SlideShare uma empresa Scribd logo
Revolução Industrial Inglesa
Prof. Vagner Roberto
Arujá, 2014
Definição
• Foi a mudança do sistema artesanal para o
sistema fabril na Inglaterra, a partir de
aproximadamente 1760;
• A expansão das industrias da Inglaterra foi o
ponto de partida da industrialização e
expansão do capitalismo em escala global
A mudança nos meios de produção
• A manufatura foi o principal meio de se
produzir bens durante a História humana;
• Em maior ou menor escala, sempre ouve uma
certa divisão de tarefas, porém a força do ser
humano era indispensável ao processo de
produzir.
De um capitalismo para outro
CAPITALISMO
COMERCIAL
CAPITALISMO
INDUSTRIAL
• RARIDADE;
• OFERTA E PROCURA;
• MERCADOS FECHADOS.
• PRODUÇÃO EM MASSA;
• IMPOSIÇÃO COMERCIAL;
• MERCADOS ABERTOS.
Por que na Inglaterra?
• Reservas minerais;
• Economia mercantil;
• Estado Liberal fortalecido;
• Tecnologia à Vapor
A força da água
• Motores a vapor existem desde a Antiguidade;
• Na Inglaterra, o uso dessa tecnologia criou as
primeiras Maquinofaturas.
Velocidade de produção
• Não existiam meios para que pequenos
artesãos pudessem disputar em quantidade
com as recém nascidas fabricas;
• Além da concorrência desleal, pequenos
produtores foram retirados de suas terras pelo
governo Inglês para dar espaço as demandas
industriais
A brutalidade do sistema industrial
• Os direitos trabalhistas inexistiam;
• Trabalhadores de fabricas e minas de carvão
chegaram a trabalhar 80 horas semanais;
• Estes abusos foram o combustível das
primeiras greves.
Revolução industrial inglesa
Revolução industrial inglesa
Revolução industrial inglesa
Revolução industrial inglesa
Revolução industrial inglesa
Revolução industrial inglesa

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revolução industrial pdf
Revolução industrial pdfRevolução industrial pdf
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
eduardodemiranda
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Murilo Benevides
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIALREVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
Franciny Wagner da Silva
 
ERA DA REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
ERA DA REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO INDUSTRIALERA DA REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
ERA DA REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
Diego Bian Filo Moreira
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
O Arranque Industrial
O Arranque IndustrialO Arranque Industrial
O Arranque Industrial
Inês Alexandre
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Rose Vital
 
Revolucao industrial2
Revolucao industrial2Revolucao industrial2
Revolucao industrial2
Katielly Melo
 
Expansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrialExpansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrial
maria40
 
Revolução Industrial Inglesa
Revolução Industrial InglesaRevolução Industrial Inglesa
Revolução Industrial Inglesa
eduardodemiranda
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Edenilson Morais
 
Revolução Industrial - Ensino Fundamental
Revolução Industrial - Ensino FundamentalRevolução Industrial - Ensino Fundamental
Revolução Industrial - Ensino Fundamental
Alinnie Moreira
 
revolução agrícola
revolução agrícolarevolução agrícola
revolução agrícola
Ana Batista
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Carlos Duarte Castanheira
 
Expansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrialExpansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrial
maria40
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Bárbara Araújo Machado
 
As invenções e a revolução industrial
As invenções e a revolução industrialAs invenções e a revolução industrial
As invenções e a revolução industrial
Universidade Federal Fluminense
 
Revolução Inglesa e Revolução Industrial
Revolução Inglesa e Revolução IndustrialRevolução Inglesa e Revolução Industrial
Revolução Inglesa e Revolução Industrial
Aldo Dos Anjos Gonçalves Costa
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Acessa Esterina
 

Mais procurados (20)

Revolução industrial pdf
Revolução industrial pdfRevolução industrial pdf
Revolução industrial pdf
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIALREVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
 
