SlideShare uma empresa Scribd logo
Aveiro 2015 Capital Jovem da Segurança
Condução segura em bicicleta
07 de Maio de 2015
Segurança rodoviária, desígnio de todos…
«ninguém deve morrer ou ficar permanentemente
incapacitado na sequência de um acidente rodoviário em
Portugal»
SEGURANÇA RODOVIÁRIA, desígnio de todos…
O condutor de um
veículo não pode
pôr em perigo os
utilizadores
vulneráveis (Art.11º,
nº3)
Utilizadores
vulneráveis - peões
e velocípedes,…
(Art.1º, al. q))
Utilizadores vulneráveis (velocípedes)
1. mais lentos do que os veículos
motorizados
2. Não conferem qualquer proteção aos
seus ocupantes
3. Pouco visíveis
4. Sensíveis ao mau estado do
pavimento, às más condições
atmosféricas ou ambientais e a fortes
deslocações de ar
aumento da
sinistralidade rodoviária
aumento da sua
utilização
Utilização bicicleta vs SEGURANÇA RODOVIÁRIA
Os riscos (reais ou presumidos) associados à
segurança rodoviáriacontinuam a representar
um obstáculo decisivo para muitos ciclistas
Orientações para a Política de Segurança Rodoviária 2011-2020 UE
Importância da SEGURANÇA RODOVIÁRIA
Em comparação com automóveis
ligeiros, a probabilidade dos
condutores de velocípedes
sofrerem uma lesão grave
ou fatal é praticamente 4
(quatro) vezes maior
Valor da SEGURANÇA RODOVIÁRIA
O custoeconómico e social
anual médio por vítima
mortal ascende a cerca de
664 mil €
O custo económico e social anual médio dos acidentes de viação em Portugal ascende a
cerca de 2 500 milhõesde € (cerca de 1,54%, em média, do PIB
português de 2010)
Fonte: Donário, Arlindo; Santos, Ricardo – Custo Económico e Social dos Acidentes de Viação em Portugal. Lisboa:Ediual, 2012
DEFINIÇÕES
VELOCÍPEDE
Velocípede é o veículo com duas ou mais rodas acionado pelo esforço do próprio
condutor por meio de pedais ou dispositivos análogos.
Para efeitos do CE, os velocípedes com motor, as trotinetas com motor (…) são
equiparados a velocípedes. (art. 112º, nºs 1 e 3)
ZONA DE COEXISTÊNCIA
zona da via pública especialmente
concebida para utilização partilhada
por peões e veículos, onde vigoram
regras especiais de trânsito e
sinalizada como tal.
DEVER RECÍPROCO:
os condutores não devem comprometer a
segurança ou comodidade dos demais utentes
da via pública, sendo obrigados a parar se
necessário (art. 78-A, al. c))
os UV´s devem abster-se de atos que impeçam
ou embaracem desnecessariamente o trânsito
de veículos (art. 78-A, al. d))
em
pedalar
pedalar
segurança
em
GENERALIDADES
HABILITAÇÃO LEGAL
Está dispensada para velocípedes (e veículos equiparados) – art. 121º, nº6
DOCUMENTAÇÃO
Documento legal de identificação (bi, cc, passaporte,…) + NIF – art. 85º, nº1, als. a) e d) e nº3
SEGURO
Não é obrigatório – art. 150º
MATRÍCULA
Isentos– art. 85º, nº1, als. a) e d) e nº3
em
pedalar
pedalar
segurança
em
CAPACETE
Não é obrigatório – art. 82º
Obrigatório para condutor e passageiro de velocípede a motor (ajustado e apertado) –
art. 82º, nº5
Pedalar em segurança – PASSAGEIROS
a) Esteja dotados de mais de um par de pedais capaz
de acionar o veículo em simultâneo; (nº máx
pessoas = nº pares pedais) - art. 91º, nº2, al. a)
b) Tenha assentos para passageiros, caso em que, além
do condutor, podem transportar um ou dois
passageiros, consoante o número daqueles assentos
- art. 91º, nº2, al. b)
c) Crianças < 7 anos, em dispositivos especial
adaptados para o efeito - art. 91º, nº2, al. c); (REBOQUE)
art. 113º, nº3
PASSAGEIROS
Além do condutor, só é permitido o transporte de
passageiros num velocípede desde que:
em
pedalar
pedalar
segurança
em
CARGA
CARGA
O transporte de carga em velocípede só pode fazer-se
em reboque ou caixa – art. 92º, nº1
Os objetos não podem prejudicar a condução ou
constituir perigo para a segurança das pessoas e das
coisas ou embaraço para o trânsito - art. 92º, nº2
em
pedalar
pedalar
segurança
em
Auscultadores sonoros e aparelhos radiodiotelefónicos
Telemóveis, MP4, auscultadores…
Proibida a utilização de qualquer tipo de equipamento
ou aparelho suscetível de prejudicar a condução
Referência expressa a auscultadores sonoros e
aparelhos radiotelefónicos – art. 84º, nº1
A exceção são os aparelhos dotados de um único auricular ou
microfone com sistema de alta voz (cuja utilização não
implique manuseamento continuado) art. 84º, nº2, al. a)
em
pedalar
pedalar
segurança
em
Álcool e substâncias psicotrópicas
Álcool e substâncias psicotrópicas (> 16 anos)
É proibido conduzir qualquer veículo (incluindo
velocípedes) sob influência de álcool ou de
substâncias psicotrópicas – art. 81º, nº1
Taxa mínima permitida é de 0,49 g/l
Obrigatório submeter-se aos testes – art. 152º, nº3
em
pedalar
pedalar
segurança
em
Sinalização
Hierarquia da sinalização trânsito
O condutor (incluindo de velocípedes) deve obedecer
às ordens legítimas das autoridades, uma vez que
estas prevalecem sobre as restantes – art. 7º, nº3
em
pedalar
pedalar
segurança
em
Ordem das autoridades
Sinalização temporária
Sinalização de mensagem variável
Sinalização luminosa
Sinalização vertical
Marcas rodoviárias
Regras de trânsito
Sinalização específica
em
pedalar
pedalar
segurança
em
D7a - Pista obrigatória para velocípedes: indicação da obrigação dos
velocípedes circularem pela pista que lhes é especialmente
destinada
D13a - Fim da pista obrigatória para velocípedes
D7e e D7f - Pista obrigatória para peões e velocípedes: indicação de que os
peões, bem como os velocípedes, são obrigados a utilizar
uma pista que lhes é especialmente destinada.
D13e e D13f - Fim da pista obrigatória para peões e velocípedes
C3g - Trânsito proibido a velocípedes:
indicação de acesso interdito a
velocípedes
Modelo 11h: informa que a indicação ou a
prescrição constante do sinal apenas
se aplica aos velocípedes
Sinalização manual
em
pedalar
pedalar
segurança
em
Abrandar: estender horizontalmente o braço esquerdo, com
a palma da mão voltada para o solo, e oscilar lentamente,
repetidas vezes, no plano vertical, de cima para baixo
Parar: estender horizontalmente o braço esquerdo,
com a palma da mão voltada para trás
Virar para a esquerda:
estender horizontalmente o braço
esquerdo, com a palma da mão
voltada para a frente
Virar para a direita: estender
horizontalmente o braço
direito, com a palma da mão
voltada para a frente
“ver e ser visto”
“não surpreender, nem se deixar
surpreender”
Iluminação & refletores
em
pedalar
pedalar
segurança
em
Iluminação
O uso de luzes é obrigatório desde o anoitecer ao
amanhecer ou durante o dia sempre que a visibilidade
for insuficiente (nevoeiro, chuva intensa…) – art. 61, nº1
o Luz de presença à frente de cor branca com emissão
contínua
o Luz retaguarda de cor vermelha com emissão contínua ou
intermitente
Refletores
o À frente em cor branca
o À retaguarda, pelo menos um, em de cor vermelha
o Nas rodas: dois se forem circulares ou segmentos de coroa
circular ou apenas um se for um cabo reflector em
circunferência completa. Cor âmbar ou branca (no caso de
cabo refletor)
Normas de circulação – CEDÊNCIA de PASSAGEM
Em passagens assinaladas (obrigação dos condutores, incluindo os de velocípedes) – art.
103º
o Ter especial cuidado com a velocidade
o Por regra deve ceder sempre a passagem a peões (são + vulneráveis)
o Mesmo que a sinalização permita avançar deve deixar passar os peões que já tenham
iniciado a travessia
o Ao mudar de direção, mesmo não existindo passagem assinalada, deve reduzir a
velocidade e mesmo parar, permitindo a passagem dos peões que estejam a
atravessar a faixa de rodagem da via em que vai entrar
em
pedalar
pedalar
segurança
em
O condutor de velocípede só deve utilizar as passagens para peões para atravessar a
faixa de rodagem se levar o velocípede à mão, sob pena de se considerar como
condução que coloca em perigo os demais utilizadores vulneráveis – art.s 11º e 104, al. b)
Normas de circulação – CEDÊNCIA de PASSAGEM
Cruzamentos, entroncamentos e rotundas
o Nos cruzamentos e entroncamentos o condutor (incluindo o de velocípede) deve
ceder a passagem aos veículos que se lhe apresentem pela direita – art. 30º, nº1
o Os condutores devem ceder passagem aos velocípedes que atravessem as faixas de
rodagem nas passagens assinaladas – art. 32º, nº3
o Os condutores de velocípedes não podem atravessar a faixa de rodagem sem
previamente se certificarem que o podem fazer sem perigo de acidente (considerando
distâncias e velocidades dos veículos que nela transitam) – art. 32º, nº5
o Nas rotundas os condutores de velocípedes podem ocupar a via de trânsito mais à
direita, mesmo que não pretendam sair da rotunda na primeira via de saída (mas
têm o dever de facultar a saída aos condutores que pretendam sair da rotunda – art.
14-A, nº2
em
pedalar
pedalar
segurança
em
Normas de circulação – POSIÇÃO NA VIA
o Transitar pelo lado direito da via de trânsito, conservando das bermas ou passeios
uma distância suficiente para evitar acidentes – art. 90º, nº3
o Podem circular paralelamente numa via, no máximo de dois velocípedes, desde que:
1. A via não tenha visibilidade reduzida
2. Não exista intensidade de trânsito
3. Não cause perigo ao trânsito
4. Não cause embaraço ao trânsito
o Se pedalarem em grupo, devem fazê-lo em fila indiana ou aos pares
em
pedalar
pedalar
segurança
em
Distância entre veiculos
o Distância lateral de pelo menos 1,5 m, entre um veículo motorizado e um velocípede
que transite na mesma faixa de rodagem – art. 18º, nº3
Normas de circulação – PISTAS ESPECIAIS
o Quando existam para velocípedes, utilização preferencial – art. 78º, nº1
o Proibida a sua utilização a quaisquer outros veículos (a não ser como percurso
auxiliar) – art. 78º, nº2
o Nas pistas destinadas a velocípedes é proibido:
o velocípedes com +2 rodas (em linha) – art. 78º, nº3
o Velocípedes que atrelem reboque (exceto se o conjunto não exceder a largura de
1 m – art. 78º, nº3
em
pedalar
pedalar
segurança
em
Síntese…
em
pedalar
pedalar
segurança
em
O futuro… que futuro?
em
pedalar
pedalar
segurança
em
Como incrementar o uso da bicicleta?
Pedindo à mãe natureza?
Cuidado…
em
pedalar
pedalar
segurança
em
OBRIGADO PELA VOSSA ATENÇÃO.
Aveiro 2015 Capital Jovem da Segurança
Condução segura em bicicleta
07 de Maio de 2015

