SlideShare uma empresa Scribd logo
PAZ NA TERRA – UTOPIA OU POSSIBILIDADE ?
Paulo Zornitta¹ & Fernando Zornitta²
Ilustrações: Rubens Ygua³
O Instinto Humano - O Despertar do Ego e a Inversão de Valores na
Linha Evolutiva da Humanidade
Sem filosofar muito ou nada, por certo todas as grande perguntas existenciais já
fizemos a nós mesmos:
- De onde viemos e para onde vamos ?
- Para onde caminha a humanidade ?
- Qual o destino da vida e do planeta ?
- Será que estamos guiando o nosso futuro comum ou simplesmente deixando ele
”acontecer” ?
- Que responsabilidades e possibilidades temos; como e com que ferramentas
podemos mudar rumos e mentalidades, caso ainda tenhamos tempo para isso ?
Perguntas que nos perturbam e incomodam todo o dia, enquanto procuramos uma
luz no fim do túnel que nos dê segurança própria, para seguirmos vivendo, para
gerarmos filhos, podermos ter netos, para saborearmos e dignificarmos a vida como
ela merece.
Das cavernas à era moderna, o homem sempre procurou por melhores condições de
subsistência; climas mais propícios, maior abundância de alimentos; descobriu,
inventou e reinventou, ajudando com a sua criatividade a resolver os problemas
imediatos da humanidade. Entretanto, movido pela mais valia – preocupado em ter
e não em ser e, empurrado por um macro sistema de forças que o desnorteia – o
da economia – e por outros que o empuxam - como o da ciência e da tecnologia,
está rumando e seguirá o seu certo destino, direto para o abismo, para o caos
absoluto.
O homem do século XX, da ciência, da cibernética e das
viagens espaciais, fez círculos em volta do nada e
comprometeu a sua própria sobrevivência. Enquanto se
vangloriou das suas conquistas, agiu como um masoquista e
caminhou satisfeito rumo a sua total destruição. Promoveu a
depreciação do seu habitat e da vida; acumulou centenas,
as vezes milhares de vezes o que necessitou para viver,
degradou, destruiu e deixou a grande maioria da população
da Terra na mais absoluta miséria.
Os autores
O homem, ele mesmo, é quem contribui para a insustentabilidade do planeta e de
toda a vida que nele habita pelo livre arbítrio que lhe foi permitido.
Desde as mega estruturas dos blocos econômicos, associados por conveniência e,
das nações mais poderosas do mundo, até a escala de simples indivíduos, todos
competimos por mais e queremos crescer e ter mais, mais e cada vez mais e,
sublimados psicologicamente e socialmente pela voracidade do consumo e da
produção, que também vêm pela mídia e entra sem convite nos nossos lares com a
falsa promessa (quase nunca cumprida) de lazer, cultura e felicidade plena – vamos
letargicamente deglutindo os sapos que não nos alimentam e nem nos satisfazem
culturalmente e que fazem parte do “marketing anti-vida”, que está a serviço da
morte, da nossa própria lenta e agonizante morte que leva de arrasto o nosso meio
circundante – que parece não nos dizer respeito.
Não bastassem as catástrofes naturais que todo o ano enfrentamos (acelerando-se
por causa dos nossos “descuidos”), não bastasse a fome, as doenças e a
devastação ambiental que deveríamos dar – mas não damos - uma mínima
atenção, ainda avançamos sem rumo centrados na mais valia e perdemos com ela o
senso de direção e de responsabilidade, como alguém que dirige um automóvel
alcoolizado ou dopado.
Esta é a grande e paradoxal estrada pela qual caminha a humanidade, uma estrada
que não deu e não dá acesso a todos que competem e se degladeiam no percurso e
que só aos mais preparados é permitido chegar. Uma estrada sem qualquer
fundamentação lógica. E é nela que centramos o nosso modelo evolutivo excludente
e “competimos” munidos de pás e enxadas com as tecnologias de ponta dos países
desenvolvidos.
Na busca de uma estrada que conduza a paz, é inconcebível e insustentável
seguirmos um modelo evolutivo em que um único homem, como Bill Gates, que
possui o equivalente proporcional a centenas de milhões de outros seus
semelhantes. É inadmissível uma única nação consumir, poluir e desperdiçar tanto
como os EUA (perto de 60% do total mundial); da mesma forma que é
paradoxalmente trágico coexistirmos com países sugados, explorados e
abandonados a sua própria sorte como os da África ou da América Latina – como o
Haiti, em que quase 100% da suas populações agonizam de fome, de doenças e/ou
de miséria.
40% dos recursos do planeta estão nas mãos de apenas 6% da população;
15% da população que vive nos países desenvolvidos, são responsáveis por
56% do consumo mundial e 40% da população pobre consome só 11%.
345 pessoas têm nas mãos a fortuna do mundo – mais de U$ um bilhão
cada; enquanto que o capital especulativo – sem lastro - que ronda as
bolsas de valores e que cria crises em todo o mundo é estimado em U$A
100 trilhões (embora não existam ativos desta monta no planeta – o PIB de
todos os países juntos é estimado em U$A 30 trilhões, mas o meio ativo
circulante no planeta é de 130 trilhões, ou seja, 100 a mais do que o
real).*²
Na nossa evolução (“involunção” seria um melhor termo) e com as nossas ações
criamos o “eixo da vergonha”, o famoso e conhecido como “eixo norte-sul” onde só
20% da humanidade (o norte) vive dignamente (embora sempre com o seu
também futuro incerto) e os 4/5 restantes agonizam de sintomas da exclusão:
“fome crônica”, doenças, falta de tudo (de educação, de moradia, de saúde, de
lazer e de todos os demais problemas do sub-desenvolvimento).
Vivemos e “involuímos” instintivamente e em completo paradoxo: desenvolvemos
mega tecnologias que só uns poucos se utilizam e que se prestam mais a
continuidade desse sistema que oprime e aprisiona vidas, povos, nações inteiras e
que se presta a reprodução de ciclos, de geração de cada vez mais gente no
consumo de alimentos e produtos, de destruição, de desperdício e morte; sem
nada, absolutamente nada fazermos para mudar ou para deixarmos como
contribuição para melhorar o planeta e a vida que nos acolhem.
Nessa paranóica roda viva, geramos também, em todas as escalas, conflitos,
guerras e litígios sem qualquer fundamentação lógica; destruindo culturas
milenares por alguns litros de petróleo ou por pepitas de algum mineral, só para
continuarmos crescendo e, para isso, semeamos pelo instinto - que ainda não nos
abandonou no pós-cavernas - o ódio.
“O século XX, ficará marcado como o século dos contrasensos e paradoxos,
em que avançamos sem saber para onde íamos. Enquanto, dispúnhamos
de tecnologias de ponta, que nos propiciaram pesquisar até a origem e a
vida em outros planetas, esquecemo-nos da valorização de todas as formas
de manifestação dela aqui mesmo na Terra; em que praticamos o
desperdício e seguimos investindo errado (em guerras e em litígios, em
pesquisas - sem quaisquer fundamentações lógicas, por exemplo),
deixando 4/5 da humanidade excluída, enquanto consumimos com todos os
recursos naturais e ajudamos a exterminar a vida do planeta pela nossa
ação ou pela nossa omissão.”*²
São quase 110 mil pessoas que morrem todo o dia no mundo de fome e
desnutrição – a grande maioria nos países subdesenvolvidos. E os pobres e
miseráveis que conseguem sobreviver, geram novos pobres - os “pobres
hereditários”, numa “síndrome multidimensional” que não se acabará com medidas
paliativas e atuando-se nos efeitos. O problema é mundial. Nos países
desenvolvidos a má gestão pública – que contribui para este estado de coisas
-também ocorre, assim como a corrupção, mas num país subdesenvolvido, ela
representa a morte de milhares de pessoas e faz acentuar o processo de destruição
ambiental.
A parte da sabedoria que nos caberia como “top de linha na classificação das
espécies” parece que não se justifica, quando percebemos as incongruências das
nossas humanas ações. Gastamos preciosos recursos e fosfato para gerarmos
tecnologias em máquinas astronomicamente caras que se prestam a procurar vida
inteligente em outros planetas (muito provavelmente porque ela esteja em falta
aqui na Terra) e promovemos uma inconcebível devastação da natureza para
produzir e acumular centenas as vezes milhares de vezes mais do que necessitamos
para sobreviver. Competimos e oprimimos o nosso semelhante movidos pelo
instinto animal e pelo medo que polui as nossas mentes e os nossos espíritos e,
levamos isso para fora do núcleo familiar, para o mundo externo e para as
instituições que criamos para trabalhar, para estudar, para recrear (lembremo-nos
dos estádios de futebol que viraram campos de guerras); para as empresas, para
os órgãos públicos e da sociedade civil.
Num contexto de insanidade global, como então procurar portas de saída e novas
estradas para a construção da paz e que visão de futuro podem ter crianças e
jovens que vêem os seus pais – que vieram dos mesmos ciclos e cultura
egocêntricos e insanos (e que, privilegiados e no conforto dos seus lares, podem se
dar ao luxo de lerem e de se instruírem, inclusive através de contato com este
artigo) - darem um amor incondicional aos seus (nem todos por certo) e pisarem
fora da soleira dos seus lares tropeçando em outros humanos abandonados a sua
própria sorte (os excluídos) ou ver o seu habitat se degenerar e fazerem de conta
que o problema não é seu e nem da sua nobre família ???
Embora a “crise civilizatória” a qual vivemos e que está nos conduzindo para o
abismo e para o caos, algumas portas podem ser apontadas para a reversão e a
total mudança deste e de outros paradigmas, através de estradas paralelas a serem
construídas por mentes esclarecidas e que possam conduzir a uma esperança de
uma “cultura de paz e de harmonia planetária”.
A consideramos o diferencial de forças que gravitam – da globalização à essa linha
de uma cultura de paz e harmonia planetária – e, conjuntamente com essa força
que começou nas sombras da idade média e que agregou todas os estapafúrdios e
as outras mazelas que nos levaram ao atual estágio civilizatório, a estratégia é
mudarmos o vetor ou os vetores em busca da paz. Não será necessário contrapor
uma energia no sentido oposto a da força que se nos apresenta e nem tão pouco
lutarmos, mas tão somente mudarmos o foco, o vetor, “a estrada”.
É preciso largarmos as espadas que ferem e nos armarmos de luz, com a mesma
luz que alguns iluminados já vieram à Terra nos indicar os horizontes e focos.
Uma guerra não se vence, todos perdem (e a humanidade parece que não
apreendeu ainda isso), todos saem diminuídos; recursos desperdiçados não se
recuperam (mas continua-se investindo errado) e, energia não se pode jogar fora,
quando contra forças maiores e invencíveis como as das guerras ou da globalização
da economia.
Novas estradas limpas, despoluídas, integras poderão ser construídas e
sedimentadas no caminho da paz e da harmonia – que muitos queremos. Temos
bons exemplos delas, que aí estão e bem de baixo dos nossos olhos para servirem
de pressupostos. Mas para começarmos a construí-las e pavimentá-las para nós e
para a humanidade toda, precisamos antes passar por algumas portas, para então
acessarmos o material que pavimentará essa nova estrada.
São ritos de passagem, portas de passagens mentais, de conscientização para as
necessárias mudanças de paradigmas. Não é um remédio barato, mas também não
é um remédio tão amargo, se realmente queremos protagonizar mudanças e
construirmos a estrada da paz e esperança.
