SlideShare uma empresa Scribd logo
PLACENTA
Descrição de suas estruturas,
características e organização
endometrial

Vanessa Cunha Enfermagem
O que é?
É um órgão formado por tecido materno e tecidos
do concepto extraembrionário.
 Período de formação: da segunda semana até a
quarta semana.
 Período de crescimento: da quarta semana até o final
E
da gravidez.se a placenta parar de crescer?
Haverá comprometimento da nutrição e
oxigenação para a criança, levando ao parto
prematuro, por exemplo.

 Período de envelhecimento: a partir do terceiro

semestre.
Consequência do seu
envelhecimento
Ser parida inteira, caso contrário, a mulher ficará
sujeita ao quadro de toxicemia.
 Por que?
A toxicemia ocorre porque os restos da placenta
que permaneceram no organismo materno já estão
em estado de morte celular; assim, as enzimas
presentes nas células são liberadas, destruindo os
tecidos os quais entram em contato. Além disso,
altera a flora vaginal da mulher, tornando-a
patogênica de forma que tanto as bactérias podem
invadir a vascularização da mulher quanto produzir
substâncias tóxicas ao organismo.
Como o envelhecimento placentário
se caracteriza?
• Gradativa parada de
crescimento e involução do
citotrofoblasto ao longo do
terceiro trimestre.

1º SINAL

2º SINAL

• Vascularização placentária
aumenta de tamanho e
diâmetro.

3º SINAL

• Aumento, junto da
vascularização placentária, de
células fagocitais
denominadas de Hoeffbauer.
Estruturas formadas pelos tecidos do
feto
 Início da segunda semana: formação de lacunas

trofoblásticas e vilosidades primárias
(sinciciotrofoblasto e citotrofoblasto).
 Final da segunda semana: formação de vilosidades
secundárias (sinciciotrofoblástico + cório ou, podese dizer também, vilosidades primárias +
mesoderma extraembrionário).
 Final da terceira semana: formação das vilosidades
terciárias (vilosidades secundárias + vasos
sanguíneos do concepto).
Desenvolvimento das vilosidades
Vilosidades terciárias
 São encontradas mergulhadas no sangue materno

contido nas lacunas trofoblásticas.
 Os tecidos que formam as vilosidades terciárias tem a
capacidade de:
Filtrar e transportar, através do gradiente de
concentração, as substâncias presentes no sangue
materno dentro das lacunas trofoblásticas;
Realizar pinocitose, que permite a difusão de oxigênio
presente nas hemácias maternas em direção as
hemácias presentes na vascularização das vilosidades
terciárias.
 As vilosidades terciárias são denominadas também de
“Todas as vilosidades secundárias
tornam-se vilosidades terciárias”:
FALSO!
As vilosidades secundárias que não recebem
vascularização, terão a função de aumentar a
fixação do concepto no tecido conjuntivo
endometrial. Assim sendo, a partir da quarta
semana, os mecanismos de fixação do concepto
são:
1. Interação entre as integrinas, presentes na
membrana plasmática do sinciciotrofoblasto, com
as fibronectinas presentes no tecido conjuntivo
endometrial materno.
2. Vilosidades de ancoragem: vilosidades
secundárias que não se tornam em vilosidades
Distribuição das vilosidades
placentárias
 Sua distribuição é heterogênea. Dessa forma, podemos

observar uma região pobre na quantidade de vilosidades e
uma região rica tanto em quantidade quanto em tamanho.
Região pobre em vilosidades: forma o cório liso.
O cório liso estará em contato com o tecido conjuntivo
endometrial adjacente ao epitélio de revestimento do útero.
Esta região é denominada Decídua Capsular. Portanto, o cório
liso e a Decídua Capsular estão do lado oposto ao pólo
embrionário.
Região rica em vilosidades: forma o cório viloso.
O cório viloso, que está em continuidade com o pólo
embrionário, encontra-se diretamente em contato com o tecido
conjuntivo do endométrio materno. Esta região do tecido
conjuntivo, junto ao cório viloso, receberá o nome de Decídua
Basal.
Decídua
 A Decídua Basal e a Decídua Capsular são regiões do

tecido conjuntivo endometrial onde ocorreu a
implantação.
Na parede do útero oposta a parede onde houve a
implantação, o tecido conjuntivo endometrial recebe o
nome de Decídua Parietal.
Qual é o significado da palavra DECÍDUA?
Significa saída. As Decíduas saem depois que a mulher
tem a criança, pois constituem a área total da placenta.
No entanto, a área da placenta onde ocorre a difusão de
oxigênio e o transporte de substâncias será no cório
viloso em contato com a Decídua Basal.
Características gerais da
Placenta
 Forma: discoide com o cordão umbilical fixado e revestido

pela membrana do saco amniótico.

