SlideShare uma empresa Scribd logo
Pontifícia Universidade Católica do Paraná
Concurso Público da Companhia Paranaense de Energia - COPEL
24 de Janeiro de 2010
CARGO Nº 35
ENGENHEIRO CIVIL PLENO
Atuação: Engenharia de Recursos Hídricos
INFORMAÇÕES / INSTRUÇÕES:
1. Verifique se a prova está completa: questões de números 1 a 40 e 1 redação.
2. A compreensão e a interpretação das questões constituem parte integrante da prova, razão pela qual os
fiscais não poderão interferir.
3. Preenchimento do Cartão-Resposta:
- Preencher para cada questão apenas uma resposta
- Preencher totalmente o espaço correspondente, conforme o modelo:
- Usar caneta esferográfica, escrita normal, tinta azul ou preta
- Para qualquer outra forma de preenchimento, a leitora anulará a questão
O CARTÃO-RESPOSTA É PERSONALIZADO.
NÃO PODE SER SUBSTITUÍDO, NEM CONTER RASURAS.
Duração total da prova: 4 horas e 30 minutos
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Anote o seu gabarito.
N.º DO CARTÃO NOME (LETRA DE FORMA)
ASSINATURA
1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10.
31. 32. 33. 34. 35.
11. 12. 13. 14. 15. 16. 17. 18. 19. 20.
21. 22. 23. 24. 25. 26. 27. 28. 29. 30.
36. 37. 38. 39. 40.
Pontifícia Universidade Católica do Paraná – Concurso Público COPEL/2010
Pág. 1
Pontifícia Universidade Católica do Paraná – Concurso Público COPEL/2010
Pág. 2
CCOONNHHEECCIIMMEENNTTOOSS
EESSPPEECCÍÍFFIICCOOSS
1. Em relação às sentenças a seguir é possível afirmar
que:
I. A representação adequada do comportamento de
um processo hidrológico ou de um sistema por
um modelo com o menor número possível de
parâmetros é entendida como princípio da
parcimônia.
II. O risco de ocorrência de uma determinada
variável aleatória é a chance, aceita pelo
projetista, de que a variável seja maior que um
determinado valor.
III. A incerteza de uma amostra pode decorre da
representatividade da amostra ou dos erros de
coleta e processamento dos dados de variável
aleatória.
A) Todas são corretas.
B) Apenas I é correta.
C) Apenas II é correta.
D) Todas são incorretas.
E) I e II são corretas.
2. A bacia hidrográfica do rio A recebe precipitações
médias anuais de 2.000 mm. Sabe-se que a vazão
medida do rio após período de 18 anos é de 45 m
3
/s.
Considerando a área de bacia de 2.000 km
2
, é
possível afirmar que:
A) A evapotranspiração média anual e o coeficiente
de escoamento de longo prazo da bacia são de
aproximadamente 1.900 mm/ano e 0,70,
respectivamente.
B) A evapotranspiração média anual e o coeficiente
de escoamento de longo prazo da bacia são de
aproximadamente 1290 mm/ano e 0,35,
respectivamente.
C) A evapotranspiração média anual e o coeficiente
de escoamento de longo prazo da bacia são de
aproximadamente 1.290 mm/ano e 0,70,
respectivamente.
D) A evapotranspiração média anual da bacia é de
aproximadamente 130 mm/ano.
E) O coeficiente de escoamento de longo prazo da
bacia é de 0,1.
3. Para modelagem e previsão de vazões de cheia em
tempo real, é possível afirmar que:
I. Previsões em curto prazo, com base
exclusivamente em postos fluviométricos de
montante da secção de interesse, dispensam
características do rio ou da área controlada.
II. Previsões de enchentes podem ser realizadas
com base na previsão de precipitação com
auxílio de sistemas de sensoriamento remoto.
III. É possível utilizar modelos compostos que
consistem em modelos precipitação-vazão
associados aos dados de vazões de montante da
secção controlada.
A) Apenas I é correta.
B) Todas são corretas.
C) II e III são corretas.
D) Todas são incorretas.
E) I e II são corretas.
4. Em relação às medidas de controle de inundações, é
possível afirmar que:
I. Diques, cortes de meandros e reservatórios de
cheias são medidas estruturais de controle de
inundações.
II. Medidas estruturais de controle de inundações
são intervenções de engenharia implantadas
exclusivamente na calha do rio, na secção de
extravasamento.
III. Medidas estruturais intensivas agem diretamente,
acelerando ou retardando o escoamento.
IV. A manutenção de baixos coeficientes de
infiltração na bacia é uma medida não estrutural
para controle de inundações, baseada no uso do
solo e da cobertura vegetal.
A) I, II e IV são corretas.
B) I e III são corretas.
C) II e IV são corretas.
D) Todas são corretas.
E) II e III são corretas.
5. Em relação à curva de permanência de vazões
abaixo representada, determine a energia
assegurada para uma altura de queda de 100 metros
e eficiência total de conversão de energia de 70%.
1
10
100
1000
0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100
Probabilidade (%)
Vazao(m
3
/s)
Pontifícia Universidade Católica do Paraná – Concurso Público COPEL/2010
Pág. 3
A) 2,1 GW
B) 1,4 MW
C) 210 MW
D) 2,1 MW
E) 140 MW
6. A tabela a seguir apresenta as vazões máximas de
um rio registradas em nove anos, de 1975 a 1984,
em ordem decrescente de vazões. Com base nos
valores registrados, determine a vazão máxima para
um tempo de recorrência de cinco anos.
Ano Probabilidade (%) Vazão Máxima (m
3
/s)
1980 10 250,9
1976 20 225,3
1978 30 220,2
1981 40 205,0
1982 50 175,3
1979 60 145,6
1977 70 130,7
1983 80 120,2
1975 85 55,0
1984 95 45,9
A) 120,2 m
3
/s
B) 120,0 m
3
/s
C) 250,9 m
3
/s
D) 45,9 m
3
/s
E) 225,3 m
3
/s
7. Uma bacia recebe chuvas anuais com distribuição
normal. A análise de 30 anos de chuva revelou que a
precipitação média anual é de 2.300 mm e que o
desvio padrão é de 350 mm. Com base nos dados
supracitados, é possível afirmar que:
A) É de 95% a chance de um ano qualquer
apresentar precipitações inferiores a 3.000 mm e
superiores a 1.600 mm.
B) É de 90% a chance de um ano qualquer
apresentar precipitações inferiores a 2.300 mm.
C) Em 100 anos haverá 5 anos de precipitação
superior a 2.300 mm.
D) Em 10 anos haverá 5 anos de precipitação
superior a 2.300 mm.
E) Chuvas inferiores a 2.300 mm ocorrem a cada 10
anos.
8. Alguns princípios da pluviometria são apresentados a
seguir:
I. A boca do pluviômetro deve ficar na horizontal;
na prática pode-se estimar o erro produzido por
cada grau de inclinação do pluviômetro sobre a
horizontal, desde que não exceda 10º. Esse erro
é positivo quando a inclinação do plano de
abertura está dirigida para o vento e negativo
caso contrário.
II. A ação do vento é uma das causas de erros na
medição de precipitações. O aumento da
velocidade do ar e a formação de turbilhões na
vizinhança imediata do aparelho têm por
consequência um desvio local das partículas de
chuva, o que ocasiona um erro por defeito na
altura das precipitações medidas.
III. O erro de medição nos pluviômetros é
diretamente proporcional à velocidade do vento.
IV. Pode-se sugerir que a altura de precipitação
medida é maior quanto maior for a área de
recepção do pluviômetro.
Com relação às afirmações acima, pode-se concluir
que:
A) Apenas I e II são corretas.
B) Apenas I e III são corretas.
C) Apenas II é correta.
D) Todas são corretas.
E) Apenas IV é incorreta.
9. Observe as sentenças a seguir e assinale a
alternativa CORRETA:
I. Chuvas frontais apresentam elevado tempo de
duração e intensidade pluviométrica. Produzem
problemas de inundação em pequenas bacias
hidrográficas.
II. Chuvas convectivas apresentam elevado tempo
de duração e intensidade pluviométrica. São
formadas geralmente nos oceanos e produzem
problemas de inundação em microbacias.
III. Chuvas convectivas apresentam baixo tempo de
duração e elevada intensidade pluviométrica.
Podem causar problemas de inundações em
microbacias, geralmente em áreas urbanas.
IV. Chuvas orográficas são formadas nos oceanos e
apresentam, geralmente, alta intensidade
pluviométrica e elevado tempo de duração. Sua
formação tem relação direta com a topografia.
A) I, II e IV são falsas.
B) Apenas I é verdadeira.
C) Apenas I e II são verdadeiras.
D) Apenas II é verdadeira.
E) Todas são falsas.
10. Determine a precipitação efetiva para uma
precipitação de 5,0 mm utilizando o método do Soil
Conservation Service para uma bacia com
capacidade de retenção no solo (S) de 50 mm,
equivalente a solos arenosos profundos, e com
umidade antecedente em ponto de murcha.
Pontifícia Universidade Católica do Paraná – Concurso Público COPEL/2010
Pág. 4
A equação é dada por , em
que
Pe é a precipitação efetiva, em mm, e P é a
precipitação acumulada, em mm.
A) 0,55 mm
B) 5,5 mm
C) 55 mm
D) Não há escoamento superficial.
E) A precipitação efetiva é igual à precipitação total.
11. Observe as assertivas e assinale a alternativa
CORRETA:
I. A precipitação média sobre uma bacia
hidrográfica pode ser obtida por meio da média
aritmética entre as precipitações das estações
relevantes.
II. Isoietas são curvas de mesma precipitação para
um determinado período ou evento pré-
estabelecido.
III. A estimativa adequada da precipitação média de
uma região baseia-se na escolha das estações