Entretanto o começo é individual e necessitamos desse rito de passagem mental
para depois, através da promoção de um sistemático tratamento e de
aprendizagem coletiva, catalisarmos o processo e promovermos o realinhamento
das mentes tortas e dos rumos errados (através dos novos vetores), o que virá por
um processo lento e gradual, que a fé e a esperança - necessárias para esta
empreitada - nos fazem acreditar ainda haver tempo para a necessária reversão do
quadro negro que pintamos até então como “humanidade”, até curarmos as
históricas feridas deixadas pela opressão, pelo ódio racial e religioso, pelas guerras
e disputas e pela própria competição irracional.
A Primeira e maior porta de passagem é a do a do Amor Universal e
Incondicional – e para ultrapassá-la faremos um compromisso de não
ofereceremos mais o nosso amor só à nossa família, mas também para os outros e
para todas as formas de vida, numa aproximação do que denominamos de Neo-
Humanismo*¹. Assim e para isso também viveram grandes personalidades como
Mahatma Ghandi, Madre Tereza de Calcutá, São Francisco de Assis, João Paulo II,
dentre tantos outros corações. Assim está nos mostrando com singelos mas
importantes gestos contemporâneos, como o da atriz Angelina Joly, adotando
crianças de países do “terceiro mundo”; como o do músico Bono, através da
questão ambiental, do também cantor Sting com a causa indígena ou do nosso
Betinho com a inclusão social.
O amor universal e incondicional da primeira e maior porta – a mesma do Neo-
Humanismo que propomos – envolve o núcleo familiar, abarca o nível comunitário,
a localidade, a cidade, o país em que vivemos, o meio, as espécies biológicas com
as quais interagimos; o mundo todo enfim. É um amor universal e não egocêntrico
e não mais focado só na nossa família e nos indivíduos mais próximos. É um amor
positivo, incentivador, partilhador, tolerante, compreensivo, solidário, fraterno,
dedicado, elevador. É um amor que se preocupa com o social e com o ambiental e
que respeita a diversidade e todas as formas de vida.
A segunda porta é a da Vocação, onde encontraremos a luz e a energia natural
da mais preciosa munição com a qual viemos - e contaremos por toda a nossa
existência terrena - para contribuir para com o mundo em que vivemos. Quantos
potenciais artistas, atletas, missionários, exploradores do mundo e das ciências,
abandonam as suas aspirações vocacionais mais profundas por imposições sociais
para serem profissionais padronizados socialmente, “especializados em
perfumarias” liberais, empresários ensimesmados e vêem suas vidas
potencialmente frustradas por não terem seguido o seu impulso interior ?
O homem que se identifica com o que faz, chega ao estágio da arte na sua
profissão e mais perto de realizar-se como ser humano. A ele vêm de forma
abundante a inspiração criativa, de uma fonte infinita e aberta, que ele por fim
manifesta através dos seus sentidos objetivos cá na Terra, através das suas obras e
ações, ficando estas perceptíveis e disponíveis também aos outros.
O homem que aceita a segunda porta fica em sintonia com a fonte e com o criador
de tudo. Por ela deve seguir com grandeza e humildade para que não se feche pelo
ego e pelo orgulho de um dom que maior do que a si mesmo e em verdade é uma
gota perto do imenso oceano.
A terceira porta é a dos Vínculos – só dedicarmos o nosso precioso tempo e
ações às associações com pessoas e entidades que nos levem a objetivos de cunho
universais. Não dedicarmos ou emprestarmos as nossas vidas e não “vestirmos a
camisa” de empresas e instituições que não se afinem com os nossos princípios;
para aquelas que só pensam em benefícios, dividendos e lucros.
Outras portas de passagem podem ser encontradas para o caos que nós mesmos
ajudamos a construir e para chegarmos às estradas da paz e da harmonia e,
podemos enxergar essas possibilidades nos exemplos que nos vem dos seres com
menos ou nenhuma sapiência, como a nossa pretensa: nos exemplos e portas que
vêem da própria natureza, que leva e traz, que produz e tira e que usa dela mesmo
só o que lhe basta. Vem dos animais irracionais, os quais para manutenção da vida,
consomem nesse balanço harmônico o absolutamente necessário, deixando
naturalmente a maior parte sobrar para todos.
Também e talvez possa vir dos nossos ancestrais das cavernas ou dos nossos
contemporâneos das florestas – dos povos indígenas e daqueles que vivem em
contato com a natureza – como os pescadores, que ainda reverenciam o mar; dos
povos nômades, dos esquimós, dos estrativistas e de outros – tanto para citarmos
como exemplos.
Querendo Avançar – A Estradas da Morte ou a Estrada da Paz
A humanidade insandecida no máximo tem pensado em “o que
fazer” para mudar e reverter o atual e catastrófico quadro –
objetivo perseguido e nunca alcançado - mas jamais pensou no
que “não fazer” - numa parada total das suas perniciosas ações
ao planeta e a vida.
Os Autores*²
“A vida para se manifestar necessita da terra, da água e do ar. Sabemos disso, mas
continuamos empobrecendo o solo, explorando, poluindo e tirando dela o máximo
que podemos; precisamos das águas doces e do mar para o consumo de alimentos
e para a manutenção da vida aquática, mas fazemos delas imensos esgotos a céu
aberto; imprescindimos do ar que respiramos para a manutenção de todas as
formas de vida, mas continuamos a jogar na atmosfera bilhões de toneladas por
ano de produtos tóxicos.
Estamos promovendo o verdadeiro holocausto, mas hipocritamente nos
reunimos para falar em “desenvolvimento sustentável” e para encontrar as formas
de atacar as causas históricas e hereditárias da degeneração do Planeta, mas a
humanidade enjaulada pelo mesmo sistema de forças que a tem aprisionado nestes
últimos séculos, continua com a sua ação suicida e autofágica em nome da
economia, do corporativismo e não da ecologia e da paz.”*²
Embora conheçamos apenas 1,5% da nossa biodiversidade (ou seja, não
conhecemos 98,5% das espécies do mundo animal e vegetal existentes no planeta
Terra) e querendo avançar destemidamente rumo ao futuro, pesquisamos a vida, a
modificamos geneticamente (de forma anti-ética) e brincamos de ser Deus.
Essa é a Porta Principal para a Estrada do Caos, senão aquela que nos guiará a
extinção da nossa própria espécie. Essa porta precisamos ajudar a fechar e, fechar,
significa simplesmente abandoná-la, não seguir por ela pois “é uma das estradas
da morte que estamos pavimentando; da extinção da nossa espécie !”.
Paralelo a isso, todo o dia vemos anúncios de extinção de espécies e de dezenas de
outras que temos que multiplicar a atenção para salvar os seus últimos
representantes, com caros e antagônicos programas de preservação destas e de
outras que, por omissão, extinguem-se definitivamente
Vivemos com doenças endêmicas que de tempos em tempos retornam com toda a
força, como a Tuberculose, a Malária, a Febre Amarela – dentre tantas outras; o
vírus da AIDS foi descoberto na década de 50 do século passado e até hoje não
encontramos a sua cura; a SARS uma doença também transmitida por vírus e de
fácil transmissão levou ao pânico os países orientais e o Canadá que
protagonizaram o caos (todos com máscaras nas ruas como alienígenas na própria
Terra); a gripe do frango e doença da vaca louca e o Ebola já convivem
pacificamente com os humanos.
Quem nos garante que as novas doenças não surgiram das incursões dos nossos
ilustres cientistas ?
Mas mesmo assim teimamos em seguir avançando e promovendo pesquisas
genéticas sobre as quais não temos o absoluto domínio e que qualquer tubo de
ensaio quebrado por acaso pode ocasionar o caos.
É preciso pensar qual ou quais estradas pegamos: as que conduzem a uma
perspectiva de futuro, à paz e a harmonia ou às que conduzem a morte e ao fim.
Segundo o catarinense Humberto Rohdem, o importante não é correr e chegar por
primeiro, o essencial é saber se certa é a direção em que se vai !
E é justamente essa a abordagem das inúmeras possibilidades que temos enquanto
humanos e humanidade, enquanto cidadãos e enquanto famílias. Para pegarmos as
estradas que conduzem a paz e à harmonia, temos tão somente e por primeiro de
mudar de paradigmas, de vetores, de estradas e, para mudar de paradigmas com
perspectivas de futuro temos que passar pelas portas – promover em nós mesmos
“a mudança (de paradigma mental, existencial e de práxis de vida)” – e para então,
durante o caminho, depois e juntos, sedimentarmos as estradas da paz e da
harmonia.
As respostas existenciais esperadas e de praxe serão todas então respondidas,
dentro do novo enfoque e vetor, já estando construindo e andando na nova estrada
e, não mais no velho paradigma.
Elas (as respostas) poderão ser boas e positivas, mas dependerá exclusivamente de
nós – de um e de todos nós.
Referencial em:
*¹ - Zornitta, Paulo & Fernando, Grande é a Arte, Grande Pode Ser a Vida.
Green Wave Ed. Porto Alegre, 2000.
*² - Zornitta, Paulo & Fernando, Rio + 10 A Constatação da Impotência / RIO +
10 – Treze Pressupostos Lógicos Para Uma Perspectiva de Sustentabilidade
Ambiental (Conjunto de Posturas e de Medidas Para Parar e Reverter o Atual
Quadro do Caos Ambiental e Para a Correção de Rumos Numa Perspectiva de
Sustentabilidade). Propostas encaminhadas para a RIO + 10. Porto Alegre, 2002.
Ilustrações:
³ - Rubens Ygua – Em Grande é a Arte, Grande Pode Ser a Vida de autoria de Paulo &
Fernando Zornitta. Green Wave Ed. Porto Alegre, 2000.
____________________________________________________
Quem são os Autores:
¹ - Paulo Zornitta, Ambientalista, Artista Plástico, Técnico Projetista e Designer (Sistemas
de Preservação Ambiental e Tecnologias Limpas; Sistemas Eletro-eletrõnicos; Fontes
Alternativas de Energia e de Segurança). Produtor cultural nas áreas de literatura fotografia,
cinema e vídeo e atividade lliterária – livro e textos publicados. Estudante da Metafísica e
terapêutica com mais de 30 cursos, alguns na UNIPAZ. É co-idealizador e sócio-fundador de
ONGs atuantes nas áreas de meio-ambiente (Movimento GREEN WAVE), Associação dos
Escritores Independentes do RGS – dentre outras.
E-mails: pzornitta@ibest.com.br / przornitta@hotmail.com
² Fernando Zornitta, Ambientalista, Artista Plástico e Designer, Arquiteto e Urbanista,
Especialista em Lazer e Recreação (UFRGS) e em Turismo (OMT/ONU-Governo Italiano),
Estágio de Aperfeiçoamento em Planejamento Turístico na Un. de Messina-Itália e iniciou
junto à Un. de Barcelona em 2002 Curso de Doutorado em Planejamento e Desenvolvimento
Regional (com foco no turismo e proj. de pesquisa na América Latina e Caribe). Tem Curso
de Técnico de Realização Audiovisual e desenvolve atividades em movimentos sociais – dos
quais é co-idealizador (Unisports – Esportes, Lazer e Cidadania, Apolo Associação de Cinema
e Vídeo e Movimento Green Wave). Tem produção literária – livro e artigos técnicos
publicados.
E-mails: fzornitta@uol.com.br / fzornitta@hotmail.com
___________________________
Autorização: Autorizamos a publicação do artigo PAZ NA TERRA – UTOPIA OU
POSSIBILIDADE ? e o uso das Ilustrações integradas no corpo do artigo –
conforme diagramação. Solicitamos e permitimos o uso das mesmas para
“exclusivamente para a publicação no artigo supra citado”, fazendo referência das
ilustrações: Rubens Ygua.
Porto Alegre, 23 de março de 2007
Paulo Roberto Zornitta e José Fernando Zornitta

