SlideShare uma empresa Scribd logo
Universidade Federal do Acre
Centro de Ciências Biológicas e da Natureza
Curso de Engenharia Agronômica
Disciplina de Suinocultura
Docente: Dsc. Marcelo Bastos Cordeiro
Discente: Rogger da Silva
Parecer Técnico
Trabalho apresentado ao professor Dsc.
Marcelo Bastos Cordeiro da disciplina de
Suinocultura da turma do Engenharia
Agronômica.
Rio Branco – AC
Abril – 2013
Parecer técnico – diagnóstico e avaliação de uma granja suinícola
Nome do Produtor: Glaúdio Gadelha Cavalcante- Granja Recreio
Localidade: Rodovia Estadual AC-90, km 30- Rio Branco, AC.
Data da Visita: 19 de março de 2013/
Técnico responsável pela avaliação: Rogger da Silva
Nº. Matrizes: 104 Sistema de Criação: Intensiva
1) Descrição das condições da propriedade:
As principais características na fase de reprodução e cobrição é o ambiente levemente
sombreado, com razoável ventilação, a presença de bebedouros do tipo chupeta (água à
vontade),as baias para fêmeas possui as dimensões de 4,80 x 5,80 m e para machos possui
1,90 x 4,80 m a alimentação é fornecida 2 vezes ao dia (7:30 da manhã e 4:30 da tarde) do
tipo farelo de soja + milho que é depositada diretamente no chão da baia, a alimentação
fornecida para as matrizes é balanceada de forma a evitar a engorda desses animais podendo
ocasionar problemas na gestação e no parto. Na propriedade são aplicados alguns métodos
para averiguação do cio, a cobrição é realizada 2 vezes ao dia . Na propriedade há 16 baias
contendo fêmeas e 8 baias contendo machos, em média há 10 fêmeas/baias e 1 macho/baia.
Os principais cruzamentos são Raça Pai: Duroc, Pietran, Large-White, Landrace e como Raça
Mãe: Landrace, Large-White, Pietran. Os dejetos são limpos de 2 em 2 dias, com água
corrente e destinados para uma lagoa próxima;
Na fase de maternidade, as matrizes permanecem na instalação de reprodução por um
período aproximado de 3 meses e 15 dias, posteriormente são levadas para maternidade. Após
o parto geralmente nascem em média 10 a 12 leitões por matriz. As matrizes em lactação são
alimentadas 3 vezes ao dia (7, 11 e 17 horas), verificou nesse caso haver uma superlotação de
leitões na maternidade. Os leitões recém-nascidos recebem os tratamentos como o corte dos
dentes caninos, amarração, corte e cauterização do umbigo e cauda, aplicação de suplemento
férrico após o período de 3 dias de nascido e remédio contra a diarreia. A maternidade é
composta por 21 baias, 15 em construção, alguns problemas nas gaiolas é encontrada como a
largura, pois permite a movimentação da porca, podendo ocasionar o esmagamento dos
leitões, o ambiente apresenta-se arejado, mas carece de limpeza.
Na fase de creche há presença de 20 baias apresentando em média 11 a 20 leitões por baia,
nessa fase são fornecidas as rações do tipo: PRÉ-INICIAL 1 e 2, INICIAL 1 e 2 apresentam
as seguintes proporções em 100 kg:
PRÉ-INICIAL 1, que é dada dos 7 a 28 dias apresentar as proporções de milho igual 45 kg,
farelo de soja igual 15 kg e concentrado (Suigold® pré 40 %) igual a 25 kg.
PRÉ-INICIAL 2, que é dada dos 28 a 40 dias apresentar as proporções de milho igual 55 kg,
farelo de soja igual 25 kg e concentrado (Suigold® pré 40 %) igual a 20 kg.
INICIAL 1, que é dada dos 40 a 50 dias apresentar as proporções de milho igual 63 kg, farelo
de soja igual 27 kg e concentrado (Suigold® pré 40 %) igual a 10 kg.
INICIAL 2, que é dada dos 50 a 60 dias apresentar as proporções de milho igual 68 kg, farelo
de soja igual 28 kg e concentrado (Suigold® pré 40 %) igual a 4 kg.
As rações são fornecidas à vontade no chão da baia, os bebedouros são do tipo chupeta, a
limpeza acontece 2 vezes ao dia. Os animais saem dessa fase para o crescimento/terminação
com 2 meses.
Na fase de crescimento/terminação apresenta-se com 8 baias contendo 45
animais/baia, nessa fase são fornecida as rações do tipo: CRESCIMENTO e TERMINAÇÃO
apresentam as seguintes proporções em 100 kg:
CRESCIMENTO, que é dada dos 70 a 120 dias apresentar as proporções de milho igual 70
kg, farelo de soja igual 27 kg e concentrado (Suigold® 3%) igual a 3 kg.
TERMINAÇÃO, que é dada dos 120 até o abate, apresentar as proporções de milho igual 77
kg, farelo de soja igual 20 kg e concentrado (Suigold® 3%) igual a 3 kg.
Os bebedouros são tipo chupeta, e comedouros do tipo ração úmida, mas não apresenta-se em
funcionamento, a instalação do crescimento/terminação apresentam em condições adversas
como desabamento do telhado causado por um vendaval podendo ocasionar perda na
produtividade, a limpeza acontecer em dias alternados. A saída dessa fase demora em média 5
meses.
2) Soluções e Alternativas para melhorar a produção:
Para as instalações de reprodução/cobrição uma melhor eficiência na limpeza dos dejetos
e utilização mais eficiente das baias, ou seja, um número adequados de fêmeas por baia e uma
possível utilização de escrituração zootécnica indicando os horários de alimentação, cio,
cruzamentos e limpeza.
Para as instalações da maternidade sugiro uma maior adequação das gaiolas para
tamanhos das porcas, menor movimentação das porcas, a maternidade não possui
escamoteadores, foi visto que não possuía um dispositivo para o corte do rabo(evitar o
canibalismo) por falta de energia, o local distante da creche. As soluções seria a aquisição de
escamoteadores, do equipamento de corte do rabo e cauterização do mesmo.
Para creche podemos perceber uma área pouco limpa, e a forma de colocação da ração
chão das baias e desorganização. A solução seria uma maior eficiência na limpeza, colocação
da ração em comedouros e organização por faixa etária.
Para crescimento/terminação, umas das instalações está péssimo estado de
conservação. Solução seria o conserto da avaria, uma melhor adequação das instalações e uma
melhor organização, controle de peso, alimentação, escrituração zootécnica.
As instalações da fábrica de ração encontram-se em condições precárias, podendo
servir de criatório de roedores e/ou vetores de doenças. A solução seria uma melhor
adequação dessa instalação.
Para os tratamentos dos resíduos, a lagoa encontrava-se muito próximo a
reprodução/maternidade. Solução se construção de uma lagoa mais distantes desses locais, ou
mesmo aquisição de biodigestores.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lavoras Para Alto Rendimento Dirceu Gassen
Lavoras Para Alto Rendimento   Dirceu GassenLavoras Para Alto Rendimento   Dirceu Gassen
Lavoras Para Alto Rendimento Dirceu Gassen
GETACS
 