pluviométricas com base no critério das
distâncias entre elas, independente das variáveis
topográfica e climática.
IV. Em áreas onde a orografia é fator relevante para
a ocorrência da precipitação, o método de
Thiessen pode apresentar erros de precipitação
média na região.
A) Apenas III é falsa.
B) Apenas I é verdadeira.
C) Apenas I e II são verdadeiras.
D) I, II e III são verdadeiras.
E) Todas são verdadeiras.
12. Com relação às sentenças a seguir é possível afirmar
que:
I. Secções de rios mais estáveis apresentam maior
confiabilidade na medição de vazões.
II. Estrangulações da calha do rio, da jusante, da
secção de controle ou da medição de vazão são
irrelevantes para a verificação de dados
fluviométricos.
III. Bacias com baixos tempos de concentração
podem apresentar mais erros de registros
fluviométricos.
IV. A curva de descarga de um rio pode variar ao
longo do tempo devido à erosão da calha do rio
na secção de medição.
A) Todas são corretas.
B) Apenas I e II são corretas.
C) Todas são incorretas.
D) Apenas II e III são corretas.
E) I, III e IV são corretas.
13. Dispõe-se de uma longa e confiável série de dados
anuais pluviométricos e fluviométricos de uma bacia
hidrográfica. Através do balanço hídrico na bacia em
questão, é possível:
A) Estimar a evapotranspiração real anual média da
bacia.
B) Fazer prognóstico das vazões para períodos não
muito distantes do período registrado.
C) Fazer prognóstico das precipitações para
períodos não muito distantes do período
registrado.
D) Estimar a evapotranspiração potencial anual
média da bacia.
E) Estimar o coeficiente deflúvio médio da bacia
hidrográfica no período de registro.
14. O hietograma mostrado a seguir representa a
precipitação média mensal ao longo de ano de 2005
em uma área de drenagem de 10 ha. Pode-se afirmar
que:
A) A maior precipitação efetiva ocorreu no mês 2.
B) A maior precipitação total ocorreu no mês 12.
C) A precipitação média mensal em 2005 foi de 200
mm.
D) O volume precipitado na bacia no mês 3 de 2005
foi de 12.10
3
m
3
.
E) Nos meses 2 e 11 ocorreram as maiores
precipitações efetivas.
15. O diagrama de dupla massa apresentado a seguir
representa a precipitação acumulada do posto
pluviométrico A em relação à média dos postos
pluviométricos da região. Com base nos Diagramas 1
e 2 abaixo representados, pode-se afirmar que:
190
240
120
50
20
30
20
30
70
80
220
210
0
50
100
150
200
250
300
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12
Meses
H(mm)
( )
( )SP
SP
Pe
×+
×−
=
8,0
2,0
2
Pontifícia Universidade Católica do Paraná – Concurso Público COPEL/2010
Pág. 5
DIAGRAMA 1
DIAGRAMA 2
A) O posto A pode apresentar regime pluviométrico
distinto dos outros postos, segundo o Diagrama
2.
B) Os dados do Diagrama 2 podem ser utilizados
para avaliações hidrológicas.
C) Há inconsistência dos dados do posto A, segundo
o Diagrama 1.
D) Os erros do posto A são necessáriamente
decorrentes de erros de transcrição, segundo
Diagrama 2.
E) O Diagrama 1 apresenta erros decorrentes de
mudanças nas condições de observação.
16. Para uma bacia hidrográfica cujo tempo de
concentração é de 40 minutos e área de 1,5 km
2
,
estime a vazão de projeto adotando o método
racional. Considere coeficiente de deflúvio de 0,50 e
Tr de 10 anos. Utilize a equação de chuvas intensas
da região:
( )10t
Tr500
i
+
×
=
A) 20 L/s
B) 20,8 m
3
/s
C) 75 m
3
/s
D) 75 L/s
E) 12 m
3
/s
17. Isócronas, no entendimento hidrológico, representam:
A) Linhas de mesmo tempo de concentração.
B) Linhas de mesma vazão média.
C) Linhas de mesmo tempo de duração da
precipitação.
D) Linhas de mesma intensidade pluviométrica.
E) Linhas de mesma precipitação.
18. Qual é a vazão de saída de uma bacia
completamente impermeável, com área de 7,2 km
2
,
sob uma chuva constante de 20 mm.hora
-1
com
duração superior ao tempo de concentração?
A) 72 m
3
/s
B) 36 m
3
/s
C) 34 m
3
/s
D) 4,0 m
3
/s
E) 40 m
3
/s
19. O hidrograma unitário baseia-se em alguns
princípios. Marque abaixo a opção que NÃO
representa um princípio CORRETO:
A) O pico do hidrograma será sempre o mesmo,
independente da precipitação efetiva.
B) Para chuvas efetivas de intensidade constante e
mesma duração, os tempos de escoamento
superficial direto são iguais.
C) Chuvas efetivas de mesma duração irão produzir
em tempos correspondentes volumes de
escoamento superficial proporcionais às
ordenadas do hidrograma.
D) A duração do escoamento superficial de uma
determinada chuva efetiva independe de
precipitações anteriores.
E) O volume de escoamento superficial direto
equivale a uma unidade.
20. Determine as coordenadas de um hidrograma
unitário com base em duas precipitações efetivas de
10 e 15 mm/h, distanciadas em 60 minutos, e na
série de vazões apresentada na tabela abaixo:
Tempo
(h)
Precipitação Efetiva
(mm)
Vazão
(mm/h)
1 10 2,0
2 15 9,0
3 - 11,0
4 - 3,0
A) 0,2; 0,2; 0,2
B) 0,2; 0,6; 0,2
C) 0,6; 0,2; 0,2
D) 0,6; 0,6; 0,6
E) 0,2; 0,2; 0,6
0
200
400
600
800
1000
1200
1400
0 200 400 600 800 1000 1200
Acumulados dos Postos da Regiao
AcumuladodoPostoA
0
200
400
600
800
1000
1200
1400
0 200 400 600 800 1000 1200
Acumulados dos Postos da Regiao
AcumuladodoPostoA
Pontifícia Universidade Católica do Paraná – Concurso Público COPEL/2010
Pág. 6
21. São possíveis consequências da urbanização no
ciclo hidrológico, EXCETO:
A) Aumento do tempo de concentração na bacia.
B) Redução de Q7, 10.
C) Aumento das vazões máximas devido ao
aumento da capacidade de escoamento através
de condutos e canais e à impermeabilização das
superfícies.
D) Assoreamento de corpos de água.
E) Redução do tempo de recorrência para vazões
máximas.
22. São conceitos corretos, EXCETO:
A) A chuva efetiva corresponde à parcela da
precipitação que gera escoamento superficial.
B) O polutograma representa a variação das vazões
máximas ao longo do tempo.
C) O hietograma representa a variação da
precipitação em relação ao tempo.
D) O tempo de pico é o intervalo de tempo entre o
centro de massa da precipitação e o pico de
vazões do hidrograma.
E) O tempo de retardo corresponde ao intervalo de
tempo entre o centro de massa da precipitação e
o centro de massa do hidrograma.
23. A curva-chave de um rio é dada pela equação
( )b
hhaQ 0−×= , em que Q e h representam vazão
e altura da régua fluviométrica, em metros e
segundos. Sabe-se que o nível mínimo de medição
(h0) é de 10 cm e que os parâmetros a e b são
respectivamente 3,5 e 2,0. Determine a vazão para
uma altura de 40 cm da régua.
A) 0,12 m
3
/s
B) 12 m
3
/s
C) 3.150 m
3
/s
D) 3.150 L/s
E) 140 L/s
24. A precipitação total anual em uma bacia é, em média,
de 2.000 mm e a vazão média no exutório de 1,5
m
3
/s. A evaporação em espelhos de água em bacias
próximas e de climas semelhantes é de 1.000
mm/ano. Se 10% da bacia hidrográfica for alagada,
qual deverá ser a vazão média aproximada no
exutório? A área da bacia é de 30 km
2
.
A) 10 L/s
B) 20 L/s
C) 55 L/s
D) 550 L/s
E) 5 L/s
25. Em relação às características de aquíferos, é
possível afirmar:
A) Poços instalados em aquíferos confinados em
zonas topográficas inferiores à linha piezométrica
são considerados poços jorrantes.
B) A superfície livre de um aquífero freático
apresenta pressão superior à pressão
atmosférica local.
C) Aquíferos lenticulares apresentam grande
disponibilidade de água e, na sua superfície, há
pressão superior à atmosférica local.
D) O nível piezométrico em um ponto de um
aquífero artesiano é o mesmo do limite físico
superior do aquífero.
E) Aquitardes são aquíferos com grande
disponibilidade de água e representam soluções
interessantes para instalação de poços de
extração de água.
26. Em relação ao escoamento em meios porosos, é
CORRETO afirmar que:
A) A condutividade hidráulica saturada de um meio
poroso depende exclusivamente das
características do meio poroso.
B) A lei de Darcy é válida para escoamentos
turbulentos em que as forças viscosas do fluido
são irrelevantes em relação às forças inerciais.
C) Valores de condutividade hidráulica saturada são
superiores em solos argilosos em relação a solos
arenosos.
D) A velocidade de Darcy depende exclusivamente
do gradiente hidráulico analisado.
E) A velocidade de Darcy depende das
características do fluido que escoa no meio
poroso e das próprias características do meio
poroso, como a porosidade total.
27. O modelo de Muskingun, elaborado em 1939 por
McCarthy e aplicado ao rio Muskingun, é um modelo
concentrado e pode ser expresso pela equação:
em que I e Q são,
respectivamente, as vazões de entrada e saída no
trecho considerado; K é um parâmetro que
representa o tempo médio de deslocamento da onda
entre montante e jusante no trecho; X é um
parâmetro que representa o peso da integração da
vazão no espaço; e t é o tempo.
Em relação ao modelo, pode-se AFIRMAR que:
( ) QI
dt
dI
X
dt
dQ
XK −=