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

SinalizaçãO De SegurançA De ProibiçãO
SinalizaçãO De SegurançA De ProibiçãOSinalizaçãO De SegurançA De ProibiçãO
SinalizaçãO De SegurançA De ProibiçãO
dario1991
 
167 518-52
167   518-52167   518-52
167 518-52
mana_5066
 
Treinamento para operador de empilhadeira
Treinamento para operador de empilhadeiraTreinamento para operador de empilhadeira
Treinamento para operador de empilhadeira
Márcio Roberto de Mattos
 
Empilhadeira
EmpilhadeiraEmpilhadeira
Apresentação trânsito ( Senai 2013550)
Apresentação trânsito ( Senai 2013550)Apresentação trânsito ( Senai 2013550)
Apresentação trânsito ( Senai 2013550)
Jefferson Pedro
 
Direção defensiva
Direção defensivaDireção defensiva
Direção defensiva
Mauricio Moura
 
Treinamento de-ponte-rolante-e-talha
Treinamento de-ponte-rolante-e-talhaTreinamento de-ponte-rolante-e-talha
Treinamento de-ponte-rolante-e-talha
RobertoKennedyVieira
 
Prevenção rodoviária
Prevenção rodoviáriaPrevenção rodoviária
Prevenção rodoviária
duasrainhaseumrei
 
10 - Normas de Circulação-43
10 - Normas de Circulação-4310 - Normas de Circulação-43
10 - Normas de Circulação-43
WevertonNelluty1
 
Ordem motoristas
Ordem motoristasOrdem motoristas
Ordem motoristas
Darley Fabian
 
Regras circulação na via publica
Regras circulação na via publicaRegras circulação na via publica
Regras circulação na via publica
Flavio Mendes
 
Empilhadeira
EmpilhadeiraEmpilhadeira
Empilhadeira
Netho Matheus
 
Segurança no transito-L.Portuguesa
Segurança no transito-L.PortuguesaSegurança no transito-L.Portuguesa
Segurança no transito-L.Portuguesa
Edulop98
 
Conceitos em Sinalização de Trânsito
Conceitos em Sinalização de TrânsitoConceitos em Sinalização de Trânsito
Conceitos em Sinalização de Trânsito
Cleber Luiz Dos Santos
 
Operação, Manutenção e Segurança de Empilhadeira
Operação, Manutenção e Segurança de EmpilhadeiraOperação, Manutenção e Segurança de Empilhadeira
Operação, Manutenção e Segurança de Empilhadeira
Allan Almeida de Araújo
 
