SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 46
 Teoria Malthusiana
 Teoria Neomathusiana
 Teoria Reformista (Marxista)
 Thomas Robert Malthus escreveu seu “Primeiro Ensaio
sobre População” em 1798.
 Amélia Damiani contextualiza historicamente o
período em que Malthus vivia.
 Os países do mediterrâneo se estabeleceram entre os
séculos XIV e XV.
 Grandes massas humanas tiveram suas terras
subtraídas e lançadas ao mercado na qualidade de
trabalhadores livres.
 E é neste período que Malthus escrevia, séc XVIII/XIX,
na Inglaterra, durante o desenvolvimento industrial
 Em que o trabalho masculino era substituído, em
partes, pelo trabalho da criança e da mulher
 E a qual, a mecanização causava desempregos e
consequentemente miséria e aumento da mortalidade
“infantil”.
 Malthus primeiramente polemiza com os solicialistas
utópicos – Condorcet; Godwin e Wallace – que
propunham uma sociedade igualitária como
alternativa desta situação da miséria.
 Godwin:
“no futuro não haverá mais um punhado de ricos e
uma multidão de pobres; não haverá mais guerras
assim como doenças; o homem não se angustiará nem
mais viverá melancolicamente; não haverá
necessidade, nem da administração da justiça, nem de
governo”
 Malthus não acreditava que a sociedade dividida em
classes que seria o problema da miséria humana e sim
a proporção natural de disponibilidade de alimento e a
multiplicação humana.
 Que se os meios de subsistência fossem tão
abundantes haveria evidentemente um crescimento da
espécie humana muito maior do que qualquer outro
até então conhecido.
 Assim, cria-se a lei natural:
“A população cresce num ritmo geométrico e a
produção de subsistência num ritmo aritmético”.
 O crescimento natural da população, que é
determinado pela paixão entre os sexos, excede a
capacidade da terra para produzir alimentos para o
homem.
 Utiliza exemplo dos EUA que duplicou sua população
em 25 anos.
 E torna como regra: A população quando não
controlada, duplica a cada 25 anos.
 Meios de subsistência aumentam numa progressão
aritmética.
a) A população tenderia a duplicar a cada 25 anos. Seu
crescimento obedeceria a uma progressão geométrica
(2, 4, 8, 16, 32, 64...) ininterruptamente.
b) Já a produção de alimentos cresceria em progressão
aritimética (2, 4, 6, 8, 10...) e sua produção seria
limitada em função dos limites territoriais dos
continentes.
População Alimentos
7mi 7mi
14mi 14mi
28mi 21mi
56mi 28mi
112mi 35mi
 Acrescenta que a miséria e o vício são obstáculos
positivos ao crescimento da população.
 Ele(a) mata, reduz o nº de matrimônios, pois fica mais
difícil sustentar filhos
 Obstáculo preventivo ou “Obrigação moral”
 Por outro lado, ela incita os cultivadores a aumentarem
o emprego da mão-de-obra disponível, a abrir novas
terras ao cultivo, a re-harmonizar a relação
população/recursos.
 Ao se ampliarem os meios de subsistência a população
volta a crescer, e assim, os pobres vivem um perpétuo
movimento oscilatório.
 Malthus discorda até da assistência do Estado aos
pobres, pois motiva o casamento e a procriação dos
indigentes.
 Era contra as leis do auxílio Paroquial que davam
alimento para os mais pobres, principalmente para
mulher e crianças necessitadas.
“A luta pela sobrevivência, nessas condições, faria
triunfar o egoísmo”
- Casais jovens não podem ter filhos;
- Controle de natalidade para famílias de países pobres;
- Aumento do preço dos alimentos;
- Redução de salários.
Política contra o grande crescimento:
 David Ricardo (1772-1823):
Valor do mercado alto
Trabalhador recebe salário adequado
Aumento do tamanho da família
Aumento do nº de trabalhadores
Redução de salários
Unidade familiar diminui
Menos trabalhadores
Aumento do salário
Solução:
 Controle natural (Guerras, doenças, epidemias)
 Sujeição Moral (Retardar casamento, castidade antes
de casamento, somente ter filhos quem pudesse se
sustentar [ter terras])
Obs.: Malthus além de economista era também pastor
da Igreja Anglicana, que era contrária aos métodos
anticoncepcionais.
Damiani deixa algumas questões:
 O desenvolvimento industrial impediu o desenvolvimento da
produção agrícola?
 Hoje se produz mais pelo desenvolvimento das técnicas agrícolas.
 Malthus subestima as relações sociais e econômicas como fonte
explicativa da pobreza. Não a considera como fator determinante
e sim a relação homem/subsistência.
 No mesmo período havia grande produção de milho, mas o
trabalhador desempregado não conseguia ter acesso.
 O homem malthusiano, sujeito à paixão entre os sexos, assim
esta paixão se reduz a função de procriação, regulada pela
miséria e os vícios, ou pelo matrimônio e o celibato.
Malthus Vive – Neomalthusianismo
Séc XX
 Ele orientou a construção da demografia ao conferir
importância socioeconômica aos problemas
populacionais
 A qual constitui técnicas quantitativas para pesquisar
os movimento da população
 nas análises de natalidade, de mortalidade, quanto à
constituição do crescimento vegetativo.
 Neomalthusianismo se identifica com o
malthusianismo, e se estabelece após a Segunda
Guerra Mundial.
 É voltado à leitura do crescimento populacional nos
países subdesenvolvidos e seu reflexo mundial a fim de
evitar outros conflitos de proporções mundiais
 Se diferem um pouco das teorias de Malthus, porém
seguem o mesmo sentido da população mais pobre
como população problema.
 Relacionando o crescimento natural com as
possibilidades de abastecimento e recursos vitais de
um território
 Influenciado por esta população pobre
 População x Natureza
 Damiani acredita que o malthusianismo e o
neomalthusianismo têm uma fundamentação real,
possuem certo sentido, porém são análises