+−1
Pontifícia Universidade Católica do Paraná – Concurso Público COPEL/2010
Pág. 7
A) É concentrado espacialmente e pode ser aplicado
em simulações de escoamento unidimensionais.
B) É distribuído espacialmente e pode ser aplicado a
escoamentos bidimensionais.
C) É adequado para simulações com reservatórios
em cascatas.
D) É linear, desde que K e X sejam dependentes
das vazões.
E) É distribuído espacialmente.
28. É CORRETO afirmar em relação à resposta de uma
bacia hidrográfica:
A) Quanto menor o tempo de concentração, menor
será a vazão de pico.
B) O tempo de pico será inferior após a construção
de um reservatório que antes à construção.
C) Quanto menor o tempo de recorrência da
precipitação, maior será a vazão correspondente.
D) O tempo de pico e a vazão de pico dependem
das características do solo e da cobertura
vegetal.
E) Quanto maior a declividade da bacia, menor é o
volume de cheia e maior o tempo de pico.
29. A série histórica de vazões máximas anuais na
secção transversal do rio A é apresentada a seguir.
Determine o tempo de recorrência para uma cota
superior ou igual a 8,0 metros. A curva-chave
também é fornecida a seguir.
A) 6 anos.
B) 10 anos.
C) 4 anos.
D) 1 ano.
E) 3 anos.
30. Em relação às sentenças a seguir, marque a
alternativa INCORRETA:
A) O ponto de saturação é a quantidade máxima de
vapor de água que pode estar contido num
volume de ar a uma dada temperatura.
B) A pressão de saturação de vapor é a pressão
parcial exercida pelo vapor de água quando o ar
se encontra no ponto de saturação.
C) A umidade relativa é a relação percentual entre
as quantidade real de vapor de água presente e a
quantidade necessária para a saturação do ar
nestas mesmas condições de temperatura e
pressão.
D) A pressão de saturação de vapor é inversamente
proporcional à temperatura do ar.
E) Água precipitável ou precipitação potencial é a
quantidade de chuva que resultaria se todo o
vapor de água presente em uma coluna
atmosférica fosse precipitado.
31. Em relação às características fisiográficas de bacias
hidrográficas, é INCORRETO afirmar que:
A) A declividade média da bacia tem relação
importante com processos hidrológicos, como
infiltração e escoamento superficial.
B) O índice de compacidade representa a ordem de
cada canal na bacia.
C) A erosão e a pedologia local têm relação direta
com a densidade de drenagem de uma bacia.
D) O fator de forma pode explicar a tendência de
inundação de uma bacia.
E) Fatores de forma próximos a unidade indicam
tendência da bacia à inundação.
32. Deseja-se implantar no rio A um reservatório para
recreação e lazer da população. A área inundada
será de aproximadamente 3 ha e a área de
drenagem da bacia é de 4 km
2
. A área impermeável
da bacia é equivalente a 25% da área total.
Determine a vazão de projeto no vertedouro da
barragem, sabendo que a intensidade pluviométrica
para um tempo de recorrência de 50 anos é de 108
mm/h.
A) 30 m
3
/s
B) 22,5 m
3
/s
C) 108 m
3
/s
D) 30 L/s
E) 120 m
3
/s
Tempo (ano) Vazões (m
3
/s)
1990 5,0
1991 12,0
1992 4,3
1993 10,0
1994 5,0
1995 7,0
1996 6,0
1997 4,9
1998 10,0
1999 7,0
0
1
2
3
4
5
6
7
8
9
0 2 4 6 8 10 12 14
Vazao (m
3
/s)
NíveldeÁgua(m)
Pontifícia Universidade Católica do Paraná – Concurso Público COPEL/2010
Pág. 8
33. Uma ponte ferroviária foi construída com vão livre
total de 4,0 m, considerando 0,3 m de bordo livre.
Sabe-se que a vazão no canal para uma
profundidade de 3,7 m é de 22 m
3
/s. A intensidade
pluviométrica (I) da região em função do tempo de
recorrência e para o tempo de concentração da bacia
é apresentada a seguir. O coeficiente de deflúvio da
bacia é de 0,40 e a área de drenagem de 2,0 km
2
.
Com base nesses dados, assinale a alternativa
CORRETA.
A) Tr superior a 100 anos.
B) Tr superior a 50 anos.
C) Tr igual a 35 anos.
D) Tr igual a 13 anos.
E) Tr superior a 20 anos.
34. Sobre hidrogramas, aponte a alternativa
INCORRETA.
A) Um hidrograma unitário é a resposta da bacia a
uma precipitação de volume unitário e duração
t.
B) O hidrograma de Snyder baseia-se em dados
históricos de medição de vazão na secção de
interesse.
C) Hidrogramas unitários sintéticos são utilizados
em bacias onde não há disponibilidade de dados
históricos de vazão.
D) A intensidade de precipitação é considerada
constante na bacia para o hidrograma triangular
do Soil Conservation Service.
E) Características fisiográficas são essenciais na
síntese de hidrogramas sintéticos.
35. A capacidade de infiltração no solo pode ser
estimada com base no método da Curva Número do
Soil Conservation Service. Em relação ao método,
pode-se afirmar que:
A) Baseia-se em três graus de umidade antecedente
do solo: ponto de murcha, capacidade de campo
e umidade de saturação.
B) Baseia-se em grupos de solos hidrológicos,
sendo que solos do grupo A produzem mais
escoamento superficial e solos do grupo D
apresentam maior taxa de infiltração.
C) Solos do Grupo A são tipicamente profundos e
apresentam, geralmente, valores elevados de
porosidade total.
D) Umidades antecedentes próximas ao ponto de
murcha geram menor capacidade de infiltração
no solo.
E) A cobertura vegetal é irrelevante na estimativa da
capacidade de infiltração.
36. Determine a vazão de pico do hidrograma triangular
sintético do Soil Conservation Service para uma
precipitação efetiva de 10 mm e duração de 1,0 hora.
A área da bacia é de 1,0 km
2
e o tempo de ascensão
do hidrograma é de 40 minutos. A razão entre o
tempo de pico e o final do hidrograma e o pico e
início do hidrograma é de 1,67.
A) 31,2 L/s
B) 520 L/s
C) 5,2 L/s
D) 13 L/s
E) 3.120 L/s
37. Aponte a alternativa INCORRETA em relação à
capacidade de reservatórios:
A) O nível mínimo operacional corresponde à cota
mínima para operação do reservatório. Limita o
volume útil e o volume morto do reservatório.
B) O volume útil corresponde ao volume
compreendido entre os níveis de água mínimo e
máximo operacional.
C) O volume útil depende da demanda de água e é
diretamente proporcional à demanda.
D) O volume morto corresponde à parte inativa,
como, por exemplo, a reservada para depósito de
sedimentos.
E) O nível de água denominado máximo maximorum
corresponde ao nível máximo de sedimentos no
reservatório.
38. Aponte a alternativa INCORRETA em relação à
determinação de volumes de reservatórios com o uso
do diagrama de Rippl.
A) Desconsidera a sazonalidade das vazões.
B) É um modelo determinístico baseado na série
histórica de vazões do rio.
C) Perdas por evaporação são desconsideradas e,
portanto, esse modelo não deve ser utilizado em
bacias no semiárido.
D) Permite apenas uma regra de regularização.
E) Não associa riscos a um determinado volume.
Tr (ano) I (mm/h)
10 60
20 77
50 110
100 146
Pontifícia Universidade Católica do Paraná – Concurso Público COPEL/2010
Pág. 9
39. Uma mesma precipitação que ocorreu em duas
bacias hidrográficas de mesma área de drenagem
resultou nos hidrogramas representados a seguir.
Aponte a alternativa CORRETA que apresente
possíveis causas da diferença de comportamento da
vazão ao longo do tempo.
A) A Bacia 1 pode apresentar declividade média
superior à Bacia 2.
B) Ocorrência de todos ou alguns elementos
supracitados.
C) A Bacia 2 pode apresentar de forma
predominante solos hidrológicos do grupo A, com
maior permeabilidade e profundidade do que a
Bacia 1, com solos hidrológicos
predominantemente do tipo B.
D) A Bacia 2 pode apresentar maior área florestada
e natural que a Bacia 1, que apresenta grandes
manchas urbanas e áreas impermeáveis.
E) A Bacia 1 pode apresentar formato mais
semelhante à circunferência (coeficiente de
Gravelius próximo à unidade) que a Bacia 2.
40. Uma usina hidrelétrica foi dimensionada para gerar
energia com uma vazão igual a Q95, apresentada na
curva de permanência a seguir. Sabe-se que o órgão
ambiental requer uma vazão à jusante da usina não
inferior a 3,0 m
3
/s. Quais as consequências na
geração de energia, caso o critério ambiental seja
respeitado?
1
10
100
1000
0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100
Probabilidade (%)
Vazao(m
3
/s)
A) A usina operará em 90% do tempo.
B) A usina operará em 95% do tempo.
C) A geração de energia será interrompida em pelo
menos 90% do tempo.
D) Não ocorrerão interrupções de operação.
E) A usina operará em 80% do tempo.
0
3
6
9
12
15
18
0 2 4 6 8 10
Tempo (horas)
Vazao(m3/s)
Bacia 1
Bacia 2
Pontifícia Universidade Católica do Paraná – Concurso Público COPEL/2010
Pág. 10
RREEDDAAÇÇÃÃOO
Os fragmentos abaixo fazem parte da entrevista
concedida ao jornal Valor Econômico (ed. 02/10/09)
pelo economista Sérgio Besserman Viana, ex-
presidente do IBGE (durante o governo Fernando
Henrique Cardoso), que assina o capítulo “A
sustentabilidade do Brasil” do livro Brasil pós-crise –
Agenda para a Próxima Década , organizado pelos
economistas Fabio Giambiagi e Octavio de Barros.
Valor Econômico: Qual o risco, na economia, de
um atraso do acordo climático mundial? O que
acontece se não for assinado em Copenhague?
Sérgio Besserman Vianna: O fracasso de uma
negociação de acordo contra a mudança climática
vai fazer com que os custos para combater o
aquecimento global poucos anos à frente sejam
muito mais elevados do que se iniciarmos hoje a
transição. Ao mesmo tempo existirão também custos
de fragmentação política e riscos de protecionismo.
Valor: Está no livro: a superação das energias sujas
tem o potencial de se constituir no próximo grande
boom de inovações e isto pode ser um impulso para
a saída da crise. A China parece estar perseguindo
esta trilha, mas também não quer abrir mão do
carvão. Como fica?
Besserman: São cenários em aberto a depender do
acordo global que pode acontecer agora em
Copenhague ou não. Ali, depurando tudo, vamos
estar precificando o custo de emitir gases-estufa. O
tamanho da meta necessária para tentar atingir o
objetivo fixado de não aquecer o planeta mais de 2 C
sinaliza uma grande transição tecnológica, que diz
respeito, num primeiro momento, à eficiência
energética em geral, e um forte impulso às fontes
renováveis de energia. Mas este é apenas o início.
Porque em seguida vêm todas as mudanças
decorrentes das alterações de preços relativos que
tende a se acentuar porque as metas para 2050 são
ainda mais radicais que as previstas para 2020. Vem
uma grande transição pela frente, isto é certo, e
quem acompanhar esta transição tecnológica vai se
inserir competitivamente neste novo mundo. Quem
não acompanhar, e se agarrar às formas do passado
sem visualizar esta transição radical e profunda,
corre o risco de ficar descompassado.
Valor: Como fica o Brasil na descarbonização de
sua economia?
Besserman: É uma imensa oportunidade. Temos
grandes vantagens comparativas neste mundo de
baixo teor de carbono, como a nossa matriz
energética, que já é mais limpa, ou políticas
benéficas em si, como a redução do desmatamento
da Amazônia. Temos que fazer modificações na
logística, como no nosso setor de transportes. Estas
vantagens comparativas podem se tornar vantagens
competitivas.
Valor: Os senhores dizem que o Brasil está fazendo
“diversos equívocos” no campo da energia. Falam
das políticas que subsidiam o uso do carvão e das
térmicas a óleo, mas também mencionam as
hidrelétricas. Como assim?
Besserman: No caso das hidrelétricas é um não
aproveitamen-to inteligente das possibilidades de
integração com outras fontes renováveis, do
potencial das pequenas hidrelétricas e de uma
melhoria no padrão de gestão e transparência no
caso das hidrelétricas maiores. No caso da energia
em geral, é preciso ter claro que o futuro são as
fontes renováveis e não emissoras de gases-estufa.
O pré-sal é uma benção, uma riqueza, mas é o
passado.
Valor: O passado?
Besserman: Sim, porque estamos nos preparando
para o fim da civilização dos combustíveis fósseis.
Valor: Como fica esta “benção”?
Besserman: O uso inteligente do pré-sal é utilizar
estes recursos para potencializar a transição para
outra matriz energética, aproveitando as vantagens
comparativas do Brasil em biomassa, solar, eólica,
pequenas hidrelétricas. Sim, este é o futuro. Usar o
recurso do pré-sal para ir a este futuro é maravilha.
Mas apostar no mundo dos combustíveis fósseis e
ficar estacionado nele seria um equívoco. Para mim,
o risco é o país, em vez de mobilizar seus recursos
para a transição tecnológica, acabar utilizando-os de
forma a ficar ancorado no mundo do passado.
Planejamento e política industrial mirando a
transição tecnológica da matriz energética é muito
importante. Neste novo mundo há riquezas
equivalentes a muitos pré-sais.
PROPOSTA DE REDAÇÃO
Escreva uma carta, entre 15 e 20 linhas, para ser enviada à seção de cartas do jornal Valor Econômico, comentando
(concordando e/ou discordando) as opiniões do economista Sérgio Besserman Viana. Considere que os leitores da sua
carta NÃO leram (nem total nem parcialmente) a entrevista; portanto, você deve fazer referência a ela. (Sua Carta NÃO
deve ser assinada.)
SOBRE A REDAÇÃO
1. Estruture o texto da sua redação com um mínimo de 15 e um máximo de 20 linhas.
2. Faça o rascunho no espaço reservado.
3. Transcreva o texto do rascunho para a FOLHA DE REDAÇÃO que lhe foi entregue em separado.
4. Não há necessidade de colocar título.
5. Não coloque o seu nome, nem a sua assinatura na FOLHA DE REDAÇÃO, nem faça marcas nela. A FOLHA DE
REDAÇÃO já se encontra devidamente identificada.
Pontifícia Universidade Católica do Paraná – Concurso Público COPEL/2010
Pág. 11
RREEDDAAÇÇÃÃOO –– RRaassccuunnhhoo
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Nbr 12216 92 projeto de estação de tratamento de água para
Nbr 12216 92   projeto de estação de tratamento de água paraNbr 12216 92   projeto de estação de tratamento de água para
Nbr 12216 92 projeto de estação de tratamento de água para
Jacqueline Schultz
 