Pá carregadeira
Pá carregadeiraPá carregadeira
Pá carregadeira
Aparecido Batista da Silva
 
167 518-51
167   518-51167   518-51
167 518-51
mana_5066
 
2 empilhadeira
2 empilhadeira 2 empilhadeira
2 empilhadeira
Silvio França
 
Estatísticas direção defensiva - Especial para Técnicos em Segurança do Trabalho
Estatísticas direção defensiva - Especial para Técnicos em Segurança do TrabalhoEstatísticas direção defensiva - Especial para Técnicos em Segurança do Trabalho
Estatísticas direção defensiva - Especial para Técnicos em Segurança do Trabalho
Márcio Roberto de Mattos
 

Mais procurados (19)

SinalizaçãO De SegurançA De ProibiçãO
SinalizaçãO De SegurançA De ProibiçãOSinalizaçãO De SegurançA De ProibiçãO
SinalizaçãO De SegurançA De ProibiçãO
 
167 518-52
167   518-52167   518-52
167 518-52
 
Treinamento para operador de empilhadeira
Treinamento para operador de empilhadeiraTreinamento para operador de empilhadeira
Treinamento para operador de empilhadeira
 
Empilhadeira
EmpilhadeiraEmpilhadeira
Empilhadeira
 
Apresentação trânsito ( Senai 2013550)
Apresentação trânsito ( Senai 2013550)Apresentação trânsito ( Senai 2013550)
Apresentação trânsito ( Senai 2013550)
 
Direção defensiva
Direção defensivaDireção defensiva
Direção defensiva
 
Treinamento de-ponte-rolante-e-talha
Treinamento de-ponte-rolante-e-talhaTreinamento de-ponte-rolante-e-talha
Treinamento de-ponte-rolante-e-talha
 
Prevenção rodoviária
Prevenção rodoviáriaPrevenção rodoviária
Prevenção rodoviária
 
10 - Normas de Circulação-43
10 - Normas de Circulação-4310 - Normas de Circulação-43
10 - Normas de Circulação-43
 
Ordem motoristas
Ordem motoristasOrdem motoristas
Ordem motoristas
 
Regras circulação na via publica
Regras circulação na via publicaRegras circulação na via publica
Regras circulação na via publica
 
Empilhadeira
EmpilhadeiraEmpilhadeira
Empilhadeira
 
Segurança no transito-L.Portuguesa
Segurança no transito-L.PortuguesaSegurança no transito-L.Portuguesa
Segurança no transito-L.Portuguesa
 
Conceitos em Sinalização de Trânsito
Conceitos em Sinalização de TrânsitoConceitos em Sinalização de Trânsito
Conceitos em Sinalização de Trânsito
 
Operação, Manutenção e Segurança de Empilhadeira
Operação, Manutenção e Segurança de EmpilhadeiraOperação, Manutenção e Segurança de Empilhadeira
Operação, Manutenção e Segurança de Empilhadeira
 
Pá carregadeira
Pá carregadeiraPá carregadeira
Pá carregadeira
 
167 518-51
167   518-51167   518-51
167 518-51
 
2 empilhadeira
2 empilhadeira 2 empilhadeira
2 empilhadeira
 
Estatísticas direção defensiva - Especial para Técnicos em Segurança do Trabalho
Estatísticas direção defensiva - Especial para Técnicos em Segurança do TrabalhoEstatísticas direção defensiva - Especial para Técnicos em Segurança do Trabalho
Estatísticas direção defensiva - Especial para Técnicos em Segurança do Trabalho
 

Destaque

Diagnóstico da Mobilidade em Bicicleta - Cidade/Universidade de Aveiro
Diagnóstico da Mobilidade em Bicicleta - Cidade/Universidade de AveiroDiagnóstico da Mobilidade em Bicicleta - Cidade/Universidade de Aveiro
Diagnóstico da Mobilidade em Bicicleta - Cidade/Universidade de Aveiro
Mestrado em Planeamento Regional e Urbano (UA)
 
Diagnóstico da Mobilidade Pedonal - Cidade/Universidade de Aveiro
Diagnóstico da Mobilidade Pedonal - Cidade/Universidade de AveiroDiagnóstico da Mobilidade Pedonal - Cidade/Universidade de Aveiro
Diagnóstico da Mobilidade Pedonal - Cidade/Universidade de Aveiro
Mestrado em Planeamento Regional e Urbano (UA)
 
Diagnóstico da Mobilidade em Transporte Colectivo - Cidade/Universidade de Av...
Diagnóstico da Mobilidade em Transporte Colectivo - Cidade/Universidade de Av...Diagnóstico da Mobilidade em Transporte Colectivo - Cidade/Universidade de Av...
Diagnóstico da Mobilidade em Transporte Colectivo - Cidade/Universidade de Av...
Mestrado em Planeamento Regional e Urbano (UA)
 
Diagnóstico da Mobilidade em Automóvel - Cidade/Universidade de Aveiro
Diagnóstico da Mobilidade em Automóvel - Cidade/Universidade de AveiroDiagnóstico da Mobilidade em Automóvel - Cidade/Universidade de Aveiro
Diagnóstico da Mobilidade em Automóvel - Cidade/Universidade de Aveiro
Mestrado em Planeamento Regional e Urbano (UA)
 
Interação com a comunidade - Paulo Silva (DCSPT)
Interação com a comunidade - Paulo Silva (DCSPT)Interação com a comunidade - Paulo Silva (DCSPT)
Interação com a comunidade - Paulo Silva (DCSPT)
Mestrado em Planeamento Regional e Urbano (UA)
 
C:\Documents And Settings\Alunos\Ambiente De Trabalho\PrevençãO[1]
C:\Documents And Settings\Alunos\Ambiente De Trabalho\PrevençãO[1]  C:\Documents And Settings\Alunos\Ambiente De Trabalho\PrevençãO[1]
C:\Documents And Settings\Alunos\Ambiente De Trabalho\PrevençãO[1]
Tiago
 
Grazia Concilio Antonio Longo - Milano Intorno al Lambro
Grazia Concilio Antonio Longo - Milano Intorno al LambroGrazia Concilio Antonio Longo - Milano Intorno al Lambro
Grazia Concilio Antonio Longo - Milano Intorno al Lambro
Mestrado em Planeamento Regional e Urbano (UA)
 
SegurançA RodoviáRia
SegurançA RodoviáRiaSegurançA RodoviáRia
SegurançA RodoviáRia
veronicasilva
 
ApresentaçãO Grupo 5
ApresentaçãO Grupo 5ApresentaçãO Grupo 5
ApresentaçãO Grupo 5
Carina Silva
 
A Sinistralidade Portuguesa até indivíduos de 34 anos de idade
A Sinistralidade Portuguesa até indivíduos de 34 anos de idadeA Sinistralidade Portuguesa até indivíduos de 34 anos de idade
A Sinistralidade Portuguesa até indivíduos de 34 anos de idade
pedrocsilv
 
Prevencão rodoviária
Prevencão rodoviáriaPrevencão rodoviária
Prevencão rodoviária
sergiorato
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
Miguel Novais
 
