - 6º  E 7º ANO - O PONTO,PONTILHISMO E A SEMANA DA AR...EJA: AVALIAÇÃO DE ARTES - 6º  E 7º ANO - O PONTO,PONTILHISMO E A SEMANA DA AR...
EJA: AVALIAÇÃO DE ARTES - 6º E 7º ANO - O PONTO,PONTILHISMO E A SEMANA DA AR...
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Atividade de Arte - Música
Atividade de Arte  - MúsicaAtividade de Arte  - Música
Atividade de Arte - Música
Mary Alvarenga
 
Planejamento dança
Planejamento dançaPlanejamento dança
Planejamento dança
SimoneHelenDrumond
 
Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013
Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013
Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013
Fabiola Oliveira
 
AVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6° AO 9º ANO
AVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6°  AO  9º ANOAVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6°  AO  9º ANO
AVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6° AO 9º ANO
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Prova 1.ª elementos do teatro a
Prova 1.ª elementos do teatro   aProva 1.ª elementos do teatro   a
Prova 1.ª elementos do teatro a
Denise Compasso
 
Apostila de-arte-eja
Apostila de-arte-ejaApostila de-arte-eja
Apostila de-arte-eja
F Figueiredo Habyby
 
Avaliação de Artes
Avaliação de ArtesAvaliação de Artes
Avaliação de Artes
Professora Hesione
 
Apostila de educação musical - 6º ano ensino fundamentl
Apostila de educação musical - 6º ano ensino fundamentlApostila de educação musical - 6º ano ensino fundamentl
Apostila de educação musical - 6º ano ensino fundamentl
Partitura de Banda
 
O que é teatro
O que é teatroO que é teatro
Plano anual de arte 1º ano
Plano anual de arte 1º anoPlano anual de arte 1º ano
Plano anual de arte 1º ano
Nildemar Lago
 
Prova de arte1 9 ano
Prova de arte1 9 anoProva de arte1 9 ano
Prova de arte1 9 ano
Bárbara Fonseca
 
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEADANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
VIVIAN TROMBINI
 
Artes O Teatro e Atividades
Artes O Teatro e AtividadesArtes O Teatro e Atividades
Artes O Teatro e Atividades
Geo Honório
 
Atividades de Artes 6° ao 9° Ano
Atividades de Artes 6° ao 9° AnoAtividades de Artes 6° ao 9° Ano
Atividades de Artes 6° ao 9° Ano
Leoneide Carvalho
 
Artes atividades
Artes   atividadesArtes   atividades
Artes atividades
Ronaldo Russou
 
Avaliação de global de artes 6º e 7º ano setembro
Avaliação de global de artes 6º e 7º ano setembroAvaliação de global de artes 6º e 7º ano setembro
Avaliação de global de artes 6º e 7º ano setembro
Moesio Alves
 
Projeto Dança e Saúde
Projeto Dança e SaúdeProjeto Dança e Saúde
Projeto Dança e Saúde
Leandro Martins
 
Projeto Música na escola
Projeto Música na escolaProjeto Música na escola
Projeto Música na escola
Venicio Borges
 

Mais procurados (20)

Avaliação diagnóstica arte 8 ano 2013
Avaliação diagnóstica arte 8 ano 2013Avaliação diagnóstica arte 8 ano 2013
Avaliação diagnóstica arte 8 ano 2013
 
EJA: AVALIAÇÃO DE ARTES - 6º E 7º ANO - O PONTO,PONTILHISMO E A SEMANA DA AR...
EJA: AVALIAÇÃO DE ARTES - 6º  E 7º ANO - O PONTO,PONTILHISMO E A SEMANA DA AR...EJA: AVALIAÇÃO DE ARTES - 6º  E 7º ANO - O PONTO,PONTILHISMO E A SEMANA DA AR...
EJA: AVALIAÇÃO DE ARTES - 6º E 7º ANO - O PONTO,PONTILHISMO E A SEMANA DA AR...
 