Apostila Produçao de Leite Agroecologico
Apostila Produçao de Leite AgroecologicoApostila Produçao de Leite Agroecologico
Apostila Produçao de Leite Agroecologico
Daniel Mol
 
Aula 03 manejo de plantas ornamentais - copia
Aula 03   manejo de plantas ornamentais - copiaAula 03   manejo de plantas ornamentais - copia
Aula 03 manejo de plantas ornamentais - copia
CETEP, FTC, FASA..
 
Onze horas
Onze horas Onze horas
Onze horas
liedjovem
 
Aveia
AveiaAveia
ILP - Lourival Vilela
ILP - Lourival VilelaILP - Lourival Vilela
ILP - Lourival Vilela
ANCP Ribeirão Preto
 
Plantas arbustivas
Plantas arbustivasPlantas arbustivas
Plantas arbustivas
Gonzales2009
 
Manejo de Insetos nas cultura de soja, milho e algodão na Região de Goiás e M...
Manejo de Insetos nas cultura de soja, milho e algodão na Região de Goiás e M...Manejo de Insetos nas cultura de soja, milho e algodão na Região de Goiás e M...
Manejo de Insetos nas cultura de soja, milho e algodão na Região de Goiás e M...
IRAC-BR
 
Poema ilustrado - O boneco de neve
Poema ilustrado - O boneco de neve Poema ilustrado - O boneco de neve
Poema ilustrado - O boneco de neve
beatriz123-madeira
 
Inst gado leit_bio_digest_apres
Inst gado leit_bio_digest_apresInst gado leit_bio_digest_apres
Inst gado leit_bio_digest_apres
Cristina Marino de Souza
 
A lagartinha comilona
A lagartinha comilonaA lagartinha comilona
A lagartinha comilona
anabelasantosmendonca
 
Vinificação passa a passo
Vinificação passa a passoVinificação passa a passo
Vinificação passa a passo
Jonas Bertinetti Aldrigui
 
Horticultura floricultura & fruticultura
Horticultura floricultura & fruticulturaHorticultura floricultura & fruticultura
Horticultura floricultura & fruticultura
Pedro Tomé
 
Power point final do ano
Power point final do anoPower point final do ano
Power point final do ano
jardiminfanciasilgueiros
 
