SlideShare uma empresa Scribd logo
A INFÂNCIA NA CRECHE: DA CURIOSIDADE AO CONHECIMENTO
Talita da Silva de Oliveira
Aluna do curso de Pedagogia - Anhanguera Unidade I/MS
talitamerlin@hotmail.com
Eixo: Educação Da Infância: Brincar e Criar nos espaços Institucionais.
Painel
RESUMO
O trabalho foi elaborado de acordo com as nossas experiências profissionais registradas em
vídeos caseiros, feitos em momentos que desenvolvemos brincadeiras com as crianças de
umainstituição de Educação Infantil, localizado no município de Campo
Grande/MS.Relatamoseanalisamos as ações buscando compreender como as crianças
aprendem por meio da ludicidade instigadaspela curiosidade. Algumas ações registradas nos
vídeos focaram o cotidiano das ações desenvolvidas na instituição, tais como: leituras,
músicas, colagens, e brincadeiras, com foco maior na brincadeira livre queocorriam nos pátios
externos em contato com a natureza.Para efeito deste trabalho, relatamos apenas dois vídeos,
observando atividades que fomentaram a aquisição de novos conhecimentos.Salientamos a
importância do registro em vídeo e sua posterior análise para qualificar o trabalho
desenvolvido com a criança, uma vez que a auto avaliação e o aperfeiçoamentodas práticas
associadas às teorias e leis atuais que garante a essas crianças o seu pleno desenvolvimento,
ajudam o professor a repensar sua prática pedagógica. Com o intuito de subsidiarmos as
discussões utilizamos os estudos de teóricos comoLanger (1992), Freire (1995), Vigotsky
(2000), Morais e Albuquerque (2004), Ronca (1989), Ferreiro & Teberosky (1986),
Friedmann (2013), e as deliberações nacionais.
Palavras-chave: Infância, Curiosidade e Brincadeiras.
INTRODUÇÃO
Após muitos anos de indefinição sobre qual o tipo de educação deveria ser ofertada a
criança pequena, a Lei de Diretrizes e Base em seuArtigo 29 define que a educação infantil, é
a primeira etapa da educação básica, “tem como finalidade o desenvolvimento integral da
criança de até 5 (cinco) anos, em seus aspectos físico, psicológico, intelectual e social,
complementando a ação da família e da comunidade.” (Redação dada pela Lei nº 12.796, de
2013).Precisa ser oferecida pelo Estadoe configura-se como um direito público subjetivo das
crianças, à todas as famílias que desejarem matricular o seu filho ou dependente.
A educação Infantil é uma etapa da educação básica e o caminho para alcançarmos uma
educação de qualidade é longo. Percebemos que ainda há uma grande demanda para
atendimento destas crianças.O último Plano Nacional de Educação(2014 - 2024)em sua
primeira meta falando sobre universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as
crianças de quatro a cinco anos de idade e ampliar a oferta de educação infantil em creches de
forma a atender, no mínimo, 50% por cento das crianças de até três anos até o final da
vigência deste PNE. Ou, seja até 2024, temos o compromisso de atender apenas 50% das
crianças de zero a três anos. Em contra partida,as famílias têm cobrado das autoridadeso
atendimento a essas crianças que estão fora do sistema.
Acreditamosque para a garantia desse direito é necessário a superação da dicotomia entre
cuidar e educar, entre o assistencialismo e a educação.
A socialização da criança pequena em creche atendeu à necessidade dos
tempos atuais. No Brasil tem acompanhado os acertos e desacertos da
política educacional do país, tornando difícil o reconhecimento desse
atendimento como um espaço genuinamente educativo. Confundindo-se no
assistencialismo que marcou seu surgimento, ainda hoje os educadores de
creche precisam elaborar as contradições daí decorrentes (LANGER, 1992,
p. 123).
Conforme Langer as crianças necessitam desta socialização. A Educação Infantil era
vista como assistencialista e tinha como objetivo de prestar assistência as crianças menos
favorecidas, oferecendo cuidados para que elas pudessem viver, enquanto seus pais
trabalhavam.
No entanto atualmente a legislação já garante que os momentos do cuidar e educar
devem estarintrinsecamente elaborados e planejados, sendo esses indissociáveis. Segundo a
CNE/CEB nº 5/2009, em seu Art.5º “A Educação Infantil, primeira etapa da Educação Básica,
deverá ser oferecida em creche e pré-escolas, as quais devem proporcionar espaços
educacionais que educam e cuidam de crianças de 0 a 05 anos de idade”.
Pensado nesta relação entre o cuidar e o cuidar nos propusemos a falar um pouco da
qualificação do Educador-Pedagogo no contexto da Creche pensando sobre a questão: Qual a
atuação deste docente na creche na garantia da indissociabilidade entre o cuidar e o educar?
De acordo com Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil – RCNEI
(1998), o professor tem um papel muito importante na construção de uma proposta curricular
de qualidade, que ele esteja disposto, preparado e comprometido com a prática nas creches,
estando dessa forma, pensando no progresso destas crianças.O educador deve ter cautela nas
suas atitudes, observando o cuidar e educare que estejam ligados em suas ações no cotidiano
da instituição. Este documento destaca que:
O cuidado preciso considerar, principalmente, as necessidades das crianças,
que quando observadas, ouvidas e respeitadas, podem dar pistas importantes
sobre a qualidade do que estão recebendo. Os procedimentos de cuidado
também precisam seguir os princípios de promoção à saúde. Para se atingir
os objetivos dos cuidados com a preservação da vida e com o
desenvolvimento das capacidades humanas, são necessários que atitudes e
procedimentos estejam baseados em conhecimentos específicos sobre o
desenvolvimento biológico, emocional, e intelectual das crianças, levando
em consideração as diferentes realidades sócioculturais.(BRASIL, 1998,
p.25)
Portanto aooferecer situações de brincadeiras e aprendizagens orientadas devemos
pensar em oportunizar as crianças o desenvolvimento das suas habilidades infantis,
respeitando seus limites e cuidando.Para que as aprendizagens ocorram à curiosidade é
oponto primordial, essa relação de conhecimentos nos momentos de brincadeiras desperta a
criança a ter um olhar epistemológico.
Os momentos destas crianças nacreche precisam ser elaborados e curiosos para que a
criança se encontre e se descubra, emocione-se e supere obstáculos, inventando e
reinventando para superar desafios cognitivos, motores e mais tarde desafios da vida.
A criança, a infância, curiosidade e conhecimento estão abertos a essa discussão.Uns dos
mais conceituados estudiosos sobre educação nos permitem refletir sobre a curiosidade como
um alimento do saber.
Freire1995 p. 78 nos diz que a curiosidade alimenta o desejo de saber mais. Ela causa
inquietação, insatisfação desencadeando a busca pelo conhecimento.
Não é a curiosidade espontânea que viabiliza a tomada de distância
epistemológica. Essa tarefa cabe à curiosidade epistemológica – superando a
curiosidade ingênua, ela se faz mais metodicamente rigorosa. Essa
rigorosidade metódica é que faz a passagem do conhecimento ao nível do
senso comum para o conhecimento científico. Não é o conhecimento
científico que é rigoroso. A rigorosidade se acha no método de aproximação
do objeto."
O educador ao incentivar as crianças a observar o mundo a sua volta, levam elas a
questionar sobre o mundo, o seu contexto, a cultura a que pertence. O professor não deve
somente dirigir e avaliar suas experiências em sala, com foco no que oferece para criança e
