SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Baixar para ler offline
Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo
                                                FESPSP


                                      PLANO DE DISCIPLINA


I. IDENTIFICAÇÃO

DISCIPLINA                    Elaboração e Gestão de CARGA HORÁRIA              68 hs
                              Linguagem Documentária
                              Pós-Coordenada
CURSO                         Biblioteconomia e Ciência SEMESTRE                5º semestre
                              da Informação                                     Noturno
PROFESSORA                    Cibele Araújo Camargo TITULAÇÃO                   Doutora em
                              Marques dos Santos                                Ciência da
                                                                                Informação (ECA/
                                                                                USP).
CÓDIGO DA DISCIPLINA


II. OBJETIVOS


   1.   Mostrar as funções das linguagens documentárias pós-coordenadas e seus principais
        componentes objetivando sua construção, uso, adaptação, gestão e atualização.
   2.   Apresentar as normas, os procedimentos e as técnicas relacionadas ao controle da terminologia
        de áreas especializadas e sua importância na construção de linguagens documentárias.
   3.   Mostrar novas tendências na área de linguagem documentária.




III. EMENTA

Apresentação das linguagens documentárias pós-coordenadas com ênfase na função e no uso dos
vocabulários controlados e tesauros na indexação e sua importância para a recuperação da informação.
Elaboração, construção, normalização e uso de uma linguagem documentária com utilização de
terminologia de área. Introdução à gestão, manutenção e revisão de linguagens documentárias e política
de indexação para tratamento da informação. Apresentação da gestão automatizada das linguagens
documentárias e demonstração novas tendências na área.


IV. CONTEÚDO SELECIONADO

   •    A importância da linguagem: relação da lingüística documentária com as linguagens
        documentárias e os princípios da informatividade;
   •    Linguagens documentárias: diferença entre os tipos e usos de linguagens documentárias: pré-
        coordenadas (sistemas de classificação e listas de cabeçalhos de assuntos) e pós-coordenadas
        (vocabulários controlados e tesauro).
•     Linguagens documentárias pós-coordenadas: aspectos principais; uso na indexação de
          documentos em diversos suportes.
    •     A participação destas linguagens na política de indexação do sistema de informação.
    •     Linguagens documentárias e Terminologia, relação entre as respectivas normas.
    •     Diretrizes e metodologia de construção de linguagem documentária: seleção e coleta de termos,
          critérios e padrão de organização dos termos, relações entre os termos e categorias de termos.
    •     As diretrizes de gestão/atualização, as novas tendências de organização terminológica como
          taxionomias, redes semânticas, ontologias, topic maps e os ambientes tecnológicos de aplicação.
    •     Avaliação e gestão de linguagem documentária (inclusive em sistema automatizado);
    •     Orientação para elaboração de linguagem documentária

V. METODOLOGIA

A – Métodos:

        Aulas dialogadas;
        Exercícios em aula (individuais e em grupos);
        Atividades desenvolvidas com os alunos: pré-projeto da linguagem documentária, atividades em
bases de dados; orientação em grupos para elaboração de linguagem documentária;
        Atendimento aos alunos para planejamento e acompanhamento do desenvolvimento de uma
linguagem documentária,
        Utilização da Web 2.0 (Blog – http://elabld.blogspot.com e twitter - @indexld ) para interatividade
com os alunos e softwares específicos.

B – Recursos

Uso de datashow e Internet, uso de blog da disciplina e twitter e softwares de interesse para a área.


VI. AVALIAÇÃO

1a. Avaliação: Prova escrita (nota 1 a 10).
2a. Avaliação: Exercícios (nota 1 a 5).
3a. Avaliação: Entrega de linguagem documentária e discussão da experiência de elaboração.
Compilação de um micro tesauro (elaborado em grupo sob orientação), contendo pelo menos 200 termos,
em temática escolhida pelos alunos e aprovada pela professora, composto das seguintes partes: teoria
sobre linguagem documentária e a metodologia de trabalho, levantamento dos termos e definições,
elaboração da estrutura conceitual e do índice alfabético-estruturado a partir das relações hierárquicas,
associativas e de equivalência e discussão final em classe sobre o processo e experiência de elaboração
(nota 1 a 10).

4º. Avaliação: Participação do aluno nas aulas teóricas e nos trabalhos em grupo; disciplina em sala de
aula (interesse, colaboração e atenção) e presença, (nota 1 a 5).

Nota final: (1ª avaliação + 2ª avaliação + 3ª avaliação + 4ª avaliação)/3

VII. BIBLIOGRAFIA

Básica:

CINTRA, A.M; KOBASHI, N.Y; LARA, M. L. G. Para entender as linguagens documentárias. São Paulo:
POLIS, 2002.
LARA, M. L. G. de. Dos sistemas de classificação bibliográfica às search engines (I e II). São Paulo:
APB, 2001. (Ensaios APB, n.90 e 91).