Aula 8 drenagem urbana
Aula 8 drenagem urbanaAula 8 drenagem urbana
Aula 8 drenagem urbana
Jose Luis Prado Sánchez
 
Abordagem da bacia hidrográfica pela Geografia
Abordagem da bacia hidrográfica pela GeografiaAbordagem da bacia hidrográfica pela Geografia
Abordagem da bacia hidrográfica pela Geografia
Patrícia Éderson Dias
 
Barragens e Reservatórios
Barragens e Reservatórios Barragens e Reservatórios
Barragens e Reservatórios
Ozi Carvalho
 
Hidráulica de Canais
Hidráulica de CanaisHidráulica de Canais
Hidráulica de Canais
Danilo Max
 
Exercicios resolvidos -_hidraulica_basic
Exercicios resolvidos -_hidraulica_basicExercicios resolvidos -_hidraulica_basic
Exercicios resolvidos -_hidraulica_basic
Gerson Justino
 
Definição..
Definição..Definição..
Definição..
Ronaldo Conceição
 
Aula 1 exercício
Aula 1   exercícioAula 1   exercício
Aula 1 exercício
Giovanna Ortiz
 
Estudo de concepção de sistema de abastecimento de água
Estudo de concepção de sistema de abastecimento de águaEstudo de concepção de sistema de abastecimento de água
Estudo de concepção de sistema de abastecimento de água
luancaio_aguas
 
11aula escoamento
11aula escoamento11aula escoamento
11aula escoamento
Rafael M Salles
 
Hidrologia escoamento superficial
Hidrologia   escoamento superficialHidrologia   escoamento superficial
Hidrologia escoamento superficial
marciotecsoma
 
Drenagem urbana
Drenagem urbanaDrenagem urbana
1Aula 4 - Consumo de agua.pdf
1Aula 4 - Consumo de agua.pdf1Aula 4 - Consumo de agua.pdf
1Aula 4 - Consumo de agua.pdf
Tanndara1
 
Exercícios dimensionamento de floculadores
Exercícios dimensionamento de floculadoresExercícios dimensionamento de floculadores
Exercícios dimensionamento de floculadores
Giovanna Ortiz
 
Apresentação vertedores
Apresentação vertedoresApresentação vertedores
Apresentação vertedores
Nircele Leal
 
Aula 7a dimensionamento lagoa anaeróbia
Aula 7a dimensionamento lagoa anaeróbiaAula 7a dimensionamento lagoa anaeróbia
Aula 7a dimensionamento lagoa anaeróbia
Giovanna Ortiz
 
Propagação de Cheias
Propagação de CheiasPropagação de Cheias
Propagação de Cheias
Hidrologia UFC
 
Aula 2 exercício od tratamento de águas residuárias
Aula 2   exercício od tratamento de águas residuáriasAula 2   exercício od tratamento de águas residuárias
Aula 2 exercício od tratamento de águas residuárias
Giovanna Ortiz
 
Trabalho de Sistema de Abastecimento de Água
Trabalho de Sistema de Abastecimento de ÁguaTrabalho de Sistema de Abastecimento de Água
Trabalho de Sistema de Abastecimento de Água
Gabriela Almeida
 
Mecânicas dos Solos (exercícios)
Mecânicas dos Solos (exercícios)Mecânicas dos Solos (exercícios)
Mecânicas dos Solos (exercícios)
Danilo Max
 

Mais procurados (20)

Nbr 12216 92 projeto de estação de tratamento de água para
Nbr 12216 92   projeto de estação de tratamento de água paraNbr 12216 92   projeto de estação de tratamento de água para
Nbr 12216 92 projeto de estação de tratamento de água para
 
Aula 8 drenagem urbana
Aula 8 drenagem urbanaAula 8 drenagem urbana
Aula 8 drenagem urbana
 
Abordagem da bacia hidrográfica pela Geografia
Abordagem da bacia hidrográfica pela GeografiaAbordagem da bacia hidrográfica pela Geografia
Abordagem da bacia hidrográfica pela Geografia
 
Barragens e Reservatórios
Barragens e Reservatórios Barragens e Reservatórios
Barragens e Reservatórios
 
Hidráulica de Canais
Hidráulica de CanaisHidráulica de Canais
Hidráulica de Canais
 
Exercicios resolvidos -_hidraulica_basic
Exercicios resolvidos -_hidraulica_basicExercicios resolvidos -_hidraulica_basic
Exercicios resolvidos -_hidraulica_basic
 
Definição..
Definição..Definição..
Definição..
 
Aula 1 exercício
Aula 1   exercícioAula 1   exercício
Aula 1 exercício
 
Estudo de concepção de sistema de abastecimento de água
Estudo de concepção de sistema de abastecimento de águaEstudo de concepção de sistema de abastecimento de água
Estudo de concepção de sistema de abastecimento de água
 
11aula escoamento
11aula escoamento11aula escoamento
11aula escoamento
 
Hidrologia escoamento superficial
Hidrologia   escoamento superficialHidrologia   escoamento superficial
Hidrologia escoamento superficial
 
Drenagem urbana
Drenagem urbanaDrenagem urbana
Drenagem urbana
 
1Aula 4 - Consumo de agua.pdf
1Aula 4 - Consumo de agua.pdf1Aula 4 - Consumo de agua.pdf
1Aula 4 - Consumo de agua.pdf
 
Exercícios dimensionamento de floculadores
Exercícios dimensionamento de floculadoresExercícios dimensionamento de floculadores
Exercícios dimensionamento de floculadores
 
Apresentação vertedores
Apresentação vertedoresApresentação vertedores
Apresentação vertedores
 
Aula 7a dimensionamento lagoa anaeróbia
Aula 7a dimensionamento lagoa anaeróbiaAula 7a dimensionamento lagoa anaeróbia
Aula 7a dimensionamento lagoa anaeróbia
 
Propagação de Cheias
Propagação de CheiasPropagação de Cheias
Propagação de Cheias
 
Aula 2 exercício od tratamento de águas residuárias
Aula 2   exercício od tratamento de águas residuáriasAula 2   exercício od tratamento de águas residuárias
Aula 2 exercício od tratamento de águas residuárias
 
Trabalho de Sistema de Abastecimento de Água
Trabalho de Sistema de Abastecimento de ÁguaTrabalho de Sistema de Abastecimento de Água
Trabalho de Sistema de Abastecimento de Água
 
Mecânicas dos Solos (exercícios)
Mecânicas dos Solos (exercícios)Mecânicas dos Solos (exercícios)
Mecânicas dos Solos (exercícios)
 

Destaque

Presen. arte y geometría
Presen. arte y geometríaPresen. arte y geometría
Presen. arte y geometría
Juan Luis Tirado Morueta
 
Una perspectiva de la geometría
Una perspectiva de la geometríaUna perspectiva de la geometría
Una perspectiva de la geometría
Juan Pablo Rodríguez
 
Gestión de twitter
Gestión de twitterGestión de twitter
Gestión de twitter
Maria Colmenarez
 
ISU Davis Field Presentation - FINAL
ISU Davis Field Presentation - FINALISU Davis Field Presentation - FINAL
ISU Davis Field Presentation - FINAL
Jamal Nelson, CCM
 
Retusz i regeneracja zdjęć
Retusz i regeneracja zdjęćRetusz i regeneracja zdjęć
Retusz i regeneracja zdjęć
Natalia Paszek
 
Aprendizaje Ubicuo
Aprendizaje UbicuoAprendizaje Ubicuo
Aprendizaje Ubicuo
Johana Escobar Alfonzo
 
M2 defectos cristalinos
M2 defectos cristalinosM2 defectos cristalinos
M2 defectos cristalinos
Universidad Veracruzana
 
Triángulo de potencias y diferentes tipos de potencias
Triángulo de potencias  y diferentes tipos de potenciasTriángulo de potencias  y diferentes tipos de potencias
Triángulo de potencias y diferentes tipos de potencias
jesus francisco perez sequeda
 
Cinco x cinco embaldosamos
Cinco x cinco embaldosamos Cinco x cinco embaldosamos
Cinco x cinco embaldosamos
CEDEC
 
Aula de Geometria
Aula de GeometriaAula de Geometria
Aula de Geometria
O Blog do Pedagogo
 
Geometria
GeometriaGeometria
Geometria
davidjpereira
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
Sara Medeiros
 
Tabla de registro de los roles y funciones de un equipo
Tabla de registro de los roles y funciones de un equipoTabla de registro de los roles y funciones de un equipo
Tabla de registro de los roles y funciones de un equipo
CEDEC
 
Comunicación digital
Comunicación digitalComunicación digital
Comunicación digital
camilomenesesi
 

Destaque (14)

Presen. arte y geometría
Presen. arte y geometríaPresen. arte y geometría
Presen. arte y geometría
 
Una perspectiva de la geometría
Una perspectiva de la geometríaUna perspectiva de la geometría
Una perspectiva de la geometría
 
Gestión de twitter
Gestión de twitterGestión de twitter
Gestión de twitter
 
ISU Davis Field Presentation - FINAL
ISU Davis Field Presentation - FINALISU Davis Field Presentation - FINAL
ISU Davis Field Presentation - FINAL
 
Retusz i regeneracja zdjęć
Retusz i regeneracja zdjęćRetusz i regeneracja zdjęć
Retusz i regeneracja zdjęć
 
Aprendizaje Ubicuo
Aprendizaje UbicuoAprendizaje Ubicuo
Aprendizaje Ubicuo
 
M2 defectos cristalinos
M2 defectos cristalinosM2 defectos cristalinos
M2 defectos cristalinos
 
Triángulo de potencias y diferentes tipos de potencias
Triángulo de potencias  y diferentes tipos de potenciasTriángulo de potencias  y diferentes tipos de potencias
Triángulo de potencias y diferentes tipos de potencias
 
Cinco x cinco embaldosamos
Cinco x cinco embaldosamos Cinco x cinco embaldosamos
Cinco x cinco embaldosamos
 
Aula de Geometria
Aula de GeometriaAula de Geometria
Aula de Geometria
 
Geometria
GeometriaGeometria
Geometria
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
Tabla de registro de los roles y funciones de un equipo
Tabla de registro de los roles y funciones de un equipoTabla de registro de los roles y funciones de un equipo
Tabla de registro de los roles y funciones de un equipo
 
Comunicación digital
Comunicación digitalComunicación digital
Comunicación digital
 

Semelhante a Prova 3 - Recursos Hídricos (COPEL)

Aula método racional
Aula método racionalAula método racional
Aula método racional
Cristhiane Okawa
 
Prova 2 - Recursos Hídricos
Prova 2 - Recursos HídricosProva 2 - Recursos Hídricos
Prova 2 - Recursos Hídricos
Danilo Max
 
Capitulo 02 método racional
Capitulo 02  método racionalCapitulo 02  método racional
Capitulo 02 método racional
Mauricio F. Oliveira
 
Precipitação
PrecipitaçãoPrecipitação
Precipitação
Vilobaldo Arquivila
 
Cap13 Hidrometria
Cap13 HidrometriaCap13 Hidrometria
Cap13 Hidrometria
Grazi Ruas
 
Aula estudos basicos-drenagem-parte1-s (1)
Aula estudos basicos-drenagem-parte1-s (1)Aula estudos basicos-drenagem-parte1-s (1)
Aula estudos basicos-drenagem-parte1-s (1)
Lucas Couto de Oliveira
 
Hidrologia 7
Hidrologia 7Hidrologia 7
Hidrologia 7
lipemodesto
 
Hidrologia 4
Hidrologia 4Hidrologia 4
Hidrologia 4
lipemodesto
 
Introdução a Drenagem de Pluviais
Introdução a Drenagem de PluviaisIntrodução a Drenagem de Pluviais
Introdução a Drenagem de Pluviais
leosoares
 