sim participar de todas as ações, fornecendo espaços e desafios, tendo como referência as
individualidades e o desenvolvimento de cada criança.
As Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil 2013 p.99 Art. 9º “cada
criança apresenta um ritmo as práticas educativas devem incentivar a curiosidade, a
exploração, o encantamento, o questionamento, a indagação e o conhecimento das crianças
em relação ao mundo físico e social, ao tempo e à natureza.”
Atualmente o educador ao elaborar atividades deve considerar a ludicidade como uma
oportunidade para que as crianças questionem o mundo, pois elas sentem essa necessidade de
descobrir, o educador deve ser flexível e entender que ele não é o detentor de todos os
conhecimentos, devendo procurar pesquisar com as crianças, sair da sala de aula, fazer
observações em todos os espaços da instituição e trazendo o mundo para a escola.
Cabe ao professor, com seu olhar atento, seguro e disponível, acompanhar as
diferentes formas pelas quais a criança, desde o nascimento, se indaga sobre
o mundo e sobre si mesma, trilha diversos universos simbólicos transita
entre a cultura erudita e a cultura popular, imerge em situações diversas e
emociona-se com o belo e contra a violência, ao mesmo tempo em que vibra
com descobertas e reconhece obstáculos. (OLIVEIRA, 2013, p.51).
Concordamos com a autora que educadores ao estar em contato direto com as crianças
devem estar atentos aos desejos, expressões que elas manifestam. Podemos notar quando
contamos umas histórias em que as crianças percebem a crueldade das personagens e o final
feliz de outros. Elas se emocionam, imaginam, e mais, desenvolvem a oralidade. O medo
também é superado ou vivenciado com as histórias.
Para Vigotsky (1989) o brincar é uma atividade humana criadora na qual, imaginação,
fantasia e realidade interagem na produção de novas formas de construir relações sociais com
outros sujeitos, crianças e adultos. Por meio do brincar, as crianças que estão no contexto
escolar interagem com outros indivíduos reescrevem suas vidas, reformulam o que não
gostaria de passar, ou reproduzem o que vive nos ambientes de interação fora e dentro da
escola.
CURIOSIDADE E CONHECIMENTO: ANÁLISE DA AÇÃO
De acordo com Paulo Freire a curiosidade epistemológica é construída pelo exercício
crítico da capacidade de aprender. É a curiosidade que se torna metodicamente rigorosa e, se
opõe à curiosidade ingênua que caracteriza o senso comum.A curiosidade deveria ser mais
estimulada na escola, principalmente na educação infantil.
Aprender é um desafio e para aprender a conhecer é muito importante o estímulo da
curiosidade. As criançasestão cada vez maisabertas e dispostas para ampliar os seus
conhecimentos, e a ferramenta mais poderosa é a curiosidade.
Dessa forma,propomos estudar a curiosidade infantil, como este aspecto pode
influenciar nos processos de construção de conhecimentoenfatizando que o docente é o
mediadordas ações desenvolvidas e precisa interagir com as criançasde forma lúdica e
prazerosa.
Trabalhamoshá 07 anos em um Centro de Educação Infantil Público - CEINF na
Cidade de Campo Grande, MS. O trabalho desenvolvido por nós é de auxiliar a professora, no
período que esta em sala, e desenvolver ações com as crianças quando ela não está o cargo
que ocupamos denomina-serecreadora infantil.
Essa instituição possui uma infraestrutura adequada ao trabalho desenvolvido com as
crianças, existeum amplo espaço interno e externo,sendo que no pátio externo temos várias
árvores frutíferas, nesta unidade atendemos em média de 210 crianças período integral.
Objetivamos neste artigo relatar nossas práticas pedagógicas, asexperiências que
vivenciamos com as crianças de 04 a 05 anos do pré-I, observando como elas desfrutaram dos
momentos de interação aproveitando os espaços e os ambientes, externo e interno. Foram
registrados momentos da rotina da instituição, em que o brincar e as interações estavam
permeando as atividades, despertando a curiosidade e abrindo caminhos para o conhecimento.
Para melhorarmos nossa prática pedagógica e buscando entender as relações entre as
crianças, tínhamos o costume de registrar as ações por meio de vídeos entre o ano de 2014 e
2016, totalizando 26 arquivos. Percebemos que os vídeos possuíam uma enorme riqueza ao
mostrar o protagonismos infantil no cotidiano do espaço educativo, dessa maneira, realizamos
neste trabalho aanálise de alguns vídeos denosso acervo pessoal.
Como a avaliação se fará mediante o acompanhamento e o registro do
desenvolvimento, sem o objetivo de promoção, estes vídeos também eram utilizados como
forma avaliativa do desenvolvimento das crianças, conforme as Diretrizes Curriculares
Nacionais para educação Infantil (2013 p.95)
A observação crítica e criativa das atividades, das brincadeiras e interações
das crianças no cotidiano; Utilização de múltiplos registros realizados por
adultos e crianças (relatórios, fotografias, desenhos, álbuns etc.);
Documentação específica que permita às famílias conhecer o trabalho da
instituição junto às crianças e os processos de desenvolvimento e
aprendizagem da criança na Educação Infantil.
Para efeito desta pesquisa iremos utilizar apenas 02 vídeos. Estes foram observados
portrazerem maiores informações sobre a temática: “conhecimento e curiosidade”. O foco do
trabalho foianalisar como as crianças questionam o mundo a sua volta, como elas obtêm
conhecimento, qual papel do professor na hora da curiosidade destes pequenos, e como
proporcionar uma infância cheia de descobertas e desafios que se desenvolva integralmente.
O interesse pela temática foi despertado após observar a importância da curiosidade,
em momentos que propomos brincadeiras e atividades, íamos percebendo as crianças muito
curiosas, buscamos informações de como intervir e para participar com eles da interação e
socializar nossos conhecimentos.
O primeiro vídeo trata de uma aula planejada para recreação no contra turno da
professora regente. Em colaboração com a mesma desenvolvíamos eixos e temas sempre com
ludicidade e brincadeiras.
As criançasforam orientadas que deveriam ficar próximas a educadora e que todos
deveriam respeitar os combinados feitos diariamente antes da saída da sala. E que íamos
brincar de fazer lista de compras e pesquisar preçosem panfletos.Fomos ao chão do pátio
interno, cada criança tinha seu material como: panfletos de mercados locais, folha A4,
canetinhas.
O Objetivo desta brincadeira era que as crianças percebessem a importância do
panfleto e aprofundassem seus conhecimentos sobre o mundo letrado, socializando e
brincando.Esta atividade foi elaborada e planejada para que sanassem as dúvidas de algumas
crianças que trouxeram panfletos da rua e perguntam,para que são utilizados. Elas conheciam
os slogans identificando os mercados da comunidade local.
Segundo cita Morais e Albuquerque (2004) que:As crianças que vivem em ambientes
ricos em experiências de leitura e escrita, não só se motivam para ler e escrever, mas
começam, desde cedo, a refletir, ter sobre as características dos diferentes textos que circulam
ao seu redor, sobre seus estilos, usos e finalidades (BRASIL,2007, p.70).
Propusemos então brincadeiras de mercadinho, ajuntamos rótulos, panfletos,
embalagenspara brincarmos e conhecer as especificidades do mercado como os produtos e a
moeda de troca.
