SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
Baixar para ler offline
Bases Ecológicas para Desenvolvimento 
Sustentável 
Reciclagem da água 
Bruno Barbarioli 2005048733 
Fernanda Sanchez 2005048750 
Abril, 2010
Água 
• A água é uma substância química onipresente que é composta de 
hidrogênio e oxigênio e é essencial para todas as formas conhecidas de 
vida. [2] 
• A água cobre 71% da superfície da Terra, onde ela é encontrada 
principalmente nos oceanos e em outros grandes corpos dd''áágguuaa,, 11,,6%% eemm 
aquíferos e 0,001% na atmosfera como vapor, nuvens e precipitação. Os 
oceanos detêm 97% da água superficial, geleiras e calotas polares detêm 
2,4%, e outros, como rios, lagos e lagoas detêm 0,6% da água do planeta. 
• Alguns pesquisadores estimaram que em 2025 mais de metade da 
população mundial sofrerá com a falta de água potável. [1]
Gráfico 1: Evolução global do uso da água 
Fonte: UNESCO, Paris, 1999
Esgoto 
Esgoto é o termo usado pra caracterizar os despejos provenientes dos 
diversos usos das águas, tais como doméstico, comercial, industrial, agrícola. 
Os esgotos domésticos são uma parcela muito significativa dos esgotos 
sanitários, provêm principalmente, de residências, edificações públicas e 
comerciais que concentram aparelhos sanitários, llaavvaannddeerriiaass ee ccoozziinnhhaass.. 
Os esgotos domésticos se compõem basicamente de: águas de banho, 
urina, fezes, restos de comida, sabão, detergentes e águas de lavagem. 
Todo esgoto sanitário se compõe basicamente de 99,9% de água e 0,1% 
sólidos - 70% de sólidos orgânicos (proteínas, carboidratos, gorduras) e 30% 
de sólidos inorgânicos (areia,sais e metais).[3]
Esgoto 
• O que é água cinza: são águas 
servidas que foram utilizadas para 
limpeza,(tanques,pias, chuveiros). 
• O que é água negra: são águas 
servidas que foram utilizadas nos 
vasos sanitários e contém 
coliformes fecais. [3] 
Figura 1: Esgoto fluvial 
Fonte: Wikipedia/água
Figura 2: Esquema da rede de água 
Fonte: naturaltec.com.br
Reciclagem e Reutilização 
A reciclagem é o termo geralmente utilizado para designar o 
reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um 
novo produto. As maiores vantagens da reciclagem são a minimização da 
utilização de fontes naturais, muitas vezes não renováveis; e a minimização 
da quantidade de resíduos que necessita de tratamento final, como 
aterramento, ou incineração. 
O conceito de reciclagem serve apenas para os materiais que podem voltar 
ao estado original e ser transformado novamente em um produto igual em 
todas as suas características. O conceito de reciclagem é diferente do de 
reutilização. 
O reaproveitamento ou reutilização consiste em transformar um 
determinado material já beneficiado em outro. [1]
Tipos de reciclagem 
• Reciclagem doméstica 
•• RReecciiccllaaggeemm iinndduussttrriiaall 
• Reciclagem agrícola 
• Reciclagem urbana
Reciclagem doméstica 
• A água que utilizamos em casa geralmente é 100% potável, algo 
extremamente desnecessário já que cerca de metade das tarefas 
domésticas em que se utiliza a água pode ser realizada com água não 
potável, advinda da chuva e da reciclagem interna, por exemplo. 
Gráfico 2: Uso doméstico da água 
Fonte: consumer.es
Reaproveitamento de águas pluviais 
• Uma das formas de 
utilizar água não potável 
é a captação da água da 
chuva. 
• Este tipo de água pode 
ser utilizado em algumas 
tarefas domésticas como 
lavagem de carros, do 
chão, roupas, descarga, 
etc. 
Figura 3: Captação de água pluvial 
Fonte: artereciclagem.blogspot.com
Para ajudar a proteger sua privacidade, o PowerPoint impediu o download automático desta imagem externa. Para baixar e exibir esta imagem, clique em Opções na Barra de Mensagens e clique em Habilitar conteúdo externo. 
Reaproveitamento de águas pluviais 
http://or.oesterenovaveis.pt/articles.php?lng=fr&pg=94 
Figura 4: Esquema de captação de água pluvial 
Fonte: arq.ufsc.br
Reaproveitamento de águas cinzas 
• As águas cinzas podem ser usadas nas residências a partir de dois 
processos distintos que variam basicamente pelo nível de complexidade do 
tratamento. Se usadas na irrigação exclusivamente por infiltração 
subterrânea, estas águas não necessitam de praticamente nenhum 
tratamento específico, devendo ser retidos apenas os sólidos suspensos, 
armazenada de forma correta e bombeada para a irrigação. 
• Se usada na irrigação superficial, retorno ao vaso sanitário ou lavagens de 
pátios, as águas cinzas de reuso devem ser necessariamente tratadas. 
Este tratamento envolve basicamente filtragem, retirada de odores e 
esterilização. Na irrigação superficial recomenda-se não usar a aspersão 
por spray mas sim o gotejamento e nas lavagens, tomar o cuidado de 
jamais irrigar áreas que possam ter o contato humano tais como calçadas 
internas, playground, dormitórios, cozinhas e refeitórios, dando preferência 
para as lavagens de garagens e acesso de automóveis. [4]
Mecanismos Filtrantes 
O principal responsável pela decomposição de matéria orgânica é a 
bactéria, que são organismos unicelulares que podem se reproduzir em 
grande velocidade, a partir da matéria orgânica disponível. 
As bactérias decompõem as substâncias orgânicas complexas dos 
esgotos (carboidratos,proteínas e gorduras) em materiais solúveis. 
Em condições anaeróbicas,ocorre o seguinte processo: a matéria 
orgânica sedimentável se acumula no fundo da lagoa, formando uma 
camada de lodo, que sofre um processo de digestão anaeróbica. As 
bactérias produzem substancias solúveis, utilizadas como alimento dentro 
do ecossistema e que podem ser convertidas em gases como o dióxido de 
carbono, metano, gás sulfídrico e amônia. 
Os ambientes filtrantes ( brita, areia, pedriscos e terra ) são 
responsáveis pela remoção de grande parte da matéria orgânica como as 
gorduras e sabão.
Figura 5: Sistema de filtragem 
Fonte: arq.ufsc.br
Normas para o reuso 
• O reuso das águas deve atender as instruções contidas na Norma ABNT 
13.969 / 97. 