 Hematose: é o local onde ocorre a reoxigenação do sangue

do bebê em formação. Em toda a gravidez, a hematose é
placentária, mesmo com a formação dos pulmões, a
hematose permanece placentária porque os pulmões
formados durante a gravidez estão encharcados por líquido
amniótico.
Características gerais da
Placenta
 Filtração: pinocitose, difusão simples, difusão

facilitada e, já no final da gravidez, transporte ativo.
a) Constituintes presentes no sangue materno
circulando nas lacunas trofoblásticas.
b) Excretas do bebê em formação.


Biotransformação: metabolização das substâncias
filtradas do sangue materno. Ocorre no
citotrofoblasto, sinciciotrofoblasto e endotélio das
vilosidades placentárias.
Características gerais da
Placenta
 Produção de hormônios:
a) HCG: principalmente produzido pelo

sinciciotrofoblasto.
Para a mãe – mantém o corpo lúteo ativo produzindo
estrogênio e progesterona que atuam nas glândulas
mamárias e na própria placenta.
Para o bebê – ativa o crescimento do feixe muscular
(fibras colágenas e tecido muscular liso) que promove
a descida dos testículos em direção a bolsa escrotal.
b) Estrogênio e progesterona placentárias
Para a placenta – mantém a placenta em crescimento e
funcionando.
Características gerais da
Placenta
Prolactina placentária ou hormônio mamotrófico:
atua nas glândulas mamárias para produção de leite.
d) “Like-insulin” ou Insulina placentária: age na
metabolização da glicose na criança, mas não atua
no organismo materno.
e) Somatostatina placentária: age no bebê como uma
das substâncias que promovem o seu crescimento.
f) Relaxina: é o último hormônio a ser produzido, atua
no canal do parto fazendo a dilatação do canal
vaginal.
c)
Organização endometrial: reação
decidual
 O que é? É a resposta do sistema imunológico

aos fenômenos de implantação e nidação,
acompanhada do aumento em quantidade dos
fibroblastos e células deciduais.
Formar as Decíduas Basal, Capsular
CONSEQUÊN
CIA

e Parietal.
Consequências do crescimento dos
fibroblastos
 O que são fibroblastos?

São células específicas do tecido conjuntivo cuja
função é de produção de matriz para sustentação de
suas próprias células e epitélios, junto a vasos
sanguíneos e tecido muscular.
 Características da matriz do tecido conjuntivo:
Tem aparência gelatinosa firme, é uma substância
amorfa formada por fibronectina, laminina,
polissacarídeos (geralmente solvatados ou sulfatados),
glicosaminoglicanos e ácido hialurônico (rico em
A presença de polissacarídeos solvatados
hidroxilas). Como apresenta poros,ou sulfatados e hidroxilas
é capaz de promover
no ácido hialurônico permite a hidratação tecidual. A água é atraída
a difusão de substâncias. de hidrogênio, sendo denominada
pelos radicais, formando pontes
de água de solvatação. Através da água de solvatação há
passagem de vitaminas, medicamentos, drogas, oxigênio, nutrientes
e outras substâncias.
Consequências do crescimento dos
fibroblastos
 Características da matriz do tecido conjuntivo:

É uma matriz com proteínas que se arrumam
como fibras (substância fibrosa e proteínas com
conformação tridimensional). Divide-se em dois
grandes sistemas:
a) Sistema colágeno propriamente dito: localizado
mais profundamente, é formado por fibras
colágenas. São fibras de resistência, suportando
tensão e distribuindo-a pelo tecido.
b) Sistema elástico: composto por fibras elásticas que
permitem a distensão.
Assim, permite a sustentação do feto e da placenta.
Consequências do crescimento das
células deciduais
As células deciduais tem como função:
armazenar, metabolizar e distribuir a glicose.

Por que há necessidade de uma célula
especializada nesta questão de armazenamento,
metabolização e distribuição?
A glicose é essencial, sendo a fonte de energia
(ATP) para o crescimento, desenvolvimento e
especializações celulares.
Consequências da reação
imunológica
Apesar do concepto ser um corpo estranho, o
organismo da mãe não reage contra, devido a
maturidade do sistema imune materno e ausência de
proteínas principais de histocompatibilidade no
sinciciotrofoblasto.
Há um infiltrado mononuclear e aumento da
população de linfócitos, monócitos e macrófagos –
sendo este último responsável pela produção de
interleucinas que diminuem a atividade do sistema
imune, ou seja, reduzem a atividade desse sistema:
Em situações normais, isto ocorre. Entretanto, há casos em que
o sistema imunológico
imunodepressão. da mãe é imaturo e a mulher é incapaz de
desenvolver uma gravidez devido ao ataque do sistema imune
ao concepto.
Consequências do crescimento do
útero
 Referente as Decíduas Capsular e Parietal:

A partir da quarta semana até o final do oitavo mês de
gravidez, a parede onde houve a implantação cresce em
consequência do crescimento global do concepto.
Neste crescimento observamos que o cório liso se
apoia e toma totalmente a Decídua Capsular; portanto, ele
fica diretamente em contato com o epitélio endometrial da
parede onde ocorreu a implantação.
A partir do sexto mês de gravidez,com o crescimento do
concepto, a parede onde ele se encontra avança de forma a
gradativamente ocupar toda a cavidade do útero. Portanto,
no nono mês de gravidez, não mais será vista a cavidade do
útero e será o epitélio endometrial que estabelecerá limite
entre o cório liso e a Decídua Parietal.
OBS:Como é formada a membrana amniocoriônica? Cório
liso + pedaço do tecido do saco amniótico.
Consequências do Crescimento do
útero
 Crescimento do miométrio:lembrando que as células do

miométrio não realizam mitose, este processo ocorre
através de dois fenômenos dependentes de estrogênio.
São estes:
a) HIPERTROFIA: aumento de tamanho e volume das
células musculares lisas do miométrio.
b) HIPERPLASIA: aumento de quantidade das células
mesenquimais, que participam do fenômeno de
miogênese, dando origem aos mioblastos e estes
geneticamente são determinados a se especializar em
células musculares lisas.
Obrigada!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistema reprodutor - Anatomia humana
Sistema reprodutor - Anatomia humanaSistema reprodutor - Anatomia humana
Sistema reprodutor - Anatomia humana
Marília Gomes
 
Fisiologia Ciclo Menstrual
Fisiologia Ciclo MenstrualFisiologia Ciclo Menstrual
Fisiologia Ciclo Menstrual
chirlei ferreira
 
Aula gametogênese
Aula gametogêneseAula gametogênese
Aula gametogênese
César Milani
 
Ciclo menstrual
Ciclo menstrualCiclo menstrual
Ciclo menstrual
Gladyanny Veras
 
resumo obstetricia
 resumo obstetricia resumo obstetricia
resumo obstetricia
Grayce Chaves
 
Roteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de PuericulturaRoteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de Puericultura
blogped1
 
Fecundação Humana e Desenvolvimento Embrionário.
Fecundação Humana e Desenvolvimento Embrionário.Fecundação Humana e Desenvolvimento Embrionário.
Fecundação Humana e Desenvolvimento Embrionário.
Martha Gislayne
 
Fisiologia e mecanismo do trabalho de parto
Fisiologia e mecanismo do trabalho de partoFisiologia e mecanismo do trabalho de parto
Fisiologia e mecanismo do trabalho de parto
Karen Kaline
 
Seminário embriologia
Seminário embriologiaSeminário embriologia
Seminário embriologia
Cristina Monteiro
 
Gestação múltipla
Gestação múltiplaGestação múltipla
Gestação múltipla
Pietro de Azevedo
 
Alterações fisiológicas da gravidez curso de pré-natal - jean mendes
Alterações fisiológicas da gravidez   curso de pré-natal - jean mendesAlterações fisiológicas da gravidez   curso de pré-natal - jean mendes
Alterações fisiológicas da gravidez curso de pré-natal - jean mendes
drjeanmendes
 
Aula sobre sistema reprodutor feminino e masculino
Aula sobre   sistema reprodutor feminino e masculinoAula sobre   sistema reprodutor feminino e masculino
Aula sobre sistema reprodutor feminino e masculino
Marcionedes De Souza
 
Modificações no organismo da gestante
Modificações no organismo da gestanteModificações no organismo da gestante
Modificações no organismo da gestante
albaguilherme
 
Ciclo menstrual
Ciclo menstrualCiclo menstrual
Ciclo menstrual
Juliana Maciel
 
3 placenta
3 placenta3 placenta
3 placenta
Cleidenisia Daiana
 
Quarta à oitava semana
Quarta à oitava semanaQuarta à oitava semana
Quarta à oitava semana
João Monteiro
 
Aula 1 e 2 introduçao a embriologia
Aula 1 e 2 introduçao a embriologiaAula 1 e 2 introduçao a embriologia
Aula 1 e 2 introduçao a embriologia
Felipe Beijamini
 
Sistema reprodutor feminino
Sistema reprodutor femininoSistema reprodutor feminino
Sistema reprodutor feminino
Daniela Silveira
 
Aula desenv fetal
Aula desenv fetalAula desenv fetal
Aula desenv fetal
Ronnezza Campos
 
Aula 02.2 Fisiologia da Mama
Aula 02.2   Fisiologia da MamaAula 02.2   Fisiologia da Mama
Aula 02.2 Fisiologia da Mama
Hamilton Nobrega
 

Mais procurados (20)

Sistema reprodutor - Anatomia humana
Sistema reprodutor - Anatomia humanaSistema reprodutor - Anatomia humana
Sistema reprodutor - Anatomia humana
 
Fisiologia Ciclo Menstrual
Fisiologia Ciclo MenstrualFisiologia Ciclo Menstrual
Fisiologia Ciclo Menstrual
 
Aula gametogênese
Aula gametogêneseAula gametogênese
Aula gametogênese
 
Ciclo menstrual
Ciclo menstrualCiclo menstrual
Ciclo menstrual
 
resumo obstetricia
 resumo obstetricia resumo obstetricia
resumo obstetricia
 
Roteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de PuericulturaRoteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de Puericultura
 
Fecundação Humana e Desenvolvimento Embrionário.
Fecundação Humana e Desenvolvimento Embrionário.Fecundação Humana e Desenvolvimento Embrionário.
Fecundação Humana e Desenvolvimento Embrionário.
 
