SlideShare uma empresa Scribd logo
Saúde

ANO I – EDIÇÃO Nº 1
AGOSTO, 2009

Osteoporose
Apresentação
O Informe Saúde e Economia tem como objetivo auxiliar a tomada
de decisão quando existe mais de uma opção terapêutica para o tratamento de uma mesma patologia, em especial quando não há comprovação de superioridade terapêutica entre os medicamentos.
Este informe foi desenvolvido para trazer informações atualizadas,
constantes na literatura médica, de forma resumida e de fácil compreensão. Além de trazer informações sobre os medicamentos avaliados, o
informe fornece uma análise comparativa da eficácia, segurança e custos entres as opções terapêuticas abordadas. Cada edição do Informe tratará de uma patologia diferente.
A análise dos custos, além de mostrar as diferenças entre as diversas opções terapêuticas, também mostrará a diferença de custos entre a escolha do medicamento de referência e a do medicamento genérico.
As informações constantes em cada Edição serão valiosas para gestores e profissionais de saúde na avaliação das diversas opções terapêuticas. Nessa primeira edição o tema abordado é a osteoporose e o uso
de bifosfonatos para o seu tratamento. Boa leitura!

A doença

após a ocorrência da primeira, exis-

A osteoporose é uma doença silenciosa até ser complicada por fraturas, que podem ocorrer após um
trauma mínimo. É caracterizada por
perda da massa, deterioração do
tecido, desarranjo da arquitetura e
comprometimento da força óssea
com aumento no risco de fratura.
Mais de 1/3 das mulheres adultas
terão uma ou mais fraturas causadas por osteoporose1.

nuir o risco de novas.

Essa doença pode ser prevenida,
diagnosticada e tratada antes que
ocorra qualquer fratura e, mesmo

tem tratamentos efetivos para dimi-

Fraturas e suas complicações são as
sequelas clinicamente relevantes da
osteoporose, mais comuns nas vérte-

bras, fêmur proximal e pulso. Grande
parte das fraturas resultantes da osteoporose produz mudanças esqueléticas, como deformações e diminuição
da estatura, com um componente
doloroso importante, que podem levar à invalidez e até à morte.

Recomendações para os pacientes:
Várias intervenções para reduzir o risco de fraturas são recomendadas para a população em geral. Essas incluem ingestão adequada
de cálcio (≥1200mg ao dia) e vitamina D, atividade física regular,
evitar o uso de tabaco, identificação e tratamento de alcoolismo e
tratamento de outros fatores de risco para fratura.

SAÚDE E ECONOMIA | OSTEOPOROSE

1
Tratamentos
São considerados os seguintes tratamentos farmacológicos para osteoporose: cálcio, vitamina D, calcitonina, bifosfonatos, raloxifeno e
paratormônio.
Os bifosfonatos constituem o tratamento de escolha devido à eficácia comprovada em redução da
incidência de fraturas, aumento da
densidade mineral óssea (DMO),
normalização do turnover ósseo a
níveis pré-menopausa e manutenção da microarquitetura óssea. Fazem parte dessa classe de medicamentos: alendronato, risedronato
e ibandronato.

Turnover ósseo
Avalia se a degradação do
osso está sendo maior do
que sua construção.

Algumas recomendações para maximizar absorção e minimizar o risco
de efeitos adversos esofágicos dos
bifosfonatos são: não administrar
a pacientes com doença ativa no

2

SAÚDE E ECONOMIA | OSTEOPOROSE

trato gastrointestinal superior; descontinuar naqueles que desenvolverem sintomas de esofagite; ingerir o
medicamento ao acordar, antes de
qualquer alimento, com ao menos
240mL de água. Após sua administração, o paciente não deve ingerir
comida, bebida e medicações por
pelo menos 30 minutos.

Alendronato
É efetivo tanto para o tratamento
quanto para a prevenção de osteoporose em mulheres pós-menopausa.
Não há consenso sobre quando começar a tratar a osteoporose de forma preventiva. Entretanto, considera-se adequado iniciar o tratamento
preventivo em pessoas com osteopenia e que possuam um ou mais fatores de risco (fratura prévia, idade,
tendência à queda).
Ensaios clínicos demonstraram que
o alendronato aumenta a DMO e
diminui o risco de fraturas osteoporóticas. A boa supressão do turnover ósseo e o aumento na DMO com
efeitos adversos mínimos são alcançados com a dose de 10mg/dia, tratamento bem tolerado e efetivo por
pelo menos 10 anos de utilização2,3.

Os bifosfonatos devem ser
tomados com estômago
vazio para obtenção da
absorção máxima.

Uma meta-análise mostrou que o
uso do alendronato diminuiu em
50% o risco de fraturas vertebrais e
não-vertebrais em pacientes com osteoporose estabelecida4.
Atualmente não há consenso sobre
quanto tempo se deve dar continuidade a essa terapia. Entretanto, para
mulheres que não apresentam alto
risco de fraturas, a interrupção da
terapia após 5 anos pode ser razoável, pois há evidências de benefício
contínuo por 5 anos a partir da interrupção. Quando o é alendronato
administrado de forma preventiva, o
efeito protetor cessa com a interrupção da terapia. Isto foi ilustrado no
estudo FLEX.5

Risedronato
Aumenta a DMO, reduz o risco de
fratura e é bem tolerado em mulheres pós-menopausa com osteoporose. O estudo VERT6 mostrou que o
uso do risedronato levou à diminuição do risco de ocorrência de fraturas vertebrais e não-vertebrais em
41% e 39%, respectivamente. Uma
meta-análise confirmou a redução
do risco de fratura em mulheres pósmenopausa e em mulheres com osteoporose estabelecida7.
Risedronato é efetivo e bem tolerado
por mais de 7 anos. Ao descontinuar o seu uso, os efeitos benéficos na
DMO e no turnover de marcadores
ósseos parecem reverter completamente dentro de 1 ano, como reportado na extensão do ensaio VERT8.

não-vertebral como desfecho principal para o ibandronato intravenoso.
Na falta de dados consistentes de
ensaios clínicos que demonstrem
que o ibandronato reduz fratura de
quadril, o risedronato e o alendronato continuam sendo tratamentos
de primeira escolha.