• As principais instruções da norma estão resumidas a seguir:
REUSO LOCAL (item 5.6 NBR 13.969 / 97) 
• O esgoto de origem essencialmente doméstica ou com características 
similares, o esgoto tratado deve ser reutilizado para fins que exigem 
qualidade de água não potável, mas sanitariamente segura, tais como, 
irrigação dos jardins, lavagem de pisos e dos veículos aauuttoommoottiivvooss,, nnaa 
descarga dos vasos sanitários, na manutenção paisagísticas dos lagos e 
canais com água, na irrigação dos campos agrícolas, pastagens, etc. [5]
PLANEJAMENTO DO SISTEMA DE 
REUSO (item 5.6.1 NBR 13.969 / 97) 
• O reuso local de esgoto deve ser planejado de modo a permitir seu uso 
seguro e racional para minimizar o custo de implantação e de operação. 
• Para tanto, devem ser definidos: 
• a) os usos previstos para eessggoottoo ttrraattaaddoo;; 
• b) volume de esgoto a ser reutilizado; 
• c) grau de tratamento necessário; 
• d) sistema de reservação e de distribuição; 
• e) manual de operação e treinamento dos responsáveis.
OS USOS PREVISTOS PARA O ESGOTO 
TRATADO (item 5.6.2 NBR 13.969 / 97) 
• Devem ser considerados todos os usos que o usuário precisar, tais como 
lavagens de pisos, calçadas, irrigação de jardins e pomares, manutenção 
das água nos canais e lagos dos jardins, nas descargas dos banheiros, etc. 
Não deve ser permitido o uso, mesmo desinfetado, ppaarraa iirrrriiggaaççããoo ddaass 
hortaliças e frutas de ramas rastejantes(por exemplo, melão e melancia). 
Admite-se seu reuso para plantações de milho, arroz, trigo, café e outras 
arvores frutíferas, via escoamento no solo, tomando-se o cuidado de 
interromper a irrigação pelo menos 10 dias antes da colheita.
VOLUME DE ESGOTO A SER 
REUTILIZADO (item 5.6.3 NBR 13.969 / 97) 
• Os usos definidos para todas as áreas devem ser quantificados para 
obtenção do volume total final a ser reusado. Para tanto, devem ser 
estimados os volumes para cada tipo de reuso, considerando as condições 
locais (clima, freqüência de lavagem e de irrigação, volume de água para 
descarga dos vasos sanitários, sazonalidade de reuso, etc.). [5]
GRAU DE TRATAMENTO NECESSÁRIO 
(item 5.6.4 NBR 13.969 / 97) 
Tabela 2: Classificação e reusos previstos 
Fonte:ABNT norma 13969/1997
Reaproveitamento na indústria 
As atividades industriais no Brasil respondem por aproximadamente 
20% do consumo de água, sendo que, pelo menos 10% é extraída 
diretamente de corpos d’água e mais da metade é tratada de forma 
inadequada ou não recebe nenhuma forma de tratamento. 
O reuso e reciclagem na indústria passam a contribuir como 
ferramenta de gestão fundamentais para a sustentabilidade da produção 
industrial. 
A prática do reuso industrial pode ser extendida na produção de água 
para caldeiras, sistema de resfriamento como água de reposição, 
lavadores de gases e como água de processo. Dentre os benefícios 
alcançados com essa prática, podemos citar os seguintes: [6]
Benefícios Econômicos 
• Conformidade ambiental em relação a padrões e normas ambientais 
estabelecidos, possibilitando melhor inserção dos produtos brasileiros nos 
mercados internacionais; 
• Mudanças nos padrões de produção e consumo; 
• Redução ddooss ccuussttooss ddee pprroodduuççããoo;; 
• Aumento da competitividade do setor; 
• Habilitação para receber incentivos e coeficientes redutores dos fatores da 
cobrança pelo uso da água.
Benefícios Sociais 
• Ampliação da oportunidade de negócios para as empresas fornecedoras de 
serviços e equipamentos, e em toda a cadeia produtiva; 
• Ampliação na geração de empregos diretos e indiretos; 
• Melhoria da imagem do setor produtivo junto à sociedade, com 
reconhecimento de empresas socialmente responsáveis.
Reaproveitamento Agrícola 
O uso da água do setor agrícola é, no Brasil, de aproximadamente 70% 
do total. Essa demanda significativa, associada a escassez de recursos 
hídricos leva a ponderar que as atividades agrícolas devem ser 
consideradas como prioritária em termos de reuso de efluentes tratados. A 
aplicação de efluentes tratados pode se dar em: 
• Culturas de alimentos não processados comercialmente: Irrigação 
superficial de qualquer cultura alimentícia, incluindo aquelas consumidas 
cruas; 
• Culturas de alimentos processados comercialmente: Irrigação superficial de 
pomares e vinhas; 
• Culturas não alimentícias: Pastos, forragens, viveiros de plantas 
ornamentais, fibras e grãos; 
• Proteção contra geadas. [6]
Reaproveitamento Urbano 
Na área urbana os usos potenciais são os seguintes: 
• irrigação de campos de golfe e quadras esportivas; 
• irrigação paisagística; 
• torres de resfriamento e sistemas de ar condicionado; 
• parques e cemitérios; 
• descarga de vasos sanitários; 
• lavagem de veículos; 
• reserva de incêndio; 
• recreação; 
• construção civil (compactação do solo, controle de 
poeira, lavagem de agregados, produção de concreto); 
• limpeza de tubulações; 
• sistemas decorativos tais como espelhos d’água, 
chafarizes, fontes luminosas.[6]
Bibliografia 
• [1] http://pt.wikipedia.org/wiki/Reciclagem 
• [2]United Nations 
• [3]INSTITUTO DE PERMACULTURA E ECOVILAS 
DA MATA ATLÂNTICA http://www.ipemabrasil.org.br/institutoweb13.htm 
• http://artereciclagem.blogspot.com/2009/06/reaproveitamento-da-agua-da-chuva. 
html 
• http://or.oesterenovaveis.pt/articles.php?lng=fr&pg=94 
• http://www.naturaltec.com.br/images/desenhos/reuso-agua-em-domicilios. 
jpg 
• [4]http://i.treehugger.com/files/th_images/Aqus.jpg 
• [5]http://casaautonoma.com.br/textos/reusodasaguascinzas.htm 
• [6]http://docs.google.com/viewer?a=v&q=cache:UVi9mCEcJm0J:200.144.1 
89.36/phd/LeArq.aspx%3Fid_arq%3D2151+esquema+reuso+agua&hl=pt- 
BR&gl=br&pid=bl&srcid=ADGEESiDhxfPgkbwzs1mhCCM52VZCX9v8zRu8 
J0IbDiR4bs6laPkt-5IaAg-1- 
XwF_su8oXW87SazXOjSdk0fVHyhkROjZOh4Y9j1IvfmsYX_yllVA1aIRtYnIY 
B_YnNCL0YGl1VdEDB&sig=AHIEtbS8VxUsMb_d5RyRHP-qqBOFOwsyaA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Agroenergia
AgroenergiaAgroenergia
AgroenergiaZeca B.
 