especulativas que representam interesses definidos.
 Versões malthusianas e neomalthusianas sobre o
progresso diferenciado das raças, as concepções sobre
genética humana e o aperfeiçoamento das raças
(eugenia) podem justificar o racismo.
 Através de uma demografia “qualitativa” pode-se
justificar agressões e a colonização como processo
civilizatório.
 E estas teorias são utilizadas como arcabouço teórico
para políticas públicas
 políticas de controle de natalidade - “Planejamento
Familiar” em países subdesenvolvidos
 Políticas desenvolvidas pela ONU e BM com a
esterilização em massa (Índia, Colômbia, ...),
distribuição de contraceptivos, dius, e o modelo de
família veiculado pelos meios de comunicação.
 Ainda hoje, o FMI possui como exigência o controle de
natalidade para empréstimos.
 David Harvey, diante da aceitação de uma teoria de
superpopulação e escassez de recursos, que insiste em
manter intacto o modo de produção capitalista,
esclarece que:
“o argumento da superpopulação é facilmente
usado como parte de uma apologia elaborada,
através da qual a repressão de classe, étnica ou
(neo)colonial pode ser justificada”.
 atraso econômico dos países subdesenvolvidos
justificado pela população numerosa
 Levando ao esgotamento dos “recursos naturais”,
catástrofes naturais e humanas
 Quanto maior o número de habitantes de um país,
menor a renda per capita e a disponibilidade de capital
a ser investido em setores agrícolas e industriais.
 Países subdesenvolvidos (taxas de natalidade
elevadas), acabavam tendo grandes gastos com a
população jovem e adulta, inviabilizando a canalização
de gastos em outros setores.
 Se esse crescimento não for impedido os recursos
naturais da Terra se esgotarão em pouco tempo.
Emissão de CO² na atmosfera
1° Lugar - Estados Unidos - 5,762,050 t
2° Lugar - China - 3,473,600 t
3° Lugar - Rússia - 1,540,360 t
4° Lugar - Japão - 1,224,740 t
5° Lugar - Índia - 1,007,9 t
6° Lugar - Alemanha - 837,425 t
7° Lugar - Reino Unido - 558,225 t
8º Canadá - 517,157,000 t
9º Coréia do Sul - 446,190,000 t
10º Itália - 433,018,000 t
Solução:
 Planejamento familiar (ONU, FMI, Banco Mundial,
UNICEF);
 Controle de natalidade (pílula, vasectomia,
laqueadura, DIUs);
 Medidas drásticas (China);
 Esterilização em massa de populações pobres (Índia e
Colômbia, PI e MA no Brasil);
 E propagandas no cinema, publicidade e televisão
(modelo familiar bem-sucedido – máx 2 filhos).
Erro:
 Tira a responsabilidade dos países ricos pelo atraso e
miséria dos países desenvolvidos
 Para Marx, a superpopulação não é o resultado da desproporção entre o
crescimento da população e dos meios de subsistência.
 Superpopulação é o resultado da acumulação capitalista que expropria
trabalhadores e camponeses de seus trabalhos. Essa superpopulação
relativa toma diferentes nomes:
 Superpopulação flutuante
 Operários que perdem seus trabalhos pela industrialização, mas
conseguem obter novos empregos na mesma linha produtiva
 Superpopulação latente
 Camponeses que perdem seu trabalho nas agricultura e passam a
trabalhar sazonalmente
 Superpopulação estagnada
 Operários ou camponeses que não conseguem trabalho na mesma
linha produtiva e passam a viver de trabalhos domésticos ou trabalhos
ocasionais (menor salário)
 O pobre não é somente aquele privado de recursos,
mas aquele incapaz de se apropriar dos meios de
subsistência, por meio do trabalho.
 Assim, o trabalhador decorre do fato de ele depender
sempre da necessidade que o capitalista tem de seu
trabalho.
 Esta superpopulação é a condição para acumulação do
capital e desenvolvimento do capitalismo:
1. Serve para regular os salários;
2. É material humano disponível a ser aproveitado.
 O crescimento populacional só é um empecilho se não
há investimentos sociais (principalmente educação e
saúde)
 Comprovaram que o crescimento populacional deve vir
acompanhado de investimentos sociais e não apenas
de programas de controle da natalidade
 Nega o princípio malthusiano, segundo o qual a
superpopulação é a causa da pobreza.
 É a pobreza que gera a superpopulação.
 Se não houvesse pobreza as pessoas teriam acesso a
educação, saúde, higiene, etc., o que regularia,
naturalmente, o crescimento populacional.
 E explica a origem da pobreza:
 Má divisão de renda na sociedade, pela exploração que
os países desenvolvidos submetem/submeteram os
países subdesenvolvidos.
 Assim, a má distribuição de renda geraria a pobreza, e
esta, por sua vez, geraria a superpopulação.
 Exploração Histórica (processo de colonização por
exploração) e econômicas (dependência financeira e
tecnológica).
Escravidão ajudou a enriquecer a Suiça
Bancos do país financiaram, segundo pesquisas, o
tráfico de pelo menos 175 mil escravos africanos
Fonte:
http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,escravi
dao-ajudou-a-enriquecer-a-suica,1567229
Solução:
 Amplas reformas socioeconômicas que permitiriam
melhores condições de vida, de educação.
 Países pobres superam-se da relação de dependência
dos desenvolvidos.
 Elevação da economia levaria a uma redução da
população
 Políticas Públicas de distribuição de renda.
Porquê não muda?
 Esta superpopulação constitui não só um resultado,
mas uma condição da acumulação do capital
 De duas maneiras:
 Serve para regular os salários;
 É material humano disponível, a ser aproveitado,
independente dos limites do aumento real da população
Referências
 Amélia Damiani. População e Geografia. São Paulo:
Contexto, 2011.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sociologia do desenvolvimento
Sociologia do desenvolvimentoSociologia do desenvolvimento
Sociologia do desenvolvimentoTalita de Morais
 
