SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 15
Baixar para ler offline
Centro de Formação Profissional do Seixal
EFA NS - Técnico Instalador de Sistemas Solares Térmicos
Área de Competência: Pneumática e Hidráulica
Código: 4559
Formador: José Carpinteiro
Tema: Rede de Ar Comprimido
Trabalho de grupo realizado por:
André Silva, nº 5
Carlos Castanheira, nº 7
Fernando Chaira, nº 10
28/07/2013
Introdução…………………………………………………………………………..... 3
Redes de Ar Comprimido…………………………………………………....... 4
Conclusão…..………………………………………………………………………... 13
Bibliografia………………………………………………………………………….... 14
No âmbito do módulo de HP (Hidráulica e Pneumática), ministrado
pelo Formador José Carpinteiro, coube-nos a tarefa de realizar um
trabalho cujo tema é: Redes de Ar Comprimido.
Para além de outros usos, o ar comprimido está cada vez mais presente
no dia-a-dia de todos os processos industriais.
Com uma vasta variedade de produtos e ferramentas pneumáticas, com
tecnologia cada vez mais avançada é impossível imaginar uma indústria
que não o utilize.
É uma energia limpa, facilmente transportável, os equipamentos são
relativamente leves e compactos, não tem risco de choque elétrico e
não gera resíduos.
Contudo é também muito comum a pouca atenção que se presta a este
tipo de energia.
A ideia de que o ar é gratuito, está ainda muito enraizada nas mentes
empresariais.
O ar é grátis, porém, o ar comprimido é caro devido às perdas
motivadas por pequenas fugas de ar e acoplamentos com folga que,
quando contabilizado, atingem elevados custos.
3
4
As principais utilidades dos reservatórios são as de armazenar o ar
comprimido produzido, garantindo assim uma reserva em caso de alguma
emergência no sistema. Para além destas funções serve para de eliminar
as oscilações de pressão e manter uma pressão equilibrada na rede de
distribuidora.
Os mesmos podem ser verticais (mais comuns para grandes capacidades)
ou horizontais (mais comuns para pequenas capacidades). Em alguns
casos possuem internamente um sistema que ajuda a separar e remover
eventuais condensados que ainda possam estar presentes na linha de ar
comprimido.
Nenhum reservatório deve trabalhar com uma pressão acima da pressão
máxima de trabalho permitida, exceto quando a válvula de segurança
estiver em débito. Nesta contexto, a pressão não deve ser excedida em
mais de 6% do seu valor.
Os reservatórios devem ser instalados de modo que todos os drenos,
conexões e aberturas de inspeção sejam facilmente acessíveis.
5
Em nenhuma circunstância, o reservatório deve ser enterrado ou
instalado em local de difícil acesso. Se possível, deve ser instalado fora da
casa dos compressores para facilitar a condensação do óleo e da umidade
contidos no ar comprimido. De igual modo, deve possuir um dreno,
preferencialmente automático, no ponto mais baixo para fazer a remoção
deste condensado acumulado em cada 8 horas de trabalho.
Os reservatórios são dotados ainda de válvulas de segurança, manômetro,
e são submetidos a uma prova de pressão hidrostática, antes da utilização.
Rede Distribuição
A rede de distribuição de ar comprimido envolve todas as tubulações
provenientes do reservatório, passando pelo secador e que, ligadas,
orientam o ar comprimido até os pontos individuais de utilização.
A rede possui duas funções básicas:
1ª - Comunicar a fonte produtora com os equipamentos consumidores;
2ª - Funcionar como um reservatório para atender às exigências locais.
Um sistema de distribuição modelarmente executado deve ostentar os
seguintes requisitos:
- Reduzida queda de pressão entre o compressor e as partes de
consumo, a fim de preservar a pressão dentro de limites toleráveis em
conformidade com as exigências das aplicações;
- Não apresentar fuga de ar, pois caso contrário existirá perda de
potência;
- Apresentar grande capacidade de realizar separação de condensado.
Ao ser efetuado o projeto e a instalação de uma planta de distribuição, é
necessário ponderar sobre certos preceitos. O não cumprimento de
certas bases é contraproducente e aumenta notavelmente a necessidade
de manutenção.
Cada máquina, cada dispositivo requer quantidades adequadas de ar,
que é fornecida pelo compressor, através da rede distribuidora.
O diâmetro da tubagem deve ser escolhido de maneira que, mesmo com
um consumo de ar crescente, a queda de pressão, do reservatório até o
equipamento não ultrapasse 0,1 bar, uma queda maior de pressão
prejudica a rentabilidade do sistema e diminui consideravelmente a sua
capacidade.
A escolha do diâmetro da tubagem não é executada através de quaisquer
fórmulas intuitivas ou para aproveitar tubos, mas sim considerando o
volume corrente (vazão), comprimento da rede, queda de pressão
admissível, pressão de trabalho número de pontos de estrangulamento
na rede.
6
Na distribuição do ar comprimido deve-se estar atento a possíveis fugas
de ar na rede, para que não haja perdas de pressão e elevação nos custos.
Layout
Visando uma melhor resultado na distribuição do ar, deve ser construído
em desenho isométrico ou escala, permitindo a obtenção do
comprimento das tubulações nos diversos espaços. O layout apresenta a
rede principal de distribuição, as suas ramificações e todos os pontos de
consumo, incluindo futuras aplicações, qual a pressão destes pontos, e a
posição das válvulas de fechamento, moduladoras, ligações, curvaturas,
separadores de condensado, etc.
Através do layout, pode-se definir o menor percurso da tubulação,
minimizando perdas de carga e proporcionando, dessa forma, a melhor
rentabilidade possível.
Para determinar-se o melhor traçado da tubulação é necessário conhecer
a localização dos principais pontos de consumo, assim como os pontos
isolados.
O tipo de rede a ser aplicado (aberta ou fechada) deve ser analisado. Em
alguns casos pode ser adequado um circuito fechado em anel.
Em outras situações podem exigir uma combinação de anéis e linhas
diretas ou ainda somente uma linha direta pode ser suficiente.
7
8