Apresentação argissolo
Apresentação argissoloApresentação argissolo
Apresentação argissoloAnderson Santos
 
Projeto coleta seletiva
Projeto coleta seletivaProjeto coleta seletiva
Projeto coleta seletivabrainsis
 
Angiospermas basais monocotiledoneas
Angiospermas basais monocotiledoneas Angiospermas basais monocotiledoneas
Angiospermas basais monocotiledoneas Martinha Bagé
 
A pegada ecologica
A pegada ecologicaA pegada ecologica
A pegada ecologicaIlda Bicacro
 
RIMA - Relatório de Impacto Ambiental Porto Sul
RIMA - Relatório de Impacto Ambiental Porto SulRIMA - Relatório de Impacto Ambiental Porto Sul
RIMA - Relatório de Impacto Ambiental Porto SulSecom Ilhéus
 
Tecnologia utilizada no feijão irrigado
Tecnologia utilizada no feijão irrigadoTecnologia utilizada no feijão irrigado
Tecnologia utilizada no feijão irrigadoGeagra UFG
 
Introdução a zoologia invertebrados
Introdução a zoologia   invertebradosIntrodução a zoologia   invertebrados
Introdução a zoologia invertebradosAdriana Heloisa
 
Drenagem agrícola
Drenagem agrícolaDrenagem agrícola
Drenagem agrícolalipemodesto
 
Coleção Saber na Prática - Vol. 1, Banheiro Seco
Coleção Saber na Prática - Vol. 1, Banheiro Seco  Coleção Saber na Prática - Vol. 1, Banheiro Seco
Coleção Saber na Prática - Vol. 1, Banheiro Seco Cepagro
 
Col.agro 1 calculo da necessidade de calagem
Col.agro 1 calculo da necessidade de calagemCol.agro 1 calculo da necessidade de calagem
Col.agro 1 calculo da necessidade de calagemgastao ney monte braga
 
Noções de Sustentabilidade
Noções de SustentabilidadeNoções de Sustentabilidade
Noções de Sustentabilidaderailuz07
 
Etapas do tratamento de água
Etapas do tratamento de águaEtapas do tratamento de água
Etapas do tratamento de águaGiullia Netto
 
Tecnologias Socioambientais para Agricultura Familiar
Tecnologias Socioambientais para Agricultura FamiliarTecnologias Socioambientais para Agricultura Familiar
Tecnologias Socioambientais para Agricultura FamiliarSebastião Nascimento
 

Mais procurados (20)

Agroenergia
AgroenergiaAgroenergia
Agroenergia
 
Tecidos vegetais
Tecidos vegetaisTecidos vegetais
Tecidos vegetais
 
origem dos solos!
origem dos solos!origem dos solos!
origem dos solos!
 
Aula 02 compostagem
Aula 02 compostagemAula 02 compostagem
Aula 02 compostagem
 
3 Barragens1
3 Barragens13 Barragens1
3 Barragens1
 
Apresentação argissolo
Apresentação argissoloApresentação argissolo
Apresentação argissolo
 
Projeto coleta seletiva
Projeto coleta seletivaProjeto coleta seletiva
Projeto coleta seletiva
 
Angiospermas basais monocotiledoneas
Angiospermas basais monocotiledoneas Angiospermas basais monocotiledoneas
Angiospermas basais monocotiledoneas
 
A pegada ecologica
A pegada ecologicaA pegada ecologica
A pegada ecologica
 
Neossolos
NeossolosNeossolos
Neossolos
 
RIMA - Relatório de Impacto Ambiental Porto Sul
RIMA - Relatório de Impacto Ambiental Porto SulRIMA - Relatório de Impacto Ambiental Porto Sul
RIMA - Relatório de Impacto Ambiental Porto Sul
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Tecnologia utilizada no feijão irrigado
Tecnologia utilizada no feijão irrigadoTecnologia utilizada no feijão irrigado
Tecnologia utilizada no feijão irrigado
 
