A sexualidade na adolescência

38.585 visualizações

Publicada em

0 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
38.585
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
354
Comentários
0
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A sexualidade na adolescência

  1. 1. A Sexualidade na Adolescência Maria do Rosário Reino Pires Delegada de Saúde de Portalegre A Sexualidade na Adolescência é uma temática aliciante e complexa de abordar, mas de grande importância para estes grupos etários mais jovens. É fonte de problemas como a gravidez não desejada, as doenças sexualmente transmissíveis (como a Infecção por HIV e HPV) e suas consequências. Prioritariamente há que facultar aos jovens a oportunidade de pensar na sexualidade, no que significa actuar com integridade e informá-los abertamente sobre os diversos temas: O Desenvolvimento sexual, as Doenças Transmissíveis, Os Métodos de Contracepção, os Mitos Sexuais, a Violência no Namoro, entre muitos outros. É importante passar a mensagem que a sexualidade é mais do que a relação sexual física. É produto da biologia e das experiências de vida de cada um, que dão forma aos sentimentos e valores. Assim como um guião de uma peça diz ao actor, o quê, quando e como actuar, cada pessoa desenvolve o seu próprio guião sexual que expressa o quem, o quê, o quando, o onde, o porquê e o como da sexualidade. Este guião sexual é único e pode modificar-se ao longo da vida à medida que se adquirem novas experiências e se encontram novas ideias. Uma pessoa integra é olhada com respeito porque os seus actos têm três características – honestidade, sinceridade e ética. É importante pensar nestas três características e no seu significado e aplicá-los à sexualidade. A honestidade significa ser verdadeiro, fiel e leal. A sinceridade é ser genuíno ou autêntico, significa ser a mesma pessoa em qualquer local. Finalmente a ética diz respeito a um conjunto de princípios morais. Estes princípios morais, são padrão para ajuizar sobre se um determinado acto é bom ou mau, certo ou errado. Uma pessoa com integridade sexual interiorizou um conjunto de valores sobre a sexualidade que a orientam em relação às suas decisões e comportamentos. Actuar com integridade sexual requer informação correcta. É da responsabilidade do jovem querer estar informado. É da Sociedade a responsabilidade de informar e formar. A Educação Sexual deve estar integrada na Educação para a Saúde em geral e ter como objectivo a consciencialização de cada um acerca da sua própria saúde, levando-o a adquirir competências que o habilitem a uma progressiva auto responsabilização de modo a promover a saúde física, psicológica e social. Nas Escolas devem-se aproveitar os espaços de diálogo promovendo a discussão num trabalho conjunto de alunos, pais, professores e eventualmente outros profissionais. A Educação Sexual, ajuda os jovens a viverem a sua sexualidade com consciência e responsabilidade, levando-os a assumir uma contracepção eficaz. O Início da actividade sexual não significa que já se é “Homem” ou “Mulher”, mas esta deve ocorrer apenas e só quando se sentirem intimamente preparados e isso não deve depender da pressão do grupo ou do companheiro. O Saber dizer “NÃO” é sinal de grande maturidade e responsabilidade. A Adolescência é, a etapa da conquista da autonomia, da elaboração de projectos, da afirmação pessoal e social, na procura de uma independência que conduz à vida adulta. Constata-se uma progressiva autonomia afectiva em relação aos pais e um aproximar do grupo de pares. Há um desejo de estar com os amigos, de se sentirem aceites e inseridos. O grupo de pares passa agora a ser um espaço privilegiado de descoberta, de partilha de experiências e de segredos. Ao longo da Adolescência desenvolve-se a orientação sexual que só adquire a sua solidez na idade adulta. O ser-se jovem também é viver todos os sonhos e fantasias no momento, é criar laços e desfazer laços, é viver os amores e os desamores com todas as alegrias e tristezas que daí advêm.