LARA, M.L.G. Informação, informatividade e Lingüística Documentária: alguns paralelos com as reflexões
de Hjorland e Capurro. Datagramazero, v.7, n.4, ago.2006. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/ago06/
F_I_art.htm.>

LARA, M. L. G. de; TÁLAMO, M. de F. G. M. Informação e produção de sentido: a integração da categoria
recepção no processo documentário-informacional. (Apresentado em 6ème Colloque International du
Chapitre Français de l'ISKO, 2007, Toulouse: Organisation des connaissances et société des savoirs:
concepts, usages, acteurs). Disponível em em: < http://www.rumores.usp.br/lara.pdf> Acesso em: 29 de
nov. de 2010.

LARA, M.L.G. Novas relações entre Terminologia e Ciência da Informação na perspectiva de um conceito
contemporâneo da informação. Datagramazero, v.7, n.4, ago.2006. Disponível em:
<http://www.dgz.org.br/ago06/F_I_art.htm.>

LIMA, V. M. A. Terminologia, comunicação e representação documentária. São Paulo, 1998.
(Dissertação de Mestrado apresentada a Escola de Comunicação e Artes da USP). Disponível em
http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27143/tde-11052004-122839/publico/Term_Comum_Repres_
Documentaria.pdf

TÁLAMO, M. F. G. M. Linguagem documentária. São Paulo: APB, 1997. (Ensaios APB, n. 5)

NATIONAL INFORMATION STANDARDS ORGANIZATION. Guidelines for the construction, format,
and management of monolingual controlled vocabularies, 2005. (ANSI/NISO Z39.19-2005.).
Disponível em: http://www.niso.org/kst/reports/standards/kfile_download?id%3Austring
%3Aiso-8859-1=Z39-19-2005.pdf&pt=RkGKiXzW643YeUaYUqZ1BFwDhIG4-24RJbcZBWg8uE4vWdpZsJ
Ds4RjLz0t90_d5_ymGsj_IKVaGZww13HuDlYn5U74YdfA-3TffjxYQ25QrtR8PONuJLqxvo-l0NIr5

ZENG, M. Constructing Controlled Vocabularies: tutorial. 2005. Disponível em: http://www.slis.kent.edu/
~mzeng/Z3919/index.htm.



Complementar:

BOCCATO, V. R. C e FUJITA, M. S. L. Estudos de avaliação quantitativa e qualitativa de linguagens
documentárias: uma síntese bibliográfica. Belo Horizonte, Perspectiva em Ciência da Informação, v. 11, n.
2, p. 267-281, maio/ago. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pci/v11n2/v11n2a10.pdf. Acesso
em: 29 de nov. de 2010.

GILCHRIST, A. Thesauri, taxonomies and ontologies: an etymological note. Journal of Documentation,
v.59 n.1, 2003. p. 7-18.

IBICT. Diretrizes para a elaboração de tesauros monolíngues. Brasília: IBICT, 1984.

LOPES, I. L. Uso das linguagens controlada e natural em bases de dados: revisão de literatura. Ciência
da Informação, Brasília, v.31, n.1, p.41-52, 2002. Disponível em:
http://www.scielo.br/pdf/ci/v31n1/a05v31n1.pdf. Acesso em: 29 de nov. de 2010.

LÓPEZ CARREÑO, R, et all. El tesauro como herramienta en la optimación de la gestión de la
documentación administrativa. Disponível em: http://www.um.es/~gtiweb/fjmm/isko99.html. Acesso em:
29 de nov. de 2010.

MILLER, U. Thesaurus construction: problems and their roots. Information Processing and
Management, v.33, n.4, p.481-493, jul. 1997.

MOURA, M. A; SILVA, A. P; AMORIM, V. R. de. A concepção e o uso das linguagens de indexação face
às contribuições da semiótica e da semiologia. Revista Informação & Sociedade: Estudos, v.12, n.1,
2002. Disponível em: <http://www.brapci.ufpr.br/download.php?dd0=13468 > Acesso em: 29 de nov. de
2010.

TÁLAMO, M.F.G..M; KOBASHI, N.Y; LARA, M. L. G. Contribuição da terminologia para a elaboração de
tesauros. Ciência da Informação, Brasília, v.21, n.3, p.197-200, 1992. Disponível em:
<http://revista.ibict.br/index.php/ciinf/article/viewArticle/1282>. Acesso em: 29 de nov. de 2010.