A grande vantagem do circuito fechado é que se ocorrer um grande
consumo inesperado de ar em qualquer linha, o ar pode ser fornecido
em duas direções, diminuindo a queda de pressão.
Rede de distribuição com
tubagens derivadas do anel
Rede de distribuição com tubagens
derivadas das transversais
Rede de Distribuição em Anel Fechado
Rede de distribuição em circuito fechado:
Partindo da tubagem principal, são instaladas as ligações em derivação.
Quando o consumo de ar é muito grande, consegue-se, mediante esse
tipo de montagem, uma manutenção de pressão uniforme. O ar flui em
ambas as direções.
Rede de distribuição em circuito aberto:
As tubulações, em especial nas redes em circuito aberto, devem ser
montadas com um declive de 1% a 2%, na direção do fluxo.
Por causa da formação de água condensada, é fundamental, em tubagens
horizontais, instalar os ramais de tomadas de ar na parte superior do
tubo principal.
Dessa forma, evita-se que a água condensada que eventualmente esteja na
tubagem principal possa chegar às tomadas de ar através dos ramais.
Para intercetar e drenar a água condensada devem ser instaladas
derivações com drenos na parte inferior na tubulação principal.
9
Válvulas
As válvulas de fecho têm bastante
relevância na rede de distribuição para
possibilitar a divisão desta em seções,
nomeadamente em casos de redes de
grande dimensão, fazendo com que as
seções fiquem isoladas para que seja
possível fazer qualquer substituição,
manutenção ou inspeção sem que seja
necessário parar a produção.
As válvulas mais utilizadas, até 2 polegadas, são do tipo de esfera
(diafragma) e, acima de 2 polegadas, são utilizadas as válvulas tipo gaveta.
10
Ligações
Relativamente à ligação das tubulações, podem fazer-se em forma de
rosca, solda, flange ou acoplamento rápido, devendo as mesmas ostentar
a mais perfeita estanquidade. Entre as mesmas, as ligações roscadas
continuam a ser as mais usadas, devido à facilidade de montagem e
desmontagem. Para evitar fugas através das roscas deve utilizar-se fita
Teflon, devido aos possíveis defeitos na confeção das roscas.
A ligação efetuada através de solda oferece menor possibilidade de fugas
de ar, todavia, carece de certos cuidados, tais com, uniformizar o mais
possível o cordão da solda e retirar as escamas de óxido do interior do
tubo.
De modo geral, a utilização de ligações roscadas faz-se até diâmetros de 3
polegadas. Para valores superiores, geralmente aconselha-se ligações
soldadas.
Para instalações de maior grau de confiança, normalmente recomenda-se
o uso de ligações flangeadas e soldadas. Para instalações provisórias, o
ideal é o acoplamento rápido. Na desmontagem não existem perdas de
tubo e não há necessidade de fazer cortes para a remoção.
Curvas
No que diz respeito às curvas da tubulação, para além
de se dever evitar a colocação de cotovelos de 90°,
devem ser efetuadas no maior raio possível, para
assim evitar perdas em excesso devido turbulência. A
curva mínima deve possuir na curvatura interior um
raio mínimo de duas vezes o diâmetro externo do
tubo.
R. Mín. 2 Ø
11
Inclinação
Para auxiliar a recolha da condensação e das impurezas devido à
formação de óxido, transportando-as para um ponto mais baixo, onde
acabam por ser eliminadas para a atmosfera, através do dreno, as
tubulações devem ter uma certa inclinação no sentido do fluxo interior,
pois, enquanto a temperatura de tubulação for maior que a
temperatura de saída do ar após os secadores, este sairá praticamente
seco. Se a temperatura da tubulação baixar, haverá, ainda que
excecionalmente, precipitação de água.
O valor desta inclinação é de 0,5 a 2% em função do comprimento reto
da tubulação onde for executada. Os drenos, situados nos sítios mais
baixos, devem ser preferencialmente automáticos. No caso de a rede
ser relativamente grande, aconselha-se a colocação de mais de um
dreno, separados aproximadamente 20 a 30m um do outro.
Material usado nas redes
Rede principal: Cobre, tubo de aço preto, aço-liga, latão, tubo de aço
zincado (galvanizado), material sintético.
Tubagens secundárias: Tubulações à base de borracha (mangueiras)
somente devem ser usadas onde for requerida uma certa flexibilidade
e onde, devido a um esforço mecânico mais elevado, não possam ser
usadas tubulações de material sintético.
Hoje, as tubulações à base de polietileno e poliamida são mais
frequentemente usadas em máquinas, pois permitem instalações
rápidas e são ainda de baixo custo.
Uniões para tubagem: Os diversos tipos de conexões podem ser
utilizados para tubos metálicos, de borracha ou materiais sintéticos,
desde que respeitadas as restrições e recomendações de aplicação dos
fabricantes.
Uniões para tubagens principais, Flange
Uniões roscadas para tubos com costura (galvanizados)
União para tubos flexíveis e união para tubos rígidos de polietileno ou
poliamida (sem costura e união rápida)
12
Face ao trabalho que nos foi proposto, realizámos todas as pesquisas de
informação possível no sentido de apresentarmos um trabalho
merecedor de uma leitura agradável e esclarecedora.
Com a elaboração deste trabalho, ficámos a conhecer melhor e mais
pormenorizadamente a composição e instalação das Redes de Ar
Comprimido, materiais a aplicar para a sua conceção, bem como as
precauções a tomar durante a sua utilização.
13
Sites:
 http://pt.scribd.com/doc/17193848/Redes-distribuicao-ar-
comprimido
 http://pt.scribd.com/doc/62019973/38/Producao-e-Distribuicao-do-
Ar-Comprimido
 http://www.ebah.pt/content/ABAAAA6AgAA/dimensionamento-
redes-ar-comprimido
 http://www.voltimum.pt/news/752/cm/sistemas-de-ar-comprimido---
medidas-para-aumentar-a-eficiencia-energetica.html
 http://www.hightech-airer.pt/rede_de_ar.html
 http://elearning.iefp.pt/pluginfile.php/49360/mod_resource/content/0/
CD-Rom/Estudo/Pneumatica_e_Hidraulica_Nivel_III/J_-
_Rede_de_Distribui__o_de_Ar_Comprimido/frame_2.htm
 http://pt.scribd.com/doc/106154192/Tubulacoes-para-sistema-de-ar-
comprimidonoticias.r7.com
Local de Pesquisa:
 Internet.
14

