SlideShare uma empresa Scribd logo
S. Tiago Maior<br /> <br /> <br />Chamado por Cristo, S. Tiago, Apóstolo, viu concretizadas as promessas de Deus ao seu Povo, ao testemunhar o poder da Ressurreição de Cristo. A partir daí, fortalecido pelo Espírito Santo, S. Tiago assumiu a fé de forma destemida e aceitou testemunhá-la até às últimas consequências (Act 12,1-2). Sendo originário da Galileia, S. Tiago terá aceitado o desafio de partilhar com outros povos o tesouro da fé: segundo a tradição, teria vindo até à Península Ibérica, para evangelizar, tendo desenvolvido actividade sobretudo na Galiza e na zona hoje<br />correspondente a Aragão.<br />Assim, S. Tiago foi um autêntico explorador, na medida em que aceitou pôr-se a caminho, guiado pela «estrela» da fé que o animava e fortalecido pelo desejo insaciável de a dar a conhecer. Mesmo sem saber que dificuldades iria encontrar, S. Tiago partiu com o intuito de apontar, também aos outros, o caminho para a «Terra Prometida». O caminho para Deus.<br />Os Exploradores podem ainda ser chamados a seguir o exemplo de algumas figuras bíblicas e santos que serão também para eles modelos de vida: Abraão, Moisés, David, Sto. António, Sta. Isabel de Portugal.<br />O Explorador é um homem bom que aprendeu enquanto jovem a conhecer e a amar a natureza, a ser auto-disciplinado e auto-suficiente, a adaptar-se ao meio ambiente em que vive, e a respeitar e a viver com as outras pessoas. É assim que nos é apresentado por BP, para demonstrar que os nossos exploradores não são adultos em miniatura, mas sim seres em construção, e que a adolescência é um momento importante na formação da personalidade do futuro Homem.<br />Tal como o antigo explorador, os exploradores aprendem, num mundo fortemente marcado por desigualdades de toda a ordem (sociais, económicas, religiosas, raciais, políticas, etc...), a viver com os outros, a respeitar, a amar e a proteger a natureza, e a ver nela a obra do Criador.<br />O exemplo deste personagem, portador de valores profundamente actuais tais como a solidariedade, a criatividade e o respeito pela natureza, permite-nos promover uma educação orientada por valores universais, concretizados num modelo que se adapte às necessidades dos dias de hoje e que permita projectar, no futuro, a imagem do Homem.<br />É em ambiente de Aventura que os exploradores são colocados perante desafios que, graças a um esforço pessoal e comunitário, vão superando, adquirindo cada vez mais novas competências e novas experiências.<br />É com base neste imaginário de aventura e sentido de cooperação, que se vai desenvolver toda a actividade dos exploradores e moços, proporcionando novas vivências e novas acções, a descoberta de novos mundos e o desenvolvimento de capacidades para a auto-suficiência.<br />  A par dos exploradores, os Heróis do Povo de Deus inspiram a acção... sendo modelos de valores universais como:- A vivência em comunidade;- A comunhão de bens;- A unidade;- A espiritualidade;- O serviço;- A humildade; - A fraternidade;- O desprendimento/a disponibilidade.Um explorador deve seguir boas pistas... e bons modelos são bons exemplos de escolhas, de caminhos, de formas de viver. De entre muitos exploradores e Heróis do Povo de Deus, escolhemos as figuras de Baden-Powell e dos primeiros cristãos, para ilustrar a ideia, não porque sejam as únicas, mas talvez por serem personagens que nos tocam profundamente. BP é um explorador por excelência e a sua destreza, bem materializada nas suas acções, na escola, na caça ao javali, na Índia ou ainda na sua fuga aos Matabeles na África do Sul, o seu conhecimento de Deus, da Bíblia, da natureza e dos Homens e a sua personalidade, é um precioso modelo.Quando lemos quot;
Os Actos dos Apóstolosquot;
, designadamente no trecho sobre a comunhão dos bens, nota-se, com evidência, que o desapego de todos os bens não é visto pelos primeiros cristãos em função da pobreza, mas em função da partilha que é causa e consequência da unidade dos cristãos, isto é, para que não existisse nenhum necessitado e os bens fossem distribuídos por todos, segundo as suas necessidades. Uma outra observação que podemos fazer, é que a comunhão dos bens era feita de modo organizado. De facto, o produto era dado aos Apóstolos e, em seguida, era distribuído a cada um proporcionalmente às necessidades sentidas. A comunhão dos bens, para os primeiros cristãos, procurava e levava à igualdade e demonstrava que somos todos irmãos, sublinhando o que está escrito no Evangelho: quot;
Quanto a vós, não vos deixeis tratar por Rabi, pois um só é o vosso Mestre, e vós sois todos irmãosquot;
.Nas primeiras comunidades cristãs, a caridade, que se estendia indistintamente a todos, era chamada quot;
filadelfiaquot;
, isto é: amor fraterno. A palavra quot;
filadelfiaquot;
 testemunha que esta realidade era sentida profundamente pelos primeiros cristãos.Este amor recíproco, apresentado por Jesus Cristo no quot;
amai-vos uns aos outros como Eu vos ameiquot;
 - o mandamento novo do Novo Testamento - , tem também todas as características humanas do amor fraterno, por exemplo, a força e o afecto. É necessário ter presente, a vida dos primeiros cristãos, como quot;
Os Actos dos Apóstolosquot;
 apresentam: quot;
A multidão dos que haviam abraçado a Fé tinha um só coração e uma só alma. Ninguém chamava seu ao que lhe pertencia, mas entre eles tudo era comumquot;
. Era uma vida e um sentir comuns.<br />As viagens dos descobrimentos, as grandes expedições marítimas, os corsários, a aprendizagem da vela e do remo, a exploração de novas terras, o aprender a trabalhar com os outros em equipa, o embarcar para descobrir um mundo novo e a si próprio, orientam esta secção.Inspira-se em Gil Eanes, Gonçalves Zarco, Diogo Cão, Bartolomeu Dias, Vasco da Gama, Pedro Alvares Cabral, Fernão de Magalhães, que, pela sua busca, irreverência e simbolismo, inspiram os Moços.É o desejo de explorar, de conhecer o mundo, o meio marítimo, as tradições, as novas técnicas e, assim, testar as suas capacidades.Os Moços sabem viver com a natureza, respeitando-a, procurando conhecê-la, compreender os seus elementos e aproveitá-los da melhor forma. Sabem cozinhar, montar a sua tenda e instalar um campo; conhecem as árvores, as conchas, os peixes, pescam sem destruir e conhecem as formas de poluição que ameaçam a vida nos oceanos e marés.Os Moços gostam de usar as mãos aprendendo a serem hábeis, a colaborar na conservação das embarcações, da palamenta e da aparelhagem das embarcações, compartilhando os seus conhecimentos e conhecendo a arte de marinheiro. Conhecem o seu corpo, exercitando-o, através de uma alimentação equilibrada, das regras de higiene e da prática de desportos com vela, do remo e da vela.Os Moços estão atentos a Cristo e à Sua Palavra, descobrem Deus todos os dias, na sua obra magnífica que é a natureza.