Com essa atividade pudemos perceber o interesse e a curiosidade das crianças ao
aproximarem de ações que contemplam seu cotidiano, todas se interessaram em fazer uma
lista de compras que seria usada em uma segunda atividade, algumas crianças conseguiam
manusear a caneta,outras já identificavam seus produtos favoritos e os registravam, outras
crianças, no entanto, não sabiam diferenciar números e letras. A partir desta atividade
podemos reelaborar outras ações com base nas necessidades desse grupo de crianças.
O segundo vídeoapresenta acontinuação da atividade supracitada. No mesmo dia após
a lista de compras, propusemos às crianças para fazer compras, utilizamos embalagens vazias
e montamos ummini mercado, cada criança recebeu um quantitativo de dinheiro. Elas
elaboraram situações problemas como quero dois deste, analisamos que estas crianças têm
noção de quantidade.
Nós apenas disponibilizamos para as crianças os materiais necessáriospudemos
perceberque as crianças se organizaram sozinhas, havia os que vendiam os que compravam. O
dinheiro era impresso e de brinquedo, todos tinham uma quantidade de cédulas, pois eles
somavam a quantidade de cédulas e não o valor de cada cédula.
Ao observar a seriedade e ao tempo a naturalidade com que rapidamente se
organizaram na brincadeira, percebemos que essa atividade foi além dos objetivos que
havíamos proposto, uma vez que as crianças se socializaram, enfrentaram problemas e se
divertiram.
De acordo com RONCA (1989, p. 27) “O movimento lúdico, simultaneamente, torna-
se fonte prazerosa de conhecimento, pois nele a criança constrói classificações, elabora
sequencias lógicas, desenvolve o psicomotor e a afetividade e amplia conceitos das várias
áreas da ciência”
As crianças desde cedo utilizam nas brincadeiras inconscientemente a matemática, a
geografia, a história nas suas vivências do dia a dia da família, elaborando e reelaborando
brincadeiras e conhecimentos. E cabe a nós educadores proporcionar essas brincadeiras e
interferir com objetos que propiciem conhecimento. E não apenas jogar brinquedos na sala de
aula e deixá-los dispersos sem nenhum proveito.
Para Ferreiro & Teberosky (1986, p.11) a interpretação do acesso ao conhecimento da
escrita se efetiva por meio de um processo evolutivo ao longo do seu desenvolvimento infantil
declaram que:
[...] pretendemos demonstrar que a aprendizagem da leitura, entendida com
questionamento a respeito da natureza, função e valor desse objeto cultural
que é a escrita, inicia-se muito antes do que a escola imagina, transcorrendo
por insuspeitados caminhos, que além dos métodos, dos manuais, dos
recursos didáticos, existe um sujeito que busca a aquisição de
conhecimento, que se propõe problemas e trata de solucioná-los, segundo
sua própria metodologia... Insistiremos sobre o que se segue: trata-se de um
sujeito que procura adquirir conhecimento, e não simplesmente de um
sujeito disposto ou mal disposto a adquirir uma técnica particular. Um [...]
(FERREIRO & TEBEROSKY, 1986, p. 11).
Na mesma perspectiva observamos que o diálogo entre eles é muito importante, e
segundo as autoras a criança que questiona a respeito do seu contexto pode ter sucesso na sua
vida escolar.
Ao analisar os vídeos as crianças dialogam, questionam, brincam, e raciocinam sobre
o mundo.Uma das crianças ao perceber que comprou uma mercadoria e não obteve o troco de
volta, questiona o colega cadê meu troco?Percebemos que essa criança passou por essa
situação ou viu alguém do seu meio, para então reproduzir ou reconstruir essa atitude.
Vygotsky (1998, p. 137) ainda afirma “A essência do brinquedo é a criação de uma
nova relação entre o campo do significado e o campo da percepção visual, ou seja, entre
situações no pensamento e situações reais”.
Ao brincar a criança experimenta diversas situações convivendo com o outro.
Desenvolvendo-se fisicamente, socialmente, e psicologicamente. Estabelecendo vínculosentre
os colegas, e refazendo estratégias.
Quandoobservamos uma criança brincando percebemos que ela define seu próprio
papel. No momento em que íamos fazer a lista de compras um dos alunos diz: Quero ser o pai
para ir ao mercado, outros protagonizavam,sendo outros personagens.
Ao analisar os vídeos tivemos grandes questionamentos em relação ao que foi
desenvolvido e o que poderia serrealizado de outra maneira para melhor contribuir com o
desenvolvimento das crianças. Ao rever os vídeos podemos repensar nossas práticas e renovar
nossos ambientes estando atentos cada vez mais sobre as capacidades que as crianças têm em
elaborar estratégias, soluções, e autonomamente discutir sobre tudo que os cercam.Podemos
também, dar voz as reais necessidades do grupo ao observarmos as posturas frente às
situações que enfrentam.
O educador tem um papel fundamental na vida de uma criança, de modo, que deverá
ser alguém consciente, que perceba que não basta apenas gostar de crianças para trabalhar
com elas. Um educador é alguém que, deve manter presente nas suas convicções que para
além da sua formação que é sem dúvida necessária, esta não é acabada, digamos que ser
educador é um processo de aperfeiçoamento constante.
Se acreditarmos, que em creche se vive num mundo de sentimentos e que esse mundo
é muito importante na vida de cada criança é meio caminho andando para que consigamos
construir verdadeiras relações de confiança e afetividade, envolvidas com confiança.
Ser educador exige conhecimento do desenvolvimento das crianças. Esta
conscientização é importante, pois o profissional Pedagogo melhora o ambiente suprindo
necessidades de cada criança permanecer curiosa, tratando-a como um ser curioso e produtor
de culturas em busca de conhecimento.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS
BRASIL.Constituição Federal (1988). Disponível em: http://www.planalto.gov.br. Acesso
em: 08 abril. 2016.
BRASIL, LEI N° 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990: Dispõe sobre o Estatuto da Criança e
do Adolescente, e dá outras providências.
BRASIL. REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO
INFANTIL. v. 1, Brasília: MEC/SEF, 1998.
BRASIL, LDB Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 2013 p.99. Lei 9394/96 –
Disponível em: www.planalto.gov.br. Acesso em: 20 de Abril de 2016.
BRASIL. CNE / CEB. Resolução nº 05, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes
Curriculares para Educação Infantil.
FERREIRO, Emília.Reflexões sobre alfabetizaçãotradução Horácio Gonzáles et.al.24ed. São
Paulo: Cortez, 2001.
FREIRE, P. À sombra desta mangueira. São Paulo: Editora Olho d’Água, 2ª edição, 1995, p.
78.
FRIEDMANN Adriana; Educação Infantil Interações e Brincadeiras; editora MODERNA
2013;
LANGER, R. J. Papéis básicos do educador da criança pequena. In: GAYOTTO, M. L. C.
(org.) Creches: desafios e contradições da criação da criança pequena. São Paulo: Ícone,
1992.
RONCA, P.A.C.A aula operatória e a construção do conhecimento. São Paulo: Edisplan,
1989.
SILVA, M. Complexidade da formação de professores: saberes teóricos e saberes práticos...
Paulo: Editora Unesp, 1998. ... São Paulo: Escrituras, 1998.
VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 2000.
MORAIS, A. G. e ALBUQUERQUE, E. B. C.; LEAL, T> F. Alfabetização de jovens e
adultos em uma perspectiva do letramento. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Bruna sdmara
Bruna sdmaraBruna sdmara
Bruna sdmara
Fernando Pissuto
 