Espaço Público Urbano - Envolvente do Mercado Manuel Firmino
Espaço Público Urbano - Envolvente do Mercado Manuel FirminoEspaço Público Urbano - Envolvente do Mercado Manuel Firmino
Espaço Público Urbano - Envolvente do Mercado Manuel Firmino
Mestrado em Planeamento Regional e Urbano (UA)
 
Flyer impressao preto pt
Flyer impressao preto ptFlyer impressao preto pt
Espaço Público Urbano - Envolvente da Estação de Caminho de Ferro de Aveiro
Espaço Público Urbano - Envolvente da Estação de Caminho de Ferro de AveiroEspaço Público Urbano - Envolvente da Estação de Caminho de Ferro de Aveiro
Espaço Público Urbano - Envolvente da Estação de Caminho de Ferro de Aveiro
Mestrado em Planeamento Regional e Urbano (UA)
 
Espaço Público Urbano - Santiago
Espaço Público Urbano - SantiagoEspaço Público Urbano - Santiago
Espaço Público Urbano - Santiago
Mestrado em Planeamento Regional e Urbano (UA)
 
1.º Bikepaper Academia de Verão 2015 - Universidade de Aveiro
1.º Bikepaper Academia de Verão 2015 - Universidade de Aveiro1.º Bikepaper Academia de Verão 2015 - Universidade de Aveiro
1.º Bikepaper Academia de Verão 2015 - Universidade de Aveiro
Mestrado em Planeamento Regional e Urbano (UA)
 
Abstract book «Participation in planning and public policy» 23/24 Feb 2017 Un...
Abstract book «Participation in planning and public policy» 23/24 Feb 2017 Un...Abstract book «Participation in planning and public policy» 23/24 Feb 2017 Un...
Abstract book «Participation in planning and public policy» 23/24 Feb 2017 Un...
Mestrado em Planeamento Regional e Urbano (UA)
 
Sinistralidade 1sa
Sinistralidade 1saSinistralidade 1sa
Sinistralidade 1sa
aleruao
 
Orçamento Participativo Portugal Sessão de Aveiro
Orçamento Participativo Portugal Sessão de AveiroOrçamento Participativo Portugal Sessão de Aveiro
Orçamento Participativo Portugal Sessão de Aveiro
Mestrado em Planeamento Regional e Urbano (UA)
 

Destaque (20)

Diagnóstico da Mobilidade em Bicicleta - Cidade/Universidade de Aveiro
Diagnóstico da Mobilidade em Bicicleta - Cidade/Universidade de AveiroDiagnóstico da Mobilidade em Bicicleta - Cidade/Universidade de Aveiro
Diagnóstico da Mobilidade em Bicicleta - Cidade/Universidade de Aveiro
 
Diagnóstico da Mobilidade Pedonal - Cidade/Universidade de Aveiro
Diagnóstico da Mobilidade Pedonal - Cidade/Universidade de AveiroDiagnóstico da Mobilidade Pedonal - Cidade/Universidade de Aveiro
Diagnóstico da Mobilidade Pedonal - Cidade/Universidade de Aveiro
 
Diagnóstico da Mobilidade em Transporte Colectivo - Cidade/Universidade de Av...
Diagnóstico da Mobilidade em Transporte Colectivo - Cidade/Universidade de Av...Diagnóstico da Mobilidade em Transporte Colectivo - Cidade/Universidade de Av...
Diagnóstico da Mobilidade em Transporte Colectivo - Cidade/Universidade de Av...
 
Diagnóstico da Mobilidade em Automóvel - Cidade/Universidade de Aveiro
Diagnóstico da Mobilidade em Automóvel - Cidade/Universidade de AveiroDiagnóstico da Mobilidade em Automóvel - Cidade/Universidade de Aveiro
Diagnóstico da Mobilidade em Automóvel - Cidade/Universidade de Aveiro
 
Interação com a comunidade - Paulo Silva (DCSPT)
Interação com a comunidade - Paulo Silva (DCSPT)Interação com a comunidade - Paulo Silva (DCSPT)
Interação com a comunidade - Paulo Silva (DCSPT)
 
C:\Documents And Settings\Alunos\Ambiente De Trabalho\PrevençãO[1]
C:\Documents And Settings\Alunos\Ambiente De Trabalho\PrevençãO[1]  C:\Documents And Settings\Alunos\Ambiente De Trabalho\PrevençãO[1]
C:\Documents And Settings\Alunos\Ambiente De Trabalho\PrevençãO[1]
 
Grazia Concilio Antonio Longo - Milano Intorno al Lambro
Grazia Concilio Antonio Longo - Milano Intorno al LambroGrazia Concilio Antonio Longo - Milano Intorno al Lambro
Grazia Concilio Antonio Longo - Milano Intorno al Lambro
 
SegurançA RodoviáRia
SegurançA RodoviáRiaSegurançA RodoviáRia
SegurançA RodoviáRia
 
ApresentaçãO Grupo 5
ApresentaçãO Grupo 5ApresentaçãO Grupo 5
ApresentaçãO Grupo 5
 
A Sinistralidade Portuguesa até indivíduos de 34 anos de idade
A Sinistralidade Portuguesa até indivíduos de 34 anos de idadeA Sinistralidade Portuguesa até indivíduos de 34 anos de idade
A Sinistralidade Portuguesa até indivíduos de 34 anos de idade
 
Prevencão rodoviária
Prevencão rodoviáriaPrevencão rodoviária
Prevencão rodoviária
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Espaço Público Urbano - Envolvente do Mercado Manuel Firmino
Espaço Público Urbano - Envolvente do Mercado Manuel FirminoEspaço Público Urbano - Envolvente do Mercado Manuel Firmino
Espaço Público Urbano - Envolvente do Mercado Manuel Firmino
 
Flyer impressao preto pt
Flyer impressao preto ptFlyer impressao preto pt
Flyer impressao preto pt
 
Espaço Público Urbano - Envolvente da Estação de Caminho de Ferro de Aveiro
Espaço Público Urbano - Envolvente da Estação de Caminho de Ferro de AveiroEspaço Público Urbano - Envolvente da Estação de Caminho de Ferro de Aveiro
Espaço Público Urbano - Envolvente da Estação de Caminho de Ferro de Aveiro
 
Espaço Público Urbano - Santiago
Espaço Público Urbano - SantiagoEspaço Público Urbano - Santiago
Espaço Público Urbano - Santiago
 
1.º Bikepaper Academia de Verão 2015 - Universidade de Aveiro
1.º Bikepaper Academia de Verão 2015 - Universidade de Aveiro1.º Bikepaper Academia de Verão 2015 - Universidade de Aveiro
1.º Bikepaper Academia de Verão 2015 - Universidade de Aveiro
 
Abstract book «Participation in planning and public policy» 23/24 Feb 2017 Un...
Abstract book «Participation in planning and public policy» 23/24 Feb 2017 Un...Abstract book «Participation in planning and public policy» 23/24 Feb 2017 Un...
Abstract book «Participation in planning and public policy» 23/24 Feb 2017 Un...
 