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tema : Fome Trabalho desenvolvido por:Samara Mourato e Lucas Pereira
Tema : Fome Trabalho  desenvolvido por:Samara Mourato e Lucas Pereira Tema : Fome Trabalho  desenvolvido por:Samara Mourato e Lucas Pereira
Tema : Fome Trabalho desenvolvido por:Samara Mourato e Lucas Pereira
Francini Domingues
 
População e disponibilidade de alimentos: revisitando um debate ultrapassado?
População e disponibilidade de alimentos: revisitando um debate ultrapassado?População e disponibilidade de alimentos: revisitando um debate ultrapassado?
População e disponibilidade de alimentos: revisitando um debate ultrapassado?
Ricardo de Sampaio Dagnino
 
Mitos sobre a fome
Mitos sobre a fomeMitos sobre a fome
Mitos sobre a fome
Maria de Sousa
 
Brasil: Declaração da Assembleia dos Movimentos Sociais
Brasil: Declaração da Assembleia dos Movimentos SociaisBrasil: Declaração da Assembleia dos Movimentos Sociais
Brasil: Declaração da Assembleia dos Movimentos Sociais
Crónicas del despojo
 
Aula Sobre Aspectos Humanos Da Atualidade
Aula Sobre Aspectos Humanos Da AtualidadeAula Sobre Aspectos Humanos Da Atualidade
Aula Sobre Aspectos Humanos Da Atualidade
ProfMario De Mori
 
Como impedir a débâcle humanitária no mundo contemporâneo
Como impedir a débâcle humanitária no mundo contemporâneoComo impedir a débâcle humanitária no mundo contemporâneo
Como impedir a débâcle humanitária no mundo contemporâneo
Fernando Alcoforado
 
Como impedir a débâcle humanitária no mundo contemporâneo
Como impedir a débâcle humanitária no mundo contemporâneoComo impedir a débâcle humanitária no mundo contemporâneo
Como impedir a débâcle humanitária no mundo contemporâneo
Fernando Alcoforado
 
Geopolítica da Fome - Destruição em Massa
Geopolítica da Fome -  Destruição em Massa Geopolítica da Fome -  Destruição em Massa
Geopolítica da Fome - Destruição em Massa
Vanessa Cunha
 
Caçadores de mitos
Caçadores de mitosCaçadores de mitos
Caçadores de mitos
Maria de Sousa
 
Boletim do Meio Ambiente dez-2011 on
Boletim do Meio Ambiente dez-2011 onBoletim do Meio Ambiente dez-2011 on
Boletim do Meio Ambiente dez-2011 on
BOLETIM
 
A AGRICULTURA E A FOME NO MUNDO revisado
A AGRICULTURA E A FOME NO MUNDO  revisadoA AGRICULTURA E A FOME NO MUNDO  revisado
A AGRICULTURA E A FOME NO MUNDO revisado
Qualificar Empreendedorismo Educacional
 
2º Va Grupo 8
2º Va   Grupo 82º Va   Grupo 8
2º Va Grupo 8
ProfMario De Mori
 
A fome no mundo
A fome no mundoA fome no mundo
A fome no mundo
Bruno Dias
 
Le monde Diplomatique Brasil Encarte Especial CRESÇA
Le monde Diplomatique Brasil Encarte Especial CRESÇALe monde Diplomatique Brasil Encarte Especial CRESÇA
Le monde Diplomatique Brasil Encarte Especial CRESÇA
Oxfam Brasil
 
Artigo
ArtigoArtigo
Artigo
Jusemara
 
Crescendo para um futuro melhor justiça alimentar em um mundo de recursos lim...
Crescendo para um futuro melhor justiça alimentar em um mundo de recursos lim...Crescendo para um futuro melhor justiça alimentar em um mundo de recursos lim...
Crescendo para um futuro melhor justiça alimentar em um mundo de recursos lim...
Oxfam Brasil
 
Teorias do crescimento demográfico
Teorias do crescimento demográficoTeorias do crescimento demográfico
Teorias do crescimento demográfico
Pedro Neves
 
A fome no mundo2
A fome no mundo2 A fome no mundo2
A fome no mundo2
catarina_fofinha55
 
A indispensavel terra_africana
A indispensavel terra_africanaA indispensavel terra_africana
A indispensavel terra_africana
Valeir Sousa
 
Qual É O Desejo Dos Seres Humanos Extraterrestres Plejaren Para Os Seres Huma...
Qual É O Desejo Dos Seres Humanos Extraterrestres Plejaren Para Os Seres Huma...Qual É O Desejo Dos Seres Humanos Extraterrestres Plejaren Para Os Seres Huma...
Qual É O Desejo Dos Seres Humanos Extraterrestres Plejaren Para Os Seres Huma...
Rita Mitozo
 

Mais procurados (20)

Tema : Fome Trabalho desenvolvido por:Samara Mourato e Lucas Pereira
Tema : Fome Trabalho  desenvolvido por:Samara Mourato e Lucas Pereira Tema : Fome Trabalho  desenvolvido por:Samara Mourato e Lucas Pereira
Tema : Fome Trabalho desenvolvido por:Samara Mourato e Lucas Pereira
 
População e disponibilidade de alimentos: revisitando um debate ultrapassado?
População e disponibilidade de alimentos: revisitando um debate ultrapassado?População e disponibilidade de alimentos: revisitando um debate ultrapassado?
População e disponibilidade de alimentos: revisitando um debate ultrapassado?
 
