SlideShare uma empresa Scribd logo
SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS
SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA
SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO INFANTIL E FUNDAMENTAL
DIRETORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL
SEQUÊNCIA DIDÁTICA
COM O GÊNERO TEXTUAL
RECEITA CULINÁRIA
INTRODUÇÃO
A receita culinária é um gênero textual no qual predomina o aspecto tipológico
do descrever ações, tendo, como estrutura, as seguintes partes: ingredientes,
modo de fazer, tempo de preparo, calorias e rendimento. No trabalho com
receitas, deve-se considerar o objetivo deste gênero textual, quem faz uso
dele (escreve e lê), onde encontramos e do que fala uma receita.
EIXO LEITURA
-Desenvolver atitudes e disposições favoráveis à leitura.
-Desenvolver capacidades necessárias à leitura com fluência e compreensão:
(i) Identificar as finalidades e funções da leitura em função do
reconhecimento do suporte, do gênero e da contextualização.
EIXO DESENVOLVIMENTO DA ORALIDADE
-Participar das interações cotidianas em sala de aula: escutando com atenção
e compreensão; respondendo as questões propostas pelo professor; expondo
opiniões nos debates com os colegas e com o professor.
EIXO PRODUÇÃO ESCRITA
-Compreender e valorizar o uso da escrita com diferentes funções, em
diferentes gêneros.
-Produzir textos escritos de gêneros diversos, adequados aos objetivos, ao
destinatário e ao contexto de circulação.
Desenvolvimento
Atividades de introduzir:
Professor(a):
Inicie esta Sequência Didática conversando com seus alunos que é comum nas
famílias existir alguém que saiba fazer um prato bem gostoso. Só que para
chegar à essa prática, normalmente a pessoa ouviu e/ou leu um texto muito
interessante chamado receita. A receita culinária é um gênero textual muito
antigo, repassado, na maioria das vezes, de forma oral, de mãe para filha(o),
de avó para neta(o), de amiga para amiga(o), quase sempre com um ‘segredinho’
de família.
As receitas são quase sempre memorizadas por quem as prepara e quando são
repassadas adiante, geralmente acontece de forma oral.
RECONHECIMENTO DO GÊNERO TEXTUAL
RECEITA CULINÁRIA
• Pesquisa sobre o gênero
1- Propor aos alunos que conversem, em casa, com suas mães (avós ou tias),
sobre qual(is) receita(s) ela(s) mais gosta(m) de fazer.
2- Partindo deste apontamento, orientá-los para que a(s) copiem numa folha,
com o nome da mãe (avó ou tia) e tragam para a escola.
3- Uma vez trazidas as receitas pelos alunos, listar o nome de cada uma no
quadro, separando-as em doces e salgadas.
Leitura de textos do gênero
SALADA DE FRUTAS
Ingredientes:
1 maça
1 banana
1 fatia de melão
1 pera
1 mamão pequeno
1 pêssego
2 fatias de abacaxi
5 morangos
10 uvas
1 xícara de suco de laranja
1 caixa de leite condensado
1 colher (café) de canela em pó
Modo de preparo:
Pique todos os ingredientes. Coloque tudo em uma vasilha média e adicione o
leite condensado, a canela em pó e o suco de laranja. Mexa por alguns
segundos e leve a geladeira por 30 minutos.
* Copie a receita em um cartaz para que, juntamente com os alunos, se
observe sua estrutura organizacional:
• está dividida basicamente em duas partes: “ingredientes” e “modo de
fazer”;
• na parte dos “ingredientes” descreve-se os elementos que serão usados
na receita;
• cada item dos ingredientes são apontados numa linha, sem sinal de
pontuação no final;
• a quantidade é indicada em número;
• as medidas são as que comumente usamos numa cozinha (xícara, copo,
colher...);
• o “modo de fazer” organiza-se de forma injuntiva (com predominância
de verbos no imperativo – pegue, bata, junte, entre outros), induzindo o
leitor às ações.
Interpretação oral da receita:
• Qual é o nome dessa receita?
• Alguém já conhece essa receita?
• Pela ilustração podemos imaginar de que será essa receita?
• Onde encontramos textos iguais a esse?
• Existem características neste texto, diferente de outros. Quais são?
Atividades de trabalho sistemático (para os alunos no padrão Baixo
Desempenho)
Faça uma lista com os ingredientes da receita (em um cartaz).
Professor(a):
• Estimule a compreensão e a valorização da cultura escrita, informando
que essa lista não pode ser feita apenas oralmente, pois correria o risco
de, ao repassá-la à pessoa responsável em fazer as compras, esquecer
algum item necessário. Portanto, é importante o seu registro em forma
de escrita para, posteriormente, ser entregue ao responsável. Essa é
uma forma de propiciar aos alunos momentos de conhecer, utilizar e
valorizar os modos de produção e circulação da escrita na sociedade.
• Leia pausada e articuladamente a lista.
• Convide os alunos a lerem, decodificando e reconhecendo globalmente as
palavras da lista:
- Aponte as palavras para os alunos lerem coletivamente,
- Aponte as palavras para um aluno ler, individualmente,
- ouça leituras individuais (no cartaz ou no caderno).
C1. Identificação de letras do alfabeto
 Proponha a contagem do número de letras de cada ingrediente. Se for o
caso, mostre que existem nomes que são representadas por poucas
letras.
 Circular de azul os ingredientes cujos nomes tem 7 letras;
 Circular de amarelo os ingredientes com 6 letras;
 Circular de vermelho os ingredientes com 4 letras.
 Questionar: “Nessa lista tem algum ingrediente que termina com a
mesma letra?”
• (Deixar que os alunos descubram). Vamos sublinhá-las?
• Distribuir o alfabeto móvel e pedir que formem as palavras da lista.
• Pedir para identificarem a 1ª letra de cada palavra.
C2. Uso adequado da página
- Mostre o cartaz com a lista dos ingredientes da receita escrita em
letra imprensa maiúscula;
- Peça para os alunos lerem os nomes (enquanto eles leem, vá passando a
régua em cima de cada palavra lida, mostrando que a leitura é feita da
esquerda para direita e de cima para baixo);
- Peça também para que um aluno (ou um aluno de cada vez) vá até o
cartaz e leia a lista de nomes. Oriente-os a ir passando a régua em cada
palavra como você fez.
- Peça para que identifiquem o primeiro e o último nome da lista (falando
em voz alta ou apontando no texto).
C3. Aquisição de consciência fonológica
SÍLABAS
- Escolher uma palavra da lista;
- Falar a palavra pausadamente (silabando) e perguntar aos alunos: “Quantos
pedaços tem essa palavra?” ou “Quantas vezes abrimos a boca para falá-la?”.
Bater palmas a cada sílaba.
Atenção! Explicar que esses pedaços são as sílabas.
- Repetir o procedimento com cada palavra da lista.
- Distribuir a lista para que cada aluno:
 Colora de vermelho palavras com 1 sílaba;
 Colora de verde palavras com 2 sílabas;
 Colora de azul palavras com 3 sílabas;
 Colora de amarelo palavras com 4 sílabas.
- Registrar as palavras da lista no caderno, em forma de tabela, classificando-
as quanto ao número de sílabas:
1 sílaba 2 sílabas 3 sílabas 4 sílabas
SÍLABA INICIAL
- Escolher uma palavra da lista e escrevê-la no quadro. Ex: “LARANJA”;
- Pedir aos alunos para identificar o primeiro pedaço (sílaba) = “LA”. Destacá-
lo;
- Ler uma sílaba e depois o restante da palavra (com um segundo de intervalo).
Assim: [LA] (1 segundo de pausa) [RANJA] = LARANJA;
- Usar o mesmo procedimento com as outras palavras da lista deixando que as
crianças completem oralmente;
- Escrever abaixo, outra palavra que também comece com “LA”, como no
exemplo:
LATA
LARA
- Pedir para dizerem outras palavras que começam com o mesmo som. Ex:
“LÁPIS”; “LAPISEIRA”; ...
- Repetir o procedimento com outras palavras da lista;
SÍLABA FINAL (RIMAS)
- Utilizar o cartaz ou escrever a lista no quadro:
- Grifar as palavras que rimam, destacando as sílabas finais: MELÃO,
MAMÃO;
- Pedir para os alunos dizerem o que essas palavras têm em comum (Deixar que
eles concluam que elas ‘terminam iguais’ ou que ‘combinam’; explicar o que são
rimas);
- Escrever no quadro outra palavra da lista e fazer uma rima, como no exemplo
abaixo:
MORANGO
AMIGO
- Ao verificar que todos entenderam, propor que os alunos criem novas rimas a
partir da palavra selecionada;
SÍLABA MEDIAL OU MEDIANA
- Escrever no quadro a palavra “CA NE LA”, separada em sílabas;
- Pedir para os alunos identificarem o 2º pedacinho (sílaba) desta palavra
“NE”, destacando-o;
CA NE LA
- Escrever logo abaixo, a palavra “JA NE LA”, repetindo o mesmo
procedimento.
JA NE LA
- Questionar se os pedaços destacados são iguais.
- Insira agora a palavra “BO NE CA ”. Torne a perguntar se são iguais.
- Agora, vamos inserir a palavra “BA NA NA”.
- Perguntar: “E agora, são iguais?”
- Discutir com os alunos, chamando a atenção para a diferença sonora.
- Formar grupos com os alunos, entregar um envelope com palavras trissílabas
para cada grupo. Cada alunos deve retirar uma palavra e falar a sílaba do meio.