Sinistralidade 1sa
Sinistralidade 1saSinistralidade 1sa
Sinistralidade 1sa
 
Orçamento Participativo Portugal Sessão de Aveiro
Orçamento Participativo Portugal Sessão de AveiroOrçamento Participativo Portugal Sessão de Aveiro
Orçamento Participativo Portugal Sessão de Aveiro
 

Semelhante a Condução segura em bicicleta

Normas de Circulação.ppsx
Normas de Circulação.ppsxNormas de Circulação.ppsx
Normas de Circulação.ppsx
RafaelYFernandaSilva
 
Normas de Circulação.ppsx
Normas de Circulação.ppsxNormas de Circulação.ppsx
Normas de Circulação.ppsx
RafaelYFernandaSilva
 
CTB Esquematizado - Normas de Circulação e Conduta
CTB Esquematizado - Normas de Circulação e CondutaCTB Esquematizado - Normas de Circulação e Conduta
CTB Esquematizado - Normas de Circulação e Conduta
Marcos Girão
 
04 Normas de Circulação.pdf
04 Normas de Circulação.pdf04 Normas de Circulação.pdf
04 Normas de Circulação.pdf
marcondes da luz barros
 
legislação de Trânsito
legislação de Trânsitolegislação de Trânsito
legislação de Trânsito
william alcantara
 
Direção defensiva novo buzzero 2
Direção defensiva  novo buzzero  2Direção defensiva  novo buzzero  2
Direção defensiva novo buzzero 2
Instrutor Portella
 
Slide de Direção Defensiva .pdf
Slide de Direção Defensiva .pdfSlide de Direção Defensiva .pdf
Slide de Direção Defensiva .pdf
Luísa Guardin Bastos Ferreira
 
328323-1689506913.pdf
328323-1689506913.pdf328323-1689506913.pdf
328323-1689506913.pdf
janaina252881
 
Salame5
Salame5Salame5
Salame5
Salame5Salame5
Salame5
Salame5Salame5
Iluminação
IluminaçãoIluminação
Iluminação
Balula Dvd
 
Educação no Trânsito
Educação no TrânsitoEducação no Trânsito
Educação no Trânsito
Vera Mln Silva
 
Direção Defensiva.pptx
Direção Defensiva.pptxDireção Defensiva.pptx
Direção Defensiva.pptx
Marcela75599
 
Direção defensiva - Primeira habilitação
Direção defensiva - Primeira habilitaçãoDireção defensiva - Primeira habilitação
Direção defensiva - Primeira habilitação
Gabrielly Campos
 
Apresentacao (1)
Apresentacao (1)Apresentacao (1)
Apresentacao (1)
ozielinstrutor
 
Guia do Ciclista de Madri
Guia do Ciclista de MadriGuia do Ciclista de Madri
Guia do Ciclista de Madri
Muévete en bici por Madrid
 
Manual basico-de-seguranca-no-transito-2018 (1)
Manual basico-de-seguranca-no-transito-2018 (1)Manual basico-de-seguranca-no-transito-2018 (1)
Manual basico-de-seguranca-no-transito-2018 (1)
Robson Lima
 
Apresentação1.ppt
Apresentação1.pptApresentação1.ppt
Apresentação1.ppt
Claudio Martins
 
TERRITÓRIO SEGURO 2.0 - TURSAN.pptx
TERRITÓRIO SEGURO 2.0 - TURSAN.pptxTERRITÓRIO SEGURO 2.0 - TURSAN.pptx
TERRITÓRIO SEGURO 2.0 - TURSAN.pptx
RaphaelOliveira309842
 

Semelhante a Condução segura em bicicleta (20)

Normas de Circulação.ppsx
Normas de Circulação.ppsxNormas de Circulação.ppsx
Normas de Circulação.ppsx
 
Normas de Circulação.ppsx
Normas de Circulação.ppsxNormas de Circulação.ppsx
Normas de Circulação.ppsx
 
CTB Esquematizado - Normas de Circulação e Conduta
CTB Esquematizado - Normas de Circulação e CondutaCTB Esquematizado - Normas de Circulação e Conduta
CTB Esquematizado - Normas de Circulação e Conduta
 
04 Normas de Circulação.pdf
04 Normas de Circulação.pdf04 Normas de Circulação.pdf
04 Normas de Circulação.pdf
 
legislação de Trânsito
legislação de Trânsitolegislação de Trânsito
legislação de Trânsito
 
Direção defensiva novo buzzero 2
Direção defensiva  novo buzzero  2Direção defensiva  novo buzzero  2
Direção defensiva novo buzzero 2
 
Slide de Direção Defensiva .pdf
Slide de Direção Defensiva .pdfSlide de Direção Defensiva .pdf
Slide de Direção Defensiva .pdf
 
328323-1689506913.pdf
328323-1689506913.pdf328323-1689506913.pdf
328323-1689506913.pdf
 
Salame5
Salame5Salame5
Salame5
 
Salame5
Salame5Salame5
Salame5
 
Salame5
Salame5Salame5
Salame5
 
Iluminação
IluminaçãoIluminação
Iluminação
 
Educação no Trânsito
Educação no TrânsitoEducação no Trânsito
Educação no Trânsito
 
Direção Defensiva.pptx
Direção Defensiva.pptxDireção Defensiva.pptx
Direção Defensiva.pptx
 
Direção defensiva - Primeira habilitação
Direção defensiva - Primeira habilitaçãoDireção defensiva - Primeira habilitação
Direção defensiva - Primeira habilitação
 
Apresentacao (1)
Apresentacao (1)Apresentacao (1)
Apresentacao (1)
 
Guia do Ciclista de Madri
Guia do Ciclista de MadriGuia do Ciclista de Madri
Guia do Ciclista de Madri
 
Manual basico-de-seguranca-no-transito-2018 (1)
Manual basico-de-seguranca-no-transito-2018 (1)Manual basico-de-seguranca-no-transito-2018 (1)
Manual basico-de-seguranca-no-transito-2018 (1)
 
Apresentação1.ppt
Apresentação1.pptApresentação1.ppt
Apresentação1.ppt
 
TERRITÓRIO SEGURO 2.0 - TURSAN.pptx
TERRITÓRIO SEGURO 2.0 - TURSAN.pptxTERRITÓRIO SEGURO 2.0 - TURSAN.pptx
TERRITÓRIO SEGURO 2.0 - TURSAN.pptx
 

Mais de Mestrado em Planeamento Regional e Urbano (UA)

Frederico Lopes- 1,2,3 macaquinho do xinês
Frederico Lopes- 1,2,3 macaquinho do xinês  Frederico Lopes- 1,2,3 macaquinho do xinês
Frederico Lopes- 1,2,3 macaquinho do xinês
Mestrado em Planeamento Regional e Urbano (UA)
 
Cláudia Silva - Mapas & Tecnologia
Cláudia Silva - Mapas & Tecnologia Cláudia Silva - Mapas & Tecnologia
Cláudia Silva - Mapas & Tecnologia
Mestrado em Planeamento Regional e Urbano (UA)
 
Cláudia Silva - Mapas & Tecnologia
Cláudia Silva - Mapas & Tecnologia Cláudia Silva - Mapas & Tecnologia
Cláudia Silva - Mapas & Tecnologia
Mestrado em Planeamento Regional e Urbano (UA)
 
