SlideShare uma empresa Scribd logo
1.00
SEM OBJETIVSEM OBJETIVSEM OBJETIVSEM OBJETIVSEM OBJETIVOSOSOSOSOS
BEM DEFINIDOS,BEM DEFINIDOS,BEM DEFINIDOS,BEM DEFINIDOS,BEM DEFINIDOS,
SOMENTE PORSOMENTE PORSOMENTE PORSOMENTE PORSOMENTE POR
AAAAACASO CHEGAREMOSCASO CHEGAREMOSCASO CHEGAREMOSCASO CHEGAREMOSCASO CHEGAREMOS
AAAAA ALALALALALGUM LGUM LGUM LGUM LGUM LUGARUGARUGARUGARUGAR
PPQ 11/2 PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO
QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE COMUNICAÇÕES
3ª Edição - 2001
COTER
3.00
FASE DE INSTRUÇÃO INDIVIDUALASE DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL DE QUALIFICAÇÃODE QUALIFICAÇÃO
(INSTRUÇÃO PECULIAR DE COMUNICAÇÕES)(INSTRUÇÃO PECULIAR DE COMUNICAÇÕES)
OBJETIVOBJETIVOBJETIVOBJETIVOBJETIVODODODODODAINSTRAINSTRAINSTRAINSTRAINSTRUÇÃOINDIVIDUUÇÃOINDIVIDUUÇÃOINDIVIDUUÇÃOINDIVIDUUÇÃOINDIVIDUALDEQALDEQALDEQALDEQALDEQUUUUUALIFICAÇÃOALIFICAÇÃOALIFICAÇÃOALIFICAÇÃOALIFICAÇÃO
(INSTRUÇÃOPECULIARDECOMUNICAÇÕES)(INSTRUÇÃOPECULIARDECOMUNICAÇÕES)(INSTRUÇÃOPECULIARDECOMUNICAÇÕES)(INSTRUÇÃOPECULIARDECOMUNICAÇÕES)(INSTRUÇÃOPECULIARDECOMUNICAÇÕES)
CAPACITAR O SOLDADO PARA SER EMPREGADO NA
DEFESA EXTERNA
COTER
4.00
ÍNDICE
Página
I. INTRODUÇÃO ........................................................................................................................................................................................... 6.00
01. Finalidade............................................................................................................................................................................................... 7.00
02. Objetivos da Fase ................................................................................................................................................................................... 7.00
03. Estrutura da Instrução.............................................................................................................................................................................. 7.00
04. Direção e Condução da Instrução ........................................................................................................................................................... 9.00
05. Tempo Estimado................................................................................................................................................................................... 10.00
06. Validação do PPQ 11/2........................................................................................................................................................................ 10.00
07. Estrutura do PPQ 11/2 ......................................................................................................................................................................... 10.00
08. Normas Complementares ..................................................................................................................................................................... 11.00
II. PROPOSTA PARA A DISTRIBUIÇÃO DE TEMPO .................................................................................................................................... 13.00
01. Quadro Geral de Distribuição de Tempo ............................................................................................................................................... 14.00
02. Quadro de Distribuição do Tempo Destinado à Instrução Peculiar por Grupamento de Instrução ......................................................... 15.00
III. MATÉRIAS PECULIARES DAS QMP DE COMUNICAÇÕES.................................................................................................................. 19.00
01. MP 08. Antenas e Propagação de Ondas Eletromagnéticas ............................................................................................................... 20.00
02. MP 09. Centro de Comunicações /Centro de Mensagens ..................................................................................................................... 21.00
03. MP 10. Comunicações.......................................................................................................................................................................... 24.00
04. MP 11. Exploração Telefônica ............................................................................................................................................................... 26.00
05. MP 12. Exploração Radiotelefônica ...................................................................................................................................................... 27.00
06. MP 13. Ferramentas e Equipamentos ................................................................................................................................................... 28.00
07. MP 14. Fundamentos de Eletricidade, Magnetismo e Eletrônica........................................................................................................... 29.00
08. MP 15. Informática ................................................................................................................................................................................ 33.00
09. MP 16. Linhas de Campanha ................................................................................................................................................................ 36.00
10. MP 17. Manutenção, Ajustagem e Reparação dos Equipamentos de Comunicações ........................................................................... 40.00
11. MP 18. Manutenção do Material ............................................................................................................................................................ 41.00
12. MP 19. Máquinas de Armazém ............................................................................................................................................................. 42.00
13. MP 20. Máquinas de Corrente Contínua e Corrente Alternada............................................................................................................... 44.00
14. MP 21. Matemática aplicada ................................................................................................................................................................ 46.00
15. MP 22. Material de Comunicações Fio ................................................................................................................................................. 47.00
16. MP 23. Material de Comunicações Rádio ............................................................................................................................................. 49.00
5.00
17. MP 24. Material de Fotocinegrafia/Fotografia ....................................................................................................................................... 51.00
18. MP 25. Meios Audiovisuais ................................................................................................................................................................... 53.00
19. MP 26. Munições e Explosivos ............................................................................................................................................................. 56.00
20. MP 27. Postos de interface ................................................................................................................................................................... 59.00
21. MP 28. Segurança das Comunicações ................................................................................................................................................. 60.00
22. MP 29. Segurança das Instalações ....................................................................................................................................................... 61.00
23. MP 30. Serviço em Campanha ............................................................................................................................................................. 62.00
24. MP 31. Suprimento de Material de Comunicações e Eletrônica ............................................................................................................ 65.00
25. MP 32. Técnicas de Criptografia........................................................................................................................................................... 72.00
26. MP 33. Técnicas de Fotografia e Filmagem.......................................................................................................................................... 73.00
27. MP 34. Técnicas de Laboratório ........................................................................................................................................................... 75.00
6.00
Em razão do Sistema de Validação
(SIVALI – PP), que manterá este documento
permanentemente atualizado, o presente
exemplar deverá ser distribuído com vincula-
ção funcional e mantido sob controle da OM
responsável pela execução da instrução.
As páginas que se seguem contêm uma
série de informações, cuja leitura é conside-
rada indispensável aos usuários do presente
Programa-Padrão de Instrução.
I. INTRODUÇÃO
7.007.00
I. INTRODUÇÃO
1. FINALIDADE
Este Programa-Padrão regula a Fase de Instrução Individual de
Qualificação - Instrução Peculiar (FIIQ-IP) e define objetivos que permi-
tam qualificar o Combatente, isto é, o Cabo e o Soldado de Comunica-
ções aptos a ocupar cargos correspondentes às suas funções nas di-
versas Organizações Militares, passando-o à condição de Reservista
de Primeira Categoria (Combatente Mobilizável).
2. OBJETIVOS DA FASE
a. Objetivos Gerais
1) Qualificar o Combatente.
2) Formar o Cabo e o Soldado, habilitando-os a ocupar cargos
previstos de uma determinada QMP de uma QMG na U/SU.
3) Formar o Reservista de Primeira Categoria (Combatente
Mobilizável).
4) Prosseguir no desenvolvimento do valor moral dos Cabos e
Soldados.
5) Prosseguir no estabelecimento de vínculos de liderança entre
comandantes (em todos níveis) e comandados.
b. Objetivos Parciais
1) Completar a formação individual do Soldado e formar o Cabo.
2) Aprimorar a formação do caráter militar dos Cb e Sd.
3) Prosseguir na criação de hábitos adequados à vida militar.
4)Prosseguir na obtenção de padrões de procedimentos neces-
sários à vida militar.
5)Continuar a aquisição de conhecimentos necessários à forma-
ção do militar e ao desempenho de funções e cargos específicos das
QMG/QMP.
6) Aprimorar os reflexos necessários à execução de técnicas e
táticas individuais de combate.
7) Desenvolver habilitações técnicas que correspondam aos co-
nhecimentos e às habilidades indispensáveis ao manuseio de materiais
bélicos e à operação de equipamentos militares.
8) Aprimorar os padrões de Ordem Unida obtidos na IIB.
9) Prosseguir no desenvolvimento da capacidade física do com-
batente.
c. Objetivo-síntese
- Capacitar o soldado para ser empregado na Defesa Externa.
3. ESTRUTURA DA INSTRUÇÃO
a. Características
1) O programa de treinamento constante deste PP foi elaborado
a partir de uma análise descritiva de todos os cargos a serem ocupados
por Cabos e Soldados, nas diversas QMG/ QMP. Portanto, as matérias,
os assuntos e os objetivos propostos estão intimamente relacionados às
peculiaridades dos diferentes cargos existentes.
2) A instrução do CFC e CFSd compreende:
a) matérias comuns a todas QMG/ QMP;
b) matérias peculiares, destinadas a habilitar o Cb e o Sd a
ocupar determinados cargos e a desempenhar funções específicas,
dentro de sua QMP; e
c) o desenvolvimento de atitudes e habilidades necessárias à
formação do Cb e do Sd para o desempenho de suas funções específicas,
as elas relacionadas.
8.008.00
3) Ainstrução comum e a instrução peculiar compreendem:
a) um conjunto de matérias;
b) um conjunto de assuntos integrantes de cada matéria;
c) um conjunto de sugestões para objetivos intermediários; e
d) um conjunto de objetivos terminais, chamados Objetivos
Individuais de Instrução (OII), que podem ser relacionados a
conhecimentos, habilidades e atitudes.
4) As matérias constituem as áreas de conhecimentos e de
habilidades necessárias à Qualificação do Cabo e do Soldado.
5) Os assuntos relativos a cada matéria são apresentados de for-
ma seqüenciada. Tanto quanto possível, as matérias necessárias à
formação do Cabo e do Soldado, para a ocupação de cargos afins, fo-
ram reunidas de modo a permitir que a instrução possa vir a ser planejada
para grupamentos de militares que, posteriormente, serão designados
para o exercício de funções correlatas.
6) A habilitação de pessoal para cargos exercidos no âmbito de
uma guarnição, equipe ou grupo, exige um tipo de treinamento que se
reveste de características especiais, uma vez que se deve atender aos
seguintes pressupostos:
a) tornar o militar capaz de executar, individualmente, as ativi-
dades diretamente relacionadas às suas funções dentro da guarnição,
equipe ou grupo;
b) tornar o militar capaz de integrar a guarnição, a equipe ou o
grupo, capacitando-o a realizar as suas atividades funcionais em
conjunto com os demais integrantes daquelas frações; e
c) possibilitar ao militar condições de substituir, temporariamen-
te, quaisquer componentes da guarnição, da equipe ou do grupo.
7) Desses pressupostos, decorre que a instrução relacionada a
cargos exercidos dentro de uma turma rádio, de construção de linhas,
de centro de mensagens e outras está prevista, tanto quanto possível,
para ser ministrada em conjunto, a todos os integrantes dessas frações.
8) As sugestões para objetivos intermediários são apresentadas
como um elemento auxiliar para o trabalho do instrutor. A um assunto
pode corresponder um ou vários objetivos intermediários. Outros objetivos
intermediários poderão ser estabelecidos além daqueles constantes
deste PP.
O Comandante da Subunidade é o orientador do instrutor da
matéria, na determinação dos objetivos intermediários a serem atingi-
dos.
9) Os Objetivos Individuais de Instrução (OII) relacionados aos
conhecimentos e às habilidades correspondem aos comportamentos que
o militar deve evidenciar, como resultado do processo ensino-aprendiza-
gem a que foi submetido no âmbito de determinada matéria. Uma mes-
ma matéria compreende um ou vários OII. Um Objetivo Individual de
Instrução relacionado a conhecimentos ou habilidades compreende:
a) a tarefa a ser executada, que é a indicação precisa do que o
militar deve ser capaz de fazer ao término da respectiva instrução;
b) a condição ou as condições de execução que indica(m) as
circunstâncias ou situações que são oferecidas ao militar, para que ele
execute a tarefa proposta. Essa(s) condição(ões) deve(m) levar em con-
sideração as diferenças regionais e as características do militar;e
c) o padrão mínimo a ser atingido, que determina o critério da
avaliação do desempenho individual.
10) Os Objetivos Individuais de Instrução (OII) relacionados à Àrea
Afetiva, detalhados nos PPB/1 e PPB/2, correspondem aos atributos a
serem evidenciados pelos militares, como resultado da ação educacio-
nal exercida pelos instrutores, independente das matérias ou assuntos
ministrados. Os OII compreendem os seguintes elementos:
a) o nome do atributo a ser evidenciado, com a sua respectiva
definição;
b) um conjunto de condições dentro das quais o atributo pode-
rá ser observado; e
c) o padrão - evidência do atributo.
9.009.00
Os Comandantes de Subunidades e Instrutores continuarão apre-
ciando o comportamento do militar em relação aos atributos da Área
Afetiva considerados no PPB1/PPB2, ao longo da fase de Instrução.
b. Fundamentos da Instrução Individual
Consultar o PPB/1.
4. DIREÇÃO E CONDUÇÃO DA INSTRUÇÃO
a. Responsabilidades
1) O Comandante , Chefe ou Diretor de OM é o responsável pela
Direção de Instrução de sua OM. Cabe-lhe, assessorado pelo S 3,
planejar, coordenar, controlar, orientar e fiscalizar as ações que permi-
tam ao(s) Comandante(s) de Subunidade(s) e/ou de Grupamentos de
Instrução elaborar a programação semanal de atividades e a execução
da instrução propriamente dita.
2) O Grupamento de Instrução do Curso de Formação de Cabos
(CFC) deverá ser dirigido por um oficial, de preferência Capitão, que
será o responsável pela condução das atividades de instrução do curso.
O Comandante, Chefe ou Diretor de OM poderá modificar ou es-
tabelecer novos OII, tarefas, condições ou padrões mínimos , tendo em
vista adequar as características dos militares e as peculiaridades da OM
à consecução dos Objetivos da Fase.
b. Ação do S3
1) Realizar o planejamento da Fase de Instrução Individual de
Qualificação, segundo o preconizado no PIM-COTER e nas diretrizes e/
ou ordens dos escalões enquadrantes.
2) Coordenar e controlar a instrução do CFC e do CFSd, a fim de
que os militares alcancem os OII de forma harmônica, equilibrada e
consentânea com prazos e interesses conjunturais, complementando os
critérios para os padrões mínimos, quando necessário.
3) Providenciar a confecção de testes, fichas, ordens de instrução
e de outros meios auxiliares, necessários à uniformização das condi-
ções de execução e de consecução dos padrões mínimos previstos nos
OII.
4) Providenciar a organização dos locais e das instalações para
a instrução e de outros meios auxiliares, necessários à uniformização
das condições de execução e de consecução dos padrões mínimos pre-
vistos nos OII.
5) Planejar a utilização de áreas e meios de instrução, de forma a
garantir uma distribuição equitativa pelas Subunidades ou Grupamentos
de Instrução.
6) Organizar a instrução da OM, de modo a permitir a compatibi-
lidade e a otimização da instrução do EV com a do NB (CTTEP).
c.Ação dos Comandantes de SU e/ou de Grupamentos de Instrução
Os Comandantes de SU e/ou de Grupamentos de Instrução deve-
rão ser chefes de uma equipe de educadores, a qual, por meio de ação
contínua , exemplos constantes e devotamento à instrução, envidará to-
dos os esforços necessários à consecução, pelos instruendos, dos pa-
drões mínimos exigidos nos OII previstos para a FIIQ.
d. Métodos e Processos de Instrução
1) Os elementos básicos que constituem o PP são as Matérias,
osAssuntos, as Tarefas e os Objetivos Intermediários.
2) Os métodos e processos de instrução preconizados nos ma-
nuais C 21-5 e T 21-250 e nos demais documentos de instrução deverão
ser criteriosamente selecionados e combinados, a fim de que os OII rela-
cionados a conhecimentos e habilidades, e definidos sob a forma de
“tarefa”, “condições de execução” e “padrão mínimo”, sejam atingidos
pelos instruendos.
3) Durante as sessões de instrução, o Soldado deve ser coloca-
do, tanto quanto possível, em contato direto com situações semelhantes
às que devam ocorrer no exercício dos cargos para os quais está sendo
preparado. A instrução que não observar o princípio do realismo (T 21-
10.0010.00
250) corre o risco de tornar-se artificial e pouco orientada para os objetivos
que os instruendos têm de alcançar. Os meios auxiliares e os exercícios
de simulação devem dar uma visão bem próxima da realidade,
visualizando, sempre que possível, o desempenho das funções em situa-
ção de combate ou de apoio ao combate.
4) Em relação a cada uma das matérias da QMP, o instrutor deverá
adotar os seguintes procedimentos:
a) analisar os assuntos e as sugestões para objetivos interme-
diários, procurando identificar a relação existente entre eles. Os assun-
tos e as sugestões para objetivos intermediários são poderosos auxilia-
res da instrução. Os objetivos intermediários fornecem uma orientação
segura sobre como conduzir o militar para o domínio dos OII; são, por-
tanto, pré-requisitos para esses OII.
b) analisar os OII em seu tríplice aspecto: tarefa, condições de
execução e padrão mínimo. Estabelecer, para cada OII, aquele(s) que
deverá(ão) ser executado(s) pelos militares, individualmente ou em equi-
pe; analisar as condições de execução, de forma a poder torná-las real-
mente aplicáveis na fase de avaliação.
5) Todas as questões levantadas quanto à adequação das “con-
dições de execução” e do “padrão mínimo” deverão ser levadas ao Co-
mandante da Unidade, a fim de que ele, assessorado pelo S3, decida
sobre as modificações a serem introduzidas no planejamento inicial.
6) Os OII relacionados à área afetiva são desenvolvidos durante
toda a fase e não estão necessariamente relacionados a um assunto ou
matéria, mas devem ser alcançados em conseqüência de situações
criadas pelos instrutores no decorrer da instrução, bem como de todas
as vivências do Soldado no ambiente militar. O desenvolvimento de ati-
tudes apóia-se, basicamente, nos exemplos de conduta apresentados
pelos chefes e pares, no ambiente global em que ocorre a instrução.
5. TEMPO ESTIMADO
a. A carga horária estimada para o período é de 320 horas de
atividades diurnas distribuídas da seguinte maneira:
1) 88 (oitenta e oito) horas destinadas à Instrução Comum;
2) 168 ( cento e sessenta e oito ) horas destinadas à Instrução
Peculiar; e
3) 64 (sessenta e quatro) horas destinadas aos Serviços de Escala.
b. O emprego das horas destinadas aos Serviços de Escala deverá
ser otimizado no sentido de contemplar além das atividades de serviços
de escala, propriamente ditas, as relativas à manutenção do aquartela-
mento, recuperação da instrução de Armamento, Munição e Tiro e ou-
tras atividades de natureza conjuntural imposta à OM.
c. A Direção de Instrução, condicionada pelas servidões impostas
por alguns dos OII da FIIQ, deverá prever atividades noturnas com carga
horária compatível com a consecução destes OII por parte dos instruendos.
d. Tendo em vista os recursos disponíveis na OM, as características
e o nível da aprendizagem dos militares, bem como outros fatores que
porventura possam interferir no desenvolvimento da instrução, poderá o
Comandante, Chefe ou Diretor da OM alterar as previsões de
carga horária discriminada no presente PP, mas mantendo sempre
a prioridade para o CFC.
6. VALIDAÇÃO DO PPQ 11/2
Conforme prescrito no PPB/1 e SIVALI/PP.
7. ESTRUTURA DO PPQ 11/2
a. O PP está organizado de modo a reunir, tanto quanto possível, a
instrução prevista para um cargo ou conjunto de cargos afins de uma
mesma QMP. Esta instrução corresponde a uma ou mais matérias. Os
conteúdos de cada matéria são assuntos que a compõem. Para cada
assunto apresenta-se uma ou mais sugestão(ões) de objetivo(s)
11.0011.00
intermediário(s), que têm a finalidade de apenas orientar o instrutor. A
um conjunto de assuntos pode corresponder um ou mais OII.
b. Os OII estão numerados, dentro da seguinte orientação:
Exemplo:
3 Q – 305
- O numero 3 indica a matéria Comunicações.
- Q indica que o OII se refere à “Fase de Qualificação”.
- O primeiro número da centena indica o tipo:
300 - Instrução Comum da IIQ
400 - Instrução Peculiar da IIQ
- A dezena 05, o número do OII dentro da matéria, no
caso “Transmitir uma mensagem por rádio”.
Há, ainda, a indicação do objetivo parcial ao qual está vinculado o
OII (FC, OP etc), conforme orientado no PPB/1.
8. NORMAS COMPLEMENTARES
a. Este Programa – Padrão regula a formação dos militares nas
QMG / QMP de Comunicações, relativas aos cargos previstos nas Nor-
mas Reguladoras da Qualificação, Habilitação, Condições de Acesso e
Situações das Praças do Exército, em vigor.
b. Os cargos de Cb/Sd para os quais são exigidas habilitações
específicas, definidos nas normas supra mencionadas, deverão ser ocu-
pados por militares qualificados e que tenham participado de um Trei-
namento Específico ( Trn Epcf ).
c. O Trn Epcf é determinado e estabelecido pelos Comandantes,
Chefes e/ou Diretores de OM, e constitui-se na prática acompanhada e
orientada de uma atividade, com a finalidade de habilitar as praças para
o desempenho de cargos previstos nos QO; ou no exercício de um traba-
lho específico, nas respectivas OM, que exijam esse tipo de Habilitação
Especial.
d. Esse pode coincidir, no todo ou em parte, com as atividades da
Capacitação Técnica e Tática do Efetivo Profissional (CTTEP) e não
possui, normalmente, Programa – Padrão específico e tempo de dura-
ção definido. O início e o término, bem como o resultado da atividade,
julgando cada militar “APTO” ou “INAPTO” para o cargo, serão publi-
cados no BI da OM.
e. No caso particular de Trn Epcf realizado pelas OM que possuem
Contigentes, visando habilitar seus cabos e soldados a ocupar cargos
específicos, de interesse das OM e da Mobilização, será necessária a
aprovação, pelo COTER, do respectivo PP, o qual será proposto pelas
OM interessadas.
f. As normas fixadas neste PP serão complementadas pelo (as):
1) PBPO e PIM, expedidos pelo COTER; e
2) Diretrizes, Planos e Programas de Instrução, elaborados
pelos Grandes Comandos, Grandes Unidades e Unidades.
13.00
Será encontrada, nas páginas que se seguem, uma proposta
para a distribuição de tempo para o desenvolvimento do Programa
de Instrução que visa a Qualificação do Combatente.
O Comandante, Chefe ou Diretor da OM poderá, em função
dos recursos disponíveis, das características dos instruendos e de
outros fatores conjunturais, alterar a carga horária das matérias
discriminadas na distribuição sugerida.
II. PROPOSTA PARAA DISTRIBUIÇÃO DE TEMPO
Os quadros apresentados indicam os números das matérias
peculiares que deverão constar dos programas de treinamento de
cada um dos grupamentos de instrução mencionados neste PP.
14.00
OPMETEDOÃÇIUBIRTSIDEDLAREGORDAUQ.1
GMQ PMQ OÃÇURTSNIEDSOTNEMAPURG
SEDADIVITA
OÃÇURTSNI À
tmCpsiD
vS
alacsE
latoT
mumoC railuceP anrutoN
11
24 otnemirpuSedlaosseP
88 861
oirétircA
oãçeriDad
oãçurtsnIed
amuhneN 46 023
17 snegasneMedortneCodlaosseP
47/17 oiFmoCedlaosseP
37 tlE/rtelEpqEceMjA
47 oidáRmoCedlaosseP
57 ofargótoF/atsifargenicotoFjA
COTER
15.00
ÀODANITSEDOPMETODOÃÇIUBIRTSIDEDORDAUQ.2
OÃÇURTSNIEDOTNEMAPURGROPRAILUCEPOÃÇURTSNI
GMQ PMQ OÃÇURTSNIEDSOTNEMAPURG rN SERAILUCEPSAIRÉTAMSADSOREMÚN saroH
11
24
otnemirpuSedlaosseP
mézamrAedsaniuqáMpO/psanepA)a(
sovisolpxEenuMedpnM/xuAo/psanepA)b(
moCedacitsígoLtsnIxuAo/psanepA)c(
01 seõçacinumoC 52
31 sotnemapiuqEesatnemarreF 21
81 lairetaModoãçnetunaM 23
91 )a(mézamrAedsaniuqáM 48
62 )b(sovisolpxEeseõçinuM 48
92 seõçalatsnIsadaçnarugeS 30
03 ahnapmaCmeoçivreS 21
13 )c(acinôrtelEeseõçacinumoCedlairetaMedotnemirpuS 48
AMOS 861
17 snegasneMedortneCodlaosseP
9 snegasneMedortneC/seõçacinumoCedortneC 04
01 seõçacinumoC 52
51 acitámrofnI 02
81 lairetaModoãçnetunaM 23
82 seõçacinumoCsadaçnarugeS 02
92 seõçalatsnIsadaçnarugeS 30
03 ahnapmaCmeoçivreS 21
23 aifargotpirCedsacincéT 61
AMOS 861
COTER
16.00
COTER
ÀODANITSEDOPMETODOÃÇIUBIRTSIDEDORDAUQ.2
OÃÇURTSNIEDOTNEMAPURGROPRAILUCEPOÃÇURTSNI
GMQ PMQ OÃÇURTSNIEDSOTNEMAPURG rN SERAILUCEPSAIRÉTAMSADSOREMÚN saroH
11
47/17
oiFseõçacinumoCedlaosseP
ahniLedroturtsnoCeflTltCpO/psanepA)a(
ecafretnIedpOrailixuA/psanepA)b(
01 seõçacinumoC 52
11 acinôfeleToãçarolpxE 02
61 )a(ahnapmaCedsahniL 03
81 lairetaModoãçnetunaM 23
22 )a(oiFseõçacinumoCedlairetaM 62
72 )b(ecafretnIedsotsoP 65
82 seõçacinumoCsadaçnarugeS 02
92 seõçalatsnIsadaçnarugeS 30
03 ahnapmaCmeoçivreS 21
AMOS 861
37
otnemapiuqEedocinâceMedetnadujA
ocinôrtelE/ocirtélE
ocinôrtelEpqEceMjAo/psanepA)a(
ocirtélEpqEceMjAo/psanepA)b(
01 seõçacinumoC 52
41 acinôrtelEeomsitengaM,edadicirtelEedsotnemadnuF 62
71
edsotnemapiuqEsodoãçarapeRemegatsujA,oãçnetunaM
)a(seõçacinumoC
07
81 lairetaModoãçnetunaM 23
02 )b(adanretlAetnerroCeaunítnoCetnerroCedsaniuqáM 07
92 seõçalatsnIsadaçnarugeS 30
03 ahnapmaCmeoçivreS 21
AMOS 861
17.00
COTER
ÀODANITSEDOPMETODOÃÇIUBIRTSIDEDORDAUQ.2
OÃÇURTSNIEDOTNEMAPURGROPRAILUCEPOÃÇURTSNI
GMQ PMQ OÃÇURTSNIEDSOTNEMAPURG rN SERAILUCEPSAIRÉTAMSADSOREMÚN saroH
11
47 oidáRseõçacinumoCedlaosseP
80 saciténgamortelEsadnOedoãçagaporPesanetnA 31
01 seõçacinumoC 52
21 acinôfeletoidaRoãçarolpxE 23
81 lairetaModoãçnetunaM 23
12 adacilpAacitámetaM 50
32 oidáRseõçacinumoCedlairetaM 62
82 seõçacinumoCsadaçnarugeS 02
92 seõçalatsnIsadaçnarugeS 30
03 ahnapmaCmeoçivreS 21
AMOS 861
57
ofargótoF/atsifargenicotoFedetnadujA
siausivoiduAMxuAarapsanepa)a(
otoFjAarapsanepa)b(
01 seõçacinumoC 52
81 lairetaModoãçnetunaM 23
42 aifargotoF/aifargenicotoFedlairetaM 62
52 )a(siausivoiduAsoieM 03
92 seõçalatsnIsadaçnarugeS 30
03 ahnapmaCmeoçivreS 21
33 megamliFeaifargotoFedsacincéT 04
43 )b(oirótarobaLedsacincéT 03
AMOS 861
19.00
III. MATÉRIAS PECULIARES DAS QMP DE COMUNICAÇÕES
Em seguida, serão apresentadas, em
ordem alfabética, as matérias peculiares
das QMP de Comunicações.
20.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS
INTERMEDIÁRIOS
Q-404
(OP/HT)
Q-402
(AC)
Definir as principais carac-
terísticas das ondas ele-
tromagnéticas.
Identificar os tipos de an-
tenas utilizadas em equi-
pamentos rádio de cam-
panha.
Instalar um posto rádio.
Fornecidos três tipos de antenas
utilizadas em equipamentos rádio
de campanha.
Numa jornada em campanha, com
todo o material necessário à
instalação de um Conjunto Rádio
do Grupo II.
O militar deverá identificar, cor-
retamente, os três tipos de an-
tenas.
O militar deverá escolher o local
adequado e instalar o posto rá-
dio, segundo as normas esta-
belecidas.
- Descrever as características das
ondas eletromagnéticas.
- Distinguir as faixas de freqüência
de emprego militar.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
- Identificar os diversos tipos de an-
tenas.
- Descrever as características de ir-
radiação de cada tipo de antena.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
- Citar as características do local
adequado para a instalação do pos-
to rádio.
- Exemplificar locais adequados à
instalação do posto rádio.
- Escolher locais adequados para a
instalação do posto rádio.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
1. Ondas Eletromagnéticas
a. Produção
b. Propagação
c. Espectro de freqüência e
suas faixas
d. Normas de Administração
de Radiofreqüências
2. Antenas
a. Fundamentos
b. Tipos
c. Emprego
d. Antenas improvisadas
3. Locais para instalação de um
posto rádio
a. Importância
b. Aspectos a considerar
8. ANTENAS E PROPG DE ONDAS ELETROMAGNÉTICAS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 13 h
Q-401
(AC)
Conhecidas as características das
ondas eletromagnéticas.
O militar deverá definir as prin-
cipais características das ondas
eletromagnéticas.
Q-403
(OP/HT)
Instalar antenas improvi-
sadas.
Numa jornada em campanha, com
meios de fortuna.
O militar deverá instalar corre-
tamente uma antena improvisa-
da.
21.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS
INTERMEDIÁRIOS
9. CENTRO DE COMUNICAÇÕES/CENTRO DE MENSAGENS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 36 h
Em um Centro de Mensagens,
com documentação e material pe-
culiares, chega uma mensagem
em duas vias corretamente pre-
enchida, para ser enviada cripto-
grafada a um outro Centro de Men-
sagens distante.
O militar deverá proceder com
acerto nas seguintes etapas:
- identificar a mensagem;
-processar corretamente a
mensagem;
- identificar o arquivo corres-
pondente;
- conferir a autenticação de men-
sagem;
- conferir a autenticação da men-
sagem criptografada;
- despachar a mensagem ao seu
destinatário.
Processar a mensagem.
Q-401
(AC/OP)
- Descrever a organização e as atri-
buições gerais do C Com.
- Descrever os diversos passos do
processamento da Msg no interior do
C Com.
- Descrever a organização e as atri-
buições do Centro de Mensagens.
- Identificar a mensagem.
- Explicar as etapas seguidas pela
mensagem no interior do Centro de
Mensagens.
- Conferir a autenticação.
- Relacionar a mensagem ao recibo
correspondente.
- Fazer o preenchimento do recibo.
- Anexar a mensagem ao recibo cor-
respondente.
- Organizar os arquivos de Recibos.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
1. Centro de Comunicações
a. Organização
b. Atribuições gerais
2. Centro de Mensagens
a. Organicação
b. Pessoal
c. Atribuições
d. Arquivos e registros
22.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS
INTERMEDIÁRIOS
Transmitir e receber
mensagens.
- Transmitir e receber mensagens
pelos terminais de comunicações.
- Encaminhar o tráfego de chegada ao
