SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
A FAMÍLIA: UMA ABORDAGEM FILOSÓFICA NA PÓS-MODERNIDADE.


        Inicio o estudo com quatro grandes eixos Históricos Filosófico/Familiar.
             O centro do pensar filosófico, nos seus primórdios, era o cosmos: a totalidade do
                mundo físico, a grande máquina do universo, desde o céu estrelado até às
                profundezas do oceano e das entranhas da Terra.
             Chegam os socráticos e esse centro se desloca em direção à polis promovida pelo
                homem social.
             Vem o cristianismo, e o homem, feito à imagem e semelhança de Deus, tem uma
                vocação pessoal salvar sua alma e cultivar as virtudes e conquistar o reino dos
                céus. Sua comunidade é a igreja.
             Chega a época moderna, e o individualismo domina tudo: a autonomia, a
                fundamentação dos costumes e da vida pessoal e social sobre a única base da
                razão do indivíduo, não deixam sequer espaço para considerar a família como um
                ‘locus philosophicus’.
        Claro que a filosofia, desde o começo, destaca propriamente à reflexão quando se
apresenta como objeto de curiosidade, ou de admiração; quer dizer, de estranhamento. E a família
tem essa marca de parecer tão ‘familiar’ que nem suscita questionamento espontâneo: as pessoas
se sentem de tal modo ‘familiarizadas’ que não vêem nela um problema filosófico, um desafio
como a Esfinge que dizia “Decifra-me ou te devoro”. A problemática do homem e da ética surgiu
com a crise da cidade grega: antes a pessoa e seus costumes estavam imersos naquela “eticidade
compacta”, que era a polis (Hegel). A Filosofia Social, a Filosofia da História vieram a surgir no
século passado, depois do choque da urbanização e da revolução industrial.
        Claro que desde S. Agostinho havia uma Teologia da História, mas o pensamento
filosófico só se tornou historiocêntrico com Hegel.
        O ser humano é fruto da organização cultural que faz ter um pai e uma mãe, que tem
deveres para com eles aos quais deve respeito e obediência, dos quais recebe não só a vida
biológica, mas também as normas e aquisições da cultura e da sociedade.
        Com a divisão da sociedade em classes, com o advento do Estado para manter uma
ordem estabelecida sobre a desigualdade, passou a dominar um modelo inverso ao da
fraternidade, onde os membros da sociedade, pertencentes a classes inferiores, eram tratados não
como irmãos, mas como animais.
        Sem o apoio e o conforto de um novelo de relações e de solidariedade envolventes, o
homem e a mulher se defrontam sem mediação, nem instância de apelação, sem álibi para seus
inevitáveis conflitos, que antes dissolviam em boa parte no grupo familiar mais extenso. Tendo o
casal de lutar sozinho pela manutenção e educação da prole, muitas vezes em condições
adversas, as forças centrífugas rompem facilmente os laços pessoais, a começar pelo afeto
recíproco e amor pelos filhos.
        Parece que a alma da ideologia capitalista, a busca do maior lucro do indivíduo, está em
oposição com o “ethos” profundo da família. Pois a família tem por base o dom: a mãe dá ao filho a
vida, o leite; o pai provê o seu sustento e lhe dá educação; os irmãos dividem fraternalmente entre
si o que adquirem - reciprocidade – lei fundamental da sociedade humana – de sua ética, de sua
organização social e do funcionamento pacífico de suas instituições.
        Filosofar   sobre   “intersubjetividade”   tornou-se   uma     das   vertentes   da   filosofia