Cláudia Silva - Mapas & Tecnologia
Cláudia Silva - Mapas & Tecnologia Cláudia Silva - Mapas & Tecnologia
Cláudia Silva - Mapas & Tecnologia
Mestrado em Planeamento Regional e Urbano (UA)
 
Joana Pestana Lages - projeto BIP ZIP «Um Género de Escola!»
Joana Pestana Lages - projeto BIP ZIP «Um Género de Escola!»Joana Pestana Lages - projeto BIP ZIP «Um Género de Escola!»
Joana Pestana Lages - projeto BIP ZIP «Um Género de Escola!»
Mestrado em Planeamento Regional e Urbano (UA)
 
Ricardo Nogueira Martins, Laboratório da Paisagem, Guimarães
Ricardo Nogueira Martins, Laboratório da Paisagem, GuimarãesRicardo Nogueira Martins, Laboratório da Paisagem, Guimarães
Ricardo Nogueira Martins, Laboratório da Paisagem, Guimarães
Mestrado em Planeamento Regional e Urbano (UA)
 
síntese da conversa «É AVEIRO UMA CIDADE INTERCULTURAL?»
síntese da conversa «É AVEIRO UMA CIDADE INTERCULTURAL?»síntese da conversa «É AVEIRO UMA CIDADE INTERCULTURAL?»
síntese da conversa «É AVEIRO UMA CIDADE INTERCULTURAL?»
Mestrado em Planeamento Regional e Urbano (UA)
 
Avenida Santa Joana - Aveiro
Avenida Santa Joana - AveiroAvenida Santa Joana - Aveiro
Rua da Pega - Aveiro
Rua da Pega - AveiroRua da Pega - Aveiro
Ponte Praça - Aveiro
Ponte Praça - AveiroPonte Praça - Aveiro
Avenida da Universidade - Aveiro
Avenida da Universidade - AveiroAvenida da Universidade - Aveiro
Avenida da Universidade - Aveiro
Mestrado em Planeamento Regional e Urbano (UA)
 
Avenida 25 de Abril - Aveiro
Avenida 25 de Abril - AveiroAvenida 25 de Abril - Aveiro
Enquadramento do debate- O presente das cidades tem futuro
Enquadramento do debate- O presente das cidades tem futuroEnquadramento do debate- O presente das cidades tem futuro
Enquadramento do debate- O presente das cidades tem futuro
Mestrado em Planeamento Regional e Urbano (UA)
 
Paula Cristina Marques - BIP/ZIP Strategy Collective action
Paula Cristina Marques - BIP/ZIP Strategy Collective actionPaula Cristina Marques - BIP/ZIP Strategy Collective action
Paula Cristina Marques - BIP/ZIP Strategy Collective action
Mestrado em Planeamento Regional e Urbano (UA)
 
Gavan Rafferty Louise O'kane - Community Participation in Planning BELFAST
Gavan Rafferty Louise O'kane - Community Participation in Planning BELFASTGavan Rafferty Louise O'kane - Community Participation in Planning BELFAST
Gavan Rafferty Louise O'kane - Community Participation in Planning BELFAST
Mestrado em Planeamento Regional e Urbano (UA)
 
José Carlos Mota Fernando Nogueira - COMMUNITY PARTICIPATION IN PLANNING – PI...
José Carlos Mota Fernando Nogueira - COMMUNITY PARTICIPATION IN PLANNING – PI...José Carlos Mota Fernando Nogueira - COMMUNITY PARTICIPATION IN PLANNING – PI...
José Carlos Mota Fernando Nogueira - COMMUNITY PARTICIPATION IN PLANNING – PI...
Mestrado em Planeamento Regional e Urbano (UA)
 
Eduardo Anselmo Castro - Metodologias de participação em planos estratégicos
Eduardo Anselmo Castro - Metodologias de participação em planos estratégicosEduardo Anselmo Castro - Metodologias de participação em planos estratégicos
Eduardo Anselmo Castro - Metodologias de participação em planos estratégicos
Mestrado em Planeamento Regional e Urbano (UA)
 
Alessandro Balducci - Planning as a Trading Zone
Alessandro Balducci - Planning as a Trading ZoneAlessandro Balducci - Planning as a Trading Zone
Alessandro Balducci - Planning as a Trading Zone
Mestrado em Planeamento Regional e Urbano (UA)
 
Orçamento Participativo Portugal Sessão de Aveiro
Orçamento Participativo Portugal Sessão de AveiroOrçamento Participativo Portugal Sessão de Aveiro
Orçamento Participativo Portugal Sessão de Aveiro
Mestrado em Planeamento Regional e Urbano (UA)
 
Programme Conference Participation in Planning and Public Policy
Programme Conference Participation in Planning and Public PolicyProgramme Conference Participation in Planning and Public Policy
Programme Conference Participation in Planning and Public Policy
Mestrado em Planeamento Regional e Urbano (UA)
 

Mais de Mestrado em Planeamento Regional e Urbano (UA) (20)

Frederico Lopes- 1,2,3 macaquinho do xinês
Frederico Lopes- 1,2,3 macaquinho do xinês  Frederico Lopes- 1,2,3 macaquinho do xinês
Frederico Lopes- 1,2,3 macaquinho do xinês
 
Cláudia Silva - Mapas & Tecnologia
Cláudia Silva - Mapas & Tecnologia Cláudia Silva - Mapas & Tecnologia
Cláudia Silva - Mapas & Tecnologia
 
Cláudia Silva - Mapas & Tecnologia
Cláudia Silva - Mapas & Tecnologia Cláudia Silva - Mapas & Tecnologia
Cláudia Silva - Mapas & Tecnologia
 
Cláudia Silva - Mapas & Tecnologia
Cláudia Silva - Mapas & Tecnologia Cláudia Silva - Mapas & Tecnologia
Cláudia Silva - Mapas & Tecnologia
 
Joana Pestana Lages - projeto BIP ZIP «Um Género de Escola!»
Joana Pestana Lages - projeto BIP ZIP «Um Género de Escola!»Joana Pestana Lages - projeto BIP ZIP «Um Género de Escola!»
Joana Pestana Lages - projeto BIP ZIP «Um Género de Escola!»
 
Ricardo Nogueira Martins, Laboratório da Paisagem, Guimarães
Ricardo Nogueira Martins, Laboratório da Paisagem, GuimarãesRicardo Nogueira Martins, Laboratório da Paisagem, Guimarães
Ricardo Nogueira Martins, Laboratório da Paisagem, Guimarães
 
síntese da conversa «É AVEIRO UMA CIDADE INTERCULTURAL?»
síntese da conversa «É AVEIRO UMA CIDADE INTERCULTURAL?»síntese da conversa «É AVEIRO UMA CIDADE INTERCULTURAL?»
síntese da conversa «É AVEIRO UMA CIDADE INTERCULTURAL?»
 