Eva edilaine erika
Eva edilaine erikaEva edilaine erika
Eva edilaine erika
Fernando Pissuto
 
Jucilene priscila
Jucilene priscilaJucilene priscila
Jucilene priscila
Fernando Pissuto
 
Kelly
KellyKelly
Projeto pdf
Projeto pdfProjeto pdf
Jessica jucilene nair
Jessica jucilene nairJessica jucilene nair
Jessica jucilene nair
Fernando Pissuto
 
Maria rosa ticiane erika
Maria rosa ticiane erikaMaria rosa ticiane erika
Maria rosa ticiane erika
Fernando Pissuto
 
TRABALHANDO O FOLCLORE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
TRABALHANDO O  FOLCLORE NA EDUCAÇÃO INFANTILTRABALHANDO O  FOLCLORE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
TRABALHANDO O FOLCLORE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
Fernando Pissuto
 
Analu nilcelia
Analu nilceliaAnalu nilcelia
Analu nilcelia
Fernando Pissuto
 
Priscila verdelho e ananda
Priscila verdelho e anandaPriscila verdelho e ananda
Priscila verdelho e ananda
Fernando Pissuto
 
Monografia Leidiane Pedagogia 2011
Monografia Leidiane Pedagogia 2011Monografia Leidiane Pedagogia 2011
Monografia Leidiane Pedagogia 2011
Biblioteca Campus VII
 
Elizangela kenia erika
Elizangela kenia erikaElizangela kenia erika
Elizangela kenia erika
Fernando Pissuto
 
Proposta pedagógica da educação infantil
Proposta pedagógica da educação infantilProposta pedagógica da educação infantil
Proposta pedagógica da educação infantil
kauezinhoproducao
 
Alinne alessandra muzzi
Alinne alessandra muzziAlinne alessandra muzzi
Alinne alessandra muzzi
Fernando Pissuto
 
INCLUSÃO ESCOLAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL A inserção da criança surda
INCLUSÃO ESCOLAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL A inserção da criança surdaINCLUSÃO ESCOLAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL A inserção da criança surda
INCLUSÃO ESCOLAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL A inserção da criança surda
Fernando Pissuto
 
Aline ana suelen_viviany
Aline ana suelen_vivianyAline ana suelen_viviany
Aline ana suelen_viviany
Fernando Pissuto
 
Leticia erika
Leticia erikaLeticia erika
Leticia erika
Fernando Pissuto
 
Monografia Aurelina pedagogia 2010
Monografia  Aurelina pedagogia 2010Monografia  Aurelina pedagogia 2010
Monografia Aurelina pedagogia 2010
Biblioteca Campus VII
 
Jane mari
Jane mariJane mari
Jane mari
Fernando Pissuto
 
Rubens arguelho
Rubens arguelhoRubens arguelho
Rubens arguelho
Fernando Pissuto
 

Mais procurados (20)

Bruna sdmara
Bruna sdmaraBruna sdmara
Bruna sdmara
 
Eva edilaine erika
Eva edilaine erikaEva edilaine erika
Eva edilaine erika
 
Jucilene priscila
Jucilene priscilaJucilene priscila
Jucilene priscila
 
Kelly
KellyKelly
Kelly
 
Projeto pdf
Projeto pdfProjeto pdf
Projeto pdf
 
Jessica jucilene nair
Jessica jucilene nairJessica jucilene nair
Jessica jucilene nair
 
Maria rosa ticiane erika
Maria rosa ticiane erikaMaria rosa ticiane erika
Maria rosa ticiane erika
 
TRABALHANDO O FOLCLORE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
TRABALHANDO O  FOLCLORE NA EDUCAÇÃO INFANTILTRABALHANDO O  FOLCLORE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
TRABALHANDO O FOLCLORE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Analu nilcelia
Analu nilceliaAnalu nilcelia
Analu nilcelia
 
Priscila verdelho e ananda
Priscila verdelho e anandaPriscila verdelho e ananda
Priscila verdelho e ananda
 
Monografia Leidiane Pedagogia 2011
Monografia Leidiane Pedagogia 2011Monografia Leidiane Pedagogia 2011
Monografia Leidiane Pedagogia 2011
 
Elizangela kenia erika
Elizangela kenia erikaElizangela kenia erika
Elizangela kenia erika
 
Proposta pedagógica da educação infantil
Proposta pedagógica da educação infantilProposta pedagógica da educação infantil
Proposta pedagógica da educação infantil
 
Alinne alessandra muzzi
Alinne alessandra muzziAlinne alessandra muzzi
Alinne alessandra muzzi
 
INCLUSÃO ESCOLAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL A inserção da criança surda
INCLUSÃO ESCOLAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL A inserção da criança surdaINCLUSÃO ESCOLAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL A inserção da criança surda
INCLUSÃO ESCOLAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL A inserção da criança surda
 
Aline ana suelen_viviany
Aline ana suelen_vivianyAline ana suelen_viviany
Aline ana suelen_viviany
 
Leticia erika
Leticia erikaLeticia erika
Leticia erika
 
Monografia Aurelina pedagogia 2010
Monografia  Aurelina pedagogia 2010Monografia  Aurelina pedagogia 2010
Monografia Aurelina pedagogia 2010
 
Jane mari
Jane mariJane mari
Jane mari
 
Rubens arguelho
Rubens arguelhoRubens arguelho
Rubens arguelho
 

Semelhante a Talita

O Cotidiano Da EducaçãO Infantil
O Cotidiano Da EducaçãO InfantilO Cotidiano Da EducaçãO Infantil
O Cotidiano Da EducaçãO Infantil
marlene_herter
 
Desenvolvimento infantil 2
Desenvolvimento infantil 2Desenvolvimento infantil 2
Desenvolvimento infantil 2
SimoneHelenDrumond
 
Cmei fotos atividades 1º semestre de 2009 por simone helen drumond
Cmei fotos atividades 1º semestre de 2009 por simone helen drumondCmei fotos atividades 1º semestre de 2009 por simone helen drumond
Cmei fotos atividades 1º semestre de 2009 por simone helen drumond
SimoneHelenDrumond
 
O Cotidiano Da Educao Infantil2050
O Cotidiano Da Educao Infantil2050O Cotidiano Da Educao Infantil2050
O Cotidiano Da Educao Infantil2050
Brenduxinha
 
Educação infantil
Educação infantilEducação infantil
Educação infantil
Rosinara Azeredo
 
Recnei ed. inf.
Recnei ed. inf.Recnei ed. inf.
Recnei ed. inf.
Elisa Maria Gomide
 
Desenvolvimento da Psicomotricidade na Infância: Olhar sensível na prática ...
Desenvolvimento da Psicomotricidade na Infância:   Olhar sensível na prática ...Desenvolvimento da Psicomotricidade na Infância:   Olhar sensível na prática ...
Desenvolvimento da Psicomotricidade na Infância: Olhar sensível na prática ...
Claudinéia Barbosa
 
Educação infantil
Educação infantilEducação infantil
Educação infantil
Clarice-Borges
 
4.1 EDUCAÇÃO INFANTIL - slide ptg 4º semestre 2019.pptx
4.1 EDUCAÇÃO INFANTIL - slide ptg 4º semestre 2019.pptx4.1 EDUCAÇÃO INFANTIL - slide ptg 4º semestre 2019.pptx
4.1 EDUCAÇÃO INFANTIL - slide ptg 4º semestre 2019.pptx
MayraAzevedo3
 
Referencial curricular nacional para a educação infantil
Referencial curricular nacional para a educação infantilReferencial curricular nacional para a educação infantil
Referencial curricular nacional para a educação infantil
Maria Barbosa Almeida
 
Raesed05 artigo02
Raesed05 artigo02Raesed05 artigo02
Raesed05 artigo02
Creche Kennedy
 
