SlideShare uma empresa Scribd logo
QUESTÕES PRÁTICAS SOBRE  PRESERVAÇÃO DIGITAL Miguel Ángel Márdero Arellano [email_address]
[object Object],INTRODUÇÃO
[object Object],[object Object],A QUEM INTERESSA A PRESERVAÇÃO DIGITAL?
[object Object],VIII CINFORM - 16.6.2008 COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA E PRESERVAÇÃO DIGITAL
[object Object],QUEM É RESPONSÁVEL POR PRESERVAR A INFORMAÇÃO DIGITAL?
QUEM É RESPONSÁVEL POR PRESERVAR A INFORMAÇÃO DIGITAL? Bibliotecas / Unidades de Informação   Mantendo coleções para uso permanente, protegendo-as de ameaças, ou salvando-as e reparando-as para compensar seus impactos.  (Webb, 2000) Instituições Arquivísticas Adotando medidas preventivas e corretivas objetivando minimizar a ação do tempo sobre o suporte físico da informação, assegurando sua disponibilidade.  (Sant’Anna, 2001)
[object Object],Arquivistas:  Baseados no princípio arquivístico da “custódia responsável”, essa comunidade foi a  primeira a apoiar  o desenvolvimento dos repositórios digitais como sendo aqueles que reproduzem os espaços físicos dos arquivos tradicionais.  Bibliotecários:  Com a biblioteca digital foi apresentado um  novo agrupamento  da perspectiva que se tinha dos requisitos associados às atividades tradicionais de preservação.
[object Object],Tanto a arquivologia quanto a ciência da informação têm, nas práticas de preservação digital, um  objeto de estudo  que engloba todas as tarefas envolvidas no fluxo informacional. São áreas que estão  propondo  padrões, normas, políticas e procedimentos para o arquivamento digital.
O QUE TEM SIDO FALADO SOBRE PRESERVAÇÃO DIGITAL? ,[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
O QUE SÃO CRITÉRIOS DE PRESERVAÇÃO DIGITAL? ,[object Object]
PROPOSIÇÕES SUGERIDAS ,[object Object],[object Object],[object Object]
PROPOSIÇÕES SUGERIDAS ,[object Object],[object Object],[object Object]
QUESTÕES INICIAIS ,[object Object]
Porque sem a aplicação das técnicas de preservação não existiria  nenhuma garantia  de acesso, confiabilidade, e integridade dos documentos ao longo do tempo, e nenhum benefício para as futuras gerações. POR QUE É IMPORTANTE PRESERVAR OS DOCUMENTOS DIGITAIS?
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],POR QUE É IMPORTANTE PRESERVAR OS DOCUMENTOS DIGITAIS?
POR QUE É IMPORTANTE PRESERVAR OS DOCUMENTOS DIGITAIS? ,[object Object]
CRONOLOGIA DAS MÍDIAS DE ARMAZENAMENTO Cartões  Perfuráveis 1970 Cassette Início 1980s Floppy  Disk 5’’ Final  1980s  Floppy  Disk 3 ½ ’’ Início  1990s  CD-ROM Final  1990s  DVD Início  2000s  Blu-ray; Hard drives Desde 2005
COMO PRESERVAR A INFORMAÇÃO? ,[object Object],[object Object]
QUAIS LINHAS ESTRATÉGICAS SEGUIR? ,[object Object],[object Object],[object Object]
O QUE SIGNIFICAVA CONSERVAR A INFORMAÇÃO? Manter  a possibilidade de  acesso  a mídias e sistemas de arquivamento tecnologicamente ultrapassados e em desuso. Atividade de  manter  os documentos indefinidamente  no estado em que se encontram , aplicando-lhes elementos protetores para que não sejam afetados por circunstâncias externas.   (VALLE, 1991)
COMO AS BIBLIOTECAS TÊM PRESERVADO A INFORMAÇÃO? ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
O QUE É UM DOCUMENTO DIGITAL? Um objeto físico , como uma codificação lógica, como objetos conceituais ou possuidores de significado para os humanos e como um conjunto de elementos essenciais que devem ser preservados para oferecer aos futuros usuários a essência do objeto.    (UNESCO, 2003)
O QUE É PRESERVAÇÃO DIGITAL? ,[object Object],[object Object],Preservar documentos em  formato digital , sejam eles criados eletronicamente ou cópias dos originais
QUE TIPO DE INFORMAÇÃO É IMPORTANTE PRESERVAR? ,[object Object],[object Object],[object Object]
QUAIS SÃO OS PRINCÍPIOS DA PRESERVAÇÃO DIGITAL? ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
QUAIS SÃO OS PROBLEMAS DA PRESERVAÇÃO DE INFORMAÇÃO EM FORMATO DIGITAL? ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
QUE MATERIAIS DIGITAIS A BIBLIOTECA DEVE PRESERVAR? ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
POR QUE PRESERVAR COLEÇÕES DIGITAIS? ,[object Object],[object Object],[object Object]
QUAIS INVESTIMENTOS NOVOS AS BIBLIOTECAS NECESSITAM PARA PRESERVAR A INFORMAÇÃO DIGITAL? ,[object Object],[object Object],[object Object]
QUAIS SÃO OS PRINCIPAIS DESAFIOS? ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
QUESTÕES INICIAIS   ,[object Object]
COMO PRESERVAR DOCUMENTOS DIGITAIS? ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Diferenças entre estratégias de preservação (THIBODEU, 2002)
QUE SÃO ESTRATÉGIAS DE PRESERVAÇÃO? ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
QUE É UMA ESTRATÉGIA DE PRESERVAÇÃO DIGITAL DE CURTO PRAZO? ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE SEQÜÊNCIA DE  BITS ? ,[object Object],[object Object],[object Object]
O QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE REJUVENECIMENTO? ,[object Object],[object Object]
O QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE REPLICAÇÃO? ,[object Object],[object Object]
 
O QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE TECNOLOGIA DE PRESERVAÇÃO? ,[object Object],[object Object]
O QUE É UMA ESTRATÉGIA DE PRESERVAÇÃO DIGITAL DE MEDIO E LONGO PRAZO? ,[object Object],[object Object],[object Object]
O QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE MIGRAÇÃO? É muito mais  complexa  do que apenas transferir o  bitstream  de uma mídia para outra. A  estrutura interna  e o  conteúdo  do material devem ser preservados e transferidos igualmente para que, dessa forma, o “novo” objeto seja uma representação fiel do original.
O QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE MIGRAÇÃO? ,[object Object]
PDF/A Formato de depósito Formato de preservação Migrar para Não precisa O QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE MIGRAÇÃO?
O QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE CANONIZAÇÃO? ,[object Object],[object Object],[object Object]
O QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE EMULAÇÃO? Preservação do dado no seu  formato original , através de programas emuladores que poderiam imitar o comportamento de uma plataforma de hardware obsoleta, e emular o sistema operacional relevante. Uma técnica para garantir a longevidade do  software .
O QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE EMULAÇÃO? ,[object Object],[object Object]
O QUE É UMA ESTRATÉGIA DE PRESERVAÇÃO  DIGITAL DE INVESTIMENTO? ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
O QUE IMPLICA UMA ESTRATÉGIA DE RESTRIÇÃO DE FORMATOS E PADRÕES? ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
O QUE IMPLICA UMA ESTRATÉGIA DE RESTRIÇÃO DE FORMATOS E PADRÕES? ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
O QUE IMPLICA UMA ESTRATÉGIA DE RELEVÂNCIA NOS PADRÕES? ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
PRESERVAÇÃO DIGITAL E REGISTROS EM XML
O QUE IMPLICA UMA ESTRATÉGIA DE METADADOS DE PRESERVAÇÃO? ,[object Object],[object Object],[object Object]
PARA QUE SERVE O SUBCONJUNTO DE METADADOS DE PRESERVAÇÃO? ,[object Object],[object Object],[object Object]
PARA QUE SERVE O OPEN ARCHIVAL INFORMATION SYSTEM (OAIS)? ,[object Object],[object Object],[object Object]
PARA QUE SERVE O OPEN ARCHIVAL INFORMATION SYSTEM (OAIS)? ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
SHERPA Digital Preservation Project
PARA QUE SERVE O DICIONÁRIO PREMIS? ,[object Object],[object Object],[object Object]
 
PARA QUE SERVEM OS LOCALIZADORES E IDENTIFICADORES PERSISTENTES? ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Um sistema de identificação da  propriedade intelectual  no ambiente digital: identificador numérico, resolução, metadados e política.
 
O QUE IMPLICA UMA ESTRATÉGIA DE ENCAPSULAMENTO? ,[object Object],[object Object]
superfície metadados Metadados (notas/marcação) Explicação Documentação Sistema operacional Software Documento Digital Emulador Especificação Software Original Um documento digital encapsulado (ROTHENBERG, 1995)
O QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE RE-ENGENHARIA DE SOFTWARE? ,[object Object],[object Object],[object Object]
O QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE COMPUTADORA VIRTUAL UNIVERSAL? ,[object Object],[object Object],[object Object]
O QUE É UMA ESTRATÉGIA DE PRESERVAÇÃO DIGITAL ALTERNATIVA? ,[object Object],[object Object]
O QUE IMPLICA UMA ESTRATÉGIA DE ARQUEOLOGIA DIGITAL? ,[object Object],[object Object],[object Object]
O QUE IMPLICA UMA ESTRATÉGIA DE CÓPIA DE SEGURANÇA ANÁLOGICA? ,[object Object]
QUESTÕES INICIAIS   ,[object Object]
O QUE VOCÊ OU SUA INSTITUIÇÃO PODEM FAZER? ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
O QUE A SUA INSTITUIÇÃO PODE FAZER? ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
O QUE A SUA INSTITUIÇÃO PODE FAZER? ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
QUAIS EXEMPLOS EXISTEM DE BOAS PRÁTICAS DE PRESERVAÇÃO DIGITAL?
O QUE VOCÊ PODE FAZER? ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
COMPROMISSO ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
CONCLUSÕES ,[object Object],[object Object]
CONCLUSÕES ,[object Object]
[object Object],[object Object]
QUESTÕES PRÁTICAS DE  PRESERVAÇÃO DIGITAL Miguel Ángel Márdero Arellano [email_address]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 3 2013 - DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA 0 GESTÃO ARQUIVÍSTICA FESP-SP
Aula 3 2013 - DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA 0 GESTÃO ARQUIVÍSTICA FESP-SPAula 3 2013 - DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA 0 GESTÃO ARQUIVÍSTICA FESP-SP
Aula 3 2013 - DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA 0 GESTÃO ARQUIVÍSTICA FESP-SP
Charlley Luz
 
