SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
Baixar para ler offline
Vanessa Cunha Silva
Roseane Rodrigues Reis
Lizamara Araújo
José Paulo Netto, nascido no ano de 1947, é Professor titular da Escola de Serviço
Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Doutor em Serviço Social, exerceu o
magistério na Europa e na América Latina. É membro do Conselho Editorial de vários
periódicos profissionais e da área das Ciências Humanas e tem mais de uma dezena de
livros publicados.
Jean Ziegler nasceu na Suiça (Thum, 19 de abril de 1934), frequentou as Universidades
de Berna e Genebra, faz-se duplamente doutor (Direito e Sociologia), exerceu a
docência em seu país e na França (Genebra, Sorbonne e Grenoble) e articulou o seu
profícuo trabalho intelectual (expresso também em mais de 20 livros, traduzidos em
vários idiomas) com uma ativa intervenção política (foi membro do Parlamento suíço
entre 1981 e 1999). Ziegler, um social democrata consequente, sempre se caracterizou
por pensar o mundo. Ainda na Universidade de Genebra, criou um laboratório de
Sociologia voltado para o estudo do que então se denominava Terceiro Mundo. No
parlamento, presidiu o grupo ''Suiça-terceiro mundo''. Publicista, denunciou a banca de
seu país como engrenagem funcional ao sistema internacional de negócios escusos
(inclusive os ligados à corrupção política do bas fond capitalista). Pensando o mundo,
Ziegler tornou-se um cidadão do mundo: entre 2000 e 2008, consultor da ONU, foi o
corajoso relator do ''Direito à alimentação" e, depois, eleito para o Conselho de Direitos
Humanos da instituição
A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) é a agência
especializada do Sistema ONU que trabalha no combate à fome e à pobreza por meio da
melhoria da segurança alimentar e do desenvolvimento agrícola.
Criada em 1945, a FAO também atua como fórum de negociação para debater políticas e
impulsionar iniciativas ligadas à erradicação da fome e da insegurança alimentar.
Nesse sentido, a Agência busca apoiar os países em desenvolvimento com a formulação e
a execução de políticas e projetos de assistência técnica em apoio a programas nas áreas
alimentar e agrícola, incluindo todas as atividades primárias (agricultura, pecuária,
extrativismo, pesca, outros).
Para isso, a Organização trabalha em parceria com outras agências das Nações Unidas,
organismos internacionais diversos bem como governos nacionais.
Constituída por 191 países membros e pela União Europeia, a FAO possui cinco oficinas
regionais e 78 escritórios nacionais.
Entre as ações realizadas pelo escritório da FAO no Brasil, desenvolvidas em parceria com
o Governo brasileiro, podem ser citados o Programa Fome Zero, o Programa Nacional de
Florestas (PNF), o Programa de Organização Produtiva de Comunidades (PRODUZIR), o
Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF), entre outros.
Artigo 11º do Pacto Internacional sobre os
Direitos Econômicos, Sociais e Culturais
O Direito à alimentação é ter direito acesso regular, permanente, livre, diretamente ou
por meio de compras monetárias, a um alimento qualitativamente adequado e suficiente,
que corresponda as tradições culturais do povo de que é originário o consumidor e que
lhe assegure uma vida psíquica e física, individual e coletiva, livre de angústia,
satisfatória e digna.
Quase um bilhão de seres humanos, dentre os 6,7 bilhões que vivem no planeta,
padecem de fome permanentemente.
...Um homem pode viver normalmente três minutos sem
respirar, três dias sem beber e três semanas sem comer.
Não mais!
• FOME ESTRUTURAL: É a própria das estruturas de produção insuficientemente
desenvolvidas dos países do sul. Ela é permanente, pouco espetacular e se
reproduz biologicamente: a cada ano, milhões de mães dão a luz milhões de
crianças deficientes. A fome estrutural significa destruição física e psíquica,
aniquilação da dignidade, sofrimento sem fim.
• FOME CONJUNTURAL: É altamente visível, irrompe periodicamente nas telas da
TV. Ela se produz quando, repentinamente, uma catástrofe natural – gafanhotos,
seca ou inundações assolam uma região – ou uma guerra destrói o tecido social,
arruína a economia, empurra centenas de milhares de vitimas aos acampamentos de
pessoas deslocadas no interior do país ou de refugiados para além das fronteiras.
Nessas circunstâncias não se pode semear nem colher. São destruídos os
mercados, as estradas são bloqueadas e as pontes bombardeadas. As instituições
estatais deixam de funcionar. Para os milhões de vítimas amontoadas nos
acampamentos, a última salvação está no Programa Alimentar Mundial (PAM).
• Os três grupos mais vulneráveis (FAO): Os pobres rurais; os Pobres
urbanos e as vítimas de catástrofes.
• Dos 6,7 milhões de pessoas que habitam o planeta, pouco menos da
metade vive em zonas rurais.
• As populações camponesas estão na primeira fila das vítimas da miséria e
da fome.
• As três razões: Trabalhadores migrantes ou sem terras ou arrendatários
super explorados; Se têm terras, não possuem títulos de propriedade
