SlideShare uma empresa Scribd logo
provocando arte provocando arte provocando
arte provocando arte provocando provocando
provocando arte provocando arte provocando
arte provocando arte provocando provocando
provocando arte provocando arte provocando
arte provocando arte provocando provocando
provocando arte provocando arte provocando
arte provocando arte provocando provocando
provocando arte provocando arte provocando
arte provocando arte provocando provocando
provocando arte provocando arte provocando
arte provocando arte provocando provocando
provocando arte provocando arte provocando
arte provocando arte provocando provocando
Proposições e Estudos na Visualidade
Provocando Arte
01/01/2014
Arte-Educadora: Rose Silva
Rose Silva
Proposições e Estudos na Visualidade
Provocando Arte
E.E.Azarias Leite
Bauru / 2014
Projeto desenvolvido com alunos da 1ª Série do
Ensino Médio sobre Experimentações em Arte.
Apresentação
Este trabalho surge da proposta de projetos que vimos desenvolvendo com alunos da Rede Pública do
Estado de São Paulo e visa aprofundar estudos quanto à aplicabilidade e efetivação do ensino Rizomático
Transdisciplinar da Arte, com base na tecitura dos saberes das diversas áreas do conhecimento de forma
inter-relacionada.
Apresentamos um projeto com quatro subprojetos que foram desenvolvidos com quatro turmas de 1ª Série
do Ensino Médio.
Esses projetos tinham como objetivo a provocação e a experimentação de várias facetas da Arte Visual, a
sua materialidade, a forma, a cor e as imagens que são formadas pela memória afetiva.
Cada modalidade ou subprojeto envolve um apontamento específico e, portanto, com resultados
particulares, sendo os temas, apresentados a partir do material do Educativo Bienal das 30x Bienal que
aconteceu em 2013 no pavilhão da Bienal de São Paulo, sendo que cada sala escolheu o tema que gostaria
de abordar..
Temos como objetivo, democratizar o Ensino da Arte e promover a produção coletiva e significativa, por
meio de eixos norteadores: Coletividade, Conflito, Imaginação E Criação.
O projeto foi pensado e elaborado a todo o momento, constituído por um mapa flexível, com vistas a
promover a autonomia, a criatividade e a sensação de pertencimento dentro do processo de aquisição de
conhecimentos que devem ser significantes para a vida e para a formação integral dos indivíduos.
Partimos de uma visão de mundo global e holística, que propicie a compreensão do mundo como uma
estrutura em que tudo está interligado, como um tecido feito de fios finos, ou ramos que confeccionam um
grande rizoma formado a partir da ação simultânea de diversos níveis de conhecimentos e realidades que,
embora distintos, são co-dependentes dentro de uma realidade subjetiva e particular.
.
Rose Silva
Quais os tempos da memória?
Arte-educadora: Rose Silva
projeto:
E. E. Azarias Leite
1ºA EM
2014
Proposição verde
COLETIVIDADE, CONFLITO, IMAGINAÇÃO E CRIAÇÃO
Quais os tempos da memória?’ acontece sob orientação do INSTITUTO ARTE NA ESCOLA polo UNESP/Bauru e será disponibilizado no site http://provocandoarte.blogspot.com.br para consulta
Propomos uma aprendizagem
que provoque o olhar sobre o
tempo e a nossa relação com
ele mediante as diversas
interferências provocadas
pelas transformações desse
tempo. Refletindo como elas
nos comunicam para que por
fim possamos apresentar
nossa própria intervenção nos
espaços da escola
Apresentação
A memória é uma relação com o passado, com o presente ou com o futuro?
Essa é uma das inquietações que nos movem nesse percurso, pretendemos criar situações
que deflagrem ações coletivas que permeiam os tempos da memória, por meio de conflitos
que promovam a imaginação e a criatividade. Para tanto, nos propomos a partir das
proposições do Educativo da 30x Bienal de Arte proporcionar situações que desencadeiem
as seguintes inquietações: Quando surge a memória? Como se desenha a memória? Qual a
importância do esquecimento? Memórias podem ser apagadas? Como um museu pode
construir memória?
Justificativa
Diferentes noções de tempo na
arte
A arte contemporânea no
território da materialidade
Arte pública e Intervenções
urbanas
Procedimentos técnicos das
linguagens da fotografia (inclusive
via celulares), do computador, do
cinema de animação, web art,
expansão dos conceitos de
pintura, desenho, escultura,
grafite etc.
Realização dos projetos poéticos
Conteúdo
s
 Proposta verde do educativo Bienal da
30x Bienal de Arte.
 Materiais diversos ( papéis, tintas, lápis
de cor, canetas hidrocor, linhas e
barbantes
 Imagens: Nelson Leirner – homenagem a
fontana II 1967;
 A persistência da memória - Salvador
dalí
 Vídeos Arte na escola
Materiais
Turmas envolvidas: 1º Ano Ensino
Médio A
1ª Etapa:
Roda de conversa sobre o que os alunos conhecem acerca das diferentes noções
de tempo na Arte
(Objetivo: Conhecer previamente o repertório dos alunos acerca do assunto).
2ª Etapa:
Ativando memórias. Será que ser criança hoje é igual a ser criança no
passado? Vamos descobrir? Nessa etapa os alunos serão provocados a refletir
sobre suas próprias lembranças de infância. A professora aproveitará a ocasião
para contar também suas memórias, propiciando que os alunos percebam as
diferenças e semelhanças entre o ser criança nos diferentes tempos. Para criação
será proposto que cada aluno represente plasticamente uma memória de infância
3ªEtapa:
Histórias De memórias? Você se lembra? Nessa situação os alunos
provocarão memórias dos demais alunos da escola, escrevendo pranchas com
questões que desencadeiam lembranças. As perguntas serão elaboradas pelos
próprios alunos para que crie identidade com os demais.
4ª Etapa:
Como medir o tempo De uma história? Quando contamos nossas
memórias, falamos de medidas de tempo: podemos dizer que algo aconteceu há
muitos e muitos anos ou hoje de manhã; podemos dizer que viajamos durante
uma se- mana ou que levamos mais de uma hora para chegar a algum lugar. Mas
será que essa é a única maneira de contar o tempo?
Desenvolvimento
Podemos inventar outros modos de falar de nossas lembranças? Podemos
contar uma viagem em cinco aventuras? Contar nossa vida em três
amizades? Falar do passado em quatro saudades? Invente sua própria
unidade de medida e conte uma história a um colega.
Depois é a vez de ele fazer o mesmo. Os dois podem então desenhar as
histórias um do outro, dividindo o desenho na unidade que o outro
inventou (por exemplo: as cinco aventuras de Pedro ou as quatro saudades
de Maria).
5ª Etapa:
Monumento das pequenas coisas. Quando uma coisa muito
importante acontece em um lugar, geralmente as pessoas fazem um
monumento, põem uma placa, constroem um prédio ou uma escultura
para que nos lembremos sempre do evento. Mas há coisas que são
importantes para a gente e ninguém fica sabendo. Certamente,
aconteceram coisas importantes em sua vida em vários espaços da escola.
Que tal criar marcos para celebrar esses acontecimentos ? Escolha uma
memória divertida, embaraçosa ou marcante que tenha acontecido em sua
escola. Escreva em um papel e depois, com uma fita adesiva ou barbante,
fixe esse papel no exato lugar do acontecimento. Passeie pela escola e
descubra as coisas que ocorreram nos lugares por onde passa todos os dias
e você nem sabia!
Participação na elaboração, execução e conclusão em todas as
etapas.
Avaliação
6ª Etapa:
Museu DA semana Museus são espaços criados para guardar e exibir
coisas. Nem todas elas são antigas ou vêm do passado, as coleções também
contam com objetos dos dias de hoje, com a intenção de preservá-los para
o futuro. Tudo que é ali guardado foi escolhido por alguém, por sua
importância ou pela necessidade de preservação, e se chama acervo ou
museália. Que tal fazermos o mesmo? Ao longo de uma semana, escolha
objetos que marcaram sua vida ou que você acha muito importantes para
você. Depois, o grupo pode reunir todos os objetos escolhidos e montar
seu próprio Museu da Semana. Vocês podem elaborar etiquetas, placas,
mapas e visitas orientadas com outras turmas e fazer uma grande
exposição.
7ª Etapa:
Sentidos DA memória Muitas coisas podem nos fazer lembrar de
momentos de nossa vida. Às vezes uma foto, um brinquedo ou um
presente despertam nossas memórias… Mas, de vez em quando, é só ouvir
um som, sentir um gosto ou um cheiro para nos lembrarmos de algo.
Existe um objeto cujo gosto, cheiro, som, textura ou aparência faça com
que se lembre de algo? Que tal compartilhar essa experiência com seus
colegas? Mostre-lhes uma sensação ou objeto que faz parte de sua
memória. Será que um mesmo cheiro desperta as mesmas memórias em
pessoas diferentes? Registre as diferentes memórias para cada objeto e
crie um dicionário analógico, em que diferentes sentidos e referências
remetem a uma mesma palavra.
2º Semestre 2014 segundo Calendário Oficial da
SEE/SP
Cronograma
2ª Etapa: Ativando memórias
Ilustração 1: Imagem do lago de Duartina Ilustrações 2 e3 – lembranças dos jogos de futebol na quadra da escola
Ilustração 4 – lembranças de árvores
3ªEtapa: Histórias De memórias?
Ilustrações 5 e 6– Processo de elaboração e construção das provocações
Ilustrações 7 e 8 – pranchas de memórias fixadas nas paredes da escola
Ilustração 9– lembrança do aluno Pedro sobre o quintal de sua avó Ilustração 10 – provocações nos espaços da escola
Ilustração 11 - Lembrança da Profª Drª da UNESP Daniele Souza, que ao ver o projeto em rede social quis participar da “brincadeira” e nos brindou com suas
lembranças de infância: ‘Olha a minha memória a partir do projeto de seus alunos, uma obra de arte no sulfite, lápis e caneta esferográfica ao qual entitulei - Uma
tarde no abacateiro com os primos/2014. Minha infância na casa de minha avó na década de 1990 em Toledo-PR, quando meus primos e eu ficávamos
cantarolando e atormentando a vizinhança durante o domingo todo’.
O Projeto repercute na rede social Facebook
Print da publicação acessível em :
“https://www.facebook.com/photo.php?fbid=932842183397970&set=a.669836739698517.1073741827.100000165909746&type=1&theater7”
Sobre o referencial: Outras referências poderão ser utilizadas de acordo com os apontamentos e necessidades que se delinearem
no decorrer do percurso
Sobre as performances: As ações serão pensadas e replanejadas a todo o momento para que atentas as reais necessidades dos
alunos e da proposta.
Sobre a avaliação: Partiremos da premissa de “descatracamento” das notas portanto, todos os alunos iniciarão com nota 10 e de
acordo com seu envolvimento, engajamento e iniciativa, manterá as notas, caso o aluno, não corresponda com as expectativas
pontos serão perdidos, definindo a média final.
Sobre o projeto em si: O exercício do olhar dilatado sobre a memória afetiva propiciará construir argumentos de diálogo a
respeito do tema do tempo na Arte. Teremos como eixo norteador os princípios da XXXI Bienal de Arte de SP – COLETIVIDADE,
CONFLITO, IMAGINAÇÃO E CRIAÇÃO. Em nossa proposta buscamos extrapolar o Ensino da Arte e promover diálogos com outras
áreas relevantes do conhecimento, por meio de um projeto que seja antagônico à perspectiva linear da educação (que hierarquiza os
saberes e tem como foco o produto final), mas tendo como premissa uma educação que prioriza o saber de maneira contextualizada,
significativa, relacionada e globalizada.
Fundamentação Teórica
Embasamos nossa proposta na linha Rizomática, na perspectiva de Delleuze (1995), em que a organização dos momentos ou etapas
dentro do processo ensino-aprendizagem não siga linhas de subordinação hierárquica, mas, que todas as situações sejam
significantes dentro do processo, deflagrando novas possibilidades de fruição e criação, atendendo assim, às expectativas e reais
necessidades dos alunos, tornando-os protagonistas de suas próprias aprendizagens em Arte. Temos como referência também, o
Pensamento Complexo, seguindo os princípios de Morin (2008), em que as linguagens da Arte sejam articuladas às múltiplas
possibilidades de fluxo entre os saberes; e por fim, temos como referência a Concepção sugerida no Currículo do Estado de São
Paulo (2010) por Miriam Celeste e Gisa Picosque, de compreensão do Ensino da Arte pela Cartografia de seus territórios, em uma
grande rede de interconexões como um mapa aberto conectável em todas as suas dimensões, desmontável, reversível e suscetível de
receber modificações constantemente para que se adapte ao indivíduo em formação e ao grupo social em que está inserido.
Parecer da professora-propositora
Quantos mundos existem
no vermelho?
Arte-educadora: Rose Silva
E. E. Azarias Leite
Turma: 1ºB
Proposição vermelha
COLETIVIDADE, CONFLITO, IMAGINAÇÃO E CRIAÇÃO
‘
‘Quantos mundos existem no vermelho?’ acontece sob orientação do INSTITUTO ARTE NA ESCOLA polo UNESP/Bauru e será disponibilizado no site http://provocandoarte.blogspot.com.br para
consulta
Propomos uma aprendizagem
que provoque o olhar sobre as
cores e a nossa relação com
elas mediante as diversas
interferências do cotidiano.
Refletindo como elas nos
comunicam para que por fim
possamos apresentar nossa
própria intervenção nos
espaços da escola