CM, para posterior processamento.
- Efetuar os procedimentos em ca-
sos de falha dos equipamentos, in-
terferências etc.
- Fazer registro dos QSL.
- Atualizar as cartas de meios.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
5. Centro de transmissão e re-
cepção
a. Organização
b. Pessoal
c. Atribuições
d. Documentos e arquivos
O militar deverá encaminhar
corretamente o tráfego de che-
gada ao CM e o de saída, aos
terminais de comunicações.
Montados dois centros de men-
sagens e terminais de Comuni-
cações disponíveis.
Q-403
(HT)
9. CENTRO DE COMUNICAÇÕES/CENTRO DE MENSAGENS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 36 h
- Identificar os diversos tipos de men-
sageiros quanto ao serviço que exe-
cuta e ao meio de transporte utilizado.
- Citar as vantagens e desvanta-
gens no emprego do sistema de men-
sageiros.
- Citar as aptidões necessárias ao
desempenho da função de mensa-
geiro e dos postos de muda.
- Citar as atividades desenvolvidas
por um mensageiro.
- Listar os diversos equipamentos uti-
lizados pelos mensageiros.
- Citar as considerações que influem
na escolha dos itinerários dos men-
sageiros.
- Citar as precauções a serem toma-
das pelos mensageiros, quanto à se-
gurança.
- Citar os princípios básicos que de-
vem ser obedecidos com relação ao
processamento e entrega das men-
sagens.
- Confeccionar a escala de mensa-
geiros.
- Instruir os mensageiros.
- Manter o controle dos mensageiros.
- Desempenhar as funções de men-
sageiro.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
Fazer chegar as mensa-
gens ao seu destino.
Montados dois Centros de
Mensagens e estabelecidos dois
destinatários.
O militar deverá entregar as
mensagens nos destinos corre-
tos e no prazo determinado pelo
instrutor:
- transportar mensagens de um
CM a outro, e
- de um CM para o destinatário.
Q-402
(HT)
2. Centro de Mensagens
a. Organização
b. Pessoal
c. Atribuições
d. Serviço de mensageiros
e. Meios de transportes e equi-
pamentos
f. Itinerários de mensageiros
g. Postos de muda
h. Documentos e arquivos
23.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS
INTERMEDIÁRIOS
Q-406
(OP)
Executar o Plano de Car-
regamento e instalar o
CM.
Apresentados todo o material ne-
cessário ao funcionamento do CM,
1 barraca para 10 praças e 1 viatu-
ra de 1/2 tonelada.
As tarefas deverão ser cumpridas
sequencialmente e em conjunto
pelos integrantes do CM.
Após a execução do carregamen-
to, o instrutor conduzirá a Vtr até
o local onde será instalado o CM.
Em seguida, pelos instruendos, o
material será descarregado, e ins-
talado o Centro de Mensagens.
- Descrever as medidas para evitar
danos quando do embarque e de-
sembarque do material do Centro de
Mensagens em viaturas.
- Embarcar e desembarcar o materi-
al do Centro de Mensagens, obede-
cendo as prescrições para evitar
danos.
- Identificar as atribuições inerentes
aos cargos dos integrantes do CM,
relativos à execução do Plano de
Carregamento e à instalação do CM.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
- Os integrantes do CM deverão
cumprir corretamente as atri-
buições inerentes aos respec-
tivos cargos, de forma que o
carregamento seja executado no
prazo máximo de 20 min e o CM
esteja instalado e em condições
de operação 30 minutos após a
indicação do local por parte do
instrutor.
7. Embarque e desembarque
do material do Centro de Men-
sagens
8. Instalação do Centro de Msg
9. CENTRO DE COMUNICAÇÕES/CENTRO DE MENSAGENS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 36 h
Processar a mensagem
em um Centro de Mensa-
gens Informatizado.
- Descrever as possibilidades do
programa.
- Confeccionar mensagens utilizan-
do o programa.
- Demonstrar aptidão para o cum-
primento da tarefa constante do OII.
5. Centro de Comunicações In-
formatizado
a. Organização
b. Atribuições gerais
c. Processamento da Men-
sagem
Todas as mensagens deverão
ser digitadas com sucesso.
Em um Centro de Mensagens In-
formatizado, o operador do micro
deverá, utilizando um programa
fornecido, digitar uma mensagem
corretamente.
Q-404
(AC/OP)
Realizar o processamento
automático de men-
sagens operacionais
(PAMO).
- Descrever as possibilidades do
programa.
- Editar mensagens utilizando o pro-
grama.
- Transmitir mensagens utilizando o
programa.
- Obter confirmação de entrega.
- Demonstrar aptidão para o cum-
primento da tarefa constante do OII
6. Processamento automático de
mensagens operacionais
a. Transmissão da mensagem
b. Confirmação da entrega
Todas as mensagens deverão
ser enviadas com acerto.
Em um Centro de Mensagens, o
operador do micro deverá, utilizan-
do um programa fornecido, editar
um mensagem corretamente e
enviá-la a um outro Centro de Men-
sagens, através do PAMO.
Q-405
(AC/OP)
24.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS
INTERMEDIÁRIOS
10. COMUNICAÇÕES TEMPO ESTIMADO DIURNO: 25 h
Classificar meios de Co-
municações.
- Citar os meios de Comunicações
utilizados no Exército.
- Diferenciar os meios de Comunica-
ções.
- Estabelecer vantagens e desvan-
tagens de cada meio de comunica-
ções.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
1. Meios de Comunicações
a. Fio
b. Rádio
c. Multicanal
d. Mensageiro
e. Acústicos
f. Visuais
g. Diversos
O militar deverá classificar cor-
retamente todos os meios de
Comunições apresentados.
Apresentados dez meios de Co-
municações exitentes na OM.
Q-401
(AC)
Soletrar um texto utilizan-
do o alfabeto fonético in-
ternacional.
O militar deverá, com rapidez,
soletrar o texto corretamente.
Apresentado um texto contendo
no mínimo dez palavras e três nú-
meros.
Q-402
(OP)
- Identicar os símbolos e abreviatu-
ras peculiares às comunicações.
- Citar os indicativos, sinais e expres-
sões de serviço.
- Empregar os indicativos, sinais e
expressões de serviço.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento das tarefas constantes dos
OII.
3. Símbolos e abreviaturas milita-
res
a. Regras básicas
b. Símbolos peculiares às co-
municações
- Associar o alfabeto fonético inter-
nacional com as letras do alfabeto.
- Realizar conversão do tempo.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento das tarefas constantes dos
OII.
2. Caligrafia Militar
a. Alfabeto fonético interna-
cional
b. Fusos horários e conver-
são de tempo
Efetuar a conversão do
tempo.
O militar deverá fazer a conver-
são do tempo, entre as duas
regiões, corretamente.
Apresentada uma carta que con-
tenha os fusos horários e indica-
das duas regiões em fusos horá-
rios diferentes.
Q-403
(AC)
Ler um texto com pala-
vras abreviadas.
O militar deverá ler o texto cor-
retamente.
Apresentado um texto com, no
mínimo, quinze palavras abrevia-
das de acordo com o C 21-30 e de
uso comum nas atividades milita-
res.
Q-404
(AC)
Identificar símbolos mili-
tares.
O militar deverá identificar os
símbolos corretamente.
Apresentados dez símbolos cons-
tantes do C21-30 peculiares às Co-
municações.
Q-405
(AC)
Informar os indicativos e
a que redes pertencem
os postos de Comunica-
ções.
- Citar a finalidade dos indicativos dos
postos de Comunicações.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
4. Indicativos dos postos de Co-
municações
As informações deverão ser
corretas e fornecidas, no máxi-
mo, em 15 minutos.
Apresentadas as IE Com Elt e pe-
didos os indicativos de vinte pos-
tos de Comunicações contidos
nesse documento.
Q-406
(AC)
25.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS
INTERMEDIÁRIOS
Q-407
(AC)
Descrever a finalidade e o
emprego das expressões
de serviço.
A descrição deverá ser feita no
tempo máximo de 15 minutos
com 100% de acerto.
Apresentadas dez expressões de
serviço.
- Citar os principais sinais e expres-
sões de serviço.
- Descrever o emprego e o significa-
do das principais expressões de
serviço.
- Utilizar corretamente os principais
sinais e expressões de serviço.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
5. Sinais e Expressões de Servi-
ço
Q-408
(OP)
Utilizar a caderneta de
mensagem.
O militar deverá escrever a
mensagem na folha da caderne-
ta de mensagem, segundo as
normas para preenchimento.
Apresentadas uma mensagem
verbal e uma caderneta de men-
sagem.
- Identificar uma caderneta de men-
sagens.
- Distinguir os campos de preenchi-
mento da caderneta de mensagem.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
6. Mensagens
a. Preparação
b. Classificação sigilosa
c. Precedência
d. Caderneta de mensagens
Apresentadas as IECom Elt e de-
terminado que sejam identifica-
das cinco instruções.
O militar deverá identificar as
instruções, consultando o índi-
ce das IECom Elt, com 100% de
acerto.
Identificar as instruções,
utilizando as IECom Elt.
Q-409
(AC)
- Distinguir as principais instruções
contidas nas IECom Elt.
- Identificar as instruções específi-
cas.
- Citar as finalidades das instruções
específicas.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
7. IE ComElt e IP Com Elt
a. Definição
b. Finalidade
c. Classificação sigilosa
d. Forma
e. Manuseio
10. COMUNICAÇÕES TEMPO ESTIMADO DIURNO: 25 h
Fornecidas uma mensagem
preestabelecida, retirada das IE
Com Elt, e com o máximo de dois
algarismos (formando uma dezena
qualquer), e uma quantidade de pa-
inéis suficientes.
O militar deverá dispor os pai-
néis no solo, de acordo com a
mensagem solicitada.
Transmitir uma mensa-
gem, utilizando painéis.
Q-410
(HT/OP)
- Citar os tipos de painéis.
- Empregar os painéis na transmis-
são de mensagens.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
8. Painéis
a. Finalidade
b. Tipos
c. Lançamento
Fornecidos uma mensagem e o
material necessário à montagem
das balizas e(ou) ao lançamento.
O militar deverá preparar uma
mensagem lastrada, de acordo
com um processo de apanha-
mensagem.
Enviar uma mensagem
lastrada por meio de dis-
positivo de apanha-men-
sagens.
Q-411
(HT/OP)
- Descrever, sumariamente, os
processos de apanha-mensagens.
- Montar balizas para o processo de
apanha-mensagens.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
9. Mensagens lastradas e dis-
positivos de apanha-mensagens
(balizas e por lançamentos)
26.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS
INTERMEDIÁRIOS
11. EXPLORAÇÃO TELEFÔNICA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 20 h
Transmitir uma informa-
ção à Central, utilizando o
circuito telefônico.
O militar deverá:
- acionar corretamente o circui-
to de sinalização;
- operar corretamente os órgãos
do circuito de conversação;
- obedecer as regras de explo-
ração telefônica, prestando a in-
formação.
Apresentado um posto ligado a
uma central e fornecida uma in-
formação que deva ser prestada.
Q-401
(HT/OP)
1. Regras de exploração tele-
fônica
a. Chamadas
b. Respostas
c. Chamada urgente
d. Linha ocupada
e. Conferência telefônica
f. Exercício prático de explo-
ração telefônica
- Procedimentos dos assi-
nantes e do Operador de Cen-
tral.
- Citar as principais regras de explo-
ração telefônica.
- Aplicar as regras de exploração te-
lefônica.
- Explorar um sistema telefônico.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
Fazer as ligações neces-
sárias a uma conferência
telefônica.
O militar deverá fazer as liga-
ções com exatidão em um tem-
po máximo de dois minutos.
Instalada uma central com seis te-
lefones; um dos assinantes dese-
ja uma conferência telefônica com
os 5 outros assinantes.
Q-402
(HT)
Instalar uma central tele-
fônica manual.
O militar deverá instalar a cen-
tral telefônica, realizando as li-
gações e os testes necessários
corretamente.
Fornecidos uma central telefôni-
ca manual e dez ramais previa-
mente lançados.
Q-403
(HT)
- Utilizar as regras de exploração
telefônica.
- Instalar a central telefônica.
- Interpretar a documentação do cen-
tro telefônico.
- Confeccionar o diagrama de tráfe-
go telefônico.
- Operar a central telefônica.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento das tarefas constantes dos
OII.
2. Centrais Telefônicas
a. Manuais
b. Automáticas
c. Instalação
d. Operação
e. Documentação de controle
Instalar uma central tele-
fônica automática.
Fornecidos uma central telefôni-
ca automática e dez ramais previa-
mente lançados.
Q-404
(HT)
27.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS
INTERMEDIÁRIOS
12. EXPLORAÇÃO RADIOTELEFÔNICA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 32 h
Operar um posto-rádio
em ambiente de Guerra
Eletrônica.
O militar deverá:
- executar corretamente os pro-
cedimentos de exploração rádio
previstos nas IECom Elt;
- executar os procedimentos
para reconhecimento de inter-
ferências previstos nas IECom
Elt, com 100% de acerto;
- preencher e encaminhar o Re-
latório de Interferência e Dissi-
mulação (RID) com 100% de acer-
to.
- Fazer a abertura de uma
rede-rádio;
- Transmitir uma mensa-
gem; e
- Fazer o fechamento de
uma rede-rádio.
- Apresentados mensagens a se-
rem transmidas, extrato das IE-
Com Elt contendo procedimentos
de MPE e um modelo do Relatório
de Interferência e Dissimulação
(RID).
- Estabelecida uma rede rádio afe-
tada por tentativas de dissimula-
ção eletrônica imitativa e por ações
de interferência de ruído.
Q-401
(HT/OP)
- Conhecer as Medidas Eletrônicas
de Apoio.
- Conhecer as Contramedidas Eletrô-
nicas.
- Conhecer as Medidas de Proteção
Eletrônica.
- Executar os procedimentos previs-
tos nas IEComElt, quanto à instala-
ção e operação do posto rádio.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
3. Guerra Eletrônica
- Conceitos básicos
a. Medidas Eletrônicas de
Apoio (MEA)
b. Contramedidas Eletrôni-
cas (CME)
c. Medidas de Proteção
Eletrônica (MPE)
- Citar as regras de exploração rá-
dio.
- Utilizar as regras de exploração
rádio numa abertura de rede, trans-
missão de mensagens e fechamen-
to de rede.
- Identificar e preencher os documen-
tos de controle do posto-rádio.
- Receber e transmitir mensagens.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
1. Regras de exploração radio-
telefônica
a. Chamadas e respostas
b. Abertura e fechamento de
rede
c. Transmissão e recepção de
mensagens
d. Autenticação de redes e
postos
e. Documentos de controle
O militar deverá fazer a abertu-
ra da rede, autenticar seu pos-
to, transmitir a mensagem e
executar o fechamento da rede,
segundo as regras de explora-
ção rádio, no menor tempo pos-
sível.
Apresentados uma mensagem,
uma rede rádio e um exemplar
das IE Com Elt.
Q-403
(HT/OP)
Utilizar corretamente o
espectro de rádiofre-
qüência autorizado.
Q-402
(AC)
- Conhecer as Normas de Admi-
nistração de Radiofreqüências no
âmbito do Exército Brasileiro.
- Conhecer as conseqüências da
utilização de freqüências não auto-
rizadas.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
2. Normas de Administração de
Radiofreqüências
O militar deverá ter pleno
conhecimento das freqüências
autorizadas e das restrições ao
uso do espectro de radiofre-
qüência.
Apresentada a carta de freqüência
distribuída à sua OM.
28.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS
INTERMEDIÁRIOS
13. FERRAMENTAS E EQUIPAMENTOS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12 h
Identificar e mostrar fer-
ramentas danificadas.
A identificação das ferramentas
deverá ser feita com 100% de
acerto.
Apresentados um conjunto de fer-
ramentas e os equipamentos uti-
lizados na manutenção de materi-
al de Comunicações. Entre as fer-
ramentas, devem existir algumas
danificadas.
Q-401
(AC)
- Distinguir as ferramentas e equipa-
mentos utilizados na manutenção e
instalação de material de Comunica-
ções.
- Manusear listas de nomeclatura
padrão, catálogos e manuais de equi-
pamentos e ferramentas.
- Utilizar as ferramentas e equipa-
mentos.
- Realizar a manutenção de 1º Esca-
lão nas ferramentas e equipamen-
tos.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento das tarefas constantes dos
OII.
1. Apresentação das ferramen-
tas e equipamentos
2. Cofre de ferramentas e Qua-
dro de ferramentas
3. Equipamentos utilizados na
manutenção e instalação de ma-
terial de Comunicações
4. Nomenclatura
a. Listas de nomenclatura pa-
drão de ferramentas
b. Catálogos e manuais dos
fabricantes de equipamentos e
ferramentas
5. Manutenção de 1º Escalão
a. Limpeza
b. Lubrificação
Q-402
(AC/CH)
Q-403
(OP)
Identificar, pela nomencla-
tura, as ferramentas e
equipamentos utilizados
na manutenção e na ins-
talação do material de Co-
municações.
Realizar a manutenção de
1º escalão das ferramen-
tas e equipamentos.
Todas as ferramentas danifica-
das deverão ser identificadas e
mostradas.
A manutenção deverá ser reali-
zada de forma correta e de acor-
do com os manuais técnicos.
29.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS
INTERMEDIÁRIOS
14. FUNDAMENTOS DE ELETRICIDADE, MAGNETISMO
E ELETRÔNICA
- Definir tensão e corrente alterna-
da, tensão e corrente contínua.
- Definir magnetismo.
- Definir força eletromotriz.
- Diferenciar corrente alternada de
corrente contínua.
- Definir forma de onda.
- Definir freqüência de rede.
- Definir, sumariamente, potência e
energia.
- Discriminar os tipos de energias e
suas transformações.
- Citar as leis de OHM.
- Utilizar as fórmulas das leis de OHM.
- Definir resistor.
- Identificar os vários tipos de resis-
tores existentes.
- Diferenciar as ligações em série,
em paralelo e em série-paralelo.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento das tarefas constantes dos
OII.
1. Teoria Elétrica
2. Força Eletromotriz
3. Tensão e Corrente Alternada
4. Tensão e Corrente Contínua
5. Potência e Energia
6. Lei de OHM
7. Resistores
Aplicação da lei de OHM.
Resolver corretamente quatro
problemas.
Apresentados cinco problemas
simples adequados à aplicação da
lei de OHM.
Q-401
(AC)
Responder questões so-
bre os diversos tipos de
resistores.
O militar deverá responder as
questões formuladas com 70%
de acerto.
Apresentados vários resistores e
questões sobre:
- tipos de resistores;
- código de cores para leitura de
valores de alguns resistores;
- circuitos em série, em paralelo e
em série-paralelo.
Q-402
(AC)
Responder questões so-
bre diversos tipos de ca-
pacitores e de indutores.
O militar deverá responder as
questões formuladas com 60%
de acerto.
Apresentados vários capacitores e
indutores, e questões sobre:
- vários tipos de capacitores e indu-
tores;
- código de cores para leitura de
valores de capacitores e indutores;
- diferenciação dos circuitos em sé-
rie, em paralelo e em série-paralelo.
Q-403
(AC)
- Definir capacitor e indutor.
- Identificar os vários tipos de capa-
citores e indutores existentes.
- Aplicar o Código de Cores.
- Diferenciar as ligações em série,
em paralelo e em série-paralelo.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
8. Capacitores e indutores
Identificar os diversos ti-
pos de transformadores.
O militar deverá identificar cor-
retamente os diversos tipos de
transformadores em um tem-
po máximo de três minutos.
Apresentados diversos tipos de
transformadores de funciona-
mentos diferentes.
Q-404
(AC)
- Identificar tipos de transformado-
res.
- Descrever o funcionamento dos
transformadores.
- Descrever a constituição dos trans-
formadores.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
9. Transformadores
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 26 h
30.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS
INTERMEDIÁRIOS
Instalar baterias (acumu-
ladores) e fontes de
alimentação.
O militar deverá instalar as ba-
terias e as fontes de alimenta-
ção, observando as polaridades
corretas, no menor tempo pos-
sível.
Apresentadas as baterias e outras
fontes de alimentação dos equi-
pamentos existentes na OM.
Q-405
(HT)
- Citar os tipos de fontes de alimen-
tação:
. Conversor AC/CC;
. Pilhas; e
. Acumuladores.
- Identificar os tipos de fontes de ali-
mentação.
- Instalar os tipos de fontes de ali-
mentação, observando sempre a
polaridade.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
10. Fontes de Alimentação
Executar medidas de ten-
são e de corrente, utili-
zando o multímetro.
Os resultados obtidos pelo mi-
litar deverão ser iguais aos de-
terminados pelo instrutor.
Apresentados um multímetro e
uma BA-30.
Q-406
(HT)
- Identificar os medidores existentes
na OM.
- Descrever o uso do multímetro.
- Utilizar o multímetro.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento das tarefas constantes dos
OII.
11. Medidores
Q-408
(HT)
Realizar testes utilizando
o multímetro.
O militar deverá, utilizando cor-
retamente o multímetro, avaliar
as condições do material apre-
sentado.
Apresentado ao instruendo o se-
guinte material:
- um multímetro;
- um microfone;
- um fone;
- um alto-falante.
Q-407
(HT)
Instalar equipamentos
transdutores.
O militar deverá instalar os Eqp
transdutores no material apre-
sentado.
Apresentado um Eqp Rádio Gp II.
- Identificar os diversos tipos de mi-
crofone, fone e alto-falantes.
- Descrever, sumariamente, o funci-
onamento dos diversos tipos de mi-
crofone, fone e alto-falantes.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
12. Transdutores
14. FUNDAMENTOS DE ELETRICIDADE, MAGNETISMO
E ELETRÔNICA
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 26 h
31.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS
INTERMEDIÁRIOS
- Descrever os diversos tipos de
semi-condutores.
- Citar as características principais
dos diversos tipos de semiconduto-
res.
- Descrever o funcionamento sumá-
rio dos semicondutores.
- Citar as regras básicas para o cui-
dado e manuseio dos semiconduto-
res.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
Q-409
(HT)
Identificar os tipos de mo-
dulação utilizados nos Eqp
militares.
O militar deverá identificar cor-
retamente o tipo de modulação
de cada Eqp.
Apresentados diversos Eqp Rad
de tipos de modulação diferentes.
- Identificar os diversos tipos de mo-
dulação:
- Citar as características dos diver-
sos tipos de modulação.
- Descrever tipos de modulação.
- Descrever as características dos
diversos tipos de modulação.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
13. Modulação
Q-410
(HT)
Identificar os estágios do
receptor.
O militar deverá identificar o fun-
cionamento de cada estágio.
Apresentado um diagrama em
bloco do receptor.
14. Receptor
- Descrever o diagrama em bloco sim-
plificado.
- Descrever o funcionamento sumá-
rio dos estágios do receptor.
- Apresentar o diagrama em bloco
simplificado.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
- Descrever o funcionamento sumá-
rio dos estágios do transmissor.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
Q-411
(HT)
Identificar os estágios do
transmissor.
O militar deverá identificar o fun-
cionamento de cada estágio.
Apresentado um diagrama em
bloco do transmissor.
Q-412
(HT)
Identificar os diversos ti-
pos de semicondutores.
O militar deverá identificar cor-
retamente o tipo de cada semi-
condutor apresentado.
Apresentados tipos diversos de
semicondutores.
15. Transmissor
16. Semicondutores
a. diodos
b. transistores
14. FUNDAMENTOS DE ELETRICIDADE, MAGNETISMO
E ELETRÔNICA
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 26 h
32.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS
INTERMEDIÁRIOS
14. FUNDAMENTOS DE ELETRICIDADE, MAGNETISMO
E ELETRÔNICA
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 26 h
- Descrever os diversos tipos de
Circuitos Integrados existentes na
OM.
- Citar as características principais
dos diversos tipos de Circuitos
Integrados.
- Descrever o funcionamento su-
mário dos Circuitos Integrados mais
comuns nos Eqp Mil.
- Citar as regras básicas para o
cuidado e manuseio dos Circuitos
Integrados.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
Q-413
(HT)
Identificar os diversos ti-
pos de Circuitos Integra-
dos.
O militar deverá reconhecer e
identificar corretamente os ti-
pos de CI existentes na OM.
Apresentados tipos diversos de
Circuitos Integrados.
17. Circuitos Integrados
Q-414
(HT)
Identificar os diversos
tipos de circuitos impres-
sos.
O militar deverá reconhecer e
identificar corretamente as
variedades de placas de circui-
tos impressos existentes na
OM.
Apresentados tipos diversos de
circuitos impressos.
18. Circuitos Impressos
- Descrever os diversos tipos de
circuitos impressos.
- Demonstrar as técnicas de
elaboração das placas de circuitos
impressos.
- Descrever as técnicas de
montagem dos componentes
eletrônicos nas placas de circuitos
impressos.
- Citar as regras básicas para o
cuidado e manuseio das placas de
circuitos impressos.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
33.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS
INTERMEDIÁRIOS
15. INFORMÁTICA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 20 h
- Identificar os dispositivos de entra-
da e saída de dados;
- Identificar os botões e portas da
unidade de sistema;
- Distinguir os diversos cabos de ali-
mentação e de dados;
- Identificar acessórios.
- Descrever, sumariamente, o
funcionamento de um microcompu-
tador.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
Q-401
(HT)
Identificar os principais
periféricos e acessórios
do microcomputador.
O militar deverá reconhecer e
indentificar corretamente cada
periférico e cada acessório apre-
sentado.
Apresentados um microcompu-
tador com os periféricos e os
acessórios existentes na OM.
1. Microcomputador
a. Generalidades
b. Constituição básica
c. Princípios de funciona-
mento
d. Microprocessador
e. Unidade de armazenamen-
to principal e secundária
f. Memórias
g. A linguagem da informáti-
ca (termos empregados na área)
2. Periféricos e acessórios
a. Generalidades
b. Características
c. Tipos
d. Finalidades
- Conectar os cabos do monitor.
- Conectar os cabos da impressora.
- Ligar os cabos do teclado e do
“mouse”(dispositivo de apontamen-
to).
- Ligar o cabo de rede.
- Fazer a verificação do aterramento
e da voltagem.
- Ligar os cabos de alimentação do
microcomputador e dos periféricos
no estabilizador de energia.
- Testar o dispositivo.
- Demonstrar aptidão para o cum-
primento da tarefa constante do OII.
Q-402
(HT)
Preparar o microcompu-
tador para funcionamen-
to.
O militar deverá:
- realizar a ligação dos cabos de
alimentação e de dados;
- fazer a conexão dos periféri-
cos e acessórios; e
- verificar aterramento e volta-
gem.
- realizar os testes de funciona-
mento.
Apresentados um microcomputa-
dor com os periféricos e os aces-
sórios desconectados.
3. Instalação
a. Definições
b. Instalações
c. Ligações
d. Testes
34.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS
INTERMEDIÁRIOS
15. INFORMÁTICA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 20 h
- Citar o princípio da Inicialização do
computador.
- Descrever as principais facilidades
e ferramentas do sistema ope-
racional.
- Entender a estrutura do ambiente
gráfico: janelas, pastas e arquivos;
- Identificar e iniciar aplicativos ins-
talados.
- Descrever as principais facilidades,
recursos e ferramentas de apli-
cativos.
- Descrever o funcionamento dos
botões direito e esquerdo do mouse
no sistema operacional.
- Verificar o conteúdo do disco rígi-
do, disquete e CD-ROM.
- Descrever as operações com pas-
tas e arquivos.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
Q-403
(HT)
Descrever a finalidade e o
funcionamento do siste-
ma operacional e dos apli-
cativos.
O militar deverá descrever a fi-
nalidade e ter noções básicas
de funcionamento do sistema
operacional e dos principais apli-
cativos.
Apresentados um microcompu-
tador com o sistema operacional
e os principais aplicativos utiliza-
dos na OM.
4. Sistema Operacional
a. Generalidades
b. Tipos
c. Configurações do micro-
processador
d. Acesso a pastas e arqui-
vos
e. Ferramentas
f. Cuidados ao desligar
5. Aplicativos
a. Apresentação
b. Tipos mais utilizados
1) processador de textos
2) apresentações
3) bancos de dados
4) planilha de cálculos
5) navegadores
6) antivírus
c. Recursos, facilidades e
ferramentas
d. Abrir um novo arquivo
35.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS
INTERMEDIÁRIOS
15. INFORMÁTICA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 20 h
Q-405
(HT)
Definir as principais ca-
racterísticas de uma
rede de computadores.
O militar deverá enumerar as
principais características des-
ta rede de computadores, com-
parando-as com as de outros
tipos de rede existentes.
Estabelecida uma rede de compu-
tadores.
Q-404
(HT)
Instalar e configurar uma
impressora.
O militar deverá:
- executar as conexões neces-
sárias;
- fazer a instalação e configura-
ção da impressora no sistema
operacional.
Apresentados um computador e
uma impressora com seus
acessórios, “driver” (acionador)
de instalação e os suprimentos
necessários para o funcionamento.
6. Impressora
a. Apresentação
b. Características
c. Tipos
d. Instalação
e. Troca de suprimento
- Citar os princípios de funcionamen-
to das impressoras.
- Definir impressora matricial, jato de
tinta e laser.
- Enumerar as diferenças básicas
entre os diversos tipos de impres-
soras.
- Identificar as portas serial, parale-
la, USB.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
7. Rede de Computadores
a. Generalidades
b. Características
c. Tipos
d. Modem
e. Servidores
f. Internet
g. Intranet
h. Correio eletrônico
- Descrever, sumariamente, as ca-
racterísticas das redes de
computadores.
- Identificar os tipos e o princípio de
funcionamento do modem.
- Destacar a importância e a finalida-
de de implantação de uma rede no
Centro de Comunicações.
- Descrever as redes: Internet, intra-
net e Rede do Exército (EBNet).
- Compreender a troca de informa-
ções por correio eletrônico.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
Q-406
(HT)
Executar a manutenção de
1º Escalão.
Durante a execução da tarefa, o
militar deverá realizar as opera-
ções de manutenção de 1º Es-
calão, de acordo com as normas
vigentes.
Apresentados diversos materiais
de informática existentes na OM.
8. Manutenção do Material
a. Definição
b. Objetivos
c. Categorias
d. Responsabilidades
- Justificar a manutenção do material
de informática.
- Identificar as operações de 1º Es-
calão a serem feitas no material de
informática.
- Realizar a manutenção de 1º
Escalão.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
36.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS
INTERMEDIÁRIOS
16. LINHAS DE CAMPANHA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 30 h
- Citar e identificar os quatro tipos de
linhas de campanha: rastejante, aé-
rea, enterrada e submersa.
- Citar as vantagens e desvantagens
dos quatro tipos de linhas de campa-
nha e apresentar as situações em
que são empregadas.
- Escolher o tipo de linha de campa-
nha mais adequado a uma situação.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
1. Construção de Linhas de Cam-
panha
a. Generalidades
b. Classificação
c. Características
Identificar os tipos de
construção de linhas de
campanha.
O militar deverá apontar e iden-
tificar os três tipos de constru-
ção com 100% de acerto em um
tempo máximo de 40 segundos.
Apresentado um trecho de linha
constituído de:
- 10 metros de linha rastejante;
- 2 metros de linha enterrada;
- 3 metros de linha aérea.
Q-401
(AC)
- Identificar e descrever as técnicas
de construção das linhas de campa-
nha.
- Empregar a técnica de construção
das linhas de campanha.
. Realizar nós, emendas e amarra-
ções.
- Operar desenroladeiras mecânicas.
- Proceder as etiquetagens.
- Ligar as bobinas de carga e insta-
lar os postos de verificação das li-
nhas.
- Citar exemplos de pontos críticos.
- Identificar pontos críticos.
- Descrever os processos de trans-
posição dos diversos tipos de pon-
tos críticos.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento das tarefas constantes dos
OII.
2. Técnicas de construção das
linhas de campanha
a. nós, emendas e amarra-
ções
b. etiquetagem
c. pontos críticos
d. bobinas
e. desenroladeiras
Recolher um circuito fio.
Os militares deverão obedecer
aos seguintes quesitos:
- a construção deverá ser feita
segundo as técnicas previstas;
- o circuito será lançado e
assentado em um tempo máxi-
mo de 50 minutos.
- o circuito será recolhido em um
tempo máximo de 50 minutos;
- a manutenção deverá ser cor-
retamente executada;
- o material deverá ser entregue
limpo sem danos ou perdas.
- A uma turma de construção
constituída por quatro soldados
construtores de linhas, será for-
necido o material necessário para
a construção de um circuito de 1