<br />~<br />Patrono: S. Tiago Maiorleft0 <br />Tiago, Maior, era filho de Zebedeu e de Salomé, uma das mulheres que seguiam Jesus na sua pregação, que O acompanharam até à cruz e, na manhã da Ressurreição, acorreram para O ungir.<br />S. Tiago e seu irmão João, os Boanerges ou filhos do trovão, foram chamados por Jesus quando estavam com o seu pai Zebedeu, consertando as redes, nas margens do mar da Galileia.<br />S. Tiago tinha um carácter muito resoluto e generoso. Quando o Senhor o chamou não duvidou e deixou tudo. Mas também era extremista: quando os samaritanos não quiseram receber Jesus, irritados, Tiago e João pretendiam que descesse fogo do céu e acabasse com eles. Outra vez deixaram-se levar pela ambição: apresentaram-se com a mãe Salomé para Lhe pedir os primeiros lugares, quando restaurasse o reino de David.<br /> Mas tudo isto não foi obstáculo para que Jesus desse aos dois irmãos, juntamente com Pedro, provas especiais de apreço: os três, sozinhos, foram testemunhas da Transfiguração de Jesus no Tabor, presenciaram a ressurreição da filha de Jairo e assistiram à agonia de Jesus no Getsémani.<br />Duas missões principais cumpriram Tiago: primeiro levou o Evangelho até Espanha (às regiões Tarraconense, Bética e Lusitana); depois regressou a Jerusalém sendo o primeiro dos apóstolos a derramar o seu sangue por Cristo, pois Herodes Agripa, tendo recebido o reino do imperador Calígula e para se reconciliar com os judeus, mandou degolar Tiago, irmão de João.<br />Chamado por Cristo, S. Tiago, Apóstolo, viu concretizadas as promessas de Deus ao seu Povo, ao testemunhar o poder da Ressurreição de Cristo. A partir daí, fortalecido pelo Espírito Santo, S. Tiago assumiu a fé de forma destemida e aceitou testemunhá-la até às últimas consequências (Act 12,1-2). Sendo originário da Galileia, S. Tiago terá aceitado o desafio de partilhar com outros povos o tesouro da fé: segundo a tradição, teria vindo até à Península Ibérica, para evangelizar, tendo desenvolvido actividade sobretudo na Galiza e na zona hoje correspondente a Aragão.<br />Assim, S. Tiago foi um autêntico explorador, na medida em que aceitou pôr-se a caminho, guiado pela «estrela» da fé que o animava e fortalecido pelo desejo insaciável de a dar a conhecer. Mesmo sem saber que dificuldade iria encontrar, S. Tiago partiu com o intuito de apontar, também aos outros, o caminho para a «Terra Prometida». O caminho para Deus.<br /> Contam as antigas tradições que o corpo de S. Tiago foi trasladado para a Galiza. Em 813, um ermitão viu brilhar uma estrela em Iria e o bispo Teodomiro descobriu as relíquias no que chamam o Campo da Estrela (Compostela). A partir de então, este Apóstolo protegerá  Espanha e pelo quot;
caminho de Santiagoquot;
 acorreram (e continuam a acorrer) peregrinos de toda a cristandade.  <br /> <br />Mística & Simbologia<br />Mística<br />Mística dos Exploradores e Moços: «A descoberta da Terra Prometida».<br />A Mística do Programa Educativo do CNE assenta num esquema de quatro etapas, com vista a uma formação humana e cristã integral, sólida e madura. Estas etapas são sequenciais – cada uma é trabalhada para uma secção, ainda que de forma não estanque – e complementam-se (nenhuma vale por si mesma), na medida em que estão interligadas e adquirem o seu pleno sentido na sobreposição das partes. Desenrolam-se na lógica de um caminho a percorrer, constituindo um itinerário de crescimento individual e comunitário proposto a cada escuteiro.<br />Assim, a Mística da II.ª Secção assenta na descoberta da Terra Prometida: o Explorador aceita a Aliança que o conduz à descoberta da Terra Prometida;<br />A descoberta da Terra Prometida: o Explorador aceita a Aliança que o conduz à descoberta da Terra Prometida.<br />O Explorador/Moço reconhece Deus na sua vida e aceita a Aliança que este lhe propõe, pondo-se a caminho tal como o Povo do Antigo Testamento.<br />Com a adolescência, chega o período da vida em que os heróis e as aventuras seduzem e são fonte de motivação.<br />Nesta altura, e porque a abstracção o permite, o adolescente começa a compreender a grandeza de Deus.<br />Aprende, assim que, no estabelecimento da Aliança com o Seu Povo, Deus oferece a garantia da Sua protecção paternal e aponta-lhe o caminho da Terra Prometida. No caminho, está Jesus Cristo, a figura com que o Explorador/Moço mais se identifica. Dada a sua tendência para preferir os heróis que se batem por causas nobres, Jesus, além de muitas outras coisas, é um excelente exemplo a seguir. Pode ser, sobretudo, fonte de inspiração: o Explorador quer ser como Cristo e descobrir a Terra Prometida que Ele vem no mundo inaugurar. Jesus é, assim, aquele que indica a ‘Terra Prometida’, o exemplo máximo que o Explorador pode aspirar a seguir.<br /> <br /> <br />Simbologia<br />right0A simbologia ajuda-nos a perceber a identidade dos Exploradores.  O imaginário da segunda secção gira todo à volta do Explorador, aquele que parte à descoberta do desconhecido.<br />Como símbolos, a secção terá a Flor-de-Lis, a Vara, o Chapéu, o Cantil e a Estrela.right0<br />A FLOR-DE-LIS – é o símbolo do escutismo de que o explorador é a imagem mais <br />facilmente reconhecida (atépela tradução da palavra inglesa scout, por exemplo). Nas três folhas da flor-de-lis reconhecemos os três princípios do escutismo, e os três compromissos assumidos na fórmula da promessa escutista. A flor-de-lis é, também, símbolo de rumo, indicando o norte nas cartas topográficas e de marear. É portanto um auxiliar básico de alguém que pretende descobrir o mundo.<br />- A VARA – é um símbolo facilmente associado ao imaginário do escuteiro dos primeiros anos da fundação e, por outro lado à simbologia de São Tiago, Maior, o peregrino. A Vara do escuteiro tem um conjunto alargado de utilidades, de onde se destaca o auxílio, à caminhada, à progressão da marcha, na navegação, no ultrapassar de obstáculos, em relação aos perigos e às adversidades. Simboliza assim a solidariedade e o progresso.