SlideShare uma empresa Scribd logo
Ambientes virtuais de interação
Se não há política, não se
sabe o que fazer. Então no
fundo os bibliotecários estão
sempre querendo um manual
de como engajar as pessoas a
seus serviços e produtos. Só
que dessa vez no ambiente
digital
Ambientes virtuais
de interação
Moreno Barros

[esse foi o tema da palestra]
Ambientes virtuais de
interação? me vejo fazendo
isso sempre
meu discurso é que funciona
bem o ambiente de interação
entre pares, mas não com os
usuários
Panfletar informação
é bem diferente de
compartilhar
informação
Muitas das iniciativas de
interação virtual são na
verdade uma cópia dos
murais de margarida das
escolas e bibliotecas
Um exemplo: criei um grupo
no facebook para troca de
artigos científicos.
Tipo de coisa que funciona
muito melhor que o COMUT.
Na verdade, pouco me
importa o ambiente (o
facebook, no caso). E sim a
capacidade de realizar
melhor meu trabalho e com
mais rapidez.
Ambientes virtuais de interação
O ambiente de
interação também
funciona bem quando
peço ajuda aos colegas
Ambientes virtuais de interação
internet, melhor ambiente de
interação que existe

ok, mas quando estamos
falando de interação no
contexto das bibliotecas, o
que estamos querendo dizer?
INTERAÇÃO?
MANTRA
Bibliotecas que constroem
coleções (ruins), que
constroem serviços (boas) e
que constroem comunidades
(grandes)
*Dora traduziu o texto que eu retuitei, leiam
Em outro evento da
redarte (2010) falei
sobre a biblioteca
como plataforma e
uma divisão em
níves de curadoria
FASE 1

FASE 2

FASE 3
A BIBLIOTECA COMO
PLATAFORMA
1. bibliotecas liberam seus
dados
2. usuários trabalham sobre
esses dados
3. dados remixados retornam
à curadoria da biblioteca
O grande exemplo de
intervenção na curadoria
original dos bibliotecários é o
The Commons do Flickr.

No Brasil, ainda estamos presos
na fase 1: digitalização, acesso a
informação, dados abertos, etc.
Fabiano Caruso me explicou
que uma curadoria de
segundo nível seria mais
direcionada a criação de valor
e formação de comunidades a
partir desta informação que
foi previamente tratada,
aberta e é oferecida.
Hoje, minha dúvida é saber
se os níveis 2 e 3 são papel
dos bibliotecários, das
bibliotecas…
Fabiano acha que não é um
trabalho “exclusivo” mas
mais uma oportunidade.
ADENDO (by Caruso)

• a biblioteconomia carece de entendimento dos fins, ela só tem
noção dos meios.
• pois os fins (marketing) convertido nos tipos de bibliotecas
(pública, escolar, etc), já é empurrado goela abaixo para nós
• e qualquer mudança nos fins acaba dependendo de que
consigamos nos adaptar para isso
• ou seja, a biblioteconomia é meio que um serviço social
especializado
• só que o que vamos fazer ou deixar de fazer é muito amarrado
em políticas públicas para isso (de um lado as políticas
governamentais para bibliotecas públicas, de outro lado
aquela lei de repositórios institucionais para bibliotecas
universitárias e etc).
• percebe como a área não consegue por conta própria fazer
pesquisa de marketing e pensar em serviços de forma mais
fragmentada?
Uma plataforma de intervenção,
a curadoria funcionando nos 3
níveis. Um nome me vem à
mente: foursquare
Como a biblioteca pode se tornar
uma espécie de foursquare?
interação?
FOURSQUARE
o melhor guia da
cidade. Meus amigos
são meus guias.
A BIBLIOTECA COMO
PLATAFORMA PARA AÇÃO