Apresentação
Há quem diga que o vermelho é a cor mais ambígua que existe, por evocar significados
contraditórios, paradoxais, contrastantes. Por um lado, é a cor da paixão, da sedução, do
amor, do erotismo. Por outro, a cor do perigo, da aventura, da agressividade, da revolução.
Talvez sua força esteja associada ao fato de ser a cor do sangue, da vida, da energia vital. E,
ao mesmo tempo, a cor usada para representar o fogo, cujo controle foi fundamental na
evolução do domínio do homem sobre a natureza. Também há uma razão fisiológica: o
vermelho está no limite da percepção de nossos olhos, beirando o infravermelho, o que o
torna naturalmente agressivo à visão. Para contemplar as inquietações que o vermelho
deflagra propomos promover situações em que essa cor esteja em evidência, provocando os
espectadores e atribuindo significações e sentidos.
Justificativa
 Cor, materialidade, cheiro, densidade,
força, impacto, intensidade,
personalidade, peso, sabor, som,
temperamento, temperatura, volume
 A arte contemporânea no território da
materialidade
 Arte pública e Intervenções urbanas
 Procedimentos técnicos das linguagens
da fotografia (inclusive via celulares), do
computador, do cinema de animação,
web art, expansão dos conceitos de
pintura, desenho, escultura, grafite
etc.
 Realização dos projetos poéticos
Conteúdo
s
 Proposta vermelha do educativo Bienal da
30x Bienal de Arte.
 Materiais diversos ( papéis, tintas, lápis de
cor, canetas hidrocor, linhas e barbantes
 Imagens: Rubens Gerchman, Lute, 1967.
 Cildo Meireles, Desvio para o vermelho -
Impregnação, 1967-1984
 A persistência da memória - Salvador dalí
 Vídeos Arte na escola
Materiais
Turmas envolvidas: 1º Ano Ensino
Médio B
1ª Etapa:
Roda de conversa sobre a cor que também pode ser uma forma de linguagem.
(Objetivo: Conhecer previamente o repertório dos alunos acerca do assunto).
2ª Etapa: Estudos sobre o vermelho
Quando você pensa na cor vermelha, pensa em quê? Em uma fruta? Um objeto?
Uma sensação? Imagine um sabor para o vermelho. Seria doce ou salgado? Ácido,
amargo, estranho, agradável? Agora, imagine um som que corresponda ao
vermelho. Como seria? Grave ou agudo? Qual o timbre? Qual o volume? E se o
vermelho fosse uma nota musical, qual seria? E um instrumento? Se pudéssemos
sentir o cheiro do vermelho, como seria? Forte ou fraco? Perfumado, azedo,
adocicado? Tente imaginar algo que tenha aroma de vermelho.
3ªEtapa:
Quantos vermelhos você vê? É impossível relacionar-se com uma cor sem
envolver todos os sentidos. Afinal de contas, ela sempre nos remeterá a alguma
memória, ideia, sensação, significado, associação. Nessa etapa, os alunos deverão
investigar tons de vermelho em revistas e, se preciso, alterar as cores das imagens
inserindo tinta vermelha mudando a narrativa da imagem
4ª Etapa:
Quantos vermelhos você sente? Como descrever uma cor? Nossas
percepções e interpretações das cores são sempre subjetivas, construídas a partir
de fatores fisiológicos, psicológicos e culturais. Uma mesma cor pode ser
identificada com diversos nomes e descrita de variadas formas, de modo que os
profissionais que lidam com a cor – como designers e arquitetos – desenvolveram
sistemas e códigos específicos para identificá-las com maior precisão. Além disso,
a cor é objeto de estudo de diversos campos do conhecimento, como a física, a
química, a psicologia, a filosofia, o cinema…Nessa etapa, os alunos investigarão
os tons de vermelho no cotidiano fotografando e se possível, colecionando ítens
em vermelho para uma futura instalação.
Desenvolvimento
5ª Etapa:
Mapeando As Cores Nessa situação de aprendizagem os alunos
escolherão uma cor específica (vermelho, amarelo, azul, verde etc.). Onde
encontraríamos essa cor na sala de aula? E na escola? Com um barbante,
amarrarão os objetos de mesma cor uns aos outros. Os objetos conectados
e suas cores nos contam sobre eles, sobre escolhas, culturas e tendências,
entre outras coisas. Converse com seus colegas e crie um catálogo de cores
e seus usos.
6ª Etapa:
As Cores Do mundo Os alunos viverão uma manhã de aula vendo
apenas tons de vermelho, para isso construirão viseiras de papel celofane
vermelho. Ao final da manhã, relatarão como foi viver a experiência de ver
o mundo em outra cor, registrando em um texto e compartilhando com
seu grupo. Será que todo mundo teve a mesma sensação?
Participação na elaboração, execução e conclusão em todas as
etapas.
Avaliação
2º Semestre 2014 segundo Calendário Oficial da SEE/SP
Cronograma
Ilustração 3 - sentindo o vermelho,
materialidade na cor
2ª Etapa: Estudos sobre o vermelho
Ilustração 1- materialidade na cor Ilustração 2- pesquisando o vermelho no cotidiano
3ªEtapa: Quantos vermelhos você vê?
Ilustração 4- pesquisa de vermelho em revistas e alterações em vermelho
Ilustração 6 - interferências em vermelho Ilustração 5- interferências e alterações de imagens
com a inserção de vermelho
Grupos e respectivos cartazes sobre sua interpretação da cor vermelha na sociedade
Sobre o referencial: Outras referências poderão ser utilizadas de acordo com os apontamentos e necessidades que se delinearem
no decorrer do percurso
Sobre as performances: As ações serão pensadas e replanejadas a todo o momento para que atentas as reais necessidades dos
alunos e da proposta.
Sobre a avaliação: Partiremos da premissa de “descatracamento” das notas portanto, todos os alunos iniciarão com nota 10 e de
acordo com seu envolvimento, engajamento e iniciativa, manterá as notas, caso o aluno, não corresponda com as expectativas
pontos serão perdidos, definindo a média final.
Sobre o projeto em si: O exercício do olhar dilatado sobre a memória afetiva propiciará construir argumentos de diálogo a
respeito do tema do tempo na Arte. Teremos como eixo norteador os princípios da XXXI Bienal de Arte de SP – COLETIVIDADE,
CONFLITO, IMAGINAÇÃO E CRIAÇÃO. Em nossa proposta buscamos extrapolar o Ensino da Arte e promover diálogos com outras
áreas relevantes do conhecimento, por meio de um projeto que seja antagônico à perspectiva linear da educação (que hierarquiza os
saberes e tem como foco o produto final), mas tendo como premissa uma educação que prioriza o saber de maneira contextualizada,
significativa, relacionada e globalizada.
Fundamentação Teórica
Embasamos nossa proposta na linha Rizomática, na perspectiva de Delleuze (1995), em que a organização dos momentos ou etapas
dentro do processo ensino-aprendizagem não siga linhas de subordinação hierárquica, mas, que todas as situações sejam
significantes dentro do processo, deflagrando novas possibilidades de fruição e criação, atendendo assim, às expectativas e reais
necessidades dos alunos, tornando-os protagonistas de suas próprias aprendizagens em Arte. Temos como referência também, o
Pensamento Complexo, seguindo os princípios de Morin (2008), em que as linguagens da Arte sejam articuladas às múltiplas
possibilidades de fluxo entre os saberes; e por fim, temos como referência a Concepção sugerida no Currículo do Estado de São
Paulo (2010) por Miriam Celeste e Gisa Picosque, de compreensão do Ensino da Arte pela Cartografia de seus territórios, em uma
grande rede de interconexões como um mapa aberto conectável em todas as suas dimensões, desmontável, reversível e suscetível de
receber modificações constantemente para que se adapte ao indivíduo em formação e ao grupo social em que está inserido.
Parecer da professora-propositora
+
Onde termina uma forma?
Onde começa uma forma?
Arte-educadora: Rose Silva
E. E. Azarias Leite
Turma: 1ºC
2014
Proposição azul
COLETIVIDADE, CONFLITO, IMAGINAÇÃO E CRIAÇÃO
‘
‘Onde termina uma forma? Onde começa uma forma?’ acontece sob orientação do INSTITUTO ARTE NA ESCOLA polo UNESP/Bauru e será disponibilizado no site
http://provocandoarte.blogspot.com.br para consulta
Propomos uma aprendizagem
que provoque investigações e
inquietações sobre a forma
na Arte que conforma,
deforma, forma, formaliza
formata, estabelece formato,
informa, reforma e
transforma.
Apresentação
Identificar a forma de objetos já é uma interpretação sobre eles, é uma forma de organizar e
compreender o mundo. Sempre que os imaginamos, conferimos uma forma a eles. Mesmo
que suas imagens pareçam disformes. O mesmo acontece quando os desenhamos. Na cabeça
e no papel, tudo ganha forma e cor. Trata-se de chamar a atenção não só para as formas que
não percebemos, mas para as convenções que determinam nosso modo de representar e
olhar para o mundo. Até que ponto nosso olhar é construído culturalmente? Outras
convenções determinariam outras formas? Essas e outras inquietações serão pensadas nas
ações que desenvolveremos no decorrer do projeto.
Justificativa
 Forma, Cor, materialidade, densidade,
força, impacto, intensidade,
personalidade, peso, sabor, som,
temperamento, temperatura, volume
 A arte contemporânea no território da
materialidade
 Arte pública e Intervenções urbanas
 Procedimentos técnicos das linguagens
da fotografia (inclusive via celulares), do
computador, do cinema de animação,
web art, expansão dos conceitos de
pintura, desenho, escultura, grafite
etc.
 Realização dos projetos poéticos
Conteúdo
s
 Proposta azul do educativo Bienal da 30x
Bienal de Arte.
 Materiais diversos ( papéis, tintas, lápis de
cor, canetas hidrocor, linhas e barbantes
 Imagens: Rubens Gerchman, Lute, 1967.
 Cildo Meireles, Desvio para o vermelho -
Impregnação, 1967-1984
 Marcel Duchamp, Roda de bicicleta, 1913.
 Vídeos Arte na escola
Materiais
Turmas envolvidas: 1º Ano Ensino
Médio B
1ª Etapa:
Roda de conversa sobre o que os alunos conhecem acerca sobre as formas e
iniciação de discussão sobre relação figura / fundo ( princípios da Gestalt)
(Objetivo: Conhecer previamente o repertório dos alunos acerca do assunto).
2ª Etapa:
AtlAs Observe o mundo a sua volta. Como você classificaria os objetos que vê?
Por seu uso, cor, forma, tamanho, natureza? A intenção aqui é que toda a turma
crie categorias de classificação. Grupos então escolherão alguma delas e sairão em
busca de objetos que a justifiquem. Desenhem ou fotografem esses objetos. As
imagens, expostas por categoria, criarão um mapa. Relacionem as semelhanças e
diferenças na classificação. Como essas imagens se relacionam?
3ªEtapa:
DeformAformA Algumas imagens são construídas pelo acaso, sem formas
definidas ou reconhecíveis. Será que essas imagens se mostram da mesma forma
para todo mundo? Que tal experimentar? Para isso, pegue uma folha de papel,
dobre-a ao meio e abra. A folha terá uma linha divisória. Com tinta guache, pinte
apenas um dos lados. Dobre novamente o papel e veja o que ocorre. Você vê
alguma imagem? Converse com seus colegas, e discutam o que veem.
4ª Etapa:
o Desenho Do vAzio Pense em uma página de livro ou revista. Você já reparou
nas áreas em branco que contornam os textos, que separam as linhas e mesmo as
letras? Com um livro ou revista em mãos, escolha uma ou duas páginas e
preencha as áreas sem impressão. Você pode fazer colagem, pintura, desenho: o
que importa é preencher os espaços vazios.
Desenvolvimento
5ª Etapa:
ConquistA De território Você sabe quantos tipos de mapas existem?
Na biblioteca de sua escola ou cidade deve ha- ver um atlas em que possa
ver alguns deles. Há mapas políticos, hidrográficos, econômicos,
rodoviários, topológicos, entre muitos outros! Observe um mapa político,
suas diferentes demarcações e divisões. Como se dá a divisão entre
cidades? Como os rios são representados? Normalmente, a divisão entre
cidades, estados e países coincide com o curso de um rio, montanhas e
antigas rotas. Usando um papel vegetal ou qualquer material transparente
sobre o mapa, escolha um estado ou país e desenhe apenas seu contorno.
Recorte. Com seus colegas, juntem as formas, encaixando-as, e criem um
novo continente.
6ª Etapa:
AlmAs gêmeAs A chave e a fechadura, o pires e a xícara, sem esquecer a
tampa e a panela: essas são coisas que se completam com outras. Em
duplas, pensem em outras formas complementares. Inventem novas,
criando um mundo diferente de objetos que dependem de outros para
funcionar. Juntem todas as formas criadas pelo grupo e as embaralhem.
Agora, é hora de achar onde cada uma encaixa perfeitamente… a tampa da
panela, o pires da xícara, enfim, o encaixe perfeito: é só dar um nome a
ele!
Participação na elaboração, execução e conclusão em todas as etapas.
Avaliação
2º Semestre 2014 segundo Calendário Oficial da SEE/SP
Cronograma
1ª Etapa:
Roda de conversa sobre o que os alunos conhecem acerca sobre as formas e iniciação de discussão sobre relação figura / fundo ( princípios da Gestalt)
Atividade Vasos e Rostos. Nessa atividade os alunos desenharam seus perfis e duplicaram a imagem invertida, ao unir as pontas formamos uma terceira imagem que
lembra a forma de uma taça. Preenchendo espaços vazios internos ou externos com tinta, evidenciamos a forma, horas do vaso, horas da taça.
Ilustração 7- pesquisando textos sem imagens em revistas para
iniciar a atividade
o Desenho Do vAzio Pense em uma página de livro ou revista. Você já reparou nas áreas em branco que contornam os textos, que separam as linhas e mesmo as