A cada acerto o grupo vai registrando a palavra no caderno destacando a
sílaba medial. Ganha o grupo que registrar mais palavras.
C4. Reconhecimento da palavra como unidade gráfica
. Levar a criança a perceber que as frases são formadas por palavras.
. Levar a criança a perceber que as frases podem ter diferentes números de
palavras, ao falar vocábulo por vocábulo.
. Verificar qual a palavra maior e menor da frase.
- Escolher uma palavra da lista.
- Fazer uma frase com a palavra escolhida junto com os alunos e escrevê-la no
quadro. Exemplo: A MAÇA É VERMELHA.
- Bater palma para cada palavra.
- Repetir a frase e pedir para as crianças completarem com a última palavra
da frase.
- Fazer o mesmo com outras palavras da lista;
- Pedir para os alunos contar o número de palavras de cada frase.
- Pedir para dizer a palavra maior e menor de cada frase.
DITADO
Atenção! Retirar todos os cartazes de lista. Os alunos não devem ter contato
visual com a escrita das palavras da lista nesse momento.
Identificar as figuras abaixo, escrevendo o nome de cada uma, relacionando-
as com a LISTA:
__________________ ____________________
__________________ _________________
_________________ __________________
________________ __________________
C5. Leitura de palavras e pequenos textos
1. FORMANDO FRASES
Divida os alunos em grupos. Distribua para cada grupo fichas com palavras das
frases que foram construídas na questão anterior. Os alunos devem organizar
as frases na ordem correta.
2. PRODUÇÃO COLETIVA
Propor a produção coletiva de uma lista de compras, solicitando ao(à)
Diretor(a) da escola materiais didáticos para sala de aula.
PROFESSOR: Esse é um momento muito importante, pois, além de estar
confirmando o papel social da escrita, estará sistematizando, mais uma vez, o
seu registro, possibilitando ,assim, que a criança se aproprie do código
gráfico.
Por isso, retome os princípios básicos da convenção gráfica, tais como:
- O alinhamento da escrita (da esquerda para direita de cima para baixo);
- A função da segmentação das espaços em branco;
- A organização da estrutura desse gênero (cada item embaixo do outro).
Para isso, leia articuladamente (declarada e pausadamente) as palavras e as
frases que vão sendo construídas.
C10. Implicações do gênero e do suporte na compreensão de textos
Organizar a lista de ingredientes em ordem alfabética.
É importante organizar estratégias que proporcionem aos alunos o contato
com diferentes suportes que se organizam pela ordem alfabética.
Ressalta-se a diversidade desses suportes no uso social e mesmo no cotidiano
escolar, entre eles, diário de classe, lista de chamada, enciclopédia,
dicionários, agendas e catálogo de telefone.
Destacam-se, também, situações vividas no contexto da sala de aula e da
escola em que os nomes dos alunos, professores, livros de leitura, histórias
contadas, autores de livros e jogadores de futebol podem ser organizados em
ordem alfabética.
Assim, enfatizamos que o trabalho com a ordem alfabética deve se vincular a
diferentes suportes textuais e também a situações diversas do cotidiano em
que seu uso se faz necessário.
Atividades de trabalho sistemático (para os alunos no padrão
Intermediário)
C2. Uso adequado da página
Pedir para os alunos copiarem no caderno a receita.
Observar se eles respeitam as direções da escrita e as margens, se utilizam
corretamente as linhas, se iniciam a escrita no local adequado.
Pedir para os alunos colorirem de vermelho a primeira palavra de cada linha e
de azul a última palavra de cada linha.
C3. Aquisição de consciência fonológica (consciência silábica)
OBSERVE A LISTA DE INGREDIENTES DA RECEITA. MAMÃE ESQUECEU
ALGUMAS SÍLABAS VAMOS AJUDÁ-LA A COMPLETAR?
C4. Reconhecimento da palavra como unidade gráfica
- Ler a receita novamente com a turma. Falar as frases do Modo de
preparo destacando as palavras: LEITE, CANELA e LARANJA.
- Pedir que identifiquem as palavras que faltam nas frases:
Modo de preparo:
Pique todos os ingredientes. Coloque tudo em uma vasilha média e adicione o
____ condensado, a ______ em pó e o suco de _______. Mexa por alguns
segundos e leve a geladeira por 30 minutos.
Encontre, no diagrama abaixo, palavras que estão na lista de ingredientes:
C M A Ç Ã C A F E O
R B A N A N A P E W
Z A N G A M E L Ã O
P Ê R A Ç A D A R P
U M A M Ã O P R S T
V T X P Ê S S E G O
A B A C A X I V M Q
V R M O R A N G O J
L A R A N J A Ç D I
C5. Leitura de palavras e pequenos textos
Leia o texto abaixo e risque as palavras que tem na Receita de Salada de
Frutas:
C7. Interpretação de informações implícitas em textos
Ler o texto da questão anterior para os alunos, chamando atenção para as
questões de interpretação:
a) De que fala esse texto?
b) O que quer dizer a expressão “É tempo”?
c) No trecho “A cidade, perfumada, se veste de frutas.” a palavra
sublinhada se refere a quem?
d) Por que a cidade está perfumada?
e) Mamãe vai ao mercado comprar ingredientes para fazer o que?
C10. Implicações do gênero e do suporte na compreensão de textos
Texto 1
Texto 2
Texto 3
Observe os textos e responda:
a) Qual dos textos é uma receita?
b) Por que o texto que você escolheu é uma receita?
c) Além do título (nome da receita), que outras partes têm esse gênero?
d) Com base no texto 3, pense e responda:
• Qual a função social desse texto?
• Para quem geralmente se destina?
Trabalhando a matemática
• Qual o ingrediente que mais encarece a receita?
• Qual o mais barato?
• com base no texto 3, a receita foi feita somente para uma pessoa. Se
você receber um colega em sua casa, terá que prepará-la em quantidade
maior, suficiente para dois. Reescreva a receita de modo que ela fique
com o dobro dos ingredientes.
Atividades de trabalho sistemático (para os alunos no padrão
Recomendado)
C3. Aquisição de consciência fonológica
Marque com um X o nome das frutas que têm as partes destacadas do nome
CANELA.
Nesta atividade, o objetivo é identificar as unidades fonológicas, neste caso
as sílabas, de uma palavra em destaque e reconhecê-la em outra.
Copie os nomes das figuras que completam as rimas:
PÊRA ABACAXI
MELÃO BANANA
MARIANA GOSTA DE _____________________
CARLÃO ADORA COMER __________________
SUELI COME _____________________
CÊRA RIMA COM ________________________
MAÇÃ
ABACAXI
LARANJA
BANANA
- Apresentar o poema abaixo para os alunos.
- Conversar com os alunos sobre esse gênero textual: característica,
formatação, origem, utilidade social, diferenças e semelhanças com o
gênero receita que está sendo trabalhado.
- Fazer interpretação oral e coletiva do poema com os alunos.
Exemplo:
• Qual é o título desse poema?
• Quem é o autor desse poema?
• Onde este poema estava escrito?
• Quais as características deste texto que são diferentes da receita
culinária?
• Observem as palavras. Elas terminam com o mesmo som?
- Fazer leitura do texto com os alunos de diversas maneiras: coletiva,
partilhada, em grupos, jograis, individual.
C6. Localização de informações explícitas em textos
Atividades para o aluno
.Qual o título desse texto?
.Quem escreveu este poema?
SALADA DE FRUTAS
Quando eu como muita uva,
Eu não posso tomar chuva.
Quando eu como abacaxi,
Não posso fazer xixi.
Quando eu como caqui,
Pulo mais do que saci.
Quando eu como caju,
Pulo mais que canguru.
Quando eu como acerola,
Fico sempre bom de bola.
Quando eu como framboesa
Fico sempre bom de mesa.
Quando eu como mexerica
Minha barriga se estica.
Quando eu como amora,
Minha barriga melhora.
Quando eu não como fruta,
A tristeza é absoluta.
Quando eu como goiaba,
Minha tristeza se acaba!
Bob Vieira, Brincando com Rimas.
. De que fala esse poema?
.O que acontece com o autor quando ele come caqui?
.E quando ele não come fruta?
. O que acontece com o autor quando ele come goiaba?
C7. Interpretação de informações implícitas em textos
- A partir do título, o que você acha que encontrará nesse poema?
- Quem é o personagem desse poema?
- O que quer dizer a expressão “pulo mais que canguru” ?
- Por que o autor diz que quando ele não come fruta a tristeza é absoluta?
- O que quer dizer a palavra absoluta?
Trabalhando as Competências:
C8. Coerência e coesão no processamento de textos
C9. Avaliação do leitor em relação aos textos
C10. Implicações do gênero e do suporte na compreensão de textos
Entregar para os alunos (em duplas) a cópia de uma receita ‘maluca’ para eles
descobrirem o que há de estranho nela.
Perguntar aos alunos o que eles acharam de diferente nessa receita. Pedir que
eles reorganizem a receita dando a dica de que alguns ingredientes são de uma
receita salgada e os outros de uma receita doce. Pedir que separem os
ingredientes e reescrevam as receitas corretamente.
Material produzido pela
Equipe Central / PIP ATC.
Maio 2012