• dado, informação, conhecimento,
insight (leiam BARRETO, Aldo)
• 0 é a biblioteca, 1 e 2 são pessoas
• O desafio da biblioteca é juntar o
0,1 e 2 e promover o salto para o 3
*caruso desenhou isso
Ambientes virtuais de interação
COMO AS BIBLIOTECAS FUNCIONAM HOJE?
bibliotecas são um depósito. onde cada busca
começa sempre do zero. dificilmente consigo
visualizar no espaço real ou virtual da biblioteca os
rastros de conhecimento acumulado de todas as
pessoas que já percorram aquilo antes de mim (que
é o que o foursquare faz de melhor)

ou seja, tanto nas bibliotecas públicas (avaliações
sociais das leituras) como nas universitárias
(informações técnicas acumuladas e produtos
derivados das leituras) não existe o acúmulo de
registros sobre o uso dos materiais, apenas o
acúmulo dos materiais por si só
nas bibliotecas universitárias o modelo de
recomendação e avaliação são as referências
bibliográficas ou a bibliografia da disciplina
chancelada pelo professor. é um grande
início de pesquisa, mas é top-down e não
deveria ser o único caminho.

as bibliotecas então tinham que oferecer
mecanismos de mapear os rastros de uso
sobre os seus produtos e serviços, para que
pessoas pudessem tomar proveito de
informações de uso de pessoas anteriores
O QUE TEM SIDO FEITO?
Na prática, alguns projetos estão sendo
consolidados, saindo da fase 1, para a fase 2
EXEMPLO 1: MAPA DAS BIBLIOTECAS
• informações geotageadas com base no
censo do Sistema Nacional de Bibliotecas
Públicas, criado por Tiago Murakami no
google fusion.
Ambientes virtuais de interação
EXEMPLO 2: WEB QUALIS DA CAPES

• Capes disponibiliza a tabela do Web
Qualis em pdf. Esse tipo de arquivo
precisa ser aberto para permitir
melhor e maior integração com outros
sistemas
• cidadãos (OKF Brasil e Murakami)
pediram os dados abertos via Lei de
Acesso à Informação, Capes negou.
Vamos fazer na marra.
Ambientes virtuais de interação
EXEMPLO 3: ORÇAMENTO A SEU
ALCANCE

sintetiza informações
atualizadas e mensais sobre o
desembolso financeiro dos
ministérios e demais órgãos
federais
Ambientes virtuais de interação
EXEMPLO 4: LIBRARY THING (for libraries)
Modelo mais próximo que temos
atualmente de uma biblioteca que
oferece o mecanismo da revisão, da
intervenção.

Mas ainda estamos longe de ter um
catálogo de biblioteca nos moldes da
Amazon.
Ambientes virtuais de interação
CURADORIA DIGITAL
Também diz respeito ao embate entre criadores e
curadores. Bibliotecários devem estar além desse
embate, porque sempre estiveram ao lado dos 2
Somos privilegiados por ter acesso ilimitados aos
dados, os registros. Ou seja, as possibilidades de
curadoria para os bibliotecários são ilimitadas
Isso é papel das bibliotecas? Não é exclusivo,
mas é uma oportunidade.
Ambientes virtuais de interação
E as coisas que venho
fazendo, no nível pessoal
individual
que talvez se caracterizem
como um tipo de curadoria
Ambientes virtuais de interação
facebook.com/umacapapordia

O exercício de publicar uma
capa por dia, critério estético
pessoal, a partir da seleção
em massa dos catálogos dos
editores brasileiros
Projeto original de Vivian Andreozzi
Ambientes virtuais de interação
morenobarros.com
Seleção de imagens de
bibliotecas digitais nacionais
e republicação de textos
antigos e esquecidos da
biblioteconomia nacional, não
disponíveis em HTML
Ambientes virtuais de interação
ExLibris Brasilis
seleção de exlibris nacionais
esquecidos ou ainda não
catalogados
www.pinterest.com/morenobarros/ex-libris/
Ambientes virtuais de interação
Arquitetura de bibliotecas
seleção dos projetos nacionais
de design e arquitetura de
biblioteca
arquiteturadebibliotecas.blogspot.com
Ambientes virtuais de interação
BiblioCamp
desconferência para
compartilhamento de boas
práticas
bibliocamp.com
No final das contas tudo se resume
à interação com pessoas. Pessoas
que interagem com pessoas por
meio de tecnologia e arte
O mecanismo de interação é menos
importante do que a interação em si
interação?
OBRIGADO!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Bibliotwitter 2010
Bibliotwitter 2010Bibliotwitter 2010
Bibliotwitter 2010
Moreno Barros
 
Projeto (2) lucero 15 tp
Projeto (2) lucero 15 tpProjeto (2) lucero 15 tp
Projeto (2) lucero 15 tp
alemisturini
 