<br />- O CHAPÉU – é símbolo da protecção. Protecção do sol, em primeira análise, mas também do frio, da chuva, etc.<br />É ainda associado à imagem que temos do próprio B.-P., que se preocupou em arranjar um chapéu para os escuteiros antes de mais nada. Também São Tiago é reconhecido pelo chapéu que caracteriza o traje do peregrino, especialmente no contexto dos caminhos de Santiago de Compostela. <br />- O CANTIL – é ao mesmo tempo símbolo da responsabilidade – andar sem água não é inteligente -, na sua vertente de depósito, mas é também símbolo de coerência, de estar preparado, como pedia B.-P.. Está associado também à sede de conhecimento, à sede de descoberta e de acção, característica do explorador. A cabaça, associada à imagem de São Tiago Maior é, também, ou, acima de tudo, um cantil.<br />- A ESTRELA – é símbolo da orientação. A Estrela Polar e o Cruzeiro do Sul são referências de orientação, especialmente de noite, quando é mais difícil seguir um rumo. Todos os grandes exploradores recorreram a elas para concretizar os seus sonhos. São pilares na imensidão do céu, sinal da grandeza de Deus, que nos transmitem a segurança da fé, e a certeza do sucesso. Foi uma estrela, que segundo a lenda permitiu encontrar o túmulo do Apóstolo São Tiago e é lá, no Campo da Estrela – Campus stella, Compostela – que permanecem os seus restos mortais. A vieira, símbolo jacobeu, é, também, de certa forma, uma estrela. Além disso, do ponto de vista bíblico, a estrela evoca ainda a Aliança de Deus com Abraão, em que lhe promete uma descendência mais numerosa que as estrelas do céu, imagem do Povo que Deus escolheu para Si, do qual também nós somos parte.<br /> Os Exploradores são chamados a seguir o exemplo de algumas figuras bíblicas e santos que serão também para eles modelos de vida: Abraão, Moisés, David, Sto. António, Sta. Isabel de Portugal, bem como, o exemplo de grandes Exploradores como Fernão de Magalhães, Ernest Shakleton, Neil Armstrong, Gago Coutinho, Sacadura Cabral, Jacques Cousteau, Dian Fossey, Infante D.Henrique, Rosie Stanset, etc.<br /> <br /> <br />Lei, Princípios & Promessa<br />Lei<br />a)   A Honra do Escuta inspira confiança. <br />b)   O Escuta é Leal. <br />c)   O Escuta é útil e pratica diariamente uma boa acção. <br />d)   O Escuta é amigo de todos e irmão de todos os outros Escutas. <br />e)   O Escuta é delicado e respeitador. <br />f)    O Escuta protege as plantas e os animais. <br />g)   O Escuta é obediente. <br />h)   O Escuta tem sempre boa disposição de espírito. <br />i)     O Escuta é sóbrio, económico e respeitador do bem alheio.<br />j)    O Escuta é puro nos pensamentos, nas palavras e nas acções.<br /> <br />Princípios<br />1.   O Escuta orgulha-se da sua Fé e por ela orienta toda a sua vida. <br />2.   O Escuta é filho de Portugal e bom cidadão. <br />3.   O dever do Escuta começa em casa. <br /> <br />Promessa<br />Prometo, pela minha honra e com a graça de Deus, fazer todo o possível por:<br />·         Cumprir os meus deveres para com Deus, a Igreja e a Pátria; <br />·         Auxiliar o meu semelhante em todas as circunstâncias; <br />·         Obedecer à Lei do Escuta; <br /> <br />Divisa<br />Sempre Alerta<br /> <br />Oração do Escuta<br />Senhor JesusEnsinai-me a ser generoso,A servir-Vos como Vós o mereceis,A dar-me sem medida,A combater sem cuidar das feridas,A trabalhar sem procurar descanso,A gastar-me sem esperar outra recompensa,Senão saber que faço a Vossa vontade santa,<br />Ámen<br /> Sistema de Progresso<br /> <br />“A criança quer fazer coisas; então vamos encorajá-la a fazê-las, apontando-lhe o caminho certo e permitindo-lhe fazê-las como ela quer. Deixá-la errar; é através dos erros que ela constrói a sua experiência.”<br />Baden Powell<br />A par dos exploradores, os Heróis do Povo de Deus inspiram a acção... sendo modelos de valores universais como:<br />- A vivência em comunidade;- A comunhão de bens;- A unidade;- A espiritualidade;- O serviço;- A humildade; - A fraternidade;- O desprendimento/a disponibilidade.<br />Um explorador deve seguir boas pistas... e bons modelos são bons exemplos de escolhas, de caminhos, de formas de viver. <br />As viagens dos descobrimentos, as grandes expedições marítimas, os corsários, a aprendizagem da vela e do remo, a exploração de novas terras, o aprender a trabalhar com os outros em equipa, o embarcar para descobrir um mundo novo e a si próprio, orientam esta secção.Inspira-se em Gil Eanes, Gonçalves Zarco, Diogo Cão, Bartolomeu Dias, Vasco da Gama, Pedro Alvares Cabral, Fernão de Magalhães, que, pela sua busca, irreverência e simbolismo, inspiram os Moços.É o desejo de explorar, de conhecer o mundo, o meio marítimo, as tradições, as novas técnicas e, assim, testar as suas capacidades.Os Moços sabem viver com a natureza, respeitando-a, procurando conhecê-la, compreender os seus elementos e aproveitá-los da melhor forma. Sabem cozinhar, montar a sua tenda e instalar um campo; conhecem as árvores, as conchas, os peixes, pescam sem destruir e conhecem as formas de poluição que ameaçam a vida nos oceanos e marés.Os Moços gostam de usar as mãos aprendendo a serem hábeis, a colaborar na conservação das embarcações, da palamenta e da aparelhagem das embarcações, compartilhando os seus conhecimentos e conhecendo a arte de marinheiro. Conhecem o seu corpo, exercitando-o, através de uma alimentação equilibrada, das regras de higiene e da prática de desportos com vela, do remo e da vela.Os Moços estão atentos a Cristo e à Sua Palavra, descobrem Deus todos os dias, na sua obra magnífica que é a natureza.    A CabanaOração do EscutaSão TiagoMística e SimbologiaMísticaSimbologiaEu no Grupo Explorador / FlotilhaEu no Conselho de Guias / TimoneirosEu na reunião de patrulhaProgressoEtapas de Progresso dos ExploradoresEtapas de Progresso dos MoçosInsignias de CompetênciaInsígnia Mundial de Conservação da NaturezaO meu uniformeLogótipos, Insígnias e Distintivos Lei, Promessa, Príncipios e Divisa  Baú de ideiasJogos e ActividadesCançõesHeróisAsterixA Historia de Dinis VazVive o MundoOportunidadesFundosFerramentasFAQ'sLands of AdventureCantinho da OraçãoAdventoS. PauloQuaresmaLocais para actividades  AventurasVídeosFotosTestemunhos© 2008 Copyright - Portal Oficial do Corpo Nacional de Escutas - Todos os direitos reservados.Colaboradores - Avisos legais - Sugestões<br />
Provas
Provas
Provas
Provas
Provas
Provas
Provas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