letras? Com um livro ou revista em mãos, escolha uma ou duas páginas e preencha as áreas sem impressão. Você pode fazer colagem, pintura, desenho: o que
importa é preencher os espaços vazios
Ilustração 3- aluna criando possibilidades na
brincadeira da Gestalt
Ilustração 4 e 5 – Relação figura/fundo ( princípios da Gestalt) Ilustração 6 – Sala trabalhando
Ilustração 8- coletividade
4ª Etapa: o Desenho Do vAzio
Nesta estapa os alunos foram provocados a refletir sobre os espaços vazios e formas, inserindo nesses espaços imagens
Sobre o referencial: Outras referências poderão ser utilizadas de acordo com os apontamentos e necessidades que se delinearem
no decorrer do percurso
Sobre as performances: As ações serão pensadas e replanejadas a todo o momento para que atentas as reais necessidades dos
alunos e da proposta.
Sobre a avaliação: Partiremos da premissa de “descatracamento” das notas portanto, todos os alunos iniciarão com nota 10 e de
acordo com seu envolvimento, engajamento e iniciativa, manterá as notas, caso o aluno, não corresponda com as expectativas
pontos serão perdidos, definindo a média final.
Sobre o projeto em si: O exercício do olhar dilatado sobre a memória afetiva propiciará construir argumentos de diálogo a
respeito do tema do tempo na Arte. Teremos como eixo norteador os princípios da XXXI Bienal de Arte de SP – COLETIVIDADE,
CONFLITO, IMAGINAÇÃO E CRIAÇÃO. Em nossa proposta buscamos extrapolar o Ensino da Arte e promover diálogos com outras
áreas relevantes do conhecimento, por meio de um projeto que seja antagônico à perspectiva linear da educação (que hierarquiza os
saberes e tem como foco o produto final), mas tendo como premissa uma educação que prioriza o saber de maneira contextualizada,
significativa, relacionada e globalizada.
Fundamentação Teórica
Embasamos nossa proposta na linha Rizomática, na perspectiva de Delleuze (1995), em que a organização dos momentos ou etapas
dentro do processo ensino-aprendizagem não siga linhas de subordinação hierárquica, mas, que todas as situações sejam
significantes dentro do processo, deflagrando novas possibilidades de fruição e criação, atendendo assim, às expectativas e reais
necessidades dos alunos, tornando-os protagonistas de suas próprias aprendizagens em Arte. Temos como referência também, o
Pensamento Complexo, seguindo os princípios de Morin (2008), em que as linguagens da Arte sejam articuladas às múltiplas
possibilidades de fluxo entre os saberes; e por fim, temos como referência a Concepção sugerida no Currículo do Estado de São
Paulo (2010) por Miriam Celeste e Gisa Picosque, de compreensão do Ensino da Arte pela Cartografia de seus territórios, em uma
grande rede de interconexões como um mapa aberto conectável em todas as suas dimensões, desmontável, reversível e suscetível de
receber modificações constantemente para que se adapte ao indivíduo em formação e ao grupo social em que está inserido.
Parecer da professora-propositora
Como o mundo fala?
Quais as linguagens da arte?
Arte-educadora: Rose Silva
E. E. Azarias Leite
Turma: 1ºD
2014
Proposição LILÁS
COLETIVIDADE, CONFLITO, IMAGINAÇÃO E CRIAÇÃO
‘Como o mundo fala?’ acontece sob orientação do INSTITUTO ARTE NA ESCOLA polo UNESP/Bauru e será disponibilizado no site http://provocandoarte.blogspot.com.br para consulta
Propomos uma aprendizagem
que provoque o olhar sobre a
linguagem da Arte e a nossa
relação capacidade de
decodificação e diálogo com
os mais diferentes signos da
vida urbana, para que por fim
possamos apresentar nossa
própria intervenção nos
espaços da escola
Apresentação
Como você se comunica? Quando queremos dizer algo direta e claramente, organizamos
nosso repertório de palavras, expressões e frases para produzir sentidos que esperamos ser
bem entendidos por nossos ouvintes ou leitores. Da mesma forma, tentamos decodificar os
significados por trás das palavras que ouvimos e lemos. É o que chamamos de discurso
verbal. Nossa proposta é compreender os discursos não verbais e quais outras formas
existem para codificar, transmitir e interpretar mensagens.
Justificativa
 Arte como linguagem
 Cor, materialidade, cheiro, densidade,
força, impacto, intensidade,
personalidade, peso, sabor, som,
temperamento, temperatura, volume
 A arte contemporânea no território da
materialidade
 Arte pública e Intervenções urbanas
 Procedimentos técnicos das linguagens
da fotografia (inclusive via celulares), do
computador, do cinema de animação,
web art, expansão dos conceitos de
pintura, desenho, escultura, grafite
etc.
 Realização dos projetos poéticos
Conteúdo
s
 Proposta vermelha do educativo Bienal da
30x Bienal de Arte.
 Materiais diversos ( papéis, tintas, lápis de
cor, canetas hidrocor, linhas e barbantes
 Imagens: Rubens Gerchman, Lute, 1967.
 Cildo Meireles, Inserções em circuitos
ideológicos: 2 - Projeto Cédula, 1976.
Estampa sobre cédula
 Imagens publicitárias
 Vídeos Arte na escola
Materiais
Turmas envolvidas: 1º Ano Ensino
Médio D
1ª Etapa:
Roda de conversa sobre o que os alunos conhecem acerca das diferentes
linguagens na Arte.
(Objetivo: Conhecer previamente o repertório dos alunos acerca do assunto).
2ª Etapa:
Poetizando com o acaso Em grupos, recorte palavras desconexas em revistas,
embaralhe essas palavras, agora construa um texto utilizando essas palavras que
a princípios não promoviam o diálogo. Construa uma narrativa visual do texto
construído. Compartilhe com o grupo a experiência.
3ªEtapa:
tipo... Palavras Que Contagiam... Tipo... Pare para pensar: qual a palavra
que você mais diz em seu dia a dia? Será que existe uma que você repete muitas
vezes, talvez até sem perceber? As pessoas a seu redor também usam essa
expressão o tempo todo? Experimente passar um dia inteiro sem mencionar a tal
palavra. Como foi? Fez alguma falta? Seus amigos perceberam que você estava
falando diferente? Registre em um texto sua experiência e compartilhe com seus
colegas.
4ª Etapa:
Linguagens Do Mundo Quando se pensa em linguagem, logo se pensa em
palavra, fala, escrita. Mas, o mundo é cheio de outras linguagens, que não
abrangem palavras. É o caso das linguagens das artes visuais. Você já pensou
como os artistas se expressam? Como comunicam seus pensamentos, dúvidas e
sentimentos? Será que tem algo que você tem vontade de contar para o mundo
sem usar palavras? De que forma você faria isso? Escolha um meio de expressão
e, quase como se desse dicas para alguém, transforme seu segredo em um
trabalho de arte.
Desenvolvimento
5ª Etapa:
Representações Em pequenos grupos, de no máximo cinco pessoas,
escolham um objeto. Pode ser algo comum, do cotidiano, ou uma coisa
especial. Será que é possível falar desse objeto sem usar palavras? Como
poderiam descrevê-lo para outra pessoa? Escolham imagens que façam
lembrar suas características, pensem em ações e histórias que se
relacionem com ele e decidam como podem ser representadas. Que outros
objetos podem falar sobre esse objeto? Apresentem o objeto para o resto
da classe utilizando a nova linguagem inventada pelo grupo.
6ª Etapa:
Poesia Volante Uma palavra pode ter diferentes significados
dependendo do contexto. Uma frase é composta por várias palavras que,
quando unidas, significam algo novo. Toda vez que falamos, usamos
palavras que fazem parte de nosso vocabulário para tentar expressar algo.
Que tal misturar o seu com o das outras pessoas e experimentar uma
criação coletiva de sentidos? Em grupo, cada um escreve uma palavra na
frente e outra no verso de uma folha. Depois, todos jogam as folhas para o
ar juntos. Ao caírem, as palavras formarão uma poesia visual aleatória.
Rearranjem as palavras para for- mar frases, criar poemas e subverter
sentidos. Se sentirem falta de palavras, adicionem outras. As folhas podem
ser jogadas novamente para criar infinitas combinações de significado.
Registrem o resultado da ação, criando um livro.
Participação na elaboração, execução e conclusão em todas as etapas.
Avaliação
2º Semestre 2014 segundo Calendário Oficial da SEE/SP
Cronograma
2ª Etapa: Poetizando com o acaso
Ilustrações de 1-4 : processo de criação
Sobre o referencial: Outras referências poderão ser utilizadas de acordo com os apontamentos e necessidades que se delinearem
no decorrer do percurso
Sobre as performances: As ações serão pensadas e replanejadas a todo o momento para que atentas as reais necessidades dos
alunos e da proposta.
Sobre a avaliação: Partiremos da premissa de “descatracamento” das notas portanto, todos os alunos iniciarão com nota 10 e de
acordo com seu envolvimento, engajamento e iniciativa, manterá as notas, caso o aluno, não corresponda com as expectativas
pontos serão perdidos, definindo a média final.
Sobre o projeto em si: O exercício do olhar dilatado sobre a memória afetiva propiciará construir argumentos de diálogo a
respeito do tema do tempo na Arte. Teremos como eixo norteador os princípios da XXXI Bienal de Arte de SP – COLETIVIDADE,
CONFLITO, IMAGINAÇÃO E CRIAÇÃO. Em nossa proposta buscamos extrapolar o Ensino da Arte e promover diálogos com outras
áreas relevantes do conhecimento, por meio de um projeto que seja antagônico à perspectiva linear da educação (que hierarquiza os
saberes e tem como foco o produto final), mas tendo como premissa uma educação que prioriza o saber de maneira contextualizada,
significativa, relacionada e globalizada.
Fundamentação Teórica
Embasamos nossa proposta na linha Rizomática, na perspectiva de Delleuze (1995), em que a organização dos momentos ou etapas
dentro do processo ensino-aprendizagem não siga linhas de subordinação hierárquica, mas, que todas as situações sejam
significantes dentro do processo, deflagrando novas possibilidades de fruição e criação, atendendo assim, às expectativas e reais
necessidades dos alunos, tornando-os protagonistas de suas próprias aprendizagens em Arte. Temos como referência também, o
Pensamento Complexo, seguindo os princípios de Morin (2008), em que as linguagens da Arte sejam articuladas às múltiplas
possibilidades de fluxo entre os saberes; e por fim, temos como referência a Concepção sugerida no Currículo do Estado de São
Paulo (2010) por Miriam Celeste e Gisa Picosque, de compreensão do Ensino da Arte pela Cartografia de seus territórios, em uma
grande rede de interconexões como um mapa aberto conectável em todas as suas dimensões, desmontável, reversível e suscetível de
receber modificações constantemente para que se adapte ao indivíduo em formação e ao grupo social em que está inserido.
Parecer da professora-propositora
Excursão Didático–Pedagógica XXI Bienal de Arte de SP
Com o obejtivo de proporcionar o elo entre a escola e o museu, concretizar o que vem sido vivenciado em sala de aula e propiciar as múltiplas leituras do que é
considerada Arte na contemporaneidade; seus conceitos, e posicionamentos sociais, políticos e culturais. Também como maneira de extrapolar a sala de Aula e
significar o aprendizado em um espaço que dilate o olhar e instigue novas inquetações, a XXXI Bienal de Arte foi o espaço que nos conduziu no sentido de efetivar
o que vinha sido apreendido em sala de aula.
Workshop de Arte Contemporânea
Momento de socilização do que foi apreendido na XXI Bienal de Arte, com os demais alunos da escola e mostra de produções artísticas.
Workshop de Arte Contemporânea
Com espaço para discussão e
socialização de produções plásticas
elaboradas durante o projeto
Referências
GILLES, Deleuze, Félix Guattari ; Mil platôs - capitalismo e esquizofrenia, vol. 1 / Tradução de Aurélio Guerra Neto e
Célia Pinto Costa. - Rio de janeiro : Ed. 34, 1995. 94 p. (Coleção trans).
ALMEIDA, María da Conceicao de; "Para Comprender la Complejidad", Hermosillo, Sonora. – México, 2008 (disponível
para download no site oficial http://www.edgarmorin.org).
São Paulo ( Estado) Secretaria da Educação. Currículo do Estado de São Paulo: Linguagens, códigos e suas
tecnologias / ARTE. coordenação geral, Maria Inês Fini; coordenação de área, Alice Vieira. São Paulo : SEE, 2010
KEIM, Ernesto Jacob. Complexidade E Prática Educacional. O Pensamento Sistêmico, o Conhecimento e a Vida.
Revista Contexto e Educação. Ed. Unujuí - ano 16- nº 64 – 2001. P 27-59.
PLAZA, Julio. Arte E Interatividade: Autor – Obra – Recepção. Concinnitas, Rio de Janeiro, ano 4, n. 4, p. 7-34, mar. 2003.
OSTROWER, Fayga. Criatividade E Processos De Criação. 9 ed. Petrópolis: Vozes, 1993. 187 p.
MORIN, E. Los Siete Saberes Necesarios Para La Educación Del Futuro. 1ª. ed. París – Francia: UNESCO -
Organización de las Naciones Unidas para la Educación, la Ciencia y la Cultura , 1999. 68p.. Traducción de Mercedes Vallejo-
Gómez, Nelson Vallejo-Gómez y Françoise Girard
A Educação Proibida / La Educaión Prohibida (2012). Documentário. Disponível em:
<http://www.educacionprohibida.com/> Acesso em: 21 abr. 2015
http://30xbienal.org.br/single/447. Download Material Educativo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slide show
Slide showSlide show
Slide show
E Fabiano Michele
 