Alendronato X Risedronato
X Ibandronato

É comercializado em formulação oral
administrada mensalmente e formulação intravenosa, administrada a
cada 3 meses. A formulação intravenosa é uma opção alternativa para
pacientes que não toleram bifosfonatos orais ou que têm dificuldade
em cumprir o regime posológico.

Alendronato e risedronato foram
comparados em um ensaio clínico e
em estudos observacionais. No ensaio clínico, o uso de alendronato
mostrou um maior aumento da DMO
em relação ao risedronato em todos
os ossos avaliados após 24 meses.
Entretanto, não houve diferença na
incidência de fratura, que foi reportada apenas como evento adverso.
Por isso, apesar de alendronato ter
maior efeito na DMO quando comparado ao risedronato, a relevância
clínica desse achado não é clara10.

O ibandronato aumenta a DMO e reduz o número de fraturas vertebrais.
Metanálise com ibandronato, na
qual dados de fratura foram medidos como eventos adversos, mostra
redução em fraturas não-vertebrais
com maiores doses de ibandronato (dados globais para 2 ou 3 mg a
cada 2 ou 3 meses)9. Entretanto, não
há dados diretos que avaliem fratura

O estudo PERSIST11 comparou a
aderência ao tratamento e perfil de
efeitos adversos entre o alendronato semanal e o ibandronato mensal.
Com relação à segurança, a proporção de pacientes nos dois grupos
que tiveram pelo menos 1 evento
adverso, foi similar. A maior parte
dos efeitos adversos foi de intensidade leve ou moderada. Os ensaios

Ibandronato

Consulte seu médico
e Sempre confira
os preços dos
medicamentos no
site da ANVISA.
Acesse: http://www.anvisa.gov.br/
monitora/cmed/legis/comunicados/
lista_conformidade.pdf.

clínicos Balto I e II12,13 também avaliaram a comodidade e o perfil de
efeitos adversos do alendronato em
comparação ao ibandronato. Os resultados obtidos foram semelhantes
aos do PERSIST. Nenhum estudo fez
uma análise de eficácia comparativa
entre esses dois medicamentos.
Portanto, de acordo com as evidências
científicas disponíveis até o momento,
não há diferença de eficácia e segurança entre esses medicamentos.
A tabela faz um sumário das indicações e posologias dos medicamentos.

Medicamento Indicação

Via

Posologia

Alendronato

Tratamento de osteoporose de mulheres pós-menopausa com osteoporose
para prevenir fraturas, inclusive as de quadril e de coluna. É indicado para o
tratamento da osteoporose de homens para prevenir fraturas.

Oral

10mg/dia ou
70mg/semana

Risedronato

Tratamento e prevenção da osteoporose em mulheres no período pósmenopausa. É indicado para aumentar a massa óssea nos homens e mulheres
que estejam em tratamento com corticóide sistêmico a longo prazo.

Oral

5mg/dia ou
35mg/semana

Ibandronato

Tratamento da osteoporose pós-menopausa para reduzir o risco de fraturas
vertebrais. Em um subgrupo de pacientes de risco, o ibandronato mostrou
reduzir o risco de fraturas não vertebrais.

Intravenosa
ou oral

3mg/3meses ou
150mg/mês

SAÚDE E ECONOMIA | OSTEOPOROSE

3
Custos mensais de tratamento
50

100

150

200

R$/mês
R$ 54,50

R$ 149,57

R$ 194,06

ALENDRONATO
genérico

alendronato
referência

risendronato

R$ 113,86

Conforme já discutido neste Informe, não há evidência
de superioridade de eficácia clínica entre as opções terapêuticas citadas para o tratamento da osteoporose.
Contudo, verifica-se que os preços dos medicamentos
indicados para essa patologia variam bastante, o que
implica em custos de tratamento mensais bem diferentes. Os dados a seguir mostram claramente os diferentes preços de cada um dos medicamentos, inclusive do
medicamento genérico da substância alendronato.
Ao se analisar a figura do termômetro, observa-se que
há uma diferença de cerca de 256% entre o custo de
tratamento mensal com o medicamento mais barato,
no caso, o medicamento genérico, e o custo de tratamento mensal com o medicamento mais oneroso, no
caso, o Actonel (Risendronato).

R$ 161,76

ibandronato
injetável

ibandronato
oral

BONVIVA INJETÁVEL (IBANDRONATO)
•	 Apresentação: 3 MG SOL INJ CT 1 SER PREENCH VD INC X 3 ML
•	 Preço máximo ao consumidor (ICMS 18%): R$ 341,59
•	 Posologia: 1mg/mês
•	 Custo tratamento mensal: R$ 113,86

FOSAMAX (ALENDRONATO)
•	 Apresentação: 70 MG CX. 1 BL X 4 CPD
•	 Preço máximo ao consumidor (ICMS 18%): R$ 149,57
•	 Posologia: 70 mg/semana
•	 Custo tratamento mensal: R$ 149,57

BONVIVA ORAL (IBANDRONATO)
•	 Apresentação: 150 MG COM REV CT BL ALU/ALU X 1
•	 Preço máximo ao consumidor (ICMS 18%): R$ 161,76
•	 Posologia: 150 mg/mês
•	 Custo tratamento mensal: R$ 161,76

ALENDRONATO Genérico
Genérico mais barato do mercado

ACTONEL (RISENDRONATO)

•	 Apresentação: 70 MG COM CT BL AL PLAS INC X 5
•	 Preço máximo ao consumidor (ICMS 18%): R$ 68,13
•	 Posologia: 70 mg/semana
•	 Custo tratamento mensal: R$ 54,50

•	 Apresentação: 5 MG COM REV 2 BL AL PVC OPC X 14
•	 Preço máximo ao consumidor (ICMS 18%): R$ 181,12
•	 Posologia: 150mg/mês
•	 Custo tratamento mensal: R$ 194,06

Referências Bibliográficas:
As referências bibliográficas referentes a este informe podem ser encontradas no site: http://anvisa.gov.br.