Desafios das bibliotecas no século XXI
Desafios das bibliotecas no século XXIDesafios das bibliotecas no século XXI
Desafios das bibliotecas no século XXI
Isabel Nina
 
Leitura vs Tecnologia
Leitura vs TecnologiaLeitura vs Tecnologia
Leitura vs Tecnologia
Moreno Barros
 
Biblioteca escolar 2
Biblioteca escolar  2Biblioteca escolar  2
Biblioteca escolar 2
jpedrofernandes
 
Marketing biblioteca na biblioteca escolar
Marketing biblioteca  na biblioteca escolarMarketing biblioteca  na biblioteca escolar
Marketing biblioteca na biblioteca escolar
António Pires
 
Dalva
DalvaDalva
Biblioteca 1a
Biblioteca 1aBiblioteca 1a
Biblioteca 1a
Nádia França
 
Bibliotecas Conclusões
Bibliotecas ConclusõesBibliotecas Conclusões
Bibliotecas Conclusões
sollua
 
Dos livros para as comunidades a nova biblioteconomia de Lankes
Dos livros para as comunidades a nova biblioteconomia de LankesDos livros para as comunidades a nova biblioteconomia de Lankes
Dos livros para as comunidades a nova biblioteconomia de Lankes
Jorge Prado
 
Ler em familia
Ler em familiaLer em familia
Ler em familia
Fernandaguerreiro
 
O que queremos para o futuro das Bibliotecas Escolares
O que queremos para o futuro das Bibliotecas EscolaresO que queremos para o futuro das Bibliotecas Escolares
O que queremos para o futuro das Bibliotecas Escolares
Graça Rosa
 
Bibliotecas do sec. xxi rompendo paradigmas
Bibliotecas do sec. xxi rompendo paradigmasBibliotecas do sec. xxi rompendo paradigmas
Bibliotecas do sec. xxi rompendo paradigmas
Ana Glenyr
 
As livrarias na era digital javier celaya
As livrarias na era digital   javier celayaAs livrarias na era digital   javier celaya
As livrarias na era digital javier celaya
Dosdoce.com
 
Bibliotecas: da utilidade à necessidade
Bibliotecas: da utilidade à necessidadeBibliotecas: da utilidade à necessidade
Bibliotecas: da utilidade à necessidade
António Pires
 
Apresentação O que é a Biblioteca Escolar e para que serve, seminário nós nas...
Apresentação O que é a Biblioteca Escolar e para que serve, seminário nós nas...Apresentação O que é a Biblioteca Escolar e para que serve, seminário nós nas...
Apresentação O que é a Biblioteca Escolar e para que serve, seminário nós nas...
João Paulo Proença
 
Biblioteca escolar: um recurso estratégico na escola do séc. XXI
Biblioteca escolar: um recurso estratégico na escola do séc. XXIBiblioteca escolar: um recurso estratégico na escola do séc. XXI
Biblioteca escolar: um recurso estratégico na escola do séc. XXI
António Pires
 
Biblioteca Escolar e trabalho colaborativo. Contributo para as Jornadas Liter...
Biblioteca Escolar e trabalho colaborativo. Contributo para as Jornadas Liter...Biblioteca Escolar e trabalho colaborativo. Contributo para as Jornadas Liter...
Biblioteca Escolar e trabalho colaborativo. Contributo para as Jornadas Liter...
Biblioteca da Escola E.B. 2,3/Secundária de Baião - Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil
 
Blogosfera, Twitters & Co
Blogosfera, Twitters & CoBlogosfera, Twitters & Co
Blogosfera, Twitters & Co
Pedro Príncipe
 
A Biblioteca Escolar e os desafios do século XXI
A Biblioteca Escolar e os desafios do século XXIA Biblioteca Escolar e os desafios do século XXI
A Biblioteca Escolar e os desafios do século XXI
Rosário Caldeira
 

Mais procurados (20)

Bibliotwitter 2010
Bibliotwitter 2010Bibliotwitter 2010
Bibliotwitter 2010
 
Projeto (2) lucero 15 tp
Projeto (2) lucero 15 tpProjeto (2) lucero 15 tp
Projeto (2) lucero 15 tp
 
Desafios das bibliotecas no século XXI
Desafios das bibliotecas no século XXIDesafios das bibliotecas no século XXI
Desafios das bibliotecas no século XXI
 