Maria candidagomesamostrashistórico geográficas
Maria candidagomesamostrashistórico geográficasMaria candidagomesamostrashistórico geográficas
Maria candidagomesamostrashistórico geográficas
compartilhamos
 
A Gravura no Ensino Fundamental em Sena Madureira-AC Modificando a visão em a...
A Gravura no Ensino Fundamental em Sena Madureira-AC Modificando a visão em a...A Gravura no Ensino Fundamental em Sena Madureira-AC Modificando a visão em a...
A Gravura no Ensino Fundamental em Sena Madureira-AC Modificando a visão em a...
Vis-UAB
 
Portfólio PIBID-FFP-UERJ/2016
Portfólio PIBID-FFP-UERJ/2016Portfólio PIBID-FFP-UERJ/2016
Portfólio PIBID-FFP-UERJ/2016
Márcia Uchôa
 
Projeto poesias: Educação Infantil
Projeto poesias: Educação InfantilProjeto poesias: Educação Infantil
Projeto poesias: Educação Infantil
Mayara Silva
 
Planejamento e relatório crítico
Planejamento e relatório críticoPlanejamento e relatório crítico
Planejamento e relatório crítico
Arte Tecnologia
 
Portfólio AAA 2016
Portfólio AAA 2016Portfólio AAA 2016
Portfólio AAA 2016
Ana Luiza Professora
 
habilidades desenvolvidas no maternal
habilidades desenvolvidas no maternalhabilidades desenvolvidas no maternal
habilidades desenvolvidas no maternal
robertatamoai
 
Comunicação Alternativa e Ampliada, Letramento Visual e os obstáculos na aqui...
Comunicação Alternativa e Ampliada, Letramento Visual e os obstáculos na aqui...Comunicação Alternativa e Ampliada, Letramento Visual e os obstáculos na aqui...
Comunicação Alternativa e Ampliada, Letramento Visual e os obstáculos na aqui...
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Sequência didática brincadeiras infantis
Sequência didática brincadeiras infantisSequência didática brincadeiras infantis
Sequência didática brincadeiras infantis
Fabiola Aurélio
 
Planos sabrinadâniele 1ºsem-ok
Planos sabrinadâniele 1ºsem-okPlanos sabrinadâniele 1ºsem-ok
Planos sabrinadâniele 1ºsem-ok
Kleriton Franklin
 
Projeto grandes artistas 7º, 8º e 9º ano cest
Projeto grandes artistas   7º, 8º e 9º ano  cestProjeto grandes artistas   7º, 8º e 9º ano  cest
Projeto grandes artistas 7º, 8º e 9º ano cest
SimoneHelenDrumond
 
Idéias e projetos maternal
Idéias e projetos maternalIdéias e projetos maternal
Idéias e projetos maternal
Liliane Corte
 
Portfólio 1º semestre
Portfólio 1º semestrePortfólio 1º semestre
Portfólio 1º semestre
Delziene Jesus
 
Todo dia é dia de índio de simone helen drumond cmei
Todo dia é dia de índio de simone helen drumond cmeiTodo dia é dia de índio de simone helen drumond cmei
Todo dia é dia de índio de simone helen drumond cmei
SimoneHelenDrumond
 
Coleção planejamento ensino infantil simone helen drumond1
Coleção planejamento ensino infantil  simone helen drumond1Coleção planejamento ensino infantil  simone helen drumond1
Coleção planejamento ensino infantil simone helen drumond1
SimoneHelenDrumond
 
Planos de aula elaborados pela turma do htpc de
Planos de aula elaborados pela turma do htpc dePlanos de aula elaborados pela turma do htpc de
Planos de aula elaborados pela turma do htpc de
Luana Maria Ferreira Fernandes
 
PNAIC - Projeto A convivência Harmoniosa com as Diferenças - Prof. Floripes
PNAIC - Projeto A convivência Harmoniosa com as Diferenças - Prof. FloripesPNAIC - Projeto A convivência Harmoniosa com as Diferenças - Prof. Floripes
PNAIC - Projeto A convivência Harmoniosa com as Diferenças - Prof. Floripes
ElieneDias
 
Monografia daiana-leao-simas
Monografia daiana-leao-simasMonografia daiana-leao-simas
Monografia daiana-leao-simas
Marcia Gomes
 
A CriançA Conhecendo Arte
A CriançA Conhecendo ArteA CriançA Conhecendo Arte
A CriançA Conhecendo Arte
Edmilson Faria
 

Mais procurados (20)

Slide show
Slide showSlide show
Slide show
 
Maria candidagomesamostrashistórico geográficas
Maria candidagomesamostrashistórico geográficasMaria candidagomesamostrashistórico geográficas
Maria candidagomesamostrashistórico geográficas
 
A Gravura no Ensino Fundamental em Sena Madureira-AC Modificando a visão em a...
A Gravura no Ensino Fundamental em Sena Madureira-AC Modificando a visão em a...A Gravura no Ensino Fundamental em Sena Madureira-AC Modificando a visão em a...
A Gravura no Ensino Fundamental em Sena Madureira-AC Modificando a visão em a...
 
Portfólio PIBID-FFP-UERJ/2016
Portfólio PIBID-FFP-UERJ/2016Portfólio PIBID-FFP-UERJ/2016
Portfólio PIBID-FFP-UERJ/2016
 
Projeto poesias: Educação Infantil
Projeto poesias: Educação InfantilProjeto poesias: Educação Infantil
Projeto poesias: Educação Infantil
 
Planejamento e relatório crítico
Planejamento e relatório críticoPlanejamento e relatório crítico
Planejamento e relatório crítico
 
Portfólio AAA 2016
Portfólio AAA 2016Portfólio AAA 2016
Portfólio AAA 2016
 
habilidades desenvolvidas no maternal
habilidades desenvolvidas no maternalhabilidades desenvolvidas no maternal
habilidades desenvolvidas no maternal
 
Comunicação Alternativa e Ampliada, Letramento Visual e os obstáculos na aqui...
Comunicação Alternativa e Ampliada, Letramento Visual e os obstáculos na aqui...Comunicação Alternativa e Ampliada, Letramento Visual e os obstáculos na aqui...
Comunicação Alternativa e Ampliada, Letramento Visual e os obstáculos na aqui...
 
Sequência didática brincadeiras infantis
Sequência didática brincadeiras infantisSequência didática brincadeiras infantis
Sequência didática brincadeiras infantis
 
Planos sabrinadâniele 1ºsem-ok
Planos sabrinadâniele 1ºsem-okPlanos sabrinadâniele 1ºsem-ok
Planos sabrinadâniele 1ºsem-ok
 
Projeto grandes artistas 7º, 8º e 9º ano cest
Projeto grandes artistas   7º, 8º e 9º ano  cestProjeto grandes artistas   7º, 8º e 9º ano  cest
Projeto grandes artistas 7º, 8º e 9º ano cest
 
Idéias e projetos maternal
Idéias e projetos maternalIdéias e projetos maternal
Idéias e projetos maternal
 
Portfólio 1º semestre
Portfólio 1º semestrePortfólio 1º semestre
Portfólio 1º semestre
 
Todo dia é dia de índio de simone helen drumond cmei
Todo dia é dia de índio de simone helen drumond cmeiTodo dia é dia de índio de simone helen drumond cmei
Todo dia é dia de índio de simone helen drumond cmei
 
Coleção planejamento ensino infantil simone helen drumond1
Coleção planejamento ensino infantil  simone helen drumond1Coleção planejamento ensino infantil  simone helen drumond1
Coleção planejamento ensino infantil simone helen drumond1
 
Planos de aula elaborados pela turma do htpc de
Planos de aula elaborados pela turma do htpc dePlanos de aula elaborados pela turma do htpc de
Planos de aula elaborados pela turma do htpc de
 
PNAIC - Projeto A convivência Harmoniosa com as Diferenças - Prof. Floripes
PNAIC - Projeto A convivência Harmoniosa com as Diferenças - Prof. FloripesPNAIC - Projeto A convivência Harmoniosa com as Diferenças - Prof. Floripes
PNAIC - Projeto A convivência Harmoniosa com as Diferenças - Prof. Floripes
 
Monografia daiana-leao-simas
Monografia daiana-leao-simasMonografia daiana-leao-simas
Monografia daiana-leao-simas
 
A CriançA Conhecendo Arte
A CriançA Conhecendo ArteA CriançA Conhecendo Arte
A CriançA Conhecendo Arte
 

Destaque

Tecnica de pintura com giz de cera arte abstrata por simone helen drumond
Tecnica de pintura com giz de cera arte abstrata por simone helen drumondTecnica de pintura com giz de cera arte abstrata por simone helen drumond
Tecnica de pintura com giz de cera arte abstrata por simone helen drumond
SimoneHelenDrumond
 
Oq que e arte
Oq que e arteOq que e arte
Oq que e arte
cafumilena
 
Livro de arte
Livro de arte Livro de arte
Livro de arte
Veridiana Rengel
 
Arte ensino médio slide 1
Arte ensino médio  slide 1Arte ensino médio  slide 1
Arte ensino médio slide 1
Eponina Alencar
 
Apostila 6ºano
Apostila 6ºanoApostila 6ºano
Apostila 6ºano
Dulcinea Lisboa Passos
 
Caderno doaluno 2014_2017_vol2_baixa_lc_arte_ef_6s_7a
Caderno doaluno 2014_2017_vol2_baixa_lc_arte_ef_6s_7aCaderno doaluno 2014_2017_vol2_baixa_lc_arte_ef_6s_7a
Caderno doaluno 2014_2017_vol2_baixa_lc_arte_ef_6s_7a
Andréa Gonçalves
 

Destaque (6)

Tecnica de pintura com giz de cera arte abstrata por simone helen drumond
Tecnica de pintura com giz de cera arte abstrata por simone helen drumondTecnica de pintura com giz de cera arte abstrata por simone helen drumond
Tecnica de pintura com giz de cera arte abstrata por simone helen drumond
 
Oq que e arte
Oq que e arteOq que e arte
Oq que e arte
 
Livro de arte
Livro de arte Livro de arte
Livro de arte
 
Arte ensino médio slide 1
Arte ensino médio  slide 1Arte ensino médio  slide 1
Arte ensino médio slide 1
 
Apostila 6ºano
Apostila 6ºanoApostila 6ºano
Apostila 6ºano
 
Caderno doaluno 2014_2017_vol2_baixa_lc_arte_ef_6s_7a
Caderno doaluno 2014_2017_vol2_baixa_lc_arte_ef_6s_7aCaderno doaluno 2014_2017_vol2_baixa_lc_arte_ef_6s_7a
Caderno doaluno 2014_2017_vol2_baixa_lc_arte_ef_6s_7a
 

Semelhante a Proposições e Estudos na Visualidade - Provocando Arte

Trabalho Prática de Ensino Maio13
Trabalho Prática de Ensino Maio13Trabalho Prática de Ensino Maio13
Trabalho Prática de Ensino Maio13
Ana Polo
 
Projeto interdisciplinar artes
Projeto interdisciplinar artesProjeto interdisciplinar artes
Projeto interdisciplinar artes
Júlia Gama
 
Projeto interdisciplinar artes grupo sol
Projeto interdisciplinar artes grupo solProjeto interdisciplinar artes grupo sol
Projeto interdisciplinar artes grupo sol
Júlia Gama
 
Projeto de arte
Projeto de arteProjeto de arte
Projeto de arte
SimoneHelenDrumond
 