SAÚDE E ECONOMIA
ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária
NUREM – Núcleo de Assessoramento Econômico em Regulação
GERAE – Gerência de Avaliação Econômica de Novas Tecnologias
Endereço: SIA, Trecho 5, Área Especial 57, 71.205-050, Brasília/DF
E-mail para contato: saúde.economia@anvisa.gov.br

4

SAÚDE E ECONOMIA | OSTEOPOROSE

Texto e pesquisa: Fernanda Maciel Rebelo e Symone Oliveira Lima.
Revisão do texto: Giselle Silva Pereira Calais, Gustavo Cunha Garcia,
Renata Faria Pereira e Telma Rodrigues Caldeira.
Coordenação da publicação: Alexandre Lemgruber P. d’Oliveira.
Projeto gráfico e diagramação: Grifo Design.
Referências Bibliográficas
1. London New Drugs Group. Comparison of bisphosphonates and strontium
ranelate for osteoporosis. APC/DTC Briefing Document; May, 2007.
2. Liberman UA, Weiss SR, Broll J et al. Effect of oral alendronate on bone
mineral density and the incidence of fractures in postmenopausal Africanamerican woman. New England Journal of Medicine, 1995; 333: 1437-44.
3. Chesnut CH, McClung MR, Ensrud KE et al. Alendronate treatment of
postmenopausal osteoporotic woman: effect of multiple dosages on bone mass
and bone remodeling. American Journal of Medicine, 1995; 99: 144-52.
4. Cranney A, Wells G, Willan A et al. Meta-analyses of therapies for pósmenopausal women. Endocrine Reviews, 2002; 23: 508-16.
5. Black DM, Schwartz AV, Ensrud KR et al. Effects of continuing or stopping
alendronate after 5 years of treatment: the Fracture Intervention Trial Longnterm Extension (FLEX): a randomized trial. Journal of the American Medical
Association, 2006; 296:2927-38.
6. Harris ST, Watts NB, Genant HK et al. Effects of risedronate treatment on
vertebral and non-vertebral fractures in women with postmenopausal
osteoporosis: a randomized controlled trial. Vertebral Efficacy with Risedronate
Therapy Study Group. Journal of American Medical Association, 1999; 282:
1344-52.
7. Cranney A, Tugwell P, Adachi J et al. Meta-analysis of risedronate treatment on
vertebral and non-vertebral fractures in women with postmenopausal
osteoporosis. Endocrine Reviews, 2002; 23: 517-23.
8. Reginster J, MinneHW, Sorensen OH et al. Randomized trial of the effects of
risedronate on vertebral fractures in women with established postmenopausal
osteoporosis. Vertebral Efficacy with Risedronate Therapy Study Group.
Osteoporosis International, 2000; 11: 83- 91.
9. Harris ST, Blumentals WA, Miller PD. Ibandronate and the risk of non-vertebral
and clinical fractures in women with postmenopausal osteoporosis: results of a
meta-analysis of phase III studies. Current Medical Research and Opinion, 2008,
24: 237-45.
10. Bonnick S, Saag KG, Kiel DP et al. Comparison of weekly treatment of
postmenopausalosteoporosis with alendronate versus risedronate over two years.
Journal of Clinical Endocrinology and Metabolism, 2006; 91:2631-37.
11. Cooper A, Drake J, Brankin E et al. Treatment persistence with once-monthly
ibandronate and patient support vs. once-weekly alendronate: results from the
PERSIST study. International Journal of Clinical Practice, 2006; 60: 896-905.
12. Emkey R, Koltun W, Beusterien K, Seidman L, Kivitz A et al. Patient
preference for once-monthly ibandronate versus one-weekly alendronate in a
randomized, open-label, cross-over trial: the Boniva Alendronate Trial in
Osteoporosis (BALTO). Current Medical Research and Opinion, 2005;21 (2):
1895 – 1903
13. BALTO II Clinical Study Report, MA17844(RR1020118)

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Medicamentos de atenção especial
Medicamentos de atenção especialMedicamentos de atenção especial
Medicamentos de atenção especial
Arquivo-FClinico
 
Refluxo gastroesofágico - MS
Refluxo gastroesofágico - MSRefluxo gastroesofágico - MS
Refluxo gastroesofágico - MS
Arquivo-FClinico
 
Ebola Ministério da Saúde
Ebola Ministério da SaúdeEbola Ministério da Saúde
Ebola Ministério da Saúde
Arquivo-FClinico
 
Diretriz de diagnóstico e tratamento das lombalgias e lombociatalgias 2001
Diretriz de diagnóstico e tratamento das lombalgias e lombociatalgias 2001Diretriz de diagnóstico e tratamento das lombalgias e lombociatalgias 2001
Diretriz de diagnóstico e tratamento das lombalgias e lombociatalgias 2001
Arquivo-FClinico
 
Doença do refluxo gastroesofágico
Doença do refluxo gastroesofágicoDoença do refluxo gastroesofágico
Doença do refluxo gastroesofágico
Marcelo Soli
 
Disfunções da coluna(1)
Disfunções da coluna(1)Disfunções da coluna(1)
Disfunções da coluna(1)
Rosely Mota
 
Dor lombar e dor irradiada para a perna
Dor lombar e dor irradiada para a pernaDor lombar e dor irradiada para a perna
Dor lombar e dor irradiada para a perna
pauloalambert
 
Dor lombar e dor irradiada para a perna
Dor lombar e dor irradiada para a pernaDor lombar e dor irradiada para a perna
Dor lombar e dor irradiada para a perna
pauloalambert
 

Destaque (8)

Medicamentos de atenção especial
Medicamentos de atenção especialMedicamentos de atenção especial
Medicamentos de atenção especial
 
Refluxo gastroesofágico - MS
Refluxo gastroesofágico - MSRefluxo gastroesofágico - MS
Refluxo gastroesofágico - MS
 
Ebola Ministério da Saúde
Ebola Ministério da SaúdeEbola Ministério da Saúde
Ebola Ministério da Saúde
 