VIII. CRONOGRAMA DE ATIVIDADES
Aula        Conteúdo/Atividade
             • Apresentação do programa - bibliografia, critérios de avaliação e composição da
               nota (trabalho, prova, exercícios e participação).
             • Na apresentação do conteúdo breve exposição sobre as Linguagens
               Documentárias (LD) em geral, relembrando o aluno de disciplinas anteriores como
               classificação (LD pré-coordenada), indexação e resumo, representação descritiva,
               lingüística e documentação.
             • Apresentação do roteiro de construção da linguagem documentária e definição dos
    1ª         grupos de trabalho.
 04/02/11    • Apresentação do blog e do twitter da disciplina.
             • Aula dialogada sobre a importância da linguagem: relação dos conceitos da
               lingüística documentária com as linguagens documentárias, informatividade e
               aspectos fundamentais sobre o tema.
             • Texto: LARA, M.L.G. Informação, informatividade e Lingüística Documentária:
               alguns paralelos com as reflexões de Hjorland e Capurro.
    2ª       • Apresentação do processo de organização da informação e representação
 11/02/11      temática da informação
             • Exercícios práticos de indexação utilizando linguagem documentária.
             • Aula dialogada sobre os conceitos de sinonímia, antonímia, polissemia,
               homonímia, sua origem nos estudos de lingüística e as conseqüências para o
               tratamento e recuperação da informação.
    3ª       • Demonstração de exemplos na Internet e em bases de dados.
 18/02/11    • Entrega de material para exercícios.
             • Aula dialogada sobre conceitos e sistema nocional, relações hierárquicas,
               associativas e de equivalência.
    4ª       • Texto: CINTRA, A.M; et all. Para entender as linguagens documentárias.
 25/02/11    • Exercícios sobre o tema e sobre a relação com o processo de indexação.
             • Aula dialogada sobre linguagens documentárias: tipos, utilização e novas
               tecnologias.
             • Texto: LARA, M. L. G. de. Dos sistemas de classificação bibliográfica as search
    5ª         engines (I).
 04/03/11    • Orientação para elaboração do pré-projeto de linguagem documentária em grupo
             • Aula dialogada sobre linguagens documentárias: tipos, utilização e novas
               tecnologias.
             • Texto: LARA, M. L. G. de. Dos sistemas de classificação bibliográfica as search
               engines (II).
             • Novas tendências: taxionomias, redes semânticas, ontologias, topic maps
    6ª
 11/03/11    • Orientação para elaboração do pré-projeto de linguagem documentária em grupo
             • Aula dialogada sobre linguagens documentárias pós-coordennadas: aspectos
               principais.
             • Texto: LIMA, V. M. A. Terminologia, comunicação e representação documentária.
    7ª       • Avaliação: Entrega de pré-projeto para elaboração de LD – em grupo – 2
 18/03/11      páginas.
• Aula dialogada sobre as diferentes estruturas/finalidades de organização de
              termos, e conceitos de terminologia.
            • Texto: TÁLAMO, M.F.G..M; KOBASHI, N.Y; LARA, M. L. G. Contribuição da
   8ª         terminologia para a elaboração de tesauros e TÁLAMO, M. F. G. M. Linguagem
25/03/11      documentária. São Paulo: APB, 1997. (Ensaios APB, n. 5).
            • Aula dialogada sobre formas de apresentação de tesauros.
            • Apresentação de modelos.
            • Texto: IBICT. Diretrizes para a elaboração de tesauros monolingües.
            • Discussão sobre o tema e revisão do projeto no que se refere à estrutura e
              definição do tema a ser tratado no projeto de tesauros.
   9ª       • Normas documentárias e terminológicas.
01/04/11    • Orientação sobre a resenha a ser entregue na próxima aula.
            • Aula dialogada sobre as diretrizes para apresentação de tesauro (seleção e coleta
              de termos, critérios e padrão de organização dos termos, relações entre os termos
              e categorias de termos).
            • Texto: IBICT. Diretrizes para a elaboração de tesauros monolingües.
  10ª       • Avaliação – Entrega de resenha sobre LDs (utilizando citações dos textos acima
 08/04/11     e outros) – individual ou dupla– máximo de 3 páginas
            • Revisão para prova
  11ª       • Orientação para elaboração do tesauro.
15/04/11    • Entrega de 100 termos da linguagem documentária em elaboração.
  12ª       • Avaliação – Prova escrita
29/04/11
            • Apresentação de base de dados, instrumento de organização de termos no
              formato de tesauro e de software de mapa mental para visualização da hierarquia
              do tesauro.
            • Exposição com auxílio de datashow. Disponibilização aos alunos do instrumento
              de organização de termos com mapa mental. Atividade em classe sobre a lista de
              100 termos.
            • Identificação de sinonímia.
  13ª       • Orientação sobre a parte teórica do trabalho.
06/05/11    • Esclarecimentos de dúvidas.
            • Novas tendências: taxionomias, redes semânticas, ontologias, topic maps.
            • Atividade em classe sobre a lista de 100 termos.
  14ª       • Estabelecimento das relações hierárquicas, associativas e de equivalência
13/05/11    • Entrega de + 100 termos da linguagem documentária em elaboração.
             •Atividade em classe sobre a lista de 200 termos.
             •Revisão das relações de equivalência, hierárquicas e associativas.
  15ª        •Orientação sobre a parte teórica do trabalho.
20/05/11     •Encaminhamentos para fechamento do trabalho.
             •Revisão da parte teórica do trabalho
  16ª        •Revisão da parte prática de elaboração de tesauro.
27/05/11     •Esclarecimentos de dúvidas existentes.
            • Avaliação – Entrega do Tesauro (introdução revisada, lista de termos
              alfabética e lista hierárquica)
  17ª       • Aula dialogada sobre Avaliação e gestão de linguagem documentária.
03/06/11
            • Fechamento do curso.
            • Discussão com os alunos sobre a experiência de elaboração da linguagem
   18         documentária.
10/06/11    • Divulgação de resultados.
  19ª       • Exame
17/06/11