Aula de sociologia
Aula de sociologiaAula de sociologia
Aula de sociologiapascoalnaib
 
O mundo do trabalho
O mundo do trabalhoO mundo do trabalho
O mundo do trabalhoColegio
 
Capitalismo e sua evolução
Capitalismo e sua evoluçãoCapitalismo e sua evolução
Capitalismo e sua evoluçãoArtur Lara
 
Cidadania e democracia
Cidadania e democraciaCidadania e democracia
Cidadania e democraciaLucas Justino
 
IECJ - Cap. 07 - Estrutura, estratificação social e as desigualdades
IECJ - Cap. 07 - Estrutura, estratificação social e as desigualdadesIECJ - Cap. 07 - Estrutura, estratificação social e as desigualdades
IECJ - Cap. 07 - Estrutura, estratificação social e as desigualdadesprofrodrigoribeiro
 
A contribuição da sociologia para a interpretação da realidade social
A contribuição da sociologia para a interpretação  da realidade socialA contribuição da sociologia para a interpretação  da realidade social
A contribuição da sociologia para a interpretação da realidade socialMarcela Marangon Ribeiro
 
Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho Jeane Santos
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeMoacyr Anício
 
Dit divisão internacional do trabalho.
Dit divisão internacional do trabalho.Dit divisão internacional do trabalho.
Dit divisão internacional do trabalho.Camila Brito
 

Mais procurados (20)

Sociologia do desenvolvimento
Sociologia do desenvolvimentoSociologia do desenvolvimento
Sociologia do desenvolvimento
 
O MUNDO DO TRABALHO
O MUNDO DO TRABALHO O MUNDO DO TRABALHO
O MUNDO DO TRABALHO
 
Aula de sociologia
Aula de sociologiaAula de sociologia
Aula de sociologia
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
O mundo do trabalho
O mundo do trabalhoO mundo do trabalho
O mundo do trabalho
 
Capitalismo e sua evolução
Capitalismo e sua evoluçãoCapitalismo e sua evolução
Capitalismo e sua evolução
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
 
Desigualdade Social
Desigualdade SocialDesigualdade Social
Desigualdade Social
 
Cidadania e democracia
Cidadania e democraciaCidadania e democracia
Cidadania e democracia
 
IECJ - Cap. 07 - Estrutura, estratificação social e as desigualdades
IECJ - Cap. 07 - Estrutura, estratificação social e as desigualdadesIECJ - Cap. 07 - Estrutura, estratificação social e as desigualdades
IECJ - Cap. 07 - Estrutura, estratificação social e as desigualdades
 
Sociologia - Aula Introdutória
Sociologia - Aula IntrodutóriaSociologia - Aula Introdutória
Sociologia - Aula Introdutória
 
Modos de Produção
Modos de ProduçãoModos de Produção
Modos de Produção
 
A contribuição da sociologia para a interpretação da realidade social
A contribuição da sociologia para a interpretação  da realidade socialA contribuição da sociologia para a interpretação  da realidade social
A contribuição da sociologia para a interpretação da realidade social
 
Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho
 
Instituições sociais
Instituições sociaisInstituições sociais
Instituições sociais
 
Direitos e cidadania
Direitos e cidadaniaDireitos e cidadania
Direitos e cidadania
 
Sociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e SociedadeSociologia, Cultura e Sociedade
Sociologia, Cultura e Sociedade
 
Dit divisão internacional do trabalho.
Dit divisão internacional do trabalho.Dit divisão internacional do trabalho.
Dit divisão internacional do trabalho.
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Cidadania e Política
Cidadania e PolíticaCidadania e Política
Cidadania e Política
 

Destaque

Demografía
DemografíaDemografía
DemografíaKawill
 
La economía malthusiana
La economía malthusianaLa economía malthusiana
La economía malthusianajcrojo
 