Diretriz de diagnóstico e tratamento das lombalgias e lombociatalgias 2001
Diretriz de diagnóstico e tratamento das lombalgias e lombociatalgias 2001Diretriz de diagnóstico e tratamento das lombalgias e lombociatalgias 2001
Diretriz de diagnóstico e tratamento das lombalgias e lombociatalgias 2001
 
Doença do refluxo gastroesofágico
Doença do refluxo gastroesofágicoDoença do refluxo gastroesofágico
Doença do refluxo gastroesofágico
 
Disfunções da coluna(1)
Disfunções da coluna(1)Disfunções da coluna(1)
Disfunções da coluna(1)
 
Dor lombar e dor irradiada para a perna
Dor lombar e dor irradiada para a pernaDor lombar e dor irradiada para a perna
Dor lombar e dor irradiada para a perna
 
Dor lombar e dor irradiada para a perna
Dor lombar e dor irradiada para a pernaDor lombar e dor irradiada para a perna
Dor lombar e dor irradiada para a perna
 

Semelhante a Osteoporose -MS

Prevenção da osteoporose
Prevenção da osteoporosePrevenção da osteoporose
Prevenção da osteoporose
Van Der Häägen Brazil
 
BANNER - O uso irracional do Omeprazol
BANNER - O uso irracional do OmeprazolBANNER - O uso irracional do Omeprazol
BANNER - O uso irracional do Omeprazol
Enfº Ícaro Araújo
 
Café científico 2011 - 03.07.11
Café científico   2011 - 03.07.11Café científico   2011 - 03.07.11
Café científico 2011 - 03.07.11
itgfiles
 
VISÃO DO ESPECIALISTA TENOXICAM
VISÃO DO ESPECIALISTA TENOXICAMVISÃO DO ESPECIALISTA TENOXICAM
VISÃO DO ESPECIALISTA TENOXICAM
uniaoquimica
 
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonaisBenefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
Luana Ortencio
 
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonaisBenefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
febrasgo
 
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonaisBenefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
Larissa Hipólito
 
Osteogênese Imperfeita
Osteogênese ImperfeitaOsteogênese Imperfeita
Aula interação estrutural 2013
Aula interação estrutural 2013Aula interação estrutural 2013
Aula interação estrutural 2013
Guilherme Terra
 
Hormônio de crescimento (GH) na prevenção e tratamento da Osteoporose
Hormônio de crescimento (GH) na prevenção e tratamento da OsteoporoseHormônio de crescimento (GH) na prevenção e tratamento da Osteoporose
Hormônio de crescimento (GH) na prevenção e tratamento da Osteoporose
Clínica Higashi
 
PCDT M.S - Osteoporose
PCDT M.S - OsteoporosePCDT M.S - Osteoporose
PCDT M.S - Osteoporose
ANAPAR
 
Osteoartrose Na Terceira Idade
Osteoartrose Na Terceira IdadeOsteoartrose Na Terceira Idade
Osteoartrose Na Terceira Idade
Aillyn F. Bianchi, Faculdade de Medicina - UNIC
 
Slide Farmáco
Slide Farmáco Slide Farmáco
Slide Farmáco
AnaCarolineFerreiraB
 
Receitas defenda seus ossos
Receitas defenda seus ossosReceitas defenda seus ossos
Receitas defenda seus ossos
barbiebruxadoleste
 
PCDT M.S Espondilose
PCDT M.S EspondilosePCDT M.S Espondilose
PCDT M.S Espondilose
ANAPAR
 
PCDT Espondilose
PCDT EspondilosePCDT Espondilose
PCDT Espondilose
Priscila Torres
 
Climatério, Menopausa e Osteoporose
Climatério, Menopausa e OsteoporoseClimatério, Menopausa e Osteoporose
Climatério, Menopausa e Osteoporose
João Paulo França
 
Bula anastrozol paciente
Bula anastrozol pacienteBula anastrozol paciente
Bula anastrozol paciente
FazfarmaNet
 
Terapêutica Farmacológica da Osteoporose pós-menopáusica
Terapêutica Farmacológica da Osteoporose pós-menopáusicaTerapêutica Farmacológica da Osteoporose pós-menopáusica
Terapêutica Farmacológica da Osteoporose pós-menopáusica
Lénise Parreira
 
Boletim informativo
Boletim informativoBoletim informativo
Boletim informativo
Cim UniSantos
 

Semelhante a Osteoporose -MS (20)

Prevenção da osteoporose
Prevenção da osteoporosePrevenção da osteoporose
Prevenção da osteoporose
 
BANNER - O uso irracional do Omeprazol
BANNER - O uso irracional do OmeprazolBANNER - O uso irracional do Omeprazol
BANNER - O uso irracional do Omeprazol
 
Café científico 2011 - 03.07.11
Café científico   2011 - 03.07.11Café científico   2011 - 03.07.11
Café científico 2011 - 03.07.11
 
VISÃO DO ESPECIALISTA TENOXICAM
VISÃO DO ESPECIALISTA TENOXICAMVISÃO DO ESPECIALISTA TENOXICAM
VISÃO DO ESPECIALISTA TENOXICAM
 
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonaisBenefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
 
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonaisBenefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
 
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonaisBenefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
Benefícios não contraceptivos dos anticoncepcionais hormonais
 
Osteogênese Imperfeita
Osteogênese ImperfeitaOsteogênese Imperfeita
Osteogênese Imperfeita
 
Aula interação estrutural 2013
Aula interação estrutural 2013Aula interação estrutural 2013
Aula interação estrutural 2013
 
Hormônio de crescimento (GH) na prevenção e tratamento da Osteoporose
Hormônio de crescimento (GH) na prevenção e tratamento da OsteoporoseHormônio de crescimento (GH) na prevenção e tratamento da Osteoporose
Hormônio de crescimento (GH) na prevenção e tratamento da Osteoporose
 
PCDT M.S - Osteoporose
PCDT M.S - OsteoporosePCDT M.S - Osteoporose
PCDT M.S - Osteoporose
 