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Linguagens documentárias pós-coordenadas: funções e uso em indexação

Ementa disciplina eletiva_ferramentas_e_estrategias_2018-2
Ementa disciplina eletiva_ferramentas_e_estrategias_2018-2Ementa disciplina eletiva_ferramentas_e_estrategias_2018-2
Ementa disciplina eletiva_ferramentas_e_estrategias_2018-2Gonzalo Abio
 
Formação 3 - LP 8º e 9º.pdf
Formação 3 - LP 8º e 9º.pdfFormação 3 - LP 8º e 9º.pdf
Formação 3 - LP 8º e 9º.pdfFernandaTomasi3
 
Ementa: Trabalho final de Graduação - Projeto
Ementa: Trabalho final de Graduação - ProjetoEmenta: Trabalho final de Graduação - Projeto
Ementa: Trabalho final de Graduação - ProjetoRenato Souza
 
A indexação de livros por catalogadores com uso do modelo de leitura documental
A indexação de livros por catalogadores com uso do modelo de leitura documentalA indexação de livros por catalogadores com uso do modelo de leitura documental
A indexação de livros por catalogadores com uso do modelo de leitura documentalLuciana Piovezan
 
Laboratório de pesquisa em letras i
Laboratório de pesquisa em letras iLaboratório de pesquisa em letras i
Laboratório de pesquisa em letras iAdriana Dalla Vecchia
 
Compilação de Corpus em Língua Portuguesa na área de Nanociência/Nanotecnolog...
Compilação de Corpus em Língua Portuguesa na área de Nanociência/Nanotecnolog...Compilação de Corpus em Língua Portuguesa na área de Nanociência/Nanotecnolog...
Compilação de Corpus em Língua Portuguesa na área de Nanociência/Nanotecnolog...Joel S. Coleti
 
Inglês instrumental
Inglês instrumentalInglês instrumental
Inglês instrumentalRenata Araujo
 
Plano de ensino
Plano de ensinoPlano de ensino
Plano de ensinoalbelio
 
CST EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS IFPB 1º PERÍODO PORTUGUÊS INSTRU...
CST EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS IFPB 1º PERÍODO PORTUGUÊS INSTRU...CST EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS IFPB 1º PERÍODO PORTUGUÊS INSTRU...
CST EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS IFPB 1º PERÍODO PORTUGUÊS INSTRU...Os Fantasmas !
 
AnáLise Da InformaçãO
AnáLise Da InformaçãOAnáLise Da InformaçãO
AnáLise Da InformaçãOlulinha
 
Apresentação do Curso
Apresentação do CursoApresentação do Curso
Apresentação do CursoLuciana
 
Leituras complementares: Estudo preliminar do Tesauro Brasileiro de Ciências ...
Leituras complementares: Estudo preliminar do Tesauro Brasileiro de Ciências ...Leituras complementares: Estudo preliminar do Tesauro Brasileiro de Ciências ...
Leituras complementares: Estudo preliminar do Tesauro Brasileiro de Ciências ...Felipe Benevenutto
 
Análise do Tesauro de Biblioteconomía e Documentácion
Análise do Tesauro de Biblioteconomía e DocumentácionAnálise do Tesauro de Biblioteconomía e Documentácion
Análise do Tesauro de Biblioteconomía e Documentáciondaianadelima
 
O Ensino de Língua Portuguesa, Literatura e as Novas Tecnologias
O Ensino de Língua Portuguesa, Literatura e as Novas TecnologiasO Ensino de Língua Portuguesa, Literatura e as Novas Tecnologias
O Ensino de Língua Portuguesa, Literatura e as Novas TecnologiasMárcio Yamamoto
 
SIGNWRITING SYMPOSIUM PRESENTATION 58: "SignWriting as an appropriate writing...
SIGNWRITING SYMPOSIUM PRESENTATION 58: "SignWriting as an appropriate writing...SIGNWRITING SYMPOSIUM PRESENTATION 58: "SignWriting as an appropriate writing...
SIGNWRITING SYMPOSIUM PRESENTATION 58: "SignWriting as an appropriate writing...SignWriting For Sign Languages
 
A redação de definições terminológicas no dicionário-piloto de Nanociência e ...
A redação de definições terminológicas no dicionário-piloto de Nanociência e ...A redação de definições terminológicas no dicionário-piloto de Nanociência e ...
A redação de definições terminológicas no dicionário-piloto de Nanociência e ...Joel S. Coleti
 