o evangelho no mundo academico e politico
 o evangelho no mundo academico e politico o evangelho no mundo academico e politico
o evangelho no mundo academico e politico
Nivaldo R. Santos
 
3 fundamentos bíblicos da missão
3 fundamentos bíblicos da missão3 fundamentos bíblicos da missão
3 fundamentos bíblicos da missão
faculdadeteologica
 

Mais procurados (20)

Jesus e o dinheiro
Jesus e o dinheiroJesus e o dinheiro
Jesus e o dinheiro
 
HISTÓRIA ECLESIÁSTICA DE EUSÉBIO - VOLUME I
HISTÓRIA ECLESIÁSTICA DE EUSÉBIO - VOLUME IHISTÓRIA ECLESIÁSTICA DE EUSÉBIO - VOLUME I
HISTÓRIA ECLESIÁSTICA DE EUSÉBIO - VOLUME I
 
Sermonario Semana Santa 2018 (Libertos IASD)
Sermonario Semana Santa 2018 (Libertos IASD)Sermonario Semana Santa 2018 (Libertos IASD)
Sermonario Semana Santa 2018 (Libertos IASD)
 
o evangelho no mundo academico e politico
 o evangelho no mundo academico e politico o evangelho no mundo academico e politico
o evangelho no mundo academico e politico
 
As mulheres da casa do caminho
As mulheres da casa do caminhoAs mulheres da casa do caminho
As mulheres da casa do caminho
 
Caráter
CaráterCaráter
Caráter
 
Historia igreja
Historia igrejaHistoria igreja
Historia igreja
 
Espiritualidade bíblica-crocoli
Espiritualidade bíblica-crocoliEspiritualidade bíblica-crocoli
Espiritualidade bíblica-crocoli
 
3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 04 Adultos
 
Mensagem do santo padre francisco para a quaresma
Mensagem do santo padre francisco para a quaresmaMensagem do santo padre francisco para a quaresma
Mensagem do santo padre francisco para a quaresma
 
Estudos em educação cristã
Estudos em educação cristãEstudos em educação cristã
Estudos em educação cristã
 
Tiatira, a Igreja Tolerante
Tiatira, a Igreja ToleranteTiatira, a Igreja Tolerante
Tiatira, a Igreja Tolerante
 
Respingos Históricos 03_ Classes religiosas_ Primicias do Reino_29out21
Respingos Históricos 03_ Classes religiosas_ Primicias do Reino_29out21Respingos Históricos 03_ Classes religiosas_ Primicias do Reino_29out21
Respingos Históricos 03_ Classes religiosas_ Primicias do Reino_29out21
 
3º trimestre 2015 lição 04 adultos
3º trimestre 2015 lição 04 adultos3º trimestre 2015 lição 04 adultos
3º trimestre 2015 lição 04 adultos
 
FUNDAMENTOS TEOLÓGICOS DA MISSÃO
FUNDAMENTOS TEOLÓGICOS DA MISSÃOFUNDAMENTOS TEOLÓGICOS DA MISSÃO
FUNDAMENTOS TEOLÓGICOS DA MISSÃO
 
Apresentação1 anjos
Apresentação1 anjosApresentação1 anjos
Apresentação1 anjos
 
A caminho da luz cap 9
A caminho da luz   cap 9A caminho da luz   cap 9
A caminho da luz cap 9
 
3 fundamentos bíblicos da missão
3 fundamentos bíblicos da missão3 fundamentos bíblicos da missão
3 fundamentos bíblicos da missão
 
Historia de israel aulas 1 e 2 orientações iniciais
Historia de israel aulas 1 e 2 orientações iniciaisHistoria de israel aulas 1 e 2 orientações iniciais
Historia de israel aulas 1 e 2 orientações iniciais
 
Lição 8 jesus e as minorias ebd
Lição 8   jesus e as minorias ebdLição 8   jesus e as minorias ebd
Lição 8 jesus e as minorias ebd
 

Destaque

Crossed swords
Crossed swordsCrossed swords
Crossed swords
Agha A
 
Blue brain
Blue brainBlue brain
Blue brain
Aaisha22
 
20170113 Значения искаженного исчисления времени в Исаакиевском Соборе
20170113 Значения искаженного исчисления времени в Исаакиевском Соборе20170113 Значения искаженного исчисления времени в Исаакиевском Соборе
20170113 Значения искаженного исчисления времени в Исаакиевском Соборе
Andrei A. Emelin
 
Traffic_Deaths
Traffic_DeathsTraffic_Deaths
Traffic_Deaths
Brett Keim
 

Destaque (20)

Crossed swords
Crossed swordsCrossed swords
Crossed swords
 
El ensayo 1
El ensayo 1El ensayo 1
El ensayo 1
 
مقایسه دو تکنیک آنالیز ارتعاشات و آنالیز روغن در شناسایی خرابی یاتاقان کمپرسور
مقایسه دو تکنیک آنالیز ارتعاشات و آنالیز روغن در شناسایی خرابی یاتاقان کمپرسور مقایسه دو تکنیک آنالیز ارتعاشات و آنالیز روغن در شناسایی خرابی یاتاقان کمپرسور
مقایسه دو تکنیک آنالیز ارتعاشات و آنالیز روغن در شناسایی خرابی یاتاقان کمپرسور
 
Formadores forches
Formadores forchesFormadores forches
Formadores forches
 
Blue brain
Blue brainBlue brain
Blue brain
 
Plastic ppt
Plastic pptPlastic ppt
Plastic ppt
 
eHealth in the Netherlands: The Polder Model
eHealth in the Netherlands: The Polder ModeleHealth in the Netherlands: The Polder Model
eHealth in the Netherlands: The Polder Model
 
20170113 Значения искаженного исчисления времени в Исаакиевском Соборе
20170113 Значения искаженного исчисления времени в Исаакиевском Соборе20170113 Значения искаженного исчисления времени в Исаакиевском Соборе
20170113 Значения искаженного исчисления времени в Исаакиевском Соборе
 
Traffic_Deaths
Traffic_DeathsTraffic_Deaths
Traffic_Deaths
 
Gpacifico
GpacificoGpacifico
Gpacifico
 
Doing business in Azerbaijan
Doing business in AzerbaijanDoing business in Azerbaijan
Doing business in Azerbaijan
 
Intro to tour 1
Intro to tour 1Intro to tour 1
Intro to tour 1
 
CSWE
CSWECSWE
CSWE
 
Cement
CementCement
Cement
 
Geotextil
GeotextilGeotextil
Geotextil
 
Inspiring Grade
Inspiring GradeInspiring Grade
Inspiring Grade
 
1 Объект исчисления Времени
1 Объект исчисления Времени 1 Объект исчисления Времени
1 Объект исчисления Времени
 
Gastric disorder
Gastric disorderGastric disorder
Gastric disorder
 
Bolivia wfp
Bolivia wfpBolivia wfp
Bolivia wfp
 
Erp study (Understand and select ERP)
Erp study (Understand and select ERP)Erp study (Understand and select ERP)
Erp study (Understand and select ERP)
 

Semelhante a Provas

Documento de aparecida
Documento de aparecidaDocumento de aparecida
Documento de aparecida
Cassio Felipe
 
Interequipes 2012
Interequipes 2012Interequipes 2012
Interequipes 2012
ensantidade
 
Brasil coração do mundo, pátria do evangelho (psicografia chico xavier espí...
Brasil coração do mundo, pátria do evangelho (psicografia chico xavier   espí...Brasil coração do mundo, pátria do evangelho (psicografia chico xavier   espí...
Brasil coração do mundo, pátria do evangelho (psicografia chico xavier espí...
Bruno Bartholomei
 
Documento de-aparecida e do caribe
Documento de-aparecida e do caribe Documento de-aparecida e do caribe
Documento de-aparecida e do caribe
Pejota2015
 
Contribuição da vocação do leigo e da irmã da consolação na américa latina
Contribuição da vocação do leigo e da irmã da consolação na américa latinaContribuição da vocação do leigo e da irmã da consolação na américa latina
Contribuição da vocação do leigo e da irmã da consolação na américa latina
Renata R. Lucas
 