Escuelas economicas
Escuelas economicasEscuelas economicas
Escuelas economicasleo4
 
Poblacion presentacion-en-powerpoint
Poblacion presentacion-en-powerpointPoblacion presentacion-en-powerpoint
Poblacion presentacion-en-powerpointxichot
 
Teorias demograficas
Teorias demograficasTeorias demograficas
Teorias demograficasYESENIA QUERO
 
Ud3 Estructura PoblacióN
Ud3 Estructura PoblacióNUd3 Estructura PoblacióN
Ud3 Estructura PoblacióNPepe Giraldez
 
Población económicamente activa (pea)
Población económicamente activa (pea)Población económicamente activa (pea)
Población económicamente activa (pea)Alejandra Guamanzara
 
Crecimiento Poblacion
Crecimiento PoblacionCrecimiento Poblacion
Crecimiento Poblacionguestf84f4a2a
 
Teorias de poblacion
Teorias de poblacionTeorias de poblacion
Teorias de poblacionMali Rojas
 
Poblacion Economicamente Activa
Poblacion Economicamente ActivaPoblacion Economicamente Activa
Poblacion Economicamente Activalinda2123
 
La Estructura de la población
La Estructura de la poblaciónLa Estructura de la población
La Estructura de la poblaciónpvargasq
 
Presentacion Estructura De La Poblacion
Presentacion Estructura De La PoblacionPresentacion Estructura De La Poblacion
Presentacion Estructura De La PoblacionCharo
 
Teoría De La Transición Demográfica
Teoría De La Transición DemográficaTeoría De La Transición Demográfica
Teoría De La Transición Demográficajimmyfavian
 

Destaque (20)

Thomas malthus
Thomas malthusThomas malthus
Thomas malthus
 
Demografía
DemografíaDemografía
Demografía
 
La economía malthusiana
La economía malthusianaLa economía malthusiana
La economía malthusiana
 
Escuelas economicas
Escuelas economicasEscuelas economicas
Escuelas economicas
 
3 desarollo sostenible
3 desarollo sostenible3 desarollo sostenible
3 desarollo sostenible
 
Poblacion presentacion-en-powerpoint
Poblacion presentacion-en-powerpointPoblacion presentacion-en-powerpoint
Poblacion presentacion-en-powerpoint
 
Thomas robert malthus
Thomas robert malthusThomas robert malthus
Thomas robert malthus
 
Teorias demograficas
Teorias demograficasTeorias demograficas
Teorias demograficas
 
Población
PoblaciónPoblación
Población
 
Autores de tarea cga
Autores de tarea cgaAutores de tarea cga
Autores de tarea cga
 
Ud3 Estructura PoblacióN
Ud3 Estructura PoblacióNUd3 Estructura PoblacióN
Ud3 Estructura PoblacióN
 
Población económicamente activa (pea)
Población económicamente activa (pea)Población económicamente activa (pea)
Población económicamente activa (pea)
 
Crecimiento Poblacion
Crecimiento PoblacionCrecimiento Poblacion
Crecimiento Poblacion
 
Teorias de poblacion
Teorias de poblacionTeorias de poblacion
Teorias de poblacion
 
Poblacion Economicamente Activa
Poblacion Economicamente ActivaPoblacion Economicamente Activa
Poblacion Economicamente Activa
 
La pea
La peaLa pea
La pea
 
Población activa o inactiva
Población activa o inactivaPoblación activa o inactiva
Población activa o inactiva
 
La Estructura de la población
La Estructura de la poblaciónLa Estructura de la población
La Estructura de la población
 
Presentacion Estructura De La Poblacion
Presentacion Estructura De La PoblacionPresentacion Estructura De La Poblacion
Presentacion Estructura De La Poblacion
 
Teoría De La Transición Demográfica
Teoría De La Transición DemográficaTeoría De La Transición Demográfica
Teoría De La Transición Demográfica
 

Semelhante a Teorias do crescimento demográfico

Geo o crescimento da população mundial
Geo o crescimento da população mundialGeo o crescimento da população mundial
Geo o crescimento da população mundialAdriana Gomes Messias
 
TEORIAS POPULACIONAIS.pdf
TEORIAS POPULACIONAIS.pdfTEORIAS POPULACIONAIS.pdf
TEORIAS POPULACIONAIS.pdfHenrique Pontes
 
Aula 1 frente 2 população parte 1
Aula 1 frente 2   população parte 1Aula 1 frente 2   população parte 1
Aula 1 frente 2 população parte 1CADUCOC2
 
Aula 5 População_Parte_1_cursinho_az
Aula 5 População_Parte_1_cursinho_azAula 5 População_Parte_1_cursinho_az
Aula 5 População_Parte_1_cursinho_azCADUCOC1
 
Geografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia. Resumo do livro
Geografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia.  Resumo do livroGeografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia.  Resumo do livro
Geografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia. Resumo do livroJessica Amaral
 
Aula Sobre Aspectos Humanos Da Atualidade
Aula Sobre Aspectos Humanos Da AtualidadeAula Sobre Aspectos Humanos Da Atualidade
Aula Sobre Aspectos Humanos Da AtualidadeProfMario De Mori
 