Pci 3213 seminário aula 4_09 de agosto de 2011
Pci 3213 seminário aula 4_09 de agosto de 2011Pci 3213 seminário aula 4_09 de agosto de 2011
Pci 3213 seminário aula 4_09 de agosto de 2011Patricia Neubert
 

Semelhante a Linguagens documentárias pós-coordenadas: funções e uso em indexação (20)

Ementa disciplina eletiva_ferramentas_e_estrategias_2018-2
Ementa disciplina eletiva_ferramentas_e_estrategias_2018-2Ementa disciplina eletiva_ferramentas_e_estrategias_2018-2
Ementa disciplina eletiva_ferramentas_e_estrategias_2018-2
 
Formação 3 - LP 8º e 9º.pdf
Formação 3 - LP 8º e 9º.pdfFormação 3 - LP 8º e 9º.pdf
Formação 3 - LP 8º e 9º.pdf
 
Ementa: Trabalho final de Graduação - Projeto
Ementa: Trabalho final de Graduação - ProjetoEmenta: Trabalho final de Graduação - Projeto
Ementa: Trabalho final de Graduação - Projeto
 
A indexação de livros por catalogadores com uso do modelo de leitura documental
A indexação de livros por catalogadores com uso do modelo de leitura documentalA indexação de livros por catalogadores com uso do modelo de leitura documental
A indexação de livros por catalogadores com uso do modelo de leitura documental
 
Laboratório de pesquisa em letras i
Laboratório de pesquisa em letras iLaboratório de pesquisa em letras i
Laboratório de pesquisa em letras i
 
Compilação de Corpus em Língua Portuguesa na área de Nanociência/Nanotecnolog...
Compilação de Corpus em Língua Portuguesa na área de Nanociência/Nanotecnolog...Compilação de Corpus em Língua Portuguesa na área de Nanociência/Nanotecnolog...
Compilação de Corpus em Língua Portuguesa na área de Nanociência/Nanotecnolog...
 
Inglês instrumental
Inglês instrumentalInglês instrumental
Inglês instrumental
 
Plano de ensino
Plano de ensinoPlano de ensino
Plano de ensino
 
Comunicacao Ic
Comunicacao IcComunicacao Ic
Comunicacao Ic
 
CST EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS IFPB 1º PERÍODO PORTUGUÊS INSTRU...
CST EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS IFPB 1º PERÍODO PORTUGUÊS INSTRU...CST EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS IFPB 1º PERÍODO PORTUGUÊS INSTRU...
CST EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS IFPB 1º PERÍODO PORTUGUÊS INSTRU...
 
Projeto parauara em quadrinhos
Projeto parauara em quadrinhosProjeto parauara em quadrinhos
Projeto parauara em quadrinhos
 
AnáLise Da InformaçãO
AnáLise Da InformaçãOAnáLise Da InformaçãO
AnáLise Da InformaçãO
 
Apresentação do Curso
Apresentação do CursoApresentação do Curso
Apresentação do Curso
 
Leituras complementares: Estudo preliminar do Tesauro Brasileiro de Ciências ...
Leituras complementares: Estudo preliminar do Tesauro Brasileiro de Ciências ...Leituras complementares: Estudo preliminar do Tesauro Brasileiro de Ciências ...
Leituras complementares: Estudo preliminar do Tesauro Brasileiro de Ciências ...
 
Análise do Tesauro de Biblioteconomía e Documentácion
Análise do Tesauro de Biblioteconomía e DocumentácionAnálise do Tesauro de Biblioteconomía e Documentácion
Análise do Tesauro de Biblioteconomía e Documentácion
 
O Ensino de Língua Portuguesa, Literatura e as Novas Tecnologias
O Ensino de Língua Portuguesa, Literatura e as Novas TecnologiasO Ensino de Língua Portuguesa, Literatura e as Novas Tecnologias
O Ensino de Língua Portuguesa, Literatura e as Novas Tecnologias
 
SIGNWRITING SYMPOSIUM PRESENTATION 58: "SignWriting as an appropriate writing...
SIGNWRITING SYMPOSIUM PRESENTATION 58: "SignWriting as an appropriate writing...SIGNWRITING SYMPOSIUM PRESENTATION 58: "SignWriting as an appropriate writing...
SIGNWRITING SYMPOSIUM PRESENTATION 58: "SignWriting as an appropriate writing...
 
A redação de definições terminológicas no dicionário-piloto de Nanociência e ...
A redação de definições terminológicas no dicionário-piloto de Nanociência e ...A redação de definições terminológicas no dicionário-piloto de Nanociência e ...
A redação de definições terminológicas no dicionário-piloto de Nanociência e ...
 