Alice no país das maravilhas Joana Cavadas
Alice no país das maravilhas  Joana CavadasAlice no país das maravilhas  Joana Cavadas
Alice no país das maravilhas Joana Cavadas
professoraManuela
 
Cartilha sanidade animal e gado leiteiro
Cartilha sanidade animal e gado leiteiroCartilha sanidade animal e gado leiteiro
Cartilha sanidade animal e gado leiteiro
Rafael Soares Dias
 
Viveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerrado
Viveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerradoViveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerrado
Viveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerrado
Bruno Rodrigues
 
Defensivos alternativos
Defensivos alternativosDefensivos alternativos
Defensivos alternativos
Josimar Oliveira
 
Soja, melaço, capim tifton, mata-pasto, farinha de sangue
Soja, melaço, capim tifton, mata-pasto, farinha de sangueSoja, melaço, capim tifton, mata-pasto, farinha de sangue
Soja, melaço, capim tifton, mata-pasto, farinha de sangue
Michel Oliveira
 

Mais procurados (20)

Lavoras Para Alto Rendimento Dirceu Gassen
Lavoras Para Alto Rendimento   Dirceu GassenLavoras Para Alto Rendimento   Dirceu Gassen
Lavoras Para Alto Rendimento Dirceu Gassen
 
Apostila Produçao de Leite Agroecologico
Apostila Produçao de Leite AgroecologicoApostila Produçao de Leite Agroecologico
Apostila Produçao de Leite Agroecologico
 
Aula 03 manejo de plantas ornamentais - copia
Aula 03   manejo de plantas ornamentais - copiaAula 03   manejo de plantas ornamentais - copia
Aula 03 manejo de plantas ornamentais - copia
 
Onze horas
Onze horas Onze horas
Onze horas
 
Aveia
AveiaAveia
Aveia
 
ILP - Lourival Vilela
ILP - Lourival VilelaILP - Lourival Vilela
ILP - Lourival Vilela
 
Plantas arbustivas
Plantas arbustivasPlantas arbustivas
Plantas arbustivas
 
Manejo de Insetos nas cultura de soja, milho e algodão na Região de Goiás e M...
Manejo de Insetos nas cultura de soja, milho e algodão na Região de Goiás e M...Manejo de Insetos nas cultura de soja, milho e algodão na Região de Goiás e M...
Manejo de Insetos nas cultura de soja, milho e algodão na Região de Goiás e M...
 
Poema ilustrado - O boneco de neve
Poema ilustrado - O boneco de neve Poema ilustrado - O boneco de neve
Poema ilustrado - O boneco de neve
 
Inst gado leit_bio_digest_apres
Inst gado leit_bio_digest_apresInst gado leit_bio_digest_apres
Inst gado leit_bio_digest_apres
 
A lagartinha comilona
A lagartinha comilonaA lagartinha comilona
A lagartinha comilona
 
Vinificação passa a passo
Vinificação passa a passoVinificação passa a passo
Vinificação passa a passo
 
Horticultura floricultura & fruticultura
Horticultura floricultura & fruticulturaHorticultura floricultura & fruticultura
Horticultura floricultura & fruticultura
 
Power point final do ano
Power point final do anoPower point final do ano
Power point final do ano
 
Alice no país das maravilhas Joana Cavadas
Alice no país das maravilhas  Joana CavadasAlice no país das maravilhas  Joana Cavadas
Alice no país das maravilhas Joana Cavadas
 
Cartilha sanidade animal e gado leiteiro
Cartilha sanidade animal e gado leiteiroCartilha sanidade animal e gado leiteiro
Cartilha sanidade animal e gado leiteiro
 
Viveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerrado
Viveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerradoViveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerrado
Viveiro e-producao-de-mudas-de-algumas-especies-arboreas-nativas-do-cerrado
 
Floresta de agua
Floresta de aguaFloresta de agua
Floresta de agua
 
Defensivos alternativos
Defensivos alternativosDefensivos alternativos
Defensivos alternativos
 
Soja, melaço, capim tifton, mata-pasto, farinha de sangue
Soja, melaço, capim tifton, mata-pasto, farinha de sangueSoja, melaço, capim tifton, mata-pasto, farinha de sangue
Soja, melaço, capim tifton, mata-pasto, farinha de sangue
 

Destaque

Faculdades montenegro
Faculdades  montenegroFaculdades  montenegro
Faculdades montenegro
Marcos Andre
 
20066667 suinocultura
20066667 suinocultura20066667 suinocultura
20066667 suinocultura
Thiago Silverio
 
Raças de suínos
Raças de suínosRaças de suínos
Raças de suínos
Michel Oliveira
 
O segredo de luíza capítulo II
O segredo de luíza capítulo IIO segredo de luíza capítulo II
O segredo de luíza capítulo II
Rafael B. Designer Gráfico
 
Apostila suinocultura
Apostila suinoculturaApostila suinocultura
Apostila suinocultura
claudioagroecologia
 