Leitura vs Tecnologia
Leitura vs TecnologiaLeitura vs Tecnologia
Leitura vs Tecnologia
 
Biblioteca escolar 2
Biblioteca escolar  2Biblioteca escolar  2
Biblioteca escolar 2
 
Marketing biblioteca na biblioteca escolar
Marketing biblioteca  na biblioteca escolarMarketing biblioteca  na biblioteca escolar
Marketing biblioteca na biblioteca escolar
 
Dalva
DalvaDalva
Dalva
 
Biblioteca 1a
Biblioteca 1aBiblioteca 1a
Biblioteca 1a
 
Bibliotecas Conclusões
Bibliotecas ConclusõesBibliotecas Conclusões
Bibliotecas Conclusões
 
Dos livros para as comunidades a nova biblioteconomia de Lankes
Dos livros para as comunidades a nova biblioteconomia de LankesDos livros para as comunidades a nova biblioteconomia de Lankes
Dos livros para as comunidades a nova biblioteconomia de Lankes
 
Ler em familia
Ler em familiaLer em familia
Ler em familia
 
O que queremos para o futuro das Bibliotecas Escolares
O que queremos para o futuro das Bibliotecas EscolaresO que queremos para o futuro das Bibliotecas Escolares
O que queremos para o futuro das Bibliotecas Escolares
 
Bibliotecas do sec. xxi rompendo paradigmas
Bibliotecas do sec. xxi rompendo paradigmasBibliotecas do sec. xxi rompendo paradigmas
Bibliotecas do sec. xxi rompendo paradigmas
 
As livrarias na era digital javier celaya
As livrarias na era digital   javier celayaAs livrarias na era digital   javier celaya
As livrarias na era digital javier celaya
 
Bibliotecas: da utilidade à necessidade
Bibliotecas: da utilidade à necessidadeBibliotecas: da utilidade à necessidade
Bibliotecas: da utilidade à necessidade
 
Apresentação O que é a Biblioteca Escolar e para que serve, seminário nós nas...
Apresentação O que é a Biblioteca Escolar e para que serve, seminário nós nas...Apresentação O que é a Biblioteca Escolar e para que serve, seminário nós nas...
Apresentação O que é a Biblioteca Escolar e para que serve, seminário nós nas...
 
Biblioteca escolar: um recurso estratégico na escola do séc. XXI
Biblioteca escolar: um recurso estratégico na escola do séc. XXIBiblioteca escolar: um recurso estratégico na escola do séc. XXI
Biblioteca escolar: um recurso estratégico na escola do séc. XXI
 
Biblioteca Escolar e trabalho colaborativo. Contributo para as Jornadas Liter...
Biblioteca Escolar e trabalho colaborativo. Contributo para as Jornadas Liter...Biblioteca Escolar e trabalho colaborativo. Contributo para as Jornadas Liter...
Biblioteca Escolar e trabalho colaborativo. Contributo para as Jornadas Liter...
 
Blogosfera, Twitters & Co
Blogosfera, Twitters & CoBlogosfera, Twitters & Co
Blogosfera, Twitters & Co
 
A Biblioteca Escolar e os desafios do século XXI
A Biblioteca Escolar e os desafios do século XXIA Biblioteca Escolar e os desafios do século XXI
A Biblioteca Escolar e os desafios do século XXI
 

Semelhante a Ambientes virtuais de interação

Formação beja-cr
Formação  beja-crFormação  beja-cr
Formação beja-cr
ramos17mariac
 
Bibliotecnologia e Sociedade: da infraestrutura ao engajamento
Bibliotecnologia e Sociedade: da infraestrutura ao engajamentoBibliotecnologia e Sociedade: da infraestrutura ao engajamento
Bibliotecnologia e Sociedade: da infraestrutura ao engajamento
Ronaldo Araújo
 
Dados, informação e conhecimento no contexto dos catálogos das bibliotecas un...
Dados, informação e conhecimento no contexto dos catálogos das bibliotecas un...Dados, informação e conhecimento no contexto dos catálogos das bibliotecas un...
Dados, informação e conhecimento no contexto dos catálogos das bibliotecas un...
Ana Glenyr
 