Km de extensão, ao longo de uma
estrada, em terreno limpo.
- O circuito deverá ser construído
a pé, com um trecho de 900 me-
tros de linha rastejante, 90 metros
de linha aérea e 10 metros de li-
nha enterrada.
- A construção será feita com o
tempo bom.
- Será fornecido também, ao tér-
mino do recolhimento do circuito,
o material necessário à manuten-
ção.
- As tarefas serão sequenciais.
Q-403
(HT)
Q-402
(HT)
Q-404
(CH)
Construir um circuito fio
ao longo de uma estrada.
Executar a manutenção do
material empregado na
construção de um circui-
to fio.
37.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS
INTERMEDIÁRIOS
- Citar e identificar os tipos mais co-
muns de defeitos em linhas de cam-
panha.
- Fazer emendas em cabos de cam-
panha.
- Citar e empregar as técnicas de
identificação de defeitos através do
telefone.
- Reparar defeitos.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
3. Reparação de defeitos em li-
nhas de campanhaReparar linhas de campa-
nha.
O militar deverá executar a
emenda com acerto e no tempo
máximo de 3 minutos. Os pos-
tes deverão ser levantados e
estaiados no tempo máximo de
10 minutos.
- Apresentado um trecho de linha
danificado, em que o fio duplo te-
lefônico arrebentou e dois postes
caíram.
- Fornecido o material necessário
à reparação da linha.
Q-405
(HT)
- Descrever um posto de verifica-
ção.
- Citar as características de um pos-
to de verificação.
- Escolher o local e instalar um posto
de verificação.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
4. Postos de verificação
a. Generalidades
b. Características
c. Instalação
Instalar postos de verifi-
cação.
O militar deverá instalar o posto
de verificação no tempo máxi-
mo de 3 minutos.
Fornecido o material necessário
para a instalação de um posto de
verificação, bem como o suporte
onde deverá ser instalado.
Q-406
(HT)
16. LINHAS DE CAMPANHA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 30 h
38.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS
INTERMEDIÁRIOS
16. LINHAS DE CAMPANHA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 30 h
- Descrever o funcionamento de um
Centro de Construção.
- Identificar as diversas partes que
compõem um Centro de Construção.
- Instalar um Centro de Construção.
- Identificar o aparelho de testes de
linhas de Centro de Construção.
- Descrever o funcionamento e ope-
ração do teste de linhas.
- Operar um Centro de Construção.
- Realizar a manutenção do material.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
5. Centro de Construção
a. Instalação
b. Teste de linhas
Ligar linhas e circuitos às
réguas de terminais.
O militar deverá retirar a cama-
da isolante das extremidades
dos cabos e ligá-los aos termi-
nais indicados pelo Chefe do
Centro de Construção e aos ter-
minais da régua da Central Tele-
fônica.
A tarefa deverá ser executada
no tempo máximo de 3 minutos.
Na área de Posto de Comando, o
Chefe do Centro de Construção
indicará as réguas e os terminais
a que deverão ser ligados os
cabos de circuitos troncos e da
ligação Central – Centro de Cons-
trução; cinco metros ao lado,
deverá estar a central telefônica
do PC com suas réguas terminais.
O instruendo terá nas mãos, cor-
retamente identificados, dois
cabos oriundos de uma central
fictícia distante e os cabos neces-
sários à ligação Central – Centro
de Construção, bem como o
material necessário à ligação.
Q-407
(HT)
- Identificar, descrever e aplicar a
técnica de construção de ramais lo-
cais.
- Identificar, descrever e aplicar as
normas de instalação de telefones
de campanha.
- Realizar a manutenção do material.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
6. Ramais locais
a. Generalidades
b. Características
c. Técnicas de construção
d. Instalação de telefones de
campanha
Construir um ramal local.
O militar deverá instalar, com
acerto, o telefone na barraca. A
lista telefônica deverá estar
acessível ao assinante e prote-
gida das intempéries.
A construção do ramal deverá
ser feita segundo a técnica es-
tabelecida e, ao término da cons-
trução, deverá estar operando
normalmente.
A tarefa deverá ser executada
em um tempo máximo de 10
minutos.
Em área de PC, existindo a barraca
da Central e, a 100 metros de dis-
tância, a barraca do Comandante;
na barraca da Central, do lado ex-
terno, uma régua de terminais li-
gada à Central. São fornecidos, ao
instruendo, o material necessário
para a construção do ramal local,
ligando a régua terminal da Cen-
tral à barraca do Comandante, bem
como o telefone e a lista telefôni-
ca.
Q-408
(HT)
39.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS
INTERMEDIÁRIOS
16. LINHAS DE CAMPANHA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 30 h
Escrever nas etiquetas o
codinome das Unidades.
O militar deverá procurar, no
índice, as instruções relativas
à identificação dos circuitos e
encontrá-los em um tempo
máximo de 2 minutos.
O militar deverá identificar,
nas IE Com Elt, as informa-
ções necessárias e transcre-
ver nas etiquetas o codinome
encontrado para cada unidade.
A tarefa deverá ser executa-
da em um tempo máximo de
10 minutos e com 100% de
acerto.
- Fornecidos um exemplar das
IE Com Elt que contenha as ins-
truções relativas à identificação
de circuitos, um lápis “crayon”
e uma relação de dez Unidades
cujos circuitos, previstos nas
citadas IE Com Elt, precisem ser
identificados.
- Fornecidas 40 etiquetas que
possibilitam a escrita a lápis.
Q-409
(AC)
- Identificar as diversas instruções
constantes das IE Com Elt.
- Aplicar as instruções constantes
das IE Com Elt necessárias ao exer-
cício de função de Cabo Construtor.
- Identificar o diagrama de circuitos.
- Descrever o diagrama de circui-
tos.
- Citar a finalidade do diagrama de
circuitos.
- Utilizar as informações fornecidas
pelo diagrama de circuitos.
- Identificar a carta de itinerário de
linhas.
- Descrever a carta de itinerário de
linhas.
- Citar a finalidade da carta de itine-
rário de linhas.
- Utilizar as informações fornecidas
pela carta de itinerário de linhas.
- Distinguir os diferentes processos
de identicação dos circuitos.
- Distinguir as condições de empre-
go, vantagens e desvantagens dos
diferentes processos de identica-
ção dos circuitos.
- Identificar nas IE Com Elt as instru-
ções relativas à identificação dos
circuitos.
- Aplicar as instruções contidas nas
IE Com Elt relativas à identificação
dos circuitos.
- Demonstrar aptidão para o cum-
primento da tarefa constante do OII.
7. Documentação das IE Com Elt
(Diagrama de Circuitos e Carta
de Itinerário de Linhas)
a. Definição
b. Finalidade
c. Classificação sigilosa
d. Forma
e. Manuseio
8. Processos de identificação
dos circuitos
40.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS
INTERMEDIÁRIOS
17. MANUTENÇÃO, AJUSTAGEM E REPARAÇÃO DOS
EQUIPAMENTOS DE COMUNICAÇÕES
Identificar o material com-
ponente do conjunto de
ferramentas e os equipa-
mentos necessários à
manutenção do material
de Comunicações.
Identificar todos os equipamen-
tos e as ferramentas correta-
mente.
Apresentados os equipamentos
e as ferramentas componentes
do conjunto de dotação da OM.
Q-401
(AC)
- Citar os cuidados a serem tomados
no uso das ferramentas e equipa-
mentos.
- Identificar as ferramentas e equi-
pamentos utilizados na manutenção.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
1. Introdução aos trabalhos de
bancada
a. Ferramental de manutenção
b. Equipamentos utilizados
TEMPO ESTIMADO DIURNO: 70 h
Soldar fios.
Q-402
(HT)
Apresentados um ferro de soldar,
um alicate apropriado, fios e sol-
das.
O militar deverá executar uma
solda que apresente resistên-
cia à tração e boa condutibilida-
de elétrica.
- Descrever os passos para
realização do trabalho de solda.
- Citar os cuidados a serem tomados
nos trabalhos de solda.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
2. Técnica de solda
Auxiliar o Mec Eqp Eltr, no
escalão autorizado, na
execução da manutenção,
ajustagem e reparação de
telefones e centrais tele-
fônicas de campanha.
Q-403
(HT)
Apresentados um exemplar de
cada tipo de central telefônica e
telefone existente na OM e o ma-
terial necessário à manutenção.
Auxiliar a execução da manuten-
ção de cada material apresenta-
do, de acordo com as normas
preconizadas.
- Distinguir a competência de manu-
tenção da OM.
- Citar as principais características e
identificar os componentes do mate-
rial de Com fio existente na OM.
- Distinguir manutenção preventiva
de corretiva.
- Descrever as operações neces-
sárias à manutenção, no escalão
autorizado, do material de Comuni-
cações fio existente na OM.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
3. Manutenção do material de
Comunicações fio
- Centrais telefônicas e telefo-
nes
- Auxiliar o Mec Eqp Eltr,
no escalão autorizado, na
execução da manutenção,
ajustagem e reparação de
conjuntos rádio.
Q-404
(HT)
- Apresentados um exemplar de
cada tipo de conjunto rádio exis-
tente na OM e o material necessá-
rio à manutenção.
- Auxiliar a execução da manu-
tenção de cada conjunto rádio
apresentado, de acordo com as
normas preconizadas.
- Distinguir a competência de manu-
tenção da OM.
- Citar as principais características e
identificar os componentes dos con-
juntos rádio existentes na OM.
- Descrever as operações neces-
sárias à manutenção, no escalão
autorizado, dos conjuntos rádio exis-
tentes na OM.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
4. Manutenção do material de
Comunicações rádio
41.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS
INTERMEDIÁRIOS
18. MANUTENÇÃO DO MATERIAL TEMPO ESTIMADO DIURNO: 32 h
Q-401
(CH)
Executar a manutenção de
1º Escalão dos materiais
da OM.
- Justificar a manutenção do mate-
rial.
- Distinguir manutenção corretiva de
manutenção preventiva.
- Identificar as operações de 1º Es-
calão a serem feitas no material.
- Realizar manutenção de 1º Esca-
lão.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
1. Manutenção do material
a. Definição
b. Objetivo
c. Importância
d. Categorias
e. Preventiva e corretiva
f. Responsabilidades
g. Manutenção de 1º Es-
calão
1) Significado
2) Importância
Durante a execução da tarefa, o
militar deverá realizar as opera-
ções de manutenção de 1º Es-
calão, de acordo com as normas
regulamentares.
Apresentados diversos materiais
encontrados em uma OM de Co-
municações.
42.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS
INTERMEDIÁRIOS
19. MÁQUINAS DE ARMAZÉM TEMPO ESTIMADO DIURNO: 84 h
Q-401
(AC)
Conhecer os tipos de
máquinas de armazém da
OM .
- Avaliar a necessidade de emprego
da empilhadeira para movimentação
de suprimentos nos armazéns.
- Citar os tipos e as características
das empilhadeiras mecânicas exis-
tentes na OM.
- Conhecer o funcionamento da
empilhadeira e de seus dispositivos.
- Ficar em condições de coordenar,
inspecionar ou dirigir as atividades
de trabalho da Turma de Operadores
de Máquinas de Armazém.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
1. Emprego da empilhadeira.
2. Tipos de empilhadeiras quan-
to à(ao)
a. Capacidade de carga
b. Combustível utilizado
1) a Óleo Diesel
2) a Gás Veicular
3) Elétrico
c. Dispo de carregamento
1) Forquilha
2) Plataforma elevadora
3. Turma de Operadores de
Máquinas de Armazém
O militar deverá reconhecer o(s)
tipo(s) e as características da(s)
empilhadeiras(s) apresenta-
da(s), bem como conhecer o
funcionamento de todos os
seus dispositivos.
Apresentada(s) a(s) empilha-
deira(s) existente(s) na OM.
Q-402
(OP/AC)
Conduzir e operar uma
empilhadeira mecânica.
- Operar os dispositivos de marcha
e direção.
- Posicionar a empilhadeira para re-
colhimento e para a descarga de
material.
- Operar a forquilha ou a plataforma
elevadora para o recolhimento da
carga a transportar.
- Recolher a carga disposta em
plataforma de madeira (“palet”), er-
guendo-a para transportá-la ao local
determinado.
- Conduzir, no interior do armazém
ou depósito, a empilhadeira carre-
gada, observando as medidas de
segurança.
- Movimentar a forquilha ou a plata-
forma elevadora da empilhadeira até
a altura necessária para descarre-
gar a carga tranportada sobre o solo
ou sobre fardos, sacos ou caixas já
empilhadas.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
4. Dispositivos de marcha e
direção
5. Operação da forquilha e da
plataforma elevadora
6. Transporte de cargas paleti-
zadas
O militar deverá conduzir a
empilhadeira mecânica com se-
gurança e efetuar com acerto os
trabalhos designados pelo
instrutor.
Apresentados uma empilhadeira,
um itinerário balizado no interior
de um armazém ou depósito, e
tipos variados de cargas dispos-
tas em plataformas de madeira
(“palets”).
43.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS
INTERMEDIÁRIOS
19. MÁQUINAS DE ARMAZÉM TEMPO ESTIMADO DIURNO: 84 h
Q-403
(OP/AC)
Efetuar o carregamento e
o descarregamento de
uma viatura.
- Deslocar a empilhadeira carregada
até a lateral ou a traseira da viatura a
ser carregada e efetuar o carrega-
mento.
- Deslocar a empilhadeira até a lateral
ou a traseira de viatura a ser
descarregada e descarregá-la.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
7. Efetuar o carregamento de
uma viatura com auxílio de em-
pilhadeira
8. Descarregar a carga de
uma viatura com auxílio de em-
pilhadeira
O militar deverá, operando a
empilhadeira, carregar a viatura
com os materiais apresentados
e, posteriormente, descarregá-
la.
Apresentados uma viatura de car-
ga (2 1/2 T ou superior), uma
empilhadeira e tipos variados de
cargas dispostas em plataformas
de madeira (“palets”).
Q-404
(OP/AC)
Realizar a manutenção de
1º Escalão de empilhadeira
mecânica.
- Limpar a empilhadeira.
- Lubrificar as partes móveis, segun-
do a carta de lubrificação.
- Completar os niveis de óleo, água e
combustível (quando for o caso).
- Recarregar as baterias (quando for
o caso).
- Realizar os reapertos necessários.
- Calibrar os pneus.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
9. Manutenção de 1º Escalão
A manutenção deverá ser reali-
zada de forma correta e de acor-
do com as normas técnicas.
Apresentada uma empilhadeira
mêcanica.
44.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS
INTERMEDIÁRIOS
- Citar os princípios de funciona-
mento de geradores de CC.
- Citar os tipos de geradores de CC.
- Definir motores e geradores.
- Citar os princípios da operação de
motores de CC.
- Descrever motor básico de CC.
- Citar a regra da mão direita.
- Enunciar a teoria do motor básico
de CC.
- Identificar motor paralelo, série e
composto.
- Descrever, sumariamente, gerado-
res monofásicos e polifásicos.
- Citar as propriedades elétricas das
conexões Delta e Épsilon.
- Definir motores de CA.
- Enumerar as teorias do motor de CA.
- Demonstrar aptidão para o cum-
primento das tarefas constantes
dos OII.
1. Geradores e motores de cor-
rente contínua (CC)
2. Geradores e motores de cor-
rente alternada (CA)
20. MÁQUINAS DE CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 70 h
Q-401
(AC)
Identificar motores e ge-
radores de CC e CA e des-
crever, de forma sumária,
seu funcionamento.
- Apresentados motores e gera-
dores existentes na OM.
O militar deverá identificar cor-
retamente o tipo de corrente e
descrever, com acerto, o funcio-
namento do gerador – motor
apresentado.
Q-402
(HT)
Operar máquinas de CC e
CA.
- Apresentadas as máquinas de
CC e CA usadas pelo pessoal de
Comunicações na alimentação elé-
trica dos sistemas de rádio e
telefonia.
O militar deverá operar corre-
tamente as máquinas apresen-
tadas.
45.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS
INTERMEDIÁRIOS
20. MÁQUINAS DE CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 70 h
Q-404
(CH )
Preparar instalações elé-
tricas para equipamentos
de som, rádio e telefonia.
Desdobrada uma instalação mi-
litar no terreno e apresentados os
geradores e demais dispositivos
elétricos existentes na OM.
O militar deverá instalar o gera-
dor e lançar a fiação elétrica para
ligação dos equipamentos de
som, rádio e telefonia.
4. Instalações elétricas
5. Fusíveis e disjuntores
- Calcular a carga e a distribuição de
potência em cada fase da rede
elétrica instalada.
- Instalar fusíveis e disjuntores
compatíveis com as cargas instala-
das e fiação lançada.
- Energizar os equipamentos eletro-
eletrônicos instalados na rede
elétrica.
- Verificar o correto funcionamento
dos circuitos de iluminação e dos
demais, necessários às atividades
da instalação militar.
- Verificar o perfeito funcionamento
dos sistemas de som, rádio e telefo-
nia.
- Aplicar as regras de segurança no
manuseio do material elétrico.
- Demonstrar aptidão para o cum-
primento da tarefa constante do OII.
Q-403
(CH )
Executar a manutenção
de geradores de CC e
motores de CA da OM.
Apresentados um gerador de CC
e um motor de CA.
- O militar deverá executar a
manutenção de acordo com os
manuais técnicos do material.
3. Manutenção de máquinas de
CC e CA
- Realizar testes de precisão de equi-
pamentos elétricos utilizados nos
sistemas de rádio e telefone, tais
como geradores e dínamos, utilizan-
do o multímetro.
- Descrever as operações de ma-
nutenção.
- Fazer a manutenção normal ou es-
pecial de dispositivos elétricos de
rádio e telefone.
- Executar a soldagem de fios e re-
sistências utilizados nos equipamen-
tos elétricos.
-Realizar a Manutenção dos Equipa-
mentos ulilizados nos serviços de
reparo.
- Demonstrar aptidão para o cum-
primento da tarefa constante do OII.
46.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS
INTERMEDIÁRIOS
21. MATEMÁTICA APLICADA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 05 h
Calcular razões e propor-
ções.
Apresentadas dez questões sim-
ples sobre razões e proporções
em ordem crescente de dificulda-
de e de complexidade.
O militar deverá solucionar 70%
das questões com acerto, no
mínimo.
Q-402
(AC)
Solucionar questões de
aritmética.
Formuladas vinte questões obje-
tivas de aritmética em ordem de
complexidade e de dificuldade
crescentes.
O militar deverá demonstrar
perfeito conhecimento das qua-
tro operações fundamentais,
isoladamente e em conjunto.
Deverá operar com números in-
teiros e fracionários, obtendo,
no mínimo, 70% de resultados
corretos.
Q-401
(AC)
Calcular os comprimen-
tos das antenas a partir
das freqüências de ope-
ração dos transmissores
e receptores.
Apresentados os tipos de antenas
mais empregados e as freqüên-
cias de operação dos diversos
Conjuntos Rádios existentes na
OM.
O militar deverá calcular corre-
tamente os comprimentos de
antenas, solucionando com
acerto as questões que lhe fo-
rem apresentadas.
Q-404
(AC)
- Resolver problemas simples de ra-
zões e proporções.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
2. Razões e proporções
- Fazer as quatro operações aritmé-
ticas fundamentais.
- Operar com números inteiros e fra-
cionários.
- Resolver problemas sobre as qua-
tro operações.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
1. Operações aritméticas funda-
mentais
a. Adição
b. Subtração
c. Multiplicação
d. Divisão
- Calcular o comprimento de uma
antena, com base na freqüência
de operação.
- Demonstrar aptidão para o cum-
primento da tarefa constante do
OII.
3. Conversão de unidades de
medidas de freqüências
4. Cálculo de antenas
Converter unidades de
medidas.
Apresentados os valores de fre-
qüências em Hz, KHz, MHz e GHz.
O militar deverá fazer a conver-
são de unidades, solucionando
com acerto, no minimo, 70% das
questões apresentadas.
Q-403
(AC)
- Converter unidades de medidas de
freqüência.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
47.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS
INTERMEDIÁRIOS
22. MATERIAL DE COMUNICAÇÕES FIO TEMPO ESTIMADO DIURNO: 21 h
1. Fio duplo telefônico
2. Cabos múltiplos
Identificar fios telefôni-
cos e cabos múltiplos.
- Citar os tipos de desenroladeiras.
- Citar as características de cada de-
senroladeira.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
4. Desenroladeiras
a. Apresentação
b. Características
c. Operação
Colocar bobinas em de-
senroladeiras.
O militar deverá identificar as
desenroladeiras adequadas e
colocar as bobinas corretamen-
te.
Apresentadas três bobinas dife-
rentes com fio duplo telefônico e
várias desenroladeiras manuais.
Q-403
(HT)
- Citar os tipos de fios.
- Citar as características do fio duplo
telefônico.
- Empregar o fio duplo telefônico.
- Citar a finalidade do cabo múltiplo.
- Citar as características do cabo
múltiplo.
- Empregar o cabo múltiplo.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
Q-401
(AC)
- Identificar o material utilizado na
construção de linhas.
- Descrever o uso do material diver-
so.
- Utilizar o material diverso.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
5. Material de construção de li-
nhas
a. Caixas e armações
b. Escadas
c. Varas
d. Lança-forquilhas
e. Luvas
f. Réguas terminais
Identificar os diversos
materiais empregados na
construção de linhas.
O militar deverá fazer a ligação
corretamente, de modo que
seja possível estabelecer uma
conversação entre os dois pon-
tos.
Apresentados dois telefones
magnéticos com todos os seus
componentes.
Q-405
(HT)
- Citar as características do telefone
magnético.
- Operar o telefone magnético.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
6. Telefones Magnéticos
a. Características
b. Emprego
c. Verificação
d. Operação
e. Cuidados com o Eqp
Fazer uma ligação ponto a
ponto.
- Citar os tipos de bobinas.
- Citar a capacidade em fios de cada
bobina.
- Empregar as bobinas.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
3. Bobinas
a. Capacidade em fios duplos
telefônicos
b. Capacidade em cabos
Distinguir os diversos ti-
pos de bobinas.
O militar deverá fazer a correta
distinção das bobinas.
Apresentados cinco tipos de bo-
binas vazias e irregularmente dis-
postas.
Q-402
(AC)
Apresentados os tipos de fios e
cabos múltiplos empregados pe-
las Comunicações da OM.
O militar deverá identificar os
fios e os cabos múltiplos com
100% de acerto.
Q-404
(AC)
Apresentados os diversos mate-
riais utilizados para a construção
de linhas.
O militar deverá identificar cor-
retamente cada um dos materi-
ais apresentados.
48.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS
INTERMEDIÁRIOS
22. MATERIAL DE COMUNICAÇÕES FIO TEMPO ESTIMADO DIURNO: 21 h
- Citar as características do telefo-
ne de campanha.
- Testar o telefone de campanha.
- Operar o telefone de campanha.
- Citar as características do telefo-
ne amplificador.
- Operar o telefone amplificador.
- Descrever o emprego dos equi-
pasmentos de instalador.
- Empregar os equipamentos do ins-
talador.
- Demonstrar aptidão para o cum-
primento da tarefa constante do OII.
7. Telefones de campanha
a. Características
b. Emprego
c. Verificação
d. Operação
8. Telefones Amplificadores
a. Características
b. Emprego
c. Verificação
d. Operação
e. Cuidados com o Eqp
9. Características e manutenção
orgânica dos equipamentos do
instalador
Realizar os testes de fun-
cionamento do telefone
de campanha.
- Justificar a manutenção do mate-
rial de Comunicações.
- Distinguir manutenção preventiva
de manutenção corretiva.
- Descrever as operações de ma-
nutenção de 1º Escalão.
- Demonstrar aptidão para o cum-
primento da tarefa constante do OII.
12. Manutenção do material
a. Definições
b. Objetivo
c. Importância
d. Categoria
e. Preventiva e corretiva
f. Responsabilidades
13. Manutenção de 1º Escalão
Executar a manutenção de
1º Escalão do material de
Comunicações fio.
O militar deverá realizar a ma-
nutenção de 1º Escalão de cada
material, de acordo com as nor-
mas preconizadas.
Apresentado cada tipo de materi-
al de Comunicações fio existente
na OM e o material necessário à
manutenção de 1º Escalão.
Q-409
(CH)
Q-406
(HT)
- Citar os tipos de centrais telefôni-
cas de campanha.
- Citar as características das cen-
trais telefônicas.
- Instalar e testar as centrais.
- Demonstrar aptidão para o cum-
primento da tarefa constante do OII.
10. Centrais telefônicas de cam-
panha
a. Tipos
b. Características
c. Instalação
d. Verificação
e. Operação
Instalar uma central tele-
fônica.
O militar deverá:
- instalar a central;
- realizar os testes prelimina-
res para o funcionamento; e
- ligar os telefones à central.
Fornecidos uma central telefôni-
ca, seus acessórios e dois tele-
fones de campanha com suas
respectivas linhas.
Q-407
(HT)
Apresentados os telefones de
campanha existentes na OM, com
todos os seus componentes.
O militar deverá colocar as ba-
terias e fazer as verificações de
funcionamento, deixando os
telefones em condições de se-
rem utilizados.
Q-408
(CH)
Instalar uma central tele-
fônica automática de cam-
panha.
Apresentada uma central telefô-
nica automática de campanha,
seus acessórios e dois telefones
de campanha com suas respecti-
vas linhas.
11. Centrais telefônicas automá-
ticas de campanha
a. Características
b. Instalação
c. Verificação
d. Operação
- Citar as características das cen-
trais automáticas de campanha.
- Instalar e testar a central.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
O militar deverá:
- instalar a central automática;
- realizar os testes prelimina-
res para o funcionamento; e
- ligar os telefones à central.
49.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS
INTERMEDIÁRIOS
23. MATERIAL DE COMUNICAÇÕES RÁDIO TEMPO ESTIMADO DIURNO: 21 h
- Citar as características dos equi-
pamentos rádios dentro dos diferen-
tes grupos.
- Identificar os diversos equipamen-
tos dentro dos respectivos grupos.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
1. Nomenclatura do material de
Comunicações rádio
- Divisão dos grupos rádios
2. Conjuntos Rádios existentes
na OM
Identificar os conjuntos
rádios pelos grupos.
- Identificar componentes do conjun-
to rádio.
- Instalar o equipamento.
- Operar o equipamento.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
4. Conjuntos Rádios do Grupo II
a.Apresentação
b.Características
c.Componentes
d.Controles
e.Operação
f. Cuidados com o material
Registrar freqüências em
um Conjunto Rádio do
Grupo II.
O militar deverá ligar, registrar a
freqüência e testar o equipa-
mento, deixando-o em condi-
ções de ser operado.
Apresentados uma frequência de
operações e um Conjunto Rádio
do Grupo II com todos seus com-
ponentes e acessórios.
Q-403
(OP)
Q-401
(AC)
- Citar as características do conjun-
to rádio.
- Identificar chaves e controles.
- Preparar o Eqp para a operação.
- Operar o equipamento.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
3. Conjuntos Rádios do Grupo I
a.Apresentação
b.Características
c.Componentes
d.Controles
e.Operação
f. Cuidados com o material
Operar Conjunto Rádio do
Grupo I.
O militar deverá ligar e testar o
equipamento, deixando-o em
condições de ser operado.
Apresentado um Conjunto Rádio
do Grupo I com todos seus com-
ponentes e acessórios.
Q-402
(HT)
Apresentada uma exposição de
todo o material rádio existente na
OM.
O militar deverá cumprir a tare-
fa com 100% de acerto.
- Citar as características do conjun-
to rádio.
- Identificar chaves e controles.
- Identificar componentes do conjun-
to rádio.
- Instalar o equipamento.
- Operar o equipamento.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
5. Conjuntos Rádios do Grupo III
a.Apresentação
b.Características
c.Componentes
d.Controles
e.Operação
f. Cuidados com o material
Instalar Conjunto Rádio do
Grupo III em viatura.
Q-404
(HT)
Apresentados um conjunto Rádio
do Grupo III com todos seus com-
ponentes e acessórios e as con-
dições necessárias à instalação
em viatura.
O militar deverá:
- instalar o Conjunto Rádio na
viatura;
- ligar e testar o equipamento; e
- deixar o equipamento em con-
dições de ser operado.
50.00
OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO
SUGESTÕES PARA
TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS
INTERMEDIÁRIOS
23. MATERIAL DE COMUNICAÇÕES RÁDIO TEMPO ESTIMADO DIURNO: 21 h
6. Conjuntos Rádios do Grupo IV
a. Apresentação
b. Características
c. Componentes
d. Controles
e. Instalação
f. Sintonia
g. Operação
h. Cuidados com o equipamento
Instalar Conjunto Rádio do
Grupo IV em viatura.
Apresentados um Conjunto Rádio
Grupo IV com todos os seus com-
ponentes e acessórios e as con-
dições necessárias à instalação
em viatura.
Q-405
(HT)
- Justificar a manutenção do material
de Comunicações.
- Distinguir manutenção preventiva
de corretiva.
- Citar as operações de manutenção
de 1º Escalão.
- Identificar as operações de Mnt de
1º Escalão a serem feitas no material
de Comunicações.
- Realizar manutenção de 1º Esc.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento da tarefa constante do OII.
9. Manutenção do Material
a. Definições
b. Objetivo
c. Importância
d. Categoria
e. Preventiva e Corretiva
f. Responsabilidade
10. Manutenção de 1º Escalão
Executar a manutenção de
1º Escalão do Material de
Comunicações Rádio.
Q-408
(CH)
Apresentados cada tipo de mate-
rial de Comunicações rádio exis-
tente na OM e o material
necessário à manutenção de 1º
Escalão.
O militar deverá executar a ma-
nutenção de 1º Escalão de cada
material, de acordo com as nor-
mas preconizadas.
- Citar as características do Conjun-
to Rádio.
- Identificar chaves e controles.
- Identificar componentes do conjun-
to rádio.
- Instalar o conjunto rádio.
- Sintonizar o conjunto rádio.
- Operar o conjunto rádio.
- Demonstrar aptidão para o cumpri-
mento das tarefas constantes dos OII.
7. Conjuntos Rádios do Grupo V
a. Apresentação
b. Características
c. Componentes
d. Controles
e. Instalação
f. Sintonia
g. Operação
h. Cuidados com o equipamento
Instalar Conjunto Rádio do
Grupo V em viatura.
O militar deverá:
- instalar o conjunto rádio em
uma viatura adequada;
- ligar e testar o equipamento;
- deixar o equipamento em con-
dições de ser operado.
Apresentados um Conjunto Rádio
Grupo V com todos os seus com-
ponentes e acessórios e as con-
dições necessárias à instalação
em viatura.
Q-406
(HT)
Instalar Conjunto Rádio do
Grupo VI em viatura.
Apresentados um Conjunto Rádio
Grupo VI com todos os seus com-
ponentes e acessórios e as con-
dições necessárias à instalação
em viatura.
Q-407
(HT)
8. Conjuntos Rádios do Grupo VI
a. Apresentação
b. Características
c. Componentes
d. Controles
e. Instalação
f. Sintonia
g. Operação
h. Cuidados com o equipamento
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE COMUNICAÇÕES PPQ 11/2
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE COMUNICAÇÕES PPQ 11/2
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE COMUNICAÇÕES PPQ 11/2
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE COMUNICAÇÕES PPQ 11/2
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE COMUNICAÇÕES PPQ 11/2
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE COMUNICAÇÕES PPQ 11/2
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE COMUNICAÇÕES PPQ 11/2
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE COMUNICAÇÕES PPQ 11/2
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE COMUNICAÇÕES PPQ 11/2
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE COMUNICAÇÕES PPQ 11/2
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE COMUNICAÇÕES PPQ 11/2
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE COMUNICAÇÕES PPQ 11/2
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE COMUNICAÇÕES PPQ 11/2
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE COMUNICAÇÕES PPQ 11/2
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE COMUNICAÇÕES PPQ 11/2
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE COMUNICAÇÕES PPQ 11/2
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE COMUNICAÇÕES PPQ 11/2
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE COMUNICAÇÕES PPQ 11/2
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE COMUNICAÇÕES PPQ 11/2
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE COMUNICAÇÕES PPQ 11/2
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE COMUNICAÇÕES PPQ 11/2
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE COMUNICAÇÕES PPQ 11/2
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE COMUNICAÇÕES PPQ 11/2
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE COMUNICAÇÕES PPQ 11/2
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE COMUNICAÇÕES PPQ 11/2
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE COMUNICAÇÕES PPQ 11/2