A MISSÃO DA IGREJA, PRESSUPOSTO DA MISSÃO DO FIEL CRISTÃO E DA MISSÃO LAICAL
A MISSÃO DA IGREJA, PRESSUPOSTO DA MISSÃO DO FIEL CRISTÃO E DA MISSÃO LAICALA MISSÃO DA IGREJA, PRESSUPOSTO DA MISSÃO DO FIEL CRISTÃO E DA MISSÃO LAICAL
A MISSÃO DA IGREJA, PRESSUPOSTO DA MISSÃO DO FIEL CRISTÃO E DA MISSÃO LAICAL
Pedro Francisco Moraes De
 
Documento santodomingo iv conferência
Documento santodomingo   iv conferênciaDocumento santodomingo   iv conferência
Documento santodomingo iv conferência
Diêgo De Lima Dantas
 

Semelhante a Provas (20)

Biblia gente1 2013
Biblia gente1 2013Biblia gente1 2013
Biblia gente1 2013
 
Aula Caridade Segundo Paulo de Tarso
Aula Caridade Segundo Paulo de TarsoAula Caridade Segundo Paulo de Tarso
Aula Caridade Segundo Paulo de Tarso
 
Documento de aparecida
Documento de aparecidaDocumento de aparecida
Documento de aparecida
 
Oração das Missões no setor 01 das CEBs
Oração das Missões no setor 01 das CEBs Oração das Missões no setor 01 das CEBs
Oração das Missões no setor 01 das CEBs
 
Interequipes 2012
Interequipes 2012Interequipes 2012
Interequipes 2012
 
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Novemb...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Novemb...Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Novemb...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Novemb...
 
Brasil coração do mundo, pátria do evangelho (psicografia chico xavier espí...
Brasil coração do mundo, pátria do evangelho (psicografia chico xavier   espí...Brasil coração do mundo, pátria do evangelho (psicografia chico xavier   espí...
Brasil coração do mundo, pátria do evangelho (psicografia chico xavier espí...
 
Ahistoria da igreja parte 02
Ahistoria da igreja parte 02Ahistoria da igreja parte 02
Ahistoria da igreja parte 02
 
Brasil, coração do mundo, pátria do evangelho
  Brasil, coração do mundo, pátria do evangelho  Brasil, coração do mundo, pátria do evangelho
Brasil, coração do mundo, pátria do evangelho
 
Paixão pelas almas
 Paixão pelas almas Paixão pelas almas
Paixão pelas almas
 
Folha informativa 22-01-2017
Folha informativa 22-01-2017Folha informativa 22-01-2017
Folha informativa 22-01-2017
 
Cnbb 2007 documento_de_aparecida
Cnbb 2007 documento_de_aparecidaCnbb 2007 documento_de_aparecida
Cnbb 2007 documento_de_aparecida
 
Documento de-aparecida e do caribe
Documento de-aparecida e do caribe Documento de-aparecida e do caribe
Documento de-aparecida e do caribe
 
Contribuição da vocação do leigo e da irmã da consolação na américa latina
Contribuição da vocação do leigo e da irmã da consolação na américa latinaContribuição da vocação do leigo e da irmã da consolação na américa latina
Contribuição da vocação do leigo e da irmã da consolação na américa latina
 
A MISSÃO DA IGREJA, PRESSUPOSTO DA MISSÃO DO FIEL CRISTÃO E DA MISSÃO LAICAL
A MISSÃO DA IGREJA, PRESSUPOSTO DA MISSÃO DO FIEL CRISTÃO E DA MISSÃO LAICALA MISSÃO DA IGREJA, PRESSUPOSTO DA MISSÃO DO FIEL CRISTÃO E DA MISSÃO LAICAL
A MISSÃO DA IGREJA, PRESSUPOSTO DA MISSÃO DO FIEL CRISTÃO E DA MISSÃO LAICAL
 
Documento santodomingo iv conferência
Documento santodomingo   iv conferênciaDocumento santodomingo   iv conferência
Documento santodomingo iv conferência
 
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Outubr...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Outubr...Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Outubr...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Outubr...
 
Rastros de luz 06
Rastros de luz 06Rastros de luz 06
Rastros de luz 06
 
Anúncio do Reino
Anúncio do ReinoAnúncio do Reino
Anúncio do Reino
 
Manual+de[1]..
Manual+de[1]..Manual+de[1]..
Manual+de[1]..
 

Mais de Flavio Mendes

Calendario escolar 2011-2012
Calendario escolar 2011-2012Calendario escolar 2011-2012
Calendario escolar 2011-2012
Flavio Mendes
 
Diario de bordo II acasecnuc
Diario de bordo II acasecnucDiario de bordo II acasecnuc
Diario de bordo II acasecnuc
Flavio Mendes
 
Diario de bordo ii acasecnuc
Diario de bordo ii acasecnucDiario de bordo ii acasecnuc
Diario de bordo ii acasecnuc
Flavio Mendes
 
Regras circulação na via publica
Regras circulação na via publicaRegras circulação na via publica
Regras circulação na via publica
Flavio Mendes
 
Regras de utilização das mochilas e vida em campo
Regras de utilização das mochilas e vida em campoRegras de utilização das mochilas e vida em campo
Regras de utilização das mochilas e vida em campo
Flavio Mendes
 
Mística dos exploradores e moços
Mística dos exploradores e moçosMística dos exploradores e moços
Mística dos exploradores e moços
Flavio Mendes
 
Baden powell e o escutismo
Baden powell e o escutismoBaden powell e o escutismo
Baden powell e o escutismo
Flavio Mendes
 
Diario de bordo cerdeira
Diario de bordo cerdeiraDiario de bordo cerdeira
Diario de bordo cerdeira
Flavio Mendes
 
Diario de bordo coja
Diario de bordo   cojaDiario de bordo   coja
Diario de bordo coja
Flavio Mendes
 
1 como e onde existe vida na terra
1 como e onde existe vida na terra1 como e onde existe vida na terra
1 como e onde existe vida na terra
Flavio Mendes
 
Pequena prenda informatica
Pequena prenda informaticaPequena prenda informatica
Pequena prenda informatica
Flavio Mendes
 

Mais de Flavio Mendes (20)

Calendario escolar 2011-2012
Calendario escolar 2011-2012Calendario escolar 2011-2012
Calendario escolar 2011-2012
 
Diario de bordo II acasecnuc
Diario de bordo II acasecnucDiario de bordo II acasecnuc
Diario de bordo II acasecnuc
 
Diario de bordo ii acasecnuc
Diario de bordo ii acasecnucDiario de bordo ii acasecnuc
Diario de bordo ii acasecnuc
 
Regras circulação na via publica
Regras circulação na via publicaRegras circulação na via publica
Regras circulação na via publica
 
Tecnicas escutistas
Tecnicas escutistasTecnicas escutistas
Tecnicas escutistas
 
Regras de utilização das mochilas e vida em campo
Regras de utilização das mochilas e vida em campoRegras de utilização das mochilas e vida em campo
Regras de utilização das mochilas e vida em campo
 
Material
MaterialMaterial
Material
 
Escutismo
EscutismoEscutismo
Escutismo
 
Manual do escuteiro
Manual do escuteiroManual do escuteiro
Manual do escuteiro
 
Cancioneiro notas
Cancioneiro notasCancioneiro notas
Cancioneiro notas
 
Mística dos exploradores e moços
Mística dos exploradores e moçosMística dos exploradores e moços
Mística dos exploradores e moços
 