Reflexão nuno tarefa 2 sessao 3
Reflexão nuno tarefa 2 sessao 3Reflexão nuno tarefa 2 sessao 3
Reflexão nuno tarefa 2 sessao 3
Nuno Maria
 
Biblioteca pública
Biblioteca públicaBiblioteca pública
Biblioteca pública
LUIS REBELO
 
Desafios para uma biblioteca com futuro
Desafios para uma biblioteca com futuroDesafios para uma biblioteca com futuro
Desafios para uma biblioteca com futuro
Luis Borges Gouveia
 
Perfil de Blogues Portugueses na área das Ciências da Informação
Perfil de Blogues Portugueses na área das Ciências da InformaçãoPerfil de Blogues Portugueses na área das Ciências da Informação
Perfil de Blogues Portugueses na área das Ciências da Informação
Pedro Príncipe
 
Tarefa1
Tarefa1Tarefa1
Tarefa1
martamedeiros
 
Poder Da Colaboração
Poder Da ColaboraçãoPoder Da Colaboração
Poder Da Colaboração
Maria Carolina Carlos Pinto da Silva
 
Inclusão Digital: TICs em sala de aula III
Inclusão Digital: TICs em sala de aula IIIInclusão Digital: TICs em sala de aula III
Inclusão Digital: TICs em sala de aula III
AFMO35
 
Calil forum
Calil forumCalil forum
Calil forum
Daniela Spudeit
 
Inclusão Digital: TICs em sala de aula III
Inclusão Digital: TICs em sala de aula IIIInclusão Digital: TICs em sala de aula III
Inclusão Digital: TICs em sala de aula III
AFMO35
 
Palestra "Biblioteconomia: formação do bibliotecário e perspectivas de atuação"
Palestra "Biblioteconomia: formação do bibliotecário e perspectivas de atuação"Palestra "Biblioteconomia: formação do bibliotecário e perspectivas de atuação"
Palestra "Biblioteconomia: formação do bibliotecário e perspectivas de atuação"
Solange Santana
 
Diigo
DiigoDiigo
O lugar da leitura como espaço de convergência entre o real e o digital
O lugar da leitura como espaço de convergência entre o real e o digitalO lugar da leitura como espaço de convergência entre o real e o digital
O lugar da leitura como espaço de convergência entre o real e o digital
Luis Borges Gouveia
 
Manuela Barreto Nunes
Manuela Barreto NunesManuela Barreto Nunes
Manuela Barreto Nunes
Encontro Bibliotecas
 
Repositorios
RepositoriosRepositorios
Repositorios
MariaTeresaBrito
 
Repositorios
RepositoriosRepositorios
Repositorios
margaridamota
 
Repositorios digitais
Repositorios digitaisRepositorios digitais
Repositorios digitais
Graça Rosa
 
A biblioteca escolar ao serviço da aprendizagem
A biblioteca escolar ao serviço da aprendizagemA biblioteca escolar ao serviço da aprendizagem
A biblioteca escolar ao serviço da aprendizagem
Carlos Pinheiro
 

Semelhante a Ambientes virtuais de interação (20)

Formação beja-cr
Formação  beja-crFormação  beja-cr
Formação beja-cr
 
Bibliotecnologia e Sociedade: da infraestrutura ao engajamento
Bibliotecnologia e Sociedade: da infraestrutura ao engajamentoBibliotecnologia e Sociedade: da infraestrutura ao engajamento
Bibliotecnologia e Sociedade: da infraestrutura ao engajamento
 
Dados, informação e conhecimento no contexto dos catálogos das bibliotecas un...
Dados, informação e conhecimento no contexto dos catálogos das bibliotecas un...Dados, informação e conhecimento no contexto dos catálogos das bibliotecas un...
Dados, informação e conhecimento no contexto dos catálogos das bibliotecas un...
 