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

CADERNO DE INSTRUÇÃO PELOTÃO DE EXPLORADORES CI 17-1/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO PELOTÃO DE EXPLORADORES CI 17-1/1CADERNO DE INSTRUÇÃO PELOTÃO DE EXPLORADORES CI 17-1/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO PELOTÃO DE EXPLORADORES CI 17-1/1
Falcão Brasil
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE INFANTARIA ...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE INFANTARIA ...PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE INFANTARIA ...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE INFANTARIA ...
Falcão Brasil
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE ENGENHARIA ...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE ENGENHARIA ...PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE ENGENHARIA ...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE ENGENHARIA ...
Falcão Brasil
 
CAPACITAÇÃO TÉCNICA E TÁTICA DO EFETIVO PROFISSIONAL CTTEP EDIÇÃO 2009
CAPACITAÇÃO TÉCNICA E TÁTICA DO EFETIVO PROFISSIONAL CTTEP EDIÇÃO 2009 CAPACITAÇÃO TÉCNICA E TÁTICA DO EFETIVO PROFISSIONAL CTTEP EDIÇÃO 2009
CAPACITAÇÃO TÉCNICA E TÁTICA DO EFETIVO PROFISSIONAL CTTEP EDIÇÃO 2009
Falcão Brasil
 
MANUAL DE CAMPANHA INSTALAÇÕES NA ZONA DE COMBATE C 5-39
MANUAL DE CAMPANHA INSTALAÇÕES NA ZONA DE COMBATE C 5-39MANUAL DE CAMPANHA INSTALAÇÕES NA ZONA DE COMBATE C 5-39
MANUAL DE CAMPANHA INSTALAÇÕES NA ZONA DE COMBATE C 5-39
Falcão Brasil
 
PROGRAMA DE INSTRUÇÃO MILITAR EB70-P-11.001
PROGRAMA DE INSTRUÇÃO MILITAR EB70-P-11.001PROGRAMA DE INSTRUÇÃO MILITAR EB70-P-11.001
PROGRAMA DE INSTRUÇÃO MILITAR EB70-P-11.001
Falcão Brasil
 
MANUAL DE CAMPANHA A ENGENHARIA DIVISIONÁRIA C 5-31
MANUAL DE CAMPANHA A ENGENHARIA DIVISIONÁRIA C 5-31MANUAL DE CAMPANHA A ENGENHARIA DIVISIONÁRIA C 5-31
MANUAL DE CAMPANHA A ENGENHARIA DIVISIONÁRIA C 5-31
Falcão Brasil
 
MANUAL DE CAMPANHA REGIMENTO DE CAVALARIA MECANIZADO C 2-20
MANUAL DE CAMPANHA REGIMENTO DE CAVALARIA MECANIZADO C 2-20MANUAL DE CAMPANHA REGIMENTO DE CAVALARIA MECANIZADO C 2-20
MANUAL DE CAMPANHA REGIMENTO DE CAVALARIA MECANIZADO C 2-20
Falcão Brasil
 
72479838 charlies-mykes
72479838 charlies-mykes72479838 charlies-mykes
72479838 charlies-mykes
Fabiano Almeida
 
OPERAÇÕES INTERAGÊNCIAS MD33-M-12
OPERAÇÕES INTERAGÊNCIAS MD33-M-12OPERAÇÕES INTERAGÊNCIAS MD33-M-12
OPERAÇÕES INTERAGÊNCIAS MD33-M-12
Falcão Brasil
 
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS MORTEIRO 81 mm ROYAL ORDNANCE IP 23-90
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS MORTEIRO 81 mm ROYAL ORDNANCE IP 23-90 INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS MORTEIRO 81 mm ROYAL ORDNANCE IP 23-90
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS MORTEIRO 81 mm ROYAL ORDNANCE IP 23-90
Falcão Brasil
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL BÁSICA EB70-PP-11.011
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL BÁSICA EB70-PP-11.011PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL BÁSICA EB70-PP-11.011
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL BÁSICA EB70-PP-11.011
Falcão Brasil
 
Equipamentos Táticos para Técnicas Verticais do Comando de Operações Táticas
Equipamentos Táticos para Técnicas Verticais do Comando de Operações TáticasEquipamentos Táticos para Técnicas Verticais do Comando de Operações Táticas
Equipamentos Táticos para Técnicas Verticais do Comando de Operações Táticas
Falcão Brasil
 
ADESTRAMENTO BÁSICO DAS UNIDADES DE INFANTARIA DE MONTANHA PPA INF/5
ADESTRAMENTO BÁSICO DAS UNIDADES DE INFANTARIA DE MONTANHA PPA INF/5ADESTRAMENTO BÁSICO DAS UNIDADES DE INFANTARIA DE MONTANHA PPA INF/5
ADESTRAMENTO BÁSICO DAS UNIDADES DE INFANTARIA DE MONTANHA PPA INF/5
Falcão Brasil
 
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS LANÇA-ROJÃO 84 mm (AT-4) IP 23-34
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS LANÇA-ROJÃO 84 mm (AT-4) IP 23-34INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS LANÇA-ROJÃO 84 mm (AT-4) IP 23-34
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS LANÇA-ROJÃO 84 mm (AT-4) IP 23-34
Falcão Brasil
 
R-4 Regulamento Disciplinar do Exército (RDE)
R-4 Regulamento Disciplinar do Exército (RDE)R-4 Regulamento Disciplinar do Exército (RDE)
R-4 Regulamento Disciplinar do Exército (RDE)
Falcão Brasil
 
GCFN 0-1 - Manual de Fundamentos de Fuzileiros Navais
GCFN 0-1 - Manual de Fundamentos de Fuzileiros NavaisGCFN 0-1 - Manual de Fundamentos de Fuzileiros Navais
GCFN 0-1 - Manual de Fundamentos de Fuzileiros Navais
Falcão Brasil
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO O PELOTÃO DE FUZILEIROS NO COMBATE EM ÁREA EDIFICADA CI ...
CADERNO DE INSTRUÇÃO O PELOTÃO DE FUZILEIROS NO COMBATE EM ÁREA EDIFICADA CI ...CADERNO DE INSTRUÇÃO O PELOTÃO DE FUZILEIROS NO COMBATE EM ÁREA EDIFICADA CI ...
CADERNO DE INSTRUÇÃO O PELOTÃO DE FUZILEIROS NO COMBATE EM ÁREA EDIFICADA CI ...
Falcão Brasil
 
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS CANHÃO SEM RECUO 84 mm (CSR 84 mm) - CARL GUSTAF IP 23...
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS CANHÃO SEM RECUO 84 mm (CSR 84 mm) - CARL GUSTAF IP 23...INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS CANHÃO SEM RECUO 84 mm (CSR 84 mm) - CARL GUSTAF IP 23...
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS CANHÃO SEM RECUO 84 mm (CSR 84 mm) - CARL GUSTAF IP 23...
Falcão Brasil
 
CGCFN-6102 - Manual de Comunicações de Campanha
CGCFN-6102 - Manual de Comunicações de CampanhaCGCFN-6102 - Manual de Comunicações de Campanha
CGCFN-6102 - Manual de Comunicações de Campanha
Falcão Brasil
 

Mais procurados (20)

CADERNO DE INSTRUÇÃO PELOTÃO DE EXPLORADORES CI 17-1/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO PELOTÃO DE EXPLORADORES CI 17-1/1CADERNO DE INSTRUÇÃO PELOTÃO DE EXPLORADORES CI 17-1/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO PELOTÃO DE EXPLORADORES CI 17-1/1
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE INFANTARIA ...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE INFANTARIA ...PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE INFANTARIA ...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE INFANTARIA ...
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE ENGENHARIA ...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE ENGENHARIA ...PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE ENGENHARIA ...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE ENGENHARIA ...
 
CAPACITAÇÃO TÉCNICA E TÁTICA DO EFETIVO PROFISSIONAL CTTEP EDIÇÃO 2009
CAPACITAÇÃO TÉCNICA E TÁTICA DO EFETIVO PROFISSIONAL CTTEP EDIÇÃO 2009 CAPACITAÇÃO TÉCNICA E TÁTICA DO EFETIVO PROFISSIONAL CTTEP EDIÇÃO 2009
CAPACITAÇÃO TÉCNICA E TÁTICA DO EFETIVO PROFISSIONAL CTTEP EDIÇÃO 2009
 
MANUAL DE CAMPANHA INSTALAÇÕES NA ZONA DE COMBATE C 5-39
MANUAL DE CAMPANHA INSTALAÇÕES NA ZONA DE COMBATE C 5-39MANUAL DE CAMPANHA INSTALAÇÕES NA ZONA DE COMBATE C 5-39
MANUAL DE CAMPANHA INSTALAÇÕES NA ZONA DE COMBATE C 5-39
 
PROGRAMA DE INSTRUÇÃO MILITAR EB70-P-11.001
PROGRAMA DE INSTRUÇÃO MILITAR EB70-P-11.001PROGRAMA DE INSTRUÇÃO MILITAR EB70-P-11.001
PROGRAMA DE INSTRUÇÃO MILITAR EB70-P-11.001
 
MANUAL DE CAMPANHA A ENGENHARIA DIVISIONÁRIA C 5-31
MANUAL DE CAMPANHA A ENGENHARIA DIVISIONÁRIA C 5-31MANUAL DE CAMPANHA A ENGENHARIA DIVISIONÁRIA C 5-31
MANUAL DE CAMPANHA A ENGENHARIA DIVISIONÁRIA C 5-31
 
MANUAL DE CAMPANHA REGIMENTO DE CAVALARIA MECANIZADO C 2-20
MANUAL DE CAMPANHA REGIMENTO DE CAVALARIA MECANIZADO C 2-20MANUAL DE CAMPANHA REGIMENTO DE CAVALARIA MECANIZADO C 2-20
MANUAL DE CAMPANHA REGIMENTO DE CAVALARIA MECANIZADO C 2-20
 
72479838 charlies-mykes
72479838 charlies-mykes72479838 charlies-mykes
72479838 charlies-mykes
 
OPERAÇÕES INTERAGÊNCIAS MD33-M-12
OPERAÇÕES INTERAGÊNCIAS MD33-M-12OPERAÇÕES INTERAGÊNCIAS MD33-M-12
OPERAÇÕES INTERAGÊNCIAS MD33-M-12
 
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS MORTEIRO 81 mm ROYAL ORDNANCE IP 23-90
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS MORTEIRO 81 mm ROYAL ORDNANCE IP 23-90 INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS MORTEIRO 81 mm ROYAL ORDNANCE IP 23-90
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS MORTEIRO 81 mm ROYAL ORDNANCE IP 23-90
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL BÁSICA EB70-PP-11.011
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL BÁSICA EB70-PP-11.011PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL BÁSICA EB70-PP-11.011
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL BÁSICA EB70-PP-11.011
 
Equipamentos Táticos para Técnicas Verticais do Comando de Operações Táticas
Equipamentos Táticos para Técnicas Verticais do Comando de Operações TáticasEquipamentos Táticos para Técnicas Verticais do Comando de Operações Táticas
Equipamentos Táticos para Técnicas Verticais do Comando de Operações Táticas
 
ADESTRAMENTO BÁSICO DAS UNIDADES DE INFANTARIA DE MONTANHA PPA INF/5
ADESTRAMENTO BÁSICO DAS UNIDADES DE INFANTARIA DE MONTANHA PPA INF/5ADESTRAMENTO BÁSICO DAS UNIDADES DE INFANTARIA DE MONTANHA PPA INF/5
ADESTRAMENTO BÁSICO DAS UNIDADES DE INFANTARIA DE MONTANHA PPA INF/5
 
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS LANÇA-ROJÃO 84 mm (AT-4) IP 23-34
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS LANÇA-ROJÃO 84 mm (AT-4) IP 23-34INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS LANÇA-ROJÃO 84 mm (AT-4) IP 23-34
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS LANÇA-ROJÃO 84 mm (AT-4) IP 23-34
 
R-4 Regulamento Disciplinar do Exército (RDE)
R-4 Regulamento Disciplinar do Exército (RDE)R-4 Regulamento Disciplinar do Exército (RDE)
R-4 Regulamento Disciplinar do Exército (RDE)
 
GCFN 0-1 - Manual de Fundamentos de Fuzileiros Navais
GCFN 0-1 - Manual de Fundamentos de Fuzileiros NavaisGCFN 0-1 - Manual de Fundamentos de Fuzileiros Navais
GCFN 0-1 - Manual de Fundamentos de Fuzileiros Navais
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO O PELOTÃO DE FUZILEIROS NO COMBATE EM ÁREA EDIFICADA CI ...
CADERNO DE INSTRUÇÃO O PELOTÃO DE FUZILEIROS NO COMBATE EM ÁREA EDIFICADA CI ...CADERNO DE INSTRUÇÃO O PELOTÃO DE FUZILEIROS NO COMBATE EM ÁREA EDIFICADA CI ...
CADERNO DE INSTRUÇÃO O PELOTÃO DE FUZILEIROS NO COMBATE EM ÁREA EDIFICADA CI ...
 
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS CANHÃO SEM RECUO 84 mm (CSR 84 mm) - CARL GUSTAF IP 23...
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS CANHÃO SEM RECUO 84 mm (CSR 84 mm) - CARL GUSTAF IP 23...INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS CANHÃO SEM RECUO 84 mm (CSR 84 mm) - CARL GUSTAF IP 23...
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS CANHÃO SEM RECUO 84 mm (CSR 84 mm) - CARL GUSTAF IP 23...
 
CGCFN-6102 - Manual de Comunicações de Campanha
CGCFN-6102 - Manual de Comunicações de CampanhaCGCFN-6102 - Manual de Comunicações de Campanha
CGCFN-6102 - Manual de Comunicações de Campanha
 

Destaque

MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DAS COMUNICAÇÕES C 11-1
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DAS COMUNICAÇÕES C 11-1MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DAS COMUNICAÇÕES C 11-1
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DAS COMUNICAÇÕES C 11-1
Falcão Brasil
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO FORMAÇÃO DO 3º SARGENTO TEMPORÁRIO DE COMUNICAÇÕ...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO FORMAÇÃO DO 3º SARGENTO TEMPORÁRIO DE COMUNICAÇÕ...PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO FORMAÇÃO DO 3º SARGENTO TEMPORÁRIO DE COMUNICAÇÕ...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO FORMAÇÃO DO 3º SARGENTO TEMPORÁRIO DE COMUNICAÇÕ...
Falcão Brasil
 
FORMAÇÃO BÁSICA DO COMBATENTE PPB/2 2010
FORMAÇÃO BÁSICA DO COMBATENTE PPB/2 2010FORMAÇÃO BÁSICA DO COMBATENTE PPB/2 2010
FORMAÇÃO BÁSICA DO COMBATENTE PPB/2 2010
Falcão Brasil
 
FORMAÇÃO BÁSICA DO COMBATENTE PPB/2
FORMAÇÃO BÁSICA DO COMBATENTE PPB/2FORMAÇÃO BÁSICA DO COMBATENTE PPB/2
FORMAÇÃO BÁSICA DO COMBATENTE PPB/2
Falcão Brasil
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE INTENDÊNCIA...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE INTENDÊNCIA...PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE INTENDÊNCIA...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE INTENDÊNCIA...
Falcão Brasil
 
MANUAL DE CAMPANHA CENTRO DE COMUNICAÇÕES 1ª PARTE C 24-17
MANUAL DE CAMPANHA CENTRO DE COMUNICAÇÕES 1ª PARTE C 24-17MANUAL DE CAMPANHA CENTRO DE COMUNICAÇÕES 1ª PARTE C 24-17
MANUAL DE CAMPANHA CENTRO DE COMUNICAÇÕES 1ª PARTE C 24-17
Falcão Brasil
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO DAS ESCOLAS DE INSTRUÇÃO MILITAR PPB 5/3
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO DAS ESCOLAS DE INSTRUÇÃO MILITAR PPB 5/3PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO DAS ESCOLAS DE INSTRUÇÃO MILITAR PPB 5/3
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO DAS ESCOLAS DE INSTRUÇÃO MILITAR PPB 5/3
Falcão Brasil
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE SAÚDE PPQ 08/2
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE SAÚDE PPQ 08/2PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE SAÚDE PPQ 08/2
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE SAÚDE PPQ 08/2
Falcão Brasil
 
PROGRAMA-PADRÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO INSTRUÇÃO PECULIAR PPQ/2
PROGRAMA-PADRÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO INSTRUÇÃO PECULIAR PPQ/2PROGRAMA-PADRÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO INSTRUÇÃO PECULIAR PPQ/2
PROGRAMA-PADRÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO INSTRUÇÃO PECULIAR PPQ/2
Falcão Brasil
 
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DO RÁDIO EM CAMPANHA C 24-18
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DO RÁDIO EM CAMPANHA C 24-18MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DO RÁDIO EM CAMPANHA C 24-18
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DO RÁDIO EM CAMPANHA C 24-18
Falcão Brasil
 
MANUAL DE CAMPANHA TIRO DAS ARMAS PORTÁTEIS 1ª PARTE - FUZIL C 23-1
MANUAL DE CAMPANHA TIRO DAS ARMAS PORTÁTEIS 1ª PARTE - FUZIL C 23-1MANUAL DE CAMPANHA TIRO DAS ARMAS PORTÁTEIS 1ª PARTE - FUZIL C 23-1
MANUAL DE CAMPANHA TIRO DAS ARMAS PORTÁTEIS 1ª PARTE - FUZIL C 23-1
Falcão Brasil
 
MANUAL TÉCNICO MANUAL DO INSTRUTOR T 21-250
MANUAL TÉCNICO MANUAL DO INSTRUTOR T 21-250MANUAL TÉCNICO MANUAL DO INSTRUTOR T 21-250
MANUAL TÉCNICO MANUAL DO INSTRUTOR T 21-250
Falcão Brasil
 
Os Mensageiros Cap.10
Os Mensageiros Cap.10Os Mensageiros Cap.10
Os Mensageiros Cap.10
Patricia Farias
 
APOSTILA DO CFC- CURSO DE FORMAÇÃO DE CABOS PMPE
APOSTILA DO CFC- CURSO DE FORMAÇÃO DE CABOS PMPEAPOSTILA DO CFC- CURSO DE FORMAÇÃO DE CABOS PMPE
APOSTILA DO CFC- CURSO DE FORMAÇÃO DE CABOS PMPE
Polícia MIlitar de Pernambuco
 
ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA DE SELVA PPA INF/4
ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA DE SELVA PPA INF/4ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA DE SELVA PPA INF/4
ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA DE SELVA PPA INF/4
Falcão Brasil
 
PROGRAMA-PADRÃO DE TREINAMENTO ESPECÍFICO DE QUÍMICA, BIOLÓGICA E NUCLEAR PPT...
PROGRAMA-PADRÃO DE TREINAMENTO ESPECÍFICO DE QUÍMICA, BIOLÓGICA E NUCLEAR PPT...PROGRAMA-PADRÃO DE TREINAMENTO ESPECÍFICO DE QUÍMICA, BIOLÓGICA E NUCLEAR PPT...
PROGRAMA-PADRÃO DE TREINAMENTO ESPECÍFICO DE QUÍMICA, BIOLÓGICA E NUCLEAR PPT...
Falcão Brasil
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO ESTÁGIO DE ADAPTAÇÃO E SERVIÇO PARA OFICIAL MFDV...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO ESTÁGIO DE ADAPTAÇÃO E SERVIÇO PARA OFICIAL MFDV...PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO ESTÁGIO DE ADAPTAÇÃO E SERVIÇO PARA OFICIAL MFDV...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO ESTÁGIO DE ADAPTAÇÃO E SERVIÇO PARA OFICIAL MFDV...
Falcão Brasil
 
ORGANOGRAMA DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL
ORGANOGRAMA DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERALORGANOGRAMA DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL
ORGANOGRAMA DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL
Falcão Brasil
 
Planilha treinamento testes comanf 2012
Planilha treinamento testes comanf 2012Planilha treinamento testes comanf 2012
Planilha treinamento testes comanf 2012
Falcão Brasil
 

Destaque (19)

MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DAS COMUNICAÇÕES C 11-1
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DAS COMUNICAÇÕES C 11-1MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DAS COMUNICAÇÕES C 11-1
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DAS COMUNICAÇÕES C 11-1
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO FORMAÇÃO DO 3º SARGENTO TEMPORÁRIO DE COMUNICAÇÕ...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO FORMAÇÃO DO 3º SARGENTO TEMPORÁRIO DE COMUNICAÇÕ...PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO FORMAÇÃO DO 3º SARGENTO TEMPORÁRIO DE COMUNICAÇÕ...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO FORMAÇÃO DO 3º SARGENTO TEMPORÁRIO DE COMUNICAÇÕ...
 