Avenida Santa Joana - Aveiro
Avenida Santa Joana - AveiroAvenida Santa Joana - Aveiro
Avenida Santa Joana - Aveiro
 
Rua da Pega - Aveiro
Rua da Pega - AveiroRua da Pega - Aveiro
Rua da Pega - Aveiro
 
Ponte Praça - Aveiro
Ponte Praça - AveiroPonte Praça - Aveiro
Ponte Praça - Aveiro
 
Avenida da Universidade - Aveiro
Avenida da Universidade - AveiroAvenida da Universidade - Aveiro
Avenida da Universidade - Aveiro
 
Avenida 25 de Abril - Aveiro
Avenida 25 de Abril - AveiroAvenida 25 de Abril - Aveiro
Avenida 25 de Abril - Aveiro
 
Enquadramento do debate- O presente das cidades tem futuro
Enquadramento do debate- O presente das cidades tem futuroEnquadramento do debate- O presente das cidades tem futuro
Enquadramento do debate- O presente das cidades tem futuro
 
Paula Cristina Marques - BIP/ZIP Strategy Collective action
Paula Cristina Marques - BIP/ZIP Strategy Collective actionPaula Cristina Marques - BIP/ZIP Strategy Collective action
Paula Cristina Marques - BIP/ZIP Strategy Collective action
 
Gavan Rafferty Louise O'kane - Community Participation in Planning BELFAST
Gavan Rafferty Louise O'kane - Community Participation in Planning BELFASTGavan Rafferty Louise O'kane - Community Participation in Planning BELFAST
Gavan Rafferty Louise O'kane - Community Participation in Planning BELFAST
 
José Carlos Mota Fernando Nogueira - COMMUNITY PARTICIPATION IN PLANNING – PI...
José Carlos Mota Fernando Nogueira - COMMUNITY PARTICIPATION IN PLANNING – PI...José Carlos Mota Fernando Nogueira - COMMUNITY PARTICIPATION IN PLANNING – PI...
José Carlos Mota Fernando Nogueira - COMMUNITY PARTICIPATION IN PLANNING – PI...
 
Eduardo Anselmo Castro - Metodologias de participação em planos estratégicos
Eduardo Anselmo Castro - Metodologias de participação em planos estratégicosEduardo Anselmo Castro - Metodologias de participação em planos estratégicos
Eduardo Anselmo Castro - Metodologias de participação em planos estratégicos
 
Alessandro Balducci - Planning as a Trading Zone
Alessandro Balducci - Planning as a Trading ZoneAlessandro Balducci - Planning as a Trading Zone
Alessandro Balducci - Planning as a Trading Zone
 
Orçamento Participativo Portugal Sessão de Aveiro
Orçamento Participativo Portugal Sessão de AveiroOrçamento Participativo Portugal Sessão de Aveiro
Orçamento Participativo Portugal Sessão de Aveiro
 
Programme Conference Participation in Planning and Public Policy
Programme Conference Participation in Planning and Public PolicyProgramme Conference Participation in Planning and Public Policy
Programme Conference Participation in Planning and Public Policy
 

Último

UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
BiancaCristina75
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 

Último (20)

UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdfCurativo de cateter venoso central na UTI.pdf
Curativo de cateter venoso central na UTI.pdf
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 