Baden powell e o escutismo
Baden powell e o escutismoBaden powell e o escutismo
Baden powell e o escutismo
 
Diario de bordo cerdeira
Diario de bordo cerdeiraDiario de bordo cerdeira
Diario de bordo cerdeira
 
Diario de bordo coja
Diario de bordo   cojaDiario de bordo   coja
Diario de bordo coja
 
Ficha resumo rochas
Ficha resumo rochasFicha resumo rochas
Ficha resumo rochas
 
Relacoes abioticas
Relacoes abioticasRelacoes abioticas
Relacoes abioticas
 
2 ecossistemas
2 ecossistemas2 ecossistemas
2 ecossistemas
 
1 como e onde existe vida na terra
1 como e onde existe vida na terra1 como e onde existe vida na terra
1 como e onde existe vida na terra
 
Pequena prenda informatica
Pequena prenda informaticaPequena prenda informatica
Pequena prenda informatica
 
Sujeito
SujeitoSujeito
Sujeito
 

Provas

  • 1. S. Tiago Maior<br /> <br /> <br />Chamado por Cristo, S. Tiago, Apóstolo, viu concretizadas as promessas de Deus ao seu Povo, ao testemunhar o poder da Ressurreição de Cristo. A partir daí, fortalecido pelo Espírito Santo, S. Tiago assumiu a fé de forma destemida e aceitou testemunhá-la até às últimas consequências (Act 12,1-2). Sendo originário da Galileia, S. Tiago terá aceitado o desafio de partilhar com outros povos o tesouro da fé: segundo a tradição, teria vindo até à Península Ibérica, para evangelizar, tendo desenvolvido actividade sobretudo na Galiza e na zona hoje<br />correspondente a Aragão.<br />Assim, S. Tiago foi um autêntico explorador, na medida em que aceitou pôr-se a caminho, guiado pela «estrela» da fé que o animava e fortalecido pelo desejo insaciável de a dar a conhecer. Mesmo sem saber que dificuldades iria encontrar, S. Tiago partiu com o intuito de apontar, também aos outros, o caminho para a «Terra Prometida». O caminho para Deus.<br />Os Exploradores podem ainda ser chamados a seguir o exemplo de algumas figuras bíblicas e santos que serão também para eles modelos de vida: Abraão, Moisés, David, Sto. António, Sta. Isabel de Portugal.<br />O Explorador é um homem bom que aprendeu enquanto jovem a conhecer e a amar a natureza, a ser auto-disciplinado e auto-suficiente, a adaptar-se ao meio ambiente em que vive, e a respeitar e a viver com as outras pessoas. É assim que nos é apresentado por BP, para demonstrar que os nossos exploradores não são adultos em miniatura, mas sim seres em construção, e que a adolescência é um momento importante na formação da personalidade do futuro Homem.<br />Tal como o antigo explorador, os exploradores aprendem, num mundo fortemente marcado por desigualdades de toda a ordem (sociais, económicas, religiosas, raciais, políticas, etc...), a viver com os outros, a respeitar, a amar e a proteger a natureza, e a ver nela a obra do Criador.<br />O exemplo deste personagem, portador de valores profundamente actuais tais como a solidariedade, a criatividade e o respeito pela natureza, permite-nos promover uma educação orientada por valores universais, concretizados num modelo que se adapte às necessidades dos dias de hoje e que permita projectar, no futuro, a imagem do Homem.<br />É em ambiente de Aventura que os exploradores são colocados perante desafios que, graças a um esforço pessoal e comunitário, vão superando, adquirindo cada vez mais novas competências e novas experiências.<br />É com base neste imaginário de aventura e sentido de cooperação, que se vai desenvolver toda a actividade dos exploradores e moços, proporcionando novas vivências e novas acções, a descoberta de novos mundos e o desenvolvimento de capacidades para a auto-suficiência.<br />  A par dos exploradores, os Heróis do Povo de Deus inspiram a acção... sendo modelos de valores universais como:- A vivência em comunidade;- A comunhão de bens;- A unidade;- A espiritualidade;- O serviço;- A humildade; - A fraternidade;- O desprendimento/a disponibilidade.Um explorador deve seguir boas pistas... e bons modelos são bons exemplos de escolhas, de caminhos, de formas de viver. De entre muitos exploradores e Heróis do Povo de Deus, escolhemos as figuras de Baden-Powell e dos primeiros cristãos, para ilustrar a ideia, não porque sejam as únicas, mas talvez por serem personagens que nos tocam profundamente. BP é um explorador por excelência e a sua destreza, bem materializada nas suas acções, na escola, na caça ao javali, na Índia ou ainda na sua fuga aos Matabeles na África do Sul, o seu conhecimento de Deus, da Bíblia, da natureza e dos Homens e a sua personalidade, é um precioso modelo.Quando lemos quot; Os Actos dos Apóstolosquot; , designadamente no trecho sobre a comunhão dos bens, nota-se, com evidência, que o desapego de todos os bens não é visto pelos primeiros cristãos em função da pobreza, mas em função da partilha que é causa e consequência da unidade dos cristãos, isto é, para que não existisse nenhum necessitado e os bens fossem distribuídos por todos, segundo as suas necessidades. Uma outra observação que podemos fazer, é que a comunhão dos bens era feita de modo organizado. De facto, o produto era dado aos Apóstolos e, em seguida, era distribuído a cada um proporcionalmente às necessidades sentidas. A comunhão dos bens, para os primeiros cristãos, procurava e levava à igualdade e demonstrava que somos todos irmãos, sublinhando o que está escrito no Evangelho: quot; Quanto a vós, não vos deixeis tratar por Rabi, pois um só é o vosso Mestre, e vós sois todos irmãosquot; .Nas primeiras comunidades cristãs, a caridade, que se estendia indistintamente a todos, era chamada quot; filadelfiaquot; , isto é: amor fraterno. A palavra quot; filadelfiaquot; testemunha que esta realidade era sentida profundamente pelos primeiros cristãos.Este amor recíproco, apresentado por Jesus Cristo no quot; amai-vos uns aos outros como Eu vos ameiquot; - o mandamento novo do Novo Testamento - , tem também todas as características humanas do amor fraterno, por exemplo, a força e o afecto. É necessário ter presente, a vida dos primeiros cristãos, como quot; Os Actos dos Apóstolosquot; apresentam: quot; A multidão dos que haviam abraçado a Fé tinha um só coração e uma só alma. Ninguém chamava seu ao que lhe pertencia, mas entre eles tudo era comumquot; . Era uma vida e um sentir comuns.<br />As viagens dos descobrimentos, as grandes expedições marítimas, os corsários, a aprendizagem da vela e do remo, a exploração de novas terras, o aprender a trabalhar com os outros em equipa, o embarcar para descobrir um mundo novo e a si próprio, orientam esta secção.Inspira-se em Gil Eanes, Gonçalves Zarco, Diogo Cão, Bartolomeu Dias, Vasco da Gama, Pedro Alvares Cabral, Fernão de Magalhães, que, pela sua busca, irreverência e simbolismo, inspiram os Moços.