contemporânea, assim como a questão da “subjetividade” constituiu a marca da filosofia moderna.
O caminho foi aberto por Hegel, com suas análises memoráveis sobre o reconhecimento, sobre o
Eu constituindo-se no enfrentamento com o Outro, sobre a reconciliação.
        Se os cinco (ou mesmo os sete) primeiros anos marcam definitivamente a vida do ser
humano nesse período, é no seio da família que o espírito se desenvolve e faz suas descobertas
que lhe definem a personalidade, o modo de ser como ser humano, como ser social, e também,
poderíamos dizer, como “animal metafísico”.
         A vida do homem, como ser social, é toda constituída de trocas, de intercâmbios, ou seja,
de comunicação recíproca com os outros. Em nossas sociedades capitalistas, o que se troca são
mercadorias; e tudo o que se troca acaba assumindo a forma de mercadoria: o ensino, o trabalho,
os conhecimentos, etc.; de uma forma que surpreenderia civilizações anteriores à nossa. Tudo
está à venda, tudo se compra.
        Não seria hora de redescobrir a família:
             1. Seu convívio, sua ética, sua reciprocidade, seus laços de profunda humanidade e
                 aliança, se estendem a perder de vista na sociedade como um todo?
             2. Reaprender o amor e fidelidade, depois das experiências de sexo sem amor nem
                 compromisso?
             3. Recuperar o ambiente do lar, das relações de verdadeiro amor e diálogo entre os
                 esposos; o enriquecimento da personalidade da mulher através da maternidade; a
                 realização pessoal do homem ao construir uma unidade de ser e vida com a
                 esposa, e em dar a vida e ensinar o caminho aos filhos, como muito mais
                 importante e gratificante que seus êxitos na bolsa, no faturamento da empresa, na
                 conquista dos mercados e derrota dos competidores?
       O ser humano foi feito para felicidade. Ora, a felicidade está na plena realização de sua
natureza humana, racional e emotiva: feita para luta pela vida, mas também para o repouso do
guerreiro. Na certa, quase todas as culturas diversas da nossa sociedade-mercadoria, foram mais
capazes de produzir seres humanos felizes e ajustados. É a qualidade de vida, a felicidade ‘per
capita’, o verdadeiro indicador do sucesso de uma sociedade e de uma cultura; e não o produto
nacional ‘bruto’ ou ‘por habitante’. Ora, para essa qualidade total de vida, isto é, para uma vida
humana total, a família tem uma importância incomparável.
REFERÊNCIAS
        BUBER, Martim, Eu e Tu. Tradução de N. Aubeu. 2. Ed. São Paulo: Cortez e Moraes,
1979.
        HEGEL, G. W. F. Fenomenologia do Espírito. Tradução de Paulo Meneses. Petrópolis:
Vozes, 1992.
        _________. Princípios da Filosofia do Direito. Tradução de O. Vitorino. 4. Ed. [s. l.: s.
n], 1990.
        LÉVI-STRAUSS, Claude. As formas Elementares do Parentesco. Tradução de M.
Ferreira. Petrópolis: Vozes, 1982.
        LINTON, Ralph. O Homem: uma introdução à Antropologia. Tradução de L. Vilela. 10. Ed.
São Paulo: Martins Fontes, 1976.
        MAUSS, Marcel. Ensaio sobre a Dádiva. Forma e Razão da Troca nas Sociedades
Arcaicas. In:_________.Sociologia e Antropologia. Tradução de M. Almeida. São Paulo: E. P. U.,
1974. v.2.
        PINCUS, Lily, DARE, C. Psicodinâmica da Família. Porto Alegre: artes médicas, 1981.
        VAZ, Henrique C. L. Antropologia Filosófica. São Paulo: Loyola, 1992. v.2.
        WINNICOT, D. W. Da Pediatria à Psicanálise. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1978.a