Mitos sobre a fome
Mitos sobre a fomeMitos sobre a fome
Mitos sobre a fome
 
Brasil: Declaração da Assembleia dos Movimentos Sociais
Brasil: Declaração da Assembleia dos Movimentos SociaisBrasil: Declaração da Assembleia dos Movimentos Sociais
Brasil: Declaração da Assembleia dos Movimentos Sociais
 
Aula Sobre Aspectos Humanos Da Atualidade
Aula Sobre Aspectos Humanos Da AtualidadeAula Sobre Aspectos Humanos Da Atualidade
Aula Sobre Aspectos Humanos Da Atualidade
 
Como impedir a débâcle humanitária no mundo contemporâneo
Como impedir a débâcle humanitária no mundo contemporâneoComo impedir a débâcle humanitária no mundo contemporâneo
Como impedir a débâcle humanitária no mundo contemporâneo
 
Como impedir a débâcle humanitária no mundo contemporâneo
Como impedir a débâcle humanitária no mundo contemporâneoComo impedir a débâcle humanitária no mundo contemporâneo
Como impedir a débâcle humanitária no mundo contemporâneo
 
Geopolítica da Fome - Destruição em Massa
Geopolítica da Fome -  Destruição em Massa Geopolítica da Fome -  Destruição em Massa
Geopolítica da Fome - Destruição em Massa
 
Caçadores de mitos
Caçadores de mitosCaçadores de mitos
Caçadores de mitos
 
Boletim do Meio Ambiente dez-2011 on
Boletim do Meio Ambiente dez-2011 onBoletim do Meio Ambiente dez-2011 on
Boletim do Meio Ambiente dez-2011 on
 
A AGRICULTURA E A FOME NO MUNDO revisado
A AGRICULTURA E A FOME NO MUNDO  revisadoA AGRICULTURA E A FOME NO MUNDO  revisado
A AGRICULTURA E A FOME NO MUNDO revisado
 
2º Va Grupo 8
2º Va   Grupo 82º Va   Grupo 8
2º Va Grupo 8
 
A fome no mundo
A fome no mundoA fome no mundo
A fome no mundo
 
Le monde Diplomatique Brasil Encarte Especial CRESÇA
Le monde Diplomatique Brasil Encarte Especial CRESÇALe monde Diplomatique Brasil Encarte Especial CRESÇA
Le monde Diplomatique Brasil Encarte Especial CRESÇA
 
Artigo
ArtigoArtigo
Artigo
 
Crescendo para um futuro melhor justiça alimentar em um mundo de recursos lim...
Crescendo para um futuro melhor justiça alimentar em um mundo de recursos lim...Crescendo para um futuro melhor justiça alimentar em um mundo de recursos lim...
Crescendo para um futuro melhor justiça alimentar em um mundo de recursos lim...
 
Teorias do crescimento demográfico
Teorias do crescimento demográficoTeorias do crescimento demográfico
Teorias do crescimento demográfico
 
A fome no mundo2
A fome no mundo2 A fome no mundo2
A fome no mundo2
 
A indispensavel terra_africana
A indispensavel terra_africanaA indispensavel terra_africana
A indispensavel terra_africana
 
Qual É O Desejo Dos Seres Humanos Extraterrestres Plejaren Para Os Seres Huma...
Qual É O Desejo Dos Seres Humanos Extraterrestres Plejaren Para Os Seres Huma...Qual É O Desejo Dos Seres Humanos Extraterrestres Plejaren Para Os Seres Huma...
Qual É O Desejo Dos Seres Humanos Extraterrestres Plejaren Para Os Seres Huma...
 

Destaque

Inicio windows
Inicio windowsInicio windows
Inicio windows
Cat Lunac
 
Alimentação Saúdavel
Alimentação SaúdavelAlimentação Saúdavel
Alimentação Saúdavel
Vitor Dalcégio
 
CDC Grupo sociais
CDC Grupo sociaisCDC Grupo sociais
CDC Grupo sociais
Rafael Alves
 
www.TutoresReforcoEscolar.Com.Br - Física - Movimento Circular
www.TutoresReforcoEscolar.Com.Br - Física -  Movimento Circularwww.TutoresReforcoEscolar.Com.Br - Física -  Movimento Circular
www.TutoresReforcoEscolar.Com.Br - Física - Movimento Circular
Manuela Mendes
 
Proyecto tecnológico
Proyecto tecnológicoProyecto tecnológico
Proyecto tecnológico
Vanessita Uribe
 
Gótico
GóticoGótico
Antologia de Poemas
Antologia de PoemasAntologia de Poemas
Antologia de Poemas
Vitor Dalcégio
 
Nou pgc
Nou pgcNou pgc
Nou pgc
catpav
 
Sistema de backup
Sistema de backupSistema de backup
Sistema de backup
Thayná Prado
 
Aula para pessoas já habilitadas
Aula para pessoas já habilitadasAula para pessoas já habilitadas
Aula para pessoas já habilitadas
jocamilo999
 
Alumnos de nuevo ingreso 2014
Alumnos de nuevo ingreso 2014Alumnos de nuevo ingreso 2014
Alumnos de nuevo ingreso 2014
Juan Angel Salas
 
Patologias bucales anomalías de estructura
Patologias bucales anomalías de estructuraPatologias bucales anomalías de estructura
Patologias bucales anomalías de estructura
Cat Lunac
 
Clasificación de las preparaciones en prótesis fija
Clasificación de las preparaciones en prótesis fijaClasificación de las preparaciones en prótesis fija
Clasificación de las preparaciones en prótesis fija
Cat Lunac
 
Exposición hepatitis
Exposición hepatitisExposición hepatitis
Exposición hepatitis
Cat Lunac
 
Caso cilnico protesis removible
Caso cilnico protesis removibleCaso cilnico protesis removible
Caso cilnico protesis removible
Cat Lunac
 
Edrh11115
Edrh11115Edrh11115
Edrh11115
Luciano T. Lima
 
Atividade kelly1
Atividade kelly1Atividade kelly1
Atividade kelly1
Kellona Christina
 
Coisas que as pessoas nunca deveriam dizer que nunca ouviram em sua igreja
Coisas que as pessoas nunca deveriam dizer que nunca ouviram em sua igrejaCoisas que as pessoas nunca deveriam dizer que nunca ouviram em sua igreja
Coisas que as pessoas nunca deveriam dizer que nunca ouviram em sua igreja
Sheimon Mim
 
Autoavaliação do Sistema de Avaliação de Desempenho dos Servidores técnico-ad...
Autoavaliação do Sistema de Avaliação de Desempenho dos Servidores técnico-ad...Autoavaliação do Sistema de Avaliação de Desempenho dos Servidores técnico-ad...
Autoavaliação do Sistema de Avaliação de Desempenho dos Servidores técnico-ad...
proplan
 
Lessons learned boot camp 2
Lessons learned boot camp 2Lessons learned boot camp 2
Lessons learned boot camp 2
WELink
 

Destaque (20)

Inicio windows
Inicio windowsInicio windows
Inicio windows
 
Alimentação Saúdavel
Alimentação SaúdavelAlimentação Saúdavel
Alimentação Saúdavel
 
CDC Grupo sociais
CDC Grupo sociaisCDC Grupo sociais
CDC Grupo sociais
 
www.TutoresReforcoEscolar.Com.Br - Física - Movimento Circular
www.TutoresReforcoEscolar.Com.Br - Física -  Movimento Circularwww.TutoresReforcoEscolar.Com.Br - Física -  Movimento Circular
www.TutoresReforcoEscolar.Com.Br - Física - Movimento Circular
 
Proyecto tecnológico
Proyecto tecnológicoProyecto tecnológico
Proyecto tecnológico
 
Gótico
GóticoGótico
Gótico
 
Antologia de Poemas
Antologia de PoemasAntologia de Poemas
Antologia de Poemas
 
Nou pgc
Nou pgcNou pgc
Nou pgc
 
Sistema de backup
Sistema de backupSistema de backup
Sistema de backup
 
Aula para pessoas já habilitadas
Aula para pessoas já habilitadasAula para pessoas já habilitadas
Aula para pessoas já habilitadas
 
Alumnos de nuevo ingreso 2014
Alumnos de nuevo ingreso 2014Alumnos de nuevo ingreso 2014
Alumnos de nuevo ingreso 2014
 
Patologias bucales anomalías de estructura
Patologias bucales anomalías de estructuraPatologias bucales anomalías de estructura
Patologias bucales anomalías de estructura
 
Clasificación de las preparaciones en prótesis fija
Clasificación de las preparaciones en prótesis fijaClasificación de las preparaciones en prótesis fija
Clasificación de las preparaciones en prótesis fija
 
Exposición hepatitis
Exposición hepatitisExposición hepatitis
Exposición hepatitis
 
Caso cilnico protesis removible
Caso cilnico protesis removibleCaso cilnico protesis removible
Caso cilnico protesis removible
 
Edrh11115
Edrh11115Edrh11115
Edrh11115
 
Atividade kelly1
Atividade kelly1Atividade kelly1
Atividade kelly1
 
Coisas que as pessoas nunca deveriam dizer que nunca ouviram em sua igreja
Coisas que as pessoas nunca deveriam dizer que nunca ouviram em sua igrejaCoisas que as pessoas nunca deveriam dizer que nunca ouviram em sua igreja
Coisas que as pessoas nunca deveriam dizer que nunca ouviram em sua igreja
 
Autoavaliação do Sistema de Avaliação de Desempenho dos Servidores técnico-ad...
Autoavaliação do Sistema de Avaliação de Desempenho dos Servidores técnico-ad...Autoavaliação do Sistema de Avaliação de Desempenho dos Servidores técnico-ad...
Autoavaliação do Sistema de Avaliação de Desempenho dos Servidores técnico-ad...
 