420 12 nocoes-de_drenagem
420 12 nocoes-de_drenagem420 12 nocoes-de_drenagem
420 12 nocoes-de_drenagem
Ricardo Duarte
 
Estimar preci bacias
Estimar preci baciasEstimar preci bacias
Estimar preci bacias
Fernanda Albuquerque Lima
 
3 lista de exercicios mod iv e v (1)
3 lista de exercicios mod iv e v (1)3 lista de exercicios mod iv e v (1)
3 lista de exercicios mod iv e v (1)
Laryssa Maia
 
Soluções em drenagem de campo de futebol
Soluções em drenagem de campo de futebolSoluções em drenagem de campo de futebol
Soluções em drenagem de campo de futebol
mjmcreatore
 
Soluções em drenagem de campo de futebol
Soluções em drenagem de campo de futebolSoluções em drenagem de campo de futebol
Soluções em drenagem de campo de futebol
mjmcreatore
 
Exercicios
ExerciciosExercicios
Exercicios
Hara Silvério
 
Pap020939
Pap020939Pap020939
Drenagem superficial
Drenagem superficialDrenagem superficial
Drenagem superficial
Matheus Dias
 
Riscos de Inundação em Sistemas de Drenagem Urbana e Gestão de Recursos Hídricos
Riscos de Inundação em Sistemas de Drenagem Urbana e Gestão de Recursos HídricosRiscos de Inundação em Sistemas de Drenagem Urbana e Gestão de Recursos Hídricos
Riscos de Inundação em Sistemas de Drenagem Urbana e Gestão de Recursos Hídricos
Paulo Rodrigues
 
Drenagem superficial
Drenagem superficialDrenagem superficial
Drenagem superficial
Matheus Dias
 
Estudo tecnico preliminar de saneamento basico no municipio de arcoverde.pptx
Estudo tecnico preliminar de saneamento basico no municipio de arcoverde.pptxEstudo tecnico preliminar de saneamento basico no municipio de arcoverde.pptx
Estudo tecnico preliminar de saneamento basico no municipio de arcoverde.pptx
EVERALDOMACIELDEOLIV
 

Semelhante a Prova 3 - Recursos Hídricos (COPEL) (20)

Aula método racional
Aula método racionalAula método racional
Aula método racional
 
Prova 2 - Recursos Hídricos
Prova 2 - Recursos HídricosProva 2 - Recursos Hídricos
Prova 2 - Recursos Hídricos
 
Capitulo 02 método racional
Capitulo 02  método racionalCapitulo 02  método racional
Capitulo 02 método racional
 
Precipitação
PrecipitaçãoPrecipitação
Precipitação
 
Cap13 Hidrometria
Cap13 HidrometriaCap13 Hidrometria
Cap13 Hidrometria
 
Aula estudos basicos-drenagem-parte1-s (1)
Aula estudos basicos-drenagem-parte1-s (1)Aula estudos basicos-drenagem-parte1-s (1)
Aula estudos basicos-drenagem-parte1-s (1)
 
Hidrologia 7
Hidrologia 7Hidrologia 7
Hidrologia 7
 
Hidrologia 4
Hidrologia 4Hidrologia 4
Hidrologia 4
 
Introdução a Drenagem de Pluviais
Introdução a Drenagem de PluviaisIntrodução a Drenagem de Pluviais
Introdução a Drenagem de Pluviais
 
420 12 nocoes-de_drenagem
420 12 nocoes-de_drenagem420 12 nocoes-de_drenagem
420 12 nocoes-de_drenagem
 
Estimar preci bacias
Estimar preci baciasEstimar preci bacias
Estimar preci bacias
 
3 lista de exercicios mod iv e v (1)
3 lista de exercicios mod iv e v (1)3 lista de exercicios mod iv e v (1)
3 lista de exercicios mod iv e v (1)
 
Soluções em drenagem de campo de futebol
Soluções em drenagem de campo de futebolSoluções em drenagem de campo de futebol
Soluções em drenagem de campo de futebol
 
Soluções em drenagem de campo de futebol
Soluções em drenagem de campo de futebolSoluções em drenagem de campo de futebol
Soluções em drenagem de campo de futebol
 
Exercicios
ExerciciosExercicios
Exercicios
 
Pap020939
Pap020939Pap020939
Pap020939
 
Drenagem superficial
Drenagem superficialDrenagem superficial
Drenagem superficial
 
Riscos de Inundação em Sistemas de Drenagem Urbana e Gestão de Recursos Hídricos
Riscos de Inundação em Sistemas de Drenagem Urbana e Gestão de Recursos HídricosRiscos de Inundação em Sistemas de Drenagem Urbana e Gestão de Recursos Hídricos
Riscos de Inundação em Sistemas de Drenagem Urbana e Gestão de Recursos Hídricos
 
Drenagem superficial
Drenagem superficialDrenagem superficial
Drenagem superficial
 
Estudo tecnico preliminar de saneamento basico no municipio de arcoverde.pptx
Estudo tecnico preliminar de saneamento basico no municipio de arcoverde.pptxEstudo tecnico preliminar de saneamento basico no municipio de arcoverde.pptx
Estudo tecnico preliminar de saneamento basico no municipio de arcoverde.pptx
 

Mais de Danilo Max

Prova 4 - Recursos Hídricos
Prova 4 - Recursos HídricosProva 4 - Recursos Hídricos
Prova 4 - Recursos Hídricos
Danilo Max
 
Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito Alterado)
Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito Alterado)Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito Alterado)
Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito Alterado)
Danilo Max
 
Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito)
Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito)Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito)
Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito)
Danilo Max
 
Prova 1 - Recursos Hídricos
Prova 1 - Recursos HídricosProva 1 - Recursos Hídricos
Prova 1 - Recursos Hídricos
Danilo Max
 
Links para Questões de Recursos Hídricos
Links para Questões de Recursos HídricosLinks para Questões de Recursos Hídricos
Links para Questões de Recursos Hídricos
Danilo Max
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Anexo A: Cartas Planialtimé...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Anexo A: Cartas Planialtimé...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Anexo A: Cartas Planialtimé...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Anexo A: Cartas Planialtimé...
Danilo Max
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 12: Regularização ...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 12: Regularização ...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 12: Regularização ...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 12: Regularização ...
Danilo Max
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 11: Propagação de ...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 11: Propagação de ...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 11: Propagação de ...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 11: Propagação de ...
Danilo Max
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 10: Controle de En...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 10: Controle de En...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 10: Controle de En...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 10: Controle de En...
Danilo Max
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 9: Previsão de Enc...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 9: Previsão de Enc...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 9: Previsão de Enc...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 9: Previsão de Enc...
Danilo Max
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 8: Escoamento Supe...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 8: Escoamento Supe...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 8: Escoamento Supe...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 8: Escoamento Supe...
Danilo Max
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 7: Evaporação e Ev...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 7: Evaporação e Ev...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 7: Evaporação e Ev...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 7: Evaporação e Ev...
Danilo Max
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 6: Infiltração
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 6: InfiltraçãoApostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 6: Infiltração
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 6: Infiltração
Danilo Max
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 5: Precipitação
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 5: PrecipitaçãoApostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 5: Precipitação
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 5: Precipitação
Danilo Max
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 4: Aspectos Climát...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 4: Aspectos Climát...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 4: Aspectos Climát...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 4: Aspectos Climát...
Danilo Max
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 3: Elementos de Hi...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 3: Elementos de Hi...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 3: Elementos de Hi...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 3: Elementos de Hi...
Danilo Max
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 2: Definições
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 2: Definições Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 2: Definições
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 2: Definições
Danilo Max
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 1: Hidrologia Apli...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 1: Hidrologia Apli...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 1: Hidrologia Apli...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 1: Hidrologia Apli...
Danilo Max
 
Medidas de Vazão Através de Vertedores
Medidas de Vazão Através de VertedoresMedidas de Vazão Através de Vertedores
Medidas de Vazão Através de Vertedores
Danilo Max
 
Obras Hidráulicas, Hidrologia e Canais
Obras Hidráulicas, Hidrologia e CanaisObras Hidráulicas, Hidrologia e Canais
Obras Hidráulicas, Hidrologia e Canais
Danilo Max
 

Mais de Danilo Max (20)

Prova 4 - Recursos Hídricos
Prova 4 - Recursos HídricosProva 4 - Recursos Hídricos
Prova 4 - Recursos Hídricos
 
Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito Alterado)
Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito Alterado)Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito Alterado)
Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito Alterado)
 
Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito)
Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito)Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito)
Prova 2 - Recursos Hídricos (Gabarito)
 
Prova 1 - Recursos Hídricos
Prova 1 - Recursos HídricosProva 1 - Recursos Hídricos
Prova 1 - Recursos Hídricos
 
Links para Questões de Recursos Hídricos
Links para Questões de Recursos HídricosLinks para Questões de Recursos Hídricos
Links para Questões de Recursos Hídricos
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Anexo A: Cartas Planialtimé...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Anexo A: Cartas Planialtimé...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Anexo A: Cartas Planialtimé...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Anexo A: Cartas Planialtimé...
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 12: Regularização ...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 12: Regularização ...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 12: Regularização ...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 12: Regularização ...
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 11: Propagação de ...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 11: Propagação de ...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 11: Propagação de ...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 11: Propagação de ...
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 10: Controle de En...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 10: Controle de En...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 10: Controle de En...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 10: Controle de En...
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 9: Previsão de Enc...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 9: Previsão de Enc...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 9: Previsão de Enc...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 9: Previsão de Enc...
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 8: Escoamento Supe...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 8: Escoamento Supe...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 8: Escoamento Supe...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 8: Escoamento Supe...
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 7: Evaporação e Ev...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 7: Evaporação e Ev...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 7: Evaporação e Ev...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 7: Evaporação e Ev...
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 6: Infiltração
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 6: InfiltraçãoApostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 6: Infiltração
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 6: Infiltração
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 5: Precipitação
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 5: PrecipitaçãoApostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 5: Precipitação
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 5: Precipitação
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 4: Aspectos Climát...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 4: Aspectos Climát...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 4: Aspectos Climát...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 4: Aspectos Climát...
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 3: Elementos de Hi...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 3: Elementos de Hi...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 3: Elementos de Hi...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 3: Elementos de Hi...
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 2: Definições
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 2: Definições Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 2: Definições
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 2: Definições
 
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 1: Hidrologia Apli...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 1: Hidrologia Apli...Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 1: Hidrologia Apli...
Apostila de Hidrologia (Profa. Ticiana Studart) - Capítulo 1: Hidrologia Apli...
 
Medidas de Vazão Através de Vertedores
Medidas de Vazão Através de VertedoresMedidas de Vazão Através de Vertedores
Medidas de Vazão Através de Vertedores
 
Obras Hidráulicas, Hidrologia e Canais
Obras Hidráulicas, Hidrologia e CanaisObras Hidráulicas, Hidrologia e Canais
Obras Hidráulicas, Hidrologia e Canais
 

Último

AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
Consultoria Acadêmica
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
RodrigoQuintilianode1
 
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de PosicionamentoIntrodução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
GeraldoGouveia2
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
bentosst
 
AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024
AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024
AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptxWorkshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
marcosmpereira
 
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificaçãoEstruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
caduelaia
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Sandro Marques Solidario
 
Análise preliminar motorista-APR-motorista.doc
Análise preliminar motorista-APR-motorista.docAnálise preliminar motorista-APR-motorista.doc
Análise preliminar motorista-APR-motorista.doc
cristiano docarmo
 
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
Consultoria Acadêmica
 

Último (11)

AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL INDÚSTRIA E TRANSFORMAÇÃO DIGITAL ...
 