  2. 2. Pela complexidade das mudanças e transformações biopsicosociais pelas quais passa, o adolescente torna-se vulnerável a riscos como a gravidez indesejada e as doenças transmissíveis sexualmente. A tendência para os jovens iniciarem a sua vida sexual mais cedo e não assumirem uma contracepção e uma prevenção eficaz contribui para o aumento desses riscos. Prevenir uma gravidez não desejada e/ou uma DTS, passa por assumir comportamentos e atitudes, com os quais os jovens devem estar profundamente familiarizados. Sexualidade na Adolescência A sexualidade no ser humano atravessa um longo desenvolvimento e tem início na adolescência. Cada pessoa tem seu desenvolvimento. No menino a puberdade se inicia com a primeira ejaculação ou polução e com as transformações que começam a ocorrer no corpo. Nas meninas, os seios começam a se desenvolver e diversas outras características físicas. O estirão – Nos meninos, ocorre entre 14 e 16 anos. Nas meninas entre 11 e 12 anos. É a fase que mais se cresce. Menarca – nome da primeira menstruação. O corpo da menina, que já havia ganhado volume, passa a ganhar contornos femininos. Semenarca – primeira ejaculação no menino e desenvolvimento dos testículos. Nos meninos a puberdade começa mais tarde, por volta dos 13 anos. A masturbação na adolescência dos meninos é um acontecimento muito marcante, que geralmente começa antes da puberdade. É uma atividade importante porque proporciona um autoconhecimento do corpo e das suas sensações e emoções. Os adolescentes podem sentir-se culpados com a prática da masturbação, pois em nossa cultura ela está associada a pecado, sujeira e outros mitos. Quando chega a adolescência o rapaz fica com a atenção voltada, sobretudo para seus genitais, muitas vezes tem ereção que ele próprio não controla. Mudanças hormonais “ O relógio biológico dispara anunciando que está na hora da criança começar sua longa jornada em direção ao mundo adulto. Nas meninas, entre 9 e 10 anos. Nos meninos, entre 11 e 12. É uma viagem programada pela natureza, que se vale de um poderoso instrumento para agir: os hormônios.”(Içami Tiba, 1994). Tudo funciona de acordo com a programação genética. Prazer sexual Muitas vezes descobrem pelo acaso, outras vezes são voluntárias e começam a experimentar novas sensações físicas que ainda não conheciam. Nas meninas, ocorre principalmente friccionando o clitóris para chegar ao orgasmo. Nos meninos ocorre atrás da excitação sexual. A masturbação é uma atividade importante na vida do púbere. Estrogênio- hormônio feminino é ele que causa várias alterações de comportamento podendo dificultar seus relacionamentos. Testosterona – hormônio masculino e surge de forma marcante, por volta dos 13 anos. A bolsa escrotal desceu totalmente e a testosterona é produzida em grande quantidade. Culto pela beleza Outro aspecto entra em cena: a beleza física. Muitos conflitos e problemas emocionais se iniciam nessa fase. A cobrança pelo corpo bonito e perfeito, não apenas em relação a si mesmo, mas também em relação aos parceiros.
  3. 3. Primeira relação sexual. Adolescência é um período da vida que geralmente se inicia os primeiros contatos sexuais. Nesta fase, dificilmente a primeira vez pode ser considerada uma relação sexual, já que ele pouco se interessa pelo que o outro sente ou deixa de sentir. O jovem estabelece uma relação apenas com os genitais. Iniciam-se as experiências do ficar, onde começam a vivenciar novas descobertas de sensações físicas e emocionais. “Em relação aos rapazes, nesta fase pode acontecer seu primeiro contato sexual que pode ser uma prostituta ou qualquer outra mulher. Embora seu interesse maior esteja voltado ao seu próprio desempenho, não vai perder a oportunidade de examinar a mulher ao vivo” (Içami Tiba, 1994). Em relação às meninas, geralmente acontece de forma diferente. Elas no início da vivência sexual não se interessam tanto pela pornografia como acontece com os meninos. Nesta fase os adolescentes por sua impulsividade e imaturidade, necessitam de orientação sexual não apenas na escola, como também da família, principalmente na prevenção de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs). É