Osteoartrose Na Terceira Idade
Osteoartrose Na Terceira IdadeOsteoartrose Na Terceira Idade
Osteoartrose Na Terceira Idade
 
Slide Farmáco
Slide Farmáco Slide Farmáco
Slide Farmáco
 
Receitas defenda seus ossos
Receitas defenda seus ossosReceitas defenda seus ossos
Receitas defenda seus ossos
 
PCDT M.S Espondilose
PCDT M.S EspondilosePCDT M.S Espondilose
PCDT M.S Espondilose
 
PCDT Espondilose
PCDT EspondilosePCDT Espondilose
PCDT Espondilose
 
Climatério, Menopausa e Osteoporose
Climatério, Menopausa e OsteoporoseClimatério, Menopausa e Osteoporose
Climatério, Menopausa e Osteoporose
 
Bula anastrozol paciente
Bula anastrozol pacienteBula anastrozol paciente
Bula anastrozol paciente
 
Terapêutica Farmacológica da Osteoporose pós-menopáusica
Terapêutica Farmacológica da Osteoporose pós-menopáusicaTerapêutica Farmacológica da Osteoporose pós-menopáusica
Terapêutica Farmacológica da Osteoporose pós-menopáusica
 
Boletim informativo
Boletim informativoBoletim informativo
Boletim informativo
 

Mais de Arquivo-FClinico

Diretrizes brasileiras de diabetes 2013/2014
Diretrizes brasileiras de diabetes 2013/2014Diretrizes brasileiras de diabetes 2013/2014
Diretrizes brasileiras de diabetes 2013/2014
Arquivo-FClinico
 
Armazenamento e descarte de medicamentos e materiais
Armazenamento e descarte de medicamentos e materiaisArmazenamento e descarte de medicamentos e materiais
Armazenamento e descarte de medicamentos e materiais
Arquivo-FClinico
 
Farmacovigilância - Hospital Sírio Libanês
Farmacovigilância - Hospital Sírio LibanêsFarmacovigilância - Hospital Sírio Libanês
Farmacovigilância - Hospital Sírio Libanês
Arquivo-FClinico
 
Barreiras de segurança no processo de medicação unidade internação
Barreiras de segurança no processo de medicação   unidade internaçãoBarreiras de segurança no processo de medicação   unidade internação
Barreiras de segurança no processo de medicação unidade internação
Arquivo-FClinico
 
Busca ativa de reações adversas a medicamentos ram
Busca ativa de reações adversas a medicamentos   ramBusca ativa de reações adversas a medicamentos   ram
Busca ativa de reações adversas a medicamentos ram
Arquivo-FClinico
 
Avaliação de prescrição e protocolos de tratamento oncológico
Avaliação de prescrição e protocolos de tratamento oncológicoAvaliação de prescrição e protocolos de tratamento oncológico
Avaliação de prescrição e protocolos de tratamento oncológico
Arquivo-FClinico
 
Cristalóides e colóides na prática clínica
Cristalóides e colóides na prática clínicaCristalóides e colóides na prática clínica
Cristalóides e colóides na prática clínica
Arquivo-FClinico
 
Nomes de medicamentos semelhantes na pronúncia ou na escrita
Nomes de medicamentos semelhantes na pronúncia ou na escritaNomes de medicamentos semelhantes na pronúncia ou na escrita
Nomes de medicamentos semelhantes na pronúncia ou na escrita
Arquivo-FClinico
 
Fluxo de medicamentos da farmácia oncológica
Fluxo de medicamentos da farmácia oncológicaFluxo de medicamentos da farmácia oncológica
Fluxo de medicamentos da farmácia oncológica
Arquivo-FClinico
 
Antidepressivos brats 2012
Antidepressivos brats 2012Antidepressivos brats 2012
Antidepressivos brats 2012
Arquivo-FClinico
 
Osteoporose
OsteoporoseOsteoporose
Osteoporose
Arquivo-FClinico
 
Hipertensão arterial - MS
Hipertensão arterial - MSHipertensão arterial - MS
Hipertensão arterial - MS
Arquivo-FClinico
 
Hipertensão arterial referencias - MS
Hipertensão arterial referencias - MSHipertensão arterial referencias - MS
Hipertensão arterial referencias - MS
Arquivo-FClinico
 
Glaucoma - MS
Glaucoma - MSGlaucoma - MS
Glaucoma - MS
Arquivo-FClinico
 
Epilepsia - MS
Epilepsia - MSEpilepsia - MS
Epilepsia - MS
Arquivo-FClinico
 
Epilepsia referencias - MS
Epilepsia referencias - MSEpilepsia referencias - MS
Epilepsia referencias - MS
Arquivo-FClinico
 
Dislipidemia - MS
Dislipidemia - MSDislipidemia - MS
Dislipidemia - MS
Arquivo-FClinico
 
Dislipidemia referencias - MS
Dislipidemia referencias - MSDislipidemia referencias - MS
Dislipidemia referencias - MS
Arquivo-FClinico
 
Disfunção erétil - MS
Disfunção erétil - MSDisfunção erétil - MS
Disfunção erétil - MS
Arquivo-FClinico
 
Disfunção erétil referências - MS
Disfunção erétil referências - MSDisfunção erétil referências - MS
Disfunção erétil referências - MS
Arquivo-FClinico
 

Mais de Arquivo-FClinico (20)

Diretrizes brasileiras de diabetes 2013/2014
Diretrizes brasileiras de diabetes 2013/2014Diretrizes brasileiras de diabetes 2013/2014
Diretrizes brasileiras de diabetes 2013/2014
 
Armazenamento e descarte de medicamentos e materiais
Armazenamento e descarte de medicamentos e materiaisArmazenamento e descarte de medicamentos e materiais
Armazenamento e descarte de medicamentos e materiais
 
Farmacovigilância - Hospital Sírio Libanês
Farmacovigilância - Hospital Sírio LibanêsFarmacovigilância - Hospital Sírio Libanês
Farmacovigilância - Hospital Sírio Libanês
 