Caderno de Orientações Pedagógicas - Educação Infantil -RO
Caderno de Orientações Pedagógicas - Educação Infantil -ROCaderno de Orientações Pedagógicas - Educação Infantil -RO
Caderno de Orientações Pedagógicas - Educação Infantil -RO
LOCIMAR MASSALAI
 
Ise tcc thaisy_lomenso
Ise tcc thaisy_lomensoIse tcc thaisy_lomenso
Ise tcc thaisy_lomenso
MARCOS SOUSA
 
A infância e sua singularidade aline
A infância e sua singularidade   alineA infância e sua singularidade   aline
A infância e sua singularidade aline
Samanta Vanessa
 
Educação infantil
Educação infantilEducação infantil
Educação infantil
angelamesfreire2015
 
21655835 a-indissociabilidade-entre-educar-cuidar-e-brincar
21655835 a-indissociabilidade-entre-educar-cuidar-e-brincar21655835 a-indissociabilidade-entre-educar-cuidar-e-brincar
21655835 a-indissociabilidade-entre-educar-cuidar-e-brincar
Eduardo Lopes
 
BNCC EDUCAÇÃO INFANTIL
BNCC EDUCAÇÃO INFANTILBNCC EDUCAÇÃO INFANTIL
BNCC EDUCAÇÃO INFANTIL
Pedagoga Claudia Oliveira Andrade
 
10.os bebês interrogam o currículo
10.os bebês interrogam o currículo10.os bebês interrogam o currículo
10.os bebês interrogam o currículo
Ulisses Vakirtzis
 
Artigo 2f
Artigo 2fArtigo 2f
Artigo 2f
cefaprodematupa
 
Semana Pedagógica 2022.pptx
Semana Pedagógica 2022.pptxSemana Pedagógica 2022.pptx
Semana Pedagógica 2022.pptx
SocorroBrito12
 

Semelhante a Talita (20)

O Cotidiano Da EducaçãO Infantil
O Cotidiano Da EducaçãO InfantilO Cotidiano Da EducaçãO Infantil
O Cotidiano Da EducaçãO Infantil
 
Desenvolvimento infantil 2
Desenvolvimento infantil 2Desenvolvimento infantil 2
Desenvolvimento infantil 2
 
Cmei fotos atividades 1º semestre de 2009 por simone helen drumond
Cmei fotos atividades 1º semestre de 2009 por simone helen drumondCmei fotos atividades 1º semestre de 2009 por simone helen drumond
Cmei fotos atividades 1º semestre de 2009 por simone helen drumond
 
O Cotidiano Da Educao Infantil2050
O Cotidiano Da Educao Infantil2050O Cotidiano Da Educao Infantil2050
O Cotidiano Da Educao Infantil2050
 
Educação infantil
Educação infantilEducação infantil
Educação infantil
 
Recnei ed. inf.
Recnei ed. inf.Recnei ed. inf.
Recnei ed. inf.
 
Desenvolvimento da Psicomotricidade na Infância: Olhar sensível na prática ...
Desenvolvimento da Psicomotricidade na Infância:   Olhar sensível na prática ...Desenvolvimento da Psicomotricidade na Infância:   Olhar sensível na prática ...
Desenvolvimento da Psicomotricidade na Infância: Olhar sensível na prática ...
 
Educação infantil
Educação infantilEducação infantil
Educação infantil
 
4.1 EDUCAÇÃO INFANTIL - slide ptg 4º semestre 2019.pptx
4.1 EDUCAÇÃO INFANTIL - slide ptg 4º semestre 2019.pptx4.1 EDUCAÇÃO INFANTIL - slide ptg 4º semestre 2019.pptx
4.1 EDUCAÇÃO INFANTIL - slide ptg 4º semestre 2019.pptx
 
Referencial curricular nacional para a educação infantil
Referencial curricular nacional para a educação infantilReferencial curricular nacional para a educação infantil
Referencial curricular nacional para a educação infantil
 
Raesed05 artigo02
Raesed05 artigo02Raesed05 artigo02
Raesed05 artigo02
 
Caderno de Orientações Pedagógicas - Educação Infantil -RO
Caderno de Orientações Pedagógicas - Educação Infantil -ROCaderno de Orientações Pedagógicas - Educação Infantil -RO
Caderno de Orientações Pedagógicas - Educação Infantil -RO
 
Ise tcc thaisy_lomenso
Ise tcc thaisy_lomensoIse tcc thaisy_lomenso
Ise tcc thaisy_lomenso
 
A infância e sua singularidade aline
A infância e sua singularidade   alineA infância e sua singularidade   aline
A infância e sua singularidade aline
 
Educação infantil
Educação infantilEducação infantil
Educação infantil
 
21655835 a-indissociabilidade-entre-educar-cuidar-e-brincar
21655835 a-indissociabilidade-entre-educar-cuidar-e-brincar21655835 a-indissociabilidade-entre-educar-cuidar-e-brincar
21655835 a-indissociabilidade-entre-educar-cuidar-e-brincar
 
BNCC EDUCAÇÃO INFANTIL
BNCC EDUCAÇÃO INFANTILBNCC EDUCAÇÃO INFANTIL
BNCC EDUCAÇÃO INFANTIL
 
10.os bebês interrogam o currículo
10.os bebês interrogam o currículo10.os bebês interrogam o currículo
10.os bebês interrogam o currículo
 
Artigo 2f
Artigo 2fArtigo 2f
Artigo 2f
 
Semana Pedagógica 2022.pptx
Semana Pedagógica 2022.pptxSemana Pedagógica 2022.pptx
Semana Pedagógica 2022.pptx
 

Mais de Fernando Pissuto

Neidi monica
Neidi monicaNeidi monica
Neidi monica
Fernando Pissuto
 
Marlene monica
Marlene monicaMarlene monica
Marlene monica
Fernando Pissuto
 
Maria solange
Maria solangeMaria solange
Maria solange
Fernando Pissuto
 
Maria claudionora
Maria claudionoraMaria claudionora
Maria claudionora
Fernando Pissuto
 
Luzia
LuziaLuzia
Luana aparecida monica
Luana aparecida monicaLuana aparecida monica
Luana aparecida monica
Fernando Pissuto
 
Laura simone
Laura simoneLaura simone
Laura simone
Fernando Pissuto
 
Jose flavio 2
Jose flavio 2Jose flavio 2
Jose flavio 2
Fernando Pissuto
 
Jennifer alyne maria
Jennifer alyne mariaJennifer alyne maria
Jennifer alyne maria
Fernando Pissuto
 
Hellen carolinne rebeca
Hellen carolinne rebecaHellen carolinne rebeca
Hellen carolinne rebeca
Fernando Pissuto
 
Francielle gustavo neide
Francielle gustavo neideFrancielle gustavo neide
Francielle gustavo neide
Fernando Pissuto
 
Flavia vanuza monica
Flavia vanuza monicaFlavia vanuza monica
Flavia vanuza monica
Fernando Pissuto
 
Fernanda otilia jose flavio
Fernanda otilia jose flavioFernanda otilia jose flavio
Fernanda otilia jose flavio
Fernando Pissuto
 
Elaine jessica jose
Elaine jessica joseElaine jessica jose
Elaine jessica jose
Fernando Pissuto
 

Mais de Fernando Pissuto (14)

Neidi monica
Neidi monicaNeidi monica
Neidi monica
 
Marlene monica
Marlene monicaMarlene monica
Marlene monica
 
Maria solange
Maria solangeMaria solange
Maria solange
 
Maria claudionora
Maria claudionoraMaria claudionora
Maria claudionora
 
Luzia
LuziaLuzia
Luzia
 
Luana aparecida monica
Luana aparecida monicaLuana aparecida monica
Luana aparecida monica
 