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução à pneumática - aula 01
Introdução à pneumática - aula 01Introdução à pneumática - aula 01
Introdução à pneumática - aula 01Rodrigo Lobo
 
Teoria de pneumatica oséias
Teoria de pneumatica   oséiasTeoria de pneumatica   oséias
Teoria de pneumatica oséiasOséias Teixeira
 
Exercícios pneumática solução
Exercícios pneumática    soluçãoExercícios pneumática    solução
Exercícios pneumática soluçãoCynthia Janei
 
Catalogo correias-goodyear
Catalogo correias-goodyearCatalogo correias-goodyear
Catalogo correias-goodyearLuedes Viana
 
Pneumática - Principios
Pneumática - PrincipiosPneumática - Principios
Pneumática - PrincipiosAnderson Pontes
 
Principio de funcionamento dos compressores
Principio de funcionamento dos compressoresPrincipio de funcionamento dos compressores
Principio de funcionamento dos compressoresMarcio projetos
 
Apostila de Pneumática
Apostila de PneumáticaApostila de Pneumática
Apostila de Pneumáticaluizgraf
 
Gestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
Gestão da Manutenção - Introdução a ManutençãoGestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
Gestão da Manutenção - Introdução a ManutençãoAnderson Pontes
 
Compressores e Reservatórios de Ar
Compressores e Reservatórios de ArCompressores e Reservatórios de Ar
Compressores e Reservatórios de ArRenato Pagel
 
Apostila de comandos hidráulicos
Apostila de comandos hidráulicosApostila de comandos hidráulicos
Apostila de comandos hidráulicosFernando Almeida
 

Mais procurados (20)

Introdução à pneumática - aula 01
Introdução à pneumática - aula 01Introdução à pneumática - aula 01
Introdução à pneumática - aula 01
 
Teoria de pneumatica oséias
Teoria de pneumatica   oséiasTeoria de pneumatica   oséias
Teoria de pneumatica oséias
 
Exercícios pneumática solução
Exercícios pneumática    soluçãoExercícios pneumática    solução
Exercícios pneumática solução
 
Catalogo correias-goodyear
Catalogo correias-goodyearCatalogo correias-goodyear
Catalogo correias-goodyear
 
Pneumática - Principios
Pneumática - PrincipiosPneumática - Principios
Pneumática - Principios
 
Apostila compressores
Apostila  compressoresApostila  compressores
Apostila compressores
 
Principio de funcionamento dos compressores
Principio de funcionamento dos compressoresPrincipio de funcionamento dos compressores
Principio de funcionamento dos compressores
 
Negocios_SMC
Negocios_SMCNegocios_SMC
Negocios_SMC
 
Apostila de Pneumática
Apostila de PneumáticaApostila de Pneumática
Apostila de Pneumática
 
Compressores
CompressoresCompressores
Compressores
 
Gestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
Gestão da Manutenção - Introdução a ManutençãoGestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
Gestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
 
Dimensionamento ar comprimido
Dimensionamento ar comprimidoDimensionamento ar comprimido
Dimensionamento ar comprimido
 
Compressores e Reservatórios de Ar
Compressores e Reservatórios de ArCompressores e Reservatórios de Ar
Compressores e Reservatórios de Ar
 
Festo
FestoFesto
Festo
 
08 aula pressão e manômetros
08 aula pressão e manômetros08 aula pressão e manômetros
08 aula pressão e manômetros
 
06a compressores
06a compressores06a compressores
06a compressores
 
Apostila de comandos hidráulicos
Apostila de comandos hidráulicosApostila de comandos hidráulicos
Apostila de comandos hidráulicos
 
Compressores manutenção
Compressores manutençãoCompressores manutenção
Compressores manutenção
 
Automacao
AutomacaoAutomacao
Automacao
 
Manutenção e Reparo de Bombas
Manutenção e Reparo de BombasManutenção e Reparo de Bombas
Manutenção e Reparo de Bombas
 