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o RatinhoSequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o Ratinho
Shirley Lauria
 
Parecer de um bom aluno porém que precisa de limites
Parecer de um bom aluno porém  que precisa de limitesParecer de um bom aluno porém  que precisa de limites
Parecer de um bom aluno porém que precisa de limites
SimoneHelenDrumond
 
Produção textual
Produção textualProdução textual
Produção textual
Mary Alvarenga
 
APOSTILA DE REFORÇO ALFABETIZAÇÃO 2 POR FOLHA.pdf
APOSTILA DE REFORÇO ALFABETIZAÇÃO 2 POR FOLHA.pdfAPOSTILA DE REFORÇO ALFABETIZAÇÃO 2 POR FOLHA.pdf
APOSTILA DE REFORÇO ALFABETIZAÇÃO 2 POR FOLHA.pdf
danielagracia9
 
Produzindo texto
Produzindo textoProduzindo texto
Produzindo texto
Mary Alvarenga
 
Modelo de parecer descritivo
Modelo de parecer descritivoModelo de parecer descritivo
Modelo de parecer descritivo
SimoneHelenDrumond
 
Sequência didática a casa e seu dono (1)
Sequência didática a casa e seu dono (1)Sequência didática a casa e seu dono (1)
Sequência didática a casa e seu dono (1)
Edna Lúcia Lopes Fernandes
 
Pareceres do 1º ano 2º semestre
Pareceres do 1º ano    2º semestrePareceres do 1º ano    2º semestre
Pareceres do 1º ano 2º semestre
Araceli Kleemann
 
Parlendas: O MACACO FOI À FEIRA E MACACA SOFIA
Parlendas: O MACACO FOI À FEIRA E MACACA SOFIAParlendas: O MACACO FOI À FEIRA E MACACA SOFIA
Parlendas: O MACACO FOI À FEIRA E MACACA SOFIA
Maria Élia David de Assis Ferreira
 
Avaliação bimestral de historia
Avaliação bimestral de historiaAvaliação bimestral de historia
Avaliação bimestral de historia
Maria Aparecida Mendes
 
Caderno de simulados de preparação para o PROALFA
Caderno de simulados de preparação para o PROALFACaderno de simulados de preparação para o PROALFA
Caderno de simulados de preparação para o PROALFA
Elisangela Terra
 
Atividades para silabicos
Atividades para silabicosAtividades para silabicos
Atividades para silabicos
Josi Cotrim
 
Poema o menino azul de Cecília Meireles - Análise e entendimento
Poema  o menino azul de  Cecília Meireles - Análise e entendimento Poema  o menino azul de  Cecília Meireles - Análise e entendimento
Poema o menino azul de Cecília Meireles - Análise e entendimento
Mary Alvarenga
 
Sequência didática o circo
Sequência didática o circoSequência didática o circo
Sequência didática o circo
Luana Maria Ferreira Fernandes
 
AVALIAÇÃO DE ENSINO RELIGIOSO - 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1- 1º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE ENSINO RELIGIOSO - 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1- 1º BIMESTREAVALIAÇÃO DE ENSINO RELIGIOSO - 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1- 1º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE ENSINO RELIGIOSO - 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1- 1º BIMESTRE
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
SEQUÊNCIA DIDÁTICA - ALIMENTOS SAUDÁVEIS
SEQUÊNCIA DIDÁTICA - ALIMENTOS SAUDÁVEISSEQUÊNCIA DIDÁTICA - ALIMENTOS SAUDÁVEIS
SEQUÊNCIA DIDÁTICA - ALIMENTOS SAUDÁVEIS
educacaodetodos
 
Apostila gêneros textuais 4º ano
Apostila gêneros textuais  4º anoApostila gêneros textuais  4º ano
Apostila gêneros textuais 4º ano
Roseanne Funchal Olivieira
 
Sequência Didática ÁGUA
Sequência Didática   ÁGUASequência Didática   ÁGUA
Sequência Didática ÁGUA
CristhianeGuimaraes
 
Apostila para trabalhar textos variados
Apostila para trabalhar  textos variadosApostila para trabalhar  textos variados
Apostila para trabalhar textos variados
Isa ...
 