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Atividades chineses ii
Atividades chineses iiAtividades chineses ii
Atividades chineses ii
Doug Caesar
 

Mais procurados (20)

13.exerccios sistema reprodutor avançado
13.exerccios sistema reprodutor avançado13.exerccios sistema reprodutor avançado
13.exerccios sistema reprodutor avançado
 
Cruzadinha ciclo do ouro
Cruzadinha ciclo do ouroCruzadinha ciclo do ouro
Cruzadinha ciclo do ouro
 
atividades sobre a Primeira Guerra Mundial
atividades sobre a Primeira Guerra Mundialatividades sobre a Primeira Guerra Mundial
atividades sobre a Primeira Guerra Mundial
 
ATIVIDADES religiao 6 ano.pdf
ATIVIDADES religiao 6 ano.pdfATIVIDADES religiao 6 ano.pdf
ATIVIDADES religiao 6 ano.pdf
 
História em quadrinhos Independência do Brasil
História em quadrinhos Independência do BrasilHistória em quadrinhos Independência do Brasil
História em quadrinhos Independência do Brasil
 
Instrumentos usados nas culturas e religiões afro-brasileiras
Instrumentos usados nas culturas e religiões afro-brasileirasInstrumentos usados nas culturas e religiões afro-brasileiras
Instrumentos usados nas culturas e religiões afro-brasileiras
 
A história do carnaval
A história do carnavalA história do carnaval
A história do carnaval
 
6º ano vs 3 04.03 gabarito
6º ano vs 3 04.03 gabarito6º ano vs 3 04.03 gabarito
6º ano vs 3 04.03 gabarito
 
Avaliação 9° ano
Avaliação 9° anoAvaliação 9° ano
Avaliação 9° ano
 
Paródia da tabuada
Paródia da tabuadaParódia da tabuada
Paródia da tabuada
 
Lista de-exercicios-sobre-substantivos
Lista de-exercicios-sobre-substantivosLista de-exercicios-sobre-substantivos
Lista de-exercicios-sobre-substantivos
 
Cuzadinha sobre a era vargas
Cuzadinha sobre a era vargasCuzadinha sobre a era vargas
Cuzadinha sobre a era vargas
 
Atividades chineses ii
Atividades chineses iiAtividades chineses ii
Atividades chineses ii
 
Atividades trancso
Atividades trancsoAtividades trancso
Atividades trancso
 
Prova revoluçao russa
Prova revoluçao russaProva revoluçao russa
Prova revoluçao russa
 
F.A. sólidos geométricos 5º mat.
F.A. sólidos geométricos 5º mat.F.A. sólidos geométricos 5º mat.
F.A. sólidos geométricos 5º mat.
 
Caderno Pedagógico de História - 6º Ano/4º Bimestre
Caderno Pedagógico de História - 6º Ano/4º BimestreCaderno Pedagógico de História - 6º Ano/4º Bimestre
Caderno Pedagógico de História - 6º Ano/4º Bimestre
 
Cruzadinha - Idade Média - 1º ano
Cruzadinha -  Idade Média - 1º ano Cruzadinha -  Idade Média - 1º ano
Cruzadinha - Idade Média - 1º ano
 
Atividades tres filtros de sócrates
Atividades tres filtros de sócratesAtividades tres filtros de sócrates
Atividades tres filtros de sócrates
 
Caça palavras Era Napoleônica
Caça palavras Era NapoleônicaCaça palavras Era Napoleônica
Caça palavras Era Napoleônica
 

Destaque

19 Dicas E Sugestoes Infantil
19 Dicas E Sugestoes Infantil19 Dicas E Sugestoes Infantil
19 Dicas E Sugestoes Infantil
daizinha1103
 
Bacia do atlântico leste
Bacia do atlântico lesteBacia do atlântico leste
Bacia do atlântico leste
Gaabi0
 
Resumo bom filosofia
Resumo bom filosofiaResumo bom filosofia
Resumo bom filosofia
pmarisa10
 
A familia-sociologia-power-point
A familia-sociologia-power-pointA familia-sociologia-power-point
A familia-sociologia-power-point
António Moreira
 
Família
FamíliaFamília
Família
ccqc
 

Destaque (20)

1º anos (Filosofia) Família
1º anos (Filosofia) Família1º anos (Filosofia) Família
1º anos (Filosofia) Família
 