suficientemente sólidos; Se possuem terra própria, a dimensão e a
qualidade desta são insuficientes para que possam alimentar
decentemente a sua família.
• Tornou-se o movimento social brasileiro mais importante, defendendo a
reforma agrária, a soberania alimentar, a impugnação do livre-comércio e
do modelo de produção e consumo agroindustriais dominante, a promoção
da agricultura de víveres, a solidariedade e o internacionalismo.
• Reúne, em todo o mundo, 200 milhões de meeiros, pequenos camponeses
(1 hectare ou menos), trabalhadores rurais sazonais, criadores migrantes
ou sedentários e pescadores artesanais.
• A Via Campesina é hoje um dos movimentos revolucionários mais
impressionantes do Terceiro Mundo.
• Poucos homens e mulheres trabalham tanto e com condições tão adversas
como os camponeses do hemisfério sul;
• 90% dos camponeses do sul só tem como instrumento de trabalho, a
exada, a foice e o machete;
• Mais de um milhão deles não tem animais de tração nem tratores;
• Condições diferentes e produções desiguais;
• Acesso a sementes de qualidade e insumos minerais;
• 25% das colheitas mundiais são destruídas pelas intepéries ou pelos
roedores;
• Escoamento das colheitas;
• Problemas com falta crédito agrícola, endividamento,;
• Violência endemica,etc.
• Má nutrição, esta que vêm da carência em matéria de
micronutrientes – vitaminas e sais minerais.
• Vários milhões de crianças de menos de 10 anos morrem
anualmente de má nutrição aguda e severa.
• A falta de nutrientes e responsável por diversas doenças e mortes,
dentre elas: a anemia; a cegueira; o beribéri; escorbuto; transtornos
de crescimento, desordens mentais; problemas nas faculdades
motoras e cerebrais,etc.
• Durante uma “crise prolongada”, a fome estrutural e a fome
conjuntural conjugam seus efeitos. O país não consegue recuperar-
se. Não consegue retornar o mínimo de equilíbrio. O estado de
urgência converte-se em normalidade na vida dos habitantes.
• Características: Longa duração, ex. Afeganistão, Somália e Sudão;
Os conflitos Armados, ex. Urganda, Níger, Sri Lanka; Fragilidade
das instituições.
• Atualmente, 21 países respondem aos critérios da crise prolongada.
• O Caso do Níger: é uma neocolônia francesa, o segundo mais
pobre do planeta (PNUD) e no entanto, imensas riquezas estão
adormecidas em seu subsolo. Depois do Canadá, o Níger é o maior
produtor de urânio do mundo.
• Mais de 1,5 milhão de palestinos se comprimem atualmente nos 365
quilômetros quadrados da faixa de Gaza, na grande maioria refugiados ou
descendentes de refugiados das guerras israeolo - Árabes de 1947, 1967
e 1973.
• Gaza se converteu na maior prisão a céu aberto do mundo.
• Organização da sub alimentação e a má nutrição como estratégias do
governo de Tel Aviv com intenção de fazer os habitantes do gueto sofrerem
para que se sub levem ao poder do Hamas.
• Os dois rios da fronteira ficam cobertos de gelo uma parte do ano, de
maneira que milhares de refugiados, desafiando a feroz repressão norte-
coreana, conseguem a duras penas atravessar um ou outro para alcançar a
Mandchúria – onde vive, uma forte diáspora coreana. Naquela fronteira
pessoas são presas pelos policiais chineses e devolvidos as autoridades,
onde são imediatamente fuzilados ou desaparecem nos campos de
reeducação.
• Crateús é um município do sertão do estado do Ceará. Abarca mais de
2.000 quilômetros quadrados e reúne, basicamente na cidade, 72.000
habitantes. Nas proximidades das grandes fazendas e na periferia
miserável da cidade se erguem os casebres dos boias frias e suas famílias,
os trabalhadores sem terra. Os feitores, capatazes dos grandes
proprietários, observam a multidão famélica. Escolhem nela os
trabalhadores que serão contratados, por um dia ou uma semana, para
escavar um canal de irrigação, ajudar na construção de um dique ou fazer
qualquer outra tarefa na fazenda.
• Um boia fria do Ceará ganha em
média dois reais por dia, ou seja,
pouco menos de um euro.
• Crise financeira de 2009 e suas consequências. Em 2009 o mundo se
deparou com uma imensa crise econômica, em que ocorreram muitas
falências, fechamento de empresas privadas, desempregos, etc. A
economia mundial estagnou e em alguns casos chegou a regredir. A África
também foi fortemente afetada.
• Agricultura da chuva.
• A Suíça proclama aos quatro ventos, e a quem queira escutá-la, seu
compromisso com a luta contra a fome no mundo.
• O país oferece elevado padrão de vida. Conforme dados divulgados em
2010 pela ONU, o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) suíço, com
média de 0,874, é o 13° maior do mundo. A expectativa de vida é a terceira
maior do planeta (81,4 anos), inferior apenas à do Japão (82,4 anos) e da
Islândia (81,6 anos). Somente 1% dos habitantes com idade superior a 15
anos não são alfabetizados; a taxa de mortalidade infantil é de 4 óbitos a
cada mil nascidos vivos.
• A economia nacional é impulsionada pela produção de relógios, que são
conhecidos mundialmente pela qualidade. Outros segmentos importantes
do setor industrial são o químico, mecânico e metalúrgico. Outro destaque