OS DESAFIOS DA PRESERVAÇÃO NA ERA DIGITAL
OS DESAFIOS DA PRESERVAÇÃO NA ERA DIGITALOS DESAFIOS DA PRESERVAÇÃO NA ERA DIGITAL
OS DESAFIOS DA PRESERVAÇÃO NA ERA DIGITAL
Cariniana Rede
 
A função de descrição e a cadeia de custódia dos documentos arquivísticos dig...
A função de descrição e a cadeia de custódia dos documentos arquivísticos dig...A função de descrição e a cadeia de custódia dos documentos arquivísticos dig...
A função de descrição e a cadeia de custódia dos documentos arquivísticos dig...
Daniel Flores
 
Gestão Documental – racionalidade e transparência administrativa
Gestão Documental – racionalidade e transparência administrativa   Gestão Documental – racionalidade e transparência administrativa
Gestão Documental – racionalidade e transparência administrativa
Eliana Rezende
 
A Preservação de Repositórios Digitais dentro do Modelo OAIS
A Preservação de Repositórios Digitais dentro do Modelo OAISA Preservação de Repositórios Digitais dentro do Modelo OAIS
A Preservação de Repositórios Digitais dentro do Modelo OAIS
Cariniana Rede
 
A função do arquivo aproximações e diferenças em relação à biblioteca
A função do arquivo aproximações e diferenças em relação à bibliotecaA função do arquivo aproximações e diferenças em relação à biblioteca
A função do arquivo aproximações e diferenças em relação à biblioteca
Monitor Científico FaBCI
 
O SEI como SIGAD ou SIGAD de Negócio: Sistema Eletrônico de Informações (MPOG)
O SEI como SIGAD ou SIGAD de Negócio: Sistema Eletrônico de Informações (MPOG)O SEI como SIGAD ou SIGAD de Negócio: Sistema Eletrônico de Informações (MPOG)
O SEI como SIGAD ou SIGAD de Negócio: Sistema Eletrônico de Informações (MPOG)
Daniel Flores
 
Transformação Digital e gestão de documentos
Transformação Digital e gestão de documentosTransformação Digital e gestão de documentos
Transformação Digital e gestão de documentos
Charlley Luz
 
Gestão da informação e do conhecimento em unidades e serviços de informação
Gestão da informação e do conhecimento em unidades e serviços de informaçãoGestão da informação e do conhecimento em unidades e serviços de informação
Gestão da informação e do conhecimento em unidades e serviços de informação
FEBAB
 
Sistemas Transacionais, Gerenciais e Estratégicos
Sistemas Transacionais, Gerenciais e EstratégicosSistemas Transacionais, Gerenciais e Estratégicos
Sistemas Transacionais, Gerenciais e Estratégicos
Claudio Barbosa
 
REPOSITÓRIOS ARQUIVÍSTICOS DIGITAIS CONFIÁVEIS (RDC-ARQ) COMO PLATAFORMA DE P...
REPOSITÓRIOS ARQUIVÍSTICOS DIGITAIS CONFIÁVEIS (RDC-ARQ) COMO PLATAFORMA DE P...REPOSITÓRIOS ARQUIVÍSTICOS DIGITAIS CONFIÁVEIS (RDC-ARQ) COMO PLATAFORMA DE P...
REPOSITÓRIOS ARQUIVÍSTICOS DIGITAIS CONFIÁVEIS (RDC-ARQ) COMO PLATAFORMA DE P...
Daniel Flores
 
Arquivos empresariais
Arquivos empresariaisArquivos empresariais
Arquivos empresariais
Paula Carina De Araújo
 
Minicurso de arquivo
Minicurso de arquivoMinicurso de arquivo
Minicurso de arquivo
Natali Carvalho
 
Aula 10 Noções de Arquivologia
Aula 10   Noções de Arquivologia Aula 10   Noções de Arquivologia
Aula 10 Noções de Arquivologia
Luiz Siles
 
Noções de Arquivologia
Noções de ArquivologiaNoções de Arquivologia
Noções de Arquivologia
Charlley Luz
 
O desafio dos Arquivistas em garantir a autenticidade e o acesso a longo praz...
O desafio dos Arquivistas em garantir a autenticidade e o acesso a longo praz...O desafio dos Arquivistas em garantir a autenticidade e o acesso a longo praz...
O desafio dos Arquivistas em garantir a autenticidade e o acesso a longo praz...
Daniel Flores
 
Aula 01 - Introdução ao Sistema de Informação
Aula 01 - Introdução ao Sistema de InformaçãoAula 01 - Introdução ao Sistema de Informação
Aula 01 - Introdução ao Sistema de Informação
Daniel Brandão
 
Ged gestão eletrônica de documentos
Ged   gestão eletrônica de documentosGed   gestão eletrônica de documentos
Ged gestão eletrônica de documentos
IRIB
 
Introdução à Sistemas de Informação
Introdução à Sistemas de InformaçãoIntrodução à Sistemas de Informação
Introdução à Sistemas de Informação
Álvaro Farias Pinheiro
 