Destaque

Pneumática - Dimensionamento de redes de ar comprimido
Pneumática - Dimensionamento de redes de ar comprimidoPneumática - Dimensionamento de redes de ar comprimido
Pneumática - Dimensionamento de redes de ar comprimidoTarcísio Ataide
 
Apostila pneumática SENAI
Apostila pneumática SENAIApostila pneumática SENAI
Apostila pneumática SENAIMichel S. Silva
 
Manual ar comprimido
Manual ar comprimidoManual ar comprimido
Manual ar comprimidoleilisodre
 
Manual de ar_comprimido
Manual de ar_comprimidoManual de ar_comprimido
Manual de ar_comprimidoGiovani Menon
 
Manual de Treinamento ar Comprimido
Manual de Treinamento ar ComprimidoManual de Treinamento ar Comprimido
Manual de Treinamento ar Comprimidomaqbelting
 
Acionamentos hidráulicos e pneumáticos senai mg
Acionamentos hidráulicos e pneumáticos   senai mgAcionamentos hidráulicos e pneumáticos   senai mg
Acionamentos hidráulicos e pneumáticos senai mgemelchiors
 
Principais Componentes de uma Linha de Ar Comprimido
Principais Componentes de uma Linha de Ar ComprimidoPrincipais Componentes de uma Linha de Ar Comprimido
Principais Componentes de uma Linha de Ar ComprimidoGabriel Eduardo Rajsfus
 
Manual De Ar Comprimido Metalplan
Manual De Ar Comprimido MetalplanManual De Ar Comprimido Metalplan
Manual De Ar Comprimido MetalplanABCdoArComprimido
 
Simbologia pneumatica
Simbologia pneumaticaSimbologia pneumatica
Simbologia pneumaticaGleiton Kunde
 
Ar comprimido - Segurança na operação (oficial)
Ar comprimido - Segurança na operação (oficial)Ar comprimido - Segurança na operação (oficial)
Ar comprimido - Segurança na operação (oficial)Claudio Cesar Pontes ن
 
Eletropneumatica
EletropneumaticaEletropneumatica
EletropneumaticaElvis Bruno
 
Apostila de eletropneumáticaesse
Apostila de eletropneumáticaesseApostila de eletropneumáticaesse
Apostila de eletropneumáticaesseJhurengo Margon
 
Comandos eletro hidráulicos eletro pneumáticos (1)
Comandos eletro hidráulicos eletro pneumáticos (1)Comandos eletro hidráulicos eletro pneumáticos (1)
Comandos eletro hidráulicos eletro pneumáticos (1)fabinholook
 
Manutenção industrial entendendo sua função e organização
Manutenção industrial entendendo sua função e organizaçãoManutenção industrial entendendo sua função e organização
Manutenção industrial entendendo sua função e organizaçãoJose Donizetti Moraes
 
Eletropneumática e eletro hidráulica i
Eletropneumática e eletro hidráulica iEletropneumática e eletro hidráulica i
Eletropneumática e eletro hidráulica iCesar Loureiro
 
Apostila de noções de hidráulica
Apostila de noções de hidráulicaApostila de noções de hidráulica
Apostila de noções de hidráulicaemelchiors
 

Destaque (20)

Pneumática - Dimensionamento de redes de ar comprimido
Pneumática - Dimensionamento de redes de ar comprimidoPneumática - Dimensionamento de redes de ar comprimido
Pneumática - Dimensionamento de redes de ar comprimido
 
Apostila pneumática SENAI
Apostila pneumática SENAIApostila pneumática SENAI
Apostila pneumática SENAI
 
Manual ar comprimido
Manual ar comprimidoManual ar comprimido
Manual ar comprimido
 
Manual de ar_comprimido
Manual de ar_comprimidoManual de ar_comprimido
Manual de ar_comprimido
 
Manual de Treinamento ar Comprimido
Manual de Treinamento ar ComprimidoManual de Treinamento ar Comprimido
Manual de Treinamento ar Comprimido
 
Ar comprimido
Ar comprimidoAr comprimido
Ar comprimido
 
Acionamentos hidráulicos e pneumáticos senai mg
Acionamentos hidráulicos e pneumáticos   senai mgAcionamentos hidráulicos e pneumáticos   senai mg
Acionamentos hidráulicos e pneumáticos senai mg
 
Principais Componentes de uma Linha de Ar Comprimido
Principais Componentes de uma Linha de Ar ComprimidoPrincipais Componentes de uma Linha de Ar Comprimido
Principais Componentes de uma Linha de Ar Comprimido
 
Manual De Ar Comprimido Metalplan
Manual De Ar Comprimido MetalplanManual De Ar Comprimido Metalplan
Manual De Ar Comprimido Metalplan
 
Simbologia pneumatica
Simbologia pneumaticaSimbologia pneumatica
Simbologia pneumatica
 
Ar comprimido - Segurança na operação (oficial)
Ar comprimido - Segurança na operação (oficial)Ar comprimido - Segurança na operação (oficial)
Ar comprimido - Segurança na operação (oficial)
 
Tolerancia dimensional
Tolerancia dimensionalTolerancia dimensional
Tolerancia dimensional
 
Eletropneumatica
EletropneumaticaEletropneumatica
Eletropneumatica
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Pneumatica aplicada
Pneumatica aplicadaPneumatica aplicada
Pneumatica aplicada
 
Apostila de eletropneumáticaesse
Apostila de eletropneumáticaesseApostila de eletropneumáticaesse
Apostila de eletropneumáticaesse
 