da Suíça é o papel financeiro internacional que o país desempenha, sendo
o principal centro bancário do mundo. O turismo é desenvolvido
principalmente nas estações de esqui localizadas na cordilheira dos Alpes.
(Brasil escola em 28/02/14).
• Noma procede do grego nomein, que significa devorar. Seu nome científico
é cancrum oris. É uma forma de gangrena fulminante, que se desenvolve
na boca e destrói os tecidos do rosto. Sua causa primeira é a má nutrição.
A noma devora o rosto das crianças que sofrem de má nutrição. Na maioria
das sociedades tradicionais da África Negra, das montanhas do Sudeste
asiático e dos altiplanos andinos, sobre as vítimas da noma pesa um tabu:
são rejeitadas como se fossem uma punição111 e ocultadas dos vizinhos.
• crianças de um a seis anos, que vivem na África Subsaariana. A proporção
de sobreviventes oscila em torno de 10% o que significa que, todos os
anos, mais de 120.000 pessoas morrem com a noma.
• Como alimentar essas massas de proletários, seus filhos numerosos, sem
colocar em risco o abastecimento de toda a sociedade? a população cresce
sem cessar, o alimento e a terra que o produz são limitados. A fome reduz o
número de homens 􀂱 ela garante o equilíbrio entre as necessidades que
não podem ser restringidas e os bens disponíveis. De um mal, Deus ou a
Providência (ou a Natureza) fizeram um bem.
• Para Malthus, a redução da população pela fome era a única solução
possível para evitar a catástrofe econômica final. A fome, pois, resulta da lei
da necessidade.
Josué de Castro (1908-1973) foi um pensador e ativista político brasileiro nascido
na cidade de Recife. Apesar de não ser geógrafo de formação (sua graduação era
em medicina), tornou-se um dos maiores pensadores da Geografia, em virtude,
principalmente, das obras Geografia da Fome e Geopolítica da Fome.
Castro caracterizou seu pensamento por romper com algumas falsas convicções
que imperavam em seu período (e que ainda se fazem presentes nos dias atuais)
de que a fome e a miséria do mundo eram resultantes do excesso populacional e
da escassez de recursos naturais.
Em suas obras, provou que a questão da fome não se tratava do quantitativo de
alimentos ou do número de habitantes, mas sim da má distribuição das riquezas,
concentradas cada vez mais nas mãos de menos pessoas. Por isso, acreditava
que a problemática da fome não seria resolvida com a ampliação da produção de
alimentos, mas com a distribuição não só dos recursos, como também da terra
para os trabalhadores nela produzirem, tornando-se um ferrenho defensor da
reforma agrária.
em 1942, foi eleito Presidente da Sociedade Brasileira de Nutrição e criou o
Serviço de Alimentação da Previdência Social (SAPS). Tornou-se mundialmente
conhecido ao publicar os livros Geografia da Fome (1946) e Geopolítica da Fome
(1951), obras traduzidas em 24 idiomas.
Segundo Castro:
• À medida que a Alemanha invadia os diferentes países da Europa, ia
aplicando a sua organizada política da fome [...]. A ideia central desta
política consistia em determinar o nível das restrições alimentares das
populações europeias repartindo entre elas conforme os objetivos políticos
e militares alemães as parcas rações que as necessidades prioritárias do
Reich167 deixavam disponíveis. (Castro)
• Batalha do Abastecimento de Adolf Ritler
Os sofrimentos, as privações, a subalimentação e a fome experimentadas
pelos europeus durante os anos sombrios da ocupação nazista tornaram-nos
mais receptíveis as analises de Josué Castro, engajaram-se na campanha
contra a fome e na construção de organizações internacionais encarregadas
de conduzir esse combate. Porém, diz que hoje a ONU é incapaz de responder
as necessidades, expectativas e esperanças dos povos, visto que não
desperta nenhum interesse popular, apesar de na sua criação ao fim da
Guerra estava diretamente ligada à luta contra a fome.
Josué de Castro foi nomeado embaixador junto a sede europeia das Nações
Unidas, em Genebra pelo então presidente da Republica brasileira, João
Goullart. Castro demonstrou-se um chefe de missão eficaz e consciencioso.
Com a destruição da democracia no Brasil, em 1964 pelo General Castelo
Branco, Castro entrou na lista de “inimigos da Pátria”, passou a ser perseguido
pela ditadura militar, junto com outros, que se tornaram símbolos da luta contra
a fome, em toda a América Latina. Josué de Castro morreu, vitima de uma
parada cardíaca, em 24 de setembro de 1973, aos 65 anos de idade em Paris.
Seu corpo retornou ao Brasil, após difícil negociação por parte de seus filhos e
apesar da multidão que o esperava, ninguém pôde acercar-se do seu caixão,
tamanha era a ressonância do morto no coração dos brasileiros que os
ditadores temiam seu caixão como se fosse uma peste.
• ZIEGLER, J. DESTRUIÇÃO EM MASSA: GEOPOLITICA DA
FOME. TRAD. JOSÉ PAULO NETO. 1ª ED. CORTEZ. SÃO PAULO,
2013.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Estados Unidos sob guerra_fria
Estados Unidos sob guerra_friaEstados Unidos sob guerra_fria
Estados Unidos sob guerra_fria
 