População e disponibilidade de alimentos: revisitando um debate ultrapassado?
População e disponibilidade de alimentos: revisitando um debate ultrapassado?População e disponibilidade de alimentos: revisitando um debate ultrapassado?
População e disponibilidade de alimentos: revisitando um debate ultrapassado?Ricardo de Sampaio Dagnino
 
Aula dia 11 02-11 demografia.....sem fig
Aula dia 11 02-11 demografia.....sem figAula dia 11 02-11 demografia.....sem fig
Aula dia 11 02-11 demografia.....sem figSILVIO Candido da Mata
 
Aula dia 11 02-11 demografia........97-2003
Aula dia 11 02-11 demografia........97-2003Aula dia 11 02-11 demografia........97-2003
Aula dia 11 02-11 demografia........97-2003SILVIO Candido da Mata
 
Aula dia 11 02-11 demografia........97-2003
Aula dia 11 02-11 demografia........97-2003Aula dia 11 02-11 demografia........97-2003
Aula dia 11 02-11 demografia........97-2003SILVIO Candido da Mata
 
ASPECTOS DEMOGRÁFICOS
ASPECTOS DEMOGRÁFICOSASPECTOS DEMOGRÁFICOS
ASPECTOS DEMOGRÁFICOSwilliandadalto
 
Apresentação manuela
Apresentação   manuelaApresentação   manuela
Apresentação manuelaGabriel Reis
 
Populacao mundial
Populacao mundialPopulacao mundial
Populacao mundialVirgilio Nt
 

Semelhante a Teorias do crescimento demográfico (20)

Geografia 3 ano
Geografia 3 anoGeografia 3 ano
Geografia 3 ano
 
Geo o crescimento da população mundial
Geo o crescimento da população mundialGeo o crescimento da população mundial
Geo o crescimento da população mundial
 
TEORIAS POPULACIONAIS.pdf
TEORIAS POPULACIONAIS.pdfTEORIAS POPULACIONAIS.pdf
TEORIAS POPULACIONAIS.pdf
 
TEORIAS DEMOGRÁFICAS
TEORIAS DEMOGRÁFICASTEORIAS DEMOGRÁFICAS
TEORIAS DEMOGRÁFICAS
 
Aula 1 frente 2 população parte 1
Aula 1 frente 2   população parte 1Aula 1 frente 2   população parte 1
Aula 1 frente 2 população parte 1
 
Aula 5 População_Parte_1_cursinho_az
Aula 5 População_Parte_1_cursinho_azAula 5 População_Parte_1_cursinho_az
Aula 5 População_Parte_1_cursinho_az
 
Geografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia. Resumo do livro
Geografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia.  Resumo do livroGeografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia.  Resumo do livro
Geografia Humana - 6. DAMIANI, Amélia. População e Geografia. Resumo do livro
 
Aula Sobre Aspectos Humanos Da Atualidade
Aula Sobre Aspectos Humanos Da AtualidadeAula Sobre Aspectos Humanos Da Atualidade
Aula Sobre Aspectos Humanos Da Atualidade
 
População e disponibilidade de alimentos: revisitando um debate ultrapassado?
População e disponibilidade de alimentos: revisitando um debate ultrapassado?População e disponibilidade de alimentos: revisitando um debate ultrapassado?
População e disponibilidade de alimentos: revisitando um debate ultrapassado?
 
Demografia geral
Demografia geralDemografia geral
Demografia geral
 
Aula dia 11 02-11 demografia.....sem fig
Aula dia 11 02-11 demografia.....sem figAula dia 11 02-11 demografia.....sem fig
Aula dia 11 02-11 demografia.....sem fig
 
Aula dia 11 02-11 demografia........97-2003
Aula dia 11 02-11 demografia........97-2003Aula dia 11 02-11 demografia........97-2003
Aula dia 11 02-11 demografia........97-2003
 
Aula dia 11 02-11 demografia........97-2003
Aula dia 11 02-11 demografia........97-2003Aula dia 11 02-11 demografia........97-2003
Aula dia 11 02-11 demografia........97-2003
 
ASPECTOS DEMOGRÁFICOS
ASPECTOS DEMOGRÁFICOSASPECTOS DEMOGRÁFICOS
ASPECTOS DEMOGRÁFICOS
 
Geo1.pdf
Geo1.pdfGeo1.pdf
Geo1.pdf
 
2º Md Grupo 08
2º Md   Grupo 082º Md   Grupo 08
2º Md Grupo 08
 
Apresentação manuela
Apresentação   manuelaApresentação   manuela
Apresentação manuela
 
Populacao mundial
Populacao mundialPopulacao mundial
Populacao mundial
 
Teorias populacionais
Teorias populacionaisTeorias populacionais
Teorias populacionais
 
2º Va Grupo 8
2º Va   Grupo 82º Va   Grupo 8
2º Va Grupo 8
 

Mais de Pedro Neves

Gênero e trangênero
Gênero e trangêneroGênero e trangênero
Gênero e trangêneroPedro Neves
 
Sub regiões e suas especificidades
Sub regiões e suas especificidadesSub regiões e suas especificidades
Sub regiões e suas especificidadesPedro Neves
 
Impactos socioambientais ne e n
Impactos socioambientais   ne e nImpactos socioambientais   ne e n
Impactos socioambientais ne e nPedro Neves
 