Atividade de Arte - Música
Atividade de Arte  - MúsicaAtividade de Arte  - Música
Atividade de Arte - Música
 
Planejamento dança
Planejamento dançaPlanejamento dança
Planejamento dança
 
Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013
Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013
Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013
 
AVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6° AO 9º ANO
AVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6°  AO  9º ANOAVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6°  AO  9º ANO
AVALIAÇÃO DE ARTES: EJA - 6° AO 9º ANO
 
Prova 1.ª elementos do teatro a
Prova 1.ª elementos do teatro   aProva 1.ª elementos do teatro   a
Prova 1.ª elementos do teatro a
 
Apostila de-arte-eja
Apostila de-arte-ejaApostila de-arte-eja
Apostila de-arte-eja
 
Avaliação de Artes
Avaliação de ArtesAvaliação de Artes
Avaliação de Artes
 
Apostila de educação musical - 6º ano ensino fundamentl
Apostila de educação musical - 6º ano ensino fundamentlApostila de educação musical - 6º ano ensino fundamentl
Apostila de educação musical - 6º ano ensino fundamentl
 
O que é teatro
O que é teatroO que é teatro
O que é teatro
 
Plano anual de arte 1º ano
Plano anual de arte 1º anoPlano anual de arte 1º ano
Plano anual de arte 1º ano
 
Prova de arte1 9 ano
Prova de arte1 9 anoProva de arte1 9 ano
Prova de arte1 9 ano
 
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEADANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
DANÇA - CONCEITOS E DANÇA CONTEMPORÂNEA
 
Artes O Teatro e Atividades
Artes O Teatro e AtividadesArtes O Teatro e Atividades
Artes O Teatro e Atividades
 
Atividades de Artes 6° ao 9° Ano
Atividades de Artes 6° ao 9° AnoAtividades de Artes 6° ao 9° Ano
Atividades de Artes 6° ao 9° Ano
 
Artes atividades
Artes   atividadesArtes   atividades
Artes atividades
 
Avaliação de global de artes 6º e 7º ano setembro
Avaliação de global de artes 6º e 7º ano setembroAvaliação de global de artes 6º e 7º ano setembro
Avaliação de global de artes 6º e 7º ano setembro
 
Projeto Dança e Saúde
Projeto Dança e SaúdeProjeto Dança e Saúde
Projeto Dança e Saúde
 
Projeto Música na escola
Projeto Música na escolaProjeto Música na escola
Projeto Música na escola
 

Semelhante a Texto sobre dança classica

Origem e Natureza da dança no Brasil - Coleção Praticar a Arte - Professor...
Origem e Natureza da dança no Brasil - Coleção Praticar a Arte - Professor...Origem e Natureza da dança no Brasil - Coleção Praticar a Arte - Professor...
Origem e Natureza da dança no Brasil - Coleção Praticar a Arte - Professor...
ClariceLuizaGomesDeF
 
[Danca][26 05][2a]gabarito (1)
[Danca][26 05][2a]gabarito (1)[Danca][26 05][2a]gabarito (1)
[Danca][26 05][2a]gabarito (1)
Antonio Marcos Costa Baratieri
 
Danças de Salão - 9ª ano.pptx
Danças de Salão - 9ª ano.pptxDanças de Salão - 9ª ano.pptx
Danças de Salão - 9ª ano.pptx
FrancimaraCerqueira
 
Danças nacionais populares joana
Danças nacionais populares joanaDanças nacionais populares joana
Danças nacionais populares joana
Jorge Luiz Queiroz
 
[Danca]gabarito
[Danca]gabarito[Danca]gabarito
[Danca]gabarito
ocileideribeirodasilva
 
A-Evolução-da-Dança-3A-Lara.ppt
A-Evolução-da-Dança-3A-Lara.pptA-Evolução-da-Dança-3A-Lara.ppt
A-Evolução-da-Dança-3A-Lara.ppt
OCorponoMundoGlobali
 
A-Evolução-da-Dança-3A-Lara-ppt.ppt
A-Evolução-da-Dança-3A-Lara-ppt.pptA-Evolução-da-Dança-3A-Lara-ppt.ppt
A-Evolução-da-Dança-3A-Lara-ppt.ppt
OCorponoMundoGlobali
 
Atividade culminância itinerário.pptx
Atividade culminância itinerário.pptxAtividade culminância itinerário.pptx
Atividade culminância itinerário.pptx
FhelippeCabral
 
201004261420historiadadanca
201004261420historiadadanca201004261420historiadadanca
201004261420historiadadanca
Maria Manuel
 
Estilos de dança
Estilos de dançaEstilos de dança
Estilos de dança
Paola Oniesko
 
Danças Sociais
Danças SociaisDanças Sociais
Danças Sociais
Diogo Silva
 
Trabalho De Artes
Trabalho De ArtesTrabalho De Artes
Trabalho De Artes
martinsramon
 
Trabalho final antropologia imagem
Trabalho final antropologia imagemTrabalho final antropologia imagem
Trabalho final antropologia imagem
José Marques
 