FORMAÇÃO BÁSICA DO COMBATENTE PPB/2 2010
FORMAÇÃO BÁSICA DO COMBATENTE PPB/2 2010FORMAÇÃO BÁSICA DO COMBATENTE PPB/2 2010
FORMAÇÃO BÁSICA DO COMBATENTE PPB/2 2010
 
FORMAÇÃO BÁSICA DO COMBATENTE PPB/2
FORMAÇÃO BÁSICA DO COMBATENTE PPB/2FORMAÇÃO BÁSICA DO COMBATENTE PPB/2
FORMAÇÃO BÁSICA DO COMBATENTE PPB/2
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE INTENDÊNCIA...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE INTENDÊNCIA...PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE INTENDÊNCIA...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE INTENDÊNCIA...
 
MANUAL DE CAMPANHA CENTRO DE COMUNICAÇÕES 1ª PARTE C 24-17
MANUAL DE CAMPANHA CENTRO DE COMUNICAÇÕES 1ª PARTE C 24-17MANUAL DE CAMPANHA CENTRO DE COMUNICAÇÕES 1ª PARTE C 24-17
MANUAL DE CAMPANHA CENTRO DE COMUNICAÇÕES 1ª PARTE C 24-17
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO DAS ESCOLAS DE INSTRUÇÃO MILITAR PPB 5/3
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO DAS ESCOLAS DE INSTRUÇÃO MILITAR PPB 5/3PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO DAS ESCOLAS DE INSTRUÇÃO MILITAR PPB 5/3
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO DAS ESCOLAS DE INSTRUÇÃO MILITAR PPB 5/3
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE SAÚDE PPQ 08/2
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE SAÚDE PPQ 08/2PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE SAÚDE PPQ 08/2
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE SAÚDE PPQ 08/2
 
PROGRAMA-PADRÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO INSTRUÇÃO PECULIAR PPQ/2
PROGRAMA-PADRÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO INSTRUÇÃO PECULIAR PPQ/2PROGRAMA-PADRÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO INSTRUÇÃO PECULIAR PPQ/2
PROGRAMA-PADRÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO INSTRUÇÃO PECULIAR PPQ/2
 
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DO RÁDIO EM CAMPANHA C 24-18
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DO RÁDIO EM CAMPANHA C 24-18MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DO RÁDIO EM CAMPANHA C 24-18
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DO RÁDIO EM CAMPANHA C 24-18
 
MANUAL DE CAMPANHA TIRO DAS ARMAS PORTÁTEIS 1ª PARTE - FUZIL C 23-1
MANUAL DE CAMPANHA TIRO DAS ARMAS PORTÁTEIS 1ª PARTE - FUZIL C 23-1MANUAL DE CAMPANHA TIRO DAS ARMAS PORTÁTEIS 1ª PARTE - FUZIL C 23-1
MANUAL DE CAMPANHA TIRO DAS ARMAS PORTÁTEIS 1ª PARTE - FUZIL C 23-1
 
MANUAL TÉCNICO MANUAL DO INSTRUTOR T 21-250
MANUAL TÉCNICO MANUAL DO INSTRUTOR T 21-250MANUAL TÉCNICO MANUAL DO INSTRUTOR T 21-250
MANUAL TÉCNICO MANUAL DO INSTRUTOR T 21-250
 
Os Mensageiros Cap.10
Os Mensageiros Cap.10Os Mensageiros Cap.10
Os Mensageiros Cap.10
 
APOSTILA DO CFC- CURSO DE FORMAÇÃO DE CABOS PMPE
APOSTILA DO CFC- CURSO DE FORMAÇÃO DE CABOS PMPEAPOSTILA DO CFC- CURSO DE FORMAÇÃO DE CABOS PMPE
APOSTILA DO CFC- CURSO DE FORMAÇÃO DE CABOS PMPE
 
ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA DE SELVA PPA INF/4
ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA DE SELVA PPA INF/4ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA DE SELVA PPA INF/4
ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA DE SELVA PPA INF/4
 
PROGRAMA-PADRÃO DE TREINAMENTO ESPECÍFICO DE QUÍMICA, BIOLÓGICA E NUCLEAR PPT...
PROGRAMA-PADRÃO DE TREINAMENTO ESPECÍFICO DE QUÍMICA, BIOLÓGICA E NUCLEAR PPT...PROGRAMA-PADRÃO DE TREINAMENTO ESPECÍFICO DE QUÍMICA, BIOLÓGICA E NUCLEAR PPT...
PROGRAMA-PADRÃO DE TREINAMENTO ESPECÍFICO DE QUÍMICA, BIOLÓGICA E NUCLEAR PPT...
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO ESTÁGIO DE ADAPTAÇÃO E SERVIÇO PARA OFICIAL MFDV...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO ESTÁGIO DE ADAPTAÇÃO E SERVIÇO PARA OFICIAL MFDV...PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO ESTÁGIO DE ADAPTAÇÃO E SERVIÇO PARA OFICIAL MFDV...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO ESTÁGIO DE ADAPTAÇÃO E SERVIÇO PARA OFICIAL MFDV...
 
ORGANOGRAMA DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL
ORGANOGRAMA DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERALORGANOGRAMA DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL
ORGANOGRAMA DO DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL
 
Planilha treinamento testes comanf 2012
Planilha treinamento testes comanf 2012Planilha treinamento testes comanf 2012
Planilha treinamento testes comanf 2012
 

Semelhante a PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE COMUNICAÇÕES PPQ 11/2

Apostila tp
Apostila tpApostila tp
Anais I Simpósio Nacional do Rádio
Anais I Simpósio Nacional do RádioAnais I Simpósio Nacional do Rádio
Anais I Simpósio Nacional do Rádio
Norma Mafaldo
 
2014 kira aplicacao_tecnicas_mineracao
2014 kira aplicacao_tecnicas_mineracao2014 kira aplicacao_tecnicas_mineracao
2014 kira aplicacao_tecnicas_mineracao
Wosley Arruda
 
Apostila tp
Apostila tpApostila tp
Apostila tp
Abdel Rodrigues
 
arq09_DEMAP0752010.pdf
arq09_DEMAP0752010.pdfarq09_DEMAP0752010.pdf
arq09_DEMAP0752010.pdf
DaniloSilva916426
 
ROBÔ LOCALIZADOR DE SERES HUMANOS
ROBÔ LOCALIZADOR DE SERES HUMANOSROBÔ LOCALIZADOR DE SERES HUMANOS
ROBÔ LOCALIZADOR DE SERES HUMANOS
Agnaldo Coelho
 
Ceg228 apostila-sketch up-8-prof-marcio-carboni1
Ceg228 apostila-sketch up-8-prof-marcio-carboni1Ceg228 apostila-sketch up-8-prof-marcio-carboni1
Ceg228 apostila-sketch up-8-prof-marcio-carboni1
Josiani97
 
Monografia Arduino
Monografia ArduinoMonografia Arduino
Monografia Arduino
rafaelpouzada
 
TG KickGames
TG KickGamesTG KickGames
TG KickGames
Emmanuel Saes
 
Manual De Recepção e Acessibilidade TuríSticos
Manual De Recepção e Acessibilidade TuríSticosManual De Recepção e Acessibilidade TuríSticos
Manual De Recepção e Acessibilidade TuríSticos
Scott Rains
 
2010 ms thesis_almeida
2010 ms thesis_almeida2010 ms thesis_almeida
2010 ms thesis_almeida
Khadija Siddiqui
 
3265 hardware
3265 hardware3265 hardware
3265 hardware
creulyane
 
3265 hardware
3265 hardware3265 hardware
3265 hardware
creulyane
 
Manual Completo NX-150 ano 2002 a 2008 português
Manual Completo NX-150 ano 2002 a 2008 portuguêsManual Completo NX-150 ano 2002 a 2008 português
Manual Completo NX-150 ano 2002 a 2008 português
LUIZ LIMA
 
Ft 2800 m português
Ft 2800 m portuguêsFt 2800 m português
Ft 2800 m português
Fmoreira4
 
Microcontroladores basic step1
Microcontroladores basic step1Microcontroladores basic step1
Microcontroladores basic step1
andrecioli
 
PROGRAMA-PADRÃO DE QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO ESPECIALISTA DE AVIAÇÃO ...
PROGRAMA-PADRÃO DE QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO ESPECIALISTA DE AVIAÇÃO ...PROGRAMA-PADRÃO DE QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO ESPECIALISTA DE AVIAÇÃO ...
PROGRAMA-PADRÃO DE QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO ESPECIALISTA DE AVIAÇÃO ...
Falcão Brasil
 
Manual Técnico
Manual Técnico Manual Técnico
Manual Técnico
rambo03
 
O Tecnobrega Paraense E Os Modelos De Negocio Abertos
O Tecnobrega Paraense E Os Modelos De Negocio AbertosO Tecnobrega Paraense E Os Modelos De Negocio Abertos
O Tecnobrega Paraense E Os Modelos De Negocio Abertos
MúsicaParaense.Org
 
CAPACITAÇÃO TÉCNICA DO GERENTE DE MANUTENÇÃO DE AERONAVES, DE MANUTENÇÃO DE A...
CAPACITAÇÃO TÉCNICA DO GERENTE DE MANUTENÇÃO DE AERONAVES, DE MANUTENÇÃO DE A...CAPACITAÇÃO TÉCNICA DO GERENTE DE MANUTENÇÃO DE AERONAVES, DE MANUTENÇÃO DE A...
CAPACITAÇÃO TÉCNICA DO GERENTE DE MANUTENÇÃO DE AERONAVES, DE MANUTENÇÃO DE A...
Falcão Brasil
 

Semelhante a PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE COMUNICAÇÕES PPQ 11/2 (20)

Apostila tp
Apostila tpApostila tp
Apostila tp
 
Anais I Simpósio Nacional do Rádio
Anais I Simpósio Nacional do RádioAnais I Simpósio Nacional do Rádio
Anais I Simpósio Nacional do Rádio
 
2014 kira aplicacao_tecnicas_mineracao
2014 kira aplicacao_tecnicas_mineracao2014 kira aplicacao_tecnicas_mineracao
2014 kira aplicacao_tecnicas_mineracao
 
Apostila tp
Apostila tpApostila tp
Apostila tp
 
arq09_DEMAP0752010.pdf
arq09_DEMAP0752010.pdfarq09_DEMAP0752010.pdf
arq09_DEMAP0752010.pdf
 
ROBÔ LOCALIZADOR DE SERES HUMANOS
ROBÔ LOCALIZADOR DE SERES HUMANOSROBÔ LOCALIZADOR DE SERES HUMANOS
ROBÔ LOCALIZADOR DE SERES HUMANOS
 
Ceg228 apostila-sketch up-8-prof-marcio-carboni1
Ceg228 apostila-sketch up-8-prof-marcio-carboni1Ceg228 apostila-sketch up-8-prof-marcio-carboni1
Ceg228 apostila-sketch up-8-prof-marcio-carboni1
 
Monografia Arduino
Monografia ArduinoMonografia Arduino
Monografia Arduino
 
TG KickGames
TG KickGamesTG KickGames
TG KickGames
 
Manual De Recepção e Acessibilidade TuríSticos
Manual De Recepção e Acessibilidade TuríSticosManual De Recepção e Acessibilidade TuríSticos
Manual De Recepção e Acessibilidade TuríSticos
 
2010 ms thesis_almeida
2010 ms thesis_almeida2010 ms thesis_almeida
2010 ms thesis_almeida
 
3265 hardware
3265 hardware3265 hardware
3265 hardware
 
3265 hardware
3265 hardware3265 hardware
3265 hardware
 
Manual Completo NX-150 ano 2002 a 2008 português
Manual Completo NX-150 ano 2002 a 2008 portuguêsManual Completo NX-150 ano 2002 a 2008 português
Manual Completo NX-150 ano 2002 a 2008 português
 
Ft 2800 m português
Ft 2800 m portuguêsFt 2800 m português
Ft 2800 m português
 
Microcontroladores basic step1
Microcontroladores basic step1Microcontroladores basic step1
Microcontroladores basic step1
 
PROGRAMA-PADRÃO DE QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO ESPECIALISTA DE AVIAÇÃO ...
PROGRAMA-PADRÃO DE QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO ESPECIALISTA DE AVIAÇÃO ...PROGRAMA-PADRÃO DE QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO ESPECIALISTA DE AVIAÇÃO ...
PROGRAMA-PADRÃO DE QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO ESPECIALISTA DE AVIAÇÃO ...
 
Manual Técnico
Manual Técnico Manual Técnico
Manual Técnico
 
O Tecnobrega Paraense E Os Modelos De Negocio Abertos
O Tecnobrega Paraense E Os Modelos De Negocio AbertosO Tecnobrega Paraense E Os Modelos De Negocio Abertos
O Tecnobrega Paraense E Os Modelos De Negocio Abertos
 
CAPACITAÇÃO TÉCNICA DO GERENTE DE MANUTENÇÃO DE AERONAVES, DE MANUTENÇÃO DE A...
CAPACITAÇÃO TÉCNICA DO GERENTE DE MANUTENÇÃO DE AERONAVES, DE MANUTENÇÃO DE A...CAPACITAÇÃO TÉCNICA DO GERENTE DE MANUTENÇÃO DE AERONAVES, DE MANUTENÇÃO DE A...
CAPACITAÇÃO TÉCNICA DO GERENTE DE MANUTENÇÃO DE AERONAVES, DE MANUTENÇÃO DE A...
 

Mais de Falcão Brasil

Centro de Instrução e Adestramento Aeronaval José Maria do Amaral Oliveira (C...
Centro de Instrução e Adestramento Aeronaval José Maria do Amaral Oliveira (C...Centro de Instrução e Adestramento Aeronaval José Maria do Amaral Oliveira (C...
Centro de Instrução e Adestramento Aeronaval José Maria do Amaral Oliveira (C...
Falcão Brasil
 
Guia do Aluno do Curso Expedito Enfermagem Operativa (C-Exp-EnfOp)
Guia do Aluno do Curso Expedito Enfermagem Operativa (C-Exp-EnfOp)Guia do Aluno do Curso Expedito Enfermagem Operativa (C-Exp-EnfOp)
Guia do Aluno do Curso Expedito Enfermagem Operativa (C-Exp-EnfOp)
Falcão Brasil
 
Orientação aos Candidatos do Curso de Busca e Salvamento (S.A.R.)
Orientação aos Candidatos do Curso de Busca e Salvamento (S.A.R.)Orientação aos Candidatos do Curso de Busca e Salvamento (S.A.R.)
Orientação aos Candidatos do Curso de Busca e Salvamento (S.A.R.)
Falcão Brasil
 
Cursos dos Policias Federais na Academia Nacional de Polícia - ANP
Cursos dos Policias Federais na Academia Nacional de Polícia - ANPCursos dos Policias Federais na Academia Nacional de Polícia - ANP
Cursos dos Policias Federais na Academia Nacional de Polícia - ANP
Falcão Brasil
 
Revista A Defesa 2021
Revista A Defesa 2021Revista A Defesa 2021
Revista A Defesa 2021
Falcão Brasil
 
Revista A Defesa 2022
Revista A Defesa 2022Revista A Defesa 2022
Revista A Defesa 2022
Falcão Brasil
 
Revista A Defesa 2023
Revista A Defesa 2023Revista A Defesa 2023
Revista A Defesa 2023
Falcão Brasil
 
Grupo de Instrução Tática e Especializada (GITE)
Grupo de Instrução Tática e Especializada (GITE)Grupo de Instrução Tática e Especializada (GITE)
Grupo de Instrução Tática e Especializada (GITE)
Falcão Brasil
 
Tabela de Remuneração dos Servidores Públicos Federais Julho 2023 Vol83
Tabela de Remuneração dos Servidores Públicos Federais Julho 2023 Vol83Tabela de Remuneração dos Servidores Públicos Federais Julho 2023 Vol83
Tabela de Remuneração dos Servidores Públicos Federais Julho 2023 Vol83
Falcão Brasil
 
Tabela de Remuneração dos Servidores Públicos Federais Fevereiro 2023 Vol82
Tabela de Remuneração dos Servidores Públicos Federais Fevereiro 2023 Vol82Tabela de Remuneração dos Servidores Públicos Federais Fevereiro 2023 Vol82
Tabela de Remuneração dos Servidores Públicos Federais Fevereiro 2023 Vol82
Falcão Brasil
 
Tabela de Remuneração dos Servidores Públicos Federais Novembro 2021 Vol81
Tabela de Remuneração dos Servidores Públicos Federais Novembro 2021 Vol81Tabela de Remuneração dos Servidores Públicos Federais Novembro 2021 Vol81
Tabela de Remuneração dos Servidores Públicos Federais Novembro 2021 Vol81
Falcão Brasil
 
Tabela de Remuneração dos Servidores Públicos Federais Janeiro 2020 Vol80
Tabela de Remuneração dos Servidores Públicos Federais Janeiro 2020 Vol80Tabela de Remuneração dos Servidores Públicos Federais Janeiro 2020 Vol80
Tabela de Remuneração dos Servidores Públicos Federais Janeiro 2020 Vol80
Falcão Brasil
 
Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - CENSIPAM
Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - CENSIPAMCentro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - CENSIPAM
Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Núcleo de Operações Especiais (NOE) da PRF
Núcleo de Operações Especiais (NOE) da PRFNúcleo de Operações Especiais (NOE) da PRF
Núcleo de Operações Especiais (NOE) da PRF
Falcão Brasil
 
Manual de Mergulho Autonômo
Manual de Mergulho AutonômoManual de Mergulho Autonômo
Manual de Mergulho Autonômo
Falcão Brasil
 
Atividades de Mergulho de Resgate
Atividades de Mergulho de ResgateAtividades de Mergulho de Resgate
Atividades de Mergulho de Resgate
Falcão Brasil
 
Protocolo de Operações com Cilindro de Ar Comprimido
Protocolo de Operações com Cilindro de Ar ComprimidoProtocolo de Operações com Cilindro de Ar Comprimido
Protocolo de Operações com Cilindro de Ar Comprimido
Falcão Brasil
 
Protocolo para o Suporte Básico de Vida do CBMGO
Protocolo para o Suporte Básico de Vida do CBMGOProtocolo para o Suporte Básico de Vida do CBMGO
Protocolo para o Suporte Básico de Vida do CBMGO
Falcão Brasil
 
Manual de Preenchimento de Relatório de Ocorrência
Manual de Preenchimento de Relatório de OcorrênciaManual de Preenchimento de Relatório de Ocorrência
Manual de Preenchimento de Relatório de Ocorrência
Falcão Brasil
 
Manual para Campanha de Arrecadação de Donativos
Manual para Campanha de Arrecadação de DonativosManual para Campanha de Arrecadação de Donativos
Manual para Campanha de Arrecadação de Donativos
Falcão Brasil
 

Mais de Falcão Brasil (20)

Centro de Instrução e Adestramento Aeronaval José Maria do Amaral Oliveira (C...
Centro de Instrução e Adestramento Aeronaval José Maria do Amaral Oliveira (C...Centro de Instrução e Adestramento Aeronaval José Maria do Amaral Oliveira (C...
Centro de Instrução e Adestramento Aeronaval José Maria do Amaral Oliveira (C...
 
Guia do Aluno do Curso Expedito Enfermagem Operativa (C-Exp-EnfOp)
Guia do Aluno do Curso Expedito Enfermagem Operativa (C-Exp-EnfOp)Guia do Aluno do Curso Expedito Enfermagem Operativa (C-Exp-EnfOp)
Guia do Aluno do Curso Expedito Enfermagem Operativa (C-Exp-EnfOp)
 
Orientação aos Candidatos do Curso de Busca e Salvamento (S.A.R.)
Orientação aos Candidatos do Curso de Busca e Salvamento (S.A.R.)Orientação aos Candidatos do Curso de Busca e Salvamento (S.A.R.)
Orientação aos Candidatos do Curso de Busca e Salvamento (S.A.R.)
 
Cursos dos Policias Federais na Academia Nacional de Polícia - ANP
Cursos dos Policias Federais na Academia Nacional de Polícia - ANPCursos dos Policias Federais na Academia Nacional de Polícia - ANP
Cursos dos Policias Federais na Academia Nacional de Polícia - ANP
 
Revista A Defesa 2021
Revista A Defesa 2021Revista A Defesa 2021
Revista A Defesa 2021
 
Revista A Defesa 2022
Revista A Defesa 2022Revista A Defesa 2022
Revista A Defesa 2022
 
Revista A Defesa 2023
Revista A Defesa 2023Revista A Defesa 2023
Revista A Defesa 2023
 
Grupo de Instrução Tática e Especializada (GITE)
Grupo de Instrução Tática e Especializada (GITE)Grupo de Instrução Tática e Especializada (GITE)
Grupo de Instrução Tática e Especializada (GITE)
 
Tabela de Remuneração dos Servidores Públicos Federais Julho 2023 Vol83
Tabela de Remuneração dos Servidores Públicos Federais Julho 2023 Vol83Tabela de Remuneração dos Servidores Públicos Federais Julho 2023 Vol83
Tabela de Remuneração dos Servidores Públicos Federais Julho 2023 Vol83
 
Tabela de Remuneração dos Servidores Públicos Federais Fevereiro 2023 Vol82
Tabela de Remuneração dos Servidores Públicos Federais Fevereiro 2023 Vol82Tabela de Remuneração dos Servidores Públicos Federais Fevereiro 2023 Vol82
Tabela de Remuneração dos Servidores Públicos Federais Fevereiro 2023 Vol82
 
Tabela de Remuneração dos Servidores Públicos Federais Novembro 2021 Vol81
Tabela de Remuneração dos Servidores Públicos Federais Novembro 2021 Vol81Tabela de Remuneração dos Servidores Públicos Federais Novembro 2021 Vol81
Tabela de Remuneração dos Servidores Públicos Federais Novembro 2021 Vol81
 
Tabela de Remuneração dos Servidores Públicos Federais Janeiro 2020 Vol80
Tabela de Remuneração dos Servidores Públicos Federais Janeiro 2020 Vol80Tabela de Remuneração dos Servidores Públicos Federais Janeiro 2020 Vol80
Tabela de Remuneração dos Servidores Públicos Federais Janeiro 2020 Vol80
 
Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - CENSIPAM
Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - CENSIPAMCentro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - CENSIPAM
Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - CENSIPAM
 
Núcleo de Operações Especiais (NOE) da PRF
Núcleo de Operações Especiais (NOE) da PRFNúcleo de Operações Especiais (NOE) da PRF
Núcleo de Operações Especiais (NOE) da PRF
 
Manual de Mergulho Autonômo
Manual de Mergulho AutonômoManual de Mergulho Autonômo
Manual de Mergulho Autonômo
 
Atividades de Mergulho de Resgate
Atividades de Mergulho de ResgateAtividades de Mergulho de Resgate
Atividades de Mergulho de Resgate
 
Protocolo de Operações com Cilindro de Ar Comprimido
Protocolo de Operações com Cilindro de Ar ComprimidoProtocolo de Operações com Cilindro de Ar Comprimido
Protocolo de Operações com Cilindro de Ar Comprimido
 
Protocolo para o Suporte Básico de Vida do CBMGO
Protocolo para o Suporte Básico de Vida do CBMGOProtocolo para o Suporte Básico de Vida do CBMGO
Protocolo para o Suporte Básico de Vida do CBMGO
 
Manual de Preenchimento de Relatório de Ocorrência
Manual de Preenchimento de Relatório de OcorrênciaManual de Preenchimento de Relatório de Ocorrência
Manual de Preenchimento de Relatório de Ocorrência
 
Manual para Campanha de Arrecadação de Donativos
Manual para Campanha de Arrecadação de DonativosManual para Campanha de Arrecadação de Donativos
Manual para Campanha de Arrecadação de Donativos
 