ERA DA REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
ERA DA REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO INDUSTRIALERA DA REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
ERA DA REVOLUÇÕES - REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
O Arranque Industrial
O Arranque IndustrialO Arranque Industrial
O Arranque Industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Revolucao industrial2
Revolucao industrial2Revolucao industrial2
Revolucao industrial2
 
Expansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrialExpansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrial
 
Revolução Industrial Inglesa
Revolução Industrial InglesaRevolução Industrial Inglesa
Revolução Industrial Inglesa
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Revolução Industrial - Ensino Fundamental
Revolução Industrial - Ensino FundamentalRevolução Industrial - Ensino Fundamental
Revolução Industrial - Ensino Fundamental
 
revolução agrícola
revolução agrícolarevolução agrícola
revolução agrícola
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Expansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrialExpansão da revolução industrial
Expansão da revolução industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
As invenções e a revolução industrial
As invenções e a revolução industrialAs invenções e a revolução industrial
As invenções e a revolução industrial
 
Revolução Inglesa e Revolução Industrial
Revolução Inglesa e Revolução IndustrialRevolução Inglesa e Revolução Industrial
Revolução Inglesa e Revolução Industrial
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 

Semelhante a Revolução industrial inglesa

A revolução industrial proporcionou o capitalismo econômico
A revolução industrial proporcionou o capitalismo econômicoA revolução industrial proporcionou o capitalismo econômico
A revolução industrial proporcionou o capitalismo econômico
Ricardo Diniz campos
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL.pptx
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL.pptxREVOLUÇÃO INDUSTRIAL.pptx
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL.pptx
seed
 
As Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptxAs Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptx
HitaloSantos8
 
Capitalismo Industrial
Capitalismo IndustrialCapitalismo Industrial
Capitalismo Industrial
Ivanilson Lima
 
3 revolução industrial
3   revolução industrial3   revolução industrial
3 revolução industrial
Marilia Pimentel
 
A indústria
A indústriaA indústria
A indústria
Maria Joao Feio
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
Zeze Silva
 
Revolução Industrial
Revolução Industrial Revolução Industrial
Revolução Industrial
paramore146
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Guilherme Drumond
 
Revoluã§ã£o industrial
Revoluã§ã£o industrialRevoluã§ã£o industrial
Revoluã§ã£o industrial
Jornal Ovale
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
NAPNE
 
Revolucao
RevolucaoRevolucao
Revolucao
leonardocollyer
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
Marcos Venicios
 
Revisao historia
Revisao historiaRevisao historia
Revisao historia
Sarah Guimarães Portela
 
assistida a revolução agrícola e o arranque da revolução industrial
 assistida a revolução agrícola e o arranque da revolução industrial   assistida a revolução agrícola e o arranque da revolução industrial
assistida a revolução agrícola e o arranque da revolução industrial
Ligia Eiras
 
G1 a revolução agricola e arranque industrial
G1 a revolução agricola e arranque industrialG1 a revolução agricola e arranque industrial
G1 a revolução agricola e arranque industrial
Vítor Santos
 
Historia jakeee
Historia jakeeeHistoria jakeee
Historia jakeee
Victorlucas2703
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
Claudenilson da Silva
 
Aula 3 hist em
Aula 3   hist emAula 3   hist em
Aula 3 hist em
Walney M.F
 
Trabalho de historia
Trabalho de historiaTrabalho de historia
Trabalho de historia
prohevea
 

Semelhante a Revolução industrial inglesa (20)

A revolução industrial proporcionou o capitalismo econômico
A revolução industrial proporcionou o capitalismo econômicoA revolução industrial proporcionou o capitalismo econômico
A revolução industrial proporcionou o capitalismo econômico
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL.pptx
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL.pptxREVOLUÇÃO INDUSTRIAL.pptx
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL.pptx
 
As Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptxAs Revoluções Industriais.pptx
As Revoluções Industriais.pptx
 
Capitalismo Industrial
Capitalismo IndustrialCapitalismo Industrial
Capitalismo Industrial
 
3 revolução industrial
3   revolução industrial3   revolução industrial
3 revolução industrial
 