Agrp4
Agrp4Agrp4
[Danca][26 05][2a]gabarito
[Danca][26 05][2a]gabarito[Danca][26 05][2a]gabarito
[Danca][26 05][2a]gabarito
Aquilene Galvao da Silva
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Flamenco 3º manhã
Flamenco 3º  manhãFlamenco 3º  manhã
Flamenco 3º manhã
Gleudo Mendonça
 
Artes
ArtesArtes
Atividades Rítmicas e Dança conceitos iniciais
Atividades Rítmicas e Dança conceitos iniciaisAtividades Rítmicas e Dança conceitos iniciais
Atividades Rítmicas e Dança conceitos iniciais
coletivoddois
 
Danças Urbanas 2023.pptx
Danças Urbanas 2023.pptxDanças Urbanas 2023.pptx
Danças Urbanas 2023.pptx
FrancimaraCerqueira
 

Semelhante a Texto sobre dança classica (20)

Origem e Natureza da dança no Brasil - Coleção Praticar a Arte - Professor...
Origem e Natureza da dança no Brasil - Coleção Praticar a Arte - Professor...Origem e Natureza da dança no Brasil - Coleção Praticar a Arte - Professor...
Origem e Natureza da dança no Brasil - Coleção Praticar a Arte - Professor...
 
[Danca][26 05][2a]gabarito (1)
[Danca][26 05][2a]gabarito (1)[Danca][26 05][2a]gabarito (1)
[Danca][26 05][2a]gabarito (1)
 
Danças de Salão - 9ª ano.pptx
Danças de Salão - 9ª ano.pptxDanças de Salão - 9ª ano.pptx
Danças de Salão - 9ª ano.pptx
 
Danças nacionais populares joana
Danças nacionais populares joanaDanças nacionais populares joana
Danças nacionais populares joana
 
[Danca]gabarito
[Danca]gabarito[Danca]gabarito
[Danca]gabarito
 
A-Evolução-da-Dança-3A-Lara.ppt
A-Evolução-da-Dança-3A-Lara.pptA-Evolução-da-Dança-3A-Lara.ppt
A-Evolução-da-Dança-3A-Lara.ppt
 
A-Evolução-da-Dança-3A-Lara-ppt.ppt
A-Evolução-da-Dança-3A-Lara-ppt.pptA-Evolução-da-Dança-3A-Lara-ppt.ppt
A-Evolução-da-Dança-3A-Lara-ppt.ppt
 
Atividade culminância itinerário.pptx
Atividade culminância itinerário.pptxAtividade culminância itinerário.pptx
Atividade culminância itinerário.pptx
 
201004261420historiadadanca
201004261420historiadadanca201004261420historiadadanca
201004261420historiadadanca
 
Estilos de dança
Estilos de dançaEstilos de dança
Estilos de dança
 
Danças Sociais
Danças SociaisDanças Sociais
Danças Sociais
 
Trabalho De Artes
Trabalho De ArtesTrabalho De Artes
Trabalho De Artes
 
Trabalho final antropologia imagem
Trabalho final antropologia imagemTrabalho final antropologia imagem
Trabalho final antropologia imagem
 
Agrp4
Agrp4Agrp4
Agrp4
 
[Danca][26 05][2a]gabarito
[Danca][26 05][2a]gabarito[Danca][26 05][2a]gabarito
[Danca][26 05][2a]gabarito
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Flamenco 3º manhã
Flamenco 3º  manhãFlamenco 3º  manhã
Flamenco 3º manhã
 
Artes
ArtesArtes
Artes
 
Atividades Rítmicas e Dança conceitos iniciais
Atividades Rítmicas e Dança conceitos iniciaisAtividades Rítmicas e Dança conceitos iniciais
Atividades Rítmicas e Dança conceitos iniciais
 
Danças Urbanas 2023.pptx
Danças Urbanas 2023.pptxDanças Urbanas 2023.pptx
Danças Urbanas 2023.pptx
 

Mais de lululimavidal

Temas a serem explorados na pesquisa de campo do p (1)
Temas a serem explorados na pesquisa de campo do p (1)Temas a serem explorados na pesquisa de campo do p (1)
Temas a serem explorados na pesquisa de campo do p (1)
lululimavidal
 
Texto de atividades físicas alternativas
Texto de atividades físicas alternativasTexto de atividades físicas alternativas
Texto de atividades físicas alternativas
lululimavidal
 
Princípios do treinamento físico
Princípios do treinamento físicoPrincípios do treinamento físico
Princípios do treinamento físico
lululimavidal
 
A vaidade adoece (2)
A vaidade adoece (2)A vaidade adoece (2)
A vaidade adoece (2)
lululimavidal
 