Laura simone
Laura simoneLaura simone
Laura simone
 
Jose flavio 2
Jose flavio 2Jose flavio 2
Jose flavio 2
 
Jennifer alyne maria
Jennifer alyne mariaJennifer alyne maria
Jennifer alyne maria
 
Hellen carolinne rebeca
Hellen carolinne rebecaHellen carolinne rebeca
Hellen carolinne rebeca
 
Francielle gustavo neide
Francielle gustavo neideFrancielle gustavo neide
Francielle gustavo neide
 
Flavia vanuza monica
Flavia vanuza monicaFlavia vanuza monica
Flavia vanuza monica
 
Fernanda otilia jose flavio
Fernanda otilia jose flavioFernanda otilia jose flavio
Fernanda otilia jose flavio
 
Elaine jessica jose
Elaine jessica joseElaine jessica jose
Elaine jessica jose
 

Último

UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 

Último (20)

UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 

Talita

  • 1. A INFÂNCIA NA CRECHE: DA CURIOSIDADE AO CONHECIMENTO Talita da Silva de Oliveira Aluna do curso de Pedagogia - Anhanguera Unidade I/MS talitamerlin@hotmail.com Eixo: Educação Da Infância: Brincar e Criar nos espaços Institucionais. Painel RESUMO O trabalho foi elaborado de acordo com as nossas experiências profissionais registradas em vídeos caseiros, feitos em momentos que desenvolvemos brincadeiras com as crianças de umainstituição de Educação Infantil, localizado no município de Campo Grande/MS.Relatamoseanalisamos as ações buscando compreender como as crianças aprendem por meio da ludicidade instigadaspela curiosidade. Algumas ações registradas nos vídeos focaram o cotidiano das ações desenvolvidas na instituição, tais como: leituras, músicas, colagens, e brincadeiras, com foco maior na brincadeira livre queocorriam nos pátios externos em contato com a natureza.Para efeito deste trabalho, relatamos apenas dois vídeos, observando atividades que fomentaram a aquisição de novos conhecimentos.Salientamos a importância do registro em vídeo e sua posterior análise para qualificar o trabalho desenvolvido com a criança, uma vez que a auto avaliação e o aperfeiçoamentodas práticas associadas às teorias e leis atuais que garante a essas crianças o seu pleno desenvolvimento, ajudam o professor a repensar sua prática pedagógica. Com o intuito de subsidiarmos as discussões utilizamos os estudos de teóricos comoLanger (1992), Freire (1995), Vigotsky (2000), Morais e Albuquerque (2004), Ronca (1989), Ferreiro & Teberosky (1986), Friedmann (2013), e as deliberações nacionais. Palavras-chave: Infância, Curiosidade e Brincadeiras. INTRODUÇÃO Após muitos anos de indefinição sobre qual o tipo de educação deveria ser ofertada a criança pequena, a Lei de Diretrizes e Base em seuArtigo 29 define que a educação infantil, é a primeira etapa da educação básica, “tem como finalidade o desenvolvimento integral da criança de até 5 (cinco) anos, em seus aspectos físico, psicológico, intelectual e social, complementando a ação da família e da comunidade.” (Redação dada pela Lei nº 12.796, de 2013).Precisa ser oferecida pelo Estadoe configura-se como um direito público subjetivo das crianças, à todas as famílias que desejarem matricular o seu filho ou dependente. A educação Infantil é uma etapa da educação básica e o caminho para alcançarmos uma educação de qualidade é longo. Percebemos que ainda há uma grande demanda para
  • 2. atendimento destas crianças.O último Plano Nacional de Educação(2014 - 2024)em sua primeira meta falando sobre universalizar, até 2016, a educação infantil na pré-escola para as crianças de quatro a cinco anos de idade e ampliar a oferta de educação infantil em creches de forma a atender, no mínimo, 50% por cento das crianças de até três anos até o final da vigência deste PNE. Ou, seja até 2024, temos o compromisso de atender apenas 50% das crianças de zero a três anos. Em contra partida,as famílias têm cobrado das autoridadeso atendimento a essas crianças que estão fora do sistema. Acreditamosque para a garantia desse direito é necessário a superação da dicotomia entre cuidar e educar, entre o assistencialismo e a educação. A socialização da criança pequena em creche atendeu à necessidade dos tempos atuais. No Brasil tem acompanhado os acertos e desacertos da política educacional do país, tornando difícil o reconhecimento desse atendimento como um espaço genuinamente educativo. Confundindo-se no assistencialismo que marcou seu surgimento, ainda hoje os educadores de creche precisam elaborar as contradições daí decorrentes (LANGER, 1992, p. 123). Conforme Langer as crianças necessitam desta socialização. A Educação Infantil era vista como assistencialista e tinha como objetivo de prestar assistência as crianças menos favorecidas, oferecendo cuidados para que elas pudessem viver, enquanto seus pais trabalhavam. No entanto atualmente a legislação já garante que os momentos do cuidar e educar devem estarintrinsecamente elaborados e planejados, sendo esses indissociáveis. Segundo a CNE/CEB nº 5/2009, em seu Art.5º “A Educação Infantil, primeira etapa da Educação Básica, deverá ser oferecida em creche e pré-escolas, as quais devem proporcionar espaços educacionais que educam e cuidam de crianças de 0 a 05 anos de idade”. Pensado nesta relação entre o cuidar e o cuidar nos propusemos a falar um pouco da qualificação do Educador-Pedagogo no contexto da Creche pensando sobre a questão: Qual a atuação deste docente na creche na garantia da indissociabilidade entre o cuidar e o educar? De acordo com Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil – RCNEI (1998), o professor tem um papel muito importante na construção de uma proposta curricular de qualidade, que ele esteja disposto, preparado e comprometido com a prática nas creches, estando dessa forma, pensando no progresso destas crianças.O educador deve ter cautela nas
  • 3. suas atitudes, observando o cuidar e educare que estejam ligados em suas ações no cotidiano da instituição. Este documento destaca que: O cuidado preciso considerar, principalmente, as necessidades das crianças, que quando observadas, ouvidas e respeitadas, podem dar pistas importantes sobre a qualidade do que estão recebendo. Os procedimentos de cuidado também precisam seguir os princípios de promoção à saúde. Para se atingir os objetivos dos cuidados com a preservação da vida e com o desenvolvimento das capacidades humanas, são necessários que atitudes e procedimentos estejam baseados em conhecimentos específicos sobre o desenvolvimento biológico, emocional, e intelectual das crianças, levando em consideração as diferentes realidades sócioculturais.(BRASIL, 1998, p.25) Portanto aooferecer situações de brincadeiras e aprendizagens orientadas devemos pensar em oportunizar as crianças o desenvolvimento das suas habilidades infantis, respeitando seus limites e cuidando.Para que as aprendizagens ocorram à curiosidade é oponto primordial, essa relação de conhecimentos nos momentos de brincadeiras desperta a criança a ter um olhar epistemológico. Os momentos destas crianças nacreche precisam ser elaborados e curiosos para que a criança se encontre e se descubra, emocione-se e supere obstáculos, inventando e reinventando para superar desafios cognitivos, motores e mais tarde desafios da vida. A criança, a infância, curiosidade e conhecimento estão abertos a essa discussão.Uns dos mais conceituados estudiosos sobre educação nos permitem refletir sobre a curiosidade como um alimento do saber. Freire1995 p. 78 nos diz que a curiosidade alimenta o desejo de saber mais. Ela causa inquietação, insatisfação desencadeando a busca pelo conhecimento. Não é a curiosidade espontânea que viabiliza a tomada de distância epistemológica. Essa tarefa cabe à curiosidade epistemológica – superando a curiosidade ingênua, ela se faz mais metodicamente rigorosa. Essa rigorosidade metódica é que faz a passagem do conhecimento ao nível do senso comum para o conhecimento científico. Não é o conhecimento científico que é rigoroso. A rigorosidade se acha no método de aproximação do objeto." O educador ao incentivar as crianças a observar o mundo a sua volta, levam elas a questionar sobre o mundo, o seu contexto, a cultura a que pertence. O professor não deve somente dirigir e avaliar suas experiências em sala, com foco no que oferece para criança e sim participar de todas as ações, fornecendo espaços e desafios, tendo como referência as individualidades e o desenvolvimento de cada criança.