Fisiologia e mecanismo do trabalho de parto
Fisiologia e mecanismo do trabalho de partoFisiologia e mecanismo do trabalho de parto
Fisiologia e mecanismo do trabalho de parto
 
Seminário embriologia
Seminário embriologiaSeminário embriologia
Seminário embriologia
 
Gestação múltipla
Gestação múltiplaGestação múltipla
Gestação múltipla
 
Alterações fisiológicas da gravidez curso de pré-natal - jean mendes
Alterações fisiológicas da gravidez   curso de pré-natal - jean mendesAlterações fisiológicas da gravidez   curso de pré-natal - jean mendes
Alterações fisiológicas da gravidez curso de pré-natal - jean mendes
 
Aula sobre sistema reprodutor feminino e masculino
Aula sobre   sistema reprodutor feminino e masculinoAula sobre   sistema reprodutor feminino e masculino
Aula sobre sistema reprodutor feminino e masculino
 
Modificações no organismo da gestante
Modificações no organismo da gestanteModificações no organismo da gestante
Modificações no organismo da gestante
 
Ciclo menstrual
Ciclo menstrualCiclo menstrual
Ciclo menstrual
 
3 placenta
3 placenta3 placenta
3 placenta
 
Quarta à oitava semana
Quarta à oitava semanaQuarta à oitava semana
Quarta à oitava semana
 
Aula 1 e 2 introduçao a embriologia
Aula 1 e 2 introduçao a embriologiaAula 1 e 2 introduçao a embriologia
Aula 1 e 2 introduçao a embriologia
 
Sistema reprodutor feminino
Sistema reprodutor femininoSistema reprodutor feminino
Sistema reprodutor feminino
 
Aula desenv fetal
Aula desenv fetalAula desenv fetal
Aula desenv fetal
 
Aula 02.2 Fisiologia da Mama
Aula 02.2   Fisiologia da MamaAula 02.2   Fisiologia da Mama
Aula 02.2 Fisiologia da Mama
 

Destaque

22 Placenta E Membranas Fetais
22 Placenta E Membranas Fetais22 Placenta E Membranas Fetais
22 Placenta E Membranas Fetais
Gabriela Santa Cruz
 
Placenta
PlacentaPlacenta
Placenta
Susan Ly
 
Gravidez
GravidezGravidez
Gravidez
adrianasc
 
Grupo com gestantes
Grupo com gestantesGrupo com gestantes
Grupo com gestantes
Alinebrauna Brauna
 
Gravidez E Desenvolvimento Fetal
Gravidez E Desenvolvimento FetalGravidez E Desenvolvimento Fetal
Gravidez E Desenvolvimento Fetal
luandrade
 
Gestação
GestaçãoGestação
Gestação
Sandra Semedo
 

Destaque (6)

22 Placenta E Membranas Fetais
22 Placenta E Membranas Fetais22 Placenta E Membranas Fetais
22 Placenta E Membranas Fetais
 
Placenta
PlacentaPlacenta
Placenta
 
Gravidez
GravidezGravidez
Gravidez
 
Grupo com gestantes
Grupo com gestantesGrupo com gestantes
Grupo com gestantes
 
Gravidez E Desenvolvimento Fetal
Gravidez E Desenvolvimento FetalGravidez E Desenvolvimento Fetal
Gravidez E Desenvolvimento Fetal
 
Gestação
GestaçãoGestação
Gestação
 

Semelhante a Placenta

A placenta e_o_cord_o_umbilical
A placenta e_o_cord_o_umbilicalA placenta e_o_cord_o_umbilical
A placenta e_o_cord_o_umbilical
Syrlene Lucena
 
Gametogênese, Fecundação e Embriologia Humana
Gametogênese, Fecundação e Embriologia HumanaGametogênese, Fecundação e Embriologia Humana
Gametogênese, Fecundação e Embriologia Humana
Governo do Estado do Rio Grande do Sul
 
Alterações do corpo da mulher durante a gestação
Alterações do corpo da mulher durante a gestaçãoAlterações do corpo da mulher durante a gestação
Alterações do corpo da mulher durante a gestação
Escola Secundária de Santa Maria da Feira
 