Avaliação adaptada_português (alfabetização)
Avaliação adaptada_português (alfabetização)Avaliação adaptada_português (alfabetização)
Avaliação adaptada_português (alfabetização)
Isa ...
 

Mais procurados (20)

Sequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o RatinhoSequência didática: O Leão e o Ratinho
Sequência didática: O Leão e o Ratinho
 
Parecer de um bom aluno porém que precisa de limites
Parecer de um bom aluno porém  que precisa de limitesParecer de um bom aluno porém  que precisa de limites
Parecer de um bom aluno porém que precisa de limites
 
Produção textual
Produção textualProdução textual
Produção textual
 
APOSTILA DE REFORÇO ALFABETIZAÇÃO 2 POR FOLHA.pdf
APOSTILA DE REFORÇO ALFABETIZAÇÃO 2 POR FOLHA.pdfAPOSTILA DE REFORÇO ALFABETIZAÇÃO 2 POR FOLHA.pdf
APOSTILA DE REFORÇO ALFABETIZAÇÃO 2 POR FOLHA.pdf
 
Produzindo texto
Produzindo textoProduzindo texto
Produzindo texto
 
Modelo de parecer descritivo
Modelo de parecer descritivoModelo de parecer descritivo
Modelo de parecer descritivo
 
Sequência didática a casa e seu dono (1)
Sequência didática a casa e seu dono (1)Sequência didática a casa e seu dono (1)
Sequência didática a casa e seu dono (1)
 
Pareceres do 1º ano 2º semestre
Pareceres do 1º ano    2º semestrePareceres do 1º ano    2º semestre
Pareceres do 1º ano 2º semestre
 
Parlendas: O MACACO FOI À FEIRA E MACACA SOFIA
Parlendas: O MACACO FOI À FEIRA E MACACA SOFIAParlendas: O MACACO FOI À FEIRA E MACACA SOFIA
Parlendas: O MACACO FOI À FEIRA E MACACA SOFIA
 
Avaliação bimestral de historia
Avaliação bimestral de historiaAvaliação bimestral de historia
Avaliação bimestral de historia
 
Caderno de simulados de preparação para o PROALFA
Caderno de simulados de preparação para o PROALFACaderno de simulados de preparação para o PROALFA
Caderno de simulados de preparação para o PROALFA
 
Atividades para silabicos
Atividades para silabicosAtividades para silabicos
Atividades para silabicos
 
Poema o menino azul de Cecília Meireles - Análise e entendimento
Poema  o menino azul de  Cecília Meireles - Análise e entendimento Poema  o menino azul de  Cecília Meireles - Análise e entendimento
Poema o menino azul de Cecília Meireles - Análise e entendimento
 
Sequência didática o circo
Sequência didática o circoSequência didática o circo
Sequência didática o circo
 
AVALIAÇÃO DE ENSINO RELIGIOSO - 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1- 1º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE ENSINO RELIGIOSO - 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1- 1º BIMESTREAVALIAÇÃO DE ENSINO RELIGIOSO - 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1- 1º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE ENSINO RELIGIOSO - 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1- 1º BIMESTRE
 
SEQUÊNCIA DIDÁTICA - ALIMENTOS SAUDÁVEIS
SEQUÊNCIA DIDÁTICA - ALIMENTOS SAUDÁVEISSEQUÊNCIA DIDÁTICA - ALIMENTOS SAUDÁVEIS
SEQUÊNCIA DIDÁTICA - ALIMENTOS SAUDÁVEIS
 
Apostila gêneros textuais 4º ano
Apostila gêneros textuais  4º anoApostila gêneros textuais  4º ano
Apostila gêneros textuais 4º ano
 
Sequência Didática ÁGUA
Sequência Didática   ÁGUASequência Didática   ÁGUA
Sequência Didática ÁGUA
 
Apostila para trabalhar textos variados
Apostila para trabalhar  textos variadosApostila para trabalhar  textos variados
Apostila para trabalhar textos variados
 
Avaliação adaptada_português (alfabetização)
Avaliação adaptada_português (alfabetização)Avaliação adaptada_português (alfabetização)
Avaliação adaptada_português (alfabetização)
 

Semelhante a Sequencia receita culinaria_abril_2012

Sequencia receita culinaria_abril_2012
Sequencia receita culinaria_abril_2012Sequencia receita culinaria_abril_2012
Sequencia receita culinaria_abril_2012
Fernando Faustino
 
Sequencia receita culinaria
Sequencia receita culinariaSequencia receita culinaria
Sequencia receita culinaria
Fernando Faustino
 
Sequencia mentira da_barata - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTE...
Sequencia mentira da_barata - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTE...Sequencia mentira da_barata - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTE...
Sequencia mentira da_barata - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTE...
weleslima
 
Para PNAIC-Sequencia didática -1
Para PNAIC-Sequencia didática -1Para PNAIC-Sequencia didática -1
Para PNAIC-Sequencia didática -1
Graça Sousa
 
Sequencia didatica baixo_desempenho
Sequencia didatica baixo_desempenhoSequencia didatica baixo_desempenho
Sequencia didatica baixo_desempenho
Dilma Maria Lucena Álvares
 
Sequencia didatica _fabulas
Sequencia didatica _fabulasSequencia didatica _fabulas
Sequencia didatica _fabulas
Professora Cida
 
Socialização de prática cre orla blog
Socialização de prática   cre orla blogSocialização de prática   cre orla blog
Socialização de prática cre orla blog
Marisa Seara
 
Ditado para-sondagem-na-alfabetizacao
Ditado para-sondagem-na-alfabetizacaoDitado para-sondagem-na-alfabetizacao
Ditado para-sondagem-na-alfabetizacao
Marisa Galdi Lapa
 
Atividades sequenciadas
Atividades sequenciadas Atividades sequenciadas
Atividades sequenciadas
Vanderlita Gomes B Marquetti
 
Atividades sequenciadas para alfabetizar letrando
Atividades sequenciadas para alfabetizar letrandoAtividades sequenciadas para alfabetizar letrando
Atividades sequenciadas para alfabetizar letrando
Vanderlita Gomes B Marquetti
 
Atividadessequenciadasiencontro2013 130711171714-phpapp02
Atividadessequenciadasiencontro2013 130711171714-phpapp02Atividadessequenciadasiencontro2013 130711171714-phpapp02
Atividadessequenciadasiencontro2013 130711171714-phpapp02
moborba
 
Atividadessequenciadasiencontro2013 130711171714-phpapp02
Atividadessequenciadasiencontro2013 130711171714-phpapp02Atividadessequenciadasiencontro2013 130711171714-phpapp02
Atividadessequenciadasiencontro2013 130711171714-phpapp02
moborba
 