Estudos sobre o SEI e suas necessidades de melhorias: Considerações do GT SE...
Estudos sobre o SEI e suas necessidades de melhorias:  Considerações do GT SE...Estudos sobre o SEI e suas necessidades de melhorias:  Considerações do GT SE...
Estudos sobre o SEI e suas necessidades de melhorias: Considerações do GT SE...
Daniel Flores
 

Mais procurados (20)

Aula 3 2013 - DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA 0 GESTÃO ARQUIVÍSTICA FESP-SP
Aula 3 2013 - DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA 0 GESTÃO ARQUIVÍSTICA FESP-SPAula 3 2013 - DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA 0 GESTÃO ARQUIVÍSTICA FESP-SP
Aula 3 2013 - DESCRIÇÃO ARQUIVÍSTICA 0 GESTÃO ARQUIVÍSTICA FESP-SP
 
OS DESAFIOS DA PRESERVAÇÃO NA ERA DIGITAL
OS DESAFIOS DA PRESERVAÇÃO NA ERA DIGITALOS DESAFIOS DA PRESERVAÇÃO NA ERA DIGITAL
OS DESAFIOS DA PRESERVAÇÃO NA ERA DIGITAL
 
A função de descrição e a cadeia de custódia dos documentos arquivísticos dig...
A função de descrição e a cadeia de custódia dos documentos arquivísticos dig...A função de descrição e a cadeia de custódia dos documentos arquivísticos dig...
A função de descrição e a cadeia de custódia dos documentos arquivísticos dig...
 
Gestão Documental – racionalidade e transparência administrativa
Gestão Documental – racionalidade e transparência administrativa   Gestão Documental – racionalidade e transparência administrativa
Gestão Documental – racionalidade e transparência administrativa
 
A Preservação de Repositórios Digitais dentro do Modelo OAIS
A Preservação de Repositórios Digitais dentro do Modelo OAISA Preservação de Repositórios Digitais dentro do Modelo OAIS
A Preservação de Repositórios Digitais dentro do Modelo OAIS
 
A função do arquivo aproximações e diferenças em relação à biblioteca
A função do arquivo aproximações e diferenças em relação à bibliotecaA função do arquivo aproximações e diferenças em relação à biblioteca
A função do arquivo aproximações e diferenças em relação à biblioteca
 
O SEI como SIGAD ou SIGAD de Negócio: Sistema Eletrônico de Informações (MPOG)
O SEI como SIGAD ou SIGAD de Negócio: Sistema Eletrônico de Informações (MPOG)O SEI como SIGAD ou SIGAD de Negócio: Sistema Eletrônico de Informações (MPOG)
O SEI como SIGAD ou SIGAD de Negócio: Sistema Eletrônico de Informações (MPOG)
 
Transformação Digital e gestão de documentos
Transformação Digital e gestão de documentosTransformação Digital e gestão de documentos
Transformação Digital e gestão de documentos
 
Gestão da informação e do conhecimento em unidades e serviços de informação
Gestão da informação e do conhecimento em unidades e serviços de informaçãoGestão da informação e do conhecimento em unidades e serviços de informação
Gestão da informação e do conhecimento em unidades e serviços de informação
 
Sistemas Transacionais, Gerenciais e Estratégicos
Sistemas Transacionais, Gerenciais e EstratégicosSistemas Transacionais, Gerenciais e Estratégicos
Sistemas Transacionais, Gerenciais e Estratégicos
 
REPOSITÓRIOS ARQUIVÍSTICOS DIGITAIS CONFIÁVEIS (RDC-ARQ) COMO PLATAFORMA DE P...
REPOSITÓRIOS ARQUIVÍSTICOS DIGITAIS CONFIÁVEIS (RDC-ARQ) COMO PLATAFORMA DE P...REPOSITÓRIOS ARQUIVÍSTICOS DIGITAIS CONFIÁVEIS (RDC-ARQ) COMO PLATAFORMA DE P...
REPOSITÓRIOS ARQUIVÍSTICOS DIGITAIS CONFIÁVEIS (RDC-ARQ) COMO PLATAFORMA DE P...
 
Arquivos empresariais
Arquivos empresariaisArquivos empresariais
Arquivos empresariais
 
Minicurso de arquivo
Minicurso de arquivoMinicurso de arquivo
Minicurso de arquivo
 
Aula 10 Noções de Arquivologia
Aula 10   Noções de Arquivologia Aula 10   Noções de Arquivologia
Aula 10 Noções de Arquivologia
 
Noções de Arquivologia
Noções de ArquivologiaNoções de Arquivologia
Noções de Arquivologia
 
O desafio dos Arquivistas em garantir a autenticidade e o acesso a longo praz...
O desafio dos Arquivistas em garantir a autenticidade e o acesso a longo praz...O desafio dos Arquivistas em garantir a autenticidade e o acesso a longo praz...
O desafio dos Arquivistas em garantir a autenticidade e o acesso a longo praz...
 