Reflexão nuno tarefa 2 sessao 3
Reflexão nuno tarefa 2 sessao 3Reflexão nuno tarefa 2 sessao 3
Reflexão nuno tarefa 2 sessao 3
 
Biblioteca pública
Biblioteca públicaBiblioteca pública
Biblioteca pública
 
Desafios para uma biblioteca com futuro
Desafios para uma biblioteca com futuroDesafios para uma biblioteca com futuro
Desafios para uma biblioteca com futuro
 
Perfil de Blogues Portugueses na área das Ciências da Informação
Perfil de Blogues Portugueses na área das Ciências da InformaçãoPerfil de Blogues Portugueses na área das Ciências da Informação
Perfil de Blogues Portugueses na área das Ciências da Informação
 
Tarefa1
Tarefa1Tarefa1
Tarefa1
 
Poder Da Colaboração
Poder Da ColaboraçãoPoder Da Colaboração
Poder Da Colaboração
 
Inclusão Digital: TICs em sala de aula III
Inclusão Digital: TICs em sala de aula IIIInclusão Digital: TICs em sala de aula III
Inclusão Digital: TICs em sala de aula III
 
Calil forum
Calil forumCalil forum
Calil forum
 
Inclusão Digital: TICs em sala de aula III
Inclusão Digital: TICs em sala de aula IIIInclusão Digital: TICs em sala de aula III
Inclusão Digital: TICs em sala de aula III
 
Palestra "Biblioteconomia: formação do bibliotecário e perspectivas de atuação"
Palestra "Biblioteconomia: formação do bibliotecário e perspectivas de atuação"Palestra "Biblioteconomia: formação do bibliotecário e perspectivas de atuação"
Palestra "Biblioteconomia: formação do bibliotecário e perspectivas de atuação"
 
Diigo
DiigoDiigo
Diigo
 
O lugar da leitura como espaço de convergência entre o real e o digital
O lugar da leitura como espaço de convergência entre o real e o digitalO lugar da leitura como espaço de convergência entre o real e o digital
O lugar da leitura como espaço de convergência entre o real e o digital
 
Manuela Barreto Nunes
Manuela Barreto NunesManuela Barreto Nunes
Manuela Barreto Nunes
 
Repositorios
RepositoriosRepositorios
Repositorios
 
Repositorios
RepositoriosRepositorios
Repositorios
 
Repositorios digitais
Repositorios digitaisRepositorios digitais
Repositorios digitais
 
A biblioteca escolar ao serviço da aprendizagem
A biblioteca escolar ao serviço da aprendizagemA biblioteca escolar ao serviço da aprendizagem
A biblioteca escolar ao serviço da aprendizagem
 

Mais de Moreno Barros

As 5 leis da biblioteconomia - Ranganathan
As 5 leis da biblioteconomia - RanganathanAs 5 leis da biblioteconomia - Ranganathan
As 5 leis da biblioteconomia - Ranganathan
Moreno Barros
 
Curadoria Digital
Curadoria DigitalCuradoria Digital
Curadoria Digital
Moreno Barros
 
Library Design and Architecture - 2012
Library Design and Architecture - 2012Library Design and Architecture - 2012
Library Design and Architecture - 2012
Moreno Barros
 
Estado das Redes Sociais 2011 - State of Social Media
Estado das Redes Sociais 2011 - State of Social MediaEstado das Redes Sociais 2011 - State of Social Media
Estado das Redes Sociais 2011 - State of Social Media
Moreno Barros
 
Twitter no SNBU
Twitter no SNBUTwitter no SNBU
Twitter no SNBU
Moreno Barros
 
Library Design & Architecture
Library Design & ArchitectureLibrary Design & Architecture
Library Design & Architecture
Moreno Barros
 
Brazilian Librarians & Twitter
Brazilian Librarians & TwitterBrazilian Librarians & Twitter
Brazilian Librarians & Twitter
Moreno Barros
 
Redes sociais e bibliotecas
Redes sociais e bibliotecasRedes sociais e bibliotecas
Redes sociais e bibliotecas
Moreno Barros
 
A biblioteca como plataforma
A biblioteca como plataformaA biblioteca como plataforma
A biblioteca como plataforma
Moreno Barros
 
Em defesa do Twitter
Em defesa do TwitterEm defesa do Twitter
Em defesa do Twitter
Moreno Barros
 
A nova desordem digital
A nova desordem digitalA nova desordem digital
A nova desordem digital
Moreno Barros
 

Mais de Moreno Barros (11)

As 5 leis da biblioteconomia - Ranganathan
As 5 leis da biblioteconomia - RanganathanAs 5 leis da biblioteconomia - Ranganathan
As 5 leis da biblioteconomia - Ranganathan
 
Curadoria Digital
Curadoria DigitalCuradoria Digital
Curadoria Digital
 
Library Design and Architecture - 2012
Library Design and Architecture - 2012Library Design and Architecture - 2012
Library Design and Architecture - 2012
 