4_fecundação_nascimento.pptx
4_fecundação_nascimento.pptx4_fecundação_nascimento.pptx
4_fecundação_nascimento.pptx
Teresa Cardoso
 
Obstetricia
ObstetriciaObstetricia
Obstetricia
Alexânder Jatiniel
 
ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptx
ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptxANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptx
ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptx
WeslleyMaia3
 
Reprodução Humana
Reprodução HumanaReprodução Humana
Reprodução Humana
anarita2
 
Reprodução humana
Reprodução humanaReprodução humana
Reprodução humana
anarita2
 
Morfo I - Desenvolvimento Embrionário
Morfo I - Desenvolvimento  EmbrionárioMorfo I - Desenvolvimento  Embrionário
Morfo I - Desenvolvimento Embrionário
Paulo Tsai - Unime
 
Aula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdf
Aula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdfAula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdf
Aula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdf
lucianatorresdemelo
 
úTero
úTeroúTero
Anexos+em..
Anexos+em..Anexos+em..
Anexos+em..
Jeferson Carlos
 
Biologia 12ºano
Biologia 12ºanoBiologia 12ºano
Biologia 12ºano
André Carvalho
 
Aparelho Reprodutor Feminino
Aparelho Reprodutor FemininoAparelho Reprodutor Feminino
Aparelho Reprodutor Feminino
Ana Abegão
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
Zé Luís
 
Aula de Embriologia e Reprodução Assistida - Sistema urogenital
Aula de Embriologia e Reprodução Assistida - Sistema urogenitalAula de Embriologia e Reprodução Assistida - Sistema urogenital
Aula de Embriologia e Reprodução Assistida - Sistema urogenital
Jaqueline Almeida
 
Questões toda embrio e reprodutor masculino.docx
Questões toda embrio e reprodutor masculino.docxQuestões toda embrio e reprodutor masculino.docx
Questões toda embrio e reprodutor masculino.docx
CirleiaGatty
 
Desenv._pre_natal_(aula_1).pptx
Desenv._pre_natal_(aula_1).pptxDesenv._pre_natal_(aula_1).pptx
Desenv._pre_natal_(aula_1).pptx
MauricioBandeira4
 
Embriologia e Anexos Embrionários
Embriologia e Anexos EmbrionáriosEmbriologia e Anexos Embrionários
Embriologia e Anexos Embrionários
aulasdoaris
 
Principios do desenvolvimento embrionário
Principios do desenvolvimento embrionárioPrincipios do desenvolvimento embrionário
Principios do desenvolvimento embrionário
bioemanuel
 

Semelhante a Placenta (20)

A placenta e_o_cord_o_umbilical
A placenta e_o_cord_o_umbilicalA placenta e_o_cord_o_umbilical
A placenta e_o_cord_o_umbilical
 
Gametogênese, Fecundação e Embriologia Humana
Gametogênese, Fecundação e Embriologia HumanaGametogênese, Fecundação e Embriologia Humana
Gametogênese, Fecundação e Embriologia Humana
 
Alterações do corpo da mulher durante a gestação
Alterações do corpo da mulher durante a gestaçãoAlterações do corpo da mulher durante a gestação
Alterações do corpo da mulher durante a gestação
 
4_fecundação_nascimento.pptx
4_fecundação_nascimento.pptx4_fecundação_nascimento.pptx
4_fecundação_nascimento.pptx
 
Obstetricia
ObstetriciaObstetricia
Obstetricia
 
ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptx
ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptxANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptx
ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO.pptx
 
Reprodução Humana
Reprodução HumanaReprodução Humana
Reprodução Humana
 
Reprodução humana
Reprodução humanaReprodução humana
Reprodução humana
 
Morfo I - Desenvolvimento Embrionário
Morfo I - Desenvolvimento  EmbrionárioMorfo I - Desenvolvimento  Embrionário
Morfo I - Desenvolvimento Embrionário
 
Aula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdf
Aula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdfAula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdf
Aula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdf
 
úTero
úTeroúTero
úTero
 
Anexos+em..
Anexos+em..Anexos+em..
Anexos+em..
 
Biologia 12ºano
Biologia 12ºanoBiologia 12ºano
Biologia 12ºano
 
Aparelho Reprodutor Feminino
Aparelho Reprodutor FemininoAparelho Reprodutor Feminino
Aparelho Reprodutor Feminino
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
Aula de Embriologia e Reprodução Assistida - Sistema urogenital
Aula de Embriologia e Reprodução Assistida - Sistema urogenitalAula de Embriologia e Reprodução Assistida - Sistema urogenital
Aula de Embriologia e Reprodução Assistida - Sistema urogenital
 
Questões toda embrio e reprodutor masculino.docx
Questões toda embrio e reprodutor masculino.docxQuestões toda embrio e reprodutor masculino.docx
Questões toda embrio e reprodutor masculino.docx
 