Planejamento minha familia
Planejamento minha familiaPlanejamento minha familia
Planejamento minha familia
 
Interpretação de texto vidas secas
Interpretação de texto   vidas secasInterpretação de texto   vidas secas
Interpretação de texto vidas secas
 
Familia aguiar 700 anos de historia
Familia aguiar 700 anos de historiaFamilia aguiar 700 anos de historia
Familia aguiar 700 anos de historia
 
Familia y los textos
Familia y los textosFamilia y los textos
Familia y los textos
 
Extrativismo Mineral
Extrativismo MineralExtrativismo Mineral
Extrativismo Mineral
 
Bacia Atlântico Sul
Bacia Atlântico SulBacia Atlântico Sul
Bacia Atlântico Sul
 
planificação 8º ano
planificação 8º anoplanificação 8º ano
planificação 8º ano
 
19 Dicas E Sugestoes Infantil
19 Dicas E Sugestoes Infantil19 Dicas E Sugestoes Infantil
19 Dicas E Sugestoes Infantil
 
Bacia do atlântico leste
Bacia do atlântico lesteBacia do atlântico leste
Bacia do atlântico leste
 
Parela hist e geo i und 2014
Parela hist e geo i und 2014Parela hist e geo i und 2014
Parela hist e geo i und 2014
 
Palestra apae 2011
Palestra apae 2011Palestra apae 2011
Palestra apae 2011
 
Resumo bom filosofia
Resumo bom filosofiaResumo bom filosofia
Resumo bom filosofia
 
Família trabalho de sociologia(2)
Família trabalho de sociologia(2)Família trabalho de sociologia(2)
Família trabalho de sociologia(2)
 
Familia na atualidade
Familia na atualidadeFamilia na atualidade
Familia na atualidade
 
A família - Sociologia 12ºAno
A família - Sociologia 12ºAnoA família - Sociologia 12ºAno
A família - Sociologia 12ºAno
 
A familia-sociologia-power-point
A familia-sociologia-power-pointA familia-sociologia-power-point
A familia-sociologia-power-point
 
Família
FamíliaFamília
Família
 
Família
FamíliaFamília
Família
 
Ensino religioso
Ensino religiosoEnsino religioso
Ensino religioso
 

Semelhante a Texto a família e a filosofia

J. herculano pires introdução à filosofia espírita
J. herculano pires   introdução à filosofia espíritaJ. herculano pires   introdução à filosofia espírita
J. herculano pires introdução à filosofia espírita
Helio Cruz
 
Conceitos de família e parentesco
Conceitos de família e parentescoConceitos de família e parentesco
Conceitos de família e parentesco
Prof. Noe Assunção
 
A Voz Indígena - por Evandro Vieira Ouriques
A Voz Indígena -  por Evandro Vieira OuriquesA Voz Indígena -  por Evandro Vieira Ouriques
A Voz Indígena - por Evandro Vieira Ouriques
Instituto Uka
 
O Bandeirante - n.209 - Abril de 2010
O Bandeirante - n.209 - Abril de 2010O Bandeirante - n.209 - Abril de 2010
O Bandeirante - n.209 - Abril de 2010
Marcos Gimenes Salun
 
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedadeSegundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
CeiClarencio
 

Semelhante a Texto a família e a filosofia (20)

A familia
A familiaA familia
A familia
 
A sagração da intimidade
A sagração da intimidadeA sagração da intimidade
A sagração da intimidade
 
Metodo FreirianoRes03 31
Metodo FreirianoRes03 31Metodo FreirianoRes03 31
Metodo FreirianoRes03 31
 
Etnocentrismo, racismo e preconceito.
Etnocentrismo, racismo e preconceito.Etnocentrismo, racismo e preconceito.
Etnocentrismo, racismo e preconceito.
 