Raças de Suíno Criadas no Brasil
Raças de Suíno Criadas no BrasilRaças de Suíno Criadas no Brasil
Raças de Suíno Criadas no Brasil
suino
 
Raças suinas 01
Raças suinas 01Raças suinas 01
Raças suinas 01
Kairo Gonzaga
 
Instalações e construções para suinocultura
Instalações e construções para suinoculturaInstalações e construções para suinocultura
Instalações e construções para suinocultura
velton12
 
Normatização para Trabalhos Acadêmicos
Normatização para Trabalhos AcadêmicosNormatização para Trabalhos Acadêmicos
Normatização para Trabalhos Acadêmicos
Instituto Consciência GO
 
Neurologia VETERINÁRIA
Neurologia VETERINÁRIANeurologia VETERINÁRIA
Neurologia VETERINÁRIA
Jullio Parente
 
Slide suínos
Slide suínosSlide suínos
Slide suínos
Larissa Lobo
 
131663983 suinos
131663983 suinos131663983 suinos
131663983 suinos
Pelo Siro
 
Exame clínico neurológico de cães pedro augusto cordeiro borges
Exame clínico neurológico de cães   pedro augusto cordeiro borgesExame clínico neurológico de cães   pedro augusto cordeiro borges
Exame clínico neurológico de cães pedro augusto cordeiro borges
Pedro Augusto
 
Suínocultura
SuínoculturaSuínocultura
Suínocultura
Med. Veterinária 2011
 
Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,
Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,
Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,
Jaqueline Sarges
 

Destaque (15)

Faculdades montenegro
Faculdades  montenegroFaculdades  montenegro
Faculdades montenegro
 
20066667 suinocultura
20066667 suinocultura20066667 suinocultura
20066667 suinocultura
 
Raças de suínos
Raças de suínosRaças de suínos
Raças de suínos
 
O segredo de luíza capítulo II
O segredo de luíza capítulo IIO segredo de luíza capítulo II
O segredo de luíza capítulo II
 
Apostila suinocultura
Apostila suinoculturaApostila suinocultura
Apostila suinocultura
 
Raças de Suíno Criadas no Brasil
Raças de Suíno Criadas no BrasilRaças de Suíno Criadas no Brasil
Raças de Suíno Criadas no Brasil
 
Raças suinas 01
Raças suinas 01Raças suinas 01
Raças suinas 01
 
Instalações e construções para suinocultura
Instalações e construções para suinoculturaInstalações e construções para suinocultura
Instalações e construções para suinocultura
 
Normatização para Trabalhos Acadêmicos
Normatização para Trabalhos AcadêmicosNormatização para Trabalhos Acadêmicos
Normatização para Trabalhos Acadêmicos
 
Neurologia VETERINÁRIA
Neurologia VETERINÁRIANeurologia VETERINÁRIA
Neurologia VETERINÁRIA
 
Slide suínos
Slide suínosSlide suínos
Slide suínos
 
131663983 suinos
131663983 suinos131663983 suinos
131663983 suinos
 
Exame clínico neurológico de cães pedro augusto cordeiro borges
Exame clínico neurológico de cães   pedro augusto cordeiro borgesExame clínico neurológico de cães   pedro augusto cordeiro borges
Exame clínico neurológico de cães pedro augusto cordeiro borges
 
Suínocultura
SuínoculturaSuínocultura
Suínocultura
 
Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,
Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,
Capa, contra capa, introdução ,conclusão, biografia,
 

Semelhante a Parecer técnico suinocultura

Parecer técnico suinocultura
Parecer técnico suinoculturaParecer técnico suinocultura
Parecer técnico suinocultura
Rogger Wins
 
Calculo da c n
Calculo da c nCalculo da c n
Calculo da c n
ClaireJuliana1
 
Cartilha de Criação de Bezerras Leiteiras
Cartilha de Criação de Bezerras LeiteirasCartilha de Criação de Bezerras Leiteiras
Cartilha de Criação de Bezerras Leiteiras
RaquelMariaCury
 
Cartilha esalq bezerras leiteiras
Cartilha esalq    bezerras leiteirasCartilha esalq    bezerras leiteiras
Cartilha esalq bezerras leiteiras
Marcelo Cezar Soares
 
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
Mesa 2   conservação renato jundiaí2012Mesa 2   conservação renato jundiaí2012
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
Mesa 2   conservação renato jundiaí2012Mesa 2   conservação renato jundiaí2012
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
5C's da Criação de Bezerras
5C's da Criação de Bezerras5C's da Criação de Bezerras
5C's da Criação de Bezerras
AgriPoint
 