Desenv._pre_natal_(aula_1).pptx
Desenv._pre_natal_(aula_1).pptxDesenv._pre_natal_(aula_1).pptx
Desenv._pre_natal_(aula_1).pptx
 
Embriologia e Anexos Embrionários
Embriologia e Anexos EmbrionáriosEmbriologia e Anexos Embrionários
Embriologia e Anexos Embrionários
 
Principios do desenvolvimento embrionário
Principios do desenvolvimento embrionárioPrincipios do desenvolvimento embrionário
Principios do desenvolvimento embrionário
 

Mais de Vanessa Cunha

Hipoglicemiantes orais
Hipoglicemiantes oraisHipoglicemiantes orais
Hipoglicemiantes orais
Vanessa Cunha
 
Glicocorticoides (AIES) e Antiinflamatórios não esteroidais (AINES)
Glicocorticoides (AIES) e Antiinflamatórios não esteroidais (AINES)Glicocorticoides (AIES) e Antiinflamatórios não esteroidais (AINES)
Glicocorticoides (AIES) e Antiinflamatórios não esteroidais (AINES)
Vanessa Cunha
 
Hemostasia e trombose
Hemostasia e tromboseHemostasia e trombose
Hemostasia e trombose
Vanessa Cunha
 
Diuréticos
DiuréticosDiuréticos
Diuréticos
Vanessa Cunha
 
Secreção - Sistema Gastrointestinal
Secreção - Sistema GastrointestinalSecreção - Sistema Gastrointestinal
Secreção - Sistema Gastrointestinal
Vanessa Cunha
 
Fisiologia do sistema gastrointestinal
Fisiologia do sistema gastrointestinalFisiologia do sistema gastrointestinal
Fisiologia do sistema gastrointestinal
Vanessa Cunha
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
Vanessa Cunha
 
Protozooses – II
Protozooses – IIProtozooses – II
Protozooses – II
Vanessa Cunha
 
Neurofisiologia: potencial de repouso e ação
Neurofisiologia: potencial de repouso e açãoNeurofisiologia: potencial de repouso e ação
Neurofisiologia: potencial de repouso e ação
Vanessa Cunha
 
Questionario de fisiologia renal
Questionario de fisiologia renalQuestionario de fisiologia renal
Questionario de fisiologia renal
Vanessa Cunha
 
Helmintoses
HelmintosesHelmintoses
Helmintoses
Vanessa Cunha
 

Mais de Vanessa Cunha (11)

Hipoglicemiantes orais
Hipoglicemiantes oraisHipoglicemiantes orais
Hipoglicemiantes orais
 
Glicocorticoides (AIES) e Antiinflamatórios não esteroidais (AINES)
Glicocorticoides (AIES) e Antiinflamatórios não esteroidais (AINES)Glicocorticoides (AIES) e Antiinflamatórios não esteroidais (AINES)
Glicocorticoides (AIES) e Antiinflamatórios não esteroidais (AINES)
 
Hemostasia e trombose
Hemostasia e tromboseHemostasia e trombose
Hemostasia e trombose
 
Diuréticos
DiuréticosDiuréticos
Diuréticos
 
Secreção - Sistema Gastrointestinal
Secreção - Sistema GastrointestinalSecreção - Sistema Gastrointestinal
Secreção - Sistema Gastrointestinal
 
Fisiologia do sistema gastrointestinal
Fisiologia do sistema gastrointestinalFisiologia do sistema gastrointestinal
Fisiologia do sistema gastrointestinal
 
Protozooses
ProtozoosesProtozooses
Protozooses
 
Protozooses – II
Protozooses – IIProtozooses – II
Protozooses – II
 
Neurofisiologia: potencial de repouso e ação
Neurofisiologia: potencial de repouso e açãoNeurofisiologia: potencial de repouso e ação
Neurofisiologia: potencial de repouso e ação
 
Questionario de fisiologia renal
Questionario de fisiologia renalQuestionario de fisiologia renal
Questionario de fisiologia renal
 
Helmintoses
HelmintosesHelmintoses
Helmintoses
 

Último

Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 

Último (20)

Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 

Placenta

  • 1. PLACENTA Descrição de suas estruturas, características e organização endometrial Vanessa Cunha Enfermagem
  • 2. O que é? É um órgão formado por tecido materno e tecidos do concepto extraembrionário.  Período de formação: da segunda semana até a quarta semana.  Período de crescimento: da quarta semana até o final E da gravidez.se a placenta parar de crescer? Haverá comprometimento da nutrição e oxigenação para a criança, levando ao parto prematuro, por exemplo.  Período de envelhecimento: a partir do terceiro semestre.
  • 3. Consequência do seu envelhecimento Ser parida inteira, caso contrário, a mulher ficará sujeita ao quadro de toxicemia.  Por que? A toxicemia ocorre porque os restos da placenta que permaneceram no organismo materno já estão em estado de morte celular; assim, as enzimas presentes nas células são liberadas, destruindo os tecidos os quais entram em contato. Além disso, altera a flora vaginal da mulher, tornando-a patogênica de forma que tanto as bactérias podem invadir a vascularização da mulher quanto produzir substâncias tóxicas ao organismo.
  • 4. Como o envelhecimento placentário se caracteriza? • Gradativa parada de crescimento e involução do citotrofoblasto ao longo do terceiro trimestre. 1º SINAL 2º SINAL • Vascularização placentária aumenta de tamanho e diâmetro. 3º SINAL • Aumento, junto da vascularização placentária, de células fagocitais denominadas de Hoeffbauer.
  • 5. Estruturas formadas pelos tecidos do feto  Início da segunda semana: formação de lacunas trofoblásticas e vilosidades primárias (sinciciotrofoblasto e citotrofoblasto).  Final da segunda semana: formação de vilosidades secundárias (sinciciotrofoblástico + cório ou, podese dizer também, vilosidades primárias + mesoderma extraembrionário).  Final da terceira semana: formação das vilosidades terciárias (vilosidades secundárias + vasos sanguíneos do concepto).
  • 7. Vilosidades terciárias  São encontradas mergulhadas no sangue materno contido nas lacunas trofoblásticas.  Os tecidos que formam as vilosidades terciárias tem a capacidade de: Filtrar e transportar, através do gradiente de concentração, as substâncias presentes no sangue materno dentro das lacunas trofoblásticas; Realizar pinocitose, que permite a difusão de oxigênio presente nas hemácias maternas em direção as hemácias presentes na vascularização das vilosidades terciárias.  As vilosidades terciárias são denominadas também de
  • 8. “Todas as vilosidades secundárias tornam-se vilosidades terciárias”: FALSO! As vilosidades secundárias que não recebem vascularização, terão a função de aumentar a fixação do concepto no tecido conjuntivo endometrial. Assim sendo, a partir da quarta semana, os mecanismos de fixação do concepto são: 1. Interação entre as integrinas, presentes na membrana plasmática do sinciciotrofoblasto, com as fibronectinas presentes no tecido conjuntivo endometrial materno. 2. Vilosidades de ancoragem: vilosidades secundárias que não se tornam em vilosidades
  • 9. Distribuição das vilosidades placentárias  Sua distribuição é heterogênea. Dessa forma, podemos observar uma região pobre na quantidade de vilosidades e uma região rica tanto em quantidade quanto em tamanho. Região pobre em vilosidades: forma o cório liso. O cório liso estará em contato com o tecido conjuntivo endometrial adjacente ao epitélio de revestimento do útero. Esta região é denominada Decídua Capsular. Portanto, o cório liso e a Decídua Capsular estão do lado oposto ao pólo embrionário. Região rica em vilosidades: forma o cório viloso. O cório viloso, que está em continuidade com o pólo embrionário, encontra-se diretamente em contato com o tecido conjuntivo do endométrio materno. Esta região do tecido conjuntivo, junto ao cório viloso, receberá o nome de Decídua Basal.
  • 10. Decídua  A Decídua Basal e a Decídua Capsular são regiões do tecido conjuntivo endometrial onde ocorreu a implantação. Na parede do útero oposta a parede onde houve a implantação, o tecido conjuntivo endometrial recebe o nome de Decídua Parietal. Qual é o significado da palavra DECÍDUA? Significa saída. As Decíduas saem depois que a mulher tem a criança, pois constituem a área total da placenta. No entanto, a área da placenta onde ocorre a difusão de oxigênio e o transporte de substâncias será no cório viloso em contato com a Decídua Basal.
  • 11. Características gerais da Placenta  Forma: discoide com o cordão umbilical fixado e revestido pela membrana do saco amniótico.  Hematose: é o local onde ocorre a reoxigenação do sangue do bebê em formação. Em toda a gravidez, a hematose é placentária, mesmo com a formação dos pulmões, a hematose permanece placentária porque os pulmões formados durante a gravidez estão encharcados por líquido amniótico.
  • 12. Características gerais da Placenta  Filtração: pinocitose, difusão simples, difusão facilitada e, já no final da gravidez, transporte ativo. a) Constituintes presentes no sangue materno circulando nas lacunas trofoblásticas. b) Excretas do bebê em formação.  Biotransformação: metabolização das substâncias filtradas do sangue materno. Ocorre no citotrofoblasto, sinciciotrofoblasto e endotélio das vilosidades placentárias.