Damatta
DamattaDamatta
Damatta
 
Vida cristã 2
Vida cristã 2Vida cristã 2
Vida cristã 2
 
Seminário novas configurações familiares
Seminário novas configurações familiaresSeminário novas configurações familiares
Seminário novas configurações familiares
 
J. herculano pires introdução à filosofia espírita
J. herculano pires   introdução à filosofia espíritaJ. herculano pires   introdução à filosofia espírita
J. herculano pires introdução à filosofia espírita
 
Conceitos de família e parentesco
Conceitos de família e parentescoConceitos de família e parentesco
Conceitos de família e parentesco
 
Volume VII
Volume VIIVolume VII
Volume VII
 
Pequeno Tratado de Subversão da Ordem
Pequeno Tratado de Subversão da OrdemPequeno Tratado de Subversão da Ordem
Pequeno Tratado de Subversão da Ordem
 
Fides et ratio 1
Fides et ratio 1Fides et ratio 1
Fides et ratio 1
 
A Voz Indígena - por Evandro Vieira Ouriques
A Voz Indígena -  por Evandro Vieira OuriquesA Voz Indígena -  por Evandro Vieira Ouriques
A Voz Indígena - por Evandro Vieira Ouriques
 
Multiculturalismo (1)
Multiculturalismo (1)Multiculturalismo (1)
Multiculturalismo (1)
 
Dilthey e os tipos de concepção do mundo
Dilthey e os tipos de concepção do mundoDilthey e os tipos de concepção do mundo
Dilthey e os tipos de concepção do mundo
 
Dilthey Tipos de concepção de mundo
Dilthey Tipos de concepção de mundoDilthey Tipos de concepção de mundo
Dilthey Tipos de concepção de mundo
 
O Bandeirante - n.209 - Abril de 2010
O Bandeirante - n.209 - Abril de 2010O Bandeirante - n.209 - Abril de 2010
O Bandeirante - n.209 - Abril de 2010
 
A paz mundial através de umama educação mundial
A paz mundial através de umama educação mundialA paz mundial através de umama educação mundial
A paz mundial através de umama educação mundial
 
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedadeSegundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
Segundo Módulo - Aula 07 - Lei de sociedade
 
Trabalho Conclusão Didática - UNIRIO
Trabalho Conclusão Didática - UNIRIOTrabalho Conclusão Didática - UNIRIO
Trabalho Conclusão Didática - UNIRIO
 

Mais de andre barbosa

Mais de andre barbosa (20)

Trabalho de sociologia.
Trabalho de sociologia.Trabalho de sociologia.
Trabalho de sociologia.
 
Trabalho de sociologia
Trabalho de sociologiaTrabalho de sociologia
Trabalho de sociologia
 
México
MéxicoMéxico
México
 
Pré programação CONEDU_pensar
Pré programação CONEDU_pensarPré programação CONEDU_pensar
Pré programação CONEDU_pensar
 
Adolescência, drogas, gravidez.pptx
Adolescência, drogas, gravidez.pptxAdolescência, drogas, gravidez.pptx
Adolescência, drogas, gravidez.pptx
 
Adolescência ou Aborrescência
Adolescência ou AborrescênciaAdolescência ou Aborrescência
Adolescência ou Aborrescência
 
Gravidez na Adolescência
Gravidez na AdolescênciaGravidez na Adolescência
Gravidez na Adolescência
 
Drogas na Adolescência
Drogas na AdolescênciaDrogas na Adolescência
Drogas na Adolescência
 
Participações do povo nas decisões politicas palestra
Participações do povo nas decisões politicas palestraParticipações do povo nas decisões politicas palestra
Participações do povo nas decisões politicas palestra
 
A tal da esquerda palestra 2
A tal da esquerda palestra 2A tal da esquerda palestra 2
A tal da esquerda palestra 2
 
Seminário PEC
Seminário PEC Seminário PEC
Seminário PEC
 
Impeachment
ImpeachmentImpeachment
Impeachment
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
 
Jornal informativo - Proinfo 2014 - Turma de Sexta.
Jornal informativo - Proinfo 2014 - Turma de Sexta.Jornal informativo - Proinfo 2014 - Turma de Sexta.
Jornal informativo - Proinfo 2014 - Turma de Sexta.
 