Barreiras de segurança no processo de medicação unidade internação
Barreiras de segurança no processo de medicação   unidade internaçãoBarreiras de segurança no processo de medicação   unidade internação
Barreiras de segurança no processo de medicação unidade internação
 
Busca ativa de reações adversas a medicamentos ram
Busca ativa de reações adversas a medicamentos   ramBusca ativa de reações adversas a medicamentos   ram
Busca ativa de reações adversas a medicamentos ram
 
Avaliação de prescrição e protocolos de tratamento oncológico
Avaliação de prescrição e protocolos de tratamento oncológicoAvaliação de prescrição e protocolos de tratamento oncológico
Avaliação de prescrição e protocolos de tratamento oncológico
 
Cristalóides e colóides na prática clínica
Cristalóides e colóides na prática clínicaCristalóides e colóides na prática clínica
Cristalóides e colóides na prática clínica
 
Nomes de medicamentos semelhantes na pronúncia ou na escrita
Nomes de medicamentos semelhantes na pronúncia ou na escritaNomes de medicamentos semelhantes na pronúncia ou na escrita
Nomes de medicamentos semelhantes na pronúncia ou na escrita
 
Fluxo de medicamentos da farmácia oncológica
Fluxo de medicamentos da farmácia oncológicaFluxo de medicamentos da farmácia oncológica
Fluxo de medicamentos da farmácia oncológica
 
Antidepressivos brats 2012
Antidepressivos brats 2012Antidepressivos brats 2012
Antidepressivos brats 2012
 
Osteoporose
OsteoporoseOsteoporose
Osteoporose
 
Hipertensão arterial - MS
Hipertensão arterial - MSHipertensão arterial - MS
Hipertensão arterial - MS
 
Hipertensão arterial referencias - MS
Hipertensão arterial referencias - MSHipertensão arterial referencias - MS
Hipertensão arterial referencias - MS
 
Glaucoma - MS
Glaucoma - MSGlaucoma - MS
Glaucoma - MS
 
Epilepsia - MS
Epilepsia - MSEpilepsia - MS
Epilepsia - MS
 
Epilepsia referencias - MS
Epilepsia referencias - MSEpilepsia referencias - MS
Epilepsia referencias - MS
 
Dislipidemia - MS
Dislipidemia - MSDislipidemia - MS
Dislipidemia - MS
 
Dislipidemia referencias - MS
Dislipidemia referencias - MSDislipidemia referencias - MS
Dislipidemia referencias - MS
 
Disfunção erétil - MS
Disfunção erétil - MSDisfunção erétil - MS
Disfunção erétil - MS
 
Disfunção erétil referências - MS
Disfunção erétil referências - MSDisfunção erétil referências - MS
Disfunção erétil referências - MS
 