Colonialidade do poder, eurocentrismo e américa latina
Colonialidade do poder, eurocentrismo e américa latinaColonialidade do poder, eurocentrismo e américa latina
Colonialidade do poder, eurocentrismo e américa latinaPedro Neves
 
Dinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileiraDinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileiraPedro Neves
 
Período entre guerras
Período entre guerrasPeríodo entre guerras
Período entre guerrasPedro Neves
 
Terrestres maritimos e anfibios
Terrestres maritimos e anfibiosTerrestres maritimos e anfibios
Terrestres maritimos e anfibiosPedro Neves
 
Política de desenvolvimento
Política de desenvolvimentoPolítica de desenvolvimento
Política de desenvolvimentoPedro Neves
 
Classe social e estado
Classe social e estadoClasse social e estado
Classe social e estadoPedro Neves
 
Território e poder
Território e poderTerritório e poder
Território e poderPedro Neves
 
Espaço agrário
Espaço agrárioEspaço agrário
Espaço agrárioPedro Neves
 
A dinâmica urbano industrial e demográfica
A dinâmica urbano industrial e demográficaA dinâmica urbano industrial e demográfica
A dinâmica urbano industrial e demográficaPedro Neves
 
Teóricos da geografia política
Teóricos da geografia políticaTeóricos da geografia política
Teóricos da geografia políticaPedro Neves
 
Geopolítica e geografia política
Geopolítica e geografia políticaGeopolítica e geografia política
Geopolítica e geografia políticaPedro Neves
 
Formação territorial do brasil
Formação territorial do brasilFormação territorial do brasil
Formação territorial do brasilPedro Neves
 

Mais de Pedro Neves (20)

Povo e cultura
Povo e culturaPovo e cultura
Povo e cultura
 
Gênero e trangênero
Gênero e trangêneroGênero e trangênero
Gênero e trangênero
 
Sub regiões e suas especificidades
Sub regiões e suas especificidadesSub regiões e suas especificidades
Sub regiões e suas especificidades
 
Questão racial
Questão racialQuestão racial
Questão racial
 
Impactos socioambientais ne e n
Impactos socioambientais   ne e nImpactos socioambientais   ne e n
Impactos socioambientais ne e n
 
Colonialidade do poder, eurocentrismo e américa latina
Colonialidade do poder, eurocentrismo e américa latinaColonialidade do poder, eurocentrismo e américa latina
Colonialidade do poder, eurocentrismo e américa latina
 
Dinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileiraDinâmica populacional brasileira
Dinâmica populacional brasileira
 
Período entre guerras
Período entre guerrasPeríodo entre guerras
Período entre guerras
 
Terrestres maritimos e anfibios
Terrestres maritimos e anfibiosTerrestres maritimos e anfibios
Terrestres maritimos e anfibios
 
Política de desenvolvimento
Política de desenvolvimentoPolítica de desenvolvimento
Política de desenvolvimento
 
Classe social e estado
Classe social e estadoClasse social e estado
Classe social e estado
 
Migração
MigraçãoMigração
Migração
 
Território e poder
Território e poderTerritório e poder
Território e poder
 
Fronteira
FronteiraFronteira
Fronteira
 
Território
TerritórioTerritório
Território
 
Espaço agrário
Espaço agrárioEspaço agrário
Espaço agrário
 
A dinâmica urbano industrial e demográfica
A dinâmica urbano industrial e demográficaA dinâmica urbano industrial e demográfica
A dinâmica urbano industrial e demográfica
 
Teóricos da geografia política
Teóricos da geografia políticaTeóricos da geografia política
Teóricos da geografia política
 
Geopolítica e geografia política
Geopolítica e geografia políticaGeopolítica e geografia política
Geopolítica e geografia política
 
Formação territorial do brasil
Formação territorial do brasilFormação territorial do brasil
Formação territorial do brasil
 

Último

HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfdottoor
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasCasa Ciências
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamentalgeone480617
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 

Último (20)

HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 

Teorias do crescimento demográfico

  • 1.
  • 2.  Teoria Malthusiana  Teoria Neomathusiana  Teoria Reformista (Marxista)
  • 3.
  • 4.  Thomas Robert Malthus escreveu seu “Primeiro Ensaio sobre População” em 1798.
  • 5.  Amélia Damiani contextualiza historicamente o período em que Malthus vivia.  Os países do mediterrâneo se estabeleceram entre os séculos XIV e XV.  Grandes massas humanas tiveram suas terras subtraídas e lançadas ao mercado na qualidade de trabalhadores livres.
  • 6.  E é neste período que Malthus escrevia, séc XVIII/XIX, na Inglaterra, durante o desenvolvimento industrial  Em que o trabalho masculino era substituído, em partes, pelo trabalho da criança e da mulher  E a qual, a mecanização causava desempregos e consequentemente miséria e aumento da mortalidade “infantil”.
  • 7.  Malthus primeiramente polemiza com os solicialistas utópicos – Condorcet; Godwin e Wallace – que propunham uma sociedade igualitária como alternativa desta situação da miséria.  Godwin: “no futuro não haverá mais um punhado de ricos e uma multidão de pobres; não haverá mais guerras assim como doenças; o homem não se angustiará nem mais viverá melancolicamente; não haverá necessidade, nem da administração da justiça, nem de governo”
  • 8.  Malthus não acreditava que a sociedade dividida em classes que seria o problema da miséria humana e sim a proporção natural de disponibilidade de alimento e a multiplicação humana.  Que se os meios de subsistência fossem tão abundantes haveria evidentemente um crescimento da espécie humana muito maior do que qualquer outro até então conhecido.
  • 9.
  • 10.  Assim, cria-se a lei natural: “A população cresce num ritmo geométrico e a produção de subsistência num ritmo aritmético”.  O crescimento natural da população, que é determinado pela paixão entre os sexos, excede a capacidade da terra para produzir alimentos para o homem.
  • 11.  Utiliza exemplo dos EUA que duplicou sua população em 25 anos.  E torna como regra: A população quando não controlada, duplica a cada 25 anos.  Meios de subsistência aumentam numa progressão aritmética.
  • 12. a) A população tenderia a duplicar a cada 25 anos. Seu crescimento obedeceria a uma progressão geométrica (2, 4, 8, 16, 32, 64...) ininterruptamente. b) Já a produção de alimentos cresceria em progressão aritimética (2, 4, 6, 8, 10...) e sua produção seria limitada em função dos limites territoriais dos continentes.
  • 13. População Alimentos 7mi 7mi 14mi 14mi 28mi 21mi 56mi 28mi 112mi 35mi
  • 14.
  • 15.  Acrescenta que a miséria e o vício são obstáculos positivos ao crescimento da população.  Ele(a) mata, reduz o nº de matrimônios, pois fica mais difícil sustentar filhos  Obstáculo preventivo ou “Obrigação moral”
  • 16.  Por outro lado, ela incita os cultivadores a aumentarem o emprego da mão-de-obra disponível, a abrir novas terras ao cultivo, a re-harmonizar a relação população/recursos.  Ao se ampliarem os meios de subsistência a população volta a crescer, e assim, os pobres vivem um perpétuo movimento oscilatório.
  • 17.  Malthus discorda até da assistência do Estado aos pobres, pois motiva o casamento e a procriação dos indigentes.  Era contra as leis do auxílio Paroquial que davam alimento para os mais pobres, principalmente para mulher e crianças necessitadas. “A luta pela sobrevivência, nessas condições, faria triunfar o egoísmo”
  • 18. - Casais jovens não podem ter filhos; - Controle de natalidade para famílias de países pobres; - Aumento do preço dos alimentos; - Redução de salários. Política contra o grande crescimento:
  • 19.  David Ricardo (1772-1823): Valor do mercado alto Trabalhador recebe salário adequado Aumento do tamanho da família Aumento do nº de trabalhadores Redução de salários Unidade familiar diminui Menos trabalhadores Aumento do salário
  • 20. Solução:  Controle natural (Guerras, doenças, epidemias)  Sujeição Moral (Retardar casamento, castidade antes de casamento, somente ter filhos quem pudesse se sustentar [ter terras]) Obs.: Malthus além de economista era também pastor da Igreja Anglicana, que era contrária aos métodos anticoncepcionais.
  • 21. Damiani deixa algumas questões:  O desenvolvimento industrial impediu o desenvolvimento da produção agrícola?  Hoje se produz mais pelo desenvolvimento das técnicas agrícolas.  Malthus subestima as relações sociais e econômicas como fonte explicativa da pobreza. Não a considera como fator determinante e sim a relação homem/subsistência.  No mesmo período havia grande produção de milho, mas o trabalhador desempregado não conseguia ter acesso.  O homem malthusiano, sujeito à paixão entre os sexos, assim esta paixão se reduz a função de procriação, regulada pela miséria e os vícios, ou pelo matrimônio e o celibato.
  • 22.
  • 23. Malthus Vive – Neomalthusianismo Séc XX  Ele orientou a construção da demografia ao conferir importância socioeconômica aos problemas populacionais  A qual constitui técnicas quantitativas para pesquisar os movimento da população  nas análises de natalidade, de mortalidade, quanto à constituição do crescimento vegetativo.
  • 24.  Neomalthusianismo se identifica com o malthusianismo, e se estabelece após a Segunda Guerra Mundial.  É voltado à leitura do crescimento populacional nos países subdesenvolvidos e seu reflexo mundial a fim de evitar outros conflitos de proporções mundiais
  • 25.  Se diferem um pouco das teorias de Malthus, porém seguem o mesmo sentido da população mais pobre como população problema.  Relacionando o crescimento natural com as possibilidades de abastecimento e recursos vitais de um território  Influenciado por esta população pobre  População x Natureza