Merenda escolar
Merenda escolarMerenda escolar
Merenda escolar
 
Jornal diga não as drogas (daiane)
Jornal diga não as drogas (daiane)Jornal diga não as drogas (daiane)
Jornal diga não as drogas (daiane)
 
India
IndiaIndia
India
 
Indígenas
IndígenasIndígenas
Indígenas
 
Afeganistão
AfeganistãoAfeganistão
Afeganistão
 
Escócia
EscóciaEscócia
Escócia
 

Texto a família e a filosofia

  • 1. A FAMÍLIA: UMA ABORDAGEM FILOSÓFICA NA PÓS-MODERNIDADE. Inicio o estudo com quatro grandes eixos Históricos Filosófico/Familiar.  O centro do pensar filosófico, nos seus primórdios, era o cosmos: a totalidade do mundo físico, a grande máquina do universo, desde o céu estrelado até às profundezas do oceano e das entranhas da Terra.  Chegam os socráticos e esse centro se desloca em direção à polis promovida pelo homem social.  Vem o cristianismo, e o homem, feito à imagem e semelhança de Deus, tem uma vocação pessoal salvar sua alma e cultivar as virtudes e conquistar o reino dos céus. Sua comunidade é a igreja.  Chega a época moderna, e o individualismo domina tudo: a autonomia, a fundamentação dos costumes e da vida pessoal e social sobre a única base da razão do indivíduo, não deixam sequer espaço para considerar a família como um ‘locus philosophicus’. Claro que a filosofia, desde o começo, destaca propriamente à reflexão quando se apresenta como objeto de curiosidade, ou de admiração; quer dizer, de estranhamento. E a família tem essa marca de parecer tão ‘familiar’ que nem suscita questionamento espontâneo: as pessoas se sentem de tal modo ‘familiarizadas’ que não vêem nela um problema filosófico, um desafio como a Esfinge que dizia “Decifra-me ou te devoro”. A problemática do homem e da ética surgiu com a crise da cidade grega: antes a pessoa e seus costumes estavam imersos naquela “eticidade compacta”, que era a polis (Hegel). A Filosofia Social, a Filosofia da História vieram a surgir no século passado, depois do choque da urbanização e da revolução industrial. Claro que desde S. Agostinho havia uma Teologia da História, mas o pensamento filosófico só se tornou historiocêntrico com Hegel. O ser humano é fruto da organização cultural que faz ter um pai e uma mãe, que tem deveres para com eles aos quais deve respeito e obediência, dos quais recebe não só a vida biológica, mas também as normas e aquisições da cultura e da sociedade. Com a divisão da sociedade em classes, com o advento do Estado para manter uma ordem estabelecida sobre a desigualdade, passou a dominar um modelo inverso ao da fraternidade, onde os membros da sociedade, pertencentes a classes inferiores, eram tratados não como irmãos, mas como animais. Sem o apoio e o conforto de um novelo de relações e de solidariedade envolventes, o homem e a mulher se defrontam sem mediação, nem instância de apelação, sem álibi para seus inevitáveis conflitos, que antes dissolviam em boa parte no grupo familiar mais extenso. Tendo o casal de lutar sozinho pela manutenção e educação da prole, muitas vezes em condições