importante alertar os filhos sobre as DSTs, procurando não cometer o erro de associar sexo a doenças, causando traumas emocionais que futuramente poderão ocasionar disfunções sexuais na vida adulta, comprometendo o emocional e a afetividade. A camisinha é a principal aliada na prevenção de DSTs, portanto os jovens necessitam ter consciência da sua importância e treinar para se adaptar ao uso da mesma. A outra questão importante no uso da camisinha é na prevenção de uma gravidez indesejada na adolescência. Atualmente o número de adolescentes grávidas em nosso país ainda tem índices elevados e preocupantes. A gravidez na adolescência além dos riscos para saúde da mãe e do bebê, pela imaturidade funcional orgânica da jovem, traz várias consequências na vida emocional, na relação familiar, nos estudos, etc. A família de uma adolescente grávida, mesmo diante do sofrimento e insatisfação desta realidade, deveria ser o principal ponto de apoio para jovem reencontrar seu equilíbrio emocional neste momento difícil de sua vida. A família tem um papel muito importante para o desenvolvimento psicossexual do adolescente. Passar por todas essas transformações físicas e psicológicas que geram vários conflitos existenciais ao lado de uma família com sérios desequilíbrios comportamentais pode levar o adolescente, diante de sua imaturidade emocional a seguir caminhos inadequados como os das drogas, alcoolismo e da delinquência juvenil, que poderão comprometer gradativamente a vida emocional e o caráter deste jovem. Procurar ajuda é o melhor caminho para as famílias que estejam vivenciando problemas comportamentais dos filhos adolescentes e a ajuda psicológica é de fundamental importância.. O serviço de psicologia para a família e o adolescente, também pode ser encontrado na rede pública, que são oferecidos pelas prefeituras e pelo estado. Trabalhando a 19 anos em um ambulatório da Secretaria Saúde do Estado de Pernambuco, realizando um trabalho de orientação psicológica com crianças e adolescentes em conjunto com os pais, proporcionaram a essas famílias muitas mudanças satisfatórias na dinâmica familiar e equilíbrio emocional das problemáticas psicológicas das crianças e adolescentes acompanhados no decorrer desses anos. Sinto-me realizada profissionalmente por ter contribuído com essas mudanças. Sempre acredito nas possibilidades de mudanças do ser humano. Os pais de adolescentes nos dias atuais estão num profundo dilema em relação à educação sexual dos filhos diante das mudanças comportamentais dos jovens nas últimas décadas. Os pais nos dias atuais são diferentes dos de antigamente, mesmo assim sentem-se com muitas limitações e inseguranças diante das atitudes dos filhos. A verdade é que por querer a felicidade dos filhos muitos pais se perderam pelo medo de impor limites adequados e em muitos momentos não sabem direito o que fazer. Os pais na sua grande maioria criam expectativas em relação aos filhos e como é difícil se adaptar a uma realidade que para eles não é satisfatória no que se refere aos planejamentos e ideais da vida dos filhos. E comum os pais mais tradicionais se incomodarem quando a criança e o adolescente têm atitudes com conotações
  4. 4. sexuais, na maioria dos casos tomam atitudes não adequadas muitas vezes traumáticas. A iniciação sexual dos adolescentes acontece cada vez mais cedo causando conflitos e preocupações dos pais. Os jovens na maioria dos casos são influenciados por amigos, internet, programas de TV, etc., que estimulam suas mentes de forma precoce. A educação sexual nas escolas ainda é o melhor caminho para ajudar crianças e adolescentes a ter informações mais adequadas de acordo com a faixa etária. Palestras para os pais promovidas pela escola com profissionais qualificados também é de extrema importância. Os pais bem informados através de palestras ou na leitura de livros educativos direcionados a sexualidade se sentem mais seguros e com menos conflitos na hora de repassar as orientações para seus filhos. Existe uma vasta bibliografia nesta área nas principais livrarias do país.

×