Religiosidade e oralidade afro-brasileira

2.743 visualizações

Publicada em

Trabalho apresentado para a Disciplina Ensino e Aprendizagem na perspectiva da pluralidade cultural e ética. Pedagogia - Isca Faculdades, 2012.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.743
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
44
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
76
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Religiosidade e oralidade afro-brasileira

  1. 1. Religiosidade eOralidade afro- brasileira Fig1. Bandeira da África do Sul
  2. 2. Religiosidade: É a forma decrer em algo independente da religião.
  3. 3. Em 1824 Na época do império do Brasil havia apenas uma religião oficial - a “ Católica” - e a prática de outras religiões era restrita ao ambiente privado. Na primeira década do Século XX umbandistas e candomblecistas eram perseguidos. Em 1988, a Constituição federal finalmente sacramentou aliberdade religiosa, devido à mobilização de líderes religiosos afro-brasileiros. Porém o preconceito ainda perdura. A religiosidade só tem sentido na educação se for para promover a valorização da diversidade e estimular a tolerância.
  4. 4. Orixás Africanos
  5. 5. Oxum: Senhora das águasdoces, dos rios, cachoeiras efontes. Rege a riqueza, o ouro,o luxo, a vaidade, a beleza e agrandeza. Preside amaternidade e se constituiuma das mais conhecidasimagens arquetípicas dagrande-mãe dos nagôs. Veste-se de amarelo em suas váriastonalidades, mas não dispensao dourado. É uma das esposasde Xangô.
  6. 6. Ogum: Orixá guerreiro, patrono da agricultura, ferreiro e senhor dos caminhos. Irmão de Exu eOxossi, é solitário e mora nas matas. Ele ensinou aos humanos as técnicas da agricultura e como forjarferramentas. Seu dia é terça- feira.
  7. 7. Xangô: Orixá mais cultuado e respeitado no Brasil, porque foi o primeiro deus iorubano, por assim dizer, que pisou em terras brasileiras, portanto, o principal tronco dos candomblés doBrasil. É o rei das pedreiras, Senhor dos coriscos e do trovão, Pai de justiça e o Orixá da política.Guerreiro, bravo e conquistador, Xangô também é conhecido como o Orixá mais vaidoso, entre os deuses masculinos africanos.
  8. 8. Iemanjá: A majestade dos mares. Senhora dos oceanos, sereia sagrada, Iemanjá é a Rainha das águas salgadas, considerada como mãe de todos Orixás, regente absoluta dos lares, protetora da família. Chamada também como a Deusa das Pérolas, Iemanjá é aquela que apara a cabeça dos bebês no momento do nascimento.
  9. 9. Os africanos se reuniam a noiteembaixo de uma árvore chamada Baobá para contar histórias ocorridas com seus ancestrais, e essa árvore eraconsiderada um canal entre os homens e Deus. Sendo assim, devemos valorizar a oralidade, pois é através dela que o povo africano repassava os feitos históricos dos seus antepassados.
  10. 10. ReferênciasBRANDÃO, Ana Paula. (coord.) Saberes efazeres, v.3 : Modos de interagir /coordenação do projeto Ana PaulaBrandão. - Rio de Janeiro : FundaçãoRoberto Marinho, 2006. 152p. : il. color. -(A cor da cultura) Disponível emwww.acordacultura.com.br Acesso emmaio de 2012.FIGUEIREDO, Beraldo Lopes. Orixás.Disponível em:http://www.espiritualismo.hostmach.com.br/orixas.htmacesso em maio de 2012.LIMA, Heloisa Pires, GNEKA Georges,LEMOS, Mário. A semente que veio daÁfrica. Rio de Janeiro: EditoraSalamandra, 2005.PRANDI, Reginaldo. Site.http://www.fflch.usp.br/sociologia/prandi/acesso em maio de 2012.
  11. 11. Elaborado por:Elisangela de Moraes Vilshes Lorraine Pizani Fachina Mayara Caroline Francisco Tatiana de Souza

×