Comandos eletro hidráulicos eletro pneumáticos (1)
Comandos eletro hidráulicos eletro pneumáticos (1)Comandos eletro hidráulicos eletro pneumáticos (1)
Comandos eletro hidráulicos eletro pneumáticos (1)
 
Manutenção industrial entendendo sua função e organização
Manutenção industrial entendendo sua função e organizaçãoManutenção industrial entendendo sua função e organização
Manutenção industrial entendendo sua função e organização
 
Eletropneumática e eletro hidráulica i
Eletropneumática e eletro hidráulica iEletropneumática e eletro hidráulica i
Eletropneumática e eletro hidráulica i
 
Apostila de noções de hidráulica
Apostila de noções de hidráulicaApostila de noções de hidráulica
Apostila de noções de hidráulica
 

Semelhante a Centro de Formação Profissional do Seixal EFA NS - Técnico Instalador de Sistemas Solares Térmicos

Tubulações de Vapor.pptx
Tubulações de Vapor.pptxTubulações de Vapor.pptx
Tubulações de Vapor.pptxLetícia Santos
 
Reciclagem 4 - linhas de vapor
Reciclagem   4 - linhas de vaporReciclagem   4 - linhas de vapor
Reciclagem 4 - linhas de vaporconfidencial
 
Grundfosliterature-3566087.pdf
Grundfosliterature-3566087.pdfGrundfosliterature-3566087.pdf
Grundfosliterature-3566087.pdfJooFilipeAndrade
 
Aula 11 - princípios da instalação
Aula 11 - princípios da instalaçãoAula 11 - princípios da instalação
Aula 11 - princípios da instalaçãoReginaldo Dantas
 
Manual de Filtros para Piscina - Sodramar
Manual de Filtros para Piscina - SodramarManual de Filtros para Piscina - Sodramar
Manual de Filtros para Piscina - SodramarCottage Casa E Lazer
 
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vaporApostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vaporAntonio Carlos
 
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vaporApostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vaporAntonio Carlos
 
MANUAL EXPERIMENTAL DE INSTRUÇÃO DE MANUFATURA E USO DO ASBC DE PORTE MÉDIO P...
MANUAL EXPERIMENTAL DE INSTRUÇÃO DE MANUFATURA E USO DO ASBC DE PORTE MÉDIO P...MANUAL EXPERIMENTAL DE INSTRUÇÃO DE MANUFATURA E USO DO ASBC DE PORTE MÉDIO P...
MANUAL EXPERIMENTAL DE INSTRUÇÃO DE MANUFATURA E USO DO ASBC DE PORTE MÉDIO P...Míriam Morata Novaes
 
Filtros de Grandes para Piscinas - Show de Piscinas
Filtros de Grandes para Piscinas - Show de PiscinasFiltros de Grandes para Piscinas - Show de Piscinas
Filtros de Grandes para Piscinas - Show de PiscinasShow de Piscinas
 
Boletim técnico linhas longas splits 7 9 e 12 k btuh
Boletim técnico  linhas longas splits 7 9 e 12 k btuhBoletim técnico  linhas longas splits 7 9 e 12 k btuh
Boletim técnico linhas longas splits 7 9 e 12 k btuhsuanys
 
Manual bombas-perifericas man
Manual bombas-perifericas manManual bombas-perifericas man
Manual bombas-perifericas manAdjamar Raimundo
 
Aquecimento Gás para Residência e Piscina - Show de Piscinas
Aquecimento Gás para Residência e Piscina - Show de PiscinasAquecimento Gás para Residência e Piscina - Show de Piscinas
Aquecimento Gás para Residência e Piscina - Show de PiscinasShow de Piscinas
 
Manual filtroscomerciais
Manual filtroscomerciaisManual filtroscomerciais
Manual filtroscomerciaisCocab Pools
 
Catalogo_bomba_centrifuga_auto_escorvante_UND-III_AE (1).pdf
Catalogo_bomba_centrifuga_auto_escorvante_UND-III_AE (1).pdfCatalogo_bomba_centrifuga_auto_escorvante_UND-III_AE (1).pdf
Catalogo_bomba_centrifuga_auto_escorvante_UND-III_AE (1).pdfDiegoINB
 

Semelhante a Centro de Formação Profissional do Seixal EFA NS - Técnico Instalador de Sistemas Solares Térmicos (20)

Ar comprimido
Ar comprimidoAr comprimido
Ar comprimido
 
Energia solar 02
Energia solar 02Energia solar 02
Energia solar 02
 
02 energia solar_02_pr
02 energia solar_02_pr02 energia solar_02_pr
02 energia solar_02_pr
 
Tubulações de Vapor.pptx
Tubulações de Vapor.pptxTubulações de Vapor.pptx
Tubulações de Vapor.pptx
 
Reciclagem 4 - linhas de vapor
Reciclagem   4 - linhas de vaporReciclagem   4 - linhas de vapor
Reciclagem 4 - linhas de vapor
 
Grundfosliterature-3566087.pdf
Grundfosliterature-3566087.pdfGrundfosliterature-3566087.pdf
Grundfosliterature-3566087.pdf
 
Aula 11 - princípios da instalação
Aula 11 - princípios da instalaçãoAula 11 - princípios da instalação
Aula 11 - princípios da instalação
 
Manual de Filtros para Piscina - Sodramar
Manual de Filtros para Piscina - SodramarManual de Filtros para Piscina - Sodramar
Manual de Filtros para Piscina - Sodramar
 
Filtro bomba
Filtro bombaFiltro bomba
Filtro bomba
 
Filtro bomba
Filtro bombaFiltro bomba
Filtro bomba
 
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vaporApostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
 
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vaporApostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
Apostila modulo ii aula2 purgadores de vapor
 
MANUAL EXPERIMENTAL DE INSTRUÇÃO DE MANUFATURA E USO DO ASBC DE PORTE MÉDIO P...
MANUAL EXPERIMENTAL DE INSTRUÇÃO DE MANUFATURA E USO DO ASBC DE PORTE MÉDIO P...MANUAL EXPERIMENTAL DE INSTRUÇÃO DE MANUFATURA E USO DO ASBC DE PORTE MÉDIO P...
MANUAL EXPERIMENTAL DE INSTRUÇÃO DE MANUFATURA E USO DO ASBC DE PORTE MÉDIO P...
 