Atividade 6º ano
Atividade 6º anoAtividade 6º ano
Atividade 6º ano
lululimavidal
 
Slides lesões no esporte
Slides lesões no esporteSlides lesões no esporte
Slides lesões no esporte
lululimavidal
 
Texto saúde é o que interessa
Texto saúde é o que interessaTexto saúde é o que interessa
Texto saúde é o que interessa
lululimavidal
 
Princípios do treinamento físico
Princípios do treinamento físicoPrincípios do treinamento físico
Princípios do treinamento físico
lululimavidal
 
Princípios do treinamento físico
Princípios do treinamento físicoPrincípios do treinamento físico
Princípios do treinamento físico
lululimavidal
 
Módulo digitalizado de educacao fisica
Módulo digitalizado de educacao fisicaMódulo digitalizado de educacao fisica
Módulo digitalizado de educacao fisica
lululimavidal
 

Mais de lululimavidal (10)

Temas a serem explorados na pesquisa de campo do p (1)
Temas a serem explorados na pesquisa de campo do p (1)Temas a serem explorados na pesquisa de campo do p (1)
Temas a serem explorados na pesquisa de campo do p (1)
 
Texto de atividades físicas alternativas
Texto de atividades físicas alternativasTexto de atividades físicas alternativas
Texto de atividades físicas alternativas
 
Princípios do treinamento físico
Princípios do treinamento físicoPrincípios do treinamento físico
Princípios do treinamento físico
 
A vaidade adoece (2)
A vaidade adoece (2)A vaidade adoece (2)
A vaidade adoece (2)
 
Atividade 6º ano
Atividade 6º anoAtividade 6º ano
Atividade 6º ano
 
Slides lesões no esporte
Slides lesões no esporteSlides lesões no esporte
Slides lesões no esporte
 
Texto saúde é o que interessa
Texto saúde é o que interessaTexto saúde é o que interessa
Texto saúde é o que interessa
 
Princípios do treinamento físico
Princípios do treinamento físicoPrincípios do treinamento físico
Princípios do treinamento físico
 
Princípios do treinamento físico
Princípios do treinamento físicoPrincípios do treinamento físico
Princípios do treinamento físico
 
Módulo digitalizado de educacao fisica
Módulo digitalizado de educacao fisicaMódulo digitalizado de educacao fisica
Módulo digitalizado de educacao fisica
 

Último

Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Mary Alvarenga
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
IsaiasJohaneSimango
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
Geagra UFG
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 