Atividadessequenciadasiencontro2013 130711171714-phpapp02
Atividadessequenciadasiencontro2013 130711171714-phpapp02Atividadessequenciadasiencontro2013 130711171714-phpapp02
Atividadessequenciadasiencontro2013 130711171714-phpapp02
moborba
 
Para PNAIC - Atividades Sequenciadas-2
Para PNAIC - Atividades Sequenciadas-2Para PNAIC - Atividades Sequenciadas-2
Para PNAIC - Atividades Sequenciadas-2
Graça Sousa
 
Atividades sequenciadas - 1º encontro 2013
Atividades sequenciadas - 1º encontro 2013Atividades sequenciadas - 1º encontro 2013
Atividades sequenciadas - 1º encontro 2013
Graça Sousa
 
Plano de aula tipologia
Plano de aula tipologiaPlano de aula tipologia
Plano de aula tipologia
Erick Naldimar Santos
 
Sequencia mentira da_barata
Sequencia mentira da_barataSequencia mentira da_barata
Sequencia mentira da_barata
Cátia Regina Busarello
 
Sequencia mentira da_barata
Sequencia mentira da_barataSequencia mentira da_barata
Sequencia mentira da_barata
Katia Teixeira Dos Santos
 
Fasc. 1 sugestões de atividades dos 5 eixos
Fasc. 1 sugestões de atividades dos 5 eixosFasc. 1 sugestões de atividades dos 5 eixos
Fasc. 1 sugestões de atividades dos 5 eixos
Celismara Seleguin
 
APERFEIÇOAMENTO ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pptx
APERFEIÇOAMENTO ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pptxAPERFEIÇOAMENTO ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pptx
APERFEIÇOAMENTO ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pptx
andreiamachado479
 

Semelhante a Sequencia receita culinaria_abril_2012 (20)

Sequencia receita culinaria_abril_2012
Sequencia receita culinaria_abril_2012Sequencia receita culinaria_abril_2012
Sequencia receita culinaria_abril_2012
 
Sequencia receita culinaria
Sequencia receita culinariaSequencia receita culinaria
Sequencia receita culinaria
 
Sequencia mentira da_barata - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTE...
Sequencia mentira da_barata - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTE...Sequencia mentira da_barata - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTE...
Sequencia mentira da_barata - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTE...
 
Para PNAIC-Sequencia didática -1
Para PNAIC-Sequencia didática -1Para PNAIC-Sequencia didática -1
Para PNAIC-Sequencia didática -1
 
Sequencia didatica baixo_desempenho
Sequencia didatica baixo_desempenhoSequencia didatica baixo_desempenho
Sequencia didatica baixo_desempenho
 
Sequencia didatica _fabulas
Sequencia didatica _fabulasSequencia didatica _fabulas
Sequencia didatica _fabulas
 
Socialização de prática cre orla blog
Socialização de prática   cre orla blogSocialização de prática   cre orla blog
Socialização de prática cre orla blog
 
Ditado para-sondagem-na-alfabetizacao
Ditado para-sondagem-na-alfabetizacaoDitado para-sondagem-na-alfabetizacao
Ditado para-sondagem-na-alfabetizacao
 
Atividades sequenciadas
Atividades sequenciadas Atividades sequenciadas
Atividades sequenciadas
 
Atividades sequenciadas para alfabetizar letrando
Atividades sequenciadas para alfabetizar letrandoAtividades sequenciadas para alfabetizar letrando
Atividades sequenciadas para alfabetizar letrando
 
Atividadessequenciadasiencontro2013 130711171714-phpapp02
Atividadessequenciadasiencontro2013 130711171714-phpapp02Atividadessequenciadasiencontro2013 130711171714-phpapp02
Atividadessequenciadasiencontro2013 130711171714-phpapp02
 
Atividadessequenciadasiencontro2013 130711171714-phpapp02
Atividadessequenciadasiencontro2013 130711171714-phpapp02Atividadessequenciadasiencontro2013 130711171714-phpapp02
Atividadessequenciadasiencontro2013 130711171714-phpapp02
 
Atividadessequenciadasiencontro2013 130711171714-phpapp02
Atividadessequenciadasiencontro2013 130711171714-phpapp02Atividadessequenciadasiencontro2013 130711171714-phpapp02
Atividadessequenciadasiencontro2013 130711171714-phpapp02
 
Para PNAIC - Atividades Sequenciadas-2
Para PNAIC - Atividades Sequenciadas-2Para PNAIC - Atividades Sequenciadas-2
Para PNAIC - Atividades Sequenciadas-2
 
Atividades sequenciadas - 1º encontro 2013
Atividades sequenciadas - 1º encontro 2013Atividades sequenciadas - 1º encontro 2013
Atividades sequenciadas - 1º encontro 2013
 
Plano de aula tipologia
Plano de aula tipologiaPlano de aula tipologia
Plano de aula tipologia
 
Sequencia mentira da_barata
Sequencia mentira da_barataSequencia mentira da_barata
Sequencia mentira da_barata
 
Sequencia mentira da_barata
Sequencia mentira da_barataSequencia mentira da_barata
Sequencia mentira da_barata
 
Fasc. 1 sugestões de atividades dos 5 eixos
Fasc. 1 sugestões de atividades dos 5 eixosFasc. 1 sugestões de atividades dos 5 eixos
Fasc. 1 sugestões de atividades dos 5 eixos
 
APERFEIÇOAMENTO ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pptx
APERFEIÇOAMENTO ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pptxAPERFEIÇOAMENTO ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pptx
APERFEIÇOAMENTO ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO.pptx
 

Mais de Professora Cida

De avestruz a zebra 1º ano
De avestruz a zebra 1º anoDe avestruz a zebra 1º ano
De avestruz a zebra 1º ano
Professora Cida
 
De avestruz a zebra 3º ano
De avestruz a zebra 3º anoDe avestruz a zebra 3º ano
De avestruz a zebra 3º ano
Professora Cida
 
1 leitura deleite A Professora D. Fofa
1 leitura deleite A Professora D. Fofa1 leitura deleite A Professora D. Fofa
1 leitura deleite A Professora D. Fofa
Professora Cida
 
Tatu bobo slide
Tatu bobo slideTatu bobo slide
Tatu bobo slide
Professora Cida
 
Sequência didática piada
Sequência didática piadaSequência didática piada
Sequência didática piada
Professora Cida
 
Sequência didática língua portuguesa e matemática o piquenique do catapimba
Sequência didática língua portuguesa e matemática o piquenique do catapimbaSequência didática língua portuguesa e matemática o piquenique do catapimba
Sequência didática língua portuguesa e matemática o piquenique do catapimba
Professora Cida
 
Sequencia didatica e o palhaço o que é
Sequencia didatica e o palhaço o que éSequencia didatica e o palhaço o que é
Sequencia didatica e o palhaço o que é
Professora Cida
 
Sequência didática a bruxa
Sequência didática a bruxaSequência didática a bruxa
Sequência didática a bruxa
Professora Cida
 
Sequencia de atividades por e mat primeira semana
Sequencia de atividades por e mat primeira semanaSequencia de atividades por e mat primeira semana
Sequencia de atividades por e mat primeira semana
Professora Cida
 
Projeto tatu e_o_lobo
Projeto tatu e_o_loboProjeto tatu e_o_lobo
Projeto tatu e_o_lobo
Professora Cida
 
Projeto tatu e_bobo
Projeto tatu e_boboProjeto tatu e_bobo
Projeto tatu e_bobo
Professora Cida
 