Organizações internacionais mundiais
Organizações internacionais mundiaisOrganizações internacionais mundiais
Organizações internacionais mundiais
 
Guerra ao Terror
Guerra ao TerrorGuerra ao Terror
Guerra ao Terror
 
Africa subsaariana
Africa subsaarianaAfrica subsaariana
Africa subsaariana
 
Estrutura fundiaria no Brasil
Estrutura fundiaria no BrasilEstrutura fundiaria no Brasil
Estrutura fundiaria no Brasil
 
ÁFRICA
ÁFRICAÁFRICA
ÁFRICA
 
Movimentos populacionais
Movimentos populacionaisMovimentos populacionais
Movimentos populacionais
 
Fontes de Energia
Fontes de EnergiaFontes de Energia
Fontes de Energia
 
GEOGRAFIA DA ÁFRICA
GEOGRAFIA DA ÁFRICAGEOGRAFIA DA ÁFRICA
GEOGRAFIA DA ÁFRICA
 
Africa Subsaariana
Africa SubsaarianaAfrica Subsaariana
Africa Subsaariana
 
A Geopolítica do Mundo Atual.ppt
A Geopolítica do Mundo Atual.pptA Geopolítica do Mundo Atual.ppt
A Geopolítica do Mundo Atual.ppt
 
Conflitos mundiais.
Conflitos mundiais.Conflitos mundiais.
Conflitos mundiais.
 
Terrorismo
TerrorismoTerrorismo
Terrorismo
 
China
ChinaChina
China
 
Movimentos migratórios no brasil
Movimentos migratórios no brasilMovimentos migratórios no brasil
Movimentos migratórios no brasil
 
Conflitos no oriente médio
Conflitos no oriente médioConflitos no oriente médio
Conflitos no oriente médio
 
África - quadro natural e regionalização
África - quadro natural e regionalizaçãoÁfrica - quadro natural e regionalização
África - quadro natural e regionalização
 
Industrialização do Brasil
Industrialização do BrasilIndustrialização do Brasil
Industrialização do Brasil
 
Agricultura brasileira
Agricultura brasileiraAgricultura brasileira
Agricultura brasileira
 
Tigres asiaticos
Tigres asiaticosTigres asiaticos
Tigres asiaticos
 

Destaque

Destaque (20)

Fome no mundo
Fome no mundoFome no mundo
Fome no mundo
 
Fome No Mundo
Fome No MundoFome No Mundo
Fome No Mundo
 
A fome no mundo
A fome no mundoA fome no mundo
A fome no mundo
 
Geografia da fome
Geografia da fomeGeografia da fome
Geografia da fome
 
Estatisticas da fome
Estatisticas da fomeEstatisticas da fome
Estatisticas da fome
 
Fome
FomeFome
Fome
 
A fome no mundo
A fome no mundoA fome no mundo
A fome no mundo
 
Trabalho de geografia a fome no mundo
Trabalho de geografia a fome no mundoTrabalho de geografia a fome no mundo
Trabalho de geografia a fome no mundo
 
Josué de castro geografia da fome
Josué de castro   geografia da fomeJosué de castro   geografia da fome
Josué de castro geografia da fome
 
Fome
FomeFome
Fome
 
Palestra sobre a fome
Palestra sobre a fomePalestra sobre a fome
Palestra sobre a fome
 
Fome
FomeFome
Fome
 
imagens da fome no mundo
imagens da fome no mundoimagens da fome no mundo
imagens da fome no mundo
 
Combate à fome emrc
Combate à fome   emrcCombate à fome   emrc
Combate à fome emrc
 
Associativismo
AssociativismoAssociativismo
Associativismo
 
A Fome
A FomeA Fome
A Fome
 
Fome e miséria
Fome e misériaFome e miséria
Fome e miséria
 
Metodologia da Geografia: Espaço
Metodologia da Geografia: EspaçoMetodologia da Geografia: Espaço
Metodologia da Geografia: Espaço
 
Modelo de Projeto de Pesquisa
Modelo de Projeto de PesquisaModelo de Projeto de Pesquisa
Modelo de Projeto de Pesquisa
 
Projeto de pesquisa exemplo
Projeto de pesquisa   exemploProjeto de pesquisa   exemplo
Projeto de pesquisa exemplo
 

Semelhante a Geopolítica da Fome - Destruição em Massa

Agricultura: MST, Reforma Agrária, A fome no Brasil e na África e Grilagem
Agricultura: MST, Reforma Agrária, A fome no Brasil e na África e GrilagemAgricultura: MST, Reforma Agrária, A fome no Brasil e na África e Grilagem
Agricultura: MST, Reforma Agrária, A fome no Brasil e na África e GrilagemMatheus Alves
 
Um Outro Mundo é Possível
Um Outro Mundo é PossívelUm Outro Mundo é Possível
Um Outro Mundo é PossívelRei
 
Continente africano contexto político e histórico
Continente africano contexto político e históricoContinente africano contexto político e histórico
Continente africano contexto político e históricoColégio Nova Geração COC
 
Ppt educação ciências_espaço_mundial_rem
Ppt educação ciências_espaço_mundial_remPpt educação ciências_espaço_mundial_rem
Ppt educação ciências_espaço_mundial_remjhhanne
 
Cristiana, ana paula, joao santos e bruno
Cristiana, ana paula, joao santos e brunoCristiana, ana paula, joao santos e bruno
Cristiana, ana paula, joao santos e brunoCarla Teixeira
 