Uso de silagem de colostro para bezerras: vantagem ou desvantagem?
Uso de silagem de colostro para bezerras: vantagem ou desvantagem?Uso de silagem de colostro para bezerras: vantagem ou desvantagem?
Uso de silagem de colostro para bezerras: vantagem ou desvantagem?
Rural Pecuária
 
Apostila sunicultura basica
Apostila sunicultura basicaApostila sunicultura basica
Apostila sunicultura basica
Lenildo Araujo
 
5CS da criação de bezerras
5CS da criação de bezerras5CS da criação de bezerras
5CS da criação de bezerras
AgriPoint
 
4
44
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
Cristian Carla de Campos
 
13 confinamento.pdf-18-12-2011
13 confinamento.pdf-18-12-201113 confinamento.pdf-18-12-2011
13 confinamento.pdf-18-12-2011
Cutrim Junior
 
A Seleção do Nelore Lemgruber na Fazenda Mundo Novo
A Seleção do Nelore Lemgruber na Fazenda Mundo NovoA Seleção do Nelore Lemgruber na Fazenda Mundo Novo
A Seleção do Nelore Lemgruber na Fazenda Mundo Novo
ANCP Ribeirão Preto
 
CORDEIROS SUPLEMENTADOS COM ADITIVOS ALTERNATIVOS EM CONFINAMENTO E GAIOLA ME...
CORDEIROS SUPLEMENTADOS COM ADITIVOS ALTERNATIVOS EM CONFINAMENTO E GAIOLA ME...CORDEIROS SUPLEMENTADOS COM ADITIVOS ALTERNATIVOS EM CONFINAMENTO E GAIOLA ME...
CORDEIROS SUPLEMENTADOS COM ADITIVOS ALTERNATIVOS EM CONFINAMENTO E GAIOLA ME...
Rafael Gauchinho
 
21
2121
Avicultura
AviculturaAvicultura
Aula Desenvolvimento do Rúmen: Fisiologia e Aspectos Gerais
Aula Desenvolvimento do Rúmen: Fisiologia e Aspectos GeraisAula Desenvolvimento do Rúmen: Fisiologia e Aspectos Gerais
Relatório de estágio curricular - Bruna Regensburger
Relatório de estágio curricular - Bruna RegensburgerRelatório de estágio curricular - Bruna Regensburger
Relatório de estágio curricular - Bruna Regensburger
Bruna Regensburger
 
Desempenho e aspectos sanitários de bezerras leiteiras que receberam dieta co...
Desempenho e aspectos sanitários de bezerras leiteiras que receberam dieta co...Desempenho e aspectos sanitários de bezerras leiteiras que receberam dieta co...
Desempenho e aspectos sanitários de bezerras leiteiras que receberam dieta co...
Rural Pecuária
 

Semelhante a Parecer técnico suinocultura (20)

Parecer técnico suinocultura
Parecer técnico suinoculturaParecer técnico suinocultura
Parecer técnico suinocultura
 
Calculo da c n
Calculo da c nCalculo da c n
Calculo da c n
 
Cartilha de Criação de Bezerras Leiteiras
Cartilha de Criação de Bezerras LeiteirasCartilha de Criação de Bezerras Leiteiras
Cartilha de Criação de Bezerras Leiteiras
 
Cartilha esalq bezerras leiteiras
Cartilha esalq    bezerras leiteirasCartilha esalq    bezerras leiteiras
Cartilha esalq bezerras leiteiras
 
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
Mesa 2   conservação renato jundiaí2012Mesa 2   conservação renato jundiaí2012
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
 
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
Mesa 2   conservação renato jundiaí2012Mesa 2   conservação renato jundiaí2012
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
 
5C's da Criação de Bezerras
5C's da Criação de Bezerras5C's da Criação de Bezerras
5C's da Criação de Bezerras
 
Uso de silagem de colostro para bezerras: vantagem ou desvantagem?
Uso de silagem de colostro para bezerras: vantagem ou desvantagem?Uso de silagem de colostro para bezerras: vantagem ou desvantagem?
Uso de silagem de colostro para bezerras: vantagem ou desvantagem?
 
Apostila sunicultura basica
Apostila sunicultura basicaApostila sunicultura basica
Apostila sunicultura basica
 
5CS da criação de bezerras
5CS da criação de bezerras5CS da criação de bezerras
5CS da criação de bezerras
 
4
44
4
 
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
 
13 confinamento.pdf-18-12-2011
13 confinamento.pdf-18-12-201113 confinamento.pdf-18-12-2011
13 confinamento.pdf-18-12-2011
 
A Seleção do Nelore Lemgruber na Fazenda Mundo Novo
A Seleção do Nelore Lemgruber na Fazenda Mundo NovoA Seleção do Nelore Lemgruber na Fazenda Mundo Novo
A Seleção do Nelore Lemgruber na Fazenda Mundo Novo
 
CORDEIROS SUPLEMENTADOS COM ADITIVOS ALTERNATIVOS EM CONFINAMENTO E GAIOLA ME...
CORDEIROS SUPLEMENTADOS COM ADITIVOS ALTERNATIVOS EM CONFINAMENTO E GAIOLA ME...CORDEIROS SUPLEMENTADOS COM ADITIVOS ALTERNATIVOS EM CONFINAMENTO E GAIOLA ME...
CORDEIROS SUPLEMENTADOS COM ADITIVOS ALTERNATIVOS EM CONFINAMENTO E GAIOLA ME...
 