Plano de curso
Plano de curso Plano de curso
Plano de curso
 
Pci 3213 seminário aula 4_09 de agosto de 2011
Pci 3213 seminário aula 4_09 de agosto de 2011Pci 3213 seminário aula 4_09 de agosto de 2011
Pci 3213 seminário aula 4_09 de agosto de 2011
 

Último

c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Mary Alvarenga
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 

Último (20)

c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
Poema em homenagem a Escola Santa Maria, pelos seus 37 anos.
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 

Linguagens documentárias pós-coordenadas: funções e uso em indexação

  • 1. Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PLANO DE DISCIPLINA I. IDENTIFICAÇÃO DISCIPLINA Elaboração e Gestão de CARGA HORÁRIA 68 hs Linguagem Documentária Pós-Coordenada CURSO Biblioteconomia e Ciência SEMESTRE 5º semestre da Informação Noturno PROFESSORA Cibele Araújo Camargo TITULAÇÃO Doutora em Marques dos Santos Ciência da Informação (ECA/ USP). CÓDIGO DA DISCIPLINA II. OBJETIVOS 1. Mostrar as funções das linguagens documentárias pós-coordenadas e seus principais componentes objetivando sua construção, uso, adaptação, gestão e atualização. 2. Apresentar as normas, os procedimentos e as técnicas relacionadas ao controle da terminologia de áreas especializadas e sua importância na construção de linguagens documentárias. 3. Mostrar novas tendências na área de linguagem documentária. III. EMENTA Apresentação das linguagens documentárias pós-coordenadas com ênfase na função e no uso dos vocabulários controlados e tesauros na indexação e sua importância para a recuperação da informação. Elaboração, construção, normalização e uso de uma linguagem documentária com utilização de terminologia de área. Introdução à gestão, manutenção e revisão de linguagens documentárias e política de indexação para tratamento da informação. Apresentação da gestão automatizada das linguagens documentárias e demonstração novas tendências na área. IV. CONTEÚDO SELECIONADO • A importância da linguagem: relação da lingüística documentária com as linguagens documentárias e os princípios da informatividade; • Linguagens documentárias: diferença entre os tipos e usos de linguagens documentárias: pré- coordenadas (sistemas de classificação e listas de cabeçalhos de assuntos) e pós-coordenadas (vocabulários controlados e tesauro).
  • 2. Linguagens documentárias pós-coordenadas: aspectos principais; uso na indexação de documentos em diversos suportes. • A participação destas linguagens na política de indexação do sistema de informação. • Linguagens documentárias e Terminologia, relação entre as respectivas normas. • Diretrizes e metodologia de construção de linguagem documentária: seleção e coleta de termos, critérios e padrão de organização dos termos, relações entre os termos e categorias de termos. • As diretrizes de gestão/atualização, as novas tendências de organização terminológica como taxionomias, redes semânticas, ontologias, topic maps e os ambientes tecnológicos de aplicação. • Avaliação e gestão de linguagem documentária (inclusive em sistema automatizado); • Orientação para elaboração de linguagem documentária V. METODOLOGIA A – Métodos: Aulas dialogadas; Exercícios em aula (individuais e em grupos); Atividades desenvolvidas com os alunos: pré-projeto da linguagem documentária, atividades em bases de dados; orientação em grupos para elaboração de linguagem documentária; Atendimento aos alunos para planejamento e acompanhamento do desenvolvimento de uma linguagem documentária, Utilização da Web 2.0 (Blog – http://elabld.blogspot.com e twitter - @indexld ) para interatividade com os alunos e softwares específicos. B – Recursos Uso de datashow e Internet, uso de blog da disciplina e twitter e softwares de interesse para a área. VI. AVALIAÇÃO 1a. Avaliação: Prova escrita (nota 1 a 10). 2a. Avaliação: Exercícios (nota 1 a 5). 3a. Avaliação: Entrega de linguagem documentária e discussão da experiência de elaboração. Compilação de um micro tesauro (elaborado em grupo sob orientação), contendo pelo menos 200 termos, em temática escolhida pelos alunos e aprovada pela professora, composto das seguintes partes: teoria sobre linguagem documentária e a metodologia de trabalho, levantamento dos termos e definições, elaboração da estrutura conceitual e do índice alfabético-estruturado a partir das relações hierárquicas, associativas e de equivalência e discussão final em classe sobre o processo e experiência de elaboração (nota 1 a 10). 4º. Avaliação: Participação do aluno nas aulas teóricas e nos trabalhos em grupo; disciplina em sala de aula (interesse, colaboração e atenção) e presença, (nota 1 a 5). Nota final: (1ª avaliação + 2ª avaliação + 3ª avaliação + 4ª avaliação)/3 VII. BIBLIOGRAFIA Básica: CINTRA, A.M; KOBASHI, N.Y; LARA, M. L. G. Para entender as linguagens documentárias. São Paulo: POLIS, 2002.