Aula 01 - Introdução ao Sistema de Informação
Aula 01 - Introdução ao Sistema de InformaçãoAula 01 - Introdução ao Sistema de Informação
Aula 01 - Introdução ao Sistema de Informação
 
Ged gestão eletrônica de documentos
Ged   gestão eletrônica de documentosGed   gestão eletrônica de documentos
Ged gestão eletrônica de documentos
 
Introdução à Sistemas de Informação
Introdução à Sistemas de InformaçãoIntrodução à Sistemas de Informação
Introdução à Sistemas de Informação
 
Estudos sobre o SEI e suas necessidades de melhorias: Considerações do GT SE...
Estudos sobre o SEI e suas necessidades de melhorias:  Considerações do GT SE...Estudos sobre o SEI e suas necessidades de melhorias:  Considerações do GT SE...
Estudos sobre o SEI e suas necessidades de melhorias: Considerações do GT SE...
 

Semelhante a QUESTÕES PRÁTICAS SOBRE PRESERVAÇÃO DIGITAL

MINICURSO 3 CURADORIA E PRESERVAÇÃO EM REPOSITÓRIOS DIGITAIS
MINICURSO 3CURADORIA E PRESERVAÇÃO EM REPOSITÓRIOS DIGITAISMINICURSO 3CURADORIA E PRESERVAÇÃO EM REPOSITÓRIOS DIGITAIS
MINICURSO 3 CURADORIA E PRESERVAÇÃO EM REPOSITÓRIOS DIGITAIS
Cariniana Rede
 
Preservação Digital - Uma década
Preservação Digital - Uma décadaPreservação Digital - Uma década
Preservação Digital - Uma década
Miguel Angel Mardero Arellano
 
Preservação Digital de Arquivos Audiovisuais
Preservação Digital  de Arquivos AudiovisuaisPreservação Digital  de Arquivos Audiovisuais
Preservação Digital de Arquivos Audiovisuais
Cariniana Rede
 
Defesa de doutorado - Miguel Arellano
Defesa de doutorado - Miguel ArellanoDefesa de doutorado - Miguel Arellano
Defesa de doutorado - Miguel Arellano
Cariniana Rede
 
Apresentação da tese defesa oral
Apresentação da tese defesa oralApresentação da tese defesa oral
Apresentação da tese defesa oral
Miguel Angel Mardero Arellano
 
Repositórios Digitais Confiáveis
Repositórios Digitais ConfiáveisRepositórios Digitais Confiáveis
Repositórios Digitais Confiáveis
Miguel Angel Mardero Arellano
 
Preservação Digital de informação técnico-científica
Preservação Digital de informação técnico-científicaPreservação Digital de informação técnico-científica
Preservação Digital de informação técnico-científica
Miguel Angel Mardero Arellano
 
A preservação distibuída de coleções de obras raras digitalizadas
A preservação distibuída de coleções de obras raras digitalizadasA preservação distibuída de coleções de obras raras digitalizadas
A preservação distibuída de coleções de obras raras digitalizadas
Cariniana Rede
 
Apresentação ABEC
Apresentação ABECApresentação ABEC
Apresentação ABEC
Rafael Cobbe
 
Preservação da Informação na Biblioteca Digital
Preservação da Informação na Biblioteca DigitalPreservação da Informação na Biblioteca Digital
Preservação da Informação na Biblioteca Digital
gueste76474
 
Bibliotecas Digitais e Serviços de Preservação
Bibliotecas Digitais e Serviços de PreservaçãoBibliotecas Digitais e Serviços de Preservação
Bibliotecas Digitais e Serviços de Preservação
Miguel Angel Mardero Arellano
 
Preservação da informação na biblioteca digital
Preservação da informação na biblioteca digitalPreservação da informação na biblioteca digital
Preservação da informação na biblioteca digital
Cariniana Rede
 
Políticas de preservação Digital para Repositórios Institucionais
Políticas de preservação Digital para Repositórios InstitucionaisPolíticas de preservação Digital para Repositórios Institucionais
Políticas de preservação Digital para Repositórios Institucionais
Cariniana Rede
 
Preservação Digital
Preservação DigitalPreservação Digital
Preservação Digital
Cariniana Rede
 
Miguel Angel Mardero Arellano - Preservação digital em rede
Miguel Angel Mardero Arellano - Preservação digital em redeMiguel Angel Mardero Arellano - Preservação digital em rede
Miguel Angel Mardero Arellano - Preservação digital em rede
SciELO - Scientific Electronic Library Online
 
Apresentação cariniana rbsp-2014
Apresentação cariniana rbsp-2014Apresentação cariniana rbsp-2014
Apresentação cariniana rbsp-2014
Cariniana Rede
 
Repositórios confiáveis
Repositórios confiáveisRepositórios confiáveis
Repositórios confiáveis
Cariniana Rede
 
Preservação Digital da Informação Técnico Científica
Preservação Digital da Informação Técnico CientíficaPreservação Digital da Informação Técnico Científica
Preservação Digital da Informação Técnico Científica
Cariniana Rede
 
Garantindo acervos para o futuro: a construção do plano de preservação digita...
Garantindo acervos para o futuro: a construção do plano de preservação digita...Garantindo acervos para o futuro: a construção do plano de preservação digita...
Garantindo acervos para o futuro: a construção do plano de preservação digita...
Projeto RCAAP
 
Keynote seleção docente
Keynote seleção docenteKeynote seleção docente
Keynote seleção docente
Rafael Marinho
 

Semelhante a QUESTÕES PRÁTICAS SOBRE PRESERVAÇÃO DIGITAL (20)