Planejamentodeoutubroporsimonehelendrumond 100928205104-phpapp02
Planejamentodeoutubroporsimonehelendrumond 100928205104-phpapp02Planejamentodeoutubroporsimonehelendrumond 100928205104-phpapp02
Planejamentodeoutubroporsimonehelendrumond 100928205104-phpapp02
Ana Vasconcelos
 
Serigrafia apresentação
Serigrafia apresentaçãoSerigrafia apresentação
Serigrafia apresentação
Cristielene Terra
 
Plano ensinomedio
Plano ensinomedioPlano ensinomedio
Plano ensinomedio
Brendo Lima
 
Maria candidagomesamostrashistórico geográficas
Maria candidagomesamostrashistórico geográficasMaria candidagomesamostrashistórico geográficas
Maria candidagomesamostrashistórico geográficas
compartilhamos
 
Portfólio Carol Mendoza
Portfólio Carol MendozaPortfólio Carol Mendoza
Portfólio Carol Mendoza
Carol Mendoza
 
Pauta da reuniao de 28 de maio de 2013
Pauta da reuniao de 28 de maio de 2013Pauta da reuniao de 28 de maio de 2013
Pauta da reuniao de 28 de maio de 2013
pibiduergsmontenegro
 
Cidadania, território e pluralidade na arte
Cidadania, território e pluralidade na arteCidadania, território e pluralidade na arte
Cidadania, território e pluralidade na arte
Claudia Tedesco da Rocha
 
ANEXO-4.pdf
ANEXO-4.pdfANEXO-4.pdf
ANEXO-4.pdf
Ana Soares
 
408158 001-080.pdf
408158 001-080.pdf408158 001-080.pdf
408158 001-080.pdf
MariaCarmen49
 
cnceito de ARTE.pptx
cnceito de ARTE.pptxcnceito de ARTE.pptx
cnceito de ARTE.pptx
MarcosRamos392778
 
[CON]TATOS COM MEDIAÇÃO CULTURAL - Ana Maria Schultze et alli
[CON]TATOS COM MEDIAÇÃO CULTURAL - Ana Maria Schultze et alli[CON]TATOS COM MEDIAÇÃO CULTURAL - Ana Maria Schultze et alli
[CON]TATOS COM MEDIAÇÃO CULTURAL - Ana Maria Schultze et alli
Andréia De Bernardi
 
Projeto Anual
Projeto  AnualProjeto  Anual
Projeto Anual
Alinemmoliveira
 
Jornal de Filosofia - Edição Especial
Jornal de Filosofia - Edição EspecialJornal de Filosofia - Edição Especial
Jornal de Filosofia - Edição Especial
AnaKlein1
 
Educacao das artes_visuais_na_perspectiva_da_cultura_visual_conceituacoes_pro...
Educacao das artes_visuais_na_perspectiva_da_cultura_visual_conceituacoes_pro...Educacao das artes_visuais_na_perspectiva_da_cultura_visual_conceituacoes_pro...
Educacao das artes_visuais_na_perspectiva_da_cultura_visual_conceituacoes_pro...
Priscila Macedo
 
Atps de artes, criatividade e recreação
Atps de artes, criatividade e recreaçãoAtps de artes, criatividade e recreação
Atps de artes, criatividade e recreação
leticiamenezesmota
 
Projeto interdisciplinar arte e educação
Projeto interdisciplinar   arte e educaçãoProjeto interdisciplinar   arte e educação
Projeto interdisciplinar arte e educação
lina1974
 

Semelhante a Proposições e Estudos na Visualidade - Provocando Arte (20)

Trabalho Prática de Ensino Maio13
Trabalho Prática de Ensino Maio13Trabalho Prática de Ensino Maio13
Trabalho Prática de Ensino Maio13
 
Projeto interdisciplinar artes
Projeto interdisciplinar artesProjeto interdisciplinar artes
Projeto interdisciplinar artes
 
Projeto interdisciplinar artes grupo sol
Projeto interdisciplinar artes grupo solProjeto interdisciplinar artes grupo sol
Projeto interdisciplinar artes grupo sol
 
Projeto de arte
Projeto de arteProjeto de arte
Projeto de arte
 
Planejamentodeoutubroporsimonehelendrumond 100928205104-phpapp02
Planejamentodeoutubroporsimonehelendrumond 100928205104-phpapp02Planejamentodeoutubroporsimonehelendrumond 100928205104-phpapp02
Planejamentodeoutubroporsimonehelendrumond 100928205104-phpapp02
 
Serigrafia apresentação
Serigrafia apresentaçãoSerigrafia apresentação
Serigrafia apresentação
 
Plano ensinomedio
Plano ensinomedioPlano ensinomedio
Plano ensinomedio
 
Maria candidagomesamostrashistórico geográficas
Maria candidagomesamostrashistórico geográficasMaria candidagomesamostrashistórico geográficas
Maria candidagomesamostrashistórico geográficas
 
Portfólio Carol Mendoza
Portfólio Carol MendozaPortfólio Carol Mendoza
Portfólio Carol Mendoza
 
Pauta da reuniao de 28 de maio de 2013
Pauta da reuniao de 28 de maio de 2013Pauta da reuniao de 28 de maio de 2013
Pauta da reuniao de 28 de maio de 2013
 
Cidadania, território e pluralidade na arte
Cidadania, território e pluralidade na arteCidadania, território e pluralidade na arte
Cidadania, território e pluralidade na arte
 
ANEXO-4.pdf
ANEXO-4.pdfANEXO-4.pdf
ANEXO-4.pdf
 
408158 001-080.pdf
408158 001-080.pdf408158 001-080.pdf
408158 001-080.pdf
 
cnceito de ARTE.pptx
cnceito de ARTE.pptxcnceito de ARTE.pptx
cnceito de ARTE.pptx
 
[CON]TATOS COM MEDIAÇÃO CULTURAL - Ana Maria Schultze et alli
[CON]TATOS COM MEDIAÇÃO CULTURAL - Ana Maria Schultze et alli[CON]TATOS COM MEDIAÇÃO CULTURAL - Ana Maria Schultze et alli
[CON]TATOS COM MEDIAÇÃO CULTURAL - Ana Maria Schultze et alli
 
Projeto Anual
Projeto  AnualProjeto  Anual
Projeto Anual
 
Jornal de Filosofia - Edição Especial
Jornal de Filosofia - Edição EspecialJornal de Filosofia - Edição Especial
Jornal de Filosofia - Edição Especial
 
Educacao das artes_visuais_na_perspectiva_da_cultura_visual_conceituacoes_pro...
Educacao das artes_visuais_na_perspectiva_da_cultura_visual_conceituacoes_pro...Educacao das artes_visuais_na_perspectiva_da_cultura_visual_conceituacoes_pro...
Educacao das artes_visuais_na_perspectiva_da_cultura_visual_conceituacoes_pro...
 
Atps de artes, criatividade e recreação
Atps de artes, criatividade e recreaçãoAtps de artes, criatividade e recreação
Atps de artes, criatividade e recreação
 
Projeto interdisciplinar arte e educação
Projeto interdisciplinar   arte e educaçãoProjeto interdisciplinar   arte e educação
Projeto interdisciplinar arte e educação
 

Mais de Rose Silva

Nuno ramos
Nuno ramosNuno ramos
Nuno ramos
Rose Silva
 
Carta da terra
Carta da terraCarta da terra
Carta da terra
Rose Silva
 
Proposições de arte
Proposições de arteProposições de arte
Proposições de arte
Rose Silva
 
Rizoma em Artes Visuais
Rizoma em Artes VisuaisRizoma em Artes Visuais
Rizoma em Artes Visuais
Rose Silva
 
Projeto maçã
Projeto maçãProjeto maçã
Projeto maçã
Rose Silva
 
Projeto desenho completo
Projeto desenho completoProjeto desenho completo
Projeto desenho completo
Rose Silva
 
Projeto de desenho apresentação
Projeto de desenho apresentaçãoProjeto de desenho apresentação
Projeto de desenho apresentação
Rose Silva
 
Portfólio digital projeto desenho
Portfólio digital projeto desenhoPortfólio digital projeto desenho
Portfólio digital projeto desenho
Rose Silva
 
ARTE A FAVOR DA TRANSFORMAÇÃO URBANA
ARTE  A FAVOR DA TRANSFORMAÇÃO URBANAARTE  A FAVOR DA TRANSFORMAÇÃO URBANA
ARTE A FAVOR DA TRANSFORMAÇÃO URBANA
Rose Silva
 
A ARTE E O TEMPO NO JORNAL DA CIDADE DE BAURU
 A ARTE E O TEMPO  NO JORNAL DA CIDADE DE BAURU A ARTE E O TEMPO  NO JORNAL DA CIDADE DE BAURU
A ARTE E O TEMPO NO JORNAL DA CIDADE DE BAURU
Rose Silva
 
Dona luci a4
Dona luci a4Dona luci a4
Dona luci a4
Rose Silva
 
Dona Luci - Memórias
Dona Luci - MemóriasDona Luci - Memórias
Dona Luci - Memórias
Rose Silva
 
Dona luci
Dona luciDona luci
Dona luci
Rose Silva
 
A arte e o tempo pdf
A arte e o tempo pdfA arte e o tempo pdf
A arte e o tempo pdf
Rose Silva
 
SÃO PAULO NA NOITE DOS BRASIS
SÃO PAULO NA NOITE DOS BRASISSÃO PAULO NA NOITE DOS BRASIS
SÃO PAULO NA NOITE DOS BRASIS
Rose Silva
 
A cidade que é a nossa cara
A cidade que é a nossa caraA cidade que é a nossa cara
A cidade que é a nossa cara
Rose Silva
 
Portfólio digital projeto desenho
Portfólio digital projeto desenhoPortfólio digital projeto desenho
Portfólio digital projeto desenho
Rose Silva
 
Dona dita
Dona ditaDona dita
Dona dita
Rose Silva
 
Projeto tirando o nó da garganta power point
Projeto tirando o nó da garganta power pointProjeto tirando o nó da garganta power point
Projeto tirando o nó da garganta power point
Rose Silva
 

Mais de Rose Silva (19)

Nuno ramos
Nuno ramosNuno ramos
Nuno ramos
 
Carta da terra
Carta da terraCarta da terra
Carta da terra
 
Proposições de arte
Proposições de arteProposições de arte
Proposições de arte
 
Rizoma em Artes Visuais
Rizoma em Artes VisuaisRizoma em Artes Visuais
Rizoma em Artes Visuais
 
Projeto maçã
Projeto maçãProjeto maçã
Projeto maçã
 
Projeto desenho completo
Projeto desenho completoProjeto desenho completo
Projeto desenho completo
 
Projeto de desenho apresentação
Projeto de desenho apresentaçãoProjeto de desenho apresentação
Projeto de desenho apresentação
 
Portfólio digital projeto desenho
Portfólio digital projeto desenhoPortfólio digital projeto desenho
Portfólio digital projeto desenho
 
ARTE A FAVOR DA TRANSFORMAÇÃO URBANA
ARTE  A FAVOR DA TRANSFORMAÇÃO URBANAARTE  A FAVOR DA TRANSFORMAÇÃO URBANA
ARTE A FAVOR DA TRANSFORMAÇÃO URBANA
 
A ARTE E O TEMPO NO JORNAL DA CIDADE DE BAURU
 A ARTE E O TEMPO  NO JORNAL DA CIDADE DE BAURU A ARTE E O TEMPO  NO JORNAL DA CIDADE DE BAURU
A ARTE E O TEMPO NO JORNAL DA CIDADE DE BAURU
 
Dona luci a4
Dona luci a4Dona luci a4
Dona luci a4
 
Dona Luci - Memórias
Dona Luci - MemóriasDona Luci - Memórias
Dona Luci - Memórias
 
Dona luci
Dona luciDona luci
Dona luci
 
A arte e o tempo pdf
A arte e o tempo pdfA arte e o tempo pdf
A arte e o tempo pdf
 
SÃO PAULO NA NOITE DOS BRASIS
SÃO PAULO NA NOITE DOS BRASISSÃO PAULO NA NOITE DOS BRASIS
SÃO PAULO NA NOITE DOS BRASIS
 
A cidade que é a nossa cara
A cidade que é a nossa caraA cidade que é a nossa cara
A cidade que é a nossa cara
 
Portfólio digital projeto desenho
Portfólio digital projeto desenhoPortfólio digital projeto desenho
Portfólio digital projeto desenho
 
Dona dita
Dona ditaDona dita
Dona dita
 
Projeto tirando o nó da garganta power point
Projeto tirando o nó da garganta power pointProjeto tirando o nó da garganta power point
Projeto tirando o nó da garganta power point
 

Último

Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 

Último (20)

Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 

Proposições e Estudos na Visualidade - Provocando Arte

  • 1. provocando arte provocando arte provocando arte provocando arte provocando provocando provocando arte provocando arte provocando arte provocando arte provocando provocando provocando arte provocando arte provocando arte provocando arte provocando provocando provocando arte provocando arte provocando arte provocando arte provocando provocando provocando arte provocando arte provocando arte provocando arte provocando provocando provocando arte provocando arte provocando arte provocando arte provocando provocando provocando arte provocando arte provocando arte provocando arte provocando provocando Proposições e Estudos na Visualidade Provocando Arte 01/01/2014 Arte-Educadora: Rose Silva
  • 2. Rose Silva Proposições e Estudos na Visualidade Provocando Arte E.E.Azarias Leite Bauru / 2014 Projeto desenvolvido com alunos da 1ª Série do Ensino Médio sobre Experimentações em Arte.
  • 3. Apresentação Este trabalho surge da proposta de projetos que vimos desenvolvendo com alunos da Rede Pública do Estado de São Paulo e visa aprofundar estudos quanto à aplicabilidade e efetivação do ensino Rizomático Transdisciplinar da Arte, com base na tecitura dos saberes das diversas áreas do conhecimento de forma inter-relacionada. Apresentamos um projeto com quatro subprojetos que foram desenvolvidos com quatro turmas de 1ª Série do Ensino Médio. Esses projetos tinham como objetivo a provocação e a experimentação de várias facetas da Arte Visual, a sua materialidade, a forma, a cor e as imagens que são formadas pela memória afetiva. Cada modalidade ou subprojeto envolve um apontamento específico e, portanto, com resultados particulares, sendo os temas, apresentados a partir do material do Educativo Bienal das 30x Bienal que aconteceu em 2013 no pavilhão da Bienal de São Paulo, sendo que cada sala escolheu o tema que gostaria de abordar.. Temos como objetivo, democratizar o Ensino da Arte e promover a produção coletiva e significativa, por meio de eixos norteadores: Coletividade, Conflito, Imaginação E Criação. O projeto foi pensado e elaborado a todo o momento, constituído por um mapa flexível, com vistas a promover a autonomia, a criatividade e a sensação de pertencimento dentro do processo de aquisição de conhecimentos que devem ser significantes para a vida e para a formação integral dos indivíduos. Partimos de uma visão de mundo global e holística, que propicie a compreensão do mundo como uma estrutura em que tudo está interligado, como um tecido feito de fios finos, ou ramos que confeccionam um grande rizoma formado a partir da ação simultânea de diversos níveis de conhecimentos e realidades que, embora distintos, são co-dependentes dentro de uma realidade subjetiva e particular. . Rose Silva
  • 4. Quais os tempos da memória? Arte-educadora: Rose Silva projeto: E. E. Azarias Leite 1ºA EM 2014 Proposição verde COLETIVIDADE, CONFLITO, IMAGINAÇÃO E CRIAÇÃO Quais os tempos da memória?’ acontece sob orientação do INSTITUTO ARTE NA ESCOLA polo UNESP/Bauru e será disponibilizado no site http://provocandoarte.blogspot.com.br para consulta
  • 5. Propomos uma aprendizagem que provoque o olhar sobre o tempo e a nossa relação com ele mediante as diversas interferências provocadas pelas transformações desse tempo. Refletindo como elas nos comunicam para que por fim possamos apresentar nossa própria intervenção nos espaços da escola Apresentação A memória é uma relação com o passado, com o presente ou com o futuro? Essa é uma das inquietações que nos movem nesse percurso, pretendemos criar situações que deflagrem ações coletivas que permeiam os tempos da memória, por meio de conflitos que promovam a imaginação e a criatividade. Para tanto, nos propomos a partir das proposições do Educativo da 30x Bienal de Arte proporcionar situações que desencadeiem as seguintes inquietações: Quando surge a memória? Como se desenha a memória? Qual a importância do esquecimento? Memórias podem ser apagadas? Como um museu pode construir memória? Justificativa Diferentes noções de tempo na arte A arte contemporânea no território da materialidade Arte pública e Intervenções urbanas Procedimentos técnicos das linguagens da fotografia (inclusive via celulares), do computador, do cinema de animação, web art, expansão dos conceitos de pintura, desenho, escultura, grafite etc. Realização dos projetos poéticos Conteúdo s  Proposta verde do educativo Bienal da 30x Bienal de Arte.  Materiais diversos ( papéis, tintas, lápis de cor, canetas hidrocor, linhas e barbantes  Imagens: Nelson Leirner – homenagem a fontana II 1967;  A persistência da memória - Salvador dalí  Vídeos Arte na escola Materiais Turmas envolvidas: 1º Ano Ensino Médio A
  • 6. 1ª Etapa: Roda de conversa sobre o que os alunos conhecem acerca das diferentes noções de tempo na Arte (Objetivo: Conhecer previamente o repertório dos alunos acerca do assunto). 2ª Etapa: Ativando memórias. Será que ser criança hoje é igual a ser criança no passado? Vamos descobrir? Nessa etapa os alunos serão provocados a refletir sobre suas próprias lembranças de infância. A professora aproveitará a ocasião para contar também suas memórias, propiciando que os alunos percebam as diferenças e semelhanças entre o ser criança nos diferentes tempos. Para criação será proposto que cada aluno represente plasticamente uma memória de infância 3ªEtapa: Histórias De memórias? Você se lembra? Nessa situação os alunos provocarão memórias dos demais alunos da escola, escrevendo pranchas com questões que desencadeiam lembranças. As perguntas serão elaboradas pelos próprios alunos para que crie identidade com os demais. 4ª Etapa: Como medir o tempo De uma história? Quando contamos nossas memórias, falamos de medidas de tempo: podemos dizer que algo aconteceu há muitos e muitos anos ou hoje de manhã; podemos dizer que viajamos durante uma se- mana ou que levamos mais de uma hora para chegar a algum lugar. Mas será que essa é a única maneira de contar o tempo? Desenvolvimento Podemos inventar outros modos de falar de nossas lembranças? Podemos contar uma viagem em cinco aventuras? Contar nossa vida em três amizades? Falar do passado em quatro saudades? Invente sua própria unidade de medida e conte uma história a um colega. Depois é a vez de ele fazer o mesmo. Os dois podem então desenhar as histórias um do outro, dividindo o desenho na unidade que o outro inventou (por exemplo: as cinco aventuras de Pedro ou as quatro saudades de Maria). 5ª Etapa: Monumento das pequenas coisas. Quando uma coisa muito importante acontece em um lugar, geralmente as pessoas fazem um monumento, põem uma placa, constroem um prédio ou uma escultura para que nos lembremos sempre do evento. Mas há coisas que são importantes para a gente e ninguém fica sabendo. Certamente, aconteceram coisas importantes em sua vida em vários espaços da escola. Que tal criar marcos para celebrar esses acontecimentos ? Escolha uma memória divertida, embaraçosa ou marcante que tenha acontecido em sua escola. Escreva em um papel e depois, com uma fita adesiva ou barbante, fixe esse papel no exato lugar do acontecimento. Passeie pela escola e descubra as coisas que ocorreram nos lugares por onde passa todos os dias e você nem sabia!
  • 7. Participação na elaboração, execução e conclusão em todas as etapas. Avaliação 6ª Etapa: Museu DA semana Museus são espaços criados para guardar e exibir coisas. Nem todas elas são antigas ou vêm do passado, as coleções também contam com objetos dos dias de hoje, com a intenção de preservá-los para o futuro. Tudo que é ali guardado foi escolhido por alguém, por sua importância ou pela necessidade de preservação, e se chama acervo ou museália. Que tal fazermos o mesmo? Ao longo de uma semana, escolha objetos que marcaram sua vida ou que você acha muito importantes para você. Depois, o grupo pode reunir todos os objetos escolhidos e montar seu próprio Museu da Semana. Vocês podem elaborar etiquetas, placas, mapas e visitas orientadas com outras turmas e fazer uma grande exposição. 7ª Etapa: Sentidos DA memória Muitas coisas podem nos fazer lembrar de momentos de nossa vida. Às vezes uma foto, um brinquedo ou um presente despertam nossas memórias… Mas, de vez em quando, é só ouvir um som, sentir um gosto ou um cheiro para nos lembrarmos de algo. Existe um objeto cujo gosto, cheiro, som, textura ou aparência faça com que se lembre de algo? Que tal compartilhar essa experiência com seus colegas? Mostre-lhes uma sensação ou objeto que faz parte de sua memória. Será que um mesmo cheiro desperta as mesmas memórias em pessoas diferentes? Registre as diferentes memórias para cada objeto e crie um dicionário analógico, em que diferentes sentidos e referências remetem a uma mesma palavra. 2º Semestre 2014 segundo Calendário Oficial da SEE/SP Cronograma
  • 8. 2ª Etapa: Ativando memórias Ilustração 1: Imagem do lago de Duartina Ilustrações 2 e3 – lembranças dos jogos de futebol na quadra da escola Ilustração 4 – lembranças de árvores
  • 9. 3ªEtapa: Histórias De memórias? Ilustrações 5 e 6– Processo de elaboração e construção das provocações Ilustrações 7 e 8 – pranchas de memórias fixadas nas paredes da escola
  • 10. Ilustração 9– lembrança do aluno Pedro sobre o quintal de sua avó Ilustração 10 – provocações nos espaços da escola Ilustração 11 - Lembrança da Profª Drª da UNESP Daniele Souza, que ao ver o projeto em rede social quis participar da “brincadeira” e nos brindou com suas lembranças de infância: ‘Olha a minha memória a partir do projeto de seus alunos, uma obra de arte no sulfite, lápis e caneta esferográfica ao qual entitulei - Uma tarde no abacateiro com os primos/2014. Minha infância na casa de minha avó na década de 1990 em Toledo-PR, quando meus primos e eu ficávamos cantarolando e atormentando a vizinhança durante o domingo todo’.
  • 11. O Projeto repercute na rede social Facebook Print da publicação acessível em : “https://www.facebook.com/photo.php?fbid=932842183397970&set=a.669836739698517.1073741827.100000165909746&type=1&theater7”
  • 12. Sobre o referencial: Outras referências poderão ser utilizadas de acordo com os apontamentos e necessidades que se delinearem no decorrer do percurso Sobre as performances: As ações serão pensadas e replanejadas a todo o momento para que atentas as reais necessidades dos alunos e da proposta. Sobre a avaliação: Partiremos da premissa de “descatracamento” das notas portanto, todos os alunos iniciarão com nota 10 e de acordo com seu envolvimento, engajamento e iniciativa, manterá as notas, caso o aluno, não corresponda com as expectativas pontos serão perdidos, definindo a média final. Sobre o projeto em si: O exercício do olhar dilatado sobre a memória afetiva propiciará construir argumentos de diálogo a respeito do tema do tempo na Arte. Teremos como eixo norteador os princípios da XXXI Bienal de Arte de SP – COLETIVIDADE, CONFLITO, IMAGINAÇÃO E CRIAÇÃO. Em nossa proposta buscamos extrapolar o Ensino da Arte e promover diálogos com outras áreas relevantes do conhecimento, por meio de um projeto que seja antagônico à perspectiva linear da educação (que hierarquiza os saberes e tem como foco o produto final), mas tendo como premissa uma educação que prioriza o saber de maneira contextualizada, significativa, relacionada e globalizada. Fundamentação Teórica Embasamos nossa proposta na linha Rizomática, na perspectiva de Delleuze (1995), em que a organização dos momentos ou etapas dentro do processo ensino-aprendizagem não siga linhas de subordinação hierárquica, mas, que todas as situações sejam significantes dentro do processo, deflagrando novas possibilidades de fruição e criação, atendendo assim, às expectativas e reais necessidades dos alunos, tornando-os protagonistas de suas próprias aprendizagens em Arte. Temos como referência também, o Pensamento Complexo, seguindo os princípios de Morin (2008), em que as linguagens da Arte sejam articuladas às múltiplas possibilidades de fluxo entre os saberes; e por fim, temos como referência a Concepção sugerida no Currículo do Estado de São Paulo (2010) por Miriam Celeste e Gisa Picosque, de compreensão do Ensino da Arte pela Cartografia de seus territórios, em uma grande rede de interconexões como um mapa aberto conectável em todas as suas dimensões, desmontável, reversível e suscetível de receber modificações constantemente para que se adapte ao indivíduo em formação e ao grupo social em que está inserido. Parecer da professora-propositora
  • 13. Quantos mundos existem no vermelho? Arte-educadora: Rose Silva E. E. Azarias Leite Turma: 1ºB Proposição vermelha COLETIVIDADE, CONFLITO, IMAGINAÇÃO E CRIAÇÃO ‘ ‘Quantos mundos existem no vermelho?’ acontece sob orientação do INSTITUTO ARTE NA ESCOLA polo UNESP/Bauru e será disponibilizado no site http://provocandoarte.blogspot.com.br para consulta