Lessons learned boot camp 2
Lessons learned boot camp 2Lessons learned boot camp 2
Lessons learned boot camp 2
 

Semelhante a Paz na terra 5d (paulo & fernando zornitta)

galeano.pdf
galeano.pdfgaleano.pdf
O tempo das utopias mínimas viáveis
O tempo das utopias mínimas viáveisO tempo das utopias mínimas viáveis
O tempo das utopias mínimas viáveis
Lucio Borges
 
Leonardo Boff no Forum Social Munidal 2009
Leonardo Boff no Forum Social Munidal 2009Leonardo Boff no Forum Social Munidal 2009
Leonardo Boff no Forum Social Munidal 2009
Eugenio Hansen, OFS
 
Forum Social
Forum SocialForum Social
Forum Social
gueste62687ab
 
Forum Social Mundial
Forum Social MundialForum Social Mundial
Forum Social Mundial
João Melo
 
Forum Social
Forum SocialForum Social
Forum Social
renatotf
 
L. Boff no Fórum Social Mundial 2009
L. Boff no Fórum Social Mundial 2009L. Boff no Fórum Social Mundial 2009
L. Boff no Fórum Social Mundial 2009
Gustavo C. Rodríguez
 
Forum Social
Forum SocialForum Social
Forum Social
herciliamoret
 
Um Outro Mundo é Possível e Urgente
Um Outro Mundo é Possível e UrgenteUm Outro Mundo é Possível e Urgente
Um Outro Mundo é Possível e Urgente
guestacec1f
 
Forum Social
Forum SocialForum Social
Forum Social
maysa2009
 
Forum Social
Forum SocialForum Social
Forum Social
herciliamoret
 
FóRum Social Mundial 2009
FóRum Social Mundial 2009FóRum Social Mundial 2009
FóRum Social Mundial 2009
guest9b75eaa
 
Fórum Social Mundial - O que posso fazer para ajudar a mudar o mundo?
Fórum Social Mundial - O que posso fazer para ajudar a mudar o mundo?Fórum Social Mundial - O que posso fazer para ajudar a mudar o mundo?
Fórum Social Mundial - O que posso fazer para ajudar a mudar o mundo?
Caio Cesar Santos
 
forum_social
forum_socialforum_social
forum_social
peregrinodecristo
 
Teoria das ilhas de ego 1.0
Teoria das ilhas de ego 1.0Teoria das ilhas de ego 1.0
Teoria das ilhas de ego 1.0
Fernando Zornitta
 
Fórum Social
Fórum SocialFórum Social
Fórum Social
Flávia Cremonesi
 
Forum Social
Forum SocialForum Social
Forum Social
renatotf
 
Tudo sob controle d2
Tudo sob controle d2Tudo sob controle d2
Tudo sob controle d2
Fernando Zornitta
 
Multiculturalismo e
Multiculturalismo eMulticulturalismo e
Multiculturalismo e
Franciele Pimentel
 
ESTA É A CAPA COMPLETA DE NOSSO 21º LIVRO A SER PUBLICADO PELA EDITORA CRV D...
ESTA É A CAPA COMPLETA DE NOSSO  21º LIVRO A SER PUBLICADO PELA EDITORA CRV D...ESTA É A CAPA COMPLETA DE NOSSO  21º LIVRO A SER PUBLICADO PELA EDITORA CRV D...
ESTA É A CAPA COMPLETA DE NOSSO 21º LIVRO A SER PUBLICADO PELA EDITORA CRV D...
Faga1939
 

Semelhante a Paz na terra 5d (paulo & fernando zornitta) (20)

galeano.pdf
galeano.pdfgaleano.pdf
galeano.pdf
 
O tempo das utopias mínimas viáveis
O tempo das utopias mínimas viáveisO tempo das utopias mínimas viáveis
O tempo das utopias mínimas viáveis
 
Leonardo Boff no Forum Social Munidal 2009
Leonardo Boff no Forum Social Munidal 2009Leonardo Boff no Forum Social Munidal 2009
Leonardo Boff no Forum Social Munidal 2009
 
Forum Social
Forum SocialForum Social
Forum Social
 
Forum Social Mundial
Forum Social MundialForum Social Mundial
Forum Social Mundial
 
Forum Social
Forum SocialForum Social
Forum Social
 
L. Boff no Fórum Social Mundial 2009
L. Boff no Fórum Social Mundial 2009L. Boff no Fórum Social Mundial 2009
L. Boff no Fórum Social Mundial 2009
 
Forum Social
Forum SocialForum Social
Forum Social
 
Um Outro Mundo é Possível e Urgente
Um Outro Mundo é Possível e UrgenteUm Outro Mundo é Possível e Urgente
Um Outro Mundo é Possível e Urgente
 
Forum Social
Forum SocialForum Social
Forum Social
 
Forum Social
Forum SocialForum Social
Forum Social
 
FóRum Social Mundial 2009
FóRum Social Mundial 2009FóRum Social Mundial 2009
FóRum Social Mundial 2009
 
Fórum Social Mundial - O que posso fazer para ajudar a mudar o mundo?
Fórum Social Mundial - O que posso fazer para ajudar a mudar o mundo?Fórum Social Mundial - O que posso fazer para ajudar a mudar o mundo?
Fórum Social Mundial - O que posso fazer para ajudar a mudar o mundo?
 
forum_social
forum_socialforum_social
forum_social
 
Teoria das ilhas de ego 1.0
Teoria das ilhas de ego 1.0Teoria das ilhas de ego 1.0
Teoria das ilhas de ego 1.0
 
Fórum Social
Fórum SocialFórum Social
Fórum Social
 
Forum Social
Forum SocialForum Social
Forum Social
 
Tudo sob controle d2
Tudo sob controle d2Tudo sob controle d2
Tudo sob controle d2
 
Multiculturalismo e
Multiculturalismo eMulticulturalismo e
Multiculturalismo e
 
ESTA É A CAPA COMPLETA DE NOSSO 21º LIVRO A SER PUBLICADO PELA EDITORA CRV D...
ESTA É A CAPA COMPLETA DE NOSSO  21º LIVRO A SER PUBLICADO PELA EDITORA CRV D...ESTA É A CAPA COMPLETA DE NOSSO  21º LIVRO A SER PUBLICADO PELA EDITORA CRV D...
ESTA É A CAPA COMPLETA DE NOSSO 21º LIVRO A SER PUBLICADO PELA EDITORA CRV D...
 

Mais de Fernando Zornitta

Teoria de las isas de ego 1.2
Teoria de las isas de ego 1.2Teoria de las isas de ego 1.2
Teoria de las isas de ego 1.2
Fernando Zornitta
 
Teoria de las isas de ego 1.0
Teoria de las isas de ego 1.0Teoria de las isas de ego 1.0
Teoria de las isas de ego 1.0
Fernando Zornitta
 
The ego islands theory 1.0
The ego islands theory 1.0The ego islands theory 1.0
The ego islands theory 1.0
Fernando Zornitta
 
O lixo urbano 1.1
O lixo urbano 1.1O lixo urbano 1.1
O lixo urbano 1.1
Fernando Zornitta
 
Artigo livro digital_multimidia
Artigo livro digital_multimidiaArtigo livro digital_multimidia
Artigo livro digital_multimidia
Fernando Zornitta
 
REINO DESUNIDO
REINO DESUNIDOREINO DESUNIDO
REINO DESUNIDO
Fernando Zornitta
 
Desunited kindon
Desunited kindonDesunited kindon
Desunited kindon
Fernando Zornitta
 
Fernando Zornitta Curriculum
Fernando Zornitta CurriculumFernando Zornitta Curriculum
Fernando Zornitta Curriculum
Fernando Zornitta
 
O BRASIL E A ENGENHARIA REVERSA DO CAOS
O BRASIL E A ENGENHARIA REVERSA DO CAOSO BRASIL E A ENGENHARIA REVERSA DO CAOS
O BRASIL E A ENGENHARIA REVERSA DO CAOS
Fernando Zornitta
 
Obama in Hiroshima - A first step to pace building
Obama in Hiroshima - A first step to pace buildingObama in Hiroshima - A first step to pace building
Obama in Hiroshima - A first step to pace building
Fernando Zornitta
 
REINVENTANDO O BRASIL
REINVENTANDO O BRASILREINVENTANDO O BRASIL
REINVENTANDO O BRASIL
Fernando Zornitta
 
FIDELIDADE AO PODER LEGISLATIVO
FIDELIDADE AO PODER LEGISLATIVOFIDELIDADE AO PODER LEGISLATIVO
FIDELIDADE AO PODER LEGISLATIVO
Fernando Zornitta
 
TODOS PELO PLANETA, TODOS PELA PAZ
TODOS PELO PLANETA, TODOS PELA PAZ TODOS PELO PLANETA, TODOS PELA PAZ
TODOS PELO PLANETA, TODOS PELA PAZ
Fernando Zornitta
 
BRASIL: O PARLAMENTARISMO PODE SER UM NOVO CAMINHO ?
BRASIL: O PARLAMENTARISMO PODE SER UM NOVO CAMINHO ?BRASIL: O PARLAMENTARISMO PODE SER UM NOVO CAMINHO ?
BRASIL: O PARLAMENTARISMO PODE SER UM NOVO CAMINHO ?
Fernando Zornitta
 
SOS refugees
SOS refugeesSOS refugees
SOS refugees
Fernando Zornitta
 
Principles of the new millennium goals 2015 30
Principles of the new millennium goals 2015 30Principles of the new millennium goals 2015 30
Principles of the new millennium goals 2015 30
Fernando Zornitta
 
ALL FOR THE PLANET, ALL FOR THE PEACE.pt
ALL FOR THE PLANET, ALL FOR THE PEACE.ptALL FOR THE PLANET, ALL FOR THE PEACE.pt
ALL FOR THE PLANET, ALL FOR THE PEACE.pt
Fernando Zornitta
 