Introdução a zoologia invertebrados
Introdução a zoologia   invertebradosIntrodução a zoologia   invertebrados
Introdução a zoologia invertebrados
 
Drenagem agrícola
Drenagem agrícolaDrenagem agrícola
Drenagem agrícola
 
Coleção Saber na Prática - Vol. 1, Banheiro Seco
Coleção Saber na Prática - Vol. 1, Banheiro Seco  Coleção Saber na Prática - Vol. 1, Banheiro Seco
Coleção Saber na Prática - Vol. 1, Banheiro Seco
 
Col.agro 1 calculo da necessidade de calagem
Col.agro 1 calculo da necessidade de calagemCol.agro 1 calculo da necessidade de calagem
Col.agro 1 calculo da necessidade de calagem
 
Noções de Sustentabilidade
Noções de SustentabilidadeNoções de Sustentabilidade
Noções de Sustentabilidade
 
Etapas do tratamento de água
Etapas do tratamento de águaEtapas do tratamento de água
Etapas do tratamento de água
 
Tecnologias Socioambientais para Agricultura Familiar
Tecnologias Socioambientais para Agricultura FamiliarTecnologias Socioambientais para Agricultura Familiar
Tecnologias Socioambientais para Agricultura Familiar
 

Destaque

Aproveitamento de Água de Chuva
Aproveitamento de Água de ChuvaAproveitamento de Água de Chuva
Aproveitamento de Água de ChuvaMárcia Carlon
 
Slides do aproveitamento da agua da chuva
Slides do aproveitamento da agua da chuvaSlides do aproveitamento da agua da chuva
Slides do aproveitamento da agua da chuvaRicardo Ferrao
 
USO RACIONAL E REUSO ÁGUA
USO RACIONAL E REUSO ÁGUAUSO RACIONAL E REUSO ÁGUA
USO RACIONAL E REUSO ÁGUAPaula Bianchi
 
Reúso da água como alternativa sustentável
Reúso da água como alternativa sustentávelReúso da água como alternativa sustentável
Reúso da água como alternativa sustentávelMicheli Bianchini
 
Aproveitamento de agua
Aproveitamento de aguaAproveitamento de agua
Aproveitamento de aguaprojeto2020
 
Instancia Jura de Bandera - Barriada Virgen de la Caridad
Instancia Jura de Bandera - Barriada Virgen de la CaridadInstancia Jura de Bandera - Barriada Virgen de la Caridad
Instancia Jura de Bandera - Barriada Virgen de la CaridadCartagena 7 Nova
 
Consumo de agua em descargas
Consumo de agua em descargasConsumo de agua em descargas
Consumo de agua em descargasmjmcreatore
 
Projeto social.nn paola 13 mp
Projeto social.nn paola 13 mpProjeto social.nn paola 13 mp
Projeto social.nn paola 13 mpalemisturini
 
Avaliação do desempenho de uma estação de tratamento de águas cinzas visando ...
Avaliação do desempenho de uma estação de tratamento de águas cinzas visando ...Avaliação do desempenho de uma estação de tratamento de águas cinzas visando ...
Avaliação do desempenho de uma estação de tratamento de águas cinzas visando ...sergioviroli
 
Política Nacional de Gestão e Manejo Integrado de Águas Urbanas
Política Nacional de Gestão e Manejo Integrado de Águas UrbanasPolítica Nacional de Gestão e Manejo Integrado de Águas Urbanas
Política Nacional de Gestão e Manejo Integrado de Águas Urbanasdeputadamarina
 
Aula 2 reúso_e_aproveitamento_de_água
Aula 2 reúso_e_aproveitamento_de_águaAula 2 reúso_e_aproveitamento_de_água
Aula 2 reúso_e_aproveitamento_de_águaFernando Tronchul
 
Aproveitamento de água da chuva - PET Ambiental (Apresentação)
Aproveitamento de água da chuva - PET Ambiental (Apresentação)Aproveitamento de água da chuva - PET Ambiental (Apresentação)
Aproveitamento de água da chuva - PET Ambiental (Apresentação)petambiental
 
Manual de esgotamento sanitário
Manual de esgotamento sanitárioManual de esgotamento sanitário
Manual de esgotamento sanitárioRafael Zivickovict
 
ÁGUA DE REÚSO
ÁGUA DE REÚSOÁGUA DE REÚSO
ÁGUA DE REÚSOHamilton5
 
Monografia de especialização ecotecnologia de tratamento biológico de eflue...
Monografia de especialização   ecotecnologia de tratamento biológico de eflue...Monografia de especialização   ecotecnologia de tratamento biológico de eflue...
Monografia de especialização ecotecnologia de tratamento biológico de eflue...Evandro Sanguinetto
 

Destaque (20)

Reuso da Água - Professor Eduardo de Oliveira
Reuso da Água - Professor Eduardo de OliveiraReuso da Água - Professor Eduardo de Oliveira
Reuso da Água - Professor Eduardo de Oliveira
 
Aproveitamento de Água de Chuva
Aproveitamento de Água de ChuvaAproveitamento de Água de Chuva
Aproveitamento de Água de Chuva
 
Reuso da agua
Reuso da aguaReuso da agua
Reuso da agua
 
Slides do aproveitamento da agua da chuva
Slides do aproveitamento da agua da chuvaSlides do aproveitamento da agua da chuva
Slides do aproveitamento da agua da chuva
 
USO RACIONAL E REUSO ÁGUA
USO RACIONAL E REUSO ÁGUAUSO RACIONAL E REUSO ÁGUA
USO RACIONAL E REUSO ÁGUA
 
Reúso da água como alternativa sustentável
Reúso da água como alternativa sustentávelReúso da água como alternativa sustentável
Reúso da água como alternativa sustentável
 
Aproveitamento de agua
Aproveitamento de aguaAproveitamento de agua
Aproveitamento de agua
 