  • 4. As Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil 2013 p.99 Art. 9º “cada criança apresenta um ritmo as práticas educativas devem incentivar a curiosidade, a exploração, o encantamento, o questionamento, a indagação e o conhecimento das crianças em relação ao mundo físico e social, ao tempo e à natureza.” Atualmente o educador ao elaborar atividades deve considerar a ludicidade como uma oportunidade para que as crianças questionem o mundo, pois elas sentem essa necessidade de descobrir, o educador deve ser flexível e entender que ele não é o detentor de todos os conhecimentos, devendo procurar pesquisar com as crianças, sair da sala de aula, fazer observações em todos os espaços da instituição e trazendo o mundo para a escola. Cabe ao professor, com seu olhar atento, seguro e disponível, acompanhar as diferentes formas pelas quais a criança, desde o nascimento, se indaga sobre o mundo e sobre si mesma, trilha diversos universos simbólicos transita entre a cultura erudita e a cultura popular, imerge em situações diversas e emociona-se com o belo e contra a violência, ao mesmo tempo em que vibra com descobertas e reconhece obstáculos. (OLIVEIRA, 2013, p.51). Concordamos com a autora que educadores ao estar em contato direto com as crianças devem estar atentos aos desejos, expressões que elas manifestam. Podemos notar quando contamos umas histórias em que as crianças percebem a crueldade das personagens e o final feliz de outros. Elas se emocionam, imaginam, e mais, desenvolvem a oralidade. O medo também é superado ou vivenciado com as histórias. Para Vigotsky (1989) o brincar é uma atividade humana criadora na qual, imaginação, fantasia e realidade interagem na produção de novas formas de construir relações sociais com outros sujeitos, crianças e adultos. Por meio do brincar, as crianças que estão no contexto escolar interagem com outros indivíduos reescrevem suas vidas, reformulam o que não gostaria de passar, ou reproduzem o que vive nos ambientes de interação fora e dentro da escola. CURIOSIDADE E CONHECIMENTO: ANÁLISE DA AÇÃO De acordo com Paulo Freire a curiosidade epistemológica é construída pelo exercício crítico da capacidade de aprender. É a curiosidade que se torna metodicamente rigorosa e, se opõe à curiosidade ingênua que caracteriza o senso comum.A curiosidade deveria ser mais estimulada na escola, principalmente na educação infantil. Aprender é um desafio e para aprender a conhecer é muito importante o estímulo da curiosidade. As criançasestão cada vez maisabertas e dispostas para ampliar os seus conhecimentos, e a ferramenta mais poderosa é a curiosidade.
  • 5. Dessa forma,propomos estudar a curiosidade infantil, como este aspecto pode influenciar nos processos de construção de conhecimentoenfatizando que o docente é o mediadordas ações desenvolvidas e precisa interagir com as criançasde forma lúdica e prazerosa. Trabalhamoshá 07 anos em um Centro de Educação Infantil Público - CEINF na Cidade de Campo Grande, MS. O trabalho desenvolvido por nós é de auxiliar a professora, no período que esta em sala, e desenvolver ações com as crianças quando ela não está o cargo que ocupamos denomina-serecreadora infantil. Essa instituição possui uma infraestrutura adequada ao trabalho desenvolvido com as crianças, existeum amplo espaço interno e externo,sendo que no pátio externo temos várias árvores frutíferas, nesta unidade atendemos em média de 210 crianças período integral. Objetivamos neste artigo relatar nossas práticas pedagógicas, asexperiências que vivenciamos com as crianças de 04 a 05 anos do pré-I, observando como elas desfrutaram dos momentos de interação aproveitando os espaços e os ambientes, externo e interno. Foram registrados momentos da rotina da instituição, em que o brincar e as interações estavam permeando as atividades, despertando a curiosidade e abrindo caminhos para o conhecimento. Para melhorarmos nossa prática pedagógica e buscando entender as relações entre as crianças, tínhamos o costume de registrar as ações por meio de vídeos entre o ano de 2014 e 2016, totalizando 26 arquivos. Percebemos que os vídeos possuíam uma enorme riqueza ao mostrar o protagonismos infantil no cotidiano do espaço educativo, dessa maneira, realizamos neste trabalho aanálise de alguns vídeos denosso acervo pessoal. Como a avaliação se fará mediante o acompanhamento e o registro do desenvolvimento, sem o objetivo de promoção, estes vídeos também eram utilizados como forma avaliativa do desenvolvimento das crianças, conforme as Diretrizes Curriculares Nacionais para educação Infantil (2013 p.95) A observação crítica e criativa das atividades, das brincadeiras e interações das crianças no cotidiano; Utilização de múltiplos registros realizados por adultos e crianças (relatórios, fotografias, desenhos, álbuns etc.); Documentação específica que permita às famílias conhecer o trabalho da instituição junto às crianças e os processos de desenvolvimento e aprendizagem da criança na Educação Infantil. Para efeito desta pesquisa iremos utilizar apenas 02 vídeos. Estes foram observados portrazerem maiores informações sobre a temática: “conhecimento e curiosidade”. O foco do
  • 6. trabalho foianalisar como as crianças questionam o mundo a sua volta, como elas obtêm conhecimento, qual papel do professor na hora da curiosidade destes pequenos, e como proporcionar uma infância cheia de descobertas e desafios que se desenvolva integralmente. O interesse pela temática foi despertado após observar a importância da curiosidade, em momentos que propomos brincadeiras e atividades, íamos percebendo as crianças muito curiosas, buscamos informações de como intervir e para participar com eles da interação e socializar nossos conhecimentos. O primeiro vídeo trata de uma aula planejada para recreação no contra turno da professora regente. Em colaboração com a mesma desenvolvíamos eixos e temas sempre com ludicidade e brincadeiras. As criançasforam orientadas que deveriam ficar próximas a educadora e que todos deveriam respeitar os combinados feitos diariamente antes da saída da sala. E que íamos brincar de fazer lista de compras e pesquisar preçosem panfletos.Fomos ao chão do pátio interno, cada criança tinha seu material como: panfletos de mercados locais, folha A4, canetinhas. O Objetivo desta brincadeira era que as crianças percebessem a importância do panfleto e aprofundassem seus conhecimentos sobre o mundo letrado, socializando e brincando.Esta atividade foi elaborada e planejada para que sanassem as dúvidas de algumas crianças que trouxeram panfletos da rua e perguntam,para que são utilizados. Elas conheciam os slogans identificando os mercados da comunidade local. Segundo cita Morais e Albuquerque (2004) que:As crianças que vivem em ambientes ricos em experiências de leitura e escrita, não só se motivam para ler e escrever, mas começam, desde cedo, a refletir, ter sobre as características dos diferentes textos que circulam ao seu redor, sobre seus estilos, usos e finalidades (BRASIL,2007, p.70). Propusemos então brincadeiras de mercadinho, ajuntamos rótulos, panfletos, embalagenspara brincarmos e conhecer as especificidades do mercado como os produtos e a moeda de troca. Com essa atividade pudemos perceber o interesse e a curiosidade das crianças ao aproximarem de ações que contemplam seu cotidiano, todas se interessaram em fazer uma lista de compras que seria usada em uma segunda atividade, algumas crianças conseguiam