Filtros de Grandes para Piscinas - Show de Piscinas
Filtros de Grandes para Piscinas - Show de PiscinasFiltros de Grandes para Piscinas - Show de Piscinas
Filtros de Grandes para Piscinas - Show de Piscinas
 
Boletim técnico linhas longas splits 7 9 e 12 k btuh
Boletim técnico  linhas longas splits 7 9 e 12 k btuhBoletim técnico  linhas longas splits 7 9 e 12 k btuh
Boletim técnico linhas longas splits 7 9 e 12 k btuh
 
Manual bombas-perifericas man
Manual bombas-perifericas manManual bombas-perifericas man
Manual bombas-perifericas man
 
Aquecimento Gás para Residência e Piscina - Show de Piscinas
Aquecimento Gás para Residência e Piscina - Show de PiscinasAquecimento Gás para Residência e Piscina - Show de Piscinas
Aquecimento Gás para Residência e Piscina - Show de Piscinas
 
Manual filtroscomerciais
Manual filtroscomerciaisManual filtroscomerciais
Manual filtroscomerciais
 
Catalogo_bomba_centrifuga_auto_escorvante_UND-III_AE (1).pdf
Catalogo_bomba_centrifuga_auto_escorvante_UND-III_AE (1).pdfCatalogo_bomba_centrifuga_auto_escorvante_UND-III_AE (1).pdf
Catalogo_bomba_centrifuga_auto_escorvante_UND-III_AE (1).pdf
 
Eletrico manual
Eletrico manualEletrico manual
Eletrico manual
 

Mais de Carlos Duarte Castanheira

Mais de Carlos Duarte Castanheira (12)

Trabalho sobre a arte
Trabalho sobre a arteTrabalho sobre a arte
Trabalho sobre a arte
 
As diferenças da diferença
As diferenças da diferençaAs diferenças da diferença
As diferenças da diferença
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Lisboa, porto encantador!
Lisboa, porto encantador!Lisboa, porto encantador!
Lisboa, porto encantador!
 
Um olhar sobre a globalização
Um olhar sobre a globalizaçãoUm olhar sobre a globalização
Um olhar sobre a globalização
 
Orçamentação de projeto de inst. de sistema solar térmico
Orçamentação de projeto de inst. de sistema solar térmicoOrçamentação de projeto de inst. de sistema solar térmico
Orçamentação de projeto de inst. de sistema solar térmico
 
Plano de manutenção de sistemas solares térmicos
Plano de manutenção de sistemas solares térmicosPlano de manutenção de sistemas solares térmicos
Plano de manutenção de sistemas solares térmicos
 
Componentes do circuito solar térmico em circulação forçada
Componentes do circuito solar térmico em circulação forçadaComponentes do circuito solar térmico em circulação forçada
Componentes do circuito solar térmico em circulação forçada
 
Projeto b trabalho final stc7
Projeto b     trabalho final stc7Projeto b     trabalho final stc7
Projeto b trabalho final stc7
 
Ligas metálicas (trabalho final)
Ligas metálicas (trabalho final)Ligas metálicas (trabalho final)
Ligas metálicas (trabalho final)
 
Corrosão em estruturas metálicas
Corrosão em estruturas metálicasCorrosão em estruturas metálicas
Corrosão em estruturas metálicas
 
Projeto de sistema solar térmico
Projeto de sistema solar térmicoProjeto de sistema solar térmico
Projeto de sistema solar térmico
 

Último

Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...LizanSantos1
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 

Último (20)

Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 

Centro de Formação Profissional do Seixal EFA NS - Técnico Instalador de Sistemas Solares Térmicos