  • 3. LARA, M. L. G. de. Dos sistemas de classificação bibliográfica às search engines (I e II). São Paulo: APB, 2001. (Ensaios APB, n.90 e 91). LARA, M.L.G. Informação, informatividade e Lingüística Documentária: alguns paralelos com as reflexões de Hjorland e Capurro. Datagramazero, v.7, n.4, ago.2006. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/ago06/ F_I_art.htm.> LARA, M. L. G. de; TÁLAMO, M. de F. G. M. Informação e produção de sentido: a integração da categoria recepção no processo documentário-informacional. (Apresentado em 6ème Colloque International du Chapitre Français de l'ISKO, 2007, Toulouse: Organisation des connaissances et société des savoirs: concepts, usages, acteurs). Disponível em em: < http://www.rumores.usp.br/lara.pdf> Acesso em: 29 de nov. de 2010. LARA, M.L.G. Novas relações entre Terminologia e Ciência da Informação na perspectiva de um conceito contemporâneo da informação. Datagramazero, v.7, n.4, ago.2006. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/ago06/F_I_art.htm.> LIMA, V. M. A. Terminologia, comunicação e representação documentária. São Paulo, 1998. (Dissertação de Mestrado apresentada a Escola de Comunicação e Artes da USP). Disponível em http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27143/tde-11052004-122839/publico/Term_Comum_Repres_ Documentaria.pdf TÁLAMO, M. F. G. M. Linguagem documentária. São Paulo: APB, 1997. (Ensaios APB, n. 5) NATIONAL INFORMATION STANDARDS ORGANIZATION. Guidelines for the construction, format, and management of monolingual controlled vocabularies, 2005. (ANSI/NISO Z39.19-2005.). Disponível em: http://www.niso.org/kst/reports/standards/kfile_download?id%3Austring %3Aiso-8859-1=Z39-19-2005.pdf&pt=RkGKiXzW643YeUaYUqZ1BFwDhIG4-24RJbcZBWg8uE4vWdpZsJ Ds4RjLz0t90_d5_ymGsj_IKVaGZww13HuDlYn5U74YdfA-3TffjxYQ25QrtR8PONuJLqxvo-l0NIr5 ZENG, M. Constructing Controlled Vocabularies: tutorial. 2005. Disponível em: http://www.slis.kent.edu/ ~mzeng/Z3919/index.htm. Complementar: BOCCATO, V. R. C e FUJITA, M. S. L. Estudos de avaliação quantitativa e qualitativa de linguagens documentárias: uma síntese bibliográfica. Belo Horizonte, Perspectiva em Ciência da Informação, v. 11, n. 2, p. 267-281, maio/ago. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pci/v11n2/v11n2a10.pdf. Acesso em: 29 de nov. de 2010. GILCHRIST, A. Thesauri, taxonomies and ontologies: an etymological note. Journal of Documentation, v.59 n.1, 2003. p. 7-18. IBICT. Diretrizes para a elaboração de tesauros monolíngues. Brasília: IBICT, 1984. LOPES, I. L. Uso das linguagens controlada e natural em bases de dados: revisão de literatura. Ciência da Informação, Brasília, v.31, n.1, p.41-52, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ci/v31n1/a05v31n1.pdf. Acesso em: 29 de nov. de 2010. LÓPEZ CARREÑO, R, et all. El tesauro como herramienta en la optimación de la gestión de la documentación administrativa. Disponível em: http://www.um.es/~gtiweb/fjmm/isko99.html. Acesso em: 29 de nov. de 2010. MILLER, U. Thesaurus construction: problems and their roots. Information Processing and Management, v.33, n.4, p.481-493, jul. 1997. MOURA, M. A; SILVA, A. P; AMORIM, V. R. de. A concepção e o uso das linguagens de indexação face às contribuições da semiótica e da semiologia. Revista Informação & Sociedade: Estudos, v.12, n.1,
  • 4. 2002. Disponível em: <http://www.brapci.ufpr.br/download.php?dd0=13468 > Acesso em: 29 de nov. de 2010. TÁLAMO, M.F.G..M; KOBASHI, N.Y; LARA, M. L. G. Contribuição da terminologia para a elaboração de tesauros. Ciência da Informação, Brasília, v.21, n.3, p.197-200, 1992. Disponível em: <http://revista.ibict.br/index.php/ciinf/article/viewArticle/1282>. Acesso em: 29 de nov. de 2010. VIII. CRONOGRAMA DE ATIVIDADES Aula Conteúdo/Atividade • Apresentação do programa - bibliografia, critérios de avaliação e composição da nota (trabalho, prova, exercícios e participação). • Na apresentação do conteúdo breve exposição sobre as Linguagens Documentárias (LD) em geral, relembrando o aluno de disciplinas anteriores como classificação (LD pré-coordenada), indexação e resumo, representação descritiva, lingüística e documentação. • Apresentação do roteiro de construção da linguagem documentária e definição dos 1ª grupos de trabalho. 