Condução segura em bicicleta

  • 1. Aveiro 2015 Capital Jovem da Segurança Condução segura em bicicleta 07 de Maio de 2015
  • 2. Segurança rodoviária, desígnio de todos… «ninguém deve morrer ou ficar permanentemente incapacitado na sequência de um acidente rodoviário em Portugal»
  • 3. SEGURANÇA RODOVIÁRIA, desígnio de todos… O condutor de um veículo não pode pôr em perigo os utilizadores vulneráveis (Art.11º, nº3) Utilizadores vulneráveis - peões e velocípedes,… (Art.1º, al. q))
  • 4. Utilizadores vulneráveis (velocípedes) 1. mais lentos do que os veículos motorizados 2. Não conferem qualquer proteção aos seus ocupantes 3. Pouco visíveis 4. Sensíveis ao mau estado do pavimento, às más condições atmosféricas ou ambientais e a fortes deslocações de ar
  • 5. aumento da sinistralidade rodoviária aumento da sua utilização Utilização bicicleta vs SEGURANÇA RODOVIÁRIA Os riscos (reais ou presumidos) associados à segurança rodoviáriacontinuam a representar um obstáculo decisivo para muitos ciclistas Orientações para a Política de Segurança Rodoviária 2011-2020 UE
  • 6. Importância da SEGURANÇA RODOVIÁRIA Em comparação com automóveis ligeiros, a probabilidade dos condutores de velocípedes sofrerem uma lesão grave ou fatal é praticamente 4 (quatro) vezes maior
  • 7. Valor da SEGURANÇA RODOVIÁRIA O custoeconómico e social anual médio por vítima mortal ascende a cerca de 664 mil € O custo económico e social anual médio dos acidentes de viação em Portugal ascende a cerca de 2 500 milhõesde € (cerca de 1,54%, em média, do PIB português de 2010) Fonte: Donário, Arlindo; Santos, Ricardo – Custo Económico e Social dos Acidentes de Viação em Portugal. Lisboa:Ediual, 2012
  • 8. DEFINIÇÕES VELOCÍPEDE Velocípede é o veículo com duas ou mais rodas acionado pelo esforço do próprio condutor por meio de pedais ou dispositivos análogos. Para efeitos do CE, os velocípedes com motor, as trotinetas com motor (…) são equiparados a velocípedes. (art. 112º, nºs 1 e 3) ZONA DE COEXISTÊNCIA zona da via pública especialmente concebida para utilização partilhada por peões e veículos, onde vigoram regras especiais de trânsito e sinalizada como tal. DEVER RECÍPROCO: os condutores não devem comprometer a segurança ou comodidade dos demais utentes da via pública, sendo obrigados a parar se necessário (art. 78-A, al. c)) os UV´s devem abster-se de atos que impeçam ou embaracem desnecessariamente o trânsito de veículos (art. 78-A, al. d)) em pedalar pedalar segurança em
  • 9. GENERALIDADES HABILITAÇÃO LEGAL Está dispensada para velocípedes (e veículos equiparados) – art. 121º, nº6 DOCUMENTAÇÃO Documento legal de identificação (bi, cc, passaporte,…) + NIF – art. 85º, nº1, als. a) e d) e nº3 SEGURO Não é obrigatório – art. 150º MATRÍCULA Isentos– art. 85º, nº1, als. a) e d) e nº3 em pedalar pedalar segurança em CAPACETE Não é obrigatório – art. 82º Obrigatório para condutor e passageiro de velocípede a motor (ajustado e apertado) – art. 82º, nº5
  • 10. Pedalar em segurança – PASSAGEIROS a) Esteja dotados de mais de um par de pedais capaz de acionar o veículo em simultâneo; (nº máx pessoas = nº pares pedais) - art. 91º, nº2, al. a) b) Tenha assentos para passageiros, caso em que, além do condutor, podem transportar um ou dois passageiros, consoante o número daqueles assentos - art. 91º, nº2, al. b) c) Crianças < 7 anos, em dispositivos especial adaptados para o efeito - art. 91º, nº2, al. c); (REBOQUE) art. 113º, nº3 PASSAGEIROS Além do condutor, só é permitido o transporte de passageiros num velocípede desde que: em pedalar pedalar segurança em
  • 11. CARGA CARGA O transporte de carga em velocípede só pode fazer-se em reboque ou caixa – art. 92º, nº1 Os objetos não podem prejudicar a condução ou constituir perigo para a segurança das pessoas e das coisas ou embaraço para o trânsito - art. 92º, nº2 em pedalar pedalar segurança em
  • 12. Auscultadores sonoros e aparelhos radiodiotelefónicos Telemóveis, MP4, auscultadores… Proibida a utilização de qualquer tipo de equipamento ou aparelho suscetível de prejudicar a condução Referência expressa a auscultadores sonoros e aparelhos radiotelefónicos – art. 84º, nº1 A exceção são os aparelhos dotados de um único auricular ou microfone com sistema de alta voz (cuja utilização não implique manuseamento continuado) art. 84º, nº2, al. a) em pedalar pedalar segurança em
  • 13. Álcool e substâncias psicotrópicas Álcool e substâncias psicotrópicas (> 16 anos) É proibido conduzir qualquer veículo (incluindo velocípedes) sob influência de álcool ou de substâncias psicotrópicas – art. 81º, nº1 Taxa mínima permitida é de 0,49 g/l Obrigatório submeter-se aos testes – art. 152º, nº3 em pedalar pedalar segurança em
  • 14. Sinalização Hierarquia da sinalização trânsito O condutor (incluindo de velocípedes) deve obedecer às ordens legítimas das autoridades, uma vez que estas prevalecem sobre as restantes – art. 7º, nº3 em pedalar pedalar segurança em Ordem das autoridades Sinalização temporária Sinalização de mensagem variável Sinalização luminosa Sinalização vertical Marcas rodoviárias Regras de trânsito
  • 15. Sinalização específica em pedalar pedalar segurança em D7a - Pista obrigatória para velocípedes: indicação da obrigação dos velocípedes circularem pela pista que lhes é especialmente destinada D13a - Fim da pista obrigatória para velocípedes D7e e D7f - Pista obrigatória para peões e velocípedes: indicação de que os peões, bem como os velocípedes, são obrigados a utilizar uma pista que lhes é especialmente destinada. D13e e D13f - Fim da pista obrigatória para peões e velocípedes C3g - Trânsito proibido a velocípedes: indicação de acesso interdito a velocípedes Modelo 11h: informa que a indicação ou a prescrição constante do sinal apenas se aplica aos velocípedes
  • 16. Sinalização manual em pedalar pedalar segurança em Abrandar: estender horizontalmente o braço esquerdo, com a palma da mão voltada para o solo, e oscilar lentamente, repetidas vezes, no plano vertical, de cima para baixo Parar: estender horizontalmente o braço esquerdo, com a palma da mão voltada para trás Virar para a esquerda: estender horizontalmente o braço esquerdo, com a palma da mão voltada para a frente Virar para a direita: estender horizontalmente o braço direito, com a palma da mão voltada para a frente “ver e ser visto” “não surpreender, nem se deixar surpreender”
  • 17. Iluminação & refletores em pedalar pedalar segurança em Iluminação O uso de luzes é obrigatório desde o anoitecer ao amanhecer ou durante o dia sempre que a visibilidade for insuficiente (nevoeiro, chuva intensa…) – art. 61, nº1 o Luz de presença à frente de cor branca com emissão contínua o Luz retaguarda de cor vermelha com emissão contínua ou intermitente Refletores o À frente em cor branca o À retaguarda, pelo menos um, em de cor vermelha o Nas rodas: dois se forem circulares ou segmentos de coroa circular ou apenas um se for um cabo reflector em circunferência completa. Cor âmbar ou branca (no caso de cabo refletor)
  • 18. Normas de circulação – CEDÊNCIA de PASSAGEM Em passagens assinaladas (obrigação dos condutores, incluindo os de velocípedes) – art. 103º o Ter especial cuidado com a velocidade o Por regra deve ceder sempre a passagem a peões (são + vulneráveis) o Mesmo que a sinalização permita avançar deve deixar passar os peões que já tenham iniciado a travessia o Ao mudar de direção, mesmo não existindo passagem assinalada, deve reduzir a velocidade e mesmo parar, permitindo a passagem dos peões que estejam a atravessar a faixa de rodagem da via em que vai entrar em pedalar pedalar segurança em O condutor de velocípede só deve utilizar as passagens para peões para atravessar a faixa de rodagem se levar o velocípede à mão, sob pena de se considerar como condução que coloca em perigo os demais utilizadores vulneráveis – art.s 11º e 104, al. b)
  • 19. Normas de circulação – CEDÊNCIA de PASSAGEM Cruzamentos, entroncamentos e rotundas o Nos cruzamentos e entroncamentos o condutor (incluindo o de velocípede) deve ceder a passagem aos veículos que se lhe apresentem pela direita – art. 30º, nº1 o Os condutores devem ceder passagem aos velocípedes que atravessem as faixas de rodagem nas passagens assinaladas – art. 32º, nº3 o Os condutores de velocípedes não podem atravessar a faixa de rodagem sem previamente se certificarem que o podem fazer sem perigo de acidente (considerando distâncias e velocidades dos veículos que nela transitam) – art. 32º, nº5 o Nas rotundas os condutores de velocípedes podem ocupar a via de trânsito mais à direita, mesmo que não pretendam sair da rotunda na primeira via de saída (mas têm o dever de facultar a saída aos condutores que pretendam sair da rotunda – art. 14-A, nº2 em pedalar pedalar segurança em
  • 20. Normas de circulação – POSIÇÃO NA VIA o Transitar pelo lado direito da via de trânsito, conservando das bermas ou passeios uma distância suficiente para evitar acidentes – art. 90º, nº3 o Podem circular paralelamente numa via, no máximo de dois velocípedes, desde que: 1. A via não tenha visibilidade reduzida 2. Não exista intensidade de trânsito 3. Não cause perigo ao trânsito 4. Não cause embaraço ao trânsito o Se pedalarem em grupo, devem fazê-lo em fila indiana ou aos pares em pedalar pedalar segurança em Distância entre veiculos o Distância lateral de pelo menos 1,5 m, entre um veículo motorizado e um velocípede que transite na mesma faixa de rodagem – art. 18º, nº3
  • 21. Normas de circulação – PISTAS ESPECIAIS o Quando existam para velocípedes, utilização preferencial – art. 78º, nº1 o Proibida a sua utilização a quaisquer outros veículos (a não ser como percurso auxiliar) – art. 78º, nº2 o Nas pistas destinadas a velocípedes é proibido: o velocípedes com +2 rodas (em linha) – art. 78º, nº3 o Velocípedes que atrelem reboque (exceto se o conjunto não exceder a largura de 1 m – art. 78º, nº3 em pedalar pedalar segurança em
  • 23. O futuro… que futuro? em pedalar pedalar segurança em Como incrementar o uso da bicicleta? Pedindo à mãe natureza?
  • 25. OBRIGADO PELA VOSSA ATENÇÃO. Aveiro 2015 Capital Jovem da Segurança Condução segura em bicicleta 07 de Maio de 2015