Último

Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 

PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE COMUNICAÇÕES PPQ 11/2

  • 2. SEM OBJETIVSEM OBJETIVSEM OBJETIVSEM OBJETIVSEM OBJETIVOSOSOSOSOS BEM DEFINIDOS,BEM DEFINIDOS,BEM DEFINIDOS,BEM DEFINIDOS,BEM DEFINIDOS, SOMENTE PORSOMENTE PORSOMENTE PORSOMENTE PORSOMENTE POR AAAAACASO CHEGAREMOSCASO CHEGAREMOSCASO CHEGAREMOSCASO CHEGAREMOSCASO CHEGAREMOS AAAAA ALALALALALGUM LGUM LGUM LGUM LGUM LUGARUGARUGARUGARUGAR PPQ 11/2 PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO DE COMUNICAÇÕES 3ª Edição - 2001 COTER
  • 3. 3.00 FASE DE INSTRUÇÃO INDIVIDUALASE DE INSTRUÇÃO INDIVIDUAL DE QUALIFICAÇÃODE QUALIFICAÇÃO (INSTRUÇÃO PECULIAR DE COMUNICAÇÕES)(INSTRUÇÃO PECULIAR DE COMUNICAÇÕES) OBJETIVOBJETIVOBJETIVOBJETIVOBJETIVODODODODODAINSTRAINSTRAINSTRAINSTRAINSTRUÇÃOINDIVIDUUÇÃOINDIVIDUUÇÃOINDIVIDUUÇÃOINDIVIDUUÇÃOINDIVIDUALDEQALDEQALDEQALDEQALDEQUUUUUALIFICAÇÃOALIFICAÇÃOALIFICAÇÃOALIFICAÇÃOALIFICAÇÃO (INSTRUÇÃOPECULIARDECOMUNICAÇÕES)(INSTRUÇÃOPECULIARDECOMUNICAÇÕES)(INSTRUÇÃOPECULIARDECOMUNICAÇÕES)(INSTRUÇÃOPECULIARDECOMUNICAÇÕES)(INSTRUÇÃOPECULIARDECOMUNICAÇÕES) CAPACITAR O SOLDADO PARA SER EMPREGADO NA DEFESA EXTERNA COTER
  • 4. 4.00 ÍNDICE Página I. INTRODUÇÃO ........................................................................................................................................................................................... 6.00 01. Finalidade............................................................................................................................................................................................... 7.00 02. Objetivos da Fase ................................................................................................................................................................................... 7.00 03. Estrutura da Instrução.............................................................................................................................................................................. 7.00 04. Direção e Condução da Instrução ........................................................................................................................................................... 9.00 05. Tempo Estimado................................................................................................................................................................................... 10.00 06. Validação do PPQ 11/2........................................................................................................................................................................ 10.00 07. Estrutura do PPQ 11/2 ......................................................................................................................................................................... 10.00 08. Normas Complementares ..................................................................................................................................................................... 11.00 II. PROPOSTA PARA A DISTRIBUIÇÃO DE TEMPO .................................................................................................................................... 13.00 01. Quadro Geral de Distribuição de Tempo ............................................................................................................................................... 14.00 02. Quadro de Distribuição do Tempo Destinado à Instrução Peculiar por Grupamento de Instrução ......................................................... 15.00 III. MATÉRIAS PECULIARES DAS QMP DE COMUNICAÇÕES.................................................................................................................. 19.00 01. MP 08. Antenas e Propagação de Ondas Eletromagnéticas ............................................................................................................... 20.00 02. MP 09. Centro de Comunicações /Centro de Mensagens ..................................................................................................................... 21.00 03. MP 10. Comunicações.......................................................................................................................................................................... 24.00 04. MP 11. Exploração Telefônica ............................................................................................................................................................... 26.00 05. MP 12. Exploração Radiotelefônica ...................................................................................................................................................... 27.00 06. MP 13. Ferramentas e Equipamentos ................................................................................................................................................... 28.00 07. MP 14. Fundamentos de Eletricidade, Magnetismo e Eletrônica........................................................................................................... 29.00 08. MP 15. Informática ................................................................................................................................................................................ 33.00 09. MP 16. Linhas de Campanha ................................................................................................................................................................ 36.00 10. MP 17. Manutenção, Ajustagem e Reparação dos Equipamentos de Comunicações ........................................................................... 40.00 11. MP 18. Manutenção do Material ............................................................................................................................................................ 41.00 12. MP 19. Máquinas de Armazém ............................................................................................................................................................. 42.00 13. MP 20. Máquinas de Corrente Contínua e Corrente Alternada............................................................................................................... 44.00 14. MP 21. Matemática aplicada ................................................................................................................................................................ 46.00 15. MP 22. Material de Comunicações Fio ................................................................................................................................................. 47.00 16. MP 23. Material de Comunicações Rádio ............................................................................................................................................. 49.00
  • 5. 5.00 17. MP 24. Material de Fotocinegrafia/Fotografia ....................................................................................................................................... 51.00 18. MP 25. Meios Audiovisuais ................................................................................................................................................................... 53.00 19. MP 26. Munições e Explosivos ............................................................................................................................................................. 56.00 20. MP 27. Postos de interface ................................................................................................................................................................... 59.00 21. MP 28. Segurança das Comunicações ................................................................................................................................................. 60.00 22. MP 29. Segurança das Instalações ....................................................................................................................................................... 61.00 23. MP 30. Serviço em Campanha ............................................................................................................................................................. 62.00 24. MP 31. Suprimento de Material de Comunicações e Eletrônica ............................................................................................................ 65.00 25. MP 32. Técnicas de Criptografia........................................................................................................................................................... 72.00 26. MP 33. Técnicas de Fotografia e Filmagem.......................................................................................................................................... 73.00 27. MP 34. Técnicas de Laboratório ........................................................................................................................................................... 75.00
  • 6. 6.00 Em razão do Sistema de Validação (SIVALI – PP), que manterá este documento permanentemente atualizado, o presente exemplar deverá ser distribuído com vincula- ção funcional e mantido sob controle da OM responsável pela execução da instrução. As páginas que se seguem contêm uma série de informações, cuja leitura é conside- rada indispensável aos usuários do presente Programa-Padrão de Instrução. I. INTRODUÇÃO
  • 7. 7.007.00 I. INTRODUÇÃO 1. FINALIDADE Este Programa-Padrão regula a Fase de Instrução Individual de Qualificação - Instrução Peculiar (FIIQ-IP) e define objetivos que permi- tam qualificar o Combatente, isto é, o Cabo e o Soldado de Comunica- ções aptos a ocupar cargos correspondentes às suas funções nas di- versas Organizações Militares, passando-o à condição de Reservista de Primeira Categoria (Combatente Mobilizável). 2. OBJETIVOS DA FASE a. Objetivos Gerais 1) Qualificar o Combatente. 2) Formar o Cabo e o Soldado, habilitando-os a ocupar cargos previstos de uma determinada QMP de uma QMG na U/SU. 3) Formar o Reservista de Primeira Categoria (Combatente Mobilizável). 4) Prosseguir no desenvolvimento do valor moral dos Cabos e Soldados. 5) Prosseguir no estabelecimento de vínculos de liderança entre comandantes (em todos níveis) e comandados. b. Objetivos Parciais 1) Completar a formação individual do Soldado e formar o Cabo. 2) Aprimorar a formação do caráter militar dos Cb e Sd. 3) Prosseguir na criação de hábitos adequados à vida militar. 4)Prosseguir na obtenção de padrões de procedimentos neces- sários à vida militar. 5)Continuar a aquisição de conhecimentos necessários à forma- ção do militar e ao desempenho de funções e cargos específicos das QMG/QMP. 6) Aprimorar os reflexos necessários à execução de técnicas e táticas individuais de combate. 7) Desenvolver habilitações técnicas que correspondam aos co- nhecimentos e às habilidades indispensáveis ao manuseio de materiais bélicos e à operação de equipamentos militares. 8) Aprimorar os padrões de Ordem Unida obtidos na IIB. 9) Prosseguir no desenvolvimento da capacidade física do com- batente. c. Objetivo-síntese - Capacitar o soldado para ser empregado na Defesa Externa. 3. ESTRUTURA DA INSTRUÇÃO a. Características 1) O programa de treinamento constante deste PP foi elaborado a partir de uma análise descritiva de todos os cargos a serem ocupados por Cabos e Soldados, nas diversas QMG/ QMP. Portanto, as matérias, os assuntos e os objetivos propostos estão intimamente relacionados às peculiaridades dos diferentes cargos existentes. 2) A instrução do CFC e CFSd compreende: a) matérias comuns a todas QMG/ QMP; b) matérias peculiares, destinadas a habilitar o Cb e o Sd a ocupar determinados cargos e a desempenhar funções específicas, dentro de sua QMP; e c) o desenvolvimento de atitudes e habilidades necessárias à formação do Cb e do Sd para o desempenho de suas funções específicas, as elas relacionadas.
  • 8. 8.008.00 3) Ainstrução comum e a instrução peculiar compreendem: a) um conjunto de matérias; b) um conjunto de assuntos integrantes de cada matéria; c) um conjunto de sugestões para objetivos intermediários; e d) um conjunto de objetivos terminais, chamados Objetivos Individuais de Instrução (OII), que podem ser relacionados a conhecimentos, habilidades e atitudes. 4) As matérias constituem as áreas de conhecimentos e de habilidades necessárias à Qualificação do Cabo e do Soldado. 5) Os assuntos relativos a cada matéria são apresentados de for- ma seqüenciada. Tanto quanto possível, as matérias necessárias à formação do Cabo e do Soldado, para a ocupação de cargos afins, fo- ram reunidas de modo a permitir que a instrução possa vir a ser planejada para grupamentos de militares que, posteriormente, serão designados para o exercício de funções correlatas. 6) A habilitação de pessoal para cargos exercidos no âmbito de uma guarnição, equipe ou grupo, exige um tipo de treinamento que se reveste de características especiais, uma vez que se deve atender aos seguintes pressupostos: a) tornar o militar capaz de executar, individualmente, as ativi- dades diretamente relacionadas às suas funções dentro da guarnição, equipe ou grupo; b) tornar o militar capaz de integrar a guarnição, a equipe ou o grupo, capacitando-o a realizar as suas atividades funcionais em conjunto com os demais integrantes daquelas frações; e c) possibilitar ao militar condições de substituir, temporariamen- te, quaisquer componentes da guarnição, da equipe ou do grupo. 7) Desses pressupostos, decorre que a instrução relacionada a cargos exercidos dentro de uma turma rádio, de construção de linhas, de centro de mensagens e outras está prevista, tanto quanto possível, para ser ministrada em conjunto, a todos os integrantes dessas frações. 8) As sugestões para objetivos intermediários são apresentadas como um elemento auxiliar para o trabalho do instrutor. A um assunto pode corresponder um ou vários objetivos intermediários. Outros objetivos intermediários poderão ser estabelecidos além daqueles constantes deste PP. O Comandante da Subunidade é o orientador do instrutor da matéria, na determinação dos objetivos intermediários a serem atingi- dos. 9) Os Objetivos Individuais de Instrução (OII) relacionados aos conhecimentos e às habilidades correspondem aos comportamentos que o militar deve evidenciar, como resultado do processo ensino-aprendiza- gem a que foi submetido no âmbito de determinada matéria. Uma mes- ma matéria compreende um ou vários OII. Um Objetivo Individual de Instrução relacionado a conhecimentos ou habilidades compreende: a) a tarefa a ser executada, que é a indicação precisa do que o militar deve ser capaz de fazer ao término da respectiva instrução; b) a condição ou as condições de execução que indica(m) as circunstâncias ou situações que são oferecidas ao militar, para que ele execute a tarefa proposta. Essa(s) condição(ões) deve(m) levar em con- sideração as diferenças regionais e as características do militar;e c) o padrão mínimo a ser atingido, que determina o critério da avaliação do desempenho individual. 10) Os Objetivos Individuais de Instrução (OII) relacionados à Àrea Afetiva, detalhados nos PPB/1 e PPB/2, correspondem aos atributos a serem evidenciados pelos militares, como resultado da ação educacio- nal exercida pelos instrutores, independente das matérias ou assuntos ministrados. Os OII compreendem os seguintes elementos: a) o nome do atributo a ser evidenciado, com a sua respectiva definição; b) um conjunto de condições dentro das quais o atributo pode- rá ser observado; e c) o padrão - evidência do atributo.
  • 9. 9.009.00 Os Comandantes de Subunidades e Instrutores continuarão apre- ciando o comportamento do militar em relação aos atributos da Área Afetiva considerados no PPB1/PPB2, ao longo da fase de Instrução. b. Fundamentos da Instrução Individual Consultar o PPB/1. 4. DIREÇÃO E CONDUÇÃO DA INSTRUÇÃO a. Responsabilidades 1) O Comandante , Chefe ou Diretor de OM é o responsável pela Direção de Instrução de sua OM. Cabe-lhe, assessorado pelo S 3, planejar, coordenar, controlar, orientar e fiscalizar as ações que permi- tam ao(s) Comandante(s) de Subunidade(s) e/ou de Grupamentos de Instrução elaborar a programação semanal de atividades e a execução da instrução propriamente dita. 2) O Grupamento de Instrução do Curso de Formação de Cabos (CFC) deverá ser dirigido por um oficial, de preferência Capitão, que será o responsável pela condução das atividades de instrução do curso. O Comandante, Chefe ou Diretor de OM poderá modificar ou es- tabelecer novos OII, tarefas, condições ou padrões mínimos , tendo em vista adequar as características dos militares e as peculiaridades da OM à consecução dos Objetivos da Fase. b. Ação do S3 1) Realizar o planejamento da Fase de Instrução Individual de Qualificação, segundo o preconizado no PIM-COTER e nas diretrizes e/ ou ordens dos escalões enquadrantes. 2) Coordenar e controlar a instrução do CFC e do CFSd, a fim de que os militares alcancem os OII de forma harmônica, equilibrada e consentânea com prazos e interesses conjunturais, complementando os critérios para os padrões mínimos, quando necessário. 3) Providenciar a confecção de testes, fichas, ordens de instrução e de outros meios auxiliares, necessários à uniformização das condi- ções de execução e de consecução dos padrões mínimos previstos nos OII. 4) Providenciar a organização dos locais e das instalações para a instrução e de outros meios auxiliares, necessários à uniformização das condições de execução e de consecução dos padrões mínimos pre- vistos nos OII. 5) Planejar a utilização de áreas e meios de instrução, de forma a garantir uma distribuição equitativa pelas Subunidades ou Grupamentos de Instrução. 6) Organizar a instrução da OM, de modo a permitir a compatibi- lidade e a otimização da instrução do EV com a do NB (CTTEP). c.Ação dos Comandantes de SU e/ou de Grupamentos de Instrução Os Comandantes de SU e/ou de Grupamentos de Instrução deve- rão ser chefes de uma equipe de educadores, a qual, por meio de ação contínua , exemplos constantes e devotamento à instrução, envidará to- dos os esforços necessários à consecução, pelos instruendos, dos pa- drões mínimos exigidos nos OII previstos para a FIIQ. d. Métodos e Processos de Instrução 1) Os elementos básicos que constituem o PP são as Matérias, osAssuntos, as Tarefas e os Objetivos Intermediários. 2) Os métodos e processos de instrução preconizados nos ma- nuais C 21-5 e T 21-250 e nos demais documentos de instrução deverão ser criteriosamente selecionados e combinados, a fim de que os OII rela- cionados a conhecimentos e habilidades, e definidos sob a forma de “tarefa”, “condições de execução” e “padrão mínimo”, sejam atingidos pelos instruendos. 3) Durante as sessões de instrução, o Soldado deve ser coloca- do, tanto quanto possível, em contato direto com situações semelhantes às que devam ocorrer no exercício dos cargos para os quais está sendo preparado. A instrução que não observar o princípio do realismo (T 21-
  • 10. 10.0010.00 250) corre o risco de tornar-se artificial e pouco orientada para os objetivos que os instruendos têm de alcançar. Os meios auxiliares e os exercícios de simulação devem dar uma visão bem próxima da realidade, visualizando, sempre que possível, o desempenho das funções em situa- ção de combate ou de apoio ao combate. 4) Em relação a cada uma das matérias da QMP, o instrutor deverá adotar os seguintes procedimentos: a) analisar os assuntos e as sugestões para objetivos interme- diários, procurando identificar a relação existente entre eles. Os assun- tos e as sugestões para objetivos intermediários são poderosos auxilia- res da instrução. Os objetivos intermediários fornecem uma orientação segura sobre como conduzir o militar para o domínio dos OII; são, por- tanto, pré-requisitos para esses OII. b) analisar os OII em seu tríplice aspecto: tarefa, condições de execução e padrão mínimo. Estabelecer, para cada OII, aquele(s) que deverá(ão) ser executado(s) pelos militares, individualmente ou em equi- pe; analisar as condições de execução, de forma a poder torná-las real- mente aplicáveis na fase de avaliação. 5) Todas as questões levantadas quanto à adequação das “con- dições de execução” e do “padrão mínimo” deverão ser levadas ao Co- mandante da Unidade, a fim de que ele, assessorado pelo S3, decida sobre as modificações a serem introduzidas no planejamento inicial. 6) Os OII relacionados à área afetiva são desenvolvidos durante toda a fase e não estão necessariamente relacionados a um assunto ou matéria, mas devem ser alcançados em conseqüência de situações criadas pelos instrutores no decorrer da instrução, bem como de todas as vivências do Soldado no ambiente militar. O desenvolvimento de ati- tudes apóia-se, basicamente, nos exemplos de conduta apresentados pelos chefes e pares, no ambiente global em que ocorre a instrução. 5. TEMPO ESTIMADO a. A carga horária estimada para o período é de 320 horas de atividades diurnas distribuídas da seguinte maneira: 1) 88 (oitenta e oito) horas destinadas à Instrução Comum; 2) 168 ( cento e sessenta e oito ) horas destinadas à Instrução Peculiar; e 3) 64 (sessenta e quatro) horas destinadas aos Serviços de Escala. b. O emprego das horas destinadas aos Serviços de Escala deverá ser otimizado no sentido de contemplar além das atividades de serviços de escala, propriamente ditas, as relativas à manutenção do aquartela- mento, recuperação da instrução de Armamento, Munição e Tiro e ou- tras atividades de natureza conjuntural imposta à OM. c. A Direção de Instrução, condicionada pelas servidões impostas por alguns dos OII da FIIQ, deverá prever atividades noturnas com carga horária compatível com a consecução destes OII por parte dos instruendos. d. Tendo em vista os recursos disponíveis na OM, as características e o nível da aprendizagem dos militares, bem como outros fatores que porventura possam interferir no desenvolvimento da instrução, poderá o Comandante, Chefe ou Diretor da OM alterar as previsões de carga horária discriminada no presente PP, mas mantendo sempre a prioridade para o CFC. 6. VALIDAÇÃO DO PPQ 11/2 Conforme prescrito no PPB/1 e SIVALI/PP. 7. ESTRUTURA DO PPQ 11/2 a. O PP está organizado de modo a reunir, tanto quanto possível, a instrução prevista para um cargo ou conjunto de cargos afins de uma mesma QMP. Esta instrução corresponde a uma ou mais matérias. Os conteúdos de cada matéria são assuntos que a compõem. Para cada assunto apresenta-se uma ou mais sugestão(ões) de objetivo(s)
  • 11. 11.0011.00 intermediário(s), que têm a finalidade de apenas orientar o instrutor. A um conjunto de assuntos pode corresponder um ou mais OII. b. Os OII estão numerados, dentro da seguinte orientação: Exemplo: 3 Q – 305 - O numero 3 indica a matéria Comunicações. - Q indica que o OII se refere à “Fase de Qualificação”. - O primeiro número da centena indica o tipo: 300 - Instrução Comum da IIQ 400 - Instrução Peculiar da IIQ - A dezena 05, o número do OII dentro da matéria, no caso “Transmitir uma mensagem por rádio”. Há, ainda, a indicação do objetivo parcial ao qual está vinculado o OII (FC, OP etc), conforme orientado no PPB/1. 8. NORMAS COMPLEMENTARES a. Este Programa – Padrão regula a formação dos militares nas QMG / QMP de Comunicações, relativas aos cargos previstos nas Nor- mas Reguladoras da Qualificação, Habilitação, Condições de Acesso e Situações das Praças do Exército, em vigor. b. Os cargos de Cb/Sd para os quais são exigidas habilitações específicas, definidos nas normas supra mencionadas, deverão ser ocu- pados por militares qualificados e que tenham participado de um Trei- namento Específico ( Trn Epcf ). c. O Trn Epcf é determinado e estabelecido pelos Comandantes, Chefes e/ou Diretores de OM, e constitui-se na prática acompanhada e orientada de uma atividade, com a finalidade de habilitar as praças para o desempenho de cargos previstos nos QO; ou no exercício de um traba- lho específico, nas respectivas OM, que exijam esse tipo de Habilitação Especial. d. Esse pode coincidir, no todo ou em parte, com as atividades da Capacitação Técnica e Tática do Efetivo Profissional (CTTEP) e não possui, normalmente, Programa – Padrão específico e tempo de dura- ção definido. O início e o término, bem como o resultado da atividade, julgando cada militar “APTO” ou “INAPTO” para o cargo, serão publi- cados no BI da OM. e. No caso particular de Trn Epcf realizado pelas OM que possuem Contigentes, visando habilitar seus cabos e soldados a ocupar cargos específicos, de interesse das OM e da Mobilização, será necessária a aprovação, pelo COTER, do respectivo PP, o qual será proposto pelas OM interessadas. f. As normas fixadas neste PP serão complementadas pelo (as): 1) PBPO e PIM, expedidos pelo COTER; e 2) Diretrizes, Planos e Programas de Instrução, elaborados pelos Grandes Comandos, Grandes Unidades e Unidades.
  • 12.
  • 13. 13.00 Será encontrada, nas páginas que se seguem, uma proposta para a distribuição de tempo para o desenvolvimento do Programa de Instrução que visa a Qualificação do Combatente. O Comandante, Chefe ou Diretor da OM poderá, em função dos recursos disponíveis, das características dos instruendos e de outros fatores conjunturais, alterar a carga horária das matérias discriminadas na distribuição sugerida. II. PROPOSTA PARAA DISTRIBUIÇÃO DE TEMPO Os quadros apresentados indicam os números das matérias peculiares que deverão constar dos programas de treinamento de cada um dos grupamentos de instrução mencionados neste PP.
  • 14. 14.00 OPMETEDOÃÇIUBIRTSIDEDLAREGORDAUQ.1 GMQ PMQ OÃÇURTSNIEDSOTNEMAPURG SEDADIVITA OÃÇURTSNI À tmCpsiD vS alacsE latoT mumoC railuceP anrutoN 11 24 otnemirpuSedlaosseP 88 861 oirétircA oãçeriDad oãçurtsnIed amuhneN 46 023 17 snegasneMedortneCodlaosseP 47/17 oiFmoCedlaosseP 37 tlE/rtelEpqEceMjA 47 oidáRmoCedlaosseP 57 ofargótoF/atsifargenicotoFjA COTER
  • 15. 15.00 ÀODANITSEDOPMETODOÃÇIUBIRTSIDEDORDAUQ.2 OÃÇURTSNIEDOTNEMAPURGROPRAILUCEPOÃÇURTSNI GMQ PMQ OÃÇURTSNIEDSOTNEMAPURG rN SERAILUCEPSAIRÉTAMSADSOREMÚN saroH 11 24 otnemirpuSedlaosseP mézamrAedsaniuqáMpO/psanepA)a( sovisolpxEenuMedpnM/xuAo/psanepA)b( moCedacitsígoLtsnIxuAo/psanepA)c( 01 seõçacinumoC 52 31 sotnemapiuqEesatnemarreF 21 81 lairetaModoãçnetunaM 23 91 )a(mézamrAedsaniuqáM 48 62 )b(sovisolpxEeseõçinuM 48 92 seõçalatsnIsadaçnarugeS 30 03 ahnapmaCmeoçivreS 21 13 )c(acinôrtelEeseõçacinumoCedlairetaMedotnemirpuS 48 AMOS 861 17 snegasneMedortneCodlaosseP 9 snegasneMedortneC/seõçacinumoCedortneC 04 01 seõçacinumoC 52 51 acitámrofnI 02 81 lairetaModoãçnetunaM 23 82 seõçacinumoCsadaçnarugeS 02 92 seõçalatsnIsadaçnarugeS 30 03 ahnapmaCmeoçivreS 21 23 aifargotpirCedsacincéT 61 AMOS 861 COTER
  • 16. 16.00 COTER ÀODANITSEDOPMETODOÃÇIUBIRTSIDEDORDAUQ.2 OÃÇURTSNIEDOTNEMAPURGROPRAILUCEPOÃÇURTSNI GMQ PMQ OÃÇURTSNIEDSOTNEMAPURG rN SERAILUCEPSAIRÉTAMSADSOREMÚN saroH 11 47/17 oiFseõçacinumoCedlaosseP ahniLedroturtsnoCeflTltCpO/psanepA)a( ecafretnIedpOrailixuA/psanepA)b( 01 seõçacinumoC 52 11 acinôfeleToãçarolpxE 02 61 )a(ahnapmaCedsahniL 03 81 lairetaModoãçnetunaM 23 22 )a(oiFseõçacinumoCedlairetaM 62 72 )b(ecafretnIedsotsoP 65 82 seõçacinumoCsadaçnarugeS 02 92 seõçalatsnIsadaçnarugeS 30 03 ahnapmaCmeoçivreS 21 AMOS 861 37 otnemapiuqEedocinâceMedetnadujA ocinôrtelE/ocirtélE ocinôrtelEpqEceMjAo/psanepA)a( ocirtélEpqEceMjAo/psanepA)b( 01 seõçacinumoC 52 41 acinôrtelEeomsitengaM,edadicirtelEedsotnemadnuF 62 71 edsotnemapiuqEsodoãçarapeRemegatsujA,oãçnetunaM )a(seõçacinumoC 07 81 lairetaModoãçnetunaM 23 02 )b(adanretlAetnerroCeaunítnoCetnerroCedsaniuqáM 07 92 seõçalatsnIsadaçnarugeS 30 03 ahnapmaCmeoçivreS 21 AMOS 861
  • 17. 17.00 COTER ÀODANITSEDOPMETODOÃÇIUBIRTSIDEDORDAUQ.2 OÃÇURTSNIEDOTNEMAPURGROPRAILUCEPOÃÇURTSNI GMQ PMQ OÃÇURTSNIEDSOTNEMAPURG rN SERAILUCEPSAIRÉTAMSADSOREMÚN saroH 11 47 oidáRseõçacinumoCedlaosseP 80 saciténgamortelEsadnOedoãçagaporPesanetnA 31 01 seõçacinumoC 52 21 acinôfeletoidaRoãçarolpxE 23 81 lairetaModoãçnetunaM 23 12 adacilpAacitámetaM 50 32 oidáRseõçacinumoCedlairetaM 62 82 seõçacinumoCsadaçnarugeS 02 92 seõçalatsnIsadaçnarugeS 30 03 ahnapmaCmeoçivreS 21 AMOS 861 57 ofargótoF/atsifargenicotoFedetnadujA siausivoiduAMxuAarapsanepa)a( otoFjAarapsanepa)b( 01 seõçacinumoC 52 81 lairetaModoãçnetunaM 23 42 aifargotoF/aifargenicotoFedlairetaM 62 52 )a(siausivoiduAsoieM 03 92 seõçalatsnIsadaçnarugeS 30 03 ahnapmaCmeoçivreS 21 33 megamliFeaifargotoFedsacincéT 04 43 )b(oirótarobaLedsacincéT 03 AMOS 861
  • 18.
  • 19. 19.00 III. MATÉRIAS PECULIARES DAS QMP DE COMUNICAÇÕES Em seguida, serão apresentadas, em ordem alfabética, as matérias peculiares das QMP de Comunicações.
  • 20. 20.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS Q-404 (OP/HT) Q-402 (AC) Definir as principais carac- terísticas das ondas ele- tromagnéticas. Identificar os tipos de an- tenas utilizadas em equi- pamentos rádio de cam- panha. Instalar um posto rádio. Fornecidos três tipos de antenas utilizadas em equipamentos rádio de campanha. Numa jornada em campanha, com todo o material necessário à instalação de um Conjunto Rádio do Grupo II. O militar deverá identificar, cor- retamente, os três tipos de an- tenas. O militar deverá escolher o local adequado e instalar o posto rá- dio, segundo as normas esta- belecidas. - Descrever as características das ondas eletromagnéticas. - Distinguir as faixas de freqüência de emprego militar. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. - Identificar os diversos tipos de an- tenas. - Descrever as características de ir- radiação de cada tipo de antena. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. - Citar as características do local adequado para a instalação do pos- to rádio. - Exemplificar locais adequados à instalação do posto rádio. - Escolher locais adequados para a instalação do posto rádio. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 1. Ondas Eletromagnéticas a. Produção b. Propagação c. Espectro de freqüência e suas faixas d. Normas de Administração de Radiofreqüências 2. Antenas a. Fundamentos b. Tipos c. Emprego d. Antenas improvisadas 3. Locais para instalação de um posto rádio a. Importância b. Aspectos a considerar 8. ANTENAS E PROPG DE ONDAS ELETROMAGNÉTICAS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 13 h Q-401 (AC) Conhecidas as características das ondas eletromagnéticas. O militar deverá definir as prin- cipais características das ondas eletromagnéticas. Q-403 (OP/HT) Instalar antenas improvi- sadas. Numa jornada em campanha, com meios de fortuna. O militar deverá instalar corre- tamente uma antena improvisa- da.
  • 21. 21.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 9. CENTRO DE COMUNICAÇÕES/CENTRO DE MENSAGENS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 36 h Em um Centro de Mensagens, com documentação e material pe- culiares, chega uma mensagem em duas vias corretamente pre- enchida, para ser enviada cripto- grafada a um outro Centro de Men- sagens distante. O militar deverá proceder com acerto nas seguintes etapas: - identificar a mensagem; -processar corretamente a mensagem; - identificar o arquivo corres- pondente; - conferir a autenticação de men- sagem; - conferir a autenticação da men- sagem criptografada; - despachar a mensagem ao seu destinatário. Processar a mensagem. Q-401 (AC/OP) - Descrever a organização e as atri- buições gerais do C Com. - Descrever os diversos passos do processamento da Msg no interior do C Com. - Descrever a organização e as atri- buições do Centro de Mensagens. - Identificar a mensagem. - Explicar as etapas seguidas pela mensagem no interior do Centro de Mensagens. - Conferir a autenticação. - Relacionar a mensagem ao recibo correspondente. - Fazer o preenchimento do recibo. - Anexar a mensagem ao recibo cor- respondente. - Organizar os arquivos de Recibos. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 1. Centro de Comunicações a. Organização b. Atribuições gerais 2. Centro de Mensagens a. Organicação b. Pessoal c. Atribuições d. Arquivos e registros