Estado das Redes Sociais 2011 - State of Social Media
Estado das Redes Sociais 2011 - State of Social MediaEstado das Redes Sociais 2011 - State of Social Media
Estado das Redes Sociais 2011 - State of Social Media
 
Twitter no SNBU
Twitter no SNBUTwitter no SNBU
Twitter no SNBU
 
Library Design & Architecture
Library Design & ArchitectureLibrary Design & Architecture
Library Design & Architecture
 
Brazilian Librarians & Twitter
Brazilian Librarians & TwitterBrazilian Librarians & Twitter
Brazilian Librarians & Twitter
 
Redes sociais e bibliotecas
Redes sociais e bibliotecasRedes sociais e bibliotecas
Redes sociais e bibliotecas
 
A biblioteca como plataforma
A biblioteca como plataformaA biblioteca como plataforma
A biblioteca como plataforma
 
Em defesa do Twitter
Em defesa do TwitterEm defesa do Twitter
Em defesa do Twitter
 
A nova desordem digital
A nova desordem digitalA nova desordem digital
A nova desordem digital
 

Ambientes virtuais de interação

  • 2. Se não há política, não se sabe o que fazer. Então no fundo os bibliotecários estão sempre querendo um manual de como engajar as pessoas a seus serviços e produtos. Só que dessa vez no ambiente digital
  • 3. Ambientes virtuais de interação Moreno Barros [esse foi o tema da palestra]
  • 4. Ambientes virtuais de interação? me vejo fazendo isso sempre meu discurso é que funciona bem o ambiente de interação entre pares, mas não com os usuários
  • 5. Panfletar informação é bem diferente de compartilhar informação
  • 6. Muitas das iniciativas de interação virtual são na verdade uma cópia dos murais de margarida das escolas e bibliotecas
  • 7. Um exemplo: criei um grupo no facebook para troca de artigos científicos. Tipo de coisa que funciona muito melhor que o COMUT.
  • 8. Na verdade, pouco me importa o ambiente (o facebook, no caso). E sim a capacidade de realizar melhor meu trabalho e com mais rapidez.
  • 10. O ambiente de interação também funciona bem quando peço ajuda aos colegas
  • 12. internet, melhor ambiente de interação que existe ok, mas quando estamos falando de interação no contexto das bibliotecas, o que estamos querendo dizer?
  • 14. MANTRA Bibliotecas que constroem coleções (ruins), que constroem serviços (boas) e que constroem comunidades (grandes) *Dora traduziu o texto que eu retuitei, leiam
  • 15. Em outro evento da redarte (2010) falei sobre a biblioteca como plataforma e uma divisão em níves de curadoria
  • 17. A BIBLIOTECA COMO PLATAFORMA 1. bibliotecas liberam seus dados 2. usuários trabalham sobre esses dados 3. dados remixados retornam à curadoria da biblioteca
  • 18. O grande exemplo de intervenção na curadoria original dos bibliotecários é o The Commons do Flickr. No Brasil, ainda estamos presos na fase 1: digitalização, acesso a informação, dados abertos, etc.
  • 19. Fabiano Caruso me explicou que uma curadoria de segundo nível seria mais direcionada a criação de valor e formação de comunidades a partir desta informação que foi previamente tratada, aberta e é oferecida.
  • 20. Hoje, minha dúvida é saber se os níveis 2 e 3 são papel dos bibliotecários, das bibliotecas… Fabiano acha que não é um trabalho “exclusivo” mas mais uma oportunidade.
  • 21. ADENDO (by Caruso) • a biblioteconomia carece de entendimento dos fins, ela só tem noção dos meios. • pois os fins (marketing) convertido nos tipos de bibliotecas (pública, escolar, etc), já é empurrado goela abaixo para nós • e qualquer mudança nos fins acaba dependendo de que consigamos nos adaptar para isso • ou seja, a biblioteconomia é meio que um serviço social especializado • só que o que vamos fazer ou deixar de fazer é muito amarrado em políticas públicas para isso (de um lado as políticas governamentais para bibliotecas públicas, de outro lado aquela lei de repositórios institucionais para bibliotecas universitárias e etc). • percebe como a área não consegue por conta própria fazer pesquisa de marketing e pensar em serviços de forma mais fragmentada?