Aula De Sociologia Do Professor Mario
Aula De Sociologia Do Professor MarioAula De Sociologia Do Professor Mario
Aula De Sociologia Do Professor MarioProfMario De Mori
 
Infografia cruz vermelha
Infografia cruz vermelhaInfografia cruz vermelha
Infografia cruz vermelhapatiodostolos
 
Aula Sobre Aspectos Humanos Da Atualidade
Aula Sobre Aspectos Humanos Da AtualidadeAula Sobre Aspectos Humanos Da Atualidade
Aula Sobre Aspectos Humanos Da AtualidadeProfMario De Mori
 
Ods 1 e 2 erradicar a pobreza e a fome
Ods 1 e 2   erradicar a pobreza e a fomeOds 1 e 2   erradicar a pobreza e a fome
Ods 1 e 2 erradicar a pobreza e a fomenaterciamateus
 
Problemas DemográFicos
Problemas DemográFicosProblemas DemográFicos
Problemas DemográFicosgmshenn
 
americalatina-160516184120.pptx
americalatina-160516184120.pptxamericalatina-160516184120.pptx
americalatina-160516184120.pptxClaudislaneLima
 
Unidade 8 temas 3 e 4 8º ano
Unidade 8 temas 3 e 4   8º anoUnidade 8 temas 3 e 4   8º ano
Unidade 8 temas 3 e 4 8º anoChristie Freitas
 
Aula américa latina_27-06-2014
Aula américa latina_27-06-2014Aula américa latina_27-06-2014
Aula américa latina_27-06-2014Antonio Pessoa
 
Aula américa latina_30-11-2012
Aula américa latina_30-11-2012Aula américa latina_30-11-2012
Aula américa latina_30-11-2012Antonio Pessoa
 
Aula américa latina_30-11-2012
Aula américa latina_30-11-2012Aula américa latina_30-11-2012
Aula américa latina_30-11-2012Antonio Pessoa
 
América Latina - Contexto Atual
América Latina - Contexto AtualAmérica Latina - Contexto Atual
América Latina - Contexto AtualPâmela Quadros
 

Semelhante a Geopolítica da Fome - Destruição em Massa (20)

Agricultura: MST, Reforma Agrária, A fome no Brasil e na África e Grilagem
Agricultura: MST, Reforma Agrária, A fome no Brasil e na África e GrilagemAgricultura: MST, Reforma Agrária, A fome no Brasil e na África e Grilagem
Agricultura: MST, Reforma Agrária, A fome no Brasil e na África e Grilagem
 
Um Outro Mundo é Possível
Um Outro Mundo é PossívelUm Outro Mundo é Possível
Um Outro Mundo é Possível
 
Programa de pesquisa em agroecologia para a realidade dos países pobres
Programa de pesquisa em agroecologia para a realidade dos países pobresPrograma de pesquisa em agroecologia para a realidade dos países pobres
Programa de pesquisa em agroecologia para a realidade dos países pobres
 
Continente africano contexto político e histórico
Continente africano contexto político e históricoContinente africano contexto político e histórico
Continente africano contexto político e histórico
 
Ppt educação ciências_espaço_mundial_rem
Ppt educação ciências_espaço_mundial_remPpt educação ciências_espaço_mundial_rem
Ppt educação ciências_espaço_mundial_rem
 
Cristiana, ana paula, joao santos e bruno
Cristiana, ana paula, joao santos e brunoCristiana, ana paula, joao santos e bruno
Cristiana, ana paula, joao santos e bruno
 
Aula De Sociologia Do Professor Mario
Aula De Sociologia Do Professor MarioAula De Sociologia Do Professor Mario
Aula De Sociologia Do Professor Mario
 
Infografia cruz vermelha
Infografia cruz vermelhaInfografia cruz vermelha
Infografia cruz vermelha
 
Aula Sobre Aspectos Humanos Da Atualidade
Aula Sobre Aspectos Humanos Da AtualidadeAula Sobre Aspectos Humanos Da Atualidade
Aula Sobre Aspectos Humanos Da Atualidade
 
Ods 1 e 2 erradicar a pobreza e a fome
Ods 1 e 2   erradicar a pobreza e a fomeOds 1 e 2   erradicar a pobreza e a fome
Ods 1 e 2 erradicar a pobreza e a fome
 
Problemas DemográFicos
Problemas DemográFicosProblemas DemográFicos
Problemas DemográFicos
 
americalatina-160516184120.pptx
americalatina-160516184120.pptxamericalatina-160516184120.pptx
americalatina-160516184120.pptx
 
Estado do planeta
Estado do planetaEstado do planeta
Estado do planeta
 
Unidade 8 temas 3 e 4 8º ano
Unidade 8 temas 3 e 4   8º anoUnidade 8 temas 3 e 4   8º ano
Unidade 8 temas 3 e 4 8º ano
 
Aula américa latina_27-06-2014
Aula américa latina_27-06-2014Aula américa latina_27-06-2014
Aula américa latina_27-06-2014
 
America latina
America latina America latina
America latina
 
Aula américa latina_30-11-2012
Aula américa latina_30-11-2012Aula américa latina_30-11-2012
Aula américa latina_30-11-2012
 