  • 22. 22.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS Transmitir e receber mensagens. - Transmitir e receber mensagens pelos terminais de comunicações. - Encaminhar o tráfego de chegada ao CM, para posterior processamento. - Efetuar os procedimentos em ca- sos de falha dos equipamentos, in- terferências etc. - Fazer registro dos QSL. - Atualizar as cartas de meios. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 5. Centro de transmissão e re- cepção a. Organização b. Pessoal c. Atribuições d. Documentos e arquivos O militar deverá encaminhar corretamente o tráfego de che- gada ao CM e o de saída, aos terminais de comunicações. Montados dois centros de men- sagens e terminais de Comuni- cações disponíveis. Q-403 (HT) 9. CENTRO DE COMUNICAÇÕES/CENTRO DE MENSAGENS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 36 h - Identificar os diversos tipos de men- sageiros quanto ao serviço que exe- cuta e ao meio de transporte utilizado. - Citar as vantagens e desvanta- gens no emprego do sistema de men- sageiros. - Citar as aptidões necessárias ao desempenho da função de mensa- geiro e dos postos de muda. - Citar as atividades desenvolvidas por um mensageiro. - Listar os diversos equipamentos uti- lizados pelos mensageiros. - Citar as considerações que influem na escolha dos itinerários dos men- sageiros. - Citar as precauções a serem toma- das pelos mensageiros, quanto à se- gurança. - Citar os princípios básicos que de- vem ser obedecidos com relação ao processamento e entrega das men- sagens. - Confeccionar a escala de mensa- geiros. - Instruir os mensageiros. - Manter o controle dos mensageiros. - Desempenhar as funções de men- sageiro. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. Fazer chegar as mensa- gens ao seu destino. Montados dois Centros de Mensagens e estabelecidos dois destinatários. O militar deverá entregar as mensagens nos destinos corre- tos e no prazo determinado pelo instrutor: - transportar mensagens de um CM a outro, e - de um CM para o destinatário. Q-402 (HT) 2. Centro de Mensagens a. Organização b. Pessoal c. Atribuições d. Serviço de mensageiros e. Meios de transportes e equi- pamentos f. Itinerários de mensageiros g. Postos de muda h. Documentos e arquivos
  • 23. 23.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS Q-406 (OP) Executar o Plano de Car- regamento e instalar o CM. Apresentados todo o material ne- cessário ao funcionamento do CM, 1 barraca para 10 praças e 1 viatu- ra de 1/2 tonelada. As tarefas deverão ser cumpridas sequencialmente e em conjunto pelos integrantes do CM. Após a execução do carregamen- to, o instrutor conduzirá a Vtr até o local onde será instalado o CM. Em seguida, pelos instruendos, o material será descarregado, e ins- talado o Centro de Mensagens. - Descrever as medidas para evitar danos quando do embarque e de- sembarque do material do Centro de Mensagens em viaturas. - Embarcar e desembarcar o materi- al do Centro de Mensagens, obede- cendo as prescrições para evitar danos. - Identificar as atribuições inerentes aos cargos dos integrantes do CM, relativos à execução do Plano de Carregamento e à instalação do CM. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. - Os integrantes do CM deverão cumprir corretamente as atri- buições inerentes aos respec- tivos cargos, de forma que o carregamento seja executado no prazo máximo de 20 min e o CM esteja instalado e em condições de operação 30 minutos após a indicação do local por parte do instrutor. 7. Embarque e desembarque do material do Centro de Men- sagens 8. Instalação do Centro de Msg 9. CENTRO DE COMUNICAÇÕES/CENTRO DE MENSAGENS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 36 h Processar a mensagem em um Centro de Mensa- gens Informatizado. - Descrever as possibilidades do programa. - Confeccionar mensagens utilizan- do o programa. - Demonstrar aptidão para o cum- primento da tarefa constante do OII. 5. Centro de Comunicações In- formatizado a. Organização b. Atribuições gerais c. Processamento da Men- sagem Todas as mensagens deverão ser digitadas com sucesso. Em um Centro de Mensagens In- formatizado, o operador do micro deverá, utilizando um programa fornecido, digitar uma mensagem corretamente. Q-404 (AC/OP) Realizar o processamento automático de men- sagens operacionais (PAMO). - Descrever as possibilidades do programa. - Editar mensagens utilizando o pro- grama. - Transmitir mensagens utilizando o programa. - Obter confirmação de entrega. - Demonstrar aptidão para o cum- primento da tarefa constante do OII 6. Processamento automático de mensagens operacionais a. Transmissão da mensagem b. Confirmação da entrega Todas as mensagens deverão ser enviadas com acerto. Em um Centro de Mensagens, o operador do micro deverá, utilizan- do um programa fornecido, editar um mensagem corretamente e enviá-la a um outro Centro de Men- sagens, através do PAMO. Q-405 (AC/OP)
  • 24. 24.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 10. COMUNICAÇÕES TEMPO ESTIMADO DIURNO: 25 h Classificar meios de Co- municações. - Citar os meios de Comunicações utilizados no Exército. - Diferenciar os meios de Comunica- ções. - Estabelecer vantagens e desvan- tagens de cada meio de comunica- ções. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 1. Meios de Comunicações a. Fio b. Rádio c. Multicanal d. Mensageiro e. Acústicos f. Visuais g. Diversos O militar deverá classificar cor- retamente todos os meios de Comunições apresentados. Apresentados dez meios de Co- municações exitentes na OM. Q-401 (AC) Soletrar um texto utilizan- do o alfabeto fonético in- ternacional. O militar deverá, com rapidez, soletrar o texto corretamente. Apresentado um texto contendo no mínimo dez palavras e três nú- meros. Q-402 (OP) - Identicar os símbolos e abreviatu- ras peculiares às comunicações. - Citar os indicativos, sinais e expres- sões de serviço. - Empregar os indicativos, sinais e expressões de serviço. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento das tarefas constantes dos OII. 3. Símbolos e abreviaturas milita- res a. Regras básicas b. Símbolos peculiares às co- municações - Associar o alfabeto fonético inter- nacional com as letras do alfabeto. - Realizar conversão do tempo. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento das tarefas constantes dos OII. 2. Caligrafia Militar a. Alfabeto fonético interna- cional b. Fusos horários e conver- são de tempo Efetuar a conversão do tempo. O militar deverá fazer a conver- são do tempo, entre as duas regiões, corretamente. Apresentada uma carta que con- tenha os fusos horários e indica- das duas regiões em fusos horá- rios diferentes. Q-403 (AC) Ler um texto com pala- vras abreviadas. O militar deverá ler o texto cor- retamente. Apresentado um texto com, no mínimo, quinze palavras abrevia- das de acordo com o C 21-30 e de uso comum nas atividades milita- res. Q-404 (AC) Identificar símbolos mili- tares. O militar deverá identificar os símbolos corretamente. Apresentados dez símbolos cons- tantes do C21-30 peculiares às Co- municações. Q-405 (AC) Informar os indicativos e a que redes pertencem os postos de Comunica- ções. - Citar a finalidade dos indicativos dos postos de Comunicações. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 4. Indicativos dos postos de Co- municações As informações deverão ser corretas e fornecidas, no máxi- mo, em 15 minutos. Apresentadas as IE Com Elt e pe- didos os indicativos de vinte pos- tos de Comunicações contidos nesse documento. Q-406 (AC)
  • 25. 25.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS Q-407 (AC) Descrever a finalidade e o emprego das expressões de serviço. A descrição deverá ser feita no tempo máximo de 15 minutos com 100% de acerto. Apresentadas dez expressões de serviço. - Citar os principais sinais e expres- sões de serviço. - Descrever o emprego e o significa- do das principais expressões de serviço. - Utilizar corretamente os principais sinais e expressões de serviço. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 5. Sinais e Expressões de Servi- ço Q-408 (OP) Utilizar a caderneta de mensagem. O militar deverá escrever a mensagem na folha da caderne- ta de mensagem, segundo as normas para preenchimento. Apresentadas uma mensagem verbal e uma caderneta de men- sagem. - Identificar uma caderneta de men- sagens. - Distinguir os campos de preenchi- mento da caderneta de mensagem. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 6. Mensagens a. Preparação b. Classificação sigilosa c. Precedência d. Caderneta de mensagens Apresentadas as IECom Elt e de- terminado que sejam identifica- das cinco instruções. O militar deverá identificar as instruções, consultando o índi- ce das IECom Elt, com 100% de acerto. Identificar as instruções, utilizando as IECom Elt. Q-409 (AC) - Distinguir as principais instruções contidas nas IECom Elt. - Identificar as instruções específi- cas. - Citar as finalidades das instruções específicas. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 7. IE ComElt e IP Com Elt a. Definição b. Finalidade c. Classificação sigilosa d. Forma e. Manuseio 10. COMUNICAÇÕES TEMPO ESTIMADO DIURNO: 25 h Fornecidas uma mensagem preestabelecida, retirada das IE Com Elt, e com o máximo de dois algarismos (formando uma dezena qualquer), e uma quantidade de pa- inéis suficientes. O militar deverá dispor os pai- néis no solo, de acordo com a mensagem solicitada. Transmitir uma mensa- gem, utilizando painéis. Q-410 (HT/OP) - Citar os tipos de painéis. - Empregar os painéis na transmis- são de mensagens. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 8. Painéis a. Finalidade b. Tipos c. Lançamento Fornecidos uma mensagem e o material necessário à montagem das balizas e(ou) ao lançamento. O militar deverá preparar uma mensagem lastrada, de acordo com um processo de apanha- mensagem. Enviar uma mensagem lastrada por meio de dis- positivo de apanha-men- sagens. Q-411 (HT/OP) - Descrever, sumariamente, os processos de apanha-mensagens. - Montar balizas para o processo de apanha-mensagens. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 9. Mensagens lastradas e dis- positivos de apanha-mensagens (balizas e por lançamentos)
  • 26. 26.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 11. EXPLORAÇÃO TELEFÔNICA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 20 h Transmitir uma informa- ção à Central, utilizando o circuito telefônico. O militar deverá: - acionar corretamente o circui- to de sinalização; - operar corretamente os órgãos do circuito de conversação; - obedecer as regras de explo- ração telefônica, prestando a in- formação. Apresentado um posto ligado a uma central e fornecida uma in- formação que deva ser prestada. Q-401 (HT/OP) 1. Regras de exploração tele- fônica a. Chamadas b. Respostas c. Chamada urgente d. Linha ocupada e. Conferência telefônica f. Exercício prático de explo- ração telefônica - Procedimentos dos assi- nantes e do Operador de Cen- tral. - Citar as principais regras de explo- ração telefônica. - Aplicar as regras de exploração te- lefônica. - Explorar um sistema telefônico. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. Fazer as ligações neces- sárias a uma conferência telefônica. O militar deverá fazer as liga- ções com exatidão em um tem- po máximo de dois minutos. Instalada uma central com seis te- lefones; um dos assinantes dese- ja uma conferência telefônica com os 5 outros assinantes. Q-402 (HT) Instalar uma central tele- fônica manual. O militar deverá instalar a cen- tral telefônica, realizando as li- gações e os testes necessários corretamente. Fornecidos uma central telefôni- ca manual e dez ramais previa- mente lançados. Q-403 (HT) - Utilizar as regras de exploração telefônica. - Instalar a central telefônica. - Interpretar a documentação do cen- tro telefônico. - Confeccionar o diagrama de tráfe- go telefônico. - Operar a central telefônica. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento das tarefas constantes dos OII. 2. Centrais Telefônicas a. Manuais b. Automáticas c. Instalação d. Operação e. Documentação de controle Instalar uma central tele- fônica automática. Fornecidos uma central telefôni- ca automática e dez ramais previa- mente lançados. Q-404 (HT)
  • 27. 27.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 12. EXPLORAÇÃO RADIOTELEFÔNICA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 32 h Operar um posto-rádio em ambiente de Guerra Eletrônica. O militar deverá: - executar corretamente os pro- cedimentos de exploração rádio previstos nas IECom Elt; - executar os procedimentos para reconhecimento de inter- ferências previstos nas IECom Elt, com 100% de acerto; - preencher e encaminhar o Re- latório de Interferência e Dissi- mulação (RID) com 100% de acer- to. - Fazer a abertura de uma rede-rádio; - Transmitir uma mensa- gem; e - Fazer o fechamento de uma rede-rádio. - Apresentados mensagens a se- rem transmidas, extrato das IE- Com Elt contendo procedimentos de MPE e um modelo do Relatório de Interferência e Dissimulação (RID). - Estabelecida uma rede rádio afe- tada por tentativas de dissimula- ção eletrônica imitativa e por ações de interferência de ruído. Q-401 (HT/OP) - Conhecer as Medidas Eletrônicas de Apoio. - Conhecer as Contramedidas Eletrô- nicas. - Conhecer as Medidas de Proteção Eletrônica. - Executar os procedimentos previs- tos nas IEComElt, quanto à instala- ção e operação do posto rádio. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 3. Guerra Eletrônica - Conceitos básicos a. Medidas Eletrônicas de Apoio (MEA) b. Contramedidas Eletrôni- cas (CME) c. Medidas de Proteção Eletrônica (MPE) - Citar as regras de exploração rá- dio. - Utilizar as regras de exploração rádio numa abertura de rede, trans- missão de mensagens e fechamen- to de rede. - Identificar e preencher os documen- tos de controle do posto-rádio. - Receber e transmitir mensagens. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 1. Regras de exploração radio- telefônica a. Chamadas e respostas b. Abertura e fechamento de rede c. Transmissão e recepção de mensagens d. Autenticação de redes e postos e. Documentos de controle O militar deverá fazer a abertu- ra da rede, autenticar seu pos- to, transmitir a mensagem e executar o fechamento da rede, segundo as regras de explora- ção rádio, no menor tempo pos- sível. Apresentados uma mensagem, uma rede rádio e um exemplar das IE Com Elt. Q-403 (HT/OP) Utilizar corretamente o espectro de rádiofre- qüência autorizado. Q-402 (AC) - Conhecer as Normas de Admi- nistração de Radiofreqüências no âmbito do Exército Brasileiro. - Conhecer as conseqüências da utilização de freqüências não auto- rizadas. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 2. Normas de Administração de Radiofreqüências O militar deverá ter pleno conhecimento das freqüências autorizadas e das restrições ao uso do espectro de radiofre- qüência. Apresentada a carta de freqüência distribuída à sua OM.
  • 28. 28.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 13. FERRAMENTAS E EQUIPAMENTOS TEMPO ESTIMADO DIURNO: 12 h Identificar e mostrar fer- ramentas danificadas. A identificação das ferramentas deverá ser feita com 100% de acerto. Apresentados um conjunto de fer- ramentas e os equipamentos uti- lizados na manutenção de materi- al de Comunicações. Entre as fer- ramentas, devem existir algumas danificadas. Q-401 (AC) - Distinguir as ferramentas e equipa- mentos utilizados na manutenção e instalação de material de Comunica- ções. - Manusear listas de nomeclatura padrão, catálogos e manuais de equi- pamentos e ferramentas. - Utilizar as ferramentas e equipa- mentos. - Realizar a manutenção de 1º Esca- lão nas ferramentas e equipamen- tos. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento das tarefas constantes dos OII. 1. Apresentação das ferramen- tas e equipamentos 2. Cofre de ferramentas e Qua- dro de ferramentas 3. Equipamentos utilizados na manutenção e instalação de ma- terial de Comunicações 4. Nomenclatura a. Listas de nomenclatura pa- drão de ferramentas b. Catálogos e manuais dos fabricantes de equipamentos e ferramentas 5. Manutenção de 1º Escalão a. Limpeza b. Lubrificação Q-402 (AC/CH) Q-403 (OP) Identificar, pela nomencla- tura, as ferramentas e equipamentos utilizados na manutenção e na ins- talação do material de Co- municações. Realizar a manutenção de 1º escalão das ferramen- tas e equipamentos. Todas as ferramentas danifica- das deverão ser identificadas e mostradas. A manutenção deverá ser reali- zada de forma correta e de acor- do com os manuais técnicos.
  • 29. 29.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 14. FUNDAMENTOS DE ELETRICIDADE, MAGNETISMO E ELETRÔNICA - Definir tensão e corrente alterna- da, tensão e corrente contínua. - Definir magnetismo. - Definir força eletromotriz. - Diferenciar corrente alternada de corrente contínua. - Definir forma de onda. - Definir freqüência de rede. - Definir, sumariamente, potência e energia. - Discriminar os tipos de energias e suas transformações. - Citar as leis de OHM. - Utilizar as fórmulas das leis de OHM. - Definir resistor. - Identificar os vários tipos de resis- tores existentes. - Diferenciar as ligações em série, em paralelo e em série-paralelo. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento das tarefas constantes dos OII. 1. Teoria Elétrica 2. Força Eletromotriz 3. Tensão e Corrente Alternada 4. Tensão e Corrente Contínua 5. Potência e Energia 6. Lei de OHM 7. Resistores Aplicação da lei de OHM. Resolver corretamente quatro problemas. Apresentados cinco problemas simples adequados à aplicação da lei de OHM. Q-401 (AC) Responder questões so- bre os diversos tipos de resistores. O militar deverá responder as questões formuladas com 70% de acerto. Apresentados vários resistores e questões sobre: - tipos de resistores; - código de cores para leitura de valores de alguns resistores; - circuitos em série, em paralelo e em série-paralelo. Q-402 (AC) Responder questões so- bre diversos tipos de ca- pacitores e de indutores. O militar deverá responder as questões formuladas com 60% de acerto. Apresentados vários capacitores e indutores, e questões sobre: - vários tipos de capacitores e indu- tores; - código de cores para leitura de valores de capacitores e indutores; - diferenciação dos circuitos em sé- rie, em paralelo e em série-paralelo. Q-403 (AC) - Definir capacitor e indutor. - Identificar os vários tipos de capa- citores e indutores existentes. - Aplicar o Código de Cores. - Diferenciar as ligações em série, em paralelo e em série-paralelo. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 8. Capacitores e indutores Identificar os diversos ti- pos de transformadores. O militar deverá identificar cor- retamente os diversos tipos de transformadores em um tem- po máximo de três minutos. Apresentados diversos tipos de transformadores de funciona- mentos diferentes. Q-404 (AC) - Identificar tipos de transformado- res. - Descrever o funcionamento dos transformadores. - Descrever a constituição dos trans- formadores. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 9. Transformadores TEMPO ESTIMADO DIURNO: 26 h
  • 30. 30.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS Instalar baterias (acumu- ladores) e fontes de alimentação. O militar deverá instalar as ba- terias e as fontes de alimenta- ção, observando as polaridades corretas, no menor tempo pos- sível. Apresentadas as baterias e outras fontes de alimentação dos equi- pamentos existentes na OM. Q-405 (HT) - Citar os tipos de fontes de alimen- tação: . Conversor AC/CC; . Pilhas; e . Acumuladores. - Identificar os tipos de fontes de ali- mentação. - Instalar os tipos de fontes de ali- mentação, observando sempre a polaridade. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 10. Fontes de Alimentação Executar medidas de ten- são e de corrente, utili- zando o multímetro. Os resultados obtidos pelo mi- litar deverão ser iguais aos de- terminados pelo instrutor. Apresentados um multímetro e uma BA-30. Q-406 (HT) - Identificar os medidores existentes na OM. - Descrever o uso do multímetro. - Utilizar o multímetro. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento das tarefas constantes dos OII. 11. Medidores Q-408 (HT) Realizar testes utilizando o multímetro. O militar deverá, utilizando cor- retamente o multímetro, avaliar as condições do material apre- sentado. Apresentado ao instruendo o se- guinte material: - um multímetro; - um microfone; - um fone; - um alto-falante. Q-407 (HT) Instalar equipamentos transdutores. O militar deverá instalar os Eqp transdutores no material apre- sentado. Apresentado um Eqp Rádio Gp II. - Identificar os diversos tipos de mi- crofone, fone e alto-falantes. - Descrever, sumariamente, o funci- onamento dos diversos tipos de mi- crofone, fone e alto-falantes. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 12. Transdutores 14. FUNDAMENTOS DE ELETRICIDADE, MAGNETISMO E ELETRÔNICA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 26 h
  • 31. 31.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS - Descrever os diversos tipos de semi-condutores. - Citar as características principais dos diversos tipos de semiconduto- res. - Descrever o funcionamento sumá- rio dos semicondutores. - Citar as regras básicas para o cui- dado e manuseio dos semiconduto- res. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. Q-409 (HT) Identificar os tipos de mo- dulação utilizados nos Eqp militares. O militar deverá identificar cor- retamente o tipo de modulação de cada Eqp. Apresentados diversos Eqp Rad de tipos de modulação diferentes. - Identificar os diversos tipos de mo- dulação: - Citar as características dos diver- sos tipos de modulação. - Descrever tipos de modulação. - Descrever as características dos diversos tipos de modulação. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 13. Modulação Q-410 (HT) Identificar os estágios do receptor. O militar deverá identificar o fun- cionamento de cada estágio. Apresentado um diagrama em bloco do receptor. 14. Receptor - Descrever o diagrama em bloco sim- plificado. - Descrever o funcionamento sumá- rio dos estágios do receptor. - Apresentar o diagrama em bloco simplificado. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. - Descrever o funcionamento sumá- rio dos estágios do transmissor. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. Q-411 (HT) Identificar os estágios do transmissor. O militar deverá identificar o fun- cionamento de cada estágio. Apresentado um diagrama em bloco do transmissor. Q-412 (HT) Identificar os diversos ti- pos de semicondutores. O militar deverá identificar cor- retamente o tipo de cada semi- condutor apresentado. Apresentados tipos diversos de semicondutores. 15. Transmissor 16. Semicondutores a. diodos b. transistores 14. FUNDAMENTOS DE ELETRICIDADE, MAGNETISMO E ELETRÔNICA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 26 h
  • 32. 32.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 14. FUNDAMENTOS DE ELETRICIDADE, MAGNETISMO E ELETRÔNICA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 26 h - Descrever os diversos tipos de Circuitos Integrados existentes na OM. - Citar as características principais dos diversos tipos de Circuitos Integrados. - Descrever o funcionamento su- mário dos Circuitos Integrados mais comuns nos Eqp Mil. - Citar as regras básicas para o cuidado e manuseio dos Circuitos Integrados. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. Q-413 (HT) Identificar os diversos ti- pos de Circuitos Integra- dos. O militar deverá reconhecer e identificar corretamente os ti- pos de CI existentes na OM. Apresentados tipos diversos de Circuitos Integrados. 17. Circuitos Integrados Q-414 (HT) Identificar os diversos tipos de circuitos impres- sos. O militar deverá reconhecer e identificar corretamente as variedades de placas de circui- tos impressos existentes na OM. Apresentados tipos diversos de circuitos impressos. 18. Circuitos Impressos - Descrever os diversos tipos de circuitos impressos. - Demonstrar as técnicas de elaboração das placas de circuitos impressos. - Descrever as técnicas de montagem dos componentes eletrônicos nas placas de circuitos impressos. - Citar as regras básicas para o cuidado e manuseio das placas de circuitos impressos. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII.
  • 33. 33.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 15. INFORMÁTICA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 20 h - Identificar os dispositivos de entra- da e saída de dados; - Identificar os botões e portas da unidade de sistema; - Distinguir os diversos cabos de ali- mentação e de dados; - Identificar acessórios. - Descrever, sumariamente, o funcionamento de um microcompu- tador. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. Q-401 (HT) Identificar os principais periféricos e acessórios do microcomputador. O militar deverá reconhecer e indentificar corretamente cada periférico e cada acessório apre- sentado. Apresentados um microcompu- tador com os periféricos e os acessórios existentes na OM. 1. Microcomputador a. Generalidades b. Constituição básica c. Princípios de funciona- mento d. Microprocessador e. Unidade de armazenamen- to principal e secundária f. Memórias g. A linguagem da informáti- ca (termos empregados na área) 2. Periféricos e acessórios a. Generalidades b. Características c. Tipos d. Finalidades - Conectar os cabos do monitor. - Conectar os cabos da impressora. - Ligar os cabos do teclado e do “mouse”(dispositivo de apontamen- to). - Ligar o cabo de rede. - Fazer a verificação do aterramento e da voltagem. - Ligar os cabos de alimentação do microcomputador e dos periféricos no estabilizador de energia. - Testar o dispositivo. - Demonstrar aptidão para o cum- primento da tarefa constante do OII. Q-402 (HT) Preparar o microcompu- tador para funcionamen- to. O militar deverá: - realizar a ligação dos cabos de alimentação e de dados; - fazer a conexão dos periféri- cos e acessórios; e - verificar aterramento e volta- gem. - realizar os testes de funciona- mento. Apresentados um microcomputa- dor com os periféricos e os aces- sórios desconectados. 3. Instalação a. Definições b. Instalações c. Ligações d. Testes
  • 34. 34.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 15. INFORMÁTICA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 20 h - Citar o princípio da Inicialização do computador. - Descrever as principais facilidades e ferramentas do sistema ope- racional. - Entender a estrutura do ambiente gráfico: janelas, pastas e arquivos; - Identificar e iniciar aplicativos ins- talados. - Descrever as principais facilidades, recursos e ferramentas de apli- cativos. - Descrever o funcionamento dos botões direito e esquerdo do mouse no sistema operacional. - Verificar o conteúdo do disco rígi- do, disquete e CD-ROM. - Descrever as operações com pas- tas e arquivos. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. Q-403 (HT) Descrever a finalidade e o funcionamento do siste- ma operacional e dos apli- cativos. O militar deverá descrever a fi- nalidade e ter noções básicas de funcionamento do sistema operacional e dos principais apli- cativos. Apresentados um microcompu- tador com o sistema operacional e os principais aplicativos utiliza- dos na OM. 4. Sistema Operacional a. Generalidades b. Tipos c. Configurações do micro- processador d. Acesso a pastas e arqui- vos e. Ferramentas f. Cuidados ao desligar 5. Aplicativos a. Apresentação b. Tipos mais utilizados 1) processador de textos 2) apresentações 3) bancos de dados 4) planilha de cálculos 5) navegadores 6) antivírus c. Recursos, facilidades e ferramentas d. Abrir um novo arquivo
  • 35. 35.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 15. INFORMÁTICA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 20 h Q-405 (HT) Definir as principais ca- racterísticas de uma rede de computadores. O militar deverá enumerar as principais características des- ta rede de computadores, com- parando-as com as de outros tipos de rede existentes. Estabelecida uma rede de compu- tadores. Q-404 (HT) Instalar e configurar uma impressora. O militar deverá: - executar as conexões neces- sárias; - fazer a instalação e configura- ção da impressora no sistema operacional. Apresentados um computador e uma impressora com seus acessórios, “driver” (acionador) de instalação e os suprimentos necessários para o funcionamento. 6. Impressora a. Apresentação b. Características c. Tipos d. Instalação e. Troca de suprimento - Citar os princípios de funcionamen- to das impressoras. - Definir impressora matricial, jato de tinta e laser. - Enumerar as diferenças básicas entre os diversos tipos de impres- soras. - Identificar as portas serial, parale- la, USB. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 7. Rede de Computadores a. Generalidades b. Características c. Tipos d. Modem e. Servidores f. Internet g. Intranet h. Correio eletrônico - Descrever, sumariamente, as ca- racterísticas das redes de computadores. - Identificar os tipos e o princípio de funcionamento do modem. - Destacar a importância e a finalida- de de implantação de uma rede no Centro de Comunicações. - Descrever as redes: Internet, intra- net e Rede do Exército (EBNet). - Compreender a troca de informa- ções por correio eletrônico. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. Q-406 (HT) Executar a manutenção de 1º Escalão. Durante a execução da tarefa, o militar deverá realizar as opera- ções de manutenção de 1º Es- calão, de acordo com as normas vigentes. Apresentados diversos materiais de informática existentes na OM. 8. Manutenção do Material a. Definição b. Objetivos c. Categorias d. Responsabilidades - Justificar a manutenção do material de informática. - Identificar as operações de 1º Es- calão a serem feitas no material de informática. - Realizar a manutenção de 1º Escalão. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII.