21
2121
21
 
Avicultura
AviculturaAvicultura
Avicultura
 
Aula Desenvolvimento do Rúmen: Fisiologia e Aspectos Gerais
Aula Desenvolvimento do Rúmen: Fisiologia e Aspectos GeraisAula Desenvolvimento do Rúmen: Fisiologia e Aspectos Gerais
Aula Desenvolvimento do Rúmen: Fisiologia e Aspectos Gerais
 
Relatório de estágio curricular - Bruna Regensburger
Relatório de estágio curricular - Bruna RegensburgerRelatório de estágio curricular - Bruna Regensburger
Relatório de estágio curricular - Bruna Regensburger
 
Desempenho e aspectos sanitários de bezerras leiteiras que receberam dieta co...
Desempenho e aspectos sanitários de bezerras leiteiras que receberam dieta co...Desempenho e aspectos sanitários de bezerras leiteiras que receberam dieta co...
Desempenho e aspectos sanitários de bezerras leiteiras que receberam dieta co...
 

Mais de Rogger Wins

Relatório de estágio
Relatório de estágioRelatório de estágio
Relatório de estágio
Rogger Wins
 
Tensiometro dispositivo-pratico-para-controle-da-irrigacao
Tensiometro dispositivo-pratico-para-controle-da-irrigacaoTensiometro dispositivo-pratico-para-controle-da-irrigacao
Tensiometro dispositivo-pratico-para-controle-da-irrigacao
Rogger Wins
 
Roteiro de diagnstico_e_avaliao_de_produo
Roteiro de diagnstico_e_avaliao_de_produoRoteiro de diagnstico_e_avaliao_de_produo
Roteiro de diagnstico_e_avaliao_de_produo
Rogger Wins
 
Química e fertilidade do solo unidades
Química e fertilidade do solo  unidadesQuímica e fertilidade do solo  unidades
Química e fertilidade do solo unidades
Rogger Wins
 
Prova n2
Prova n2Prova n2
Prova n2
Rogger Wins
 
Padrao respostas discursivas_agronomia_2010
Padrao respostas discursivas_agronomia_2010Padrao respostas discursivas_agronomia_2010
Padrao respostas discursivas_agronomia_2010
Rogger Wins
 
Normalizacao monografia bib_iel_122008
Normalizacao monografia bib_iel_122008Normalizacao monografia bib_iel_122008
Normalizacao monografia bib_iel_122008
Rogger Wins
 
Manual de adubacao_2004_versao_internet
Manual de adubacao_2004_versao_internetManual de adubacao_2004_versao_internet
Manual de adubacao_2004_versao_internet
Rogger Wins
 
Agronomia 2010
Agronomia 2010Agronomia 2010
Agronomia 2010
Rogger Wins
 
Virus como agentes de doencas de plantas em pdf
Virus como agentes de doencas de plantas em pdfVirus como agentes de doencas de plantas em pdf
Virus como agentes de doencas de plantas em pdf
Rogger Wins
 
Variabilidade fenotipica soja
Variabilidade fenotipica sojaVariabilidade fenotipica soja
Variabilidade fenotipica soja
Rogger Wins
 
V53n4a16
V53n4a16V53n4a16
V53n4a16
Rogger Wins
 
Soja artigo insetos
Soja artigo insetosSoja artigo insetos
Soja artigo insetos
Rogger Wins
 
Seminário aditivos ftpa pronto
Seminário aditivos ftpa prontoSeminário aditivos ftpa pronto
Seminário aditivos ftpa pronto
Rogger Wins
 
Rt60001
Rt60001Rt60001
Rt60001
Rogger Wins
 
Reprodução das bactérias
Reprodução das bactériasReprodução das bactérias
Reprodução das bactérias
Rogger Wins
 
Referencias bibliograficas
Referencias bibliograficasReferencias bibliograficas
Referencias bibliograficas
Rogger Wins
 
Plan experimentos
Plan experimentosPlan experimentos
Plan experimentos
Rogger Wins
 
Normalizacao monografia bib_iel_122008
Normalizacao monografia bib_iel_122008Normalizacao monografia bib_iel_122008
Normalizacao monografia bib_iel_122008
Rogger Wins
 

Mais de Rogger Wins (20)