Aula américa latina_30-11-2012
Aula américa latina_30-11-2012Aula américa latina_30-11-2012
Aula américa latina_30-11-2012
 
A fome
A fomeA fome
A fome
 
América Latina - Contexto Atual
América Latina - Contexto AtualAmérica Latina - Contexto Atual
América Latina - Contexto Atual
 

Geopolítica da Fome - Destruição em Massa

  • 1. Vanessa Cunha Silva Roseane Rodrigues Reis Lizamara Araújo
  • 2. José Paulo Netto, nascido no ano de 1947, é Professor titular da Escola de Serviço Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Doutor em Serviço Social, exerceu o magistério na Europa e na América Latina. É membro do Conselho Editorial de vários periódicos profissionais e da área das Ciências Humanas e tem mais de uma dezena de livros publicados. Jean Ziegler nasceu na Suiça (Thum, 19 de abril de 1934), frequentou as Universidades de Berna e Genebra, faz-se duplamente doutor (Direito e Sociologia), exerceu a docência em seu país e na França (Genebra, Sorbonne e Grenoble) e articulou o seu profícuo trabalho intelectual (expresso também em mais de 20 livros, traduzidos em vários idiomas) com uma ativa intervenção política (foi membro do Parlamento suíço entre 1981 e 1999). Ziegler, um social democrata consequente, sempre se caracterizou por pensar o mundo. Ainda na Universidade de Genebra, criou um laboratório de Sociologia voltado para o estudo do que então se denominava Terceiro Mundo. No parlamento, presidiu o grupo ''Suiça-terceiro mundo''. Publicista, denunciou a banca de seu país como engrenagem funcional ao sistema internacional de negócios escusos (inclusive os ligados à corrupção política do bas fond capitalista). Pensando o mundo, Ziegler tornou-se um cidadão do mundo: entre 2000 e 2008, consultor da ONU, foi o corajoso relator do ''Direito à alimentação" e, depois, eleito para o Conselho de Direitos Humanos da instituição
  • 3. A Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) é a agência especializada do Sistema ONU que trabalha no combate à fome e à pobreza por meio da melhoria da segurança alimentar e do desenvolvimento agrícola. Criada em 1945, a FAO também atua como fórum de negociação para debater políticas e impulsionar iniciativas ligadas à erradicação da fome e da insegurança alimentar. Nesse sentido, a Agência busca apoiar os países em desenvolvimento com a formulação e a execução de políticas e projetos de assistência técnica em apoio a programas nas áreas alimentar e agrícola, incluindo todas as atividades primárias (agricultura, pecuária, extrativismo, pesca, outros). Para isso, a Organização trabalha em parceria com outras agências das Nações Unidas, organismos internacionais diversos bem como governos nacionais. Constituída por 191 países membros e pela União Europeia, a FAO possui cinco oficinas regionais e 78 escritórios nacionais. Entre as ações realizadas pelo escritório da FAO no Brasil, desenvolvidas em parceria com o Governo brasileiro, podem ser citados o Programa Fome Zero, o Programa Nacional de Florestas (PNF), o Programa de Organização Produtiva de Comunidades (PRODUZIR), o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (PRONAF), entre outros.
  • 4. Artigo 11º do Pacto Internacional sobre os Direitos Econômicos, Sociais e Culturais O Direito à alimentação é ter direito acesso regular, permanente, livre, diretamente ou por meio de compras monetárias, a um alimento qualitativamente adequado e suficiente, que corresponda as tradições culturais do povo de que é originário o consumidor e que lhe assegure uma vida psíquica e física, individual e coletiva, livre de angústia, satisfatória e digna. Quase um bilhão de seres humanos, dentre os 6,7 bilhões que vivem no planeta, padecem de fome permanentemente.
  • 5.
  • 6.
  • 7. ...Um homem pode viver normalmente três minutos sem respirar, três dias sem beber e três semanas sem comer. Não mais!
  • 8. • FOME ESTRUTURAL: É a própria das estruturas de produção insuficientemente desenvolvidas dos países do sul. Ela é permanente, pouco espetacular e se reproduz biologicamente: a cada ano, milhões de mães dão a luz milhões de crianças deficientes. A fome estrutural significa destruição física e psíquica, aniquilação da dignidade, sofrimento sem fim. • FOME CONJUNTURAL: É altamente visível, irrompe periodicamente nas telas da TV. Ela se produz quando, repentinamente, uma catástrofe natural – gafanhotos, seca ou inundações assolam uma região – ou uma guerra destrói o tecido social, arruína a economia, empurra centenas de milhares de vitimas aos acampamentos de pessoas deslocadas no interior do país ou de refugiados para além das fronteiras. Nessas circunstâncias não se pode semear nem colher. São destruídos os mercados, as estradas são bloqueadas e as pontes bombardeadas. As instituições estatais deixam de funcionar. Para os milhões de vítimas amontoadas nos acampamentos, a última salvação está no Programa Alimentar Mundial (PAM).