Instancia Jura de Bandera - Barriada Virgen de la Caridad
Instancia Jura de Bandera - Barriada Virgen de la CaridadInstancia Jura de Bandera - Barriada Virgen de la Caridad
Instancia Jura de Bandera - Barriada Virgen de la Caridad
 
Consumo de agua em descargas
Consumo de agua em descargasConsumo de agua em descargas
Consumo de agua em descargas
 
Projeto social.nn paola 13 mp
Projeto social.nn paola 13 mpProjeto social.nn paola 13 mp
Projeto social.nn paola 13 mp
 
Projeto da agua filo 09102014
Projeto da agua filo 09102014Projeto da agua filo 09102014
Projeto da agua filo 09102014
 
Avaliação do desempenho de uma estação de tratamento de águas cinzas visando ...
Avaliação do desempenho de uma estação de tratamento de águas cinzas visando ...Avaliação do desempenho de uma estação de tratamento de águas cinzas visando ...
Avaliação do desempenho de uma estação de tratamento de águas cinzas visando ...
 
Política Nacional de Gestão e Manejo Integrado de Águas Urbanas
Política Nacional de Gestão e Manejo Integrado de Águas UrbanasPolítica Nacional de Gestão e Manejo Integrado de Águas Urbanas
Política Nacional de Gestão e Manejo Integrado de Águas Urbanas
 
Reuso de água - Projeto Verava
Reuso de água - Projeto VeravaReuso de água - Projeto Verava
Reuso de água - Projeto Verava
 
Aula 2 reúso_e_aproveitamento_de_água
Aula 2 reúso_e_aproveitamento_de_águaAula 2 reúso_e_aproveitamento_de_água
Aula 2 reúso_e_aproveitamento_de_água
 
Aproveitamento de água da chuva - PET Ambiental (Apresentação)
Aproveitamento de água da chuva - PET Ambiental (Apresentação)Aproveitamento de água da chuva - PET Ambiental (Apresentação)
Aproveitamento de água da chuva - PET Ambiental (Apresentação)
 
Manual de esgotamento sanitário
Manual de esgotamento sanitárioManual de esgotamento sanitário
Manual de esgotamento sanitário
 
ÁGUA DE REÚSO
ÁGUA DE REÚSOÁGUA DE REÚSO
ÁGUA DE REÚSO
 
Reuso da água
Reuso da águaReuso da água
Reuso da água
 
Monografia de especialização ecotecnologia de tratamento biológico de eflue...
Monografia de especialização   ecotecnologia de tratamento biológico de eflue...Monografia de especialização   ecotecnologia de tratamento biológico de eflue...
Monografia de especialização ecotecnologia de tratamento biológico de eflue...
 

Semelhante a Rec agua 1

Abastecimento de água, tratamento e reuso de efluentes
Abastecimento de água, tratamento e reuso de efluentesAbastecimento de água, tratamento e reuso de efluentes
Abastecimento de água, tratamento e reuso de efluentesgbruck53
 
Tratamento e disposição de resíduos e efluentes
Tratamento e disposição de resíduos e efluentesTratamento e disposição de resíduos e efluentes
Tratamento e disposição de resíduos e efluentesRafaelNeves651350
 
Gestão sustentável dos recursos
Gestão sustentável dos recursosGestão sustentável dos recursos
Gestão sustentável dos recursosinessalgado
 
Eta Reuso de Água
Eta Reuso de ÁguaEta Reuso de Água
Eta Reuso de Águatfgodoy
 
Reensino rem simulado
Reensino rem simuladoReensino rem simulado
Reensino rem simuladoRogério Luiz
 
Cartilha de saneamento ecologico
Cartilha de saneamento ecologicoCartilha de saneamento ecologico
Cartilha de saneamento ecologicoandregrs
 
Aterro sanitário palestra
Aterro sanitário palestraAterro sanitário palestra
Aterro sanitário palestraSergio Vinhal
 
Dimensionamento de aterros sanitários
Dimensionamento de aterros sanitáriosDimensionamento de aterros sanitários
Dimensionamento de aterros sanitáriosCarlos Elson Cunha
 
Recursos hídricos patrícia , rute & susana
Recursos hídricos   patrícia , rute & susanaRecursos hídricos   patrícia , rute & susana
Recursos hídricos patrícia , rute & susanaThepatriciamartins12
 
Crise hídrica no Brasil
Crise hídrica no BrasilCrise hídrica no Brasil
Crise hídrica no BrasilCleber Reis
 
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.João Boos Boos
 
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2João Boos Boos
 
Captação de água de chuva
Captação de água de chuvaCaptação de água de chuva
Captação de água de chuvaTiago Malta
 
áGua não potável conceitos e terminologia
áGua não potável conceitos e terminologiaáGua não potável conceitos e terminologia
áGua não potável conceitos e terminologiaDalton Lara Stella
 

Semelhante a Rec agua 1 (20)

Abastecimento de água, tratamento e reuso de efluentes
Abastecimento de água, tratamento e reuso de efluentesAbastecimento de água, tratamento e reuso de efluentes
Abastecimento de água, tratamento e reuso de efluentes
 
Tratamento e disposição de resíduos e efluentes
Tratamento e disposição de resíduos e efluentesTratamento e disposição de resíduos e efluentes
Tratamento e disposição de resíduos e efluentes
 
Gestão sustentável dos recursos
Gestão sustentável dos recursosGestão sustentável dos recursos
Gestão sustentável dos recursos
 
CaptaçãO De áGua De Chuva
CaptaçãO De áGua De ChuvaCaptaçãO De áGua De Chuva
CaptaçãO De áGua De Chuva
 
Eta Reuso de Água
Eta Reuso de ÁguaEta Reuso de Água
Eta Reuso de Água
 
Reensino rem simulado
Reensino rem simuladoReensino rem simulado
Reensino rem simulado
 