Texto sobre dança classica

  • 1. História da Dança Na história da dança, pode-se verificar que ela é uma das maneiras encontradas pelo ser humano de expressar sua arte e movimentos e ainda é essencial para a contribuição na história da arte. Ainda na Pré História, a dança e a música eram usadas para representar situações e muitas delas ficaramregistradas nas paredes de cavernas rupestres. A dança já era executada durante o antigo Egito, por meio da dança do ventre, para homenagear deuses e na Ásia ela tinha cunho religioso. Além disso, poderia significar a cura, a morte ou o nascimento de uma pessoa. Na Grécia Antiga, a dança ainda podia representar algo muito importante na educação e no culto de algumas religiões. O teatro nessa época também passou a contar com cenas onde os atores dançavam durante os atos. Surgiram também as sátiras e comédias gregas. Quando o território grego foi tomado pelos romanos, suas danças também passarama influenciar esse povo. Na Idade Média, a influência da Igreja Católica proibiu algumas danças que continham coreografias que infringiam as diretrizes católicas. Durante o século XIV, predominavam as danças religiosas feitas pelos artesãos. Nas festas emfamília, essa expressão artística era muito usada pelas pessoas. O Rei Luís XIV incentivou o balé na França e deu apoio para manifestações culturais. No início dos anos 1900, a dança contemporânea começou a ser inserida nos salões e escolas de dança. Atualmente, não existe apenas um estilo crescendo sozinho, ele acaba sofrendo influência ritmos como o rock e o jazz. Além disso, existe a influência das danças típicas no cotidiano de milhões de pessoas no mundo que expressamsua cultura por meio da dança. Estilos de Dança Dança Clássica Balé O balé surgiu na corte italiana durante a Renascença no século XV. Depois a dança passou a ser executada em países como França, Rússia e Inglaterra ao som de músicas clássicas. O destaque fica para a França, pois o rei Luís XIV influenciou a prática do balé e a língua francesa é usada para denominar diversos passos da dança. É uma dança que exige bastante prática e é ensinada em escolas específicas instaladas em diversos países. As principais exigências do balé são os movimentos dos membros superiores, leveza, harmonia, a postura ereta e a simetria dos bailarinos. Valsa A valsa é uma dança que surgiu nas regiões da Alemanha e da Áustria no início do século XIX e a palavra significa 'dar voltas'/'girar'/'deslizar'. Buscou referências em danças como o laendler e o minueto. Primeiramente, ela era conhecida como uma dança vulgar e depois foi transformada em algo nobre e das altas classes.
  • 2. Como os pares dançam muito próximos, ela era chamada de proibida, mas, atualmente, as valsas são mais praticadas em festas de casamentos, formaturas e aniversários de debutantes. Dança Moderna A dança moderna começou no século XX e surgiu como forma de expressar o sentimento das pessoas que queriam desvincular-se das danças clássicas. Essetipo de dança busca trabalhar com movimentos parecidos com o cotidiano da vida contemporânea. Os principais nomes da dança moderna foram Émile Jaques-Dalcroze, François Delsarte, Isadora Duncan, Ruth St. Denis e Rudolf von Laban. Nesse estilo de dança, o dançarino tem a opção de se expressar de uma maneira mais livre e atual. Trabalha com o ritmo, dinamismo, movimentos inspirados na natureza e espontaneidade. No Brasil,adança moderna começou a ser mais divulgada após a Segunda Guerra Mundial quando os artistas abandonaram o estilo mais clássico e propuseram novas formas. Bolero Esse tipo de dança surgiu na Europa e chegou a Cuba ainda no século XIX. A base desse ritmo é o dois pra lá, dois pra cá; porém, ocorrem também os giros, as caminhadas e evoluções durante o bolero. O nome da dança é explicado por causa dos vestidos usados por algumas bailarinas. As peças continham bolas (chamadas de boleiras). Tango Argentino O tango surgiu nos bairros mais humildes da Argentina e se tornou uma das danças mais admiradas no mundo. Assim como a valsa, o casal de dançarinos dança bem próximos e pode-se improvisar mais do que as outras modalidades. Apesar do surgimento no país portenho, o tango argentino sofreu influências de países como Itália, França e Espanha. O ombro esquerdo conduz o casal que deve manter seu corpo inclinado. São basicamente oito passos principais que são realizados com movimentos cheios de intensidade e dramaticidade. Os dançarinos devem manter a proximidade e o olhar intenso. Jazz O Jazz é uma forma de expressão pessoal criada e sustentada pelo improviso. Na sua origem a Dança Jazz tem raízes essencialmente populares. Com uma evolução inicial paralela à da música Jazz, surgiu nos E.U.A no final do século passado. Pode-se afirmar, inclusive, que nasceu diretamente da cultura negra. É possível descrever essa dança como uma manifestação corporal acompanhada de música, marcada pela polirritmia (quando o corpo acompanha vários ritmos simultaneamente), movimentos sincopados (quando há rompimento dos movimentos já internalizados e estabelecem-se outros padrões de movimentos) e pelo swing. Ainda que a influência da música jazz seja bastante intensa
  • 3. sobre a constituição dessa dança, sua prática não necessariamente é acompanhada desse estilo de música, o que permite à praticante liberdade também na escolha musical. Segunda a história, os negros - que não estavam cansados ou doentes - nos navios negreiros vindos da África, eram obrigados a dançar para manter a saúde. As danças dos senhores brancos eram polcas, as valsas e as quadrilhas. Os negros os imitavam ridicularizando-os, mas dançavam de acordo com as informações que tinham da cultura europeia e misturavam com as danças que conheciam, utilizando os instrumentos de sua cultura. Dessa forma veio o jazz. Uma imitação dos ritmos europeus com os costumes e ritmos negros. Dança Contemporânea A dança contemporânea surgiu na década de 1950, como uma forma de protesto ou rompimento com a cultura clássica. Mais que uma técnica específica, a dança contemporânea é uma coleção de sistemas e métodos desenvolvidos a partir da dança moderna e pós-moderna. A dança contemporânea não se define em técnicas ou movimentos específicos, pois o intérprete/bailarino ganha autonomia para construir suas próprias partituras coreográficas a partir de métodos e procedimentos de pesquisa como: improvisação, contato-improvisação. Esses métodos trazem instrumentos para que o intérprete crie suas composições a partir de temas relacionados a questões políticas, sociais, culturais, autobiográficas, comportamentais e cotidianas, como também a fisiologia e a anatomia do corpo. Fonte: http://tipos-de-danca.info/ https://pt.wikipedia.org/wiki/Jazz_Dance http://www.mundodadanca.art.br/2010/03/danca-contemporanea-sua-historia.html