  • 9. • Os três grupos mais vulneráveis (FAO): Os pobres rurais; os Pobres urbanos e as vítimas de catástrofes. • Dos 6,7 milhões de pessoas que habitam o planeta, pouco menos da metade vive em zonas rurais. • As populações camponesas estão na primeira fila das vítimas da miséria e da fome. • As três razões: Trabalhadores migrantes ou sem terras ou arrendatários super explorados; Se têm terras, não possuem títulos de propriedade suficientemente sólidos; Se possuem terra própria, a dimensão e a qualidade desta são insuficientes para que possam alimentar decentemente a sua família.
  • 10. • Tornou-se o movimento social brasileiro mais importante, defendendo a reforma agrária, a soberania alimentar, a impugnação do livre-comércio e do modelo de produção e consumo agroindustriais dominante, a promoção da agricultura de víveres, a solidariedade e o internacionalismo. • Reúne, em todo o mundo, 200 milhões de meeiros, pequenos camponeses (1 hectare ou menos), trabalhadores rurais sazonais, criadores migrantes ou sedentários e pescadores artesanais. • A Via Campesina é hoje um dos movimentos revolucionários mais impressionantes do Terceiro Mundo.
  • 11. • Poucos homens e mulheres trabalham tanto e com condições tão adversas como os camponeses do hemisfério sul; • 90% dos camponeses do sul só tem como instrumento de trabalho, a exada, a foice e o machete; • Mais de um milhão deles não tem animais de tração nem tratores; • Condições diferentes e produções desiguais; • Acesso a sementes de qualidade e insumos minerais; • 25% das colheitas mundiais são destruídas pelas intepéries ou pelos roedores; • Escoamento das colheitas; • Problemas com falta crédito agrícola, endividamento,; • Violência endemica,etc.
  • 12.
  • 13.
  • 14. • Má nutrição, esta que vêm da carência em matéria de micronutrientes – vitaminas e sais minerais. • Vários milhões de crianças de menos de 10 anos morrem anualmente de má nutrição aguda e severa. • A falta de nutrientes e responsável por diversas doenças e mortes, dentre elas: a anemia; a cegueira; o beribéri; escorbuto; transtornos de crescimento, desordens mentais; problemas nas faculdades motoras e cerebrais,etc.
  • 15.
  • 16. • Durante uma “crise prolongada”, a fome estrutural e a fome conjuntural conjugam seus efeitos. O país não consegue recuperar- se. Não consegue retornar o mínimo de equilíbrio. O estado de urgência converte-se em normalidade na vida dos habitantes. • Características: Longa duração, ex. Afeganistão, Somália e Sudão; Os conflitos Armados, ex. Urganda, Níger, Sri Lanka; Fragilidade das instituições. • Atualmente, 21 países respondem aos critérios da crise prolongada. • O Caso do Níger: é uma neocolônia francesa, o segundo mais pobre do planeta (PNUD) e no entanto, imensas riquezas estão adormecidas em seu subsolo. Depois do Canadá, o Níger é o maior produtor de urânio do mundo.
  • 17. • Mais de 1,5 milhão de palestinos se comprimem atualmente nos 365 quilômetros quadrados da faixa de Gaza, na grande maioria refugiados ou descendentes de refugiados das guerras israeolo - Árabes de 1947, 1967 e 1973. • Gaza se converteu na maior prisão a céu aberto do mundo. • Organização da sub alimentação e a má nutrição como estratégias do governo de Tel Aviv com intenção de fazer os habitantes do gueto sofrerem para que se sub levem ao poder do Hamas.
  • 18. • Os dois rios da fronteira ficam cobertos de gelo uma parte do ano, de maneira que milhares de refugiados, desafiando a feroz repressão norte- coreana, conseguem a duras penas atravessar um ou outro para alcançar a Mandchúria – onde vive, uma forte diáspora coreana. Naquela fronteira pessoas são presas pelos policiais chineses e devolvidos as autoridades, onde são imediatamente fuzilados ou desaparecem nos campos de reeducação.
  • 19. • Crateús é um município do sertão do estado do Ceará. Abarca mais de 2.000 quilômetros quadrados e reúne, basicamente na cidade, 72.000 habitantes. Nas proximidades das grandes fazendas e na periferia miserável da cidade se erguem os casebres dos boias frias e suas famílias, os trabalhadores sem terra. Os feitores, capatazes dos grandes proprietários, observam a multidão famélica. Escolhem nela os trabalhadores que serão contratados, por um dia ou uma semana, para escavar um canal de irrigação, ajudar na construção de um dique ou fazer qualquer outra tarefa na fazenda. • Um boia fria do Ceará ganha em média dois reais por dia, ou seja, pouco menos de um euro.
  • 20. • Crise financeira de 2009 e suas consequências. Em 2009 o mundo se deparou com uma imensa crise econômica, em que ocorreram muitas falências, fechamento de empresas privadas, desempregos, etc. A economia mundial estagnou e em alguns casos chegou a regredir. A África também foi fortemente afetada. • Agricultura da chuva.
  • 21. • A Suíça proclama aos quatro ventos, e a quem queira escutá-la, seu compromisso com a luta contra a fome no mundo. • O país oferece elevado padrão de vida. Conforme dados divulgados em 2010 pela ONU, o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) suíço, com média de 0,874, é o 13° maior do mundo. A expectativa de vida é a terceira maior do planeta (81,4 anos), inferior apenas à do Japão (82,4 anos) e da Islândia (81,6 anos). Somente 1% dos habitantes com idade superior a 15 anos não são alfabetizados; a taxa de mortalidade infantil é de 4 óbitos a cada mil nascidos vivos. • A economia nacional é impulsionada pela produção de relógios, que são conhecidos mundialmente pela qualidade. Outros segmentos importantes do setor industrial são o químico, mecânico e metalúrgico. Outro destaque da Suíça é o papel financeiro internacional que o país desempenha, sendo o principal centro bancário do mundo. O turismo é desenvolvido principalmente nas estações de esqui localizadas na cordilheira dos Alpes. (Brasil escola em 28/02/14).