Projeto frozen
Projeto frozenProjeto frozen
Projeto frozen
Professora Cida
 
Projeto didático leilão de jardim
Projeto didático leilão de jardimProjeto didático leilão de jardim
Projeto didático leilão de jardim
Professora Cida
 
Pnaic, mês de junho
Pnaic, mês de junhoPnaic, mês de junho
Pnaic, mês de junho
Professora Cida
 
Oficina 16 desafios
Oficina 16 desafiosOficina 16 desafios
Oficina 16 desafios
Professora Cida
 
Oficina 15 – sistema de numeração
Oficina 15 – sistema de numeraçãoOficina 15 – sistema de numeração
Oficina 15 – sistema de numeração
Professora Cida
 
Oficina 10 flutua ou afunda
Oficina 10 flutua ou afundaOficina 10 flutua ou afunda
Oficina 10 flutua ou afunda
Professora Cida
 
Oficina 03 – plantas
Oficina 03 – plantasOficina 03 – plantas
Oficina 03 – plantas
Professora Cida
 
O sapo que queria beber leite
O sapo que queria beber leiteO sapo que queria beber leite
O sapo que queria beber leite
Professora Cida
 
O livro dos medos
O livro dos medosO livro dos medos
O livro dos medos
Professora Cida
 

Mais de Professora Cida (20)

De avestruz a zebra 1º ano
De avestruz a zebra 1º anoDe avestruz a zebra 1º ano
De avestruz a zebra 1º ano
 
De avestruz a zebra 3º ano
De avestruz a zebra 3º anoDe avestruz a zebra 3º ano
De avestruz a zebra 3º ano
 
1 leitura deleite A Professora D. Fofa
1 leitura deleite A Professora D. Fofa1 leitura deleite A Professora D. Fofa
1 leitura deleite A Professora D. Fofa
 
Tatu bobo slide
Tatu bobo slideTatu bobo slide
Tatu bobo slide
 
Sequência didática piada
Sequência didática piadaSequência didática piada
Sequência didática piada
 
Sequência didática língua portuguesa e matemática o piquenique do catapimba
Sequência didática língua portuguesa e matemática o piquenique do catapimbaSequência didática língua portuguesa e matemática o piquenique do catapimba
Sequência didática língua portuguesa e matemática o piquenique do catapimba
 
Sequencia didatica e o palhaço o que é
Sequencia didatica e o palhaço o que éSequencia didatica e o palhaço o que é
Sequencia didatica e o palhaço o que é
 
Sequência didática a bruxa
Sequência didática a bruxaSequência didática a bruxa
Sequência didática a bruxa
 
Sequencia de atividades por e mat primeira semana
Sequencia de atividades por e mat primeira semanaSequencia de atividades por e mat primeira semana
Sequencia de atividades por e mat primeira semana
 
Projeto tatu e_o_lobo
Projeto tatu e_o_loboProjeto tatu e_o_lobo
Projeto tatu e_o_lobo
 
Projeto tatu e_bobo
Projeto tatu e_boboProjeto tatu e_bobo
Projeto tatu e_bobo
 
Projeto frozen
Projeto frozenProjeto frozen
Projeto frozen
 
Projeto didático leilão de jardim
Projeto didático leilão de jardimProjeto didático leilão de jardim
Projeto didático leilão de jardim
 
Pnaic, mês de junho
Pnaic, mês de junhoPnaic, mês de junho
Pnaic, mês de junho
 
Oficina 16 desafios
Oficina 16 desafiosOficina 16 desafios
Oficina 16 desafios
 
Oficina 15 – sistema de numeração
Oficina 15 – sistema de numeraçãoOficina 15 – sistema de numeração
Oficina 15 – sistema de numeração
 
Oficina 10 flutua ou afunda
Oficina 10 flutua ou afundaOficina 10 flutua ou afunda
Oficina 10 flutua ou afunda
 
Oficina 03 – plantas
Oficina 03 – plantasOficina 03 – plantas
Oficina 03 – plantas
 
O sapo que queria beber leite
O sapo que queria beber leiteO sapo que queria beber leite
O sapo que queria beber leite
 