MINICURSO 3 CURADORIA E PRESERVAÇÃO EM REPOSITÓRIOS DIGITAIS
MINICURSO 3CURADORIA E PRESERVAÇÃO EM REPOSITÓRIOS DIGITAISMINICURSO 3CURADORIA E PRESERVAÇÃO EM REPOSITÓRIOS DIGITAIS
MINICURSO 3 CURADORIA E PRESERVAÇÃO EM REPOSITÓRIOS DIGITAIS
 
Preservação Digital - Uma década
Preservação Digital - Uma décadaPreservação Digital - Uma década
Preservação Digital - Uma década
 
Preservação Digital de Arquivos Audiovisuais
Preservação Digital  de Arquivos AudiovisuaisPreservação Digital  de Arquivos Audiovisuais
Preservação Digital de Arquivos Audiovisuais
 
Defesa de doutorado - Miguel Arellano
Defesa de doutorado - Miguel ArellanoDefesa de doutorado - Miguel Arellano
Defesa de doutorado - Miguel Arellano
 
Apresentação da tese defesa oral
Apresentação da tese defesa oralApresentação da tese defesa oral
Apresentação da tese defesa oral
 
Repositórios Digitais Confiáveis
Repositórios Digitais ConfiáveisRepositórios Digitais Confiáveis
Repositórios Digitais Confiáveis
 
Preservação Digital de informação técnico-científica
Preservação Digital de informação técnico-científicaPreservação Digital de informação técnico-científica
Preservação Digital de informação técnico-científica
 
A preservação distibuída de coleções de obras raras digitalizadas
A preservação distibuída de coleções de obras raras digitalizadasA preservação distibuída de coleções de obras raras digitalizadas
A preservação distibuída de coleções de obras raras digitalizadas
 
Apresentação ABEC
Apresentação ABECApresentação ABEC
Apresentação ABEC
 
Preservação da Informação na Biblioteca Digital
Preservação da Informação na Biblioteca DigitalPreservação da Informação na Biblioteca Digital
Preservação da Informação na Biblioteca Digital
 
Bibliotecas Digitais e Serviços de Preservação
Bibliotecas Digitais e Serviços de PreservaçãoBibliotecas Digitais e Serviços de Preservação
Bibliotecas Digitais e Serviços de Preservação
 
Preservação da informação na biblioteca digital
Preservação da informação na biblioteca digitalPreservação da informação na biblioteca digital
Preservação da informação na biblioteca digital
 
Políticas de preservação Digital para Repositórios Institucionais
Políticas de preservação Digital para Repositórios InstitucionaisPolíticas de preservação Digital para Repositórios Institucionais
Políticas de preservação Digital para Repositórios Institucionais
 
Preservação Digital
Preservação DigitalPreservação Digital
Preservação Digital
 
Miguel Angel Mardero Arellano - Preservação digital em rede
Miguel Angel Mardero Arellano - Preservação digital em redeMiguel Angel Mardero Arellano - Preservação digital em rede
Miguel Angel Mardero Arellano - Preservação digital em rede
 
Apresentação cariniana rbsp-2014
Apresentação cariniana rbsp-2014Apresentação cariniana rbsp-2014
Apresentação cariniana rbsp-2014
 
Repositórios confiáveis
Repositórios confiáveisRepositórios confiáveis
Repositórios confiáveis
 
Preservação Digital da Informação Técnico Científica
Preservação Digital da Informação Técnico CientíficaPreservação Digital da Informação Técnico Científica
Preservação Digital da Informação Técnico Científica
 
Garantindo acervos para o futuro: a construção do plano de preservação digita...
Garantindo acervos para o futuro: a construção do plano de preservação digita...Garantindo acervos para o futuro: a construção do plano de preservação digita...
Garantindo acervos para o futuro: a construção do plano de preservação digita...
 
Keynote seleção docente
Keynote seleção docenteKeynote seleção docente
Keynote seleção docente
 

Mais de Miguel Angel Mardero Arellano

Acesso livre e Comunicação Científica: Intersecções
Acesso livre e Comunicação Científica: IntersecçõesAcesso livre e Comunicação Científica: Intersecções
Acesso livre e Comunicação Científica: Intersecções
Miguel Angel Mardero Arellano
 
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DE PESQUISAS NO BRASIL
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DE PESQUISAS NO BRASILSISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DE PESQUISAS NO BRASIL
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DE PESQUISAS NO BRASIL
Miguel Angel Mardero Arellano
 
PORTAIS DE PERIÓDICOS OJS/SEER
PORTAIS DE PERIÓDICOS OJS/SEERPORTAIS DE PERIÓDICOS OJS/SEER
PORTAIS DE PERIÓDICOS OJS/SEER
Miguel Angel Mardero Arellano
 
CARINIANA
CARINIANACARINIANA
DOI e SEER Persistência
DOI e SEER PersistênciaDOI e SEER Persistência
DOI e SEER Persistência
Miguel Angel Mardero Arellano
 
DOI e SEER Persistência
DOI e SEER PersistênciaDOI e SEER Persistência
DOI e SEER Persistência
Miguel Angel Mardero Arellano
 
Seer 2003-2010
Seer 2003-2010Seer 2003-2010
Introducción al Acceso libre
Introducción al Acceso libreIntroducción al Acceso libre
Introducción al Acceso libre
Miguel Angel Mardero Arellano
 