That flower (at someone's house)
That flower (at someone's house)That flower (at someone's house)
That flower (at someone's house)
Fernando Zornitta
 
Aquela flor (na casa de alguém)
Aquela flor (na casa de alguém)Aquela flor (na casa de alguém)
Aquela flor (na casa de alguém)
Fernando Zornitta
 
Europe2020stocktaking annex pt estratégias des 2020
Europe2020stocktaking annex pt estratégias des 2020Europe2020stocktaking annex pt estratégias des 2020
Europe2020stocktaking annex pt estratégias des 2020
Fernando Zornitta
 

Mais de Fernando Zornitta (20)

Teoria de las isas de ego 1.2
Teoria de las isas de ego 1.2Teoria de las isas de ego 1.2
Teoria de las isas de ego 1.2
 
Teoria de las isas de ego 1.0
Teoria de las isas de ego 1.0Teoria de las isas de ego 1.0
Teoria de las isas de ego 1.0
 
The ego islands theory 1.0
The ego islands theory 1.0The ego islands theory 1.0
The ego islands theory 1.0
 
O lixo urbano 1.1
O lixo urbano 1.1O lixo urbano 1.1
O lixo urbano 1.1
 
Artigo livro digital_multimidia
Artigo livro digital_multimidiaArtigo livro digital_multimidia
Artigo livro digital_multimidia
 
REINO DESUNIDO
REINO DESUNIDOREINO DESUNIDO
REINO DESUNIDO
 
Desunited kindon
Desunited kindonDesunited kindon
Desunited kindon
 
Fernando Zornitta Curriculum
Fernando Zornitta CurriculumFernando Zornitta Curriculum
Fernando Zornitta Curriculum
 
O BRASIL E A ENGENHARIA REVERSA DO CAOS
O BRASIL E A ENGENHARIA REVERSA DO CAOSO BRASIL E A ENGENHARIA REVERSA DO CAOS
O BRASIL E A ENGENHARIA REVERSA DO CAOS
 
Obama in Hiroshima - A first step to pace building
Obama in Hiroshima - A first step to pace buildingObama in Hiroshima - A first step to pace building
Obama in Hiroshima - A first step to pace building
 
REINVENTANDO O BRASIL
REINVENTANDO O BRASILREINVENTANDO O BRASIL
REINVENTANDO O BRASIL
 
FIDELIDADE AO PODER LEGISLATIVO
FIDELIDADE AO PODER LEGISLATIVOFIDELIDADE AO PODER LEGISLATIVO
FIDELIDADE AO PODER LEGISLATIVO
 
TODOS PELO PLANETA, TODOS PELA PAZ
TODOS PELO PLANETA, TODOS PELA PAZ TODOS PELO PLANETA, TODOS PELA PAZ
TODOS PELO PLANETA, TODOS PELA PAZ
 
BRASIL: O PARLAMENTARISMO PODE SER UM NOVO CAMINHO ?
BRASIL: O PARLAMENTARISMO PODE SER UM NOVO CAMINHO ?BRASIL: O PARLAMENTARISMO PODE SER UM NOVO CAMINHO ?
BRASIL: O PARLAMENTARISMO PODE SER UM NOVO CAMINHO ?
 
SOS refugees
SOS refugeesSOS refugees
SOS refugees
 
Principles of the new millennium goals 2015 30
Principles of the new millennium goals 2015 30Principles of the new millennium goals 2015 30
Principles of the new millennium goals 2015 30
 
ALL FOR THE PLANET, ALL FOR THE PEACE.pt
ALL FOR THE PLANET, ALL FOR THE PEACE.ptALL FOR THE PLANET, ALL FOR THE PEACE.pt
ALL FOR THE PLANET, ALL FOR THE PEACE.pt
 
That flower (at someone's house)
That flower (at someone's house)That flower (at someone's house)
That flower (at someone's house)
 
Aquela flor (na casa de alguém)
Aquela flor (na casa de alguém)Aquela flor (na casa de alguém)
Aquela flor (na casa de alguém)
 
Europe2020stocktaking annex pt estratégias des 2020
Europe2020stocktaking annex pt estratégias des 2020Europe2020stocktaking annex pt estratégias des 2020
Europe2020stocktaking annex pt estratégias des 2020
 

Último

6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
PIB Penha
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
AntonioMugiba
 
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
Especialidade  Arqueologia  Bíblica.pptxEspecialidade  Arqueologia  Bíblica.pptx
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
AlexandreJr7
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
PIB Penha
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
EdimarEdigesso
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
CAPACITAÇÃO MINISTÉRIO INFANTIL.pptx_20240413_005855_0000.pdf
CAPACITAÇÃO MINISTÉRIO INFANTIL.pptx_20240413_005855_0000.pdfCAPACITAÇÃO MINISTÉRIO INFANTIL.pptx_20240413_005855_0000.pdf
CAPACITAÇÃO MINISTÉRIO INFANTIL.pptx_20240413_005855_0000.pdf
tintcha62
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
PIB Penha
 
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃOgrabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
luartfelt
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
OBrasilParaCristoRad
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
PIB Penha
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
Nilson Almeida
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
PIB Penha
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
PIB Penha
 
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.pptPALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
FranciscoAudisio2
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
PIB Penha
 

Último (20)

6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
 
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
Especialidade  Arqueologia  Bíblica.pptxEspecialidade  Arqueologia  Bíblica.pptx
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
CAPACITAÇÃO MINISTÉRIO INFANTIL.pptx_20240413_005855_0000.pdf
CAPACITAÇÃO MINISTÉRIO INFANTIL.pptx_20240413_005855_0000.pdfCAPACITAÇÃO MINISTÉRIO INFANTIL.pptx_20240413_005855_0000.pdf
CAPACITAÇÃO MINISTÉRIO INFANTIL.pptx_20240413_005855_0000.pdf
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
 
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃOgrabovoi apostila.pdf  FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
grabovoi apostila.pdf FORMA CORRETA DE UTILIZAÇÃO
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
 
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.pptPALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
PALESTRA SACRAMENTO DO MATRIMÔNIO 09-09-2017 slides.ppt
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
 

Paz na terra 5d (paulo & fernando zornitta)