  • 36. 36.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 16. LINHAS DE CAMPANHA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 30 h - Citar e identificar os quatro tipos de linhas de campanha: rastejante, aé- rea, enterrada e submersa. - Citar as vantagens e desvantagens dos quatro tipos de linhas de campa- nha e apresentar as situações em que são empregadas. - Escolher o tipo de linha de campa- nha mais adequado a uma situação. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 1. Construção de Linhas de Cam- panha a. Generalidades b. Classificação c. Características Identificar os tipos de construção de linhas de campanha. O militar deverá apontar e iden- tificar os três tipos de constru- ção com 100% de acerto em um tempo máximo de 40 segundos. Apresentado um trecho de linha constituído de: - 10 metros de linha rastejante; - 2 metros de linha enterrada; - 3 metros de linha aérea. Q-401 (AC) - Identificar e descrever as técnicas de construção das linhas de campa- nha. - Empregar a técnica de construção das linhas de campanha. . Realizar nós, emendas e amarra- ções. - Operar desenroladeiras mecânicas. - Proceder as etiquetagens. - Ligar as bobinas de carga e insta- lar os postos de verificação das li- nhas. - Citar exemplos de pontos críticos. - Identificar pontos críticos. - Descrever os processos de trans- posição dos diversos tipos de pon- tos críticos. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento das tarefas constantes dos OII. 2. Técnicas de construção das linhas de campanha a. nós, emendas e amarra- ções b. etiquetagem c. pontos críticos d. bobinas e. desenroladeiras Recolher um circuito fio. Os militares deverão obedecer aos seguintes quesitos: - a construção deverá ser feita segundo as técnicas previstas; - o circuito será lançado e assentado em um tempo máxi- mo de 50 minutos. - o circuito será recolhido em um tempo máximo de 50 minutos; - a manutenção deverá ser cor- retamente executada; - o material deverá ser entregue limpo sem danos ou perdas. - A uma turma de construção constituída por quatro soldados construtores de linhas, será for- necido o material necessário para a construção de um circuito de 1 Km de extensão, ao longo de uma estrada, em terreno limpo. - O circuito deverá ser construído a pé, com um trecho de 900 me- tros de linha rastejante, 90 metros de linha aérea e 10 metros de li- nha enterrada. - A construção será feita com o tempo bom. - Será fornecido também, ao tér- mino do recolhimento do circuito, o material necessário à manuten- ção. - As tarefas serão sequenciais. Q-403 (HT) Q-402 (HT) Q-404 (CH) Construir um circuito fio ao longo de uma estrada. Executar a manutenção do material empregado na construção de um circui- to fio.
  • 37. 37.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS - Citar e identificar os tipos mais co- muns de defeitos em linhas de cam- panha. - Fazer emendas em cabos de cam- panha. - Citar e empregar as técnicas de identificação de defeitos através do telefone. - Reparar defeitos. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 3. Reparação de defeitos em li- nhas de campanhaReparar linhas de campa- nha. O militar deverá executar a emenda com acerto e no tempo máximo de 3 minutos. Os pos- tes deverão ser levantados e estaiados no tempo máximo de 10 minutos. - Apresentado um trecho de linha danificado, em que o fio duplo te- lefônico arrebentou e dois postes caíram. - Fornecido o material necessário à reparação da linha. Q-405 (HT) - Descrever um posto de verifica- ção. - Citar as características de um pos- to de verificação. - Escolher o local e instalar um posto de verificação. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 4. Postos de verificação a. Generalidades b. Características c. Instalação Instalar postos de verifi- cação. O militar deverá instalar o posto de verificação no tempo máxi- mo de 3 minutos. Fornecido o material necessário para a instalação de um posto de verificação, bem como o suporte onde deverá ser instalado. Q-406 (HT) 16. LINHAS DE CAMPANHA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 30 h
  • 38. 38.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 16. LINHAS DE CAMPANHA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 30 h - Descrever o funcionamento de um Centro de Construção. - Identificar as diversas partes que compõem um Centro de Construção. - Instalar um Centro de Construção. - Identificar o aparelho de testes de linhas de Centro de Construção. - Descrever o funcionamento e ope- ração do teste de linhas. - Operar um Centro de Construção. - Realizar a manutenção do material. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 5. Centro de Construção a. Instalação b. Teste de linhas Ligar linhas e circuitos às réguas de terminais. O militar deverá retirar a cama- da isolante das extremidades dos cabos e ligá-los aos termi- nais indicados pelo Chefe do Centro de Construção e aos ter- minais da régua da Central Tele- fônica. A tarefa deverá ser executada no tempo máximo de 3 minutos. Na área de Posto de Comando, o Chefe do Centro de Construção indicará as réguas e os terminais a que deverão ser ligados os cabos de circuitos troncos e da ligação Central – Centro de Cons- trução; cinco metros ao lado, deverá estar a central telefônica do PC com suas réguas terminais. O instruendo terá nas mãos, cor- retamente identificados, dois cabos oriundos de uma central fictícia distante e os cabos neces- sários à ligação Central – Centro de Construção, bem como o material necessário à ligação. Q-407 (HT) - Identificar, descrever e aplicar a técnica de construção de ramais lo- cais. - Identificar, descrever e aplicar as normas de instalação de telefones de campanha. - Realizar a manutenção do material. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 6. Ramais locais a. Generalidades b. Características c. Técnicas de construção d. Instalação de telefones de campanha Construir um ramal local. O militar deverá instalar, com acerto, o telefone na barraca. A lista telefônica deverá estar acessível ao assinante e prote- gida das intempéries. A construção do ramal deverá ser feita segundo a técnica es- tabelecida e, ao término da cons- trução, deverá estar operando normalmente. A tarefa deverá ser executada em um tempo máximo de 10 minutos. Em área de PC, existindo a barraca da Central e, a 100 metros de dis- tância, a barraca do Comandante; na barraca da Central, do lado ex- terno, uma régua de terminais li- gada à Central. São fornecidos, ao instruendo, o material necessário para a construção do ramal local, ligando a régua terminal da Cen- tral à barraca do Comandante, bem como o telefone e a lista telefôni- ca. Q-408 (HT)
  • 39. 39.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 16. LINHAS DE CAMPANHA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 30 h Escrever nas etiquetas o codinome das Unidades. O militar deverá procurar, no índice, as instruções relativas à identificação dos circuitos e encontrá-los em um tempo máximo de 2 minutos. O militar deverá identificar, nas IE Com Elt, as informa- ções necessárias e transcre- ver nas etiquetas o codinome encontrado para cada unidade. A tarefa deverá ser executa- da em um tempo máximo de 10 minutos e com 100% de acerto. - Fornecidos um exemplar das IE Com Elt que contenha as ins- truções relativas à identificação de circuitos, um lápis “crayon” e uma relação de dez Unidades cujos circuitos, previstos nas citadas IE Com Elt, precisem ser identificados. - Fornecidas 40 etiquetas que possibilitam a escrita a lápis. Q-409 (AC) - Identificar as diversas instruções constantes das IE Com Elt. - Aplicar as instruções constantes das IE Com Elt necessárias ao exer- cício de função de Cabo Construtor. - Identificar o diagrama de circuitos. - Descrever o diagrama de circui- tos. - Citar a finalidade do diagrama de circuitos. - Utilizar as informações fornecidas pelo diagrama de circuitos. - Identificar a carta de itinerário de linhas. - Descrever a carta de itinerário de linhas. - Citar a finalidade da carta de itine- rário de linhas. - Utilizar as informações fornecidas pela carta de itinerário de linhas. - Distinguir os diferentes processos de identicação dos circuitos. - Distinguir as condições de empre- go, vantagens e desvantagens dos diferentes processos de identica- ção dos circuitos. - Identificar nas IE Com Elt as instru- ções relativas à identificação dos circuitos. - Aplicar as instruções contidas nas IE Com Elt relativas à identificação dos circuitos. - Demonstrar aptidão para o cum- primento da tarefa constante do OII. 7. Documentação das IE Com Elt (Diagrama de Circuitos e Carta de Itinerário de Linhas) a. Definição b. Finalidade c. Classificação sigilosa d. Forma e. Manuseio 8. Processos de identificação dos circuitos
  • 40. 40.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 17. MANUTENÇÃO, AJUSTAGEM E REPARAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS DE COMUNICAÇÕES Identificar o material com- ponente do conjunto de ferramentas e os equipa- mentos necessários à manutenção do material de Comunicações. Identificar todos os equipamen- tos e as ferramentas correta- mente. Apresentados os equipamentos e as ferramentas componentes do conjunto de dotação da OM. Q-401 (AC) - Citar os cuidados a serem tomados no uso das ferramentas e equipa- mentos. - Identificar as ferramentas e equi- pamentos utilizados na manutenção. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 1. Introdução aos trabalhos de bancada a. Ferramental de manutenção b. Equipamentos utilizados TEMPO ESTIMADO DIURNO: 70 h Soldar fios. Q-402 (HT) Apresentados um ferro de soldar, um alicate apropriado, fios e sol- das. O militar deverá executar uma solda que apresente resistên- cia à tração e boa condutibilida- de elétrica. - Descrever os passos para realização do trabalho de solda. - Citar os cuidados a serem tomados nos trabalhos de solda. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 2. Técnica de solda Auxiliar o Mec Eqp Eltr, no escalão autorizado, na execução da manutenção, ajustagem e reparação de telefones e centrais tele- fônicas de campanha. Q-403 (HT) Apresentados um exemplar de cada tipo de central telefônica e telefone existente na OM e o ma- terial necessário à manutenção. Auxiliar a execução da manuten- ção de cada material apresenta- do, de acordo com as normas preconizadas. - Distinguir a competência de manu- tenção da OM. - Citar as principais características e identificar os componentes do mate- rial de Com fio existente na OM. - Distinguir manutenção preventiva de corretiva. - Descrever as operações neces- sárias à manutenção, no escalão autorizado, do material de Comuni- cações fio existente na OM. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 3. Manutenção do material de Comunicações fio - Centrais telefônicas e telefo- nes - Auxiliar o Mec Eqp Eltr, no escalão autorizado, na execução da manutenção, ajustagem e reparação de conjuntos rádio. Q-404 (HT) - Apresentados um exemplar de cada tipo de conjunto rádio exis- tente na OM e o material necessá- rio à manutenção. - Auxiliar a execução da manu- tenção de cada conjunto rádio apresentado, de acordo com as normas preconizadas. - Distinguir a competência de manu- tenção da OM. - Citar as principais características e identificar os componentes dos con- juntos rádio existentes na OM. - Descrever as operações neces- sárias à manutenção, no escalão autorizado, dos conjuntos rádio exis- tentes na OM. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 4. Manutenção do material de Comunicações rádio
  • 41. 41.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 18. MANUTENÇÃO DO MATERIAL TEMPO ESTIMADO DIURNO: 32 h Q-401 (CH) Executar a manutenção de 1º Escalão dos materiais da OM. - Justificar a manutenção do mate- rial. - Distinguir manutenção corretiva de manutenção preventiva. - Identificar as operações de 1º Es- calão a serem feitas no material. - Realizar manutenção de 1º Esca- lão. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 1. Manutenção do material a. Definição b. Objetivo c. Importância d. Categorias e. Preventiva e corretiva f. Responsabilidades g. Manutenção de 1º Es- calão 1) Significado 2) Importância Durante a execução da tarefa, o militar deverá realizar as opera- ções de manutenção de 1º Es- calão, de acordo com as normas regulamentares. Apresentados diversos materiais encontrados em uma OM de Co- municações.
  • 42. 42.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 19. MÁQUINAS DE ARMAZÉM TEMPO ESTIMADO DIURNO: 84 h Q-401 (AC) Conhecer os tipos de máquinas de armazém da OM . - Avaliar a necessidade de emprego da empilhadeira para movimentação de suprimentos nos armazéns. - Citar os tipos e as características das empilhadeiras mecânicas exis- tentes na OM. - Conhecer o funcionamento da empilhadeira e de seus dispositivos. - Ficar em condições de coordenar, inspecionar ou dirigir as atividades de trabalho da Turma de Operadores de Máquinas de Armazém. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 1. Emprego da empilhadeira. 2. Tipos de empilhadeiras quan- to à(ao) a. Capacidade de carga b. Combustível utilizado 1) a Óleo Diesel 2) a Gás Veicular 3) Elétrico c. Dispo de carregamento 1) Forquilha 2) Plataforma elevadora 3. Turma de Operadores de Máquinas de Armazém O militar deverá reconhecer o(s) tipo(s) e as características da(s) empilhadeiras(s) apresenta- da(s), bem como conhecer o funcionamento de todos os seus dispositivos. Apresentada(s) a(s) empilha- deira(s) existente(s) na OM. Q-402 (OP/AC) Conduzir e operar uma empilhadeira mecânica. - Operar os dispositivos de marcha e direção. - Posicionar a empilhadeira para re- colhimento e para a descarga de material. - Operar a forquilha ou a plataforma elevadora para o recolhimento da carga a transportar. - Recolher a carga disposta em plataforma de madeira (“palet”), er- guendo-a para transportá-la ao local determinado. - Conduzir, no interior do armazém ou depósito, a empilhadeira carre- gada, observando as medidas de segurança. - Movimentar a forquilha ou a plata- forma elevadora da empilhadeira até a altura necessária para descarre- gar a carga tranportada sobre o solo ou sobre fardos, sacos ou caixas já empilhadas. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 4. Dispositivos de marcha e direção 5. Operação da forquilha e da plataforma elevadora 6. Transporte de cargas paleti- zadas O militar deverá conduzir a empilhadeira mecânica com se- gurança e efetuar com acerto os trabalhos designados pelo instrutor. Apresentados uma empilhadeira, um itinerário balizado no interior de um armazém ou depósito, e tipos variados de cargas dispos- tas em plataformas de madeira (“palets”).
  • 43. 43.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 19. MÁQUINAS DE ARMAZÉM TEMPO ESTIMADO DIURNO: 84 h Q-403 (OP/AC) Efetuar o carregamento e o descarregamento de uma viatura. - Deslocar a empilhadeira carregada até a lateral ou a traseira da viatura a ser carregada e efetuar o carrega- mento. - Deslocar a empilhadeira até a lateral ou a traseira de viatura a ser descarregada e descarregá-la. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 7. Efetuar o carregamento de uma viatura com auxílio de em- pilhadeira 8. Descarregar a carga de uma viatura com auxílio de em- pilhadeira O militar deverá, operando a empilhadeira, carregar a viatura com os materiais apresentados e, posteriormente, descarregá- la. Apresentados uma viatura de car- ga (2 1/2 T ou superior), uma empilhadeira e tipos variados de cargas dispostas em plataformas de madeira (“palets”). Q-404 (OP/AC) Realizar a manutenção de 1º Escalão de empilhadeira mecânica. - Limpar a empilhadeira. - Lubrificar as partes móveis, segun- do a carta de lubrificação. - Completar os niveis de óleo, água e combustível (quando for o caso). - Recarregar as baterias (quando for o caso). - Realizar os reapertos necessários. - Calibrar os pneus. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 9. Manutenção de 1º Escalão A manutenção deverá ser reali- zada de forma correta e de acor- do com as normas técnicas. Apresentada uma empilhadeira mêcanica.
  • 44. 44.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS - Citar os princípios de funciona- mento de geradores de CC. - Citar os tipos de geradores de CC. - Definir motores e geradores. - Citar os princípios da operação de motores de CC. - Descrever motor básico de CC. - Citar a regra da mão direita. - Enunciar a teoria do motor básico de CC. - Identificar motor paralelo, série e composto. - Descrever, sumariamente, gerado- res monofásicos e polifásicos. - Citar as propriedades elétricas das conexões Delta e Épsilon. - Definir motores de CA. - Enumerar as teorias do motor de CA. - Demonstrar aptidão para o cum- primento das tarefas constantes dos OII. 1. Geradores e motores de cor- rente contínua (CC) 2. Geradores e motores de cor- rente alternada (CA) 20. MÁQUINAS DE CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 70 h Q-401 (AC) Identificar motores e ge- radores de CC e CA e des- crever, de forma sumária, seu funcionamento. - Apresentados motores e gera- dores existentes na OM. O militar deverá identificar cor- retamente o tipo de corrente e descrever, com acerto, o funcio- namento do gerador – motor apresentado. Q-402 (HT) Operar máquinas de CC e CA. - Apresentadas as máquinas de CC e CA usadas pelo pessoal de Comunicações na alimentação elé- trica dos sistemas de rádio e telefonia. O militar deverá operar corre- tamente as máquinas apresen- tadas.
  • 45. 45.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 20. MÁQUINAS DE CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 70 h Q-404 (CH ) Preparar instalações elé- tricas para equipamentos de som, rádio e telefonia. Desdobrada uma instalação mi- litar no terreno e apresentados os geradores e demais dispositivos elétricos existentes na OM. O militar deverá instalar o gera- dor e lançar a fiação elétrica para ligação dos equipamentos de som, rádio e telefonia. 4. Instalações elétricas 5. Fusíveis e disjuntores - Calcular a carga e a distribuição de potência em cada fase da rede elétrica instalada. - Instalar fusíveis e disjuntores compatíveis com as cargas instala- das e fiação lançada. - Energizar os equipamentos eletro- eletrônicos instalados na rede elétrica. - Verificar o correto funcionamento dos circuitos de iluminação e dos demais, necessários às atividades da instalação militar. - Verificar o perfeito funcionamento dos sistemas de som, rádio e telefo- nia. - Aplicar as regras de segurança no manuseio do material elétrico. - Demonstrar aptidão para o cum- primento da tarefa constante do OII. Q-403 (CH ) Executar a manutenção de geradores de CC e motores de CA da OM. Apresentados um gerador de CC e um motor de CA. - O militar deverá executar a manutenção de acordo com os manuais técnicos do material. 3. Manutenção de máquinas de CC e CA - Realizar testes de precisão de equi- pamentos elétricos utilizados nos sistemas de rádio e telefone, tais como geradores e dínamos, utilizan- do o multímetro. - Descrever as operações de ma- nutenção. - Fazer a manutenção normal ou es- pecial de dispositivos elétricos de rádio e telefone. - Executar a soldagem de fios e re- sistências utilizados nos equipamen- tos elétricos. -Realizar a Manutenção dos Equipa- mentos ulilizados nos serviços de reparo. - Demonstrar aptidão para o cum- primento da tarefa constante do OII.
  • 46. 46.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 21. MATEMÁTICA APLICADA TEMPO ESTIMADO DIURNO: 05 h Calcular razões e propor- ções. Apresentadas dez questões sim- ples sobre razões e proporções em ordem crescente de dificulda- de e de complexidade. O militar deverá solucionar 70% das questões com acerto, no mínimo. Q-402 (AC) Solucionar questões de aritmética. Formuladas vinte questões obje- tivas de aritmética em ordem de complexidade e de dificuldade crescentes. O militar deverá demonstrar perfeito conhecimento das qua- tro operações fundamentais, isoladamente e em conjunto. Deverá operar com números in- teiros e fracionários, obtendo, no mínimo, 70% de resultados corretos. Q-401 (AC) Calcular os comprimen- tos das antenas a partir das freqüências de ope- ração dos transmissores e receptores. Apresentados os tipos de antenas mais empregados e as freqüên- cias de operação dos diversos Conjuntos Rádios existentes na OM. O militar deverá calcular corre- tamente os comprimentos de antenas, solucionando com acerto as questões que lhe fo- rem apresentadas. Q-404 (AC) - Resolver problemas simples de ra- zões e proporções. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 2. Razões e proporções - Fazer as quatro operações aritmé- ticas fundamentais. - Operar com números inteiros e fra- cionários. - Resolver problemas sobre as qua- tro operações. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 1. Operações aritméticas funda- mentais a. Adição b. Subtração c. Multiplicação d. Divisão - Calcular o comprimento de uma antena, com base na freqüência de operação. - Demonstrar aptidão para o cum- primento da tarefa constante do OII. 3. Conversão de unidades de medidas de freqüências 4. Cálculo de antenas Converter unidades de medidas. Apresentados os valores de fre- qüências em Hz, KHz, MHz e GHz. O militar deverá fazer a conver- são de unidades, solucionando com acerto, no minimo, 70% das questões apresentadas. Q-403 (AC) - Converter unidades de medidas de freqüência. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII.
  • 47. 47.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 22. MATERIAL DE COMUNICAÇÕES FIO TEMPO ESTIMADO DIURNO: 21 h 1. Fio duplo telefônico 2. Cabos múltiplos Identificar fios telefôni- cos e cabos múltiplos. - Citar os tipos de desenroladeiras. - Citar as características de cada de- senroladeira. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 4. Desenroladeiras a. Apresentação b. Características c. Operação Colocar bobinas em de- senroladeiras. O militar deverá identificar as desenroladeiras adequadas e colocar as bobinas corretamen- te. Apresentadas três bobinas dife- rentes com fio duplo telefônico e várias desenroladeiras manuais. Q-403 (HT) - Citar os tipos de fios. - Citar as características do fio duplo telefônico. - Empregar o fio duplo telefônico. - Citar a finalidade do cabo múltiplo. - Citar as características do cabo múltiplo. - Empregar o cabo múltiplo. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. Q-401 (AC) - Identificar o material utilizado na construção de linhas. - Descrever o uso do material diver- so. - Utilizar o material diverso. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 5. Material de construção de li- nhas a. Caixas e armações b. Escadas c. Varas d. Lança-forquilhas e. Luvas f. Réguas terminais Identificar os diversos materiais empregados na construção de linhas. O militar deverá fazer a ligação corretamente, de modo que seja possível estabelecer uma conversação entre os dois pon- tos. Apresentados dois telefones magnéticos com todos os seus componentes. Q-405 (HT) - Citar as características do telefone magnético. - Operar o telefone magnético. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 6. Telefones Magnéticos a. Características b. Emprego c. Verificação d. Operação e. Cuidados com o Eqp Fazer uma ligação ponto a ponto. - Citar os tipos de bobinas. - Citar a capacidade em fios de cada bobina. - Empregar as bobinas. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 3. Bobinas a. Capacidade em fios duplos telefônicos b. Capacidade em cabos Distinguir os diversos ti- pos de bobinas. O militar deverá fazer a correta distinção das bobinas. Apresentados cinco tipos de bo- binas vazias e irregularmente dis- postas. Q-402 (AC) Apresentados os tipos de fios e cabos múltiplos empregados pe- las Comunicações da OM. O militar deverá identificar os fios e os cabos múltiplos com 100% de acerto. Q-404 (AC) Apresentados os diversos mate- riais utilizados para a construção de linhas. O militar deverá identificar cor- retamente cada um dos materi- ais apresentados.
  • 48. 48.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 22. MATERIAL DE COMUNICAÇÕES FIO TEMPO ESTIMADO DIURNO: 21 h - Citar as características do telefo- ne de campanha. - Testar o telefone de campanha. - Operar o telefone de campanha. - Citar as características do telefo- ne amplificador. - Operar o telefone amplificador. - Descrever o emprego dos equi- pasmentos de instalador. - Empregar os equipamentos do ins- talador. - Demonstrar aptidão para o cum- primento da tarefa constante do OII. 7. Telefones de campanha a. Características b. Emprego c. Verificação d. Operação 8. Telefones Amplificadores a. Características b. Emprego c. Verificação d. Operação e. Cuidados com o Eqp 9. Características e manutenção orgânica dos equipamentos do instalador Realizar os testes de fun- cionamento do telefone de campanha. - Justificar a manutenção do mate- rial de Comunicações. - Distinguir manutenção preventiva de manutenção corretiva. - Descrever as operações de ma- nutenção de 1º Escalão. - Demonstrar aptidão para o cum- primento da tarefa constante do OII. 12. Manutenção do material a. Definições b. Objetivo c. Importância d. Categoria e. Preventiva e corretiva f. Responsabilidades 13. Manutenção de 1º Escalão Executar a manutenção de 1º Escalão do material de Comunicações fio. O militar deverá realizar a ma- nutenção de 1º Escalão de cada material, de acordo com as nor- mas preconizadas. Apresentado cada tipo de materi- al de Comunicações fio existente na OM e o material necessário à manutenção de 1º Escalão. Q-409 (CH) Q-406 (HT) - Citar os tipos de centrais telefôni- cas de campanha. - Citar as características das cen- trais telefônicas. - Instalar e testar as centrais. - Demonstrar aptidão para o cum- primento da tarefa constante do OII. 10. Centrais telefônicas de cam- panha a. Tipos b. Características c. Instalação d. Verificação e. Operação Instalar uma central tele- fônica. O militar deverá: - instalar a central; - realizar os testes prelimina- res para o funcionamento; e - ligar os telefones à central. Fornecidos uma central telefôni- ca, seus acessórios e dois tele- fones de campanha com suas respectivas linhas. Q-407 (HT) Apresentados os telefones de campanha existentes na OM, com todos os seus componentes. O militar deverá colocar as ba- terias e fazer as verificações de funcionamento, deixando os telefones em condições de se- rem utilizados. Q-408 (CH) Instalar uma central tele- fônica automática de cam- panha. Apresentada uma central telefô- nica automática de campanha, seus acessórios e dois telefones de campanha com suas respecti- vas linhas. 11. Centrais telefônicas automá- ticas de campanha a. Características b. Instalação c. Verificação d. Operação - Citar as características das cen- trais automáticas de campanha. - Instalar e testar a central. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. O militar deverá: - instalar a central automática; - realizar os testes prelimina- res para o funcionamento; e - ligar os telefones à central.
  • 49. 49.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 23. MATERIAL DE COMUNICAÇÕES RÁDIO TEMPO ESTIMADO DIURNO: 21 h - Citar as características dos equi- pamentos rádios dentro dos diferen- tes grupos. - Identificar os diversos equipamen- tos dentro dos respectivos grupos. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 1. Nomenclatura do material de Comunicações rádio - Divisão dos grupos rádios 2. Conjuntos Rádios existentes na OM Identificar os conjuntos rádios pelos grupos. - Identificar componentes do conjun- to rádio. - Instalar o equipamento. - Operar o equipamento. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 4. Conjuntos Rádios do Grupo II a.Apresentação b.Características c.Componentes d.Controles e.Operação f. Cuidados com o material Registrar freqüências em um Conjunto Rádio do Grupo II. O militar deverá ligar, registrar a freqüência e testar o equipa- mento, deixando-o em condi- ções de ser operado. Apresentados uma frequência de operações e um Conjunto Rádio do Grupo II com todos seus com- ponentes e acessórios. Q-403 (OP) Q-401 (AC) - Citar as características do conjun- to rádio. - Identificar chaves e controles. - Preparar o Eqp para a operação. - Operar o equipamento. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 3. Conjuntos Rádios do Grupo I a.Apresentação b.Características c.Componentes d.Controles e.Operação f. Cuidados com o material Operar Conjunto Rádio do Grupo I. O militar deverá ligar e testar o equipamento, deixando-o em condições de ser operado. Apresentado um Conjunto Rádio do Grupo I com todos seus com- ponentes e acessórios. Q-402 (HT) Apresentada uma exposição de todo o material rádio existente na OM. O militar deverá cumprir a tare- fa com 100% de acerto. - Citar as características do conjun- to rádio. - Identificar chaves e controles. - Identificar componentes do conjun- to rádio. - Instalar o equipamento. - Operar o equipamento. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 5. Conjuntos Rádios do Grupo III a.Apresentação b.Características c.Componentes d.Controles e.Operação f. Cuidados com o material Instalar Conjunto Rádio do Grupo III em viatura. Q-404 (HT) Apresentados um conjunto Rádio do Grupo III com todos seus com- ponentes e acessórios e as con- dições necessárias à instalação em viatura. O militar deverá: - instalar o Conjunto Rádio na viatura; - ligar e testar o equipamento; e - deixar o equipamento em con- dições de ser operado.
  • 50. 50.00 OBJETIVOS INDIVIDUAIS DE INSTRUÇÃO (OII) ORIENTAÇÃO PARA INTERPRETAÇÃO SUGESTÕES PARA TAREFA CONDIÇÃO PADRÃO-MÍNIMO OBJETIVOS ASSUNTOS INTERMEDIÁRIOS 23. MATERIAL DE COMUNICAÇÕES RÁDIO TEMPO ESTIMADO DIURNO: 21 h 6. Conjuntos Rádios do Grupo IV a. Apresentação b. Características c. Componentes d. Controles e. Instalação f. Sintonia g. Operação h. Cuidados com o equipamento Instalar Conjunto Rádio do Grupo IV em viatura. Apresentados um Conjunto Rádio Grupo IV com todos os seus com- ponentes e acessórios e as con- dições necessárias à instalação em viatura. Q-405 (HT) - Justificar a manutenção do material de Comunicações. - Distinguir manutenção preventiva de corretiva. - Citar as operações de manutenção de 1º Escalão. - Identificar as operações de Mnt de 1º Escalão a serem feitas no material de Comunicações. - Realizar manutenção de 1º Esc. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento da tarefa constante do OII. 9. Manutenção do Material a. Definições b. Objetivo c. Importância d. Categoria e. Preventiva e Corretiva f. Responsabilidade 10. Manutenção de 1º Escalão Executar a manutenção de 1º Escalão do Material de Comunicações Rádio. Q-408 (CH) Apresentados cada tipo de mate- rial de Comunicações rádio exis- tente na OM e o material necessário à manutenção de 1º Escalão. O militar deverá executar a ma- nutenção de 1º Escalão de cada material, de acordo com as nor- mas preconizadas. - Citar as características do Conjun- to Rádio. - Identificar chaves e controles. - Identificar componentes do conjun- to rádio. - Instalar o conjunto rádio. - Sintonizar o conjunto rádio. - Operar o conjunto rádio. - Demonstrar aptidão para o cumpri- mento das tarefas constantes dos OII. 7. Conjuntos Rádios do Grupo V a. Apresentação b. Características c. Componentes d. Controles e. Instalação f. Sintonia g. Operação h. Cuidados com o equipamento Instalar Conjunto Rádio do Grupo V em viatura. O militar deverá: - instalar o conjunto rádio em uma viatura adequada; - ligar e testar o equipamento; - deixar o equipamento em con- dições de ser operado. Apresentados um Conjunto Rádio Grupo V com todos os seus com- ponentes e acessórios e as con- dições necessárias à instalação em viatura. Q-406 (HT) Instalar Conjunto Rádio do Grupo VI em viatura. Apresentados um Conjunto Rádio Grupo VI com todos os seus com- ponentes e acessórios e as con- dições necessárias à instalação em viatura. Q-407 (HT) 8. Conjuntos Rádios do Grupo VI a. Apresentação b. Características c. Componentes d. Controles e. Instalação f. Sintonia g. Operação h. Cuidados com o equipamento