Relatório de estágio
Relatório de estágioRelatório de estágio
Relatório de estágio
 
Tensiometro dispositivo-pratico-para-controle-da-irrigacao
Tensiometro dispositivo-pratico-para-controle-da-irrigacaoTensiometro dispositivo-pratico-para-controle-da-irrigacao
Tensiometro dispositivo-pratico-para-controle-da-irrigacao
 
Roteiro de diagnstico_e_avaliao_de_produo
Roteiro de diagnstico_e_avaliao_de_produoRoteiro de diagnstico_e_avaliao_de_produo
Roteiro de diagnstico_e_avaliao_de_produo
 
Química e fertilidade do solo unidades
Química e fertilidade do solo  unidadesQuímica e fertilidade do solo  unidades
Química e fertilidade do solo unidades
 
Prova n2
Prova n2Prova n2
Prova n2
 
Padrao respostas discursivas_agronomia_2010
Padrao respostas discursivas_agronomia_2010Padrao respostas discursivas_agronomia_2010
Padrao respostas discursivas_agronomia_2010
 
Normalizacao monografia bib_iel_122008
Normalizacao monografia bib_iel_122008Normalizacao monografia bib_iel_122008
Normalizacao monografia bib_iel_122008
 
Manual de adubacao_2004_versao_internet
Manual de adubacao_2004_versao_internetManual de adubacao_2004_versao_internet
Manual de adubacao_2004_versao_internet
 
Agronomia 2010
Agronomia 2010Agronomia 2010
Agronomia 2010
 
Virus como agentes de doencas de plantas em pdf
Virus como agentes de doencas de plantas em pdfVirus como agentes de doencas de plantas em pdf
Virus como agentes de doencas de plantas em pdf
 
Variabilidade fenotipica soja
Variabilidade fenotipica sojaVariabilidade fenotipica soja
Variabilidade fenotipica soja
 
V53n4a16
V53n4a16V53n4a16
V53n4a16
 
V31n4a15
V31n4a15V31n4a15
V31n4a15
 
Soja artigo insetos
Soja artigo insetosSoja artigo insetos
Soja artigo insetos
 
Seminário aditivos ftpa pronto
Seminário aditivos ftpa prontoSeminário aditivos ftpa pronto
Seminário aditivos ftpa pronto
 
Rt60001
Rt60001Rt60001
Rt60001
 
Reprodução das bactérias
Reprodução das bactériasReprodução das bactérias
Reprodução das bactérias
 
Referencias bibliograficas
Referencias bibliograficasReferencias bibliograficas
Referencias bibliograficas
 
Plan experimentos
Plan experimentosPlan experimentos
Plan experimentos
 
Normalizacao monografia bib_iel_122008
Normalizacao monografia bib_iel_122008Normalizacao monografia bib_iel_122008
Normalizacao monografia bib_iel_122008
 