  • 1. PAZ NA TERRA – UTOPIA OU POSSIBILIDADE ? Paulo Zornitta¹ & Fernando Zornitta² Ilustrações: Rubens Ygua³ O Instinto Humano - O Despertar do Ego e a Inversão de Valores na Linha Evolutiva da Humanidade Sem filosofar muito ou nada, por certo todas as grande perguntas existenciais já fizemos a nós mesmos: - De onde viemos e para onde vamos ? - Para onde caminha a humanidade ? - Qual o destino da vida e do planeta ? - Será que estamos guiando o nosso futuro comum ou simplesmente deixando ele ”acontecer” ? - Que responsabilidades e possibilidades temos; como e com que ferramentas podemos mudar rumos e mentalidades, caso ainda tenhamos tempo para isso ? Perguntas que nos perturbam e incomodam todo o dia, enquanto procuramos uma luz no fim do túnel que nos dê segurança própria, para seguirmos vivendo, para gerarmos filhos, podermos ter netos, para saborearmos e dignificarmos a vida como ela merece. Das cavernas à era moderna, o homem sempre procurou por melhores condições de subsistência; climas mais propícios, maior abundância de alimentos; descobriu, inventou e reinventou, ajudando com a sua criatividade a resolver os problemas imediatos da humanidade. Entretanto, movido pela mais valia – preocupado em ter e não em ser e, empurrado por um macro sistema de forças que o desnorteia – o da economia – e por outros que o empuxam - como o da ciência e da tecnologia, está rumando e seguirá o seu certo destino, direto para o abismo, para o caos absoluto. O homem do século XX, da ciência, da cibernética e das viagens espaciais, fez círculos em volta do nada e comprometeu a sua própria sobrevivência. Enquanto se vangloriou das suas conquistas, agiu como um masoquista e caminhou satisfeito rumo a sua total destruição. Promoveu a depreciação do seu habitat e da vida; acumulou centenas, as vezes milhares de vezes o que necessitou para viver, degradou, destruiu e deixou a grande maioria da população da Terra na mais absoluta miséria. Os autores
  • 2. O homem, ele mesmo, é quem contribui para a insustentabilidade do planeta e de toda a vida que nele habita pelo livre arbítrio que lhe foi permitido. Desde as mega estruturas dos blocos econômicos, associados por conveniência e, das nações mais poderosas do mundo, até a escala de simples indivíduos, todos competimos por mais e queremos crescer e ter mais, mais e cada vez mais e, sublimados psicologicamente e socialmente pela voracidade do consumo e da produção, que também vêm pela mídia e entra sem convite nos nossos lares com a falsa promessa (quase nunca cumprida) de lazer, cultura e felicidade plena – vamos letargicamente deglutindo os sapos que não nos alimentam e nem nos satisfazem culturalmente e que fazem parte do “marketing anti-vida”, que está a serviço da morte, da nossa própria lenta e agonizante morte que leva de arrasto o nosso meio circundante – que parece não nos dizer respeito. Não bastassem as catástrofes naturais que todo o ano enfrentamos (acelerando-se por causa dos nossos “descuidos”), não bastasse a fome, as doenças e a devastação ambiental que deveríamos dar – mas não damos - uma mínima atenção, ainda avançamos sem rumo centrados na mais valia e perdemos com ela o senso de direção e de responsabilidade, como alguém que dirige um automóvel alcoolizado ou dopado. Esta é a grande e paradoxal estrada pela qual caminha a humanidade, uma estrada que não deu e não dá acesso a todos que competem e se degladeiam no percurso e que só aos mais preparados é permitido chegar. Uma estrada sem qualquer fundamentação lógica. E é nela que centramos o nosso modelo evolutivo excludente e “competimos” munidos de pás e enxadas com as tecnologias de ponta dos países desenvolvidos. Na busca de uma estrada que conduza a paz, é inconcebível e insustentável seguirmos um modelo evolutivo em que um único homem, como Bill Gates, que possui o equivalente proporcional a centenas de milhões de outros seus semelhantes. É inadmissível uma única nação consumir, poluir e desperdiçar tanto como os EUA (perto de 60% do total mundial); da mesma forma que é paradoxalmente trágico coexistirmos com países sugados, explorados e abandonados a sua própria sorte como os da África ou da América Latina – como o Haiti, em que quase 100% da suas populações agonizam de fome, de doenças e/ou de miséria.
  • 3. 40% dos recursos do planeta estão nas mãos de apenas 6% da população; 15% da população que vive nos países desenvolvidos, são responsáveis por 56% do consumo mundial e 40% da população pobre consome só 11%. 345 pessoas têm nas mãos a fortuna do mundo – mais de U$ um bilhão cada; enquanto que o capital especulativo – sem lastro - que ronda as bolsas de valores e que cria crises em todo o mundo é estimado em U$A 100 trilhões (embora não existam ativos desta monta no planeta – o PIB de todos os países juntos é estimado em U$A 30 trilhões, mas o meio ativo circulante no planeta é de 130 trilhões, ou seja, 100 a mais do que o real).*² Na nossa evolução (“involunção” seria um melhor termo) e com as nossas ações criamos o “eixo da vergonha”, o famoso e conhecido como “eixo norte-sul” onde só 20% da humanidade (o norte) vive dignamente (embora sempre com o seu também futuro incerto) e os 4/5 restantes agonizam de sintomas da exclusão: “fome crônica”, doenças, falta de tudo (de educação, de moradia, de saúde, de lazer e de todos os demais problemas do sub-desenvolvimento). Vivemos e “involuímos” instintivamente e em completo paradoxo: desenvolvemos mega tecnologias que só uns poucos se utilizam e que se prestam mais a continuidade desse sistema que oprime e aprisiona vidas, povos, nações inteiras e que se presta a reprodução de ciclos, de geração de cada vez mais gente no consumo de alimentos e produtos, de destruição, de desperdício e morte; sem nada, absolutamente nada fazermos para mudar ou para deixarmos como contribuição para melhorar o planeta e a vida que nos acolhem. Nessa paranóica roda viva, geramos também, em todas as escalas, conflitos, guerras e litígios sem qualquer fundamentação lógica; destruindo culturas milenares por alguns litros de petróleo ou por pepitas de algum mineral, só para continuarmos crescendo e, para isso, semeamos pelo instinto - que ainda não nos abandonou no pós-cavernas - o ódio. “O século XX, ficará marcado como o século dos contrasensos e paradoxos, em que avançamos sem saber para onde íamos. Enquanto, dispúnhamos de tecnologias de ponta, que nos propiciaram pesquisar até a origem e a vida em outros planetas, esquecemo-nos da valorização de todas as formas de manifestação dela aqui mesmo na Terra; em que praticamos o desperdício e seguimos investindo errado (em guerras e em litígios, em pesquisas - sem quaisquer fundamentações lógicas, por exemplo), deixando 4/5 da humanidade excluída, enquanto consumimos com todos os
  • 4. recursos naturais e ajudamos a exterminar a vida do planeta pela nossa ação ou pela nossa omissão.”*² São quase 110 mil pessoas que morrem todo o dia no mundo de fome e desnutrição – a grande maioria nos países subdesenvolvidos. E os pobres e miseráveis que conseguem sobreviver, geram novos pobres - os “pobres hereditários”, numa “síndrome multidimensional” que não se acabará com medidas paliativas e atuando-se nos efeitos. O problema é mundial. Nos países desenvolvidos a má gestão pública – que contribui para este estado de coisas -também ocorre, assim como a corrupção, mas num país subdesenvolvido, ela representa a morte de milhares de pessoas e faz acentuar o processo de destruição ambiental. A parte da sabedoria que nos caberia como “top de linha na classificação das espécies” parece que não se justifica, quando percebemos as incongruências das nossas humanas ações. Gastamos preciosos recursos e fosfato para gerarmos tecnologias em máquinas astronomicamente caras que se prestam a procurar vida inteligente em outros planetas (muito provavelmente porque ela esteja em falta aqui na Terra) e promovemos uma inconcebível devastação da natureza para produzir e acumular centenas as vezes milhares de vezes mais do que necessitamos para sobreviver. Competimos e oprimimos o nosso semelhante movidos pelo instinto animal e pelo medo que polui as nossas mentes e os nossos espíritos e, levamos isso para fora do núcleo familiar, para o mundo externo e para as instituições que criamos para trabalhar, para estudar, para recrear (lembremo-nos dos estádios de futebol que viraram campos de guerras); para as empresas, para os órgãos públicos e da sociedade civil. Num contexto de insanidade global, como então procurar portas de saída e novas estradas para a construção da paz e que visão de futuro podem ter crianças e jovens que vêem os seus pais – que vieram dos mesmos ciclos e cultura egocêntricos e insanos (e que, privilegiados e no conforto dos seus lares, podem se dar ao luxo de lerem e de se instruírem, inclusive através de contato com este artigo) - darem um amor incondicional aos seus (nem todos por certo) e pisarem fora da soleira dos seus lares tropeçando em outros humanos abandonados a sua própria sorte (os excluídos) ou ver o seu habitat se degenerar e fazerem de conta que o problema não é seu e nem da sua nobre família ???
  • 5. Embora a “crise civilizatória” a qual vivemos e que está nos conduzindo para o abismo e para o caos, algumas portas podem ser apontadas para a reversão e a total mudança deste e de outros paradigmas, através de estradas paralelas a serem construídas por mentes esclarecidas e que possam conduzir a uma esperança de uma “cultura de paz e de harmonia planetária”. A consideramos o diferencial de forças que gravitam – da globalização à essa linha de uma cultura de paz e harmonia planetária – e, conjuntamente com essa força que começou nas sombras da idade média e que agregou todas os estapafúrdios e as outras mazelas que nos levaram ao atual estágio civilizatório, a estratégia é mudarmos o vetor ou os vetores em busca da paz. Não será necessário contrapor uma energia no sentido oposto a da força que se nos apresenta e nem tão pouco lutarmos, mas tão somente mudarmos o foco, o vetor, “a estrada”. É preciso largarmos as espadas que ferem e nos armarmos de luz, com a mesma luz que alguns iluminados já vieram à Terra nos indicar os horizontes e focos. Uma guerra não se vence, todos perdem (e a humanidade parece que não apreendeu ainda isso), todos saem diminuídos; recursos desperdiçados não se recuperam (mas continua-se investindo errado) e, energia não se pode jogar fora, quando contra forças maiores e invencíveis como as das guerras ou da globalização da economia. Novas estradas limpas, despoluídas, integras poderão ser construídas e sedimentadas no caminho da paz e da harmonia – que muitos queremos. Temos bons exemplos delas, que aí estão e bem de baixo dos nossos olhos para servirem de pressupostos. Mas para começarmos a construí-las e pavimentá-las para nós e para a humanidade toda, precisamos antes passar por algumas portas, para então acessarmos o material que pavimentará essa nova estrada. São ritos de passagem, portas de passagens mentais, de conscientização para as necessárias mudanças de paradigmas. Não é um remédio barato, mas também não é um remédio tão amargo, se realmente queremos protagonizar mudanças e construirmos a estrada da paz e esperança. Entretanto o começo é individual e necessitamos desse rito de passagem mental para depois, através da promoção de um sistemático tratamento e de aprendizagem coletiva, catalisarmos o processo e promovermos o realinhamento das mentes tortas e dos rumos errados (através dos novos vetores), o que virá por um processo lento e gradual, que a fé e a esperança - necessárias para esta empreitada - nos fazem acreditar ainda haver tempo para a necessária reversão do quadro negro que pintamos até então como “humanidade”, até curarmos as históricas feridas deixadas pela opressão, pelo ódio racial e religioso, pelas guerras e disputas e pela própria competição irracional.