O livro dos medos
O livro dos medosO livro dos medos
O livro dos medos
 

Sequencia receita culinaria_abril_2012

  • 1. SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO INFANTIL E FUNDAMENTAL DIRETORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL SEQUÊNCIA DIDÁTICA COM O GÊNERO TEXTUAL RECEITA CULINÁRIA
  • 2. INTRODUÇÃO A receita culinária é um gênero textual no qual predomina o aspecto tipológico do descrever ações, tendo, como estrutura, as seguintes partes: ingredientes, modo de fazer, tempo de preparo, calorias e rendimento. No trabalho com receitas, deve-se considerar o objetivo deste gênero textual, quem faz uso dele (escreve e lê), onde encontramos e do que fala uma receita. EIXO LEITURA -Desenvolver atitudes e disposições favoráveis à leitura. -Desenvolver capacidades necessárias à leitura com fluência e compreensão: (i) Identificar as finalidades e funções da leitura em função do reconhecimento do suporte, do gênero e da contextualização. EIXO DESENVOLVIMENTO DA ORALIDADE -Participar das interações cotidianas em sala de aula: escutando com atenção e compreensão; respondendo as questões propostas pelo professor; expondo opiniões nos debates com os colegas e com o professor. EIXO PRODUÇÃO ESCRITA -Compreender e valorizar o uso da escrita com diferentes funções, em diferentes gêneros. -Produzir textos escritos de gêneros diversos, adequados aos objetivos, ao destinatário e ao contexto de circulação. Desenvolvimento Atividades de introduzir: Professor(a): Inicie esta Sequência Didática conversando com seus alunos que é comum nas famílias existir alguém que saiba fazer um prato bem gostoso. Só que para chegar à essa prática, normalmente a pessoa ouviu e/ou leu um texto muito interessante chamado receita. A receita culinária é um gênero textual muito antigo, repassado, na maioria das vezes, de forma oral, de mãe para filha(o), de avó para neta(o), de amiga para amiga(o), quase sempre com um ‘segredinho’ de família. As receitas são quase sempre memorizadas por quem as prepara e quando são repassadas adiante, geralmente acontece de forma oral.
  • 3. RECONHECIMENTO DO GÊNERO TEXTUAL RECEITA CULINÁRIA • Pesquisa sobre o gênero 1- Propor aos alunos que conversem, em casa, com suas mães (avós ou tias), sobre qual(is) receita(s) ela(s) mais gosta(m) de fazer. 2- Partindo deste apontamento, orientá-los para que a(s) copiem numa folha, com o nome da mãe (avó ou tia) e tragam para a escola. 3- Uma vez trazidas as receitas pelos alunos, listar o nome de cada uma no quadro, separando-as em doces e salgadas. Leitura de textos do gênero SALADA DE FRUTAS Ingredientes: 1 maça 1 banana 1 fatia de melão 1 pera 1 mamão pequeno 1 pêssego 2 fatias de abacaxi 5 morangos 10 uvas 1 xícara de suco de laranja 1 caixa de leite condensado 1 colher (café) de canela em pó Modo de preparo: Pique todos os ingredientes. Coloque tudo em uma vasilha média e adicione o leite condensado, a canela em pó e o suco de laranja. Mexa por alguns segundos e leve a geladeira por 30 minutos. * Copie a receita em um cartaz para que, juntamente com os alunos, se observe sua estrutura organizacional: • está dividida basicamente em duas partes: “ingredientes” e “modo de fazer”; • na parte dos “ingredientes” descreve-se os elementos que serão usados na receita;
  • 4. • cada item dos ingredientes são apontados numa linha, sem sinal de pontuação no final; • a quantidade é indicada em número; • as medidas são as que comumente usamos numa cozinha (xícara, copo, colher...); • o “modo de fazer” organiza-se de forma injuntiva (com predominância de verbos no imperativo – pegue, bata, junte, entre outros), induzindo o leitor às ações. Interpretação oral da receita: • Qual é o nome dessa receita? • Alguém já conhece essa receita? • Pela ilustração podemos imaginar de que será essa receita? • Onde encontramos textos iguais a esse? • Existem características neste texto, diferente de outros. Quais são? Atividades de trabalho sistemático (para os alunos no padrão Baixo Desempenho) Faça uma lista com os ingredientes da receita (em um cartaz). Professor(a): • Estimule a compreensão e a valorização da cultura escrita, informando que essa lista não pode ser feita apenas oralmente, pois correria o risco de, ao repassá-la à pessoa responsável em fazer as compras, esquecer algum item necessário. Portanto, é importante o seu registro em forma de escrita para, posteriormente, ser entregue ao responsável. Essa é uma forma de propiciar aos alunos momentos de conhecer, utilizar e valorizar os modos de produção e circulação da escrita na sociedade. • Leia pausada e articuladamente a lista. • Convide os alunos a lerem, decodificando e reconhecendo globalmente as palavras da lista: - Aponte as palavras para os alunos lerem coletivamente, - Aponte as palavras para um aluno ler, individualmente, - ouça leituras individuais (no cartaz ou no caderno).
  • 5. C1. Identificação de letras do alfabeto  Proponha a contagem do número de letras de cada ingrediente. Se for o caso, mostre que existem nomes que são representadas por poucas letras.  Circular de azul os ingredientes cujos nomes tem 7 letras;  Circular de amarelo os ingredientes com 6 letras;  Circular de vermelho os ingredientes com 4 letras.  Questionar: “Nessa lista tem algum ingrediente que termina com a mesma letra?” • (Deixar que os alunos descubram). Vamos sublinhá-las? • Distribuir o alfabeto móvel e pedir que formem as palavras da lista. • Pedir para identificarem a 1ª letra de cada palavra. C2. Uso adequado da página - Mostre o cartaz com a lista dos ingredientes da receita escrita em letra imprensa maiúscula; - Peça para os alunos lerem os nomes (enquanto eles leem, vá passando a régua em cima de cada palavra lida, mostrando que a leitura é feita da esquerda para direita e de cima para baixo); - Peça também para que um aluno (ou um aluno de cada vez) vá até o cartaz e leia a lista de nomes. Oriente-os a ir passando a régua em cada palavra como você fez.
  • 6. - Peça para que identifiquem o primeiro e o último nome da lista (falando em voz alta ou apontando no texto). C3. Aquisição de consciência fonológica SÍLABAS - Escolher uma palavra da lista; - Falar a palavra pausadamente (silabando) e perguntar aos alunos: “Quantos pedaços tem essa palavra?” ou “Quantas vezes abrimos a boca para falá-la?”. Bater palmas a cada sílaba. Atenção! Explicar que esses pedaços são as sílabas. - Repetir o procedimento com cada palavra da lista. - Distribuir a lista para que cada aluno:  Colora de vermelho palavras com 1 sílaba;  Colora de verde palavras com 2 sílabas;  Colora de azul palavras com 3 sílabas;  Colora de amarelo palavras com 4 sílabas. - Registrar as palavras da lista no caderno, em forma de tabela, classificando- as quanto ao número de sílabas: 1 sílaba 2 sílabas 3 sílabas 4 sílabas SÍLABA INICIAL - Escolher uma palavra da lista e escrevê-la no quadro. Ex: “LARANJA”; - Pedir aos alunos para identificar o primeiro pedaço (sílaba) = “LA”. Destacá- lo; - Ler uma sílaba e depois o restante da palavra (com um segundo de intervalo). Assim: [LA] (1 segundo de pausa) [RANJA] = LARANJA; - Usar o mesmo procedimento com as outras palavras da lista deixando que as crianças completem oralmente; - Escrever abaixo, outra palavra que também comece com “LA”, como no exemplo: LATA LARA
  • 7. - Pedir para dizerem outras palavras que começam com o mesmo som. Ex: “LÁPIS”; “LAPISEIRA”; ... - Repetir o procedimento com outras palavras da lista; SÍLABA FINAL (RIMAS) - Utilizar o cartaz ou escrever a lista no quadro: - Grifar as palavras que rimam, destacando as sílabas finais: MELÃO, MAMÃO; - Pedir para os alunos dizerem o que essas palavras têm em comum (Deixar que eles concluam que elas ‘terminam iguais’ ou que ‘combinam’; explicar o que são rimas); - Escrever no quadro outra palavra da lista e fazer uma rima, como no exemplo abaixo: MORANGO AMIGO - Ao verificar que todos entenderam, propor que os alunos criem novas rimas a partir da palavra selecionada; SÍLABA MEDIAL OU MEDIANA - Escrever no quadro a palavra “CA NE LA”, separada em sílabas; - Pedir para os alunos identificarem o 2º pedacinho (sílaba) desta palavra “NE”, destacando-o; CA NE LA - Escrever logo abaixo, a palavra “JA NE LA”, repetindo o mesmo procedimento. JA NE LA - Questionar se os pedaços destacados são iguais. - Insira agora a palavra “BO NE CA ”. Torne a perguntar se são iguais. - Agora, vamos inserir a palavra “BA NA NA”. - Perguntar: “E agora, são iguais?” - Discutir com os alunos, chamando a atenção para a diferença sonora. - Formar grupos com os alunos, entregar um envelope com palavras trissílabas para cada grupo. Cada alunos deve retirar uma palavra e falar a sílaba do meio. A cada acerto o grupo vai registrando a palavra no caderno destacando a sílaba medial. Ganha o grupo que registrar mais palavras.