  • 22. Uma plataforma de intervenção, a curadoria funcionando nos 3 níveis. Um nome me vem à mente: foursquare Como a biblioteca pode se tornar uma espécie de foursquare?
  • 24. FOURSQUARE o melhor guia da cidade. Meus amigos são meus guias.
  • 25. A BIBLIOTECA COMO PLATAFORMA PARA AÇÃO • dado, informação, conhecimento, insight (leiam BARRETO, Aldo) • 0 é a biblioteca, 1 e 2 são pessoas • O desafio da biblioteca é juntar o 0,1 e 2 e promover o salto para o 3
  • 28. COMO AS BIBLIOTECAS FUNCIONAM HOJE? bibliotecas são um depósito. onde cada busca começa sempre do zero. dificilmente consigo visualizar no espaço real ou virtual da biblioteca os rastros de conhecimento acumulado de todas as pessoas que já percorram aquilo antes de mim (que é o que o foursquare faz de melhor) ou seja, tanto nas bibliotecas públicas (avaliações sociais das leituras) como nas universitárias (informações técnicas acumuladas e produtos derivados das leituras) não existe o acúmulo de registros sobre o uso dos materiais, apenas o acúmulo dos materiais por si só
  • 29. nas bibliotecas universitárias o modelo de recomendação e avaliação são as referências bibliográficas ou a bibliografia da disciplina chancelada pelo professor. é um grande início de pesquisa, mas é top-down e não deveria ser o único caminho. as bibliotecas então tinham que oferecer mecanismos de mapear os rastros de uso sobre os seus produtos e serviços, para que pessoas pudessem tomar proveito de informações de uso de pessoas anteriores
  • 30. O QUE TEM SIDO FEITO? Na prática, alguns projetos estão sendo consolidados, saindo da fase 1, para a fase 2 EXEMPLO 1: MAPA DAS BIBLIOTECAS • informações geotageadas com base no censo do Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas, criado por Tiago Murakami no google fusion.
  • 32. EXEMPLO 2: WEB QUALIS DA CAPES • Capes disponibiliza a tabela do Web Qualis em pdf. Esse tipo de arquivo precisa ser aberto para permitir melhor e maior integração com outros sistemas • cidadãos (OKF Brasil e Murakami) pediram os dados abertos via Lei de Acesso à Informação, Capes negou. Vamos fazer na marra.
  • 34. EXEMPLO 3: ORÇAMENTO A SEU ALCANCE sintetiza informações atualizadas e mensais sobre o desembolso financeiro dos ministérios e demais órgãos federais
  • 36. EXEMPLO 4: LIBRARY THING (for libraries) Modelo mais próximo que temos atualmente de uma biblioteca que oferece o mecanismo da revisão, da intervenção. Mas ainda estamos longe de ter um catálogo de biblioteca nos moldes da Amazon.
  • 38. CURADORIA DIGITAL Também diz respeito ao embate entre criadores e curadores. Bibliotecários devem estar além desse embate, porque sempre estiveram ao lado dos 2 Somos privilegiados por ter acesso ilimitados aos dados, os registros. Ou seja, as possibilidades de curadoria para os bibliotecários são ilimitadas Isso é papel das bibliotecas? Não é exclusivo, mas é uma oportunidade.
  • 40. E as coisas que venho fazendo, no nível pessoal individual que talvez se caracterizem como um tipo de curadoria
  • 42. facebook.com/umacapapordia O exercício de publicar uma capa por dia, critério estético pessoal, a partir da seleção em massa dos catálogos dos editores brasileiros Projeto original de Vivian Andreozzi
  • 44. morenobarros.com Seleção de imagens de bibliotecas digitais nacionais e republicação de textos antigos e esquecidos da biblioteconomia nacional, não disponíveis em HTML
  • 46. ExLibris Brasilis seleção de exlibris nacionais esquecidos ou ainda não catalogados www.pinterest.com/morenobarros/ex-libris/
  • 48. Arquitetura de bibliotecas seleção dos projetos nacionais de design e arquitetura de biblioteca arquiteturadebibliotecas.blogspot.com
  • 51. No final das contas tudo se resume à interação com pessoas. Pessoas que interagem com pessoas por meio de tecnologia e arte O mecanismo de interação é menos importante do que a interação em si