O IBICT e promoção da utilização da ferramenta SEER no Brasil
O IBICT e promoção da utilização da ferramenta SEER no BrasilO IBICT e promoção da utilização da ferramenta SEER no Brasil
O IBICT e promoção da utilização da ferramenta SEER no Brasil
Miguel Angel Mardero Arellano
 
Guia de fontes de informação para editores de periódicos científicos
Guia de fontes de informação para editores de periódicos científicosGuia de fontes de informação para editores de periódicos científicos
Guia de fontes de informação para editores de periódicos científicos
Miguel Angel Mardero Arellano
 
Conhecendo a biblioteca 2.0
Conhecendo a biblioteca 2.0Conhecendo a biblioteca 2.0
Conhecendo a biblioteca 2.0
Miguel Angel Mardero Arellano
 
Repositórios, Acesso Livre e Preservação Digital
Repositórios, Acesso Livre e Preservação DigitalRepositórios, Acesso Livre e Preservação Digital
Repositórios, Acesso Livre e Preservação Digital
Miguel Angel Mardero Arellano
 
Issn In Brazil
Issn In BrazilIssn In Brazil
Serviços de informação na web 2.0 e 3.0
Serviços de informação na web 2.0 e 3.0Serviços de informação na web 2.0 e 3.0
Serviços de informação na web 2.0 e 3.0
Miguel Angel Mardero Arellano
 
Novos Serviços de Referência Digital
Novos Serviços de Referência DigitalNovos Serviços de Referência Digital
Novos Serviços de Referência Digital
Miguel Angel Mardero Arellano
 
Preservação digital em repositórios confiáveis (PART II)
Preservação digital em repositórios confiáveis (PART II)Preservação digital em repositórios confiáveis (PART II)
Preservação digital em repositórios confiáveis (PART II)
Miguel Angel Mardero Arellano
 
Preservação digital em repositórios confiáveis (PART I)
Preservação digital em repositórios confiáveis (PART I)Preservação digital em repositórios confiáveis (PART I)
Preservação digital em repositórios confiáveis (PART I)
Miguel Angel Mardero Arellano
 
Digitalização e Preservação
Digitalização e PreservaçãoDigitalização e Preservação
Digitalização e Preservação
Miguel Angel Mardero Arellano
 
RSS - Cinform 2008
RSS - Cinform 2008RSS - Cinform 2008
RSS - Cinform 2008
Miguel Angel Mardero Arellano
 
Repositórios Institucionais em Ciência e Tecnologia: uma experiência de custo...
Repositórios Institucionais em Ciência e Tecnologia: uma experiência de custo...Repositórios Institucionais em Ciência e Tecnologia: uma experiência de custo...
Repositórios Institucionais em Ciência e Tecnologia: uma experiência de custo...
Miguel Angel Mardero Arellano
 

Mais de Miguel Angel Mardero Arellano (20)

Acesso livre e Comunicação Científica: Intersecções
Acesso livre e Comunicação Científica: IntersecçõesAcesso livre e Comunicação Científica: Intersecções
Acesso livre e Comunicação Científica: Intersecções
 
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DE PESQUISAS NO BRASIL
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DE PESQUISAS NO BRASILSISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DE PESQUISAS NO BRASIL
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DE PESQUISAS NO BRASIL
 
PORTAIS DE PERIÓDICOS OJS/SEER
PORTAIS DE PERIÓDICOS OJS/SEERPORTAIS DE PERIÓDICOS OJS/SEER
PORTAIS DE PERIÓDICOS OJS/SEER
 
CARINIANA
CARINIANACARINIANA
CARINIANA
 
DOI e SEER Persistência
DOI e SEER PersistênciaDOI e SEER Persistência
DOI e SEER Persistência
 
DOI e SEER Persistência
DOI e SEER PersistênciaDOI e SEER Persistência
DOI e SEER Persistência
 
Seer 2003-2010
Seer 2003-2010Seer 2003-2010
Seer 2003-2010
 
Introducción al Acceso libre
Introducción al Acceso libreIntroducción al Acceso libre
Introducción al Acceso libre
 
O IBICT e promoção da utilização da ferramenta SEER no Brasil
O IBICT e promoção da utilização da ferramenta SEER no BrasilO IBICT e promoção da utilização da ferramenta SEER no Brasil
O IBICT e promoção da utilização da ferramenta SEER no Brasil
 
Guia de fontes de informação para editores de periódicos científicos
Guia de fontes de informação para editores de periódicos científicosGuia de fontes de informação para editores de periódicos científicos
Guia de fontes de informação para editores de periódicos científicos
 
Conhecendo a biblioteca 2.0
Conhecendo a biblioteca 2.0Conhecendo a biblioteca 2.0
Conhecendo a biblioteca 2.0
 
Repositórios, Acesso Livre e Preservação Digital
Repositórios, Acesso Livre e Preservação DigitalRepositórios, Acesso Livre e Preservação Digital
Repositórios, Acesso Livre e Preservação Digital
 
Issn In Brazil
Issn In BrazilIssn In Brazil
Issn In Brazil
 
Serviços de informação na web 2.0 e 3.0
Serviços de informação na web 2.0 e 3.0Serviços de informação na web 2.0 e 3.0
Serviços de informação na web 2.0 e 3.0
 