Osteoporose -MS

  • 1. Saúde ANO I – EDIÇÃO Nº 1 AGOSTO, 2009 Osteoporose Apresentação O Informe Saúde e Economia tem como objetivo auxiliar a tomada de decisão quando existe mais de uma opção terapêutica para o tratamento de uma mesma patologia, em especial quando não há comprovação de superioridade terapêutica entre os medicamentos. Este informe foi desenvolvido para trazer informações atualizadas, constantes na literatura médica, de forma resumida e de fácil compreensão. Além de trazer informações sobre os medicamentos avaliados, o informe fornece uma análise comparativa da eficácia, segurança e custos entres as opções terapêuticas abordadas. Cada edição do Informe tratará de uma patologia diferente. A análise dos custos, além de mostrar as diferenças entre as diversas opções terapêuticas, também mostrará a diferença de custos entre a escolha do medicamento de referência e a do medicamento genérico. As informações constantes em cada Edição serão valiosas para gestores e profissionais de saúde na avaliação das diversas opções terapêuticas. Nessa primeira edição o tema abordado é a osteoporose e o uso de bifosfonatos para o seu tratamento. Boa leitura! A doença após a ocorrência da primeira, exis- A osteoporose é uma doença silenciosa até ser complicada por fraturas, que podem ocorrer após um trauma mínimo. É caracterizada por perda da massa, deterioração do tecido, desarranjo da arquitetura e comprometimento da força óssea com aumento no risco de fratura. Mais de 1/3 das mulheres adultas terão uma ou mais fraturas causadas por osteoporose1. nuir o risco de novas. Essa doença pode ser prevenida, diagnosticada e tratada antes que ocorra qualquer fratura e, mesmo tem tratamentos efetivos para dimi- Fraturas e suas complicações são as sequelas clinicamente relevantes da osteoporose, mais comuns nas vérte- bras, fêmur proximal e pulso. Grande parte das fraturas resultantes da osteoporose produz mudanças esqueléticas, como deformações e diminuição da estatura, com um componente doloroso importante, que podem levar à invalidez e até à morte. Recomendações para os pacientes: Várias intervenções para reduzir o risco de fraturas são recomendadas para a população em geral. Essas incluem ingestão adequada de cálcio (≥1200mg ao dia) e vitamina D, atividade física regular, evitar o uso de tabaco, identificação e tratamento de alcoolismo e tratamento de outros fatores de risco para fratura. SAÚDE E ECONOMIA | OSTEOPOROSE 1
  • 2. Tratamentos São considerados os seguintes tratamentos farmacológicos para osteoporose: cálcio, vitamina D, calcitonina, bifosfonatos, raloxifeno e paratormônio. Os bifosfonatos constituem o tratamento de escolha devido à eficácia comprovada em redução da incidência de fraturas, aumento da densidade mineral óssea (DMO), normalização do turnover ósseo a níveis pré-menopausa e manutenção da microarquitetura óssea. Fazem parte dessa classe de medicamentos: alendronato, risedronato e ibandronato. Turnover ósseo Avalia se a degradação do osso está sendo maior do que sua construção. Algumas recomendações para maximizar absorção e minimizar o risco de efeitos adversos esofágicos dos bifosfonatos são: não administrar a pacientes com doença ativa no 2 SAÚDE E ECONOMIA | OSTEOPOROSE trato gastrointestinal superior; descontinuar naqueles que desenvolverem sintomas de esofagite; ingerir o medicamento ao acordar, antes de qualquer alimento, com ao menos 240mL de água. Após sua administração, o paciente não deve ingerir comida, bebida e medicações por pelo menos 30 minutos. Alendronato É efetivo tanto para o tratamento quanto para a prevenção de osteoporose em mulheres pós-menopausa. Não há consenso sobre quando começar a tratar a osteoporose de forma preventiva. Entretanto, considera-se adequado iniciar o tratamento preventivo em pessoas com osteopenia e que possuam um ou mais fatores de risco (fratura prévia, idade, tendência à queda). Ensaios clínicos demonstraram que o alendronato aumenta a DMO e diminui o risco de fraturas osteoporóticas. A boa supressão do turnover ósseo e o aumento na DMO com efeitos adversos mínimos são alcançados com a dose de 10mg/dia, tratamento bem tolerado e efetivo por pelo menos 10 anos de utilização2,3. Os bifosfonatos devem ser tomados com estômago vazio para obtenção da absorção máxima. Uma meta-análise mostrou que o uso do alendronato diminuiu em 50% o risco de fraturas vertebrais e não-vertebrais em pacientes com osteoporose estabelecida4. Atualmente não há consenso sobre quanto tempo se deve dar continuidade a essa terapia. Entretanto, para mulheres que não apresentam alto risco de fraturas, a interrupção da terapia após 5 anos pode ser razoável, pois há evidências de benefício contínuo por 5 anos a partir da interrupção. Quando o é alendronato administrado de forma preventiva, o efeito protetor cessa com a interrupção da terapia. Isto foi ilustrado no estudo FLEX.5 Risedronato Aumenta a DMO, reduz o risco de fratura e é bem tolerado em mulheres pós-menopausa com osteoporose. O estudo VERT6 mostrou que o
  • 3. uso do risedronato levou à diminuição do risco de ocorrência de fraturas vertebrais e não-vertebrais em 41% e 39%, respectivamente. Uma meta-análise confirmou a redução do risco de fratura em mulheres pósmenopausa e em mulheres com osteoporose estabelecida7. Risedronato é efetivo e bem tolerado por mais de 7 anos. Ao descontinuar o seu uso, os efeitos benéficos na DMO e no turnover de marcadores ósseos parecem reverter completamente dentro de 1 ano, como reportado na extensão do ensaio VERT8. não-vertebral como desfecho principal para o ibandronato intravenoso. Na falta de dados consistentes de ensaios clínicos que demonstrem que o ibandronato reduz fratura de quadril, o risedronato e o alendronato continuam sendo tratamentos de primeira escolha. Alendronato X Risedronato X Ibandronato É comercializado em formulação oral administrada mensalmente e formulação intravenosa, administrada a cada 3 meses. A formulação intravenosa é uma opção alternativa para pacientes que não toleram bifosfonatos orais ou que têm dificuldade em cumprir o regime posológico. Alendronato e risedronato foram comparados em um ensaio clínico e em estudos observacionais. No ensaio clínico, o uso de alendronato mostrou um maior aumento da DMO em relação ao risedronato em todos os ossos avaliados após 24 meses. Entretanto, não houve diferença na incidência de fratura, que foi reportada apenas como evento adverso. Por isso, apesar de alendronato ter maior efeito na DMO quando comparado ao risedronato, a relevância clínica desse achado não é clara10. O ibandronato aumenta a DMO e reduz o número de fraturas vertebrais. Metanálise com ibandronato, na qual dados de fratura foram medidos como eventos adversos, mostra redução em fraturas não-vertebrais com maiores doses de ibandronato (dados globais para 2 ou 3 mg a cada 2 ou 3 meses)9. Entretanto, não há dados diretos que avaliem fratura O estudo PERSIST11 comparou a aderência ao tratamento e perfil de efeitos adversos entre o alendronato semanal e o ibandronato mensal. Com relação à segurança, a proporção de pacientes nos dois grupos que tiveram