  • 1.
  • 2. Centro de Formação Profissional do Seixal EFA NS - Técnico Instalador de Sistemas Solares Térmicos Área de Competência: Pneumática e Hidráulica Código: 4559 Formador: José Carpinteiro Tema: Rede de Ar Comprimido Trabalho de grupo realizado por: André Silva, nº 5 Carlos Castanheira, nº 7 Fernando Chaira, nº 10 28/07/2013
  • 3. Introdução…………………………………………………………………………..... 3 Redes de Ar Comprimido…………………………………………………....... 4 Conclusão…..………………………………………………………………………... 13 Bibliografia………………………………………………………………………….... 14
  • 4. No âmbito do módulo de HP (Hidráulica e Pneumática), ministrado pelo Formador José Carpinteiro, coube-nos a tarefa de realizar um trabalho cujo tema é: Redes de Ar Comprimido. Para além de outros usos, o ar comprimido está cada vez mais presente no dia-a-dia de todos os processos industriais. Com uma vasta variedade de produtos e ferramentas pneumáticas, com tecnologia cada vez mais avançada é impossível imaginar uma indústria que não o utilize. É uma energia limpa, facilmente transportável, os equipamentos são relativamente leves e compactos, não tem risco de choque elétrico e não gera resíduos. Contudo é também muito comum a pouca atenção que se presta a este tipo de energia. A ideia de que o ar é gratuito, está ainda muito enraizada nas mentes empresariais. O ar é grátis, porém, o ar comprimido é caro devido às perdas motivadas por pequenas fugas de ar e acoplamentos com folga que, quando contabilizado, atingem elevados custos. 3
  • 5. 4 As principais utilidades dos reservatórios são as de armazenar o ar comprimido produzido, garantindo assim uma reserva em caso de alguma emergência no sistema. Para além destas funções serve para de eliminar as oscilações de pressão e manter uma pressão equilibrada na rede de distribuidora. Os mesmos podem ser verticais (mais comuns para grandes capacidades) ou horizontais (mais comuns para pequenas capacidades). Em alguns casos possuem internamente um sistema que ajuda a separar e remover eventuais condensados que ainda possam estar presentes na linha de ar comprimido. Nenhum reservatório deve trabalhar com uma pressão acima da pressão máxima de trabalho permitida, exceto quando a válvula de segurança estiver em débito. Nesta contexto, a pressão não deve ser excedida em mais de 6% do seu valor. Os reservatórios devem ser instalados de modo que todos os drenos, conexões e aberturas de inspeção sejam facilmente acessíveis.
  • 6. 5 Em nenhuma circunstância, o reservatório deve ser enterrado ou instalado em local de difícil acesso. Se possível, deve ser instalado fora da casa dos compressores para facilitar a condensação do óleo e da umidade contidos no ar comprimido. De igual modo, deve possuir um dreno, preferencialmente automático, no ponto mais baixo para fazer a remoção deste condensado acumulado em cada 8 horas de trabalho. Os reservatórios são dotados ainda de válvulas de segurança, manômetro, e são submetidos a uma prova de pressão hidrostática, antes da utilização. Rede Distribuição A rede de distribuição de ar comprimido envolve todas as tubulações provenientes do reservatório, passando pelo secador e que, ligadas, orientam o ar comprimido até os pontos individuais de utilização. A rede possui duas funções básicas: 1ª - Comunicar a fonte produtora com os equipamentos consumidores; 2ª - Funcionar como um reservatório para atender às exigências locais. Um sistema de distribuição modelarmente executado deve ostentar os seguintes requisitos:
  • 7. - Reduzida queda de pressão entre o compressor e as partes de consumo, a fim de preservar a pressão dentro de limites toleráveis em conformidade com as exigências das aplicações; - Não apresentar fuga de ar, pois caso contrário existirá perda de potência; - Apresentar grande capacidade de realizar separação de condensado. Ao ser efetuado o projeto e a instalação de uma planta de distribuição, é necessário ponderar sobre certos preceitos. O não cumprimento de certas bases é contraproducente e aumenta notavelmente a necessidade de manutenção. Cada máquina, cada dispositivo requer quantidades adequadas de ar, que é fornecida pelo compressor, através da rede distribuidora. O diâmetro da tubagem deve ser escolhido de maneira que, mesmo com um consumo de ar crescente, a queda de pressão, do reservatório até o equipamento não ultrapasse 0,1 bar, uma queda maior de pressão prejudica a rentabilidade do sistema e diminui consideravelmente a sua capacidade. A escolha do diâmetro da tubagem não é executada através de quaisquer fórmulas intuitivas ou para aproveitar tubos, mas sim considerando o volume corrente (vazão), comprimento da rede, queda de pressão admissível, pressão de trabalho número de pontos de estrangulamento na rede. 6
  • 8. Na distribuição do ar comprimido deve-se estar atento a possíveis fugas de ar na rede, para que não haja perdas de pressão e elevação nos custos. Layout Visando uma melhor resultado na distribuição do ar, deve ser construído em desenho isométrico ou escala, permitindo a obtenção do comprimento das tubulações nos diversos espaços. O layout apresenta a rede principal de distribuição, as suas ramificações e todos os pontos de consumo, incluindo futuras aplicações, qual a pressão destes pontos, e a posição das válvulas de fechamento, moduladoras, ligações, curvaturas, separadores de condensado, etc. Através do layout, pode-se definir o menor percurso da tubulação, minimizando perdas de carga e proporcionando, dessa forma, a melhor rentabilidade possível. Para determinar-se o melhor traçado da tubulação é necessário conhecer a localização dos principais pontos de consumo, assim como os pontos isolados. O tipo de rede a ser aplicado (aberta ou fechada) deve ser analisado. Em alguns casos pode ser adequado um circuito fechado em anel. Em outras situações podem exigir uma combinação de anéis e linhas diretas ou ainda somente uma linha direta pode ser suficiente. 7