  • 2. adversas, as forças centrífugas rompem facilmente os laços pessoais, a começar pelo afeto recíproco e amor pelos filhos. Parece que a alma da ideologia capitalista, a busca do maior lucro do indivíduo, está em oposição com o “ethos” profundo da família. Pois a família tem por base o dom: a mãe dá ao filho a vida, o leite; o pai provê o seu sustento e lhe dá educação; os irmãos dividem fraternalmente entre si o que adquirem - reciprocidade – lei fundamental da sociedade humana – de sua ética, de sua organização social e do funcionamento pacífico de suas instituições. Filosofar sobre “intersubjetividade” tornou-se uma das vertentes da filosofia contemporânea, assim como a questão da “subjetividade” constituiu a marca da filosofia moderna. O caminho foi aberto por Hegel, com suas análises memoráveis sobre o reconhecimento, sobre o Eu constituindo-se no enfrentamento com o Outro, sobre a reconciliação. Se os cinco (ou mesmo os sete) primeiros anos marcam definitivamente a vida do ser humano nesse período, é no seio da família que o espírito se desenvolve e faz suas descobertas que lhe definem a personalidade, o modo de ser como ser humano, como ser social, e também, poderíamos dizer, como “animal metafísico”. A vida do homem, como ser social, é toda constituída de trocas, de intercâmbios, ou seja, de comunicação recíproca com os outros. Em nossas sociedades capitalistas, o que se troca são mercadorias; e tudo o que se troca acaba assumindo a forma de mercadoria: o ensino, o trabalho, os conhecimentos, etc.; de uma forma que surpreenderia civilizações anteriores à nossa. Tudo está à venda, tudo se compra. Não seria hora de redescobrir a família: 1. Seu convívio, sua ética, sua reciprocidade, seus laços de profunda humanidade e aliança, se estendem a perder de vista na sociedade como um todo? 2. Reaprender o amor e fidelidade, depois das experiências de sexo sem amor nem compromisso? 3. Recuperar o ambiente do lar, das relações de verdadeiro amor e diálogo entre os esposos; o enriquecimento da personalidade da mulher através da maternidade; a realização pessoal do homem ao construir uma unidade de ser e vida com a esposa, e em dar a vida e ensinar o caminho aos filhos, como muito mais importante e gratificante que seus êxitos na bolsa, no faturamento da empresa, na conquista dos mercados e derrota dos competidores? O ser humano foi feito para felicidade. Ora, a felicidade está na plena realização de sua natureza humana, racional e emotiva: feita para luta pela vida, mas também para o repouso do guerreiro. Na certa, quase todas as culturas diversas da nossa sociedade-mercadoria, foram mais capazes de produzir seres humanos felizes e ajustados. É a qualidade de vida, a felicidade ‘per capita’, o verdadeiro indicador do sucesso de uma sociedade e de uma cultura; e não o produto nacional ‘bruto’ ou ‘por habitante’. Ora, para essa qualidade total de vida, isto é, para uma vida humana total, a família tem uma importância incomparável.
  • 3. REFERÊNCIAS BUBER, Martim, Eu e Tu. Tradução de N. Aubeu. 2. Ed. São Paulo: Cortez e Moraes, 1979. HEGEL, G. W. F. Fenomenologia do Espírito. Tradução de Paulo Meneses. Petrópolis: Vozes, 1992. _________. Princípios da Filosofia do Direito. Tradução de O. Vitorino. 4. Ed. [s. l.: s. n], 1990. LÉVI-STRAUSS, Claude. As formas Elementares do Parentesco. Tradução de M. Ferreira. Petrópolis: Vozes, 1982. LINTON, Ralph. O Homem: uma introdução à Antropologia. Tradução de L. Vilela. 10. Ed. São Paulo: Martins Fontes, 1976. MAUSS, Marcel. Ensaio sobre a Dádiva. Forma e Razão da Troca nas Sociedades Arcaicas. In:_________.Sociologia e Antropologia. Tradução de M. Almeida. São Paulo: E. P. U., 1974. v.2. PINCUS, Lily, DARE, C. Psicodinâmica da Família. Porto Alegre: artes médicas, 1981. VAZ, Henrique C. L. Antropologia Filosófica. São Paulo: Loyola, 1992. v.2. WINNICOT, D. W. Da Pediatria à Psicanálise. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1978.a