A indústria
A indústriaA indústria
A indústria
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Revolução Industrial
Revolução Industrial Revolução Industrial
Revolução Industrial
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Revoluã§ã£o industrial
Revoluã§ã£o industrialRevoluã§ã£o industrial
Revoluã§ã£o industrial
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
Revolucao
RevolucaoRevolucao
Revolucao
 
A revolução industrial
A revolução industrialA revolução industrial
A revolução industrial
 
Revisao historia
Revisao historiaRevisao historia
Revisao historia
 
assistida a revolução agrícola e o arranque da revolução industrial
 assistida a revolução agrícola e o arranque da revolução industrial   assistida a revolução agrícola e o arranque da revolução industrial
assistida a revolução agrícola e o arranque da revolução industrial
 
G1 a revolução agricola e arranque industrial
G1 a revolução agricola e arranque industrialG1 a revolução agricola e arranque industrial
G1 a revolução agricola e arranque industrial
 
Historia jakeee
Historia jakeeeHistoria jakeee
Historia jakeee
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Aula 3 hist em
Aula 3   hist emAula 3   hist em
Aula 3 hist em
 
Trabalho de historia
Trabalho de historiaTrabalho de historia
Trabalho de historia
 

Mais de Vagner Roberto

História e representações brinquedos
História e representações brinquedosHistória e representações brinquedos
História e representações brinquedos
Vagner Roberto
 
Período helenístico
Período helenísticoPeríodo helenístico
Período helenístico
Vagner Roberto
 
Regime militar brasileiro
Regime militar brasileiroRegime militar brasileiro
Regime militar brasileiro
Vagner Roberto
 
Esparta e o militarismo grego
Esparta e o militarismo gregoEsparta e o militarismo grego
Esparta e o militarismo grego
Vagner Roberto
 
Civilização grega ii
Civilização grega iiCivilização grega ii
Civilização grega ii
Vagner Roberto
 
Civilização grega i
Civilização grega iCivilização grega i
Civilização grega i
Vagner Roberto
 
Colonização portuguesa
Colonização portuguesaColonização portuguesa
Colonização portuguesa
Vagner Roberto
 
Colonização americana
Colonização americanaColonização americana
Colonização americana
Vagner Roberto
 
Segundo reinado (1840 – 1889)
Segundo reinado (1840 – 1889)Segundo reinado (1840 – 1889)
Segundo reinado (1840 – 1889)
Vagner Roberto
 
Movimentos sociais e politicos da europa no século
Movimentos sociais e politicos da europa no séculoMovimentos sociais e politicos da europa no século
Movimentos sociais e politicos da europa no século
Vagner Roberto
 
Guerra civil americana
Guerra civil americanaGuerra civil americana
Guerra civil americana
Vagner Roberto
 
O fim da guerra fria
O fim da guerra friaO fim da guerra fria
O fim da guerra fria
Vagner Roberto
 
Guerra fria e a cultura
Guerra fria e a culturaGuerra fria e a cultura
Guerra fria e a cultura
Vagner Roberto
 
A corrida espacial
A corrida espacialA corrida espacial
A corrida espacial
Vagner Roberto
 
A corrida armamentista
A corrida armamentistaA corrida armamentista
A corrida armamentista
Vagner Roberto
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
Vagner Roberto
 
Era napoleónica
Era napoleónicaEra napoleónica
Era napoleónica
Vagner Roberto
 
Movimentos sociais e politicos da europa no século
Movimentos sociais e politicos da europa no séculoMovimentos sociais e politicos da europa no século
Movimentos sociais e politicos da europa no século
Vagner Roberto
 
Primeiro período vargas (1930 1945)
Primeiro período vargas (1930  1945)Primeiro período vargas (1930  1945)
Primeiro período vargas (1930 1945)
Vagner Roberto
 
Revolução francesa 8º
Revolução francesa 8ºRevolução francesa 8º
Revolução francesa 8º
Vagner Roberto
 

Mais de Vagner Roberto (20)