É o desejo de explorar, de conhecer o mundo, o meio marítimo, as tradições, as novas técnicas e, assim, testar as suas capacidades.Os Moços sabem viver com a natureza, respeitando-a, procurando conhecê-la, compreender os seus elementos e aproveitá-los da melhor forma. Sabem cozinhar, montar a sua tenda e instalar um campo; conhecem as árvores, as conchas, os peixes, pescam sem destruir e conhecem as formas de poluição que ameaçam a vida nos oceanos e marés.Os Moços gostam de usar as mãos aprendendo a serem hábeis, a colaborar na conservação das embarcações, da palamenta e da aparelhagem das embarcações, compartilhando os seus conhecimentos e conhecendo a arte de marinheiro. Conhecem o seu corpo, exercitando-o, através de uma alimentação equilibrada, das regras de higiene e da prática de desportos com vela, do remo e da vela.Os Moços estão atentos a Cristo e à Sua Palavra, descobrem Deus todos os dias, na sua obra magnífica que é a natureza.<br />~<br />Patrono: S. Tiago Maiorleft0 <br />Tiago, Maior, era filho de Zebedeu e de Salomé, uma das mulheres que seguiam Jesus na sua pregação, que O acompanharam até à cruz e, na manhã da Ressurreição, acorreram para O ungir.<br />S. Tiago e seu irmão João, os Boanerges ou filhos do trovão, foram chamados por Jesus quando estavam com o seu pai Zebedeu, consertando as redes, nas margens do mar da Galileia.<br />S. Tiago tinha um carácter muito resoluto e generoso. Quando o Senhor o chamou não duvidou e deixou tudo. Mas também era extremista: quando os samaritanos não quiseram receber Jesus, irritados, Tiago e João pretendiam que descesse fogo do céu e acabasse com eles. Outra vez deixaram-se levar pela ambição: apresentaram-se com a mãe Salomé para Lhe pedir os primeiros lugares, quando restaurasse o reino de David.<br /> Mas tudo isto não foi obstáculo para que Jesus desse aos dois irmãos, juntamente com Pedro, provas especiais de apreço: os três, sozinhos, foram testemunhas da Transfiguração de Jesus no Tabor, presenciaram a ressurreição da filha de Jairo e assistiram à agonia de Jesus no Getsémani.<br />Duas missões principais cumpriram Tiago: primeiro levou o Evangelho até Espanha (às regiões Tarraconense, Bética e Lusitana); depois regressou a Jerusalém sendo o primeiro dos apóstolos a derramar o seu sangue por Cristo, pois Herodes Agripa, tendo recebido o reino do imperador Calígula e para se reconciliar com os judeus, mandou degolar Tiago, irmão de João.<br />Chamado por Cristo, S. Tiago, Apóstolo, viu concretizadas as promessas de Deus ao seu Povo, ao testemunhar o poder da Ressurreição de Cristo. A partir daí, fortalecido pelo Espírito Santo, S. Tiago assumiu a fé de forma destemida e aceitou testemunhá-la até às últimas consequências (Act 12,1-2). Sendo originário da Galileia, S. Tiago terá aceitado o desafio de partilhar com outros povos o tesouro da fé: segundo a tradição, teria vindo até à Península Ibérica, para evangelizar, tendo desenvolvido actividade sobretudo na Galiza e na zona hoje correspondente a Aragão.<br />Assim, S. Tiago foi um autêntico explorador, na medida em que aceitou pôr-se a caminho, guiado pela «estrela» da fé que o animava e fortalecido pelo desejo insaciável de a dar a conhecer. Mesmo sem saber que dificuldade iria encontrar, S. Tiago partiu com o intuito de apontar, também aos outros, o caminho para a «Terra Prometida». O caminho para Deus.<br /> Contam as antigas tradições que o corpo de S. Tiago foi trasladado para a Galiza. Em 813, um ermitão viu brilhar uma estrela em Iria e o bispo Teodomiro descobriu as relíquias no que chamam o Campo da Estrela (Compostela). A partir de então, este Apóstolo protegerá  Espanha e pelo quot; caminho de Santiagoquot; acorreram (e continuam a acorrer) peregrinos de toda a cristandade.  <br /> <br />Mística & Simbologia<br />Mística<br />Mística dos Exploradores e Moços: «A descoberta da Terra Prometida».<br />A Mística do Programa Educativo do CNE assenta num esquema de quatro etapas, com vista a uma formação humana e cristã integral, sólida e madura. Estas etapas são sequenciais – cada uma é trabalhada para uma secção, ainda que de forma não estanque – e complementam-se (nenhuma vale por si mesma), na medida em que estão interligadas e adquirem o seu pleno sentido na sobreposição das partes. Desenrolam-se na lógica de um caminho a percorrer, constituindo um itinerário de crescimento individual e comunitário proposto a cada escuteiro.<br />Assim, a Mística da II.ª Secção assenta na descoberta da Terra Prometida: o Explorador aceita a Aliança que o conduz à descoberta da Terra Prometida;<br />A descoberta da Terra Prometida: o Explorador aceita a Aliança que o conduz à descoberta da Terra Prometida.<br />O Explorador/Moço reconhece Deus na sua vida e aceita a Aliança que este lhe propõe, pondo-se a caminho tal como o Povo do Antigo Testamento.<br />Com a adolescência, chega o período da vida em que os heróis e as aventuras seduzem e são fonte de motivação.<br />Nesta altura, e porque a abstracção o permite, o adolescente começa a compreender a grandeza de Deus.<br />Aprende, assim que, no estabelecimento da Aliança com o Seu Povo, Deus oferece a garantia da Sua protecção paternal e aponta-lhe o caminho da Terra Prometida. No caminho, está Jesus Cristo, a figura com que o Explorador/Moço mais se identifica. Dada a sua tendência para preferir os heróis que se batem por causas nobres, Jesus, além de muitas outras coisas, é um excelente exemplo a seguir. Pode ser, sobretudo, fonte de inspiração: o Explorador quer ser como Cristo e descobrir a Terra Prometida que Ele vem no mundo inaugurar. Jesus é, assim, aquele que indica a ‘Terra Prometida’, o exemplo máximo que o Explorador pode aspirar a seguir.<br /> <br /> <br />Simbologia<br />right0A simbologia ajuda-nos a perceber a identidade dos Exploradores.  O imaginário da segunda secção gira todo à volta do Explorador, aquele que parte à descoberta do desconhecido.<br />Como símbolos, a secção terá a Flor-de-Lis, a Vara, o Chapéu, o Cantil e a Estrela.right0<br />A FLOR-DE-LIS – é o símbolo do escutismo de que o explorador é a imagem mais <br />facilmente reconhecida (atépela tradução da palavra inglesa scout, por exemplo). Nas três folhas da flor-de-lis reconhecemos os três princípios do escutismo, e os três compromissos assumidos na fórmula da promessa escutista. A flor-de-lis é, também, símbolo de rumo, indicando o norte nas cartas topográficas e de marear. É portanto um auxiliar básico de alguém que pretende descobrir o mundo.