pelo menos 1 evento adverso, foi similar. A maior parte dos efeitos adversos foi de intensidade leve ou moderada. Os ensaios Ibandronato Consulte seu médico e Sempre confira os preços dos medicamentos no site da ANVISA. Acesse: http://www.anvisa.gov.br/ monitora/cmed/legis/comunicados/ lista_conformidade.pdf. clínicos Balto I e II12,13 também avaliaram a comodidade e o perfil de efeitos adversos do alendronato em comparação ao ibandronato. Os resultados obtidos foram semelhantes aos do PERSIST. Nenhum estudo fez uma análise de eficácia comparativa entre esses dois medicamentos. Portanto, de acordo com as evidências científicas disponíveis até o momento, não há diferença de eficácia e segurança entre esses medicamentos. A tabela faz um sumário das indicações e posologias dos medicamentos. Medicamento Indicação Via Posologia Alendronato Tratamento de osteoporose de mulheres pós-menopausa com osteoporose para prevenir fraturas, inclusive as de quadril e de coluna. É indicado para o tratamento da osteoporose de homens para prevenir fraturas. Oral 10mg/dia ou 70mg/semana Risedronato Tratamento e prevenção da osteoporose em mulheres no período pósmenopausa. É indicado para aumentar a massa óssea nos homens e mulheres que estejam em tratamento com corticóide sistêmico a longo prazo. Oral 5mg/dia ou 35mg/semana Ibandronato Tratamento da osteoporose pós-menopausa para reduzir o risco de fraturas vertebrais. Em um subgrupo de pacientes de risco, o ibandronato mostrou reduzir o risco de fraturas não vertebrais. Intravenosa ou oral 3mg/3meses ou 150mg/mês SAÚDE E ECONOMIA | OSTEOPOROSE 3
  • 4. Custos mensais de tratamento 50 100 150 200 R$/mês R$ 54,50 R$ 149,57 R$ 194,06 ALENDRONATO genérico alendronato referência risendronato R$ 113,86 Conforme já discutido neste Informe, não há evidência de superioridade de eficácia clínica entre as opções terapêuticas citadas para o tratamento da osteoporose. Contudo, verifica-se que os preços dos medicamentos indicados para essa patologia variam bastante, o que implica em custos de tratamento mensais bem diferentes. Os dados a seguir mostram claramente os diferentes preços de cada um dos medicamentos, inclusive do medicamento genérico da substância alendronato. Ao se analisar a figura do termômetro, observa-se que há uma diferença de cerca de 256% entre o custo de tratamento mensal com o medicamento mais barato, no caso, o medicamento genérico, e o custo de tratamento mensal com o medicamento mais oneroso, no caso, o Actonel (Risendronato). R$ 161,76 ibandronato injetável ibandronato oral BONVIVA INJETÁVEL (IBANDRONATO) • Apresentação: 3 MG SOL INJ CT 1 SER PREENCH VD INC X 3 ML • Preço máximo ao consumidor (ICMS 18%): R$ 341,59 • Posologia: 1mg/mês • Custo tratamento mensal: R$ 113,86 FOSAMAX (ALENDRONATO) • Apresentação: 70 MG CX. 1 BL X 4 CPD • Preço máximo ao consumidor (ICMS 18%): R$ 149,57 • Posologia: 70 mg/semana • Custo tratamento mensal: R$ 149,57 BONVIVA ORAL (IBANDRONATO) • Apresentação: 150 MG COM REV CT BL ALU/ALU X 1 • Preço máximo ao consumidor (ICMS 18%): R$ 161,76 • Posologia: 150 mg/mês • Custo tratamento mensal: R$ 161,76 ALENDRONATO Genérico Genérico mais barato do mercado ACTONEL (RISENDRONATO) • Apresentação: 70 MG COM CT BL AL PLAS INC X 5 • Preço máximo ao consumidor (ICMS 18%): R$ 68,13 • Posologia: 70 mg/semana • Custo tratamento mensal: R$ 54,50 • Apresentação: 5 MG COM REV 2 BL AL PVC OPC X 14 • Preço máximo ao consumidor (ICMS 18%): R$ 181,12 • Posologia: 150mg/mês • Custo tratamento mensal: R$ 194,06 Referências Bibliográficas: As referências bibliográficas referentes a este informe podem ser encontradas no site: http://anvisa.gov.br. SAÚDE E ECONOMIA ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária NUREM – Núcleo de Assessoramento Econômico em Regulação GERAE – Gerência de Avaliação Econômica de Novas Tecnologias Endereço: SIA, Trecho 5, Área Especial 57, 71.205-050, Brasília/DF E-mail para contato: saúde.economia@anvisa.gov.br 4 SAÚDE E ECONOMIA | OSTEOPOROSE Texto e pesquisa: Fernanda Maciel Rebelo e Symone Oliveira Lima. Revisão do texto: Giselle Silva Pereira Calais, Gustavo Cunha Garcia, Renata Faria Pereira e Telma Rodrigues Caldeira. Coordenação da publicação: Alexandre Lemgruber P. d’Oliveira. Projeto gráfico e diagramação: Grifo Design.
  • 5. Referências Bibliográficas 1. London New Drugs Group. Comparison of bisphosphonates and strontium ranelate for osteoporosis. APC/DTC Briefing Document; May, 2007. 2. Liberman UA, Weiss SR, Broll J et al. Effect of oral alendronate on bone mineral density and the incidence of fractures in postmenopausal Africanamerican woman. New England Journal of Medicine, 1995; 333: 1437-44. 3. Chesnut CH, McClung MR, Ensrud KE et al. Alendronate treatment of postmenopausal osteoporotic woman: effect of multiple dosages on bone mass and bone remodeling. American Journal of Medicine, 1995; 99: 144-52. 4. Cranney A, Wells G, Willan A et al. Meta-analyses of therapies for pósmenopausal women. Endocrine Reviews, 2002; 23: 508-16. 5. Black DM, Schwartz AV, Ensrud KR et al. Effects of continuing or stopping alendronate after 5 years of treatment: the Fracture Intervention Trial Longnterm Extension (FLEX): a randomized trial. Journal of the American Medical Association, 2006; 296:2927-38. 6. Harris ST, Watts NB, Genant HK et al. Effects of risedronate treatment on vertebral and non-vertebral fractures in women with postmenopausal osteoporosis: a randomized controlled trial. Vertebral Efficacy with Risedronate Therapy Study Group. Journal of American Medical Association, 1999; 282: 1344-52. 7. Cranney A, Tugwell P, Adachi J et al. Meta-analysis of risedronate treatment on vertebral and non-vertebral fractures in women with postmenopausal osteoporosis. Endocrine Reviews, 2002; 23: 517-23. 8. Reginster J, MinneHW, Sorensen OH et al. Randomized trial of the effects of risedronate on vertebral fractures in women with established postmenopausal osteoporosis. Vertebral Efficacy with Risedronate Therapy Study Group. Osteoporosis International, 2000; 11: 83- 91. 9. Harris ST, Blumentals WA, Miller PD. Ibandronate and the risk of non-vertebral and clinical fractures in women with postmenopausal osteoporosis: results of a meta-analysis of phase III studies. Current Medical Research and Opinion, 2008, 24: 237-45. 10. Bonnick S, Saag KG, Kiel DP et al. Comparison of weekly treatment of postmenopausalosteoporosis with alendronate versus risedronate over two years. Journal of Clinical Endocrinology and Metabolism, 2006; 91:2631-37. 11. Cooper A, Drake J, Brankin E et al. Treatment persistence with once-monthly ibandronate and patient support vs. once-weekly alendronate: results from the PERSIST study. International Journal of Clinical Practice, 2006; 60: 896-905. 12. Emkey R, Koltun W, Beusterien K, Seidman L, Kivitz A et al. Patient preference for once-monthly ibandronate versus one-weekly alendronate in a randomized, open-label, cross-over trial: the Boniva Alendronate Trial in Osteoporosis (BALTO). Current Medical Research and Opinion, 2005;21 (2): 1895 – 1903 13. BALTO II Clinical Study Report, MA17844(RR1020118)