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdfDimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
Dimensionamento de eixo. estudo de caso.pdf
 
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de PosicionamentoIntrodução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
Introdução ao GNSS Sistema Global de Posicionamento
 
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docxSFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
SFE SSO PROC 03 Bloqueio e sinalização de energias perigosas 1(Comentado).docx
 
AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024
AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024
AE03 - SISTEMAS DISTRIBUIDOS E REDES UNICESUMAR 52/2024
 
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptxWorkshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
Workshop Gerdau 2023 - Soluções em Aço - Resumo.pptx
 
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificaçãoEstruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
 
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitosApostila SAP.PM para PCM, para indústria e  depósitos
Apostila SAP.PM para PCM, para indústria e depósitos
 
Análise preliminar motorista-APR-motorista.doc
Análise preliminar motorista-APR-motorista.docAnálise preliminar motorista-APR-motorista.doc
Análise preliminar motorista-APR-motorista.doc
 
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
AE03 - MATERIAIS DA CONSTRUÇÃO MECÂNICA UNICESUMAR 52/2024
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE UNIC...
 

Prova 3 - Recursos Hídricos (COPEL)

  • 1. Pontifícia Universidade Católica do Paraná Concurso Público da Companhia Paranaense de Energia - COPEL 24 de Janeiro de 2010 CARGO Nº 35 ENGENHEIRO CIVIL PLENO Atuação: Engenharia de Recursos Hídricos INFORMAÇÕES / INSTRUÇÕES: 1. Verifique se a prova está completa: questões de números 1 a 40 e 1 redação. 2. A compreensão e a interpretação das questões constituem parte integrante da prova, razão pela qual os fiscais não poderão interferir. 3. Preenchimento do Cartão-Resposta: - Preencher para cada questão apenas uma resposta - Preencher totalmente o espaço correspondente, conforme o modelo: - Usar caneta esferográfica, escrita normal, tinta azul ou preta - Para qualquer outra forma de preenchimento, a leitora anulará a questão O CARTÃO-RESPOSTA É PERSONALIZADO. NÃO PODE SER SUBSTITUÍDO, NEM CONTER RASURAS. Duração total da prova: 4 horas e 30 minutos - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - Anote o seu gabarito. N.º DO CARTÃO NOME (LETRA DE FORMA) ASSINATURA 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. 31. 32. 33. 34. 35. 11. 12. 13. 14. 15. 16. 17. 18. 19. 20. 21. 22. 23. 24. 25. 26. 27. 28. 29. 30. 36. 37. 38. 39. 40.
  • 2. Pontifícia Universidade Católica do Paraná – Concurso Público COPEL/2010 Pág. 1
  • 3. Pontifícia Universidade Católica do Paraná – Concurso Público COPEL/2010 Pág. 2 CCOONNHHEECCIIMMEENNTTOOSS EESSPPEECCÍÍFFIICCOOSS 1. Em relação às sentenças a seguir é possível afirmar que: I. A representação adequada do comportamento de um processo hidrológico ou de um sistema por um modelo com o menor número possível de parâmetros é entendida como princípio da parcimônia. II. O risco de ocorrência de uma determinada variável aleatória é a chance, aceita pelo projetista, de que a variável seja maior que um determinado valor. III. A incerteza de uma amostra pode decorre da representatividade da amostra ou dos erros de coleta e processamento dos dados de variável aleatória. A) Todas são corretas. B) Apenas I é correta. C) Apenas II é correta. D) Todas são incorretas. E) I e II são corretas. 2. A bacia hidrográfica do rio A recebe precipitações médias anuais de 2.000 mm. Sabe-se que a vazão medida do rio após período de 18 anos é de 45 m 3 /s. Considerando a área de bacia de 2.000 km 2 , é possível afirmar que: A) A evapotranspiração média anual e o coeficiente de escoamento de longo prazo da bacia são de aproximadamente 1.900 mm/ano e 0,70, respectivamente. B) A evapotranspiração média anual e o coeficiente de escoamento de longo prazo da bacia são de aproximadamente 1290 mm/ano e 0,35, respectivamente. C) A evapotranspiração média anual e o coeficiente de escoamento de longo prazo da bacia são de aproximadamente 1.290 mm/ano e 0,70, respectivamente. D) A evapotranspiração média anual da bacia é de aproximadamente 130 mm/ano. E) O coeficiente de escoamento de longo prazo da bacia é de 0,1. 3. Para modelagem e previsão de vazões de cheia em tempo real, é possível afirmar que: I. Previsões em curto prazo, com base exclusivamente em postos fluviométricos de montante da secção de interesse, dispensam características do rio ou da área controlada. II. Previsões de enchentes podem ser realizadas com base na previsão de precipitação com auxílio de sistemas de sensoriamento remoto. III. É possível utilizar modelos compostos que consistem em modelos precipitação-vazão associados aos dados de vazões de montante da secção controlada. A) Apenas I é correta. B) Todas são corretas. C) II e III são corretas. D) Todas são incorretas. E) I e II são corretas. 4. Em relação às medidas de controle de inundações, é possível afirmar que: I. Diques, cortes de meandros e reservatórios de cheias são medidas estruturais de controle de inundações. II. Medidas estruturais de controle de inundações são intervenções de engenharia implantadas exclusivamente na calha do rio, na secção de extravasamento. III. Medidas estruturais intensivas agem diretamente, acelerando ou retardando o escoamento. IV. A manutenção de baixos coeficientes de infiltração na bacia é uma medida não estrutural para controle de inundações, baseada no uso do solo e da cobertura vegetal. A) I, II e IV são corretas. B) I e III são corretas. C) II e IV são corretas. D) Todas são corretas. E) II e III são corretas. 5. Em relação à curva de permanência de vazões abaixo representada, determine a energia assegurada para uma altura de queda de 100 metros e eficiência total de conversão de energia de 70%. 1 10 100 1000 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 Probabilidade (%) Vazao(m 3 /s)
  • 4. Pontifícia Universidade Católica do Paraná – Concurso Público COPEL/2010 Pág. 3 A) 2,1 GW B) 1,4 MW C) 210 MW D) 2,1 MW E) 140 MW 6. A tabela a seguir apresenta as vazões máximas de um rio registradas em nove anos, de 1975 a 1984, em ordem decrescente de vazões. Com base nos valores registrados, determine a vazão máxima para um tempo de recorrência de cinco anos. Ano Probabilidade (%) Vazão Máxima (m 3 /s) 1980 10 250,9 1976 20 225,3 1978 30 220,2 1981 40 205,0 1982 50 175,3 1979 60 145,6 1977 70 130,7 1983 80 120,2 1975 85 55,0 1984 95 45,9 A) 120,2 m 3 /s B) 120,0 m 3 /s C) 250,9 m 3 /s D) 45,9 m 3 /s E) 225,3 m 3 /s 7. Uma bacia recebe chuvas anuais com distribuição normal. A análise de 30 anos de chuva revelou que a precipitação média anual é de 2.300 mm e que o desvio padrão é de 350 mm. Com base nos dados supracitados, é possível afirmar que: A) É de 95% a chance de um ano qualquer apresentar precipitações inferiores a 3.000 mm e superiores a 1.600 mm. B) É de 90% a chance de um ano qualquer apresentar precipitações inferiores a 2.300 mm. C) Em 100 anos haverá 5 anos de precipitação superior a 2.300 mm. D) Em 10 anos haverá 5 anos de precipitação superior a 2.300 mm. E) Chuvas inferiores a 2.300 mm ocorrem a cada 10 anos. 8. Alguns princípios da pluviometria são apresentados a seguir: I. A boca do pluviômetro deve ficar na horizontal; na prática pode-se estimar o erro produzido por cada grau de inclinação do pluviômetro sobre a horizontal, desde que não exceda 10º. Esse erro é positivo quando a inclinação do plano de abertura está dirigida para o vento e negativo caso contrário. II. A ação do vento é uma das causas de erros na medição de precipitações. O aumento da velocidade do ar e a formação de turbilhões na vizinhança imediata do aparelho têm por consequência um desvio local das partículas de chuva, o que ocasiona um erro por defeito na altura das precipitações medidas. III. O erro de medição nos pluviômetros é diretamente proporcional à velocidade do vento. IV. Pode-se sugerir que a altura de precipitação medida é maior quanto maior for a área de recepção do pluviômetro. Com relação às afirmações acima, pode-se concluir que: A) Apenas I e II são corretas. B) Apenas I e III são corretas. C) Apenas II é correta. D) Todas são corretas. E) Apenas IV é incorreta. 9. Observe as sentenças a seguir e assinale a alternativa CORRETA: I. Chuvas frontais apresentam elevado tempo de duração e intensidade pluviométrica. Produzem problemas de inundação em pequenas bacias hidrográficas. II. Chuvas convectivas apresentam elevado tempo de duração e intensidade pluviométrica. São formadas geralmente nos oceanos e produzem problemas de inundação em microbacias. III. Chuvas convectivas apresentam baixo tempo de duração e elevada intensidade pluviométrica. Podem causar problemas de inundações em microbacias, geralmente em áreas urbanas. IV. Chuvas orográficas são formadas nos oceanos e apresentam, geralmente, alta intensidade pluviométrica e elevado tempo de duração. Sua formação tem relação direta com a topografia. A) I, II e IV são falsas. B) Apenas I é verdadeira. C) Apenas I e II são verdadeiras. D) Apenas II é verdadeira. E) Todas são falsas. 10. Determine a precipitação efetiva para uma precipitação de 5,0 mm utilizando o método do Soil Conservation Service para uma bacia com capacidade de retenção no solo (S) de 50 mm, equivalente a solos arenosos profundos, e com umidade antecedente em ponto de murcha.
  • 5. Pontifícia Universidade Católica do Paraná – Concurso Público COPEL/2010 Pág. 4 A equação é dada por , em que Pe é a precipitação efetiva, em mm, e P é a precipitação acumulada, em mm. A) 0,55 mm B) 5,5 mm C) 55 mm D) Não há escoamento superficial. E) A precipitação efetiva é igual à precipitação total. 11. Observe as assertivas e assinale a alternativa CORRETA: I. A precipitação média sobre uma bacia hidrográfica pode ser obtida por meio da média aritmética entre as precipitações das estações relevantes. II. Isoietas são curvas de mesma precipitação para um determinado período ou evento pré- estabelecido. III. A estimativa adequada da precipitação média de uma região baseia-se na escolha das estações pluviométricas com base no critério das distâncias entre elas, independente das variáveis topográfica e climática. IV. Em áreas onde a orografia é fator relevante para a ocorrência da precipitação, o método de Thiessen pode apresentar erros de precipitação média na região. A) Apenas III é falsa. B) Apenas I é verdadeira. C) Apenas I e II são verdadeiras. D) I, II e III são verdadeiras. E) Todas são verdadeiras. 12. Com relação às sentenças a seguir é possível afirmar que: I. Secções de rios mais estáveis apresentam maior confiabilidade na medição de vazões. II. Estrangulações da calha do rio, da jusante, da secção de controle ou da medição de vazão são irrelevantes para a verificação de dados fluviométricos. III. Bacias com baixos tempos de concentração podem apresentar mais erros de registros fluviométricos. IV. A curva de descarga de um rio pode variar ao longo do tempo devido à erosão da calha do rio na secção de medição. A) Todas são corretas. B) Apenas I e II são corretas. C) Todas são incorretas. D) Apenas II e III são corretas. E) I, III e IV são corretas. 13. Dispõe-se de uma longa e confiável série de dados anuais pluviométricos e fluviométricos de uma bacia hidrográfica. Através do balanço hídrico na bacia em questão, é possível: A) Estimar a evapotranspiração real anual média da bacia. B) Fazer prognóstico das vazões para períodos não muito distantes do período registrado. C) Fazer prognóstico das precipitações para períodos não muito distantes do período registrado. D) Estimar a evapotranspiração potencial anual média da bacia. E) Estimar o coeficiente deflúvio médio da bacia hidrográfica no período de registro. 14. O hietograma mostrado a seguir representa a precipitação média mensal ao longo de ano de 2005 em uma área de drenagem de 10 ha. Pode-se afirmar que: A) A maior precipitação efetiva ocorreu no mês 2. B) A maior precipitação total ocorreu no mês 12. C) A precipitação média mensal em 2005 foi de 200 mm. D) O volume precipitado na bacia no mês 3 de 2005 foi de 12.10 3 m 3 . E) Nos meses 2 e 11 ocorreram as maiores precipitações efetivas. 15. O diagrama de dupla massa apresentado a seguir representa a precipitação acumulada do posto pluviométrico A em relação à média dos postos pluviométricos da região. Com base nos Diagramas 1 e 2 abaixo representados, pode-se afirmar que: 190 240 120 50 20 30 20 30 70 80 220 210 0 50 100 150 200 250 300 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 Meses H(mm) ( ) ( )SP SP Pe ×+ ×− = 8,0 2,0 2