  • 7. manusear a caneta,outras já identificavam seus produtos favoritos e os registravam, outras crianças, no entanto, não sabiam diferenciar números e letras. A partir desta atividade podemos reelaborar outras ações com base nas necessidades desse grupo de crianças. O segundo vídeoapresenta acontinuação da atividade supracitada. No mesmo dia após a lista de compras, propusemos às crianças para fazer compras, utilizamos embalagens vazias e montamos ummini mercado, cada criança recebeu um quantitativo de dinheiro. Elas elaboraram situações problemas como quero dois deste, analisamos que estas crianças têm noção de quantidade. Nós apenas disponibilizamos para as crianças os materiais necessáriospudemos perceberque as crianças se organizaram sozinhas, havia os que vendiam os que compravam. O dinheiro era impresso e de brinquedo, todos tinham uma quantidade de cédulas, pois eles somavam a quantidade de cédulas e não o valor de cada cédula. Ao observar a seriedade e ao tempo a naturalidade com que rapidamente se organizaram na brincadeira, percebemos que essa atividade foi além dos objetivos que havíamos proposto, uma vez que as crianças se socializaram, enfrentaram problemas e se divertiram. De acordo com RONCA (1989, p. 27) “O movimento lúdico, simultaneamente, torna- se fonte prazerosa de conhecimento, pois nele a criança constrói classificações, elabora sequencias lógicas, desenvolve o psicomotor e a afetividade e amplia conceitos das várias áreas da ciência” As crianças desde cedo utilizam nas brincadeiras inconscientemente a matemática, a geografia, a história nas suas vivências do dia a dia da família, elaborando e reelaborando brincadeiras e conhecimentos. E cabe a nós educadores proporcionar essas brincadeiras e interferir com objetos que propiciem conhecimento. E não apenas jogar brinquedos na sala de aula e deixá-los dispersos sem nenhum proveito. Para Ferreiro & Teberosky (1986, p.11) a interpretação do acesso ao conhecimento da escrita se efetiva por meio de um processo evolutivo ao longo do seu desenvolvimento infantil declaram que:
  • 8. [...] pretendemos demonstrar que a aprendizagem da leitura, entendida com questionamento a respeito da natureza, função e valor desse objeto cultural que é a escrita, inicia-se muito antes do que a escola imagina, transcorrendo por insuspeitados caminhos, que além dos métodos, dos manuais, dos recursos didáticos, existe um sujeito que busca a aquisição de conhecimento, que se propõe problemas e trata de solucioná-los, segundo sua própria metodologia... Insistiremos sobre o que se segue: trata-se de um sujeito que procura adquirir conhecimento, e não simplesmente de um sujeito disposto ou mal disposto a adquirir uma técnica particular. Um [...] (FERREIRO & TEBEROSKY, 1986, p. 11). Na mesma perspectiva observamos que o diálogo entre eles é muito importante, e segundo as autoras a criança que questiona a respeito do seu contexto pode ter sucesso na sua vida escolar. Ao analisar os vídeos as crianças dialogam, questionam, brincam, e raciocinam sobre o mundo.Uma das crianças ao perceber que comprou uma mercadoria e não obteve o troco de volta, questiona o colega cadê meu troco?Percebemos que essa criança passou por essa situação ou viu alguém do seu meio, para então reproduzir ou reconstruir essa atitude. Vygotsky (1998, p. 137) ainda afirma “A essência do brinquedo é a criação de uma nova relação entre o campo do significado e o campo da percepção visual, ou seja, entre situações no pensamento e situações reais”. Ao brincar a criança experimenta diversas situações convivendo com o outro. Desenvolvendo-se fisicamente, socialmente, e psicologicamente. Estabelecendo vínculosentre os colegas, e refazendo estratégias. Quandoobservamos uma criança brincando percebemos que ela define seu próprio papel. No momento em que íamos fazer a lista de compras um dos alunos diz: Quero ser o pai para ir ao mercado, outros protagonizavam,sendo outros personagens. Ao analisar os vídeos tivemos grandes questionamentos em relação ao que foi desenvolvido e o que poderia serrealizado de outra maneira para melhor contribuir com o desenvolvimento das crianças. Ao rever os vídeos podemos repensar nossas práticas e renovar nossos ambientes estando atentos cada vez mais sobre as capacidades que as crianças têm em elaborar estratégias, soluções, e autonomamente discutir sobre tudo que os cercam.Podemos também, dar voz as reais necessidades do grupo ao observarmos as posturas frente às situações que enfrentam.
  • 9. O educador tem um papel fundamental na vida de uma criança, de modo, que deverá ser alguém consciente, que perceba que não basta apenas gostar de crianças para trabalhar com elas. Um educador é alguém que, deve manter presente nas suas convicções que para além da sua formação que é sem dúvida necessária, esta não é acabada, digamos que ser educador é um processo de aperfeiçoamento constante. Se acreditarmos, que em creche se vive num mundo de sentimentos e que esse mundo é muito importante na vida de cada criança é meio caminho andando para que consigamos construir verdadeiras relações de confiança e afetividade, envolvidas com confiança. Ser educador exige conhecimento do desenvolvimento das crianças. Esta conscientização é importante, pois o profissional Pedagogo melhora o ambiente suprindo necessidades de cada criança permanecer curiosa, tratando-a como um ser curioso e produtor de culturas em busca de conhecimento. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS BRASIL.Constituição Federal (1988). Disponível em: http://www.planalto.gov.br. Acesso em: 08 abril. 2016. BRASIL, LEI N° 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990: Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente, e dá outras providências. BRASIL. REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL. v. 1, Brasília: MEC/SEF, 1998.
  • 10. BRASIL, LDB Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 2013 p.99. Lei 9394/96 – Disponível em: www.planalto.gov.br. Acesso em: 20 de Abril de 2016. BRASIL. CNE / CEB. Resolução nº 05, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes Curriculares para Educação Infantil. FERREIRO, Emília.Reflexões sobre alfabetizaçãotradução Horácio Gonzáles et.al.24ed. São Paulo: Cortez, 2001. FREIRE, P. À sombra desta mangueira. São Paulo: Editora Olho d’Água, 2ª edição, 1995, p. 78. FRIEDMANN Adriana; Educação Infantil Interações e Brincadeiras; editora MODERNA 2013; LANGER, R. J. Papéis básicos do educador da criança pequena. In: GAYOTTO, M. L. C. (org.) Creches: desafios e contradições da criação da criança pequena. São Paulo: Ícone, 1992. RONCA, P.A.C.A aula operatória e a construção do conhecimento. São Paulo: Edisplan, 1989. SILVA, M. Complexidade da formação de professores: saberes teóricos e saberes práticos... Paulo: Editora Unesp, 1998. ... São Paulo: Escrituras, 1998. VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 2000. MORAIS, A. G. e ALBUQUERQUE, E. B. C.; LEAL, T> F. Alfabetização de jovens e adultos em uma perspectiva do letramento. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.