  • 14. Propomos uma aprendizagem que provoque o olhar sobre as cores e a nossa relação com elas mediante as diversas interferências do cotidiano. Refletindo como elas nos comunicam para que por fim possamos apresentar nossa própria intervenção nos espaços da escola Apresentação Há quem diga que o vermelho é a cor mais ambígua que existe, por evocar significados contraditórios, paradoxais, contrastantes. Por um lado, é a cor da paixão, da sedução, do amor, do erotismo. Por outro, a cor do perigo, da aventura, da agressividade, da revolução. Talvez sua força esteja associada ao fato de ser a cor do sangue, da vida, da energia vital. E, ao mesmo tempo, a cor usada para representar o fogo, cujo controle foi fundamental na evolução do domínio do homem sobre a natureza. Também há uma razão fisiológica: o vermelho está no limite da percepção de nossos olhos, beirando o infravermelho, o que o torna naturalmente agressivo à visão. Para contemplar as inquietações que o vermelho deflagra propomos promover situações em que essa cor esteja em evidência, provocando os espectadores e atribuindo significações e sentidos. Justificativa  Cor, materialidade, cheiro, densidade, força, impacto, intensidade, personalidade, peso, sabor, som, temperamento, temperatura, volume  A arte contemporânea no território da materialidade  Arte pública e Intervenções urbanas  Procedimentos técnicos das linguagens da fotografia (inclusive via celulares), do computador, do cinema de animação, web art, expansão dos conceitos de pintura, desenho, escultura, grafite etc.  Realização dos projetos poéticos Conteúdo s  Proposta vermelha do educativo Bienal da 30x Bienal de Arte.  Materiais diversos ( papéis, tintas, lápis de cor, canetas hidrocor, linhas e barbantes  Imagens: Rubens Gerchman, Lute, 1967.  Cildo Meireles, Desvio para o vermelho - Impregnação, 1967-1984  A persistência da memória - Salvador dalí  Vídeos Arte na escola Materiais Turmas envolvidas: 1º Ano Ensino Médio B
  • 15. 1ª Etapa: Roda de conversa sobre a cor que também pode ser uma forma de linguagem. (Objetivo: Conhecer previamente o repertório dos alunos acerca do assunto). 2ª Etapa: Estudos sobre o vermelho Quando você pensa na cor vermelha, pensa em quê? Em uma fruta? Um objeto? Uma sensação? Imagine um sabor para o vermelho. Seria doce ou salgado? Ácido, amargo, estranho, agradável? Agora, imagine um som que corresponda ao vermelho. Como seria? Grave ou agudo? Qual o timbre? Qual o volume? E se o vermelho fosse uma nota musical, qual seria? E um instrumento? Se pudéssemos sentir o cheiro do vermelho, como seria? Forte ou fraco? Perfumado, azedo, adocicado? Tente imaginar algo que tenha aroma de vermelho. 3ªEtapa: Quantos vermelhos você vê? É impossível relacionar-se com uma cor sem envolver todos os sentidos. Afinal de contas, ela sempre nos remeterá a alguma memória, ideia, sensação, significado, associação. Nessa etapa, os alunos deverão investigar tons de vermelho em revistas e, se preciso, alterar as cores das imagens inserindo tinta vermelha mudando a narrativa da imagem 4ª Etapa: Quantos vermelhos você sente? Como descrever uma cor? Nossas percepções e interpretações das cores são sempre subjetivas, construídas a partir de fatores fisiológicos, psicológicos e culturais. Uma mesma cor pode ser identificada com diversos nomes e descrita de variadas formas, de modo que os profissionais que lidam com a cor – como designers e arquitetos – desenvolveram sistemas e códigos específicos para identificá-las com maior precisão. Além disso, a cor é objeto de estudo de diversos campos do conhecimento, como a física, a química, a psicologia, a filosofia, o cinema…Nessa etapa, os alunos investigarão os tons de vermelho no cotidiano fotografando e se possível, colecionando ítens em vermelho para uma futura instalação. Desenvolvimento 5ª Etapa: Mapeando As Cores Nessa situação de aprendizagem os alunos escolherão uma cor específica (vermelho, amarelo, azul, verde etc.). Onde encontraríamos essa cor na sala de aula? E na escola? Com um barbante, amarrarão os objetos de mesma cor uns aos outros. Os objetos conectados e suas cores nos contam sobre eles, sobre escolhas, culturas e tendências, entre outras coisas. Converse com seus colegas e crie um catálogo de cores e seus usos. 6ª Etapa: As Cores Do mundo Os alunos viverão uma manhã de aula vendo apenas tons de vermelho, para isso construirão viseiras de papel celofane vermelho. Ao final da manhã, relatarão como foi viver a experiência de ver o mundo em outra cor, registrando em um texto e compartilhando com seu grupo. Será que todo mundo teve a mesma sensação? Participação na elaboração, execução e conclusão em todas as etapas. Avaliação 2º Semestre 2014 segundo Calendário Oficial da SEE/SP Cronograma
  • 16. Ilustração 3 - sentindo o vermelho, materialidade na cor 2ª Etapa: Estudos sobre o vermelho Ilustração 1- materialidade na cor Ilustração 2- pesquisando o vermelho no cotidiano
  • 17. 3ªEtapa: Quantos vermelhos você vê? Ilustração 4- pesquisa de vermelho em revistas e alterações em vermelho Ilustração 6 - interferências em vermelho Ilustração 5- interferências e alterações de imagens com a inserção de vermelho
  • 18. Grupos e respectivos cartazes sobre sua interpretação da cor vermelha na sociedade
  • 19. Sobre o referencial: Outras referências poderão ser utilizadas de acordo com os apontamentos e necessidades que se delinearem no decorrer do percurso Sobre as performances: As ações serão pensadas e replanejadas a todo o momento para que atentas as reais necessidades dos alunos e da proposta. Sobre a avaliação: Partiremos da premissa de “descatracamento” das notas portanto, todos os alunos iniciarão com nota 10 e de acordo com seu envolvimento, engajamento e iniciativa, manterá as notas, caso o aluno, não corresponda com as expectativas pontos serão perdidos, definindo a média final. Sobre o projeto em si: O exercício do olhar dilatado sobre a memória afetiva propiciará construir argumentos de diálogo a respeito do tema do tempo na Arte. Teremos como eixo norteador os princípios da XXXI Bienal de Arte de SP – COLETIVIDADE, CONFLITO, IMAGINAÇÃO E CRIAÇÃO. Em nossa proposta buscamos extrapolar o Ensino da Arte e promover diálogos com outras áreas relevantes do conhecimento, por meio de um projeto que seja antagônico à perspectiva linear da educação (que hierarquiza os saberes e tem como foco o produto final), mas tendo como premissa uma educação que prioriza o saber de maneira contextualizada, significativa, relacionada e globalizada. Fundamentação Teórica Embasamos nossa proposta na linha Rizomática, na perspectiva de Delleuze (1995), em que a organização dos momentos ou etapas dentro do processo ensino-aprendizagem não siga linhas de subordinação hierárquica, mas, que todas as situações sejam significantes dentro do processo, deflagrando novas possibilidades de fruição e criação, atendendo assim, às expectativas e reais necessidades dos alunos, tornando-os protagonistas de suas próprias aprendizagens em Arte. Temos como referência também, o Pensamento Complexo, seguindo os princípios de Morin (2008), em que as linguagens da Arte sejam articuladas às múltiplas possibilidades de fluxo entre os saberes; e por fim, temos como referência a Concepção sugerida no Currículo do Estado de São Paulo (2010) por Miriam Celeste e Gisa Picosque, de compreensão do Ensino da Arte pela Cartografia de seus territórios, em uma grande rede de interconexões como um mapa aberto conectável em todas as suas dimensões, desmontável, reversível e suscetível de receber modificações constantemente para que se adapte ao indivíduo em formação e ao grupo social em que está inserido. Parecer da professora-propositora
  • 20. + Onde termina uma forma? Onde começa uma forma? Arte-educadora: Rose Silva E. E. Azarias Leite Turma: 1ºC 2014 Proposição azul COLETIVIDADE, CONFLITO, IMAGINAÇÃO E CRIAÇÃO ‘ ‘Onde termina uma forma? Onde começa uma forma?’ acontece sob orientação do INSTITUTO ARTE NA ESCOLA polo UNESP/Bauru e será disponibilizado no site http://provocandoarte.blogspot.com.br para consulta
  • 21. Propomos uma aprendizagem que provoque investigações e inquietações sobre a forma na Arte que conforma, deforma, forma, formaliza formata, estabelece formato, informa, reforma e transforma. Apresentação Identificar a forma de objetos já é uma interpretação sobre eles, é uma forma de organizar e compreender o mundo. Sempre que os imaginamos, conferimos uma forma a eles. Mesmo que suas imagens pareçam disformes. O mesmo acontece quando os desenhamos. Na cabeça e no papel, tudo ganha forma e cor. Trata-se de chamar a atenção não só para as formas que não percebemos, mas para as convenções que determinam nosso modo de representar e olhar para o mundo. Até que ponto nosso olhar é construído culturalmente? Outras convenções determinariam outras formas? Essas e outras inquietações serão pensadas nas ações que desenvolveremos no decorrer do projeto. Justificativa  Forma, Cor, materialidade, densidade, força, impacto, intensidade, personalidade, peso, sabor, som, temperamento, temperatura, volume  A arte contemporânea no território da materialidade  Arte pública e Intervenções urbanas  Procedimentos técnicos das linguagens da fotografia (inclusive via celulares), do computador, do cinema de animação, web art, expansão dos conceitos de pintura, desenho, escultura, grafite etc.  Realização dos projetos poéticos Conteúdo s  Proposta azul do educativo Bienal da 30x Bienal de Arte.  Materiais diversos ( papéis, tintas, lápis de cor, canetas hidrocor, linhas e barbantes  Imagens: Rubens Gerchman, Lute, 1967.  Cildo Meireles, Desvio para o vermelho - Impregnação, 1967-1984  Marcel Duchamp, Roda de bicicleta, 1913.  Vídeos Arte na escola Materiais Turmas envolvidas: 1º Ano Ensino Médio B
  • 22. 1ª Etapa: Roda de conversa sobre o que os alunos conhecem acerca sobre as formas e iniciação de discussão sobre relação figura / fundo ( princípios da Gestalt) (Objetivo: Conhecer previamente o repertório dos alunos acerca do assunto). 2ª Etapa: AtlAs Observe o mundo a sua volta. Como você classificaria os objetos que vê? Por seu uso, cor, forma, tamanho, natureza? A intenção aqui é que toda a turma crie categorias de classificação. Grupos então escolherão alguma delas e sairão em busca de objetos que a justifiquem. Desenhem ou fotografem esses objetos. As imagens, expostas por categoria, criarão um mapa. Relacionem as semelhanças e diferenças na classificação. Como essas imagens se relacionam? 3ªEtapa: DeformAformA Algumas imagens são construídas pelo acaso, sem formas definidas ou reconhecíveis. Será que essas imagens se mostram da mesma forma para todo mundo? Que tal experimentar? Para isso, pegue uma folha de papel, dobre-a ao meio e abra. A folha terá uma linha divisória. Com tinta guache, pinte apenas um dos lados. Dobre novamente o papel e veja o que ocorre. Você vê alguma imagem? Converse com seus colegas, e discutam o que veem. 4ª Etapa: o Desenho Do vAzio Pense em uma página de livro ou revista. Você já reparou nas áreas em branco que contornam os textos, que separam as linhas e mesmo as letras? Com um livro ou revista em mãos, escolha uma ou duas páginas e preencha as áreas sem impressão. Você pode fazer colagem, pintura, desenho: o que importa é preencher os espaços vazios. Desenvolvimento 5ª Etapa: ConquistA De território Você sabe quantos tipos de mapas existem? Na biblioteca de sua escola ou cidade deve ha- ver um atlas em que possa ver alguns deles. Há mapas políticos, hidrográficos, econômicos, rodoviários, topológicos, entre muitos outros! Observe um mapa político, suas diferentes demarcações e divisões. Como se dá a divisão entre cidades? Como os rios são representados? Normalmente, a divisão entre cidades, estados e países coincide com o curso de um rio, montanhas e antigas rotas. Usando um papel vegetal ou qualquer material transparente sobre o mapa, escolha um estado ou país e desenhe apenas seu contorno. Recorte. Com seus colegas, juntem as formas, encaixando-as, e criem um novo continente. 6ª Etapa: AlmAs gêmeAs A chave e a fechadura, o pires e a xícara, sem esquecer a tampa e a panela: essas são coisas que se completam com outras. Em duplas, pensem em outras formas complementares. Inventem novas, criando um mundo diferente de objetos que dependem de outros para funcionar. Juntem todas as formas criadas pelo grupo e as embaralhem. Agora, é hora de achar onde cada uma encaixa perfeitamente… a tampa da panela, o pires da xícara, enfim, o encaixe perfeito: é só dar um nome a ele!
  • 23. Participação na elaboração, execução e conclusão em todas as etapas. Avaliação 2º Semestre 2014 segundo Calendário Oficial da SEE/SP Cronograma
  • 24. 1ª Etapa: Roda de conversa sobre o que os alunos conhecem acerca sobre as formas e iniciação de discussão sobre relação figura / fundo ( princípios da Gestalt) Atividade Vasos e Rostos. Nessa atividade os alunos desenharam seus perfis e duplicaram a imagem invertida, ao unir as pontas formamos uma terceira imagem que lembra a forma de uma taça. Preenchendo espaços vazios internos ou externos com tinta, evidenciamos a forma, horas do vaso, horas da taça.