  • 13. Características gerais da Placenta  Produção de hormônios: a) HCG: principalmente produzido pelo sinciciotrofoblasto. Para a mãe – mantém o corpo lúteo ativo produzindo estrogênio e progesterona que atuam nas glândulas mamárias e na própria placenta. Para o bebê – ativa o crescimento do feixe muscular (fibras colágenas e tecido muscular liso) que promove a descida dos testículos em direção a bolsa escrotal. b) Estrogênio e progesterona placentárias Para a placenta – mantém a placenta em crescimento e funcionando.
  • 14. Características gerais da Placenta Prolactina placentária ou hormônio mamotrófico: atua nas glândulas mamárias para produção de leite. d) “Like-insulin” ou Insulina placentária: age na metabolização da glicose na criança, mas não atua no organismo materno. e) Somatostatina placentária: age no bebê como uma das substâncias que promovem o seu crescimento. f) Relaxina: é o último hormônio a ser produzido, atua no canal do parto fazendo a dilatação do canal vaginal. c)
  • 15. Organização endometrial: reação decidual  O que é? É a resposta do sistema imunológico aos fenômenos de implantação e nidação, acompanhada do aumento em quantidade dos fibroblastos e células deciduais. Formar as Decíduas Basal, Capsular CONSEQUÊN CIA e Parietal.
  • 16. Consequências do crescimento dos fibroblastos  O que são fibroblastos? São células específicas do tecido conjuntivo cuja função é de produção de matriz para sustentação de suas próprias células e epitélios, junto a vasos sanguíneos e tecido muscular.  Características da matriz do tecido conjuntivo: Tem aparência gelatinosa firme, é uma substância amorfa formada por fibronectina, laminina, polissacarídeos (geralmente solvatados ou sulfatados), glicosaminoglicanos e ácido hialurônico (rico em A presença de polissacarídeos solvatados hidroxilas). Como apresenta poros,ou sulfatados e hidroxilas é capaz de promover no ácido hialurônico permite a hidratação tecidual. A água é atraída a difusão de substâncias. de hidrogênio, sendo denominada pelos radicais, formando pontes de água de solvatação. Através da água de solvatação há passagem de vitaminas, medicamentos, drogas, oxigênio, nutrientes e outras substâncias.
  • 17. Consequências do crescimento dos fibroblastos  Características da matriz do tecido conjuntivo: É uma matriz com proteínas que se arrumam como fibras (substância fibrosa e proteínas com conformação tridimensional). Divide-se em dois grandes sistemas: a) Sistema colágeno propriamente dito: localizado mais profundamente, é formado por fibras colágenas. São fibras de resistência, suportando tensão e distribuindo-a pelo tecido. b) Sistema elástico: composto por fibras elásticas que permitem a distensão. Assim, permite a sustentação do feto e da placenta.
  • 18. Consequências do crescimento das células deciduais As células deciduais tem como função: armazenar, metabolizar e distribuir a glicose.  Por que há necessidade de uma célula especializada nesta questão de armazenamento, metabolização e distribuição? A glicose é essencial, sendo a fonte de energia (ATP) para o crescimento, desenvolvimento e especializações celulares.
  • 19. Consequências da reação imunológica Apesar do concepto ser um corpo estranho, o organismo da mãe não reage contra, devido a maturidade do sistema imune materno e ausência de proteínas principais de histocompatibilidade no sinciciotrofoblasto. Há um infiltrado mononuclear e aumento da população de linfócitos, monócitos e macrófagos – sendo este último responsável pela produção de interleucinas que diminuem a atividade do sistema imune, ou seja, reduzem a atividade desse sistema: Em situações normais, isto ocorre. Entretanto, há casos em que o sistema imunológico imunodepressão. da mãe é imaturo e a mulher é incapaz de desenvolver uma gravidez devido ao ataque do sistema imune ao concepto.
  • 20. Consequências do crescimento do útero  Referente as Decíduas Capsular e Parietal: A partir da quarta semana até o final do oitavo mês de gravidez, a parede onde houve a implantação cresce em consequência do crescimento global do concepto. Neste crescimento observamos que o cório liso se apoia e toma totalmente a Decídua Capsular; portanto, ele fica diretamente em contato com o epitélio endometrial da parede onde ocorreu a implantação. A partir do sexto mês de gravidez,com o crescimento do concepto, a parede onde ele se encontra avança de forma a gradativamente ocupar toda a cavidade do útero. Portanto, no nono mês de gravidez, não mais será vista a cavidade do útero e será o epitélio endometrial que estabelecerá limite entre o cório liso e a Decídua Parietal. OBS:Como é formada a membrana amniocoriônica? Cório liso + pedaço do tecido do saco amniótico.
  • 21. Consequências do Crescimento do útero  Crescimento do miométrio:lembrando que as células do miométrio não realizam mitose, este processo ocorre através de dois fenômenos dependentes de estrogênio. São estes: a) HIPERTROFIA: aumento de tamanho e volume das células musculares lisas do miométrio. b) HIPERPLASIA: aumento de quantidade das células mesenquimais, que participam do fenômeno de miogênese, dando origem aos mioblastos e estes geneticamente são determinados a se especializar em células musculares lisas.