Cartilha de saneamento ecologico
Cartilha de saneamento ecologicoCartilha de saneamento ecologico
Cartilha de saneamento ecologico
 
Cartilha manejo bx
Cartilha manejo bxCartilha manejo bx
Cartilha manejo bx
 
Aterro sanitário palestra
Aterro sanitário palestraAterro sanitário palestra
Aterro sanitário palestra
 
Dimensionamento de aterros sanitários
Dimensionamento de aterros sanitáriosDimensionamento de aterros sanitários
Dimensionamento de aterros sanitários
 
Recursos hídricos patrícia , rute & susana
Recursos hídricos   patrícia , rute & susanaRecursos hídricos   patrícia , rute & susana
Recursos hídricos patrícia , rute & susana
 
Crise hídrica no Brasil
Crise hídrica no BrasilCrise hídrica no Brasil
Crise hídrica no Brasil
 
Agua
AguaAgua
Agua
 
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
TRATAMENTO DE ESGOTO DOADO PELA CORSAN AO MUNICÍPIO DE MONTENEGRO EM 2007.
 
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
Trabalho tratamento esgoto final.ppt 2
 
Captação de água de chuva
Captação de água de chuvaCaptação de água de chuva
Captação de água de chuva
 
áGua não potável conceitos e terminologia
áGua não potável conceitos e terminologiaáGua não potável conceitos e terminologia
áGua não potável conceitos e terminologia
 
Ecodreno
EcodrenoEcodreno
Ecodreno
 
DDSCOLETASELETIVA.pptx
DDSCOLETASELETIVA.pptxDDSCOLETASELETIVA.pptx
DDSCOLETASELETIVA.pptx
 
DDSCOLETASELETIVA.pptx
DDSCOLETASELETIVA.pptxDDSCOLETASELETIVA.pptx
DDSCOLETASELETIVA.pptx
 

Mais de Rogerio Catanese

Mais de Rogerio Catanese (20)

Ofício nº 153 2016 catanese
Ofício nº 153 2016 cataneseOfício nº 153 2016 catanese
Ofício nº 153 2016 catanese
 
Scanner catanese 20160314 0001
Scanner catanese 20160314 0001Scanner catanese 20160314 0001
Scanner catanese 20160314 0001
 
Scanner catanese 20160314 0001
Scanner catanese 20160314 0001Scanner catanese 20160314 0001
Scanner catanese 20160314 0001
 
Scanner catanese 20160308 0012
Scanner catanese 20160308 0012Scanner catanese 20160308 0012
Scanner catanese 20160308 0012
 
Scanner catanese 20160308 0011
Scanner catanese 20160308 0011Scanner catanese 20160308 0011
Scanner catanese 20160308 0011
 
Pl do médico veterinário
Pl do médico veterinárioPl do médico veterinário
Pl do médico veterinário
 
Moção 01 catanese-repudio-posto fiscal
Moção 01 catanese-repudio-posto fiscalMoção 01 catanese-repudio-posto fiscal
Moção 01 catanese-repudio-posto fiscal
 
Ofício nº 18 2016 catanese
Ofício nº 18 2016 cataneseOfício nº 18 2016 catanese
Ofício nº 18 2016 catanese
 
Ofício nº 13 2016 catanese
Ofício nº 13 2016 cataneseOfício nº 13 2016 catanese
Ofício nº 13 2016 catanese
 
Ofício nº 25 2016 catanese
Ofício nº 25 2016 cataneseOfício nº 25 2016 catanese
Ofício nº 25 2016 catanese
 
Ofício nº 24 2016 catanese
Ofício nº 24 2016 cataneseOfício nº 24 2016 catanese
Ofício nº 24 2016 catanese
 
Conselho tutelar
Conselho tutelarConselho tutelar
Conselho tutelar
 
Of 21 prefeito limpeza area
Of 21 prefeito limpeza areaOf 21 prefeito limpeza area
Of 21 prefeito limpeza area
 
Telefone
TelefoneTelefone
Telefone
 
Scanner catanese 20151218 0001
Scanner catanese 20151218 0001Scanner catanese 20151218 0001
Scanner catanese 20151218 0001
 
Scanner catanese 20151218 0001
Scanner catanese 20151218 0001Scanner catanese 20151218 0001
Scanner catanese 20151218 0001
 
Sanatório
SanatórioSanatório
Sanatório
 
Scanner catanese 20151218 0001
Scanner catanese 20151218 0001Scanner catanese 20151218 0001
Scanner catanese 20151218 0001
 
Scanner catanese 20151217 0001
Scanner catanese 20151217 0001Scanner catanese 20151217 0001
Scanner catanese 20151217 0001
 