  • 25. Ilustração 7- pesquisando textos sem imagens em revistas para iniciar a atividade o Desenho Do vAzio Pense em uma página de livro ou revista. Você já reparou nas áreas em branco que contornam os textos, que separam as linhas e mesmo as letras? Com um livro ou revista em mãos, escolha uma ou duas páginas e preencha as áreas sem impressão. Você pode fazer colagem, pintura, desenho: o que importa é preencher os espaços vazios Ilustração 3- aluna criando possibilidades na brincadeira da Gestalt Ilustração 4 e 5 – Relação figura/fundo ( princípios da Gestalt) Ilustração 6 – Sala trabalhando Ilustração 8- coletividade
  • 26. 4ª Etapa: o Desenho Do vAzio Nesta estapa os alunos foram provocados a refletir sobre os espaços vazios e formas, inserindo nesses espaços imagens
  • 27. Sobre o referencial: Outras referências poderão ser utilizadas de acordo com os apontamentos e necessidades que se delinearem no decorrer do percurso Sobre as performances: As ações serão pensadas e replanejadas a todo o momento para que atentas as reais necessidades dos alunos e da proposta. Sobre a avaliação: Partiremos da premissa de “descatracamento” das notas portanto, todos os alunos iniciarão com nota 10 e de acordo com seu envolvimento, engajamento e iniciativa, manterá as notas, caso o aluno, não corresponda com as expectativas pontos serão perdidos, definindo a média final. Sobre o projeto em si: O exercício do olhar dilatado sobre a memória afetiva propiciará construir argumentos de diálogo a respeito do tema do tempo na Arte. Teremos como eixo norteador os princípios da XXXI Bienal de Arte de SP – COLETIVIDADE, CONFLITO, IMAGINAÇÃO E CRIAÇÃO. Em nossa proposta buscamos extrapolar o Ensino da Arte e promover diálogos com outras áreas relevantes do conhecimento, por meio de um projeto que seja antagônico à perspectiva linear da educação (que hierarquiza os saberes e tem como foco o produto final), mas tendo como premissa uma educação que prioriza o saber de maneira contextualizada, significativa, relacionada e globalizada. Fundamentação Teórica Embasamos nossa proposta na linha Rizomática, na perspectiva de Delleuze (1995), em que a organização dos momentos ou etapas dentro do processo ensino-aprendizagem não siga linhas de subordinação hierárquica, mas, que todas as situações sejam significantes dentro do processo, deflagrando novas possibilidades de fruição e criação, atendendo assim, às expectativas e reais necessidades dos alunos, tornando-os protagonistas de suas próprias aprendizagens em Arte. Temos como referência também, o Pensamento Complexo, seguindo os princípios de Morin (2008), em que as linguagens da Arte sejam articuladas às múltiplas possibilidades de fluxo entre os saberes; e por fim, temos como referência a Concepção sugerida no Currículo do Estado de São Paulo (2010) por Miriam Celeste e Gisa Picosque, de compreensão do Ensino da Arte pela Cartografia de seus territórios, em uma grande rede de interconexões como um mapa aberto conectável em todas as suas dimensões, desmontável, reversível e suscetível de receber modificações constantemente para que se adapte ao indivíduo em formação e ao grupo social em que está inserido. Parecer da professora-propositora
  • 28. Como o mundo fala? Quais as linguagens da arte? Arte-educadora: Rose Silva E. E. Azarias Leite Turma: 1ºD 2014 Proposição LILÁS COLETIVIDADE, CONFLITO, IMAGINAÇÃO E CRIAÇÃO ‘Como o mundo fala?’ acontece sob orientação do INSTITUTO ARTE NA ESCOLA polo UNESP/Bauru e será disponibilizado no site http://provocandoarte.blogspot.com.br para consulta
  • 29. Propomos uma aprendizagem que provoque o olhar sobre a linguagem da Arte e a nossa relação capacidade de decodificação e diálogo com os mais diferentes signos da vida urbana, para que por fim possamos apresentar nossa própria intervenção nos espaços da escola Apresentação Como você se comunica? Quando queremos dizer algo direta e claramente, organizamos nosso repertório de palavras, expressões e frases para produzir sentidos que esperamos ser bem entendidos por nossos ouvintes ou leitores. Da mesma forma, tentamos decodificar os significados por trás das palavras que ouvimos e lemos. É o que chamamos de discurso verbal. Nossa proposta é compreender os discursos não verbais e quais outras formas existem para codificar, transmitir e interpretar mensagens. Justificativa  Arte como linguagem  Cor, materialidade, cheiro, densidade, força, impacto, intensidade, personalidade, peso, sabor, som, temperamento, temperatura, volume  A arte contemporânea no território da materialidade  Arte pública e Intervenções urbanas  Procedimentos técnicos das linguagens da fotografia (inclusive via celulares), do computador, do cinema de animação, web art, expansão dos conceitos de pintura, desenho, escultura, grafite etc.  Realização dos projetos poéticos Conteúdo s  Proposta vermelha do educativo Bienal da 30x Bienal de Arte.  Materiais diversos ( papéis, tintas, lápis de cor, canetas hidrocor, linhas e barbantes  Imagens: Rubens Gerchman, Lute, 1967.  Cildo Meireles, Inserções em circuitos ideológicos: 2 - Projeto Cédula, 1976. Estampa sobre cédula  Imagens publicitárias  Vídeos Arte na escola Materiais Turmas envolvidas: 1º Ano Ensino Médio D
  • 30. 1ª Etapa: Roda de conversa sobre o que os alunos conhecem acerca das diferentes linguagens na Arte. (Objetivo: Conhecer previamente o repertório dos alunos acerca do assunto). 2ª Etapa: Poetizando com o acaso Em grupos, recorte palavras desconexas em revistas, embaralhe essas palavras, agora construa um texto utilizando essas palavras que a princípios não promoviam o diálogo. Construa uma narrativa visual do texto construído. Compartilhe com o grupo a experiência. 3ªEtapa: tipo... Palavras Que Contagiam... Tipo... Pare para pensar: qual a palavra que você mais diz em seu dia a dia? Será que existe uma que você repete muitas vezes, talvez até sem perceber? As pessoas a seu redor também usam essa expressão o tempo todo? Experimente passar um dia inteiro sem mencionar a tal palavra. Como foi? Fez alguma falta? Seus amigos perceberam que você estava falando diferente? Registre em um texto sua experiência e compartilhe com seus colegas. 4ª Etapa: Linguagens Do Mundo Quando se pensa em linguagem, logo se pensa em palavra, fala, escrita. Mas, o mundo é cheio de outras linguagens, que não abrangem palavras. É o caso das linguagens das artes visuais. Você já pensou como os artistas se expressam? Como comunicam seus pensamentos, dúvidas e sentimentos? Será que tem algo que você tem vontade de contar para o mundo sem usar palavras? De que forma você faria isso? Escolha um meio de expressão e, quase como se desse dicas para alguém, transforme seu segredo em um trabalho de arte. Desenvolvimento 5ª Etapa: Representações Em pequenos grupos, de no máximo cinco pessoas, escolham um objeto. Pode ser algo comum, do cotidiano, ou uma coisa especial. Será que é possível falar desse objeto sem usar palavras? Como poderiam descrevê-lo para outra pessoa? Escolham imagens que façam lembrar suas características, pensem em ações e histórias que se relacionem com ele e decidam como podem ser representadas. Que outros objetos podem falar sobre esse objeto? Apresentem o objeto para o resto da classe utilizando a nova linguagem inventada pelo grupo. 6ª Etapa: Poesia Volante Uma palavra pode ter diferentes significados dependendo do contexto. Uma frase é composta por várias palavras que, quando unidas, significam algo novo. Toda vez que falamos, usamos palavras que fazem parte de nosso vocabulário para tentar expressar algo. Que tal misturar o seu com o das outras pessoas e experimentar uma criação coletiva de sentidos? Em grupo, cada um escreve uma palavra na frente e outra no verso de uma folha. Depois, todos jogam as folhas para o ar juntos. Ao caírem, as palavras formarão uma poesia visual aleatória. Rearranjem as palavras para for- mar frases, criar poemas e subverter sentidos. Se sentirem falta de palavras, adicionem outras. As folhas podem ser jogadas novamente para criar infinitas combinações de significado. Registrem o resultado da ação, criando um livro.
  • 31. Participação na elaboração, execução e conclusão em todas as etapas. Avaliação 2º Semestre 2014 segundo Calendário Oficial da SEE/SP Cronograma
  • 32. 2ª Etapa: Poetizando com o acaso Ilustrações de 1-4 : processo de criação
  • 33. Sobre o referencial: Outras referências poderão ser utilizadas de acordo com os apontamentos e necessidades que se delinearem no decorrer do percurso Sobre as performances: As ações serão pensadas e replanejadas a todo o momento para que atentas as reais necessidades dos alunos e da proposta. Sobre a avaliação: Partiremos da premissa de “descatracamento” das notas portanto, todos os alunos iniciarão com nota 10 e de acordo com seu envolvimento, engajamento e iniciativa, manterá as notas, caso o aluno, não corresponda com as expectativas pontos serão perdidos, definindo a média final. Sobre o projeto em si: O exercício do olhar dilatado sobre a memória afetiva propiciará construir argumentos de diálogo a respeito do tema do tempo na Arte. Teremos como eixo norteador os princípios da XXXI Bienal de Arte de SP – COLETIVIDADE, CONFLITO, IMAGINAÇÃO E CRIAÇÃO. Em nossa proposta buscamos extrapolar o Ensino da Arte e promover diálogos com outras áreas relevantes do conhecimento, por meio de um projeto que seja antagônico à perspectiva linear da educação (que hierarquiza os saberes e tem como foco o produto final), mas tendo como premissa uma educação que prioriza o saber de maneira contextualizada, significativa, relacionada e globalizada. Fundamentação Teórica Embasamos nossa proposta na linha Rizomática, na perspectiva de Delleuze (1995), em que a organização dos momentos ou etapas dentro do processo ensino-aprendizagem não siga linhas de subordinação hierárquica, mas, que todas as situações sejam significantes dentro do processo, deflagrando novas possibilidades de fruição e criação, atendendo assim, às expectativas e reais necessidades dos alunos, tornando-os protagonistas de suas próprias aprendizagens em Arte. Temos como referência também, o Pensamento Complexo, seguindo os princípios de Morin (2008), em que as linguagens da Arte sejam articuladas às múltiplas possibilidades de fluxo entre os saberes; e por fim, temos como referência a Concepção sugerida no Currículo do Estado de São Paulo (2010) por Miriam Celeste e Gisa Picosque, de compreensão do Ensino da Arte pela Cartografia de seus territórios, em uma grande rede de interconexões como um mapa aberto conectável em todas as suas dimensões, desmontável, reversível e suscetível de receber modificações constantemente para que se adapte ao indivíduo em formação e ao grupo social em que está inserido. Parecer da professora-propositora
  • 34. Excursão Didático–Pedagógica XXI Bienal de Arte de SP Com o obejtivo de proporcionar o elo entre a escola e o museu, concretizar o que vem sido vivenciado em sala de aula e propiciar as múltiplas leituras do que é considerada Arte na contemporaneidade; seus conceitos, e posicionamentos sociais, políticos e culturais. Também como maneira de extrapolar a sala de Aula e significar o aprendizado em um espaço que dilate o olhar e instigue novas inquetações, a XXXI Bienal de Arte foi o espaço que nos conduziu no sentido de efetivar o que vinha sido apreendido em sala de aula.
  • 35. Workshop de Arte Contemporânea Momento de socilização do que foi apreendido na XXI Bienal de Arte, com os demais alunos da escola e mostra de produções artísticas. Workshop de Arte Contemporânea Com espaço para discussão e socialização de produções plásticas elaboradas durante o projeto
  • 36. Referências GILLES, Deleuze, Félix Guattari ; Mil platôs - capitalismo e esquizofrenia, vol. 1 / Tradução de Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. - Rio de janeiro : Ed. 34, 1995. 94 p. (Coleção trans). ALMEIDA, María da Conceicao de; "Para Comprender la Complejidad", Hermosillo, Sonora. – México, 2008 (disponível para download no site oficial http://www.edgarmorin.org). São Paulo ( Estado) Secretaria da Educação. Currículo do Estado de São Paulo: Linguagens, códigos e suas tecnologias / ARTE. coordenação geral, Maria Inês Fini; coordenação de área, Alice Vieira. São Paulo : SEE, 2010 KEIM, Ernesto Jacob. Complexidade E Prática Educacional. O Pensamento Sistêmico, o Conhecimento e a Vida. Revista Contexto e Educação. Ed. Unujuí - ano 16- nº 64 – 2001. P 27-59. PLAZA, Julio. Arte E Interatividade: Autor – Obra – Recepção. Concinnitas, Rio de Janeiro, ano 4, n. 4, p. 7-34, mar. 2003. OSTROWER, Fayga. Criatividade E Processos De Criação. 9 ed. Petrópolis: Vozes, 1993. 187 p. MORIN, E. Los Siete Saberes Necesarios Para La Educación Del Futuro. 1ª. ed. París – Francia: UNESCO - Organización de las Naciones Unidas para la Educación, la Ciencia y la Cultura , 1999. 68p.. Traducción de Mercedes Vallejo- Gómez, Nelson Vallejo-Gómez y Françoise Girard A Educação Proibida / La Educaión Prohibida (2012). Documentário. Disponível em: <http://www.educacionprohibida.com/> Acesso em: 21 abr. 2015 http://30xbienal.org.br/single/447. Download Material Educativo