História e representações brinquedos
História e representações brinquedosHistória e representações brinquedos
História e representações brinquedos
 
Período helenístico
Período helenísticoPeríodo helenístico
Período helenístico
 
Regime militar brasileiro
Regime militar brasileiroRegime militar brasileiro
Regime militar brasileiro
 
Esparta e o militarismo grego
Esparta e o militarismo gregoEsparta e o militarismo grego
Esparta e o militarismo grego
 
Civilização grega ii
Civilização grega iiCivilização grega ii
Civilização grega ii
 
Civilização grega i
Civilização grega iCivilização grega i
Civilização grega i
 
Colonização portuguesa
Colonização portuguesaColonização portuguesa
Colonização portuguesa
 
Colonização americana
Colonização americanaColonização americana
Colonização americana
 
Segundo reinado (1840 – 1889)
Segundo reinado (1840 – 1889)Segundo reinado (1840 – 1889)
Segundo reinado (1840 – 1889)
 
Movimentos sociais e politicos da europa no século
Movimentos sociais e politicos da europa no séculoMovimentos sociais e politicos da europa no século
Movimentos sociais e politicos da europa no século
 
Guerra civil americana
Guerra civil americanaGuerra civil americana
Guerra civil americana
 
O fim da guerra fria
O fim da guerra friaO fim da guerra fria
O fim da guerra fria
 
Guerra fria e a cultura
Guerra fria e a culturaGuerra fria e a cultura
Guerra fria e a cultura
 
A corrida espacial
A corrida espacialA corrida espacial
A corrida espacial
 
A corrida armamentista
A corrida armamentistaA corrida armamentista
A corrida armamentista
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Era napoleónica
Era napoleónicaEra napoleónica
Era napoleónica
 
Movimentos sociais e politicos da europa no século
Movimentos sociais e politicos da europa no séculoMovimentos sociais e politicos da europa no século
Movimentos sociais e politicos da europa no século
 
Primeiro período vargas (1930 1945)
Primeiro período vargas (1930  1945)Primeiro período vargas (1930  1945)
Primeiro período vargas (1930 1945)
 
Revolução francesa 8º
Revolução francesa 8ºRevolução francesa 8º
Revolução francesa 8º
 

Último

A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 

Revolução industrial inglesa

  • 1. Revolução Industrial Inglesa Prof. Vagner Roberto Arujá, 2014
  • 2. Definição • Foi a mudança do sistema artesanal para o sistema fabril na Inglaterra, a partir de aproximadamente 1760; • A expansão das industrias da Inglaterra foi o ponto de partida da industrialização e expansão do capitalismo em escala global
  • 3. A mudança nos meios de produção • A manufatura foi o principal meio de se produzir bens durante a História humana; • Em maior ou menor escala, sempre ouve uma certa divisão de tarefas, porém a força do ser humano era indispensável ao processo de produzir.
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7. De um capitalismo para outro CAPITALISMO COMERCIAL CAPITALISMO INDUSTRIAL • RARIDADE; • OFERTA E PROCURA; • MERCADOS FECHADOS. • PRODUÇÃO EM MASSA; • IMPOSIÇÃO COMERCIAL; • MERCADOS ABERTOS.
  • 8. Por que na Inglaterra? • Reservas minerais; • Economia mercantil; • Estado Liberal fortalecido; • Tecnologia à Vapor
  • 9. A força da água • Motores a vapor existem desde a Antiguidade; • Na Inglaterra, o uso dessa tecnologia criou as primeiras Maquinofaturas.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14. Velocidade de produção • Não existiam meios para que pequenos artesãos pudessem disputar em quantidade com as recém nascidas fabricas; • Além da concorrência desleal, pequenos produtores foram retirados de suas terras pelo governo Inglês para dar espaço as demandas industriais
  • 15.
  • 16.
  • 17. A brutalidade do sistema industrial • Os direitos trabalhistas inexistiam; • Trabalhadores de fabricas e minas de carvão chegaram a trabalhar 80 horas semanais; • Estes abusos foram o combustível das primeiras greves.