Sanatório
SanatórioSanatório
Sanatório
 

Rec agua 1

  • 1. Bases Ecológicas para Desenvolvimento Sustentável Reciclagem da água Bruno Barbarioli 2005048733 Fernanda Sanchez 2005048750 Abril, 2010
  • 2. Água • A água é uma substância química onipresente que é composta de hidrogênio e oxigênio e é essencial para todas as formas conhecidas de vida. [2] • A água cobre 71% da superfície da Terra, onde ela é encontrada principalmente nos oceanos e em outros grandes corpos dd''áágguuaa,, 11,,6%% eemm aquíferos e 0,001% na atmosfera como vapor, nuvens e precipitação. Os oceanos detêm 97% da água superficial, geleiras e calotas polares detêm 2,4%, e outros, como rios, lagos e lagoas detêm 0,6% da água do planeta. • Alguns pesquisadores estimaram que em 2025 mais de metade da população mundial sofrerá com a falta de água potável. [1]
  • 3. Gráfico 1: Evolução global do uso da água Fonte: UNESCO, Paris, 1999
  • 4. Esgoto Esgoto é o termo usado pra caracterizar os despejos provenientes dos diversos usos das águas, tais como doméstico, comercial, industrial, agrícola. Os esgotos domésticos são uma parcela muito significativa dos esgotos sanitários, provêm principalmente, de residências, edificações públicas e comerciais que concentram aparelhos sanitários, llaavvaannddeerriiaass ee ccoozziinnhhaass.. Os esgotos domésticos se compõem basicamente de: águas de banho, urina, fezes, restos de comida, sabão, detergentes e águas de lavagem. Todo esgoto sanitário se compõe basicamente de 99,9% de água e 0,1% sólidos - 70% de sólidos orgânicos (proteínas, carboidratos, gorduras) e 30% de sólidos inorgânicos (areia,sais e metais).[3]
  • 5. Esgoto • O que é água cinza: são águas servidas que foram utilizadas para limpeza,(tanques,pias, chuveiros). • O que é água negra: são águas servidas que foram utilizadas nos vasos sanitários e contém coliformes fecais. [3] Figura 1: Esgoto fluvial Fonte: Wikipedia/água
  • 6. Figura 2: Esquema da rede de água Fonte: naturaltec.com.br
  • 7. Reciclagem e Reutilização A reciclagem é o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. As maiores vantagens da reciclagem são a minimização da utilização de fontes naturais, muitas vezes não renováveis; e a minimização da quantidade de resíduos que necessita de tratamento final, como aterramento, ou incineração. O conceito de reciclagem serve apenas para os materiais que podem voltar ao estado original e ser transformado novamente em um produto igual em todas as suas características. O conceito de reciclagem é diferente do de reutilização. O reaproveitamento ou reutilização consiste em transformar um determinado material já beneficiado em outro. [1]
  • 8. Tipos de reciclagem • Reciclagem doméstica •• RReecciiccllaaggeemm iinndduussttrriiaall • Reciclagem agrícola • Reciclagem urbana
  • 9. Reciclagem doméstica • A água que utilizamos em casa geralmente é 100% potável, algo extremamente desnecessário já que cerca de metade das tarefas domésticas em que se utiliza a água pode ser realizada com água não potável, advinda da chuva e da reciclagem interna, por exemplo. Gráfico 2: Uso doméstico da água Fonte: consumer.es
  • 10. Reaproveitamento de águas pluviais • Uma das formas de utilizar água não potável é a captação da água da chuva. • Este tipo de água pode ser utilizado em algumas tarefas domésticas como lavagem de carros, do chão, roupas, descarga, etc. Figura 3: Captação de água pluvial Fonte: artereciclagem.blogspot.com
  • 11. Para ajudar a proteger sua privacidade, o PowerPoint impediu o download automático desta imagem externa. Para baixar e exibir esta imagem, clique em Opções na Barra de Mensagens e clique em Habilitar conteúdo externo. Reaproveitamento de águas pluviais http://or.oesterenovaveis.pt/articles.php?lng=fr&pg=94 Figura 4: Esquema de captação de água pluvial Fonte: arq.ufsc.br
  • 12.
  • 13. Reaproveitamento de águas cinzas • As águas cinzas podem ser usadas nas residências a partir de dois processos distintos que variam basicamente pelo nível de complexidade do tratamento. Se usadas na irrigação exclusivamente por infiltração subterrânea, estas águas não necessitam de praticamente nenhum tratamento específico, devendo ser retidos apenas os sólidos suspensos, armazenada de forma correta e bombeada para a irrigação. • Se usada na irrigação superficial, retorno ao vaso sanitário ou lavagens de pátios, as águas cinzas de reuso devem ser necessariamente tratadas. Este tratamento envolve basicamente filtragem, retirada de odores e esterilização. Na irrigação superficial recomenda-se não usar a aspersão por spray mas sim o gotejamento e nas lavagens, tomar o cuidado de jamais irrigar áreas que possam ter o contato humano tais como calçadas internas, playground, dormitórios, cozinhas e refeitórios, dando preferência para as lavagens de garagens e acesso de automóveis. [4]
  • 14. Mecanismos Filtrantes O principal responsável pela decomposição de matéria orgânica é a bactéria, que são organismos unicelulares que podem se reproduzir em grande velocidade, a partir da matéria orgânica disponível. As bactérias decompõem as substâncias orgânicas complexas dos esgotos (carboidratos,proteínas e gorduras) em materiais solúveis. Em condições anaeróbicas,ocorre o seguinte processo: a matéria orgânica sedimentável se acumula no fundo da lagoa, formando uma camada de lodo, que sofre um processo de digestão anaeróbica. As bactérias produzem substancias solúveis, utilizadas como alimento dentro do ecossistema e que podem ser convertidas em gases como o dióxido de carbono, metano, gás sulfídrico e amônia. Os ambientes filtrantes ( brita, areia, pedriscos e terra ) são responsáveis pela remoção de grande parte da matéria orgânica como as gorduras e sabão.
  • 15. Figura 5: Sistema de filtragem Fonte: arq.ufsc.br
  • 16.
  • 17. Normas para o reuso • O reuso das águas deve atender as instruções contidas na Norma ABNT 13.969 / 97. • As principais instruções da norma estão resumidas a seguir:
  • 18. REUSO LOCAL (item 5.6 NBR 13.969 / 97) • O esgoto de origem essencialmente doméstica ou com características similares, o esgoto tratado deve ser reutilizado para fins que exigem qualidade de água não potável, mas sanitariamente segura, tais como, irrigação dos jardins, lavagem de pisos e dos veículos aauuttoommoottiivvooss,, nnaa descarga dos vasos sanitários, na manutenção paisagísticas dos lagos e canais com água, na irrigação dos campos agrícolas, pastagens, etc. [5]
  • 19. PLANEJAMENTO DO SISTEMA DE REUSO (item 5.6.1 NBR 13.969 / 97) • O reuso local de esgoto deve ser planejado de modo a permitir seu uso seguro e racional para minimizar o custo de implantação e de operação. • Para tanto, devem ser definidos: • a) os usos previstos para eessggoottoo ttrraattaaddoo;; • b) volume de esgoto a ser reutilizado; • c) grau de tratamento necessário; • d) sistema de reservação e de distribuição; • e) manual de operação e treinamento dos responsáveis.
  • 20. OS USOS PREVISTOS PARA O ESGOTO TRATADO (item 5.6.2 NBR 13.969 / 97) • Devem ser considerados todos os usos que o usuário precisar, tais como lavagens de pisos, calçadas, irrigação de jardins e pomares, manutenção das água nos canais e lagos dos jardins, nas descargas dos banheiros, etc. Não deve ser permitido o uso, mesmo desinfetado, ppaarraa iirrrriiggaaççããoo ddaass hortaliças e frutas de ramas rastejantes(por exemplo, melão e melancia). Admite-se seu reuso para plantações de milho, arroz, trigo, café e outras arvores frutíferas, via escoamento no solo, tomando-se o cuidado de interromper a irrigação pelo menos 10 dias antes da colheita.
  • 21. VOLUME DE ESGOTO A SER REUTILIZADO (item 5.6.3 NBR 13.969 / 97) • Os usos definidos para todas as áreas devem ser quantificados para obtenção do volume total final a ser reusado. Para tanto, devem ser estimados os volumes para cada tipo de reuso, considerando as condições locais (clima, freqüência de lavagem e de irrigação, volume de água para descarga dos vasos sanitários, sazonalidade de reuso, etc.). [5]
  • 22. GRAU DE TRATAMENTO NECESSÁRIO (item 5.6.4 NBR 13.969 / 97) Tabela 2: Classificação e reusos previstos Fonte:ABNT norma 13969/1997
  • 23. Reaproveitamento na indústria As atividades industriais no Brasil respondem por aproximadamente 20% do consumo de água, sendo que, pelo menos 10% é extraída diretamente de corpos d’água e mais da metade é tratada de forma inadequada ou não recebe nenhuma forma de tratamento. O reuso e reciclagem na indústria passam a contribuir como ferramenta de gestão fundamentais para a sustentabilidade da produção industrial. A prática do reuso industrial pode ser extendida na produção de água para caldeiras, sistema de resfriamento como água de reposição, lavadores de gases e como água de processo. Dentre os benefícios alcançados com essa prática, podemos citar os seguintes: [6]
  • 24. Benefícios Econômicos • Conformidade ambiental em relação a padrões e normas ambientais estabelecidos, possibilitando melhor inserção dos produtos brasileiros nos mercados internacionais; • Mudanças nos padrões de produção e consumo; • Redução ddooss ccuussttooss ddee pprroodduuççããoo;; • Aumento da competitividade do setor; • Habilitação para receber incentivos e coeficientes redutores dos fatores da cobrança pelo uso da água.
  • 25. Benefícios Sociais • Ampliação da oportunidade de negócios para as empresas fornecedoras de serviços e equipamentos, e em toda a cadeia produtiva; • Ampliação na geração de empregos diretos e indiretos; • Melhoria da imagem do setor produtivo junto à sociedade, com reconhecimento de empresas socialmente responsáveis.
  • 26.
  • 27. Reaproveitamento Agrícola O uso da água do setor agrícola é, no Brasil, de aproximadamente 70% do total. Essa demanda significativa, associada a escassez de recursos hídricos leva a ponderar que as atividades agrícolas devem ser consideradas como prioritária em termos de reuso de efluentes tratados. A aplicação de efluentes tratados pode se dar em: • Culturas de alimentos não processados comercialmente: Irrigação superficial de qualquer cultura alimentícia, incluindo aquelas consumidas cruas; • Culturas de alimentos processados comercialmente: Irrigação superficial de pomares e vinhas; • Culturas não alimentícias: Pastos, forragens, viveiros de plantas ornamentais, fibras e grãos; • Proteção contra geadas. [6]
  • 28.
  • 29. Reaproveitamento Urbano Na área urbana os usos potenciais são os seguintes: • irrigação de campos de golfe e quadras esportivas; • irrigação paisagística; • torres de resfriamento e sistemas de ar condicionado; • parques e cemitérios; • descarga de vasos sanitários; • lavagem de veículos; • reserva de incêndio; • recreação; • construção civil (compactação do solo, controle de poeira, lavagem de agregados, produção de concreto); • limpeza de tubulações; • sistemas decorativos tais como espelhos d’água, chafarizes, fontes luminosas.[6]
  • 30.
  • 31. Bibliografia • [1] http://pt.wikipedia.org/wiki/Reciclagem • [2]United Nations • [3]INSTITUTO DE PERMACULTURA E ECOVILAS DA MATA ATLÂNTICA http://www.ipemabrasil.org.br/institutoweb13.htm • http://artereciclagem.blogspot.com/2009/06/reaproveitamento-da-agua-da-chuva. html • http://or.oesterenovaveis.pt/articles.php?lng=fr&pg=94 • http://www.naturaltec.com.br/images/desenhos/reuso-agua-em-domicilios. jpg • [4]http://i.treehugger.com/files/th_images/Aqus.jpg • [5]http://casaautonoma.com.br/textos/reusodasaguascinzas.htm • [6]http://docs.google.com/viewer?a=v&q=cache:UVi9mCEcJm0J:200.144.1 89.36/phd/LeArq.aspx%3Fid_arq%3D2151+esquema+reuso+agua&hl=pt- BR&gl=br&pid=bl&srcid=ADGEESiDhxfPgkbwzs1mhCCM52VZCX9v8zRu8 J0IbDiR4bs6laPkt-5IaAg-1- XwF_su8oXW87SazXOjSdk0fVHyhkROjZOh4Y9j1IvfmsYX_yllVA1aIRtYnIY B_YnNCL0YGl1VdEDB&sig=AHIEtbS8VxUsMb_d5RyRHP-qqBOFOwsyaA