  • 6. A Primeira e maior porta de passagem é a do a do Amor Universal e Incondicional – e para ultrapassá-la faremos um compromisso de não ofereceremos mais o nosso amor só à nossa família, mas também para os outros e para todas as formas de vida, numa aproximação do que denominamos de Neo- Humanismo*¹. Assim e para isso também viveram grandes personalidades como Mahatma Ghandi, Madre Tereza de Calcutá, São Francisco de Assis, João Paulo II, dentre tantos outros corações. Assim está nos mostrando com singelos mas importantes gestos contemporâneos, como o da atriz Angelina Joly, adotando crianças de países do “terceiro mundo”; como o do músico Bono, através da questão ambiental, do também cantor Sting com a causa indígena ou do nosso Betinho com a inclusão social. O amor universal e incondicional da primeira e maior porta – a mesma do Neo- Humanismo que propomos – envolve o núcleo familiar, abarca o nível comunitário, a localidade, a cidade, o país em que vivemos, o meio, as espécies biológicas com as quais interagimos; o mundo todo enfim. É um amor universal e não egocêntrico e não mais focado só na nossa família e nos indivíduos mais próximos. É um amor positivo, incentivador, partilhador, tolerante, compreensivo, solidário, fraterno, dedicado, elevador. É um amor que se preocupa com o social e com o ambiental e que respeita a diversidade e todas as formas de vida. A segunda porta é a da Vocação, onde encontraremos a luz e a energia natural da mais preciosa munição com a qual viemos - e contaremos por toda a nossa existência terrena - para contribuir para com o mundo em que vivemos. Quantos potenciais artistas, atletas, missionários, exploradores do mundo e das ciências, abandonam as suas aspirações vocacionais mais profundas por imposições sociais para serem profissionais padronizados socialmente, “especializados em perfumarias” liberais, empresários ensimesmados e vêem suas vidas potencialmente frustradas por não terem seguido o seu impulso interior ?
  • 7. O homem que se identifica com o que faz, chega ao estágio da arte na sua profissão e mais perto de realizar-se como ser humano. A ele vêm de forma abundante a inspiração criativa, de uma fonte infinita e aberta, que ele por fim manifesta através dos seus sentidos objetivos cá na Terra, através das suas obras e ações, ficando estas perceptíveis e disponíveis também aos outros. O homem que aceita a segunda porta fica em sintonia com a fonte e com o criador de tudo. Por ela deve seguir com grandeza e humildade para que não se feche pelo ego e pelo orgulho de um dom que maior do que a si mesmo e em verdade é uma gota perto do imenso oceano. A terceira porta é a dos Vínculos – só dedicarmos o nosso precioso tempo e ações às associações com pessoas e entidades que nos levem a objetivos de cunho universais. Não dedicarmos ou emprestarmos as nossas vidas e não “vestirmos a camisa” de empresas e instituições que não se afinem com os nossos princípios; para aquelas que só pensam em benefícios, dividendos e lucros. Outras portas de passagem podem ser encontradas para o caos que nós mesmos ajudamos a construir e para chegarmos às estradas da paz e da harmonia e, podemos enxergar essas possibilidades nos exemplos que nos vem dos seres com menos ou nenhuma sapiência, como a nossa pretensa: nos exemplos e portas que vêem da própria natureza, que leva e traz, que produz e tira e que usa dela mesmo só o que lhe basta. Vem dos animais irracionais, os quais para manutenção da vida, consomem nesse balanço harmônico o absolutamente necessário, deixando naturalmente a maior parte sobrar para todos. Também e talvez possa vir dos nossos ancestrais das cavernas ou dos nossos contemporâneos das florestas – dos povos indígenas e daqueles que vivem em contato com a natureza – como os pescadores, que ainda reverenciam o mar; dos povos nômades, dos esquimós, dos estrativistas e de outros – tanto para citarmos como exemplos. Querendo Avançar – A Estradas da Morte ou a Estrada da Paz A humanidade insandecida no máximo tem pensado em “o que fazer” para mudar e reverter o atual e catastrófico quadro – objetivo perseguido e nunca alcançado - mas jamais pensou no que “não fazer” - numa parada total das suas perniciosas ações ao planeta e a vida. Os Autores*²
  • 8. “A vida para se manifestar necessita da terra, da água e do ar. Sabemos disso, mas continuamos empobrecendo o solo, explorando, poluindo e tirando dela o máximo que podemos; precisamos das águas doces e do mar para o consumo de alimentos e para a manutenção da vida aquática, mas fazemos delas imensos esgotos a céu aberto; imprescindimos do ar que respiramos para a manutenção de todas as formas de vida, mas continuamos a jogar na atmosfera bilhões de toneladas por ano de produtos tóxicos. Estamos promovendo o verdadeiro holocausto, mas hipocritamente nos reunimos para falar em “desenvolvimento sustentável” e para encontrar as formas de atacar as causas históricas e hereditárias da degeneração do Planeta, mas a humanidade enjaulada pelo mesmo sistema de forças que a tem aprisionado nestes últimos séculos, continua com a sua ação suicida e autofágica em nome da economia, do corporativismo e não da ecologia e da paz.”*² Embora conheçamos apenas 1,5% da nossa biodiversidade (ou seja, não conhecemos 98,5% das espécies do mundo animal e vegetal existentes no planeta Terra) e querendo avançar destemidamente rumo ao futuro, pesquisamos a vida, a modificamos geneticamente (de forma anti-ética) e brincamos de ser Deus. Essa é a Porta Principal para a Estrada do Caos, senão aquela que nos guiará a extinção da nossa própria espécie. Essa porta precisamos ajudar a fechar e, fechar, significa simplesmente abandoná-la, não seguir por ela pois “é uma das estradas da morte que estamos pavimentando; da extinção da nossa espécie !”. Paralelo a isso, todo o dia vemos anúncios de extinção de espécies e de dezenas de outras que temos que multiplicar a atenção para salvar os seus últimos representantes, com caros e antagônicos programas de preservação destas e de outras que, por omissão, extinguem-se definitivamente Vivemos com doenças endêmicas que de tempos em tempos retornam com toda a força, como a Tuberculose, a Malária, a Febre Amarela – dentre tantas outras; o vírus da AIDS foi descoberto na década de 50 do século passado e até hoje não encontramos a sua cura; a SARS uma doença também transmitida por vírus e de fácil transmissão levou ao pânico os países orientais e o Canadá que protagonizaram o caos (todos com máscaras nas ruas como alienígenas na própria Terra); a gripe do frango e doença da vaca louca e o Ebola já convivem pacificamente com os humanos.
  • 9. Quem nos garante que as novas doenças não surgiram das incursões dos nossos ilustres cientistas ? Mas mesmo assim teimamos em seguir avançando e promovendo pesquisas genéticas sobre as quais não temos o absoluto domínio e que qualquer tubo de ensaio quebrado por acaso pode ocasionar o caos. É preciso pensar qual ou quais estradas pegamos: as que conduzem a uma perspectiva de futuro, à paz e a harmonia ou às que conduzem a morte e ao fim. Segundo o catarinense Humberto Rohdem, o importante não é correr e chegar por primeiro, o essencial é saber se certa é a direção em que se vai ! E é justamente essa a abordagem das inúmeras possibilidades que temos enquanto humanos e humanidade, enquanto cidadãos e enquanto famílias. Para pegarmos as estradas que conduzem a paz e à harmonia, temos tão somente e por primeiro de mudar de paradigmas, de vetores, de estradas e, para mudar de paradigmas com perspectivas de futuro temos que passar pelas portas – promover em nós mesmos “a mudança (de paradigma mental, existencial e de práxis de vida)” – e para então, durante o caminho, depois e juntos, sedimentarmos as estradas da paz e da harmonia. As respostas existenciais esperadas e de praxe serão todas então respondidas, dentro do novo enfoque e vetor, já estando construindo e andando na nova estrada e, não mais no velho paradigma. Elas (as respostas) poderão ser boas e positivas, mas dependerá exclusivamente de nós – de um e de todos nós. Referencial em: *¹ - Zornitta, Paulo & Fernando, Grande é a Arte, Grande Pode Ser a Vida. Green Wave Ed. Porto Alegre, 2000.
  • 10. *² - Zornitta, Paulo & Fernando, Rio + 10 A Constatação da Impotência / RIO + 10 – Treze Pressupostos Lógicos Para Uma Perspectiva de Sustentabilidade Ambiental (Conjunto de Posturas e de Medidas Para Parar e Reverter o Atual Quadro do Caos Ambiental e Para a Correção de Rumos Numa Perspectiva de Sustentabilidade). Propostas encaminhadas para a RIO + 10. Porto Alegre, 2002. Ilustrações: ³ - Rubens Ygua – Em Grande é a Arte, Grande Pode Ser a Vida de autoria de Paulo & Fernando Zornitta. Green Wave Ed. Porto Alegre, 2000. ____________________________________________________ Quem são os Autores: ¹ - Paulo Zornitta, Ambientalista, Artista Plástico, Técnico Projetista e Designer (Sistemas de Preservação Ambiental e Tecnologias Limpas; Sistemas Eletro-eletrõnicos; Fontes Alternativas de Energia e de Segurança). Produtor cultural nas áreas de literatura fotografia, cinema e vídeo e atividade lliterária – livro e textos publicados. Estudante da Metafísica e terapêutica com mais de 30 cursos, alguns na UNIPAZ. É co-idealizador e sócio-fundador de ONGs atuantes nas áreas de meio-ambiente (Movimento GREEN WAVE), Associação dos Escritores Independentes do RGS – dentre outras. E-mails: pzornitta@ibest.com.br / przornitta@hotmail.com ² Fernando Zornitta, Ambientalista, Artista Plástico e Designer, Arquiteto e Urbanista, Especialista em Lazer e Recreação (UFRGS) e em Turismo (OMT/ONU-Governo Italiano), Estágio de Aperfeiçoamento em Planejamento Turístico na Un. de Messina-Itália e iniciou junto à Un. de Barcelona em 2002 Curso de Doutorado em Planejamento e Desenvolvimento Regional (com foco no turismo e proj. de pesquisa na América Latina e Caribe). Tem Curso de Técnico de Realização Audiovisual e desenvolve atividades em movimentos sociais – dos quais é co-idealizador (Unisports – Esportes, Lazer e Cidadania, Apolo Associação de Cinema e Vídeo e Movimento Green Wave). Tem produção literária – livro e artigos técnicos publicados. E-mails: fzornitta@uol.com.br / fzornitta@hotmail.com ___________________________ Autorização: Autorizamos a publicação do artigo PAZ NA TERRA – UTOPIA OU POSSIBILIDADE ? e o uso das Ilustrações integradas no corpo do artigo – conforme diagramação. Solicitamos e permitimos o uso das mesmas para “exclusivamente para a publicação no artigo supra citado”, fazendo referência das ilustrações: Rubens Ygua. Porto Alegre, 23 de março de 2007 Paulo Roberto Zornitta e José Fernando Zornitta