Novos Serviços de Referência Digital
Novos Serviços de Referência DigitalNovos Serviços de Referência Digital
Novos Serviços de Referência Digital
 
Preservação digital em repositórios confiáveis (PART II)
Preservação digital em repositórios confiáveis (PART II)Preservação digital em repositórios confiáveis (PART II)
Preservação digital em repositórios confiáveis (PART II)
 
Preservação digital em repositórios confiáveis (PART I)
Preservação digital em repositórios confiáveis (PART I)Preservação digital em repositórios confiáveis (PART I)
Preservação digital em repositórios confiáveis (PART I)
 
Digitalização e Preservação
Digitalização e PreservaçãoDigitalização e Preservação
Digitalização e Preservação
 
RSS - Cinform 2008
RSS - Cinform 2008RSS - Cinform 2008
RSS - Cinform 2008
 
Repositórios Institucionais em Ciência e Tecnologia: uma experiência de custo...
Repositórios Institucionais em Ciência e Tecnologia: uma experiência de custo...Repositórios Institucionais em Ciência e Tecnologia: uma experiência de custo...
Repositórios Institucionais em Ciência e Tecnologia: uma experiência de custo...
 

Último

AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 

Último (20)

AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 

QUESTÕES PRÁTICAS SOBRE PRESERVAÇÃO DIGITAL

  • 1. QUESTÕES PRÁTICAS SOBRE PRESERVAÇÃO DIGITAL Miguel Ángel Márdero Arellano [email_address]
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6. QUEM É RESPONSÁVEL POR PRESERVAR A INFORMAÇÃO DIGITAL? Bibliotecas / Unidades de Informação Mantendo coleções para uso permanente, protegendo-as de ameaças, ou salvando-as e reparando-as para compensar seus impactos. (Webb, 2000) Instituições Arquivísticas Adotando medidas preventivas e corretivas objetivando minimizar a ação do tempo sobre o suporte físico da informação, assegurando sua disponibilidade. (Sant’Anna, 2001)
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16. Porque sem a aplicação das técnicas de preservação não existiria nenhuma garantia de acesso, confiabilidade, e integridade dos documentos ao longo do tempo, e nenhum benefício para as futuras gerações. POR QUE É IMPORTANTE PRESERVAR OS DOCUMENTOS DIGITAIS?
  • 17.
  • 18.
  • 19. CRONOLOGIA DAS MÍDIAS DE ARMAZENAMENTO Cartões Perfuráveis 1970 Cassette Início 1980s Floppy Disk 5’’ Final 1980s Floppy Disk 3 ½ ’’ Início 1990s CD-ROM Final 1990s DVD Início 2000s Blu-ray; Hard drives Desde 2005
  • 20.
  • 21.
  • 22. O QUE SIGNIFICAVA CONSERVAR A INFORMAÇÃO? Manter a possibilidade de acesso a mídias e sistemas de arquivamento tecnologicamente ultrapassados e em desuso. Atividade de manter os documentos indefinidamente no estado em que se encontram , aplicando-lhes elementos protetores para que não sejam afetados por circunstâncias externas. (VALLE, 1991)
  • 23.
  • 24. O QUE É UM DOCUMENTO DIGITAL? Um objeto físico , como uma codificação lógica, como objetos conceituais ou possuidores de significado para os humanos e como um conjunto de elementos essenciais que devem ser preservados para oferecer aos futuros usuários a essência do objeto. (UNESCO, 2003)
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34.
  • 35. Diferenças entre estratégias de preservação (THIBODEU, 2002)
  • 36.
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 40.
  • 41.  
  • 42.
  • 43.
  • 44. O QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE MIGRAÇÃO? É muito mais complexa do que apenas transferir o bitstream de uma mídia para outra. A estrutura interna e o conteúdo do material devem ser preservados e transferidos igualmente para que, dessa forma, o “novo” objeto seja uma representação fiel do original.
  • 45.
  • 46. PDF/A Formato de depósito Formato de preservação Migrar para Não precisa O QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE MIGRAÇÃO?
  • 47.
  • 48. O QUE IMPLICA A ESTRATÉGIA DE EMULAÇÃO? Preservação do dado no seu formato original , através de programas emuladores que poderiam imitar o comportamento de uma plataforma de hardware obsoleta, e emular o sistema operacional relevante. Uma técnica para garantir a longevidade do software .
  • 49.
  • 50.
  • 51.
  • 52.
  • 53.
  • 54. PRESERVAÇÃO DIGITAL E REGISTROS EM XML
  • 55.
  • 56.
  • 57.
  • 58.
  • 60.
  • 61.  
  • 62.
  • 63.  
  • 64.
  • 65. superfície metadados Metadados (notas/marcação) Explicação Documentação Sistema operacional Software Documento Digital Emulador Especificação Software Original Um documento digital encapsulado (ROTHENBERG, 1995)
  • 66.
  • 67.
  • 68.
  • 69.
  • 70.
  • 71.
  • 72.
  • 73.
  • 74.
  • 75. QUAIS EXEMPLOS EXISTEM DE BOAS PRÁTICAS DE PRESERVAÇÃO DIGITAL?
  • 76.
  • 77.
  • 78.
  • 79.
  • 80.
  • 81. QUESTÕES PRÁTICAS DE PRESERVAÇÃO DIGITAL Miguel Ángel Márdero Arellano [email_address]