  • 6. Pontifícia Universidade Católica do Paraná – Concurso Público COPEL/2010 Pág. 5 DIAGRAMA 1 DIAGRAMA 2 A) O posto A pode apresentar regime pluviométrico distinto dos outros postos, segundo o Diagrama 2. B) Os dados do Diagrama 2 podem ser utilizados para avaliações hidrológicas. C) Há inconsistência dos dados do posto A, segundo o Diagrama 1. D) Os erros do posto A são necessáriamente decorrentes de erros de transcrição, segundo Diagrama 2. E) O Diagrama 1 apresenta erros decorrentes de mudanças nas condições de observação. 16. Para uma bacia hidrográfica cujo tempo de concentração é de 40 minutos e área de 1,5 km 2 , estime a vazão de projeto adotando o método racional. Considere coeficiente de deflúvio de 0,50 e Tr de 10 anos. Utilize a equação de chuvas intensas da região: ( )10t Tr500 i + × = A) 20 L/s B) 20,8 m 3 /s C) 75 m 3 /s D) 75 L/s E) 12 m 3 /s 17. Isócronas, no entendimento hidrológico, representam: A) Linhas de mesmo tempo de concentração. B) Linhas de mesma vazão média. C) Linhas de mesmo tempo de duração da precipitação. D) Linhas de mesma intensidade pluviométrica. E) Linhas de mesma precipitação. 18. Qual é a vazão de saída de uma bacia completamente impermeável, com área de 7,2 km 2 , sob uma chuva constante de 20 mm.hora -1 com duração superior ao tempo de concentração? A) 72 m 3 /s B) 36 m 3 /s C) 34 m 3 /s D) 4,0 m 3 /s E) 40 m 3 /s 19. O hidrograma unitário baseia-se em alguns princípios. Marque abaixo a opção que NÃO representa um princípio CORRETO: A) O pico do hidrograma será sempre o mesmo, independente da precipitação efetiva. B) Para chuvas efetivas de intensidade constante e mesma duração, os tempos de escoamento superficial direto são iguais. C) Chuvas efetivas de mesma duração irão produzir em tempos correspondentes volumes de escoamento superficial proporcionais às ordenadas do hidrograma. D) A duração do escoamento superficial de uma determinada chuva efetiva independe de precipitações anteriores. E) O volume de escoamento superficial direto equivale a uma unidade. 20. Determine as coordenadas de um hidrograma unitário com base em duas precipitações efetivas de 10 e 15 mm/h, distanciadas em 60 minutos, e na série de vazões apresentada na tabela abaixo: Tempo (h) Precipitação Efetiva (mm) Vazão (mm/h) 1 10 2,0 2 15 9,0 3 - 11,0 4 - 3,0 A) 0,2; 0,2; 0,2 B) 0,2; 0,6; 0,2 C) 0,6; 0,2; 0,2 D) 0,6; 0,6; 0,6 E) 0,2; 0,2; 0,6 0 200 400 600 800 1000 1200 1400 0 200 400 600 800 1000 1200 Acumulados dos Postos da Regiao AcumuladodoPostoA 0 200 400 600 800 1000 1200 1400 0 200 400 600 800 1000 1200 Acumulados dos Postos da Regiao AcumuladodoPostoA
  • 7. Pontifícia Universidade Católica do Paraná – Concurso Público COPEL/2010 Pág. 6 21. São possíveis consequências da urbanização no ciclo hidrológico, EXCETO: A) Aumento do tempo de concentração na bacia. B) Redução de Q7, 10. C) Aumento das vazões máximas devido ao aumento da capacidade de escoamento através de condutos e canais e à impermeabilização das superfícies. D) Assoreamento de corpos de água. E) Redução do tempo de recorrência para vazões máximas. 22. São conceitos corretos, EXCETO: A) A chuva efetiva corresponde à parcela da precipitação que gera escoamento superficial. B) O polutograma representa a variação das vazões máximas ao longo do tempo. C) O hietograma representa a variação da precipitação em relação ao tempo. D) O tempo de pico é o intervalo de tempo entre o centro de massa da precipitação e o pico de vazões do hidrograma. E) O tempo de retardo corresponde ao intervalo de tempo entre o centro de massa da precipitação e o centro de massa do hidrograma. 23. A curva-chave de um rio é dada pela equação ( )b hhaQ 0−×= , em que Q e h representam vazão e altura da régua fluviométrica, em metros e segundos. Sabe-se que o nível mínimo de medição (h0) é de 10 cm e que os parâmetros a e b são respectivamente 3,5 e 2,0. Determine a vazão para uma altura de 40 cm da régua. A) 0,12 m 3 /s B) 12 m 3 /s C) 3.150 m 3 /s D) 3.150 L/s E) 140 L/s 24. A precipitação total anual em uma bacia é, em média, de 2.000 mm e a vazão média no exutório de 1,5 m 3 /s. A evaporação em espelhos de água em bacias próximas e de climas semelhantes é de 1.000 mm/ano. Se 10% da bacia hidrográfica for alagada, qual deverá ser a vazão média aproximada no exutório? A área da bacia é de 30 km 2 . A) 10 L/s B) 20 L/s C) 55 L/s D) 550 L/s E) 5 L/s 25. Em relação às características de aquíferos, é possível afirmar: A) Poços instalados em aquíferos confinados em zonas topográficas inferiores à linha piezométrica são considerados poços jorrantes. B) A superfície livre de um aquífero freático apresenta pressão superior à pressão atmosférica local. C) Aquíferos lenticulares apresentam grande disponibilidade de água e, na sua superfície, há pressão superior à atmosférica local. D) O nível piezométrico em um ponto de um aquífero artesiano é o mesmo do limite físico superior do aquífero. E) Aquitardes são aquíferos com grande disponibilidade de água e representam soluções interessantes para instalação de poços de extração de água. 26. Em relação ao escoamento em meios porosos, é CORRETO afirmar que: A) A condutividade hidráulica saturada de um meio poroso depende exclusivamente das características do meio poroso. B) A lei de Darcy é válida para escoamentos turbulentos em que as forças viscosas do fluido são irrelevantes em relação às forças inerciais. C) Valores de condutividade hidráulica saturada são superiores em solos argilosos em relação a solos arenosos. D) A velocidade de Darcy depende exclusivamente do gradiente hidráulico analisado. E) A velocidade de Darcy depende das características do fluido que escoa no meio poroso e das próprias características do meio poroso, como a porosidade total. 27. O modelo de Muskingun, elaborado em 1939 por McCarthy e aplicado ao rio Muskingun, é um modelo concentrado e pode ser expresso pela equação: em que I e Q são, respectivamente, as vazões de entrada e saída no trecho considerado; K é um parâmetro que representa o tempo médio de deslocamento da onda entre montante e jusante no trecho; X é um parâmetro que representa o peso da integração da vazão no espaço; e t é o tempo. Em relação ao modelo, pode-se AFIRMAR que: ( ) QI dt dI X dt dQ XK −=      +−1
  • 8. Pontifícia Universidade Católica do Paraná – Concurso Público COPEL/2010 Pág. 7 A) É concentrado espacialmente e pode ser aplicado em simulações de escoamento unidimensionais. B) É distribuído espacialmente e pode ser aplicado a escoamentos bidimensionais. C) É adequado para simulações com reservatórios em cascatas. D) É linear, desde que K e X sejam dependentes das vazões. E) É distribuído espacialmente. 28. É CORRETO afirmar em relação à resposta de uma bacia hidrográfica: A) Quanto menor o tempo de concentração, menor será a vazão de pico. B) O tempo de pico será inferior após a construção de um reservatório que antes à construção. C) Quanto menor o tempo de recorrência da precipitação, maior será a vazão correspondente. D) O tempo de pico e a vazão de pico dependem das características do solo e da cobertura vegetal. E) Quanto maior a declividade da bacia, menor é o volume de cheia e maior o tempo de pico. 29. A série histórica de vazões máximas anuais na secção transversal do rio A é apresentada a seguir. Determine o tempo de recorrência para uma cota superior ou igual a 8,0 metros. A curva-chave também é fornecida a seguir. A) 6 anos. B) 10 anos. C) 4 anos. D) 1 ano. E) 3 anos. 30. Em relação às sentenças a seguir, marque a alternativa INCORRETA: A) O ponto de saturação é a quantidade máxima de vapor de água que pode estar contido num volume de ar a uma dada temperatura. B) A pressão de saturação de vapor é a pressão parcial exercida pelo vapor de água quando o ar se encontra no ponto de saturação. C) A umidade relativa é a relação percentual entre as quantidade real de vapor de água presente e a quantidade necessária para a saturação do ar nestas mesmas condições de temperatura e pressão. D) A pressão de saturação de vapor é inversamente proporcional à temperatura do ar. E) Água precipitável ou precipitação potencial é a quantidade de chuva que resultaria se todo o vapor de água presente em uma coluna atmosférica fosse precipitado. 31. Em relação às características fisiográficas de bacias hidrográficas, é INCORRETO afirmar que: A) A declividade média da bacia tem relação importante com processos hidrológicos, como infiltração e escoamento superficial. B) O índice de compacidade representa a ordem de cada canal na bacia. C) A erosão e a pedologia local têm relação direta com a densidade de drenagem de uma bacia. D) O fator de forma pode explicar a tendência de inundação de uma bacia. E) Fatores de forma próximos a unidade indicam tendência da bacia à inundação. 32. Deseja-se implantar no rio A um reservatório para recreação e lazer da população. A área inundada será de aproximadamente 3 ha e a área de drenagem da bacia é de 4 km 2 . A área impermeável da bacia é equivalente a 25% da área total. Determine a vazão de projeto no vertedouro da barragem, sabendo que a intensidade pluviométrica para um tempo de recorrência de 50 anos é de 108 mm/h. A) 30 m 3 /s B) 22,5 m 3 /s C) 108 m 3 /s D) 30 L/s E) 120 m 3 /s Tempo (ano) Vazões (m 3 /s) 1990 5,0 1991 12,0 1992 4,3 1993 10,0 1994 5,0 1995 7,0 1996 6,0 1997 4,9 1998 10,0 1999 7,0 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 2 4 6 8 10 12 14 Vazao (m 3 /s) NíveldeÁgua(m)