  • 26.  Damiani acredita que o malthusianismo e o neomalthusianismo têm uma fundamentação real, possuem certo sentido, porém são análises especulativas que representam interesses definidos.  Versões malthusianas e neomalthusianas sobre o progresso diferenciado das raças, as concepções sobre genética humana e o aperfeiçoamento das raças (eugenia) podem justificar o racismo.  Através de uma demografia “qualitativa” pode-se justificar agressões e a colonização como processo civilizatório.
  • 27.  E estas teorias são utilizadas como arcabouço teórico para políticas públicas  políticas de controle de natalidade - “Planejamento Familiar” em países subdesenvolvidos  Políticas desenvolvidas pela ONU e BM com a esterilização em massa (Índia, Colômbia, ...), distribuição de contraceptivos, dius, e o modelo de família veiculado pelos meios de comunicação.  Ainda hoje, o FMI possui como exigência o controle de natalidade para empréstimos.
  • 28.  David Harvey, diante da aceitação de uma teoria de superpopulação e escassez de recursos, que insiste em manter intacto o modo de produção capitalista, esclarece que: “o argumento da superpopulação é facilmente usado como parte de uma apologia elaborada, através da qual a repressão de classe, étnica ou (neo)colonial pode ser justificada”.
  • 29.  atraso econômico dos países subdesenvolvidos justificado pela população numerosa  Levando ao esgotamento dos “recursos naturais”, catástrofes naturais e humanas  Quanto maior o número de habitantes de um país, menor a renda per capita e a disponibilidade de capital a ser investido em setores agrícolas e industriais.
  • 30.  Países subdesenvolvidos (taxas de natalidade elevadas), acabavam tendo grandes gastos com a população jovem e adulta, inviabilizando a canalização de gastos em outros setores.  Se esse crescimento não for impedido os recursos naturais da Terra se esgotarão em pouco tempo.
  • 31. Emissão de CO² na atmosfera 1° Lugar - Estados Unidos - 5,762,050 t 2° Lugar - China - 3,473,600 t 3° Lugar - Rússia - 1,540,360 t 4° Lugar - Japão - 1,224,740 t 5° Lugar - Índia - 1,007,9 t 6° Lugar - Alemanha - 837,425 t 7° Lugar - Reino Unido - 558,225 t 8º Canadá - 517,157,000 t 9º Coréia do Sul - 446,190,000 t 10º Itália - 433,018,000 t
  • 32. Solução:  Planejamento familiar (ONU, FMI, Banco Mundial, UNICEF);  Controle de natalidade (pílula, vasectomia, laqueadura, DIUs);  Medidas drásticas (China);  Esterilização em massa de populações pobres (Índia e Colômbia, PI e MA no Brasil);  E propagandas no cinema, publicidade e televisão (modelo familiar bem-sucedido – máx 2 filhos).
  • 33. Erro:  Tira a responsabilidade dos países ricos pelo atraso e miséria dos países desenvolvidos
  • 34.
  • 35.  Para Marx, a superpopulação não é o resultado da desproporção entre o crescimento da população e dos meios de subsistência.  Superpopulação é o resultado da acumulação capitalista que expropria trabalhadores e camponeses de seus trabalhos. Essa superpopulação relativa toma diferentes nomes:  Superpopulação flutuante  Operários que perdem seus trabalhos pela industrialização, mas conseguem obter novos empregos na mesma linha produtiva  Superpopulação latente  Camponeses que perdem seu trabalho nas agricultura e passam a trabalhar sazonalmente  Superpopulação estagnada  Operários ou camponeses que não conseguem trabalho na mesma linha produtiva e passam a viver de trabalhos domésticos ou trabalhos ocasionais (menor salário)
  • 36.  O pobre não é somente aquele privado de recursos, mas aquele incapaz de se apropriar dos meios de subsistência, por meio do trabalho.  Assim, o trabalhador decorre do fato de ele depender sempre da necessidade que o capitalista tem de seu trabalho.
  • 37.  Esta superpopulação é a condição para acumulação do capital e desenvolvimento do capitalismo: 1. Serve para regular os salários; 2. É material humano disponível a ser aproveitado.
  • 38.  O crescimento populacional só é um empecilho se não há investimentos sociais (principalmente educação e saúde)  Comprovaram que o crescimento populacional deve vir acompanhado de investimentos sociais e não apenas de programas de controle da natalidade
  • 39.
  • 40.  Nega o princípio malthusiano, segundo o qual a superpopulação é a causa da pobreza.  É a pobreza que gera a superpopulação.  Se não houvesse pobreza as pessoas teriam acesso a educação, saúde, higiene, etc., o que regularia, naturalmente, o crescimento populacional.
  • 41.  E explica a origem da pobreza:  Má divisão de renda na sociedade, pela exploração que os países desenvolvidos submetem/submeteram os países subdesenvolvidos.  Assim, a má distribuição de renda geraria a pobreza, e esta, por sua vez, geraria a superpopulação.  Exploração Histórica (processo de colonização por exploração) e econômicas (dependência financeira e tecnológica).
  • 42.
  • 43. Escravidão ajudou a enriquecer a Suiça Bancos do país financiaram, segundo pesquisas, o tráfico de pelo menos 175 mil escravos africanos Fonte: http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,escravi dao-ajudou-a-enriquecer-a-suica,1567229
  • 44. Solução:  Amplas reformas socioeconômicas que permitiriam melhores condições de vida, de educação.  Países pobres superam-se da relação de dependência dos desenvolvidos.  Elevação da economia levaria a uma redução da população  Políticas Públicas de distribuição de renda.
  • 45. Porquê não muda?  Esta superpopulação constitui não só um resultado, mas uma condição da acumulação do capital  De duas maneiras:  Serve para regular os salários;  É material humano disponível, a ser aproveitado, independente dos limites do aumento real da população
  • 46. Referências  Amélia Damiani. População e Geografia. São Paulo: Contexto, 2011.