  • 9. 8 A grande vantagem do circuito fechado é que se ocorrer um grande consumo inesperado de ar em qualquer linha, o ar pode ser fornecido em duas direções, diminuindo a queda de pressão. Rede de distribuição com tubagens derivadas do anel Rede de distribuição com tubagens derivadas das transversais Rede de Distribuição em Anel Fechado Rede de distribuição em circuito fechado: Partindo da tubagem principal, são instaladas as ligações em derivação. Quando o consumo de ar é muito grande, consegue-se, mediante esse tipo de montagem, uma manutenção de pressão uniforme. O ar flui em ambas as direções. Rede de distribuição em circuito aberto: As tubulações, em especial nas redes em circuito aberto, devem ser montadas com um declive de 1% a 2%, na direção do fluxo. Por causa da formação de água condensada, é fundamental, em tubagens horizontais, instalar os ramais de tomadas de ar na parte superior do tubo principal.
  • 10. Dessa forma, evita-se que a água condensada que eventualmente esteja na tubagem principal possa chegar às tomadas de ar através dos ramais. Para intercetar e drenar a água condensada devem ser instaladas derivações com drenos na parte inferior na tubulação principal. 9 Válvulas As válvulas de fecho têm bastante relevância na rede de distribuição para possibilitar a divisão desta em seções, nomeadamente em casos de redes de grande dimensão, fazendo com que as seções fiquem isoladas para que seja possível fazer qualquer substituição, manutenção ou inspeção sem que seja necessário parar a produção. As válvulas mais utilizadas, até 2 polegadas, são do tipo de esfera (diafragma) e, acima de 2 polegadas, são utilizadas as válvulas tipo gaveta.
  • 11. 10 Ligações Relativamente à ligação das tubulações, podem fazer-se em forma de rosca, solda, flange ou acoplamento rápido, devendo as mesmas ostentar a mais perfeita estanquidade. Entre as mesmas, as ligações roscadas continuam a ser as mais usadas, devido à facilidade de montagem e desmontagem. Para evitar fugas através das roscas deve utilizar-se fita Teflon, devido aos possíveis defeitos na confeção das roscas. A ligação efetuada através de solda oferece menor possibilidade de fugas de ar, todavia, carece de certos cuidados, tais com, uniformizar o mais possível o cordão da solda e retirar as escamas de óxido do interior do tubo. De modo geral, a utilização de ligações roscadas faz-se até diâmetros de 3 polegadas. Para valores superiores, geralmente aconselha-se ligações soldadas. Para instalações de maior grau de confiança, normalmente recomenda-se o uso de ligações flangeadas e soldadas. Para instalações provisórias, o ideal é o acoplamento rápido. Na desmontagem não existem perdas de tubo e não há necessidade de fazer cortes para a remoção. Curvas No que diz respeito às curvas da tubulação, para além de se dever evitar a colocação de cotovelos de 90°, devem ser efetuadas no maior raio possível, para assim evitar perdas em excesso devido turbulência. A curva mínima deve possuir na curvatura interior um raio mínimo de duas vezes o diâmetro externo do tubo. R. Mín. 2 Ø
  • 12. 11 Inclinação Para auxiliar a recolha da condensação e das impurezas devido à formação de óxido, transportando-as para um ponto mais baixo, onde acabam por ser eliminadas para a atmosfera, através do dreno, as tubulações devem ter uma certa inclinação no sentido do fluxo interior, pois, enquanto a temperatura de tubulação for maior que a temperatura de saída do ar após os secadores, este sairá praticamente seco. Se a temperatura da tubulação baixar, haverá, ainda que excecionalmente, precipitação de água. O valor desta inclinação é de 0,5 a 2% em função do comprimento reto da tubulação onde for executada. Os drenos, situados nos sítios mais baixos, devem ser preferencialmente automáticos. No caso de a rede ser relativamente grande, aconselha-se a colocação de mais de um dreno, separados aproximadamente 20 a 30m um do outro. Material usado nas redes Rede principal: Cobre, tubo de aço preto, aço-liga, latão, tubo de aço zincado (galvanizado), material sintético. Tubagens secundárias: Tubulações à base de borracha (mangueiras) somente devem ser usadas onde for requerida uma certa flexibilidade e onde, devido a um esforço mecânico mais elevado, não possam ser usadas tubulações de material sintético.
  • 13. Hoje, as tubulações à base de polietileno e poliamida são mais frequentemente usadas em máquinas, pois permitem instalações rápidas e são ainda de baixo custo. Uniões para tubagem: Os diversos tipos de conexões podem ser utilizados para tubos metálicos, de borracha ou materiais sintéticos, desde que respeitadas as restrições e recomendações de aplicação dos fabricantes. Uniões para tubagens principais, Flange Uniões roscadas para tubos com costura (galvanizados) União para tubos flexíveis e união para tubos rígidos de polietileno ou poliamida (sem costura e união rápida) 12
  • 14. Face ao trabalho que nos foi proposto, realizámos todas as pesquisas de informação possível no sentido de apresentarmos um trabalho merecedor de uma leitura agradável e esclarecedora. Com a elaboração deste trabalho, ficámos a conhecer melhor e mais pormenorizadamente a composição e instalação das Redes de Ar Comprimido, materiais a aplicar para a sua conceção, bem como as precauções a tomar durante a sua utilização. 13
  • 15. Sites:  http://pt.scribd.com/doc/17193848/Redes-distribuicao-ar- comprimido  http://pt.scribd.com/doc/62019973/38/Producao-e-Distribuicao-do- Ar-Comprimido  http://www.ebah.pt/content/ABAAAA6AgAA/dimensionamento- redes-ar-comprimido  http://www.voltimum.pt/news/752/cm/sistemas-de-ar-comprimido--- medidas-para-aumentar-a-eficiencia-energetica.html  http://www.hightech-airer.pt/rede_de_ar.html  http://elearning.iefp.pt/pluginfile.php/49360/mod_resource/content/0/ CD-Rom/Estudo/Pneumatica_e_Hidraulica_Nivel_III/J_- _Rede_de_Distribui__o_de_Ar_Comprimido/frame_2.htm  http://pt.scribd.com/doc/106154192/Tubulacoes-para-sistema-de-ar- comprimidonoticias.r7.com Local de Pesquisa:  Internet. 14