04/02/11 • Apresentação do blog e do twitter da disciplina. • Aula dialogada sobre a importância da linguagem: relação dos conceitos da lingüística documentária com as linguagens documentárias, informatividade e aspectos fundamentais sobre o tema. • Texto: LARA, M.L.G. Informação, informatividade e Lingüística Documentária: alguns paralelos com as reflexões de Hjorland e Capurro. 2ª • Apresentação do processo de organização da informação e representação 11/02/11 temática da informação • Exercícios práticos de indexação utilizando linguagem documentária. • Aula dialogada sobre os conceitos de sinonímia, antonímia, polissemia, homonímia, sua origem nos estudos de lingüística e as conseqüências para o tratamento e recuperação da informação. 3ª • Demonstração de exemplos na Internet e em bases de dados. 18/02/11 • Entrega de material para exercícios. • Aula dialogada sobre conceitos e sistema nocional, relações hierárquicas, associativas e de equivalência. 4ª • Texto: CINTRA, A.M; et all. Para entender as linguagens documentárias. 25/02/11 • Exercícios sobre o tema e sobre a relação com o processo de indexação. • Aula dialogada sobre linguagens documentárias: tipos, utilização e novas tecnologias. • Texto: LARA, M. L. G. de. Dos sistemas de classificação bibliográfica as search 5ª engines (I). 04/03/11 • Orientação para elaboração do pré-projeto de linguagem documentária em grupo • Aula dialogada sobre linguagens documentárias: tipos, utilização e novas tecnologias. • Texto: LARA, M. L. G. de. Dos sistemas de classificação bibliográfica as search engines (II). • Novas tendências: taxionomias, redes semânticas, ontologias, topic maps 6ª 11/03/11 • Orientação para elaboração do pré-projeto de linguagem documentária em grupo • Aula dialogada sobre linguagens documentárias pós-coordennadas: aspectos principais. • Texto: LIMA, V. M. A. Terminologia, comunicação e representação documentária. 7ª • Avaliação: Entrega de pré-projeto para elaboração de LD – em grupo – 2 18/03/11 páginas.
  • 5. • Aula dialogada sobre as diferentes estruturas/finalidades de organização de termos, e conceitos de terminologia. • Texto: TÁLAMO, M.F.G..M; KOBASHI, N.Y; LARA, M. L. G. Contribuição da 8ª terminologia para a elaboração de tesauros e TÁLAMO, M. F. G. M. Linguagem 25/03/11 documentária. São Paulo: APB, 1997. (Ensaios APB, n. 5). • Aula dialogada sobre formas de apresentação de tesauros. • Apresentação de modelos. • Texto: IBICT. Diretrizes para a elaboração de tesauros monolingües. • Discussão sobre o tema e revisão do projeto no que se refere à estrutura e definição do tema a ser tratado no projeto de tesauros. 9ª • Normas documentárias e terminológicas. 01/04/11 • Orientação sobre a resenha a ser entregue na próxima aula. • Aula dialogada sobre as diretrizes para apresentação de tesauro (seleção e coleta de termos, critérios e padrão de organização dos termos, relações entre os termos e categorias de termos). • Texto: IBICT. Diretrizes para a elaboração de tesauros monolingües. 10ª • Avaliação – Entrega de resenha sobre LDs (utilizando citações dos textos acima 08/04/11 e outros) – individual ou dupla– máximo de 3 páginas • Revisão para prova 11ª • Orientação para elaboração do tesauro. 15/04/11 • Entrega de 100 termos da linguagem documentária em elaboração. 12ª • Avaliação – Prova escrita 29/04/11 • Apresentação de base de dados, instrumento de organização de termos no formato de tesauro e de software de mapa mental para visualização da hierarquia do tesauro. • Exposição com auxílio de datashow. Disponibilização aos alunos do instrumento de organização de termos com mapa mental. Atividade em classe sobre a lista de 100 termos. • Identificação de sinonímia. 13ª • Orientação sobre a parte teórica do trabalho. 06/05/11 • Esclarecimentos de dúvidas. • Novas tendências: taxionomias, redes semânticas, ontologias, topic maps. • Atividade em classe sobre a lista de 100 termos. 14ª • Estabelecimento das relações hierárquicas, associativas e de equivalência 13/05/11 • Entrega de + 100 termos da linguagem documentária em elaboração. •Atividade em classe sobre a lista de 200 termos. •Revisão das relações de equivalência, hierárquicas e associativas. 15ª •Orientação sobre a parte teórica do trabalho. 20/05/11 •Encaminhamentos para fechamento do trabalho. •Revisão da parte teórica do trabalho 16ª •Revisão da parte prática de elaboração de tesauro. 27/05/11 •Esclarecimentos de dúvidas existentes. • Avaliação – Entrega do Tesauro (introdução revisada, lista de termos alfabética e lista hierárquica) 17ª • Aula dialogada sobre Avaliação e gestão de linguagem documentária. 03/06/11 • Fechamento do curso. • Discussão com os alunos sobre a experiência de elaboração da linguagem 18 documentária. 10/06/11 • Divulgação de resultados. 19ª • Exame 17/06/11