<br />- A VARA – é um símbolo facilmente associado ao imaginário do escuteiro dos primeiros anos da fundação e, por outro lado à simbologia de São Tiago, Maior, o peregrino. A Vara do escuteiro tem um conjunto alargado de utilidades, de onde se destaca o auxílio, à caminhada, à progressão da marcha, na navegação, no ultrapassar de obstáculos, em relação aos perigos e às adversidades. Simboliza assim a solidariedade e o progresso.<br />- O CHAPÉU – é símbolo da protecção. Protecção do sol, em primeira análise, mas também do frio, da chuva, etc.<br />É ainda associado à imagem que temos do próprio B.-P., que se preocupou em arranjar um chapéu para os escuteiros antes de mais nada. Também São Tiago é reconhecido pelo chapéu que caracteriza o traje do peregrino, especialmente no contexto dos caminhos de Santiago de Compostela. <br />- O CANTIL – é ao mesmo tempo símbolo da responsabilidade – andar sem água não é inteligente -, na sua vertente de depósito, mas é também símbolo de coerência, de estar preparado, como pedia B.-P.. Está associado também à sede de conhecimento, à sede de descoberta e de acção, característica do explorador. A cabaça, associada à imagem de São Tiago Maior é, também, ou, acima de tudo, um cantil.<br />- A ESTRELA – é símbolo da orientação. A Estrela Polar e o Cruzeiro do Sul são referências de orientação, especialmente de noite, quando é mais difícil seguir um rumo. Todos os grandes exploradores recorreram a elas para concretizar os seus sonhos. São pilares na imensidão do céu, sinal da grandeza de Deus, que nos transmitem a segurança da fé, e a certeza do sucesso. Foi uma estrela, que segundo a lenda permitiu encontrar o túmulo do Apóstolo São Tiago e é lá, no Campo da Estrela – Campus stella, Compostela – que permanecem os seus restos mortais. A vieira, símbolo jacobeu, é, também, de certa forma, uma estrela. Além disso, do ponto de vista bíblico, a estrela evoca ainda a Aliança de Deus com Abraão, em que lhe promete uma descendência mais numerosa que as estrelas do céu, imagem do Povo que Deus escolheu para Si, do qual também nós somos parte.<br /> Os Exploradores são chamados a seguir o exemplo de algumas figuras bíblicas e santos que serão também para eles modelos de vida: Abraão, Moisés, David, Sto. António, Sta. Isabel de Portugal, bem como, o exemplo de grandes Exploradores como Fernão de Magalhães, Ernest Shakleton, Neil Armstrong, Gago Coutinho, Sacadura Cabral, Jacques Cousteau, Dian Fossey, Infante D.Henrique, Rosie Stanset, etc.<br /> <br /> <br />Lei, Princípios & Promessa<br />Lei<br />a)   A Honra do Escuta inspira confiança. <br />b)   O Escuta é Leal. <br />c)   O Escuta é útil e pratica diariamente uma boa acção. <br />d)   O Escuta é amigo de todos e irmão de todos os outros Escutas. <br />e)   O Escuta é delicado e respeitador. <br />f)    O Escuta protege as plantas e os animais. <br />g)   O Escuta é obediente. <br />h)   O Escuta tem sempre boa disposição de espírito. <br />i)     O Escuta é sóbrio, económico e respeitador do bem alheio.<br />j)    O Escuta é puro nos pensamentos, nas palavras e nas acções.<br /> <br />Princípios<br />1.   O Escuta orgulha-se da sua Fé e por ela orienta toda a sua vida. <br />2.   O Escuta é filho de Portugal e bom cidadão. <br />3.   O dever do Escuta começa em casa. <br /> <br />Promessa<br />Prometo, pela minha honra e com a graça de Deus, fazer todo o possível por:<br />·         Cumprir os meus deveres para com Deus, a Igreja e a Pátria; <br />·         Auxiliar o meu semelhante em todas as circunstâncias; <br />·         Obedecer à Lei do Escuta; <br /> <br />Divisa<br />Sempre Alerta<br /> <br />Oração do Escuta<br />Senhor JesusEnsinai-me a ser generoso,A servir-Vos como Vós o mereceis,A dar-me sem medida,A combater sem cuidar das feridas,A trabalhar sem procurar descanso,A gastar-me sem esperar outra recompensa,Senão saber que faço a Vossa vontade santa,<br />Ámen<br /> Sistema de Progresso<br /> <br />“A criança quer fazer coisas; então vamos encorajá-la a fazê-las, apontando-lhe o caminho certo e permitindo-lhe fazê-las como ela quer. Deixá-la errar; é através dos erros que ela constrói a sua experiência.”<br />Baden Powell<br />A par dos exploradores, os Heróis do Povo de Deus inspiram a acção... sendo modelos de valores universais como:<br />- A vivência em comunidade;- A comunhão de bens;- A unidade;- A espiritualidade;- O serviço;- A humildade; - A fraternidade;- O desprendimento/a disponibilidade.<br />Um explorador deve seguir boas pistas... e bons modelos são bons exemplos de escolhas, de caminhos, de formas de viver. <br />As viagens dos descobrimentos, as grandes expedições marítimas, os corsários, a aprendizagem da vela e do remo, a exploração de novas terras, o aprender a trabalhar com os outros em equipa, o embarcar para descobrir um mundo novo e a si próprio, orientam esta secção.Inspira-se em Gil Eanes, Gonçalves Zarco, Diogo Cão, Bartolomeu Dias, Vasco da Gama, Pedro Alvares Cabral, Fernão de Magalhães, que, pela sua busca, irreverência e simbolismo, inspiram os Moços.É o desejo de explorar, de conhecer o mundo, o meio marítimo, as tradições, as novas técnicas e, assim, testar as suas capacidades.Os Moços sabem viver com a natureza, respeitando-a, procurando conhecê-la, compreender os seus elementos e aproveitá-los da melhor forma. Sabem cozinhar, montar a sua tenda e instalar um campo; conhecem as árvores, as conchas, os peixes, pescam sem destruir e conhecem as formas de poluição que ameaçam a vida nos oceanos e marés.Os Moços gostam de usar as mãos aprendendo a serem hábeis, a colaborar na conservação das embarcações, da palamenta e da aparelhagem das embarcações, compartilhando os seus conhecimentos e conhecendo a arte de marinheiro. Conhecem o seu corpo, exercitando-o, através de uma alimentação equilibrada, das regras de higiene e da prática de desportos com vela, do remo e da vela.Os Moços estão atentos a Cristo e à Sua Palavra, descobrem Deus todos os dias, na sua obra magnífica que é a natureza.    A CabanaOração do EscutaSão TiagoMística e SimbologiaMísticaSimbologiaEu no Grupo Explorador / FlotilhaEu no Conselho de Guias / TimoneirosEu na reunião de patrulhaProgressoEtapas de Progresso dos ExploradoresEtapas de Progresso dos MoçosInsignias de CompetênciaInsígnia Mundial de Conservação da NaturezaO meu uniformeLogótipos, Insígnias e Distintivos Lei, Promessa, Príncipios e Divisa  Baú de ideiasJogos e ActividadesCançõesHeróisAsterixA Historia de Dinis VazVive o MundoOportunidadesFundosFerramentasFAQ'sLands of AdventureCantinho da OraçãoAdventoS. PauloQuaresmaLocais para actividades  AventurasVídeosFotosTestemunhos© 2008 Copyright - Portal Oficial do Corpo Nacional de Escutas - Todos os direitos reservados.Colaboradores - Avisos legais - Sugestões<br />