  • 8. C4. Reconhecimento da palavra como unidade gráfica . Levar a criança a perceber que as frases são formadas por palavras. . Levar a criança a perceber que as frases podem ter diferentes números de palavras, ao falar vocábulo por vocábulo. . Verificar qual a palavra maior e menor da frase. - Escolher uma palavra da lista. - Fazer uma frase com a palavra escolhida junto com os alunos e escrevê-la no quadro. Exemplo: A MAÇA É VERMELHA. - Bater palma para cada palavra. - Repetir a frase e pedir para as crianças completarem com a última palavra da frase. - Fazer o mesmo com outras palavras da lista; - Pedir para os alunos contar o número de palavras de cada frase. - Pedir para dizer a palavra maior e menor de cada frase. DITADO Atenção! Retirar todos os cartazes de lista. Os alunos não devem ter contato visual com a escrita das palavras da lista nesse momento. Identificar as figuras abaixo, escrevendo o nome de cada uma, relacionando- as com a LISTA: __________________ ____________________ __________________ _________________ _________________ __________________ ________________ __________________
  • 9. C5. Leitura de palavras e pequenos textos 1. FORMANDO FRASES Divida os alunos em grupos. Distribua para cada grupo fichas com palavras das frases que foram construídas na questão anterior. Os alunos devem organizar as frases na ordem correta. 2. PRODUÇÃO COLETIVA Propor a produção coletiva de uma lista de compras, solicitando ao(à) Diretor(a) da escola materiais didáticos para sala de aula. PROFESSOR: Esse é um momento muito importante, pois, além de estar confirmando o papel social da escrita, estará sistematizando, mais uma vez, o seu registro, possibilitando ,assim, que a criança se aproprie do código gráfico. Por isso, retome os princípios básicos da convenção gráfica, tais como: - O alinhamento da escrita (da esquerda para direita de cima para baixo); - A função da segmentação das espaços em branco; - A organização da estrutura desse gênero (cada item embaixo do outro). Para isso, leia articuladamente (declarada e pausadamente) as palavras e as frases que vão sendo construídas. C10. Implicações do gênero e do suporte na compreensão de textos Organizar a lista de ingredientes em ordem alfabética. É importante organizar estratégias que proporcionem aos alunos o contato com diferentes suportes que se organizam pela ordem alfabética. Ressalta-se a diversidade desses suportes no uso social e mesmo no cotidiano escolar, entre eles, diário de classe, lista de chamada, enciclopédia, dicionários, agendas e catálogo de telefone. Destacam-se, também, situações vividas no contexto da sala de aula e da escola em que os nomes dos alunos, professores, livros de leitura, histórias contadas, autores de livros e jogadores de futebol podem ser organizados em ordem alfabética. Assim, enfatizamos que o trabalho com a ordem alfabética deve se vincular a diferentes suportes textuais e também a situações diversas do cotidiano em que seu uso se faz necessário.
  • 10. Atividades de trabalho sistemático (para os alunos no padrão Intermediário) C2. Uso adequado da página Pedir para os alunos copiarem no caderno a receita. Observar se eles respeitam as direções da escrita e as margens, se utilizam corretamente as linhas, se iniciam a escrita no local adequado. Pedir para os alunos colorirem de vermelho a primeira palavra de cada linha e de azul a última palavra de cada linha. C3. Aquisição de consciência fonológica (consciência silábica) OBSERVE A LISTA DE INGREDIENTES DA RECEITA. MAMÃE ESQUECEU ALGUMAS SÍLABAS VAMOS AJUDÁ-LA A COMPLETAR? C4. Reconhecimento da palavra como unidade gráfica - Ler a receita novamente com a turma. Falar as frases do Modo de preparo destacando as palavras: LEITE, CANELA e LARANJA. - Pedir que identifiquem as palavras que faltam nas frases: Modo de preparo: Pique todos os ingredientes. Coloque tudo em uma vasilha média e adicione o ____ condensado, a ______ em pó e o suco de _______. Mexa por alguns segundos e leve a geladeira por 30 minutos.
  • 11. Encontre, no diagrama abaixo, palavras que estão na lista de ingredientes: C M A Ç Ã C A F E O R B A N A N A P E W Z A N G A M E L Ã O P Ê R A Ç A D A R P U M A M Ã O P R S T V T X P Ê S S E G O A B A C A X I V M Q V R M O R A N G O J L A R A N J A Ç D I
  • 12. C5. Leitura de palavras e pequenos textos Leia o texto abaixo e risque as palavras que tem na Receita de Salada de Frutas: C7. Interpretação de informações implícitas em textos Ler o texto da questão anterior para os alunos, chamando atenção para as questões de interpretação: a) De que fala esse texto? b) O que quer dizer a expressão “É tempo”? c) No trecho “A cidade, perfumada, se veste de frutas.” a palavra sublinhada se refere a quem? d) Por que a cidade está perfumada? e) Mamãe vai ao mercado comprar ingredientes para fazer o que? C10. Implicações do gênero e do suporte na compreensão de textos Texto 1 Texto 2
  • 13. Texto 3 Observe os textos e responda: a) Qual dos textos é uma receita? b) Por que o texto que você escolheu é uma receita? c) Além do título (nome da receita), que outras partes têm esse gênero? d) Com base no texto 3, pense e responda: • Qual a função social desse texto? • Para quem geralmente se destina? Trabalhando a matemática • Qual o ingrediente que mais encarece a receita? • Qual o mais barato? • com base no texto 3, a receita foi feita somente para uma pessoa. Se você receber um colega em sua casa, terá que prepará-la em quantidade maior, suficiente para dois. Reescreva a receita de modo que ela fique com o dobro dos ingredientes.
  • 14. Atividades de trabalho sistemático (para os alunos no padrão Recomendado) C3. Aquisição de consciência fonológica Marque com um X o nome das frutas que têm as partes destacadas do nome CANELA. Nesta atividade, o objetivo é identificar as unidades fonológicas, neste caso as sílabas, de uma palavra em destaque e reconhecê-la em outra. Copie os nomes das figuras que completam as rimas: PÊRA ABACAXI MELÃO BANANA MARIANA GOSTA DE _____________________ CARLÃO ADORA COMER __________________ SUELI COME _____________________ CÊRA RIMA COM ________________________ MAÇÃ ABACAXI LARANJA BANANA
  • 15. - Apresentar o poema abaixo para os alunos. - Conversar com os alunos sobre esse gênero textual: característica, formatação, origem, utilidade social, diferenças e semelhanças com o gênero receita que está sendo trabalhado. - Fazer interpretação oral e coletiva do poema com os alunos. Exemplo: • Qual é o título desse poema? • Quem é o autor desse poema? • Onde este poema estava escrito? • Quais as características deste texto que são diferentes da receita culinária? • Observem as palavras. Elas terminam com o mesmo som? - Fazer leitura do texto com os alunos de diversas maneiras: coletiva, partilhada, em grupos, jograis, individual. C6. Localização de informações explícitas em textos Atividades para o aluno .Qual o título desse texto? .Quem escreveu este poema? SALADA DE FRUTAS Quando eu como muita uva, Eu não posso tomar chuva. Quando eu como abacaxi, Não posso fazer xixi. Quando eu como caqui, Pulo mais do que saci. Quando eu como caju, Pulo mais que canguru. Quando eu como acerola, Fico sempre bom de bola. Quando eu como framboesa Fico sempre bom de mesa. Quando eu como mexerica Minha barriga se estica. Quando eu como amora, Minha barriga melhora. Quando eu não como fruta, A tristeza é absoluta. Quando eu como goiaba, Minha tristeza se acaba! Bob Vieira, Brincando com Rimas.
  • 16. . De que fala esse poema? .O que acontece com o autor quando ele come caqui? .E quando ele não come fruta? . O que acontece com o autor quando ele come goiaba? C7. Interpretação de informações implícitas em textos - A partir do título, o que você acha que encontrará nesse poema? - Quem é o personagem desse poema? - O que quer dizer a expressão “pulo mais que canguru” ? - Por que o autor diz que quando ele não come fruta a tristeza é absoluta? - O que quer dizer a palavra absoluta? Trabalhando as Competências: C8. Coerência e coesão no processamento de textos C9. Avaliação do leitor em relação aos textos C10. Implicações do gênero e do suporte na compreensão de textos Entregar para os alunos (em duplas) a cópia de uma receita ‘maluca’ para eles descobrirem o que há de estranho nela.
  • 17. Perguntar aos alunos o que eles acharam de diferente nessa receita. Pedir que eles reorganizem a receita dando a dica de que alguns ingredientes são de uma receita salgada e os outros de uma receita doce. Pedir que separem os ingredientes e reescrevam as receitas corretamente.
  • 18. Material produzido pela Equipe Central / PIP ATC. Maio 2012