  • 9. Pontifícia Universidade Católica do Paraná – Concurso Público COPEL/2010 Pág. 8 33. Uma ponte ferroviária foi construída com vão livre total de 4,0 m, considerando 0,3 m de bordo livre. Sabe-se que a vazão no canal para uma profundidade de 3,7 m é de 22 m 3 /s. A intensidade pluviométrica (I) da região em função do tempo de recorrência e para o tempo de concentração da bacia é apresentada a seguir. O coeficiente de deflúvio da bacia é de 0,40 e a área de drenagem de 2,0 km 2 . Com base nesses dados, assinale a alternativa CORRETA. A) Tr superior a 100 anos. B) Tr superior a 50 anos. C) Tr igual a 35 anos. D) Tr igual a 13 anos. E) Tr superior a 20 anos. 34. Sobre hidrogramas, aponte a alternativa INCORRETA. A) Um hidrograma unitário é a resposta da bacia a uma precipitação de volume unitário e duração t. B) O hidrograma de Snyder baseia-se em dados históricos de medição de vazão na secção de interesse. C) Hidrogramas unitários sintéticos são utilizados em bacias onde não há disponibilidade de dados históricos de vazão. D) A intensidade de precipitação é considerada constante na bacia para o hidrograma triangular do Soil Conservation Service. E) Características fisiográficas são essenciais na síntese de hidrogramas sintéticos. 35. A capacidade de infiltração no solo pode ser estimada com base no método da Curva Número do Soil Conservation Service. Em relação ao método, pode-se afirmar que: A) Baseia-se em três graus de umidade antecedente do solo: ponto de murcha, capacidade de campo e umidade de saturação. B) Baseia-se em grupos de solos hidrológicos, sendo que solos do grupo A produzem mais escoamento superficial e solos do grupo D apresentam maior taxa de infiltração. C) Solos do Grupo A são tipicamente profundos e apresentam, geralmente, valores elevados de porosidade total. D) Umidades antecedentes próximas ao ponto de murcha geram menor capacidade de infiltração no solo. E) A cobertura vegetal é irrelevante na estimativa da capacidade de infiltração. 36. Determine a vazão de pico do hidrograma triangular sintético do Soil Conservation Service para uma precipitação efetiva de 10 mm e duração de 1,0 hora. A área da bacia é de 1,0 km 2 e o tempo de ascensão do hidrograma é de 40 minutos. A razão entre o tempo de pico e o final do hidrograma e o pico e início do hidrograma é de 1,67. A) 31,2 L/s B) 520 L/s C) 5,2 L/s D) 13 L/s E) 3.120 L/s 37. Aponte a alternativa INCORRETA em relação à capacidade de reservatórios: A) O nível mínimo operacional corresponde à cota mínima para operação do reservatório. Limita o volume útil e o volume morto do reservatório. B) O volume útil corresponde ao volume compreendido entre os níveis de água mínimo e máximo operacional. C) O volume útil depende da demanda de água e é diretamente proporcional à demanda. D) O volume morto corresponde à parte inativa, como, por exemplo, a reservada para depósito de sedimentos. E) O nível de água denominado máximo maximorum corresponde ao nível máximo de sedimentos no reservatório. 38. Aponte a alternativa INCORRETA em relação à determinação de volumes de reservatórios com o uso do diagrama de Rippl. A) Desconsidera a sazonalidade das vazões. B) É um modelo determinístico baseado na série histórica de vazões do rio. C) Perdas por evaporação são desconsideradas e, portanto, esse modelo não deve ser utilizado em bacias no semiárido. D) Permite apenas uma regra de regularização. E) Não associa riscos a um determinado volume. Tr (ano) I (mm/h) 10 60 20 77 50 110 100 146
  • 10. Pontifícia Universidade Católica do Paraná – Concurso Público COPEL/2010 Pág. 9 39. Uma mesma precipitação que ocorreu em duas bacias hidrográficas de mesma área de drenagem resultou nos hidrogramas representados a seguir. Aponte a alternativa CORRETA que apresente possíveis causas da diferença de comportamento da vazão ao longo do tempo. A) A Bacia 1 pode apresentar declividade média superior à Bacia 2. B) Ocorrência de todos ou alguns elementos supracitados. C) A Bacia 2 pode apresentar de forma predominante solos hidrológicos do grupo A, com maior permeabilidade e profundidade do que a Bacia 1, com solos hidrológicos predominantemente do tipo B. D) A Bacia 2 pode apresentar maior área florestada e natural que a Bacia 1, que apresenta grandes manchas urbanas e áreas impermeáveis. E) A Bacia 1 pode apresentar formato mais semelhante à circunferência (coeficiente de Gravelius próximo à unidade) que a Bacia 2. 40. Uma usina hidrelétrica foi dimensionada para gerar energia com uma vazão igual a Q95, apresentada na curva de permanência a seguir. Sabe-se que o órgão ambiental requer uma vazão à jusante da usina não inferior a 3,0 m 3 /s. Quais as consequências na geração de energia, caso o critério ambiental seja respeitado? 1 10 100 1000 0 10 20 30 40 50 60 70 80 90 100 Probabilidade (%) Vazao(m 3 /s) A) A usina operará em 90% do tempo. B) A usina operará em 95% do tempo. C) A geração de energia será interrompida em pelo menos 90% do tempo. D) Não ocorrerão interrupções de operação. E) A usina operará em 80% do tempo. 0 3 6 9 12 15 18 0 2 4 6 8 10 Tempo (horas) Vazao(m3/s) Bacia 1 Bacia 2
  • 11. Pontifícia Universidade Católica do Paraná – Concurso Público COPEL/2010 Pág. 10 RREEDDAAÇÇÃÃOO Os fragmentos abaixo fazem parte da entrevista concedida ao jornal Valor Econômico (ed. 02/10/09) pelo economista Sérgio Besserman Viana, ex- presidente do IBGE (durante o governo Fernando Henrique Cardoso), que assina o capítulo “A sustentabilidade do Brasil” do livro Brasil pós-crise – Agenda para a Próxima Década , organizado pelos economistas Fabio Giambiagi e Octavio de Barros. Valor Econômico: Qual o risco, na economia, de um atraso do acordo climático mundial? O que acontece se não for assinado em Copenhague? Sérgio Besserman Vianna: O fracasso de uma negociação de acordo contra a mudança climática vai fazer com que os custos para combater o aquecimento global poucos anos à frente sejam muito mais elevados do que se iniciarmos hoje a transição. Ao mesmo tempo existirão também custos de fragmentação política e riscos de protecionismo. Valor: Está no livro: a superação das energias sujas tem o potencial de se constituir no próximo grande boom de inovações e isto pode ser um impulso para a saída da crise. A China parece estar perseguindo esta trilha, mas também não quer abrir mão do carvão. Como fica? Besserman: São cenários em aberto a depender do acordo global que pode acontecer agora em Copenhague ou não. Ali, depurando tudo, vamos estar precificando o custo de emitir gases-estufa. O tamanho da meta necessária para tentar atingir o objetivo fixado de não aquecer o planeta mais de 2 C sinaliza uma grande transição tecnológica, que diz respeito, num primeiro momento, à eficiência energética em geral, e um forte impulso às fontes renováveis de energia. Mas este é apenas o início. Porque em seguida vêm todas as mudanças decorrentes das alterações de preços relativos que tende a se acentuar porque as metas para 2050 são ainda mais radicais que as previstas para 2020. Vem uma grande transição pela frente, isto é certo, e quem acompanhar esta transição tecnológica vai se inserir competitivamente neste novo mundo. Quem não acompanhar, e se agarrar às formas do passado sem visualizar esta transição radical e profunda, corre o risco de ficar descompassado. Valor: Como fica o Brasil na descarbonização de sua economia? Besserman: É uma imensa oportunidade. Temos grandes vantagens comparativas neste mundo de baixo teor de carbono, como a nossa matriz energética, que já é mais limpa, ou políticas benéficas em si, como a redução do desmatamento da Amazônia. Temos que fazer modificações na logística, como no nosso setor de transportes. Estas vantagens comparativas podem se tornar vantagens competitivas. Valor: Os senhores dizem que o Brasil está fazendo “diversos equívocos” no campo da energia. Falam das políticas que subsidiam o uso do carvão e das térmicas a óleo, mas também mencionam as hidrelétricas. Como assim? Besserman: No caso das hidrelétricas é um não aproveitamen-to inteligente das possibilidades de integração com outras fontes renováveis, do potencial das pequenas hidrelétricas e de uma melhoria no padrão de gestão e transparência no caso das hidrelétricas maiores. No caso da energia em geral, é preciso ter claro que o futuro são as fontes renováveis e não emissoras de gases-estufa. O pré-sal é uma benção, uma riqueza, mas é o passado. Valor: O passado? Besserman: Sim, porque estamos nos preparando para o fim da civilização dos combustíveis fósseis. Valor: Como fica esta “benção”? Besserman: O uso inteligente do pré-sal é utilizar estes recursos para potencializar a transição para outra matriz energética, aproveitando as vantagens comparativas do Brasil em biomassa, solar, eólica, pequenas hidrelétricas. Sim, este é o futuro. Usar o recurso do pré-sal para ir a este futuro é maravilha. Mas apostar no mundo dos combustíveis fósseis e ficar estacionado nele seria um equívoco. Para mim, o risco é o país, em vez de mobilizar seus recursos para a transição tecnológica, acabar utilizando-os de forma a ficar ancorado no mundo do passado. Planejamento e política industrial mirando a transição tecnológica da matriz energética é muito importante. Neste novo mundo há riquezas equivalentes a muitos pré-sais. PROPOSTA DE REDAÇÃO Escreva uma carta, entre 15 e 20 linhas, para ser enviada à seção de cartas do jornal Valor Econômico, comentando (concordando e/ou discordando) as opiniões do economista Sérgio Besserman Viana. Considere que os leitores da sua carta NÃO leram (nem total nem parcialmente) a entrevista; portanto, você deve fazer referência a ela. (Sua Carta NÃO deve ser assinada.) SOBRE A REDAÇÃO 1. Estruture o texto da sua redação com um mínimo de 15 e um máximo de 20 linhas. 2. Faça o rascunho no espaço reservado. 3. Transcreva o texto do rascunho para a FOLHA DE REDAÇÃO que lhe foi entregue em separado. 4. Não há necessidade de colocar título. 5. Não coloque o seu nome, nem a sua assinatura na FOLHA DE REDAÇÃO, nem faça marcas nela. A FOLHA DE REDAÇÃO já se encontra devidamente identificada.
  • 12. Pontifícia Universidade Católica do Paraná – Concurso Público COPEL/2010 Pág. 11 RREEDDAAÇÇÃÃOO –– RRaassccuunnhhoo _____________________________________________________ _____________________________________________________ _____________________________________________________ _____________________________________________________ _____________________________________________________ _____________________________________________________ _____________________________________________________ _____________________________________________________ _____________________________________________________ _____________________________________________________ _____________________________________________________ _____________________________________________________ _____________________________________________________ _____________________________________________________ _____________________________________________________ _____________________________________________________ _____________________________________________________ _____________________________________________________ _____________________________________________________ _____________________________________________________ _____________________________________________________ _____________________________________________________ _____________________________________________________ _____________________________________________________ _____________________________________________________ _____________________________________________________ _____________________________________________________ _____________________________________________________ _____________________________________________________ _____________________________________________________ _____________________________________________________