  • 22. • Noma procede do grego nomein, que significa devorar. Seu nome científico é cancrum oris. É uma forma de gangrena fulminante, que se desenvolve na boca e destrói os tecidos do rosto. Sua causa primeira é a má nutrição. A noma devora o rosto das crianças que sofrem de má nutrição. Na maioria das sociedades tradicionais da África Negra, das montanhas do Sudeste asiático e dos altiplanos andinos, sobre as vítimas da noma pesa um tabu: são rejeitadas como se fossem uma punição111 e ocultadas dos vizinhos. • crianças de um a seis anos, que vivem na África Subsaariana. A proporção de sobreviventes oscila em torno de 10% o que significa que, todos os anos, mais de 120.000 pessoas morrem com a noma.
  • 23.
  • 24. • Como alimentar essas massas de proletários, seus filhos numerosos, sem colocar em risco o abastecimento de toda a sociedade? a população cresce sem cessar, o alimento e a terra que o produz são limitados. A fome reduz o número de homens 􀂱 ela garante o equilíbrio entre as necessidades que não podem ser restringidas e os bens disponíveis. De um mal, Deus ou a Providência (ou a Natureza) fizeram um bem. • Para Malthus, a redução da população pela fome era a única solução possível para evitar a catástrofe econômica final. A fome, pois, resulta da lei da necessidade.
  • 25. Josué de Castro (1908-1973) foi um pensador e ativista político brasileiro nascido na cidade de Recife. Apesar de não ser geógrafo de formação (sua graduação era em medicina), tornou-se um dos maiores pensadores da Geografia, em virtude, principalmente, das obras Geografia da Fome e Geopolítica da Fome. Castro caracterizou seu pensamento por romper com algumas falsas convicções que imperavam em seu período (e que ainda se fazem presentes nos dias atuais) de que a fome e a miséria do mundo eram resultantes do excesso populacional e da escassez de recursos naturais. Em suas obras, provou que a questão da fome não se tratava do quantitativo de alimentos ou do número de habitantes, mas sim da má distribuição das riquezas, concentradas cada vez mais nas mãos de menos pessoas. Por isso, acreditava que a problemática da fome não seria resolvida com a ampliação da produção de alimentos, mas com a distribuição não só dos recursos, como também da terra para os trabalhadores nela produzirem, tornando-se um ferrenho defensor da reforma agrária. em 1942, foi eleito Presidente da Sociedade Brasileira de Nutrição e criou o Serviço de Alimentação da Previdência Social (SAPS). Tornou-se mundialmente conhecido ao publicar os livros Geografia da Fome (1946) e Geopolítica da Fome (1951), obras traduzidas em 24 idiomas.
  • 27.
  • 28. • À medida que a Alemanha invadia os diferentes países da Europa, ia aplicando a sua organizada política da fome [...]. A ideia central desta política consistia em determinar o nível das restrições alimentares das populações europeias repartindo entre elas conforme os objetivos políticos e militares alemães as parcas rações que as necessidades prioritárias do Reich167 deixavam disponíveis. (Castro) • Batalha do Abastecimento de Adolf Ritler
  • 29.
  • 30. Os sofrimentos, as privações, a subalimentação e a fome experimentadas pelos europeus durante os anos sombrios da ocupação nazista tornaram-nos mais receptíveis as analises de Josué Castro, engajaram-se na campanha contra a fome e na construção de organizações internacionais encarregadas de conduzir esse combate. Porém, diz que hoje a ONU é incapaz de responder as necessidades, expectativas e esperanças dos povos, visto que não desperta nenhum interesse popular, apesar de na sua criação ao fim da Guerra estava diretamente ligada à luta contra a fome.
  • 31. Josué de Castro foi nomeado embaixador junto a sede europeia das Nações Unidas, em Genebra pelo então presidente da Republica brasileira, João Goullart. Castro demonstrou-se um chefe de missão eficaz e consciencioso. Com a destruição da democracia no Brasil, em 1964 pelo General Castelo Branco, Castro entrou na lista de “inimigos da Pátria”, passou a ser perseguido pela ditadura militar, junto com outros, que se tornaram símbolos da luta contra a fome, em toda a América Latina. Josué de Castro morreu, vitima de uma parada cardíaca, em 24 de setembro de 1973, aos 65 anos de idade em Paris. Seu corpo retornou ao Brasil, após difícil negociação por parte de seus filhos e apesar da multidão que o esperava, ninguém pôde acercar-se do seu caixão, tamanha era a ressonância do morto no coração dos brasileiros que os ditadores temiam seu caixão como se fosse uma peste.
  • 32. • ZIEGLER, J. DESTRUIÇÃO EM MASSA: GEOPOLITICA DA FOME. TRAD. JOSÉ PAULO NETO. 1ª ED. CORTEZ. SÃO PAULO, 2013.