Parecer técnico suinocultura

  • 1. Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Biológicas e da Natureza Curso de Engenharia Agronômica Disciplina de Suinocultura Docente: Dsc. Marcelo Bastos Cordeiro Discente: Rogger da Silva Parecer Técnico Trabalho apresentado ao professor Dsc. Marcelo Bastos Cordeiro da disciplina de Suinocultura da turma do Engenharia Agronômica. Rio Branco – AC Abril – 2013
  • 2. Parecer técnico – diagnóstico e avaliação de uma granja suinícola Nome do Produtor: Glaúdio Gadelha Cavalcante- Granja Recreio Localidade: Rodovia Estadual AC-90, km 30- Rio Branco, AC. Data da Visita: 19 de março de 2013/ Técnico responsável pela avaliação: Rogger da Silva Nº. Matrizes: 104 Sistema de Criação: Intensiva 1) Descrição das condições da propriedade: As principais características na fase de reprodução e cobrição é o ambiente levemente sombreado, com razoável ventilação, a presença de bebedouros do tipo chupeta (água à vontade),as baias para fêmeas possui as dimensões de 4,80 x 5,80 m e para machos possui 1,90 x 4,80 m a alimentação é fornecida 2 vezes ao dia (7:30 da manhã e 4:30 da tarde) do tipo farelo de soja + milho que é depositada diretamente no chão da baia, a alimentação fornecida para as matrizes é balanceada de forma a evitar a engorda desses animais podendo ocasionar problemas na gestação e no parto. Na propriedade são aplicados alguns métodos para averiguação do cio, a cobrição é realizada 2 vezes ao dia . Na propriedade há 16 baias contendo fêmeas e 8 baias contendo machos, em média há 10 fêmeas/baias e 1 macho/baia. Os principais cruzamentos são Raça Pai: Duroc, Pietran, Large-White, Landrace e como Raça Mãe: Landrace, Large-White, Pietran. Os dejetos são limpos de 2 em 2 dias, com água corrente e destinados para uma lagoa próxima; Na fase de maternidade, as matrizes permanecem na instalação de reprodução por um período aproximado de 3 meses e 15 dias, posteriormente são levadas para maternidade. Após o parto geralmente nascem em média 10 a 12 leitões por matriz. As matrizes em lactação são alimentadas 3 vezes ao dia (7, 11 e 17 horas), verificou nesse caso haver uma superlotação de leitões na maternidade. Os leitões recém-nascidos recebem os tratamentos como o corte dos dentes caninos, amarração, corte e cauterização do umbigo e cauda, aplicação de suplemento férrico após o período de 3 dias de nascido e remédio contra a diarreia. A maternidade é composta por 21 baias, 15 em construção, alguns problemas nas gaiolas é encontrada como a largura, pois permite a movimentação da porca, podendo ocasionar o esmagamento dos leitões, o ambiente apresenta-se arejado, mas carece de limpeza.
  • 3. Na fase de creche há presença de 20 baias apresentando em média 11 a 20 leitões por baia, nessa fase são fornecidas as rações do tipo: PRÉ-INICIAL 1 e 2, INICIAL 1 e 2 apresentam as seguintes proporções em 100 kg: PRÉ-INICIAL 1, que é dada dos 7 a 28 dias apresentar as proporções de milho igual 45 kg, farelo de soja igual 15 kg e concentrado (Suigold® pré 40 %) igual a 25 kg. PRÉ-INICIAL 2, que é dada dos 28 a 40 dias apresentar as proporções de milho igual 55 kg, farelo de soja igual 25 kg e concentrado (Suigold® pré 40 %) igual a 20 kg. INICIAL 1, que é dada dos 40 a 50 dias apresentar as proporções de milho igual 63 kg, farelo de soja igual 27 kg e concentrado (Suigold® pré 40 %) igual a 10 kg. INICIAL 2, que é dada dos 50 a 60 dias apresentar as proporções de milho igual 68 kg, farelo de soja igual 28 kg e concentrado (Suigold® pré 40 %) igual a 4 kg. As rações são fornecidas à vontade no chão da baia, os bebedouros são do tipo chupeta, a limpeza acontece 2 vezes ao dia. Os animais saem dessa fase para o crescimento/terminação com 2 meses. Na fase de crescimento/terminação apresenta-se com 8 baias contendo 45 animais/baia, nessa fase são fornecida as rações do tipo: CRESCIMENTO e TERMINAÇÃO apresentam as seguintes proporções em 100 kg: CRESCIMENTO, que é dada dos 70 a 120 dias apresentar as proporções de milho igual 70 kg, farelo de soja igual 27 kg e concentrado (Suigold® 3%) igual a 3 kg. TERMINAÇÃO, que é dada dos 120 até o abate, apresentar as proporções de milho igual 77 kg, farelo de soja igual 20 kg e concentrado (Suigold® 3%) igual a 3 kg. Os bebedouros são tipo chupeta, e comedouros do tipo ração úmida, mas não apresenta-se em funcionamento, a instalação do crescimento/terminação apresentam em condições adversas como desabamento do telhado causado por um vendaval podendo ocasionar perda na produtividade, a limpeza acontecer em dias alternados. A saída dessa fase demora em média 5 meses. 2) Soluções e Alternativas para melhorar a produção: Para as instalações de reprodução/cobrição uma melhor eficiência na limpeza dos dejetos e utilização mais eficiente das baias, ou seja, um número adequados de fêmeas por baia e uma possível utilização de escrituração zootécnica indicando os horários de alimentação, cio, cruzamentos e limpeza. Para as instalações da maternidade sugiro uma maior adequação das gaiolas para tamanhos das porcas, menor movimentação das porcas, a maternidade não possui
  • 4. escamoteadores, foi visto que não possuía um dispositivo para o corte do rabo(evitar o canibalismo) por falta de energia, o local distante da creche. As soluções seria a aquisição de escamoteadores, do equipamento de corte do rabo e cauterização do mesmo. Para creche podemos perceber uma área pouco limpa, e a forma de colocação da ração chão das baias e desorganização. A solução seria uma maior eficiência na limpeza, colocação da ração em comedouros e organização por faixa etária. Para crescimento/terminação, umas das instalações está péssimo estado de conservação. Solução seria o conserto da avaria, uma melhor adequação das instalações e uma melhor organização, controle de peso, alimentação, escrituração zootécnica. As instalações da fábrica de ração encontram-se em condições precárias, podendo servir de criatório de roedores e/ou vetores de doenças. A solução seria uma melhor adequação dessa instalação. Para os tratamentos dos resíduos, a lagoa encontrava-se muito próximo a reprodução/maternidade. Solução se construção de uma lagoa mais distantes desses locais, ou mesmo aquisição de biodigestores.